Sunteți pe pagina 1din 222
ASPECTOS TECNOLÓGICOS: FUNDAMENTOS VOLUME II
ASPECTOS TECNOLÓGICOS:
FUNDAMENTOS
VOLUME II
08619 INICIAIS.indd 1 Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano Plano Municipal de Gestão do Sistema de

08619 INICIAIS.indd

1

Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano

Plano Municipal de Gestão do Sistema de Águas Pluviais de São Paulo

MANUAL DE

DRENAGEM

E

MANEJO

DE

ÁGUAS

PLUVIAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS:

FUNDAMENTOS

VOLUME II

DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS ASPECTOS TECNOLÓGICOS: FUNDAMENTOS VOLUME II São Paulo, 2012 24/10/12

São Paulo, 2012

DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS ASPECTOS TECNOLÓGICOS: FUNDAMENTOS VOLUME II São Paulo, 2012 24/10/12
DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS ASPECTOS TECNOLÓGICOS: FUNDAMENTOS VOLUME II São Paulo, 2012 24/10/12

24/10/12

14:41

© 2012 Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano

S241m

São Paulo (cidade). Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano. Manual de drenagem e manejo de águas pluviais: aspectos tecnológicos; fundamentos. São Paulo: SMDU, 2012.

220p. il. v.2

ISBN 978-85-66381-02-3 ISBN 978-85-66381-00-9 (Coleção)

1. Drenagem 2. Água pluvial I.Título

CDU 626(816.11)

1. Drenagem 2. Água pluvial I.Título CDU 626(816.11) 08619 INICIAIS.indd 2 Índice para catálogo sistemático:

08619 INICIAIS.indd

2
2

Índice para catálogo sistemático:

1. São Paulo:cidade:drenagem:água pluvial

Proibida a reprodução total ou parcial sem a autorização prévia dos editores

Direitos reservados e protegidos (Lei n o 9.610, de 19.02.1998)

Foi feito o depósito legal na Biblioteca Nacional (Lei n o 10.994, de 14.12.2004)

Impresso no Brasil 2012

Prefeitura de São Paulo Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano Rua São Bento, 405 – 17 o e 18 o andares – Centro São Paulo – SP – CEP 01008-906 Tel: 11 3113-7500 http://www.prefeitura.sp.gov.br//cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/

01008-906 Tel: 11 3113-7500 http://www.prefeitura.sp.gov.br//cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/ 7/11/2012 17:18:06
01008-906 Tel: 11 3113-7500 http://www.prefeitura.sp.gov.br//cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/ 7/11/2012 17:18:06

7/11/2012

01008-906 Tel: 11 3113-7500 http://www.prefeitura.sp.gov.br//cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/ 7/11/2012 17:18:06

17:18:06

01008-906 Tel: 11 3113-7500 http://www.prefeitura.sp.gov.br//cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/ 7/11/2012 17:18:06

Índice

1. FUNDAMENTOS DE HIDROLOGIA

11

1.1 FUNDAMENTOS DA HIDROLOGIA URBANA

13

1.2 TORMENTAS DE PROJETO

15

 

1.2.1 Precipitações Máximas

15

1.2.2 Tipos de Precipitação

15

1.2.3 Aquisição de Dados

15

1.2.4 Principais Características das Precipitações Intensas e Relações I-D-F

16

1.2.5 Precipitação Máxima Pontual

16

1.2.6 Distribuição Temporal

18

1.2.7 Distribuição Espacial

25

1.2.8 Escolha do Período de Retorno

26

1.2.9 Duração da Chuva Crítica

30

1.2.10 Concepção de Cenários das Tormentas de Projeto

31

1.3 VAZÕES DE PROJETO

34

 

1.3.1 Determinação da Precipitação Excedente

35

1.3.2 Método Racional

51

1.3.3 Métodos Baseados na Teoria do Hidrograma Unitário

58

1.3.4 A Teoria do Hidrograma Unitário

61

1.3.5 Hidrograma Triangular

63

1.4 MODELAGEM MATEMÁTICA DE BACIAS URBANAS

67

 

