Sunteți pe pagina 1din 19

Conceitos Básicos de Contabilidade

1.1 - Definição de Contabilidade:

"A Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação e avaliação destinado a prover seus usuários com demonstrações e análises de natureza econômica, financeira, física e de produtividade, com relação à entidade objeto de contabilização."

( Pronunciamento do Ibracon e aprovado pela Delib. CVM nº 29/86.)

ou

"É a ciência que estuda (registra, controla, analisa, interpreta, elabora

relatórios,

organismo econômico.”

o patrimônio ( conjunto de bens, direitos e obrigações ) de um

)

1.2 Campo de Atuação da Contabilidade:

A Contabilidade controla e registra os fatos que afetam o patrimônio de uma

empresa, e pode ser aplicada a qualquer tipo de pessoa, ou seja, pode ser

aplicada à pessoa física ou jurídica, com finalidades lucrativas ou não, ou ainda

a empresa de direito público ou privado. Assim, o campo de aplicação da

Contabilidade abrange todas as Entidades. As Entidades, podem ser assim

classificadas:

Entidades com Fins Econômicos São a empresas, que visam o lucro para preservar e/ou aumentar o patrimônio líquido. Exemplo: empresa comerciais, industriais, financeiras, agrícolas,

Entidades com fins Sócio-Econômico - Visam superavit que reverterá em benefícios de seus integrantes. Exemplo: Associações de Classe, Clubes Sociais etc.

Entidades Governamentais- Têm por obrigação atender às necessidades da coletividade a que pertencem. Exemplo: a União, os Estados e os

Municípios.

A pessoa física, no sentido jurídico, é o ser humano considerado isoladamente

Entende-se por pessoa jurídica a entidade com

personalidade própria e independente dos membros que a formam, capaz de obter direitos e contrair obrigações e cuja existência é protegida por lei.

como sujeito de direito.

Podemos definir uma Sociedade como sendo a reunião de duas ou mais pessoas juridicamente capazes, que contratualmente se dispõem à exploração de um objetivo em comum. As sociedades, na área privada, se dividem em duas categorias: Sociedades Civis e Sociedades Comerciais.

As Sociedades Civis são aquelas que não praticam atividades mercantis. Contratualmente, o seu objetivo social é a prestação de serviços. A prestação de serviços pode ser com ou sem fins lucrativos. São sociedades registradas no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas. Estas sociedades não podem se constituir sob a forma de Sociedades Anônimas.

As Sociedades Comerciais deverão ser registradas na Junta Comercial do Estado em que se estabelecerá. Segundo o Código Comercial, as Sociedades Comerciais poderão ser, entre outras:

a) Firma Individual.

É a pessoa jurídica pertencente a uma só pessoa física, a qual assume todo o

risco, recebe os lucros ou sofre os prejuízos decorrentes de sua atividade. Na firma individual, o titular responde pelo patrimônio da firma e também por todos os bens particulares. Exemplo: Armindo D’Ascenção Silva

b) Sociedade por Quotas de Responsabilidade Limitada.

Neste tipo de sociedade a responsabilidade dos sócios ou quotistas é limitada ao Capital por cada um subscrito. No caso de a Sociedade ser declarada falida, permanece, contudo, a responsabilidade solidária até o limite das quotas dos demais sócios ainda não integralizadas. É permitido às sociedades por quota de responsabilidade limitada adotar como título da sociedade, uma Razão Social ou Denominação. Esta sociedade é regulada pelo Decreto 3.708/19. Exemplo: Plinio & Cia Ltda. ou AAS Empreendimentos Imobiliários Ltda.

c)Sociedade Anônima. É regulada pela Lei 6404/76. O seu capital é dividido em Ações (Ações Ordinárias e Preferenciais). A responsabilidade dos acionistas é limitada até a integralização das ações por cada um subscritas. Duas pessoas são suficientes para constituir uma Companhia. O supremo poder de uma Sociedade Anônima é exercido por sua Assembléia Geral dos Acionistas. Os diretores de uma S/A ou Cia. Podem ou não ser acionistas e não serão responsáveis pessoalmente pelas obrigações que contraírem em nome da sociedade, em virtude de atos regulares de gestão, excentuando-se os atos que violarem a Lei ou os estatutos e os praticados com dolo ou culpa.

