Sunteți pe pagina 1din 61

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

AULA 02

4.1. Imposto de Importação - Sujeitos Ativo e

6

4.11.

Isenções e Reduções do Imposto de Importação

9

4.14.

Similaridade

16

4.12.

Imunidades do Imposto de Importação e

18

Controle Exercido pela Receita Federal

18

5. Imposto de Exportação

19

6. IPI vinculado à

23

7.Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e Cofins-Importação

28

8.

ICMS

36

CIDE Combustíveis (comércio internacional)

39

QUESTÕES ANALISADAS NESTA AULA

Olá, pessoal.

41

Vamos à segunda aula de legislação aduaneira em exercícios. Cuidado, pois eu deixei algumas cascas de banana pelo caminho, como na primeira aula. Falando nesta, vamos ter que anular duas de suas questões. São as de números 24 e 16. Além das duas, vou comentar outra questão para a qual houve alguns recursos. Já que a Esaf publica seus pareceres de recursos, eu também tenho que fazê-lo. rs Antes de vermos as questões, acho importante dar dois recados:

1) muitos têm me escrito com a mesma dúvida: “vou fazer para ATRFB. Posso ficar tranquilo em não estudar isenções e reduções do imposto de importação e aquelas outras coisas que só estão no edital de AFRFB?” Minha resposta: Se eu estivesse estudando para ATRFB, eu estudaria, com toda a certeza, também os pontos que só constam no edital de AFRFB (4.6, 4.11, 4.13, 4.14, 6.4, 6.6, 7.4, 7.5, 7.6, 20, 25 e 27). Eu faria isso por dois motivos: i) os itens exclusivos de AFRFB não são tão grandes assim, pois ninguém vai decorar as hipóteses de isenção; e a ESAF gosta de cobrar na prova de ATRFB coisas que só estão no edital de AFRFB. Em relação à ESAF, poderia dar alguns exemplos, mas vou ficar só na penúltima prova: a de 2005. Cobraram swap/arbitragem e o sistema de solução de controvérsias do Mercosul, que só estavam sendo pedidos no edital

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

de AFRFB/2005. Veja a prova de ATRFB/2005 e compare com o respectivo edital. Na última prova (2009), eles não fizeram isso, mas também foram apenas 5 questões de Comércio Internacional. Por isso, neste curso, acho importante que todos estudem tudo. A Esaf possui um conjunto de questões arquivadas sob grandes títulos “Imposto de Importação”, “Imposto de Exportação”, “Bagagem”, etc. Na hora de sortearem as questões desse enorme banco de dados, às vezes vêm questões que não deveriam vir. Está dada a sugestão. Em tempo: vamos programar umas 15 ou 20 questões extras para “compensar” aquelas que só valem para AFRFB. Assim, os alunos de ATRFB que não aceitarem minha sugestão não se sentirão prejudicados por terem pago 250 questões e levado apenas cerca de 230.

2) Na divisão que fiz com o Missagia, tentamos dividir as cinco aulas exatamente na metade: duas aulas e meia para cada um. Tentamos dividir também os assuntos abordados por cada um para que ninguém tivesse “aula demais e matéria de menos” ou “aula de menos e matéria demais para tratar”. Claro que a conta não podia dar exata. Por isso, a aula de hoje terá apenas 46 questões em vez das 50 programadas. Claro que esses microajustes serão feitos nas próximas aulas para que, no final, tenhamos entregue as 250 acordadas (ou 270).

Duas questões anuladas

“(ANULADA) 24 – Marque a alternativa incorreta. O imposto de importação incide sobre:

a) toda mercadoria estrangeira para a qual tenha sido aplicada a pena de perdimento. b) toda mercadoria estrangeira devolvida para o exterior antes do registro da declaração de importação, observada a regulamentação editada pelo Ministério da Fazenda. c) todas as embarcações construídas no Brasil e transferidas por matriz de empresa brasileira de navegação para subsidiária integral no exterior, que retornem ao registro brasileiro, como propriedade da mesma empresa nacional de origem. d) toda mercadoria destruída sob controle aduaneiro, antes do desembaraço aduaneiro, sem ônus para a Fazenda Nacional.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

e) toda mercadoria estrangeira em trânsito aduaneiro de passagem, acidentalmente destruída.”

colocar o “não” no

enunciado. O enunciado tinha que ser “Marque a alternativa incorreta. O imposto de importação não incide sobre:” (letra A) O imposto de importação não incide sobre toda mercadoria estrangeira para a qual tenha sido aplicada a pena de perdimento. Verdadeiro ou falso? Falso. Incidirá sobre as que não forem localizadas ou que tenham sido consumidas ou revendidas (art. 71, III, RA). (letra B) O imposto de importação não incide sobre toda mercadoria estrangeira devolvida ao exterior antes do registro da DI. Verdadeiro ou falso? Verdadeiro. (letra C) O imposto de importação não incide sobre as embarcações no caso citado. Verdadeiro ou falso? Verdadeiro. (letra D) O imposto de importação não incide sobre toda mercadoria destruída sob controle aduaneiro, antes do desembaraço, sem ônus para a Fazenda Nacional. Verdadeiro ou falso? Verdadeiro. (letra E) O imposto de importação não incide sobre toda mercadoria estrangeira devolvida ao exterior antes do registro da DI. Verdadeiro ou falso? Verdadeiro.

Esta questão tem

que ser anulada. Esqueci

de

Do jeito que a questão foi publicada, todas as cinco opções teriam que ser marcadas, pois todas estão incorretas:

a) O II incide sobre toda mercadoria sujeita a perdimento? incorreto.

b) O II incide sobre toda mercadoria devolvida ao exterior

c) O II incide sobre toda embarcação? incorreto.

? incorreto.

d) O II incide sobre toda mercadoria destruída

?

incorreto.

e) O II incide sobre toda mercadoria destruída

?

incorreto.

“(ANULADA) 16 – Marque a alternativa incorreta.

a) A mercadoria destinada ao exterior será registrada em manifesto de

carga.

b) O conhecimento de carga pode sempre ser rasurado.

c) Erro no conhecimento de carga somente será corrigido por ‘carta de

correção’.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

d) À escolha do transportador, o conhecimento de carga pode identificar a unidade de carga ou a caixa em que a mercadoria por ele amparada esteja contida. e) A não apresentação de manifesto ou declaração de efeito equivalente, em relação a qualquer ponto de escala no exterior, sempre será considerada declaração negativa de carga.”

Pergunta no fórum:

“Professor, na questão 16, a alternativa ‘b’ (correta) afirma que ‘o conhecimento de carga pode sempre ser rasurado’. Já a alternativa ‘c’ (também correta) diz que ‘erro no conhecimento de carga somente poderá ser corrigido por ‘carta de correção’. Aparentemente dá a entender que uma anularia a outra, ou seja, se houver algum erro no conhecimento este não poderá ser rasurado, e sim, corrigido por ‘carta de correção’. Poderia explicar a diferença?” Minha resposta:

“Perante a RFB, o conhecimento só pode ser corrigido mediante carta de correção (RA, art. 46). No entanto, o conhecimento é contrato entre particulares. Entre estes, pode haver correção mediante emendas ou entrelinhas, por exemplo. Se não houver assinatura do emitente, tal emenda não será considerada escrita pelo julgador de uma eventual ação judicial. O artigo 50 é regra de Direito Privado, enquanto o artigo 46 menciona alterações perante a RFB. Moral da história: meu objetivo foi mostrar que uma rasura não anula o conhecimento de carga, mas acabei de verificar que faltou escrever ‘para efeitos fiscais’ na letra C. Por isso, ficaram duas incorretas: C e D. Questão anulada.”

Parecer de recurso

Vejamos a questão 21, a argumentação para derrubá-la e a minha resposta:

21 – Considerando que o imposto de importação incide sobre mercadoria estrangeira, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Considera-se estrangeira, para fins de incidência do imposto, a mercadoria nacional ou nacionalizada exportada que retorne ao

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

País, salvo se devolvida por motivo de defeito técnico, para reparo ou para substituição.

Pergunta no fórum:

“Questão 21, página 9, item 3 - Não está errado no meu entendimento. Entendo que há outros motivos para a mercadoria não ser considerada estrangeira, mas em nenhum momento o item deu a entender que existia APENAS aquele motivo.”

Respondo: no Direito, as exceções têm que ser sempre interpretadas de forma literal, restritiva. Responda-me se está correta a afirmativa abaixo:

“Os impostos federais estão sujeitos ao princípio da anterioridade, salvo o imposto de importação.”

Tenho certeza de que todos marcarão tal questão como falsa. Se você marcar isso aí como certo, eu vou reclamar com todos os professores de Direito Tributário, pois eles não estão ensinando direito. rsrsrs

Se numa afirmativa você só ressalva uma coisa, então TODO o resto estará na regra geral. Exceções são sempre interpretadas de forma literal. É princípio da Hermenêutica, conforme o excelente Ricardo Alexandre escreve de forma cristalina ao falar do art. 111 do CTN (“Direito Tributário Esquematizado”):

"É princípio da Hermenêutica que as exceções devem ser interpretadas estritamente, sem a possibilidade de utilização de restrições e, principalmente, de ampliações ou analogias. O motivo

é

por demais óbvio. Se forem permitidas interpretações extensivas

e

utilização de analogias para a pesquisa do alcance das exceções,

estas tenderão a suplantar a regra, o que seria uma subversão da ordem."

Portanto, se na questão eu só coloquei uma exceção, ela deveria sim ter sido interpretada como se fosse a única. Logo, a questão está errada. Recurso indeferido. rs

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

QUESTÕES DE 51 A 96

4.1. Imposto de Importação - Sujeitos Ativo e Passivo.

51 – Em relação ao tema sujeito passivo do imposto de importação, marque a alternativa correta:

a) O destinatário de remessa postal internacional indicado pelo respectivo

remetente é responsável solidário com o remetente pelo imposto.

b) O adquirente de mercadoria entrepostada é responsável solidário com o

importador pelo pagamento do imposto. c) O transportador, quando transportar mercadoria procedente do exterior ou sob controle aduaneiro, inclusive em percurso interno, é contribuinte do imposto.

d) O depositário, assim considerada qualquer pessoa incumbida da custódia de mercadoria sob controle aduaneiro, é contribuinte do imposto.

e) O encomendante predeterminado que adquire mercadoria de procedência

estrangeira de pessoa jurídica importadora é responsável solidário pelo

imposto.

Comentários Os sujeitos passivos se dividem em: contribuintes (art. 104, RA), responsáveis (art. 105, RA) e responsáveis solidários (art. 106). Art. 104. É contribuinte do imposto:

I - o importador, assim considerada qualquer pessoa que promova

a entrada de mercadoria estrangeira no território aduaneiro;

II - o destinatário de remessa postal internacional indicado pelo respectivo remetente; e

III - o adquirente de mercadoria entrepostada. Art. 105. É responsável pelo imposto:

I - o transportador, quando transportar mercadoria procedente do

exterior ou sob controle aduaneiro, inclusive em percurso interno;

II - o depositário, assim considerada qualquer pessoa incumbida da custódia de mercadoria sob controle aduaneiro; ou III - qualquer outra pessoa que a lei assim designar. Art. 106. É responsável solidário:

I - o adquirente ou o cessionário de mercadoria beneficiada com isenção ou redução do imposto;

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

II - o representante, no País, do transportador estrangeiro; III - o adquirente de mercadoria de procedência estrangeira, no caso de importação realizada por sua conta e ordem, por intermédio de pessoa jurídica importadora; IV - o encomendante predeterminado que adquire mercadoria de procedência estrangeira de pessoa jurídica importadora; V - o expedidor, o operador de transporte multimodal ou qualquer subcontratado para a realização do transporte multimodal; VI - o beneficiário de regime aduaneiro suspensivo destinado à industrialização para exportação, no caso de admissão de mercadoria no regime por outro beneficiário, mediante sua anuência, com vistas à execução de etapa da cadeia industrial do produto a ser exportado; e VII - qualquer outra pessoa que a lei assim designar.

Gabarito: letra E.

52 – Marque a única opção que não caracteriza a condição de responsável solidário do sujeito passivo:

a) O adquirente ou o cessionário de mercadoria beneficiada com isenção ou

redução do imposto.

b) O representante, no País, do transportador estrangeiro.

c) O destinatário de remessa postal internacional indicado pelo respectivo

remetente.

d) O adquirente de mercadoria de procedência estrangeira, no caso de importação realizada por sua conta e ordem, por intermédio de pessoa jurídica importadora.

e) O beneficiário de regime aduaneiro suspensivo destinado à industrialização

para exportação, no caso de admissão de mercadoria no regime por outro beneficiário, mediante sua anuência, com vistas à execução de etapa da cadeia industrial do produto a ser exportado.

Comentários De acordo com o artigo 104, III do RA, transcrito antes, o destinatário de remessa postal internacional é contribuinte do imposto, não responsável. Gabarito: letra C.