1.4.1 Principais Vantagens da Utilização de Modelos Hidrológicos nas Análises dos Sistemas de Drenagem Pluvial

70

1.4.2 Tendências e Avanços dos Modelos Hidrológicos

72

1.4.3 Sistemas de Modelagem Hidrológica

73

1.4.4 Exemplo de Aplicação de um Modelo Hidrológico à Análise de um Sistema de Drenagem Urbana

76

1.4.5 Discussões Finais

82

1.5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

82

2. FUNDAMENTOS HIDRÁULICOS

85

2.1 ESCOAMENTO PERMANENTE EM CANAIS E GALERIAS

87

 

2.1.1 Regime Uniforme

87

2.1.2 Perdas de Carga

87

2.1.3 Canais Naturais

98

2.1.4 Borda Livre em Canais

99

2.1.5 Regime Gradualmente Variado

101

2.2 ESCOAMENTO NÃO PERMANENTE

104

2.3 HIDRÁULICA DAS ESTRUTURAS ESPECIAIS

107

 

2.3.1 Dissipação de Energia

107

2.3.2 Bueiros

112

2.3.3 Estruturas de Engolimento e Vertimento

123

2.3.4 Diques e Estações de Bombeamento

127

2.4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

129

3. FUNDAMENTOS DE QUALIDADE DA ÁGUA

133

3.1

ASPECTOS QUALITATIVOS DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS

135

3.1.1 Principais Fontes Geradoras da Carga Difusa e Respectivos Poluentes

136

3.1.2 Deposição Atmosférica

137

3.1.3 Impactos sobre a Qualidade da Água do Corpo Receptor

138

Atmosférica 137 3.1.3 Impactos sobre a Qualidade da Água do Corpo Receptor 138 Book 1.indb 3
Atmosférica 137 3.1.3 Impactos sobre a Qualidade da Água do Corpo Receptor 138 Book 1.indb 3
Atmosférica 137 3.1.3 Impactos sobre a Qualidade da Água do Corpo Receptor 138 Book 1.indb 3

Book 1.indb

3
3
Atmosférica 137 3.1.3 Impactos sobre a Qualidade da Água do Corpo Receptor 138 Book 1.indb 3
Atmosférica 137 3.1.3 Impactos sobre a Qualidade da Água do Corpo Receptor 138 Book 1.indb 3

