Sunteți pe pagina 1din 27
Destinos dos carboidratos no organismo animal. 1- Glicolise anaeróbica: é a degradação da glicose até
Destinos dos carboidratos
no organismo animal.
1- Glicolise anaeróbica: é a degradação da
glicose até lactato. Não utiliza o O 2 e
ocorre no citoplasma da célula.
2- Glicolise aeróbica: é a degradação da
glicose até acetil-coenzima-A, faz uso do
O 2 e ocorre na mitocondria. Como
resultado final (lixo) temos CO 2 + H 2 O.
WF
1
3- Glicogenogênese: é a sintese do glicogênio a partir de moléculas de glicoses. 4- Glicogenólise:
3- Glicogenogênese: é a sintese do glicogênio
a partir de moléculas de glicoses.
4- Glicogenólise: é a degradação do
glicogênio para formar moléculas de
glicoses e assim gerarem energia(ATP).
Como produto final teremos lactato ou
CO 2 + H 2 O.
WF
2
5- Gliconeogênese: é a síntese de glicogênio a partir de substâncias não carbohidratadas como Aa,
5- Gliconeogênese: é a síntese de glicogênio a
partir de substâncias não carbohidratadas
como Aa, glicerol, lactato ou piruvato.
6- Lipogênese: é a síntese de lipídios (tecido
adiposo) a partir de glicose.
WF
3
WF 4
WF 4
WF 4
WF 4
WF 4
WF 4
WF 4

WF

WF 4
WF 4

4

5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5

5

Glicólise Introdução u Via catabólica central uComo a energia armazenada em moléculas como a glicose
Glicólise
Introdução
u
Via catabólica central
uComo a energia armazenada em
moléculas como a glicose é usada
para realizar trabalho biológico?
uÚnica fonte em algumas células
u Precursores para síntese
u
A via
uDe glicose a piruvato
u2 fases, 10 etapas
uTodos açúcares são isômeros D
WF
6
Glicólise Glicose Visão Geral ATP 1 ADP Glicose-6-fosfato Fase 2 preparatória Frutose-6-fosfato ATP 3 ADP
Glicólise
Glicose
Visão Geral
ATP
1
ADP
Glicose-6-fosfato
Fase
2
preparatória
Frutose-6-fosfato
ATP
3
ADP
Frutose-1-6-bifosfato
4
Dihidroxiacetona-fosfato + Gliceraldeído-3-fosfato
5
2
6
2
2 Pi
NAD
NADH +H +
1,3-Bifosfoglicerato (2)
2
ADP
7
2
ATP
3-Fosfoglicerato (2)
8
2-Fosfoglicerato (2)
Fase
do pagamento
9
Fosfoenolpiruvato (2)
2
ADP
10
2
ATP
Piruvato (2)

WF

Recupera > 60% da energia Apenas 5.2% da energia da

glicose foram liberados.

7

2 ADP 10 2 ATP Piruvato (2) WF Recupera > 60% da energia Apenas 5.2% da
Glicólise Visão Geral u Fase Preparatória u2 fosforilações uQuebra de 1 hexose em 2 trioses
Glicólise
Visão Geral
u
Fase Preparatória
u2 fosforilações
uQuebra de 1 hexose em 2 trioses
uATP é investido para formar
compostos com maior energia livre
de hidrólise
u
Fase do Pagamento
uArmazenamento da energia livre
na forma de ATP
uEficiência >60% na recuperação de
energia
uApenas 5.2% da energia de
oxidação da glicose foram
liberados. O restante permanece
nas moléculas de piruvato.
WF
8
Glicólise Visão Geral u Intermediários Fosforilados uIonizados em pH 7 carga negativa membrana não atravessam
Glicólise
Visão Geral
u Intermediários Fosforilados
uIonizados em pH 7
carga
negativa
membrana
não atravessam a
contra gradiente de
concentração sem gasto de energia
uTransferência para ADP
uLigação a Mg 2+ e ao sítio catalítico
das enzimas
WF
9
Glicólise Enzimas u Transferência de fosforil Quinase O - R OH + ATP R O
Glicólise
Enzimas
u
Transferência de fosforil
Quinase
O
-
R
OH
+
ATP
R
O
P
O
+
H +
-
O
-
u
Mudança de posição do fosforil
O
-
O
P
O
O
OH
O
Mutase
-
R
C
CH
OH
R
C
CH
O
P
O
2
2
-
H
H
O
u
Isomerização
O
CH 2 OH
Isomerase
C
H
C
O
H
C
OH
R
R
u
Clivagem aldol
R
1
R
C
O
1
Aldolase
C
O
H
O
HO
C
H
+
C
HO
C
H
H
C
OH
R
2
H
R
2
WF
10
Glicólise HO CH 2 O Reações H H H G OH H OH OH H
Glicólise
HO
CH 2
O
Reações
H
H
H
G
OH
H
OH
OH
H
OH
ATP
Mg 2+
Hexoquinase
1
DG 0 ’ = -16.7 KJ/mol
ADP
O
-
O
P
O
CH 2
6
-
O
O
5
H
H
H
4
1
G6P
OH
H
OH
OH
3
2
H
OH
2
Fosfohexose
isomerase
1 6 5 2 4 3
1
6
5
2
4
3
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1

