Sunteți pe pagina 1din 21

---------- Forwarded message ----------

From: Plinio Marcos Moreira da Rocha <pliniomarcosmr@gmail.com>


Date: 2009/4/4
Subject: email PROVOCATIVO - ADPF Foro Privilegiado / Prisão Especial
To: pfdc@pgr.mpf.gov.br, 1ccr@pgr.mpf.gov.br, 2accr@pgr.mpf.gov.br,
3camara@pgr.mpf.gov.br, 4camara@pgr.mpf.gov.br,
5camara@pgr.mpf.gov.br, 6camara@pgr.mpf.gov.br,
internacional@pgr.mpf.gov.br, pge@pgr.mpf.gov.br,
informacoesprocessuais@pgr.mpf.gov.br, secom@pgr.mpf.gov.br,
srh001@pgr.mpf.gov.br, sti@pgr.mpf.gov.br, cdij@pgr.mpf.gov.br, plan-
assiste@pgr.mpf.gov.br

Petição - Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental


Ministério Público Federal
Procuradoria Geral da República
SAF Sul Quadra 4 Conjunto C
70050-900 - Brasília – DF
Email PROVOCATIVO

Ao Excelentíssimo Procurador-Geral da República

Com Base na CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO


BRASIL DE 1988, TÍTULO II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais,
CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS,
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade, nos termos seguintes: XXXIII - todos têm direito a receber
dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de
interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob
pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja
imprescindível à segurança da sociedade e do Estado; XXXIV - são a
todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas: a) o
direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra
ilegalidade ou abuso de poder,
Venho, mui respeitosamente, SUGERIR, que Esta Procuradoria, envida
Todos os Esforços, utilizando-se de TODOS os Meios que dispuser, para
que, seja ARGUIDA AS INCONSTITUCIONALIDADES constante, da 1ª
Sugestão, da 2ª Sugestão e da 3ª Sugestão abaixo especificadas, bem
como, avalie os Documentos apresentados na 4ª Sugestão, de tal forma,
serem naturais as manifestações, sobre e com base no Direito
Constituído, que poderão resultar em ações condizentes com as
Atribuições e Responsabilidades Institucionais, que a Constituição Federal
lhes OUTORGA.

Ouso acreditar, que a resposta a esta Provocação, intríseca pela


SUGESTÃO, não pode, e nem deve, ter o entendimento de premente, e
necessário, rito processual desta Procuradoria, uma vez que, esta
endereçada à Pessoa do Senhor Procurador-Geral da República, pois,
este email, tem o condão de apenas INFORMAR, COMUNICAR e
APRESENTAR, quando muito, DENUNCIAR fatos que vão de encontro
ao Direito Constituído, razão pela qual, é apenas e tão somente, uma
SUGESTÃO, que esta sendo encaminhada, em caráter pessoal, a uma
Autoridade Legalmente Constituída, calcada na possibilidade
Constitucional de se emitir Petições, sem restrições outras que não o
simples anonimato, "em defesa de direito, contra ilegalidade ou abuso
de poder", onde "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário,
representado pelo Excelentíssimo Ministro-Corregedor, lesão ou ameaça a
direito".
Portanto, é premente, necessário, quiçá visceral, que a resposta, seja
em caráter Pessoal, por delegação ou não, mas principalmente, levando
em consideração, os Valores Morais, a Integridade, o Respeito, algo
Pessoal e intransferível, à Constituição da República Federativa do Brasil,
ao Estatuto da Magistratura, e ao Direito Constituído, que a
Autoridade Provocada, no caso o Excelentíssimo Procurador-Geral da
República, TEM, uma vez que, qualquer sugestão, em sendo, no mínimo
razoável, deveria produzir, pelo menos, uma avaliação, e sua natural
manifestação coerente, sobre e com base no Direito Constituído.
Não desconhecemos, a possibilidade, do Excelentíssimo Procurador-
Geral da República, de se ater a detalhes menores, para se abster, de
avaliar e se manifestar, sobre e com base no Direito Constituído,
relativos a uma Sugestão a Ele encaminhada, porem, devemos ressaltar,
que a importância, a relevância, do intrínseco provocado, exige o
exercício, pela Autoridade, de TODAS as Prerrogativas que o Cargo, ora
ocupado, lhe OUTORGA, afinal, acima de qualquer coisa, é uma
Autoridade Institucional, representativa do Estado Brasileiro, formalmente
e legalmente estabelecida, com a principal ATRIBUIÇÂO de Representar
a Sociedade no Zelo, na Presevação e no CUMPRIMENTO da
Constituição da República Federativa do Brasil e do Estatuto da
Magistratura, quando então, ressaltamos, ser esta possível abstenção,
algo, que no mínimo, frusta, entristece e DECEPCIONA.
Em função do acima exposto, solicito, que o Excelentíssimo
Procurador-Geral da República, se manifeste em caráter PESSOAL, por
delegação ou não, apreciando, mediante esta provocação, a legalidade
do colocado, bem como, garanta o recebimento deste Órgão Público,
representado pelo Cargo de Procurador-Geral da República, das
informações de meu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral,
que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade,
ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da
Sociedade e do Estado, conforme a Constituição da República Federativa
do Brasil.
Quando então, reitero, meu entendimento, de ser imprescindível que
este email seja encaminhado ao Excelentíssimo Procurador-Geral da
República, para a sua coerente manifestação, e atuação, sobre e com
base, no Direito Constituído.

1ª - Premissa Motivacional - Segundo a CONSTITUIÇÃO DA


REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988; PREÂMBULO - Nós,
representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional
Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar
o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o
bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores
supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos,
fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e
internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob
a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
FEDERATIVA DO BRASIL. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais;
Art. 1º - A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel
dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado
Democrático de Direito e tem como fundamentos: II - a cidadania; III - a
dignidade da pessoa humana; Art. 3º - Constituem objetivos
fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma
sociedade livre, justa e solidária; II - garantir o desenvolvimento
nacional; III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as
desigualdades sociais e regionais; IV - promover o bem de todos, sem
preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras
formas de discriminação.