23/10/12

15:11

3.1.4 Avaliação das Cargas Poluidoras Geradas pelo Escoamento Superficial Urbano

140

3.1.5 Definição de Carga de Lavagem

140

3.1.6 Concentração Média do Evento (CME)

144

3.1.7 Modelos de Simulação do Processo de Poluição por Cargas Difusas em Áreas Urbanas

145

3.2 CONTROLE DA POLUIÇÃO POR CARGAS DIFUSAS

148

3.2.1 Medidas não estruturais

151

3.2.2 Medidas estruturais

151

3.2.3 Descrição das Medidas

152

3.2.4 Estratégia de Controle Integrado – Águas Pluviais e Esgoto Doméstico

157

3.2.5 Dimensionamento Hidrológico das Medidas Estruturais

162

3.3 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

164

4. FUNDAMENTOS DE TRANSPORTE DE SEDIMENTOS

167

4.1 EROSÃO URBANA

169

4.1.1 Definições Gerais

4.1.2 Vazão Líquida Característica

169

4.1.3 Vazão Sólida

170

4.1.4 Relação entre a Morfologia e a Granulometria

171

4.1.5 Canais Estáveis

171

4.1.6 Graus de Liberdade

172

4.2 EROSÃO SUPERFICIAL

172

4.2.1 Formas de Erosão

172

4.2.2 Fatores que Afetam a Erosão

173

4.2.3 Taxa de Transferência de Sedimentos

174

4.2.4 Produção de Sedimentos em Áreas Urbanas

175

4.2.5 Erosão Urbana na Região Metropolitana de São Paulo

176

5. FUNDAMENTOS DE MEDIDAS DE CONTROLE DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL

179

5.1 MEDIDAS DE CONTROLE DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL

181

5.1.1 Papel das Medidas de Controle do Escoamento Superficial

181

5.1.2 Descrição das Medidas de Controle do Escoamento Superficial

182

5.1.3 Descrição das Medidas de Controle na Fonte

187

5.1.4 Vantagens das Medidas de Controle na Fonte

199

5.1.5 Efeito Ambiental das Medidas de Controle na Fonte

200

5.1.6 Aplicação das Medidas de Controle na Fonte a Lotes, Loteamentos na Rede Hídrica

200

5.2 ESTRUTURAS AUXILIARES DE RETENÇÃO DE LIXO E SEDIMENTOS

201

5.3 REVITALIZAÇÃO DE CORPOS HÍDRICOS

201

5.3.1 O Impacto da Urbanização sobre os Rios Urbanos

202

5.3.2 Parques Lineares para a Revitalização de Rios Urbanos

204

5.3.3 Oferta de Áreas de Lazer, Cultura e Educação Ambiental

206

5.3.4 Regulamentação da Zona Inundável

5.4 SISTEMA DE WETLANDS CONSTRUÍDAS COM PRIORIDADES EM ÁREAS DE PROTEÇÃO DE MANANCIAIS

209

5.4.1 Utilização de Sistemas de Wetlands Construídas para Tratamento de Águas

210

5.4.2 Principais Componentes

211

5.4.3 Mecanismos de Tratamento

211

5.4.4 Desempenho das Wetlands na Remoção de Poluentes

213

5.5 MÉTODOS DE CONTROLE DA DRENAGEM

214

5.6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

214

Índice de Figuras

Figura 1.1 -

Efeito da urbanização no aumento das inundações e a poluição

14

Figura 1.2 -

Representação de um hietograma de forma contínua no tempo

18

Figura 1.3 -

Exemplo de um hietograma em forma de barras

18

Figura 1.4 -

Hietograma de projeto

20

Figura 1.5 -

Distribuições temporais de chuvas do primeiro quartil

22

Figura 1.6 -

Distribuições temporais para tormentas do segundo quartil

22

Figura 1.7 -

Distribuições temporais das tormentas do terceiro quartil

23

Figura 1.8 -

Distribuição temporal de tormentas do quarto quartil

23

Figura 1.9 -

Curvas de redução de precipitação (U.S. National Weather Service)

26

Figura 1.10 - Variação da vazão de projeto em função do período de retorno

29

Figura 1.11 -

Gradiente da vazão de projeto em relação ao período de retorno

29

Figura 1.12 -

Distribuição de uma precipitação com durações de 3 h e 6 h

30

Figura 1.13 - Matrizes de chuva, discretização da curva no espaço para três intervalos de tempo

32

Figura 1.14 - Esquema representativo da determinação do Hietograma de uma sub-bacia

33

Figura 1.15 - Hidrogramas de saída da sub-bacia analisada obtidos para uma chuva discreta com chuva de projeto e chuva determinada pelo radar

34

Figura 1.16 -

Valores de “CN – Atual” – Município de São Paulo

45

Figura 1.17 -

Valores de “CN – Futuro” – Município de São Paulo

46

Figura 1.18 - Esquema de uma área urbanizada

49

Figura 1.19 - Hidrograma triangular do método racional

52

Figura 1.20 - Parâmetros do hidrograma

59

Figura 1.21 - Princípio da proporcionalidade

62

Figura 1.22 - Princípio da superposição

62

Figura 1.23 - Hidrograma triangular

64

Figura 1.24 -

Hidrograma do SCS

65

Figura 1.25 -

Desenvolvimento urbano e seu impacto no sistema de drenagem

71

Figura 1.26 -

Estrutura do modelo ABC6

75

Figura 1.27 -

Bacia do Ribeirão “B” – Município de São Paulo

77

Figura 1.28 - Precipitação de projeto com período de retorno de 100 anos, obtida com a IDF de São Paulo – Pacaembu (SP)

78

Figura 1.29 - Hidrogramas resultantes para o exutório da bacia (P4), para os cenários da década de 1980, atual e cenários com medidas de contenção (Reservatórios)

79

Figura 1.30 - Hidrogramas resultantes para os reservatórios R1, R2 e R3 – vazão de entrada, vazão de saída e volume de armazenamento

80

Figura 2.1 -

Emboque em galeria

88

Figura 2.2 -

Emboque a partir de vertedores

90

Figura 2.3 -

Alargamento brusco

91

Figura 2.4 -

Alargamento gradual

91

Figura 2.5 -

Estreitamento de seção

92

Figura 2.6 -

Desnível em degrau

92

Figura 2.7 -

Presença de pilares no escoamento

94

Figura 2.8 -

Confluência

95

Figura 2.9 -

Confluência ideal

96

Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção

97

- Confluência ideal 96 Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção 97 Book 1.indb 5 23/10/12
- Confluência ideal 96 Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção 97 Book 1.indb 5 23/10/12
- Confluência ideal 96 Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção 97 Book 1.indb 5 23/10/12
- Confluência ideal 96 Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção 97 Book 1.indb 5 23/10/12

