Sunteți pe pagina 1din 32

Outubro 2009

Ano I | Nº 1
www.creditperformance.com.br

A R E V I S TA D A I N D Ú S T R I A D E C R É D I T O E C O B R A N Ç A

Competição, rigor
e criatividade
O que o mercado aprendeu com a crise
e como se mobiliza para crescer

Mais crédito Cobrança


no horizonte responsável
José Renato Borges, da Acrefi: Jay Gonsalves, da ACA:
“Cadastro positivo elevará Dr. Debt muda imagem
aprovação em 30%” da indústria nos EUA

Boas novas para o natal: promessa de crescimento


Certificações*
O parceiro que está
onde você precisa.

A ML Serviços Financeiros atua na prestação de serviços para


o ciclo de crédito há mais de 20 anos, em especial focada na
recuperação de créditos e manutenção do cliente consumidor.
Empresa Associada
Atuação nacional com rede própria e especializada.

21 Filiais e 5 polos.

9001:2000 referente as empresas ML Gomes e ML Serviços de Cobrança


*ISO

mlsf.com.br Bem-vindo a um novo conceito.


SUMÁRIO

A Credit Performance é a primeira e única


12 CAPA
Mais crédito
revista especializada na indústria brasileira de com menos risco
crédito e cobrança. A publicação é idealizada
pela CMS People do Brasil, promotora dos

5
mais importantes eventos deste mercado em
12 países, e conta com o apoio do Instituto Editorial
GEOC e da Serasa Experian.
Com periodicidade trimestral e tiragem de

8
5 mil exemplares, a revista oferece conteúdo
especialmente desenvolvido para os
Entrevista
executivos líderes de grandes corporações O Brasil merece crédito
e empresas da área. Distribuição exclusiva
e gratuita.

Conselho Editorial
Adilson Melhado, Fernanda Bortolussi,
10 Análise
Natal de esperança
Fernando Modenezi, João Leme, João Paulo
Mattos, José Augusto de Resende Sobrinho,
Juliana Azuma, Leila Martins, Luciana Felletti,
Luis Barbuda, Pablo Salamone, Renata
Joseph, Silvina Virga, Victoria Iturrieta
17 Caso de sucesso
Imagem renovada

18
Redação e produção
Burson-Marsteller Indicadores
Otimista, mas em alerta
Diretor de atendimento
Octavio Nunes

Editora e jornalista responsável


Fabiana Fontainha (MTB 45.631)                          
                 
21 Notas

Colaboraram nesta edição

22
Amanda Brum, Andressa Scaldaferri, Angela
IDEIAS & TENDÊNCIAS
Nunes, Carolina Sanchez, Costábile Nicoletta,
Regina Ielpo, Raquel Vitorino, Renata Batista                 Mudança de paradigma
                                                                                                 na gestão de recebíveis
E-mail da redação
creditperformance@cmspeople.com

Projeto gráfico e diagramação


Multi Propaganda e CastillaSozzani&Asoc. 23 Tendência
A resposta está na web

Responsável Comercial
Madleine Rose M. Sprocatti
madi@cmspeople.com
Tel. (11) 3868-2883/ 3865-7013
26 Opinião
Cobrança ou recuperação
de clientes?
Credit Performance, a revista da
indústria de crédito e cobrança.

Endereço na internet
www.creditperformance.com.br 
28 Pelo mundo
Madri, convite ao bom
gosto e à amizade
Credit Performance® é uma publicação da
CMS People do Brasil Consultoria Ltda. Todos
os direitos reservados, proibida a reprodução
total ou parcial sem prévia autorização.
29 VINHOS
“Esta noche me emborracho”

30 PONTO DE VISTA
Espaço para crescer
EDITORIAL

crEdit
performance
Projeto editorial estimula

Juan Pablo Buceta


Pablo Salamone
o conhecimento e o debate do setor Presidente CMS

D
e acordo com o dicionário Aurélio, a pa- Outubro 2009
Ano I | Nº 1
www.creditperformance.com.br
A Credit Performance traz também uma en-
lavra Performance significa desempenho, trevista inédita com José Renato Simão Borges,
A R E V I S TA D A I N D Ú S T R I A D E C R É D I T O E C O B R A N Ç A

rendimento e resultado, termo que se vice-presidente do Banco Sofisa e presidente da


Competição, rigor
aplica tanto aos negócios quanto às artes e ao e criatividade comissão de crédito e cobrança da Associação
O que o mercado aprendeu com a crise

esporte. Para nós, profissionais do mundo do cré- e como se mobiliza para crescer
Nacional das Instituições de Crédito, Financia-
dito e cobrança no Brasil, a palavra Performance mento e Investimento (Acrefi). Em duas páginas
é mais do que uma definição, é um conceito, uma de entrevista, José Renato faz uma análise rica
expressão e até mesmo um nome composto cujo e interessante sobre a evolução do mercado do
significado pode ser encontrado e entendido no Mais crédito
no horizonte
José Renato Borges, da Acrefi:
“Cadastro positivo elevará
Cobrança
responsável
Jay Gonsalves, da ACA:
Dr. Debt muda imagem
crédito no País.
aprovação em 30%” da indústria nos EUA

nosso léxico ou no acervo de muitos outros idio- BOAS NOVAS PARA O NATAL: PROMESSA DE CRESCIMENTO

mas: Credit Performance. Outro assunto de destaque são as expectativas do setor para
as vendas a crédito no Natal. Com a retomada gradual da eco-
A revista Credit Performance chega ao mercado trazendo uma nomia brasileira em meio à crise financeira internacional, re-
proposta inovadora: discutir o mercado de crédito e cobrança, presentantes de alguns segmentos mostram-se otimistas para
entender e analisar perspectivas e tendências do setor de ma- o fim do ano. Ainda em relação à crise externa e seu impacto
neira aprofundada. Seu conteúdo técnico será apenas a base no mercado brasileiro, vale observar a análise feita pelo econo-
de um conhecimento científico que servirá para sustentar o mista Roberto Troster, sócio da Integral Trust e ex-economista-
debate em torno deste mercado. Portanto, estamos falando de chefe da Febraban, sobre recentes indicadores de qualidade
um produto informativo, analítico, crítico e ao mesmo tempo e demanda por crédito, além de inadimplência, registrados
leve, de editoração bem resolvida. no País. Temas mais leves como viagens e mercado de vinho
também poderão ser encontrados nas páginas da Credit Per-
Há tempos o mercado se ressente da ausência de uma publica- formance.
ção desse porte e a chegada desta revista vem preencher uma
lacuna sobre pontos de vista e enfoques que efetivamente Por fim, estamos confiantes de que nossos leitores nos darão
possam refletir com especificidade a realidade da indústria do crédito porque a cada número da revista poderão comprovar
crédito no País. Por isso, diante de um mercado cada vez mais o compromisso editorial com a clareza, a objetividade, a aná-
exigente e competitivo, a Credit Performance servirá como um lise especializada e a atualização permanente dos temas que
guia, uma referência, para apontar os caminhos que condu- interessam hoje aos líderes do setor. A partir de agora Credit
zem ao sucesso profissional e pessoal dos líderes do segmento Performance tem a palavra e seus leitores a opinião.
e, por que não dizer, dos nossos leitores.
! Sempre acreditamos na idéia de que “o conhecimento é o úni-
Para esta primeira edição, elaboramos uma matéria especial co bem que se multiplica quando se compartilha”.
sobre as perspectivas e tendências do crédito no Brasil, a partir
do levantamento da opinião de diferentes líderes do mercado. Boa leitura!
Também antecipamos os principais pontos que serão debatidos
no 5º Congresso Nacional de Crédito e Cobrança, que acon-
tecerá nos dias 27 e 28 deste mês, em São Paulo, e tem como
tema principal “Lições aprendidas. Novas oportunidades”.
www.cmspeople.com

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 5


Strategy Manager
Uma nova dimensão para
a gestão do risco de crédito
Automatização do processo de decisão
Independência e flexibilidade na gestão de estratégias
Rápida reação às mudanças impostas pelo mercado

Conheça o Strategy Manager e descubra como, juntos, podemos


desenvolver a mais avançada solução de gerenciamento de
estratégia na medida das suas necessidades de negócios.

serasaexperian.com.br/decisionanalytics
ENTREVISTA

O BRASIL MERECE

CRÉDITO
Para o vice-presidente do Sofisa,
cadastro positivo democratizará
a informação e ampliará em 30%
processos de aprovação de crédito
José Renato Borges:
crédito deve se
Costábile Nicoletta normalizar com
Especial para a Credit Performance a retomada do
crescimento e da
confiança dos

