Sunteți pe pagina 1din 7

ORIGEM DO CARNAVAL

Dez mil anos antes de Cristo, homens, mulheres e crianças se reuniam no verão
com os rostos mascarados e os corpos pintados para espantar os demônios da má
colheita. As origens do carnaval têm sido buscadas nas mais antigas celebrações da
humanidade, tais como as Festas Egípcias que homenageavam a deusa Isis e ao Touro
Apis. Os gregos festejavam com grandiosidade nas Festas Lupercais e Saturnais a
celebração da volta da primavera, que simbolizava o Renascer da Natureza. Mas num
ponto todos concordavam, as grandes festas, como o carnaval, estão associadas a
fenômenos astronômicos e a ciclos naturais. O carnaval se caracteriza por festas,
divertimentos públicos, bailes de máscaras e manifestações folclóricas. Na Europa, os
mais famosos carnavais foram ou são: os de Paris, Veneza, Munique e Roma, seguidos
de Nápoles, Florença e Nice.

Carnaval do Brasil

O Carnaval do Brasil é a maior festa popular do país. A festa acontece durante quatro
dias (que precedem a quarta-feira de cinzas). A quarta de cinzas tem este nome devido à
queima dos ramos no Domingo de Ramos do ano anterior, cujas cinzas são usadas para
benzer os fiéis no início da quaresma. O Carnaval prepara o início da quaresma, isto é,
seu último dia precede a quarta-feira de cinzas (início da Quaresma).

Origens brasileiras
Em finais do século XVIII, o entrudo era praticado por todo o país, consistindo em
brincadeiras e folguedos que variavam conforme os locais e os grupos sociais envolvidos.
As primeiras tentativas de civilizar a festa carnavalesca brasileira foram através da
importação dos bailes e dos passeios mascarados parisienses, colocando o Entrudo
Popular sob forte controle policial. A partir do ano de 1830, uma série de proibições vai se
suceder na tentativa, sempre infrutífera, de acabar com a festa grosseira.

Em finais do século XIX, toda uma série e grupos carnavalescos ocupam as ruas do Rio
de Janeiro, servindo de modelo para as diferentes folias. Nessa época, esses grupos
eram chamados indiscriminadamente de cordões, ranchos ou blocos. Em 1890, Chiquinha
Gonzaga compôs a primeira música especificamente para o Carnaval, "Ô Abre Alas!". A
música havia sido composta para o cordão Rosas de Ouro que desfilva pelas ruas do Rio
de Janeiro durante o carnaval. Os foliões costumavam freqüentar os bailes fantasiados,
usando máscaras e disfarces inspirados nos baile de máscaras parisienses. As fantasias
mais tradicionais e usadas até hoje são as de Pierrot, Arlequim e Colombina, originárias
da commedia dell'arte.

Atualmente, no Rio de Janeiro e em várias grandes e pequenas cidades, as escolas de


samba fazem desfiles organizados, verdadeiras disputas para a eleição da melhor escola
do ano segundo uma série de quesitos. Com o crescimento vertiginoso dessas
agremiações o processo de criação se especializou gerando muitos empregos
concentrados, principalmente, nos chamados barracões das escolas de samba.

O desfile mais tradicional acontece no Rio de Janeiro, na Passarela do Samba, como é


chamado o sambódromo carioca, primeiro a ser construído no Brasil. Outros desfiles
importantes ocorrem em Florianópolis, Porto Alegre, Manaus e em Vitória. Recentemente
o desfile das escolas de samba de São Paulo adquiriu relevância ao passar a ser
transmitido pela Rede Globo para todo o país.

Além dos desfiles das escolas de samba acontecem também os desfiles de blocos e
bandas, grupo de pessoas que saem desfilando pelas ruas das cidades para se divertir,
sem competição. Também existem os ébailes de carnaval, realizados em clubes, ou em
áreas públicas abertas, com execução de músicas carnavalescas.

O carnaval de rua manteve suas tradições originais na região Nordeste do Brasil. Em


cidades como Recife e Olinda, as pessoas saem as ruas durante o carnaval no ritmo do
frevo e do maracatu.

