Sunteți pe pagina 1din 16

A Presença Real e Verdadeira — O Que

Significa Isso?
J. C. Ryle

“Se a tua presença não vai comigo, não nos faças subir deste lugar” (Êx 33.15).
Há uma palavra no título do nosso texto que requer a atenção de todo cristão.
Essa palavra é presença. Há um assunto religioso associado a essa palavra, a respeito do
qual é extremamente importante ter uma concepção clara, precisa e bíblica. Esse assunto
é a presença de Deus, e em especial a presença de nosso Senhor Jesus Cristo com os cristãos. O que é
essa presença? Onde se encontra essa presença? Quais são as características dessa
presença? A essas questões eu me proponho dar resposta.

I. Pretendo considerar, primeiramente, a doutrina geral da presença de Deus no mundo.

II. Em segundo lugar, pretendo considerar especificamente a doutrina da real presença


espiritual de Cristo.

III. Em terceiro lugar, pretendo considerar especificamente a doutrina da real presença


corpórea de Cristo.

O assunto todo merece ser considerado com seriedade. Se o considerarmos


meramente como questão de controvérsias, que diz respeito apenas a discussões
teológicas, com certeza temos ainda muito para aprender. Este é um assunto que diz
respeito aos próprios fundamentos da religião salvadora. É um assunto inseparavelmente
ligado a um dos mais preciosos artigos da fé cristã. É um assunto a respeito do qual é
extremamente perigoso estar errado. Errar aqui talvez conduza um homem à igreja
católica, e por fim o conduzirá ao abismo da infidelidade. Com toda certeza, vale a pena
gastar tempo estudando cuidadosamente a doutrina da presença de Deus e do Seu
Cristo.

I. O primeiro assunto que temos de considerar é a doutrina


geral da presença de Deus no mundo.
O ensinamento da Bíblia nesse ponto é claro, simples, e inequívoco. Deus está em
todo lugar! Não há lugar no céu ou na terra, onde Ele não está. Não há lugar no ar ou na
terra ou no mar, nenhum lugar acima da terra ou embaixo da terra, nenhum lugar na
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -2-

cidade ou no campo, nenhum lugar na Europa, Ásia, África ou América — onde Deus
não esteja sempre presente. Entre no seu quarto e tranque a porta — Deus ali está.
Escale o mais alto topo da mais alta montanha, onde nem mesmo um inseto se move —
Deus ali está. Veleje até a mais remota ilha do Oceano Pacífico, onde pé humano
nenhum ainda pisou — Deus está ali. Ele sempre está perto de nós — vendo, ouvindo,
observando, ciente de toda ação e obra e palavra e sussurro e olhar e pensamento e
motivo e segredo de cada um de nós — onde quer que estejamos.
O que diz a Escritura? Está escrito em Jó 34.21,22: “Os olhos de Deus estão
sobre os caminhos do homem e vêem todos os seus passos. Não há trevas nem sombra
assaz profunda onde se escondam os que praticam a iniqüidade”. Está escrito em
Provérbios 15.3: “Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os
bons”. Está escrito em Jeremias 32.19: “[o Senhor dos Exércitos,] grande em conselho e
magnífico em obras; porque os teus olhos estão abertos sobre todos os caminhos dos
filhos dos homens, para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas
obras”.
Está escrito no Salmo 139.1-12: “SENHOR, tu me sondas e me conheces. Sabes
quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos.
Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos. Ainda a
palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda. Tu me cercas por
trás e por diante e sobre mim pões a mão. Tal conhecimento é maravilhoso demais para
mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir. Para onde me ausentarei do teu
Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama
no mais profundo abismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho
nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá.
Se eu digo: as trevas, com efeito, me encobrirão, e a luz ao redor de mim se fará noite,
até as próprias trevas não te serão escuras: as trevas e a luz são a mesma coisa”.
Essa linguagem nos perturba e impressiona. Esta doutrina (a do Deus onisciente)
está além da nossa compreensão. É exatamente assim. Davi disse a mesma coisa há
quase três mil anos: “Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo
elevado, não o posso atingir” (Sl 139.6). Mas pelo fato de não podermos entender essa
doutrina, não significa que ela não seja verdadeira. A culpa deve ser colocada no lugar
certo — nossos pobres intelectos e mentes — e não na doutrina. Há muita coisa em
nosso mundo que poucos conseguem entender ou explicar — contudo nenhum homem
sensato se recusa a crer nessas coisas. Como é que este mundo gira constantemente em
torno do sol com incrível rapidez, mas não sentimos movimento nenhum? Como é que
a lua afeta as marés, e faz com que avancem e recuem duas vezes a cada vinte e quatro
horas? De que forma milhões de criaturas vivas e perfeitamente organizadas existem em
cada gota de água parada, mas que não conseguimos ver a olho nu? Tudo isso são coisas
bem conhecidas dos cientistas, embora a maioria de nós não consiga explicá-las, mesmo
que disso dependa nossa sobrevivência. E devemos nós, diante desses fatos, ousar
duvidar que Deus está presente em todo lugar, pelo simples fato de que não podemos
compreender esse fenômeno? Que nunca mais nos atrevamos a dizer tal coisa!
Quantas coisas há a respeito de Deus, que possivelmente nunca chegaremos a
entender, e contudo temos de crer nelas, a não que sejamos tão estúpidos que nos
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -3-

