Sunteți pe pagina 1din 30
1
2

VINACC

VISÃO NACIONAL PARA A CONSCIÊNCIA CRISTÃ

Renato Vargens

O Pr. Renato Vargens é conferencista, plantador de Igrejas e escritor com treze livros publicados e dois no prelo. É colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes, sendo considerado um dos blogueiros cristãos mais lidos no Brasil. Além disso, é pastor presidente da Igreja Cristã da Aliança em Niterói.

Contatos e maiores informações em:

www.renatovargens.com.br

Renato Vargens

MUITO MAIS QUE LOUVOR

Uma abordagem franca sobre a adoração na Igreja

1a Edição

Campina Grande - Paraíba

2012

© 2012 Renato Vargens Todos os direitos desta edição reservados à VCP - Visão Cristocêntrica Publicações.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Ficha Catalográfica - VCP - Visão Cristocêntrica Publicações)

V553m

Vargens, Renato Muito mais que Louvor: uma abordagem franca sobre a adoração na Igreja / Renato Vargens. - Campina Grande, PB : Visão Cristocêntrica Publicações, 2012. 72 p.; 21xl4cm.

ISBN 978-85-65365-03-1

l. Teologia cristã. 2. Louvor. 3. Adoração. I. Vargens, Renato. II. Título.

CDU[29:2-53](81)

Índices para catálogo sistemático:

1. Teologia cristã : Louvor : Adoração [29:2-53](81)

Site:

www.conscienciacrista.com.br

Email:

pedidos@conscienciacrista.com.br

Facebook:

Consciência Cristã VINACC

Endereço:

Rua Oswaldo Cruz, 229, Centenário, CEP 58.428-095 Campina Grande - Paraíba

Telefone:

(83) 3342-4654

José Fabiano Gonçalves Silva Diretor Geral

Uziel Santana dos Santos Editor Geral

José Cláudio Alvares de Almeida Revisão textual

Sandro Wagner Capas e Diagramação

Conselho Editorial Euder Faber Guedes Ferreira Jorge Issao Noda Robson Tavares Fernandes Weber Firmino Alves José Mário da Silva Janeide Andrade Feitosa Ferreira Renato Vargens

DEDICATÓRIA

Dedico este livro aos milhares de músicos cristãos espalhados neste imenso país que, com paixão, dedicação, amor e zelo, têm servido ao Senhor da Glória com dons e talentos.

"Eu olho para a cruz

E para a Cruz eu vou Do seu sofrer participar Da sua obra vou cantar

O meu salvador

Na cruz mostrou O amor do Pai O Justo Deus Pela cruz me chamou Gentilmente me atraiu E eu sem palavras me aproximo Quebrantado por seu amor Imerecida vida, de graça recebi Por sua cruz, da morte me livrou Trouxe-me a vida e eu estava condenado

Mas agora pela cruz eu fui reconciliado Impressionante é o seu amor Me redimiu e me mostrou

O quanto é fiel."

Vineyard

SUMÁRIO

PREFÁCIO

07

INTRODUÇÃO

10

Conceito Bíblico de adoração

12

O

Evangelho de uma nota só

14

Esquisitices da música e do movimento gospel

15

Refletindo sobre as músicas tocadas nos cultos evangélicos

20

Os mercadores da música gospel

21

Rádio! Um termómetro da fé evangélica no Brasil

22

Cuidado com o veneno

24

O que fazer então?

Grandes coisas tem feito o Senhor

26

29

PREFÁCIO

Nem sempre as melhores amizades entre servos do Senhor decorrem de intensas e prolongadas convivências. Grandes vínculos de comunhão, como os de Davi e Jônatas, Noemi e Rute, Paulo e Timóteo, resultaram, sobretudo, da soberana vontade de Deus. Renato Vargens e eu moramos na mesma cidade, em Niterói, Rio de Janeiro. Ambos somos pastores, pregadores do Evangelho, escritores e articulistas. Além disso, mantemos na Internet blogs que tratam da mesma temática: apologética. Entretanto, se o Senhor não tivesse nos aproximado, jamais seríamos tão amigos. Era uma noite de sexta-feira, no ano de 2010. Ambos jantávamos com as nossas famílias, no mesmo restaurante. No dia seguinte, viajaríamos para diferentes cidades do Brasil, a fim de pregarmos e ensinarmos a Palavra do Senhor. Reconhecemos um ao outro — por causa das fotos publicadas em nossos perfis do Google —, nos cumprimentamos de modo rápido e, depois disso, trocamos e-mails. Desde então, nos tornamos grandes amigos, que se encontram com certa frequência para almoçar, trocar livros, falar de projetos, etc.

A

outra, no âmbito teológico, até que poderia gerar grandes e acalorados debates. Mas as nossas amizade e comunhão são tão especiais que jamais discutimos sobre os assuntos em que divergimos. Temos preferido priorizar as conversas sobre assuntos em que temos afinidade. E um deles é a adoração. Muito Mais que Louvor é um livro de contrastes. Ele tem poucas páginas e muitas verdades. Seu autor é um exímio biblista e teólogo, mas qualquer leigo compreende a sua mensagem. Conquanto o assunto tratado nestas páginas seja da mais alta seriedade, ele é apresentado com leveza e bom humor. Todas essas características tornam esta obra sui generis. Seu objetivo é apresentar — mediante a refutação de heresias e modismos verificados no evangelicalismo brasileiro — a conceituação correta, bíblica, da adoração e seu intercâmbio com o louvor e a música. Não pense que esta obra prioriza o lado negativo. Este é apresentado apenas e tão-

somente para despertar o povo de Deus, a fim de que valorizem ainda mais o lado positivo. Isso é visto nos tópicos "Cuidado com o veneno" e "O que fazer, então?" Ou seja, faz-se o diagnóstico da doença e, em seguida, apresenta-se o remédio apropriado. Bom seria que todos os cantores e músicos cristãos, inclusive os mais famosos, lessem este livro, a fim de compreenderem o real significado da adoração e abandonarem as "esquisitices da música e do movimento gospel". Uma delas é a famigerada "adoração extravagante", que abarca inúmeros comportamentos e manifestações exóticos, perpetrados por aqueles que se dizem "levitas". Aliás, o termo "adoração extravagante", em si, é impróprio e antibíblico. Os inventores desse jugo desigual deviam saber que o termo "adoração" (gr. proskynô) denota, ao mesmo tempo, "prostrar-se" e "adorar", e não "dançar" e "gritar" ou "divertir-se" e "pular". Casar adoração com extravagância (dissipação, esbanjamento, estroinice, libertinagem) é tão impossível quanto ouvir uma música composta por Beethoven e Lady Gaga! Renato Vargens demonstra que a verdadeira adoração é reverente; envolve quebrantamento e prostração (cf. Jó 1.20; 2 Cr 20.18; 29.29). Nada tem a ver com "mantra gospel", "dança profética" e "toque de shofar". Como os magos do Oriente adoraram o Menino Jesus? Eles, "prostrando-se, o adoraram" (Mt 2.11). Isso está em perfeita harmonia com Salmos 95.6: "Ó vinde, adoremos e prostremo-nos!" Como os filhos de Israel, nos dias de Esdras e Neemias, adoraram ao Senhor, depois de ouvirem a exposição da Palavra? Eles "inclinaram-se e adoraram o SENHOR, com o rosto em terra" (Ne 8.6).

Há apenas duas diferenças entre nós. A primeira, de ordem biotípica, não vem ao caso

Outras invencionices gospel são mencionadas pelo autor. Ele mostra como o adjetivo "gospel" tem sido usado de modo indiscriminado para "cristianizar" produtos, práticas, filosofias, condutas, festas pagãs e eventos mundanos. Surpreendo-me, a cada dia, com as novidades gospel. Já temos até boates e festas (have) gospel, verdadeiras aberrações! Como diria Roberto Carlos,

são tantas e tantas esquisitices e invencionices gospel conformarmos com este mundo (Rm 12.1,2).

Mas o autor discorre também sobre o rádio, definido como um termómetro da fé

evangélica no Brasil, e os mercadores da música gospel, "levitas" que se valem da ingenuidade de muitos cristãos (que se comportam como fãs) para mercadejar a Palavra de Deus (2 Co 2.17). Ele faz, ainda, uma abordagem bíblica das composições empregadas em muitos cultos evangélicos. E lamenta o fato de elas estarem cada vez mais distantes do Evangelho de Cristo, haja vista priorizarem o antropocentrismo. Este livro não poderia terminar de forma melhor, com vários "precisamos", os quais nos remetem aos lemas da Reforma Protestante. Precisamos voltar às Escrituras. Quantos, hoje, já não consideram a Bíblia a sua fonte primacial de autoridade? Precisamos cantar as Escrituras. Chega de "sonhos de Deus", "sabor de mel" e outros bordões antropocêntricos! Precisamos fortalecer a Escola Bíblica Dominical, que continua sendo a melhor instituição de ensino do povo de Deus. Precisamos voltar às verdades da cruz. Afinal, "os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado" (l Co 1.22,23). Enfim, precisamos ler esta obra!

Que Deus nos ajude a não nos

Pr. Ciro Sanches Zibordi

Pastor da Assembleia de Deus de Codorvil

São Paulo, poucas horas antes do apagar das luzes de 2011.