Na cidade de Salvador, existem os trios elétricos, embalados por músicas dançantes de


cantores e grupos típicos da região. Na cidade destacam-se também os blocos negros
como o Olodum e o Ileyaê, além dos blocos de rua e do Afoxé Filhos de Gandhi.
Bloco carnavalesco

Bloco carnavalesco é um conjunto de pessoas que desfila no Carnaval de forma semi-


organizada, muitas vezes trajando uma mesma fantasia, ou vestidas do modo que mais
lhe agradar.

História

A Banda de Ipanema ocupa a famosa praia no carnaval do Rio de Janeiro. As chamadas


bandas são legítimas herdeiras do espírito iconoclasta dos blocos.

Desde meados do século XIX as ruas da cidade do Rio de Janeiro eram invadidas, nos
dias de carnaval, por grupos de pessoas dispostas a se divertir. Até as primeiras décadas
do século XX não havia grandes distinções entre os vários tipos de brincadeiras que
ocupavam a cidade e que podiam ser chamadas indistintamente de ranchos, cordões,
grupos, sociedades ou blocos, entre outras denominações genéricas.

Durante a década de 1920, a intelectualidade brasileira volta-se para as questões ligadas


à identidade nacional destacando a importância da festa carnavalesca carioca que passa
ser vista como uma espécie de "resumo" da diversidade cultural brasileira. Organizar a
"confusão" carnavalesca passa a ser um dos objetivos da elite cultural que, com ajuda da
imprensa, começa a definir as diferentes categorias da folia numa escala que iria das
sofisticadas sociedades carnavalescas – ou grandes sociedades – até os temidos
cordões. (Ferreira, 2005)

Dentro dessa nova organização, os grupos do carnaval chamado de popular (ou Pequeno
Carnaval) podiam ser classificados como ranchos (considerados como mais sociáveis),
blocos ou cordões (vistos como o carnaval descontrolado).

Os blocos situavam-se, portanto, a meio caminho entre os louváveis ranchos e os


freqüentemente condenados cordões. É essa característica ambivalente que faria dos
blocos a inspiração para as os grupos de samba que buscariam a aceitação da sociedade
no final da década de 1920 e que passariam a ser denominados de escolas de samba a
partir da década de 1930.

Os primeiros registros de blocos licenciados pela polícia no Rio de Janeiro, datam de


1889: Grupo Carnavalesco São Cristóvão, Bumba meu Boi, Estrela da Mocidade,
Corações de Ouro, Recreio dos Inocentes, Um Grupo de Máscaras, Novo Clube
Terpsícoro, Guarani,Piratas do Amor, Bondengó, Zé Pereira, Lanceiros, Guaranis da
Cidade Nova, Prazer da Providência, Teimosos do Catete,Prazer do Livramento, Filhos de
Satã e Crianças de Família (Rua Paulino Figueiredo).

Blocos de Embalo

No Rio de Janeiro, são todos os blocos que não são de enredo nem se identifiquem com
outra manifestação carnavalesca pré-existente, como os clubes de frevo (típicos de
Pernambuco).

Blocos de enredo

São blocos análogos a escolas de samba. Na cidade do Rio de Janeiro, desfilam na


Avenida Rio Branco (Grupo 1), na Estrada Intendente Magalhães (Grupo 2) e em
Bonsucesso (Grupo 3). Possuem samba-enredo, embora normalmente estes sejam mais
curtos que os das escolas. Muitas escolas de samba, especialmente dos grupos
inferiores, foram blocos de enredo anteriormente. São filiados à Federação dos Blocos
Carnavalescos do Estado do Rio de Janeiro.

Em São Paulo, os blocos de enredo não recebem este nome, são apenas chamados de
"blocos", sendo administrados pela União das Escolas de Samba de São Paulo,
funcionando como pequenas escolas de samba, inclusive com sambas-enredo iguais aos
destas. Mancha Verde, Gaviões da Fiel e Torcida Jovem já foram blocos famosos antes
de se transformarem em escolas de samba.

Blocos de sujo
São manifestações populares típicas do carnaval de rua no Brasil, onde o improviso e a
desorganização são a tônica: Um grupo de foliões com fantasias improvisadas, ou mesmo
de roupa comum, se reúnem no carnaval e ao som de instrumentos também improvisados
e desfilam pelas ruas da cidade, cantando e sambando marchinhas carnavalescas e
sambas-enredo das escolas de samba.