tornemos ateus! Quem pode explicar a eternidade de Deus, o infinito poder e sabedoria
de Deus, ou os atos de Deus na criação e na providência? Quem pode compreender um
Ser que é Espírito, sem um corpo, sem partes, nem paixões? Como pode uma criatura
constituída de matéria, que pode estar apenas em um lugar de cada vez, conceber a idéia
de um Ser imaterial, que existe antes da criação, que do nada formou este mundo através
da Sua palavra — e que consegue estar em todo lugar e ver tudo ao mesmo tempo!
Numa palavra, onde encontramos um só dos atributos de Deus, que o homem mortal
pode compreender por completo?
Como se pode considerar, então, bom senso ou sabedoria, a recusa em crer na
doutrina do Deus presente em todos os lugares, meramente porque nossa mente não
consegue conceber esse fato? O livro de Jó o diz muito bem: “Porventura, desvendarás
os arcanos [mistérios] de Deus ou penetrarás até à perfeição do Todo-Poderoso?1 Como
as alturas dos céus é a sua sabedoria; que poderás fazer? Mais profunda é ela do que o
abismo; que poderás saber?” (Jó 11.7,8). Que nossos pensamentos a respeito de Deus
sejam elevados e honrosos; com Ele temos de tratar enquanto estivermos vivos, e diante
do Seu tribunal haveremos de nos apresentar quando morrermos. Esforcemo-nos para
que seja correta a nossa concepção do Seu poder, Sua sabedoria, Sua eternidade, Sua
santidade, Seu perfeito conhecimento, Sua presença em todo lugar.
O pecado cometido pelos homens tem sua origem em concepções erradas do seu
Criador e Juiz. Os homens são negligentes e perversos porque não pensam que Deus os
vê. Eles fazem coisas que nunca fariam, se de fato cressem que estão sob os olhos do
Deus Altíssimo! Está escrito: “pensavas que eu era teu igual” (Salmo 50.21). Também
está escrito: “E dizem: O Senhor não o vê; nem disso faz caso o Deus de Jacó. Atendei,
ó estúpidos dentre o povo; e vós, insensatos, quando sereis prudentes? O que fez o
ouvido, acaso, não ouvirá? E o que formou os olhos será que não enxerga? Porventura,
quem repreende as nações não há de punir? Aquele que aos homens dá conhecimento
não tem sabedoria?”2 (Sl 94.7-10).
Não é de admirar que o santo Jó tenha dito em seus melhores momentos:
“quando o considero, temo-o” (Jó 23.15). “Como é o seu Deus?” perguntou certa vez
um escarnecedor descrente a um humilde cristão. “Como é esse Deus a respeito de
quem você faz tanto alarde? Ele é grande ou é pequeno?” “Meu Deus”, foi a sábia
resposta, “é ao mesmo tempo um Deus grande e um Deus pequeno — tão grande que
os céus dos céus não O podem conter — e contudo tão pequeno que Ele pode habitar
no coração de um pobre pecador como eu”.
“Cadê o seu Deus, menino?” perguntou um descrente a uma criança que ele viu
sair de uma igreja. “Cadê o seu Deus, a respeito de quem vocês estavam lendo? Mostre-
me esse Deus, e eu lhe dou um prêmio”. “Diga-me onde Ele não está”, respondeu o
garoto, “e lhe dou o dobro! Meu Deus está em todo lugar!” Bem que está dito que
“Deus escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes” e “Da boca de
pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor” (1 Co 1.27; Mt 21.16).

1Tradução Brasileira: “Poderás descobrir perfeitamente o Todo-poderoso?”


2A tradução usada pelo Autor diz, no final do verso 10: “Ele conhece todas as coisas — não conheceria Ele também aquilo que
você está fazendo?”
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -4-

Todavia é difícil compreender esta doutrina — ela é uma das mais úteis e
benéficas para nossa alma. Ter sempre presente em nossa mente que Deus sempre está
conosco; viver sempre como na presença de Deus; agir e falar e pensar estando sempre
sob Seus olhos — tudo isso com certeza tem como objetivo produzir um bom efeito em
nossa alma. Ampla, profunda, perscrutante e penetrante é a influência deste pensamento:
“Tu és o Deus que me vê!” (Gn 16.13).

(a) O pensamento da presença de Deus — é um forte chamado à


humildade. Quanto mal e quantas falhas não enxerga em cada um de nós o olho que
tudo vê! Quão pouco nós conhecemos de fato o nosso próprio caráter! “O homem vê o
exterior, porém o Senhor, o coração” (1 Sm 16.7). O homem não nos vê o tempo todo,
mas o Senhor está o tempo todo olhando para nós - de manhã, à tarde, e à noite! Quem
é que não precisa dizer: “Deus, tem misericórdia de mim, pecador!”

(b) O pensamento da presença de Deus — é uma esmagadora prova da


necessidade que temos de Jesus Cristo. Que esperança de salvação poderíamos nós
ter, se não houvesse um Mediador entre Deus e os homens? Aos olhos do Deus sempre
presente, as nossas melhores justiças são trapos de imundícia, e nossos melhores
esforços estão cheios de imperfeições! Onde estaríamos nós se não houvesse uma fonte
aberta para todo pecado - o próprio sangue de Cristo! Sem Cristo, a perspectiva da
morte, do julgamento, e da eternidade nos conduziriam ao desespero!

(c) O pensamento da presença de Deus — nos ensina a tolice da hipocrisia


religiosa. O que poderia ser mais tolo e infantil do que vestir um mero disfarce de
cristianismo, enquanto no interior nos apegamos ao pecado, quando Deus a tudo vê e
nos vê de cabo a rabo? É fácil enganar ministros e irmãos em Cristo, porque no geral
eles nos vêem apenas aos domingos. Mas Deus nos vê de manhã, à tarde e à noite, e não
pode ser enganado. Oh, qualquer coisa que sejamos na religião, sejamos autênticos e
verdadeiros!

(d) O pensamento da presença de Deus — é um controle e um freio para a


inclinação ao pecado. A lembrança de que há Um que o tempo todo está próximo de
nós e que nos observa, que um dia haverá de ter um ajuste de contas com toda a raça
humana — bem pode nos guardar do mal! Felizes são os filhos e as filhas que, quando
saem da companhia dos pais, e vão ganhar mundo, levam consigo a recordação do olhar
de Deus. “Meus pais não estão me vendo — mas Deus me vê!” Foi esse sentimento que
preservou José quando tentado em terra estranha: “como cometeria eu tamanha maldade
e pecaria contra Deus?” (Gn 39.9).

(e) O pensamento da presença de Deus — é um estímulo à procura da


verdadeira santidade. O mais alto padrão de santificação é andar com Deus como
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -5-

Enoque, e andar na presença de Deus como Abraão. Qual é o homem que não se
esforçaria para viver de modo agradável a Deus, se ele percebesse que Deus está sempre
junto dele! Sair da presença de Deus — esse é o alvo secreto do pecador. Achegar-se a
Deus — esse é o ardente desejo do santo. Os verdadeiros servos de Deus são “povo que
lhe é chegado” (Sl 148.14).

(f) O pensamento da presença de Deus — é conforto em tempos de


calamidade pública. Quando a guerra e a fome e a peste invadem uma terra, quando as
nações são rasgadas por divisões internas, e toda ordem parece perigar — é encorajador
pensar que Deus vê e conhece e que se encontra perto — que o Rei dos reis está junto
de nós, e não dorme. Aquele que viu a armada espanhola navegar para invadir a
Inglaterra, e a espalhou com o sopro da Sua boca! Ele que observou os planejadores da
Gunpowder Plot3 — esse Deus não mudou.