E
m 1996, quando o Plano Real vivia um de seus melhores mo- agentes econômicos
mentos e o consumidor brasileiro finalmente começou a con-
viver com níveis inflacionários civilizados, os fabricantes de ele-
trodomésticos aumentaram significativamente a produção de suas
fábricas para dar conta da demanda e quase foram à bancarrota. Não deste ano em relação ao mesmo período de 2008. Em que
levaram em consideração que dificilmente uma família compra mais de medida a crise financeira internacional ainda afeta o crédito
uma geladeira e um fogão e não enxergaram o limite de compra dos no Brasil?
consumidores, por mais reprimida que fosse essa necessidade. Várias
cadeias de varejo faliram. Além do limite de compra de cada família, Borges — A crise comprometeu a liquidez e os padrões de crédito. Por
houve uma grave crise de inadimplência. Nem consumidores, nem va- mais que os volumes tenham voltado aos patamares pré-crise, ainda
rejistas, nem indústrias estavam acostumados a conceder crédito num estão concentrados em grandes empresas que trocaram o mercado
ambiente econômico minimamente estável. internacional pelo interno. As pequenas e médias tiveram que com-
prometer seu faturamento e suas garantias com a crise. Agora, com a
Treze anos e mais uma série de crises financeiras internacionais e in- retomada do crescimento e da confiança dos agentes econômicos, o
ternas depois, a oferta de crédito no Brasil alcançou em julho último o crédito deve se normalizar e os indicadores de inadimplência, melho-
equivalente a 45% do Produto Interno Bruto (PIB) — a melhor marca rar, em especial no último trimestre.
em quase 40 anos. José Renato Simão Borges, vice-presidente do Ban-
co Sofisa e presidente da Comissão de Crédito e Cobrança da Associa- Credit Performance — Quais as consequências para o crédito da
ção Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento sobrevalorização do real perante o dólar?
(Acrefi), analisa a evolução do mercado de crédito no País e estima
que, com a adoção do cadastro positivo (banco de dados com infor- Borges — Ela traz impacto principalmente para as empresas que
mações de crédito de bons pagadores), haverá uma expansão de 30% atuam no comércio internacional ou possuem endividamento ex-
nos processos de aprovação de empréstimo. terno. A liquidez internacional deverá facilitar a retomada do aces-
so a recursos externos, bem como auxiliar as importações para a
Credit Performance — As empresas e os consumidores brasilei- atualização de nosso parque industrial.
ros já aprenderam a obter e a conceder crédito?
Credit Performance — O governo federal pôs os bancos esta-
José Renato Simão Borges — Depois de um longo período infla- tais para irrigar os financiamentos tanto a empresas quanto
cionário, em que o crédito se restringia ao curto prazo, atingimos a a pessoas físicas. A medida foi acertada?
estabilidade e, com ela, a possibilidade de evoluirmos com as políticas
de risco, base de dados, comportamento dos tomadores, ferramentas Borges — Sim, mas a sustentabilidade se dará apenas com a con-
e modelos de crédito. Nos últimos oito anos, dobramos a participação fiança de todos os agentes de crédito, pois desenvolvimento e cres-
do crédito no PIB. Mas ainda temos muito a evoluir. cimento econômico só acontecem com adequada oferta de crédito,
em especial com estruturas apropriadas de fomento e com um forte
Credit Performance — Levantamentos mostram uma alta sistema financeiro. A concentração bancária deve ser resolvida pelo
na inadimplência de pessoas jurídicas no primeiro semestre mercado altamente competitivo.

8 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


ENTREVISTA

“Existe uma demanda


reprimida que é potencializada
pelo crescimento econômico
e pelo aumento da renda.
Como qualquer processo de
expansão, a qualidade do
serviço vai ser equalizada com
o aumento da demanda”

Credit Performance — A rede de varejo Casas Bahia usa os


motoristas dos caminhões que entregam mercadorias aos
clientes para fazer a verificação das informações cadastrais
dos fregueses que não têm comprovação de renda. É um mé-
Carlos Della Rocca

todo muito particular de avaliação de risco, mas parece que


tem dado certo. Por que muitas empresas relutam em desen-
volver critérios de concessão de crédito mais afinados com as
condições econômicas brasileiras e optam por sistemas inter-
Credit Performance — O Comitê de Política Monetária (Co- nacionais nem sempre adequados à nossa realidade?
pom), do Banco Central, já diminuiu a Selic de 13,75% para
8,75% neste ano. Ainda há espaço para a redução da taxa Borges — Essa opção acaba sendo prejudicada pela falta de his-
básica de juros? tórico de crédito e de comportamento do tomador de financia-
mento. O cadastro positivo — em fase de regulamentação no
Borges — Considerando a taxa de juros real, sim, mas temos um Congresso Nacional — propiciará a democratização da informa-
cenário externo com algumas indefinições que devem prejudicar essa ção e a melhora desse cenário. Trará a experiência de quem pa-
tendência. De qualquer forma, temos o menor patamar de juros no- gou, com ou sem crédito, inclusive por meio de cartões, cuja base
minais e reais dos últimos tempos. tem crescido de 25% a 30% ao ano. Em nossa opinião, com o
cadastro positivo, os processos de aprovação de crédito ampliarão
Credit Performance — De acordo com a consultoria e-bit, o 30%. Aquele cliente que era recusado porque não havia informa-
comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 4,8 bilhões no pri- ções sobre sua vida financeira passará a ser aceito, se estiver in-
meiro semestre, 27% mais que em igual período de 2008. Se- cluído no cadastro positivo. O trabalho de confirmação cadastral
gundo o Instituto Ibope Nielsen Online, o Brasil já tem quase continuará necessário até que tenhamos melhores ferramentas de
65 milhões de internautas. Estudo do Instituto Data Popular crédito e de prevenção de riscos.
constatou que 75% das pessoas que se conectam à web no
País são de baixa renda e que elas detêm 69% dos cartões Credit Performance — A reforma tributária também poderia fa-
de crédito e débito emitidos em território nacional. Por que, cilitar e baratear a concessão de crédito?
então, esse consumidor ainda é tão mal atendido?
Borges — A experiência recente da redução do Imposto sobre Produ-
Borges — Existe uma demanda reprimida que é potencializada tos Industrializados (IPI) para automóveis e eletrodomésticos mostrou
pelo crescimento econômico e pelo aumento da renda. Como qual- que, diminuindo tributos, vende-se mais. A carga tributária financia
quer processo de expansão, a qualidade do serviço vai ser equali- os custos do governo. O problema não está na reforma, e sim no
zada com o aumento da demanda. O comércio eletrônico cresceu uso do dinheiro arrecadado. A carga pode ser maior, desde que o go-
bastante, porém ainda carece de ferramentas antifraude para dar verno ofereça serviços compatíveis, como ocorre em outros países. É
segurança ao usuário. Trata-se de um mercado muito recente. A indispensável haver melhor utilização dos recursos e simplificação dos
classe C, responsável por quase metade do consumo nacional, teve tributos (como a nota fiscal eletrônica e o Simples). Dessa forma, mais
um acréscimo de mais de 20 milhões de pessoas nos últimos anos. gente virá para a economia formal. É improvável que tenhamos uma
São indivíduos que tiveram aumento de renda. Entretanto, isso é mudança profunda no sistema de impostos, pois não se consegue al-
muito recente, assim como a decisão de comprar pela internet. À terar radicalmente a estrutura de gastos do governo. A saída é apostar
medida que houver histórico desse tipo de consumo, o acesso ao na determinação dos governantes em continuar  trabalhando nesta
crédito vai melhorar. responsabilidade.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 9


análise

NATAL DE ES
O gradual aquecimento da
economia brasileira inspira
a confiança de líderes de
diversos setores, que apostam
uníssonos num crescimento
nas vendas a crédito 
 
Amanda Brum 

N
esta mesma época do ano passado, poucos se arrisca-
vam a traçar prognósticos para o Natal. Os que ousavam
emitir alguma opinião se restringiam a tatear perspectivas
incertas. Afinal, foi nesse período que em 2008 a crise financeira
internacional começou a mostrar suas garras e a assombrar até
mesmo os mais otimistas empresários.
 
Neste ano, contudo, o cenário é bem diferente. Apesar da desa-
celeração que alguns setores apresentaram no primeiro semestre
em decorrência da crise, paira no ar um otimismo em relação ao
final do ano. Setores representativos da economia brasileira pre-
vêem aumento na oferta de crédito nesse período, movimento
que, na visão deles, deve contribuir para elevar o desempenho
do Natal em percentuais que variam de 0% a 15% frente à igual
época de 2008.
 
Para Victor Loyola, superintendente de crédito e cobrança do
Global Consumer Group Citibank Brasil, o período de maior
turbulência no mercado já foi superado e as “torneiras” do
crédito, apesar de ainda não plenamente abertas, voltaram
a irrigar a economia com vazão maior do que no período da vários meses em queda, muito por conta das melhores condições
crise, mas inferior ao período imediatamente anterior a ela. do mercado. “Apostamos num crescimento de 2% a 3% nas ven-
“Nesse sentido, esse Natal será melhor do que o do ano pas- das por conta do Natal”, afirma Solimeo.
sado, quando estávamos vivenciando um aprofundamento da
situação econômica, mas deve ser inferior ao Natal de 2007, Uma pesquisa da Serasa Experian de Expectativa Empresarial, re-
quando navegávamos em plena euforia de uma economia alizada em outubro com executivos do comércio de todo o país,
crescendo em ritmo acelerado. Em que pese o fato do final confirma essa percepção. Mostra que 75% dos empresários do
de ano não ser o momento de maior velocidade em conces- setor esperam faturamento melhor no último trimestre de 2009,
são de crédito, pois o consumidor em geral tem mais liquidez impulsionado pelo Natal. Para 2010, os empresários do comércio
nessa época (13º salário, participação nos lucros etc.)”, expli- também seguem a tendência positiva: 72% esperam um fatura-
ca Loyola. E acrescenta: “Seguramente esse Natal trará bons mento maior que o de 2009.
presságios para um esperado ano de recuperação em 2010.”
  Para Carlos Henrique de Almeida, assessor econômico da Serasa Ex-
Marcel Solimeo, superintendente do Instituto de Economia da As- perian, a recuperação econômica está mudando a expectativa em-
sociação Comercial de São Paulo (ACSP), é dos que faz coro em presarial.  “Gradualmente, os empresários ampliam sua confiança,
defesa de tempos melhores no Natal de 2009. Ele diz acreditar baseada na reação do mercado doméstico. A redução dos juros, a
que as vendas no varejo devem apresentar recuperação depois de queda da inadimplência e a volta do crédito são os principais funda-
mentos para o crescimento da atividade econômica”, afirma.

“Seguramente esse Natal trará Segundo o economista, a pesquisa revela que no crédito as em-
bons presságios para um esperado presas começam a sentir as melhores condições, sobretudo por
ano de recuperação em 2010” conta dos juros mais baixos. A aguardada maior oferta de recursos
deve reverter a opinião daqueles que ainda não percebem as me-
Victor Loyola, do Global Consumer
lhores condições de crédito.
Group Citibank Brasil

10 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


ANÁLISE

ESPERANÇA
Números

75% dos empresários do comércio


esperam faturamento melhor no último
trimestre, aponta Carlos Henrique de
Almeida, da Serasa Experian

R$ 160 bi é quanto a carteira de


crédito do setor automobilístico pode atingir
este ano, diz Luiz Montenegro, da Anef

40% do movimento dos


supermercados se dá com cartões, analisa
Sussumo Honda, da Abras

ou usado”, ilustra Montenegro. “Apesar da instalação da crise no Bra-


sil, o crédito aumentou  significativamente nos últimos períodos, por
isso acreditamos que continuará a crescer.”
 
