Sunteți pe pagina 1din 3

PROCESSO Te N° 02067/08

ublicado no D. O. E. .:.m,_-;t2) 0$- j b:3

~ r ::;~", ,~ " ,:lj~ • -·o ,~ " ia 'lU Tribunal Pleno 1.
~
r
::;~",
,~
"
,:lj~
-·o
,~
"
ia 'lU Tribunal Pleno
1. RELATÓRIO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

FI. 1/3

Autarquia Municipal. SISTEMA AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CUPISSURA - CAAPORÃ (SAAE). Prestação de Contas Anuais, exercício de 2007. Julga-se regular, com ressalvas. Emitem-se recomendações. Comunicação à RFB.

ACÓRDÃO APL TC 31<.3 12009

Examina-se a prestação de contas anuais do Sistema Autônomo de Água e Esgoto de Cupissura - Caaporã (SAAE), relativa ao exercício financeiro de 2007, de responsábilidade de José Hildo da Silva Bezerra, Presidente.

A equipe técnica de instrução do Tribunal de Contas do Estado, ao examinar as peças que compõem o presente processo e realizar inspeção in loco, emitiu relatório preliminar às fls. 154/158, com as observações a seguir resumidas:

1. a SAAE, criada pela Lei nO242, de agosto de 1989, de acordo com o Decreto nO010/99, que aprovou o Regulamento do SAAE, tem no seu âmbito de competência exercer com exclusividade todas as atividades administrativas e técnicas que se relacionem com os serviços públicos de drenagem urbana, água e esgoto do município, compreendendo o planejamento e a execução das obras, instalação, operação e manutenção de sistemas, a medição do consumo de água, faturamento e cobrança dos serviços prestados, a aplicação de penalidade e qualquer outra medida com ele relacionada, observados os critérios e condições da Autarquia Municipal.

2. a prestação de contas foi encaminhada ao Tribunal dentro do prazo legal, contendo a documentação exigida;

3. o orçamento geral da autarquia para o exercício em análise, aprovado pela Lei nO0519, de 30/1212006, estimou a receita em R$ 107.511,00 e fixou despesa no mesmo montante. Ao longo do exercício, foram abertos Créditos Adicionais Suplementares, no montante de R$

46.657,00;

4. a receita arrecadada, representada, na sua totalidade, por taxas pela prestação de serviços, somou R$ 84.721,64, superior a 27,78% (R$ 18.414,21) à arrecadada no exercício anterior (R$ 66.307,43);

5. a despesa realizada totalizou R$ 78.316,58, sendo R$ 75.016,58 de natureza corrente e R$ 3.300,00 de capital.

6. o balanço orçamentário apresentou um superávit de execução no valor de R$ 6.405,06.

7. de acordo com balanço financeiro, a mobilização de recursos atingiu R$ 92.168,77, sendo 91,92% provenientes de receita orçamentária (R$ 84.721,64); 6,57% de procedência extra- orçamentária (R$ 6.053,17); e 1,51% referente à saldo do exercício anterior (R$ 1.393,96), sendo 0,78% em caixa (R$ 723,13) e 0,73% em bancos e correspondentes (R$ 670,83).

8. no tocante à despesa, o mesmo balanço apresentou (1)- despesa orçamentária no montante de R$ 78.316,58; (2)- despesa extra-orçamentária no valor de R$ 8.209,72, referente à consignações. Observou-se que o balanço financeiro apresentou um saldo para o exercício seguinte de R$ 5.642,47 (6,12%).

9. o balanço patrimonial exibiu um ativo real líquido de R$ 61.486,59;

J

~

"

I

li!

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO TC N° 02067/08

FI. 2/3

10. a demonstração das variações patrimoniais apresentou um déficit financeiro de R$ 2.824,05, para saldar compromissos de curto prazo;

11. a divida do Fundo totaliza R$ 8.466,52 ao final do exercício em análise, sendo, na sua totalidade, de Dívida Flutuante, representando um decréscimo de 20,30% (R$ 2.156,55) em relação ao exercício anterior;

12. outras observações:

a) déficit financeiro de R$ 2.824,05, para saldar compromissos de curto prazo;

b) não implantação de sistemas de esgoto para a comunidade atendida, comprometendo as condições de saúde da população;

c) não recolhimento ao INSS da contribuição patronal sobre prestações de serviços, bem como não retenção e não recolhimento da contribuição dos segurados - prestadores de serviços;

d) incorreta classificação de despesas no elemento de despesa 36 - outros serviços de terceiros - pessoa física.

