Sunteți pe pagina 1din 13

Escola Secundária da Maia

Perturbações no Equilíbrio
dos
Ecossistemas

Autores:
João Duarte, nº13
João Moreira, nº14
Ricardo Antunes, nº18
8ºD

29 de Fevereiro de 2008
1
Índice

Definições segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS):.................................................5


De acordo com a origem: ...................................................................................... .................5
Segundo a natureza dos contaminantes:.............................................................................5
Doenças transmitidas pelas águas poluídas:..........................................................................6
Poluição de origem urbana:................................................................................................ .....6
Poluição de origem agrícola:...................................................................................................7
Aterros sanitários:........................................................................................... ........................7

Introdução

Este trabalho foi realizado a pedido do professor da disciplina de Ciências Naturais como forma de
explorarmos o tema: Desequilíbrio dos ecossistemas.
O trabalho foi realizado em grupo por todos os elementos que o constituem. Tem como objectivos
conhecer os fenómenos que contribuem para o desequilíbrio dos ecossistemas, compreender o papel das
catástrofes (naturais e artificiais) e da poluição nesses desequilíbrios e assumir uma atitude critica face aos
comportamentos/ fenómenos anteriormente mencionados.

2
Catástrofes

Por definição uma catástrofe é um acontecimento inesperado que causa grandes danos materiais e/ou
humanos. A Terra tem vindo a ser assolada por grandes catástrofes, algumas naturais, isto é, não têm
intervenção directa do Homem e outras são provocadas directamente por este.
Fazem parte das catástrofes naturais todos aqueles acontecimentos que colocam em perigo a
sobrevivência do homem e que podem alterar os ecossistemas. Temos como exemplos as tempestades, as
inundações, as secas, os sismos, os vulcões e os incêndios. Estes fenómenos naturais têm vindo a ocorrer
cada vez com maior frequência e intensidade e sabe-se hoje, que estão relacionados com o excesso
populacional e urbanização excessiva em determinadas zonas do planeta.
Por outro lado, as catástrofes directamente provocadas pelo homem como a guerra, o terrorismo, a
poluição e a desflorestação têm contribuído igualmente para a degradação da vida na terra.
A guerra e o terrorismo são duas das catástrofes com consequências imprevisíveis para toda a
humanidade.
A poluição é talvez a catástrofe com maior dimensão provocada pelo homem e por esse motivo
iremos fazer uma abordagem mais extensa sobre este tema.

3
Fig.1 – Catástrofe natural (inundação) e artificial (libertação de gases tóxicos para a atmosfera)

Poluição

O que é a poluição?

A poluição pode ser considerada a libertação de elementos, radiações, vibrações e substâncias ou


agentes contaminantes que provocam a degradação do meio ambiente, prejudicando os ecossistemas
biológicos ou os seres humanos.
Assim qualquer actividade que liberte, para o meio ambiente materiais ou substâncias prejudiciais
aos seres vivos é considerada uma fonte de poluição.
Considera-se poluente toda substância ou material que em determinada concentração afecte o meio
ambiente.

Diferentes tipos de poluição

Existem diferentes tipos de poluição.

4
Neste trabalho vamos falar sobre a poluição da água, do solo, e do ar sabendo que a poluição de um
ecossistema afecta todos os seus elementos.

Poluição da água:

A água pode ser contaminada de muitas maneiras:

 Pela acumulação de lixos e detritos junto de fontes, poços e cursos de água;


 Pelos esgotos domésticos que aldeias, vilas e cidades lançam nos rios ou nos mares;
 Pelos resíduos tóxicos que algumas fábricas lançam nos rios;
 Pelos produtos químicos que os agricultores utilizam para combater as doenças das suas
plantas, e que as águas das chuvas arrastam para os rios e para os lençóis de água existentes
no subsolo;
 Pela lavagem clandestina, ou seja, não autorizada, de barcos no alto mar, que largam
combustível;
 Pelos resíduos nucleares radioactivos, depositados no fundo do mar;
 Pelos naufrágios dos petroleiros, ou seja, acidentes que causam o derrame de milhares de
toneladas de petróleo, sujando as águas e a costa e matam toda a vida marinha – as chamadas
marés negras.