Até mesmo o setor supermercadista, que historicamente não se
ressente das variações de oferta de crédito, se diz otimista com o
fim do ano. Sussumo Honda, presidente da Associação Brasileira
de Supermercados (Abras), diz que atualmente 40% do movimen-
to dos supermercados já se dá com cartões de débito, crédito e
de bandeira própria. Estes últimos já respondem por até 15% do
movimento de algumas redes.
 
“O parcelamento nos cartões de bandeira própria é uma tendência
que deve se manter no Natal”, opina Honda. “As grandes redes têm
Maiores apostas adotado políticas de estímulo do uso desse tipo de crédito em datas
Para o economista Fabio Pina, da Fecomercio SP, as vedetes do Natal comemorativas, ao oferecer prazos mais longos de pagamento, por
de 2009 serão os eletroeletrônicos, móveis e automóveis, produtos exemplo. Isso tem se refletido diretamente na alta das vendas, porque
cuja aquisição está intimamente ligada à oferta de crédito. o mix das lojas está cada vez mais diversificado e com produtos de
maior valor agregado, o que acaba justificando a compra a crédito.”
“Estamos com os fatores macroeconômicos controlados, não tivemos  
um índice de desemprego tão grande quanto se imaginava e o nível Atacado
de consumo se manteve. Com os bancos privados voltando ao merca- Muito embora o Natal seja um período basicamente de varejo, as
do de crédito, acredito que teremos um crescimento no Natal bastante perspectivas para o crédito no atacado também são positivas. Pina,
considerável com os automóveis e eletroeletrônicos, até porque a base da Fecomercio, diz acreditar que no quarto trimestre de 2009 deve
de comparação, que é o final de 2008, é muito fraca”, justifica Pina.   haver uma recuperação. Ele lembra que o fim de 2008 foi muito com-
  plicado, pelo fato de as grandes empresas que captavam recursos no
Recorde histórico exterior terem se voltado para o mercado de crédito doméstico.
Luiz Montenegro, presidente da Associação Nacional das Empresas  
Financeiras das Montadoras (Anef), vai além. Para ele, se não houver “Elas roubaram espaço das pequenas e médias empresas, que foram
mudança no ambiente macroeconômico, a carteira de crédito do setor asfixiadas”, explica Pina. “Agora estamos assistindo a um reaqueci-
pode subir de 10% a 15% neste ano, chegando a um saldo total de mento gradativo da economia. Assim, esse mercado de crédito deve
R$ 153 bilhões a R$ 160 bilhões. Se esse desempenho se confirmar, se recuperar no quarto trimestre deste ano, retomando os patamares
será um recorde histórico em valor, mas não percentualmente, porque que antecederam a crise.”
essa indústria já registrou altas mais polpudas.
  Todo esse otimismo com o crédito no atacado, que é ainda mais
“O crédito de veículos a pessoa física representa mais de 5% do total acentuado no varejo, leva a crer que de fato o pior já passou. Che-
do PIB brasileiro, ou seja, R$ 150 bilhões das riquezas do País vêm do gou a hora de preparar os cofres para um Natal mais gordo do que
crédito concedido àqueles que desejam comprar um automóvel novo o do último ano.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 11


CAPA

MAIS crédito
com menos risco
Mercado trabalha para manter clientes ativos. Rigor na
concessão de crédito não deve ser abandonado, indicam
especialistas convidados para o 5º Congresso Nacional
de Crédito e Cobrança, em São Paulo (SP)

Renata Batista
Desafio é
administrar

N
os últimos meses, as medidas de
efeitos da crise
incentivo ao consumo e a manu-
tenção do nível de emprego tive- e manter cliente
ram efeito positivo sobre o crédito para ativo em 2010
pessoa física. Como resultado, carteiras
como as de automóveis cresceram 7,4%
no ano, apesar da crise econômica, e o
volume de operações em relação ao PIB
saltou de 36% para 45% entre os meses
de julho de 2008 e de 2009.

Isso mostra que a demanda por crédito


continua grande. Não à toa, a perspectiva
dos agentes do mercado é de aumento da
concorrência e crescimento das carteiras,
principalmente em segmentos de maior
prazo e valor das operações, como imó-
veis, que representa apenas 1% do volu-
me das operações, mas cresceu 27,8%
nos últimos 12 meses. O desafio é con-
tinuar administrando os efeitos da crise e Carlos Della Rocca

manter o cliente ativo ao longo de 2010,


já que o aumento da inadimplência pode veículos e imobiliário. De acordo com o di-
adiar esse crescimento. retor da Itaucred, a grande preocupação é
preservar e manter o cliente. Como a crise
“Estamos esperando volumes crescentes causou desajustes em toda a economia, a
para crédito imobiliário e veículos. Quan- instituição busca viabilizar alternativas que
to ao prazo das operações, não houve suportem essa nova realidade.
nenhuma alteração. As taxas sofreram
ajustes e os critérios de análise tornaram- “A crise exigiu um refinamento na análise
se mais conservadores porque o perfil dos dos casos. É importante diferenciar quem
clientes estava se deteriorando, mas esta- tem dificuldade de pagar porque ficou de-
mos voltando à situação que havia antes sempregado e perdeu a fonte de renda das
da crise”, resume Marcos Vanderlei Beli- situações de descontrole, típicas de muitas
ni Ferreira, diretor de crédito e cobrança Ferreira: Preocupação é preservar famílias brasileiras, e até dos oportunistas”,
da Itaucred para as áreas de crédito de e manter o cliente confirma Adilson Sil Melhado, presidente

12 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


CAPA

do Instituto GEOC, instituição que reú-


ne as principais empresas especializadas Carteiras cresceram apesar da crise
R$ milhões
em recuperação de crédito do Brasil.
160
As lições aprendidas na crise e as opor- 148.240
tunidades para o setor serão debatidas Crédito pessoal*
no 5º Congresso Nacional de Crédito e 120
Cobrança, programado para outubro, 118.782
em São Paulo (SP). De forma geral, as
estratégias adotadas pelo mercado têm 80
83.931
83.931 Aquisição de veículos
como objetivo dar fôlego aos devedo-
res, alongando o prazo das operações
e mantendo a capacidade de endivi- 40
damento. Para isso, o setor tem usado 15.519
estratégias de alfaiataria, com soluções 17.190 Cheque especial
3.067
de acordo com as características dos 0
3.919 Crédito imobiliário
Jul/08 Jan/09 Jul**
clientes, para lidar com a diversidade do
Fonte: Banco Central * Inclui operações consignadas em folha de pagamento e exclui cooperativas. **Dados preliminares.
grande varejo.

“Só na primeira fase, quando o atraso As estratégias adotadas Crédito, Financiamento e Investimento
ainda é de menos de 30 dias, temos 33 pelo mercado têm como (Acrefi), Adalberto Savioli, acredita até
estratégias de recuperação desses cré- objetivo dar fôlego aos no aumento da participação de bancos
ditos. Precisamos ter iniciativa”, explica médios nesse setor, o que ampliaria
o gerente executivo da diretoria de re-
devedores, alongando ainda mais a competição. Na avaliação
estruturação de ativos operacionais do o prazo das operações e do executivo, o grande desafio para os
Banco do Brasil, Geraldo Castilho, que mantendo a capacidade bancos médios e pequenos está na fon-
reforça a decisão do banco de ampliar de endividamento te de recursos para essas operações. “O
a concorrência no mercado de crédito, funding ainda é um problema porque
mas sem ampliar sua exposição ao risco. são operações de prazo muito longo,
mas a inadimplência, que era de 12%
O gerente executivo de risco do Banco há cinco anos, caiu bastante”, conta.
Volkswagen, Thierry Roland, acredita lho”, diz o gerente de indicadores de
no aumento da competição, mas pela mercado da Serasa Experian, Luiz Rabi. Passado o pior momento da crise, fica
entrada de novos agentes do setor pú- claro que o mercado foi ágil para colo-
blico, já que a crise aumentou o conser- O crédito imobiliário é uma das maio- car em prática lições aprendidas em ou-
vadorismo das instituições privadas. res apostas do setor. O presidente da tros momentos difíceis, protegendo as
Associação Nacional das Instituições de estratégias de crescimento. Houve es-
“Antes da crise, a competição ocorria forço de negociação e compreensão do
por taxa e prazo, agora virá pelas mãos novo cenário, mas também aceleração
dos bancos públicos”, avalia Roland, Divulgação no processo de cobrança para evitar dí-
citando a associação entre a financeira vidas com mais de 90 dias, o que pode-
BV e o Banco do Brasil como exemplo ria prejudicar a avaliação das carteiras e
do apetite da instituição. impactar a liquidez das instituições.

