Sunteți pe pagina 1din 48

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO

TRATAMENTO
TÉCNICO
DOCUMENTAL.
Algumas notas.
Por Fernanda Cardoso; Ricardo Domingues;
Iolanda Machado; Virgínie Magalhães;
Alexandra Fernandes; Cristóvão Barroso

OUTUBRO DE 2009
1. A Biblioteca e os documentos. Tipologia dos documentos. Funções e objectivos do
tratamento técnico documental. Composição do fundo documental. (teóricas)

Objectivos:
· Dominar conceitos básicos das ciências documentais para distinguir os diferentes tipos
de documentos.

A Biblioteca e os Documentos.

O que é uma Biblioteca?


Segundo a UNESCO, é toda a colecção organizada de livros e periódicos impressos ou de outros
documentos, nomeadamente gráficos e audiovisuais, e ainda os serviços que concorrem para o
acesso fácil a estes documentos por utilizadores com fins de informação, pesquisa, educação ou
recreativos.

A biblioteca deve assumir-se como o centro local da informação, tornando-se prontamente


acessível aos seus utilizadores, a informação de todos os géneros. Os serviços da biblioteca
devem ser oferecidos com base na igualdade de acesso para todos, sem distinção de idade,
raça, sexo, religião, nacionalidade, língua ou condição social. Serviços e materiais específicos
devem ser postos à disposição dos utilizadores que, por qualquer razão, não possam usar os
serviços e os materiais correntes, como por exemplo minorias linguísticas, pessoas deficientes,
hospitalizadas ou reclusos. Todos os grupos etários devem encontrar documentos adequados às
suas necessidades. As colecções devem reflectir as tendências actuais e a evolução da
sociedade, bem como a memória da humanidade e o produto da sua imaginação. As colecções
e os serviços devem ser isentos de qualquer forma de censura ideológica, política ou religiosa e
de pressões comerciais.

Objectivos Específicos de uma Biblioteca Escolar (BE)

Disponibilizar livremente os documentos;


Promover e preservar o livre fluxo de ideias entre a população escolar;
Preservar o material bibliográfico, auxiliando dessa forma a educação e a investigação;
Defender o espírito e a memória da escola;
Educação – Educar para a cidadania;
Cultura – centro de difusão de cultura;
Informação – tem de ser o centro de difusão da informação com o objectivo de apoiar o
currículo escolar;
Lazer – preocupa-se com actividades de lazer.

Missões da Biblioteca Escolar

As missões-chave da biblioteca escolar relacionadas com a informação, a alfabetização,


a educação e a cultura são as seguintes:
1. Criar e fortalecer os hábitos de leitura nas crianças, desde a primeira infância;
2. Apoiar a educação individual e a auto-formação, assim como a educação formal a todos

2
os níveis;
3. Assegurar a cada pessoa os meios para evoluir de forma criativa;
4. Estimular a imaginação e criatividade das crianças e dos jovens;
5. Promover o conhecimento sobre a herança cultural, o apreço pelas artes e pelas
realizações e inovações científicas;
6. Possibilitar o acesso a todas as formas de expressão cultural das artes do espectáculo;
7. Fomentar o diálogo inter-cultural e a diversidade cultural;
8. Apoiar a tradição oral;
9. Assegurar o acesso dos cidadãos a todos os tipos de informação da comunidade local;
10. Proporcionar serviços de informação adequados às empresas locais, associações e
grupos de interesse;
11. Facilitar o desenvolvimento da capacidade de utilizar a informação e a informática;
12. Apoiar, participar e, se necessário, criar programas e actividades de alfabetização para
os diferentes grupos etários.

Funções de uma Biblioteca Escolar:

Função educativa – A BE deve assumir-se como complemento activo do sistema educativo


formal apresentando-se como um suporte à educação em tempo parcial. O objectivo é
incentivar hábitos positivos de leitura, interpretação de textos, incrementar o acesso à
informação, ao Conhecimento, aumentando desta forma a literacia.
Função cultural – A BE deve ter como objectivo fomentar a cultura da nossa região. Será
preciso assegurar que o fosso cultural da nossa região não seja consequência do fosso existente
entre as diversas gerações. Também neste aspecto este projecto procurará assumir-se como um
agente de mudança na vida cultural da escola. Agente propulsor da cultura.
Função no domínio das comunicações – Fomentar o ensino da arte da comunicação
utilizando as modernas tecnologias disponibilizadas será também uma função a cumprir.
Tentaremos reverter a nosso favor todo o potencial oferecido pelas novas tecnologias da
informação.
Função social – Talvez seja esta a sua função mais importante. Permitir o acesso à informação
e às ideias, aumenta a capacidade do estudante ser informado sobre questões de actualidade,
aumentando também a sua consciência democrática, fortalecendo assim os pilares da
Democracia. Deve assumir a dimensão de serviço social e permitir a igualdade de
oportunidades.

O que são Documentos?

 Qualquer expressão do pensamento humano;


 Qualquer base material que sirva para a expansão do pensamento humano e que esteja
disponível para estudo ou observação”;
 Toda a base de conhecimento, fixada materialmente, susceptível de ser utilizada para
consulta, estudo ou prova. Exemplos: manuscritos, impressos, representações gráficas
ou figurativas,espécies de museu, etc.
 Um documento é tudo aquilo que funciona como comprovação de um facto: qualquer
signo concreto ou simbólico, conservado ou gravado, com a finalidade de representar,
reconstituir ou provar um fenómeno físico ou intelectual.

O que é que faz dum objecto, um documento?


 A matéria: apenas objectos e signos com expressão física;
 A intencionalidade: o objecto é propositadamente encarado como uma prova;
 O processamento, ou a “indexabilidade”: o objecto é tratado como um documento e
enquadrado num conjunto organizado;
 A perspectiva fenomenológica: o objecto é entendido como um documento.

E os documentos digitais?

3
 Não existem fisicamente nos suportes tradicionais, enquanto objectos;
 Mas existem fisicamente enquanto uma série de bits, não redutíveis às formas
físicas habituais.
 Conclusão: o que define um documento não é a forma, o suporte ou o meio de
comunicação, mas a funcionalidade e o conteúdo.

Documento é...
Todo o tipo de suporte que transporte em si informação útil para o conhecimento.

Tipologias de documentos

Existem dois tipos de documentos:

 Textuais ou impressos - (suporte papel - livro, publicações periódicas)


 Não textuais - Micrográficos (microfilme, microforma), Audiovisuais (vídeo, filmes),
Magnéticos (discos, cassetes, disquetes), Ópticos (CD, CD-ROM), Electrónicos (bases de
dados em linha, videotexto), Tridimensionais (mapas, fotografias, globos).

A noção de Biblioteca como Instituição de conservação da informação é descrita desde os


tempos mais antigos mas o termo “documentação” só surge em meados do século XX. Em
biblioteconomia fala-se de documentos qualquer que seja a sua natureza ou suporte. Assim
sendo podemos encontrar diversos tipos de documentos:
· Monografias - Obras com uma unidade de conteúdo, com texto, por vezes com ilustrações.
Podem ser constituídas por um ou mais volumes publicados numa mesma data ou em
momentos diferentes, segundo um plano preestabelecido. São o caso dos livros, actas,
relatórios, etc. São obras que não pressupõem uma continuidade de publicação. Publicação
num ou mais volumes, de conteúdo unitário, composta por um texto e/ou ilustrações,
apresentando-se sempre de forma completa.
· Obras de Referência - Obras que permitem ao utilizador uma primeira abordagem sobre
qualquer assunto remetendo-o para outras leituras. São obras de referência: as biografias, as
bibliografias, as enciclopédias, os dicionários, os Atlas, os directórios, etc.
· Publicações Periódicas - documentos impressos, publicados em partes sucessivas, com
designação numérica e cuja publicação pressupõe uma continuidade, com periodicidade
variada. São o caso de: jornais, revistas, boletins bibliográficos, boletins informativos.
Publicação impressa ou não impressa, publicada em partes sucessivas, tendo usualmente
designação numérica e/ou cronológica, e concebida para ser continuada por período indefinido.
· Material Não Livro - A definição está implícita. É todo o documento que não se inclui nos
tipos anteriores e que serve de material de apoio pedagógico e de informação. É grande a
variedade deste tipo de documento: mapas, cartazes, transparências, fotografias, slides,
cassetes áudio e vídeo, objectos didácticos, jogos, CD`s, CD-Roms, DVD`s Roms, Blue-Ray etc.

Actividades:

Indique em qual dos quatro tipos enunciados inseriria os seguintes documentos


- Livro de Actas do Congresso da BAD (M)
- Atlas escolar (OR)
- Dicionário da língua portuguesa (OR)
- Maleta de jogos pedagógicos (MNL)

4
- Revista Visão (PP)

A Biblioteca e os Documentos

Desde tempos imemoriais a Humanidade produziu documentos. Podem-se caracterizar várias


fases no decorrer da memória e na produção de documentos. Fala-se de uma forma oral, da
fase alfabética, da fase de transição da oralidade para a escrita (idade Média), da imprensa e da
fase electrónica, fase que vivemos actualmente. Convém notar que essas fases não apresentam
pontos de ruptura. Elas não são mutuamente exclusivas e podem coexistir em harmonia umas
com as outras.

Breve história da relação entre Bibliotecas e Documentos:

 Pré-História - a passagem da mensagem era feita através da imagem (pinturas


rupestres, por exemplo).

 Na Antiguidade Clássica - aparecem as primeiras bibliotecas na Mesopotâmia, 5000


a.C., onde aparecem as placas (“tabuinhas”) de argila. Inicialmente, o conceito era
unicamente o de local de guarda e manuseio do material escrito (contas dos templos,
listas comerciais, etc..). Começara nesta altura a guardar-se documentos de orações,
encantamentos, provérbios. O objectivo não era o de divulgar a informação, mas sim o
de a conservar. Nos templos da Babilónia e Ninive aparecem os primeiros “scriptoria”
(oficinas de escrita) muito vulgarizados na Idade Média.

 Em Nippur (Suméria): A Epopeia de Gilgamesh (mais antiga versão conhecida do


génesis, mais concretamente da história da Arca de Noé) – a maior fonte de informação
sobre está época histórica.

 Ninive (Assurbanipal): “a primeira biblioteca organizada da história”: 100.000


exemplares, uma das maiores e mais valiosas da Antiguidade. Continha obras de
história, religião, literatura, astrologia, gramática, geografia, direito, medicina…

 Egipto – Aparece a Biblioteca de Alexandria. Surge no período helenístico (séc. III a. C.)
e chegou a ter 700.000 volumes antes de ser destruída por três incêndios. Era
constituída por uma sala de leitura, uma oficina de copistas e um arquivo para a
documentação oficial.

 Grécia - Primeira referência a Bibliotecas Públicas. Ideia de biblioteca como local de


encontro de letrados que aí consultariam documentos podendo levá-los para casa; eram
ainda espaços de discussão.

 Roma - Império Romano - primeiras bibliotecas públicas (30 d.C., Asinius Polio),
utilizadas pelo império como instrumentos de dominação intelectual. Apareceram
numerosas bibliotecas particulares, aliadas à expansão do comércio de livros. A
Biblioteca constituía um fenómeno de moda, símbolo de riqueza e prestígio. No entanto,
Séneca condena “os coleccionadores de livros, que admiram o exterior mas não lêem o
interior”.

 Declínio do Império Romano e Alta Idade Média (fins do século IV) - Período de
instabilidade e guerras: é travada a expansão das bibliotecas, arruinadas as existentes
muitas refluem para os conventos e castelos. Nos conventos, o culto dos livros e sua
paciente reprodução prossegue como uma das virtudes monacais. As bibliotecas
fecham-se ao exterior e destinam-se apenas à minoria que frequenta os conventos,
mosteiros e palácios.

5
 Idade Média – Até ao séc. XIV: aparecimento das grandes universidades e,
consequentemente, das bibliotecas de colégios e universidades. Os scriptoria e as
bibliotecas monásticos deixam de ser os únicos centros da vida intelectual; Até ao séc.
XVI (já na Idade Moderna), os livros deixam de ser guardados nos armários e passam a
ser acorrentados para permitir a consulta local, evitando o roubo.

 Idade Moderna - Aparecimento das primeiras bibliotecas senhoriais e reais (séc.


XIV/XVI); As bibliotecas novamente como símbolo de riqueza, poder e prestígio; As
bibliotecas reais, inicialmente com carácter privado, ficam primeiro acessíveis aos sábios
e só a partir do séc. XVII se tornam “públicas” Entre os séculos XIV e XV desenvolvem-se
ideias sobre a necessidade de as bibliotecas serem locais de estudo e reflexão e terem,
para além de livros, um ambiente propício ao desenvolvimento de actividades
intelectuais (Erasmo). Um dos acontecimentos mais importantes deste período foi a
Invenção da Imprensa por Gutemberg em 1455. Assistiu-se ao período da maior
divulgação do livro. A Bíblia passou a ser o documento mais impresso e divulgado. É
também neste período que começa a aumentar o acesso às Bibliotecas Públicas. Em
1731, Benjamim Franklin funda a 1ª biblioteca de empréstimo, destinada aos membros
do Congresso americano que pagavam quotas (EUA). Nos Séculos XVII / XVIII, Bibliotecas
dos Senhores da Nobreza abrem-se ao “público”, principalmente em França. É também
por esta altura que começa a ser reconhecida a profissão de bibliotecário, equivalente a
erudito.

