Sunteți pe pagina 1din 13

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br AULAAULAAULAAULA 10101010 ----
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br AULAAULAAULAAULA 10101010 ----
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br AULAAULAAULAAULA 10101010 ----

AULAAULAAULAAULA 10101010 ---- EXERCÍCIOSEXERCÍCIOSEXERCÍCIOSEXERCÍCIOS

O Método do Custo de Aquisição O Método da Equivalência Patrimonial

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 01010101 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dodododo TesouroTesouroTesouroTesouro NacionalNacionalNacionalNacional ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 1998199819981998

27 - A empresa Dona S/A possui capital social formado por 2 milhões de ações. Nós, a empresa Sócia S/A, possuímos 30% desse capital e avaliamos o nosso investimento pelo Método da Equivalência Patrimonial.

No fim do exercício social a empresa Dona S/A, tendo apurado lucro líquido de R$ 300.000,00, resolveu contabilizar a distribuição de dividendos calculados em 40% deste lucro. O nosso Contador, ao ser comunicado deste fato, promoveu o seguinte lançamento no Diário da empresa Sócia S/A, para registrar o dividendo a ela

distribuído:

a) Dividendos a Receber

a Investimentos Permanentes

a Ações da Empresa Dona S/A

pelo valor que nos cabe como acionista

R$ 36.000,00

b) Dividendos a Receber

a

Receitas de Dividendos

Pelo valor que nos cabe como acionista

R$ 36.000,00

c) Investimentos Permanentes Ações da Empresa Dona S/A

a

Receita da Equivalência Patrimonial

Pelo valor que nos cabe como acionista

R$ 90.000,00

d) Dividendos a Receber

a Receitas de Dividendos

Pelo valor que nos cabe como acionista

e) Dividendos a Receber

a Investimentos Permanentes

a Ações da Empresa Dona S/A

Pelo valor que nos cabe como acionista

Resolução e Comentários

R$ 90.000,00

R$ 36.000,00

Sócia:

Ativo Permanente:

Investimento em Dona --- 30% do PL

Dos 300.000 apurados como lucro, a empresa sócia tem direito a 30%.

Sócia:

Ativo Permanente:

Investimento em Dona --- 30% do PL + “30% x 300.000 = 90.000”

Lançamento a ser realizado na investidora:

D

– Investimentos Permanentes

C

– Receita da Equivalência Patrimonial – 90.000

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br 40% do lucro foram distribuídos como dividendos. Logo:
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br 40% do lucro foram distribuídos como dividendos. Logo:

40% do lucro foram distribuídos como dividendos. Logo:

Lançamento a ser realizado na investidora (Sócia):

Logo: Lançamento a ser realizado na investidora (Sócia): D – Dividendos a Receber – “40% x

D

– Dividendos a Receber – “40% x 30% x 300.000” = “40% x 90.000” = 36.000

C

– Investimentos Permanentes – 36.000

Gabarito: A

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 02020202 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2002200220022002 //// 2222

14 - A Nossa Firma de Comércio S/A comprou, a vista, por R$ 18.000,00, ações equivalentes a 40% do capital social da Cia. Sideral de Indústria. Essa empresa tem um patrimônio líquido formado de:

- Capital Social R$ 40.000,00

- Reservas de Capital R$ 12.000,00

- Reservas de Lucros R$ 8.000,00

O investimento é relevante e deverá ser avaliado pelo método da equivalência patrimonial, para fins de

balanço. Por ocasião da operação de compra acima descrita, a empresa investidora deverá efetuar o seguinte lançamento contábil:

a) Ações de Coligadas Cia. Sideral de Indústria

a

Diversos

a

Bancos conta Movimento

R$ 18.000,00

a

Deságio – Cia. Sideral de Indústria

R$ 6.000,00

R$ 24.000,00

b)

Ações de Coligadas

Cia. Sideral de Indústria

 

a

Diversos

a

Bancos conta Movimento

R$ 18.000,00

a

Ágio – Cia. Sideral de Indústria

R$ 6.000,00

R$ 24.000,00

c)

Diversos

a

Bancos conta Movimento

Ações de Coligadas Cia. Sideral de Indústria

R$ 16.000,00

Ágio – Cia. Sideral de Indústria

R$ 2.000,00

R$ 18.000,00

d) Diversos

a Bancos conta Movimento

Ações de Coligadas Cia. Sideral de Indústria

R$ 16.000,00

Deságio – Cia. Sideral de Indústria

R$ 2.000,00

R$ 18.000,00

e) Ações de Coligadas Cia. Sideral de Indústria

a Bancos conta Movimento

Resolução e Comentários

R$ 18.000,00

O valor patrimonial da investida é tido como um valor inicial para o investimento a ser realizado. Se for

pago valor maior que o valor patrimonial, surge, então, o ágio; caso contrário, surge o deságio.