Os agentes do mercado apostam no “Renegociação, alongamento, devo-


crescimento do crédito de automóveis lução do bem são alternativas, mas os
e de imóveis. O maior incentivo é a alie- consumidores também precisam enten-
nação fiduciária que garante a retoma- der que esse é um risco de mercado que
da do bem em casos de inadimplência. não pode ficar só com as empresas”, re-
sume o presidente do Instituto GEOC,
“Essas linhas voltadas para pessoa físi- citando o caso dos consumidores que
ca dependem basicamente da atividade compraram veículos antes da crise em
econômica e do nível de emprego e prazos longos, sem entrada e sem des-
esse foi o foco de todas as medidas do CASTILHO: precisamos ter iniciativa conto no IPI, e hoje têm dívidas maiores
governo: preservar o mercado de traba- na recuperação de créditos que o valor de um veículo 0 KM.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 13


CAPA >> MAIS CRÉDITO COM MENOS RISCO

Regulamentação do
cadastro positivo pode
reduzir inadimplência
O cadastro positivo pode
reduzir a inadimplência em
45%, aumentar em 19% o
acesso ao crédito e reduzir
em 62% as taxas cobradas
pelo sistema financeiro

Divulgação
Savioli: Diminuir a inadimplência ainda é um dos maiores desafios

A pesar do sucesso das medidas de


incentivo à economia e do com-
portamento dos índices durante a cri-
positivo, mas é importante regulamentá-
lo. Atualmente, existe um Projeto de Lei
tramitando no Senado (PL 405) e outro
Para a Serasa Experian, que trabalha há
vários anos na difusão do conceito e já
opera alguns projetos-pilotos, o cadastro
se, diminuir a inadimplência ainda é um na Câmara dos Deputados (PL 836). Cada positivo pode diminuir a inadimplência
dos maiores desafios das instituições de um deles impacta de forma diferenciada em 45%, aumentar em 19% o acesso ao
crédito. A avaliação é do presidente da na adoção ou não do cadastro. crédito e reduzir em 62% as taxas cobra-
Acrefi, Adalberto Savioli, que defende das pelo sistema financeiro.
a regulamentação do cadastro positivo “A principal diferença entre os dois
para reduzir a inadimplência. “Bancos projetos é que o PL 836 pede autoriza- “Todos os segmentos podem se bene-
e terceiros investiram muito em tecno- ção dos clientes para inclusão, determi- ficiar porque o cadastro positivo acaba
logia, modelos de prevenção e na for- na notificação de informação negativa com a assimetria de informação. A em-
mação de executivos. Mas o impacto e proíbe que contas de consumo de presa passará a conhecer o consumidor
do cadastro positivo pode ser muito menos de 60 reais sejam negativadas, por meio de informações das compa-
maior”, acredita. enquanto a proposta do Senado é mais nhias de serviços públicos, informações
básica, simplesmente confirma a possi- familiares etc. Isso ajuda a formar a re-
De acordo com Savioli, não existe nenhu- bilidade de utilização do cadastro posi- putação de pessoas não bancarizadas e
ma lei que impeça a adoção do cadastro tivo”, resume. permite que as empresas adotem uma
postura menos conservadora”, acredita
Depois do susto, inadimplência Savioli lembra que, sem Ricardo Loureiro, presidente da unida-
poder usar informações de de negócios pessoas físicas da Sera-
volta a ficar sob controle
% em relação ao mês anterior positivas, como os da- sa Experian.
dos das empresas de
25 22,6 serviços públicos (água, Enquanto o cadastro positivo não é re-
20 gás, telefone etc.), o gulamentado, entre o uso de tecnologias
crédito é dado com in- e modelos inovadores e equipes bem
15
formações cadastrais, treinadas no combate à inadimplência, o
10 o que dificulta a apro- mercado fica com os dois. O presidente
6,7
vação e mantém gran- da Associação Brasileira de Telesserviços
5 2,8 de parte da população (ABT), Jarbas Nogueira, lembra que a
0 sem acesso ao crédito, estratégia adotada depende do perfil da
embora cerca de vinte dívida. “Para dívidas mais recentes e ope-
-5
milhões de novos con- rações mais simples, aumenta a impor-
-10 sumidores tenham in- tância da tecnologia em relação à capaci-
jul/08 ago set out nov dez jan/09 fev mar abr mai jun jul/09
gressado no mercado tação da equipe. E vice-versa em caso de
Fonte: Serasa Experian nos últimos três anos. dívidas de mais idade”, afirma.

14 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


CAPA

Dificuldades de crédito para micro


e pequenas mobilizam a cadeia de crédito
A maior preocupação das instituições, porém, é manter o relacionamento com o cliente

U m ano depois de a crise financeira


ter chegado à economia real, pe-
quenas e médias empresas ainda mos-
panhamento que fazemos de consultas
aos CNPJs mostra que de junho para
julho houve um aumento de 5,7% nas
Um dos desafios nesse segmento é que
a interface da rede e da central de aten-
dimento nem sempre é quem decide.
tram sinais de fragilidade. Enquanto consultas sobre micro e pequenas em- “Estamos estudando até modelos com-
os indicadores do Banco Central mos- presas”, informa. portamentais. É mais fácil quando es-
tram que o crédito para pessoas físicas tamos tratando com aquelas empresas
está estabilizado, entre as empresas a A situação chama a atenção do Gover- individuais, mas o maior desafio dos ca-
inadimplência dobrou de um ano para o no Federal, que incentiva instituições nais de atendimento é conhecer quem
outro, passando de 1,7% para 3,8% na públicas a criarem um fundo de garantia decide”, explica.
comparação entre os meses de julho de para operações com pequenas e médias
2008 e 2009. empresas. A maior preocupação das ins- As dificuldades também estão no radar
tituições, porém, é manter o relaciona- do Banco Volkswagen. Na avaliação do
De acordo com o gerente de indicado- mento com o cliente. “Esse é um cliente gerente executivo de risco do Banco
res de mercado da Serasa Experian, Luiz que, quando fica inadimplente, dificil- Volkswagen, Thierry Roland, existe mui-
Rabi, a recuperação do mercado inter- mente se recupera”, explica o gerente to espaço para o setor crescer na con-
no ajuda pequenas e médias empresas executivo da diretoria de reestruturação cessão de crédito para pessoas jurídicas,
que sofreram nos últimos meses, mas de ativos operacionais do Banco do Bra- mas a primeira etapa é reduzir a inadim-
aumenta a demanda por crédito. Evitar sil, Geraldo Castilho. plência. “São negociações longas, que
o fechamento do crédito para empre- podem levar mais de 60 dias para come-
sas é um desafio que mobiliza toda a Castilho diz que está procurando envol- çar a dar resultado. Começamos a fazer
cadeia deste mercado. “Não existe um ver as agências e as centrais de atendi- alguns pilotos em julho com escritórios
indicador sobre operações de crédito mento, além de fornecedores terceiri- de cobrança e estamos fazendo o acom-
por segmento econômico, mas o acom- zados, nas estratégias de recuperação. panhamento”, conta.

Apesar da crise, spread está em queda


O aumento da competição e a redução da inadimplência Queda dos juros básicos e do spread
podem fazer a diferença na trajetória dos juros médios dos bancário reduzem taxas para pessoa física
empréstimos nos próximos meses. Desde o fim de 2008, os % a.a.
juros vêm caindo em função dos cortes da taxa de juros bá-
sica da economia. A decisão do Comitê de Política Monetá-
ria (Copom), do Banco Central, de interromper os cortes na
Taxa de 57,9
aplicação 51,4
reunião realizada no começo de setembro, porém, aumenta 12,9 44,9
14,8
o foco sobre as margens das instituições financeiras e sobre Taxa de 9,7
as taxas de risco. captação
45,0
Spread* 36,6 35,2
A boa notícia é que os indicadores de julho divulgados
pelo Banco Central indicam que a estabilização dos índices
de inadimplência e as medidas de incentivo à concorrên- Jul/08 Dez/08 Jul*/09
cia parecem estar surtindo efeito. Em 2009, a maior parte *Spread obtido pela diferença entre as taxas de aplicação e de captação. **Dados preliminares.
da redução das taxas para pessoas físicas foi verificada nos Fonte: Banco Central

spreads, ou seja, os bancos reduziram mais suas taxas de


aplicação do que conseguiram reduzir a taxa de captação. geral de 6,5 pontos percentuais nos juros para a mesma
categoria), a queda verificada no spread no trimestre foi de
Enquanto no indicador de 12 meses o spread para pessoa 4,6 pontos percentuais para uma redução geral dos juros de
física caiu apenas 1,4 ponto percentual (para uma queda 5,2 pontos percentuais no mesmo período.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 15


caso de sucesso

Iniciativa pioneira
Projeto Dr. Debt, que promove a educação
dos consumidores, ajuda a transformar a
imagem da indústria de cobrança nos EUA

Carolina Sanchez

A
crise econômica que afetou os Estados Unidos no segundo semestre do ano pas-
sado teve reflexos diretos na indústria de cobrança. “O principal problema que
tivemos na indústria de cobrança foi o desemprego, que aumentou e continuou
aumentando nos meses subsequentes. Isso, obviamente, nos trouxe para um cenário
problemático, uma vez que os cidadãos não podiam pagar seus impostos sem os seus
empregos”, afirma Jay Gonsalves, vice-presidente da ACA International (Associação dos
Profissionais de Crédito e Cobrança). Saiba mais
A ACA está trabalhando na
Assim, o volume de débitos cresceu e a demanda pelo trabalho da indústria de co- versão em espanhol do site,
brança também, mas a negociação das dívidas estava difícil. “Tínhamos mais ne- que deve ficar pronta em
gócios, mas o valor arrecadado com as cobranças não acompanhava esse cresci- breve. Ainda não há previsão
mento. Começamos, então, a trabalhar na cobrança de longo prazo, aceitando da tradução do site para o
propostas de pagamentos menores com prazos estendidos”, conta Gonsalves. português, mas os executivos
brasileiros poderão conhecer
Para se ter uma idéia, um estudo realizado em 2008 pela Pri- melhor esse projeto no 5º
cewaterhouse Coopers a pedido da ACA mostrou que, no ano Congresso Nacional de Crédito
anterior, a indústria de cobrança conseguiu recuperar 40,4 bi- e Cobrança, que acontece nos
lhões de dólares em débitos para as empresas americanas, o dias 27 e 28 de outubro, em São
que demonstra a sua importância para a economia dos Estados Paulo. Mais informações no
Unidos. Lá, o setor também gera 400 mil empregos e tem uma www.askdrdebt.com ou
folha de pagamento por volta dos 16 bilhões de dólares. “Além www.cmseventos.com.br
Divulgação