Fig.2 – Rio poluído

Definições segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS):

 Água poluída: água cuja composição foi directa ou indirectamente alterada, o que impede a
sua utilização como a que poderia ter no seu estado natural.

 Composição da água natural: a que está em equilíbrio com o meio.

Classificação dos Poluentes da Água:

De acordo com a origem:

 Contaminação pontual: esgotos urbanos, industriais, mistos, de minas.

 Contaminação difusa: fertilizantes e pesticidas utilizados pela agricultura, águas pluviais,


escorrimento de lixeiras.

Segundo a natureza dos contaminantes:

Agentes Químicos:

 Orgânicos: proteínas, gorduras, hidratos de carbono…


 Inorgânicos: Ácidos, álcoois, tóxicos (exemplo o chumbo, o cobre, o mercúrio…) …

5
Agentes físicos:

 Radioactividade

 Calor

 Modificação do sistema terrestre, através de movimentação de terras ou afins

Agentes Biológicos:

 Bactérias

 Vírus

 Animais e plantas não pertencentes ao habitat natural

Doenças transmitidas pelas águas poluídas:

A água poluída pode causar diversos efeitos nocivos à saúde humana:

 Poluição através de esgotos pode provocar doenças como a febre tifóide, a cólera, a diarreia,
a meningite, hepatites A e B, determinadas infecções causadas por parasitas…

 Águas estagnadas e poluídas podem ajudar ao desenvolvimento de mosquitos que podem ser
agentes transmissores de doenças como o paludismo, a malária, a doença do sono, a febre
amarela…

 Águas poluídas por resíduos industriais como por exemplo a contaminação por metais
pesados pode dar origem ao aparecimento de tumores hepáticos e de tiróide, a alterações
neurológicas, a dermatoses, a rinites alérgicas, a problemas gastrointestinais, pulmonares e
hepáticos.

Poluição do Solo:

A poluição do solo consiste numa das formas de poluição, que afecta particularmente a camada
superficial da crosta terrestre, causando malefícios directos ou indirectos à vida humana, à natureza e ao
meio ambiente em geral. Consiste na presença indevida, no solo, de elementos químicos estranhos
originados pelo ser humano, que prejudicam as formas de vida e seu desenvolvimento regular.

A poluição do solo pode ser de duas origens: urbana e agrícola.

Poluição de origem urbana:

Nas áreas urbanas o lixo acumulado sobre a superfície, sem o devido tratamento, são uma das
principais causas dessa poluição. A presença humana, lançando detritos e substâncias químicas, como os
derivados do petróleo, constitui-se num dos problemas ambientais que necessitam de atenção das
autoridades públicas e da sociedade.

6
Poluição de origem agrícola:

A contaminação do solo, nas áreas rurais, dá-se sobretudo pelo uso indevido de fertilizantes e
pesticidas, de técnicas artesanais de produção como por exemplo o subproduto da cana-de-açúcar, da cultura
de vinha, dos curtumes e da criação de porcos.

Aterros sanitários:

Uma das formas de se lidar com os resíduos urbanos é a criação de


locais de depósito para os mesmos, denominados aterros. Nestes lugares
todo o lixo urbano é depositado, sem qualquer forma de tratamento ou
reciclagem.

Fig.3 – Lixeira ao ar livre

Poluição do Ar:

Existem diferentes causas de contaminação do ar:

 O fumo que sai pelas chaminés das fábricas;


 O fumo que sai pelos tubos de escape dos meios de transporte;
 A incineração dos lixos a céu aberto
 O uso, em demasia, de insecticidas e outros sprays (desodorizantes, desinfectantes do
ambiente, etc.);

Fig.4 – Emissão de gases tóxicos

A poluição do ar pode fazer com que o ar que se respire nos torne doentes. Quando se respira ar
poluído com frequência, as partículas presentes podem depositar -se nos pulmões e provocar doenças como
por exemplo a asma. A poluição do ar pode provocar dor de cabeça ou irritar garganta e pode também fazer
os olhos lacrimejarem e irritá-los.
A poluição do ar causa prejuízo às plantações e os animais também podem ficar doentes por causa
dela.
Poluição global

Os problemas de poluição global, como o efeito estufa, a diminuição da camada de ozono, as chuvas
ácidas, a perda da biodiversidade, os dejectos lançados em rios e mares, entre outros, nem sempre são
observados, medidos ou mesmo sentidos pela população. A explicação para toda essa dificuldade reside no
facto de se tratar de uma poluição cumulativa, cujos efeitos só são sentidos a longo prazo. Apesar disso,
esses problemas têm merecido atenção especial no mundo inteiro.