1.3 - Usuários da Contabilidade.

Compreendem todas as pessoas físicas e jurídicas que, direta ou indiretamente, tenham interesse na avaliação da situação e do desenvolvimento da entidade

1.3.1- Sócios, Acionistas, Proprietários ( Rentabilidade )

1.3.2 Bancos, Investidores e Capitalistas ( Rentabilidade )

1.3.3 Diretores e Administradores ( Tomada de Decisão )

1.3.4 Governo e Economistas Governamentais ( Impostos )

1.3.5- Fornecedores, Sindicatos, Pessoas Físicas ( Diversos )

1.4 Finalidade das Informações Contábeis

A informação contábil é usada com a finalidade de Planejamento e Controle.

O Planejamento consiste em considerar várias alternativas de ação e decidir qual o melhor. O Planejamento pode abranger um segmento da empresa ou a empresa como um todo.

O contador estuda a natureza da entidade, verifica os tipos de transações que

provavelmente ocorrerão e planeja a maneira pela qual essas transações deverão ser registradas, sintetizadas e evidenciadas. Elabora, finalmente, um Plano de Contas e um Manual de Aplicação das Contas, que deverá ser observado obrigatoriamente na empresa. Na finalidade de Controle, a alta administração se certifica, na medida do

possível, de que a organização está agindo de conformidade com os planos e políticas traçados pelos donos de capital e pela própria alta administração

1.5- Trabalhos Típicos da Contabilidade

Elaboração do Plano de Contas e do Manual de Aplicação

Registro das Operações ( Escrituração )

Elaboração dos Relatórios ( Demonstrações Financeiras )

Análise e interpretação dos Relatórios

1.6 - Técnicas Contábeis

Atualmente, as técnicas contábeis aceitas são:

a) Escrituração

É o registro, em livros próprios (Diário, Razão, Caixa e Contas Correntes), de

todos os Fatos Administrativos que ocorrem no dia-a-dia das empresas.

b) Demonstrações

São os quadros técnicos que apresentam dados extraídos dos registros contábeis da empresa. As demonstrações financeiras mais conhecidas são o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício entre outras exigidas pela Lei 6404/76 ( Lei das S/A ).

c)

Auditoria

É a verificação da exatidão dos dados contidos nas Demonstrações

Financeiras, através do exame minucioso dos registros contábeis e dos documentos que deram origem a eles, bem como observância dos Controles internos.

d) Análise de Balanços

É o exame e interpretação dos dados contidos nas Demonstrações

Financeiras, com o fim de transformar esses dados em informações úteis aos

diversos usuários da Contabilidade.

1.7 - Princípios Contábeis

1.7.1 - Princípio da Entidade

A Contabilidade deve distinguir os bens, os direitos e as obrigações das

pessoas, tendo em vista não confundir os interesses dos sócios com o

interesse da empresa por eles constituída.

1.7.2 - Princípio da Continuidade

A Contabilidade parte da premissa que as empresas estarão sempre em atividade. Havendo continuidade, devemos presumir que o Patrimônio estará sempre em movimento, visando determinar resultados.

1.7.3 - Princípio do Valor Original

A Contabilidade registra os componentes do Patrimônio pelos valores originais, expressos a valor presente na moeda do País.

1.7.4 - Princípio da Oportunidade ( Realização)

A Contabilidade reconhece as atividades empresariais somente quando devidamente realizadas. Este princípio refere-se à tempestividade e à integridade do registro do patrimônio, determinando que seja feito de imediato.

1.7.5

- Princípio da Competência

A Contabilidade atribui a um exercício o que realmente é da competência

desse Exercício. As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração

do resultado do período em que ocorrem, sempre simultaneamente quando se

correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento.