Book 1.indb

5
5
- Confluência ideal 96 Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção 97 Book 1.indb 5 23/10/12
- Confluência ideal 96 Figura 2.10 - Bifurcação mudança de direção 97 Book 1.indb 5 23/10/12

23/10/12

15:11

Figura 2.11 - Gráfico representativo dos limites máximo e mínimo admitidos para a altura de borda livre

100

Figura 2.12 - Possiveis variações da linha d‘água segundo o regime gradualmente variado

101

Figura 2.13 -

Esquema de diferenças finitas para escoamento permanente

104

Figura 2.14 - Escoamento em canal retangular com diversas situações de controle hidráulico calculado a partir das equações

104

Figura 2.15 -

Discretização numérica do canal

104

Figura 2.16 - Grid Espaço-Tempo de MacCormack

104

Figura 2.17 -

Representação de um degrau associado a um ressalto hidráulico

105

Figura 2.18 - Esquema de uma rampa dentada

109

Figura 2.19 - Exemplo de projeto para uma rampa dentada (Manual de Drenagem Urbana de Denver – 1989)

110

Figura 2.20 - Configuração geral de um projeto de blocos de impacto

112

Figura 2.21 - Definição de termos para escoamento em condutos fechados

116

Figura 2.22 - Definição de termos para escoamento em canal aberto

117

Figura 2.23 - Controle na entrada – entrada não afogada

118

Figura 2.24 -

Controle na entrada – entrada afogada

118

Figura 2.25 - Controle na saída – conduto parcialmente cheio

118

Figura 2.26 - Controle na saída – conduto cheio

118

Figura 2.27 - Definição de termos para escoamento em condutos fechados

120

Figura 2.28 -

Entrada com muro de testa e muros de ala

121

Figura 2.29 - Configurações típicas de muro de testa e de muro de ala

122

Figura 2.30 - Vertedor retangular de soleira delgada. Adaptado (PORTO, 1998)

123

Figura 2.31 - Esquema representativo do escoamento sobre um vertedor de soleira delgada. Adaptado (PORTO, 1998)

124

Figura 2.32 - Vertedor de soleira espessa . Adaptado (PORTO, 1998)

126

Figura 2.33 - Projetos de drenagem no interior das áreas protegidas por diques

128

Figura 3.1 -

Escala de tempo para ocorrência dos problemas causados pelo lançamento

da drenagem urbana

139

Figura 3.2 -

Hidrograma e polutograma típicos Córrego Cabuçu de Baixo, evento do dia

24/11/2002 (Barros M.T.L.,2005)

140

Figura 3.3 -

Representação das Curvas M(V) em relação ao bissetor

142

Figura 3.4 -

Curvas M(V) para Carbono Orgânico Total

142

Figura 3.5 -

Curvas M(V) para DBO

142

Figura 3.6 -

Curvas M(V) para DQO

143

Figura 3.7 -

Curvas M(V) para Sólidos em Suspensão Totais

143

Figura 3.8 -

Faixas gramadas ou plantadas

153

Figura 3.9 -

Valetas gramadas

153

Figura 3.10 - Exemplos de blocos de pavimento poroso

154

Figura 3.11 -

Bacias de detenção secas

155

Figura 3.12 - Bacias de detenção alagadas

156

Figura 3.13 - Alagadiços

156

Figura 3.14 -

Funcionamento do extravasor de cheia em sistemas separadores

156

Figura 3.15 -

Volumes enviados para tratamento em sistemas separadores

159

Figura 3.16 - Esquematização de reservatórios de águas de primeira chuva (a) em linha e (b) fora de linha para sistemas separadores

160

Figura 3.17 - Esquematização dos reservatórios de primeira chuva e de amortecimento de vazões (a) em linha e (b) fora de linha para sistemas separadores

161

Figura 3.18 - Funcionamento de reservatórios em linha para sistemas separadores com extravasores e reservatórios de primeira chuva

161

Figura 3.19 - Funcionamento de reservatórios fora de linha para sistemas separadores com extravasores e reservatórios de primeira chuva

162

Figura 4.1 -

Confronto entre a disponibilidade de sedimentos e a capacidade de transporte sólido