disso, possibilita a abertura de call centers em países em de-


senvolvimento, oferecendo treinamento e profissionalização”,
Gonsalves: 20 milhões lembra Gonsalves. Mobilização
de pessoas tiraram A ACA International é uma
dúvidas no Ask Dr. Debt Para continuar a garantir o mesmo nível de arrecadação com a associação de grande prestígio
negociação de dívidas e tonar mais fácil a abordagem dos consu- na indústria de cobrança
midores, que passavam por um momento delicado em suas finanças, a ACA International mundialmente. Foi criada em
Education Fundation lançou, em abril deste ano, o Ask Doctor Debt. É um website que 1939 e reúne mais de 5,5 mil
oferece informações gratuitas e imparciais para solucionar dúvidas de consumidores sobre empresas associadas em 65 países.
dívidas, sem que ele tenha que fornecer informações pessoais. Com isso, o projeto visava Tem como principal missão fixar
educar as pessoas para que compreendessem melhor os seus direitos e responsabilidades padrões éticos e contribuir com 
nos processos de crédito e de cobrança de débitos, simplificando as negociações. produtos, serviços e publicações
para o sucesso dos seus associados,
A iniciativa foi um sucesso. Considerado um projeto de relações públicas inovador, o Ask assim como gerar uma reputação
Dr. Debt está mudando a imagem do mercado de crédito nos Estados Unidos. “Vinte mi- positiva da indústria de cobrança
lhões de pessoas já enviaram suas dúvidas ao Ask Dr. Debt. E esse número deve aumentar para o mercado, os consumidores
e se expandir para outros países”, diz Gonsalves. e legisladores. Acesse
www.acainternational.org
Ele explica que o Ask Dr. Debt é um sistema rápido, com interface simples para o usuário,
que pode ser muito útil para instruir os consumidores sobre como lidar com situações gera-
das por cobranças. Ao entender as opções que tem para resolver os problemas com crédito
e dívidas, o consumidor evita o estresse emocional desnecessário, comum nas negociações.
“Eles aprendem, por exemplo, que não atender as ligações apenas os deixa em uma posi-
ção ainda mais complicada”, conclui o executivo da ACA.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 17


indicadores

OTIMISTA, mas em alerta


Amanda Brum

Jan-08 Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set O


Fonte: Serasa Experian

A
crise já passou. A afirmação, que vem ganhando coro Prova disso são os resultados colhidos pelos indicadores da
cada vez mais forte entre políticos, empresários, econo- Serasa. Em julho, o índice que mede a busca de consumi-
mistas e financistas brasileiros, não pode ser levada ao dores por crédito foi positivo em 3,5%, resultado que pela
pé da letra pelo mercado de crédito nacional. Muito embora os primeira vez no ano foi superior ao mesmo mês de 2008.
resultados dos últimos meses venham enchendo o setor de espe- No tocante à demanda de crédito por empresas, a taxa de
rança, os dados do acumulado do ano mostram que um pouco julho anotou expansão de 5,5% frente a junho, deflagrando
de prudência ainda é necessária. a quinta alta mensal consecutiva. O resultado significa que
a busca de empresas por crédito em julho superou pela pri-
A busca de crédito por consumidores registrou queda de 5,3% meira vez em 2009 o patamar verificado em outubro do ano
nos sete primeiros meses do ano frente mesmo período de 2008, passado, quando a crise internacional se agravou.
segundo o indicador Serasa Experian de Demanda dos Consumi-
dores por Crédito. O número, já considerável, é ofuscado pelo ín- “Mantido esse ritmo de recuperação, a demanda dos con-
dice relativo à demanda das empresas por crédito, que foi 6,1% sumidores por crédito deve encerrar 2009 com variação
menor de janeiro a julho deste ano se comparado com os sete acumulada positiva entre 0% e 5% frente ao ano passa-
primeiros meses de 2008, de acordo com o indicador de Deman- do”, aposta Luiz Rabi, gerente de indicadores de mercado
da das Empresas por Crédito, da mesma empresa. da Serasa Experian. “Já para as empresas, a demanda de
crédito deve fechar próximo de zero.”
Roberto Troster, sócio da Integral Trust e ex-economista-chefe da
Febraban, avalia que os indicadores de desempenho negativos Embora otimista, na opinião de Troster essa é uma previ-
não se devem apenas à crise externa, mas também aos problemas são bem realista e factível de ser cumprida. Ele lembra que
estruturais que o setor apresenta. Na opinião dele, diante da ins- o índice de atividade econômica no Brasil vem crescendo,
tabilidade da crise, o mercado de crédito como um todo acabou assim como as taxas de investimento e de emprego. No
reagindo de forma similar, com a oferta de linhas mais caras. sentido oposto, o País vem observando uma queda gra-
dual da taxa Selic, um recuo das taxas médias de juros
“Tivemos um primeiro quadrimestre muito ruim. O fim do pri- praticadas pelo setor de crédito e do índice de compro-
meiro semestre foi um pouco melhor e nos últimos meses co- metimento da renda dos brasileiros. “Estamos com uma
meçamos finalmente a enxergar uma possibilidade de inversão composição de renda melhor e com taxas médias mais
neste quadro”, afirma Troster. “Ainda é preciso agir com cautela, baixas, o que é bom sinal para o mercado de crédito”,
mas as perspectivas para o ano são positivas.” avalia Troster.

18 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


INDICADORES

Os reflexos da crise financeira internacional no setor de crédito ainda


inspiram cuidados. Mas as análises de indicadores do primeiro semestre
mostram que já é possível nutrir otimismo com o desempenho de 2009

106,3
Indicadores de demanda por crédito
105,4
Consumidor
Empresas 100

90

80
ut Nov Dez Jan-09 Fev Mar Abr Mai Jun Jul-09

Índice de inadimplência
Empresas Consumidor Inadimplência:
240
228,5 tendência
220

200
DE estabilização
180
Dados do Banco Central mostram que em 2009 ainda não
160 houve um mês sequer em que a inadimplência fosse menor
136,8 se comparada com igual período do ano anterior. Em julho,
140

120
por exemplo, a taxa líquida em São Paulo estava em 7,4%,
contra índice de 6,3% anotados no mesmo mês de 2008.
100
Jul-07 Jan-08 Jul-08 Jan-09 Jul-09
“A inadimplência é uma condição do mercado de crédito e
Fonte: ACSP e Bacen/Deban
temos de saber lidar com ela. Por enquanto, não acredito
que há motivos para alarde. Só ligaremos o sinal de alerta
se o índice continuar no crescente até novembro”, comenta
“Tivemos um primeiro João Paulo Mattos, superintendente do Instituto GEOC. “De
quadrimestre muito ruim. qualquer forma, acredito que a tendência é que os índices se
O fim do primeiro semestre foi estabilizem ainda neste ano.”
um pouco melhor e nos últimos
meses começamos finalmente a Troster sinaliza que os índices ainda estão altos pelo carry-
enxergar uma possibilidade de over da dinâmica anterior, mas a partir de novembro devem
inversão neste quadro... iniciar uma trajetória de queda. “À medida que o crédito
Ainda é preciso agir com cautela, cresce, você tem mais liquidez, o que acaba se refletindo po-
mas as perspectivas para o ano sitivamente também na inadimplência, que tende a recuar.”
são positivas.” Voltar aos mesmos padrões de 2007 ou de antes da crise,
entretanto, é cenário que só pode ser vislumbrado a partir
Roberto Troster, da Integral Trust de 2010, na opinião do economista.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 19


Gerencie Carteira Serasa Experian

Atenção ao seu maior patrimônio:


sua carteira de clientes.
Com o Gerencie Carteira você detecta
oportunidades e riscos, podendo
programar a ação mais adequada para
rentabilizar o seu maior patrimônio: sua
carteira de clientes, sejam eles empresas
ou consumidores.

Acompanhe variações de risco


Acelere a tomada de decisão
Antecipe ações de cobrança e aumente as chances de retorno
Rentabilize o relacionamento comercial
Identifique concentrações de risco na carteira
Conheça melhor seus clientes
Mantenha um forte controle sobre sua carteira de clientes.
Contate a Serasa Experian e saiba mais
sobre o Gerencie Carteira.

0800 773 7728


serasaexperian.com.br
NOVIDADES

A g e n d a

27 e 28 de OUTUBRO
5º Congresso Nacional de
Crédito e Cobrança
São Paulo | Brasil | Teatro Alfa
e Hotel Transamérica

2 e 3 de NOVEMBRO
1º Congresso Internacional
de Crédito e Cobrança
Grupo ML abre novo site Caracas | Venezuela |
Tamanaco Intercontinental
Há mais de 20 anos no mercado de cobrança, o Grupo ML Serviços Financeiros,
especializado na recuperação de créditos, anuncia o lançamento do seu novo site.
4 e 5 de NOVEMBRO
Com 2.500 m2 de terreno e 5.600 m2 de área construída, o site está localizado
1º Congresso Nacional de
no Centro Empresarial Tamboré, Santana de Parnaíba, e conta com 900 pontos de
Crédito e Recuperação.
atendimento. Dentro da estratégia de especialização de serviços, a companhia
Evento paralelo ao 1º
visa expandir seus negócios. “O site atenderá uma demanda de mercado que tem
Congresso Ibero – Americano
crescido em função do aumento da inadimplência. A empresa se preparou para
de Crédito e Recuperação
esse crescimento e poderá absorver a demanda praticamente de imediato”, afirma
Madrid | Espanha | Hotel Meliá
João Leme, diretor-executivo do Grupo ML Serviços Financeiros.
Castilla