53 – Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas:

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

I – o transportador pode ser responsável pelo imposto de importação mesmo

se

prestar serviços de transporte exclusivamente domésticos.

II

– Na operação de transporte após o desembaraço para consumo, o

transportador não é responsável pelo pagamento do imposto de importação.

III – Um transportador pode assumir a posição de contribuinte do imposto de

importação.

a) I, II e III

b) I e II

c) I e III

d) II e III

e) I

Comentários

Item I: correto. Se a carga em trânsito aduaneiro for extraviada ou

avariada

responsabilizado. Item II: correto. Se a carga já foi desembaraçada, o imposto de importação já foi pago. Caso a carga seja avariada ou extraviada, o problema é do importador com o transportador. A RFB já recebeu o que era devido. Item III: correto. Se o transportador importar algo para si, ele será contribuinte do imposto. Gabarito: letra A.

transportador, ele será

durante

a

viagem

por

culpa

do

54 – São solidariamente responsáveis pelo imposto de importação:

a) o transportador e o adquirente de mercadoria entrepostada b) o depositário e o transportador c) o depositário e o adquirente de mercadoria beneficiada com isenção ou redução do imposto d) o adquirente de mercadoria beneficiada com isenção do imposto e o representante no País do transportador estrangeiro e) o expedidor, o OTM e qualquer subcontratada para a realização do transporte multimodal e o transportador

Comentários Gabarito: letra D. Artigo 106 do RA, transcrito anteriormente.

55 – No caso de importação por conta e ordem do adquirente, caso não se comprove a origem dos recursos utilizados na importação, o bem

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

será buscado pela RFB para apreensão. Caso o bem já tenha sido transferido para o adquirente:

a) se o bem for apreendido, o adquirente receberá de volta o imposto de

importação recolhido pelo importador.

b) se o bem não for localizado, haverá necessariamente um lançamento de

imposto de importação.

c) se o bem tiver sido consumido, o imposto de importação será cobrado

apenas do adquirente. d) se o bem tiver sido revendido, o imposto de importação poderá ser cobrado do importador.

e) se o bem for apreendido, o crédito é considerado compensado.

Comentários

Nas importações por conta e ordem, um importador traz a mercadoria para um adquirente. Os recursos utilizados na operação são do adquirente (Instrução Normativa SRF 225/2002, art. 1o). Caso se tente apreender o bem (penalidade prevista quando não se comprova a origem dos recursos utilizados na importação, art. 689, § 6o, RA) e não se consiga, o imposto de importação será cobrado (RA, art. 71, III). Como o importador deve ter pago o imposto de importação no registro da DI, este não lhe será devolvido. Caso se fizesse a apreensão, deveria ser restituído o imposto. Letra A: errada. O importador é quem o receberá de volta. Letra B: errada. O débito automático do imposto de importação já foi realizado. Será o caso de não restituição. Talvez tenha que fazer um auto complementar, pois o FG do II neste caso não mais se considerará ocorrido no registro da DI, mas no dia do lançamento (RA, art. 73, II, d) Letra C: errada. Poderá ser cobrado do adquirente ou do importador, pois são solidários. (RA, art. 106, III) Letra D: correta, pela explicação da letra C.

ser restituído ao

importador.

Letra

E: errada.

Se

for apreendido, o valor deve

4.11. Isenções e Reduções do Imposto de Importação

56 - Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F

para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência

correta.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

( ) Interpreta-se literalmente a legislação tributária que dispuser sobre a outorga de redução do imposto de importação. ( ) A redução do imposto somente será reconhecida quando decorrente de lei ou de ato internacional.

( ) A redução da alíquota do imposto de importação pode se dar por Resolução Camex.

a) V, V, V

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: correto, pois literal do artigo 114 do Regulamento Aduaneiro (RA). Segundo item: correto, pois literal do artigo 115 do RA. Terceiro item: correto. Artigo 92 do RA. O segundo item parece conflitante com o terceiro. No entanto, ele pode ser interpretado como a redução da base de cálculo ou do produto calculado, pois, em matéria de alíquota, a Camex pode reduzir. Gabarito: letra A.

57 - Marque a alternativa correta:

a) O tratamento aduaneiro decorrente de ato internacional aplica-se à mercadoria originária ou procedente do país beneficiário.

b) Respeitados os critérios decorrentes de ato internacional de que o Brasil seja parte, tem-se por país de origem da mercadoria aquele onde houver sido produzida ou, no caso de mercadoria resultante de material ou de mão de obra de mais de um país, aquele que tenha realizado o maior percentual de agregação.

c) Sobre a isenção e a redução do imposto de importação, não só a lei mas

também o Regulamento Aduaneiro pode dispor acerca de exceções em relação à similaridade e ao transporte em navio de bandeira brasileira.

d) A concessão e o reconhecimento de benefícios fiscais relativos ao imposto

ficam condicionados à comprovação pelo contribuinte, pessoa física ou jurídica, da quitação de tributos e contribuições federais. Isso, no entanto, não se aplica aos incentivos fiscais.

e) A obrigatoriedade de comprovação de quitação de tributos e contribuições

federais estende-se à própria União, aos Estados, ao DF e aos Municípios.

Comentários Letra A: incorreta (artigo 117 do RA). Somente se aplica à originária.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Letra B: incorreta (artigo 117, parágrafo 1º do RA). Onde houver sido produzida ou ganhar nova individualidade. Letra C: correta (artigo 118 do RA). Letra D: incorreta, pois os incentivos fiscais, como o drawback, também se sujeitam à regra da quitação de tributos e contribuições federais (artigo 119 do RA). Letra E: incorreta. A União, os estados, o Distrito Federal e os municípios estão dispensados da obrigação de comprovar a quitação de tributos e contribuições federais, para gozarem de incentivo ou benefício fiscal relativo ao imposto de importação (parágrafo único do artigo 119 do RA). Gabarito: C.

58 – Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) No caso de descumprimento dos requisitos e das condições para fruição das isenções ou das reduções, o beneficiário ficará sujeito ao pagamento dos tributos que deixarem de ser recolhidos na importação, com os acréscimos legais e penalidades cabíveis, conforme o caso, calculados da data da constatação do descumprimento.

( ) O reconhecimento da redução do imposto será efetivado, em cada caso,

pela autoridade aduaneira, com base em requerimento no qual o interessado faça prova do preenchimento das condições e do cumprimento dos requisitos previstos em lei ou em contrato para sua concessão.

( ) O reconhecimento da isenção ou da redução do imposto não gera direito

adquirido e será revogado de ofício, sempre que se apure que o beneficiário não satisfazia ou deixou de satisfazer as condições ou não cumprira ou deixou de cumprir os requisitos para a concessão do benefício, cobrando-se o crédito acrescido de juros de mora, podendo ser com ou sem penalidade.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: errado. Os tributos, os acréscimos legais e as penalidades cabíveis devem ser calculados da data do registro da DI (artigo 120 do RA). Segundo item: correto. Literal do art. 121 do RA. Terceiro item: correto. Artigo 121, §§ 1º e 2º, RA. Gabarito: B.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

59 - Marque a alternativa correta em relação às isenções e reduções do imposto de importação:

a) Quando for constatado que o beneficiário deixou de cumprir os requisitos

para a concessão do benefício, cobra-se o crédito acrescido de juros de mora,

com imposição da penalidade cabível, independentemente da existência de dolo ou simulação do beneficiado. b) A isenção deverá ser requerida em formulário próprio, apartado da declaração de importação.

c) O requerimento de benefício fiscal incabível acarreta a perda dos outros

benefícios aos quais o importador fazia jus.

d) A redução deverá ser requerida em formulário próprio, apartado da declaração de importação.

e) Na hipótese de não ser concedido o benefício fiscal pretendido, para a

mercadoria declarada e apresentada a despacho aduaneiro, serão exigidos o

imposto correspondente e os acréscimos legais cabíveis.

Comentários

Letra A: incorreta. A penalidade só é cobrada se tiver havido dolo ou simulação (artigo 121, parágrafo 1º do RA).

D: incorretas (artigo 121, parágrafo 2º do RA). Pode ser

solicitado o benefício fiscal na própria DI.

pedido

improcedente não derruba outros benefícios que o importador talvez tenha. Letra E: correta. Não sendo concedido o benefício fiscal pretendido para a mercadoria declarada, serão exigidos o imposto correspondente e os acréscimos legais cabíveis, tendo em vista que o fato gerador ocorreu no registro da DI e não houve aí o pagamento dos tributos (artigo 122 do RA).

Letras B

e

Letra C: incorreta (artigo

121, parágrafo 3º

do RA).

Um

60 - Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) Quando a isenção for vinculada à qualidade do importador, a transferência onerosa de propriedade obriga ao prévio pagamento do imposto. Isso não se aplica à cessão ou à transferência a pessoa ou a entidade que goze de igual tratamento tributário, dispensada neste caso a manifestação da autoridade aduaneira. ( ) Quando a redução for vinculada à qualidade do importador, a cessão temporária de uso dos bens obriga ao prévio pagamento do imposto. Isso não se aplica se a cessão for realizada após o decurso do prazo de três anos,

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

contados da data do registro da declaração de importação, no caso de importação realizada por instituição científica. ( ) Quando a isenção for vinculada à qualidade do importador, a transferência gratuita de propriedade dos bens obriga ao prévio pagamento do imposto. Isso não se aplica se a transferência for realizada após um ano, contado da data do registro da declaração de importação, no caso de bens importados pelas missões diplomáticas e repartições consulares de caráter permanente e pelos respectivos integrantes.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, F

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: incorreto. Mesmo que a transferência (a qualquer título) seja para pessoa que possua a mesma qualidade do importador, a anuência da aduana é necessária até para checar se o sujeito tem certidão negativa de tributos e contribuições federais. Segundo e terceiro itens: incorretos. Os bens importados com isenção podem ser transferidos após 5 (cinco) anos sem exigência do imposto de importação. Para as importações das missões diplomáticas, repartições consulares, representações de organismos internacionais de caráter permanente e seus respectivos integrantes, o prazo de transferência liberada é 3 (três) anos. Gabarito: letra D.

61 - Marque a alternativa incorreta:

a) A autoridade aduaneira poderá, a qualquer tempo, promover as diligências

necessárias para assegurar o controle da transferência dos bens objeto de isenção. b) Na transferência de propriedade ou na cessão de uso de bens objeto de isenção ou de redução, o imposto será reduzido proporcionalmente à depreciação do valor dos bens em função do tempo decorrido, contado da data do registro da declaração de importação.

c) Se os bens objeto de redução do imposto de importação forem danificados

por incêndio, o imposto será reduzido proporcionalmente ao valor do prejuízo.

d) Se as mercadorias beneficiadas com isenção forem destruídas pelo proprietário por incêndio culposo, não doloso, haverá redução do imposto cobrado. e) Na hipótese de não ser concedido o benefício fiscal pretendido, para a mercadoria declarada e apresentada a despacho aduaneiro, serão exigidos o imposto correspondente e os acréscimos legais cabíveis.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Comentários

Letra A: correta. Evita-se o “comércio de benefícios fiscais” (artigo 125

do RA).

Letra B: correta. As escalas de depreciação estão previstas no artigo 126. Tal conta de depreciação só serve para as isenções e reduções de caráter subjetivo, não existindo para as isenções e reduções de caráter objetivo, pois o bem “carrega” o benefício consigo. Letra C: correta. É literal do artigo 127 do RA. Saiba, no entanto, que esta redução admite exceções previstas no artigo 128.

Letra D: incorreta. Destruição por culpa ou dolo não dá direito à redução

do imposto. (art. 128 do RA)

Letra E: correta (artigo 122 do RA). Se foi declarada e se foi pedido o benefício, o imposto de importação não foi debitado no registro da DI. Caso não obtenha o benefício, o imposto será cobrado retroativamente.

Gabarito: letra D.

62 - Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) A isenção do imposto, quando vinculada à qualidade do importador, ficará

condicionada à comprovação posterior do seu efetivo emprego nas finalidades

que motivaram a concessão.

( ) Perderá o direito à redução do imposto quem deixar de empregar os bens

nas finalidades que motivaram a concessão, exigindo-se o imposto a partir da constatação do desvio de finalidade.

( ) Desde que mantidas as finalidades que motivaram a concessão e mediante

prévia decisão da autoridade aduaneira, poderá ser transferida a propriedade

dos bens objeto de isenção objetiva antes de decorrido o prazo de cinco anos contados da data do registro da correspondente declaração de importação.

a) V, V, F

Comentários

b) F, F, V

c) V, F, V

d) F, F, F

e) V, F, F

Primeiro item: errado. Só tem que cumprir a finalidade, se o benefício for

do

tipo “vinculado à destinação dos bens”. (artigo 132 do RA).

