Sunteți pe pagina 1din 3

Tema: a cruz de todos nós

Textos:
“Então, disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si
mesmo se negue, tome a sua cruz, e siga-me” — (Mateus 16:24).
“Puseram-lhe a cruz sobre os ombros, para que a levasse após Jesus”
(Lucas 23.26).
A pregação da cruz é loucura para os que perecem (1 Co 1.18).

 A cruz que todos querem

A cruz que vemos geralmente bem aceita na sociedade e até entre cristãos é
uma cruz atraente e singela, uma cruz bonita e que serve como adereço, a
cruz que todos estão acostumados é a que não fere e que não confronta
uma cruz que possa ser usada como brinco ou pingente no colar, na
entrada da casa ou da paróquia.
No entanto, esta cruz não tem qualquer referência nas escrituras. Esta cruz
que todos querem não tem vínculos com o cristianismo, com o evangelho de
Jesus, isto porque ela não remete o que a possui ou o que para ela olha a
nada. Ela não lembra o pecador do seu pecado, nem o ímpio de sua
impiedade, não traz arrependimento nem conduz de volta ao caminho o
transgressor.
Por que carregar esta cruz, se ela apenas enfeita e na verdade não é
símbolo verdadeiro para aquele que a carrega. Não há nada de errado em
carregar uma cruz no peito, se ela de fato indicasse que aquele que a
carrega é imitador, seguidor e discípulo de Cristo, quem de fato carregou
nossa cruz.
“Puseram-lhe a cruz sobre os ombros, para que a levasse após Jesus” (Lucas
23.26).
Este trecho do evangelho de Lucas lembra-nos de um homem chamado
Simão, o cirineu. Diz o evangelista que Simão estava apenas passando,
vindo do campo, quando o Cristo carregava a cruz pela via dolorosa,
trôpego e flagelado, cruz na cabeça e açoites nas costas. Quando passava,
foi obrigado pelos soldados a carregar a cruz, que Cristo carregava.
Alguns dentre nós, mais religiosos e piedosos, porém ignorantes, aceitaria
carregar esta cruz, que Simão foi obrigado a carregar, uma cruz pesada,
mas momentânea e que de uma vez por todas nos livre da obrigação de
segui-lo e imita-lo, uma cruz que nos expie por si só, seja grande ou
pequena, de prata ou madeira, leve ou pesada, mas que seja ela mesma a
solução para nossas almas.
Quem é que não quer uma cruz assim?
 A cruz que ninguém quer
“Aquele que não toma a sua cruz, e segue-me, não é digno de mim” (Mt 10.38)
Neste sentido é que podemos sintetizar a segunda colocação, tribulações e
angustias e lutas. Quando observamos as palavras do Senhor Jesus, elas
nos são um tanto fortes, “no mundo tereis aflições”, “se não tomar a cruz
de cada dia e seguir mos a Ele, não somos dignos dEle”, 2 corintios 11.24 –
o Apostolo Paulo lista suas aflições e ainda observamos nosso Senhor dizer:
Bem-aventurados serão vocês, quando os odiarem, expulsarem e
insultarem, e eliminarem o nome de vocês, como sendo mau, por causa do
Filho do homem. Regozijem-se nesse dia e saltem de alegria, porque grande
é a sua recompensa no céu. Pois assim os passados deles trataram os
profetas.
A cruz que não queremos, a cruz que ninguém quer, é a que faz referencia
a dor e sofrimentos. Quem em sã consciência quer uma vida de sofrimento?
É claro que este não é o desejo de ninguém. Embora as palavras do Senhor
sejam confortadoras sobre nosso futuro não é desejo de ninguém o
sofrimento.
No entanto, nos consolamos com o fato de que mesmo na luta nosso
Senhor está presente, nem sempre nos livrando da luta, mas na luta. O
sofrimento e a dor nos fazem crescer e mesmo nas angustias Deus jamais
nos desampara. Que ninguém sofra por precipitação ou fraude, por
contenda ou por estar fora dos cuidados de Deus, mas se sofremos por
amor ao evangelho, se sofrendo estamos ligados e em comunhão com Deus,
bem aventurados somos.
O evangelho que vivemos não nos proporciona apenas alegrias e privilégios,
não. Deus não nos livrará de errar e sofrer, mas promete estar conosco,
sempre. Existe uma pregação e um evangelho sem dor, sem lutas e sem
cruz, esse evangelho não é o do Senhor Jesus Cristo. Davi, não foi
considerado homem segundo o coração de Deus por estar isento de pecado
e lutas, mas por que em seu coração havia arrependimento e amor