170

Figura 4.2 -

Variação da produção de sedimentos em decorrência do desenvolvimento urbano

175

Figura 4.3 -

Sistema Alto Tietê

177

Figura 5.1 -

Reservatório subterrâneo (Bivio Vela, Pavia, Itália)

183

Figura 5.2 -

Exemplo de reservatórios com espelho d‘água permanente combinado com área verde (Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil)

184

Figura 5.3 -

Exemplo de reservatório sec (Colorado, EUA)

184

Figura 5.4 -

Exemplo de reservatórios de zonas úmidas (Fuzina, Veneza, Itália)

185

Figura 5.5 -

Exemplos de reservatório de detenção (Colorado, EUA)

186

Figura 5.6 -

Exemplo de reservatório de retenção (Colorado, EUA)

187

Figura 5.7 -

Exemplo de faixa gramada (Colorado, EUA)

187

Figura 5.8 -

Microrreservatório

188

Figura 5.9 -

Pavimentos permeáveis em área de estacionamento (São Paulo, Brasil)

189

Figura 5.10 -

Exemplo de pavimento permeável (Portland, EUA)

190

Figura 5.11 - Poço de infiltração (a) e sua integração a uma área de lazer (b) (Kingston,

 

Melbourne, Austrália)

191

Figura 5.12 - Exemplos de telhados reservatórios/ telhados verdes (Suíça e Berlim, Alemanha)

193

Figura 5.13 - Esquema de vala (a) e plano (b) de infiltração

194

Figura 5.14 - Exemplo de vala de infiltração/retenção (Portland, EUA)

195

Figura 5.15 - Exemplo de trincheira com alimentação direta (Kingston, Melbourne, Austrália) Figura 5.16 - Trincheira de infiltração sob a sarjeta (a) e sob o passeio (b). Adaptado de:

196

 

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

196

Figura 5.17 -

Exemplo de trincheira de infiltração (Kingston, Melbourne, Austrália)

197

Figura 5.18 - Filtro de areia enterrado

198

Figura 5.19 -

Bocas de lobo com cesto para coleta de resíduos (Maglionico, 2009)

199

Figura 5.20 -

Comparação entre os hidrogramas de uma bacia urbana e uma bacia rural

203

Figura 5.21 -

Resposta da geometria do escoamento devido à urbanização

204

Figura 5.22 - Revitalização de um rio canalizado

206

Figura 5.23 - Regulamentação da zona inundável

209

Figura 5.24 -

Wetlands de fluxo superficial

212

Figura 5.25 - Wetlands de fluxo subsuperficial horizontal

212

Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical

212

horizontal 212 Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical 212 Book 1.indb 7 23/10/12 15:11
horizontal 212 Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical 212 Book 1.indb 7 23/10/12 15:11
horizontal 212 Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical 212 Book 1.indb 7 23/10/12 15:11
horizontal 212 Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical 212 Book 1.indb 7 23/10/12 15:11

Book 1.indb

7
7
horizontal 212 Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical 212 Book 1.indb 7 23/10/12 15:11
horizontal 212 Figura 5.26 - Wetlands de fluxo superficial vertical 212 Book 1.indb 7 23/10/12 15:11

23/10/12

15:11

Book 1.indb

8
8
Book 1.indb 8 23/10/12 15:11
Book 1.indb 8 23/10/12 15:11

23/10/12

15:11

Book 1.indb 8 23/10/12 15:11

Índice de Tabelas

Tabela 1.1 -

Hietograma de projeto pelo método dos blocos alternados

20

Tabela 1.2 -

Frequência das tormentas nos quartis

21

Tabela 1.3 -

Hietograma de projeto para uma chuva no primeiro quartil com 50% de probabilidade de ocorrência

25

Tabela 1.4 -

Períodos de retorno propostos para projetos de drenagem urbana

28

Tabela 1.5 -

Períodos de retorno para zoneamento de várzeas e áreas ribeirinhas

28

Tabela 1.6 -

Risco em função da vida útil e do período de retorno

28

Tabela 1.7 -

Valores de CN em função da cobertura e do tipo hidrológico de solo para

a

condição II de umidade do solo

38

Tabela 1.8 - Tabela 1.9 -

Conversão das Curvas CN para as diferentes condições de umidade do solo Composição porcentual proposta para os diferentes grupos de solos em cada