Segundo item: errado Exige-se o imposto a partir da data do registro da

DI

(artigo 134 do RA). Terceiro item: correto. Artigo 135 do RA. Gabarito: letra B.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

63 – Marque a alternativa incorreta. Gozam de isenção do imposto de importação:

a) as importações realizadas pelas instituições científicas e tecnológicas e por

cientistas e pesquisadores. b) as importações realizadas pelas representações de organismos internacionais de caráter permanente, inclusive os de âmbito regional, dos quais o Brasil seja membro, e pelos respectivos integrantes.

c) as importações realizadas pelas missões diplomáticas e repartições consulares de caráter permanente e pelos respectivos integrantes.

d) as importações realizadas pelos partidos políticos e pelas instituições de

educação ou de assistência social.

e) as importações realizadas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal,

pelos Territórios, pelos Municípios e pelas respectivas autarquias, empresas públicas e sociedades de economia mista.

Comentários Apesar de eu achar que as hipóteses de isenção são improváveis de cair na prova, coloquei duas questõezinhas por desencargo de consciência. Gozam de isenção do imposto as importações realizadas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal, pelos Territórios, pelos Municípios e pelas respectivas autarquias (artigo 136, I, a do RA). Nada para empresas públicas nem sociedades de economia mista. Gabarito: letra E. As letras A, B, C e D estão corretas (artigo 136, I, do RA).

64 – Quanto às importações realizadas por entidade de assistência social, pode-se afirmar que é beneficiada com isenção do imposto de importação a instituição que comprovar o atendimento de uma série de condições, exceto:

a) não distribuição de qualquer parcela do seu patrimônio ou de suas rendas, a

qualquer título.

b) remuneração dos dirigentes apenas até o limite estabelecido em lei.

c) emprego dos seus recursos integralmente no País, na manutenção dos seus

objetivos institucionais.

d) manutenção da escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão.

e) compatibilidade da natureza, da qualidade e da quantidade dos bens às

finalidades essenciais do importador.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Comentários Não pode haver remuneração de dirigentes (artigo 141, II do RA). Gabarito: letra B. As demais opções estão nos incisos do artigo 141 do RA.

4.14. Similaridade

65 – Quanto ao tema similaridade não é correto afirmar:

a) Considera-se similar ao estrangeiro o produto nacional em condições de

substituir o importado com qualidade equivalente e especificações adequadas ao fim a que se destine.

b) Considera-se similar ao estrangeiro o produto nacional em condições de

substituir o importado com preço não superior ao custo de importação, em moeda nacional, da mercadoria estrangeira, calculado o custo com base no preço CIF (cost, insurance and freight), acrescido dos tributos que incidem sobre a importação e de outros encargos de efeito equivalente.

c) Considera-se similar ao estrangeiro o produto nacional em condições de

substituir o importado com prazo de entrega normal ou corrente para o mesmo tipo de mercadoria.

d) Na comparação do preço para a verificação da similaridade, deve ser acrescido ao preço da mercadoria estrangeira o valor correspondente ao ICMS.

e) Na comparação do preço para a verificação da similaridade, não deve ser

acrescido ao preço da mercadoria estrangeira o valor correspondente ao

adicional ao frete para renovação da marinha mercante.

Comentários O produto nacional tem que ser mais barato ou de mesmo preço que o total de gastos que se teriam com a mercadoria importada. Logo, o preço do importado para comparação vai incluir frete, seguro, descarga e todos os tributos de importação exigíveis, inclusive o ICMS e o AFRMM. (art. 190, II c/c art. 191, do RA). Gabarito: letra E. As letras A, B, C e D estão corretas (arts. 190 e 191 do

RA).

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

66 - Considerando o tema similaridade, avalie as afirmações abaixo.

Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) A Secretaria de Comércio Exterior poderá estabelecer critérios gerais ou específicos para apuração da similaridade, tendo em vista as condições de oferta do produto nacional, a política econômica geral do governo e a orientação dos órgãos governamentais incumbidos da política relativa a produtos ou a setores de produção.

( ) A apuração da similaridade será realizada, em cada caso, antes da importação, pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, segundo as normas e os critérios estabelecidos no Regulamento Aduaneiro.

( ) Na apuração da similaridade poderá ser solicitada a colaboração de outros órgãos governamentais e de entidades de classe.

a)

V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: correto. A Secex (Secretaria de Comércio Exterior) apura a similaridade e pode criar critérios para tal apuração (art. 192 do RA). Segundo item: errado, pois o exame de similaridade cabe à Secex (artigo 193 do RA). E isso é realizado ainda na fase do licenciamento da importação. Quem estuda para AFRFB vê que a licença de importação deve ser obtida antes do embarque para os bens sujeitos a exame de similaridade (Portaria Secex 23/2011). Terceiro item: correto, pois literal do artigo 193, § 1º do RA. Na prática, porém, ao analisarmos o art. 37 da Portaria Secex 23/2011, a consulta acerca da similaridade é pública. Gabarito: letra C.

67 – Marque a importação com isenção que não está dispensada do

exame de similaridade:

a) bagagem de viajantes.

b) importação realizada por partido político.

c) importações efetuadas por missões diplomáticas e repartições consulares de

caráter permanente e por seus integrantes.

d) importações efetuadas por representações de organismos internacionais de

caráter permanente de que o Brasil seja membro, e por seus funcionários,

peritos, técnicos e consultores, estrangeiros.

e) amostras e bens contidos em remessas postais internacionais, sem valor

comercial.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Comentários Os casos de dispensa de similaridade são listados no art. 201 do RA e não incluem as importações por partido político. Gabarito: letra B.

4.12. Imunidades do Imposto de Importação e Controle Exercido pela Receita Federal

68 – Considerando a imunidade do imposto de importação concedida às importações de livros, jornais e periódicos e do papel destinado a sua impressão, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Deve manter registro especial na Secretaria da Receita Federal do Brasil a

pessoa jurídica que exercer as atividades de comercialização e importação de jornais, livros, periódicos ou o papel destinado à sua impressão, beneficiados com imunidade.

( ) A pessoa jurídica que simplesmente adquirir o papel importado com imunidade para a utilização na impressão de livros, jornais e periódicos está dispensada do registro especial na Secretaria da Receita Federal do Brasil.

( ) Caso o papel importado com imunidade seja transferido a pessoa detentora do registro especial na RFB, o vendedor prova a regularidade da sua destinação.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: falso. Apenas sofrem o controle da Receita Federal as pessoas que comercializarem ou importarem o papel imune. Quem negocia livros, jornais e periódicos não precisa ter registro (art. 211-B, I do RA). Segundo item: falso. A pessoa jurídica que adquirir o papel imune também deve manter registro especial na Secretaria da Receita Federal do Brasil. A RFB quer acompanhar todo o caminho percorrido pelo papel (artigo 211-B, II, do RA).

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Terceiro item: correto. O vendedor cumpriu sua obrigação. A RFB agora passa a monitorar o adquirente (art. 211-B, § 1º do RA). Gabarito: Letra D.

69 – Quanto ao papel imune e ao controle exercido pela RFB, não é correto afirmar:

a) O papel imune só pode ser submetido a despacho aduaneiro por pessoas

que detenham registro especial na RFB.

b) Também goza de imunidade o papel destinado à impressão de livros, jornais ou periódicos que contenha matéria de propaganda comercial.

c) Não só as importações, mas também as comercializações internas do papel

imune devem ser informadas na Declaração Especial de Informações Relativas ao Controle de Papel Imune (DIF-Papel Imune).

d) A periodicidade da DIF-Papel Imune é anual.

e) A imunidade do papel destinado à impressão de periódicos abrange o

imposto de importação, mas não alcança o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação.

Comentários Letra A: correta. IN RFB 976/2009: “Art. 1º Os fabricantes, os distribuidores, os importadores, as empresas jornalísticas ou editoras e as gráficas que realizarem operações com papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos estarão obrigados à inscrição no Registro Especial instituído pelo art. 1º da Lei nº 11.945, de 4 de junho de 2009, não podendo promover o despacho aduaneiro, a aquisição, a utilização ou a comercialização do referido papel sem prévia satisfação dessa exigência.” Letra B: correta. O papel imune pode receber propaganda, mas não pode receber EXCLUSIVAMENTE propaganda (artigo 1º, § 3º da IN RFB 976/2009). Letra C: correta. IN 976/2009, art. 10, parágrafo único. Controla-se todo o caminho do papel imune. Letra D: incorreta. É semestral, conforme a IN 976/2009.

As

contribuições são cobradas (art. 8º, § 10)

Letra

E:

correta.

A

imunidade

é

em

relação

a

impostos.

Gabarito: letra D.

5. Imposto de Exportação

70 – Quanto ao imposto de exportação não é correto afirmar:

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a) Incide sobre mercadoria nacional destinada ao exterior.

b) Incide sobre mercadoria nacionalizada destinada ao exterior.

c) A Secretaria da Receita Federal do Brasil, observada a legislação específica,

relacionará as mercadorias sujeitas ao imposto.

d) Tem como fato gerador a saída da mercadoria do território aduaneiro.

e) Será apurado pela aplicação da alíquota de 30% sobre a base de cálculo.

Comentários A relação das mercadorias sujeitas ao imposto é elaborada pela Câmara de Comércio Exterior (artigo 212, § 2º do RA). Gabarito: letra C. Letras A e B: corretas. Art. 212, RA. Letra D: correta. Art. 213, RA. Letra E: correta. Art. 215, RA.

71 – Com relação ao imposto de exportação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Em função da política cambial, a Câmara de Comércio Exterior poderá reduzir a alíquota do imposto.

( ) Conforme definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, o pagamento do imposto deverá ser realizado em até 15 dias do registro de exportação.

( ) Poderá ser dispensada a cobrança do imposto em função do destino da

mercadoria a ser exportada, observadas as normas editadas pelo Ministro de Estado da Fazenda.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: correto. A Camex pode alterar alíquotas do imposto de exportação e do imposto de importação (artigo 215, § 1º do RA). Segundo item: incorreto. A Portaria do Ministro da Fazenda 674/1994 definiu o prazo de 15 dias contados da Declaração de Exportação, não do Registro de Exportação. Terceiro item: correto, conforme artigo 216, § 2º do RA. Gabarito: letra C.

72 – Quanto ao imposto de exportação, marque a alternativa correta:

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a) Para efeito de cálculo do imposto, considera-se ocorrido o fato gerador na

data de registro da declaração de exportação no Sistema Integrado de

Comércio Exterior (SISCOMEX).

b) A base de cálculo do imposto é o preço normal que a mercadoria, ou sua

similar, alcançaria, ao tempo da exportação, em uma venda em condições de livre concorrência no mercado internacional, observadas as normas expedidas

pela Secretaria da Receita Federal do Brasil.

c) Quando o preço da mercadoria for de difícil apuração ou for suscetível de

oscilações bruscas no mercado internacional, a Secretaria da Receita Federal do Brasil fixará critérios específicos ou estabelecerá pauta de valor mínimo, para apuração da base de cálculo.

d) Para efeito de determinação da base de cálculo do imposto, o preço de

venda das mercadorias exportadas não poderá ser inferior ao seu custo de aquisição ou de produção, acrescido dos impostos e das contribuições incidentes e da margem de lucro de quinze por cento sobre a soma dos custos, mais impostos e contribuições.

e) Em caso de elevação, a alíquota do imposto não poderá ser superior a cem

por cento.

Comentários Para efeito de determinação da base de cálculo do imposto, o preço de venda das mercadorias exportadas não poderá ser inferior ao seu custo de aquisição ou de produção, acrescido dos impostos e das contribuições incidentes e da margem de lucro de quinze por cento sobre a soma dos custos, mais impostos e contribuições (art. 214, § 2º do RA). Gabarito: letra D. Letra A: incorreta. Para fins de cálculo, considera-se o registro de exportação. Letra B: incorreta. As normas são expedidas pela Camex (art. 214, RA) Letra C: incorreta. É a Camex quem pode fixar pauta de valor mínimo ou critérios específicos. (art. 214, § 1º). Letra E: incorreta. A Camex pode aumentar a alíquota até 150%.

73 – Com relação ao imposto de exportação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) É contribuinte do imposto o exportador e aquele que vende bens para as empresas comerciais exportadoras usufruindo os incentivos fiscais às exportações.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

( ) O preço à vista do produto, CIF ou posto na fronteira, é indicativo do preço

normal.

( ) A legislação do imposto de importação aplica-se subsidiariamente ao imposto de exportação, no que couber.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: incorreto. No estudo dos regimes aduaneiros especiais, o entreposto aduaneiro de exportação aborda as empresas comerciais exportadoras (ECE), que adquirem bens no mercado interno com o fim exclusivo de exportação (Decreto-Lei 1.248/1972). Mesmo neste caso, o exportador é a empresa que promove a saída do produto, não alcançando aquele que vende para a ECE. Segundo item: incorreto. O preço FOB (sem seguro e sem frete) e o preço do bem colocado na fronteira são indicativos do preço normal (Decreto- Lei 1.578/1977, art. 2º, § 1º).

Terceiro item: correto. É literal do artigo 235 do Regulamento Aduaneiro. Quando a legislação do IE silenciar, aplica-se, no que couber, a legislação do

II.