 Idade Contemporânea - Séculos XIX / XX [Época da Rev. Industrial, máquina a vapor,


Rev. Francesa]. Em 1850, publica-se o 1º Library Act (Grã-Bretanha) onde se definia, de
forma clara, e directa o conceito de biblioteca pública, propondo-se que fosse sustentada
com fundos públicos e capaz de oferecer acesso a todo o tipo de pessoas. Assiste-se à
construção e ampla divulgação do uso de bibliotecas públicas (GB e EUA), sustentadas
pelos impostos dos cidadãos. Nos finais séc. XIX / início XX começam a nascer
preocupações no combate ao analfabetismo.

 Século XX – Aumenta exponencialmente a produção de documentos e a variedade de


documentação. A sociedade transforma-se em sociedade de consumo e começa a
fortalecer-se hábitos de leitura, particularmente nos EUA e nos países do Norte da
Europa e Inglaterra. Nos anos 80, nasce a sociedade da informação com o aparecimento
da Internet e a democratização total no acesso à Informação. Assiste-se à diversificação
dos serviços e dos suportes.

 Séc. XXI - A aceleração da mudança social, aliada à progressiva expansão e


fragmentação do conhecimento levam a uma outra fase de evolução, em que a
preocupação com o “tipo” de biblioteca tende a desaparecer face à configuração dos
serviços bibliotecários como uma totalidade. Um sistema independente de origem
institucional e um padrão de serviços que torne acessível todo o potencial dos serviços
de bibliotecas aos utilizadores potenciais (utilização da web 2.0). A Web 2.0 é um termo
criado em 2004 pela empresa norte-americana O'Reilly Media para designar uma
segunda geração de comunidades e serviços, tendo como conceito a "Web como
plataforma", envolvendo wikis, redes sociais e Tecnologia da Informação. As palavras de
ordem a partir do século XXI são:

 Flexibilidade,
 Adaptabilidade,
 Interdependência,
 Cooperação... E REDES,
 Catálogos colectivos,
 Bases de dados,
 Bancos de dados,
 Redes de informação.

6
2. Fontes de informação

Objectivos: Conhecer as diversas fontes de recolha de Informação e compreender a


problemática Informação vs Conhecimento

Nota introdutória:
1º Dados – Representações de dados conceptuais: palavras, caracteres, números ou símbolos.
Para os compreender é preciso recorrer às competências e à memória. Temos necessidade de
dar significado ao que apreendemos usando dados já vivenciados. Dos dados passamos à
Informação porque temos necessidade de reorganizar estes dados, aparentemente
desorganizados.
2º Informação – Processo de recepção, reconhecimento e reconversão dos dados, decifrando
símbolos dentro de uma determinada cultura, pois o sujeito actua sempre condicionado por
uma dada cultura. Há, pois, uma série de factores: experiência pessoal, valores, forma de
apresentação e expectativas em relação à comunicação. Todos nós construímos versões
privadas da Informação pública. Há sempre uma relação indivíduo/grupo social na
transformação dos Dados em Informação.
3º Conhecimento – O processo de conhecer envolve a apreensão de conhecimento de outras
fontes de Informação, organizada segundo padrões de conhecimento que desconhecemos, mas
que estamos aptos ou interessados em assimilar. O Conhecimento leva à Sabedoria.

Fontes internas (informação bibliográfica):

Documentos primários (transmissores de informação original):


 Publicações em série; Obras de Referência;
7
 Livros ou partes de livros;
 Relatórios científicos e técnicos;
 Actas de congressos;
 Teses e outros trabalhos académicos;
 Normas e legislação;
 Patentes;
 Literatura cinzenta (A literatura cinzenta refere-se a toda a documentação produzida nos
ministérios agências governamentais, organizações privadas, ONG's, instituições
culturais e académicas e a gerada em reuniões, congressos e foros de natureza
diversificada. A literatura cinzenta converteu-se actualmente na forma mais ágil a que a
comunidade científica recorre para difundir os resultados dos seus trabalhos e
investigações).

Documentos secundários (transmissores de informação retirada de documentos


originais):
 Boletins de resumos;
 Bibliografias e Boletins bibliográficos;
 Índices e Boletins de índices;
 Boletins de sumários;
 Catálogos de exposições e catálogos de bibliotecas;
 Catálogos colectivos.

Documentos terciários
 Compilam informação de documentos secundários.
t
Fontes externas:

 Bibliotecas científicas ou centros de documentação;


 Bibliotecas de depósito;
 Serviços de análise documental;
 Centros de referência;
 Bases de dados;
 Redes em linha.

3. Normalização documental. A NP-405.

Objectivos: Perceber até que ponto a normalização documental constitui o aspecto


mais importe de um qualquer serviço de documentação.

 A normalização documental é uma actividade conducente à obtenção de soluções para


problemas de carácter repetitivo, com o objectivo de obter um maior grau de
optimização num dado domínio.
 A normalização consiste na elaboração, publicação e promoção do emprego das normas.
A elaboração e aprovação das normas têm por finalidade a racionalização e a
simplificação de processos, componentes, produtos e serviços.
 A normalização permite maior facilidade de entendimento, ou seja, facilita a
comunicação.
 Apresenta também vantagens do ponto de vista económico na prestação de serviços de
documentação e informação.
 Permite maior rapidez no acesso á Informação.

Norma Portuguesa 405 – NP-405

A presente Norma destina-se a especificar os elementos das referências


bibliográficas relativas a monografias (na totalidade, em partes ou volumes e contribuições),
8
publicações em série (na totalidade ou em parte), artigos de publicações em série, séries
monográficas (como monografia ou como publicação em série), teses, actas de congressos,
relatórios científicos e técnicos, documentos legislativos e judiciais, publicações religiosas,
patentes, normas, música impressa e resumos. Determina uma ordem obrigatória para os
elementos da referência, estabelece as regras para a transcrição e apresentação da informação
contida nas fontes da publicação a referenciar e para a apresentação de bibliografias, listas
bibliográficas e citações bibliográficas. Embora se tenham procurado seguir as regras
preconizadas pelas ISBD`s, alguns princípios estabelecidos não se aplicam a descrição
bibliográfica exigida a profissionais. Para esse fim devem seguir-se essas normas, bem como
outras regras e práticas oficialmente estabelecidas. Os elementos a incluir nas referências
bibliográficas são designados por Essenciais (E), Recomendáveis (R) e Facultativos (F). A
modalidade a adoptar variará com as funções ou uso pretendidos. Esta Norma destina-se a
autores, editores e técnicos de documentação e informação, a fim de apresentarem as
referências bibliográficas em:

a) Bibliografias
b) Listas bibliográficas
c) Citações em textos
d) Cabeçalhos de resumos analíticos ou críticos
O material não livro bem como manuscritos e outros documentos não publicados serão objecto
de normas específicas.

Definições
No âmbito da presente Norma são aplicáveis as seguintes definições:
3.1 Acta de congresso - Compilação das comunicações apresentadas num congresso ou
conferência incluindo, geralmente, o relatório das discussões.

3.2 Artigo - Texto independente que constitui uma parte de uma publicação em série.
3.3 Autor - Pessoa ou colectividade responsável pelo conteúdo intelectual ou artístico de um
documento.
3.4 Bibliografia - Documento secundário que apresenta uma lista de referências bibliográficas
segundo uma ordem específica e que contém elementos descritivos de documentos, que
permitem a sua identificação.
3.5 Capítulo - Divisão de um documento escrito, numerada ou com título, que em si mesma é
independente, mas se relaciona com as divisões que a seguem ou precedem.
3.6 Citação - Forma breve de referência colocada entre parênteses no interior do texto ou
anexada ao texto com a nota em pé de página, no fim do capítulo ou do texto.
3.7 Complemento do título (subtítulo) - Palavra ou frase que aparece na página de título com
vista a completar o título próprio de um documento.
3.8 Contribuição - Texto independente que constitui uma parte de um documento.

3.9 «Copyright» (direitos de autor) - Menção impressa numa obra, indicando o titular do direito
de autor sobre essa obra e o ano de obtenção desse direito indicada pelo símbolo ©.
3.10 Designação genérica do tipo de documento - Termo ou termos que designam o tipo do
formato físico ou material no qual um trabalho é publicado.
3.11 Documento - Suporte físico de informação de qualquer tipo (papel, filme, banda
magnética, etc.), que pode ser considerado como uma unidade, no tratamento documental.
3.12 Edição - Conjunto dos exemplares de um documento produzido a partir de uma única
composição, ou de um mesmo exemplar, que serviu de original.
3.13 Editor - Pessoa ou colectividade responsável pela produção e difusão de um documento.
3.14 Editor literário (ed. científico, dir. literário) - Organização ou pessoa responsável pela
preparação de um documento para publicação, do ponto de vista do seu conteúdo intelectual.
3.15 Elemento bibliográfico - Unidade definida de informação numa referência bibliográfica.
9
3.16 Elemento essencial (E) - Elemento bibliográfico que deve ser incluído na referência
bibliográfica, indispensável à identificação do documento ou sua localização.
3.17 Elemento facultativo (F) - Elemento bibliográfico que, não estando directamente ligado a
identificação do documento, pode fornecer uma informação adicional, útil ao utilizador da
referência.
3.18 Elemento recomendável (R) - Elemento bibliográfico que fornece clareza adicional à
identificação do documento e que, pela sua importância, deverá ser incluído, quando
disponível.
3.19 Fascículo - Parte ou caderno de um documento publicado em fragmentos.
3.20 ISBN – Número internacional normalizado do livro (sigla de língua inglesa).
3.21 ISSN – Número internacional normalizado da publicação em série (sigla da língua inglesa).
3.22 Monografia – Publicação contendo texto e/ou ilustrações apresentados em suportes
destinados a leitura visual, completa num único volume, ou a ser completada num número
determinado de volumes.
3.23 Parte – Agrupamento de capítulos estreitamente relacionados entre si ou unidade que faz
parte de um conjunto de volumes.
3.24 Partitura – Peça musical escrita ou impressa, na qual todas as partes vocais ou
instrumentais são anotadas numa série de pautas, umas debaixo das outras.
3.25 Patente – Descrição de uma invenção destinada a obter ou a justificar os direitos de
propriedade industrial.
3.26 Placa de matrícula – Número de série atribuído pelo editor a cada publicação musical para
o seu registo e identificação.
3.27 Publicação – documento geralmente editado em múltiplos exemplares e destinado a ser
difundido.
3.28 Publicação em série – Publicação, impressa ou não, editada em fascículos ou volumes
sucessivos, ordenados geralmente numérica ou cronologicamente, com duração não delimitada
à partida e independentemente da sua periodicidade. As publicações em série incluem os
periódicos (revistas, jornais, boletins, anuários), as séries de actas e relatórios de instituições e
congressos, bem como as séries monográficas.
3.29 Referência bibliográfica – Conjunto de elementos bibliográficos que identificam uma
publicação ou parte dela.
3.30 Resumo analítico – Representação do conteúdo de um documento sob forma abreviada,
sem identificação nem crítica.
3.31 Série monográfica – Publicação em série que compreende um conjunto de volumes, cada
um com o seu título próprio, reunidos sob um título comum e com duração, à partida, não
delimitada.
3.32 Tese (dissertação) – Documento que apresenta uma investigação e os seus resultados,
proposto para apreciação, pelo seu autor, em princípio destinado à obtenção de um grau
académico ou de uma qualificação profissional.
3.33 Título – Denominação que aparece no documento, pela qual convém referi-lo, que pode
ser utilizada para o identificar e muitas vezes (embora não necessariamente) o distingue de
outro documento.
3.34 Volume – Unidade material que reúne, sob a mesma capa, um certo número de folhas,
formando um todo ou fazendo parte de um conjunto.
3.35 Zona – Divisão que compreende dados bibliográficos de uma categoria ou de um conjunto
de categorias.

Elementos das referências bibliográficas. Ordem de apresentação


Os elementos bibliográficos contidos numa referência bibliográfica podem variar, dependendo
quer do uso da referência bibliográfica, quer dos dados bibliográficos disponíveis nos vários
tipos de documentos. Os vários elementos bibliográficos são classificados em: Elementos
Essenciais (E)1. Elementos Facultativos (F) e Elementos Recomendáveis (R) (vejam-se 3.16,
3.17 e 3.18). A ordem de apresentação dos elementos bibliográficos, de acordo com as secções
10
4.1 a 4.13, destina-se a identificar os elementos que constituem as referências bibliográficas
dos vários tipos de documentos objecto da presente Norma, e a estabelecer uma sequência
normalizada na apresentação desses elementos.

Nas bibliografias, caso isso se justifique pelo tipo e interesse da bibliografia, pode alterar-se a
ordem dos elementos (veja-se 9.4).
1 Aplicáveis sempre que existam na publicação.

Para cada tipo de documento ou parte de documento considerado é apresentado um quadro


com quatro colunas. A primeira destina-se a indicar o uso ou categoria do elemento da
referência, a segunda os elementos e a respectiva ordem de apresentação, a terceira os
números das secções da Norma que especificam as regras de apresentação desses elementos e
a quarta os respectivos exemplos e pontuação. A seguir a cada quadro são apresentados os
correspondentes exemplos das referências bibliográficas possíveis, de acordo com a utilização
dos elementos (E, E+R e E+R+F).

