Sunteți pe pagina 1din 24

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREITO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias.

AULA 01

Lei n.º 4.737/65 (Código Eleitoral) e alterações posteriores.

Organização da Justiça Eleitoral: composição e competências. Ministério

Público Eleitoral: atribuições. Alistamento Eleitoral: (Resolução TSE n.º

21.538/03, publicada no Diário da Justiça da União de 03 de novembro de

2003. Ato e efeitos da inscrição, transferência e encerramento.

Cancelamento e exclusão do eleitor. Revisão Eleitoral. Domicílio eleitoral.

Elegibilidade: conceito e condições.

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO

1.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

2.

QUESTÕES COMENTADAS

3.

LISTA DAS QUESTÕES

4.

GABARITO

Salve, salve rapaziada, vamos partir para os exercícios da aula 01? Bem,

como eu disse antes, fazer exercícios é FUNDAMENTAL para o seu aprendizado.

Dica: Não faça os exercícios logo após ter estudado a matéria. Se logo

após você estudar, você já partir para os exercícios, no fundo, você estará se

enganando. É óbvio que seu aproveitamento será muito bom. Deixe passar dois

ou três dias e faça os exercícios. Desta forma, além de estar se testando pra

valer, você ainda revisará a matéria.

Então, sem perder tempo, vamos aos nossos exercícios.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

DIREITO ELEITORAL:

Aula 00 - Conceito e F ontes. Princípios constitucionais relativos aos

direitos políticos (nacionalidade, elegibilidade e partidos políticos) de que trata o

Capítulo IV do Título I da Constituição em seus arts. 14 a 17.

Aula 01 - Lei n.º 4.737/65 (Código Eleitoral) e a lterações posteriores.

Organização da Justiça Eleitoral: composição e competências. Ministério Público

Eleitoral: atribuições. Alistamento Eleitoral: (Resolução TSE n.º 21.538/03,

publicada no Diário da Justiça da União de 03 de novembro de 2003. Ato e

efeitos da inscrição, transferência e encerramento. Cancelamento e exclusão do

eleitor. Revisão Eleitoral. Domicílio eleitoral. Elegibilidade: conceito e condições.

Aula 02 - Inelegibilidade (Lei Complementar n.º 64/90 e alterações

posteriores): conceito, fatos geradores de inelegibilidade. Partidos políticos (Lei

n.º 9.096/95 e alterações posteriores): conceituação, natureza jurídica, criação

e registro, fusão, incorporação e extinção, finanças e contabilidade, filiação,

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

1

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

fidelidade e disciplina partidárias. Eleições (Lei n.º 9.504/97 e alterações

posteriores).

Aula 03 - Sistema eleitoral: princípio majoritário e proporcional,

representação proporcional. Coligações. Convenções para escolha de

candidatos. Registro de candidatura: pedido, substituição, cancelamento,

impugnação. Propaganda político-partidária (acesso gratuito ao rádio e à

televisão). Propaganda eleitoral: Lei n.º 11.300/2006. Propaganda eleitoral

extemporânea e propaganda irregular (multa). Representação por conduta

vedada (Lei n.º 9.504/97).

Aula 04 - O dever eleitoral (voto): sanções ao inadimplemento, isenção,

justificação pelo não comparecimento à eleição. Sistema eletrônico de votação.

Privilégios e garantias eleitorais (aspectos gerais, liberdade no exercício do

sufrágio, fornecimento gratuito de transporte, em dias de eleição, a e leitores

residentes nas zonas rurais - Lei n.º 6.091/74 e alterações posteriores).

Apuração nas Juntas Eleitorais, nos Tribunais Regionais e no Tribunal Superior

Eleitoral.

Aula 05 - Prestação de contas das campanhas eleitorais. Diplomação dos

eleitos: natureza jurídica, competência para diplomar e fiscalização. Recursos

eleitorais: cabimento, pressupostos de admissibilidade, processamento, efeitos

e prazos. Abuso de poder e corrupção no processo eleitoral: Investigação

Judicial Eleitoral (Lei Complementar n° 64/90 e alterações posteriores);

Representação por Captação de Sufrágio (art. 41 A da Lei n.º 9.504/97);

Aula 06 - Recurso Contra Diplomação; Ação de Impugnação de Mandato

Eletivo. Crimes eleitorais: normas gerais. Boca de urna. Processo Penal

Eleitoral: ação penal, competência em matéria criminal eleitoral, rito processual

penal eleitoral com aplicação 20subsidiária do Código de Processo Penal. Lei da

Minirreforma Eleitoral (Lei n.° 11.300/2006). Lei sobre Voto Eletrônico (Lei n.°

10.408/2002). Jurisprudência em matéria eleitoral, atualizada até 1º de

outubro de 2006.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

2

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

QUESTÕES COMENTADAS CESPE.

1ª QUESTÃO: (Ministério Público/2008/CESPE)

Com relação à c omposição e às atribuições do TSE, conforme

definição constitucional e legal, assinale a opção correta.

TSE;

a)

O Corregedor-Geral eleitoral deve ser um ministro oriundo do

b)

c) O Vice-Presidente do TSE deve sempre ser ministro do STF;

d)

e)

O Procurador-Geral deve ser um ministro indicado pelo STJ;

O MPF deve indicar dois ministros do TSE;

As reuniões do TSE devem ser secretas, salvo deliberação em

contrário da maioria dos seus integrantes.

Comentários:

Resposta: Letra “C”

Fundamento Legal: artigo 17 do Código Eleitoral.

Art. 17. O Tribunal Superior Eleitoral elegerá para seu presidente um

dos ministros do Supremo Tribunal Federal, cabendo ao outro a v ice-

presidência, e para Corregedor Geral da Justiça Eleitoral um dos seus

membros.

1º As atribuições do Corregedor Geral serão fixadas pelo Tribunal

Superior Eleitoral.

2º No desempenho de suas atribuições o Corregedor Geral se

locomoverá para os Estados e Territórios nos seguintes casos:

§

§

I - por determinação do Tribunal Superior Eleitoral;

II - a pedido dos Tribunais Regionais Eleitorais;

III - a requerimento de Partido deferido pelo Tribunal Superior

Eleitoral;

IV - sempre que entender necessário.

3º Os provimentos emanados da C orregedoria Geral vinculam os

Corregedores Regionais, que lhes devem dar i mediato e preciso

cumprimento.

§

Bem galera, é a típica questão que exige o conhecimento da letra da lei.

Tenho dito que para este concurso, o conhecimento da letra da lei é

fundamental. Não é concurso para magistratura, para procuradorias ou para

defensoria. Então pessoal, não mergulhem em doutrina, não fiquem presos às

discussões doutrinárias sobre essa ou aquela teoria, isso não será cobrado em

sua prova. Mergulhe sim, nas leis, nas resoluções, na jurisprudência STJ, STF e

TSE.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

3

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Sobre a questão, o dispositivo diz que tanto o presidente quanto o vice-

presidente do TSE serão ministros do STF.