Situação Inicial:

Investidora:

Caixa – R$ 18.000,00

Investida:

- Capital Social R$ 40.000,00

- Reservas de Capital R$ 12.000,00

- Reservas de Lucros R$ 8.000,00 Total do PL: 60.000,00

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br A investidora adquiriu ações equivalentes a 40% do capital
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br A investidora adquiriu ações equivalentes a 40% do capital
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br A investidora adquiriu ações equivalentes a 40% do capital

A investidora adquiriu ações equivalentes a 40% do capital social da investida por R$ 18.000,00. Logo:

PL da investida: R$ 60.000,00 40% x R$ 60.000,00 = R$ 24.000,00

Investidora:

Bancos Conta Movimento / Caixa – R$ 18.000,00 Investimentos Permanentes – R$ 24.000,00 Deságio – (R$ 6.000,00)

Se a investidora pagou somente R$ 18.000,00, tem-se:

Lançamento na investidora:

D

– Investimento – R$ 24.000,00

C

– Bancos Conta Movimento / Caixa – R$ 18.000,00

C

– Deságio – R$ 6.000,00

Gabarito: A

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 03030303 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal –––– EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2003200320032003

07 - Temos como tarefa observar o Patrimônio Líquido das empresas Hexa Comercial e Hepta Comercial, em 31.12.02, no qual podemos verificar os seguintes elementos:

Rubrica

empresa Hexa

empresa Hepta

Capital social

R$ 150.000,00

R$ 120.000,00

Ações emitidas

15.000 unidades

12.000 unidades

Reservas e lucros

R$ 30.000,00

R$ 12.000,00

Ativo Permanente

R$ 140.000,00

R$ 150.000,00

Investimentos

R$ 72.000,00

R$ 37.000,00

Ações do BB

R$ 10.000,00

R$ 6.000,00

Ações de Hepta

R$ 52.800,00

------------------

No exercício social de 2002:

- a empresa Hexa obteve lucro líquido de R$ 50.000,00;

- a empresa Hepta obteve lucro líquido de R$ 40.000,00;

- a empresa Hexa distribuiu dividendos de 20%; e

- a empresa Hepta distribuiu dividendos de 20%.

Com base nessas informações, ao examinarmos a escrituração da empresa Hexa, devemos encontrar um lançamento assim registrado:

a) Dividendos a Receber

a Ações da Empresa Hepta Comercial

vlr. dividendos a nosso favor R$ 3.200,00

b) Dividendos a Receber

a Receita com Dividendos

vlr. dividendos a nosso favor R$ 3.200,00

c) Ações da Empresa Hepta Comercial

a Dividendos a Receber

vlr. dividendos a nosso favor R$ 3.200,00

d) Dividendos a Receber

a Ações da Empresa Hepta Comercial

vlr. dividendos a nosso favor R$ 4.000,00

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br e) Dividendos a Receber a Receita com Dividendos vlr.
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br e) Dividendos a Receber a Receita com Dividendos vlr.

e) Dividendos a Receber

a Receita com Dividendos vlr. dividendos a nosso favor R$ 4.000,00

Resolução e Comentários

Cálculo da participação da investidora (Hexa) na investida (Hepta):

participação da investidora (Hexa) na investida (Hepta): Valor contábil do investimento (Hexa) / Patrimônio

Valor contábil do investimento (Hexa) / Patrimônio Líquido da Investida (Hepta) = 52.800,00 / 132.000,00 = 0,40

Como encontramos 0,40, trata-se de, no mínimo, investimento em coligada.

Cálculo da relevância:

Valor contábil do investimento (Hexa) / PL da Investidora (Hexa) = 52.800,00 / 180.000,00 = 0,29

A participação é relevante porque seu valor contábil representa mais de 10% do valor do PL da investidora.

Lucro Líquido de Hepta

R$ 40.000,00

Percentual de Dividendos a serem distribuídos

x 20%

Dividendos Distribuídos

R$ 8.000,00

Participação de Hexa

x 40%

Dividendos de Hexa

R$ 3.200,00

Gabarito: A

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 04040404 –––– TécnicoTécnicoTécnicoTécnico dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2003200320032003

08 - No dia 02 de janeiro de 2003, a empresa Participa S.A. adquiriu 80% do capital da empresa Construção Ltda., tomando o seu controle com intenção de permanência, pelo valor de R$ 90.000,00.