7
Poluentes mais frequentes e seus efeitos mais temidos

OS PRINCIPAIS POLUENTES

Nº NOME SÍMBOLO ORIGEM PERIGO

Combustão de produtos ricos em


1 Dióxido de carbono Elevação da temperatura da atmosfera
carbono

Monóxido de Combustão incompleta de


2 Mortal em concentrações elevadas
carbono combustíveis fósseis

Emanações das centrais


Doenças respiratórias. Origem das chuvas
3 Dióxido de enxofre eléctricas de muitas indústrias e
ácidas
veículos

Motores de avião, fertilizantes e


4 Óxido de azoto Doenças respiratórias
certas indústrias

5 Fosfato Detergentes e fertilizantes Degradação do ambiente, lagos e rios

Queima de combustíveis fósseis,


Envenenamento, principalmente de peixes e
6 Mercúrio indústria de aparelhos eléctricos,
crustáceos; doenças do sistema nervoso
tintas e papel
Aditivos da gasolina, refinação do
Acumulação nos organismos e alteração das
7 Chumbo chumbo, indústria de química e
células
de pesticidas
Descargas e acidentes com
Marés negras que matam aves, peixes e
8 Petróleo petroleiros e extracções de
plâncton
petróleo no mar

DDT Cancro; contaminação progressiva de certos


9 Agricultura (controlo de pragas)
e outros pesticidas animais

Energia nuclear - fugas de


Mortais. Provocam alterações genética das
10 Radiações radioactividade, acidentes nas
células
centrais, bombas atómicas

Fig.5- Quadro sobre os poluentes mais frequentes e os seus efeitos mais temidos

Efeito estufa:
O efeito estufa e um fenómeno que resulta da retenção na atmosfera do calor reflectido pela
superfície terrestre.

Parte da radiação solar que incide na superfície da Terra é reflectida para a atmosfera sob a forma de
calor. Os gases como o dióxido de carbono, o metano, o vapor de água além de outros e as partículas sólidas
existentes na atmosfera terrestre absorvem grande parte desse calor aumentando assim a temperatura.

Ultimamente tem-se verificado um aumento da concentração de poluentes na atmosfera aumentando


o efeito de estufa, provocando assim o chamado aquecimento global.

Sabe-se hoje que o dióxido de carbono é o principal responsável pelo aquecimento global e o seu
aumento na atmosfera deve-se ao uso de combustíveis fósseis, aos incêndios e ao abate incontrolado da
floresta tropical.

As consequências do aquecimento global constituem um perigo para a Humanidade pois com o


começo da fusão dos gelos dos glaciares o nível médio das águas dos oceanos subirá e inundará muitas das

8
zonas costeiras onde se concentram habitualmente os grandes centros urbanos e a maioria das terras férteis
do planeta. Por outro lado algumas zonas da Terra atravessarão longos períodos de seca enquanto outras
terão forte precipitação. Como consequência destas alterações climáticas ocorrerão grandes desequilíbrios
nos ecossistemas com a extinção de muitas formas de vida.

Fig.6 – Gráfico sobre os países emissores de gases efeito estufa

O buraco na camada de ozono:

Em Maio de 1985, a revista Nature anunciou que três cientistas ingleses descobriram um buraco na
camada de ozono, sobre a Antárctica.
O Prémio Nobel da Física, em 1995, foi atribuído aos cientistas que descobriram os agentes que
causam a diminuição da camada de ozono.
A camada de ozono situa-se na estratosfera, entre os 12 e os 50 km de altitude e protege os seres
vivos das radiações ultravioleta, procedentes do Sol.
Os CFC (clorofluorcarbonetos) são os principais responsáveis pela destruição da camada de ozono,
já que, devido à sua composição química, reagem facilmente com o ozono (O3).
Sabe-se que qualquer forma de vida é sensível à radiação ultravioleta e que existe uma relação
directa entre estas radiações e o cancro.
As radiações ultravioleta também inibem a actividade do sistema imunitário humano.