INTRODUÇÃO

Ultimamente muito se tem falado de um enorme avivamento em terras tupiniquins. Reportagens sobre um grande despertamento espiritual no Brasil têm se espalhado por boa parte do mundo. De fato, a graça de Cristo tem sido derramada de forma especial em milhões de pessoas, o que, por conseguinte, tem levado as nossas igrejas a ficarem completamente lotadas. Homens, mulheres e crianças a cada ano que passa, migram em direção a fé evangélica produzindo um índice de crescimento da igreja maior que o da população do país. Não Possuo a menor dúvida de que existe um grande despertar no povo brasileiro quanto a necessidade de encontrar-se com Deus. O Brasil, outrora conhecido como terra da magia, da feitiçaria e do Candomblé, aos poucos tem mudado as suas expressões de fé. Contudo, ainda que experimentemos da ação do Espírito, ainda que o evangelho se esparrame por toda nação, é absolutamente perceptível inúmeras discrepâncias em nosso meio. Caro leitor, o fato de possuirmos uma grande quantidade de pessoas em nossas igrejas, não significa necessariamente que estejamos experimentando um genuíno avivamento. No dia 19 de junho de 1969, em sermão pregado no Madison Square Garden, em Nova York, Billy Graham declarou algo interessantíssimo: "O que precisamos nos Estados Unidos é nos desfazermos de muita gente que temos na igreja. Creio que poderíamos fazer muito melhor trabalho se fôssemos discípulos dedicados e disciplinados como havia na igreja primitiva. É preciso ter disciplina para levantar uma hora mais cedo para estudar a bíblia. É preciso ter disciplina para desligar a televisão à noite uma hora mais cedo para gastá-la em oração. Julgo ser uma boa coisa o fato de os cristãos se tornarem minoria. Foi assim que a Igreja primitiva virou o mundo de cabeça para baixo. Creio que temos sido numerosos demais. Temos nos estorvado uns aos outros e não temos tido disciplina e dedicação. O que precisamos é de uma minoria dedicada para transformar este país e o mundo." Ao fazer esta declaração, Billy Graham o faz num contexto onde a maioria da população norte-americana considerava-se protestante. Isto porque, nos encontros dominicais os templos estavam cheios e repletos de pessoas, as quais religiosamente "prestavam seu culto a Deus." Hoje no Brasil, a maioria ainda não é evangélica, no entanto, percebe-se a olhos vistos que o número daqueles que se consideram evangélicos é a cada dia mais elevado. Entretanto, sou obrigado a confessar que boa parte destes que frequentam os nossos cultos não tiveram uma genuína experiência de conversão. Na verdade, tais pessoas, movidas por um misticismo exacerbado, além de uma fé fundamentada na busca pelo prazer, procuram em Deus as bênçãos que tanto necessitam. Em alguns lugares deste imenso país ser crente virou moda. Isto porque, artistas, modelos e jogadores de futebol, além de socialites e emergentes, "descobriram" na fé cristã um tipo de amuleto pelo qual podem ser "protegidos da inveja e do mal". Infelizmente, disciplina, oração e santidade não fazem parte da práxis de vida de muitos, aliás, para estes, Deus não passa de um galardoador, ou interventor, o qual mediante as orações determinantes submete-se a vontade de seus filhos atendendo todos os seus "decretos" instantaneamente. Prezado amigo, por favor, pare, pense e responda sinceramente: será que no Brasil não estamos com "crentes demais"? Será que os escândalos que tem tomado de assalto os jornais, continuariam a acontecer se tivéssemos em nossos templos menos pessoas e mais gente compromissada com o reino? Ora, acredito que o tipo de "evangelho" pregado tem contribuído para o inchaço de nossas congregações, levando-nos a impressão de que este evangelho fashion é que faz a diferença no mundo em que vivemos. Diante disto, afirmo sem a menor sombra de dúvidas que o fato de sermos muitos não nos torna uma igreja cheia do Espírito Santo. Como já preguei inúmeras vezes, avivamentos sempre vão produzir cultos centrados em Cristo. Na verdade, os avivamentos bíblicos e históricos sempre

foram teocêntricos. Além disso, avivamentos verdadeiros sempre nos levarão a urna adoração desinteressada. Entretanto, tenho percebido que quanto mais avançamos no quesito quantidade, mais pobres ficamos em nossa devoção e espiritualidade. Por acaso você já se deu conta que boa parte das nossas canções estão focadas nas necessidades humanas e não nos atributos de Deus? Você já percebeu que em nome de uma falsa espiritualidade banaliza-se a adoração em detrimento das necessidades daquele que canta? Sei que canções belíssimas têm sido entoadas do Oiapoque ao Chuí, No entanto, é inegável que juntamente a tais canções outras completamente estapafúrdias estejam sendo ministradas em nossos púlpitos. Pois é, ultimamente tenho pensado nas canções ministradas pelo povo de Deus. Aliás, vale a pena ressaltar que a esmagadora maioria dos denominados cultos evangélicos dedicam muito mais tempo a música do que qualquer outra coisa. Infelizmente os louvores cantados em nossas reuniões são extremamente antropocêntricos, o que nitidamente se percebe em nossos encontros congregacionais. Se fizermos uma análise de nossas liturgias chegaremos a conclusão que boa parte das canções que entoamos são feitas na primeira pessoa do singular ou na primeira pessoal do plural, cujas letras prioritariamente reivindicam as bênçãos de Deus. Numa liturgia preponderantemente hedonista, os evangélicos tem sido extravagantes, querem de volta o que é seu, necessitam de restituição, determinam a prosperidade, tocam no altar, pedem chuva, cantam mantras repetitivos erotizando sua relação com o Eterno, desejando da parte do Criador, beijos, abraços e colo. Caro leitor, sem sombra de dúvidas vivemos dias complicadíssimos onde o Todo-poderoso foi transformado em génio da lâmpada mágica, cuja missão prioritária é promover satisfação aos crentes. Diante disto, precisamos rogar ao Senhor pedindo a Ele que nos livre definitivamente desse louvor, filho bastardo da indústria mercantilista gospel, o qual, nos tem empurrado goela abaixo, conceitos e valores anticristãos, cujo objetivo final não é a glória de Deus, mas a satisfação dos homens. Da mesma maneira, necessitamos clamar ao Pai pedindo-lhe que nos liberte do louvor engessado, feito de cabeças baixas e bocas carrancudas, de letras difíceis, de músicas duras, sejam elas importadas ou brasileiras. Por favor, pare, pense e responda: Para onde a igreja está indo? Será que não está caminhando a largos passos a uma nova e derradeira sincretização? Ah! Que saudade da boa música, ministrada, cantada com unção, cujo interesse era simplesmente engrandecer o nome de Deus! Parece que nos últimos anos, a igreja se perdeu no caminho em direção ao trono do Altíssimo, isto porque, as letras de algumas das suas composições, são empobrecidas teologicamente, simplistas e sem graça. Além disso, falta oração, busca de Deus, consagração e compromisso com a Palavra. Caro leitor, o livro "Muito mais que louvor" foi escrito com o propósito de ajudar a Igreja evangélica Brasileira a retomar o caminho da adoração, além é claro de contribuir com aqueles que servem a Deus como músicos, para desenvolverem um ministério centrado na glória de Deus. Minha oração é que através da leitura deste livro, o Deus Todo Poderoso possa abençoá-lo de forma especial levando-o ao entendimento de que louvar a Deus é muito mais do que entoar canções ao Senhor.

Boa leitura!

Niterói, verão de 2012.

Renato Vargens

CAPÍTULO 1

Conceito Bíblico de adoração

"Adorar a Deus é compreender o propósito com o qual Ele nos criou." Herbert M. Carson

"A adoração é a submissão de toda nossa natureza a Deus. É a vivificação da consciência mediante Sua santidade, o nutrir da mente com Sua verdade, a purificação da imaginação por Sua beleza, o abrir do coração ao Seu amor e a entrega da vontade ao Seu propósito." William Temple

Na 27a Conferência Fiel para Pastores e Líderes, ouvi uma frase do Dr. Heber Campos que mexeu comigo. Ao dissertar sobre a glória de Deus, Heber afirmou que adoração não é brincadeira e que os homens prestarão contas ao Senhor por aquilo que tem feito dela. Pois é, à luz dessa afirmação fico pensando sobre aquilo que parte dos evangélicos tem chamado de adoração. Infelizmente em nome de uma espiritualidade equivocada, pastores e cantores estão brincando com a glória de Deus, entoando cânticos cujo objetivo final visa à satisfação humana. Caro leitor, quando falamos em adoração, a primeira ideia que temos é daqueles momentos preciosos em que juntos na igreja entoamos canções de louvor a Deus. E normal pensarmos assim, mesmo porque, cantar na nossa perspectiva, é a maneira mais simples de louvar ao Senhor. Entretanto, adorar a Deus não se limita apenas a cantar hinos ou cânticos espirituais. Adorar ao Senhor é muito mais do que isso! Na verdade, afirmo sem a menor sombra de dúvidas que louvar a Deus envolve um estilo de vida onde o Senhor é glorificado não somente por aquilo que cantamos, mas também por atos, atitudes e comportamentos. Em sua primeira epístola aos Coríntios, Paulo afirmou que devemos fazer todas as coisas para a glória do Senhor. "Portanto quer comais, quer bebais, ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus" (I Co 10:31). Diante desta exortação paulina, sou tomado pela convicção de que para o cristão a vida deve ser um constante ato de louvor a Deus, ou seja, adorar segundo as Escrituras é mais do que cantar. É também servir, amar, doar, trabalhar, comer, beber e muito mais. Nesta perspectiva o crente glorifica a Deus quando trata com respeito e dignidade os que convivem com ele, ou quando serve ao próximo doando parte do seu tempo ou recursos àqueles que com ele se relaciona; ou quando se esmera com dedicação e afinco na escola, na universidade ou no local de trabalho. O cristão também adora a Deus através da generosidade, como também demonstrando no dia-a-dia, compaixão e misericórdia para com aqueles que sofrem e choram, sendo amante do bem, ético, honesto e decente tanto nas relações pessoais como institucionais. O problema é que devido a uma visão dualista da fé, parte dos evangélicos acredita que adorar a Deus se resume exclusivamente em entoar cânticos e nada mais. Neste contexto, canta- se muito, mas adora-se pouco; profetizasse aos borbotões, mas não se serve ao próximo; celebra- se esfuziantemente, mas não se exerce misericórdia. Lamentavelmente, os evangélicos em questão, cantam com paixão e extravagância, todavia, ao contrário do que deveria ser, tem desenvolvido em sua cotidianidade comportamentos que afrontam a santidade do Senhor.

