Sunteți pe pagina 1din 12

Este trabalho foi feito pelos alunos do quarto ano da escola EB1

n.º1 do Tramagal no ano lectivo 2009-2010. Este trabalho é sobre o


passado da nossa terra. A nossa terra é Tramagal. Para fazer este
trabalho fomos fazer algumas perguntas às pessoas mais idosas,
nossas conhecidas:

O nome das ruas e porque têm esse nome.


Se existem estátuas e de quem são.
Datas importantes para o Tramagal.
Onde trabalhavam as pessoas antigamente.
Se havia alguma festa ou procissão importante e em que altura do ano
se realizava.
Se havia, alguma banda de música ou rancho folclórico.
Se havia algum artesanato próprio do Tramagal.
Se existia alguma casa antiga que seja importante na história do
Tramagal.
O nome de pessoas que tenham sido importantes para a história do
Tramagal.
Jogos e danças antigas.
Como se divertiam as pessoas aos domingos e aos serões antigamente.
Receitas e comidas de antigamente.
Quando estavam doentes quais eram os remédios que faziam em casa.

Alguns alunos perguntaram às avós, outros às tias, outros aos


amigos. Todos nos deram muitas respostas. Foi um bocadinho difícil de
organizar tudo o que nos disseram, mas tentámos juntar de maneira a
ficar um trabalho com todas as respostas.
O Tramagal é uma vila Portuguesa do concelho de Abrantes.
Aldeia até 1986 foi elevada a vila em 23 de Agosto desse ano. É
conhecida como Vila Convívio e tinha em 2001, 4043 habitantes.

A freguesia do Tramagal localiza-se na parte ocidental do


concelho, a sul do Tejo. Tem como vizinhos o concelhos de Constância a
oeste e noroeste e as freguesias de Rio de Moinhos a norte, São
Vicente a noroeste e São Miguel do Rio Torto a sueste. É ribeirinho à
margem esquerda do rio Tejo, ao longo dos limites com Rio de Moinhos
e São Vicente e da parte norte do limite com Constância.

A evolução da vila foi conseguida através do desenvolvimento


industrial, mais precisamente da antiga fábrica Metalúrgica Duarte
Ferreira (MDF), falar do Tramagal é falar da Metalúrgica Duarte Ferreira,
uma das maiores metalúrgicas nacionais até aos anos 80 do século
passado e à qual os Tramagalenses devem a história da sua vila.
Pessoas importantes

As pessoas mais importantes na história do


Tramagal foram Eduardo Duarte Ferreira, Dr.
Mineiro, Dr. Escudeiro e Sr. Luís Bairrão.

No Tramagal existem muitas ruas com nomes de pessoas


importantes:

Rua Dr. Eduardo Duarte Ferreira,


porque foi uma pessoa muito importante para
o Tramagal, dando emprego a muitas pessoas
e ajudando muito esta terra.

Eduardo Duarte Ferreira


(10 de Fevereiro de 1856
21 de Abril 1948)

Também existem outras ruas em homenagem a museus e centros


agrícolas. A Rua do Centro Agrícola tem esse nome porque nela existia
uma casa onde se recolhiam produtos agrícolas à qual se dava o nome
de casa agrícola. A Rua da Forja tem esse nome porque nesta rua existe
um museu onde está exposta uma forja. A Rua da Barca porque é a rua
que vai dar ao sitio onde as pessoas antigamente apanhavam a barca
para atravessar o Tejo. Rua Nossa Senhora da Oliveira e Rua de São
José, pela fé que as pessoas têm nestes santos.

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira

Eduardo Duarte Ferreira

À entrada do Tramagal existe a estátua do Comendador Eduardo


Duarte Ferreira. Este monumento foi uma homenagem do povo do
Tramagal às coisas boas que ele fez pela vila.
Como ele gostava de trabalhar com ferro quis montar uma oficina
própria o que veio a conseguir por volta dos 26 anos de idade.

Esta é a imagem da oficina a quem Duarte Ferreira chamou “ A


forja”, que está na origem daquela que viria a ser uma das maiores
indústrias de metalurgia de Portugal.