Discutindo as demais alternativas:

a) O corregedor-geral eleitoral será eleito pelo TSE dentre um dos

ministros do Superior Tribunal de Justiça, é o que diz o artigo 119, § único da

CRFB/88.

O procurador geral que funciona junto ao TSE é o procurador geral da

república. Vide artigo 18 do Código Eleitoral.

b)

d)

e)

Não há essa previsão.

Sessão secreta? Óbvio que não. As sessões são públicas.

2ª QUESTÃO: (ANALISTA – TRE/AL/2004/CESPE)

Em cada um dos itens seguintes, é apresentada uma situação

hipotética acerca da validade das decisões do Tribunal Superior

Eleitoral (TSE) no que se refere ao quórum de presença e de votos para

a aprovação de matérias, seguida de uma assertiva a ser julgada:

(1) Em uma sessão de julgamento de cassação de registro de um

partido político, estavam presentes 90% dos membros do TSE. Nessa

situação, a m atéria poderia ser aprovada Por 70% dos membros do

tribunal.

(2) No exame de matéria que importava a interpretação do

Código Eleitoral em face da Constituição Federal, havia 80% dos

membros do TSE presentes à sessão. Nesta situação, a deliberação

deveria ser tomada pela unanimidade dos membros presentes.

(3) Em sessão de julgamento de perda de diploma, estavam

presentes 80% dos membros do TSE. Nessa situação, a matéria poderia

ser aprovada por 60% dos membros do tribunal.

Comentários:

Resposta: 1 – E; 2 – E; 3 – E.

Fundamento Legal: Artigo 19, § único do Código Eleitoral.

Art. 19. O Tribunal Superior delibera por maioria de votos, em sessão

pública, com a presença da maioria de seus membros.

Parágrafo único. As decisões do Tribunal Superior, assim na

interpretação do Código Eleitoral em face da Constituição e cassação de

registro de partidos políticos, como sobre quaisquer recursos que importem

anulação geral de eleições ou perda de diplomas, só poderão ser tomadas

com a presença de todos os seus membros. Se ocorrer impedimento de

algum juiz, será convocado o substituto ou o respectivo suplente.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

4

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Peço à todos desculpas pela insistência, mas quando eu digo que o

conhecimento da letra da lei para esse concurso é fundamental não falo por

falar, está aí uma boa prova disso.

Vejam que para julgar cada um dos itens apresentados, você precisaria

conhecer tão-somente o parágrafo único do artigo 19 do Código Eleitoral.

Ou seja, o conhecimento de um único dispositivo do Código faria você garantir

03 pontos. Em contrapartida, aquele que ficou viajando nas teses doutrinárias e

não leu o Código, provavelmente perdeu esta questão.

Pessoal, há um assunto que foi ventilado nesta questão e que eu gostaria

de tratar com vocês. Trata-se daquilo que chamamos “quórum”. Numa

definição de dicionário: Quórum é o número de membros de uma

assembléia (no nosso caso, sessão de julgamento) necessários para

que as decisões nela tomadas sejam válidas. No entanto, existem tipos

diferentes de quórum. É importante você ter esse conhecimento dos “tipos do

quórum”. Não vamos nos aprofundar no assunto, mas vamos ter uma noção

básica que eu julgo necessária você ter em mente.

Espécies de Quórum nas votações do TSE:

Meu amigo, minha amiga, o artigo 19, caput, do Código Eleitoral nos diz

que a corte decidirá por maioria de votos, com a p resença da maioria

dos seus membros.

Então percebam que nós temos dois quóruns neste dispositivo. Um para

que a s essão possa funcionar e dar início aos trabalhos (presença da m aioria

dos membros). E outro para decidir as matérias (maioria dos votos).

Explicando melhor:

Quórum de funcionamento ou instalação: Conforme o caput do

artigo 19 do Código Eleitoral, para que se possa instalar a sessão, para que se

possa dar início aos trabalhos, é necessária a presença da maioria dos membros

da corte. Assim, antes de se abrir a sessão, verificar-se-á se estão presentes a

maioria dos membros da corte, em sendo negativa a re sposta, a s essão não

será aberta, não será iniciada. Caso a r esposta seja positiva, caso estejam

presentes a maioria do membros da corte, iniciam-se os trabalhos.

Quórum de deliberação: O outro quórum presente no caput do

dispositivo é o quórum de deliberação. Depois de iniciada a sessão (presente a

maioria dos membros da corte), passa-se a fase de deliberação. No entanto, é

necessário um número específico de votos para que uma matéria seja

aprovada. No caso do artigo 19 da CE, esse número é a maioria dos membros

presentes na sessão que foi aberta.

Finalizando: o TSE tem 07 membros. Assim, para que uma sessão seja

iniciada, faz-se necessária a p resença de quatro ministros (maioria dos

membros da corte). Instalada a sessão, para q ue uma matéria seja decidida,

caso tenha a sessão se iniciada com 04 ministros presentes à sessão, o quórum

para aprovação será de 03 ministros (maioria dos presentes).

a)

b)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

5

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Isso não é tudo. Este quórum é a regra para se decidir as matérias afetas

ao TSE. No entanto, temos o “quórum especialíssimo de instalação” no

parágrafo único (o que foi cobrado nesta questão). Para 03 matérias

específicas, o quórum de instalação será a presença de todos os membros do

TSE. Por isso se diz “quórum especialíssimo”. Que matérias são essas:

a)

b)

c)

Interpretação do Código Eleitoral em face da Constituição Federal.

Cassação de registro dos Partidos Políticos.

Anulação geral das eleições ou perda do diploma.

3ª QUESTÃO: (Analista Judiciário/TRE/GO/2008 – CESPE)

Quanto aos órgãos da justiça eleitoral, assinale a opção correta:

O TSE, compõe-se, em seu todo, de juízes da magistratura de

carreira nomeados pelo Presidente da República dentre os ministros do

Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça.

O TSE elegerá seu presidente, vice-presidente e corregedor

entre os ministros do STF.

Os membros dos Tribunais Regionais Eleitorais de cada estado

da federação serão nomeados pelos governadores, após indicação do

respectivo tribunal de justiça.

Os juízes dos tribunais eleitorais, salvo motivo justificado,

servirão por dois anos, no mínimo, e nunca por mais de dois biênios

consecutivos.

(a)

(b)

(c)

(d)

Comentários:

Resposta: Letra “D”.

Fundamento legal: Artigo 121, § 2º, da CRFB/88

CRFB/88

e

competência dos tribunais, dos juízes de direito e das juntas eleitorais.

§ 2º - Os juízes dos tribunais eleitorais, salvo motivo justificado,

servirão por dois anos, no mínimo, e nunca por mais de dois biênios

consecutivos, sendo os substitutos escolhidos na mesma ocasião e pelo

mesmo processo, em número igual para cada categoria.