Construção Ltda.

Balanço de 30 de Novembro de 2002 Valores em R$

Capital Social

50.000,00

Reserva de Capital

2.000,00

Reserva Legal

1.000,00

Lucro Líquido do Exercício (janeiro a novembro de 2002)

7.000,00

Com base nos dados da empresa Construção Ltda., acima, assinale o lançamento que corresponde a este fato contábil.

Contas

Valores em R$ Débito

Crédito

a)

Carteira de Ações (Realizável LP)

90.000,00

a

Bancos Conta Movimento

90.000,00

b)

Diversos

 

a Bancos Conta Movimento

 

90.000,00

a Investimentos Avaliados pelo PL – Construção Ltda. 48.000,00

Investimentos - Ágio - Construção Ltda.

42.000,00

c)

Diversos

a

Bancos Conta Movimento

90.000,00

Investimentos Avaliados pelo PL - Construção Ltda.

40.000,00

Investimentos - Ágio - Construção Ltda.

50.000,00

d)

Investimento em Ações

90.000,00

a

Bancos Conta Movimento

90.000,00

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br e) Bancos Conta Movimento a Diversos 90.000,00 a
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br e) Bancos Conta Movimento a Diversos 90.000,00 a

e) Bancos Conta Movimento

a Diversos

90.000,00

e) Bancos Conta Movimento a Diversos 90.000,00 a Investimentos Avaliados pelo PL – Construção Ltda.

a Investimentos Avaliados pelo PL – Construção Ltda.

40.000,00

a Investimentos - Ágio - Construção Ltda.

50.000,00

Resolução e Comentários

Se há intenção de permanência, então a participação adquirida deve ser classificada no Ativo Permanente Investimentos.

Cálculo do valor patrimonial da participação:

Patrimônio Líquido da investida = R$ 60.000,00 Percentual de participação da investidora = 80% Valor patrimonial da participação = R$ 48.000,00

Transação realizada:

Valor pago pela participação = R$ 90.000,00 Valor patrimonial da participação = (R$ 48.000,00) Ágio na aquisição da participação = R$ 42.000,00

Balanço Patrimonial da Investidora:

Ativo Permanente Investimento na Empresa Construção Ltda. – R$ 48.000,00 Ágio na aquisição de participações – R$ 42.000,00

Registros:

D

– Investimentos Avaliados pelo PL – Construção Ltda. – R$ 48.000,00

D

– Investimentos - Ágio - Construção Ltda. – R$ 42.000,00

C

– Bancos Conta Movimento – R$ 90.000,00

No lançamento preliminarmente indicado como resposta correta, há uma preposição “a” indevidamente colocada antes de “Investimentos Avaliados pelo PL – Construção Ltda. 48.000,00”, o que gerou a anulação da questão.

Questão Anulada. Gabarito Preliminar: B

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 05050505 –––– TécnicoTécnicoTécnicoTécnico dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2003200320032003

10- Em cada círculo está inscrito o nome de uma empresa. A seta indica participação de uma empresa no capital de outra. No retângulo está o percentual de cada participação.

Alfa 90% 80% Gama Beta 10% 90% 10% Ômega Lâmina
Alfa
90%
80%
Gama
Beta
10%
90%
10%
Ômega
Lâmina

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Assinale a opção correta. a) A empresa Alfa controla
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Assinale a opção correta. a) A empresa Alfa controla

Assinale a opção correta.

a) A empresa Alfa controla indiretamente a empresa Ômega.

b) A empresa Alfa controla indiretamente a empresa Lâmina.

c) A empresa Beta controla a empresa Lâmina.

d) A empresa Beta controla a empresa Ômega.

e) A empresa Gama controla a empresa Beta.