Gabarito: letra D.

74 – Com relação ao imposto de exportação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta:

I – Os bens integrantes de bagagem, acompanhada ou desacompanhada, de

viajante que se destine ao exterior estão isentos do imposto, mesmo que valham US$ 50.000,00.

II – Os bens que não forem para uso ou consumo pessoal do viajante nem para presentear podem ser tratados como bagagem até o limite de US$

2.000,00.

III

– No caso da exportação temporária transformada em definitiva, o imposto

de

exportação será exigido de forma retroativa, executando-se o termo de

responsabilidade.

a) V, V, F

b) V, V, V

c) F, V, V

d) F, F, V

e) V, F, V

Comentários Essa questão mexe com o imposto de exportação, as regras de bagagem

e o regime de exportação temporária.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Primeiro item: correto. Para os bens inseridos no conceito de bagagem (“bens de uso ou consumo pessoal ou para presentear”), há isenção do imposto de exportação, sem limite de valor. (art. 224) Segundo item: correto. Os bens que não se enquadram no conceito de bagagem serão tratadas como se assim o fossem, mas apenas até o valor de US$ 2.000,00. (art. 225) Terceiro item: incorreto. No caso de exportação temporária, não tendo havido o pagamento do imposto de exportação, este será cobrado na hipótese de transformação temporária em definitiva. O fato gerador será o registro de exportação definitiva. Não há cobrança de multa ou de juros, pois a transformação da saída é permitida na legislação (art. 443, II, RA). Gabarito: letra A.

6. IPI vinculado à importação.

75 – Quanto ao IPI vinculado à importação, é correto afirmar:

a) O imposto incide sobre produtos industrializados de origem estrangeira.

b) O imposto não incide sobre mercadoria estrangeira que, corretamente descrita nos documentos de transporte, chegar ao País por erro inequívoco ou comprovado de expedição, e que for redestinada ou devolvida para o exterior, salvo se já tiver sido desembaraçada.

c) O imposto não incide sobre mercadoria estrangeira idêntica, em igual quantidade e valor, e que se destine a reposição de outra anteriormente importada que se tenha revelado defeituosa para o fim a que se destinava, desde que observada a regulamentação editada pelo Ministério da Fazenda. Isto, porém, não se aplica no caso de a mercadoria ter sido desembaraçada.

d) O imposto incide sobre embarcações construídas no Brasil e transferidas por

matriz de empresa brasileira de navegação para subsidiária integral no exterior, que retornem ao registro brasileiro, como propriedade da mesma empresa nacional de origem, caso sejam desembaraçadas.

e) Na determinação da base de cálculo do IPI, será excluído o valor depreciado

decorrente de avaria ocorrida em produto.

Comentários Letra A: errada. O IPI incide na importação de bens de procedência estrangeira. (art. 237, RA) Letras B, C e D: erradas. Ainda que tenha sido desembaraçado o bem, o IPI não incidirá nestas situações. (RA, art. 237, § 1º, I e II).

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Letra E: correta. (RA, art. 237, § 2º)

76 – Considerando o IPI vinculado à importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) São fatos geradores do IPI o desembaraço aduaneiro de produto de

procedência estrangeira e a arrematação em leilão de produto estrangeiro apreendido.

( ) Para efeito de ocorrência do fato gerador, considera-se ocorrido o

desembaraço aduaneiro da mercadoria que constar como importada e cuja

avaria tenha sido apurada pela autoridade fiscal.

( ) Não constitui fato gerador do imposto o desembaraço aduaneiro de

produtos nacionais submetidos ao regime de exportação temporária, na

hipótese de retornarem ao país após descumprido o regime.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: falso. Arrematação não é fato gerador de nenhum tributo federal (Lei 12.350/2010, art. 41).

Segundo item: correto. É o fato gerador presumido do IPI, previsto artigo 238, § 1º do RA. Terceiro item: correto, conforme o RA, art. 238, § 2º, II. Gabarito: letra B.

no

77 – Assinale a alternativa incorreta. Não se cobra o IPI vinculado à importação no caso de produtos:

a) enviados em consignação e que retornam ao Brasil, por não terem não vendidos no prazo autorizado.

b) destruídos durante o regime de trânsito aduaneiro.

c) devolvidos ao Brasil por motivo de defeito técnico, para reparo ou para substituição.

d) por motivo de modificações na sistemática de importação por parte do país

estrangeiro importador.

e) destruídos, sob controle aduaneiro, antes do desembaraço aduaneiro.

Comentários

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Não se cobra o IPI nos casos listados em A, C, D e E, seja por não incidência (RA, art. 237, § 1º), seja por não ocorrência do fato gerador (RA, art. 238, § 2º). O disposto na letra B é o único caso na legislação de não cobrança do imposto de importação (RA, art. 71, VII) combinada com cobrança do IPI (não foi excluída nos artigos 237 e 238).

78 – Considerando o IPI vinculado à importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) No caso de isenção do imposto de importação, a base de cálculo do IPI na importação inclui o valor que serviria de base para cálculo do imposto de importação, além do próprio imposto de importação isentado.

( ) O imposto será calculado mediante aplicação das alíquotas constantes da

Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados sobre a base de cálculo. Há alíquotas de IPI ad valorem e específicas.

( ) A base de cálculo do IPI na importação inclui o valor aduaneiro acrescido do imposto de importação, ICMS e contribuições.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários

Primeiro

encargos cambiais. (RA, art. 239) Segundo item: correto, conforme o artigo 240, caput do RA. As alíquotas de IPI são específicas no caso de bebidas e cigarros (RA, art. 239, § 1º). Terceiro item: errado. Os valores de ICMS e da contribuição para o PIS/PASEP importação e da COFINS importação não compõem a base de cálculo do IPI vinculado (239, caput do RA). Gabarito: letra A.

item: correto. BC

do IPI

=

BC

do

II

+

II (pago

ou

não) +

79 – Quanto ao IPI vinculado à importação não é correto afirmar:

a) O lançamento é por homologação e é exemplo de aplicação do fato gerador

presumido constitucionalmente.

b) Em regra, as isenções do imposto são objetivas, não subjetivas.

c) Se a isenção estiver condicionada à destinação do produto e a este for dado

destino diverso do previsto, estará o responsável pelo fato sujeito ao pagamento do imposto, dos juros de mora e da penalidade cabível, como se a

isenção não existisse.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

d) São isentas do imposto as remessas postais internacionais para as quais se requeira o regime comum de importação. e) São isentas do imposto os bens trazidos por viajantes submetidos ao regime

de tributação especial.

Comentários Letra A: correta. Paga antes da conferência aduaneira. Aplica-se o artigo 150, § 7º da CF/1988, pois o fato gerador (desembaraço) vem depois do pagamento, ocorrido no registro da DI. Letra B: correta. É literal do art. 243 do RA. Letra C: correta. É literal do art. 244 do RA. Letra D: incorreta. Se foi para o regime comum de importação, haverá cobrança de tributos. Não haveria cobrança se fosse aplicado o regime de tributação simplificada (RA, art. 245, II, a). Letra E: correta, conforme RA, art. 245, II, b.

80 – Com relação à suspensão do IPI vinculado, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) Serão desembaraçados com suspensão do pagamento do imposto os

componentes, chassis, carroçarias, acessórios, partes e peças dos produtos autopropulsados classificados nas posições 84.29, 84.32, 84.33, 87.01 a 87.06

e 87.11, da Nomenclatura Comum do Mercosul, quando importados por estabelecimento comercial para revenda no mercado interno.

( ) Além da suspensão do pagamento do IPI-Importação em relação aos bens admitidos em regimes aduaneiros especiais, também há suspensão na importação de matérias primas importadas para consumo por pessoas jurídicas preponderantemente exportadoras dos mais diversos setores da economia. ( ) As hipóteses de suspensão do IPI têm caráter objetivo e subjetivo.

a)V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: incorreto. A suspensão do pagamento do imposto para os componentes, chassis, carroçarias, acessórios, partes e peças dos produtos autopropulsados classificados nas posições 84.29, 84.32, 84.33, 87.01 a 87.06 e 87.11, da Nomenclatura Comum do Mercosul, ocorre quando os bens são importados para industrialização (art. 246 do RA). Segundo item: correto, conforme art. 247 do RA. Terceiro item: correto, conforme a leitura dos arts. 246 e 247. Nos dois casos são indicados os produtos e os sujeitos que fazem jus à suspensão.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Gabarito: letra B.

81 – Calcule o IPI vinculado à importação:

Valor da mercadoria: US$ 100.00

Frete interno no país exportador: US$ 20.00 Frete internacional: US$ 500.00 Despesas de descarga no Brasil : US$ 40.00 Frete interno no Brasil a partir da descarga: US$ 20.00 Despesas de carga no país exportador: US$ 40.00 Seguro do transporte internacional: US$ 10.00 Alíquota do II : 10% Alíquota do IPI : 10%

a) US$ 737,00

b) US$ 781,00

c) US$ 670,00

d) US$ 78,10

e) US$ 73,70

Comentários 1) Para calcular o IPI, precisa primeiro calcular o II:

II = (valor aduaneiro) x alíquota do II 2) Como o valor auaneiro inclui todos os custos e despesas incorridos até a descarga no país, então:

Valor aduaneiro = 100 + 20 + 500 + 40 + 40 + 10 = US$ 710,00 (só não entrou o valor do frete interno, pois incorreu no território aduaneiro). Imposto de Importação = US$ 710,00 x 10% = US$ 71,00. 3) IPI = BC do IPI x alíquota do IPI Como a BC do IPI = BC do II + II + encargos cambiais, então BC do IPI = US$ 710,00 + US$ 71,00 + 0,00 (os encargos cambiais não existem mais). BC do IPI = US$ 781,00 IPI = US$ 781,00 x 10% = US$ 78,10. Gabarito: letra D.

82 – Assinale a alternativa que contém as respostas corretas:

( ) A isenção do Imposto de Importação implica a isenção do IPI vinculado à importação.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

( ) Há isenção de IPI vinculado à importação nos regimes de tributação

simplificada, ainda que a remessa postal internacional passe de US$ 3.000,00

(três mil dólares).

( ) O IPI será calculado com base na alíquota de 100% no caso de o produto importado não poder ser identificado.

a) F – F – F

b) V – V – V

c) V – F – F

d) V – V – F

e) F – V – V

Comentários Primeiro item: falso. Apesar de muito parecidas as hipóteses, não há essa vinculação direta. Compare os arts. 136 e 245 do Regulamento Aduaneiro. Segundo item: falso. Se a remessa postal internacional passa de US$ 3.000,00, ela não pode receber o regime de tributação simplificado. Logo, haverá incidência de IPI.

não

identificadas, a alíquota do IPI é 50% (art. 98 do RA).

Terceiro

item:

falso.

No

caso

de

tributação

de

mercadorias

Gabarito: letra A.

7.Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e Cofins-Importação

83 – Assinale a incorreta. As contribuições para PIS/PASEP- Importação e COFINS-Importação não incidem sobre:

a) bens estrangeiros que, corretamente descritos nos documentos de transporte, chegarem ao País por erro inequívoco ou comprovado de expedição e que forem redestinados ou devolvidos para o exterior.

b)

bens estrangeiros idênticos, em igual quantidade e valor, e que se destinem

à

reposição de outros anteriormente importados que se tenham revelado, após

o

desembaraço aduaneiro, defeituosos ou imprestáveis para o fim a que se

destinavam, observada a regulamentação do Ministério da Fazenda.

c) bens estrangeiros que tenham sido objeto de pena de perdimento, exceto

nas hipóteses em que não sejam localizados, tenham sido consumidos ou revendidos.

d) bens estrangeiros devolvidos para o exterior antes do desembaraço aduaneiro, observada a regulamentação do Ministério da Fazenda.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

e) pescado capturado fora das águas territoriais do País por empresa localizada no seu território, desde que satisfeitas as exigências que regulam a atividade pesqueira.

Comentários A devolução deve ser feita antes do registro da DI, que é o fato gerador (artigo 2°, IV da Lei 10.865/2004). Gabarito: letra D. As opções das letras A, B, C e E estão relacionadas como hipóteses de não incidência nos incisos do artigo 2º da Lei 10.865/2004:

Art. 2 o As contribuições instituídas no art. 1 o desta Lei não incidem

sobre:

I - bens estrangeiros que, corretamente descritos nos documentos de transporte, chegarem ao País por erro inequívoco ou comprovado de expedição e que forem redestinados ou devolvidos para o exterior;

II - bens estrangeiros idênticos, em igual quantidade e valor, e que

se

destinem à reposição de outros anteriormente importados que

se

tenham revelado, após o desembaraço aduaneiro, defeituosos

ou imprestáveis para o fim a que se destinavam, observada a

regulamentação do Ministério da Fazenda;

III - bens estrangeiros que tenham sido objeto de pena de

perdimento, exceto nas hipóteses em que não sejam localizados, tenham sido consumidos ou revendidos;

IV

- bens estrangeiros devolvidos para o exterior antes do registro

da

declaração de importação, observada a regulamentação do

Ministério da Fazenda;

V - pescado capturado fora das águas territoriais do País por

empresa localizada no seu território, desde que satisfeitas as exigências que regulam a atividade pesqueira;

VI - bens aos quais tenha sido aplicado o regime de exportação

temporária;

VII - bens ou serviços importados pelas entidades beneficentes de

assistência

Constituição Federal, observado o disposto no art. 10 desta Lei; VIII - bens em trânsito aduaneiro de passagem, acidentalmente

destruídos;

IX - bens avariados ou que se revelem imprestáveis para os fins a

que se destinavam, desde que destruídos, sob controle aduaneiro,

antes de despachados para consumo, sem ônus para a Fazenda Nacional; e

social,

nos

termos

do

§

7o

do

art.

