Găsiți următorul dvs. carte preferat

Deveniți un membru astăzi și citiți gratuit pentru 30 zile
Jogos de Vingança

Jogos de Vingança

Citiți previzualizarea

Jogos de Vingança

evaluări:
2/5 (1 evaluare)
Lungime:
248 pages
3 hours
Editor:
Lansat:
Nov 10, 2018
ISBN:
9781386973164
Format:
Carte

Descriere

Caleb Ryan foi o único homem que amei. O único cara que até mesmo reconheceu minha existência quando estávamos juntos no ensino médio. Mas então ele me traiu ...

Passei anos tentando superar o que ele havia feito comigo, aperfeiçoando meu ódio até estar afiado como uma faca. Agora eu finalmente tenho a chance de me vingar. Ele nem vai ver isso chegando. Eu pretendo me livrar dele, não importa o que for preciso.

O único problema é que preciso dele para atingir outro objetivo. Quer eu goste ou não, vamos ter que trabalhar juntos. Mas ainda pretendo fazê-lo pagar.

Editor:
Lansat:
Nov 10, 2018
ISBN:
9781386973164
Format:
Carte

Despre autor

Sky Corgan is a USA Today bestselling author. She lives in Texas where the sun is hot and the men are hotter. When she's not typing away at her next steamy romance novel, she enjoys hanging out with friends and planning vacations. You can get a FREE Sky Corgan book and stay up to date on her latest releases by signing up for her newsletter here: http://www.subscribepage.com/SkyCorgan


Legat de Jogos de Vingança

Citiți mai multe de la Sky Corgan
Cărți conex

Previzualizare carte

Jogos de Vingança - Sky Corgan

WILLOW

Esta série é dedicada a qualquer um que já tenha lutado com seu peso e seus sentimentos de auto-estima por causa disso.

CAPÍTULO UM

WILLOW

Estou finalmente livre!

Danço entre as caixas e móveis espalhados por todo o meu novo apartamento.

Livre dos meus pais. Livre dos meus irmãos irritantes. Livre do pequeno bairro de merda em que eu vivia. Livre da acumulação da minha mãe. Livre do meu passado - da garota patética e desesperada que eu costumava ser.

Bem-vinda à sua nova vida, Willow Stroop, digo a mim mesma enquanto dou um salto voador na minha cama. As molas rangem em desafio, e os odores pútridos de mofo e comida podre e poeira de minhas condições de vida anteriores flutuam em uma nuvem invisível para atacar minhas narinas. Eu me afasto disso.

Vou ter que arejar você, digo para o colchão. Eu vou ter que arejar todos vocês. Meu olhar abrange as caixas na sala. Espero que algumas dezenas de velas se livrem do fedor da minha vida anterior. O novo cheiro de tinta no meu apartamento certamente ajuda.

Eu me abraço, um enorme sorriso estampado no meu rosto enquanto eu rolo e salto de excitação. Não me lembro da última vez que fiquei tão feliz. Deve ter sido há muito tempo, antes que eu soubesse o quão cruel o mundo pode ser - antes que eu percebesse que minha infância não era normal - que eu não era normal.

Tudo isso está atrás de mim agora. Eu não quero mais pensar nisso. É por isso que me mudei para cá, para começar de novo como se nada disso existisse. Ninguém aqui conhece a Willow Stroop que cresceu em Marfa, no Texas. San Antonio é uma cidade tão grande que as chances de encontrar alguém do meu passado são uma em um milhão. As pessoas aqui vão poder ver quem eu sou, não quem eu era.

Só de pensar nas possibilidades de novas amizades e, acima de tudo, novos interesses amorosos, faz meu peito parecer cheio de bolhas. Estou tão excitada. Oh meu Deus, tudo é tão perfeito. A vida é incrível e maravilhosa e... eu simplesmente não posso me conter.

Deixo a felicidade fluir através de mim, um sentimento que não estou muito acostumada. Talvez seja por isso que é tão intenso. Meu corpo está formigando com a sobrecarga de emoções agradáveis.