Esta clara, inquestionável, e irrefutável, que a consciência , a CRENÇA, e


a CERTEZA, da importância de que TODOS são IGUAIS perante a LEI,
nos permite afirmar, que sem Ela, teremos negada a Cidadania, com a
falta da Dignidade da pessoa humana, o que nos impossibilitará
contruirmos uma sociedade livre, justa e solidária, sem o pleno, e
possível, desenvolvimento nacional, com a cristalização das
desigualdades sociais e regionais, onde será tambem impossível o bem
de todos, uma vez que, para alguns TUDO será permitido, mesmo que
indecorosamente, imoralmente, ilegitimamente e ilegalmente. Portanto, ao
não se Zelar, Respeitar e Fazer CUMPRIR esta CRENÇA, apesar da
própria Consciência, estaremos agredindo de forma MORTAL, o
Preâmbulo, os Fundamentos e os Objetivos Fundamentais da
Constituição Federal;

2ª - Premissa Motivacional - Segundo a CONSTITUIÇÃO DA


REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988; TÍTULO II - Dos
Direitos e Garantias Fundamentais; CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E
DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS; Art. 5º Todos são iguais perante
a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros
e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos
seguintes: I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações,
nos termos desta Constituição; II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar
de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; VIII - ninguém será
privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção
filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação
legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada
em lei;

Esta clara, inquestionável, e irrefutável, que a consciência da


importância, a CRENÇA, e a CERTEZA, de TODOS sermos iguais
perante a Lei, esta, mais uma vez, transparentemente colocada,
ratificadando nossa premissa anterior, bem como, nos permite afirmar, que
tais preocupações são evidenciadas, ao se reconhecer que apesar de
diferentes, pelo gênero, Homens e Mulheres, deverão ter tratamentos
igualitários, bem como, nos assegura, que, apenas a Lei tem o condão
de nos obrigar a fazer ou nos obrigar a deixar de fazer, quando então,
chamo a atenção para a certeza de que ninguem será privado de direitos
por convicção política, estando ou não em exercício parlamentar,
excessão feita aqueles que as invocar para exirmir-se de obrigação
legal a todos impostas. Portanto, os privilégios especificados no Art. 53
da Constituição Federal, em não estando relacionados diretamente ao
exercício de mandato parlamentar, são desnecessários, uma vez que, a
Constituição Federal é CLARA, e RICA, o suficiente, para garantir Direitos
a TODO o Cidadão Brasileiro, de tal forma, que ninguem será privado de
direitos por convicção política, isto é, nenhum Cidadão Brasileiro,
incluso o Parlamentar em pleno exercício Ético de seu mandato.

3ª - Premissa Motivacional - Segundo a CONSTITUIÇÃO DA


REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988; TITULO II - Dos
Direitos e Garantias Fundamentais; CAPÍTULO IV - DOS DIREITOS
POLÍTICOS; Art. 53. - Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e
penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos. § 1º - Os
Deputados e Senadores, desde a expedição do diploma, serão
submetidos a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal. § 2º
- Desde a expedição do diploma, os membros do Congresso Nacional não
poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável. Nesse
caso, os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro horas à Casa
respectiva, para que, pelo voto da maioria de seus membros, resolva sobre
a prisão. §3º - Recebida a denúncia contra o Senador ou Deputado, por
crime ocorrido após a diplomação, o Supremo Tribunal Federal dará
ciência à Casa respectiva, que, por iniciativa de partido político nela
representado e pelo voto da maioria de seus membros, poderá, até a
decisão final, sustar o andamento da ação. § 4º - O pedido de sustação
será apreciado pela Casa respectiva no prazo improrrogável de quarenta e
cinco dias do seu recebimento pela Mesa Diretora. § 5º - A sustação do
processo suspende a prescrição, enquanto durar o mandato.§ 6º - Os
Deputados e Senadores não serão obrigados a testemunhar sobre
informações recebidas ou prestadas em razão do exercício do mandato,
nem sobre as pessoas que lhes confiaram ou deles receberam
informações. § 7º - A incorporação às Forças Armadas de Deputados e
Senadores, embora militares e ainda que em tempo de guerra, dependerá
de prévia licença da Casa respectiva.§ 8º - As imunidades de Deputados
ou Senadores subsistirão durante o estado de sítio, só podendo ser
suspensas mediante o voto de dois terços dos membros da Casa
respectiva, nos casos de atos praticados fora do recinto do Congresso
Nacional, que sejam incompatíveis com a execução da medida.

Esta clara, inquestionável, e irrefutável, que a consciência da


importância, a CRENÇA, e a CERTEZA, de TODOS sermos iguais
perante a Lei, claramente colocada, nas premissas anteriores, bem como,
da certeza de que ninguem será privado de direitos por convicção
política, estando ou não em exercício parlamentar, excessão feita
aqueles que as invocar para exirmir-se de obrigação legal a todos
impostas. Portanto, os privilégios especificados no Art. 53 da
Constituição Federal, devem, estar relacionados ao próprio Art. 53,
quando CLARAMENTE, é restrito a "opiniões, palavras e votos" , o que
nos coloca a certeza, de que seus Parágrafos, detalhamento das
situações presumíveis do Art. 53, tem efeito NULO, quando aplicáveis
fora do contexto tão cristalinamente especificado.