Art. 121 -

Lei

complementar

disporá

sobre

a

organização

Pessoal, penso que seja desnecessário dizer que os artigos 118, 119,

120 e 121 da CRFB/88 são da mais absoluta importância para o seu concurso.

Eles informam a e strutura da J ustiça Eleitoral. Caso você ainda não os tenha

decorado, faça isso o mais rápido possível.

Uma dica é que você, após ter definido bem a e strutura da justiça

eleitoral na sua cabeça, faça a leitura dos artigos 22 e 23 do Código Eleitoral

que estabelecem a competência do TSE. Tanto originária, quanto recursal.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

6

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

CUIDADO: No Código Eleitoral, no artigo 25 e incisos, nós também temos

a positivação da composição dos Tribunais Regionais Eleitorais, no entanto,

fiquem atentos, pois o inciso II deste artigo foi revogado pelo artigo 120, § 1º,

inciso II da CRFB/88.

Nesta questão, de acordo com o artigo 121, § 2º da CRFB/88, o Juiz

Eleitoral exercerá o cargo por dois anos, ou seja, um biênio. Poderá, contudo,

ser reconduzido para m ais um biênio, não podendo ultrapassar dois biênios

consecutivos.

ATENÇÃO: No primeiro grau de jurisdição, ou seja, nas zonas eleitorais,

funcionam juízes oriundos dos Tribunais de Justiça dos Estados. É óbvio que

isso não transforma a Justiça Eleitoral em Justiça do Estado. De forma alguma.

Como todos sabem, a Justiça Eleitoral é justiça especializada federal. Ocorre

que por uma questão de ordem prática, cabe aos magistrados estaduais o

desempenho da função de Juiz Eleitoral, já que não seria possível atribuir esta

função aos Juízes Federais porquanto não há j ustiça federal em diversos

municípios.

4ª QUESTÃO: (Analista/TRE/MA/2006/CESPE)

Com relação às normas da organização e competência da justiça

eleitoral, assinale a opção incorreta.

Compete ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) processar e julgar

originariamente o registro e a c assação de registro de partidos

políticos, de seus diretórios nacionais e de candidatos à presidência e a

vice-presidência da república e ao Senado.

b) São órgãos da justiça eleitoral o TSE, os tribunais regionais

eleitorais, os juízes eleitorais e as juntas eleitorais, compondo-se estas

de um juiz de direito, que, mesmo que não seja juiz eleitoral, será o

presidente, e de dois ou quatro cidadãos de notória idoneidade.

c) É imprescindível emenda à Constituição Federal para se

ampliar a atual composição do TSE, a q ual, conforme previsto na

Constituição da República, é de sete membros: três juízes escolhidos

entre os ministros do STF, dois juízes entre os ministros do STJ e, por

nomeação do presidente da República, dois juízes entre seis advogados

de notável saber jurídico e idoneidade moral, indicados pelo STF.

Na capital de cada estado e do distrito federal, deve haver um

TER composto de dois juízes escolhidos entre os desembargadores do

tribunal de justiça; dois juízes escolhidos entre juízes de direito, pelo

tribunal de justiça; um juiz do tribunal regional federal (TRF) com sede

na capital do estado ou do distrito federal, ou, em não havendo, um juiz

federal, escolhido, em qualquer caso, pelo TRF respectivo; dois juízes

escolhidos entre seis advogados de notável saber jurídico e idoneidade

moral, indicados pelo tribunal de justiça e nomeados pelo governador

do estado ou do Distrito Federal, conforme o caso.

a)

d)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

7

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Comentários:

Resposta: Letra “d”

Fundamentação legal: Artigo 120, III da CRFB/88

Art. 120 - Haverá um Tribunal Regional Eleitoral na Capital de cada

Estado e no Distrito Federal.

III - por nomeação, pelo Presidente da República, de dois juízes

dentre seis advogados de notável saber jurídico e idoneidade moral,

indicados pelo Tribunal de Justiça.

Pessoal, é claro que a nomeação dos advogados que farão parte da

composição dos TRE’s não se dá por ato do Governador. Os TRE’s são órgãos do

Judiciário Federal e n ão têm nenhuma relação com os Governadores dos

Estados.

é de vital importância conhecer

profundamente os artigos da C RFB/88 que tratam da c ompetência da J ustiça

Eleitoral, bem como dos artigos do Código Eleitoral que tratam da composição

dos TRE’s.

Como

eu

disse

na

outra

questão,

ATENÇÃO:

Cuidado com o inciso II do artigo 25 do Código Eleitoral. Conforme dito

antes, ele foi revogado pelo artigo 120, § 1º, II da CRFB/88.

QUESTÃO: (Técnico Judiciário TRE/GO – 2008 – CESPE)

respeito da competência dos tribunais eleitorais, assinale a

opção incorreta.

de

jurisdição entre juízes eleitorais do respectivo estado.

No desempenho de suas atribuições, o corregedor regional de

justiça eleitoral poderá locomover-se para as zonas eleitorais, a

requerimento de partido político, deferido pelo TRE.

c) São irrecorríveis as decisões do TSE, salvo as que declararem a

invalidade de lei ou ato contrário à CF e as denagatórias de habeas

corpus ou mandado de segurança.

Não podem fazer parte do TSE cidadãos que tenham entre si

parentescos, ainda que por afinidade, até o quarto grau, seja o vínculo

legítimo ou ilegítimo, excluindo-se, nesse caso, o que tiver sido

escolhido por último.

A

a)

b)

Compete

ao

TSE

julgar,

originariamente,

os

conflitos

d)

Comentários:

Resposta: Letra “A”

Fundamentação legal: artigo 29, I, b, do Código Eleitoral.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

8

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Art. 29. Compete aos Tribunais Regionais:

I - processar e julgar originariamente:

o registro e o cancelamento do registro dos diretórios estaduais e

municipais de partidos políticos, bem como de candidatos a Governador,

Vice-Governadores, e membro do Congresso Nacional e das Assembléias

Legislativas;

do

respectivo Estado;

a)

b)

os

conflitos

de

jurisdição

entre

juizes

eleitorais

o tipo de questão que se repete concurso após concurso. O examinador

troca as competências. Pega uma matéria que é da competência do TSE e diz

que é d o TRE e v asco-versa. As competências dos órgãos da Justiça Eleitoral

precisam estar completamente dominadas. Não podemos deixar passar nada.

Isso vai cair e muito em sua prova.

É

E

se fossem juízes de estados distintos? Neste caso, a competência seria

do TSE, conforme determina o artigo 22, I, b, do Código Eleitoral.

No caso em tela, a competência para dirimir conflito de jurisdição entre

juízes eleitorais do mesmo estado é do respectivo Tribunal Regional.