Eu praticamente me lanço da minha cama para desembalar minhas coisas essenciais. Então eu começo com menos do que o essencial. Enquanto guardo minhas panelas e frigideiras, tenho a brilhante ideia de fazer biscoitos para os meus vizinhos. Eu sei que é uma tradição antiga que praticamente desapareceu, e no passado, as pessoas cozinhavam para a nova pessoa na vizinhança, mas eu quero estar em bons termos com todos os meus vizinhos. Mesmo se morarmos em um complexo de apartamentos, teremos que nos ver eventualmente. E além disso, eu realmente quero começar a fazer amigos. Eu vi muitos shows onde os vizinhos de apartamento se tornam amigos. Eu quero aquilo. Eu quero que minha vida seja perfeita, assim como todos os programas de TV e filmes que assisti quando era mais jovem.

Corro para o General Dollar local e pego apenas o que eu preciso para fazer biscoitos. Eu vou fazer minhas grandes compras amanhã. Será muito mais barato ir a um dos grandes supermercados, onde posso usar todos os cupons que estive recortando. Mas esta noite, eu realmente não tenho energia para andar por longos corredores e atravessar um mar de pessoas.

Não tenho energia suficiente para fazer isso, mas tenho energia suficiente para fazer biscoitos, eu penso comigo mesma com um sorriso meio atravessado. Eu ainda sou um pouco estranha, suponho. Minhas prioridades são todas estragadas, mas eu estou indo nessa só para esta noite.

Volto para o meu apartamento e faço um lote rápido de biscoitos de chocolate caseiros. É a receita da minha mãe, o que significa que há toneladas de manteiga e açúcar. Espero que não sejam muito ricos para os meus vizinhos. Claro que não vou tocá-los. Eu estou em uma dieta incrivelmente rigorosa, e já alcancei meu limite de calorias para o dia. Além disso, eu propositadamente fiz a receita da minha mãe para que eu não ficasse tentada. Eu me lembro do que comer esses biscoitos fizeram comigo no passado, e eu não irei lá novamente.

Enquanto espero que os biscoitos assem e esfriem, desembalo mais algumas caixas. Realmente não há muita coisa. Eu trouxe o mínimo porque pretendo lentamente substituir tudo. Mas eu não poderia sair de casa sem o básico, só porque não posso me dar ao luxo de substituir tudo de uma só vez. Eventualmente, não haverá nenhum traço de quem eu era ou de onde eu vim. Todas essas coisas que eu trouxe comigo serão doadas para caridade, e não terei mais lembranças desagradáveis ​​da minha vida anterior.

Meu humor diminui um pouco quando penso no quanto estou tentando escapar. Faz sentido, no entanto. Qualquer um que viesse da mesma estrutura faria exatamente a mesma coisa. Ou talvez não fizessem. Meus irmãos parecem contentes em ficar em casa e continuar na miséria, na imundície e em hábitos não saudáveis. Mas eu não sou assim. Isso nunca mais será eu.

Coloco uma dúzia de biscoitos em um prato de papel com um porta-prato de plástico embaixo, franzindo a testa para como isso parece barato. Então minha carranca se aprofunda ao perceber que talvez eu não consiga pegar o porta-prato de volta. Eu deveria ter comprado alguns pratos de papel grossos, duráveis ​​enquanto eu estava no Dollar General, mas eu não estava pensando muito à frente. O fato de que eu estou me preocupando com isso é um testemunho de como sou barata, como sou pobre. Espero que não seja assim por muito tempo.

Inspiro profundamente, tentando me convencer de que não é importante enquanto coloco filme plástico sobre os biscoitos. Então grudo um sorriso quando saio para me apresentar aos vizinhos à direita da minha unidade. Eu aliso a frente do vestido preto que estou usando antes de bater na porta. Fico lá por vários minutos, ouvindo sinais de vida dentro do apartamento. Não demorou muito para eu perceber que não há ninguém em casa, então me mudo para o apartamento à minha esquerda. Desta vez, quando eu bato, ouço passos se aproximando. Eles param na porta e eu mudo meu peso, tentando parecer amigável. Alguns segundos depois, ouço os passos recuando. Fico lá por três minutos antes de perceber que as pessoas dentro não vão atender a porta. A euforia que sentia rapidamente começa a se esvair. Talvez fazer amizade com meus vizinhos não seja tão fácil quanto eu pensava.