12 e 13 de NOVEMBRO
Congresso e Encontro de negócios em Madri 2º Congresso Nacional de
Crédito e Cobrança
• • • A CMS continua com sua outros países da América Quito | Equador | JW Marriot
atitude de liderança pioneira Latina, reunidos na Asso- Hotel Quito
na indústria latina do crédito, ciação Latinoamericana
lançando o 1º Congresso Na- de Empresas de Cobran- 25 de NOVEMBRO
cional de Crédito e Cobrança ças (LatinCob). 3º Congresso Nacional de
em Madri, na Espanha, nos Financiamento de Consumo
dias 4 e 5 de novembro, no Pela Europa estão confir- e Meios de Pagamento
Hotel Meliá Castilla. O encontro terá a par- madas as presenças de Kornel Tingueli, pre- Buenos Aires | Argentina |
ticipação de líderes do mercado espanhol sidente da Federação Européia de Associa- Hotel Caesar Park
que vão debater experiências e visões sobre ções de Cobranças (Fenca), Antonio Gaspar,
o futuro da indústria. diretor executivo da Associação Portuguesa www.cmseventos.com
de Empresas de Gestão e Recuperação de
Durante o congresso será realizado o 2º Créditos (Aperc), junto a outros relevantes
Encontro Europeu-Latinoamericano de atores da indústria portuguesa, assim como
Empresas de Cobrança que contará com a diretoria e membros da Associação Espa-
a presença de empresários da indústria nhola de Empresas de Cobrança (Angeco).
de cobrança do Brasil, representados pela Mantenha-se informado
diretoria do Instituto GEOC, assim como de (Veja mais sobre Madri na página 28) sobre os mais importantes
eventos da indústria latina
de crédito e cobrança.
Instituto GEOC tem novo executivo É simples planejar a sua
••• João Paulo de Mattos (foto) é o novo superintendente agenda anual:
do Instituto GEOC, que congrega as principais empresas 1. Acesse
especializadas em recuperação de crédito do Brasil. O Selo de
Qualidade do GEOC, o primeiro do setor de recuperação de
crédito, é um dos alvos do executivo. “Ele serve de 2. Selecione o mês, país
referência às empresas associadas do ponto de ou tipo de evento de
vista de qualidade, inclusive pelo uso de índices sua preferência
internacionais. O primeiro ponto é fazer a gestão 3. Clique em “Buscar”
do Selo”, enfatiza Mattos. e agende no seu Outlook

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 21


IDEIAS & TENDÊNCIAS

Mudança de paradigma
na gestão de recebíveis
Francisco Valim
Presidente da Serasa Experian
e da Experian América Latina

Carol Carquejeiro
A
crise financeira global estabe- Outro ponto a ser mencionado e
lece um momento de reflexão que precisa ser bem compreendi-
para o mercado de crédito e a do, é que a cobrança é uma área de
cobrança no Brasil. Sobre o primeiro relacionamento e, como tal, deve
aspecto, a implantação do cadastro po- abordar o devedor em atraso de for-
sitivo é cada vez mais necessária, pois ma a não impactar vendas futuras.
o atual processo de decisão de crédito, A cobrança deve trazer de volta o
baseado apenas em informações nega- consumidor para as vendas e não
tivas, atingiu seu limite de eficácia. Não afugentá-lo, deve trabalhar a favor
há mais espaço para que o aumento da fidelização do cliente. Sabe-se
das operações de crédito seja acompa- que o custo de conquistar novos
nhado pela elevação da inadimplência, clientes é muito elevado.
exigindo maior esforço de cobrança.
As empresas de cobrança precisam
O cadastro positivo cria condições para a evolução sustentada estar preparadas para a retomada econômica que, por conta
do crédito. Responsabilidade esta que deve ser assumida por da recessão internacional, será novamente empreitada pelo
todas as instituições concedentes, no sentido de se compro- mercado doméstico, pelo crédito. A cobrança, em seu modelo
meter com a qualidade do crédito, evitando, por exemplo, o tradicional, já não atende às necessidades do novo mercado
superendividamento ao emprestar recursos para aqueles com no pós-crise.
condições de crédito deteriorada. Nesse sentido, o cadastro
positivo também é um projeto de cidadania, ao atuar em prol Agregar inteligência de mercado é o maior desafio que se pro-
da educação financeira dos consumidores. põe ao segmento. Contar com ferramenta de scorings, para
antecipar ações e ter estratégias adequadas ao perfil de risco
O cadastro positivo reverte as atuais barreiras do crédito – de cada consumidor, aumenta as possibilidades de êxito da re-
inadimplência e juros elevados e menor abrangência popula- cuperação do crédito. Assim, a cobrança também se beneficia
cional. Além disso, esse modelo estatístico, promove a efici- com o cadastro positivo, pois a melhor forma de se reduzir a
ência em todas as etapas do ciclo de crédito, inclusive em sua inadimplência é de forma proativa e preventivamente, evitan-
recuperação. do que o mau crédito ocorra.

Sobre o segundo aspecto, a cobrança tem experimentado uma Como extensão da área de vendas, a carteira de cobrança
série de desafios ao longo dos últimos anos, desde a forte ex- também precisa ser competitiva em relação às de outras ins-
pansão do crédito até o presente momento, de normalização tituições do mercado. Essas empresas precisam investir em
em sua oferta. Uma das principais tarefas dessa atividade é a sistemas que identifiquem as oportunidades e os riscos na re-
rapidez na recuperação dos recursos, que é fundamental para cuperação de crédito.
o fluxo de caixa das empresas. Cabe destacar que a cobrança
está vinculada ao contas a receber, sendo assim, importante Há uma grande mudança de paradigma na gestão de recebí-
para a rentabilidade de qualquer negócio. veis e ela está acontecendo.

22 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


tendência
Divulgação

A RESPOSTA EStÁ NA

WEB
Mapear o comportamento de quem
está online pode apontar rotas mais
seguras para as estratégias de negócios
Tancer: Pesquisa online torna empresa alinhada
com as expectativas do seu consumidor Regina Ielpo

D
esde que começou a decisões baseados em seus Verde e amarelo
se dedicar à pesquisa instintos, o que pode levá-los na internet
e análise do comporta- a direcionar recursos equivo- Bill Tancer esteve no Brasil no
mento dos usuários da internet, cadamente. “Pesquisando os início de setembro para um en-
o diretor Mundial de Pesquisa movimentos das pessoas na in- contro com empresários, quan-
da Experian Hitwise, Bill Tancer, ternet vemos como elas de fato do apresentou ao mercado
descobriu novas formas para se comportam, o que torna as nacional um perfil do brasileiro
obter informações estratégicas decisões de negócios mais exa- que navega na internet: ele
únicas que têm colaborado tas”, afirma o diretor da Expe- acessa menos conteúdo adulto
para o sucesso de empresas em rian Hitwise. do que os norte-americanos,
todo o mundo. Para o executi- pois prefere navegar pelas
vo, autor do livro Click: o que milhões de Bill Tancer conta que a demanda por fer- redes sociais virtuais como o
pessoas estão fazendo on-line e por que ramentas de inteligência competitiva tem Orkut e o YouTube.
isso é importante, é na web que cada um aumentado no mundo dos negócios e
de nós revela seus maiores desejos, medos não apenas por parte das grandes corpo- Bill Tancer também
e preferências sem constrangimentos. rações. “As pequenas empresas tendem a apontou o ranking
destinar seus recursos em ações online e dos sites mais acessados
Para o executivo, um dos grandes desa- por isso estão muito atentas ao compor- no país:
fios de se obter resultados precisos pelas tamento do consumidor na web”, revela 1º - Google Brasil
pesquisas de mercado em qualquer setor o executivo. Ele completa: “Essas com-
da economia é a falta de sinceridade dos panhias estão usando esse tipo de dado 2º - Orkut
entrevistados ao responderem sobre seus para se tornarem realmente competitivas, 3º - Google
hábitos. Bill Tancer classifica esse compor- baseadas em decisões precisas e que f 4º - YouTube
tamento como “dissonância”, que acon- zem a diferença”.
tece quando um entrevistado acredita que 5º - Windows Live Mail
sua imagem pode ser afetada caso revele, Toda empresa pode se beneficiar dos da- 6º - Google Image
por exemplo, que acessa sites de conteúdo dos sobre comportamento online. Para 7º - Globo Esporte
adulto ou de apostas. “Por isso, mapear o Tancer, as companhias da área de crédito,
comportamento online em alguns casos é por exemplo, devem acompanhar de perto 8º - Globo
um ótimo complemento para a pesquisa os movimentos das pessoas em relação às 9º - UOL
tradicional, mas também pode servir como buscas por empréstimos e financiamen- 10º - MSN Brasil
fonte principal para um levantamento de tos. “Quando uma empresa interage com
perfil de consumo”, diz Bill Tancer. os dados sobre o comportamento online,
torna-se mais alinhada com as expectativas
De acordo com o autor de “Click”, mui- do seu consumidor, o que é positivo para
tos homens de negócios ainda tomam ambos os lados”, explica.