(g) O pensamento da presença de Deus — é um forte consolo em provas


pessoais. Podemos ser afastados do nosso lar e da nossa terra natal — e colocados no
outro lado do mundo; podemos ser privados da esposa, dos filhos e dos amigos — e
deixados sozinhos na família, como a última árvore numa floresta. Mas não poderemos
nunca ir a lugar nenhum onde Deus não esteja, e em circunstância nenhuma estaremos
inteiramente sozinhos.

Esses pensamentos são úteis e proveitosos a todos nós. A pessoa que não os vê
dessa maneira, deve estar numa lamentável condição de alma. Que seja um princípio
definido em nossa religião: nunca esquecer que em toda situação e lugar estamos sob os
olhos de Deus! Isso não precisa nos amedrontar, se somos verdadeiros crentes. Os
pecados de todos os crentes foram lançados para trás das costas de Deus, e mesmo o
Deus que tudo vê não percebe nenhuma mancha neles! Isso deve nos encorajar, se
nosso cristianismo é genuíno e sincero. Podemos, então, apelar a Deus com confiança,
como Davi, e dizer: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece
os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho
eterno” (Sl 139.23,24). É grande o mistério do Deus presente em todo lugar, mas o
verdadeiro homem de Deus pode encarar isso sem medo.

3Uma conspiração tramada para explodir o Parlamento inglês e o Rei Tiago I, em 5 de novembro de 1605, data em que o rei abriria
o Parlamento.
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -6-

II. A segunda coisa que me proponho considerar — é a


real presença Espiritual de nosso Senhor Jesus Cristo
Ao considerar essa seção de nosso assunto, temos de lembrar cuidadosamente
que estamos falando de Um que tanto é Deus como homem, numa só Pessoa. Estamos
falando de Um que, em infinito amor por nossas almas, assumiu a natureza humana, e
nasceu da virgem Maria, foi crucificado, morto e sepultado - para ser um sacrifício pelos
pecados, e contudo em momento nenhum deixou de ser plenamente Deus. A presença
peculiar dessa bendita pessoa, nosso Senhor Jesus Cristo, com Sua Igreja, é o ponto que
pretendo desvendar nesta parte do meu artigo. Pretendo mostrar que Ele de fato e
verdadeiramente está presente com o Seu povo crente, espiritualmente - e que a Sua
presença é um dos grandes privilégios do verdadeiro cristão. O que, então, é a real
presença espiritual de Cristo, e em que consiste essa presença? Vejamos!

(a) Há uma real presença espiritual de Cristo com a Igreja que é Seu corpo
místico — a bendita companhia de todo o povo fiel.
É esse o sentido das palavras de despedida de nosso Senhor a Seus apóstolos: "eis
que estou convosco todos os dias até à consumação do século" (Mt 28.20). Esta palavra
não diz respeito propriamente à igreja cristã visível. Rasgada por divisões, poluída por
heresias, desgraçada por superstições e corrupções, a igreja cristã visível tem,
freqüentemente, dado provas de que Cristo nem sempre habita nela! Muitos dos seus
ramos, no correr dos anos, à semelhança das Igrejas da Ásia, decaíram e morreram!
A presença especial de Cristo se encontra com a Igreja universal, invisível,
composta dos eleitos de Deus — a Igreja da qual cada um dos membros é de fato
santificado, a Igreja dos homens e mulheres crentes e arrependidos — esta é a Igreja a
quem, a rigor, pertence a promessa! Essa é a Igreja em que se encontra sempre uma real
presença espiritual de Cristo.
Não há uma Igreja visível na terra, por mais antiga e bem organizada que seja, que
esteja seguramente guardada de se desviar. Tanto as Escrituras como a história testificam
que, à semelhança da Igreja judaica, ela pode se corromper, e afastar-se da fé; e,
apartando-se da fé, ela pode morrer. E por que isso acontece? Simplesmente porque
Cristo nunca prometeu a nenhuma igreja visível que Ele estaria sempre com ela até à
consumação do século. A palavra que Ele inspirou Paulo a escrever à Igreja de Roma - é
a mesma palavra que Ele envia a toda igreja visível através do mundo, quer seja
Episcopal, Presbiteriana ou Congregacional: "Não te ensoberbeças, mas teme. ...para
contigo, a bondade de Deus, se nela permaneceres; doutra sorte, também tu serás
cortado" (Rm 11.20-22).
Por outro lado, a contínua presença de Cristo com essa Igreja universal, invisível,
que é o Seu corpo — é o grande segredo da sua continuidade e segurança! Ela
permanece viva e não pode morrer porque Jesus Cristo está no meio dela! Ela é um
navio sacudido por tormentas e tempestades, mas não pode afundar porque Cristo está a
bordo! Talvez seus membros sejam perseguidos, oprimidos, aprisionados, roubados,
espancados, decapitados ou queimados — mas a Sua verdadeira Igreja nunca será
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -7-

extinta. Ela sobrevive ao fogo e à inundação! Quando exterminada num país, ela brota
em outro. Os Faraós, os Herodes, os Neros, os Julianos, as Marias Sanguinárias — todos
têm se esforçado em vão para destruir esta Igreja. Eles mataram os seus milhares — e
depois seguiram o seu próprio destino eterno! A verdadeira Igreja sobrevive a todos eles.
Ela é uma sarça que freqüentemente arde, contudo nunca se consome. E qual é a razão
disso tudo? É a constante presença de Jesus Cristo com o Seu povo!

(b) Há uma presença verdadeira de Cristo no coração de todo cristão


autêntico.
É isso que Paulo quer dizer, quando fala de "Cristo habitar no coração pela fé"
(Ef 3.17). É isso que nosso Senhor quer dizer quando Ele se refere ao homem que O
ama e guarda a Sua Palavra: "e viremos para ele e faremos nele morada" (Jo 14.23). Em
cada cristão, quer seja grande ou pequeno, rico ou pobre, novo ou velho, ou fraco ou
forte — o Senhor habita, e prossegue a obra da Sua graça pelo poder do Espírito Santo.
Da mesma forma que Ele habita em toda a Igreja, que é o Seu corpo — sustentando,
guardando, preservando, e santificando-a — assim Ele continuamente reside em cada
membro desse corpo — tanto no menor como no maior deles.
Essa presença é o segredo de toda essa paz, e esperança, e alegria, e conforto, que
os cristãos sentem. Tudo isso nasce porque têm dentro deles um divino morador. Essa
presença é o segredo da sua persistência na fé, e sua perseverança até o fim. Em si
mesmos, são fracos e inconstantes como água. Mas eles têm dentro de si Um que "pode
salvar totalmente", e que não vai permitir que Seu trabalho fracasse. Nenhum osso do
corpo místico de Cristo haverá de ser quebrado jamais! Nenhum cordeiro do rebanho de
Cristo jamais será arrancado de Sua mão! O coração onde Cristo Se digna habitar,
embora seja muito fraco - é um coração onde jamais o diabo haverá de entrar para tomar
posse!