WF

DG 0 ’ = 1.7 KJ/mol

F6P

11

H 4 1 G6P OH H OH OH 3 2 H OH 2 Fosfohexose isomerase 1
Glicólise Reações O O - O P O CH 2 CH 2 OH - O
Glicólise
Reações
O
O
- O
P
O
CH 2
CH 2
OH
-
O
F6P
H
H
OH
OH
OH
H
ATP
3
Fosfofrutoquinase-1
Mg 2+
DG 0 ’ = -14.2 KJ/mol
ADP
O
O
O
-
- O
P
O
CH 2
CH 2
O
P
O
-
-
O
O
H
H
OH
OH
F1,6biP
OH
H
Aldolase
4
DG 0 ’ = 23.8 KJ/mol
O
H
O
C
-
O
P
O
CH 2
+
OH
C
H
O
-
O
C
O
-
CH 2
O
P
O
CH 2 OH
-
O
DHAP
G3P
WF
12
Glicólise O - O P O CH 2 Reações - O C O DHAP CH
Glicólise
O
-
O
P
O
CH 2
Reações
-
O
C
O
DHAP
CH 2 OH
5
O
H
Triose fosfato
isomerase
C
DG 0 ’ = 7.5 KJ/mol
OH
C
H
O
-
CH 2
O
P
O
G3P
-
O
Fase 1
+
Fase 2
O
-
HO
P
O
-
O
NAD +
Gliceraldeído-3-fosfato
6
desidrogenase
NADH + H +
DG 0 ’ = 6.3 KJ/mol
O
-
O
O
P
O
C
-
1,3BPG
O
HO
C
H
O
-
H
O
P
O
2 C
-
O
WF
13
Glicólise O H Reações C G3P OH C H O - SH CH 2 O
Glicólise
O
H
Reações
C
G3P
OH
C
H
O
-
SH
CH 2
O
P
O
NAD +
-
Cys
Gliceraldeído-
O
3-fosfato
desidrogenase
OH
OH
S
C
C
CH 2 OPO 3 2
H
H
NAD +
Cys
H
+
O
OH
S
C
C
CH 2 OPO 3 2
H
NADH
Cys
NAD +
1,3BPG
NADH + H +
O
O
-
HO
P
O
-
O
OH
O
O
P
O
-
C
O
-
S
C
C
CH 2 OPO 3 2
O
HO
C
H
O
H
NAD
+
Cys
-
H
O
P
O
2 C
-
O
WF
14
Glicólise O - O O P O Reações C - O 1,3BPG HO C H
Glicólise
O
-
O
O
P
O
Reações
C
-
O
1,3BPG
HO
C
H
O
-
H
O
P
O
2 C
-
O
H
H
+
N
C
N
N
C
O
O
C
H
C
C
-
N
H 2 C
O
P
O
P
O
N
H
O
-
-
H
H
O
O
H
H
OH
OH
Fosfoglicerato quinase
7
Mg 2+
DG 0 ’ = -18.5 KJ/mol
-
O
O
C
HO
C
H
O
3PG
-
H
O
P
O
2 C
-
O
+
H
H
N
C
N
N
C
O
O
O
C
H
C
C
N
H 2 C
O
P
O
P
O
P
O -
N
O
H
-
H
H
O
O -
O -
H
H
OH
OH
WF
15
Glicólise - O O Reações C HO C H O 3PG H O P O
Glicólise
-
O
O
Reações
C
HO
C
H
O
3PG
H O
P
O -
2 C
-
O
8
Fosfoglicerato mutase
Mg 2+
DG 0 ’ = 4.4 KJ/mol
-
O
O
C
O
2PG
-
H
C
O
P
O
-
HO
CH 2
O
enolase
9
DG 0 ’ = 7.5 KJ/mol
-
O
O
C
O
H2O
+
-
C
O
P
O
PEP
-
CH 2
O
WF
16