Caro leitor, por favor, responda com sinceridade: De que adianta o crente em Jesus cantar, saltar e glorificar a Deus emitindo atos proféticos, sem, contudo, que isso redunde na integralidade da adoração? Ora, adorar é muito mais que louvá-lo apaixonadamente! Adorar é glorificar o Eterno através de uma vida honesta, santa e abnegada. Adorar é demonstrar com a vida e não somente com os lábios, que Cristo nos salvou e que pela sua graça, mediante o Espirito Santo, fomos regenerados, sendo transformados em novas criaturas.

Compreendendo o significado de adoração

As Escrituras nos trazem algumas expressões que tratam especificamente da adoração, veja, por exemplo, algumas palavras¹ encontradas no texto original:

Proskuneo - Originalmente significava "beijar". Entre os gregos era um termo técnico que significava "adorar os deuses", dobrando os joelhos ou prostrando-se. Em outras palavras, descrevia o gesto de curvar-se diante de uma pessoa e ir até o ponto de beijar os seus pés. Este gesto traduz o ato de reconhecer a insuficiência do adorador e a superioridade do objeto adorado, colocando-se à sua inteira disposição. Sua ideia básica é a de submissão. Latreia - Significa cultuar e oferecer atos de adoração que agradem a Deus. Esse termo é usado por Paulo em Romanos 12:1, para descrever a dedicação de nossas vidas ao Senhor. Sebein - Significa reverenciar com temor. Essa expressão é derivada da raiz (seb) que transmitia o quadro característico do homem como religioso devotado a seus deuses para evitar as nefastas consequências do azar (Atos 17). Essa conotação religiosa grega impediu que estes vocábulos fossem muito usados para designar culto (adoração), na tradução do Antigo Testamento, devido ao seu contexto pagão. O mesmo ocorreu com o Novo Testamento, onde estes vocábulos também são bem raros. Entretanto, com o passar do tempo, estas palavras passaram a expressar outro significado, ao ponto de serem utilizadas com bastante frequência por Pedro em sua segunda epistola. João também mostrou esse novo conteúdo: "Sabemos que Deus não atende pecadores, mas pelo contrário se alguém teme a Deus (Theosebes) e pratica sua vontade, a este atende" (João 9:31). Ou seja, esse termo trata-se de um temor sadio, aquele que nos torna conscientes da santidade e da majestade de Deus, e nos exorta a viver uma vida santa diante do Todo-Poderoso. Em outras palavras, nós não vivemos "aterrorizados" pela presença de Deus, mas vivemos com uma reverente preocupação com as atitudes, pensamentos e comportamentos que agradam a Ele. Leitourgeo - Este vocábulo é composto por duas palavras gregas, "povo" (laos) e "Trabalho" (ergon). Significava originalmente fazer trabalho público, mas pagando, sozinho, as despesas. Mais tarde passou de origem secular para o religioso, de modo que os tradutores do Antigo Testamento também usaram frequentemente este termo, para indicar o ministério sagrado dos sacerdotes. Prezado amigo a adoração é um ato de gratidão. O crente adora a Deus não porque se sente obrigado, tampouco, por questões religiosas. Ele adora o Senhor simplesmente pelo fato de ter compreendido que sem Cristo estava morto em seus delitos e pecados e que mediante sua maravilhosa graça foi salvo da condenação eterna. Diante disto, afirmo sem titubeios que a adoração é a resposta imediata daquele que reconhece seu estado de miserabilidade e incapacidade total de agradar a Deus, bem como, o amor insondável de um Deus tão generoso que enviou seu único filho para morrer em nosso lugar na Cruz do Calvário. Como bem afirmou Oswald B. Milligan adorar é dar ao Senhor a glória que Lhe é devida como resposta ao que Ele nos revelou e fez em Seu Filho Jesus Cristo.

1 Bianchini, M. Giovani. Bíblia World Net. Estudos - Louvor. Conceitos e Definições sobre Louvor e Adoração. Disponível em: http://www2.uol.com.br/bibliaworld/igreja/estudos/louv003.htm. Acesso em: dezembro de 2011.

CAPÍTULO 2

O Evangelho de uma nota só

"A heresia vem montada nos lombos da tolerância." John MacArthur

Lamentavelmente o denominado movimento gospel tem contribuído em muito com o empobrecimento da música evangélica brasileira. Basta olharmos para as canções cantadas em nossos templos que chegaremos à conclusão de que a safra não é tão boa assim. Bem, antes que alguém me apedreje preciso afirmar que bem sei que pela graça de Deus, temos em nossos arraiais excelentes compositores e musicistas, todavia, boa parte das composições evangélicas é paupérrima em graça e conteúdo. Ora, para início de conversa, a esmagadora maioria das canções congregacionais é:

"umbilical"², isso sem falar nas melodias que são desprovidas de inteligência e versatilidade. Para piorar a situação, o evangelho que tem sido "tocado" por parte de alguns dos nossos cantores é o evangelho de uma nota só. Este evangelho é a antítese do evangelho dos evangelhos, isto porque, anuncia o amor de Deus e esquece o juízo eterno; prega prosperidade e nega solidariedade; fala de fé e não confessa pecados; propaga a vitória, e nega a cruz. Caro leitor, creio que o empobrecimento das nossas canções se deva em parte ao fato de termos abandonado a exposição e a pregação da Palavra. Na verdade, o problema foi que trocamos a Bíblia pela "baqueta"², deixando de lado o estudo e a reflexão das Escrituras Sagradas, o que tem contribuído para o surgimento de uma adoração esquizofrênica, ensimesmada e antropocêntrica. Infelizmente os adoradores deste tempo não querem mais as doutrinas bíblicas, preferem semear prosperidade; não querem mais adorar a Deus, preferem shows; não querem mais pregar sobre arrependimento, querem vitória a qualquer preço; não querem mais viver uma vida de quebrantamento, querem determinar as bênçãos de Deus; não querem mais as Escrituras Sagradas, preferem "o reteté de Jeová"; não querem mais ser chamados de servos, preferem o titulo de apóstolo; não querem mais a mensagem libertadora da Cruz de Cristo; querem quebrar maldições hereditárias; não querem mais a providência divina, querem barganhar com Deus; não querem mais a graça, querem vender indulgências; não querem mais servir a Deus como mordomos, querem dominar o mundo. Prezado amigo, lamentavelmente estamos vivendo um tempo da paganização do evangelho, onde cultos se fundamentam em impressões e achismos. Na verdade, o que determina o sucesso do culto não é mais a Palavra, mas o gosto da freguesia4. A igreja prega o que dá ibope, oferecendo ao povo o que ele quer ouvir. Esse evangelho híbrido anuncia Cristo juntamente com o evangelho do descarrego, da quebra de maldições, da prosperidade material e dos decretos humanos.

2 Neologismo que aponta para um evangelho "ensimesmado".

3 Ressalto que não existe nenhum preconceito quanto a tocar bateria nos cultos. O exemplo foi dado com intuito único de exemplificar o fato de que a pregação da Palavra de Deus há muito deixou de ter a centralidade em nossas reuniões.

4"Vargens, Renato. Cristianismo ao Gosto do Freguês. Niterói: Scrittura Editora, 2010.

CAPÍTULO 3

Esquisitices da música e do movimento gospel

"O diabo raramente criou algo mais perspicaz do que sugerir à igreja que sua missão consiste em prover entretenimento para as pessoas, tendo em vista ganhá-las para Cristo." C.H. Spurgeon

No quesito criatividade alguns dos evangélicos se superam! É impressionante a quantidade de novas doutrinas e percepções teológicas que brotam da fértil mente dos nossos irmãos. Da judaização da fé, ao Shu profético, passando pelo toque do shofar, e pela instituição dos levitas, o que mais vemos são ensinamentos estapafúrdios e antibíblicos, senão vejamos:

Adoração extravagante.

O louvor da sua igreja é extravagante? Não? Então você está fora do mover de Deus. É exatamente isso que algumas pessoas têm dito àqueles que não aderiram a um dos mais novos métodos de adoração. Em linhas gerais, os adoradores extravagantes afirmam a necessidade de uma adoração sincera, abundante, espontânea, totalmente guiada pelo Espírito de Deus. Para estes apalavra "extravagante" fala da atitude do adorador, a qual deve sobrepujar os padrões formais e expressar sua adoração em termos de liberdade e espontaneidade. Nesta perspectiva, o verdadeiro adorador voa como águia, ruge como leão, salta como coelho, late como cachorro, canta de costas para o público, além de rolar pelo chão quando tocado por Deus. Para os adoradores extravagantes o que vale é romper com os paradigmas religiosos, manifestando através do louvor congregacional uma adoração desprovida de frieza espiritual. Segundo estes, tudo é válido desde

o riso incontido ao choro histérico por parte dos adoradores. Caro leitor, vamos combinar uma coisa? Em nenhum momento as Escrituras Sagradas nos ensinam a cantar extravagantemente. O Novo Testamento não nos concede respaldo teológico

para que entoemos cânticos cuja inspiração seja de cunho delirante. Ora, vale à pena ressaltar que

o nosso louvor ainda que emocionado deva ser absolutamente racional.

"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional." Rm 12:1

Shu profético

Há alguns anos participei de um culto, onde o dirigente de louvor mediante muitas caras e bocas emitia um estranho som. Confesso que fiquei intrigado com aquilo e me aproximei dele no intuito de discernir o que dizia. Para minha surpresa, descobri que a palavra pronunciada era desconhecida por mim. Ao final do culto, indaguei ao ministro de louvor o que repetidamente balbuciava antes de cada canção, descobrindo então que a expressão usada por ele era a tal de "SHU".