4ª - Premissa Motivacional - A notícia "Ministro Celso de Mello suspende


ordem de prisão que desrespeitou decisão do STF - Lei íntegra decisão",
http://www.netlegis.com.br/index.jsp?arquivo=detalhesNoticia.jsp&cod=50016 , nos
apresenta o surrealismo, de uma indecorosa, imoral, ilegítima,
decisão, na qual "nossa mais alta corte", de forma contundente, ratifica
o foro especial, a despeito de qualquer outra avaliação, uma vez que, "Ao
determinar a soltura do deputado estadual, o ministro Celso de Mello
ressaltou ainda que o foro por prerrogativa de função (foro especial) é
assegurado ao parlamentar, ainda quando licenciado ou afastado de suas
funções, e esse foro prevalece sobre a competência atribuída ao Tribunal
do Júri, ainda que o crime em questão tenha sido cometido, de forma
intencional, contra a vida.".

Portanto, ao não se Zelar, Respeitar e Fazer CUMPRIR, a CRENÇA, e a


CERTEZA, de que TODOS somos IGUAIS perante a LEI, alem de
ignorarmos nossa própria Consciência, estaremos agredindo de forma
MORTAL, o Preâmbulo, os Fundamentos e os Objetivos Fundamentais
da Constituição Federal, quando então, ressalto que a notícia em
questão, avilta tal situação, tendo em vista que, apenas e tão somente,
aceita ,e determina, que um CRIMINOSO, que esta parlamentar,
mantenha por isso, privilégios, mesmo cometendo crime, de forma
intencional, contra a vida. Afinal, para a construção de uma sociedade
Justa, Fraterna e Solidária, é imprescindível, que se dê o devido valor,
ao bem mais importante, que é a VIDA, uma vez que, sem ela, NADA
EXISTE, onde o respeito à privilégios funcionais, não relacionados ao
exercício da função, apenas e tão somente, A (VIDA), menospreza, de tal
forma, que seu valor intrínseco, é GRITANTEMENTE,
ESCRACHAMENTE, IRRESPONSAVELMENTE, AVILTADO.

Ressalto que o Art. 5º, VIII - ninguém será privado de direitos por
motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política,
salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta
e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei; nos coloca
como inadmissível que "nossa mais alta côrte" possa invocar, tais
privilégios, para eximir, um CRIMINOSO, de obrigação legal a todos
imposta. Se um crime é cometido sem qualquer relação com o exercício
de sua convicção política, incluso o mandato de parlamentar, como é
possível, que tenha tratamento diferenciado, uma vez que, a Lei trata os
diferentes de forma diferente, desde que esta diferença não seja por
Situação Cultural, Econômica, Social, Funcional ou Política, ou qualquer
outro tipo de discriminação.

Ressalto também, que o Art. 53 - Os Deputados e Senadores são


invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras
e votos; nos coloca como inadmissível que "nossa mais alta côrte"
possa invocar, tais privilégios, para eximir, um CRIMINOSO, de
obrigação legal a todos imposta. Se um crime é cometido sem qualquer
relação com quaisquer de suas opiniões, palavras e votos, como é
possível, que tenha tratamento diferenciado, uma vez que, a Lei trata os
diferentes de forma diferente, desde que esta diferença não seja por
Situação Cultural, Econômica, Social, Funcional ou Política, ou qualquer
outro tipo de discriminação.
5ª - Premissa Motivacional - Apresento a mensagem enviada ao
Supremo Tribunal Federal, que a identificou com o protocolo nº 12908,
na qual, em total concordância com o Excelentíssimo Juiz de Direito
Orlando Faccini Neto, quanto a importância e relevância de TODAS as
Instâncias Judiciais, reconheço que a igualdade perante a Lei, não
restringe Direitos, apenas coloca em mesmo tratamento relativo aos ritos
processuais e ao uso potencial dos instrumentos de defesa.

---------- Forwarded message ----------


From: <stfcidadao@stf.jus.br>
Date: 2009/3/16
Subject: Central do Cidadão
To: pliniomarcosmr@gmail.com
Protocolo de nº 12908
Ao Senhor
PLINIO MARCOS MOREIRA DA ROCHA
Prezado (a) Senhor (a),
Informamos à V. Sª. que a sua mensagem foi encaminhada aos Gabinetes de Suas
Excelências os Senhores Ministros desta Corte, conforme solicitado.
A Central do Cidadão agradece o seu contato, em nome do Excelentíssimo Senhor
Ministro Gilmar Mendes, Presidente do Supremo Tribunal Federal. Atenciosamente,
Supremo Tribunal Federal
Central do Cidadão
Edificio Sede - sala 309 - Brasilia (DF) - 70175-900
---------------------------------------------------
Nome: PLINIO MARCOS MOREIRA DA ROCHA
Recebido em: 2009-03-16 02:46:59.0
Solicito que os comentáros, abaixo, sejam encaminhados a Todos os Excelentíssimos
Ministros integrantes do Plenário do Supremo Tribunal Federal, como manifestação,
frente a notícia Suspenso julgamento que discute se antecedentes criminais podem
elevar a pena , http://www.netlegis.com.br/
index.jsp?arquivo=detalhesNoticia.jsp&cod=49682 .

Prezados,

Apresento o email no qual informei sobre meus efusivos comentários feitos sobre a
notícia nele mencionada. Tal, tem a preocupação de salientar a importância do
veredicto em todas as instâncias, em conformidade, com o preceito constituicional de
respeito à todas as instâncias, bem como, ao preceito agregado constante da Carta
Interamericana, no qual TODO Cidadão tem o direito a preservação de sua integridade
física, mental e moral ATRAVÉS DO ESTADO.
Minha maior preocupação esta centrada na decisão do Excelentíssimo Juiz de Direito
Orlando Faccini Neto, para o qual, renovo meus protestos de Estima, Respeito e
Consideração, pela atitude corajosa de se fazer presente, frente a necessidade de
Zelar, Preservar e Fazer CUMPRIR o Direito Constituído.

