Sunteți pe pagina 1din 2

Instituto Politécnico da Guarda

Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto


Mestrado em Ensino do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico

Unidade Curricular

EPISTEMOLOGIA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Professor Doutor António Pereira de Andrade Pissarra

REFLEXÃO

É fácil perceber que, ao longo do tempo, os mídias digitais têm

trazido promessas de mudanças significativas nas práticas educativas. A

inclusão destes recursos, em sala de aula, tem ajudado (quando é possível

incluir) a aumentar a comunicação entre estudantes e professores. No

entanto, surge um dilema:

Como incorporar tecnologias novas e desconhecidas no velho

conhecido?

Os professores, principalmente os mais antigos têm sido muito

resistentes ao uso destas novas tecnologias. É por isso necessário que:

• A escola motive, ampare e ajude os professores.

• O professor tem que inovar sem medo de errar e encarar que os

alunos estão bastante actualizados neste sentido.

• O professor tem que arriscar a experimentar o que é novo e

avaliar, fazendo depois adaptações que ache necessárias.


• O professor tem que se mentalizar que o principal é aprender

continuamente.

É bem verdade que, ainda hoje, temos muitos professores que têm

dificuldades em usar recursos básicos do computador, como o Word ou o

Power Point, no entanto, isto também se deve a que muitos nunca se

preocuparam em se actualizar assim que estas tecnologias apareceram, logo

se um computador parecia um “monstro” para um desses professores, agora

será bem pior.

Torna-se fácil verificar que com um pouco de experiência e vontade

qualquer professor pode inovar nas suas aulas e criar uma aula diferente,

trazendo novas informações. As TIC proporcionam novas vivências e

práticas escolares, permitem aos alunos, principalmente aos mais deslocados

dos grandes centros, o enriquecimento do conhecimento do mundo que para

alguns ou para a maioria destes alunos está bem longe deles. A escola não

pode ignorar esses meios, deve discutir e analizar as vantagens e

desvantagens que estes implicam. O maior problema é precisamente que

educadores e professores conheçam as novas formas de ensinar, deste

modo é imperativo que haja formação.

Nota-se, com facilidade, que a motivação dos alunos aumenta

significativamente quando realizam pesquisas, onde se possam expressar em

formato e códigos mais próximos da sua sensibilidade. Mesmo uma pesquisa

escrita, se o aluno puder utilizar o computador, adquire uma nova dimensão

e, fundamentalmente, não muda a proposta inicial.

Assim, há que perceber que um professor que dá aulas iguais às que

recebeu comete um erro muito grave que é o de esquecer que é de outra

geração.

Manuela Lopes

Nº 5007014