Resolução e Comentários

Gabarito: A

a empresa Beta. Resolução e Comentários Gabarito: A QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 06060606 ––––

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 06060606 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2002000200200000

02 - Em um investimento avaliado pelo método da equivalência patrimonial, a constituição da Reserva de

Reavaliação de Ativo Imobilizado na investida origina o seguinte lançamento na investidora:

a) Débito

de “Ativo

Permanente

- Investimentos”, subgrupo “Reserva

de

Reavaliação

de Coligadas

e

Controladas”

e

crédito

de

“Resultado

do

Exercício”,

subgrupo

“Resultado

Apurado

na

Equivalência

Patrimonial”.

b) Débito do “Patrimônio Líquido” subgrupo “Reserva de Reavaliação de Coligadas e Controladas” e crédito do “Ativo Permanente” subgrupo “Reserva de Reavaliação de Coligadas e Controladas”.

c) Débito de “Resultado do Exercício” subgrupo “Resultado da Equivalência Patrimonial” e crédito de “Ativo Permanente” subgrupo “Investimentos Avaliados pela Equivalência Patrimonial”.

d) Débito de “Ativo Permanente – Imobilizado” e crédito do “Patrimônio Líquido” subgrupo “Reserva de Reavaliação de Coligadas e Controladas”.

e) Débito

de

“Ativo

Permanente

-

Investimentos”

subgrupo

“Investimentos

Avaliados

pela

Equivalência

Patrimonial”

e

crédito

no

“Patrimônio

Líquido”

subgrupo

“Reserva

de

Reavaliação

de

Coligadas

e

Controladas”.

 

Resolução e Comentários

D

– Investimentos – Ativo Permanente

C

– Reserva de Reavaliação em Coligadas e Controladas – Patrimônio Líquido

Gabarito: E

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 07070707 –––– AuditAuditorAuditAuditoror-or--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

05 - O ágio na compra de investimento avaliado pelo método da equivalência patrimonial é determinado pelo

valor pago que exceder

a) ao valor do capital da investidora.

b) ao valor de cotação em bolsa.

c) ao valor do capital da investida.

d) ao valor patrimonial da ação.

e) ao valor do capital e reservas de capital da investida.

Resolução e Comentários

O ágio na compra de investimento avaliado pelo método da equivalência patrimonial é determinado pelo valor pago que exceder ao valor patrimonial da ação.

Gabarito: D

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 08080808 ––––
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 08080808 ––––
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 08080808 ––––

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 08080808 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

06 - Em circunstâncias que determinem situações que configurem a existência de perdas já previstas mas não

contabilizadas pelas coligadas ou controladas, deve ser constituída uma provisão para perdas em Investimentos.

Sobre esse assunto a Instrução CVM 247/96, em seu artigo 12 inciso II, estabelece como perdas potenciais

a) responsabilidade formal ou operacional para cobertura de passivo a descoberto e tendência de perecimento de investimento

b) tendência de perecimento do investimento e elevado risco de paralisação de operações de coligadas e controladas

c) eventos que resultarem em perdas não provisionadas pelas coligadas ou controladas em suas demonstrações contábeis

d) elevado risco de paralisação de operações de coligadas e controladas e responsabilidade formal ou operacional para cobertura de passivo a descoberto

e) perdas decorrentes de sinistros já ocorridos e ainda não registradas contabilmente pela controlada ou coligada

Resolução e Comentários

Artigo 12 da Instrução CVM 247, de 27 de março de 1996

DAS PERDAS PERMANENTES EM INVESTIMENTOS AVALIADOS PELO MÉTODO DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Art. 12 - A investidora deverá constituir provisão para cobertura de:

I - perdas efetivas, em virtude de:

a) - eventos que resultarem em perdas não provisionadas pelas coligadas e controladas em suas demonstrações contábeis; ou

b) responsabilidade formal ou operacional para cobertura de passivo a descoberto.

II - perdas potenciais, estimadas em virtude de:

a) tendência de perecimento do investimento;

b) elevado risco de paralisação de operações de coligadas e controladas;

c) eventos que possam prever perda parcial ou total do valor contábil do investimento ou do montante de créditos contra as

coligadas e controladas; ou d) cobertura de garantias, avais, fianças, hipotecas ou penhor concedidos, em favor de coligadas e controladas, referentes a obrigações vencidas ou vincendas quando caracterizada a incapacidade de pagamentos pela controlada ou coligada. Parágrafo 1º Independentemente do disposto na letra “b” do inciso I, deve ser constituída ainda provisão para perdas, quando existir passivo a descoberto e houver intenção manifesta da investidora em manter o seu apoio financeiro à investida. Parágrafo 2º A provisão para perdas deverá ser apresentada no ativo permanente por dedução e até o limite do valor contábil do investimento a que se referir, sendo o excedente apresentado em conta específica no passivo.

Gabarito: E

Utilizando apenas as informações contidas na tabela abaixo, responda às questões 07 e 08.

Quadro de composição acionária das companhias Mauá e Rondon:

 

Composição do Capital

 

Empresas

Cia.

Cia.

