Sunteți pe pagina 1din 20

QUADROS DE COMANDO DE GESTÃO

QUADROS DE COMANDO DE GESTÃO António Carvalho • Cristiano Fonseca Gestão de Empresas DEC | ISEC

António Carvalho • Cristiano Fonseca

Gestão de Empresas

DEC | ISEC Coimbra Maio 2007

avaliação da pe rfo rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen
avaliação da pe rfo rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen
avaliação da pe rfo rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen

avaliação da pe rfo rma nc e

a nte c ipaç ã o

avaliação da pe rfo rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen te,
avaliação da pe rfo rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen te,

passado, presen te, futuro…

rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen te, futuro… sina liza çã
rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen te, futuro… sina liza çã
rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen te, futuro… sina liza çã
rma nc e a nte c ipaç ã o passado, presen te, futuro… sina liza çã

sina liza çã o das disfunções

TABLEAU DE BORD

presen te, futuro… sina liza çã o das disfunções TABLEAU DE BORD fer ramenta pesso al
presen te, futuro… sina liza çã o das disfunções TABLEAU DE BORD fer ramenta pesso al

fer ramenta pesso al

presen te, futuro… sina liza çã o das disfunções TABLEAU DE BORD fer ramenta pesso al

diálogo

e

trocas

presen te, futuro… sina liza çã o das disfunções TABLEAU DE BORD fer ramenta pesso al
presen te, futuro… sina liza çã o das disfunções TABLEAU DE BORD fer ramenta pesso al
COM O QUADRO DE COMANDOS EU POSSO:
COM O QUADRO DE COMANDOS EU POSSO:

COMO CONSTRUIR?

COM O QUADRO DE COMANDOS EU POSSO: COMO CONSTRUIR?
1. Seleccionar os eixos de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os
1. Seleccionar os eixos de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os
1. Seleccionar os eixos de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os
1. Seleccionar os eixos de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os
1. Seleccionar os eixos de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os

1. Seleccionar os eixos de progresso

1. Seleccionar os eixos de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os objectivos

2. Determinar os pontos de intervenção

de progresso 2. Determinar os pontos de intervenção 3. Definir os objectivos 4. Escolher e construir

3. Definir os objectivos

os pontos de intervenção 3. Definir os objectivos 4. Escolher e construir os indicadores 5. Construir

4. Escolher e construir os indicadores

3. Definir os objectivos 4. Escolher e construir os indicadores 5. Construir e manter o quadro

5. Construir e manter o quadro de comando

Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão

no controlo de uma obra

Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
Exemplo de aplicação de um Quadro de Comando de Gestão no controlo de uma obra
PLANO DE TRABALHOS PREVISTO E REALIZADO Previsto Realizado Através dos trabalhos previstos e realizados são

PLANO DE TRABALHOS PREVISTO E REALIZADO

PLANO DE TRABALHOS PREVISTO E REALIZADO Previsto Realizado Através dos trabalhos previstos e realizados são obtidos
PLANO DE TRABALHOS PREVISTO E REALIZADO Previsto Realizado Através dos trabalhos previstos e realizados são obtidos

Previsto

Realizado

Através dos trabalhos previstos e realizados são obtidos os autos de medição para cada mês.

AUTOS DE MEDIÇÃO Os autos de medições são a quantidade de trabalho realizada mensalmente para

AUTOS DE MEDIÇÃO

Os autos de medições são a quantidade de trabalho realizada mensalmente para cada item do orçamento

trabalho realizada mensalmente para cada item do orçamento São apresentados apenas os autos nº1 e nº2,

São apresentados apenas os autos nº1 e nº2, sabendo que os restantes são determinados da mesma forma.

CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR) Com os autos de medi ção elaborados, obtemos

CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR)

Com os autos de medição elaborados, obtemos o cronograma financeiro previsto e o cronograma financeiro real.

(CFR) Com os autos de medi ção elaborados, obtemos o cronograma financeiro previsto e o cronogra
CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR) (cont.)

CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR)

(cont.)

CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR) (cont.)
CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR) (cont.)
CRONOGRAMA FINANCEIRO PREVISTO (CFP) E REAL (CFR) (cont.)
Comparação CFP vs CFR Plano de Trabalhos Previsto e Realizado Realizado Previsto Mão de Obra

Comparação CFP vs CFR

Comparação CFP vs CFR Plano de Trabalhos Previsto e Realizado Realizado Previsto Mão de Obra Prevista

Plano de Trabalhos Previsto e Realizado

CFP vs CFR Plano de Trabalhos Previsto e Realizado Realizado Previsto Mão de Obra Prevista e

Realizado

Previsto

Mão de Obra Prevista e Real

e Realizado Realizado Previsto Mão de Obra Prevista e Real n nº de operários n nº
n
n

nº de operários

n
n

nº de operários

Os quadros apresentados vão servir para calcular os rácios que vão ser usados nos indicadores do “Tableau de Bord” da obra em execução.