Bom, deixe-me explicar: segundo alguns adeptos do neopentecostalismo, "Shu" é um clamor profético, uma Palavra profética lançada nas regiões celestiais, à semelhança de um ato profético, feito para extirpar a presença do pecado e convidar a vinda do Senhor Jesus com Sua Santidade! Em algumas igrejas, no período de louvor com música, é comum, entre uma canção e outra, ouvirmos dos cantores a expressão em questão. É Shu para lá, Shu para cá, Shu em louvores alegres, em canções tristes, Shu em todo tempo e todo momento. Pois é, o que me chama a atenção é que em nenhuma parte das Escrituras Sagradas vemos o Senhor ou os apóstolos orientando a Igreja de Cristo a pronunciar SHU enquanto canta. Aliás, vamos combinar uma coisa: que capacidade impressionante esse pessoal tem de inventar novas doutrinas. Caro leitor, como afirmei no livro "Cristianismo ao Gosto do Freguês", não tenho a menor dúvida de que somente a Bíblia Sagrada é a suprema autoridade em matéria de vida e doutrina; e que somente ela é o árbitro de todas as controvérsias, como também a norma para todas as decisões de fé e vida. Isto, posto, afirmo que qualquer comportamento, ensino, ou prática que não se adeque as Sagradas Escrituras deve ser rechaçado pelo povo de Deus.

Mantra Gospel

Na maioria das igrejas evangélicas brasileiras o tempo destinado a música é muito mais valorizado do que a pregação da Palavra de Deus. Para piorar a situação as canções ministradas afrontam diretamente as Sagradas Escrituras, até porque, em alguns casos as letras e conteúdo são ensimesmados, antropocêntricas e "erotizadas." Uma nova mania tem sido disseminada entre os evangélicos, que é o que denomino de Mantra Gospel. Mantras são poemas religiosos que originaram do hinduísmo, porém também são utilizados no budismo. Os mantras são entoados como orações repetidas, contudo, não constituem propriamente um diálogo com Deus. Os hinduístas Acreditam que os mantras, por sua repetição, possuem uma energia sonora que movimenta outras energias que envolvem quem o entoa. O mantra gospel seria a repetição, em canções, de algumas frases durante 15,20 ou 30 minutos. Caro leitor, antes de qualquer coisa, não me venha com essa ideia de licença poética. Licença poética é absolutamente diferente disso. Confesso que estou assustado com o fato de que canções como estas, chegam a ter uma conotação romântico-sensual. Ora, falta aos nossos vocacionados e abnegados cantores gospel parafrasearem Roberto Carlos cantando "como é grande o meu amor por você."

Dança profética

Uma das mais marcantes características litúrgicas das igrejas neopentecostais são os grupos e ministérios de dança. Em todo lugar deste tupiniquim país, tornou-se comum encontrar nas comunidades evangélicas grupos coreográficos que dançam em meio ao louvor. Mediante passos coreografados, roupas extravagantes e esvoaçantes, além de variados acessórios, rapazes e moças dançam de forma esfuziante enquanto a congregação entoa canções a Deus. Bom, antes que seja apedrejado pelos bailarinos de plantão, quero afirmar que acho a dança uma arte belíssima, e que acredito piamente que possua o seu lugar e espaço no cenário evangélico. Entretanto, colocar a dança em meio à adoração é no mínimo mau gosto. Ora, para inicio de conversa o momento de adoração com música deveria ser única e exclusivamente para adorar a Deus e não para a apresentação de grupos artísticos. Para piorar a situação algumas das

danças em questão são absurdamente sensuais, de péssima coreografia e com uma roupa que faz inveja a qualquer concurso brega deste país. Se não bastasse essa esquisitice toda, os que advogam o ministério de dança o fazem afirmando que quando dançam, agem profeticamente. Como não poderia deixar de ser, os bailarinos gospel forçam uma interpretação bíblica fundamentando sua prática em textos do Antigo Testamento, como por exemplo, os episódios ocorridos a Miriã e Davi respectivamente. No Novo Testamento encontram base para o seu comportamento ao afirmarem que João Batista estremece e salta de alegria no ventre de sua mãe ao sentir a presença do Messias. Além disso, afirmam que a Igreja nasceu em Jerusalém, não em Roma e em virtude disto podem dançar com liberdade. Para complicar a situação, os bailarinos de Jesus, interpretam de forma equivocada o texto em que Paulo afirma que o Senhor é Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. Ora, quem foi que disse que liberdade no Espírito significa necessariamente a ausência de normas, regras e princípios? Claro que Deus é Soberano e é absolutamente capaz e poderoso para fazer o que quiser, todavia, Ele nos deixou as Escrituras como referência litúrgica, a qual deve ser consultada como única e exclusiva regra de fé, a começar pelo fato de que esta passagem, "onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade" (II Cor 3:17) não tem absolutamente nada a ver com o culto. Paulo disse estas palavras se referindo à leitura do Antigo Testamento. Os judeus não conseguiam enxergar a Cristo no Antigo Testamento quando o liam aos sábados nas sinagogas, pois o véu de Moisés estava sobre o coração e a mente deles (veja versículos 14-15). Estavam cegos. Quando, porém, um deles se convertia ao Senhor Jesus, o véu era retirado. Ele agora podia ler o Antigo Testamento sem o véu, em plena liberdade, livre dos impedimentos legalistas. Seu coração e sua mente agora estavam livres para ver a Cristo onde antes nada percebiam. É desta liberdade que Paulo está falando. É o Senhor, que é o Espírito, que abre os olhos da mente e do coração para que possamos entender as Escrituras. Prezado amigo, o teólogo e escritor Augustus Nicodemus, afirma que liberdade no Espírito não significa liberdade para inventarmos maneiras novas de cultuá-lo. Sem dúvida, temos espaço para contextualizar as circunstâncias do culto, mas não para inventar elementos. Seria uma contradição do Espírito, levar seu povo a adorar a Deus de forma contrária à Palavra que Ele mesmo inspirou. Bem, isto, posto, afirmo que não sou contra a dança, desde que seja feita de forma contextualizada e fora do momento de louvor com música. O que não dá, é no meio da adoração tirar a atenção daquele que nos salvou, focando num bando de dançarinos despreparados, achando que aquilo que fazem é expressão de arte. Ora, se querem dançar, que o façam em momentos diferentes através de ritmos diferentes e com roupas menos esquisitas.

Levitas

Desde que me converti tenho ouvido por parte de alguns líderes evangélicos que aqueles que ministram o louvor com música na Igreja são levitas do Senhor. Como já escrevi anteriormente algumas comunidades evangélicas tem uma enorme facilidade de judaizar o Evangelho de Cristo. Vale à pena ressaltar que em nenhum lugar do Novo Testamento encontramos a referência de que ministros de louvor, cantores ou instrumentistas sejam considerados como levitas do Senhor. Dentro deste contexto gostaria de reproduzir parte do excelente artigo escrito pelo pastor Natanael Rinaldi, apologista do Centro Apologético Cristão de Pesquisas. Segundo Rinaldi o conceito de "levita" foi tomado por empréstimo de Israel e do Velho Testamento. Originalmente, "levita" significa "descendente de Levi", que era um dos 12 filhos de Jacó. Os levitas começaram a se destacar entre as 12 tribos de Israel por ocasião do episódio do bezerro de ouro. Quando Moisés desceu do monte e viu o povo entregue à idolatria, encheu-se de ira e cobrou um

posicionamento dos israelitas. Naquele momento, os descendentes de Levi se manifestaram para servirem somente ao Senhor (Êx 32:26). Daí em diante, os levitas se tornaram ministros de Deus. Dentre eles, alguns eram sacerdotes (família de Aarão) e os outros, seus auxiliares. Embora os sacerdotes fossem levitas, tornou-se habitual separar os dois grupos. Então, muitas das vezes em que se fala sobre os levitas no Velho Testamento, a referência se aplica aos ajudantes dos sacerdotes. Seu serviço era cuidar do tabernáculo e de seus utensílios, inclusive carregando tudo isso durante a viagem pelo deserto (Nm 3, 4, 8, 18). Naquele tempo, os levitas não eram responsáveis pela música no tabernáculo. Muito tempo depois, Davi inseriu a música como parte integrante do culto. Afinal, ele era músico e compositor desde a sua juventude (I Sm 16:23). Então, atribuiu a alguns levitas a responsabilidade musical. Em I Crônicas (9:14-33; 23:1-32; 25:1-7), vemos diversas atribuições dos levitas. Havia então entre eles porteiros, guardas, padeiros e também cantores e instrumentistas (II Crónicas 5:13; 34:12). Em se tratando o título levita ao Antigo Concerto não é próprio chamarmos os músicos e cantores como integrando um corpo ministerial estranho ao Novo Concerto, até porque, segundo as Sagradas Escrituras todos aqueles que confessam a Cristo foram feitos por Ele, reis e sacerdotes. Portanto afirmar que os músicos são levitas do Senhor afronta de modo substancial o ensinamento bíblico e cristão.

Toque do Shofar

Confesso que tenho ficado perplexo com algumas das novas práticas evangélicas. Ultimamente tem sido comum encontrar em alguns dos nossos arraiais ênfases a um evangelho judaizante, isto porque, parte dos denominados discípulos de Cristo têm introduzido práticas veterotestamentárias nos cultos e liturgias de nossas igrejas. Na verdade, tais pessoas têm declarado que tal método doutrinário é uma revelação de Deus a igreja contemporânea, cujo slogan é "Sair de Roma e voltar para Jerusalém" Nesta perspectiva o toque do shofar tem sido inserido em nossos cultos, isto porque, segundo os adeptos do "berrante judaico", o simples fato de tocá-lo atrai a igreja à presença de Deus. Para os judeus messiânicos o toque do Shofar, anuncia um tempo para arrependimento, do juízo de Deus e da volta de Cristo, além obviamente de proporcionar o despertar de um grande avivamento espiritual. Caro leitor, como já afirmei inúmeras vezes, não existem pressupostos bíblicos para que a igreja de Cristo, queira "recosturar" o véu do templo. Entretanto, alguns dos crentes atuais teimam em transformar em realidade aquilo que deveria ser uma simples sombra. Foi o Apostolo Paulo quem afirmou: "Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados. Estas são sombras das coisas futuras; a realidade, porém, encontra-se em Cristo", Colossences 2.16-17. As leis cerimoniais judaicas, os ritos sacrificiais, as festas anuais, foram abolidas definitivamente por Cristo na cruz do Calvário (o significado de cada uma delas se cumpriu em nosso Senhor). Por esse motivo, mesmo os judeus que se convertem hoje ao cristianismo estão dispensados das leis cerimoniais judaicas. É por esta razão que crentes em Jesus, não fazem sacrifícios de animais, não guardam o sábado, não celebram as festas judaicas, e, tampouco, fazem uso do shofar. Nossa mensagem, vida e testemunho deve ser Cristo, o Evangelho pregado deve ser o evangelho de Cristo, nossa mensagem central deve ser para a glória e o engrandecimento do nome de Cristo.