Outros

Total

Itararé

Caxias

Acionistas

de ações

Cia. Mauá

2.000

4.000

4.000

10.000

Cia. Rondon

16.000

2.000

2.000

20.000

Cia. Caxias

35.000

------

15.000

50.000

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 09090909 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

07 - A Cia. Itararé tem uma participação total nas investidas na seguinte ordem:

a) 67% na Cia. Rondon, 30% na Cia. Caxias e 40% na Cia. Mauá

b) 70% na Cia. Rondon, 70% na Cia. Caxias e 38% na Cia. Mauá

c) 70% na Cia. Rondon, 70% na Cia. Caxias e 20% na Cia. Mauá

d) 87% na Cia. Rondon, 70% na Cia. Caxias e 48% na Cia. Mauá

e) 10% na Cia. Rondon, 70% na Cia. Caxias e 40% na Cia. Mauá

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Participações obtidas :
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Participações obtidas :

Resolução e Comentários

Participações obtidas:

Itararé possui : 20% de Mauá 80% de Rondon 70% de Caxias

Caxias possui: 10% de Rondon 40% de Mauá

Logo, a Cia. Itararé possui as seguintes participações totais:

Rondon – 80% (diretamente) + 7% (= 10% x 70%) = 87% Caxias – 70% Mauá – 20% (diretamente) + 28% (= 70% x 40%) = 48%

Gabarito: D

– 20% (diretamente) + 28% (= 70% x 40%) = 48% Gabarito: D QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 10101010 ––––

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 10101010 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

08 - O percentual de participação indireta da Cia. Itararé nas empresas Mauá e Rondon é:

a) 18% na Cia. Mauá e 77% na Cia. Rondon

b) 28% na Cia. Mauá e 20% na Cia. Rondon

c) 28% na Cia. Mauá e 7% na Cia. Rondon

d) 8% na Cia. Mauá e 28% na Cia. Rondon

e) 7% na Cia. Mauá e 70% na Cia. Rondon

Resolução e Comentários

Em Mauá – 70% x 40% = 28% Em Rondon – 70% x 10% = 7%

Gabarito: C

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 11111111 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

09 - De acordo com a Instrução 247/96 da CVM, são consideradas participações societárias equiparadas às

coligadas quando uma sociedade participa da outra

a) com 5% ou mais do capital votante e mais de 20% do Exigível a Longo Prazo sem, entretanto, ocorrer dependência financeira

b) com 5% do capital votante sem, entretanto, controlá-la, independentemente da participação total do capital da investida

c) com 10% ou mais do capital total da investida sem, entretanto, controlá-la, independentemente da participação total no Exigível da investida

d) com 10% ou mais do capital votante exercendo o controle econômico e administrativo, independentemente da participação total do capital da investida

e) com 10% ou mais do capital votante sem, entretanto, controlá-la, independentemente da participação total do capital da investida

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigos 2º e 3º da Instrução
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigos 2º e 3º da Instrução

Resolução e Comentários

justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigos 2º e 3º da Instrução CVM 247, de 27 de março

Artigos 2º e 3º da Instrução CVM 247, de 27 de março de 1.996

DAS COLIGADAS E CONTROLADAS Art. 2º Consideram-se coligadas as sociedades quando uma participa com 10% (dez por cento) ou mais do capital social da outra, sem controlá-la. Parágrafo Único. Equiparam-se às coligadas, para os fins desta Instrução:

a) as sociedades quando uma participa indiretamente com 10% (dez por cento) ou mais do capital votante da outra, sem controlá-la;

b) as sociedades quando uma participa diretamente com 10% (dez por cento) ou mais do capital votante da outra, sem controlá-la,

independentemente do percentual da participação no capital total. Art. 3º Considera-se controlada, para os fins desta Instrução:

I - sociedade na qual a investidora, diretamente ou indiretamente, seja titular de direitos de sócio que lhe assegurem, de modo permanente:

a)

preponderância nas deliberações sociais; e

b)

o poder de eleger ou destituir a maioria dos administradores.

II

- filial, agência, sucursal, dependência ou escritório de representação no exterior, sempre que os respectivos ativos e passivos não

estejam incluídos na contabilidade da investidora, por força de normatização específica; e III - sociedade na qual os direitos permanentes de sócio, previstos nas alíneas "a" e "b" do inciso I deste artigo estejam sob controle comum ou sejam exercidos mediante a existência de acordo de votos, independentemente do seu percentual de participação no capital

votante. Parágrafo Único. Considera-se, ainda, controlada a subsidiária integral, tendo a investidora como única acionista.