1.7.6 - Princípio da Prudência

A Contabilidade determina a adoção do menor valor para os componentes do

ATIVO e do maior para os do PASSIVO, sempre que se apresentem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais

que alterem o Patrimônio Líquido.

1.7.7 - Princípio da Atualização Monetária

A Contabilidade deve reconhecer os efeitos da alteração do poder aquisitivo da

moeda nacional nos registros contábeis através do ajustamento da expressão formal dos valores dos componentes patrimoniais.

1.8 - Convenções Contábeis

1.8.1 - Da Objetividade

A Contabilidade deve ser neutra nos registros dos Atos e Fatos Administrativos

que envolvem a gestão do Patrimônio das entidade. Os registros devem estar

consubstanciados em documentos que comprovem as transações realizadas.

1.8.2 - Da Materialidade

A Contabilidade não deve perder tempo com registros irrelevantes, cujos

controles podem se tornar mais onerosos do que os próprios valores a serem controlados.

1.8.3 - Da Consistência

A Contabilidade

Administrativos que não devem mudar freqüentemente.

deve

adotar

critérios

para

registro

dos

Atos

e

Fatos

2 - Patrimônio

2.1 - Conceito:

O Patrimônio, sob o ponto de vista contábil, é o conjunto de bens, direitos e obrigações, de uma empresa ou sociedade.

Esse conjunto constitui a peça indispensável para que a empresa ou sociedade atinja seus objetivos. Para o desenvolvimento de suas atividades, as empresas necessitam de recursos financeiros, materiais, humanos e tecnológicos.

Os recursos financeiros podem ser próprios ( investimento na empresa pelos sócios, corresponde ao conceito de capital próprio ou Patrimônio Liquido ) ou de terceiros ( recursos captados pela empresa através de empréstimos, compras de bens financiados, corresponde ao conceito de capital de terceiros )

Bens Materiais - ou tangíveis, são os objetos que a empresa tem para uso (armários, prateleiras, computadores, máquinas, automóveis, vitrinas etc.), troca (mercadorias e dinheiro) ou consumo (material de limpeza, material de expediente e material de embalagem).

Bens Imateriais -ou intangíveis, correspondem a determinados gastos que, por sua natureza, a legislação brasileira determina que façam parte do patrimônio ( gastos com organização, reorganização ou modernização da empresa, benfeitorias feitas pela empresa em bens de propriedade

de terceiros, direito de uso de marcas, patentes de invenção etc

)

Direitos - são todos os valores que a empresa tem para receber de terceiros, como Duplicatas a Receber, Promissórias a Receber, Aluguéis a Receber etc.

Obrigações - abrangem os valores que a empresa tem de pagar a terceiros, como = Duplicatas a Pagar, Salários a Pagar, Impostos a Pagar etc.

PATRIMÔNIO:

Patrimônio de uma Pessoa Física

Apartamento……………………

100.000

Financiamento Imobiliário

40.000

Móveis, Geladeira, Fogão etc……

30.000

Automóvel

10.000

Financiamento

5.000

………………………….

Terreno

5.000

………………………………

Dinheiro no Banco ………………….

2.000

Dinheiro Caderneta de Poupança .

12.000

2.2 - Equação Patrimonial

O demonstrativo que representa a situação patrimonial de uma empresa, denomina-se BALANÇO PATRIMONIAL.

Sob o aspecto contábil, o patrimônio é composto do Ativo e Passivo. Denominamos de Ativo ao conjunto de bens e direitos, e de Passivo ao conjunto das Obrigações da empresa com terceiros e com os proprietários.

Balanço

ATIVO

PASSIVO

Bens

Obrigações

Direitos

A diferença entre Ativo ( bens e direitos ) e o Passivo propriamente dito ( obrigações com terceiros ), que se denomina Patrimônio Líquido, e será colocada no gráfico sempre ao lado do Passivo, como se fosse um peso no prato da balança, para manter o equilíbrio entre os dois lados. O Patrimônio Líquido é a diferença entre o Ativo e o Passivo.