A oficina, que começou por se dedicar ao fabrico de alfaias


agrícolas, em especial charruas, foi crescendo e o negócio tornou-se
próspero.
Festas
No dia 1 de Janeiro saía a banda para tocar nas ruas e dar as
boas festas à população. No dia 15 de Agosto, que é dia da Nossa
Senhora de Oliveira, é realizada a festa de Verão. Durante esta festa
realiza-se também a procissão em honra de Nossa Senhora da Oliveira,
padroeira do Tramagal.

Trabalhos de antigamente
Antigamente as pessoas trabalhavam na metalúrgica Duarte
Ferreira e também no campo.

A borboleta é o símbolo da Metalúrgica Duarte Ferreira


Passatempos de antigamente
Antigamente, as pessoas para passarem o tempo, contavam
histórias antigas, iam a bailes e também iam ao cinema e ver revistas,
aos domingos e ás quintas-feiras, que era no Cine Teatro do Tramagal.
Quando não tinham nada para fazer, ouviam rádio para ouvir as notícias
do dia. Antigamente as pessoas divertiam-se com bailes, matinés,
faziam danças de roda, dançavam o gato e o peixe dos sete mares.

As pessoas antigamente jogavam a muitos jogos, ao jogo do


chinquilho, ao jogo do burro e também ao jogo das cartas. As crianças
jogavam à macaca e ao futebol. Jogavam futebol com uma bola feita de
um novelo de lã, também jogavam ao pião, a saltar a corda e ao
berlinde.

Receitas de antigamente
Quando estavam doentes, as nossas avós bebiam chá de ervas e
xarope de cenoura, de limão e de mel que fazia bem ao corpo e quando
tinham febre molhavam uma toalha ou pano com água fria e ponham na
testa para passar. Quando as pessoas ficavam mais doentes iam ao
médico e os médicos receitavam xarope de cenoura, caldos de galinha,
chá e outras mezinhas. Quando estavam constipados ensopavam
algodão com álcool e colocavam no peito e bebiam chá bem quente.

Comidas de antigamente
Nos tempos antigos as pessoas engordavam porcos para terem
que comer, mas era um porco por ano para uma casa de dez ou doze
pessoas. Quando se comiam sardinhas era uma para três ou quatro
pessoas e as azeitonas era uma por cada pessoa. Não havia leite e o
que havia era só para quem estava doente. A refeição da manhã era
sopas de café. Também se comiam couves com feijão e peixe apanhado
no rio Tejo, fataças, bogas e saboga. Carne com feijão, sardinhas fritas
com molho de escabeche, migas com bacalhau, arroz com feijão, roupa
velha. E no Natal havia doces, coscorões e belhoses.

A minha avó contou-me:


Vou contar-vos uma história que a minha avó me contou. Antes da
fábrica (MDF) fechar o meu avô recebia só metade do ordenado ou
menos e como tinha 6 filhos era difícil cuidar deles sem dinheiro. Um dia
ela foi falar com o padeiro e disse-lhe que não queria mais pão porque
não tinha dinheiro para lhe pagar e explicou-lhe o motivo. Então o
padeiro a partir desse dia começou a deixar o pão normalmente, sem a
minha avó pedir e sem cobrar dinheiro. Ele teve pena do meu pai e dos
meus tios. Ao fim de um ano a vida da minha avó melhorou e ela pagou
tudo quando devia a esse senhor. Era um padeiro do Crucifixo que se
chamava Máximo e a minha avó diz que ele já morreu.
Catarina

Os nossos textos sobre o Tramagal


O Tramagal é onde eu moro, tem uma estação de comboios, um
campo de futebol onde a equipa é o T.S.U, parque com escorrega e
baloiços, temos 6 escolas, um núcleo do Sporting, agricultores,
pescadores, quintas, um campo de ténis e também há lá um café, temos
o busto do Eduardo Duarte Ferreira que escolheu o símbolo de uma
borboleta para Tramagal mas também temos o café do borboleta, a
igreja onde eu tenho catequese e também lá vou à missa, a S.A.T. onde
podemos fazer teatro, vou ao pavilhão fazer atletismo, vou ao pinhal
apanhar pinhas, e temos restaurantes: o Grelhas, Barraqueiro... E temos
um supermercado o Ecomarché. Eu gosto muito de viver no Tramagal.
João

Tramagal simboliza-se com uma borboleta azul, sabem porquê?