Gabarito: E

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 12121212 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

10 - Os direitos de qualquer natureza, não classificáveis no Ativo Circulante, e que não se destinem à

manutenção da atividade da companhia ou da empresa, segundo o texto da Lei 6.404/76, são classificados

como:

a) Disponibilidades

b) Contas a Receber

c) Investimentos

d) Imobilizados

e) Diferido

Resolução e Comentários

Gabarito: C

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 13131313 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

11 - De acordo com a Instrução CVM 247/96, para determinação do cálculo do valor do Investimento e o

respectivo cálculo da equivalência patrimonial não são excluídos

a) os prejuízos decorrentes de transações com a investidora, coligadas e controladas

b) os resultados obtidos em transações realizadas com controladas indiretas e coligadas equiparadas

c) todos os resultados apurados em venda de imobilizados e transferência de realizáveis ocorrida entre controladas, coligadas e a investidora

d) os lucros apurados em operações de venda de Imobilizados das empresas coligadas efetivas para a investidora

e) quaisquer resultados obtidos em transações efetuadas entre investidora, coligadas e controladas

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigo 9º da Instrução CVM
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigo 9º da Instrução CVM

Resolução e Comentários

Artigo 9º da Instrução CVM 247, de 27 de março de 1996

Artigo 9º da Instrução CVM 247, de 27 de março de 1996 Art. 9º O valor

Art. 9º O valor do investimento, pelo método da equivalência patrimonial, será obtido mediante o seguinte cálculo:

I - aplicando-se a percentagem de participação no capital social sobre o valor do patrimônio líquido da coligada e da controlada; e II - subtraindo-se, do montante referido no inciso I, os lucros não realizados, conforme definido no parágrafo 1º deste artigo, líquidos dos efeitos fiscais. Parágrafo 1º Para os efeitos do inciso II deste artigo, serão considerados lucros não realizados aqueles decorrentes de negócios com

a investidora ou com outras coligadas e controladas, quando:

a) o lucro estiver incluído no resultado de uma coligada e controlada e correspondido por inclusão no custo de aquisição de ativos de

qualquer natureza no balanço patrimonial da investidora; ou

b) o lucro estiver incluído no resultado de uma coligada e controlada e correspondido por inclusão no custo de aquisição de ativos de

qualquer natureza no balanço patrimonial de outras coligadas e controladas. Parágrafo 2º Os prejuízos decorrentes de transações com a investidora, coligadas e controladas não devem ser eliminados no cálculo da equivalência patrimonial. Parágrafo 3º Os lucros e os prejuízos, assim como as receitas e as despesas decorrentes de negócios que tenham gerado, simultânea

e integralmente, efeitos opostos nas contas de resultado das coligadas e controladas, não serão excluídos para fins de cálculo do valor do investimento.

Gabarito: A

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 14141414 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2000200020002000

12 - O método da Equivalência Patrimonial reconhece, na investidora, as alterações ocorridas nas empresas

investidas quando estas afetarem:

a) O Ativo Circulante das Controladas e Coligadas.

b) O Ativo Permanente das empresas Controladas.

c) Os ativos não circulantes das companhias Investidas.

d) O Patrimônio Líquido das empresas Investidas.

e) O Passivo Exigível de Longo Prazo das Investidas.

Resolução e Comentários

Gabarito: D

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 15151515 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2020022020020202 //// 1111

02 - Na ocorrência de eventos aleatórios, em empresas controladas, que tragam como conseqüência uma

diminuição inesperada dos ativos da investida, tornando o valor total desse item patrimonial inferior ao somatório das obrigações para com terceiros, e identificando-se ainda a responsabilidade formal da controladora, na

cobertura do passivo a descoberto de sua controlada. O procedimento contábil a ser efetuado pela controladora seria:

a) creditar diretamente a conta de participação societária até o limite da equivalência patrimonial e evidenciar o

montante que exceder ao valor contábil do investimento apenas nas notas explicativas do exercício em que ocorrer o evento.

b) baixar para o resultado do exercício em que ocorrer o evento, como perda com investimento e controlar em

contas de compensação o montante da eventual responsabilidade sobre o passivo a descoberto, só registrando

efetivamente quando ocorrer alguma quitação da obrigação assumida.

c) transferir para o grupo diferido o valor de equivalência patrimonial do investimento e amortizar para o resultado

em até cinco exercícios subseqüentes àquele em que ocorreu o evento, evidenciando o fato em notas explicativas.

d) por não aceitar como dedutível para efeitos fiscais a provisão para perdas específicas para casos como este, a

controladora deverá simplesmente baixar como perda total o investimento creditando a conta de participações

societárias correspondente.

e) provisionar as perdas com investimento até o limite do valor contábil do investimento, e o valor excedente a

esse limite deverá ser registrado no passivo em conta específica, mesmo que para efeitos fiscais essa provisão seja indedutível.