Glicólise

Glicólise - O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O
Glicólise - O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O
Glicólise - O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O

-

O O

Glicólise - O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O
O
O

Reações

C

O

C -

PEP

O

P

CH 2

O -

- O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O -
- O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O -

+

- O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O -
- O O O Reações C O C - PEP O P CH 2 O -

Adenosina

Adenosina
Adenosina
Adenosina
P P
P
P
C O C - PEP O P CH 2 O - + Adenosina P P 10
C O C - PEP O P CH 2 O - + Adenosina P P 10
10 Piruvato quinase
10 Piruvato quinase

10

Piruvato quinase

10 Piruvato quinase

Mg 2+ ,K +

DG 0 ’ = -31.4 KJ/mol

Adenosina

Adenosina
Adenosina
Adenosina
Mg 2 + ,K + D G 0 ’ = -31.4 KJ/mol Adenosina O + C

O

+

C

C

O -

O

P

P

P

Piruvato

Adenosina O + C C O - O P P P Piruvato CH 3 Piruvato descarboxilase

CH 3

Piruvato

C C O - O P P P Piruvato CH 3 Piruvato descarboxilase O O -

descarboxilase

O P P P Piruvato CH 3 Piruvato descarboxilase O O - Desidrogenase OH C C
O P P P Piruvato CH 3 Piruvato descarboxilase O O - Desidrogenase OH C C
O P P P Piruvato CH 3 Piruvato descarboxilase O O - Desidrogenase OH C C
O P P P Piruvato CH 3 Piruvato descarboxilase O O - Desidrogenase OH C C

O

O -

Desidrogenase

OH

C
C

C

3 Piruvato descarboxilase O O - Desidrogenase OH C C CH 2 láctica HO H CH

CH

2

láctica

HO

H

CH

3

CH 3

Desidrogenase

alcoólica

-

Etanol

O

O

Acetaldeído

C

láctica HO H CH 3 CH 3 Desidrogenase alcoólica - E t a n o l
láctica HO H CH 3 CH 3 Desidrogenase alcoólica - E t a n o l

HO

C H

Lactato

CH 3

láctica HO H CH 3 CH 3 Desidrogenase alcoólica - E t a n o l
láctica HO H CH 3 CH 3 Desidrogenase alcoólica - E t a n o l
láctica HO H CH 3 CH 3 Desidrogenase alcoólica - E t a n o l