39

um dos litotipos ocorrentes

41

Tabela 1.10 -

Valores de “CN” em função dos litotipos

42

Tabela 1.11 -

Valores de “CN” nas sub-bacias – Município de São Paulo

42

Tabela 1.12 - Solução do exemplo de aplicação do método do SCS

48

Tabela 1.13 -

Parâmetros de Horton para diferentes tipos de solos

48

Tabela 1.14 -

Coeficientes de escoamento superficial para Tr= 10 anos

53

Tabela 1.15 - Escoamento em superfícies e calhas rasas

56

Tabela 1.16 - Parâmetros de alguns hidrogramas triangulares

64

Tabela 1.17 -

Hidrograma adimensional do SCS

64

Tabela 1.18 - Dados das sub-bacias para os cenários atual e futuro de uso e ocupação

 

do solo e capacidade dos reservatórios de contenção a serem analisados

79

Tabela 1.19 - Resultados de vazão de pico e eficiência dos reservatórios para os pontos de controle

81

Tabela 1.20 - Resultados obtidos para o volume de cheia nos pontos de controle

81

Tabela 2.1 -

Coeficiente de forma

94

Tabela 2.2 -

Características da seção retangular

99

Tabela 2.3 -

Medidas consagradas de borda livre

100

Tabela 2.4 -

Algoritmo de solução do modelo de MacCormack

106

Tabela 2.5 -

Profundidades do ressalto hidráulico (drenagem urbana – ABRH – 1995)

108

Tabela 2.6 -

Coeficientes de entrada (Ke) para controle na saída

119

Tabela 2.7 -

Coeficiente de correção (Cco) para vertedores em soleira espessa

127

Tabela 3.1 -

Parcela da carga difusa para o Rio Pinheiros

136

Tabela 3.2 -

Valores característicos da concentração média do evento

145

Tabela 3.3 -

Eficiência das medidas estruturais

151

Tabela 3.4 - Tabela 4.1 -

Relações entre volumes escoados e carga poluente transportada Confrontação de valores de produção de sedimentos em áreas rurais

163

e

urbanas (Dawdy – 1967)

176

Tabela 5.1 -

Eficiências de remoção de poluentes através de sistemas de wetlands construídas

214

Eficiências de remoção de poluentes através de sistemas de wetlands construídas 214 Book 1.indb 9 23/10/12
Eficiências de remoção de poluentes através de sistemas de wetlands construídas 214 Book 1.indb 9 23/10/12
Eficiências de remoção de poluentes através de sistemas de wetlands construídas 214 Book 1.indb 9 23/10/12

Book 1.indb

9
9
Eficiências de remoção de poluentes através de sistemas de wetlands construídas 214 Book 1.indb 9 23/10/12
Eficiências de remoção de poluentes através de sistemas de wetlands construídas 214 Book 1.indb 9 23/10/12