---------- Forwarded message ----------


From: Plinio Marcos Moreira da Rocha
Date: 2009/3/4
Subject: Comentário
To: imprensa@tj.rs.gov.br

Juiz determina que réu condenado cumpra pena de imediato


Orlando Faccini Neto - Juiz de Direito

http://www.netlegis.com.br/index.jsp?arquivo=detalhesNoticia.jsp&cod=49682

Brilhante !!!!

Alguem neste Brasil, com poder e autoridade, enfreta "de peito aberto", a mesmisse, a
incoerência, o surrealismo, que em certas situações, vive a cúpula de Nosso judiciário.

Aproveito para apresentar, os documentos:

Prisao So Com Decisao Transitada Em Julgado, http://www.scribd.com/doc/11822011/


Prisao-So-Com-Decisao-Transit-Ada-Em-Julgado ,

Peticao STF ANULACAO Da Decisao Uso de Alg, http://www.scribd.com/doc/7276684/


Peticao-STF-ANULACAO-Da-Decisao-Uso-de-Alg ,

Sugestao STF Reavaliar Intepretacao Tacanha, http://www.scribd.com/doc/6486074/


Sugestao-STF-Reavaliar-Intepretacao-Tacanha ,

Peticao Sugestao revogacao HC Daniel Dantas,


http://www.scribd.com/doc/3956950/Peticao-Sugestao-revogacao-HC-Daniel-Dantas ,

Charges relacionadas
http://charges.uol.com.br/2008/08/21/cotidiano-sem-preconceito/
http://charges.uol.com.br/2008/07/26/tobby-entrevista-daniel-banca/

Peticao Reflexao Embriaguez ao Volante,


http://www.scribd.com/doc/3956724/Peticao-Reflexao-Embriaguez-ao-Volante ,
Confissão ou Condenação é Fato Objetivo e Concreto, http://www.scribd.com/doc/
2663593/Confissao-ou-Condenacao-e-Fato-Objetivo-e-Concreto .

Petição Revogação habeas corpus Farah Jorge Farah ao STF, http://www.scribd.com/


doc/2624365/Peticao-Revogacao-habeas-corpus-Farah-Jorge-Farah-ao-STF ,

Abraços,

Plinio Marcos

6ª - Premissa Motivacional - Em entrevista recente, o Excelentíssimo


Presidente do Supremo Tribunal Federal, se colocou contrário, a
eliminação do Foro Especial, uma vez que, tramita no Congresso
Nacional projeto eliminando, quase que por completo, tal privilégio. O
que nos estarrece não é o fato de ser contrário, mas o impio, o pífio,
argumento colocado, uma vez que, esta, desmedidamente, impregnado
de vaidade e orgulho, de tal forma, que coloca os membros do Supremo
Tribunal Federal, com os mais experientes e preparados, o que pode
não ser uma verdade absoluta, afinal, sem nenhum desmérito, devemos
reconhecer que alem do saber jurídico, existe necessariamente, o lado
político-profissional, algo intrínseco, a uma projeção profissional seletiva.
Ademais, muitas das decisões tomadas pela "nossa mais alta côrte", vão
de encontro a tamanha presunção, isto é, os fatos, consequencia das
práticas (Decisões) formalizadas, nos asseguram, que existem falhas
gritantes e clamorosas, que de tão grosseiras, podem, e devem, colocar
em suspeição o próprio saber jurídico.

Logo, não consigo vislumbrar qualquer mérito na ousada presunção,


com o consequente descrédito, ou desmérito, dos demais integrantes
do Judiciário Brasileiro, o que de forma concreta, é LAMENTÁVEL,
principalmente, quando proferido, pelo Presidente do Órgão mais
importante do Judiciário, com o qual, esta a Última Palavra. Nosso
sentimento, ou esperança, reside na necessária interpretação, de que
esta manifestação, é feita em caráter PESSOAL.

Estas poucas palavras, tentam trazer a questão, a importância e relevância


de que TODOS os Ritos processuais sejam seguidos
independentmente da situação Social, Econômica, Cultural, Política ou
Funcional, uma vez que, ao seguirmos todos, as várias instâncias do
judiciário, darão corpo e substância a avaliação pelo judiciário. O que
restringirá as atividades do Supremo Tribunal Federal às suas
atribuições e responsabilidades constitucionais relativas a qualquer
Cidadão Brasileiro. Aproveitamos para ressaltar que, em sendo aprovada a
eliminação do foro especial, entendemos que os processos ja
inicializados devam ser concluídos, uma vez que, a Autoridade
Institucional ja foi provocada e envida esforços para se manifestar, se ja
não o fez. Logo, somente os processecos não iniciados, devem ser
transferidos às Instâncias Inferiores, não menos importantes por isso.

7ª - Premissa Motivacional - Proponho uma reflexão sobre o dito popular


"o exemplo vem de cima", pois, para se construir uma Sociedade Justa,
Fraterna e Solidária, é imprescindível que TODA e QUALQUER
Autoridade Constituída Zele, Preserve e Faça Cumprir o Direito
Constituído, onde a sua postura deve ser de exemplo. Logo, quando
permitimos, por exemplo, que um parlamentar, avore privilégios, pela
situação político-funcional, para eximir-se de obrigação legal a todos
imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, concretamente,
caminhamos em direção oposta, onde a destruição, no
mínimo MORAL, pelo exemplo negativo, de uma Sociedade é concreta,
palpável, e tangível.

8ª - Premissa Motivacional - Apresento a Petição Sugestão, enviada ao


Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, enviada por carta
registrada RC517061020BR entregue em 29/04/2008, onde,
presumivelmente corroboro as premissas feitas até aqui.

Excelentíssimo Presidente do Superior Tribunal Federal.

Com Base na CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO


BRASIL DE 1988, TÍTULO II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais,
CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS,
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade, nos termos seguintes: XXXIV - são a todos assegurados,
independentemente do pagamento de taxas: a) o direito de petição aos
Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso
de poder.