Em alguns casos, para melhor esclarecimento, são dados mais exemplos, além do referido no
quadro respectivo. Para qualquer dúvida relativa à apresentação dos elementos das referências
bibliográficas deverá consultar-se norma a partir do ponto 4 da NP-405.

MONOGRAFIAS

Uso Elementos Secções na NP-405 Exemplos


E Autor (es) 6.2 SILVA, João
6.3
6.5
7.1
E Título 6.1 - Texto e contexto
6.3
6.4
6.5
7.2.1/.3
7.2.5
R Complemento do 6.4 : semântica e pragmática do discurso
Título 7.2.4/.5
F Responsabilidade 7.1.8.1 Introd. de António Garcia Berrio; trad. de Juan
secundária 7.3 Domingo Moyano
E Edição 7.4 2ª ed.
E Publicação Local 7.6 .Madrid
Editor : Cátedra
Ano , 1984
R Descrição Física 7.7/.1 . 357 p.
F Série 7.8 . (Crítica e Estudos Literários)
F Notas 7.9 . Tradução de: Text and context
E ISBN 7.10 .ISBN 84-376-0219-X

Publicações em série

Uso Elementos Secções na NP-405 Exemplos


E Título 6.2/.3 Universitas
6.4

11
7.2
R Complemento do 6.4 : a German review of the arts and sciences
Título 7.2.4/.5
F Responsabilidade 7.3 . H. W. Bahr, ed.
E Edição 7.4 . Quarterly English language ed.
F Numeração (num. 7.5 . vol. 1, nº 1([1946])-
e/ou data)
R Local de Publicação 7.6.2/.4 . Stuttgart
F Editor 7.6.5/.8 : Wissenschaftliche Verlagsgesellschaft N.B.H.
E Ano 7.6.8/.11 , [1946]
F Série 7.8
F Notas 7.9 . Resumos em várias línguas
E ISBN 7.10 . ISSN 0341-0129

5. Funções e objectivos do tratamento técnico documental (teóricas). O


circuito documental. (Teóricas+Práticas)

Objectivos: Entender a totalidade do processo de Tratamento Técnico Documental. Conhecer e


aprender a manusear as Regras Portuguesas de Catalogação (RPC). Entender a Catalogação
como um passo deste tratamento técnico documental e do circuito documental. Aprender a
classificar e a manusear a Classificação Decimal Universal (CDU) Por fim, entender este
Tratamento documental como parte integrante de uma missão mais ampla da Biblioteca Escolar
na Sociedade da Informação.
12
Nota Introdutória:
1) O tratamento técnico documental surgiu da necessidade de uniformização.
2) Deve conter, em detalhe, os princípios, normas, directrizes e procedimentos
operacionais a observar no tratamento técnico da unidade documental.
3) O facto de não existir qualquer uniformização de procedimentos levanta alguns
problemas que, com o tempo, começam a exercer influência negativa na pesquisa de
informação, que se pretende rápida e eficaz.
4) Sendo o lema de uma qualquer Biblioteca “Transformar a Informação em
Conhecimento”, a realização deste Tratamento Técnico, assume, pois, particular
importância, se tivermos em consideração que irá uniformizar termos de pesquisa, de
assuntos, uniformização essa, que irá permitir potenciar ao máximo o conteúdo da
unidade documental, independentemente do suporte.
5) Por fim, devemos ter sempre a noção de que um qualquer procedimento técnico se
encontra em permanente actualização, pois, como se sabe, a catalogação é um processo
dinâmico, particularmente na gestão de assuntos, tema que deve ser muito caro às
Bibliotecas Escolares.

Funções e Objectivos

Funções:
Definir os elementos de identificação e descrição dos documentos
Determinar quais os elementos julgados necessários à descrição dos documentos
Fixar a forma de apresentação desses elementos

Objectivos:
Uniformidade- Estabelece que os elementos de identificação e de descrição dos documentos
são definidos, determinados de igual modo, sempre em idênticas circunstâncias.
Simplificação
Fixa que os elementos são apresentados e determinados de forma concisa e tendo em atenção
os interesses dos utilizadores e dos serviços que executam estas tarefas.
Analogia
Determina o recurso ao tratamento de situações análogas ou similares, quando as regras se
verifiquem insuficientes ou omissas.

O Circuito Documental

O Procedimento documental numa Biblioteca Escolar deve contemplar os seguint es passos :

13
1) 1.Selecção, Aquisição, Verificação
2) 2.Carimbagem
3) 3.Registo (Inventário)
4) 4.Catalogação
5) 5.Classificação
6) 6.Indexação
7) 7.Aposição de Cota (possibilidade de adjunção de cores às classes da
CDU)
8) 8. Arrumação

1. Selecção, Aquisição e Verificação

 FINS - Qualquer política de constituição e actualização de fundos documentais para as


Bibliotecas da Rede de Bibliotecas Escolares deve estar de acordo com os fins da
biblioteca escolar.

 ACTUALIZAÇÃO - A biblioteca escolar deve reflectir a diversidade de interesses e


pluralidade de opiniões, oferecendo um fundo documental actualizado e possibilitando
diferentes graus de abordagem de um mesmo tema.

 PERFIL DOS UTILIZADORES E COMUNIDADE - A constituição e actualização desse fundo


deverá ter também em conta o perfil dos utilizadores da biblioteca (actuais e potenciais),
assim como o perfil da comunidade escolar que serve (características sociais, culturais e
económicas), sem esquecer as minorias com presença significativa nessa comunidade
escolar.

 GESTÃO E FORMAÇÃO - Assim, deve ter-se em conta que a biblioteca deve gerir os seus
meios humanos e financeiros, de modo a recolher, tratar, organizar e disponibilizar
recursos informativos impressos e não impressos, assim como apoiar e orientar os seus
actuais e potenciais utilizadores no uso destes recursos, de modo a atingir os seguintes
objectivos:
 Dar resposta às necessidades informativas de indivíduos e grupos da
comunidade local;
 Facilitar a educação não formal;

 Dar suporte às actividades educacionais, cívicas e culturais de grupos e


organizações que existam dentro da escola;
 Promover a leitura recreativa e a utilização da biblioteca como actividade
de ocupação do tempo livre.

Critérios para a selecção e a actualização de documentos

Relativamente aos fundos documentais das áreas de Não Ficção, deverão ter-se em
conta os seguintes critérios de selecção:

 Actualidade ou valor permanente da obra; importância do assunto tratado;


 Autoridade, competência, reputação e especialidade do autor;
 Atenção às críticas;
 No caso de constituição do fundo inicial, cobrir de forma equilibrada todas as
áreas do conhecimento;
 Necessidade de duplicação de fundos (no caso de obras muito requisitadas

14
de forma constante, designadamente obras destinadas ao público infantil);
 Sugestões do público;
 Qualidade da edição (tradução, revisão, formato, durabilidade);

No que respeita à ficção, devemos ainda incluir os seguintes critérios:

 Representação da criação nacional;


 Originalidade e qualidade literária;
 Representação das literaturas marginais

Instrumentos para a selecção e aquisição de unidades documentais


O bibliotecário de uma biblioteca de leitura pública ou escolar tem a obrigação de se
informar diariamente sobre o movimento editorial do país, e assim conseguir actualizar
com oportunidade os seus fundos bibliográficos. Em termos gerais deverá ter em
atenção os seguintes pressupostos:
 O processo de selecção deve ser encarado como uma nova tarefa técnica, entre outras,
e como tal exige a adopção de critérios objectivos para a sua prossecução;

 O bibliotecário ou o assistente operacional deve ter um conhecimento profundo dos


objectivos da biblioteca, da sua colecção e dos seus utilizadores. Estes são
efectivamente, os factores determinantes da selecção de documentos para a biblioteca.

 Uma boa selecção requer um conhecimento adequado de como funciona a indústria da


edição e o mercado livreiro. Isto implica conhecer como as unidades documentais (de
todos os tipos) são produzidas, distribuídas e vendidas.

 O bibliotecário deve estar familiarizado com os média que fazem críticas literárias ou
recensões críticas, de modo a manter-se actualizado relativamente às opiniões dos
especialistas sobre livros e outros documentos que interessam à biblioteca. (Falar da
Lameg`arte)

Indicam-se seguidamente alguns dos instrumentos de pesquisa e selecção


bibliográfica a que o bibliotecário poderá recorrer para concretizar a sua política
de selecção e aquisição:

 O IBL – Vice-presidência do Livro tem publicado com alguma regularidade o “Fundo


Bibliográfico para Bibliotecas de Leitura Pública”, que fornece referências
imprescindíveis quer para a constituição de fundos iniciais das BLP ou BE`s, quer para a
actualização das que já estão em funcionamento.

 A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) edita de 2 em 2 anos o catálogo


dos “Livros Disponíveis”, a mais completa bibliografia, organizada por autores, títulos e
CDU, das edições disponíveis no mercado português (a última, data de 2009).
 Uma informação mensal não exaustiva e com muitas lacunas da actividade editorial
portuguesa é fornecida pela revista “Livros de Portugal”, igualmente da responsabilidade
da APEL.

 As Bibliotecas Municipais e Escolares deverão solicitar às editoras o envio constante de


catálogos, boletins bibliográficos e outro material promocional, para estarem
permanentemente informadas sobre a actividade editorial.
 O recurso à imprensa que dedica particular atenção ao movimento editorial, é
igualmente essencial para a actualização da informação sobre novos livros e publicações
periódicas.

15
Para além dos instrumentos já mencionados, o bibliotecário pode ainda recorrer
às seguintes publicações:
1) Revista “ler”
2) Revista “Meus Livros”
3) Jornal de Letras
4) Diário de Notícias (Secção de Artes)
5) Público (Secção de Cultura e Suplemento Y ao fim-de-semana)
6) Expresso (Secção de Cartaz)
7) Sol (Secção de Cultura)
8) Boletim Bibliográfico. Livraria Portugal
9) Boletim Bibliográfico. Livraria Barata
10)Boletim Bibliográfico. Livraria Leitura
11)Boletim Bibliográfico. Editores diversos
12)Porta da Literatura
13)Cultura On-Line
14)Wook
15)Blitz
16)Círculo de Leitores
17)Boletim da Bertrand
18)Crítica Literária

Nota: Subscrever a Newsletter das diversas editoras do mercado editorial português.

Como se adquirem as unidades documentais?

Os Documentos que vão constituir o Fundo Documental podem ser adquiridos através de
três modalidades:
 Compra;
 Oferta;
 Permuta.

Para qualquer das modalidades existem critérios e determinados procedimentos que


deverão ser predefinidos.
a) Compra - Quem compra e com que critério (selecção)?

1) É ao Coordenador da Biblioteca/Centro de Documentação e Informação


que cabe fazer a selecção dos documentos a adquirir.

2) Para isso, deverá ter um conhecimento o mais exaustivo possível da


população alvo que o utiliza, e no caso da escola é importante ter em conta a
faixa etária dos alunos, os interesses dos docentes das várias áreas e o tipo
16
de actividades desenvolvidas na escola.

3) Para que haja uma racionalização na distribuição do orçamento que esteja


destinado à BE, o critério de compra deverá seguir as necessidades mais
prementes, quer ao nível das lacunas sentidas nas várias áreas quer ao nível
da pertinência de um determinado tema que esteja a ser tratado no
momento, e sempre com níveis de prioridade.

4) Assim, deverão ser consultados os docentes responsáveis pelas diversas


áreas, no sentido de preencherem um formulário de pedido de aquisição dos
documentos onde conste a identificação do documento a adquirir.

5) O assistente auxiliar deve pesquisar o mercado editorial para melhor poder


assessorar o professor bibliotecário na actualização do seu fundo
documental.

Para esse efeito propomos um modelo de formulário de proposta para a


compra de documentos:

b) Oferta - Toda a oferta feita à BE deverá ser agradecida. No entanto, esta oferta
poderá, ou não, ser pertinente para a nossa escola.

c) Permuta - É a modalidade de troca de documentos entre instituições com


interesse mútuo, como por exemplo a permuta de Boletins Bibliográficos das duas
instituições. Também nesta modalidade deverá ser feito o agradecimento.

Assim sendo, poderá criar-se um formulário de agradecimento, quer para a oferta quer para a
permuta de documentos :

17
Nota: A selecção e aquisição das unidades documentais são da responsabilidade do
Coordenador da Biblioteca Escolar assessorado pelos assistentes operacionais.

Verificação
 Identificação do pedido;
 Verificação da factura (no caso de compra);
 Verificação do estado da publicação;
 Colocar a unidade documental preparada para entrar no circuito de tratamento
documental.
Nota: A verificação das unidades documentais é da responsabilidade dos Técnicos
Profissionais da Biblioteca e pelos assistentes operacionais.

Depois de adquiridos - por compra, oferta ou permuta - existe toda uma série de procedimentos
no tratamento dos documentos, a saber:

2. Carimbagem

Distinguem-se 2 tipos de carimbos, diferenciados pelo seu uso e aplicação:

· Carimbo de registo, destinado à inscrição do número de registo, cota e da respectiva data,


bem como a identificação da biblioteca, a inscrever na folha de rosto, no canto inferior
esquerdo. Sempre que a página seja ilustrada, o carimbo deverá ser colocado na página
imediatamente anterior ou seguinte, evitando a carimbagem sobre ilustrações.

