Sunteți pe pagina 1din 1

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

11 ministros

No mínimo 33 ministros.

 

- cidadãos com mais de 35 e menos de 65 anos

- (igual ao STF) mais de 35 e menos de 65 anos

 

- com notável saber jurídico e reputação ilibada.

- com notável saber jurídico e reputação ilibada.

Nomeado pelo Presidente da República e aprovado pelo Senado (maioria absoluta)

Nomeado pelo Presidente da República e aprovado pelo Senado (maioria absoluta)

Ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual (ADIN), a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal (ADCON), Argüição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) OBS – As decisões definitivas de mérito das ADIN e ADCON produzirão eficácia contra todos e efeito vinculante, relativamente aos demais órgãos do Judiciário e à adm (direta e indireta)

 

Crimes comuns - julgar o Presidente da República (vice-Pres., membros do Congresso, ministros do STF e o PGR)

Crimes comuns – julgar os governadores

 

Crimes comuns e de responsabilidade – os Min. de Estado, comandantes das forças armadas, membros dos Tribunais Superiores, do TCU e os chefes de missão diplomática de caráter permanente.

Crimes comuns e de responsabilidade – Desembargadores do TJ, membros do TCE, do TRF, do TRE, do TRT, Tribunais de Contas municipais, e os do MPU que oficiem perante Tribunais.

Julgar habeas corpus sendo paciente qualquer uma das autoridades acima citadas. Também, quando o coator for Tribunal Superior ou quando o coator ou o paciente for autoridade ou funcionário cujos atos estejam sujeitos à jurisdição do STF, ou se trate de crime sujeito ao STF em única instäncia.

Julgar

habeas

corpus

sendo

paciente

ou

coator

qualquer uma das autoridades acima citadas, ou quando o coator for Tribunal sujeito ‘a sua jurisdição, Min. de Estado, Comandantes das forças armadas, ressalvada a competência da Justiça Eleitoral.

Julgar Mandado de segurança e o habeas data contra atos do Pres. Da República, das mesas da Câmara e do Senado, do TCU, do PGR e do próprio STF.

Julgar mandado de segurança e o habeas data contra ato de Min. de Estado, dos Comandantes das forças armadas e do próprio STJ.

Julgar litígio entre Estado estrangeiro ou organismo internacional

 

e

a União, Estado, Distrito Fed. ou território.

Julgar as causas e os conflitos entre a União e os Estados (Dist. Fed.), ou entre uns e outros (Estados), inclusive as respectivas entidades da adm indireta

 

Revisão criminal e ação rescisória de seus julgados

 

Reclamação para a preservação de sua competência e garantia da autoridade de suas decisões

(igual) Reclamação para a preservação de sua competência e garantia da autoridade de suas decisões

Julgar conflitos de competëncia entre o STJ e quaisquer tribunais, entre Tribunais Superiores, ou entre estes e qualquer outro tribunal.

Conflitos de competência entre quaisquer tribunais (não abrangidos pela competência do STF), bem como entre tribunais e juízes a ele não vinculados e entre juízes vinculados a tribunais diversos.

 

Julgar conflitos de atribuição entre autoridade administrativas e judiciárias da União etc (105, I, g)

Mandado de injunção – a elaboração da norma regulamentadora for atribuição do Pres. da República, do Congresso, da Câmara, do Senado (ou de suas mesas), do TCU, de Tribunal Superior ou do STF.

Mandado de injunção – a elaboração da norma regulamentadora for atribuição de órgão ou entidade ou autoridade federal (adm direta ou indireta), excetuado as hipóteses de competência do STF e dos órgãos da Justiça Militar, Eleitoral, do Trabalho e da Federal.

Julgar as ações contra o CNJ e o CNMP

 
 

Homologação de sentenças estrangeiras e a concessão de exequatur às cartas rogatórias.

Julgar em recurso ordinário (102,II)

Julgar em recurso ordinário (105,II)

 

a) o habeas corpus, o madado de segurança, o hábeas data e o

a)

os hábeas corpus decididos em única ou última

 

mandado de injunção decididos em única instäncia pelos Tribunais Superiores, se denegatória a decisão.

instäncia pelos TRFs ou pelos TJs, quando a decisão

for denegatória.

 

b) o crime político.

 

Julgar em RECURSO EXTRAORDINÁRIO, causas decididas em única ou última instäncia, quando a decisão recorrida

Julgar, em RECURSO ESPECIAL, as causas decididas, em única ou última instäncia, pelos TRFs ou pelos TJs, quando a decisão recorrida

a) contrariar dispositivo da Constituição

b) declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal

a)

contrariar tratado ou lei federal, ou negar-lhes

c) julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face da Constituição

vigência

 

b)

julgar válido ato de governo local contestado em

d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal.

face de lei federal c) der à lei federal interpretação divergente da que lhe haja atribuído outro Tribunal.

OBS – o recorrente deverá demonstrar a repercussão geral das

questões constitucionais (102, par. 3)