17

Glicólise Piruvato u Respiração aeróbica u Fermentação uLáctica uAlcoólica uOutros produtos (acetona,
Glicólise
Piruvato
u
Respiração aeróbica
u
Fermentação
uLáctica
uAlcoólica
uOutros produtos (acetona,
butanol)
uEfeito Pasteur
uReposição do NAD +
uTPP; Vitamina B 1 (tiamina)
WF
18
Glicólise Vias de entrada u Polissacarídios uGlicogênio Fosforilase: v 4 1 fosforólise 6 Glicose-1-fosfato
Glicólise
Vias de entrada
u Polissacarídios
uGlicogênio
Fosforilase:
v
4
1
fosforólise
6
Glicose-1-fosfato
v
Fosfoglicomutase
v
Fosforilase do
glicogênio
v
Enzima de
transferência
G1P
v
Duas atividades
sucessivas
glucotransferase
G1P
a 1Æ6 glicosidase
glicose
G6P
WF
19
Glicólise Vias de entrada u Monossacarídios uFrutose Músculos e rim: v frutose + ATP Æ
Glicólise
Vias de entrada
u Monossacarídios
uFrutose
Músculos e rim:
v
frutose + ATP Æ frutose-6-fosfato +
ADP (hexoquinase)
Fígado:
v
frutose + ATP Æ frutose-1-fosfato +
ADP (frutoquinase)
O
O
-
O
P
O
CH 2
1
1
H
O
P
O -
2 C
-
O
C
O
2
-
2
C
O
O
CH 2 OH
3
3
HO
C
H
+
4
H
C
OH
Glicólise
Frutose-1-fosfato
5
H
C
OH
O
H
aldolase
4
C
6
C
H
2 OH
OH
C
H
5
ATP
CH 2 OH
6
ADP
O
H
C
Triose quinase
OH
C
H
O
CH 2
O
P
O
-
O
WF
20
Glicólise Vias de entrada u Monossacarídios u Frutose u A frutose pode ser produzida a
Glicólise
Vias de entrada
u Monossacarídios
u Frutose
u
A frutose pode ser produzida a partir do
sorbitol, através da via do sorbitol.
u
duas reações:
aldolase-redutase e oxida NADPH,
v
v
segunda reação reduz NAD + pela sorbitol
desidrogenase
u
o sorbitol - é produzido na próstata e
vesícula seminal, a partir da glicose, tendo
papel importante no suprimento de energia e
mobilidade do espermatozóide. A
concentração seminal de frutose é um
indicador do tamanho e da capacidade
secretora da vesícula seminal.
WF
21
Glicólise Vias de entrada u Monossacarídios uGalactose v galactose Ægalactose-1-fosfato (galactoquinase) CH 2 OH
Glicólise
Vias de entrada
u Monossacarídios
uGalactose
v galactose Ægalactose-1-fosfato
(galactoquinase)
CH 2 OH
OH
H
OH
UDP glicose:galactose-1-P
uridiltransferase
glicose-1-fosfato
H
H
O
CH 2 OH
H
OH
- O
P
O -
OH
H
O
O
OH
H
H
O
HN
O
H
OH
-
- O
P
O
P
O
O
N
O
O
C
O
CH 2 OH
UDP-glicose-4-
H
H
H
H
epimerase
H
H
O
OH
OH
OH
H
OH
O
HN
UDP-galactose
O
H
OH
-
- O
P
O
P
O
O
N
O
O
C
O
H
H
UDP-glicose
H
H
OH
OH
WF
22
Glicólise Vias de entrada WF 23
Glicólise
Vias de entrada
WF
23
Glicólise Regulação uSituações diversas uconsumo uoferta de O 2 uestado estacionário u Etapas uLimitadas por
Glicólise
Regulação
uSituações diversas
uconsumo
uoferta de O 2
uestado estacionário
u Etapas
uLimitadas por substrato
uLimitadas pela atividade enzimática
funcionam como válvulas
v
etapa limitante
v
v
moduladores; mudança na conc. da
enzima
WF
24
Glicólise Regulação coordenada u Músculo uFunção: fornecer ATP para contração uFosforilase do glicogênio u
Glicólise
Regulação coordenada
u
Músculo
uFunção: fornecer ATP para
contração
uFosforilase do glicogênio
u
Fígado
uFunção: manter o nível de glicose
circulante constante
uFosforilase do glicogênio
WF
25
Glicólise Regulação uEnzimas uHexoquinase Inibição alostérica pelo produto v K m baixo - em condições
Glicólise
Regulação
uEnzimas
uHexoquinase
Inibição alostérica pelo produto
v
K
m baixo - em condições de glicemia
v
normal, trabalha em V MAX .
uGlicoquinase
KM mais alto que a glicemia - responde
v
a
aumento de concentração
G
G6P
inibida por F6P, inibição anulada por
v
-
F1P
+
Prot.
F6P
F1P
Reg.
uPiruvato quinase
Inibição alostérica por ATP, acetil-CoA
v
e
ácidos graxos
uFosfofrutoquinase-1
ATP Ø afinidade por F6P
v
Citrato efeito do ATP
v
F2,6bP, ADP, AMP estimulam
v
WF
26
Glicólise Vias Secundárias u Produção de pentoses -fosfato e NADPH uRibose Æ síntese de nucleotídios
Glicólise
Vias Secundárias
u Produção de pentoses -fosfato e
NADPH
uRibose Æ síntese de nucleotídios
uNADPH Æ síntese de ácidos graxos
uG6P + 2NADP + Æ Ribose-5-P +
2NADPH + 2H +
WF
27