Biblioteca Escolar
do Agrupamento de
Mondim de Basto
Nº_______________
_____/______/_______

Cota_______________

18
· Carimbo de posse, de pequena dimensão, contendo a identificação da biblioteca aplicado a
várias páginas do documento, a saber:
 Página onde se identificou o número de registo (página de rosto);
 Livros com mais de 100 páginas, de 100 em 100 páginas;
 Livros com menos de 100 páginas, de 30 em 30 páginas;
 Livros com menos de 30 páginas, de 10 em 10 páginas;
 Livro com menos de 10 páginas, o carimbo de posse não se coloca, colocando-se
somente o carimbo de registo, na contra-capa da unidade documental.

Biblioteca Escolar do
Agrupamento de
Mondim de Basto

Este carimbo coloca-se na parte inferior ao centro na página de rosto junto ao carimbo de
registo. Nas páginas interiores da unidade documental coloca-se no canto inferior direito da
unidade documental.

Nota: A carimbagem das unidades documentais é da responsabilidade dos técnicos


profissionais da Biblioteca.

3. Registo (Inventário)
 Após ser carimbado, todo o documento deve ser registado com uma numeração
sequencial de ordem de entrada.
O registo é uma operação administrativa que tem como objectivo inventariar todo o tipo
de documentos que constituem o fundo documental de uma Biblioteca.
 O registo manual serve para termos em suporte papel todas as unidades documentais
inventariadas.

Modelos de fichas de registo:

Monografias:

Nº de registo________
Modalidade de Aquisição______________

Título _________________________________________________________________
Autor__________________________________________________________________
Editor _____________________
Lugar de edição _____________
Colecção___________________

19
Volumes ___________________
Observações ____________________________________________________________

Publicações periódicas:

Nº de registo ________

Modalidade de Aquisição___________

Título da Publicação ____________________________________________________


Dir./Coord. _____________________________________
Editor ____________________
Lugar de edição ____________
Volume/Nº __________________
Observações ___________________________________________________________

Jogos electrónicos:

Nº de registo________

Modalidade de aquisição ____________

Data_____________
Título _________________________________________________________
Editor ____________________
Género ___________________
Plataforma_____________________
Observações____________________

Música:
Nº de registo________

Modalidade de aquisição ____________

Data_____________
Título _________________________________________________________
Intérprete______________________________________________________
Editor ____________________
Género ___________________
Duração __________________
Observações______________________

Vídeo:
Nº de registo________

Modalidade de aquisição ____________


Data_____________

Título _________________________________________________________
Realizador _____________________________________________________
Intérpretes______________________________________________________

20
Editor ____________________
Género ___________________
Duração __________________
Observações____________________

Actividades:

1. Foi feita uma oferta de 100 obras de temas variados. Cerca de 25 obras não
têm qualquer pertinência para a nossa escola. Qual deve ser o procedimento?

2. Foi enviada para a biblioteca uma publicação periódica, de um determinado


organismo, com interesse relevante para a nossa escola e com proposta de
permuta por uma por nós publicada. A nossa escola ainda não tem qualquer
publicação donde não há possibilidade de permuta. O que fazer?

3. Idealize os carimbos da sua biblioteca. Como os utilizaria?

4. A Catalogação (teóricas + práticas).


Define-se a catalogação como a operação que consiste na descrição dos dados bibliográficos
associados a um documento (descrição física deste), num suporte - ficha - com a finalidade de o
identificar para posterior recuperação. A metodologia a seguir, com base nas Regras
Portuguesas de Catalogação, pressupõe o seguimento rigoroso dos princípios e critérios por
estas estabelecidas e o conhecimento das Fontes de informação donde se retiram os elementos
de descrição bibliográfica. A catalogação de um documento é feita uma única vez, dando
origem à chamada ficha de base ou matriz.

Princípios Gerais:

Uniformidade – Estabelece que os elementos de identificação e de descrição dos documentos


são definidos, determinados e apresentados de igual modo, sempre que em idênticas
circunstâncias;
Simplificação – Fixa que os elementos são apresentados e determinados por forma concisa e
tendo em atenção os interesses dos utilizadores e dos serviços que executam estas tarefas;
Analogia – determina que o recurso ao tratamento de situações análogas ou similares, quando
estas regras se verifiquem insuficientes e omissas.

Entradas:
Dizem-se Entradas as unidades de informação constituídas por elementos, que identificam e
por vezes descrevem os documentos e que são estabelecidos de acordo com os objectivos a
alcançar e princípios a seguir, acima definidos. Quando agrupadas e ordenadas, as entradas
formam catálogos.
Tipos de Entradas:
¬ Principal – contém todos os dados considerados necessários para a identificação de
uma unidade bibliográfica;
¬ Secundária – apresenta, sob outro cabeçalho, todos ou parte dos elementos de
informação contidos na entrada principal;
¬ Analítica – regista parte de uma obra, a obra de uma série ou artigo de publicação
em série;
¬ Remissiva – Orienta sob outro cabeçalho de uma para outra localização do catálogo;

21
¬ Remissiva-explicativa – insere certos princípios de orientação catalográfica ou
pormenores explicativos em relação a qualquer cabeçalho.

Identificação dos elementos – os elementos da entradas, tanto para Monografias


como para Publicações em Série, são fixados de acordo com o que convém a umas e a outras, e
são recolhidos, em princípio, do rosto da obra ou do seu equivalente. Quando os dados são
insuficientes, recorre-se a:
¬ Constituição física da própria obra, como a capa, prefácio, prólogo ou introdução,
licenças, aprovações, títulos correntes, título de capítulo ou artigo, colofão, editoriais;
¬ Fontes externas de referência, como enciclopédias, dicionários, catálogos,
bibliografias, reportórios, etc.

Registos de elementos – Estes elementos são registados e apresentados em


obediência a uma ordem lógica. Esses elementos dividem-se em duas partes
principais distintas, designadas por cabeçalho e corpo de entrada:
¬ Cabeçalho: nome, palavra ou expressão que introduz uma entrada bibliográfica
para a sua arrumação no catálogo. Na redacção do cabeçalho deve usar-se sempre a
ortografia actualizada, salvo nos casos especiais previstos nas Regras.
¬ Corpo de entrada: conjunto de elementos descritivos e informativos, que se
inscrevem ou registam abaixo do cabeçalho, em área demarcada, e distribuídos por
grupos constitutivos de zonas, a saber:
a. Zona de título e menção de responsabilidade
b. Zona de edição
c. Zona de numeração (periódicos)
d. Zona do pé de imprensa
e. Zona da colação
f. Zona da colecção
g. Zona das notas
h. Zona do ISBN/ISNN e modalidades de aquisição

Outros elementos – Além destes elemntos, considerados fundamentais, outros são


inscritos fora das áreas ou zonas acima referidas e que são:
a) Pistas – rubricas de entradas secundárias;
b) Cota – indicação para localizar o documento e/ou;
c) Notação sistemática – classificação do assunto de que trata o documento, conforme
o sistema classificativo adoptado, no nosso caso a CDU;
d) Notas administrativas – notas de carácter burocrático, como, por exemplo, número
de inventário da obra ou do documento.

Tratamento de elementos – Alguns do elementos a recolher podem apresentar-se de


forma excessiva, incompleta, duvidosa ou inexacta. Nestes casos, proceder-se-á:
a) Supressão de palavras ou expressões, de forma a torná-los mais claros,
assinalando-se com reticências [...] os cortes efectuados;
b) Acrescentamento de dados, quando os elementos existentes não são
suficientemente explícitos nem identificadores da obra, increvendo-se dentro de parênteses
rectos e na língua do rosto ou do título os acrescentamentos, excepto os sinais de
pontuação ou diacríticos (é um sinal gráfico que se coloca sobre, sob ou através de uma
letra para alterar a sua realização fonética, isto é, o seu som, ou para marcar qualquer outra
característica linguística. É o caso dos acentos graves, agudos, circunflexo ou o til);
22
c) Substituição, no todo ou em parte, por símbolos ou abreviaturas de uso geral
estabelecido, de elementos que aconselhem esse tratamento;
d) Introdução, dentro de parênteses rectos, de reparos ou observações, quando os
elementos forem inexactos ou duvidosos, com ponto de interrogação antes do fecho dos
parênteses rectos[?] - Ex.: [Braga ?], [1970 ?], etc.;
e) Aposição da expressão [sic], no caso de dúvida, erro ou inexactidão insolúvel;
f) Correcção de erro evidente, dentro de parênteses rectos e introduzida pela
abreviatura i.é. [isto é] seguida da correcção – Ex.: Vina de astelo [i.é. Viana de Castelo]

Fichas das Entradas catalográficas

a) Ficha principal
b) Ficha secundárias, que apresentam elementos para além dos elementos da entradas
principais;
c) Fichas analíticas, que servem para dar entrada a elementos referentes à parte da
obra de uma série ou artigo da publicação periódica;
d) Fichas remissivas, que apresentam um cabeçalho de remissão. As abreviaturas v.
[veja] e v.t. [veja também] inscrevem-se entre os dois cabeçalhos e à distância de dois
espaços entre eles;
e) Fichas remissivas-explicativas, que permitem justificar a razão da escolha ou
adopção do Cabeçalho, bem com remeter de um cabeçalho uniforme para outro
cabeçalho uniforme com ele relacionado.

Exemplos das áreas, zonas e elementos na ficha principal:


-cabeçalho
-corpo de entrada
-cota
-designo do estabelecimento
-notação (CDU)

Monografias

Ex.:

CABEÇALHO
Título / menção de responsabilidade. - Edição / menção de responsabilidade
relativa à edição. - Pé de imprensa. - Colação. - (Colecção)
Notas
ISBN e modalidade de aquisição

Pistas
Cota /Classificação Sistemática
Sigla do Estabelecimento

Número de registo_______

Publicações em série

23
Ex.:

RUBRICA SECUNDÁRIA
CABEÇALHO
Título / menção de responsabilidade. - Edição / menção de responsabilidade
relativa à edição. - Numeração. - Pé de imprensa. - Colação. - (Colecção)
Notas
ISSN e modalidade de aquisição

Pistas
Cota /Classificação Sistemática
Sigla do Estabelecimento

Número de registo_______

CATÁLOGOS

Tipos de Catálogos:
− de autores
− de títulos
− de assntos
− de inventário e/ou
− topográfico (que faça a descrição de um lugar)

Funções do Catálogo:
Para bem desempenhar as suas funcções, o catálogo deve conter:
− uma entrada, pelo menos, para cada obra catalogada;
− mais de uma entrada para qualquer obra, cujas caacterísticas ou os interesses
dos utilizadores o exijam.
Abreviaturas mais usuais:
− Adaptador – adapt.
− Anotador – anot.
− Co-autor – co-aut.
− Colaborador – colab.
− Comentador – coment.
− Compilador – compli.
− Compositor – compos.
− Director – dir.
− Editor – edit.
− Editor literário – edit. lit.
− Ilustrador – il.
− Opositor – opos.
− Prefaciador - pref.
− Presidente – pres.
− Redactor – redat.
− Revisor – rev.
− Tradutor – trad.

Estrutura das RPC

1ª parte
24
Cabeçalhos
o Determinação do cabeçalho
o Forma do cabeçalho

2ª parte

Descrição bibliográfica
o Descrição de monografias
o Descrição de publicações em série

1ª Parte - CABEÇALHOS

DETERMINAÇÃO DO CABEÇALHO

ENTRADAS PRINCIPAIS (E.P.)

ENTRADAS PRINCIPAIS DE MONOGRAFIAS

1.Obras de um só autor. Estas regras aplicam-se a obras de:


a)autor pessoa-física
b)colectividade-autor – colóquios, congressos, simpósios, conferências

1.1. Autor pessoa-física - entrada principal (EP) pelo nome do autor, quando expresso na obra
ou quando identificado, se nela não figurar. Entrada secundária (ES) pelo título, quando o nome
do autor não venha expresso na obra, mas tenha sido identificado. → Autor expresso, Autor
identificado.

1.2.Obras de coectividade-autor – EP pela entidade ou pessoa-colectiva responsável pela obra.


1.2.1.Autor-Institução – EP pelo nome da colectividade responsável.
1.2.2.Autor grupo-eventual – entende-se por isto, obras aresentadas em congressos,
simpósios, encontros, jornadas, exposições, etc.
ex.: Rosto: Colóquio Internacional de Geografia, 3ª Reunião da Comissão de Geografia
Internacional. Porto, 7-13 de Agosto 1990.
Entrada principal: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GEOGRAFIA, PORTO, 1990.
Entrada secundária: Reunião da Comissão de Geografia Internacional, 3ª, Porto, 1990.

1.3. Obras de autoria errónea e fictícia – EP pelo nome do verdaeiro autor e ES , pelo nome da
pessoa a quem é atribuída.
1.4. Obras de autoria não determinada – EP pelo título e ES pela designação que vem na obra.
1.5. - Obras anónimas – EPl pelo título.
1.6. - Obras de autoria incerta – EP pelo título.
1.7. - Obras de autoria incerta – EP pelo nome dese provável autor e ES pelo título.

2. Obras de colaboração participada ou de responsabilidade partilhada. Estas regras


aplicam-se a:
− obras produzidas por 2 ou mais autores;
− obras resultantes de intercâmbio entre diversas pessoas, como em entrevistas e
debates;
− obras para as quais diversos autores deram contribuições separadas.

2.1. Autor principal indicado, não havendo mais do que três – EP pelo nome desse autor, ES
pelos nomes dos outros autores. Ex.: Fausto, um romance musical...composto por T. Cook,
25
Charles E. Horn e HENRY R. BISHOP (propositadamente em letra grande) .
EP: Bishop, Henry R., e outros
ES: Cook, T., co-aut.
Horn, Charles E., co-aut.