Venho, mui respeitosamente, SUGERIR que Esta Corte, RECONHEÇA, que


a Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988,
por ser Democrática, eliminou qualquer resquício de Foro Privilegiado.
Portanto, uma vez reconhecida esta realidade, solicito que esta Corte
envida TODOS os esforços, utilizando de TODOS os meios que dispuser,
para que o princípio legal seja estabelecido, com a revogação,
doravante, do foro privilegiado, de forma que a Lei seja, realmente e em
plenitude, igual para todos. Acreditamos que os processos que estejam
por se iniciarem, possam ser remetidos para as Instâncias Inferiores, não
menos importantes e relevantes por isso, de tal forma, que tenham seus
ritos iniciados imediatamente, onde a única a ganhar será a própria
Justiça.

1ª. Premissa da Sugestão: A LEI No 10.628, DE 24 DE DEZEMBRO DE


2002, que altera a redação do art. 84 do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de
outubro de 1941 – Código de Processo Penal, bem como o próprio Art. 84
original, são INCONSTITUCIONAIS, uma vez que, vão de encontro à
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988,
TÍTULO II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais, CAPÍTULO I - DOS
DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS, Art. 5º Todos são
iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se
aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do
direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos
termos seguintes: I - homens e mulheres são iguais em direitos e
obrigações, nos termos desta Constituição; XXXVII - não haverá juízo ou
tribunal de exceção; XLVI - a lei regulará a individualização da pena e
adotará, entre outras, as seguintes: a) privação ou restrição da liberdade;
b) perda de bens; c) multa; d) prestação social alternativa; e) suspensão
ou interdição de direitos;

2ª. Premissa da Sugestão: Embasar de forma inquestionável, denúncia


feita à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos
Estados Americanos, que foi rejeitada pelo fato de que não ter
apresentado qualquer esforço jurídico em ter resolvido a questão
internamente. Portanto, da Resposta a esta petição dependerá a solução
da situação, possivelmente utilizando foro internacional.

3ª. Premissa da Sugestão: A se perpetuar esta situação, estaremos


vivendo uma situação jurídica, em tempos de Democracia, no mínimo,
surrealista e díspare, onde os Tribunais de Instâncias Inferiores, não
menos importantes e relevantes por isso, tem em seus Quadros
Magistrados INDÍGNOS e INCOMPETENTES para Julgar Autoridades, por
crimes comuns e de improbidade administrativa, muito embora, sejam
DÍGNOS e COMPETENTES para julgar os demais Brasileiros ou
Estrangeiros residentes no País, pelos mesmos crimes. Isto, por si só, já
demonstra de forma clara, a gritante discriminação de tratamento. Nosso
entendimento, de forma alguma, eliminará, o pleno usufruto de ampla
defesa, garantido pela mesma Constituição, apenas e tão somente,
equiparará seus ritos processuais, instrumentos jurídicos de defesa e suas
potenciais possibilidades.

4ª. Premissa da Sugestão: Reconhecemos que existam no âmbito


Jurídico, elementos específicos, como a Justiça Militar, por exemplo, que
não só possui Legislação própria, bem como, locais de reclusão, também
próprios, porem, identificamos, que mesmos os Militares, por crimes
comuns (sem nenhum vínculo com a atividade militar) e/ou por
improbidade administrativa, independentemente de seu posto na
hierarquia militar, estão sujeitos a ritos processuais comuns. Como
entendemos, também, que a Constituição Federativa do Brasil,
promulgada em 1988, eliminou, a chamada prisão especial, quer seja
por titularidade Funcional, titularidade Educacional, titularidade Social,
titularidade Econômica ou titularidade Política, uma vez que, Todos são
iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza.

5ª. Premissa da Sugestão: Este ano, a Constituição da República


Federativa do Brasil completará 20 anos, quando então, acreditamos que
seus efeitos, pelo menos na área Jurídica, devam efetivamente ser
implementados. Ressalto que tais implementações não custarão nenhum
centavo ao erário público, mas que, darão a um POVO Sofrido e
Trabalhador o necessário RESPALDO de DIGNIDADE e RESPEITO à
muito esperado. Vale ressaltar a importância desta sugestão, uma vez
que, vivemos em uma Democracia, onde todos os níveis de todos os
Poderes Institucionais devem ser Zelados, Preservados e Respeitados.

6ª. Premissa da Sugestão: Aqui chamo a atenção para Rui Barbosa :

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a


desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver
agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem
chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha
de ser honesto."

7ª. Premissa da Sugestão: Para que vivamos em uma Sociedade Justa,


Fraterna e Digna, é indispensável, quiçá visceral, que o Poder
Constituído seja claro, e suficientemente coerente, ao se pronunciar
sobre e com base no Direito Constituído.

Atenciosamente,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio no. 112 apto. 603
LEME – Rio de Janeiro CEP 22010-010
Tel. (21) 2542-7710 ou 2295-7208
Profissão – Analista de Sistemas

9ª - Premissa Motivacional - Gostaríamos, de chamar a atenção para o


fato de que os crimes cometidos, pelo menos "em tese", por motivo
ligado ao exercício funcional, tem pelo Código Penal Brasileiro, a
interpretação de ser AGRAVANTE, uma vez que, efetivamente, AGRAVA
toda PENA quando ocorre violação de dever inerente à profissão.