Comentando outras alternativas:

b)

O artigo 26, § 2º do Código Eleitoral informa as ocasiões em que o

Corregedor deverá se deslocar até a Zona Eleitoral. São elas:

I. Por determinação do TSE ou do TER.

II. A pedido dos juízes eleitorais.

III. A requerimento de partido deferido pelo Tribunal Regional. (resposta

da questão).

IV. Sempre que entender necessário.

c)

d)

Está de acordo com o artigo 121, § 3º da CRFB/88.

Conforme preconiza o artigo 16, § 1º do Código Eleitoral.

6ª QUESTÃO: (Magistratura/AC – 2008 - CESPE)

Considerando a m udança de domicílio do eleitor, conforme o

Código Eleitoral, assinale a opção incorreta.

a) O requerimento de transferência deve ser protocolizado,

mínimo, 100 dias antes de uma eleição.

no

b)

O eleitor deve ter domicílio eleitoral em determinada seção por

um ano, pelo menos.

c)

o eleitor deve residir no local do novo domicílio eleitoral há,

pelo menos, três meses.

d)

No caso de remoção do servidor militar, o prazo de residência

no local do novo domicílio eleitoral é ampliado em três meses.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

9

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Comentários:

Resposta: Letra “D”

Fundamento legal: artigo 55, § 2º do Código Eleitoral.

Art. 55. Em caso de mudança de domicílio, cabe ao eleitor requerer ao

juiz do novo domicílio sua transferência, juntando o título anterior.

§ 1º A

exigências:

transferência

será admitida satisfeitas as seguintes

I - entrada do requerimento no cartório eleitoral do novo domicílio até

100 (cem) dias antes da data da eleição.

II - transcorrência de pelo menos 1 (um) ano da inscrição primitiva;

III - residência mínima de 3 (três) meses no novo domicílio, atestada

pela autoridade policial ou provada por outros meios convincentes.

Pessoal, depois de aprovados neste concurso e já exercendo as funções

nos cartórios eleitorais, vocês trabalharão com um sistema chamado de

“sistema ELO”. É o sistema utilizado pela Justiça Eleitoral em todo o Brasil para

fazer operações nos cadastros dos eleitores. Utilizando o sistema ELO, vocês

farão as seguintes operações:

Segunda Via: não há nenhuma alteração nos dados cadastrais do

eleitor. Trata-se de simples reimpressão do título de eleitor.

o

momento em que você transformará a pessoa que está a sua frente em

cidadão. Sabemos que a condição de cidadão somente nos é dada a partir do

1

2

Inscrição eleitoral: É a p rimeira via do título eleitoral.

Será

-

momento em que nos inscrevermos como eleitores.

Revisão eleitoral: Operação utilizada quando há uma mudança no

cadastro do eleitor. Exemplo: A mulher (pode ser o homem também) casou-se

e mudou o seu nome. Neste caso, quando esta mulher procurar o cartório

eleitoral para regularizar a sua situação e você for atendê-la, a operação que

você utilizará é a revisão e não a inscrição, ela já tem título, já é eleitora, ela só

quer regularizar seus dados cadastrais. Pode ser mudança de nome, pode ser

mudança de endereço.

ATENÇÃO: Mudança de endereço não é mudança de domicílio. A

operação de revisão para mudança de endereço é feita quando o novo endereço

for dentro do mesmo município, ou seja, dentro do mesmo domicílio eleitoral.

Se a mudança for para endereço de outro domicílio eleitoral, não será revisão,

mas sim transferência. Como veremos a seguir.

3

- Transferência: A operação de transferência é utilizada quando há

mudança no domicílio eleitoral. (pausa) E o que vem a ser domicílio eleitoral?

Bem, pra não perdermos tempo, entenda que domicílio eleitoral é o município

onde o eleitor exerce sua vida política. Não se confunde com o domicílio civil.

Também não se confunde com o lugar onde a pessoa reside. Uma pessoa pode

morar em Nova Iguaçu e ter domicílio eleitoral em Duque de Caxias.

Suponhamos que essa pessoa more em Nova Iguaçu e tenha toda a sua vida

4

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

10

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

política desenvolvida em Duque de Caxias, imaginemos que ela seja presidente

do sindicato dos comerciantes de Duque de Caxias. Essa pessoa, comprovando

o

mesmo morando em Nova Iguaçu. Professor, isso é a regra? Não pessoal, a

regra é que a pessoa tenha seu domicílio eleitoral no mesmo município em que

reside. (apertando o play). Como eu estava dizendo, a transferência se dá

vínculo no município, pode muito bem ser eleitora de Duque de Caxias,

naqueles casos em que ocorre a mudança do domicílio eleitoral, ou seja, haverá

mudança do município em que a pessoa vai votar, sendo bem claro.

Lembra do caso acima que falamos? Da revisão do nome da mulher que

se casou e teve que alterar o nome? Pois bem, e se ela, além de querer

regularizar seu nome, também quiser mudar seu domicílio eleitoral que era em

Nova Iguaçu e agora é Duque de Caxias?

Ela terá que fazer a revisão para alterar o nome no cartório em nova

Iguaçu e depois se dirigir ao cartório eleitoral em Duque de Caxias para

requerer a trans ferência de domicílio? Óbvio que não pessoal, nesse caso, na

própria transferência, que será feita no cartório eleitoral em Duque de Caxias,

será feita, também, a revisão do cadastro da eleitora para alterar o seu nome

para o nome de casada.

Na questão em tela, o artigo 55, § 1º, II e III do Código Eleitoral, faz a

regulamentação da transferência impondo certas condições. Exigindo um tempo

mínimo de inscrição eleitoral no antigo domicílio (um ano) e três meses de

residência no novo domicílio para que a pe ssoa possa requerer sua

transferência. No entanto, estas regras não se aplicam às pessoas constantes

no parágrafo segundo deste mesmo artigo, quais sejam servidor público civil,

militar, autárquico, ou de membro de sua família. Para estas pessoas, não há

aumento de três meses no prazo de residência do novo domicílio eleitoral, como

diz a letra “D”. Simplesmente, não há restrição quanto a prazo para estas

pessoas caso elas tenham sido removidas ou transferidas.

Exemplo: Militar foi designado para servir no Acre e logo que lá chegou

fez a trans ferência da sua inscrição eleitoral. Após 02 meses, ele é removido

para Porto Alegre e com dois dias na cidade se dirigiu a um cartório eleitoral

requerendo a transferência de seu domicílio eleitoral, neste caso, mesmo sem

possuir um ano de inscrição eleitoral no Acre e também não ter 03 meses de

residência em Porto Alegre, ele poderá requerer sua transferência de domicílio

eleitoral.

7ª QUESTÃO: (ANALISTA/TRE/AL/2004/CESPE - ADAPTADA)

Acerca do alistamento e da transferência eleitoral, julgue o itens

abaixo:

Se um eleitor se inscreveu na justiça eleitoral em junho de 2003,

ele somente poderá obeter transferência após as eleições de 2004.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

11

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Comentários:

Resposta: Correta.