9
No mar, são uma ameaça para as algas e para o plâncton, base das cadeias alimentares marinhas, o
que implica uma diminuição no número de peixes.
Apesar da utilização dos CFC ter diminuído, estas substâncias, com uma longevidade de mais de 50
anos, continuam a destruir a camada de ozono.
Para que a utilização dos CFC cesse, é necessário, a nível mundial, promover uma política de
desenvolvimento sustentável, que permita, principalmente aos países subdesenvolvidos, parar com a sua
utilização, já que a atmosfera é de todos nós

Fig.7 – Camada de Ozono

Perturbação no equilíbrio dos ecossistemas

“Os nossos antepassados encaravam a Terra como rica e generosa, o que na realidade é. Muitas
pessoas, no passado, pensavam também que a natureza era inesgotável; o que hoje sabemos é que só o será
se cuidarmos dela. Não é difícil perdoar a destruição do passado, que resultou da ignorância. Mas, hoje,
temos a capacidade e a responsabilidade de a proteger, antes que seja tarde demais.”
Desde os primórdios da sua existência, que o Homem procura respostas para questões que coloca sobre os
vários tipos de catástrofes que se abatem sobre o nosso planeta.
Catástrofe natural é qualquer acidente que ocorra sem
intervenção directa do Homem e que coloque em perigo a existência
da Vida.

Fig.8 – Rio não poluído

10
As catástrofes naturais, que afectam mais intensamente a vida humana, são as actividades sísmicas e
vulcânicas, as tempestades, as inundações, as secas e os incêndios.
Na sua maioria, as catástrofes naturais estão associadas à desflorestação, à urbanização excessiva e
ao aquecimento global.
O Homem, agente perturbador dos ecossistemas, causa directamente, com a sua actuação,
catástrofes, como, as explosões, a guerra, o terrorismo e a poluição. Entende-se por poluição a degradação
do meio ambiente pela sociedade tecnológica.
Designa-se fonte de poluição qualquer actividade que liberte, para o meio ambiente, materiais ou
substâncias prejudiciais aos seres vivos.
Os derrames petrolíferos, por exemplo, constituem uma das principais fontes de poluição dos
oceanos. A lavagem dos contentores e dos porões dos petroleiros contaminam as águas, bem como o
petróleo derramado na sequência de acidentes com estes barcos, que originam as marés negras. Mas o
Homem perturba, também, o equilíbrio dos ecossistemas ao descarregar para os rios, mares e oceanos a
maioria dos resíduos que produz, como, por exemplo, produtos químicos e vários resíduos industriais. Estas
descargas, sem qualquer tratamento ou controlo, originam a morte de muitos seres vivos e, muitas vezes de
alguns ecossistemas.
É urgente maior tomada de consciência dos problemas ambientais pela sociedade, já que a água é
indispensável à Vida.
As relações entre os diversos ecossistemas terrestres e respectivos biótipos são tão estreitos que a
poluição de uns afecta, igualmente, todos os outros.
O ar é fundamental para a sobrevivência da Humanidade. No
entanto, sem qualquer cuidado, o Homem tem poluído a atmosfera,
alterando a sua composição. O aumento do efeito estufa, o aquecimento
global, o buraco do ozono e as chuvas ácidas são consequências da
interferência negativa do ser humano nos ecossistemas.
Fig.9 – Rio Poluído

Conclusão

A poluição é um grave problema que afecta todos os seres vivos na Terra. Está ao nosso alcance
controlar as fontes poluidoras e evitar a destruição do nosso meio ambiente.
Com a colaboração de todos os países, principalmente os que são altamente industrializados,
poderemos diminuir os níveis de poluição e construir um Mundo melhor…

11
Bibliografia

Livros:

• ANTUNES, Cristina et al, Descobrir a Terra 8, Areal, 2007, Porto.


• CORREIA, Mário et al, Nova enciclopédia portuguesa vol.20, Ediclube, 1992, Lisboa.

• Selecções do Reader’s Digest, Maravilhas da Ciência, 1991, Alemanha.

Sites:
• http://www.abae.pt/jra/concurso04/JRA_2004/n066_2004/n66_2004_a/n66_2004_a.htm

12
• http://aprenderbrincando.no.sapo.pt/poluicao.htm
• http://www.suapesquisa.com/poluicaodoar/
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Polui%C3%A7%C3%A3o

13