Sunteți pe pagina 1din 1
Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - INEMA Diretoria de Fiscalização e Monitoramento Ambiental -

Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - INEMA Diretoria de Fiscalização e Monitoramento Ambiental - DIFIM Coordenação de Monitoramento de Recursos Ambientais e Hídricos- COMON

Precipitação Mensal Consolidada do estado da Bahia - Junho de 2013 -

A Figura abaixo mostra a espacialização da precipitação do Nordeste brasileiro: (A) registrada em junho de 2013, (B) média histórica (ou climatologia) do mês de junho e (C) o desvio (ou anomalia) da precipitação registrada neste mês em relação à média histórica.

A espacialização da precipitação média histórica (ou normal climatológica) no mês de junho no Nordeste brasileiro, Figura B, mostra que os maiores índices, com acumulados acima dos 100 mm se concentram no norte dos estados do Maranhão, Ceará e Piauí, como também na faixa leste, que compreende a zona da mata e agreste dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia (áreas em tons de verde claro a azul no mapa). Nas demais áreas do Nordeste brasileiro os acumulados das chuvas variam entre 10 mm e 50 mm (áreas em tons variando de rosa ao vermelho desse mesmo mapa).

No mês de junho de 2013 (Figura A), as chuvas mais significativas se concentraram na faixa centro-leste dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e extremo leste das regiões do recôncavo e sul da Bahia. Nessas áreas os acumulados das precipitações ficaram acima dos 200 mm (áreas em cor azul no mapa da Figura A). Para as demais áreas do Nordeste brasileiro, este mês foi marcado pela atuação de massas de ar seco, o que contribui para a redução da nebulosidade e das chuvas, refletindo assim, numa grande irregularidade espacial e temporal das chuvas, como visto nas áreas em tons variando de vermelho a rosa nessa mesma Figura. Nessas áreas, os acumulados das precipitações ficaram abaixo dos 50 mm.

Mesmo com influência das massas de ar seco, ainda foram registradas chuvas com acumulados de até 100 mm em grande parte dos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Sergipe, norte do Maranhão, leste da Bahia e numa faixa central dos estados da Paraíba, Pernambuco e Alagoas (áreas em cor amarela desse mesmo mapa).

Historicamente o mês de junho está inserido no período de estiagem de grande parte do Nordeste brasileiro, como é possível observar na Figura C, onde as chuvas ocorridas estiveram em torno da normalidade (áreas em tons amarelo e verde claro dessa mesma Figura). Nesse mês também se verificou áreas onde as chuvas estiveram acima da média histórica, a exemplo dos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba, sul da Bahia e em pontos isolados dos estados do Maranhão, Piauí e Pernambuco (áreas em tons variando do verde escuro ao azul desse mapa). Mesmo assim, no extremo norte dos estados do Maranhão e Piauí, como também todo o estado de Sergipe e Alagoas e nordeste da Bahia, o predomínio foi de chuvas abaixo da média histórica para este mês, como pode ser visto nas áreas de tons variando de vermelho a rosa no mapa.

(A) (B) (C)
(A)
(B)
(C)

Figura – Espacialização da precipitação mensal: (A) observada em junho de 2013, (B) média histórica (climatologia) do mês de junho e (C) anomalia de precipitação observada em relação à média histórica para a Região Nordeste do Brasil. Fonte:

www.cptec.inpe.br.