Boate e festas Gospel

Globo espelhado, canhões de luz, estroboscópio e fumaça, fazem parte de um contexto especial onde em nome de Deus, DJs e MCs embalam adolescentes e jovens em suas "danças"

para Jesus. Se não bastasse isso, nos eventos em questão a "pegação" rola solta, onde em clima de azaração e paixão a garotada se diverte beijando na boca. Pois é, antes de qualquer coisa, preciso lhe explicar que não estou falando de uma boate comum e sim da mais nova mania "evangélica", o Night Song Gospel. Infelizmente em nome da contextualização e da necessidade de se modernizar a propagação da Palavra de Deus, tem sido comum por parte de alguns pastores e líderes evangélicos a utilização de estratégias diferenciadas na "evangelização". Lamentavelmente, a cada instante, movidos por poderosas revelações, novas e mirabolantes estratégias tem sido criado na expectativa de arrebanhar para os apriscos da fé, um número cada vez mais significativo de jovens. E é pensando assim que eventos dos mais estranhos possíveis têm sido criados por parte da liderança evangélica neste país, como por exemplo, o aparecimento de boates e discotecas gospel.

Para alguns pastores, boates e discotecas tornaram-se "álibis" indispensáveis para se pregar "as boas novas" de Cristo Jesus. Na verdade, neste Brasil tupiniquim, cada vez mais em nome de uma liberdade cristã, os jovens abandonam a palavra e o discipulado bíblico em detrimento as festas e eventos que celebram efusivamente o hedonismo exacerbado de um tempo pós-moderno. Para piorar a situação, há pouco fiquei sabendo de uma igreja que movida por uma nova estratégia, instituiu uma festa, (obviamente de ênfase gospel), denominada "Festa dos Sinais". A proposta desta festa era proporcionar aos jovens a possibilidade de arrumar um namorado, ou alguém que ainda que momentaneamente pudesse trocar uns deliciosos beijos gospel. É assim que num ambiente de muita música, luzes e euforia, os participantes, colocam visivelmente em seus corpos, broches ou fitas nas cores verde, amarela, ou vermelha. As utilizações destas cores trazem por si só os seguinte simbolismos: Os que usavam o vermelho estavam dizendo em outras palavras sua impossibilidade de contrair uma nova relação; já os que possuíam a cor amarela, afirmavam que estavam interessados em alguma pessoa, não sendo necessariamente alguém da festa, agora, já os que usaram o verde, demonstravam a todos os participantes a sua disponibilidade para uma nova relação. Diante disso, confesso que estou absolutamente boquiaberto e preocupado com os rumos da igreja evangélica brasileira. Isto porque, em detrimento do "novo" têm-se optado por um caminho onde se negocia o que não se pode negociar. Cadê o compromisso com a Santa Palavra de Deus? Onde está o imperioso desejo de se fazer à vontade do Senhor em todos os momentos da vida? Por que será que temos coxeado entre dois pensamentos? Prezado amigo, vale à pena ressaltar que em nenhum momento nós vemos nas Escrituras qualquer tipo de mandamento ou instrução por parte do Senhor de que a Igreja deveria promover entretenimento. A igreja foi chamada para glorificar a Cristo e pregar o Evangelho da Salvação Eterna. Ao fazer de Deus seu instrumento de lazer e descontração, a igreja peca contra o terceiro mandamento tomando o nome do Senhor em vão.

CAPÍTULO 4

Refletindo sobre as músicas tocadas nos cultos evangélicos

"Eu sinto verdadeiro espanto no meu coração em constatar que o evangelho já mudou. Quem ontem era servo agora acha-se Senhor e diz

a Deus como Ele tem que ser

Mas

o verdadeiro evangelho exalta a Deus

ele é tão claro como a água que eu bebi e não se negocia sua essência e

poder se camuflado a excelência perderá!" Grupo Logos

Há pouco participei de um culto onde o momento de louvor com música foi uma pulação só. Depois de mais de uma hora de muitos gritos, saltos e urros espirituais, o pastor imbuído de uma espiritualidade opaca me avisou que o sermão não deveria passar de 10 minutos, isto porque, a hora havia passado e já estava tarde demais. Pois é, ultimamente tenho pensado nas canções cantadas em nossas igrejas. Aliás, vale à pena ressaltar que a esmagadora maioria dos denominados cultos evangélicos dedicam muito mais tempo a música do que qualquer outra coisa. Infelizmente os louvores cantados em nossas reuniões são extremamente antropocêntricos, o que nitidamente se percebe em nossos encontros congregacionais. Para piorar a situação, as músicas cantadas pelos denominados artistas gospel, nem o nome de Cristo mencionam mais. Caro leitor, participar de alguns cultos é um verdadeiro desafio, isto porque as canções entoadas em nossas reuniões são absolutamente desprovidas de boa teologia. Para piorar a situação este tipo de louvor tem se multiplicado a olhos vistos em nossas igrejas. Isso me faz lembrar um filme famoso na década de Os Gremlins é o seu nome! Bom, para os mais novos que nunca ouviram falar num Gremlin deixe-me explicar: Os Gremlins eram bichinhos que se caracterizavam por duas maneiras: A

primeira são os Mogwai, que seria o estágio infantil destes seres, no qual são quase inofensivos, e

o segundo os Gremlins, que são muito perigosos. No filme existem algumas coisas que não podem

ser feitos com um Gremlin. A primeira é que a luz não deve ser administrada diretamente a eles, pois a odeiam: não se deve dar a luz do sol, sob o risco de serem mortos. A segunda é que eles nunca devem entrar em contato com a água, pois quando isso ocorre com um Mogwai, saem bolas de pelos de suas costas, e assim ele se reproduz, em cópias parecidas, porém, mais travessas proporcionando com isso enormes problemas. Caro leitor, sabe que às vezes eu tenho impressão que alguns músicos evangélicos são como os Gremlins? Só que em vez de se multiplicarem tocando na água, se multiplicam ouvindo

música de péssima qualidade. Ora, vamos combinar uma coisa? O que tem de música ruim sendo tocada nas Igrejas evangélicas, não tá no Gibi! Confesso que, ao ouvir algumas dessas canções, às vezes, sinto vontade de chorar! Para inicio de conversa, as letras são horrorosas, a melodia, pobre,

e o ritmo pra lá de brega, aí, meu caro, a coisa complica, não é verdade? No filme de Hollywood a única coisa que podia EXTERMINAR os Gremlins era o brilho da luz do sol. Os bichinhos causadores da destruição alheia odiavam os raios solares. Prezado amigo, sabe de uma coisa? Da mesma forma que a luz trouxe libertação àqueles que sofriam os ataques dos bichos da maldade, tenho impressão que a única coisa que pode acabar com essa onda de terror na musica evangélica brasileira é a iluminação das verdades cristãs mediante a exposição das Escrituras.

CAPÍTULO 5

Os mercadores da música gospel

"A adoração vem antes do serviço, e o Rei, antes dos negócios do Rei." J. Blanchard

O impagável André "Reverbério" compôs uma canção extremamente inteligente satirizando o chamado movimento gospel. De forma descontraída André relata a história de um rapaz que comunica a sua mãe que virou um "crente gospel". Pois é, essa coisa chamada gospel virou febre neste tupiniquim país! A consequência disso é que em nome da espiritualidade a fé bíblica-cristã tem sido comercializada de modo escandaloso. Em nome de Deus, a música e a adoração, passaram a ser vendidas como um produto qualquer em nossos templos. Cantores, cantoras em nome do ministério, estipulam valores altíssimos, para adorar aquele que é digno de todo louvor. Há pouco, soube de uma cantora famosa que cobrara "X" para cantar numa igreja, no entanto, a cláusula contratual afirmava claramente que se a igreja desejasse que ela cantasse canções do seu novo CD, o preço seria "Y". Um querido amigo relata uma triste experiência que teve ao tentar marcar um evento com uma famosa cantora gospel, a qual é reproduzida abaixo:

"Certa feita a minha igreja teve a oportunidade de entrar em contato com determinada agência de promoções e eventos para saber as condições necessárias para se realizar um evento com certa "cantora" gospel e sua banda. A famosa "cantora" apresentou então entre as muitas exigências para se "louvar a Deus" em um evento evangélico, um carro novo com ar condicionado exclusivo para ela e seu marido, com motorista particular. Exigiu ainda, passagem aérea para 14 pessoas unicamente por uma famosa empresa de aviação. Exigiu também, duas vans: uma com 16 lugares para o transporte de sua equipe e outra para os equipamentos. Hospedagem em um hotel com categoria máxima, e um quarto diferenciado para a "ela" e seu marido. Determinou que suas refeições não fossem no hotel, mas em um restaurante que disponibilizasse o seu café da manhã, almoço, jantar e lanche da tarde. Exigiu, que os equipamentos utilizados no show estivessem de acordo com o seu padrão "gospel" de ser. Como se todas essas exigências não bastassem, a cantora ainda cobrou pela "apresentação" o valor de R$ 25.000,00. Isso mesmo, Vinte e Cinco Mil Reais por cerca de uma hora à uma hora e meia de "show". E mais, exigiu que nenhuma gravação em áudio, vídeo ou qualquer outro meio fosse realizado, seja parcial ou integral do seu 'show'." Pois é, disto fico a pensar com os meus botões: onde está Jesus nessa história toda? Jesus nos dá a salvação como um presente, mas uma cantora cobra R$ 25,000,00 para dar uma hora de música? Lamentavelmente o número de cantores evangélicos cobrando nababescos caches é um verdadeiro absurdo! Infelizmente essa coisa chamada gospel virou febre em nossa nação! A consequência disso é que em nome da espiritualidade a fé bíblico-cristã tem sido comercializada de modo escandaloso. Em nome de Deus, a música e a adoração, passaram a ser vendidas como um produto qualquer em nossos templos. Cantores, cantoras em nome do ministério, estipulam valores altíssimos, para adorar aquele que é digno de todo louvor. Isso me faz lembrar o episódio em que Jesus entrou no templo com azorrague nas mãos derramando o dinheiro dos cambistas no chão. "E encontrou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas e também os cambistas assentados; tendo feito um azorrague de cordas, expulsou a todos do templo, bem como as ovelhas e os bois; derramou pelo chão o dinheiro dos

cambistas, virou as mesas, e disse aos que vendiam as pombas: tirai daqui estas coisas, não façais da casa de meu Pai casa de negócio." Jo 2:14-16 No texto em questão a Bíblia nos mostra um Jesus indignado, isto porque, os valores da Casa de Deus tinham sido absolutamente distorcidos. Vendiam-se tudo que se era possível para o sacrifício. Na verdade eles estavam muito mais preocupados com o lucro do que com o sacrifício em si. Repare que Jesus repreendeu os que vendiam as pombas (vs 16), isto se deve ao fato das pombas serem geralmente oferecidas como sacrifício pelos mais pobres. Jesus aqui combate também a espoliação dos menos favorecidos pelos exploradores da fé. Sim, combate o enriquecimento de alguns em detrimento da religiosidade de outros. O Interessante é que ele joga o dinheiro no chão. Isto nos leva a entender de que o lugar que dinheiro deve estar é bem longe da cabeça e do coração. Dinheiro tem que estar no chão! Debaixo dos nossos pés, submetido inteiramente a Deus. Caro leitor, por favor, pare, pense e responda: Qual a diferença dos chamados artistas gospel para os artistas seculares? Ambos não cobram caches? Qual a diferença das músicas cantadas? Ambas não são para entretenimento do ouvinte? Qual a diferença entre seus fãs clubes? Ambos não adoram seus ídolos? E quanto as suas canções? Não são ambas antropocêntricas? Ora, vamos combinar uma coisa? Esta história de artista gospel é uma verdadeira vergonha. Afirmar que seus shows fazem parte de um ministério cristão é no mínimo afrontar o conceito bíblico de serviço. Isto, posto, repudio veementemente os que em nome Deus se locupletam da fé pública cobrando valores imorais por seus shows e apresentações.

"Ao contrário de muitos, não negociamos a Palavra de Deus visando lucro; antes, em Cristo falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus." II Coríntios 2.17

CAPÍTULO 6

Rádio!

Um termômetro da fé evangélica no Brasil

"Afirmo que a maior tragédia do mundo de hoje é que Deus fez o homem à Sua imagem e o criou para adorá-lo, formou-o para tocar a harpa da adoração diante de Sua face, dia e noite, mas ele falhou, deixando cair a harpa; e ela jaz sem som a seus pés."

A. W. Tozer

Confesso que não possuo o hábito de ouvir rádio evangélica. Todavia, depois de um bom tempo sem ouvi-las, resolvi sintonizar o dial em algumas delas. Trinta minutos depois já havia desistido, isto porque, num curto espaço de tempo, ouvi pregações distorcidas, canções estereotipadas, manifestações politiqueiras dos pilantras da fé, além de decretos e determinações contrárias as Sagradas Escrituras. Aliás, o cara para ouvir algumas rádios evangélicas necessita de

uma dose extra de paciência, até porque, as letras e melodias tocadas são uma verdadeira afronta ao bom gosto. Ora, antes que alguém me excomungue não estou deforma alguma desfazendo deste veículo de comunicação. Sei da importância dos meios de comunicação em massa e louvo a Deus por termos alguns destes em nossas mãos, entretanto, prefiro ouvir bons CDs de gente que com certeza está compromissada com evangelho, do que dedicar o meu precioso tempo a programações que manipulam a fé do povo de Deus. Na minha perspectiva as Rádios Evangélicas funcionam como um tipo de termómetro do evangelicalismo brasileiro. Basta olharmos para a programação musical das principais rádios evangélicas do Brasil, que teremos um diagnóstico preciso de como anda a Igreja Evangélica brasileira. Infelizmente as músicas tocadas, além, obviamente, das pregações ministradas pelos "apóstolos" e profetas da fé, apontam de forma nítida e eficaz para o fato de que o evangelicalismo brasileiro encontra-se febril e enfermo. Ouso afirmar que a "livre concorrência" entre algumas destas comunidades cristãs, tem levado seus líderes a adotarem estratégias semelhantes às utilizadas por empresas de marketing que tem por objetivo final "comercializar" seus produtos no mercado. Na verdade, para estas a preferência dos fiéis determina a dinâmica dos discursos religiosos e das práticas a eles relacionados. Como já escrevi anteriormente, o Brasil nos últimos anos tem sido vitima de alguns apagões, os quais proporcionaram seríssimos problemas a toda sociedade brasileira. No que tange ao Cristianismo, vivemos hoje um sério apagão teológico, onde os mais variados distúrbios doutrinários são observados a começar por essa famigerada onda apostólica. Pois é, por acaso você já reparou que tudo que esse povo faz é apostólico? Louvor apostólico, palavra apostólica, rede apostólica, namoro apostólico, casamento apostólico, dízimo apostólico e muito mais. Se não bastasse isso, nunca vi tanto tipo de unção diferente entre os evangélicos. Basta ligarmos nossos rádios que ouviremos sobre a unção do riso e outras tantas outras mais. Para piorar a situação, as rádios difundem heresias como crentes de segunda classe; troca de anjo da guarda; arrebatamento ao 3° céu; festa dos sinais; night gospel song; sal grosso pra espantar mal olhado; maldições hereditárias; encostos; óleo ungido pra arrumar namorado; sessões do descarrego; coronelismo apostólico, música para o diabo, atos proféticos descabidos e burrificados, dentre tantas outras coisas mais, que infelizmente tornaram-se marcas negativas dessa geração. Caro leitor, as práticas litúrgicas por parte da igreja evangélica brasileira fazem-nos por um momento pensar que regressamos aos tenebrosos dias da idade média, até porque, nesses dias, como no século XVI a mercantilização da fé, bem como as manipulações religiosas por parte de pseudoapóstolos, se mostram presentes. Confesso que não sei aonde vamos parar. Ao pensar nas aberrações descritas, sinto-me inquieto com os rumos da igreja brasileira. Até porque, em nome de uma espiritualidade burra, oca e egoísta, centenas de "pastores" movidos pela ganância e o poder, têm corrido desenfreadamente a procura de títulos cada vez mais aberrativos. Infelizmente a apostolização moderna tem feito de muitos destes, pequenos reis, os quais em cerimónias nababescas são coroados como tais.

A febre do gospel, o mercantilismo podre na vida de muitos, me enojam substancialmente. Há pouco soube por intermédio de um pastor amigo, que uma famosa cantora gospel, tinha no seu staff uma pessoa cuja opção sexual é declaradamente contra o padrão de sexualidade posto nas Escrituras Sagradas. Sinceramente, não sei onde vamos parar. Sem sombra de dúvidas parte da igreja evangélica brasileira encontrasse gravemente enferma!

Confesso que não suporto mais o misticismo e dualismo promovido pelos gurus da batalha espiritual, não aguento mais ouvir as loucuras dos profetas da mentira, os quais escravizam o rebanho de Deus com heresias das mais hediondas, elaborando mapas, ungindo e urinando nos quatro cantos da cidade. Para piorar a coisa, tais práticas doutrinárias encontraram uma enorme aceitabilidade por parte da sociedade, e isto se deve ao fato de que as pessoas deste tempo, buscam desesperadamente por experiências e não a verdade. Infelizmente estamos vivendo um tempo de paganização, onde cultos se fundamentam em impressões e achismos. Na verdade, o que determina o sucesso do culto não é mais a Palavra, mas o gosto da freguesia.

CAPÍTULO 7

Cuidado com o veneno

"Voltou Eliseu para Gilgal Havia fome naquela terra, e, estando os discípulos dos profetas assentados diante dele, disse ao seu moço: Põe a panela grande ao lume e faze um cozinhado para os discípulos dos profetas. Então, saiu um ao campo a apanhar ervas e achou uma trepadeira silvestre; e, colhendo dela, encheu a sua capa de colocíntidas; voltou e cortou-as em pedaços, pondo-os na panela, visto que não as conheciam. Depois, deram de comer aos homens. Enquanto comiam do cozinhado, exclamaram: Morte na panela, ó homem de Deus! E não puderam comer. Porém ele disse: Trazei farinha. Ele a deitou na panela e disse: Tira de comer para o povo. E já não havia mal nenhum na panela."