(c) Há uma verdadeira presença espiritual de Cristo onde quer que o Seu
povo crente se reúna em Seu nome.
É esse o significado simples e direto das Suas famosas palavras: "onde estiverem
dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles" (Mt 18.20). Por menor que
seja o número dos cristãos verdadeiros que se reúnem com o propósito de orar ou
louvar, ou para santa conferência ou leitura da Palavra de Deus — essa reunião é
santificada pela melhor das companhias! Talvez ali não estejam os grandes ou ricos ou
nobres — mas o Próprio Rei dos reis está presente — e os anjos o contemplam com
reverência!
Os maiores prédios que os homens possam ter edificado para uso religioso muitas
vezes não são mais do que sepulcros caiados — destituídos de qualquer influência santa
— porque se prestam a cerimônias repletas de superstição, inutilmente cheios de
multidões de adoradores formais, que vêm e vão sem nenhum sentimento. Nenhuma
adoração é proveitosa à alma se Cristo não estiver presente! Incenso, cartazes, pinturas,
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -8-

flores, crucifixos, e longas procissões de religiosos ricamente vestidos — tudo isso são
pobres substitutos do Próprio Sumo Sacerdote!
A mais pobre sala, onde alguns poucos crentes arrependidos se reúnem em nome
de Jesus, é um lugar consagrado e mais santo aos olhos de Deus! Aqueles que adoram a
Deus em espírito e em verdade nunca se aproximam dEle em vão. Muitas vezes eles
voltam desse tipo de reunião aquecidos, encorajados, edificados, fortalecidos,
confortados, e aliviados. E qual é o segredo desses seus sentimentos? É que estiveram com
o grande Mestre das assembléias — o próprio Jesus Cristo!

(d) Há uma verdadeira presença espiritual de Cristo no coração de todo


aquele que participa sinceramente da Ceia do Senhor.
Embora eu rejeite com todo o coração o infundado ensino da presença física de
Cristo na mesa do Senhor, não posso nunca duvidar que essa grande ordenança
instituída por Cristo tem uma bênção especial e peculiar ligada a ela. Essa bênção, eu
creio, consiste numa especial e peculiar presença de Cristo, dada ao coração de todo crente
que está comungando. A mim parece que essa verdade nós encontramos nestas
maravilhosas palavras de sua instituição: "Tomai, comei; isto é o meu corpo" (Mt 26.26).
"Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue" (Mt 26.27,28). Essas palavras de forma
alguma foram proferidas para ensinar que o pão da Ceia do Senhor era literamente o
corpo de Cristo, ou o vinho literalmente o sangue de Cristo. Mas nosso Senhor
pretendia ensinar que todo crente sincero que come esse pão e bebe esse vinho em
memória de Cristo, ao fazê-lo, encontra uma presença especial de Cristo em seu coração
e uma especial revelação do sacrifício do corpo e do sangue de Cristo à sua alma.
Em resumo, há uma especial presença espiritual de Cristo na Ceia do Senhor,
conhecida somente dos fiéis comungantes, presença essa não conhecida de forma
nenhuma por aqueles que não comungam. Afinal, a experiência de todos os melhores
servos de Cristo é a melhor prova de que há uma bênção especial ligada à Ceia do
Senhor. Dificilmente você encontrará um cristão verdadeiro que não diga que considera
essa ordenança como uma grande ajuda e um dos seus maiores privilégios. Ele lhe dirá
que, se for privado dela, vai considerar essa perda como grande prejuízo para sua alma.
Ele lhe dirá que, ao comer esse pão e beber esse cálice, ele percebe um pouco do que
significa Cristo habitar nele, e seu arrependimento se intensifica, sua fé se fortalece, seu
entendimento se expande, e se sente fortalecido na graça.
O comer do pão com fé faz o crente sentir comunhão mais chegada com o corpo
de Cristo. O beber do vinho com fé faz o crente sentir comunhão mais chegada com o
sangue de Cristo. Aquele que comunga vê mais claramente aquilo que Cristo é para ele, e o que ele é
para Cristo. Ele entende mais completamente o que significa ser um com Cristo e Cristo
estar nele. Ele sente que as raízes da sua vida espiritual são imperceptivelmente regadas, e a
obra da graça em seu interior é sutilmente construída e levada avante. Ele não consegue
nem explicar nem definir o que acontece. É questão de experiência, que ninguém sabe a
não ser aquele que dela participa. E a verdadeira explicação do assunto todo é esta: há
uma presença de Cristo especial e espiritual na ordenança da Ceia do Senhor. Jesus Se
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle -9-

encontra, numa forma especial e peculiar, com aqueles que se aproximam com
sinceridade da Sua mesa!