195

da

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

X - o custo do transporte internacional e de outros serviços, que tiverem sido computados no valor aduaneiro que serviu de base de cálculo da contribuição.

84 – Em regra, as contribuições de PIS/PASEP-Importação e COFINS- Importação incidem sobre:

a) bens retornando de exportação temporária.

b) bens importados pelas entidades beneficentes de assistência social, ainda que atendam às exigências estabelecidas em lei.

c) bens acidentalmente destruídos em trânsito aduaneiro de passagem.

d) bens destruídos em acidente em trânsito aduaneiro de importação.

e) bens avariados ou que se revelem imprestáveis para os fins a que se destinavam, ainda que destruídos, sob controle aduaneiro, antes de despachados para consumo.

Comentários Caso a mercadoria importada seja avariada, aplica-se o fato gerador presumido (RA, art. 252, II c/c art. 255, II). Gabarito: letra D. Letra A: incorreta. As contribuições não incidem sobre bens retornando de exportação temporária. RA, art. 250 c/c art. 74. Letra B: incorreta. As contribuições não incidem em virtude do art. 250 c/c art. 71. Letra C: incorreta. O fato gerador presumido é expressamente excluído em relação às avarias ocorridas no trânsito de passagem (RA, art. 250 c/c art. 71, VII). Letra E: incorreta. Não incide (RA, art. 250 c/c art. 71, VI).

85 – Considerando a contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) O fato gerador da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-

Importação é a entrada de bens estrangeiros no território aduaneiro.

( ) Para efeito de ocorrência do fato gerador, as mercadorias avariadas são

presumidas como entradas no território nacional.

( ) Caso o extravio da mercadoria a granel seja inferior a 1%, não se considera ocorrido o fato gerador do PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários

Primeiro

Importação é o mesmo do imposto de importação. (RA, artigo 251). Segundo item: errado. Não há presunção de entrada para mercadorias avariadas. Elas efetivamente entraram. O fato gerador presumido das contribuições só funciona para mercadorias extraviadas (RA, art. 251, § 1º).

item: correto. O

fato

gerador

do

PIS/PASEP e

COFINS-

Terceiro item: correto. Artigo 252, § 2º, II do RA. Gabarito: letra C.

86 – Considerando a contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Para efeito de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da

COFINS-Importação, considera-se ocorrido o fato gerador no dia do lançamento do correspondente crédito tributário, quando se tratar de bens constantes de manifesto ou de outras declarações de efeito equivalente, cuja avaria tenha sido apurada pela autoridade aduaneira.

( ) A base de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da

COFINS-Importação é o valor aduaneiro, assim entendido o valor que servir ou

que serviria de base para o cálculo do imposto de importação, acrescido do valor do ICMS incidente no registro da DI e das próprias contribuições.

( ) Para efeito de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da

COFINS-Importação, considera-se ocorrido o fato gerador na data do vencimento do prazo de permanência dos bens em recinto alfandegado, se iniciado o respectivo despacho aduaneiro antes de destinada a mercadoria.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

Comentários Primeiro item: correto. Apesar de a avaria não caracterizar o fato gerador presumido, o momento de incidência das contribuições é considerado ocorrido no dia do lançamento. (RA, art. 252, II) Segundo item: errado. O ICMS não incide no registro da DI. Seu fato gerador é o desembaraço. Todo o resto está correto. (RA, art. 253) Terceiro item: errado. Estaria correto se estivesse escrito “antes de aplicada a pena de perdimento”. (RA, art. 252, III) Gabarito: letra E.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

87 – Quanto à contribuição para o PIS/PASEP-Importação e à COFINS- Importação, são responsáveis solidários os indicados abaixo, exceto:

a) o depositário, assim considerada qualquer pessoa incumbida da custódia de

bem sob controle aduaneiro.

b) o transportador, quando transportar bens procedentes do exterior ou sob

controle aduaneiro, inclusive em percurso interno.

c) o representante, no País, do transportador estrangeiro.

d) o expedidor, o operador de transporte multimodal ou qualquer subcontratado para a realização do transporte multimodal. e) o adquirente de bens estrangeiros, no caso de importação realizada por conta e risco de pessoa jurídica importadora.

Comentários Gabarito: letra E. Se a importação foi realizada por conta e risco do próprio importador, ele responde sozinho pelas contribuições. Se o bem tivesse sido importado por conta e risco do adquirente, este seria solidário com o importador. (RA, art. 255, V) As letras A a D estão corretas (artigo 255, I a IV do RA).

88 – Considerando a contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) A contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação serão pagas na data do registro da declaração de importação para consumo.

( ) No regime aduaneiro especial de admissão temporária para utilização

econômica, não há fato gerador das contribuições expresso na legislação, mas

se cobra o valor proporcional das contribuições.

( ) O imposto de importação não incide sobre embarcações construídas no

Brasil e transferidas por matriz de empresa brasileira de navegação para subsidiária integral no exterior, que retornem ao registro brasileiro, como propriedade da mesma empresa nacional de origem. No entanto, as contribuições sociais incidem nesta hipótese de importação.

a) V, V, V

Comentários

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Primeiro item: correto. O II, o IPI, o PIS/PASEP-Importação e a COFINS- Importação são cobrados no registro da DI para consumo (art. 259, RA). Segundo item: correto. Compare os artigos 73 e 252 do RA. Veja que as hipóteses de incidência das contribuições não incluem o disposto no inciso IV do artigo 73 (admissão temporária para utilização econômica). No entanto, por força do artigo 14 da Lei 10.865/2004, são cobrados os valores proporcionais. Terceiro item: correto. Conforme o art. 71, V, não há incidência de imposto de importação. No entanto, o artigo 250 não excluiu as embarcações da incidência das contribuições. A lei 10.865/2004 definiu a alíquota 0% para tais bens. (art. 8º, § 12) Gabarito: letra A.

89 – Quanto à suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação, marque a alternativa incorreta:

a) O Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de

Serviços de Tecnologia da Informação - REPES permite a importação de bens novos destinados ao desenvolvimento de software e de serviços de tecnologia da informação, quando importados diretamente pelo beneficiário do regime para incorporação ao seu ativo imobilizado, com suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

b) O Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas

Exportadoras - RECAP permite a importação de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos, novos, quando importados diretamente pelo beneficiário do regime para incorporação ao seu ativo imobilizado, com suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

c) A pessoa jurídica preponderantemente exportadora, assim considerada

aquela cuja receita bruta decorrente de exportação para o exterior, no ano- calendário imediatamente anterior ao da aquisição, houver sido igual ou superior a sessenta por cento de sua receita bruta total de venda de bens e serviços no mesmo período, após excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda, poderá importar com suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação matérias- primas, produtos intermediários e materiais de embalagem.

d) A importação de máquinas e equipamentos utilizados na fabricação de

papéis destinados à impressão de jornais ou de papéis destinados à impressão de periódicos será efetuada com suspensão do pagamento da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação, quando importados diretamente por pessoa jurídica industrial para incorporação ao seu ativo imobilizado.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

e) O Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores - PADIS permite a importação de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos para incorporação ao ativo imobilizado do beneficiário, destinados às atividades relacionadas com a industrialização de semicondutores e displays, com redução a zero por cento das alíquotas da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

Comentários Os cinco itens dizem respeito a suspensão e redução das contribuições. Infelizmente, tenho que colocar questões sobre isso só para cobrir todo o edital, mas não creio que esse tipo de questão caia em prova. É só questão de desencargo de consciência. Bem, vamos à questão. Todos os programas específicos de redução e suspensão do PIS/PASEP- Importação e COFINS-Importação estão previstos nos artigos 261 a 292. Em resumo, são os seguintes programas:

a) Zona Franca de Manaus (ZFM) - as empresas da ZFM podem importar, com suspensão das contribuições, bens para a elaboração de matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e materiais de embalagem (ME). Também podem importar as próprias MP, PI e ME para industrialização na ZFM. Também podem importar bens para o ativo imobilizado. Tudo com suspensão.

b) Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação – REPES - as empresas podem importar, com suspensão das contribuições, para o seu ativo imobilizado bens para a produção de software e tecnologia da informação.

c) Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras – RECAP - as empresas preponderantemente exportadoras (percentual de exportação maior ou igual a 70% de sua receita total) podem importar bens de capital para seu ativo imobilizado, com suspensão das contribuições.

d) Importações de Pessoa Jurídica Preponderantemente Exportadora

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

- além de comprarem bens de capital (RECAP), as empresas

preponderantemente exportadoras podem comprar MP, PI e

ME, com suspensão das contribuições.

e) Importação de Máquinas e Equipamentos para Fabricação de Papéis

- podem ser importadas, com suspensão das contribuições, máquinas para a fabricação de papéis.

f) Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores – PADIS

- podem ser importados com alíquota 0% máquinas para a

fabricação de semicondutores e displays, por empresas

que realizem pesquisa e desenvolvimento.

g) Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para TV Digital – PATVD

- podem ser importadas com alíquota 0% máquinas e equipamentos para a produção de TV Digital

h) Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra- Estrutura – REIDI

- empresas com projetos aprovados para implantação de

infraestrutura em portos, transportes, energia, saneamento

e irrigação podem importar, com suspensão das

contribuições, bens para o seu ativo imobilizado.

i) Importação de Acetona Destinada à Elaboração de Defensivos Agropecuários

- acetona

importada

para

a

produção

de

defensivos

agropecuários contribuições.

podem

entrar

com

suspensão

das

j) Navegação de Cabotagem e de Apoio Portuário e Marítimo - a importação de óleo combustível poderá ser feita com suspensão das contribuições, desde que destinado à navegação de cabotagem ou ao apoio portuário e marítimo.

A letra A trata do REPES.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

A letra B trata do RECAP.

A letra C está errada só no que diz respeito ao percentual. A empresa

preponderantemente exportadora é aquela que exporta pelo menos 70%, não

60%.

A letra D trata da importação de máquinas para a produção de papéis.

A letra E trata do programa de semicondutores e displays.

Gabarito: letra C.

90 – Os únicos programas específicos de redução de PIS/PASEP- Importação e COFINS-Importação se referem às importações de bens relacionados à produção de:

a) software e bens de capital

b) defensivos agropecuários e semicondutores

c) semicondutores e equipamentos para TV digital

d) papéis e software

e) bens na Zona Franca de Manaus e software

Comentários Os programas específicos de suspensão e de redução de PIS/PASEP- Importação e COFINS-Importação estão listados nos artigos 261 e 292. Os únicos que fazem menção a redução são os artigos 282 (semicondutores e displays) e 284 (equipamentos transmissores de sinais para TV digital). Gabarito: letra C.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

8. ICMS

91 – Em relação ao ICMS, assinale a alternativa correta:

a) caso a importação seja realizada por conta e ordem de um adquirente

situado em estado diferente do do importador, o imposto é devido ao estado

onde ocorrer o desembaraço.

b) caso o estabelecimento do adquirente esteja situado em estado diferente do

do importador, faz-se um rateio entre as unidades da federação.

c) as alíquotas interestaduais do ICMS em relação a produtos importados

vigoram no percentual de 4%, conforme a Resolução do Senado Federal

13/2012.

d) as alíquotas aplicáveis na importação não podem ser maiores do que as

alíquotas internas.

e) as alíquotas de importação são iguais às alíquotas internas.