Diante das irregularidades apontadas pela Auditoria, o Relator determinou a notificação do interessado para apresentar justificativas de defesa, tendo a mesmo deixado transcorrer o prazo sem qualquer pronunciamento nos autos.

o processo foi encaminhado ao Ministério Público junto ao Tribunal, que, através do Parecer nO 616/09, entendeu, quanto às falhas acima relacionadas, que:

déficit financeiro de R$ 2.824,05, para saldar compromissos de curto prazo

"A situação detectada traduz desorganização contábil. Esta Corte, em sua ação institucional, pode exortar o Responsável no tocante à busca do aperfeiçoamento das práticas tendentes à obtenção do equilíbrio das contas públicas, evitando-se a reincidência da irregularidade".

não implantação de sistemas de esgoto para a comunidade atendida, comprometendo as condições de saúde da população

" este

na prática, disponibilizem satisfatoriamente o fornecimento de esgotamento sanitário à população local."

Tribunal, diante da situação detectada, pode recomendar ao Gestor a adoção de medidas que,

não recolhimento ao INSS da contribuição patronal sobre prestações de serviços, bem como não retenção e não recolhimento da contribuição dos segurados - prestadores de serviços

"Ás fls. 158, a Unidade Técnica estimou que o valor devido ao INSS corresponde a R$ 9.115,00. Na ótica ministerial, o fato a apurado não compromete a Prestação de Contas em exame, sendo suficiente, na espécie, que esta Corte comunique à Receita Federal sobre a matéria, recaindo sobre tal órgão, caso entenda pertinente, a adoção das medidas legais tendentes ao adimplemento do débito."

incorreta classificação de despesas no elemento de despesa 36 . outros serviços de terceiros- pessoa física

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO TC N° 02067/08

FI. 3/3

A falha ostenta caráter formal, não representando prejuízos concretos aos Cofres Públicos. A impropriedade merece relevação, sem prejuizo das recomendações cabíveis.

Diante do exposto, a Procuradoria opinou pela:

I.

11.

Regularidade da Prestação de Contas do Sistema Autônomo de Água e Esgoto de Cupissura - Caaporã (SAAE); e

Recomendação ao interessado no sentido de que adote medidas voltadas à otimização das práticas administrativas, evitando-se, assim, a reincidência das falhas apontadas.

2. VOTO DO RELATOR

Relator vota pela regularidade, com ressalvas da prestação de contas do Sistema Autônomo de Água e Esgoto de Cupissura - Caaporã (SAAE), relativa ao exercicio financeiro de 2007, de responsabilidade do Presidente José Hildo da Silva Bezerra, com recomendação ao atual gestor para não repetir as falhas apontadas pela Auditoria, comunicando-se à Receita Federal do Brasil quanto ao não recolhimento das contribuições previdenciárias, parte patronal, parte empregado, dos prestadores de serviços.

3. DECISÃO DO TRIBUNAL PLENO

ACORDAM os Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, à unanimidade de votos, em sessão plenária realizada nesta data, em:

1. julgar regular, com ressalvas, a prestação de contas do Sistema Autônomo de Água e Esgoto de Cupissura - Caaporã (SAAE), relativa ao exercício financeiro de 2007, de responsabilidade do Presidente José Hildo da Silva Bezerra;

2. recomendar ao citado Presidente do SAAE, no sentido de que adote medidas visando não repetir as falhas apontadas pela Auditoria deste Tribunal;

3. comunicar à Receita Federal do Brasil quanto ao não recolhimento das contribuições previdenciárias, parte patronal, parte empregado, dos prestadores de serviços.

Publique-se, intime-se e cumpra-se. Sala das Sessões do TCE-PB - Plenário Ministro João Agripino. João Pessoa, 13 de m . de 009.

C ons.

ft '

/'t'~t~

f!t4tA '~CI'

s I o •.n orno

au d' 10 S'I I va ~t

~ Relator

,

n os

.~ Q

, t:

f\J.---

/ Ana Terêsa Nóbrega Procuradora Geral do Ministério Público junto ao TCE-PB

rs----