Porque Eduardo Duarte Ferreira construiu uma fábrica e o símbolo era
uma borboleta azul, chegou a ter 1800 trabalhadores e até tem uma
estátua ao pé do mirante, o símbolo ficou para a terra toda...

E Tramagal tem algumas escolas, discotecas, tem a S.A.T.


(Sociedade Artística Tramagalense), cafés, um pavilhão, um super
mercado, uma padaria, uma igreja, um campo de ténis, restaurantes,
uma piscina municipal, um cemitério, dadores de sangue, parque,
jardim, baloiços,...

Miguel

O Tramagal tem muitas coisas: lojas, a S.A.T, escolas, piscina,


campo de ténis, restaurantes, e muitas mais coisas. Eu vivo aqui em
Tramagal, ele é muito grande, eu adoro viver aqui no Tramagal. O
símbolo do Tramagal é um dos meus animais preferidos, a borboleta. A
borboleta é o símbolo do Tramagal, porque no tempo dos nossos avós
existia uma fábrica que dava trabalho a muita gente e que construiu a
maior parte do Tramagal casas, campo de futebol, centro de saúde. O
seu símbolo era a borboleta e por isso é que a borboleta é o símbolo do
Tramagal.
Ana Lúcia
O Tramagal é onde eu moro, tem um parque e há baloiços.
No Tramagal há uma estação de comboios.
O borboleta é um café com uma papelaria, um cabeleireiro e lojas.
No Écomarche podemos comprar muitas coisas e tem um café.
Na piscina pode-se aprender a nadar.
Na escola aprende-se muitas coisas novas.
Diogo

O Tramagal é o sítio onde moro. Há muitas coisas na minha terra.


Temos um campo de futebol, um campo de ténis, uma piscina e até um
pavilhão para praticar desporto. A minha terra é conhecida por ter muitas
associações como os dadores de sangue, a sociedade, a Artram, a
associação de melhoramentos, a associação da Lamacheira, etc., que
organizam muitas festas. Temos uma igreja, escolas, jardim com
baloiços, biblioteca, Junta de Freguesia e alguns restaurantes. O meu tio
é dono do Grelhas.

Existe uma padaria com mais de 50 anos que é onde a minha mãe
trabalha e eu conheço muito bem a padaria.

Temos também um supermercado Ecomarché que é perto do


cemitério e somos muito conhecidos pelos vinhos Terraços do Tejo.

Catarina

O Nome de Tramagal surgiu, devido há passagem da Rainha D.


Leonor, por esta localidade. Avistando um campo de tramagas ela disse:
“Ai que lindo Tramagal” e assim ficou o nome desta terra.

Tramagal é uma vila do Concelho de Abrantes foi aldeia até 1986


ano em que passa a Vila, tem cerca de 4.043 habitantes. Tem como
vizinha a aldeia de S. Miguel do Rio Torto.
Tramagal ficou conhecido pelo nome da fábrica Metalúrgica Duarte
Ferreira a qual tinha como símbolo comercial uma borboleta. Eduardo
Duarte Ferreira cedeu o terreno para o campo de jogos do T.S.U e
também são os fundadores da SAT.

A agricultura do Tramagal é baseada em milho e vinhas. O


Ecomarché é um espaço comercial onde os moradores do Tramagal e
arredores fazem as suas compras. Também nesta Vila existem dois
cemitérios, uma padaria e vários postos de distribuição de pão. O campo
de ténis é um espaço desportivo aberto a toda a população e arredores.

Restaurantes tem três onde se pode comer a comida típica da


região, couves com feijão, migas, pernil de porco entre outros.

À saída do Tramagal existe o Miradouro da Penha o qual tem uma


estátua em homenagem a Eduardo Duarte Ferreira.

Também existe uma igreja onde a Padroeira é Nossa Senhora da


Oliveira.

Ana Rita

A empresa Duarte Ferreira que foi criada em 1918 o símbolo dela


era uma borboleta. Com o passar do tempo o símbolo de borboleta
passou a ficar como o símbolo do Tramagal. Tanto que o emblema do
Tramagal Sport União também tem uma borboleta. E como o café
borboleta fica na sede do Tramagal Sport União achou-se por bem que
se chamasse “O Borboleta”.
Inês