2.2. Dois ou três autores principais


EP: pelo nome do autor que figura em primeiro lugar
ES: pelos nomes dos outros autores indicados como principais

2.3. Autor principal não indicado, não havendo mais do que três
2.3.1. Autores expressos têm:
EP: pelo nome do autor que figura m primeiro lugar no rosto ou no seu substituto
ES: pelos nomes do restantes autres

2.3.2. Autores não expressos em qualquer edição da obra:


EP: pelo título
ES: pelo nomes dos autores que hajam sido determinados

2.4. Obras sem indicação do autor principal, havendo MAIS QUE TRÊS, ou de autoria de um
grupo sem designação, têm:
EP: pelo título
ES: pelo nome do autor que figura em 1º lugar no rosto ou pelo nome da Instituição, a que
eventualmente esteja ligado, seguido da designação convencional do grupo.

Ex.: Rosto: Renato Trincão, Fernando Seara d` Oliveira, P. Nunes e N. Canha. Um caso de
Hipersulismo...
EP: pelo título
E.S: TRINCÃO, Renato, e outros
Ex.: Rosto: Quintanistas de Direito. Lisboa, 1941-42.
E.P: título
E.S: UNIVERSIDADE DE LISBOA. Faculdade de Direito. 5.º ano, 1941-42.

2.5. Autores que colaboram habitualmente sob pseudónimo comum, têm:


E.P: pelo pseudónimo comum
Entrada remissiva explicativa, dos seus nomes reais para os pseudónimos

Ex.: Rosto: Ellery Queen. Crime passional.


EP: QUEEN, Ellery, pseud.
E.S: Entradas remissivas explicativas: DANNAY, Frederic
v.
QUEEN, Ellery, pseud.

2.5.1. Quando o pseudónimo não pode ser usado como cabeçalho, têm:
EP: pelo título
E.S: pelos nomes dos autores
Entradas Remissivas Explicativas, do pseudónimo para os nomes dos autores.

3. Obras de colaboração solicitada e compilações. Normalmente obras soicitadas por um


editor literário ou comercial.
3.1. Obras colectivas com título comum, têm
E.P pelo título
E.S pelos compiladores ou editores, se não forem mais do que três; sendo em maior
número faz-se a entrada pelo nome do que for mais relevante, de acordo com o ponto 2.4.
3.1.1/2. Obras sob a responsabilidade de um editor literário, de um compilador, têm
26
E.P pelo título
E.S pelo editor literário ou pelo compilador, conforme o caso.
3.1.3 Obras produzidas sob a direcção de mais de um editor literário e até três, têm:
E.P: pelo título
E.S pelos diferentes editores
Obras com mais de 3 editores literários participantes, tem:
E.P. Pelo título
E.S. Pelos editores literários. EX.: SANTOS, Pedro, e outros

4. Obras de autoria mista (adaptações, arranjos, dramatizações, guiões. musicadas),


têm:
E.P. Pelos elementos da nova obra
E.S. pelos elementos da obra original
Ex.: Rosto: Contos de Andersen. Adaptação de José P. de Almeida
E.P: ALMEIDA, José P. de
E.S: ANDERSEN, Hans Cristian – Contos

5. Obras com autoria expressa, por cujo conteúdo uma colectividade é globalmente
responsável, tais como:
- Relatórios oficiais, regras e regulamentos, manifestos, relatos e actas, etc
- Inventários, catálogos, regulamentos de pessoa, listas de membros, etc, têm:
E.P: pelo nome da colectividade
E.S: pelo nome do autor-pessoa-física ou pelo nome indicado em primeiro lugar, havendo
mais do que um.
5.1. Obras ede mais de três autores, da mesma colectividade, não sendo
nenhum deles principal, têm:
E.P pelo nome da colectividade
E.S pelo título e pelo nome de autor que figura em primeiro lugar no rosto.
5.2. Comunicações de carácter oficial, de chefes de Estado, membros do governo, ou de
chefes de organismos internacionais, intergovernamentais, de membros da Igreja, têm:
E.P pela designação formal do cargo por eles desempenhado;
E.R.E. , dos nomes para os cargos.

Ex.: Rosto: Pela recta intenção de bem servir o povo português. Discurso pronunciado
pelo Senhor Presidente do Conselho, Prof. Doutor Marcelo Caetano, na Assembleia
Nacional a 27 de Novembro de 1968.
E.P. PORTUGAL. Presidente do Conselho, 1968-1974 (Marcelo Caetano)
E.R.E: CAETANO, Marcelo
v.t.
PORTUGAL. Presidente do Conselho, 1968-1974

5.3. Obras cuja responsabilidade é partilhada claramente, entre duas ou três


colectividades, subordinadas a outra, têm:
E.P Pelo nome da colectividade que for designada como principal
E.S pelas restantes colectividades

Ex.: Rosto: Diversificação de horários de trabalhos e/ou de funcionamento de


estabelecimentos. Poupança de energia. Grupo de Trabalho Interministerial.
E.P. PORTUGAL. Ministério do Trabalho, e outros
E.S. PORTUGAL. Ministério dos Assuntos Sociais, co-aut.
PORTUGAL. Ministério das Finanças e do Plano, co-aut.

5.4. Quando houver uma colectividade designada como principal, têm:


27
E.P. Por essa colectividade
E.S. Pelas restantes

5.5 Quando nenhuma for designada como principal, têm:


E.P. pela primeira colectividade
E.S. Pelas restantes

6. Cabeçalhos especiais: Estas regras destinam-se a publicações de carácter legislativo e


judicial e a publicações de carácter religioso.

6.1 Certas publicações legislativas e judiciais


6.1.1. Leis, Decretos, etc, códigos, constituições, têm:
E.P. Pelo nome do Esado ou da ntidade territorial de que procedem, seguido do sub-
cabeçalho adequado.
E.S. Pelo nome do compilador, essoa física ou colectividade, quando exista, pela
designação formal do cargo do soberano ou chefe de Estado, no caso das constituições,
se vier referido, e pelos título reais, se for necessário.

Ex.: Rosto: Código Penal Português. Nova publicação oficial...9ª ed..


E.P. PORTUGAL. Leis, decretos, etc. Código Penal, 1886
E.S. Pelo título

Ex.: Rosto: Constituição Política da República Portuguesa. Aprovada por decreto da


Assembleia Nacional Constituinte de 21 de Agosto de 1911.
E.P. PORTUGAL. Leis, decretos, etc. Constituição, 1911
E.S. Pelo título

6.1.2. Projectos de Lei, de constituições e de cartas de jurisdiçõies não políticas têm:


E.P. Pelos seus autores, pessoas f´sicas ou colectividades, de acordo com as regras
gerais;
E.S. Pelo título

6.1.3. Regulamentos, estatutos promulgados por uma instituição e adoptados por uma
disposição legal, têm:
E.P. Pelo nome da Instituição promulgadora
E.S. por autor-título, de acordo com o previsto no ponto 6.1.1

Ex.: Rosto: Ministério da Economia, Secretaria de Estado da Agricultura. Direcção-Geral


dos Serviços Pecuários. Regulamento do livro genealógico português da raça bovina
Hereford. Portaria nº 2553 de 4 de Março de 1967.
E.P. PORTUGAL. Direcção Geral dos Serviços Pecuários
E.S. PORTUGAL. Leis, decretos, etc – Regulamento do livro genealógico português da
raça bovina Hereford
6.1.4 Sentenças, decisões e relatórios de um tribunal, têm:
E.P. Pelo nome do Estado ou Jurisdição de que depende um tribunal;
E.S pelo nome dos relatadores e anotadores, quando existam.

Ex.: Rosto. Assentos do Supremo Tribunal de Justiça anotados por A. Simões Correia, 3ª
ed. Actualizada.
E.P. PORTUGAL. PORTUGAL. Supremo Tribunal de Justiça.
E.S. CORREIA, A. Simões, anot.

6.1.5. Tratados, Acordos ou Convenções Internacionais, não conhecidos por uma


designação própria.
6.1.5.1 Quando celebrados entre dois países, têm:
28
E.P. Pelo nome do país que figura em primeiro lugar, seguido do cabeçalho, Tratados,
etc., nome do outro país e data em que se realizou;
E.S. pelo nome do outro país.

Ex.: Rosto: Tratado de Amizade, navegação e comércio renovado entre Portugal e a


Rússia, assinado em St. Petesburgo aos 16-27 de Dezembro de 1798.
E.P. PORTUGAL. Tratados, etc. Rússia. 1798
E.S. Rússia. Tratados, etc. Portugal. 1798

6..1.5.2. Quando celebrados entre mais de dois países, têm:


E.P pelo nome do país que figura em primeiro lugar, seguido do subcabeçalho Tratados,
etc., e data em que se realizou;
E.S. Pelos nomes dos outros países, seguidos dos subcabeçalhos adequados.

Ex.: Rosto: Tratado de Paz entre as potências aliadas e associadas e a Áustria. Protocolos
e declarações assinadas em Saint-Germai-en-Laye em 10 de Setembro de 1919
E.P. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. Tratados, etc. 1919
E.S. ÁUSTRIA. Tratados, etc. 1919
PORTUGAL. Tratados, etc. 1919

6.1.6. Tratados, acordos ou convenções internacinais, conhecidos por uma designação


própria, têm:
E.P. Pelo nome conhecido desse Tratado, em português, seguido da data;
E.S. Pelos nomes dos países participantes, seguidos do subcabeçalho adequado.
Ex.: Rosto: Tratado de Paz celebrado em Utrecht a 6 de Fevereiro de 1715.
E.P. TRATADO DE UTREQUE, 1715
E.S. nomes dos países participantes

6.1.7 Concordatas ou qualquer acordo entre a Santa Sé e um poder temporal, têm:


E.P. Pela designação de Igreja Católica, seguida do subcabeçalho adequado;
E.S. Pela outra parte, seguida do subcabeçalho adequado.
Ex.: Rosto: Concordata assinada entre a Igreja Católica e o Estado Português, em 1778
E.P. IGREJA CATÓLICA. Tratados, etc. Portugal, 1778
E.S. PORTUGAL. Tratados, etc. Igreja Católica

6.2. Certas Publicações religiosas


6.2.1 Textos sagrados, têm:
E.P. Pelo título uniforme adequado;
E.S. Pelo nome dos autores das concordâncias;
E.R.E. (v.t.), do nome da pessoa associada à revelação, excepto para os casos da Bíblia.
Ex.: Rosto: Muhamad. Alcorão. Versão portuguesa de Bento de castro.
E.P. ALCORÃO
E.S. CASTRO, Bento de, trad.
E.R.E. MAOMÉ, Profeta
v.t.
ALCORÃO

6.2.2 Obras litúrgicas, leituras da Bíblia para os serviços religiosos, livros de horas, têm:
E.P. Pelo nome da Igreja Confessional a que pertencem, seguido do subcabeçalho
adequado;
E.S pelo nome da colectividade particular (diocese, mosteiro, ordem religiosa, etc), se a
obra se destina especialmente ao seu uso.
Ex.: Rosto: Missal da Ordem de Cister.
E.P. IGREJA CATÓLICA. Liturgia e ritual
29
E.S. ORDEM DE CISTER

6.2.3. Concílios, sínodos e conferências de qualquer religião, têm:


E.P. Pelo nome da religião ou entidade que a representa, seguido da designação da
Província, se for o caso, do título dessa reunião e do seu número, do local e data em que
se realizou;
E.R dos nomes dessas reuniões.
Ex.: Rosto: Decretos e determinações do Sagrado Concílio Tridentino que devem ser
notificados ao povo.
E.P. IGREJA CATÓLICA. Concílio de Trento, 1545-1563
E.S. CONCÍLIO DE TRENTO
v.
IGREJA CATÓLICA. Concílio de Trento, 1545-1563

Determinação do Cabeçalho

Entradas Principais (E.P.)

Entradas Principais de Publicações em Série

Considera-se Publicação em Série uma publicação, impressa ou não, editada em fascículos ou


volumes sucessivos, ordenados geralmente numérica ou cronologicamente, com duração não
delimitada à partida e independentemente da sua periodicidade. As publicações em série
incluem os periódicos (revistas, jornais, boletins, anuários), as séries de actas e relatórios de
instituições e congressos, bem como as séries monográficas.

Publicações em série têm:


E.P. Pelo título próprio, seguido da indicação do local de publicação e da data do início da
mesma.
E.S. Pelos nomes das entidades responsáveis pela publicação, quando as houver e,
facultativamente, pelos títulos paralelos, quando os houver.
Ex.1: Rosto: Brotéria. Órgão da Sciedade Portuguesa de Genética.
E.P. BROTÉRIA GENÉTICA. Lisboa, 1980
E.S. SOCIEDADE PORTUGUESA DE GENÉTICA

Ex.2: Rosto: Boletim do Ministério da Justiça


E.P. BOLETIM DO MISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lisboa, 1947
E.S. PORTUGAL. Ministério da Justiça

Ex.3: Rosto: Anuário Estatístico. Instituto Nacional de Estatística.