Fundamentação legal: Artigo 55, §, I do Código Eleitoral.

Art. 55. Em caso de mudança de domicílio, cabe ao eleitor requerer

ao juiz do novo domicílio sua transferência, juntando o título anterior.

§ 1º A

exigências:

transferência

será admitida satisfeitas as seguintes

I - entrada do requerimento no cartório eleitoral do novo domicílio

até 100 (cem) dias antes da data da eleição.

Percebam que é uma pegadinha. Observem que o eleitor fez sua

inscrição eleitoral em junho de 2003. Em tese, em junho de 2004 ele já poderia

pedir transferência de sua inscrição eleitoral tendo em vista ter cumprido o

requisito de um ano no domicílio anterior. No entanto, nos anos pares, ano de

eleição, que é o caso da questão, qualquer operação no cadastro eleitoral (com

exceção da segunda via) só poderá ser feita até 100 dias antes da eleição. Com

100 dias faltando para a eleição, haverá o “fechamento do cadastro” e

nenhuma operação (com a exceção já aventada) poderá ser feita no cadastro

do eleitor. Este ano, o fechamento do cadastro será 09 de maio (semana que

vem). A partir desta data, nenhuma outra operação que não seja segunda via

será mais efetuada, só voltando a normalidade após as eleições. Por isso, quem

fez o título em junho de 2003, completou um ano de inscrição eleitoral após o

fechamento do cadastro (que sempre será no mês de maio, só mudando o dia)

e, neste caso, somente poderá requerer sua transferência após as eleições.

8ª QUESTÃO: (TÉCNICO JUDICIÁRIO/TRE/GO/2008/CESPE)

Quanto à restrição aos direitos políticos e ao comparecimento às

eleições, assinale a opção correta:

O eleitor que deixar de votar, por se encontrar no exterior na

data do pleito, deverá justificar-se perante o juiz eleitoral em até 60

dias após a realização da eleição.

A regularização da situação eleitoral de pessoa com restrição

de direitos políticos somente será possível mediante comprovação de

haver cessado seu impedimento.

c) O eleitor, mesmo que esteja quite com suas obrigações

eleitorais, só poderá requerer a e xpedição de certidão de quitação na

zona eleitoral em que é inscrito.

Não se admite, no Brasil, a p erda dos direitos políticos, mas

tão-somente a sua suspensão.

a)

b)

d)

Comentários:

Resposta: Letra “B”

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

12

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Fundamentação legal: Artigo 52 da resolução 21. 538/03.

Art. 52. A regularização de situação eleitoral de pessoa com restrição

de direitos políticos somente será possível mediante comprovação de haver

cessado o impedimento

uma

conhecimento da letra da lei.

Mais

uma

vez

questão

que

exigia

do

candidato

apenas

o

9ª QUESTÃO: (Técnico Judiciário/TRE/GO/2008/CESPE)

No que se refere ao alistamento e aos serviços eleitorais, assinale

a opção correta.

É facultado o alistamento, no ano anterior àquele em que se

realizarem eleições, do menor de 16 anos de idade até seis meses antes

da data do pleito.

Identificada situação em que um mesmo eleitor tenha duas ou

mais inscrições regulares, é facultado ao eleitor manifestar-se sobre a

inscrição de sua preferência, devendo as outras ser canceladas pela

autoridade judiciária.

c) As informações constantes do cadastro eleitoral são acessíveis

às instituições públicas e privadas e às pessoas físicas, nos termos do

que estabelece resolução do TSE, ressalvadas as informações de

caráter personalizado.

Detectada a duplicidade de inscrições eleitorais, o juiz eleitoral

deverá determinar a r egularização ou a suspensão da inscrição,

independentemente de ela pertencer, ou não, à sua jurisdição.

a)

b)

d)

Comentários:

Resposta: Letra “C”

Fundamento Legal: Artigo 29, § 1º da resolução TSE nº 21.538/03.

Res. 21.538/03

Art. 29. As informações constantes do cadastro eleitoral serão

acessíveis às instituições públicas e privadas e às pessoas físicas, nos

termos desta resolução (Lei nº 7.444/85, art. 9º, I).

§ 1º Em resguardo da privacidade do cidadão, não se fornecerão

informações de caráter personalizado constantes do cadastro eleitoral.

Questão sem maiores dificuldades, bastando ao candidato o

conhecimento da resolução TSE nº 21.538/03. Galera, vocês devem ler esta

resolução tantas vezes quanto vocês puderem. É importantíssimo para o nosso

concurso o conhecimento profundo desta resolução. Na verdade, ela é a Bíblia

dos serviços cartorários. Então imaginem se ela não vai despencar na sua

prova?

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

13

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

letra “a” está errada, pois o menor de 16 anos, no ano eleitoral, pode

requerer sua inscrição eleitoral caso ele complete 16 anos até o dia do pleito e

não seis meses antes.

letra “b”, não é o eleitor quem escolhe a inscrição eleitoral que ele vai

ficar nos casos em que houver duplicidade, haverá uma preferência

estabelecida pela resolução, a saber:

I - na inscrição mais recente, efetuada contrariamente às instruções em

vigor;

A

Na

II

III

IV

- na inscrição que não corresponda ao domicílio eleitoral do eleitor;

- naquela cujo título não haja sido entregue ao eleitor;

- naquela cujo título não haja sido utilizado para o exercício do voto na

última eleição;

V

A

- na mais antiga.

letra “d” está errada pelo mesmo fundamento da questão acima.

10ª QUESTÃO: (ANALISTA-TRE/2010/CESPE)

Considerando um eleitor que esteja respondendo a processo de

exclusão de inscrição, julgue os itens subsequentes.

1) A lei admite que o eleitor, durante o processo de exclusão, vote

validamente.

2) É defeso ao juiz eleitoral conhecer de ofício a exclusão do

eleitor.

3) Como o interesse de agir é exclusivo do eleitor, outro eleitor

não poderá promover a sua defesa em caso de exclusão.

Comentários:

Resposta: 1-C -

Fundamento legal: 1 – Art. 72 Código Eleitoral. 2 – Art. 71, § 1º do

2-E

-

3 - E

Código Eleitoral. 3 – Art. 73 do Código Eleitoral.

Art. 71. São causas de cancelamento:

I - a infração dos artigos 5º e 42;

II - a suspensão ou perda dos direitos políticos;

III - a pluralidade de inscrição;

IV - o falecimento do eleitos;

V - deixar de votar em 3 (três) eleições consecutivas.(Alterado pela

L-007.663-1988)

§ 1º Na mesma data será encerrada a trans ferência de eleitores,

devendo constar do telegrama do juiz eleitoral ao Tribunal Regional

Eleitoral, do edital e da cópia dêste fornecida aos diretórios municipais dos

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

14

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

partidos e da publicação da imprensa, os nomes dos 10 (dez) últimos

eleitores, cujos processos de transferência estejam definitivamente

ultimados e o número dos respectivos títulos eleitorais.