Comentários Letra A: errada. Conforme a Lei Kandir, o ICMS é devido ao estado onde estiver o estabelecimento onde ocorrer a entrada física da mercadoria. Letra B: errada, conforme a letra anterior. Letra C: errada. A Resolução do Senado Federal só entrará em vigor em 1º de janeiro de 2013. Letra D: correta, pois senão iria ferir o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio, celebrado no âmbito da Organização Mundial do Comércio e internalizado no Brasil pelo Decreto 1.355/1994. A discriminação do nacional em detrimento do estrangeiro não é permitida no comércio internacional. Letra E: errada. Não precisam ser iguais. No estado do RJ, por exemplo, as alíquotas do ICMS são mais baixas para os importados (artigo 14 da Lei Estadual 2.657/1996):

www.fazenda.rj.gov.br/portal/index.portal?_nfpb=true&_pageLabel=tributaria&file=/l

egislacao/tributaria/basica/lei2657.shtml#capitulo_III

No entanto, a página da Secretaria Estadual de Fazenda engana todo mundo, dizendo que "a princípio, as alíquotas são iguais" (rsrs):

www.fazenda.rj.gov.br/portal/index.portal?_nfpb=true&_pageLabel=icms&file=/infor

macao/icms/importacao/aliquota.shtml

92 – Em relação ao ICMS, assinale a alternativa incorreta:

a) não incide nas importações sujeitas a arrendamento mercantil

b) a base de cálculo inclui o valor aduaneiro, o imposto de importação, o IPI, o

ICMS, o IOF e as contribuições sociais.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

c) quando o importador não possui um estabelecimento, o imposto é devido ao

estado do domicílio do adquirente.

d) segundo a jurisprudência do STF, não incide nas importações realizadas por

pessoas físicas não contribuintes do imposto.

e) pode ter seu recolhimento diferido para depois do desembaraço.

Comentários Letra A: falsa. Segundo a jurisprudência do STF, não incide apenas sobre as importações sujeitas a arrendamento (leasing) operacional, cuja principal aplicação ocorre nas importações de aeronave. A diferença do leasing operacional para o financeiro é que só este prevê opção de compra do bem ao final do contrato. O leasing operacional não o faz. Letra B: correta, conforme a Lei Kandir (Lei Complementar 87/1996, art. 13, V). Letra C: correta, conforme a Lei Kandir, art. 11, I, e. Letra D: correta, conforme a Súmula 660 do STF. Súmula 660 - Não incide ICMS na importação de bens por pessoa física ou jurídica que não seja contribuinte do imposto. Letra E: correta, dependendo da legislação dos estados e do Distrito Federal.

93 – Assinale a alternativa incorreta acerca do ICMS:

a) entra na base de cálculo das contribuições sociais cobradas na importação.

b) há fato gerador na arrematação de bens estrangeiros adquiridos em leilão.

c) o recolhimento do ICMS na importação ocorre por débito automático dependendo da Unidade da Federação.

d) As isenções do ICMS são fruto de convênios Confaz.

e) há imunidade de ICMS na importação de ouro ativo financeiro.

Comentários Letra A: correta, conforme dispõe o art. 7o da Lei 10.865/2004. Letra B: correta. É o único tributo cobrado em leilão. Nenhum federal o

é.

Letra C: incorreta. Isso ainda não está implementado. Letra D: correta. Baseia-se na CF/1988, art. 155, par. 2o, XII, “g” e Lei Complementar 24/1975: “as isenções do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias serão concedidas ou revogadas nos termos de convênios celebrados e ratificados pelos Estados e pelo Distrito Federal (

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Nos termos do Convênio ICMS 133/1997, “Compete ao Confaz: I – promover a celebração de convênios, para efeito de concessão ou revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do imposto de que trata o inciso II do art. 155 da Constituição, de acordo com o previsto no § 2o, inciso XII, alínea g, do mesmo artigo e na Lei Complementar no 24, de 7 de janeiro de 1975; ( )” Letra E: correta, nos termos da CF/1988, art. 155, par.1o, X, c.

94 – Em relação ao controle exercido pela RFB, o ICMS:

a) é debitado junto com os tributos federais no registro da DI para consumo.

b) é debitado automaticamente quando do desembaraço aduaneiro.

c) a prova de pagamento ou exoneração deverá ser informada no sistema pela

RFB.

d) caso o importador solicite, após o desembaraço aduaneiro, a retificação da

DI, a RFB somente procederá a esta se for apresentada prova do recolhimento

complementar do ICMS ou sua exoneração.

e) o depositário somente entrega a carga ao importador depois do pagamento

do ICMS.

Comentários Letras A e B: erradas. Não há débito automático por falta de convênio dos estados com a União. Letra C: errada. Quem informa os dados acerca do ICMS é o importador. (IN SRF 680/2006, art. 52) Letra D: correta, conforme art. 45, § 1o da IN SRF 680/2006:

Art. 45. A retificação da declaração após o desembaraço aduaneiro, qualquer que tenha sido o canal de conferência aduaneira ou o regime tributário pleiteado, será realizada:

(…) II - mediante solicitação do importador, formalizada em processo e instruída com provas de suas alegações e, se for o caso, do pagamento dos tributos, direitos comerciais, acréscimos moratórios e multas, inclusive as relativas a infrações administrativas ao controle das importações, devidos, e do atendimento de eventuais controles específicos sobre a mercadoria, de competência de outros órgãos ou agências da administração pública federal.

§ 1 o Na hipótese a que se refere o inciso II, quando a retificação pleiteada implicar em recolhimento complementar do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), o processo deverá ser instruído também com o comprovante do recolhimento ou de exoneração do pagamento da diferença desse imposto.

Letra E: errada. Pode ser o caso de exoneração do ICMS. Gabarito: letra D.

CIDE Combustíveis (comércio internacional)

95 – Quanto à CIDE-Combustíveis, não é correto afirmar:

a) A Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico, CIDE-Combustíveis,

não incide sobre a importação de álcool etílico combustível.

b) É contribuinte o importador, pessoa física ou jurídica, dos combustíveis relacionados na Lei 10.336/2001.

c) A base de cálculo é a unidade de medida estabelecida para os produtos

relacionados na Lei 10.336/2001.

d) O pagamento importação.

de

será efetuado

na

data do

registro da declaração

e) São isentos da CIDE-Combustíveis os bens normalmente consumidos em

evento esportivo oficial.

Comentários Letra A: falsa. Há incidência da CIDE-Combustíveis sobre a importação de álcool etílico combustível (artigo 298 do RA). As opções das letras B, C D e E estão previstas nos arts. 300, 302, 304 e 305 do RA.

96 – Marque a alternativa incorreta quanto ao fato gerador da CIDE- Combustíveis.

a) É fato gerador a importação de gasolinas e suas correntes.

b) É fato gerador a importação de diesel e suas correntes.

c) É fato gerador a importação de querosene de aviação e outros querosenes.

d) É fato gerador a importação de óleos combustíveis (fuel-oil).

e) É fato gerador a importação de gás liqüefeito de petróleo, exceto o derivado

de gás natural e de nafta.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

Comentários A importação de gás liquefeito do petróleo, inclusive o derivado de gás natural e de nafta é fato gerador da CIDE- Combustíveis (artigo 299, V do RA). Gabarito: letra E. As opções das letras A a D estão corretas (artigo 299, I a IV do RA).

Um grande abraço, Rodrigo

Luz

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

QUESTÕES ANALISADAS NESTA AULA

51 – Em relação ao tema sujeito passivo do imposto de importação, marque a alternativa correta:

a) O destinatário de remessa postal internacional indicado pelo respectivo

remetente é responsável solidário com o remetente pelo imposto.

b) O adquirente de mercadoria entrepostada é responsável solidário com o

importador pelo pagamento do imposto.

c) O transportador, quando transportar mercadoria procedente do exterior ou

sob controle aduaneiro, inclusive em percurso interno, é contribuinte do imposto.

d) O depositário, assim considerada qualquer pessoa incumbida da custódia de

mercadoria sob controle aduaneiro, é contribuinte do imposto.

e) O encomendante predeterminado que adquire mercadoria de procedência

estrangeira de pessoa jurídica importadora é responsável solidário pelo

imposto.

52 – Marque a única opção que não caracteriza a condição de responsável solidário do sujeito passivo:

a) O adquirente ou o cessionário de mercadoria beneficiada com isenção ou

redução do imposto.

b) O representante, no País, do transportador estrangeiro.

c) O destinatário de remessa postal internacional indicado pelo respectivo

remetente.

d) O adquirente de mercadoria de procedência estrangeira, no caso de

importação realizada por sua conta e ordem, por intermédio de pessoa jurídica

importadora.

e) O beneficiário de regime aduaneiro suspensivo destinado à industrialização

para exportação, no caso de admissão de mercadoria no regime por outro beneficiário, mediante sua anuência, com vistas à execução de etapa da cadeia industrial do produto a ser exportado.

53 – Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas:

I – o transportador pode ser responsável pelo imposto de importação mesmo

se

prestar serviços de transporte exclusivamente domésticos.

II

– Na operação de transporte após o desembaraço para consumo, o

transportador não é responsável pelo pagamento do imposto de importação.

III – Um transportador pode assumir a posição de contribuinte do imposto de

importação.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a) I, II e III

b) I e II

c) I e III

d) II e III

e) I

54 – São solidariamente responsáveis pelo imposto de importação:

a) o transportador e o adquirente de mercadoria entrepostada

b) o depositário e o transportador

c) o depositário e o adquirente de mercadoria beneficiada com isenção ou

redução do imposto d) o adquirente de mercadoria beneficiada com isenção do imposto e o representante no País do transportador estrangeiro e) o expedidor, o OTM e qualquer subcontratada para a realização do transporte multimodal e o transportador

55 – No caso de importação por conta e ordem do adquirente, caso não se comprove a origem dos recursos utilizados na importação, o bem será buscado pela RFB para apreensão. Caso o bem já tenha sido transferido para o adquirente:

a) se o bem for apreendido, o adquirente receberá de volta o imposto de

importação recolhido pelo importador.

b) se o bem não for localizado, haverá necessariamente um lançamento de

imposto de importação.

c) se o bem tiver sido consumido, o imposto de importação será cobrado

apenas do adquirente.

d) se o bem tiver sido revendido, o imposto de importação poderá ser cobrado

do importador.

e)

se o bem for apreendido, o crédito é considerado compensado.

56

- Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F

para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) Interpreta-se literalmente a legislação tributária que dispuser sobre a outorga de redução do imposto de importação. ( ) A redução do imposto somente será reconhecida quando decorrente de lei ou de ato internacional. ( ) A redução da alíquota do imposto de importação pode se dar por Resolução Camex.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a)

V, V, V

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

57

- Marque a alternativa correta:

 

a) O tratamento aduaneiro decorrente de ato internacional aplica-se à mercadoria originária ou procedente do país beneficiário. b) Respeitados os critérios decorrentes de ato internacional de que o Brasil seja parte, tem-se por país de origem da mercadoria aquele onde houver sido produzida ou, no caso de mercadoria resultante de material ou de mão de obra de mais de um país, aquele que tenha realizado o maior percentual de agregação.

c) Sobre a isenção e a redução do imposto de importação, não só a lei mas

também o Regulamento Aduaneiro pode dispor acerca de exceções em relação à similaridade e ao transporte em navio de bandeira brasileira.

d) A concessão e o reconhecimento de benefícios fiscais relativos ao imposto

ficam condicionados à comprovação pelo contribuinte, pessoa física ou jurídica, da quitação de tributos e contribuições federais. Isso, no entanto, não se aplica aos incentivos fiscais.

e) A obrigatoriedade de comprovação de quitação de tributos e contribuições

federais estende-se à própria União, aos Estados, ao DF e aos Municípios.

58 – Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para

a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) No caso de descumprimento dos requisitos e das condições para fruição das isenções ou das reduções, o beneficiário ficará sujeito ao pagamento dos tributos que deixarem de ser recolhidos na importação, com os acréscimos legais e penalidades cabíveis, conforme o caso, calculados da data da constatação do descumprimento.

( ) O reconhecimento da redução do imposto será efetivado, em cada caso,

pela autoridade aduaneira, com base em requerimento no qual o interessado faça prova do preenchimento das condições e do cumprimento dos requisitos previstos em lei ou em contrato para sua concessão.

( ) O reconhecimento da isenção ou da redução do imposto não gera direito

adquirido e será revogado de ofício, sempre que se apure que o beneficiário não satisfazia ou deixou de satisfazer as condições ou não cumprira ou deixou de cumprir os requisitos para a concessão do benefício, cobrando-se o crédito acrescido de juros de mora, podendo ser com ou sem penalidade.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

59 - Marque a alternativa correta em relação às isenções e reduções do

imposto de importação:

a) Quando for constatado que o beneficiário deixou de cumprir os requisitos

para a concessão do benefício, cobra-se o crédito acrescido de juros de mora,

com imposição da penalidade cabível, independentemente da existência de dolo ou simulação do beneficiado. b) A isenção deverá ser requerida em formulário próprio, apartado da declaração de importação.

c) O requerimento de benefício fiscal incabível acarreta a perda dos outros

benefícios aos quais o importador fazia jus.

d) A redução deverá ser requerida em formulário próprio, apartado da declaração de importação.

e) Na hipótese de não ser concedido o benefício fiscal pretendido, para a

mercadoria declarada e apresentada a despacho aduaneiro, serão exigidos o

imposto correspondente e os acréscimos legais cabíveis.