23/10/12

15:11

Book 1.indb

10

Book 1.indb 10 23/10/12 15:11
Book 1.indb 10 23/10/12 15:11

23/10/12

15:11

1. FUNDAMENTOS DE HIDROLOGIA
1. FUNDAMENTOS
DE HIDROLOGIA

Book 1.indb

11

1. FUNDAMENTOS DE HIDROLOGIA Book 1.indb 11 23/10/12 15:12
1. FUNDAMENTOS DE HIDROLOGIA Book 1.indb 11 23/10/12 15:12

23/10/12

15:12

Book 1.indb 12 23/10/12 15:12
Book 1.indb
12
23/10/12
15:12
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II 1.1 FUNDAMENTOS DA HIDROLOGIA URbANA A hidrologia urbana é
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
1.1 FUNDAMENTOS DA HIDROLOGIA URbANA
A
hidrologia urbana é um a parte da ciência das águas que trata da parte do ciclo hidrológico
que ocorre nas bacias hidrográficas urbanizadas ou em processo de urbanização, principalmente no que se
refere à ocorrência de eventos de alta magnitude. Os componentes principais nesse contexto são aqueles
que produzem as vazões máximas que se propagam pelos cursos d’água, notadamente: as precipitações
intensas, a infiltração da água no solo, as perdas por evaporação ou por evapotranspiração, as retenções
temporárias em depressões do terreno, a geração do escoamento superficial direto e o escoamento nos
sistemas de drenagem, naturais ou artificiais.
Ao longo das últimas décadas, o Brasil apresentou um intenso crescimento da população ur-
bana, que atualmente corresponde a mais de 80% de seus habitantes. O acelerado processo de urbani-
zação, principalmente a partir dos anos 1980, foi realizado sem planejamento adequado e com ritmo de
desenvolvimento da infraestrutura incompatível com a rapidez do processo de urbanização. Um impor-
tante desdobramento dessa realidade é a geração de impactos sobre os recursos hídricos, principalmente
sobre a drenagem urbana.
O
comportamento hidrológico de uma bacia urbanizada difere significativamente do comporta-
mento das bacias ainda em situação próxima das condições naturais. A impermeabilização do solo, causada
pelo desenvolvimento da malha urbana, altera profundamente o escoamento superficial das águas pluviais.
O
volume que anteriormente à urbanização era retido pela vegetação e infiltrava no solo, passa a escoar ra-
pidamente até atingir os canais de drenagem, o que resulta em um aumento significativo da vazão máxima
dos rios, causando inundações urbanas que podem ter consequências catastróficas. A Figura 1.1 ilustra o
efeito produzido pela urbanização nas inundações e na poluição.
Além do agravamento das inundações, a urbanização indisciplinada tem outros efeitos perver-
sos. O aumento da velocidade do escoamento superficial aumenta a erosão e o transporte sólido, que é
também significativamente acentuado por serviços de movimentação de terra, executados sem o devido
controle. Dados e observações, que constituem a base das análises hidrológicas são escassos ou de má
qualidade em razão do dinamismo caótico que prevalece em nossas grandes cidades. Series hidrológicas
de vazões apresentam alto grau de não estacionariedade e são dificilmente aproveitáveis para fins de
análise estatística.
Dessa forma, é necessário conhecer o elemento gerador do processo que é a precipitação: sua
magnitude, o risco de ocorrência, sua distribuição temporal e espacial. A chuva atinge a bacia hidrográfica
e
esta responde de uma forma ou de outra, conforme os mecanismos que controlam principalmente a
interceptação e a infiltração. A infiltração tem um papel fundamental, uma vez que determina o volume de
água disponível para o escoamento superficial direto. Esta parcela do volume precipitado, que compõe a
chuva excedente, é que vai contribuir para o aumento significativo das vazões dos cursos d’água ao longo
das chuvas intensas.
Na hidrologia urbana, é fundamental conhecer detalhadamente as características da ocupação
da bacia hidrográfica, pois isso influi diretamente nas taxas de infiltração, que resultam na chuva excedente,
que por sua vez produz a vazão dos cursos d’água. Além disso, as características fisiográficas da bacia,
como área drenada, declividade e forma, e o grau de intervenções no sistema de drenagem natural, como
existência de canais, galerias, reservatórios de detenção, etc., determinam a velocidade com que a água
se concentra numa determinada seção do curso d’água. Esse processo também interfere na magnitude das
vazões durante as chuvas intensas.
Em resumo, bacias com alto grau de impermeabilização, com alta declividade, com sistemas de
drenagem muito velozes tendem a produzir vazões relativamente elevadas.
a
Fundamentos de Hidrologi a • 13
Book 1.indb
13
23/10/12
15:12
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis Figura 1.1 - Efeito da urbanização no aumento

Figura 1.1 - Efeito da urbanização no aumento das inundações e a poluição

Para responder aos problemas típicos de bacias urbanas, pesquisadores e profissionais desenvol- veram ou adaptaram uma diversidade de procedimentos, técnicas e modelos, cuja aplicação sistemática provocou o aparecimento do termo Hidrologia Urbana. Uma das principais características dessas técnicas e modelos é recorrer aos métodos indiretos para determinação de hidrogramas de cheia, em razão das já mencionadas dificuldades em trabalhar com series de vazões. Métodos indiretos, entretanto, costumam apresentar uma serie de problemas devidos principal- mente a: (1) dificuldades na determinação das chamadas tormentas que o projeto tem em face das variações da intensidade da chuva no tempo e no espaço, (2) erros de estimativa dos parâmetros que governam o processo de transformação de precipitação em escoamento (principalmente os parâmetros relativos aos tempos de percurso, às perdas na bacia e ao amortecimento das ondas de cheia), (3) dificuldades em obter estes parâmetros por processo de calibração, em face da escassez de dados observados confiáveis, (4) não linearidade dos processos de transformação de chuva em vazão e (5) dificuldades de atribuir probabilidades de excedência (período de retorno) às tormentas de projeto.