“Multi Células”“Termómetro”

“Multi Células” “Termómetro” INDICADORES, RÁCIOS E INTERVALOS “Taquímetro” CFR Rácio = CFP

INDICADORES, RÁCIOS E INTERVALOS

“Taquímetro”
“Taquímetro”
INDICADORES, RÁCIOS E INTERVALOS “Taquímetro” CFR Rácio = CFP Trabalho Rácio = Realizado
INDICADORES, RÁCIOS E INTERVALOS “Taquímetro” CFR Rácio = CFP Trabalho Rácio = Realizado

CFR

Rácio =

Rácio =

CFP

Trabalho

Rácio =

Realizado

 
 

Trabalho

Previsto

Mão de

Rácio =

Obra Real

 

Mão de Obra Previsto

0% – 80%

80% - 100%

> 100%

> 100%

PerigoObra Previsto 0% – 80% 80% - 100% > 100% > 100% Atenção Bom Excelente 100%

AtençãoPrevisto 0% – 80% 80% - 100% > 100% > 100% Perigo Bom Excelente 100% -

Bom0% – 80% 80% - 100% > 100% > 100% Perigo Atenção Excelente 100% - 95%

Excelente80% 80% - 100% > 100% > 100% Perigo Atenção Bom 100% - 95% Muito Bom

100% - 95%

Muito Bom100% - 95%

95% - 90%

Bom95% - 90%

90% - 70%

Atenção90% - 70%

70% - 35%

Mau70% - 35%

35% - 0%

Muito Mau35% - 0%

0% - 20%

Muito Pouco0% - 20%

20% - 50%

Pouco20% - 50%

50% - 80%

Razoável50% - 80%

80% - 100%

Bom80% - 100%

> 100%

Muito Bom0% - 20% Muito Pouco 20% - 50% Pouco 50% - 80% Razoável 80% - 100%

ou Excesso

INDICADORES PARA O MÊS 1

INDICADORES PARA O MÊS 1

INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 1
INDICADORES PARA O MÊS 2

INDICADORES PARA O MÊS 2

INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 2
INDICADORES PARA O MÊS 3

INDICADORES PARA O MÊS 3

INDICADORES PARA O MÊS 3
INDICADORES PARA O MÊS 3
INDICADORES PARA O MÊS 3
INDICADORES PARA O MÊS 3
INDICADORES PARA O MÊS 3
INDICADORES PARA O MÊS 3
INDICADORES PARA O MÊS 4

INDICADORES PARA O MÊS 4

INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 4
INDICADORES PARA O MÊS 5

INDICADORES PARA O MÊS 5

INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 5
INDICADORES PARA O MÊS 6

INDICADORES PARA O MÊS 6

INDICADORES PARA O MÊS 6
INDICADORES PARA O MÊS 6
INDICADORES PARA O MÊS 6
INDICADORES PARA O MÊS 6
INDICADORES PARA O MÊS 6
INDICADORES PARA O MÊS 6
INDICADORES PARA O MÊS 6
ANÁLISES POSSÍVEIS – “TAQUÍMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 sem necessidade de

ANÁLISES POSSÍVEIS – “TAQUÍMETRO”

Mês 1

ANÁLISES POSSÍVEIS – “TAQUÍMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 sem necessidade de fazer

Mês 2

Mês 2 Mês 3 Mês 4

Mês 3

Mês 2 Mês 3 Mês 4

Mês 4

– “TAQUÍMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 sem necessidade de fazer cálculos, o

sem

necessidade de fazer cálculos, o Responsável pode ver como está a decorrer a facturação da obra.

Com uma simples visualização, e

Na Obra em estudo, e nos quatro “Taquímetros” apresentados o Responsável pode concluir:

-Do

intervalos

mês

encontra-se

de

da diminuição da

facturação.

- No mês 3, existiu uma recuperação e no mês quatro a situação voltou ao normal, isto é, encontra-se na zona “BOM”.

Com esta

informação

adoptados

facturação da obra

diminuiu,

mês

1

para

e

a

de

na

saber

o

mês

2,

a

acordo

com

do

os

facturação

zona

o

razão

segundo

“PERIGO”.

Responsável

“gráfica”

a

pode

imediato

ANÁLISES POSSÍVEIS – “MULTI CÉLULAS” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Analisando agora

ANÁLISES POSSÍVEIS – “MULTI CÉLULAS”

Mês 1

ANÁLISES POSSÍVEIS – “MULTI CÉLULAS” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Analisando agora os

Mês 2

Mês 2 Mês 3 Mês 4

Mês 3

Mês 2 Mês 3 Mês 4

Mês 4

– “MULTI CÉLULAS” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Analisando agora os gráficos “Multi

Analisando agora os gráficos “Multi Células”, podemos saber a quantidade realizada de trabalho em cada mês.

No Obra em estudo, e nos quatro gráficos “Multi Células” apresentados o Responsável pode concluir:

-Do mês 1 para o mês 2, a quantidade de trabalho realizada diminuiu, isto é, houve uma diminuição do rácio realizado/previsto, como se pode ver através da posição da barra azul que se situa na zona denominada por “ATENÇÃO”. Isto indica-nos que pode existir atrasos na obra.

- A partir do mês 3 a obra evolui bem e no mês 4 a quantidade de trabalho realizado excede mesmo a quantidade prevista.

ANÁLISES POSSÍVEIS – “TERMÓMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Através da análise

ANÁLISES POSSÍVEIS – “TERMÓMETRO”

Mês 1

Mês 2

Mês 3

Mês 4

POSSÍVEIS – “TERMÓMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Através da análise de um
POSSÍVEIS – “TERMÓMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Através da análise de um
POSSÍVEIS – “TERMÓMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Através da análise de um
POSSÍVEIS – “TERMÓMETRO” Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Através da análise de um

Através da análise de um indicador tipo “Termómetro”, e neste caso, podemos saber a quantidade de trabalhadores em obra no mês:

Com uma análise deste tipo o Responsável pode:

- Saber com rapidez o número de operários que estão ou estiveram em obra;

- Saber ou prever atrasos na obra devido à diminuição de mão de obra como é perceptível através dos “termómetros” do mês 1 e mês 2;

- Saber se estão operários em excesso em obra, e no caso de uma empresa com várias obras, redireccionar os trabalhadores para obras em que eles realmente façam falta.