60 - Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para

a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) Quando a isenção for vinculada à qualidade do importador, a transferência onerosa de propriedade obriga ao prévio pagamento do imposto. Isso não se aplica à cessão ou à transferência a pessoa ou a entidade que goze de igual tratamento tributário, dispensada neste caso a manifestação da autoridade aduaneira. ( ) Quando a redução for vinculada à qualidade do importador, a cessão temporária de uso dos bens obriga ao prévio pagamento do imposto. Isso não se aplica se a cessão for realizada após o decurso do prazo de três anos, contados da data do registro da declaração de importação, no caso de importação realizada por instituição científica. ( ) Quando a isenção for vinculada à qualidade do importador, a transferência gratuita de propriedade dos bens obriga ao prévio pagamento do imposto. Isso não se aplica se a transferência for realizada após um ano, contado da data do registro da declaração de importação, no caso de bens importados pelas missões diplomáticas e repartições consulares de caráter permanente e pelos respectivos integrantes.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, F

e) V, F, F

61 - Marque a alternativa incorreta:

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a) A autoridade aduaneira poderá, a qualquer tempo, promover as diligências

necessárias para assegurar o controle da transferência dos bens objeto de

isenção.

b) Na transferência de propriedade ou na cessão de uso de bens objeto de isenção ou de redução, o imposto será reduzido proporcionalmente à depreciação do valor dos bens em função do tempo decorrido, contado da data do registro da declaração de importação.

c) Se os bens objeto de redução do imposto de importação forem danificados

por incêndio, o imposto será reduzido proporcionalmente ao valor do prejuízo.

d) Se as mercadorias beneficiadas com isenção forem destruídas pelo proprietário por incêndio culposo, não doloso, haverá redução do imposto cobrado. e) Na hipótese de não ser concedido o benefício fiscal pretendido, para a mercadoria declarada e apresentada a despacho aduaneiro, serão exigidos o imposto correspondente e os acréscimos legais cabíveis.

62 - Avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) A isenção do imposto, quando vinculada à qualidade do importador, ficará

condicionada à comprovação posterior do seu efetivo emprego nas finalidades

que motivaram a concessão.

( ) Perderá o direito à redução do imposto quem deixar de empregar os bens

nas finalidades que motivaram a concessão, exigindo-se o imposto a partir da constatação do desvio de finalidade.

( ) Desde que mantidas as finalidades que motivaram a concessão e mediante

prévia decisão da autoridade aduaneira, poderá ser transferida a propriedade

dos bens objeto de isenção objetiva antes de decorrido o prazo de cinco anos contados da data do registro da correspondente declaração de importação.

a) V, V, F

b) F, F, V

c) V, F, V

d) F, F, F

e) V, F, F

63 – Marque a alternativa incorreta. Gozam de isenção do imposto de importação:

a) as importações realizadas pelas instituições científicas e tecnológicas e por

cientistas e pesquisadores. b) as importações realizadas pelas representações de organismos internacionais de caráter permanente, inclusive os de âmbito regional, dos quais o Brasil seja membro, e pelos respectivos integrantes.

c) as importações realizadas pelas missões diplomáticas e repartições consulares de caráter permanente e pelos respectivos integrantes.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

d) as importações realizadas pelos partidos políticos e pelas instituições de

educação ou de assistência social.

e) as importações realizadas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal,

pelos Territórios, pelos Municípios e pelas respectivas autarquias, empresas

públicas e sociedades de economia mista.

64 – Quanto às importações realizadas por entidade de assistência social, pode-se afirmar que é beneficiada com isenção do imposto de importação a instituição que comprovar o atendimento de uma série de condições, exceto:

a) não distribuição de qualquer parcela do seu patrimônio ou de suas rendas, a

qualquer título.

b) remuneração dos dirigentes apenas até o limite estabelecido em lei.

c) emprego dos seus recursos integralmente no País, na manutenção dos seus

objetivos institucionais.

d) manutenção da escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão.

e) compatibilidade da natureza, da qualidade e da quantidade dos bens às

finalidades essenciais do importador.

65 – Quanto ao tema similaridade não é correto afirmar:

a) Considera-se similar ao estrangeiro o produto nacional em condições de

substituir o importado com qualidade equivalente e especificações adequadas ao fim a que se destine.

b) Considera-se similar ao estrangeiro o produto nacional em condições de

substituir o importado com preço não superior ao custo de importação, em moeda nacional, da mercadoria estrangeira, calculado o custo com base no preço CIF (cost, insurance and freight), acrescido dos tributos que incidem sobre a importação e de outros encargos de efeito equivalente.

c) Considera-se similar ao estrangeiro o produto nacional em condições de

substituir o importado com prazo de entrega normal ou corrente para o mesmo tipo de mercadoria.

d) Na comparação do preço para a verificação da similaridade, deve ser acrescido ao preço da mercadoria estrangeira o valor correspondente ao ICMS.

e) Na comparação do preço para a verificação da similaridade, não deve ser

acrescido ao preço da mercadoria estrangeira o valor correspondente ao

adicional ao frete para renovação da marinha mercante.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

66 - Considerando o tema similaridade, avalie as afirmações abaixo.

Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a

opção que contenha a sequência correta.

( ) A Secretaria de Comércio Exterior poderá estabelecer critérios gerais ou específicos para apuração da similaridade, tendo em vista as condições de oferta do produto nacional, a política econômica geral do governo e a orientação dos órgãos governamentais incumbidos da política relativa a produtos ou a setores de produção.

( ) A apuração da similaridade será realizada, em cada caso, antes da

importação, pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, segundo as normas e

os critérios estabelecidos no Regulamento Aduaneiro.

( ) Na apuração da similaridade poderá ser solicitada a colaboração de outros órgãos governamentais e de entidades de classe.

a)

V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

67

– Marque a importação com isenção que não está dispensada do

exame de similaridade:

a) bagagem de viajantes.

b) importação realizada por partido político.

c) importações efetuadas por missões diplomáticas e repartições consulares de

caráter permanente e por seus integrantes.

d) importações efetuadas por representações de organismos internacionais de

caráter permanente de que o Brasil seja membro, e por seus funcionários,

peritos, técnicos e consultores, estrangeiros.

e) amostras e bens contidos em remessas postais internacionais, sem valor

comercial.

68 – Considerando a imunidade do imposto de importação concedida

às importações de livros, jornais e periódicos e do papel destinado a sua impressão, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Deve manter registro especial na Secretaria da Receita Federal do Brasil a

pessoa jurídica que exercer as atividades de comercialização e importação de jornais, livros, periódicos ou o papel destinado à sua impressão, beneficiados com imunidade.

( ) A pessoa jurídica que simplesmente adquirir o papel importado com

imunidade para a utilização na impressão de livros, jornais e periódicos está dispensada do registro especial na Secretaria da Receita Federal do Brasil.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

( ) Caso o papel importado com imunidade seja transferido a pessoa detentora do registro especial na RFB, o vendedor prova a regularidade da sua destinação.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

69 – Quanto ao papel imune e ao controle exercido pela RFB, não é correto afirmar:

a) O papel imune só pode ser submetido a despacho aduaneiro por pessoas que detenham registro especial na RFB.

b) Também goza de imunidade o papel destinado à impressão de livros, jornais

ou periódicos que contenha matéria de propaganda comercial.

c) Não só as importações, mas também as comercializações internas do papel

imune devem ser informadas na Declaração Especial de Informações Relativas ao Controle de Papel Imune (DIF-Papel Imune).

d) A periodicidade da DIF-Papel Imune é anual.

e) A imunidade do papel destinado à impressão de periódicos abrange o imposto de importação, mas não alcança o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação.

70 – Quanto ao imposto de exportação não é correto afirmar:

a) Incide sobre mercadoria nacional destinada ao exterior.

b) Incide sobre mercadoria nacionalizada destinada ao exterior.

c) A Secretaria da Receita Federal do Brasil, observada a legislação específica,

relacionará as mercadorias sujeitas ao imposto.

d) Tem como fato gerador a saída da mercadoria do território aduaneiro.

e) Será apurado pela aplicação da alíquota de 30% sobre a base de cálculo.

71 – Com relação ao imposto de exportação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Em função da política cambial, a Câmara de Comércio Exterior poderá reduzir a alíquota do imposto.

( ) Conforme definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, o pagamento do imposto deverá ser realizado em até 15 dias do registro de exportação.

( ) Poderá ser dispensada a cobrança do imposto em função do destino da

mercadoria a ser exportada, observadas as normas editadas pelo Ministro de Estado da Fazenda.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

72 – Quanto ao imposto de exportação, marque a alternativa correta:

a) Para efeito de cálculo do imposto, considera-se ocorrido o fato gerador na

data de registro da declaração de exportação no Sistema Integrado de

Comércio Exterior (SISCOMEX).

b) A base de cálculo do imposto é o preço normal que a mercadoria, ou sua

similar, alcançaria, ao tempo da exportação, em uma venda em condições de livre concorrência no mercado internacional, observadas as normas expedidas

pela Secretaria da Receita Federal do Brasil.

c) Quando o preço da mercadoria for de difícil apuração ou for suscetível de

oscilações bruscas no mercado internacional, a Secretaria da Receita Federal do Brasil fixará critérios específicos ou estabelecerá pauta de valor mínimo, para apuração da base de cálculo.

d) Para efeito de determinação da base de cálculo do imposto, o preço de

venda das mercadorias exportadas não poderá ser inferior ao seu custo de aquisição ou de produção, acrescido dos impostos e das contribuições incidentes e da margem de lucro de quinze por cento sobre a soma dos custos, mais impostos e contribuições.

e) Em caso de elevação, a alíquota do imposto não poderá ser superior a cem

por cento.

73 – Com relação ao imposto de exportação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta. ( ) É contribuinte do imposto o exportador e aquele que vende bens para as empresas comerciais exportadoras usufruindo os incentivos fiscais às exportações. ( ) O preço à vista do produto, CIF ou posto na fronteira, é indicativo do preço normal. ( ) A legislação do imposto de importação aplica-se subsidiariamente ao imposto de exportação, no que couber.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

74 – Com relação ao imposto de exportação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta:

I – Os bens integrantes de bagagem, acompanhada ou desacompanhada, de viajante que se destine ao exterior estão isentos do imposto, mesmo que valham US$ 50.000,00.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

II – Os bens que não forem para uso ou consumo pessoal do viajante nem para presentear podem ser tratados como bagagem até o limite de US$

2.000,00.

III

– No caso da exportação temporária transformada em definitiva, o imposto

de

exportação será exigido de forma retroativa, executando-se o termo de

responsabilidade.

a)

V, V, F

b) V, V, V

c) F, V, V

d) F, F, V

e) V, F, V

75

– Quanto ao IPI vinculado à importação, é correto afirmar:

a)

O imposto incide sobre produtos industrializados de origem estrangeira.

b) O imposto não incide sobre mercadoria estrangeira que, corretamente descrita nos documentos de transporte, chegar ao País por erro inequívoco ou comprovado de expedição, e que for redestinada ou devolvida para o exterior, salvo se já tiver sido desembaraçada. c) O imposto não incide sobre mercadoria estrangeira idêntica, em igual quantidade e valor, e que se destine a reposição de outra anteriormente importada que se tenha revelado defeituosa para o fim a que se destinava, desde que observada a regulamentação editada pelo Ministério da Fazenda. Isto, porém, não se aplica no caso de a mercadoria ter sido desembaraçada.

d) O imposto incide sobre embarcações construídas no Brasil e transferidas por

matriz de empresa brasileira de navegação para subsidiária integral no exterior, que retornem ao registro brasileiro, como propriedade da mesma empresa nacional de origem, caso sejam desembaraçadas.

e) Na determinação da base de cálculo do IPI, será excluído o valor depreciado

decorrente de avaria ocorrida em produto.

76 – Considerando o IPI vinculado à importação, avalie as afirmações

abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) São fatos geradores do IPI o desembaraço aduaneiro de produto de

procedência estrangeira e a arrematação em leilão de produto estrangeiro

apreendido.

( ) Para efeito de ocorrência do fato gerador, considera-se ocorrido o

desembaraço aduaneiro da mercadoria que constar como importada e cuja avaria tenha sido apurada pela autoridade fiscal.

( ) Não constitui fato gerador do imposto o desembaraço aduaneiro de

produtos nacionais submetidos ao regime de exportação temporária, na

hipótese de retornarem ao país após descumprido o regime.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

77 – Assinale a alternativa incorreta. Não se cobra o IPI vinculado à importação no caso de produtos:

a) enviados em consignação e que retornam ao Brasil, por não terem não vendidos no prazo autorizado.

b) destruídos durante o regime de trânsito aduaneiro.

c) devolvidos ao Brasil por motivo de defeito técnico, para reparo ou para substituição.

d) por motivo de modificações na sistemática de importação por parte do país

estrangeiro importador.

e) destruídos, sob controle aduaneiro, antes do desembaraço aduaneiro.

78 – Considerando o IPI vinculado à importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) No caso de isenção do imposto de importação, a base de cálculo do IPI na importação inclui o valor que serviria de base para cálculo do imposto de importação, além do próprio imposto de importação isentado.