2 Reis 4:38 - 41

Se eu te desse um copo d'água com algumas gotas de veneno você beberia? Claro que não, não é verdade? Pois é, tem muita gente bebendo teologia contaminada por heresias na igreja evangélica brasileira. Lamentavelmente existem inúmeras pessoas comendo colocíntidas em nossos arraiais ingerindo sem perceber, veneno para a alma. Há alguns anos estava em Brasília participando de um evento, quando no intervalo entre uma palestra e outra, fui a uma lanchonete comprar um refrigerante. Lembro que paguei a bebida com uma nota de cinquenta reais, recebendo a seguir o troco da compra. Peguei o dinheiro, e quando ia guardá-lo na carteira, um amigo olhando as notas em minhas mãos, percebeu que uma delas era falsa. Ao ver tanta convicção em suas palavras perguntei:

- "Como você tem certeza disso?" Ele me respondeu: - "Trabalhei muitos anos como comerciante e conheço bem uma nota verdadeira. Só de olhar eu sei quando uma nota é falsa." Naquele mesmo instante pensei na igreja evangélica brasileira que por desconhecer as Sagradas Escrituras tem se deixado levar por inúmeras heresias. Pois é, sem sombra de dúvidas vivemos dias difíceis onde às heresias se multiplicam a olhos vistos. Uma das mais sucintas e discretas é o unicismo pregado por alguns grupos denominados evangélicos que se dizem a voz da sabedoria e da verdade. Tais grupos tem se infiltrado nas igrejas evangélicas negando descaradamente a doutrina da TRINDADE o que para nós cristãos é uma doutrina fundamental e inquestionável. Os unicistas, como são denominados aqueles que negam a Trindade, fundamentam sua crença em duas verdades bíblicas. Estas bases bíblicas são usadas como fundamentos sobre o ponto de vista que tem de Deus e Jesus Cristo. A primeira verdade bíblica é que há somente um Deus e que Jesus é Deus. Destas duas verdades, os Unicistas deduzem que Jesus Cristo é Deus em

sua totalidade, sendo assim, Jesus tem que ser o Pai, o Filho e o Espírito Santo, rechaçando a doutrina da Trindade. Caro leitor, a Igreja, através dos séculos, sempre ensinou que dentro da unidade do único Deus existem três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo; e estas três pessoas compartilham da mesma natureza e atributos; então, com efeito, estas três são o único Deus. Todavia a teologia unicista ensina que Jesus Cristo é o Pai encarnado, e que o Espírito Santo é Jesus Cristo também negando com veemência a doutrina da Trindade. Para piorar a situação os adeptos do unicismo negam o batismo em nome da Trindade, batizando somente em nome de Jesus. O Centro Apologético Cristão de Pesquisa através do presbítero da Assembleia de Deus, Paulo Cristiano, traz um breve relato histórico desta prática herética de batizar somente em nome de Jesus:

"Essa doutrina surgiu em uma reunião pentecostal das igrejas Assembleias de Deus, realizada em abril de 1913, em Arroyo Seco, nos arredores de Los Angeles, na Califórnia, numa cerimonia de batismo. O preletor, R. E. McAlister, disse que os apóstolos batizavam em nome do Senhor Jesus e não em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e quando as pessoas ouviram isso ficaram atónitas. McAlister foi notificado que seu ensino possuía elementos heréticos. Ele tentou esclarecer sua prédica, mas ela já havia produzido efeito. Um de seus ouvintes era John Sheppe que após aquela mensagem, passou uma noite em oração, refletindo a mensagem de McAlister e concluiu que Deus havia revelado o batismo verdadeiro que seria somente em nome de Jesus. Também Franck J. Ewart, australiano, adotou essa doutrina e em 15 de abril de 1914 levantou uma tenda em Belvedere, ainda nos arredores de Los Angeles, e passou a pregar sobre a fórmula batismal de Atos 2.38. Comparando com Mt 28.19, chegou à conclusão de que o nome de Deus seria então somente o nome Jesus. É verdade que o batismo somente no nome de Jesus era praticado por pastores pentecostais como Howard Goss e Andrew Urshan, mas foi somente com Franck J. Ewart que o batismo em nome de Jesus desenvolveu teor teológico próprio. Assim, em 15 de abril de 1914, Franck J. Ewart e Glenn Cook se batizaram mutuamente com a nova fórmula. Esse movimento começou então a crescer em cima dessa polémica e ficou conhecido por vários nomes como: Nova Questão, movimento Somente Jesus, o Nome de Jesus, Apostólico, ou Pentecostalismo Unicista." Caro leitor, a essência da doutrina unicista é a centralização no nome de Jesus. Os teólogos unicistas entendem que a expressão em nome, de Mateus 28.19 referindo ao Pai, Filho e Espírito Santo são apenas nomes singulares de Jesus. Assim, o que parecia ser apenas uma polémica referente à fórmula batismal resultou na negação da doutrina da Trindade. Os unicistas não aceitam a pluralidade de pessoas na unidade divina, qualquer referência à ideia de Trindade eles interpretam como sendo várias manifestações de Deus ou de Jesus. Logo não são contra a Trindade pelo fato de não crer que Jesus seja Deus, mas ironicamente pelo fato de crer que Deus é só Jesus. Isto, posto, rogo aos irmãos, que tomem todo cuidado para não beberem de qualquer fonte, até porque, sem que percebam ou se deem conta, poderão beber veneno para alma.

CAPÍTULO 8

O que fazer então?

"A adoração é a submissão de toda nossa natureza a Deus. É a vivificação da consciência mediante Sua santidade, o nutrir da mente com Sua verdade, a purificação da imaginação por Sua beleza, o abrir do coração ao Seu amor e a entrega da vontade ao Seu. propósito." William Temple

Depois de ter lido as críticas deste livro sobre o atual momento da música evangélica brasileira, possivelmente você esteja perguntando a si mesmo: O que podemos fazer diante de tantas aberrações e discrepâncias teológicas? Será que existe um jeito ou uma forma de regressarmos a simples, porém, profunda mensagem da Cruz? Ora, claro que sim! Não possuo a menor sombra de dúvidas de que isso é possível, para tanto, torna-se necessário que observemos os seguintes pontos:

Precisamos voltar as Escrituras

Esse é o ponto primordial e fundamental da discussão. O fato de a igreja evangélica brasileira ter relativizado as Escrituras contribuiu em muito para o adoecimento de sua teologia. Um exemplo claro disso são as canções compostas pelos nossos músicos. Infelizmente os louvores ministrados em nossas assembleias, estão recheados de grotescos desvios teológicos, simplesmente pelo fato de que a Bíblia foi trocada pelas experiências pessoais. Caro leitor. À luz desta afirmação, tenho a impressão que o chamado movimento gospel, sem que percebesse, criou através de sua liturgia um novo sacramento, denominado louvor. Para estes, ainda que inconscientemente, a adoração com música transformou-se num meio de graça, onde mediante canções distorcidas teologicamente, os crentes são levados a um estado de catarse. Ora, creio veementemente que boa parte dos nossos problemas eclesiásticos se deve ao fato de termos abandonado a margem da existência, as Escrituras; e que se desejarmos mudar este contexto, necessitamos regressar a Bíblia fazendo dela nossa única e exclusiva regra de fé. Não tenho a menor dúvida de que somente a Bíblia Sagrada é a suprema autoridade em matéria de vida e doutrina; só ela é o árbitro de todas as controvérsias, como também a norma para todas as decisões de fé e vida. É indispensável que entendamos que a autoridade da Escritura

é superior à da Igreja, da tradição, bem como das experiências místicas adquiridas pelos crentes. O reformador João Calvino costumava dizer que o verdadeiro conhecimento de Deus está na Bíblia, e de que ela é o escudo que nos protege do erro. Além disso, também vale à pena ressaltar a infalibilidade da Bíblia. A Bíblia não contém erros. Ela é correta em tudo o que declara, visto que Deus não mente ou erra. Tudo aquilo que

nela está escrito é a mais pura verdade. Jesus disse que "a Escritura não pode ser anulada" , e que

é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei" A Bíblia sozinha ensina tudo o que é necessário para nossa salvação do pecado, ela é o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado. Nenhum credo, concílio ou indivíduo tem o poder de constranger a consciência do crente em Jesus contrariando aquilo que está exposto na Bíblia. Diante destas maravilhosas afirmativas asseguro sem a menor sombra de dúvidas que todo o conteúdo das Escrituras foi inspirado pelo Senhor, o que nos dá plena convicção de que não existe nenhum equivoco em denominar a Bíblia como "a Palavra de Deus". Isto, posto, concluo

que não existe nenhum outro modo de se conhecer a Deus, superior ao estudo das Escrituras, como também, não existe nenhuma outra fonte de informação sobre Deus mais precisa, acurada e compreensiva que a Sua Palavra.

Precisamos cantar as Escrituras

Nada melhor do que cantar a Bíblia não é verdade? À luz desta percepção julgo que seja necessário com que a igreja de Jesus cante as Escrituras regressando aos temas centrais do Evangelho, entoando em seus cultos canções que falam do pecado, da expiação, do sacrifício

vigário de Cristo, da vida eterna, do juízo vindouro, além é claro de outras doutrinas importantes de nossa fé.

O príncipe dos pregadores Charles Haddon Spurgeon costumava dizer que ansiava pelo

avivamento de antigas doutrinas :

"Queremos um avivamento das antigas doutrinas. Não conhecemos uma doutrina bíblica que, no presente, não tenha sido cuidadosamente prejudicada por aqueles que deveriam defendê-la. Há muitas doutrinas preciosas às nossas almas que têm sido negadas por aqueles cujo ofício é proclamá-las. Para mim é evidente que necessitamos de um avivamento da antiga pregação do evangelho, tal como a de Whitefield e de Wesley. As Escrituras têm de se tornar o infalível alicerce de todo o ensino da igreja; a queda, a redenção e a regeneração dos homens precisam ser apresentadas em termos inconfundíveis." Caro amigo, se desejarmos vivenciar um avivamento em terras tupiniquins mais do que nunca necessitamos regressar à Palavra de Deus, cantando-a em nossos encontros dominicais, fazendo dela nossa única regra de fé, prática e comportamento, até porque, somente assim conseguiremos corrigir as distorções evangélicas que tanto nos tem feito ruborizar.

Precisamos fortalecer a Escola Bíblica Dominical

Ao ler este tópico talvez você esteja se perguntando: Como assim? Qual a relação entre música e louvor na Igreja e escola bíblica dominical? Toda. Creio eu que um dos motivos de estarmos cantando músicas esquisitas em nossos cultos se deve ao fato de termos relativizado a escola Bíblica dominical.