(e) Por último, mas não menos importante, há uma verdadeira presença
espiritual de Cristo, dada ao cristãos em tempos específicos de tribulação e
dificuldade.
Essa é a presença a respeito da qual Paulo recebeu garantia em mais de uma
ocasião. Em Corinto, por exemplo, o Senhor lhe disse: "Não temas; pelo contrário, fala e
não te cales; porquanto eu estou contigo, e ninguém ousará fazer-te mal, pois tenho
muito povo nesta cidade" (At 18.9,10). Em Jerusalém, novamente, quando o Apóstolo
estava em perigo de vida, lemos: "Na noite seguinte, o Senhor, pondo-se ao lado dele,
disse: Coragem! Pois do modo por que deste testemunho a meu respeito em Jerusalém,
assim importa que também o faças em Roma" (At 23.11). Outra vez, na última epístola
que Paulo escreveu, encontramo-lo dizendo: "Na minha primeira defesa, ninguém foi a
meu favor; antes, todos me abandonaram. Que isto não lhes seja posto em conta! Mas o
Senhor me assistiu e me revestiu de forças, para que, por meu intermédio, a pregação
fosse plenamente cumprida, e todos os gentios a ouvissem; e fui libertado da boca do
leão" (2 Tm 4.16,17).
Essa presença especial de Cristo com o Seu povo é a razão da singular e miraculosa
coragem que muitos dos filhos de Deus às vezes demonstraram sob circunstâncias de
invulgar prova, em todas as épocas da Igreja. Quando os três jovens hebreus foram
lançados na fornalha de fogo, preferindo morrer a cometer idolatria, somos informados
que Nabucodonosor exclamou: "Eu ... vejo quatro homens soltos, que andam passeando
dentro do fogo, sem nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante a um filho dos
deuses" (Dn 3.25). Quando Estêvão foi atacado por cruéis inimigos ao ponto de
apedrejá-lo, lemos que ele disse: "Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, em
pé à destra de Deus" (At 7.56).
Também não devemos duvidar que essa presença especial foi o segredo do
destemor com que muitos dos antigos mártires cristãos enfrentaram a morte, e da
maravilhosa coragem que os mártires de Maria (a sanguinária), como Bradford, Latimer e
Rogers mostraram quando foram executados na fogueira. Um singular senso de que
Cristo estava com eles — esta é a correta explicação de todos esses casos. Esses homens
morreram da forma que morreram porque Cristo estava com eles. Nenhum crente
precisa temer, pois essa mesma presença auxiliadora haverá de estar com ele, não
importa quando sua especial hora de necessidade chegar.
Muitos crentes estão excessivamente ansiosos, imaginando o que farão em sua doença
final, e quando estiverem no seu leito de morte. Muitos se inquietam com pensamentos
de ansiedade, como o que fariam se o marido ou esposa morresse, ou se de repente se
vissem sem casa onde morar. Creiamos que, quando a necessidade surgir, o auxílio também
virá. Não carregue sua cruz antes que seja colocada sobre você! Aquele que disse a
Moisés: "Certamente eu estarei contigo!" jamais falhará com qualquer crente que O invocar.
Quando chegar a hora da peculiar tormenta, o Senhor que anda por sobre as águas chegará
e dirá: "Acalma-te! Emudece!" Há milhares de santos apreensivos cruzando o rio da morte,
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 10 -

que descem às águas com medo e tremor, e contudo se vêem capacitados, por fim, a
dizer com Davi: "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal
nenhum, porque tu estás comigo" (Sl 23.4).
Esta seção do nosso assunto merece muita reflexão. Essa presença espiritual de
Cristo é algo real e verdadeiro, embora os filhos deste mundo nem a conheçam nem
entendam. É precisamente a respeito de um desses assuntos que Paulo escreveu: "o
homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura" (1 Co
2.14). Apesar disso, repito enfaticamente, essa presença espiritual de Cristo — a Sua
presença no coração e no espírito do Seu próprio povo — é algo real e verdadeiro. Que
não duvidemos, mas que, pelo contrário, nos apoiemos nisso com firmeza e que
procuremos senti-lo mais e mais. Aquele que não sente absolutamente nada disso em seu
próprio coração talvez tenha de admitir que ainda não acertou a sua alma diante de
Deus.

III. O último ponto que me proponho a considerar é a


verdadeira presença Física de nosso Senhor Jesus Cristo.

Onde a encontramos? O que devemos pensar a respeito desse assunto? O que


devemos rejeitar e a que devemos nos apegar firmemente? É muito importante, a
respeito dessa seção do meu assunto, ter opiniões claras e bem definidas. É assunto
rodeado de rochas, onde muitos estão naufragando. Não há dúvida que a esse assunto se
relacionam coisas profundas, e várias dificuldades. Mas isso não deve impedir que o
examinemos, tanto quanto pudermos, à luz das Escrituras. Qualquer coisa que a Bíblia
ensina claramente a respeito da presença física de Cristo é nossa obrigação reter e crer.
Não crer nesta verdade pelo fato não não conseguirmos harmonizar com ela alguma
tradição humana, ou o ensino de algum pregador, ou algum preconceito absorvido
quando jovens, é presunção e não humildade. À lei e ao testemunho! O que é que dizem
as Escrituras a respeito da presença física de Cristo? Vamos examinar o assunto passo a
passo.

(a) O Senhor Jesus Cristo esteve presente fisicamente durante o tempo em


que esteve aqui na terra, no seu primeiro advento. Por trinta e três anos, no
intervalo entre o Seu nascimento e a Sua ascensão, Ele se fez presente num corpo, neste
mundo. Manifestando infinita misericórdia para com nossas almas, aprouve ao eterno
Filho de Deus assumir a nossa natureza, e nascer miraculosamente de uma mulher, com
um corpo exatamente como o nosso. Ele Se tornou exatamente como um de nós em
todas as coisas, exceto quanto ao pecado. Como um de nós, Ele cresceu da infância até a
juventude, e da juventude à maturidade. Como um de nós, Ele comeu, e bebeu, e
dormiu, e teve fome, e teve sede, e chorou, e sentiu cansaço e dor. Ele tinha um corpo
que estava sujeito a todas as condições a que está sujeito um corpo físico. Apesar de
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 11 -

estar, como Deus, no céu e na terra ao mesmo tempo; como homem, Seu corpo estava
somente em um lugar de cada vez. Quando Ele estava na Galiléia, Ele não estava na
Judéia, e quando Ele estava em Cafarnaum, não estava em Jerusalém. Ele viveu num
corpo humano real, verdadeiro; nesse corpo humano real e verdadeiro Ele guardou a lei,
e cumpriu toda a justiça; nesse corpo humano real e verdadeiro Ele carregou nossos
pecados na cruz, e nos fez agradáveis a Deus pelo Seu sangue expiatório. Aquele que
morreu por nós no Calvário era perfeito homem, ao mesmo tempo em que era perfeito
Deus.
Este foi o primeiro aparecimento físico real de Jesus Cristo. Esta verdade é cheia
de indizível conforto a todos os que têm a consciência despertada, e conhecem o valor
de suas almas. É um pensamento que encoraja nosso coração: “O único Mediador entre
Deus e os homens é o homem Jesus Cristo”. Ele foi um homem real — e desta forma
capaz de sentir nossas fraquezas. Ele era o Altíssimo Deus — e desta forma capaz de
salvar totalmente todo aquele que se aproxima do Pai através dEle. O Salvador em
Quem todos os cansados e sobrecarregados são convidados a confiar é Alguém que
tinha um corpo real quando estava operando a nossa redenção na terra. Não foi um
anjo, nem um espírito que se pôs em nosso lugar e Se tornou nosso substituto, que
completou a obra da redenção, e que fez aquilo que Adão deixou de fazer. Não! Quem
fez isso foi Um que era um homem real, verdadeiro! “Visto que a morte veio por um
homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos” (1 Co 15.21).
A batalha foi travada em nosso favor, e a vitória foi obtida pela eterna Palavra que
Se tornou carne — pela presença física real e verdadeira de Jesus Cristo entre nós.
Louvemos a Deus para sempre porque Cristo não permaneceu no céu — mas veio ao
mundo e Se fez carne para salvar pecadores; e isso num corpo, Ele nasceu para nós,
viveu para nós, morreu por nós, e ressuscitou. Quer os homens saibam disso ou não,
nossa esperança de vida eterna depende totalmente do simples fato de que há mil e
novecentos anos o Filho de Deus se fez presente em carne, num corpo humano, por nós
nesta terra. Vamos, agora, avançar mais um passo.

