Sunteți pe pagina 1din 1

 Opinião

Florianópolis, setembro de 2008

O UNIVERSITÁRIO EDITORIAL ZERO NO TEMPO


e o xerox
Simplicidade chique Há 16 anos...

B
Reprodução
eba água. Médicos, esportistas, a revista cólera nos intervalos comerciais da TV nos
Nova e até os ambientalistas sabem que anos 90 empurravam as pessoas a favor da
não há líquido melhor para a manuten- água mineral.
ção e hidratação do organismo. Com a febre de Hoje o cólera está praticamente erradica-
vida saudável que a cada dia nos torna mais do. O último caso da doença foi registrado no
preocupados com bem-estar e longevidade, o Mato Grosso, em 2006. Na região Sul, o último
consumo de água mineral cresceu 145% em surto aconteceu em 1999, com 467 casos re-
todo o planeta, nos últimos dez anos. Um alívio gistrados. A rigor, não há com que se preocu- Ano X
para os serviços de saúde, esse número tornou- par quanto a essa doença. Nº 4
se uma preocupação para os ambientalistas, Já beber água da torneira tornou-se um ato 12/1992
porque também significa o aumento do descar- político. Se as pessoas confiam na água trata-
te das embalagens em que a água é envasada. da pelos sistemas públicos, as empresas se tor- O serviço de aborto legal do HU da UFSC é
Depois de um editorial publicado pelo New nam responsáveis pela saúde da população. É o assunto da manchete de capa desta edição.
York Times em favor da água da torneira, res- importante que a água seja bebida sem medo Único hospital a realizar o procedimento em
George França, taurantes em Nova York, Paris e Tóquio pas- e qualquer diferença detectada informada à SC, atende apenas pacientes de Florianópo-
mestrando em saram a servir tap water. Bistrôs sofisticados companhia responsável. lis. Em 1992, o ZERO publicou uma repor-
literatura, e as foram legitimados pela moda do ambientalis- James Joyce, em seu famoso Ulisses, leva 30 tagem que tratava do tema aborto como um
fotocópias acumuladas mo para servir em jarras qualquer coisa que páginas para contar o trajeto da água até a tor- problema de saúde pública no país.
durante a graduação não fosse Perrier. É mais chique ser a favor do neira de uma casa. O modernismo na literatura As matérias abordaram diversas ques-
meio ambiente. é um modo de pensar como são trabalhosos os tões, como as mortes e internações por pro-
O Times também fez as contas dos gastos. atos mais cotidianos, como o de, por exemplo, cedimentos mal feitos, os métodos caseiros,
- O serviço de xerox na UFSC é terceiri- Um americano comum gastaria U$ 1,4 mil em ter água na torneira. O luxo de poder abrir uma o preço das clínicas clandestinas e também
zado. As empresas passam por processo água mineral todos os anos, enquanto a água torneira em casa é muito maior do que carre- apontaram os motivos pelos quais as mu-
licitatório. Ganha quem oferecer o maior da torneira custaria U$0,49. Além disso, e tal- gar uma garrafinha. lheres resolviam interromper a gravidez,
valor de aluguel. O xerox pode permanecer vez de preocupação maior do establishment, Acontece que a crença nos benefícios da como problemas econômicos e falta de edu-
no ponto por cinco anos. são gastos, anualmente, 1,5 milhão de barris água mineral remonta à Antiguidade, quan- cação sexual.
de petróleo para fazer as embalagens de plás- do se disseminou o costume de beber água de Há 16 anos, em uma pequena nota, o jor-
- O valor máximo fixado pela Universida- tico da água. fontes consideradas terapêuticas ou utilizá-la nal levantou a seguinte questão: quem fará
de para o preço de uma fotocópia PB é R$ Em países como o Brasil, um fator que em banhos especiais. Até hoje, busca-se essa e onde serão realizados os abortos legais no
0,07. As empresas podem oferecer preços aumenta a preocupação quanto ao consumo saúde que não podemos detectar, mas que nos Brasil, já que apesar de permitir, a lei não
mais baixos. É só reclamar. de água tratada são as doenças que ela pode parece mais confiável e saudável. Para a tris- aponta os locais em que devem ser feitos?
transmitir. Campanhas pela erradicação do teza dos ambientalistas. Este exemplar mostra que a dúvida persiste.
- Um aluno que gasta R$ 30 mensais
em xerox terá gasto R$ 1080 ao final de CHARGE
quatro anos de curso.
Sobre o chargista
- Fazer cópia de mais de 10% de um Lucas Neumann tem 24 anos e cursa a 8a fase
livro é ilegal no Brasil, de acordo com a do curso de Jornalismo da Universidade Federal
Lei dos Direitos Autorais. de Santa Catarina (UFSC).
Lucas também faz histórias em quadrinhos.
Quer entrar em contato com ele? Escreva para
- Quem mais se preocupa com isso é a As-
lucasjornalismo@hotmail.com
sociação Brasileira de Direitos Reprográ-
ficos, que diz que em dez anos o número
de universitários aumentou 140% e a
venda de livros caiu 40%.
Para os chargistas
- Por isso, eles criaram o site pastadopro-
fessor.com.br, onde as editoras disponibili- Se você é daqueles que quando lê uma notícia
zam obras, professores escolhem e montam logo a imagina numa charge, desenhe para o
uma pasta virtual e os alunos compram ZERO e envie para o e-mail zero@cce.ufsc.br
com preços 20% mais caros do que o xerox. Sua charge pode ser publicada nesse espaço e
fazer parte das próximas edições do jornal.