O que hoje chamamos de Escola Bíblica Dominical teve como fundador o jornalista Robert

Raikes (1735-1811). Raikes era natural da cidade de Gloucester, Inglaterra, e em 1757, aos vinte e

dois anos, sucedeu o pai como editor do Gloucester Journal, um periódico voltado para a reforma das prisões. Nesta pequena cidade inglesa, onde vivia, a delinquência infantil era um problema que parecia insolúvel. Menores trabalhavam em minas de carvão de segunda a sábado, tinham pouca ou nenhuma escolaridade, comportavam-se mal e envolviam-se em todo tipo de delitos e confusões. Raikes, preocupado com o que via começou a convidar os pequenos transgressores para que se reunissem todos os domingos para aprender a Palavra de Deus. Juntamente com o ensino religioso, aprendiam disciplinas seculares, como matemática, história e inglês. Vale à pena ressaltar que nessa época, estava ocorrendo na Inglaterra um avivamento, com sua forte ênfase social.

A ideia de Raikes rapidamente se alastrou pelo país. Apenas cinco anos mais tarde, em

1785, foi organizada em Londres uma sociedade voltada para a criação de escolas dominicais. Um ano depois, cerca de 200.000 crianças estavam sendo ensinadas em toda a Inglaterra. No princípio os professores eram pagos, mas depois passaram a ser voluntários. Da Inglaterra a instituição foi para o País de Gales, Escócia, Irlanda e Estados Unidos. No Brasil a Escola Bíblica Dominical foi fundada pelos Congregacionais Robert e Sarah Kalley em Petrópolis, no dia 19 de agosto de 1855. Sarah Kalley havia sido grande entusiasta desse movimento na sua pátria, a Inglaterra. A primeira escola dominical presbiteriana foi iniciada pelo

Rev. Ashbel Green Simonton em maio de 1861, no Rio de Janeiro. Reunia-se nos domingos à tarde, na Rua Nova do Ouvidor. Essa escola aparentemente foi organizada de modo mais formal em maio de 1867. Um evento comum em muitas igrejas presbiterianas brasileiras nas primeiras décadas do século 20 era o "Dia do rumo à escola dominical", quando se fazia um esforço especial para trazer um grande número de visitantes. Mais de 150 anos se passaram desde que os Kalley organizaram a EBD no Brasil, e de lá para cá muita água passou debaixo da ponte. Sem titubeios afirmo que inúmeras gerações foram impactadas pelo ensino das doutrinas bíblicas nas salas de aula das escolas dominicais esparramadas pelo nosso imenso território nacional. Hoje, em detrimento a pós modernidade, o que era absoluto foi relativizado. Os que outrora pregavam sobre a importância da EBD, não o fazem mais. Para piorar a situação, os crentes optaram por fazer do domingo o seu dia de lazer deixando em segundo plano o estudo da Palavra de Deus. Ouso afirmar que a igreja do século XXI é menos preparada e qualificada a explicar a razão da sua fé aos incrédulos do que as gerações passadas. Como já escrevi anteriormente parte da igreja brasileira, prefere shows e entretenimento gospel a dedicar tempo estudando a Bíblia numa escola dominical. A consequência direta disso é a multiplicação de doutrinas espúrias. Tenho percebido que em vários lugares deste país, as igrejas abandonaram o hábito de se reunirem aos domingos em Escola Bíblica Dominical. Segundo, os pastores que mudaram suas rotinas eclesiásticas de suas comunidades, as razões para tal se devem ao novo mundo em que vivemos que por razões obvias exige mais dos seus cidadãos, o que impossibilita ida do crente a igreja duas vezes no mesmo dia. Bom, até entendo que o mundo é outro, e que alguns conceitos precisam ser revistos, todavia, será que o fato de negligenciarmos o ensino bíblico não aponta para uma inversão na escala de valores do cristão? Será que a pós modernidade e os conceitos filosóficos do hedonismo não têm contribuído diretamente por um cristianismo mais light onde o que importa é o desenvolvimento de uma relação com um Cristo bonachão? E o movimento gospel? Não tem ele contribuído para a banalização da fé em Cristo? Caro leitor, tenho plena convicção de que a Igreja de Cristo precisa regressar a Palavra. Para tanto, tornasse indispensável que reconheçamos que não nos será possível construirmos um cristianismo relevante em nosso país sem que conheçamos as doutrinas cristãs. Isto, posto, oro na expectativa de que os pastores da igreja evangélica brasileira não negligencie a Escola Bíblica Dominical, antes pelo contrário, incentivem os membros de suas comunidades locais a dedicarem suas vidas ao estudo da Palavra de Deus, até porque, agindo assim evitaremos alguns desvios doutrinários e comportamentais.

Precisamos voltar às verdades da cruz

"Tomaram eles, pois, a Jesus; e ele próprio, carregando a sua cruz, saiu para o lugar chamado Calvário, Gólgota em hebraico, onde o crucificaram e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio." Jo 19:17-18 Parte das igrejas evangélicas brasileiras tem pregado um evangelho muito diferente do evangelho da Bíblia. Em dias tenebrosos como os nossos, muito se tem falado sobre vitória, bênçãos e prosperidade, contudo, quase não ouvimos mais pregações sobre a centralidade da Cruz. O pastor anglicano John Stott certa vez afirmou que um dos mais graves equívocos da igreja evangélica é querer um cristianismo sem cruz. Caro leitor, a cruz de Cristo deve ser a nossa mensagem central. A morte do Cordeiro que tira o pecado do mundo deve ser a nossa proclamação. O sangue justo derramado na cruz a favor dos eleitos deve ser a nossa ênfase principal. A cruz é o centro da história do mundo. A

encarnação de Cristo e a crucificação de nosso Senhor são o centro ao redor do qual circulam todos os eventos de todos os tempos. Como bem afirmou John Stott, qualquer pessoa que investigue o cristianismo pela primeira vez ficará impressionada pelo destaque extraordinário que os seguidores de Cristo dão a sua morte. No caso de todos os outros grandes líderes espirituais, a morte deles é lamentada como fator determinante do fim de suas carreiras. Não tem importância em si mesma; o que importa é a vida, o ensino e a inspiração do exemplo deles. Com Jesus, no entanto, é o contrário. Seu ensino e exemplo foram, na verdade, incomparáveis; mas, desde o princípio, seus seguidores enfatizaram sua morte. Além disso, quando os evangelhos foram escritos, os quatro autores dedicaram uma quantidade de espaço desproporcional à última semana de vida de Jesus na terra – no caso de Lucas, um quarto; de Mateus e Marcos, cerca de um terço; e de João, quase a metade. Oh! Quão maravilhosa é a mensagem da Cruz! Como diz a clássica canção: "Sim eu amo a mensagem da cruz, até morrer eu a vou proclamar, Levarei eu também minha cruz, até por uma coroa trocar."

CAPÍTULO 9

Grandes coisas tem feito o Senhor

"Grande é o Senhor e mui digno de louvor, na cidade do nosso Deus seu Santo monte, alegria de toda terra. Grande é o Senhor em quem nós temos a vitória e que nos ajuda Contra o inimigo, por isso diante Dele nos prostramos. Queremos o Teu Nome engrandecer e agradecer-Te por Tua obra em nossas vidas. Confiamos em Teu infinito amor pois só Tu és O Deus eterno Sobre toda terra e céus."

Ademar de Campos

Louvo ao Senhor pela sua graça e bondade porque mesmo em meio a um turbilhão de heresias que se multiplica a olhos vistos nesse país, o Senhor tem levantado ministérios como Stênio Marcius, João Alexandre, Nelson Bomilcar, Logos, Vencedores por Cristo, Asaph Borba, Sal da Terra, Atilano Muradas, Josué Rodrigues, Crombie, Palavrantiga, Vineyard, Ademar de Campos, Gerson Borges, isto sem falar em um incontável número de bons músicos desconhecidos pela grande maioria dos evangélicos que tem tocado canções de qualidade nesse "brasilzão" de meu Deus. Bendito seja Deus porque ainda é possível ouvir em nossas igrejas canções cristocêntricas, cujo objetivo final é a glória de Deus! Veja por exemplo essa linda canção composta pelo cantor Stênio Marcius:

"Tapeceiro Grande artista Vai fazendo o seu trabalho Incansável, paciente No seu tear Tapeceiro Não se engana Sabe o fim desde o começo Trança voltas, mil desvios Sem perder o fio Minha vida é obra de tapeçaria É tecida de cores alegres e vivas Que fazem contraste no meio das cores Nubladas e tristes Se você olha do avesso Nem imagina o desfecho No fim das contas Tudo se explica Tudo se encaixa Tudo coopera pró meu bem Quando se vê pelo lado certo Muda-se logo a expressão do rosto Obra de arte pra honra e glória Do Tapeceiro Quando se vê pelo lado certo Todas as cores da minha vida Dignificam a Jesus Cristo O Tapeceiro"

O que falar então das canções entoadas pelos nossos pais? Quantos cânticos maravilhosos podem ser encontrados em nossos hinários? Ora, é impossível não se emocionar ouvindo "Castelo Forte", Rude Cruz, Sossegai, Por que Ele vive" entre tantas outras mais. Caro leitor, meu desejo é que a leitura deste livro possa ter contribuído significativamente para o seu crescimento pessoal, além é claro, de ter servido como divisor de águas em sua vida. Isto, posto, rogo, ao Todo-Poderoso, que as informações adquiridas neste opúsculo, possam ter produzido em seu coração muito mais que meras informações. Na verdade, minha expectativa é que o Espírito do nosso Deus tenha, através de cada palavra, ressuscitado no seu coração a esperança de dias melhores bem como o desejo de ver a Igreja de Cristo servindo ao seu redentor com integridade e compromisso. Naquele que reina soberanamente,

Renato Vargens