E.P. ANUÁRIO ESTATÍSTICO. Lisboa, 1979
E.S. PORTUGAL. Instituto Nacional de Estatística

Publicações em série com secções, têm:


E.P. Pelo título comum seguido da denominação da secção. A estes elementos seguem-se
a indicação do local de publicação e a data do início da mesma;
E.S., pelos nomes das entidades responsáveis pela publicação e, facultativamente, pelos
títulos paralelos, quando os houver.
Ex.: Rosto: Diário da Assembleia da República. II Série
E.P. DIÁRIO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. SEGUNDA SÉRIE. Lisboa 1977.
E.S. PORTUGAL. Assembleia da República.

30
Determinação do Cabeçalho

Entradas Secundárias (E.S.)

1. Estas regras aplicam-se a obras cuja contribuição de autoria é:


¬ errónea ou fictícia
¬ imprecisa ou não identificada
¬ incerta
¬ de mais de 3 autores
¬ de associação de pessoas-físicas e/ou
¬ colectividades, que os utilizadores possam considerar responsáveis
¬ de obra relacionada com outra

e têm:

E.S. pelo nomes das pessoas ou colectividades que não foram objecto da entrada
principal ou, no caso de obras relacionadas, pelo elemento de identificação da obra à
qual se ligam.

2. Alguns exemplos onde a entrada secundária pelo título é suprimida:


- Obras com um tíulo comum, incompleto ou pouco significativo e sem nome do autor,
como, compilações de obras, autobiografias, cartas, memórias, boletins, actas, etc;
- obras com títulos extensos, confusos, indeterminados;
- obras cujo título é fictício, etc.;
- se todos os volumes da colecção são do mesmo autor;
- se o título da colecção inclui o nome do editor comercial.

Determinação do Cabeçalho

Entradas Secundárias (E.S.)

A função da remissão ver (v.) é remeter o utilizador de uma forma não adoptada no
catálogo (nome de pessoa ou colectividade, título) para aquela que se escolheu para
cabeçalho uniforme. A função da remissão ver também (v.t.) é remeter o leitor para
cabeçalhos relacionados, sempre com a conveniência o impunha.

FORMA DO CABEÇALHO (F.C.)

1. Autor pessoa-física
Os cabeçalhos de pessoa física são constituídos pelos nomes dos autores em causa,
seguidos ou não de outros elementos distintivos ou identificadores, distribuídos pela
seguinte forma:
- a parte assumida como palavra(s) de ordem, que pode ser constituída por um ou mais
apelidos, ligados ou não por hífen ou preposição, deve ser escrita em letra maiúscula.
- a segunda parte do nome, que se deve inscrever a seguir, separada da primeira por
31
vírgula, é só em maiúsculas nas iniciais das palavras que a constituem.
- depois da segunda parte do nome e separados por vírgula, inscrevem-se os elementos
relativos à participação que outros deram à obra, bem como elementos distintivos, e casos
homonímicos, tais como nomes de profissão, cargos, títulos, religião, datas esclarecedoras,
etc. (v. 1.2 e 1.3).

Alguns exemplos:
1.1 Pseudónimos
Adolfo Rocha
Pseudónimo: Miguel Torga
Cabeçalho: TORGA, Miguel
Entrada Remissiva: ROCHA, Adolfo

1.2 Títulos Nobliárquicos


Francisco de Barros e Sousa
Título: 2.º Visconde de Santarém
Cabeçalho: SANTARÉM, 2º Visconde de
Entrada Remissiva: SOUSA Manuel Francisco de Barros e

1.3 Nomes de religião


Manuel Sousa Coutinho
Nome de religião: Luís de Sousa
Cabeçalho: SOUSA, Luís de
Entrada Remissiva: COUTINHO, Manuel de Sousa

2. Apelidos
Apelidos simples:
Eça de Queirós
Palavra de ordem: QUEIRÓS
Cabeçalho: QUEIRÓS, Eça de

Apelidos compostos
Camilo Castelo Branco
Palavra de ordem: CASTELO BRANCO
Cabeçalho: CASTELO BARNCO, Camilo

Apelidos formados por um segundo elemento que indica relação familiar, como
Júnior, Neto, Sobrinho, Filho
Alexandre Dumas Filho
Palavra de ordem: DUMAS FILHO
Cabeçalho: DUMAS FILHO, Alexandre

Nomes de Santos, têm:


- Palavra de ordem, pelo nome próprio.
Faz-se entrada remissiva , pelo apelido se o houver.
Ex.: São João de Brito
Palavra de ordem: JOÃO DE BRITO
Cabeçalho: JOÃO DE BRITO, Santo
Entrada remissiva: BRITO, João de, Santo

3. Colectividade-Autor
Estas regras aplicam-se á escolha da forma do nome das colectividades, que podemos
classificar em dois grupos:
32
 Independentes, com entrada pelo nome específico;
 Dependentes, quer por subordinação, quer por coordenação, com entrada incluindo o
nome daquela de que depende.

Alguns exemplos:

3.1. Colectividades que possam ser identificadas por vários nomes ou formas diferentes do
nome:
Cabeçalho uniforme, pela sua designação mais recente.

Ex:Coimbra Editora Limitada


Cabeçalho: Coimbra Editora

3.2 Estabelecimento da palavra de ordem


3.2.1 Colectividades Independentes
As colectividades independentes têm:
Palavra de ordem, pela primeira do seu nome, seguida das restantes na ordem directa.

Ex.: 1) FUNDAÇÃO CALOUSTE GILBENKIAM e não


GULBENKIAN, Fundação Calouste
3.2.2. Colectividades soburdinadas
As colectividades subordinadas cujo nome inclui o nome de outras, das quais dependem por
subordinação ou coordenação, têm:
Entrada pela seguinte ordem:
o Nome do elemento imediatamente superior na hierarquia;
o Nome dos elementos intermédios, desde que sejam necessárias para
distinguir de outras com o mesmo nome, identificar ou esclarecer a sua
função junto da colectividade que acima se segue na hierarquia;
o Nome dos elementos dependentes.

Ex.: UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Letras


E não FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

3.3. Elementos de identificação ou distinção

3.3.1. Congressos, reuniões, conferências


Quando se trata de Congressos e outras reuniões similares que possam ser conhecidos
por um nome específico e por um nome mais geral de uma série de congressos, têm:
- Cabeçalho uniforme pelo nome específico.
Cabeçalho: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GEOGRAFIA, 14.º, Porto, 1978

4. Autor-entidade oficial
Este tipo de cabeçalho aplica-se a Reis, chefes de Estado, Papas, Patriarcas, Bispos, etc.
Ex.: PORTUGAL. Presidente do Conselho, 1932-1968 (António de Oliveira Salazar)
IGREJA CATÓLICA. Papa, 1958-1962 (João XXIII)

5. Títulos
Como se verificou ao longo das Regras para a determinação da autoria, o título toma-se
por cabeçalho da entrada principal, nos seguintes casos:
Em certas obras anónimas com título uniforme ou convencional;
Em obras de autoria indeterminada;

33
Em obras de mais do que três autores;
Em compilações;
Em obras de autoria de um grupo sem designação.

Ao escolher-se as palavras de ordem, ter-se-á presente que:


- deverá ser adoptada a ortografia vigente em cada país;
- deverão omitir-se os artigos e as frases introdutórias, que antecedem o título.

Exemplo:
Bíblias, partes ou extratos da Bíblia e outras escrituras sagradas.
Ex.: Rosto: O Novo Testamento de Nosso Senhor Redentor e Salvador Jesus Cristo.
Entrada Principal: BÍBLIA. N.T.
Entrada Remissiva: NOVO TESTAMENTO

PARTE SEGUNDA

DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA

DESCRIÇÃO DE MONOGRAFIAS

DESCRIÇÃO DE PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS

Generalidades

A descrição Bibliográfica Internacional Normalizada de Monografias – ISBD(M) especifica os


elemntos necessários à descrição e identificação de monografias impressas, atribui uma ordem
ou hierarquia a esses elementos e prescreve um sistema de pontuação a atender nessa
descrição. As normas fixadas para a descrição de monografias pretendem o estabelecimento de
um conjunto de regras que uniformize a constituição e a redacção do corpo de entrada de uma
entrada bibliográfica. Deste modo, fica facilitada a troca de material bibliográfico, quer dentro
de um país, quer mesmo a nível internacional. A ISBD(M) utiliza-se nas descrições bibliográficas
com vista à elaboração de catálogos impressos e listas de referências bibliográficas.

Termos e expressões:

Anterosto – primeira página de uma publicação

Antetítulo – informação complementar do título, que precede este e ocorre antes do título
próprio no rosto ou no seu substitutpo

34
Colação – Conjunto de elementos ou dados que apresentam as características físicas de uma
publicação, como os referentes ao número de páginas, folhas, colunas, volumes, ilustrações,
formato e material acompanhante.

Colecção – Conjunto de publicações distintas, ligadas entre si por um título comum. Cada uma
das publicações pode ser numerada. Este termo exclui as obras singulares, em vários volumes
numerados.

Colofão – conjunto de informações que se encontram, por vezes, no final da obra, e que contêm
dados relativos á impressão da mesma e até outras indicações bibliográficas.

Coluna – cada uma das duas ou mais secções verticais da composição gráfica, separadas por
um fio ou linha em que se dividem as páginas de certas monografias.

Descrição bibliográfica – conjunto de elementos ou dados bibliográficos que se recolhe e se


utiliza para registar e identificar uma obra ou qualquer edição desta.

Edição - conjunto de exemplares de uma obra, obtido de uma só matriz. Qualquer alteração,
quer de texto quer de aspecto gráfico, dessa matriz, constitui uma nova edição.

Editor – Pessoa singular ou colectiva responsável pela publicação de uma obra.

Folha – Conjunto de duas laudas ou páginas (frente e verso do papel).

Frontispício – Uma ilustração, geralmente uma gravura, que se situa na página à esquerda do
rosto de uma publicação, a livro aberto.

Ilustração – Representação gráfica, pictórica impressa numa monografia.

Informação de outro título – Palavra, frase ou grupo de letras, ligado e subordinado ao título
próprio de uma publicação.

ISBN – Número Internacional Normalizado dos Livros que identifica a edição de uma obra,
publicada por um editor particular, e próprio só para essa edição.

Lugar da Edição – Localidade onde se encontra a sede da entidade distribuidora.

Material acompanhante – publicações complementares, tais como atlas, livros de exercícios,


discos, filmes, etc, concebidos para serem utilizados como apoio a uma obra.

Menção de colecção – Registo do título da colecção e de uma ou mais subcolecções.

Menção de edição – Referência da edição a que a publicação pertence.

Menção de responsabilidade – Registo da identificação e/ou da função da pessoa singular ou


colectiva responsável pela criação do conteúdo ntelectual ou artístico de uma publicação, ou
que para ela tenha contribuído ou colaborado.

Monografia – Publicação num ou mais volumes, de conteúdo unitário, composta por um texto
e/ou ilustrações, apresentando-se sempre de forma completa.

Outro título – Qualquer outro título que não o título próprio ou o título paralelo.

Página – cada uma das faces de uma folha.


35
Páginas preliminares – rosto ou seu substituto e todas as antecedentes.

Publicação em vários volumes – publicação composta por um número limitado de unidades


físicas, distintas (exceptuando-se as publicações em fascículos), concebida e publicada como
um todo; os vários volumes podem ter títulos e menções de responsabilidade específicas.

Rosto – Página que apresenta a informação mais completa da publicação e que contém,
normalmente o maior número de dados acerca do título, menção de responsabilidade e pé de
imprensa. Se os elementos, que se encontram, geralmente no rosto, estão repartidos e não
repetidos, nas duas páginas, frente a frente, estas formam em conjunto o rosto.

Separata – Impressão em separado de parte, secção ou artigo de uma publicação, com


paginação própria, podendo também manter a paginação original.

Subcolecção – Secção de uma colecção, que tem um título dependente da colecção.

Substituto do rosto – página, parte da página ou qualquer outra parte de uma publicação, que
contenha as informações, que normalmente figurem no rosto e o substituem na falta deste, por
exemplo capa, notas e títulos ou adições tipográficas adicionais, colofão.

Subtítulo – informação de outro título, subordinado a título próprio, que o qualifica, esclarece ou
completa.

Título – palavra ou frase que serve de nome a uma publicação.

Título paralelo – título próprio numa outra língua ou escrita.

Título próprio – título principal de uma publicação, isto é, o título de uma publicação, tal qual
figura no rosto ou seu substituto.

Zona – cada uma das divisões da descrição bibliográfica, que compreende os dados de uma
categoria particular ou de um conjunto de categorias.

Ordem das zonas segundo a ISBD(M)


1) Zona de título e da menção de responsabilidade
2) Zona da edição
3) Zona especifica de alguns tipos de documentos
4) Zona do pé de imprensa
5) Zona da colação
6) Zona da colecção
7) Zona de notas
8) Zona do ISBN e das modalidades de aquisição.