Isto, em conformidade com o DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE


DEZEMBRO DE 1940; Código Penal; Título V - DAS PENAS; Capítulo III
- DA APLICAÇÂO DA PENA; Circunstâncias agravantes Art. 61 - São
circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não constituem ou
qualificam o crime; I - a reincidência; II - ter o agente cometido o crime; g)
com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício,
ministério ou profissão.
10ª - Premissa Motivacional - Segundo a CONSTITUIÇÃO DA
REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988; TÍTULO III - Da
Organização do Estado; CAPÍTULO II - DA UNIÃO; CAPÍTULO III - DO
PODER JUDICIÁRIO; Seção I - DISPOSIÇÕES GERAIS; Art. 93. Lei
complementar, de iniciativa do Supremo Tribunal Federal, disporá sobre o
Estatuto da Magistratura, observados os seguintes princípios: XI - nos
tribunais com número superior a vinte e cinco julgadores, poderá ser
constituído órgão especial, com o mínimo de onze e o máximo de vinte e
cinco membros, para o exercício das atribuições administrativas e
jurisdicionais delegadas da competência do tribunal pleno, provendo-se
metade das vagas por antigüidade e a outra metade por eleição pelo
tribunal pleno; Art. 97. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus
membros ou dos membros do respectivo órgão especial poderão os
tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do
Poder Público. Seção II - DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL; Art. 102.
Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da
Constituição, cabendo-lhe: III - julgar, mediante recurso extraordinário, as
causas decididas em única ou última instância, quando a decisão
recorrida: d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal; § 1.º A
argüição de descumprimento de preceito fundamental, decorrente
desta Constituição, será apreciada pelo Supremo Tribunal Federal, na
forma da lei. § 2º As decisões definitivas de mérito, proferidas pelo
Supremo Tribunal Federal, nas ações diretas de inconstitucionalidade e
nas ações declaratórias de constitucionalidade produzirão eficácia contra
todos e efeito vinculante, relativamente aos demais órgãos do Poder
Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal,
estadual e municipal. § 3º No recurso extraordinário o recorrente deverá
demonstrar a repercussão geral das questões constitucionais discutidas no
caso, nos termos da lei, a fim de que o Tribunal examine a admissão do
recurso, somente podendo recusá-lo pela manifestação de dois terços de
seus membros. Art. 103. Podem propor a ação direta de
inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade: VI - o
Procurador-Geral da República; Art. 103-A. O Supremo Tribunal Federal
poderá, de ofício ou por provocação, mediante decisão de dois terços dos
seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria constitucional,
aprovar súmula que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá
efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à
administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e
municipal, bem como proceder à sua revisão ou cancelamento, na forma
estabelecida em lei. § 2º Sem prejuízo do que vier a ser estabelecido em
lei, a aprovação, revisão ou cancelamento de súmula poderá ser
provocada por aqueles que podem propor a ação direta de
inconstitucionalidade.

1ª Sugestão - Que seja provocada a Arguição de


Descumprimento de Preceito Fundamental, (Art. 53 da Constituição
da República Federativa do Brasil) relacionada a tratamento
diferenciado à Politicos, ou Autoridade Institucionais, não relacionados
ao exercício da função, ou que não estejam em atividade (Ex-Presidente,
Ex-Ministro, EX-...), uma vez que, Nossa Constituição é CLARA, e RICA, o
suficiente, para garantir Direitos e Deveres, a QUALQUER CIDADÃO
BRASILEIRO, de tal forma, serem os ritos processuais e os mecanismos
de defesa, considerados os necessários, onde a preocupação com
discriminações de qualquer natureza, inclusa a própria situação
funcional, sejam, efetivamente, erradicadas de nossa sociedade.

2ª Sugestão - Que seja provocada a Arguição de


Descumprimento de Preceito Fundamental, (LEI No 10.628, DE 24 DE
DEZEMBRO DE 2002, que altera a redação do art. 84 do Decreto-Lei
no 3.689, de 3 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal, bem
como o próprio Art. 84 original) relacionada a tratamento diferenciado
à Politicos, ou Autoridade Institucionais, não relacionados à
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, ou que não estejam em
atividade(Ex-Presidente, Ex-Ministro, EX-...), uma vez que, Nossa
Constituição é CLARA, e RICA, o suficiente, para garantir Direitos e
Deveres, a QUALQUER CIDADÃO BRASILEIRO, de tal forma, serem os
ritos processuais e os mecanismos de defesa, considerados os
necessários, onde a preocupação com discriminações de qualquer
natureza, inclusa a própria situação funcional, sejam, efetivamente,
erradicadas de nossa sociedade. Logo é inadmissível, que um Cidadão
Brasileiro, ao deixar sua função, tenha como regra, a manutenção dos
privilégios, que o cargo ocupado, lhes outorgava.
3ª Sugestão - Que seja provocada a Arguição de
Descumprimento de Preceito Fundamental, (TODA e qualquer Lei que
estabeleca a prisão especial) relacionada a tratamento diferenciado à
qualquer Cidadão brasileiro, sejam Politicos, ou Autoridade
Institucionais, que estejam, ou não, em atividade(Ex-Presidente, Ex-
Ministro, EX-...), uma vez que, Nossa Constituição é CLARA, e RICA, o
suficiente, para garantir Direitos e Deveres, a QUALQUER CIDADÃO
BRASILEIRO, de tal forma, serem os ritos processuais e os mecanismos
de defesa, considerados os necessários, onde a preocupação com
discriminações de qualquer natureza, inclusa a própria situação
funcional, sejam, efetivamente, erradicadas de nossa sociedade. Logo é
inadmissível, que um Cidadão Brasileiro, tenha como regra, a
manutenção dos privilégios, que a situação Cultural, Econômica, Social,
Funcional ou Política lhes, inconstitucionalmente, confere.