Olho para o apartamento em frente ao meu, imaginando se deveria incomodar. Não tenho certeza porque estou tão surpresa com o resultado até agora. Eu estou na cidade grande agora. As coisas não são as mesmas das pequenas cidades. As pessoas são mais cautelosas ou não querem ser incomodadas. Talvez até pensem que eu sou uma vendedora. Resumidamente, eu considero tentar bater de novo e anunciar que sou sua nova vizinha para que talvez eles abram a porta, mas isso parece um pouco desesperado.

Com um suspiro, eu me viro e me aproximo do apartamento em frente ao meu, não esperando muito. Eu nem sequer uso um sorriso depois de bater, olhando para os biscoitos e me perguntando o que eu vou fazer com eles se ninguém estiver em casa ou eu for ignorada novamente.

Passos se aproximam e eu coloco um sorriso, embora não seja tão vibrante quanto antes. Só quando ouço a porta abrir é que meu rosto realmente se ilumina. Sim! Vou conhecer meu primeiro novo vizinho e talvez até meu primeiro amigo.

A porta se abre e eu silenciosamente rezo para que seja uma mulher da minha idade. A ideia de finalmente ter uma amiga próxima atira a minha excitação de volta ao teto.

Mas não é uma mulher. É um homem. E quando olho para o rosto dele, toda a alegria que senti quando cheguei ao meu novo apartamento cai como um vidro estilhaçado.

Você!

Minha reação interna ao homem diante de mim é tão forte que um palavrão quase sai dos meus lábios.

Eu luto contra a vontade de estreitar os olhos, mas o calor que estou sentindo por dentro certamente chegou ao meu rosto.

Como no inferno isso poderia ter acontecido? Em uma cidade com mais de dois milhões de pessoas, quais são as chances de eu me mudar para a porta vizinha a esse idiota?

Caleb Ryan sorri para mim, embora ele também pareça um pouco assustado. Posso ajudá-la? Ele me pergunta hesitante antes de se afastar de mim por um momento para repreender seu cão por tentar passar por suas pernas.

Eu sei que devo parecer um bagre de boca larga. Minha boca está aberta. Meus olhos estão arregalados.

Posso ajuda-la? É isso? Realmente?

Levo um momento para recuperar a compostura. No segundo que faço, desvio meu olhar. Só de olhar para ele me faz sentir todo tipo de coisas desagradáveis. Eu só queria vir te dizer que eu mudei na porta ao lado.

Ele olha por mim, apontando o dedo ao redor como uma varinha de achar água.

Lá. Eu gesticulo para o apartamento em frente ao dele.

Ah. Tudo bem. Ele balança a cabeça, seus olhos pousando no prato de biscoitos que estou segurando. São para mim?

Não. Eu empurro-os para longe dele, segurando-os junto ao meu peito. Eu só... aconteceu de tê-los comigo. Ele me dá um olhar estranho. Estar sob seu olhar me faz sentir quente em todos os sentidos. Bem, eu me apresentei. Eu devo ir. Me afasto dele.

Ele solta uma risada curta. Mas você não se apresentou.

Isso faz meus olhos dispararem para o rosto dele novamente. É quando isso me atinge. Ele não tem ideia de quem eu sou. Eu não tenho certeza se isso me machuca ou me deixa feliz.

Eu sou Caleb. Ele estende a mão para mim.

Eu mudo o prato de biscoitos em um braço, passando uma mecha de cabelo atrás da minha orelha antes de apertar sua mão. Willow, eu murmuro, sabendo que o reconhecimento virá a ele no segundo que eu disser meu nome.

O que foi isso? ele pergunta.

Limpo minha garganta, mentalmente me preparando para a falta de jeito que virá. Eu sou Willow.

Oh. Ele ergue a cabeça para trás. Bem, prazer em conhecê-la, Willow. Me avise se você precisar de alguma coisa.