§ 2º No caso de ser algum cidadão maior de 18 (dezoito) anos

privado temporária ou definitivamente dos direitos políticos, a autoridade

que impuser essa pena providenciará para que o fato seja comunicado ao

juiz eleitoral ou ao Tribunal Regional da circunscrição em que residir o réu.

§ 3º Os oficiais de Registro Civil, sob as penas do Art. 293, enviarão,

até o dia 15 (quinze) de cada mês, ao juiz eleitoral da zona em que

oficiarem, comunicação dos óbitos de cidadãos alistáveis, ocorridos no mês

anterior, para cancelamento das inscrições.

§ 4º Quando houver denúncia fundamentada de fraude no

alistamento de uma zona ou município, o Tribunal Regional poderá

determinar a realização de correção e, provada a f raude em proporção

comprometedora, ordenará a re visão do eleitorado obedecidas as

Instruções do Tribunal Superior e as recomendações que,

subsidiariamente, baixar, com o cancelamento de ofício das inscrições

correspondentes aos títulos que não forem apresentados à

revisão. (Acrescentado pela L-004.961-1966)

Art. 72. Durante o p rocesso e a té a exclusão pode o el eitor votar

validamente.

Parágrafo único. Tratando-se de inscrições contra as quais hajam

sido interpostos recursos

das decisões que as deferiram, desde que tais

recursos venham a ser providos pelo Tribunal Regional ou Tribunal

Superior, serão nulos os votos se o seu número fôr suficiente para alterar

qualquer representação partidária ou classificação de candidato eleito pelo

princípio maioritário.

pelo

interessado, por outro eleitor ou por delegado de partido.

Art. 73.

No

caso

de

exclusão,

a

defesa

pode

ser

feita

11ª QUESTÃO: (ANALISTA/TRE/GO/CESPE)

Os procuradores regionais eleitorais poderão requisitar, de

ofício, para auxiliá-los nas suas funções, membros do MP local, que

terão livre assento nas sessões do tribunal respectivo.

O MP eleitoral possui competência para emitir parecer nos

feitos eleitorais, mas não para pedir abertura de investigação judicial

visando apurar a utilização indevida de veículos ou meios de

comunicação social em benefício de candidato, pois esta é uma

competência exclusiva dos partidos políticos, coligações e candidatos.

O representante do MP que, nos quatro anos anteriores ao

pleito, tem há exercido atividade político-partidária, está impedido de

impugnar o registro de candidato.

a)

b)

c)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

15

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

d) A procuradoria regional junto a cada tribunal regional eleitoral

(TRE) estará a cargo do procurador da república no respectivo estado e,

onde houver mais de um, daquele que for designado pelo presidente do

TRE.

Comentários:

Resposta: Letra “C”.

Fundamento Legal: Artigo 3º, § 2º da Lei 64/90.

Art. 3° Caberá a qualquer candidato, a partido político, coligação ou ao

Ministério Público, no prazo de 5 (cinco) dias, contados da publicação do

pedido de registro do candidato, impugná-lo em petição fundamentada.

§ 1° A impugnação, por parte do candidato, partido político ou

coligação, não impede a ação do Ministério Público no mesmo sentido.

§ 2° Não poderá impugnar o registro de candidato o representante do

Ministério Público que, nos 4 (quatro) anos anteriores, tenha disputado

cargo eletivo, integrado diretório de partido ou exercido atividade político-

partidária.

Temos aqui mais um caso de inelegibilidade que já discutimos na aul a

00. Nesse caso, trata-se da inelegibilidade dos membros do Ministério Público

Eleitoral. Caso o Promotor Eleitoral tenha, nos quatro anos anteriores:

a)

b)

c)

disputado cargo eletivo;

integrado diretório de partido ou;

exercido atividade político-partidária;

Não poderá impugnar registro de candidatura.

12ª

ADAPTADA)

QUESTÃO:

(TÉCNICO

Julgue o item a seguir:

Compete

ao

presidente

escrutinadores das eleições.

JUDICÁRIO/TER/MT/2005/CESPE-

da

junta

eleitoral

nomear

os

Comentários:

Resposta: Certo

Fundamento legal: artigo 38 do Código Eleitoral.

Art. 38. Ao presidente da Junta é facultado nomear, dentre cidadãos

de notória idoneidade, escrutinadores e auxiliares em número capaz de

atender a boa marcha dos trabalhos.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

16

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

As juntas eleitorais são compostas por um juiz de direito, que é o

Presidente, e por dois ou quatro cidadãos de notória idoneidade. Seus membros

são indicados pelo juiz eleitoral e nomeados pelo Presidente do Tribunal

Regional Eleitoral, sessenta dias antes da eleição, depois de aprovados os

nomes pelo órgão colegiado do TRE.

Os nomes das pessoas indicadas para compor as juntas são publicados

no órgão oficial do Estado, até dez dias antes da nomeação, podendo qualquer

partido, no prazo de três dias, impugnar as indicações em petição

fundamentada.

O art. 121 da Constituição Federal prevê que lei complementar disporá sobre a

organização e competência dos Tribunais, dos juízes de direito e das juntas

eleitorais.

13ª QUESTÃO: (TÉCNICO/TRE/PA/2005/CESPE-ADAPTADA)

Julgue o item a seguir:

Para a inscrição do eleitor, o servidor da justiça eleitoral deve

preencher o requerimento de alistamento eleitoral ou digitar as

informações no sistema eletrônico (ELO), de acordo com os dados

constantes no documento apresentado pelo requerente,

complementados com informações fornecidas diretamente por este, e

deve exigir a apresentação de cópias de documentos que comprovem a

veracidade das informações

Comentários:

Resposta: Certo

Fundamento legal: Artigo 9 da resolução TSE nº 21.538/03.

Art. 9º No cartório eleitoral ou no posto de alistamento, o servidor

da Justiça Eleitoral preencherá o RAE ou digitará as informações no sistema

de acordo com os dados constantes do documento apresentado pelo

eleitor, complementados com suas informações pessoais, de conformidade

com as exigências do processamento de dados, destas instruções e das

orientações específicas

Pessoal, como eu disse antes, a Resolução TSE nº 21.538/03 é a Bíblia

do atendimento do servidor do TRE. Repito, estudem demais essa resolução.

Fazendo isso, uma grande parte do sucesso no concurso está garantido.

No caso desta questão, é exatamente o que acontece quando o eleitor se

dirige ao atendimento junto ao TRE. Ele apresenta a documentação e com base

nesta documentação é que você fará o atendimento.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

17

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

14ª QUESTÃO: (Técnico Judiciário – TER/MA/2009/CESPE)

Josué teve seus direitos políticos suspensos mediante decisão

judicial. Posteriormente sua condição foi alterada e ele pretendeu novo

alistamento eleitoral. Diante dessa situação hipotética, assinale a opção

correta.