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigo 12 da Instrução CVM 247,
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Resolução e Comentários Artigo 12 da Instrução CVM 247,

Resolução e Comentários

Artigo 12 da Instrução CVM 247, de 27 de março de 1996

DAS PERDAS PERMANENTES EM INVESTIMENTOS AVALIADOS PELO MÉTODO DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Art. 12 - A investidora deverá constituir provisão para cobertura de:

I - perdas efetivas, em virtude de:

para cobertura de: I - perdas efetivas , em virtude de: a) - eventos que resultarem

a)

- eventos que resultarem em perdas não provisionadas pelas coligadas e controladas em suas demonstrações contábeis; ou

b)

responsabilidade formal ou operacional para cobertura de passivo a descoberto.

II

- perdas potenciais, estimadas em virtude de:

a)

tendência de perecimento do investimento;

b)

elevado risco de paralisação de operações de coligadas e controladas;

c)

eventos que possam prever perda parcial ou total do valor contábil do investimento ou do montante de créditos contra as coligadas e

controladas; ou d) cobertura de garantias, avais, fianças, hipotecas ou penhor concedidos, em favor de coligadas e controladas, referentes a obrigações vencidas ou vincendas quando caracterizada a incapacidade de pagamentos pela controlada ou coligada. Parágrafo 1º Independentemente do disposto na letra “b” do inciso I, deve ser constituída ainda provisão para perdas, quando existir passivo a descoberto e houver intenção manifesta da investidora em manter o seu apoio financeiro à investida. Parágrafo 2º A provisão para perdas deverá ser apresentada no ativo permanente por dedução e até o limite do valor contábil do investimento a que se referir, sendo o excedente apresentado em conta específica no passivo.

Gabarito: E

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 11611666 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2002002200200222 //// 2222

03 - De acordo com a Instrução CVM 247/1996 é considerada controlada:

a) uma empresa que participa indiretamente de outra com até 10% do capital total e o valor contábil do

investimento não excede a 5% do patrimônio líquido da investidora.

b) uma empresa que participa diretamente da outra com até 10% do capital total e o valor contábil do investimento

não excede a 5% do patrimônio líquido da investidora.

c) filial ou escritório no exterior, sempre que os ativos e passivos não estejam incluídos na contabilidade da

investidora, por força de legislação específica.

d) uma empresa que participa indiretamente da outra com até 5% do capital preferencial e o valor contábil do

investimento não excede a 8% do patrimônio líquido da investidora.

e) filial ou agência de investida localizada no país cuja participação societária da investidora seja de até 5% do

capital votante e o valor contábil do investimento é inferior a 10% do seu patrimônio líquido.

Resolução e Comentários

Artigos 2º e 3º da Instrução CVM 247, de 27 de março de 1.996

DAS COLIGADAS E CONTROLADAS Art. 2º Consideram-se coligadas as sociedades quando uma participa com 10% (dez por cento) ou mais do capital social da outra, sem controlá-la. Parágrafo Único. Equiparam-se às coligadas, para os fins desta Instrução:

a) as sociedades quando uma participa indiretamente com 10% (dez por cento) ou mais do capital votante da outra, sem controlá-la;

b) as sociedades quando uma participa diretamente com 10% (dez por cento) ou mais do capital votante da outra, sem controlá-la,

independentemente do percentual da participação no capital total. Art. 3º Considera-se controlada, para os fins desta Instrução:

I - sociedade na qual a investidora, diretamente ou indiretamente, seja titular de direitos de sócio que lhe assegurem, de modo permanente:

a)

preponderância nas deliberações sociais; e

b)

o poder de eleger ou destituir a maioria dos administradores.

II

- filial, agência, sucursal, dependência ou escritório de representação no exterior, sempre que os respectivos ativos e passivos não

estejam incluídos na contabilidade da investidora, por força de normatização específica; e III - sociedade na qual os direitos permanentes de sócio, previstos nas alíneas "a" e "b" do inciso I deste artigo estejam sob controle

comum ou sejam exercidos mediante a existência de acordo de votos, independentemente do seu percentual de participação no capital

votante. Parágrafo Único. Considera-se, ainda, controlada a subsidiária integral, tendo a investidora como única acionista.