Eu olho para ele sem expressão, sentindo que meu queixo está prestes a se desencaixar. Ele realmente ainda não me reconhece depois que eu disse meu nome?

Bem, tenha uma boa tarde. Afasto-me dele lentamente, esperando que ele decifre minha identidade a qualquer momento. Ele não decifra, porém, e eu volto em segurança ao meu apartamento.

Uma vez dentro, pressiono minhas costas contra a porta e gemo, me sentindo mais miserável do que eu tenho sido em muito tempo. Como posso sentir-me mais feliz e mais miserável no mesmo dia? Isso simplesmente não parece justo.

Coloco os biscoitos na ilha da cozinha e me jogo dobrada por cima dela, deixando escapar um gemido. Caleb Ryan. O único homem que eu já amei. Eu não o vejo há mais de quatro anos, e agora ele mora ao meu lado.

O destino é cruel, eu grito. É pior que cruel. Está zombando de mim.

Inspiro profundamente, me levantando da ilha. Eu não posso deixar isso arruinar minha nova vida. Eu tenho que me livrar dele, não importa o que é preciso. Certamente, há alguma maneira de eu fazê-lo se mudar. Isso, ou expulsá-lo.

Me sento no meu sofá para ter idéias sobre como fazer o Caleb partir. O tempo todo, lembranças de nosso tempo juntos no ensino médio me atormentam. Eu era tão idiota naquela época, tão cega para quem ele realmente era.

Ele não mudou muito, eu acho. Ele ainda é bonito, embora esteja um pouco mais robusto. Quando estávamos no ensino médio, ele mantinha o rosto bem barbeado. Agora, parece que ele decidiu crescer uma barba e bigode. Mais como restolho do que pêlos faciais completos. Isso faz com que ele pareça mais maduro, menos infantil. Ele estava sempre em forma, mas ele definitivamente colocou muito músculo desde a última vez que o vi. Sua camisa estava agarrada ao peito largo, os músculos bem definidos por baixo, aposto. Eu acho que a pior parte é que seus olhos ainda são amigáveis. Aqueles gentis olhos castanhos que me enganaram tantas vezes. Que cintilavam quando ele ria. Isso me levou a pensar que ele era honesto - que éramos realmente amigos.

Eu o odeio agora. Eu sempre irei odiá-lo pelo que ele fez comigo. Não suportarei morar ao lado dele no futuro previsível.

Passo minha noite planejando minha vingança. É perturbadora a rapidez com que minha felicidade se transformou em ódio. Com que rapidez meu sonho se transformou em pesadelo. Agora, eu tenho a vantagem por ele não saber minha identidade, mas quem sabe quanto tempo isso vai durar. Espero que ele nunca se lembre de quem eu sou.

Com meu humor completamente arruinado, vou para a cama cedo, embora eu mal consiga dormir. Meus pensamentos beiram assassinatos ilógicos, tudo desde empurrar Caleb abaixo de um lance de escadas até atingi-lo com meu carro. Se ele soubesse o quanto irreparavelmente ele me arranhou. Eu não vou dar a ele a satisfação de saber, no entanto. Eu só queria poder fazer o mesmo com ele, mas sei que não é possível. Ele sempre esteve tão perto da perfeição quanto uma pessoa pode ser. Popular no ensino médio. Todos o amavam. Todas as garotas queriam sair com ele, inclusive eu. Ele era o tipo de cara que ajudava velhinhas a levar suas compras e se voluntariava para servir refeições aos desabrigados. Tenho certeza de que poucas pessoas conheciam sua verdadeira natureza. Apenas seus amigos mais íntimos... e eu por acidente.

Quando finalmente consegui dormir, não acordei até quase meio-dia. Eu gemo enquanto os raios do sol atravessam as persianas para queimar minhas retinas. Se não fosse pelo fato de meu estômago estar roncando de raiva, talvez eu tenha ficado na cama o dia todo. Como é, eu preciso desesperadamente fazer compras.

Eu me puxo para fora da cama e me visto, lambendo meus lábios enquanto olho para o prato de biscoitos ainda na ilha da cozinha. Por mais que eu odeie o que eles fizeram comigo no passado, eu sei que eles são deliciosos, e isso os torna ainda mais tentadores.