A regularização da situação de Josué deve ser procedida, de

ofício, pelo órgão judicial que decretou a perda.

b) Caso se tratrasse de perda de direitos políticos e não de

suspensão, competiria ao juiz eleitoral comunicar acerca da requisição

ou do restabelecimento dos direitos políticos do eleitor.

Cabe ao Ministério da Justiça comunicar acerca da requisição

ou do restabelecimento dos direitos políticos de Josué.

o

restabelecimento dos direitos políticos de Josué.

Caso Josué tivesse se recusado a prestar o serviço militar

obrigatório, então seria vedada a reaquisição de seus direitos políticos.

a)

c)

d)

e)

A

sentença

judicial

presta-se

para

comprovar

Comentários:

Resposta: Letra “D”

Fundamento Legal: Artigo 53, II da Resolução 21.538/03.

Art.

53.

São

considerados

documentos

comprobatórios

de

reaquisição ou restabelecimento de direitos políticos:

I - Nos casos de perda:

a) decreto ou portaria;

b) comunicação do Ministério da Justiça.

Bem pessoal, vamos ficando por aqui. Vocês puderam reparar que desta

vez não trouxe jurisprudência para os nossos exercícios. Na verdade as

questões deste capítulo não são assuntos de debates jurisprudenciais. Os

tópicos abordados aqui estão esgotados no Código Eleitoral e na Resolução

21.538/03. Motivo pelo qual eu insisto na leitura exaustiva destes diplomas. E

sei que é muita coisa, mas a re compensa será muito maior do que o esforço

para estudar estes diplomas. Sobre elegibilidade, ainda que conste no

cronograma desta aula, eu prefiro abordá-la na aula 02 que vai falar

justamente sobre inelegibilidade e assim fica bem mais didático.

Meus amigos, estudem bastante, estudem concentrados, com foco e

dedicação. O sucesso virá com certeza.

Um grande abraço e até a próxima aula.

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

18

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

LISTAS DAS QUESTÕES:

1ª QUESTÃO: (Ministério Público/2008/CESPE)

Com relação à c omposição e às atribuições do TSE, conforme

definição constitucional e legal, assinale a opção correta.

TSE;

a)

O Corregedor-Geral eleitoral deve ser um ministro oriundo do

b)

c) O Vice-Presidente do TSE deve sempre ser ministro do STF;

d)

e)

O Procurador-Geral deve ser um ministro indicado pelo STJ;

O MPF deve indicar dois ministros do TSE;

As reuniões do TSE devem ser secretas, salvo deliberação em

contrário da maioria dos seus integrantes.

2ª QUESTÃO: (ANALISTA – TRE/AL/2004/CESPE)

Em cada um dos itens seguintes, é apresentada uma situação

hipotética acerca da validade das decisões do Tribunal Superior

Eleitoral (TSE) no que se refere ao quórum de presença e de votos para

a aprovação de matérias, seguida de uma assertiva a ser julgada:

Em uma sessão de julgamento de cassação de registro de um

partido político, estavam presentes 90% dos membros do TSE. Nessa

situação, a m atéria poderia ser aprovada Por 70% dos membros do

tribunal.

(2) No exame de matéria que importava a interpretação do

Código Eleitoral em face da Constituição Federal, havia 80% dos

membros do TSE presentes à s essão. Nesta situação, a d eliberação

deveria ser tomada pela unanimidade dos membros presentes.

(3) Em sessão de julgamento de perda de diploma, estavam

presentes 80% dos membros do TSE. Nessa situação, a matéria poderia

ser aprovada por 60% dos membros do tribunal.

(1)

3ª QUESTÃO: (Analista Judiciário/TRE/GO/2008 – CESPE)

Quanto aos órgãos da justiça eleitoral, assinale a opção correta:

O TSE, compõe-se, em seu todo, de juízes da magistratura de

carreira nomeados pelo Presidente da República dentre os ministros do

Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça.

(b) O TSE elegerá seu presidente, vice-presidente e corregedor

entre os ministros do STF.

Os membros dos Tribunais Regionais Eleitorais de cada estado

da federação serão nomeados pelos governadores, após indicação do

respectivo tribunal de justiça.

(a)

(c)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

19

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

(d) Os juízes dos tribunais eleitorais, salvo motivo justificado,

servirão por dois anos, no mínimo, e nunca por mais de dois biênios

consecutivos.

QUESTÃO: (Analista/TRE/MA/2006/CESPE)

Com relação às normas da organização e competência da justiça

eleitoral, assinale a opção incorreta.

Compete ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) processar e julgar

originariamente o registro e a c assação de registro de partidos

políticos, de seus diretórios nacionais e de candidatos à presidência e a

vice-presidência da república e ao Senado.

b) São órgãos da justiça eleitoral o TSE, os tribunais regionais

eleitorais, os juízes eleitorais e as juntas eleitorais, compondo-se estas

de um juiz de direito, que, mesmo que não seja juiz eleitoral, será o

presidente, e de dois ou quatro cidadãos de notória idoneidade.

É imprescindível emenda à Constituição Federal para se

ampliar a atual composição do TSE, a q ual, conforme previsto na

Constituição da República, é de sete membros: três juízes escolhidos

entre os ministros do STF, dois juízes entre os ministros do STJ e, por

nomeação do presidente da República, dois juízes entre seis advogados

de notável saber jurídico e idoneidade moral, indicados pelo STF.

Na capital de cada estado e do distrito federal, deve haver um

TER composto de dois juízes escolhidos entre os desembargadores do

tribunal de justiça; dois juízes escolhidos entre juízes de direito, pelo

tribunal de justiça; um juiz do tribunal regional federal (TRF) com sede

na capital do estado ou do distrito federal, ou, em não havendo, um juiz

federal, escolhido, em qualquer caso, pelo TRF respectivo; dois juízes

escolhidos entre seis advogados de notável saber jurídico e idoneidade

moral, indicados pelo tribunal de justiça e nomeados pelo governador

do estado ou do Distrito Federal, conforme o caso.

a)

c)

d)

QUESTÃO: (Técnico Judiciário TRE/GO – 2008 – CESPE)

respeito da competência dos tribunais eleitorais, assinale a

opção incorreta.

de

jurisdição entre juízes eleitorais do respectivo estado.

b) No desempenho de suas atribuições, o corregedor regional de

justiça eleitoral poderá locomover-se para as zonas eleitorais, a

requerimento de partido político, deferido pelo TRE.

São irrecorríveis as decisões do TSE, salvo as que declararem a

invalidade de lei ou ato contrário à CF e as denagatórias de habeas

corpus ou mandado de segurança.

