Sunteți pe pagina 1din 54

Ten Jeann

Assuntos Abordados
• Tipos de Cabeamento;
• Materiais Empregados;
• Vantagens do Cabeamento Estruturado;
• Como Dimensionar o número de pontos;
• Segurança;
Histórico e Motivação
1980:
• Introdução de normas para fabricação de cabos;
1988:
• Início de Sistemas integrando voz, dados e vídeo

• Conforme pesquisas de órgãos internacionais:


• o cabeamento hoje é responsável por 80% das
falhas físicas de uma rede
• oito em cada dez problemas detectados referem-
se a cabos mal-instalados ou em estado precário

08/12/08
Definição de Cabeamento
Estruturado
• É a técnica de disposição de cabos em um edifício
caracterizada por uma configuração topológica
flexível, facilitando a instalação e o remanejamento de
redes locais.

Ativo Passivo
08/12/08
Por que usar Sistema de Cabeamento
Estruturado?

A utilização de um Sistema de Cabeamento Estruturado proporciona


entre outras as seguintes vantagens:
1 • Facilidade de mudanças de layout.
2 • Pronto atendimento às demandas de comunicação dos usuários
3 • Diminuição nos custos de mão de obra e montagem de infra-
estrutura
4 • Maior confiabilidade no sistema de cabeamento
5 • Facilidade no acesso e processamento de informações
6 • Integração de sistemas de controle através do cabeamento
7 • Um único cabeamento para diversas aplicações
Normas EIA/TIA
EIA/TIA 568
Especificações de sistemas de cabeamento em instalações
comercias.

EIA/TIA 569
Especificações de áreas de acesso e espaços em instalações
comerciais.

EIA/TIA 570
Especificações de sistema de cabeamento em pequenas
instalações comercias e em instalações residenciais.
ANSI/TIA/EIA 568-B
Exemplo de um Sistema de
Cabeamento Não Estruturado

Coaxial
32XX

CI 1 Par
52XX EIA232-C

Twin Ax
UTP 4 Pares

928
Twin
Coaxial

PABX IBM 36/38 WANG EIA


3270 AS/400 928 232-C
Exemplo de um Sistema de
Cabeamento Estruturado

Telefonia

Fast Ethernet
UTP 4 PARES
UTP 4 PARES
UTP 4 PARES ATM
RISER
DISTR. UTP 4 PARES
HORIZ. UTP 4 PARES
UTP 4 PARES
UTP 4 PARES 32XX
UTP 4 PARES

SALA DE SALA DE CFTV


EQUIP. RISER
EQUIP.

PABX Fast
ATM 3270 CFTV
Ethernet
O Investimento em Infra-estrutura e
a Expectativa de Vida em Sistemas
de Comunicação
Falhas nas redes
2% 70% Cabeamento
30% Outros
Fonte: Real
Decisions

Source: LAN Technology

Cabeamento
Mainframe Estruturado
Software
micros
LAN
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15
Anos
Permitir Flexibilidade na
Mudança de Lay-out...
Quantidade de Tomadas por Área de
Trabalho

No mínimo 2 Tomadas por WA de acordo com a Norma 568-B


Conectores RJ-45
Tipos de Conexão

Existem 2 tipos de conexão reconhecidos pela Norma 568-A

Conexão Cruzada Interconexão


TC
Cabeamento TC
Horizontal Cabeamento Patch
Horizontal Cord
Patch
Patch Panel
Panel

Outlet Patch Outlet


Cord
Equipamento
Equipamento (Ex. Hub)
(Ex. Hub) Patch
Patch
Cord Cord

Área de trabalho Área de trabalho


Subsistema
de Administração

Cabeamento
Horizontal

Tomada
Padrão RJ-45

Bloco 110

Área de
Trabalho
Cabeamento Secundário (Horizontal)

• Cabo de par-trançado, com 4 pares, constituídos


por fios sólidos bitola de 22 ou 24 AWG e
impedância nominal de 100 ohms.
• A especificação mínima de desempenho para
esse cabo deverá ser compatível com a TIA/EIA
568-B, Categoria 5E ou superior.
• Para instalações novas, recomenda-se a
utilização de cabos Categoria 6.
Cabeamento Secundário (Horizontal)

Ponto de Telecomunicação (Outlet)


– Tomada de estação, trata-se de um sub-
sistema composto por um espelho com
previsão para instalação de, no mínimo, duas
tomadas RJ45/8 vias fêmea.
– Uma tomada pode ser associada com voz e a
outra com dados.
Cabeamento Secundário (Horizontal)
Cabeamento Secundário (Horizontal)

• A 1ª tomada será um cabo UTP 4 pares 100Ω, categoria


5e (enhanced) ou superior.
• A 2ª tomada pode ser suportada por uma das seguintes
mídias:
– -cabo UTP 4 pares 100Ω, categoria 6 (recomendado)
– -cabo óptico 2 fibras, 62,5/125µm
• A conectorização deverá obedecer à codificação de
pinagem T568-A.
• A montagem do espelho e demais componentes deverá
ser acessível pela Área de Trabalho.
• O espelho deverá possuir previsão para instalação de
etiqueta de identificação.
Cabeamento Secundário (Horizontal)

• Distâncias
– Distâncias máximas, considerando as duas parcelas
do subsistema:
– O comprimento máximo de um cabo secundário será
de 90 metros.
– Medida do painel de distribuição, até o ponto de
telecomunicações na Área de Trabalho (“basic link”).
– Os 10 metros restantes, são dos cordões adaptadores,
para estação e rack, que é de 5 metros cada.
Área de Trabalho

• Área de trabalho, é o local onde o usuário


interage com o sistema, é onde se localizam
as estações de trabalho, os aparelhos
telefônicos, etc.
• Para efeito de dimensionamento, são
instalados no mínimo dois pontos de
telecomunicações em uma área de 10 m².
Dimensionamento dos Pontos

No mínimo 1 WA a cada 10 m2 de acordo com a Norma 568-B


Área de Trabalho
Armários de Telecomunicações
(Telecommunications Closets).