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 23


OPINIÃO

COBRANÇA OU RECUPERAÇÃO
DE CLIENTES?
Adilson Melhado
Presidente do Instituto GEOC

Carlos Della Rocca


N
os últimos anos vínhamos ob-
servando um forte crescimen- audível), envio de mensagens de SMS,
to econômico e expansão de discadores automáticos e gravadores
crédito com níveis de inadimplência de dados e voz são indispensáveis na
sob controle praticamente em todas gestão da cobrança. Como empreen-
as economias modernas. No caso dedor da indústria de recuperação
brasileiro e a exemplo do que ocor- de créditos, acredito que para alcan-
reu com a maioria das economias dos çarmos um desenvolvimento seguro
países desenvolvidos e emergentes, os e consistente precisamos direcionar
reflexos da crise financeira internacio- nossos recursos e investimentos na
nal se intensificaram nos últimos me- inteligência do negócio.
ses de 2008, impactando nos níveis
de emprego e do comércio interna- Vislumbro que num cenário de cur-
cional, reduzindo nos níveis de cres- to prazo, o atendimento aos acor-
cimento do PIB no último trimestre dos de níveis de serviços com alta
do ano passado e que persistiu ainda performance e qualidade às novas
em 2009. Não obstante, segundo dados do Banco Central do demandas dos clientes serão fatores fundamentais para o
Brasil, no mercado de crédito, no que diz respeito ao trimestre sucesso das empresas. Nesse sentido, o Instituto Geoc de-
encerrado em junho último, as taxas de juros permaneceram senvolve papel importante junto às suas associadas para
em trajetória declinante, principalmente nas modalidades des- consolidar o crescimento da atividade de cobrança no País.
tinadas a pessoas físicas, segmento em que a inadimplência Direcionamos os esforços de seus membros para a conso-
registra relativa estabilidade. Ainda segundo o Bacen, o atraso lidação de sua missão que é ser uma entidade destinada
registrado nas operações relacionadas a pessoas físicas repre- ao fortalecimento da indústria de cobrança, pelo compar-
sentou 8,4% do crédito referencial deste segmento e o atraso tilhamento das melhores práticas de gestão, promoção de
de pessoas jurídicas resultou em 2,9%, registrando variações soluções inovadoras, padronização de modelos de gestão
respectivas, de 0,2 p.p. e 0,9 p.p., no trimestre, e de 1,3 p.p. nas operações de cobrança, do foco em processos ágeis
e 1,1 p.p., em 12 meses. e eficientes, da capacitação e aperfeiçoamento de pessoal
especializado e conduta ética inquestionável. Outro aspec-
Quanto ao mercado de cobrança, os índices de inadimplên- to contributivo do instituto vai no sentido de buscarmos
cia das empresas e pessoas físicas acompanham as flutuações formas de mitigar os custos das empresas, colaborando nos
nesta oferta de recursos, gerando novos negócios às empre- estudos de benchmarking e realizando gestão junto a for-
sas de recuperação de crédito, quer seja em cenários de esta- necedores comuns.
bilidade ou em períodos de maior turbulência.
No novo cenário econômico que se apresenta é importante
Um dos maiores desafios para as empresas em geral é a acelerar o amadurecimento deste mercado. Para que isso
adequação do “capacity” aos novos volumes de negócios ocorra, é necessário aumentar a eficiência operacional de co-
e em bases rentáveis e remuneratórias do capital investido. brança, diminuir os riscos, melhorar a qualidade do crédito,
É o fazer “mais com menos”. Nesse sentido, as ferramentas realizar o aprimoramento jurídico e processual da cobrança
de Business Intelligence (BI), data warehouse e data mining do crédito e desenvolver o mercado de venda de ativos não
(prospecção de dados), além de URA’s (unidade de resposta performados.

26 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


Instituto GEOC comemora um
ano de lançamento do Selo de Qualidade
Criado para estabelecer excelência nos “Assim que uma em- sas com os contratantes de
serviços de cobrança, o Selo de Qualidade presa entra no processo de serviços de cobrança, com
já é referência no mercado. Conheça mais certificação, ela já começa a os acionistas das empresas
sobre este instrumento que tem revolucio- ter uma série de vantagens, prestadoras dos serviços e
nado o mercado! como reavaliar todos os estudos da FGV.
O processo de certificação das empresas, processos e os sistemas de “A idéia foi estruturar o
desenvolvido pelo Instituto GEOC, juntamen- gestão, dentro de quesitos selo para que ele seja um
te com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), foi técnicos definidos, e pode instrumento vivo. Por isso, a
um marco muito importante para a indús- comparar em que posição a cada dois anos, as empresas
tria de cobrança. A idéia principal do selo é empresa está situada naque- precisam renovar sua certi-
garantir um nível mínimo de excelência em le item em relação ao merca- ficação. Durante o período,
diversos itens de operação e gestão das em- do, entre outras”, explica Jair nós da FGV, em conjunto
presas prestadoras do serviço de cobrança. Lantaller, patrono da Frente com a Frente de Trabalho do
O grande impacto do selo no mercado de Trabalho do Instituto. IGEOC, estudamos melhorias
se deve à abordagem diferenciada em rela- Elaborado com todo cuidado para atingir e revemos os itens, conforme a demanda do
ção a outros selos existentes em outros seg- os objetivos de todos, o selo possui cerca de mercado”, explica Sergio Luiz Gonçalves Pe-
mentos, pois o Selo IGEOC não visa somente 70 itens com quatro níveis. Para serem cer- reira, professor da Fundação Getúlio Vargas.
excelência nos processos operacionais, mas tificadas, as empresas de cobrança devem Atualmente, existem seis novas empre-
também na gestão da empresa, como re- passar pela auditoria da FGV e atingir uma sas em processo de auditoria pela Fundação
cursos humanos, financeiros, estratégicos e pontuação mínima pré-estabelecida. A cria- Getulio Vargas que está avaliando cada item
tecnológicos. ção dos itens foi realizada conforme pesqui- do selo para certificá-las.

Frente de RH do IGEOC promove IGEOC hoje


cursos específicos para o setor Completando agora um grupo seleto de 18 associadas, o
Instituto GEOC recebeu, em maio e setembro de 2009, mais
Sabendo da dificuldade do mercado na formação de profis- três integrantes: Global Serviços de Cobrança, Redebrasil
sionais especializados em crédito e cobrança, a Frente de RH do Gestão de Ativos e Absoluta Cobranças. Com a marca
IGEOC promove, frequentemente, cursos específicos sobre os da excelência e qualidade, as empresas que compõe o
temas do dia a dia do setor para o desenvolvimento profissional instituto estão próximas de atingir a marca de 20.000
de colaboradores das empresas associadas à instituição. funcionários e 15.000 PAs (capacidade instalada).
Desde o ano passado, o instituto está realizando três tipos
de treinamento: gerencial, líderes e multiplicadores. O objetivo Veja as empresas que fazem parte do IGEOC
principal desta iniciativa é a busca pela excelência e qualidade
dos serviços prestados pelas empresas associadas ao IGEOC. A • Absoluta Cobranças • Magno Serviços de Cobrança
ideia é formar profissionais cada vez mais capacitados e aptos a • Aval Administração de Cobranças e Cadastro • ML Gomes Serviços de Cobrança
contribuir com o desenvolvimento do mercado. • Brascobra Center • Multicobra Cobrança
• CreditOne • Novaquest Serviços Financeiros
“Sabemos que os treinamentos são capazes de criar uma
• Global Serviços de Cobrança • RBZ Assessoria e Consultoria de Cobranças
cultura necessária para que o mercado de crédito e cobrança
• Intervalor Cobrança, Gestão de Crédito • Redebrasil Gestão de Ativos.
se firme cada vez mais como profissional de excelência em suas e Call Center • Renac Recuperadora Nacional de Crédito
operações”, explica Adriana Mattos, uma das responsáveis pela • J.A Rezende Assessoria em Recuperação • Siscom Sistema de Cobrança Modular
Frente de RH. de Créditos • Way Back Cobranças e Serviços
Os cursos são realizados na própria sede do IGEOC, na capi- • Localcred Meval Assessoria e Cobrança • Zanc Assessoria Nacional de Cobrança
tal paulista, em um espaço para cerca de 60 alunos.

Informe publicitário
PELO MUNDO

Agenda: Madri será


palco do 1º Congresso
Nacional de Crédito e
Recuperação, promovido
pela CMS entre os dias
4 e 5 de novembro, no
Hotel Meliá Castilla.
Mais informações:
www.cmseventos.com

Madri
convite ao bom gosto e à amizade
Raquel Vitorino “Crédito e cobrança: é hora
de se antecipar e inovar”
M
adri é uma cidade com diferentes facetas. Cultura, alta gas-
tronomia e passeios são algumas das opções que agradam Mais do que preocupação, os efeitos da crise
a todos os tipos de visitantes e quem estiver na cidade a ne- mundial sobre a economia espanhola devem ser
gócios não precisa se restringir ao trabalho. Pois embora conhecer a vistos como uma oportunidade para se “ocupar”,
cidade não seja uma tarefa que se esgote fácil, é possível ter uma idéia antecipar e inovar, na avaliação de Diego Sánchez
do que há de melhor em Madri em poucos dias. Reulet, diretor de riscos do Santander Consumer
Finance da Espanha.
Um bom passeio pela capital espanhola pode começar pela área co-
nhecida como triângulo das artes, onde estão os museus do Prado, O terremoto econômico global gerou a eliminação de
Reina Sofia e Thyssen-Bornemisza. Os museus estão entre os maiores mais de 1 milhão de empregos nos últimos 12 meses,
do mundo e concentram obras de grandes artistas espanhóis. O Museu elevando a taxa de desemprego para 17%, e projeta
do Prado oferece mais de 4.600 pinturas de artistas como Goya, Ve- uma queda no PIB superior a 3% este ano, e uma que-
lásquez, além de expoentes das artes de outras nacionalidades, como da de 1% para 2010. Sánchez Reulet considera, porém,
o italiano Caravaggio. Já o Reina Sofia abriga a Guernica, de Pablo que sem prejuízo da desaceleração na deterioração
Picasso, e obras de Juán Miró, entre outras. de alguns indicadores, será necessário acompanhar a
evolução do mercado nos próximos meses para definir
Após o contato com o melhor da arte mundial é hora de circular pelas o cenário futuro. Veja abaixo os principais desafios da
ruas que concentram as principais grifes espanholas e mundiais. O Bair- indústria de crédito, na visão do especialista:
ro de Salamanca, onde estão as ruas Serrano, Ortega e Gasset, abriga • • • Foco na gestão dos atrasos e na contenção de pro-
butiques e joalherias exclusivas. Outra opção de compras é a tradicional visões, gestão dos custos, margens e gestão prudente dos
loja de departamentos El Corte Ingles, na rua Serrano. Próximo a essa riscos são elementos-chave para gerir este ciclo.
área está o Parque do Retiro. Inaugurado em 1631, é o mais tradicional
de Madri e um dos destinos principais das famílias madrilenhas. • • • Segmentação das carteiras de investimento, a fim de
priorizar a gestão.
A viagem não está completa sem uma parada para provar pratos tí- • • • Ferramentas que ajudem os clientes com dificuldades
picos, como a paella, ou os petiscos conhecidos como tapas. Dividir de pagamento e gestão ativa das carteiras hipotecárias em
pratos de tapas com amigos é um hábito nacional. Para uma noite função de sua relevância no mercado espanhol.
típica, prove tapas diferentes em diversos restaurantes ao longo da noi-
te. E para terminar a viagem assista a um show de flamenco na Casa • • • Acompanhamento do comportamento do nível de
Patas, situada no bairro de Lavapiés, tradicional núcleo flamenco. Não confiança do consumidor, nível de atividade e emprego
estranhe, porém, os hábitos locais. Antes da meia-noite, bares e casas serão chaves para antecipar o cenário para os próximos
noturnas estarão vazios. meses.