A

a)

Compete

ao

TSE

julgar,

originariamente,

os

conflitos

c)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

20

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

Não podem fazer parte do TSE cidadãos que tenham entre si

parentescos, ainda que por afinidade, até o quarto grau, seja o vínculo

legítimo ou ilegítimo, excluindo-se, nesse caso, o que tiver sido

escolhido por último.

d)

6ª QUESTÃO: (Magistratura/AC – 2008 - CESPE)

Considerando a m udança de domicílio do eleitor, conforme o

Código Eleitoral, assinale a opção incorreta.

a) O requerimento de transferência deve ser protocolizado,

mínimo, 100 dias antes de uma eleição.

no

b) O eleitor deve ter domicílio eleitoral em determinada seção por

um ano, pelo menos.

c)

o eleitor deve residir no local do novo domicílio eleitoral há,

pelo menos, três meses.

d)

No caso de remoção do servidor militar, o prazo de residência

no local do novo domicílio eleitoral é ampliado em três meses.

7ª QUESTÃO: (ANALISTA/TRE/AL/2004/CESPE - ADAPTADA)

Acerca do alistamento e da transferência eleitoral, julgue o itens

abaixo:

Se um eleitor se inscreveu na justiça eleitoral em junho de 2003,

ele somente poderá obeter transferência após as eleições de 2004.

8ª QUESTÃO: (TÉCNICO JUDICIÁRIO/TRE/GO/2008/CESPE)

Quanto à restrição aos direitos políticos e ao comparecimento às

eleições, assinale a opção correta:

O eleitor que deixar de votar, por se encontrar no exterior na

data do pleito, deverá justificar-se perante o juiz eleitoral em até 60

dias após a realização da eleição.

A regularização da situação eleitoral de pessoa com restrição

de direitos políticos somente será possível mediante comprovação de

haver cessado seu impedimento.

c) O eleitor, mesmo que esteja quite com suas obrigações

eleitorais, só poderá requerer a e xpedição de certidão de quitação na

zona eleitoral em que é inscrito.

Não se admite, no Brasil, a p erda dos direitos políticos, mas

tão-somente a sua suspensão.

a)

b)

d)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

21

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

9ª QUESTÃO: (Técnico Judiciário/TRE/GO/2008/CESPE)

No que se refere ao alistamento e aos serviços eleitorais, assinale

a opção correta.

É facultado o alistamento, no ano anterior àquele em que se

realizarem eleições, do menor de 16 anos de idade até seis meses antes

da data do pleito.

Identificada situação em que um mesmo eleitor tenha duas ou

mais inscrições regulares, é facultado ao eleitor manifestar-se sobre a

inscrição de sua preferência, devendo as outras ser canceladas pela

autoridade judiciária.

As informações constantes do cadastro eleitoral são acessíveis

às instituições públicas e privadas e às pessoas físicas, nos termos do

que estabelece resolução do TSE, ressalvadas as informações de

caráter personalizado.

Detectada a duplicidade de inscrições eleitorais, o juiz eleitoral

deverá determinar a r egularização ou a suspensão da inscrição,

independentemente de ela pertencer, ou não, à sua jurisdição.

a)

b)

c)

d)

10ª QUESTÃO: (ANALISTA-TRE/2010/CESPE)

Considerando um eleitor que esteja respondendo a processo de

exclusão de inscrição, julgue os itens subsequentes.

1)

A lei admite que o eleitor, durante o processo de exclusão, vote

validamente.

2)

eleitor.

É defeso ao juiz eleitoral conhecer de ofício a exclusão do

3)

Como o interesse de agir é exclusivo do eleitor, outro eleitor

não poderá promover a sua defesa em caso de exclusão.

11ª QUESTÃO: (ANALISTA/TRE/GO/CESPE)

Os procuradores regionais eleitorais poderão requisitar, de

ofício, para auxiliá-los nas suas funções, membros do MP local, que

terão livre assento nas sessões do tribunal respectivo.

O MP eleitoral possui competência para emitir parecer nos

feitos eleitorais, mas não para pedir abertura de investigação judicial

visando apurar a utilização indevida de veículos ou meios de

comunicação social em benefício de candidato, pois esta é uma

competência exclusiva dos partidos políticos, coligações e candidatos.

O representante do MP que, nos quatro anos anteriores ao

pleito, tem há exercido atividade político-partidária, está impedido de

impugnar o registro de candidato.

A procuradoria regional junto a cada tribunal regional eleitoral

(TRE) estará a cargo do procurador da república no respectivo estado e,

a)

b)

c)

d)

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

22

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

onde houver mais de um, daquele que for designado pelo presidente do

TRE.

12ª

ADAPTADA)

QUESTÃO:

(TÉCNICO

Julgue o item a seguir:

Compete

ao

presidente

escrutinadores das eleições.

JUDICÁRIO/TER/MT/2005/CESPE-

da

junta

eleitoral

nomear

os

13ª QUESTÃO: (TÉCNICO/TRE/PA/2005/CESPE-ADAPTADA)

Julgue o item a seguir:

Para a inscrição do eleitor, o servidor da justiça eleitoral deve

preencher o requerimento de alistamento eleitoral ou digitar as

informações no sistema eletrônico (ELO), de acordo com os dados

constantes no documento apresentado pelo requerente,

complementados com informações fornecidas diretamente por este, e

deve exigir a apresentação de cópias de documentos que comprovem a

veracidade das informações

14ª QUESTÃO: (Técnico Judiciário – TER/MA/2009/CESPE)

Josué teve seus direitos políticos suspensos mediante decisão

judicial. Posteriormente sua condição foi alterada e ele pretendeu novo

alistamento eleitoral. Diante dessa situação hipotética, assinale a opção

correta.

A regularização da situação de Josué deve ser procedida, de

ofício, pelo órgão judicial que decretou a perda.

b) Caso se tratrasse de perda de direitos políticos e não de

suspensão, competiria ao juiz eleitoral comunicar acerca da requisição

ou do restabelecimento dos direitos políticos do eleitor.

Cabe ao Ministério da Justiça comunicar acerca da requisição

ou do restabelecimento dos direitos políticos de Josué.

o

restabelecimento dos direitos políticos de Josué.

Caso Josué tivesse se recusado a prestar o serviço militar

obrigatório, então seria vedada a reaquisição de seus direitos políticos.

a)

c)

d)

e)

A

sentença

judicial

presta-se

para

comprovar

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

23

ANDRÉA PASCOAL NOGUEIRA - 916.102.304-34

CURSO EM PDF – DIREIRO ELEITORAL P/ TRIBUNAIS

Prof. Alexandre Dias

GABARITO

01

- C

02

– E;E;E

03

- D

04

- D

05 - A

06 - D

07

- C

08

- B

09

- C

10 – C;E;E

11

- C

12

- C

13

- C

14

- D

 

www.canaldosconcursos.com.br/curso_pdf

24