Algumas notas preliminares:


 os elementos em itálico são facultativos;
 os elementos predecedidos de (*) podem ser vários e registam-se, se necessário;
 as zonas 7 e 8 podem ser repetidas, se necessário;

Esquema:

Nota. Qualquer zona, à excepção da primeira é precedida de um ponto espaço, traço,


espaço (. - )

36
1) Zona de título e da menção de responsabilidade
1.1. Título próprio
1.2. Indicação geral da natureza do documento
1.3. Título paralelo
1.4. * Informação de outro título
1.5. Menção de responsabilidade
/ primeira menção
; *outras menções

2) Zona de edição
2.1. Menção da Edição
= * 2.2. Menção paralela da edição
2.3. Menções da responsabilidade relativas à edição
/ primeira edição
; *outras menções
, *2.4. Outra mençaõ da edição
2.5. Menção de rewsponsabilidade relativas a outra menção de edição
/ primeira edição
; * outras menções

4) Zona do Pé de Imprensa
4.1. Lugar da edição e/ou distribuição
; Primeiro lugar
; *outros lugares
4.2: nome do editor e/ou do distribuidor
[ ] 4.3. Menção da função de editor e/ou de distribuidor
, 4.4. Data da edição e/ou da distribuição
( 4.5. Lugar da Impressão
: *4.6. Nome do Impressor
,) 4.7.Data da Impressão

5) Zona da colação
5.1. Paginação e/ou número de volumes
: 5.2. Menção de ilustração
; 5.3. Formato
+ 5.4. Menção de material acompanhante

6) Zona da colecção
( 6.1. Título próprio da colecção
= 6.2. Título paralelo da colecção
: *6.3. informação de outro título da colecção
6.4. Menções de responsabilidade relativas á edição
/ Primeira menção
; *Outras menções
, 6.5. ISSN (Número Internacional Normalizado das Publicações em Série) da colecção
; 6.6. Numeração da colecção
(para mais informação consultar as Regras Portuguesas de Catalogação – pag. 113)

7) Zona de Notas

8) Zona do Número Internacional Normalizado dos Livros (ISBN) e das modalidades de


aquisição
8.1. ISBN
37
: 8.2. Modalidade de aquisição ou preço.

PONTUAÇÃO
 - Cada símbolo de pontuação apresentado, que antecede ou enquadra um elemento, é
precedido de um espaço, com excepção da vírgula (,) e do ponto (.), que apenas são
seguidos de um espaço;
 - os parênteses curvos ( () ) e os rectos ( [] ) são considerados apenas símbolos de
pontuação. Por conseguinte, os parênteses curvos são precedidos de espaço e os
parênteses curvos são seguidos de espaço.
 - Todas as zonas da ISBD (M), com excepção da primeira são precedidas de ponto, espaço,
traço, espaço (. - )
 - se um elemento termina por uja abreviatura ou outra palavra ou caracter seguido de um ponto, e
se a pontuação prescrita a seguir a esse elemento é um ponto ou começa por um ponto, suprime-
se o ponto relativo à abreviatura. Ex.: 2.ª ed. – e não 2.ª ed. . –
 - os parênteses rectos [ [] ) são utilizados para as funções que vimos atrás, mas também são
utilizados para indicar toda a informação obtida de qualquer outra fonte que não seja a fonte
principal.
 As reticências (…) servem para assinalar, em determinados casos, a omissão de parte de um
elemento em certas zonas;
 Sempre que se transcrevem elementos em duas ou mais línguas, a informação respeitante a essas
línguas é transcrita precedida de um espaço, sinal de igual, espaço (=)

FONTES DE INFORMAÇÃO

a) Ordem de preferência
- rosto ou seu substituto;
- páginas preliminares ou colofão;
- o resto da publicação (capa, lombada, prefácios, texto básica, e seus anexos);
- fontes externas (p ex. obras de referência, bibliografia, catálogos, etc)

b) Fontes principais

Zona - Fonte principal de informação


1. Zona de título e da menção de responsabilidade – rosto ou seu substituto
2. Zona da edição - rosto ou seu substituto, páginas preliminares e colofão
3. Zona do pé de imprensa - rosto ou seu substituto, páginas preliminares e colofão
4. Zona da colação – a própria obra
5. Zona da colecção – de qualquer parte da publicação
6. Zona de notas – de qualquer parte ( inclusive fontes externas)
7. Zona do ISBN e das modalidades de aquisição – de qualquer parte

ABREVIATURAS
Certas abreviaturas são prescritas pela ISBD (M) para as descrições, tais como:
ZONA 1,2 E 6 – et al. (et alli) - e outros
ZONA 4 – s.l. (sine loco) - lugar de edição desconhecido ; s.n. (sine nomine – nome do editor
desconhecido
ZONA 5 – cm – centrímetros

UTILIZAÇÃO DE MAIÚSCULAS

38
Em geral, usam-se maiúsculas na primeira letra da primeira palavra que ocorre em cada
zona da ISBD e nos casos normais de nomes próprios e toponímicos.

ERROS DE IMPRESSÃO
Os erros de impressão são reproduzidos e seguidos de [ sic ] ou de [ ! ] ou através da
expressão [i.é]. Ex.: Lsboa [ sic] ou [i.é Lisboa]

Estrutura da Descrição Bibliográfica.

1) Zona de título e menção de responsabilidade

Pontuação:
a) A indicação geral da natureza do documento inscreve-se dentro de parênteses rectos, sendo o
primeiro precedido de espaço e o segundo também ( [ ] )
b) Cada título paralelo é precedido de espaço, sinal de igual e espaço ( = )
c) Cada informação de outro título é precedida de espaço, dois pontos e espaço ( : )
d) A 1ª menção de responsabilidade, que se inscreve a qualquer título, é precedida de espaço,
barra oblíqua e espaço ( / )
e) Outras menções de responsabilidade são precedidas de um espaço, ponto e vírgula, espaço
(;)
f) Os títulos de obras distintas, escritas por autores diferentes, contidas numa só publicação, são
separados por um ponto e espaço (. )
g) Os títulos de obras distintas, escritas por um só autor, contidos numa única publicação, são
separadas por um espaço, ponto e vírgula, espaço ( ; ).

Ex.:
Título próprio [indicação geral da natureza do documento] : informação de outro título = título
paralelo : informação de outro título / menção de responsabilidade ; outras menções de
resposabilidade ; outras menções de responsabilidade

2) A zona da edição

Pontuação:
a) A zona da edição é precedida de um ponto, espaço, traço, espaço (. - )
b) Cada menção paralela de edição é precedida de espaço, sinal e igual e espaço ( = )
c) outra menção de edição é precedida de vírgula, espaço (, )
Ex. :
Menção da edição = menção paralela da edição
Menção da edição, outra menção da edição

4) Zona do Pé de Imprensa

Pontuação:
a) A zona do pé de imprensa é precedida de um ponto, espaço, traço, espaço (. - )
b) qualquer outro lugar da edição a seguir ao primeiro, é precedido de espaço, ponto e vírgula espaço
(;)
c) qualquer nome do editor é precedido de espaço, dois pontos, espaço ( : )
d) a data da edição é precedida de vírgula, espaço (, )

Ex.:
Lugar da edição : nome do editor, data
Lugar da edição : nome do editor ; Lugar da edição : nome do editor, data
Lugar da edição, lugar da edição : nome do editor, data

5) Zona da Colação

39
Pontuação:
a) A zona da colação é precedida de um ponto, espaço, traço, espaço (. - )
b) a menção de ilustração é precedida de espaço, dois pontos, espaço ( : )
c) o formato é precedido de um espaço, ponto de vírgula, espaço ( ; ) Nota: considera-se formato a
altura da capa, isto é, medida paralelamente à lombada, do pé à cabeça da publicação.
d) a menção de material acompanhante é precedida de espaço, sinal mais, espaço ( + )

Ex..
Número de volumes e/ou páginas : menção de ilustração ; formato

Páginas : . - 200 p.
. - [8], 238 p.
. - XX, [ 250 ] p.
. – 8 vol. (894 p.)

Menção da ilustração: 269 p. : il.


269 p. : il., mapas
269 p. : il., 12 desenhos

Formato: 269 p. : il. ; 22 cm

6) Zona da colecção

Pontuação:
a) A zona da colecção é precedida de um ponto, espaço, traço, espaço (. - )
b) os títulos paralelos da colecção são precedidos de espaço, sinal de igual espaço ( = )
c) a numeração da colecção é precedida de espaço, ponto e vírgula, espaço ( ; )
d) qualquer menção de colecção é precedida de espaço, parênteses curvos, espaço. ( )

Ex.: (Título próprio de Colecção ; numeração da colecção)

7) Zona de Notas

Pontuação:
Nesta zona inscrevem-se todos os elementos considerados pertinentes e que não têm cabimento
noutras zonas. O uso das notas é facultativo como livre é também a sua forma de apresentação,
que tanto pode ser por . – como por simples parágrafo. Cada nota é separada da anterior por
ponto, espaço, traço, espaço. Dentro das notas deve tentar-se seguir ao máximo a pontuação
seguida noutras zonas. Por exemplo, um título é separado da menção de responsabilidade por
espaço, barra oblíqua espaço ( / ).

8) Zona do ISBN

Pontuação:
a) A zona do ISBN é precedida de um ponto, espaço, traço, espaço (. - ) ou simplesmente
paragrafada
b) a modalidade de aquisição ou preço é facultativo.
c) qualquer ISBN, além do primeiro, é precedida de um ponto espaço (. )

Ex.: . – ISBN 87-13-01633-4


. – ISBN 87-13-01633-4. ISBN 87-13-01633-4

9) Publicações em vários volumes


Esta descrição compreende uma informação comum a todos os volumes de uma publicação – primeiro
nível ou geral – e uma informação particular relativa a cada uma dos volumes – segundo nível ou
particular. Os elementos da descrição, em ambos os níveis, são dados na mesma ordem e com o mesma
40
pontuação que se usa para as obras num só volume. Quando o título de um volume é precedido de um
número, estas duas menções são separadas por espaço, dois pontos, espaço ( : ).

Ex.:
Nível Geral:
As Mudanças políticas na Holanda : estudo conjunto / editado por Frank Bonilla. – 3.ª Ed. – Londres: M.I.T.
Press, 1967- . - (Política Moderna). – 19 cm. – ISBN 972-552-458-6

Nível Particular:
Vol. 1: uma estratégia de mudança / ilustrado por Joan Rice. – 1967. – 298 p. : il. – contém um índice. –
ISBN 972-685-324-8

Entrada aberta

Outro processo alternativo, é o de descrever uma obra em vários volumes a um só nível. Quando
os volumes forem descritos separadamente, certos elementos da descrição têm de ser deixados
em branco ou em aberto, até que sejam descritos todos os volumes. Estes espaços em aberto
serão, especificamente, a data da conclusão da obra e o número de volumes. Elemnetos relativos
a um só volume, podem ser dados em nota, conforme a apresentação.

5. Classificação - Classificação Decimal Universal (teóricas + práticas).


A classificação surge associada à catalogação, embora esteja a ser feita separadamente, uma
vez que exige algum esforço de interpretação das tabelas da CDU. Essa tarefa é supervisionada
pelo Técnico Superior de Biblioteca e Documentação ou pelo professor bibliotecário, por ser o
único elemento da equipa que tem formação específica nessa área.

Classificação Decimal Universal (CDU)

Quer uma Biblioteca Municipal, quer uma Biblioteca Escolar devem funcionar em regime
de livre acesso às estantes e ao seu fundo documental. Com excepção das publicações
periódicas, devem estar organizadas tematicamente, de acordo com a Classificação Decimal
Universal (CDU). Essa arrumação é possível pois todas as publicações que dão entrada nos
Serviços de Documentação são previamente analisadas, do ponto de vista do seu conteúdo
intelectual, pelo Técnico Superior a fim de se determinar o(s) assunto(s) sobre que versam.

O que é a CDU – Classificação Decimal Universal?

A Classificação Decimal Universal é um esquema de classificação uniformizado e


normalizado, amplamente usado nacional e internacionalmente, que visa cobrir e organizar a

41
totalidade do conhecimento humano. É uma classificação decimal dado que a totalidade do
conhecimento é dividida em dez classes, que se subdividem de novo decimalmente, do geral
para o específico. Cada conceito é traduzido por uma notação numérica ou alfanumérica (Ex. ao
conceito geral – “Religião” - corresponde a notação numérica 2). Uma das principais
vantagens desta classificação reside na sua dimensão internacional, dada a sua independência
face a todas as expressões idiomáticas, o que facilita enormemente a pesquisa e a troca de
informação ao nível internacional. No seguimento do exemplo anterior, tal significa que a
notação 2, e o conceito que lhe está associado, é igual em todas as bibliotecas do mundo que
adoptem este sistema de classificação. Em Portugal, o uso deste sistema de classificação é
generalizado, tanto nas Bibliotecas Públicas, como nas Bibliotecas Escolares e Universitárias.

Estrutura da CDU

A CDU é composta por:

a) Uma tabela principal de matérias, que enumera hierarquicamente o conhecimento, nas


referidas dez classes. As divisões principais são:

0 Generalidades

1 Filosofia. Psicologia

2 Religião. Teologia

3 Ciências Sociais

4 Classe actualmente não utilizada

5 Matemática e Ciências Naturais

6 Ciências Aplicadas. Medicina. Tecnologia

7 Arte. Recreação. Entretenimento. Desporto

8 Língua. Linguística. Literatura

9 Geografia. Biografia. História

Cada classe principal subdivide-se decimalmente em subclasses que por sua vez também
se subdividem em áreas cada vez mais especializadas.