Alguns blocos de sujo satirizam a política nacional com faixas e cartazes, sempre em tom
de ironia e deboche, com a marca do humor carioca.
Alguns blocos famosos

Rio de Janeiro

• Banda de Ipanema
• Boêmios de Irajá
• Bloco da Ansiedade
• Carmelitas
• Bloco do Barriga
• Bloco Cara de Gallo
• Cacique de Ramos
• Cordão do Boitatá
• Cordão do Bola Preta
• Escravos da Mauá
• Monobloco
• Simpatia é Quase Amor
• Suvaco do Cristo
• Badalo de Santa Teresa
• Sociedade Recreativa e Cultural Berço do Samba

Olinda

• Eu acho é pouco
• Bacalhau do Batata
• Se Num Güenta Pra Que Veio ?
• O Ceguinho de Olinda

Recife

• Eu Quero é Mais!
• Galo da Madrugada

Salvador

• Ara Ketu
• Ilê Aiyê
• Malê Debalê
• Olodum
• Timbalada

Cuidados com o Corpo Durante o Carnaval

O carnaval é uma festa comemorada em todo o país. São dias de muita alegria e agitação
e, diante disso é preciso tomar certos cuidados. Normalmente muitas pessoas que pulam
carnaval não fazem nenhuma atividade física durante o decorrer do ano e o organismo
não é preparado para um ritmo mais acelerado. Essas pessoas precisam de mais
cuidados, pois o exagero na hora da folia pode causar problemas. A época do carnaval
está na estação mais quente do ano, o verão isso deve ser fonte de algumas
preocupações,como:

-Aplicar protetor solar no corpo para prevenir queimaduras, insolação e câncer de pele;-
Ingerir bastante líquido para não desidratar o corpo, moderar o consumo de bebidas
alcoólicas que ressecam a pele, dá sede, dor de cabeça, náuseas, hipertensão arterial,
diarréia entre outros;

-Tomar cuidado com máscaras ou outros acessórios que podem dificultar a respiração,
pois, pode trazer fadiga;

-Ficar atento a penas e plumas que podem provocar alergia respiratória;

-A maquiagem deve ser usada com moderação, pois, pode causar alergia, irritação na
pele, infecções nas pálpebras, lesões nas córneas, dermatite de contato, descamação da
pele, bolhas, pruridos entre outros.

O importante é hidratar bem o corpo ingerindo muita água, sucos naturais, água de coco,
chás gelados e fazer uma boa alimentação à base de massas para produzir energia,
cereais para prevenir a prisão de ventre, saladas com muitas verduras e legumes de
preferência crus para ajudar na reposição de água e outros nutrientes e bastantes frutas
que ajudam na digestão e repõe vitaminas e outros.

Evite alimentos gordurosos que diminuem o processo de digestão.

Antes de cair na folia é bom que se façam alguns exercícios de alongamento e


relaxamento para evitar distensões e outras complicações mais graves.

Quais são os componentes treináveis que ajudarão você a participar das festas com
vigor? Basicamente, são: aeróbio, força, flexibilidade e específico.

O treino aeróbio auxiliará no aumento da capacidade cardiorrespiratória, vulgarmente


conhecida como “fôlego”, melhorando a respiração e ofertando mais oxigênio ao
organismo; a força, sendo manifestada pela Resistência Muscular Localizada (RML), fará
que a musculatura seja mais resistente, ou seja, inibindo a fadiga que queira se instalar
durante a travessia do sambódromo; a flexibilidade, melhorada tradicionalmente pelo
alongamento, almeja a amplitude de movimento (ADM), quer dizer, aquela coreografia
ensaiada, que tem diversos movimentos sinuosos com aberturas e giros, ficará mais
suave e fácil de realizar; o treinamento específico refere-se à atividade a qual participará,
ou seja, se for desfilar no sambódromo, participando da comissão de frente, a coreografia
ensaiada.

A preparação física para o Carnaval, além de melhorar o condicionamento físico,


proporciona redução do percentual de gordura corporal (emagrecimento), aumenta a
auto-estima, melhora a auto-imagem e diminui a ansiedade.