verdadeiro por Deus e sua palavra. João Batista viveu em extrema pobreza,
comendo gafanhotos e mel silvestres e vestindo pele de ovelhas, foi
rejeitado em sua pregação e vida e mesmo assim era amado e Deus e Cristo
disse a seu respeito que não houve homem maior que ele (Lucas 7.28). José
do Egito foi traído por seus irmãos, vendido como escravo, acusado pela
mulher de Potifar e foi encarcerado, tinha tudo para ser depressivo e odiar
seu Deus, mas o honrou quando Deus o elevou á governador do Egito, pois
sua fé ainda era tão firme e forte quanto antes, quando estava na casa de
seu pai. Jó de homem rico e invejado por todos, se tornou pobre e
moribundo, sua mulher o aconselhou abandonar seu Deus, seus filhos
morreram, sua casa se tornou em ruínas, sua fama foi para o lixo e seus
amigos o acusavam de pecador, mas suas palavras eram: “Eu sei que o
meu redentor vive e por fim se levantará sobre a terra, e depois que o meu
corpo estiver destruído e sem carne verei á Deus, eu o verei com os meus
próprios olhos, eu o verei”.
Não se torture pela cruz que lhe foi colocada aos ombros como a Simão o
cirineu. O Cristo de Deus estará com você por todo o caminho.
 A cruz que todos devem carregar
O termo “A CRUZ” para o cristão, significa bem mais que a simples cruz em
sua imagem, seja ela qual for, em que material for feita. Significa bem mais
que as lutas constantes e as angustias e problemas, mesmo que seja pelo
nome de Cristo, nenhuma dor ou sofrimento, nenhum pedaço de madeira,
pode se comparar com a realidade da Cruz de Cristo em sua essência, que
aponta para o próprio Cristo crucificado, o salvador do mundo. Quando o
apóstolo Paulo se refere ao termo “a cruz” em sua epistola aos corintios
1.18, ele diz: “Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão
perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus”.
Não é a imagem da cruz que nos conduz ao arrependimento, nem as lutas
que nos libertam, mas a mensagem da cruz, essa sim nos liberta, nos
limpa, nos lava, nos enche de graça e nos esvazia de nos mesmos.
Nenhuma religião sem a mensagem da cruz pode ser levada a sério,
qualquer religião que tenha uma cruz em seu altar ou pregue a cruz como
auto- sacrifício deve ser questionada, mas se há uma mensagem da cruz
em sua liturgia, ela é verdadeira. Jesus em Mateus 16.24 – diz: que se
alguém quiser vir após mim, negue a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me,
entende a mensagem de Jesus aqui, “negar-se e tomar a cruz vem antes de
segui-lo”. Qualquer um pode segui-lo? Não. Só pode segui-lo aquele que
negar-se a si mesmo e tomar a cruz. Como? Negar a sua natureza
pecaminosa e corrompida, não importa o que somos, mas o que Ele é. Não
o que queremos, mas o que Ele quer. Não o que o mundo acha de nós, mas
o que Ele diz que somos. Não é a nossa pobreza nem a nossa riqueza, não o
muito e nem o pouco, e sim Cristo em nós esperança da glória (Cl1.24)
Então tomar a cruz, significa mais que um pingente ou uma luta qualquer
dita por Paulo como “leve e momentanea” (2Co4.17)mas revestir-se do
caráter de Cristo para sua glória, assim sendo manso e humilde, amando
os que nos perseguem e vivendo sua palavra. A cruz não é objeto de fé
apenas, mas experiência na alma, a cruz é emblema do discípulo, é
também emblema de morte, pois todos nós carregamos o morrer do Senhor
(2Co 4.10). A cruz expressa o ódio do mundo, como o foi com o Salvador
sentenciado e morto pela cruz, ela constitui o mundo inimigo do cristão
(Tg4.4). Ela não nos permite conformidade com o mundo (Rm12.2).
O QUE SIGNIFICA ESTAR CRUCIFICADO?
Segundo um relato do falecido Dr. A.W. Tozer, um recém-convertido
aproximou-se de um cristão mais antigo e lhe fez a seguinte pergunta:
“O que significa estar crucificado?”
Estar crucificado implica em três coisas. Primeiro, o crucificado tem os
olhos voltados para uma só direção; segundo, ele não pode voltar atrás;
terceiro, ele não tem planos próprios.
Isto é o que deve significar a cruz de Cristo para nós, que estamos
crucificados com Ele (Gl 2.20).
Marcelo Nascimento
Evangelista
Ad Brás – Campo limpo
17/01/2009