O exemplo mais flagrante desta surreal, indecorosa, imoral e


incontitucional situação é a situação do ex-Juiz Nicolau, que mesmo
condenado por desvio de dinheiro público, cumpre pena de 26 anos, em
luxuosa mansão com tudo do bom e do melhor que o dinheiro pode
comprar, quando sabemos todos que o dinheiro que proporciona TUDO
isto é o MESMO que o CONDENOU. Tal situação, se avilta, quando o
Código Penal AGRAVA a pena quando o crime é cometido em função
de atividade, uma vez que o DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE
DEZEMBRO DE 1940; Código Penal; Título V - DAS PENAS; Capítulo III -
DA APLICAÇÂO DA PENA; Circunstâncias agravantes Art. 61 - São
circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não constituem ou
qualificam o crime; I - a reincidência; II - ter o agente cometido o crime; g)
com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício,
ministério ou profissão. O que nos leva a acreditar que qualquer Juiz de
Direito, por ser possuir do SABER JURÍDICO, e pela Responsabilidade
intrínseca, deveria DAR O EXEMPLO, quando então, o PRIVILÉGIO de
prisão especial, avilta a agressão ao Preceito Fundamental de que
TODOS somos IGUAIS perante a LEI.

Apresento o documento Petição Revogação Prisão Domiciliar Juiz


Lalau ao STF,
http://www.scribd.com/doc/2624372/Peticao-Revogacao-Prisao-Domiciliar-
Juiz-Lalau-ao-STF
Tentativa de Restabelecer o Princípio LEGAL de que Condednado a
Regime Fechado não tem possibilidade de cumprí-lo em prisão domiciliar,
uma vez que, esta prerrogativa é possível apenas quando em Regime
ABERTO.

4ª Sugestão - Que esta Procuradoria avalie, se manifeste com


base e sobre o Direito Constituído, e se assim entender, atue em
conformidade com as suas Atribuições e Responsabilidades
Constitucionais, em função do provocamento, intrínseco, aos
documentos encaminhados à Órgãos do Judiciário da República
Federativa do Brasil.

CNJ STF ANULAR Decisao Raposa Do Sol


http://www.scribd.com/doc/13502960/CNJ-STF-ANULAR-Decisao-Raposa-Do-Sol
Estamos através de email PROVOCATIVO tentando sensibilizar o Senhor Ministro-corregedor
do Conselho Nacional de Justiça a provocar pelo Supremo Tribunal Federal uma reavaliação da
decisão referente a reserva indígena Raposa do Sol, de tal forma que TODOS os Preceitos
Constitucionais e o Direito Constituído sejam preservados.

Reiterando CNJ TJMT ANULAR Exigencia de Li


http://www.scribd.com/doc/13408205/Reiterando-CNJ-TJMT-ANULAR-Exigencia-de-Li
Estamos reiterando Provocação feita ao Ministro-Corregedor do Conselho Nacional de Justiça a
avaliar, e se assim entender, envidar TODOS os seus esforços, para que a decisão sobre limite de
idade para Candidatos a Policiais Militares seja ANULADA.

Peticao_TRF1_ANULAR_sentenca_por_ausencia_de_p
http://www.scribd.com/doc/13408199/PeticaoTRF1ANULARsentencaporausenciadep
Estamos provocando o Presidente do Tribunal Regional Federal da Primeira Região a avaliar, e
se assim entender, envidar TODOS os seus esforços para que a decisão sobre a privatização da
telefonia seja ANULADA.

CNJ TJMT ANULAR Exigencia de Limite de Ida


http://www.scribd.com/doc/13235902/CNJ-TJMT-ANULAR-Exigencia-de-Limite-de-Ida
Estamos tentando PROVOCAR o CNJ a ANULAR a Decisão do Tribunal de Justiça do Estado
do Mato Grosso, reveja a decisão, tomada no Mandado de Segurança nº 19.602/2008, pela
Primeira Turma de Câmaras Cíveis Reunidas, que por unanimidade, reconheceu que a função
exige a necessidade de plena capacidade física para o desempenho das atividades e que cabe ao
Estado, por meio de lei específica, dispor sobre os limites de idade.
O que de agride de forma mortal Nossa Constituição

O Judiciario Brasileiro e Acima de Tudo Um Pod


http://www.scribd.com/doc/13157900/O-Judiciario-Brasileiro-e-Acima-de-Tudo-Um-Pod
Estamos tentando provocar uma reflexão mais aprofundada sobre o entendimento
inconstitucional, por grande parte do judiciário brasileiro, de que falha no rito processual torna o
processo extinto, sem provocar a necessária avaliação da questão, o que fere, de morte, nossa
Constituição.

CNJ TJRJ ANULAR Arquivamento Por Inepicia


http://www.scribd.com/doc/12948022/CNJ-TJRJ-ANULAR-Arquivamento-Por-Inepicia
Estamos solicitando ao Conselho Nacional de Justiça que promova a ANULAÇÃO da Decisão
da Segunda Turma Recursal Criminal, uma vez que, a alegação de que no processo só consta a
Inicial é MENTIRA, pois, consta o inquérito policial, registro da audiência em que o Autor do
Fato recusou a Proposta de Transação Penal, algo que contradiz a fundamentação da decisão em
questão, ferindo de morte Preceito Fundamental de Nossa Constituição e o próprio Estatuto da
Magistratura.

CNJ Peticao STF ADI 3300 Uniao Civil Mes


http://www.scribd.com/doc/12460914/CNJ-Peticao-STF-ADI-3300-Uniao-Civil-Mes
Estamos provocando o Poder Constituído (CNJ) a entender de forma mais clara ampla suas
atribuições e Responsabilidades Constitucionais, de tal forma, a dar andamento à Minha Petição
de Anular a decisão calcada no não reconhecimento de entidade familar, com Pais Homosexuais,
ou Homoafetivos, provocando o STF, utilizando-se da citada petição, para REAVALIAR sua
Decisão que AGRIDE ao Direito Constituído.

CNJ STF ANULAR Decisao Reconhecendo Concub


http://www.scribd.com/doc/12460650/CNJ-STF-ANULAR-Decisao-Reconhecendo-Concub
Estamos provocando o Poder Constituído (CNJ) a entender de forma mais clara ampla suas
atribuições e Responsabilidades Constitucionais, de tal forma, a dar andamento à Minha Petição
de Anular a decisão calcada no reconhecimento de Concubina, provocando o STF, utilizando-se
da citada petição, para REAVALIAR sua Decisão que AGRIDE ao Direito Constituído.

