Sunteți pe pagina 1din 4

Perigo e Risco

Perigo e Risco 1) Introdução A CHAVE da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho é a

1) Introdução A CHAVE da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho é a Avaliação do Risco. Ela permite determinar a origem, a natureza e os efeitos dos riscos em presença, possibilitando a adoção de medidas de Controlo do Risco, que deverão desenvolver- se a partir de um planeamento e programação coerentes, conduzindo, se possível, à eliminação dos riscos ou à sua redução a níveis aceitáveis, através de medidas de engenharia (técnicas), administrativas ou outras.

de engenharia (técnicas), administrativas ou outras. A importância do risco é patente em todos os textos

A importância do risco é patente em todos os textos legislativos e normativos no domínio da SHST - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho.

Para melhor entender o seu significado segue-se o modelo proposto na fig. 1.1.

Fig. 1.1 Modelo de gestão do risco (UNE 81905)

melhor entender o seu significado segue-se o modelo proposto na fig. 1.1. Fig. 1.1 Modelo de

Perigo e Risco

Perigo e Risco Analisemos alguns dos termos utilizados, de acordo com as definições expressas na NP

Analisemos alguns dos termos utilizados, de acordo com as definições expressas na NP 4397:2001, Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho:

Perigo Fonte ou situação com um potencial para o dano em termos de lesões ou ferimentos para o corpo humano ou de danos para a saúde, para o património, para o ambiente do local de trabalho, ou uma combinação destes. Exemplo: a corrente elétrica tem potencial para causar lesões ou até a morte, mas se o condutor estiver isolado ou se por qualquer meio for impossível ao trabalhador entrar em contacto com ela, essa corrente não representa risco. Identificação do perigo

corrente não representa risco. Identificação do perigo O características. processo de reconhecer a existência de

O

características.

processo de reconhecer a existência de um perigo e de definir as suas

Risco

Combinação da probabilidade e da(s) consequência(s) da ocorrência de um determinado acontecimento perigoso (representa a probabilidade do perigo se materializar).

Exemplo: para a mesma corrente elétrica, se o condutor estiver mal isolado e for fácil a um trabalhador entrar em contacto com ela, está-se perante uma situação

de

como idade, estado de saúde, meio húmido, etc. Risco aceitável Risco que foi reduzido a um nível que possa ser aceite pela organização, tomando em atenção as suas obrigações legais e a sua própria política da SST - Segurança e Saúde do Trabalho.

risco que pode ainda aumentar ou diminuir em função de outras variantes tais

aumentar ou diminuir em função de outras variantes tais Assim, o risco depende das medidas de

Assim, o risco depende das medidas de prevenção e de proteção que tenham sido aplicadas, constituindo a relação entre o perigo e as medidas de prevenção e proteção adotadas para o controlar:

relembrando que:

Prevenção,

é dispor antecipadamente, impedir que aconteça, etc., ou, como define a

legislação em vigor, é a ação de evitar ou diminuir os riscos profissionais através

de um conjunto de disposições ou medidas que devem ser tomadas no licenciamento e em todas as fases de atividade da empresa, do estabelecimento

ou do serviço.

Perigo e Risco

Perigo e Risco Proteção, constitui a tomada de medidas possíveis tendentes a reduzir as consequências de

Proteção, constitui a tomada de medidas possíveis tendentes a reduzir as consequências de um acontecimento.

Podemos então resumir:

Um processo de avaliação de riscos contempla as seguintes etapas:

Análise do risco Valorização do risco Controlo do risco ANÁLISE DO RISCO A análise do
Análise do risco
Valorização do risco
Controlo do risco
ANÁLISE DO RISCO
A análise do risco indicará a ordem de magnitude do risco. Envolve as seguintes
fases:
- Identificação do perigo e
- estimativa do risco, valorizando conjuntamente a probabilidade e as
consequências da materialização do perigo.
• Existem várias técnicas de análise de riscos.
VALORIZAÇÃO DO RISCO
Com o valor do risco obtido, e comparando-o com o valor do risco tolerável (que pode
ser definido por legislação, normas, etc.) emite-se um juízo sobre a tolerabilidade do
risco em questão.
Se da avaliação do risco se deduzir que o risco não é tolerável, há que controlar o
risco.
CONTROLO DO RISCO
Como medidas para controlar o risco, refiram-se algumas propostas pelo Decreto-Lei
n.º 441 /91, de 14 de novembro e Lei n.º 99/2003, de 27 de agosto, (atualmente esta
matéria
encontra-se
regulada
pela
Lei nº 102/2009, de 10 de setembro) que
estabelece os princípios da hierarquia de prevenção de riscos:

• evitar riscos, se possível eliminando-os na origem

• integrar a prevenção dos riscos no sistema de gestão da empresa

• substituir elementos perigosos por outros não perigosos ou menos perigosos

• adotar prioritariamente medidas de proteção coletiva de preferência a medidas de proteção individual.

• adaptar o trabalho ao homem

• adaptação ao progresso técnico e às alterações na informação

Perigo e Risco

Perigo e Risco • procurar melhorar permanentement e o nível de proteção. Com base no conceito

• procurar melhorar permanentemente o nível de proteção.

Com base no conceito e importância da avaliação dos riscos, será mais fácil entender o significado e objetivo da SEGURANÇA, nomeadamente, como sendo:

• Estado no qual o risco de danos corporais ou materiais está limitado a um nível aceitável (NP EN ISO 8402:1997). • Imunidade à produção de danos de um risco inaceitável (NP 4397:2001).

nível aceitável (NP EN ISO 8402:1997). • Imunidade à produção de danos de um risco inaceitável
nível aceitável (NP EN ISO 8402:1997). • Imunidade à produção de danos de um risco inaceitável