- A UFSC estuda a implantação de uma


“auto-print”, máquina self-service que REDAÇÃO Carolina Moura, Cora Dias, Daniela Cucolicchio, Esther da Veiga, Felipe Santana, Fernanda Dutra,
funciona no mesmo esquema. Paga-se Iana Dias, Juliana Sakae, Laura Daudén, Luisa Frey, Marcio Barcellos, Marina Ferraz, Matheus Joffre, Rafaela
Mattevi, Thayse Madella EDIÇÃO Capa e Opinião Felipe Santana Entrevista Marina Bento Política Thiago
com o cartão do Banco do Brasil.
Bora C&T Carolina Moura Especial Marina Bento Cultura Laura Daudén Educação Bárbara Dal Fabbro Saúde
Adriana Seguro Esporte Celso Rondon Filho Contracapa Daniela Cucolicchio Fotografia Daniela Cucolic-
- Uma alternativa gratuita é o site chio, Laura Daudén, Thayse Madella, Thiago Bora Editoração Adriana Seguro, Bárbara Dal Fabbro, Bibiana
www.dominiopublico.gov.br, em que o Beck, Carolina Moura, Celso Rondon Filho, Cora Dias, Daiana Meller, Daniela Cucolicchio, Felipe Santana, Fer-
governo federal arquiva obras que já são JORNAL LABORATÓRIO ZERO nanda Dutra, Iana Dias, Ítalo Mendonça, Juliana Sakae, Luis Felipe Costa, Luisa Frey, Marcelo Andreguetti, Marina
de domínio público, como as de Machado Ano XXVI - Nº 1 setembro de 2008 Bento, Marina Ferraz, Matheus Joffre, Paulo Rocha, Risa Stoider, Samuel Carvalho, Sheila Marangoni, Thiago
de Assis, Shakespeare e Fernando Pessoa. Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Bora ILUSTRAÇÃO Clovis Geyer Infografia Ítalo Mendonça professor-Coordenador Tattiana
Fechamento: 22 de setembro Teixeira DRT-BA 1766 Coordenação Gráfica Lucio Baggio DRT-SC 01084 JP Monitoria Isadora
Peron, Juliana Gomes Pereira Impressão Grafinorte Circulação Nacional Distribuição Gratuita
CARTAS Curso de Jornalismo - CCE - UFSC - Trindade Tiragem 5.000 exemplares
Florianópolis - CEP 88040-900
Comentários, críticas e sugestões podem ser en- Tel.: (48)3721-6599/ 3721-9490
viadas para zero@cce.ufsc.br Site: www.zero.ufsc.br Melhor Peça Gráfica I, II, III, IV, V e XI Set Universitário / PUC-RS (1988, 89, 90, 91, 92 e 98)
E-mail: zero@cce.ufsc.br Melhor Jornal-Laboratório no I Prêmio Foca Sindicato dos Jornalistas de SC 2000
3º melhor Jornal-Laboratório do Brasil EXPOCOM 1994