Cnj Reavaliar Decisao Oficio No364 e 2008


http://www.scribd.com/doc/12460642/Cnj-Reavaliar-Decisao-Oficio-No364-e-2008
Estamos tentando fazero o Poder Constituído (CNJ) a entender de forma mais ampla suas
Atribuições e Responsabilidades Constitucionais, de tal forma, a dar andamento à Minha Petição
de Anular a decisão sobre Candidatos SUB JUDICE, provocando o STF, utilizando-se da citada
Petição, para REAVALIAR sua Decisão que AGRIDE ao Direito Constituído.

Prisao So Com Decisao Transit Ada Em Julgado


http://www.scribd.com/doc/11822011/Prisao-So-Com-Decisao-Transit-Ada-Em-Julgado
realMENTE, de forma tão gritante, que me vejo na premente, e necessária, necessidade de
manifestar minha repulsa, vergonha, revolta, e inconformismo, frente à decisão acima citada,
uma vez que, assim como Eu, além dos contrários, muitos Brasileiros, reconhecem que a pena
alem de ter caráter de punir e de ressociar, também tem caráter de proteger, algo, no mínimo,
associado a simples possibilidade de REINCIDÊNCIA, que de forma concreta, deveria ampliar e
aprofundar a análise da questão, colocando-a num contexto de Direito Positivo e Direito
Negativo (aquele Direito Positivo que ao ser exercido NEGA um outro Direito Positivo), frente,
no mínimo, a importância da PROTEÇÃO Coletiva em relação à PROTEÇÃO Individual.

Peticao TST ANULAR Extincao de Processo


http://www.scribd.com/doc/9040673/Peticao-TST-ANULAR-Extincao-de-Processo
Estamos propondo que a extinção de processo por insuficiência de Autor Qualificado, que em
essência, agride ao Constitucional Constituído, seja ANULADA de tal forma, que ao Estado
CABE AGIR de maneiras que esta insuficiência seja regularizada e eliminada e a
OBROGAÇÂO CONSTITUCIONAL seja uma realidade, uma vez que, a lei não excluirá da
apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito, bem como, aos litigantes, em processo
judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla
defesa, com os meios e recursos a ela inerentes, quando então, o Estado prestará assistência
jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos;

Ratificacao de to Ao CNJ
http://www.scribd.com/doc/8518939/Ratificacao-de-to-Ao-CNJ
Estamos formalizando junto ao Excelentíssimo Ministro-Corregedor do Conselho nacional de
Justiça, as prementes, necessárias, quiça viscerais, respostas às provocações feitas às
Autoridades, ainda não respondidas, bem como, assinalando a importância, de que, alguns
questionamentos intrínsecos às Sugestões formalizadas, tem o condão de, possivelmente, exigir a
ANULAÇÃO de Decisões tomadas sem fundamentação calcada nos reais fatos objetivos e
concretos.

Peticao ANULAR Decisao Sobre Fidelidade Part


http://www.scribd.com/doc/8124717/Peticao-ANULAR-Decisao-Sobre-Fidelidade-Part
Estamos tentando agregar à decisão sobre Fidelidade Partidária, a personalidade jurídica da
Coligação Partidária, que em princípio, é um NOVO e TEMPORÁRIO PARTIDO, uma vez que
nasce com denominação própria e prerrogativas e obrigações de partido político.

Ratificação DENÚNCIA Manifestação PUERIL


http://www.scribd.com/doc/7888556/Ratificacao-DENUNCIA-Manifestacao-PUERIL
Estamos RATIFICANDO, em fun~ção de manifestação pueril, feita pelo Excelentíssimo
Ministro Relator, Celso de Mello, quanto a ANULAÇÃO de Decisão sobre Candidatos SUB
JUDICE.

Peticao Sugestao ANULAR Reeleicao de Kassab Em


http://www.scribd.com/doc/7859415/Peticao-Sugestao-ANULAR-Reeleicao-de-Kassab-Em
Estamos redirecionando à questão para o TRE-SP, em virtude da reeleição de gilberto kassab à
Prefeitura de São Paulo, ser continuidade da eleição de josé serra à Prefeitura de São Paulo, cujo
Mandato de Prefeito renunciou para candidatar-se ao Governo de São Paulo, por isso, EIVADA
DE MÁ-FÉ.

Peticao ANULAR Decisao Sobre Acordo FGTS


http://www.scribd.com/doc/7717373/Peticao-ANULAR-Decisao-Sobre-Acordo-FGTS
Estamos tentando ANULAR a Decisão do STF. tomada em 07.08.2008, de aplicar a regra
conhecida como "Repercussão Geral a Recurso Extraordinário", que trata da validade do acordo
para recebimento de FGTS, calcada na Súmula Vinculante nº 1.

Peticao Stj Redirecionada Ao Stf


http://www.scribd.com/doc/7480276/Peticao-Stj-Redirecionada-Ao-Stf
Tendo em vista a Resposta Oficial do STJ, bem como, o presumível, intrinseco, Desrespeito à
Constituição da República Federativa do Brasil e ao Excelentíssimo Presidente do Superior
Tribunal de Justiça, pelo Excelentíssimo Relator, Ministro Castro Meira, vimo-nos na premente,
quiçá visceral, necessidade de REDIRECIONARMOS a questão ao Excelentíssimo Presidente
do Supremo Tribunal Federal.

Atenciosamente,

Plinio Marcos Moreira da Rocha


Analista de Sistemas
Rua Gustavo Samapaio nº 112 apto. 603
LEME - Rio de Janeiro - RJ
CEP 22010-010
Tel. (21) 2542-7710