Não. Balanço minha cabeça, pegando o prato e colocando-o em um armário vazio, assim eles estarão fora de vista. Vou levá-los para o trabalho amanhã para causar uma boa impressão. O que eu realmente quero fazer é jogá-los fora, mas isso seria desperdício.

Jogo minha bolsa no ombro e saio do meu apartamento, lançando um olhar para a porta da frente de Caleb. Espero que nunca nos cruzemos. Quanto menos eu o ver, melhor.

Eu só dei um passo no corredor em direção ao elevador quando notei uma grande pilha de merda de cachorro apenas sentada ali. Um sorriso perverso cruza meus lábios e eu afirmo com a cabeça para mim mesma. Não é grande o suficiente para pertencer ao husky de Caleb, mas isso não importa. Duvido muito que a equipe do complexo de apartamentos tenha tempo para medir isso.

Pego o elevador e desço para a administração do apartamento. Quando chego lá, informo com raiva ao locador que um cachorro fez cocô no corredor do meu prédio, depois menti e disse que vi quem o fez. Assim que relatei Caleb e seu vira-lata, vou feliz para o supermercado para fazer minhas compras. Sei que denunciá-lo uma vez não será suficiente para expulsá-lo do complexo, mas será inconveniente para ele receber o aviso. Eu decido então que toda vez que eu ver cocô no corredor, eu vou denunciá-lo. Se ele receber avisos suficientes, eles devem multá-lo. Então talvez eles eventualmente ameacem expulsá-lo. Ele vai ficar chateado e decidir sair por conta própria, não querendo mais lidar com isso. Eu só vou ter que esperar até o contrato terminar. Se eu puder expulsá-lo antes disso, melhor ainda.

Termino minhas compras e volto para casa, sentindo-me presunçosa. Talvez a vida aqui fique bem, afinal.

***

Começar um novo emprego nunca foi tão excitante quanto hoje. Provavelmente porque eu conecto começar um novo trabalho com começar minha nova vida. Além disso, é aqui que provavelmente vou fazer meu primeiro amigo agora Meus sonhos de ser amiga de meus vizinhos foram destruídos. Em todas as séries de televisão que eu já vi, as pessoas sempre têm um amigo no trabalho. Por que eu deveria ser diferente?

Somos levados para a sala de treinamento e estou sentada ao lado de uma linda loira que instantaneamente se apresenta para mim como Becky.

Estou tão animada. Ela está praticamente saltando em seu assento. Sua energia é contagiante, e eu não posso deixar de sorrir.

Eu também.

Este é meu primeiro emprego desde o ensino médio.

Essa admissão me faz sentir menos alegre. Eu fui para a faculdade para ser uma codificadora médica, mas aqui estou eu, trabalhando em um emprego de entrada de dados com alguém que nem sequer tem experiência de trabalho. Rapaz, isso até me faz sentir como uma vencedora.

Parabéns, digo a ela sem entusiasmo.

Este é o seu primeiro trabalho também? Seus olhos azuis estão arregalados e curiosos. Não demoro muito para perceber que ela é provavelmente uma cabeça de ar. A maneira como ela fala é tão doce e inocente e borbulhante. Sua roupa não é realmente apropriada, mas quem sou eu para dizer qualquer coisa? Nós deveríamos estar usando um traje casual de negócios, mas a saia dela grita olhe para minhas pernas.

Não, não é meu primeiro emprego, minha voz sumiu. Talvez ela não seja minha primeira amiga também.

Um homem entra na sala e, assim que coloco os olhos nele, é como se um coro de anjos desceu dos céus e começou a cantar. Sua pele é perfeição de porcelana.

Ați ajuns la sfârșitul acestei previzualizări. Înscrieți-vă pentru a citi mai multe!
Pagina 1 din 1

Recenzii

Ce părere au oamenii despre Jogos de Vingança

2.0
1 evaluări / 0 Recenzii
Ce părere aveți?
Evaluare: 0 din 5 stele

Recenziile cititorilor