(b) Jesus Cristo está de fato presente fisicamente no Céu, à mão direita de
Deus. Sem dúvida, este assunto é misterioso e difícil de entender. O que Deus o Pai é, e
onde Ele habita, qual a natureza da habitação dEle, que é Espírito — esses são assuntos
elevados, os quais não temos capacidade de entender. Mas aquilo que a Bíblia expõe
claramente, isso é nossa responsabilidade crer, e é sabedoria fazê-lo. Quando nosso
Senhor ressurgiu dentre os mortos, Ele ressuscitou com um corpo humano real — um
corpo que não podia estar em dois lugares ao mesmo tempo — um corpo a respeito do
qual os anjos disseram: “Ele não está aqui, mas ressuscitou” (Lc 24.6). Nesse corpo,
depois de completar Sua obra redentora sobre a terra, Ele ascendeu visivelmente ao céu.
Ele subiu com o seu corpo, e não o deixou para trás, como o manto de Elias. Esse
corpo, no final, não ficou no túmulo, e não virou pó e cinza nalguma vila da Síria, como
o corpo dos santos e mártires. O mesmo corpo que caminhou nas ruas de Cafarnaum, e
sentou-se na casa de Maria e Marta, e foi crucificado no Gólgota, e foi depositado na
tumba de José — esse mesmo corpo — indubitavelmente glorificado depois da
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 12 -

ressurreição — mas ainda real e material — foi elevado até o céu, e ali está neste exato
momento.
Nas inspiradas palavras de Atos, “...foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e
uma nuvem o encobriu dos seus olhos” (At 1.9). Nas palavras do Evangelho de Lucas,
“Aconteceu que, enquanto os abençoava, ia-se retirando deles, sendo elevado para o
céu” (Lc 24.51). Nas palavras de Marcos, “De fato, o Senhor Jesus, depois de lhes ter
falado, foi recebido no céu e assentou-se à destra de Deus” (Mc 16.19). O quarto artigo
da Igreja da Inglaterra estabelece o assunto de forma plena e acurada: “Cristo de fato
ressurgiu dos mortos com Seu próprio corpo, com carne, ossos, e todas as coisas
pertencentes à natureza humana completa, e com esse corpo ascendeu ao céu, onde está
assentado até que volte para julgar todos os homens no último dia”. Dessa forma,
voltando ao ponto onde começamos — de fato há, no céu, a real presença física de Jesus
Cristo.
A doutrina que estamos considerando é especialmente rica em conforto e
consolação a todo cristão verdadeiro. Esse divino Salvador no céu, sobre quem o
Evangelho nos orienta a lançar o fardo de nossa alma cheia de pecado, não é um Ser que
é Espírito apenas — mas um Ser que é homem, além de ser também Deus. Ele é Um
que foi ao céu com um corpo igual ao nosso; e nesse corpo está assentado à mão direita
de Deus, para ser nosso Sacerdote e nosso Advogado, nosso Representante e nosso
Amigo. Ele entende nossas fraquezas e pode compadecer-Se delas, porque Ele mesmo
sofreu no próprio corpo, ao ser tentado. Ele conhece por experiência tudo que se pode
sentir no corpo — dor, e cansaço, e fome, e sede, e trabalho; e levou consigo esse
mesmo corpo que sofreu a contradição dos pecadores e que foi pregado no madeiro!
Quem pode duvidar que esse corpo no céu é uma contínua alegação de defesa em
favor dos crentes, e os faz aceitáveis na presença do Pai? Ele é uma lembrança perpétua
do perfeito sacrifício expiatório feito por nós na cruz. Deus não haverá de esquecer que
nossas dívidas já foram pagas, enquanto estiver no céu, diante dos Seus olhos, o corpo
que as pagou derramando o próprio sangue. Quem pode duvidar que, quando
derramamos as nossas petições e orações perante o trono da graça, nós as colocamos nas
mãos de Um cuja simpatia ultrapassa todo entendimento? Ninguém pode se condoer de
pobres crentes que lutam aqui no corpo — como Ele que, no corpo, está assentado
implorando por eles no céu. Bendigamos para sempre a Deus porque de fato há uma
presença corpórea real no céu. Avancemos, agora, mais um passo.

(c) Na ceia do Senhor, não existe a presença física real de Cristo nos
elementos consagrados (o pão e o vinho). Esse é um ponto especialmente difícil de
tratar, porque de há muito divide cristãos em dois partidos, e mancha um assunto solene
com severa controvérsia. Apesar disso, o assunto não pode ser evitado ao tratarmos a
presente questão. Além disso, é um ponto de enorme importância, e exige tratamento
franco e aberto.
As pessoas amáveis e bem-intencionadas, que pensam que pouco importa o que
se pensa sobre a presença de Cristo na Ceia do Senhor — que é assunto de pouca
monta, e que no final tudo dá na mesma — essas pessoas estão total e completamente
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 13 -