Funções

– Terminação dos cabos do sistema de


distribuição secundário.
– Ponto de transição do cabeamento principal e
o secundário.
Armários de Telecomunicações
(Telecommunications Closets).

Rack fechado
Infra-estrutura

Ten BM Jeann
FERRAMENTAS

ALICATE PUNCH-DOW ALICATE P/ RJ-45 MACHO

ALICATE DECAPADOR KIT DE CONECTORIZAÇÃO


COMPONENTES METÁLICOS

Keystone Patch Panel

Patch Cable
COMPONENTES METÁLICOS

Espelhos Caixa de sobrepor

Cabos Cabos UTP 25 pares


UTP
COMPONENTES METÁLICOS

Connecting Blocks Bloco de engate

Patch Plugs
Infra-estrutura

Uso da ferramenta de inserção e corte específica


(punch down impact tool )
Infra-estrutura

Seqüência de instalação de cabos UTP. Observar o comprimento de


pares destrançados limitado ao máximo de 13 mm.
Infra-estrutura

Encaminhamento dos cabos e montagem (conectorização)


Práticas para o encaminhamento dos cabos
• O raio de curvatura de um cabo UTP categoria 5e deverá ser
de, no mínimo, quatro vezes o seu diâmetro externo ou 30 mm.

Incorreto Incorreto Correto


Infra-estrutura

Práticas para o encaminhamento dos cabos


• Para cabos ópticos, é de 10 vezes o diâmetro do cabo ou não
inferior a 30 mm.
• Cabos não devem ser apertados. Não deve haver compressão
excessiva que deforme a capa externa ou tranças internas.

Cabo estrangulado (incorreto)


Infra-estrutura

Práticas para o encaminhamento dos cabos


• Pregos ou grampos não devem ser utilizados para fixação.

Cabo amassado (incorreto)


Infra-estrutura

Cabos unidos com velcro ( correto )


Tipo de velcro

• Montagem e acabamento corretos, utilizando faixas ou fitas com velcro.


Infra-estrutura

Distância Rede Lógica x Rede Elétrica


Devemos tomar cuidado quando da instalação do
cabeamento lógico, é a sua proteção contra
ruídos, notadamente originária de fontes de
energia elétrica, tais como:
Luminárias, reatores e cabeamento e
equipamentos elétricos.
Principais Fontes de Ruídos

→ Lâmpada fluorescente (reator)


→ Aquecedor
→ Rádio
→ Purificador de ar
→ Aparelho de TV
→ Computador
→ Sensor de movimento
→ Radar
→ Motores
→ Máquina de solda
→ Elevadores
Infra-estrutura

Identificação do Ponto de Telecomunicações (tomada


RJ45 na Área de Trabalho)

No espelho da caixa de superfície na Área de


Trabalho, junto à tomada RJ45 correspondente, deverá ser
instalada a etiqueta com a identificação do ponto como
sendo: PD-020 ou PT-030.
Infra-estrutura

Cordão adaptador
Os Cordão adaptadores utilizados junto aos painéis de
distribuição devem ter uma identificação numérica seqüencial
nas duas pontas.
Identificação implantada através de:
Fitas adesivas especiais que são enroladas na capa externa
do cabo.
Plástica do tipo anilha colada à capa externa.
Infra-estrutura

Conectorização de RJ 45
•Manter o cabo com os pares trançados.
•Não mais de 13 mm dos pares sejam
destrançados nos pontos de terminação (painel
de conexão e tomada de parede).
•Deve-se preservar o passo da trança idêntico ao
do fabricante para manter as características
originais.
Conectorização

1 Conector RJ45

Correto

2
Conectorização
Errado

Erros comuns
Conectorização

Erros comuns

Alicates de baixa qualidade não pressionam


corretamente os pinos
Conectorização
Inversão dos pares Inserção incorreta

Correto
Trocado

Erros comuns
Conectorização
PINO EIA/TIA 568 A EIA/TIA 568 B
1 branco-verde branco-laranja
2 verde Laranja
3 branco-laranja branco-verde
4 azul Azul
5 branco-azul branco-azul
6 laranja Verde
7 branco-marrom branco-marrom
8 marrom Marrom
Conectorização

Push down

Cabo Contato LSA


Conectorização
Montagem da tomada

• Posição correta dos pares.


• No máximo 13 mm de
cabos destrançados.
Conectorização
Erros comuns

• Posição incorreta dos pares


• Mais de 13 mm de cabos
destrançados.
Cabeamento Estruturado

• Estruturado
Disposição em Patch Panels e outros...
Equipamentos de Interconexão

Hub

Cascateamento Empilhamento
Servidores

... De Arquivos.
... De Aplicação.
... De Impressão.
... De CDROM.
... De WEB.
Tráfego e Banda
Conclusão

• "As redes existem para serem compartilhadas". Essa é


uma frase que você encontrará em todos os nossos
livros. As redes locais permitem que as pessoas
compartilhem dados e arquivos de programa,
dispositivos como impressoras e unidades de CD-ROM e
ligações de comunicação com outros computadores e
redes locais. Mas o compartilhamento começa no
esquema de cabeamento da rede. Em cabo
compartilhado, apenas um nó transmite dados de cada
vez.