Gabarito: C

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Dados para a resolução das questões de número 04 e 05. A
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br Dados para a resolução das questões de número 04 e 05. A

Dados para a resolução das questões de número 04 e 05.

Dados para a resolução das questões de número 04 e 05. A Cia. XAVANTE, detentora de

A Cia. XAVANTE, detentora de 60% do capital ordinário da Cia. CARIRI, ao final do exercício contábil de 1999, evidencia em seu Balanço Patrimonial o valor de 900.000 reais para este investimento societário.

Por ocasião do encerramento do exercício de 2000, a contabilidade da investida forneceu os valores a seguir para os itens:

Itens identificados na Contabilidade da Investida:

Patrimônio Líquido Ajustado

R$ 2.150.000,00

Vendas de Estoques para a Investidora

R$ 2.500.000,00

Margem de Lucro das Vendas Inter-companhias

20%

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 17171717 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReceitaReceitaReceitaReceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2002200220022002 //// 1111

04 - Se ao final do exercício de 2000 restassem, na Cia. Xavante, R$ 500.000,00 dos estoques adquiridos da Cia. Cariri e o valor contábil da participação societária registrada na mesma data fosse R$ 900.000,00, de acordo com a Instrução CVM 247/96, o valor a ser registrado pela investidora como resultado de equivalência patrimonial seria uma:

a) despesa de R$ 390.000,00

b) despesa de R$ 330.000,00

c) receita de R$ 330.000,00

d) despesa de R$ 290.000,00

e) receita de R$ 290.000,00

Resolução e Comentários

Primeiro passo: cálculo do CMV na operação realizada entre a investidora e a investida.

Conforme o problema, o lucro nas vendas foi de 20%. Logo:

R$ 2.500.000,00 x 20% = R$ 500.000,00

Logo, o CMV será de: R$ 2.500.000,00 – R$ 500.000,00 = R$ 2.000.000,00

Segundo passo: determinação do valor do lucro não realizado.

O enunciado do problema informa que R$ 500.000,00 dos estoques adquiridos pela controladora não foram vendidos. Isto representa 20% do valor da compra (R$ 2.500.000,00 x 20% = R$ 500.000,00).

Deste modo, o lucro não realizado será de: R$ 500.000,00 x 20% = R$ 100.000,00

Terceiro passo: valor do ajuste a ser realizado:

Valor do Patrimônio Líquido da Investida – R$ 2.150.000,00

(x)

Participação – 60%

(=)

Valor do investimento (antes do cômputo do lucro não realizado) – R$ 1.290.000,00

(-)

Lucro não realizado – (R$ 100.000,00)

(=)

Valor atualizado – R$ 1.190.000,00

(-) Valor do investimento – (R$ 900.000,00) (=) Ajuste a ser realizado – R$ 290.000,00

Gabarito: E

CURSO DE CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA E INTRODUÇÃO À AVANÇADA

Prof.Prof.Prof.Prof. JustinoJustinoJustinoJustino OliveiraOliveiraOliveiraOliveira

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br

ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 18181818 ––––
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 18181818 ––––
ee-ee--mail:-mail:mail:mail: justinooliveira@uol.com.br QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 18181818 ––––

QuestãoQuestãoQuestãoQuestão 18181818 –––– AuditorAuditor-AuditorAuditor--Fiscal-FiscalFiscalFiscal dadadada ReReceitaReReceitaceitaceita FederalFederalFederalFederal ---- EsAFEsAFEsAFEsAF //// 2002200220022002 //// 1111

05 - Se o estoque adquirido pela investidora tivesse sido repassado integralmente a terceiros, o valor ao final dessa participação seria:

a) R$ 1.190.000,00

b) R$ 1.230.000,00

c) R$ 1.290.000,00

d) R$ 1.309.000,00

e) R$ 1.390.000,00

Resolução e Comentários

Primeiro passo: cálculo do CMV na operação realizada entre a investidora e a investida.

Conforme o problema, o lucro nas vendas foi de 20%. Logo:

R$ 2.500.000,00 x 20% = R$ 500.000,00

Logo, o CMV será de: R$ 2.500.000,00 – R$ 500.000,00 = R$ 2.000.000,00

Segundo passo: valor do investimento:

Valor do Patrimônio Líquido da Investida – R$ 2.150.000,00 (x) Participação – 60% (=) Valor do investimento – R$ 1.290.000,00

Gabarito: C