enganadas. Elas precisam com urgência aprender que um ponto de vista não bíblico
sobre o assunto pode conduzi-las pouco a pouco a uma perigosa heresia. Vejamos por
quê.
A razão por que afirmo que não ocorre a presença física de Cristo na Ceia do
Senhor, ou no pão consagrado e no vinho, é simplesmente esta: essa alegada presença
não é ensinada em lugar nenhum nas Sagradas Escrituras. Não se pode, honesta e
justamente, encontrar tal ensino na Bíblia. Examinem-se e avaliem-se com
imparcialidade as três descrições da instituição da Ceia do Senhor, nos Evangelhos de
Mateus, Marcos e Lucas, e aquela fornecida por Paulo na Primeira Carta aos Coríntios, e
eu não tenho dúvidas quanto ao resultado. Essas passagens ensinam que o Senhor Jesus,
na noite em que foi traído, tomou o pão, e o deu a Seus discípulos, dizendo: “Tomai,
comei, isto é o meu corpo”; por semelhante modo, tomou o cálice de vinho e o deu aos
discípulos, dizendo: “Tomai dele todos, porque isto é o meu sangue”.
Mas nada encontramos na própria narrativa ou nos versos seguintes que mostre
que os discípulos pensavam que o corpo e o sangue do Mestre estivessem de fato
presentes no pão e no vinho que eles receberam. Não há, nas Epístolas, uma só palavra
que mostre que, após a ascensão do Senhor para o céu, os cristãos criam que Seu corpo
e Seu sangue estivessem presentes nalguma ordenança celebrada na terra; ou que o pão
da Santa Ceia, depois de consagrado, não fosse mais verdadeira e literalmente pão, e o
vinho verdadeira e literalmente vinho.
Algumas pessoas, estou ciente disso, supõem que textos como “Este é meu
corpo” e “Este é o meu sangue” são provas de que o corpo e o sangue de Cristo, de
alguma forma misteriosa, estão fisicamente presentes no pão e no vinho da Santa Ceia,
depois que esses elementos são consagrados. Mas satisfazer-se com apenas esses textos
mostra uma tendência de aceitar poucas provas para estabelecer uma verdade. A citação
de uma pequena frase, isolada de seu contexto, é um método de argumentar que acabaria
confirmando o Arianismo4 ou o Socinianismo5.
O contexto dessas famosas citações demonstra, claramente, que aqueles que
ouviram essas palavras e que estavam acostumados com a maneira de falar de nosso
Senhor entenderam que elas significavam “Isto representa meu corpo” e “Isto
representa meu sangue”. A comparação com outras citações prova que não há nada de
incorreto nesta interpretação. É incontestável que as palavras é e são freqüentemente
significam representa nas Escrituras. Os discípulos, sem dúvida, se lembravam de que o
Mestre havia dito coisas como “O campo é o mundo, a boa semente são os filhos do
reino” (Mt 13.38). Paulo, ao escrever sobre o Sacramento, confirma essa interpretação
quando expressamente chama o pão consagrado pão, e não o corpo de Cristo, pelo
menos três vezes (1 Co 11.26-28).
Algumas pessoas consideram o capítulo seis de João, onde nosso Senhor fala de
“comer a Sua carne e beber o Seu sangue”, como prova de que há uma presença
corporal de Cristo no pão e no vinho da Santa Ceia. Mas não existe nenhuma prova

4Doutrina de Ário, sacerdote norte-africano, que viveu no 4º século. Negava a divindade de Cristo.
5Doutrina de Fausto Socino (1539-1604). Socino considerava que a ceia do Senhor era mera comemoração. Negava a divindade
de Cristo.
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 14 -

convincente de que esse capítulo se refira à Santa Ceia! Isso é mera cogitação! Naquela
ocasião, a Santa Ceia não havia nem sido instituída, nem sequer existia; a instituição da
Ceia ocorreu pelo menos um ano depois de Jesus ter proferido as palavras de João seis.
Basta dizer que a grande maioria dos comentaristas protestantes rejeita a idéia de que
esse capítulo se refira à Santa Ceia; além do fato de que mesmo alguns comentaristas
católicos também pensam dessa forma. O comer e o beber, aqui, são o comer e o beber
da fé — e não uma ação relacionada com nosso corpo.
Algumas pessoas imaginam que as palavras de Paulo aos coríntios —
“Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de
Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo?” (1 Co 10.16) — são
prova suficiente para a presença física de Cristo na Santa Ceia. Mas, infelizmente para o
argumento deles, Paulo não diz “O pão é o corpo”, mas “a comunhão do corpo de
Cristo”. E o sentido óbvio dessas palavras é o seguinte: “O pão que um comungante
digno ingere na Ceia do Senhor é um meio pelo qual a sua alma mantém comunhão com
o corpo de Cristo”. Eu não creio que se possa extrair mais do que isso dessas palavras.
Acima de tudo, permanece o argumento irrespondível de que, se nosso Senhor estava de
fato segurando nas mãos o Seu próprio corpo, quando disse a respeito do pão “Este é o
meu corpo”, então o corpo dEle forçosamente tinha de ser um corpo diferente de um
ser humano comum. E, é evidente, se o Seu corpo não era como o nosso, a Sua
humanidade não existiu. Nesse caso, cai por terra total e completamente a bendita e
confortante doutrina da inteira identificação de Cristo com o Seu povo, a qual vem da
verdade de que Ele é de fato e verdadeiramente homem.
Finalmente, se o corpo com o qual nosso bendito Senhor ascendeu ao céu pode
ao mesmo tempo estar no céu e na terra, e em dez mil diferentes lugares na mesa de
comunhão, então não é possível que seja um verdadeiro corpo humano, de forma
nenhuma.
Com muita propriedade diz o Livro de Orações da Igreja da Inglaterra: “O pão
sacramental e o vinho mantêm suas propriedades naturais, e por essa causa não devem
ser adorados (pois isso é idolatria, e deve ser detestada por todo cristão fiel); e o corpo e
o sangue naturais de nosso Salvador Cristo estão no céu, e não aqui na terra; não é
verdade que o corpo natural de Cristo está, ao mesmo tempo, em mais do que um
lugar.” Palavras sãs, essas, que não se podem contestar. Que bom seria para a igreja, se
todos os sacerdotes pudessem ler, prestar atenção, aprender, e digerir interiormente
aquilo que o Livro de Orações ensina a respeito da presença de Cristo na santa ceia. Se
amamos nossas almas e desejamos que prosperem, sejamos zelosos a respeito da
doutrina da Santa Ceia. Permaneçamos firmes no ensino simples e claro das Escrituras, e
não nos deixemos desviar dele por aqueles que ensinam o erro com o pretexto de,
adorando os seus elementos, reverenciar mais essa ordenança de Cristo.
Tomemos cuidado: se acatarmos essas confusas e místicas noções de alguma
inexplicável presença do corpo e do sangue de Cristo em forma de pão e vinho, de
repente nos descobriremos envolvidos nos ensinos heréticos a respeito da natureza
humana de Cristo. Junto ao ensino de que Cristo não é Deus, mas somente homem, não
há nada mais perigoso do que a doutrina de que Cristo não é homem, mas somente
Deus. Se não queremos cair nesse buraco, temos de nos manter firmes no ensino de que
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 15 -

não pode haver a presença física literal do corpo de Cristo na santa ceia; porque o Seu
corpo está no céu, e não na terra; embora como Deus Ele esteja em todos os lugares.
Avancemos, agora, um pouco mais, para chegarmos a uma conclusão.