0 Generalidades (Ciências da Informação)

004 Informática. Ciência e tecnologia informáticas. Computação


01 Ciência e técnica bibliográfica. Bibliografias. Catálogos.
02 Biblioteconomia. Bibliotecas.
030 Obras gerais de referência. Enciclopédias, Dicionários, etc.
050 Publicações em série. Periódicos e publicações de carácter periódico. Função, Gestão
Comercial e Editorial.
06 Organizações. Academias. Congressos. Organismos Científicos. Exposições. Museus.
070 Jornais. Jornalismo. Imprensa.
080 Poligrafias. Obras em colaboração.
09 Manuscritos. Livros raros. Bibliofilia.
42
1 Filosofia. Psicologia

101 Natureza e âmbito da filosofia.


11 Metafísica.
13 Filosofia da mente e do espírito. Metafísica da vida espiritual.
14 Sistemas e pontos de vista filosóficos.
159.9 Psicologia.
16 Lógica. Epistemologia. Teoria do conhecimento. Mitologia da Lógica.
17 Filosofia Moral. Ética. Filosofia prática.

2 Religião. Teologia

21 Religiões Pré-Históricas e Primitivas.


22 Religiões do Extremo Oriente. Taoísmo. Confucionismo. Religiões da Coreia, Japão, etc.
23 Religiões da Índia.
24 Budismo.
25 Religiões do Mundo Antigo.
26 Judaísmo.
27 Cristianismo
28 Islamismo.
29 Movimentos espirituais modernos.

3 Ciências Sociais

31 Estatística. Demografia. Sociologia


32 Política.
33 Economia. Ciência Económica.
34 Direito. Jurisprudência.
35 Administração pública. Assuntos Militares.
36 Assistência social. Previdência e apoios sociais. Serviço Social.
37 Educação.
39. Etnografia. Etnologia. Usos e Costumes. Tradições. Modo de vida. Folclore.

4 Provisoriamente não ocupada

5 Ciências Puras

51 Matemática.
52 Astronomia. Astrofísica. Pesquisa espacial. Geodésia
53 Física.
531/534 Mecânica.
531 Mecânica geral. Mecânica dos corpos sólidos e rígidos.
532 Mecânica dos fluidos. Mecânica dos líquidos. Hidráulica. Hidromecânica.
533 Mecânica dos gases. Aerodinâmica. Física dos plasmas.
534 Vibrações. Acústica.
535 Óptica.
536 Calor. Termodinâmico.
537 Electricidade. Magnetismo. Electromagnetismo.
539 Natureza física da matéria.
54 Química. Ciências mineralógicas. Cristalografia.

43
55 Ciências da Terra. Ciências geológicas.
56 Paleontologia. Fósseis.
57 Biologia. Ciências biológicas em geral.
58 Botânica.
59 Zoologia.

6 Ciências Aplicadas. Medicina. Tecnologia

61 Ciências médicas.
62 Engenharia. Tecnologia em geral.
63 Agricultura. Ciências agrárias e técnicas relacionadas. Silvicultura. Explorações agrícolas.
Exploração da vida selvagem.
64 Economia doméstica. Ciências domésticas.
65 Gestão e organização da indústria, do comércio e da comunicação.
66 Tecnologia química. Indústrias químicas e relacionadas.
67 Indústrias, Artes industriais e ofícios diversos.
68 Indústrias, artes e ofícios e comércio de artigos acabados ou montados.
69 Indústria da construção. Materiais de construção. Procedimentos e práticas de construção.

7 Arte. Recreação. Entretenimento. Desporto.

71 Planeamento territorial, físico. Planeamento regional, urbano e rural. Paisagens, Parques e


Jardins.
72 Arquitectura.
73 Artes plásticas. Escultura. Numismática. Arte dos metais.
74 Desenho. Design. Desenho artístico. Artes e ofícios aplicados.
75 Pintura.
76 Artes gráficas. Gravura.
77 Fotografia e processos similares.
78 Música.
79 Divertimentos. Espectáculos. Jogos. Desportos.

8 Língua. Linguística. Filologia. Literatura

80 Questões gerais em linguística e literatura. Filologia.


801 Prosódia. Ciências auxiliares e fontes da filologia.
808 Retórica. Composição. Escrita. Edição. Eloquência.
81 Linguística e línguas.
811 Línguas.
82 Literatura.
82-1/-9 Formas e géneros literários.
82…A/Z Obras de autores em particular.
821 Literaturas relativas às línguas particulares.

9 Arqueologia. Geografia. Biografia. História

902 Arqueologia.
903 Pré-História.
904 Vestígios culturais do passado.
908 Monografas locais.

44
91 Geografia.
911 Geografia Geral. Geografia sistemática. Geografia Teórica.
912 Cartografia. Mapas, Atlas.
913 Geografia regional.
913(4) Geografia da Europa.
913(469) Geografia de Portugal
929 Biografias. Genealogia. Heráldica.
930 Ciência da História. Historiografia.
94 História em geral.
94(3) História do mundo antigo.
94(4+7) História do Ocidente.
94(4) História da Europa.
94(469) História de Portugal.

b) Tabelas Auxiliares - As tabelas auxiliares, representam não assuntos, mas formas de


os especificar (por lugar, tempo, forma, língua, etc.), flexibilizando muito mais a
representação dos conceitos. Assim sendo existem os seguintes auxiliares:

b.1. Tabela de adição. Extensão

Secção 1. Coordenação. Adição

O sinal de coordenação + (mais) liga um ou dois números separados (não consecutivos),


para indicar um assunto composto para o qual não existe um número simples.
Exemplo: (44+460) → (Auxiliares de lugar) França e Espanha ou 622+669 Mineração e
Metalurgia

Secção 2. Extensão. Consecutiva

O sinal de extensão / (barra oblíqua) liga o primeiro e o último de uma série de números
consecutivos, para indicar um assunto amplo ou uma série de conceitos.
Exemplo: (7/8) → (Auxiliares de lugar) América do Norte e Central e América do Sul. As
Américas.
592/599 Zoologia Sistemática (equivalente a 592+593....+599)

b.2) Auxiliares comuns de Língua: Sinal =...


Os auxiliares comuns de língua indicam a língua ou a forma linguística de um documento
cujo assunto é representado por um número principal (ver código assinalado na CDU).
Exemplo: Obra intitulada – “O Codex 632” do autor José Rodrigues dos Santos.
CDU: 821.134.3-312.2“20” (Auxiliar de língua incorporado na notação)
CDU: 53(035)=00 (Manual de Física Multilíngue – Auxiliar de língua anexado à notação)

b.3) Auxiliares comuns de Forma: Sinal (0...)


Os auxiliares comuns de forma indicam a forma ou apresentação de um documento que
trata de um assunto representado por um número principal (ver código assinalado na
CDU).
Exemplo: Obra: Manual escolar de história do 8º ano do autor Gustavo de Freitas.
CDU: 94(4)(075.3)”14/19”

b.4) Auxiliares comuns de Lugar: Sinal (1/9)


Os auxiliares comuns de lugar indicam o âmbito geográfico, localização ou outro aspecto
espacial de um assunto indicado por um número principal (ver código assinalado na
Cota).
Exemplo: Obra intitulada – “O Codex 632” do autor José Rodrigues dos Santos.

45
CDU: 821.134.3-312.2“20”
Cota: 82-312.2(469) SAN

b.5) Auxiliares comuns de Raça, Grupo Étnico e Nacionalidade: Sinal =...


Os auxiliares comuns de grupo étnico e nacionalidade indicam a nacionalidade ou os
aspectos étnicos do assunto representado pelo número da classe principal.
Exemplo: (=111) Povos anglófonos (por oposição aos ingleses)
Nota: Detivam principalmente dos auxiliares de língua e servem, portanto, para
distinguir grupos linguístico-culturais.

b.6) Auxiliares comuns de Tempo: Sinal “...”


Os auxiliares comuns de tempo indicam a data ou período de tempo de um assunto
representado por um número principal da CDU (ver código assinalado na CDU).
Exemplo: Obra intitulada – “O Codex 632” do autor José Rodrigues dos Santos.
CDU: 821.134.3-312.2“20”

b.7) Auxiliares comuns de Características Gerais: -0...


Os auxiliares comuns de características gerais indicam atributos de propriedades,
materiais e pessoas e características pessoais:
Auxiliares comuns de propriedades (-02)
Auxiliares comuns de materiais (-03)
Auxiliares comuns de pessoas e características pessoais (-05)
Exemplo: Obra intitulada – “O Codex 632” do autor José Rodrigues dos Santos.
CDU: 821.134.3-312.2-053.8(469)“20” - Neste exemplo, optou-se por colocar uma
auxiliares de pessoas de acordo com a idade e grupo etário. V. pág. 120 da CDU.

Encontrar os livros na estante através da CDU - A Biblioteca escolar deve usar a CDU para
arrumar as obras nas estantes. Assim, o sistema de cotas adoptado baseia-se nesse sistema de
classificação. As obras são classificadas e depois arrumadas na estante de acordo com a
notação principal que lhe for atribuída. A determinação da notação principal procura sempre
basear-se no assunto central da obra. Essa cota é colocada na lombada da unidade documental
e arrumada na estante com o número de classe atribuído. A Cota é composta pela notação CDU
e pelas três letras iniciais do apelido do Autor ou do título da obra (no caso desta ter mais de
três autores). Exemplo:

SANTOS, José Rodrigues dos, 1964-

Codex 632 / José Rodrigues dos Santos ; rev. José Soares de Almeida. - 23.ª ed. - Lisboa :
Gradiva, 2006. - 550 p. ; 24 cm

ISBN 989-616-072-4

Cota:

82-
312.2(469)SAN

Cota - Legenda:
46
82 – Literatura

312.2 – Romance Religioso. Romance com tema místico ou moral

(469) – Auxiliar de lugar de Portugal

SAN – três primeiras letras do apelido do autor (SANTOS)

Nota: A classificação das unidades documentais é da responsabilidade do Técnico Superior da


Biblioteca, assessorados pelo assistente operacional.

6 Indexação – A gestão da Informação. (teóricas)


A indexação é um procedimento que consta em identificar os assuntos ou temas de que trata o
documento, através de palavras-chave obtidas com o auxílio de Thesauri, de modo a assegurar
um carácter universal.
É a descrição do conteúdo intelectual dos documentos para a sua posterior recuperação através
da criação de pontos de acesso (índices de assunto). Faz-se em três momentos:
¬ Na elaboração do documento (resumo do autor e índice);
¬ No registo do documento em fichas;
¬ Ao tratar a questão do utilizador no momento da pesquisa.

Nota: Em Indexação - palavra-chave = descritores.

7.Cotação (Aposição de cota, etiquetagem). (teóricas + práticas)


A cota é o código que facilita a localização dum documento para além de estabelecer uma
ligação entre os dados relativos ao documento (descritos na ficha bibliográfica) e o documento
arrumado na estante. A Etiquetagem, tal como o nome indica, é a aposição, no fundo da
lombada do documento, de uma etiqueta que tem de conter a cota respectiva para arrumação
do documento e sua posterior recuperação nas estantes da sala de leitura.

8. Arrumação em estante. Regras para a arrumação e o acondicionamento dos


documentos. Princípios básicos sobre conservação e protecção de documentos.

A Arrumação em estante. Regras para a arrumação e o acondicionamento dos


documentos.
Depois de todo o tratamento do documento este deverá ser arrumado em local próprio,
consoante o seu tipo, seguindo um critério temático de acordo com a classificação e com a
organização do espaço físico da Biblioteca. Para o documento ser arrumado deve ter tido o
tratamento técnico acima descrito: carimbagem, registo, catalogação, classificação, indexação
e cotação. Como a atribuição da cota se baseou na notação C.D.U. (Classificação Universal
Decimal), os documentos irão ser arrumados por assuntos.

Princípios básicos sobre conservação e protecção de documentos.


Face à míngua de recursos financeiros devemos recorrer a uma preservação preventiva. Há três
aspectos a considerar:

Climatização - É necessário o controle da temperatura – a estabelecer separadamente, tanto


nas zonas de trabalho (e no depósito) como nas áreas de utilização pública – e a ventilação das
47
áreas de maior concentração de público. A temperatura deve oscilar entre os 16 a 18 graus
centígrados e a humidade relativa entre os 45 a 60% .

Iluminação - Para uma conservação perfeita dos documentos devem assegurar-se boas
condições de iluminação (que deverá ser predominantemente artificial). Não expor os livros ou
unidades documentais à luz solar directa.

Segurança - Haverá que tomar medidas apropriadas contra roubo e incêndio. Procurar utilizar
um sistema de segurança para unidades documentais fiável e seguro. A tecnologia RFID é a
tecnologia mais avançada no momento actual.

O sistema RFID permite:


a) Que cada livro seja etiquetado previamente, estando associado a um código único e
unívoco, que relacione a etiqueta com uma base de dados de informações relacionadas
com o livro, incluindo data e hora de requisição, data prevista de devolução, bem como
informações acerca do utilizador que se encontra a requisitar o livro;
b) Que o controlo dos livros que transitam para o exterior da biblioteca seja realizado
mediante um sistema de leitores RFID instalados no balcão de atendimento. No
momento em que a requisição é efectuada, pousando o livro em cima de leitor, o
sistema de alarme é “informado” para não ser accionado quando detectar a passagem
do livro (etiqueta) à saída da biblioteca. Caso um livro seja detectado, e não tenha sido
efectuada uma requisição válida do mesmo, será automaticamente accionado o sistema
de alarme, evitando-se assim a utilização abusiva ou roubo de qualquer exemplar
existente no espaço;
d) Facilidade e rapidez de leitura e identificação das etiquetas;
e) Rapidez de registo;
f) Aumento da rastreabilidade dos Livros;
g) Maior Rapidez de Inventário;
h) Aumento dos Níveis de Segurança.

48