Assim, podemos enunciar a definição de Patrimônio Liquido como sendo a diferença entre o ATIVO ( soma de bens e direitos possuídos por uma empresa ) e o PASSIVO ( montante das obrigações dessa empresa com terceiros ), ou seja:

Bens + Direitos Obrigações = Patrimônio Liquido

Onde:

Ativo Passivo = Patrimônio Liquido

ou

PL = A - P

Assim:

Ativo = Passivo + Patrimônio Liquido

ou

A = P + PL

Patrimônio

ATIVO

PASSIVO

Bens

Obrigações Terc

Direitos

Patrimônio Líquido

Os bens e direitos ( Ativo ) e obrigações com terceiros ( Passivo ) e obrigações da empresa com proprietários ( Patrimônio Liquido ), que compõem o Patrimônio da Empresa são avaliados em moeda. Assim, somando os valores dos bens e dos direitos, teremos o total do Ativo. Da mesma forma, somando os valores das obrigações com terceiros e com os proprietários teremos o total do Passivo.

Patrimônio

ATIVO

PASSIVO

Bens

Obrigações

Caixa

18.000,00

Fornecedores

8.000,00

Móveis

27 000 00

Impostos a Recolher

1.000,00

Direitos

 

Clientes

20.000,00

TOTAL

65.000,00

TOTAL

15.000,00

Patrimônio Líquido = R$ 65.000,00 - 15.000,00 = R$ 50.000,00

Assim, para entendermos a estrutura dos balanços patrimoniais, o Passivo ( Capital de Terceiros ) e o Patrimônio Liquido ( Capital dos Proprietários ) são as fontes/origens dos recursos da empresa, os quais são aplicados no Ativo.

2.3 - Situação Líquida do Patrimônio

A Situação Líquida é definida como sendo a diferença entre o valor do Ativo e do Passivo de uma entidade, em determinado momento.

Os elementos patrimoniais devidamente equacionados poderão apresentar três Situações Líquidas Patrimoniais diferentes.

Formas de Situação Líquida:

Patrimônio Líquido Positivo.

A > P

.

.

.

PL > ZERO

Patrimônio Líquido Negativo.

A < P

.

.

.

PL < ZERO

Patrimônio Líquido Zerado.

A = P

.

.

.

PL = ZERO

a) Ativo maior que o Passivo

Balanço Patrimonial

ATIVO

PASSIVO E SITUAÇÃO LÍQUIDA

Bens

45

Obrigações

15

Direitos

20

Situação Líquida

50

SL = 150 - 100 = + 50

( Positiva ou Superavitária )

b) Ativo menor que o Passivo

Balanço Patrimonial

ATIVO

PASSIVO E SITUAÇÃO LÍQUIDA

Bens

45

Obrigações

85

Direitos

20

(-) Situação Líquida (20)

SL = 65 - 85 = - 20

( Negativa ou Deficitária ou Passivo a Descoberto )

c) Ativo igual ao Passivo

Balanço Patrimonial

ATIVO

PASSIVO E SITUAÇÃO LÍQUIDA

Bens

45

Obrigações

65

Direitos

20

Situação Líquida

0

SL = 65 - 65 = ZERO

( Nula ou Inexistente )

PATRIMÔNIO DA PESSOA FÍSICA

 

ATIVO

 

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

BENS:

 

OBRIGAÇÕES COM TERCEIROS:

Apartamento

100.000

Fin. Imobiliário

40.000

Móveis e Utensílios

30.000

   

Automóvel

10.000

Financiamento

5.000

Terreno

6.000

   

DIREITOS:

 

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

115.000

Dinheiro Banco

2.000

   

Dinheiro Cad. Poupança

12.000

   
 

160.000

 

160.000

3- Mutações Patrimoniais

Os Fatos Contábeis são ocorrências que ocasionam variações no Patrimônio de uma Entidade e que devem ser registradas pela contabilidade. O primeiro fato contábil de uma empresa é a constituição da Sociedade, com o registro do Contrato Social ou de seu Estatuto.