(d) Cristo estará de fato presente corporalmente quando Ele vier pela
segunda vez, para julgar o mundo. Esse é um assunto que a Bíblia trata com tanta
clareza, que não há como duvidar nem discutir. Quando nosso Senhor subiu ao céu
diante dos Seus discípulos, os anjos lhes disseram: “Esse Jesus que dentre vós foi
assunto ao céu virá do modo como o vistes subir” (At 1.11).
Não há como errar quanto ao sentido dessas palavras. Visivelmente e
corporalmente o nosso Senhor deixou este mundo, e visivelmente e corporalmente Ele
retornará no dia que, enfaticamente, é chamado de dia da “revelação de Jesus Cristo” (1
Pe 1.7). A concepção que o mundo tem de Cristo sempre é distorcida. Inúmeras pessoas
falam e pensam dEle como se fosse alguém que realizou suas obras neste mundo,
morreu e tem seu lugar na História, à semelhança de algum estadista ou filósofo, nada
mais deixando a seu respeito do que lembranças. Terrivelmente, o mundo haverá de
acordar, um dia, do seu engano. Esse mesmo Jesus que veio dezenove séculos atrás em
humilde condição e pobreza, para ser desprezado e crucificado — Esse mesmo Jesus
virá outra vez um dia, em poder e glória, para ressuscitar os mortos e transformar os
vivos, e para recompensar cada homem de acordo com as suas obras!

Os maus verão o Salvador que eles desprezaram — tarde demais, porém — e


suplicarão às rochas que caiam sobre eles para escondê-los da face do Cordeiro! As
solenes palavras que Jesus dirigiu ao Sumo Sacerdote na noite anterior à Sua crucificação
se haverão de cumprir plenamente: “vereis o Filho do Homem assentado à direita do
Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu” (Mt 26.64).
Os piedosos verão o Salvador a respeito de Quem leram, ouviram, e em Quem
creram; e a reação deles será como a da rainha de Sabá - que, de toda a Sua excelência,
nem mesmo a metade eles conheciam! Eles descobrirão que ver é muito melhor do que
crer, e que na real presença de Cristo há plenitude de alegria. Essa é a verdadeira
presença corporal de Cristo, pela qual todo autêntico cristão deveria ansiar e orar todos
os dias.
Felizes são aqueles que fazem disso uma parte da sua fé, e vivem na constante
expectativa da segunda vinda de Cristo. Daí — e somente daí — o diabo será amarrado,
a maldição será tirada da terra, o mundo será restaurado à sua pureza original, a doença e
a morte não mais existirão, as lágrimas serão enxugadas de todos os olhos, e a redenção
do santo, tanto do corpo como da alma, se completará. “Amados, agora, somos filhos de
Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se
manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é” (1 Jo
3.2). O mais alto título do cristão é ser chamado de alguém que deseja a verdadeira
presença do seu Mestre, e que ama “a sua vinda” (2 Tm 4.8).
A Presença Real e Verdadeira — O Que Significa Isso? — J. C. Ryle - 16 -

Neste breve estudo, expus, da melhor forma que pude, a verdade sobre a presença
de Deus e do Seu Cristo. As verdades expostas foram as seguintes:
(1) a doutrina geral da presença de Deus em todos os lugares;
(2) a doutrina bíblica da presença verdadeira de Cristo, presença espiritual;
(3) a doutrina bíblica da presença verdadeira de Cristo, presença física.

Concluo, agora, o assunto, com uma palavra final de aplicação à nossa vida, e
sugiro que se preste muita atenção. Numa época de pressa e correria em busca de coisas
mundanas, numa época de desprezíveis discussões e controvérsias sobre religião —
imploro ao leitor que não negligencie as grandes verdades que estas páginas contêm.

(1) O que conhecemos de Cristo, pessoalmente? Temos ouvido falar dEle


milhares de vezes. Consideramo-nos cristãos. Mas o que é que conhecemos de Cristo
experimentalmente, como nosso próprio Salvador pessoal, nosso próprio Pastor, nosso
próprio Amigo, o Remédio para a nossa consciência, o Confortador do nosso coração, o
Perdoador dos nossos pecados, a Fundação da nossa esperança, a Segurança das nossas
almas? Em que pé estamos?

(2) Não descansemos enquanto não sentirmos Cristo presente em nosso


próprio coração, enquanto não soubermos o que significa ser um com Cristo e
perceber Cristo em nós. Isso é religião verdadeira. Viver olhando para trás, para Cristo
na cruz, para cima, para Cristo à mão direita de Deus, e para frente, para Cristo vindo
outra vez — esse é o único Cristianismo que dá conforto na vida, e boa esperança na
morte. Lembre-se disso.

(3) Acautelemo-nos de abrigar concepções errôneas a respeito da Santa


Ceia, especialmente sobre a verdadeira natureza da presença de Cristo na Ceia. Cuidado
para não nos enganarmos a respeito dessa bendita ordenança, instituída com o propósito
de ser alimento para a alma — para que não se torne, em vez disso, veneno para nossa
alma! Não ocorre nenhum sacrifício na Ceia do Senhor, não há sacerdote que ofereça
sacrifício, não há altar, não há presença física de Cristo no pão e no vinho. Essas coisas
não estão na Bíblia; são perigosas invenções humanas, que conduzem à superstição!
Sejamos cuidadosos, então.

(4) Mantenhamos em mente, sempre, a segunda vinda de Cristo, e a


verdadeira presença que ainda virá. Mantenhamos nossas mentes cingidas e nossas
lâmpadas acesas, e a nós mesmos como homens que diariamente aguardam o retorno do
seu Mestre. Então, e somente então, haveremos de ter satisfeitos todos os desejos de
nossas almas. Até lá, quanto menos esperarmos deste mundo, melhor. Que seja este o
nosso clamor diário: “Amém! Vem, Senhor Jesus!”