28 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


VINHOS

“Esta noche me emborracho”


“Esta noite me
Angela Nunes embebedo”, tema do
tradicional tango de
Carlos Gardel, remete ao
vinho argentino, bebida

P 5,3 milhões
oucos clichês descrevem tão bem
a Argentina no imaginário coletivo
que vem conquistando
como um bom vinho degustado ao cada vez mais os de litros de vinhos consumidos no
som de Carlos Gardel. Apesar do lugar co- brasileiros Brasil no 1º semestre de 2009 são
mum, o vinho argentino é mesmo componen- provenientes da Argentina
te fundamental de sua cultura e conquista cada
vez mais espaço pelo mundo. Somente no primeiro
semestre deste ano, as exportações da bebida na Argenti-
na cresceram 20%. Em 2008, o crescimento foi de 34%. “A crise permitiu  que a Argentina se posicionasse
como um player relevante em mercados-chave e
A Argentina é hoje o quinto maior produtor e o décimo em provocou um feito de substituição que beneficiou
exportações de vinho no mundo. Estados Unidos e Canadá os produtos argentinos por sua excelente relação
são seus principais importadores, mas no Brasil o consumo preço-qualidade, sendo o Malbec a atual estrela em
do vinho argentino vem crescendo e, nos seus diferentes tipos, inclusive nos blends”, conta
primeiros seis meses de 2009, 26,9% Juan Molina, gerente geral da Nieto Senetiner.
das garrafas bebidas aqui, o
equivalente a 5,3 milhões
de litros, vieram do país vizi- A bodega argentina,
nho. O consumo per capita uma das Top 10 es-
de vinho no Brasil, no en- trangeiras, disponibi-
tanto, ainda é baixo, cerca de liza em São Paulo a
dois litros por pessoa, enquanto Casa Nieto Senetiner,
Argentina e Uruguai, por exemplo, com cursos e degus-
ultrapassam os 30 litros por pessoa ao ano, segundo dados da tações para promover ainda mais este mercado. “O
União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra). consumo dos vinhos de alta gama está em ascensão, o
  brasileiro está aprendendo a escolher, e a Bodega vem
Uma das explicações para a alta dos vinhos argentinos é que a se posicionado com sucesso como uma vinícola dife-
retração econômica teria estimulado a busca de opções com me- renciada, que produz vinhos de ótima qualidade, com
lhor custo-benefício. Além disso, nos últimos anos os vinhos pro- vinhedos numa das melhores regiões da Argentina, e
duzidos em países como Chile, Austrália, África do Sul e, claro, Ar- líder na aprendizagem e na comunicação do vinho”,
gentina, vêm sendo cada vez mais reconhecidos pela qualidade. completa Molina.

Para acertar Envelhecimento


“A escolha do vinho tem a  ver com a Nem todo vinho envelhece bem. São muitos os
quantidade de  gordura que tem a carne, fatores que determinam se um vinho pode ou não
o molho e os temperos. Um prato de carne ser envelhecido, como teor alcoólico, nível de
vermelha, com pouca gordura, poderá se açúcar, tanino e acidez, além da maneira como
harmonizar com um vinho branco, como será conservado. “Se tiver que escolher vinhos
o Chardonnay, com envelhecimento em encorpados e que tiveram envelhecimento
carvalho. E um peixe de rio, com textura de em carvalho, o recomendável são as uvas
carne com gordura, pode acompanhar um Malbec, Cabernet Sauvignon, Syrah, que têm
vinho tinto suave, exemplo, um Merlot ou muito tanino e podem ficar guardadas por mais
Pinot Noir”, indica Molina, da Nieto Senetiner. tempo”, ensina Molina.

Serviço - Casa Nieto Senetiner - Rua Henrique Martins, 508 – Jardim Paulista, São Paulo - Tel. (11) 3057-3089

CREDIT PERFORMANCE | OUTUBRO 2009 | 29


PONTO DE VISTA

ESPAÇO PARA CRESCER


Andrew Frank Storfer
Vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Administração,
Finanças e Contabilidade (Anefac) e sócio-diretor da Interacta Participações.

Divulgação
O
crédito tem desempenhado um do que o spread pré-crise), tendo
papel fundamental no crescimen- ocupado um espaço deixado pe-
to do País nos últimos anos. E a los bancos privados nestes últimos
previsão (aposta ou expectativa) de cres- meses. Em segundo lugar, o fato
cimento do PIB brasileiro em 2010 gira de que bancos verão uma redução
em torno de 4% a 5%. É um bom nú- na rentabilidade de operações de
mero. Mesmo se considerando uma base tesouraria com títulos públicos,
“menor” (o provável crescimento em tor- indo mais a mercado para no seu
no de zero em 2009) é um crescimento mix de crédito ter a rentabilidade
excelente quando comparado ao restante desejada. Claro que serão inicial-
do mundo e também compatível com a mente preenchidos os potes de
média desta década (até 2008). Melhor menor risco, ou seja, crédito con-
do que isso é a previsão de manutenção signado, financiamento imobiliário
do crescimento entre 2011 a 2015 a uma e financiamento de veículos que,
taxa média de 3 a 4% ao ano. uma vez preenchidos, farão que o
crédito se expanda mais para ou-
Mas como este crescimento será possí-
tras modalidades.
vel? Sem dúvida com o aumento de renda e emprego, mas
principalmente pelo crédito. E com ele os riscos. Será curioso, ainda, acompanhar o efeito de se ter por um pe-
ríodo longo (pelo menos por 1 ano) a combinação histórica de
A alavancagem financeira mundial caminhava para um desas-
inflação baixa e Selic baixa e, mais que isso, estáveis. Teremos
tre. Segundo levantamentos do McKinsey Global Institute, em
um período interessante de inflação em torno de 4,5% e Selic
1980 a relação no mundo entre ativos financeiros (depósitos
bancários, títulos de dívida privada e governamental e ações) de 8,75% ao ano.
e o PIB mundial era de 1 para 1. Em 2006 esta relação já era O crédito continuará a se expandir. Talvez em outro ritmo, mas
de 4 para 1! Ou seja, um total desalinhamento entre mundo continuará. Aliás, mais do que espaço para crescer, há o desafio
financeiro e a economia real... da velocidade de crescimento do crédito. Este tem sido um fator
O Brasil não sofreu tanto com a crise por causa do conservado- que, apesar de importante, é pouco comentado. Ritmo acelera-
rismo do sistema financeiro por aqui. Fomos mais afetados pelo do de crescimento traz consigo o desafio da educação financeira
congelamento do crédito externo (responsável por algo entre para evitar complicações e inadimplência. Outros riscos e desa-
15% a 20% do crédito total) porque internamente temos um fios estarão presentes. Como compatibilizar prazos de emprésti-
sistema financeiro robusto. Compulsório alto, obrigatoriedade mos e aplicações? Vejam o desafio do crédito imobiliário.
de provisionamento de capital dos bancos de cerca do dobro Talvez em tudo isso o mais importante seja a confiança dos
do mínimo internacional, oportunidade de rentabilidade segura agentes. Confiança é muito importante para a economia. Eco-
com operações de tesouraria dos bancos em títulos públicos, são nomia não é uma ciência exata. É uma ciência essencialmen-
alguns dos fatores que contribuíram para a solidez do sistema. te humana. O comportamento de agentes importantes como
Efeitos colaterais foram mitigados pelo governo com ações vi- investidores, empresários e consumidores é regido por funda-
sando garantir maior liquidez interna, crédito à exportação e ga- mentos, mas pilotado por sentimentos. Consumidores tomam
rantias relativas aos bancos pequenos e médios. Porém foi inevi- crédito, empréstimos e financiamentos, assumem dívidas, en-
tável que grandes bancos comprassem carteiras de crédito e que fim, confiando que terão capacidade para honrar os pagamen-
continuasse a concentração bancária com fusões e aquisições.
tos, ou seja, que a economia andará bem, que terão emprego,
Por outro lado, tudo isso faz com que o crédito em geral no renda e melhoria de vida. Empresários investem em seus negó-
Brasil seja caro e escasso. Pode ter sido bom neste momento de cios quando confiam que a economia de seu setor crescerá.
crise, mas não é bom para um País a longo prazo.
E nisso principalmente o governo tem que fazer sua parte. Não
Há sinais de que poderemos ter um crédito de melhor qualidade, só promovendo sempre melhor regulação e transparência do
ou seja, menos “predatório” e mais alinhado com o crescimento mercado financeiro, mas fundamentalmente respeitando re-
sustentado. Em primeiro lugar houve o fato de bancos públicos gras, sendo menos gastador, mais eficiente e promovendo um
iniciarem o movimento de redução do spread (embora ainda al- melhor ambiente para o ambiente empresarial e consequente
tíssimo e quando comparado exclusivamente à Selic muito maior crescimento econômico.

30 | OUTUBRO 2009 | CREDIT PERFORMANCE


Soluções de Prevenção a Fraudes Serasa Experian

Estado da arte na detecção


de inconsistências
Algumas inconsistências saltam à vista.
Outras, você só percebe com ajuda especializada.

Com as Soluções de Prevenção a Fraudes Serasa Experian,


sua empresa previne perdas financeiras, detectando, em
consumidores ou empresas, comportamentos fora do padrão.
Consulte a Serasa Experian, saiba mais sobre as Soluções
de Prevenção a Fraudes e mantenha-se num quadro de
rentabilidade e segurança.

0800 773 7728


serasaexperian.com.br