Partindo do conceito de Patrimônio ( conjunto de bens, direitos e obrigações ), apresentamos a seguir , graficamente, a evolução do Balanço Patrimonial na medida em que ocorrem os Fatos Contábeis.

a) Subscrição do Capital: 50.000

ATIVO

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital a integralizar

50.000
50.000

Capital

50.000
50.000
 

50.000

50.000

b) Integralização parcial em dinheiro: 40.000

ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO
ATIVO
PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital a integralizar

10.000

Caixa

40.000

 

50.000

50.000 50.000
50.000
50.000

Capital

c) Aquisição de um imóvel, a vista: 25.000

ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital a integralizar 10.000 Capital 50.000 Caixa 15.000 Imóveis 25.000
ATIVO
PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Capital a integralizar
10.000
Capital
50.000
Caixa
15.000
Imóveis
25.000
50.000
50.000

d) Aquisição de Instalações, a prazo: 30.000

ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO
ATIVO
PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital a integralizar Caixa

Imóveis

Instalações

10.000 15.000 25.000 30.000 80.000
10.000
15.000
25.000
30.000
80.000

Capital Contas a Pagar

50.000

30.000

 

80.000

e)

Aquisição de Móveis e Utensílios, a prazo: 20.000

 

ATIVO

 

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital a integralizar

10.000

Capital

50.000

Caixa

15.000

Contas a Pagar

50.000

Imóveis

25.000

   

Instalações

30.000

   

Móveis e Utensílios

20.000

   
 

100.000

 

100.000

f) Aquisição de Mercadorias no valor de 60.000, sendo 10% a vista

ATIVO

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital a integralizar

10.000

Capital

50.000

Caixa

9.000

Contas a Pagar

50.000

Imóveis

25.000

Fornecedores

54.000

Instalações

30.000

 

Móveis e Utensílios

20.000

Mercadorias

60.000

154.000

 

154.000

g) Venda de Mercadoria, sem lucro ou prejuízo, no valor de 30.000,

ATIVO

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital a integralizar

10.000

Capital

50.000

Caixa

24.000

Contas a Pagar

50.000

Imóveis

25.000

Fornecedores

54.000

Instalações

30.000

 

Móveis e Utensílios

20.000

Mercadorias

30.000

Clientes

15.000

154.000

 

154.000

4 - Contas

4.1 - Conceito

Conta é o nome técnico que identifica um componente patrimonial (Bem, Direito, Obrigação ou Patrimônio Líquido) ou um componente de Resultado (Despesa ou Receita).

Todos os acontecimentos que ocorrem diariamente na vida da empresa, responsáveis pela gestão do patrimônio - como compras, vendas, pagamentos, recebimentos etc. - são registrados pela Contabilidade em contas próprias. Assim, toda movimentação de dinheiro efetuada dentro da entidade é registrada em uma conta denominada CAIXA; os objetos comercializados pela entidade são registrados em uma conta denominada MERCADORIAS, e assim por diante.

É função da Contabilidade registrar os fatos administrativos que acontecem numa empresa. Estes fatos devem ser registrados separadamente, de acordo com sua natureza. Cada tipo de conta recebe uma denominação permanente, um título, um nome que identifica claramente a natureza dos fatos que ela representa. Assim, lendo o nome das diferentes contas, teremos a idéia imediata do que elas representam, dos fatos que registram.

Exemplo:

Caixa: essa conta registra todo o movimento de entrada e saída de dinheiro.

Despesas de Pessoal: registra todas as despesas efetuadas pela empresa para pagamento de seus empregados.

Fornecedores: representa o que a empresa deve a terceiros, pelas compras efetuadas a prazo.

4.2 - Classificação das Contas

As contas classificam-se em dois grandes grupos:

CONTAS PATRIMONIAIS

e

CONTAS DE RESULTADO.