( ) O imposto será calculado mediante aplicação das alíquotas constantes da

Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados sobre a base de cálculo. Há alíquotas de IPI ad valorem e específicas.

( ) A base de cálculo do IPI na importação inclui o valor aduaneiro acrescido do imposto de importação, ICMS e contribuições.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

79 – Quanto ao IPI vinculado à importação não é correto afirmar:

a) O lançamento é por homologação e é exemplo de aplicação do fato gerador

presumido constitucionalmente.

b) Em regra, as isenções do imposto são objetivas, não subjetivas.

c) Se a isenção estiver condicionada à destinação do produto e a este for dado

destino diverso do previsto, estará o responsável pelo fato sujeito ao pagamento do imposto, dos juros de mora e da penalidade cabível, como se a isenção não existisse.

d) São isentas do imposto as remessas postais internacionais para as quais se

requeira o regime comum de importação.

e) São isentas do imposto os bens trazidos por viajantes submetidos ao regime

de tributação especial.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

80 – Com relação à suspensão do IPI vinculado, avalie as afirmações

abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) Serão desembaraçados com suspensão do pagamento do imposto os componentes, chassis, carroçarias, acessórios, partes e peças dos produtos autopropulsados classificados nas posições 84.29, 84.32, 84.33, 87.01 a 87.06 e 87.11, da Nomenclatura Comum do Mercosul, quando importados por estabelecimento comercial para revenda no mercado interno. ( ) Além da suspensão do pagamento do IPI-Importação em relação aos bens admitidos em regimes aduaneiros especiais, também há suspensão na importação de matérias primas importadas para consumo por pessoas jurídicas preponderantemente exportadoras dos mais diversos setores da economia. ( ) As hipóteses de suspensão do IPI têm caráter objetivo e subjetivo.

a)V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

81 – Calcule o IPI vinculado à importação:

Valor da mercadoria: US$ 100.00 Frete interno no país exportador: US$ 20.00

Frete internacional: US$ 500.00 Despesas de descarga no Brasil : US$ 40.00 Frete interno no Brasil a partir da descarga: US$ 20.00 Despesas de carga no país exportador: US$ 40.00 Seguro do transporte internacional: US$ 10.00 Alíquota do II : 10% Alíquota do IPI : 10%

a)

US$ 737,00

b)

US$ 781,00

c)

US$ 670,00

d)

US$ 78,10

e)

US$ 73,70

82

– Assinale a alternativa que contém as respostas corretas:

( ) A isenção do Imposto de Importação implica a isenção do IPI vinculado à importação.

( ) Há isenção de IPI vinculado à importação nos regimes de tributação

simplificada, ainda que a remessa postal internacional passe de US$ 3.000,00 (três mil dólares).

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

( ) O IPI será calculado com base na alíquota de 100% no caso de o produto importado não poder ser identificado.

a) F – F – F

b) V – V – V

c) V – F – F

d) V – V – F

e) F – V – V

83 – Assinale a incorreta. As contribuições para PIS/PASEP- Importação e COFINS-Importação não incidem sobre:

a) bens estrangeiros que, corretamente descritos nos documentos de transporte, chegarem ao País por erro inequívoco ou comprovado de expedição e que forem redestinados ou devolvidos para o exterior.

b)

bens estrangeiros idênticos, em igual quantidade e valor, e que se destinem

à

reposição de outros anteriormente importados que se tenham revelado, após

o

desembaraço aduaneiro, defeituosos ou imprestáveis para o fim a que se

destinavam, observada a regulamentação do Ministério da Fazenda.

c) bens estrangeiros que tenham sido objeto de pena de perdimento, exceto

nas hipóteses em que não sejam localizados, tenham sido consumidos ou revendidos.

d) bens estrangeiros devolvidos para o exterior antes do desembaraço aduaneiro, observada a regulamentação do Ministério da Fazenda.

e) pescado capturado fora das águas territoriais do País por empresa localizada

no seu território, desde que satisfeitas as exigências que regulam a atividade

pesqueira.

84 – Em regra, as contribuições de PIS/PASEP-Importação e COFINS- Importação incidem sobre:

a) bens retornando de exportação temporária.

b) bens importados pelas entidades beneficentes de assistência social, ainda que atendam às exigências estabelecidas em lei.

c) bens acidentalmente destruídos em trânsito aduaneiro de passagem.

d) bens destruídos em acidente em trânsito aduaneiro de importação.

e) bens avariados ou que se revelem imprestáveis para os fins a que se destinavam, ainda que destruídos, sob controle aduaneiro, antes de despachados para consumo.

85 – Considerando a contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha

a sequência correta.

( ) O fato gerador da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS- Importação é a entrada de bens estrangeiros no território aduaneiro.

( ) Para efeito de ocorrência do fato gerador, as mercadorias avariadas são

presumidas como entradas no território nacional.

( ) Caso o extravio da mercadoria a granel seja inferior a 1%, não se considera ocorrido o fato gerador do PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

86 – Considerando a contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a

verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha

a

sequência correta.

(

) Para efeito de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da

COFINS-Importação, considera-se ocorrido o fato gerador no dia do lançamento do correspondente crédito tributário, quando se tratar de bens constantes de manifesto ou de outras declarações de efeito equivalente, cuja avaria tenha sido apurada pela autoridade aduaneira. ( ) A base de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação é o valor aduaneiro, assim entendido o valor que servir ou que serviria de base para o cálculo do imposto de importação, acrescido do valor do ICMS incidente no registro da DI e das próprias contribuições.

( ) Para efeito de cálculo da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da

COFINS-Importação, considera-se ocorrido o fato gerador na data do vencimento do prazo de permanência dos bens em recinto alfandegado, se iniciado o respectivo despacho aduaneiro antes de destinada a mercadoria.

a) V, V, F

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

87 – Quanto à contribuição para o PIS/PASEP-Importação e à COFINS- Importação, são responsáveis solidários os indicados abaixo, exceto:

a) o depositário, assim considerada qualquer pessoa incumbida da custódia de

bem sob controle aduaneiro. b) o transportador, quando transportar bens procedentes do exterior ou sob controle aduaneiro, inclusive em percurso interno.

c) o representante, no País, do transportador estrangeiro.

d) o expedidor, o operador de transporte multimodal ou qualquer subcontratado para a realização do transporte multimodal.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

e) o adquirente de bens estrangeiros, no caso de importação realizada por

conta e risco de pessoa jurídica importadora.

88 – Considerando a contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação, avalie as afirmações abaixo. Atribua V para a verdadeira e F para a falsa. Em seguida, marque a opção que contenha a sequência correta.

( ) A contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação serão pagas na data do registro da declaração de importação para consumo.

( ) No regime aduaneiro especial de admissão temporária para utilização

econômica, não há fato gerador das contribuições expresso na legislação, mas se cobra o valor proporcional das contribuições.

( ) O imposto de importação não incide sobre embarcações construídas no

Brasil e transferidas por matriz de empresa brasileira de navegação para subsidiária integral no exterior, que retornem ao registro brasileiro, como propriedade da mesma empresa nacional de origem. No entanto, as

contribuições sociais incidem nesta hipótese de importação.

a) V, V, V

b) F, V, V

c) V, F, V

d) F, F, V

e) V, F, F

89 – Quanto à suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação, marque a alternativa incorreta:

a) O Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de

Serviços de Tecnologia da Informação - REPES permite a importação de bens novos destinados ao desenvolvimento de software e de serviços de tecnologia da informação, quando importados diretamente pelo beneficiário do regime para incorporação ao seu ativo imobilizado, com suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

b) O Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras - RECAP permite a importação de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos, novos, quando importados diretamente pelo beneficiário do regime para incorporação ao seu ativo imobilizado, com suspensão do pagamento da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

c) A pessoa jurídica preponderantemente exportadora, assim considerada

aquela cuja receita bruta decorrente de exportação para o exterior, no ano- calendário imediatamente anterior ao da aquisição, houver sido igual ou superior a sessenta por cento de sua receita bruta total de venda de bens e serviços no mesmo período, após excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda, poderá importar com suspensão do pagamento da

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação matérias- primas, produtos intermediários e materiais de embalagem.

d) A importação de máquinas e equipamentos utilizados na fabricação de

papéis destinados à impressão de jornais ou de papéis destinados à impressão

de periódicos será efetuada com suspensão do pagamento da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação, quando importados diretamente por pessoa jurídica industrial para incorporação ao seu ativo imobilizado.

e) O Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de

Semicondutores - PADIS permite a importação de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos para incorporação ao ativo imobilizado do beneficiário, destinados às atividades relacionadas com a industrialização de semicondutores e displays, com redução a zero por cento das alíquotas da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação.

90 – Os únicos programas específicos de redução de PIS/PASEP- Importação e COFINS-Importação se referem às importações de bens relacionados à produção de:

a) software e bens de capital

b) defensivos agropecuários e semicondutores

c) semicondutores e equipamentos para TV digital

d) papéis e software

e) bens na Zona Franca de Manaus e software

91 – Em relação ao ICMS, assinale a alternativa correta:

a) caso a importação seja realizada por conta e ordem de um adquirente

situado em estado diferente do do importador, o imposto é devido ao estado onde ocorrer o desembaraço.

b) caso o estabelecimento do adquirente esteja situado em estado diferente do

do importador, faz-se um rateio entre as unidades da federação.

c) as alíquotas interestaduais do ICMS em relação a produtos importados

vigoram no percentual de 4%, conforme a Resolução do Senado Federal

13/2012.

d) as alíquotas aplicáveis na importação não podem ser maiores do que as

alíquotas internas.

e) as alíquotas de importação são iguais às alíquotas internas.

92 – Em relação ao ICMS, assinale a alternativa incorreta:

a) não incide nas importações sujeitas a arrendamento mercantil

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

b) a base de cálculo inclui o valor aduaneiro, o imposto de importação, o IPI, o

ICMS, o IOF e as contribuições sociais.

c) quando o importador não possui um estabelecimento, o imposto é devido ao

estado do domicílio do adquirente.

d) segundo a jurisprudência do STF, não incide nas importações realizadas por

pessoas físicas não contribuintes do imposto.

e)

pode ter seu recolhimento diferido para depois do desembaraço.

93

– Assinale a alternativa incorreta acerca do ICMS:

a)

entra na base de cálculo das contribuições sociais cobradas na importação.

b)

há fato gerador na arrematação de bens estrangeiros adquiridos em leilão.

c)

o recolhimento do ICMS na importação ocorre por débito automático

dependendo da Unidade da Federação.

d)

As isenções do ICMS são fruto de convênios Confaz.

e)

há imunidade de ICMS na importação de ouro ativo financeiro.

94

– Em relação ao controle exercido pela RFB, o ICMS:

a)

é debitado junto com os tributos federais no registro da DI para consumo.

b)

é debitado automaticamente quando do desembaraço aduaneiro.

c)

a prova de pagamento ou exoneração deverá ser informada no sistema pela

RFB.

d) caso o importador solicite, após o desembaraço aduaneiro, a retificação da

DI, a RFB somente procederá a esta se for apresentada prova do recolhimento

complementar do ICMS ou sua exoneração.

e) o depositário somente entrega a carga ao importador depois do pagamento

do ICMS.

95 – Quanto à CIDE-Combustíveis, não é correto afirmar:

a) A Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico, CIDE-Combustíveis,

não incide sobre a importação de álcool etílico combustível.

b) É contribuinte o importador, pessoa física ou jurídica, dos combustíveis

relacionados na Lei 10.336/2001.

c) A base de cálculo é a unidade de medida estabelecida para os produtos

relacionados na Lei 10.336/2001.

d) O pagamento importação.

de

será efetuado

na

data do

registro da declaração

e) São isentos da CIDE-Combustíveis os bens normalmente consumidos em

evento esportivo oficial.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

96 – Marque a alternativa incorreta quanto ao fato gerador da CIDE- Combustíveis.

a) É fato gerador a importação de gasolinas e suas correntes.

b) É fato gerador a importação de diesel e suas correntes.

c) É fato gerador a importação de querosene de aviação e outros querosenes.

d) É fato gerador a importação de óleos combustíveis (fuel-oil).

e) É fato gerador a importação de gás liqüefeito de petróleo, exceto o derivado

de gás natural e de nafta.

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

51 – E

52 – C

53 – A

54 – D

55 – D

56 – A

57 – C

58 – B

59 – E

60 – D

61 – D

62 – B

63 – E

64 – B

65 – E

66 – C

67 – B

68 – D

69 – D

70 – C

71 – C

72 – D

73 – D

74 – A

75 – E

76 - B

77 – B

78 – A

79 – D

80 – B

81 – D

82 – A

83 – D

84 – D

GABARITOS

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA EM EXERCÍCIOS – RFB/2012 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ

85 – C

86 – E

87 – E

88 – A

89 – C

90 – C

91 – D

92 – A

93 – C

94 – D

95 – A

96 – E

Evaluare