Sunteți pe pagina 1din 20

Amebíase

Amebíase
• Agente etiológico: Entamoeba histolytica.
• Reservatório: humanos
• Distribuição: mundial (10% pop mundial)
• Modo de transmissão
– As principais fontes de infecção são a ingestão de
alimentos ou água contaminados por fezes contendo
cistos amebianos maduros.
– Ocorre mais raramente na transmissão sexual devido
a contato oral-anal..
• Ciclo Biológico: Monoxênico
MORFOLOGIA - Trofozoítas

TROFOZOITAS:
- grandes , medem cerca de 20 a 30μm
- núcleo com cariossomo central,
puntiforme de contorno regular
- cromatina periférica organizada,
formando rendilhado com o
cariossomo central (rede de
linina)
- em sua fase patogênica não
forma cistos.
MORFOLOGIA - CISTOS

Cistos:
- esféricos, refringentes e
hialinos
- parede cística delgada de
duplo contorno
- citoplasma com grânulos de
glicogênio
- contém até 4 núcleos
AÇÃO PATOGENICA: colonização

Aderência/citólise

fagocitose

enzimas proteolíticas
destruição de tecidos
reação inflamatória

invasão da mucosa disseminação


Amebomas (através da
Ulcerações
Abscesso
circulação sg) para
outros órgãos
lectinas
PATOGENIA
• Formas Assintomáticas
• Amebíase intestinal:
- Desinteria amebiana: dor abdominal com febre,
evacuações freqüentes (10 a 20 /dia) , fezes líquida e
mucosanguinolentas
– Colite amebiana: estados febris leves, fadiga e perda de peso,
evacuações diarréicas ou não ( 5 a 6/dia). Alternância - processo
de agudização

• Amebíase extra-intestinal (5% dos casos)


- Hepático
- Pulmonar
- Cerebral
- Cutâneo (períneo…)
Entamoeba histolytica in an inflamed appendix

Periodic acid–Schiff stain, showing trophozoites (arrowed) within an


inflammatory infiltrate
PATOGENIA
• AMEBIASE EXTRA-INTESTINAL : ruptura do
equilibrio parasita-hospedeiro
– Interação do parasita c/ micriobiota intestinal
– Variabilidade na virulência da cepa infectante
– “Dieta” do hospedeiro (vegetais e carboidratos)
– Estado imunológico do paciente

•Granulomas amebianos
(amebomas) na parede do
intestino grosso,
•Abcesso hepático,
pulmonar ou cerebral,
pericardite,
•colite fulminante com
perfuração. dysentery showing diffuse ulceration of
mucosa
amoebic liver abscess

Patient with amoebiasis liver


absess, with perforation of
abscess through abdominal skin
Forma cutânea

Entamoeba histolytica;
trophozoites in ulcer's edge.
DIAGNOSTICO LABORATORIAL
• Presença de trofozoítos ou cistos de
E. histolytica:
- fezes;
– aspirados ou raspados, obtidos através de
endoscopia ou proctoscopia;
– aspirados de abcessos ou cortes de tecido.
• Imunodiagnóstico (abcesso hepático amebiano)
• A ultrassonografia e tomografia
computadorizada são úteis no diagnóstico de
abcessos amebianos
Exame parasitológico de fezes:
-Direto (fase diarréica)
-Exames de enriquecimento ou concentração
(fase não diarréica): Método de Faust, Método de
Hoffman...

Distribuição de protozoários em relação à consistência das fezes

Consistência Trofozoítos Cistos

Formadas

Pastosas

Liquefeitas ou
aquosas
M étodo de
Método de Faust
Faust ee cols
cols
Pesquisa
Pesquisacistos
cistosde
deprotozo ários eeovos
protozoários ovosleves
levesde
dehelmintos
helmintos
Solução de
Solução desulfato
sulfatode
dezinco
zincode
dedensidade
densidade1:180
1:180
Método
Método de
de Lutz
Lutz ou
ou de
de Hoffman,
Hoffman, Pons
Pons &
& Janer
Janer
Pesquisa
Pesquisade
deovos
ovoseelarvas
larvasde
dehelmintos
helmintos
cistos
cistosde
deprotozoários
protozoários
Tratamento
• Amebicidas de luz intestinal: atuam sobre
trofozoítos
– clorohidroxiquinoleína...
– Antibióticos (eritromicina)
• Amebicidas teciduais:
– cloridrato de emetina e cloroquina
• Amebicidas que atuam em ambas
localizações:
– Derivados imidazólicos (metronidazol,
secnidazol...)
PROFILAXIA

-Melhoria no saneamento
básico
-Tratamento dos doentes
-Lavar alimentos
-Hábitos de higiene...