Contas Patrimoniais: são as contas que representam os bens, direitos e obrigações da empresa. São contas ativas as que representam bens e direitos e contas passivas as que representam obrigações.

Contas de Resultado: são as contas que representam as despesas e as receitas da empresa.

 

ATIVAS

Bens e

Saldo devedor

 

CONTAS

Direitos

aplicações

FATOS

PATRIMONIAIS

   

Saldo credor

PERMUTATIVOS

PASSIVAS

Obrigações

origens

     

Saldo devedor

 

CONTAS DE

DEVEDORAS

Despesas

aplicações

FATOS

RESULTADO

   

Saldo credor

MODIFICATIVOS

 

CREDORAS

Receitas

origens

4.3 - Plano de Contas

É a relação das contas utilizadas por uma empresa em sua atividade, agrupadas segundo a sua natureza. Toda empresa, ao iniciar suas atividades, deve organizar um Plano de Contas. As contas são classificadas de acordo com os grupos a que elas pertencem.

O Plano de Contas é um instrumento de grande importância no

desenvolvimento do processo contábil de uma empresa. Ao elaborar o Plano de Contas devem ser observadas as seguintes particularidades:

a) Os Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos;

b) As Normas legais estabelecidas pela Lei nº 6.404/76;

c) A legislação específica do ramo da atividade exercido pela

empresa.

O elenco de contas de um Plano de Contas consiste na relação das contas que

serão utilizadas para o registro dos fatos administrativos decorrentes da gestão

do Patrimônio.

Em qualquer elenco de contas, seja qual for o tipo de empresa, as contas

devem ser agrupadas de acordo com a estrutura estabelecida pela Lei nº

6404/76.

O código de uma conta é composto por um ou mais algarismos utilizados para

identificar cada uma das contas que compõem o Plano de Contas de uma

empresa.

A adoção de códigos agiliza os registros contábeis, principalmente quando

efetuados por meio de computador; assim, débitos e créditos são feitos através

dos códigos das contas e não pela intitulação (nome).

( Projetar um modelo de Plano de Contas )

5 - Escrituração

A escrituração é uma técnica contábil que consiste no registro das contas, em livros próprios, de todos os fatos administrativos resultantes da gestão do Patrimônio da entidade. Lançamento é o registro contábil de um fato administrativo.

5.1 - Atos Administrativos

São aqueles que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio. Por exemplo: admissão de empregados, assinatura de contratos de compra e venda, fianças em favor de terceiros, avais de títulos etc. Por não provocarem modificações no Patrimônio, os Atos Administrativos não precisam ser contabilizados.

5.2 - Fatos Administrativos

São aqueles que provocam modificações no Patrimônio, sendo, portanto, objetos de contabilização através das Contas Patrimoniais ou das Contas de Resultado, podendo ou não alterar o Patrimônio Líquido (Situação Líquida).

Os fatos administrativos podem ser classificados em três grupos:

a) Permutativos

Representam permutas (trocas) entre elementos Ativos, Passivos ou entre ambos simultaneamente, sem provocar variações no Patrimônio Líquido.

b) Modificativos

Provocam as variações (modificações) no Patrimônio Líquido. Envolvem, portanto, em registros em Contas de Resultado (despesas e receitas).

c) Mistos

São os fatos que envolvem, ao mesmo tempo, um Fato Permutativo e um Fato

Modificativo (envolvem Contas Patrimoniais e Contas de Resultado).

5.3 - Método das Partidas Dobradas

É de uso Universal. Este método foi apresentado pela 1ª vez pelo frade Luca

Pacioli, na cidade de Veneza, Itália, em 10 de Novembro de 1494.

O princípio fundamental do método é o de que não há devedor sem que haja

credor, correspondendo, a cada débito, um crédito de igual valor.

Por meio desse método, os eventos são registrados inicialmente no livro DIÁRIO e, posteriormente, no livro RAZÃO.