excedência (período de retorno) às tormentas de projeto. Book 1.indb 14 14 • Fundamentos de Hidrologia

Book 1.indb

14

14 Fundamentos de Hidrologia

(período de retorno) às tormentas de projeto. Book 1.indb 14 14 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12
(período de retorno) às tormentas de projeto. Book 1.indb 14 14 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12
(período de retorno) às tormentas de projeto. Book 1.indb 14 14 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

1.2 TORMENTAS DE PROJETO

1.21 Precipitações Máximas

Precipitações máximas ou chuvas intensas são definidas como aquelas cujas intensidades ultra- passam um determinado valor mínimo. Essa intensidade é obtida a partir da relação entre o total preci- pitado e o tempo decorrido, normalmente expressa em milímetros por hora ou milímetros por segundo. A determinação dessas intensidades é de fundamental importância em drenagem urbana, pois em muitas metodologias as vazões de projeto são obtidas indiretamente por modelos de transformação chuva-vazão. O projeto da construção e a operação das obras de drenagem urbana, como barragens, galerias, canais, bacias de detenção e outros, envolvem custos associados a riscos. O dimensionamento correto des- sas estruturas deve implicar efetiva segurança da população e resultar em custos adequados dos recursos públicos. Como, normalmente, se associa o período de retorno da precipitação ao período de retorno do hidrograma que ela gera; a escolha da precipitação de projeto e seu período de retorno condicionarão o risco da obra (ver no item 1.2.8 os conceitos de risco e período de retorno).

1.2.2 Tipos de Precipitação

Das formas de precipitação que ocorrem na natureza, a pluviométrica é a que causa os maiores problemas para a drenagem urbana. O mecanismo básico da formação das chuvas é a condensação do va- por de água existente na atmosfera, que é elevado às maiores altitudes, constituindo as nuvens. Sob certas condições hidrometeorológicas como pressão atmosférica, temperatura do ar, saturação, etc., as nuvens carregadas podem produzir a precipitação pluviométrica. As chuvas são classificadas em convectivas, orográficas e frontais ou ciclônicas. As chuvas convec- tivas ou de verão são formadas por um processo de convecção de massa de ar úmido, que se forma em uma

região restrita, em função de um gradiente de temperatura vertical. Durante a manhã, a radiação solar aquece

a massa de ar e o solo, o que provoca evaporação da água da superfície. O vapor d’água sobe por diminuição de densidade. Atingindo altitudes maiores e com a consequente diminuição da temperatura, ocorre a satu- ração do ar e formação da nuvem. Normalmente, no período da tarde, com a diminuição da radiação solar,

cria-se uma situação de instabilidade. Essas chuvas possuem geralmente, grande intensidade e curta duração

e atingem áreas restritas. São, portanto, causadoras de inundações em pequenas bacias urbanas. As chuvas orográficas são formadas através da ascensão da massa de ar úmido, que são impul- sionadas contra as barreiras montanhosas, por ventos originados do oceano. São chuvas que podem ter pequena a grande intensidade, pois o mecanismo de produção pode estar associado aos outros tipos de chuvas. Caracterizam-se por sua elevada frequência, principalmente nas regiões litorâneas do Sudeste do Brasil, graças à barreira topográfica criada pela Serra do Mar. As chuvas frontais ou ciclônicas originam-se do contato de massas de ar quentes e frias. As massas de ar quentes são elevadas (menor densidade), encontrando condições de temperaturas e pressões menores, facilitando a condensação da umidade existente. Essas chuvas apresentam baixa intensidade e grande du- ração. Atingem grandes áreas, sendo por isso causadoras de inundações em grandes bacias hidrográficas.

1.2.3 Aquisição de Dados

As chuvas podem ser medidas por pluviômetros ou pluviógrafos. Ambos têm por princípio, a me- dição do volume de água precipitado em uma área unitária, sendo em geral representado por uma unidade

área unitária, sendo em geral representado por uma unidade Fundamentos de Hidrologi a • 15 Book

Fundamentos de Hidrologi a 15

Book 1.indb

15

unitária, sendo em geral representado por uma unidade Fundamentos de Hidrologi a • 15 Book 1.indb
unitária, sendo em geral representado por uma unidade Fundamentos de Hidrologi a • 15 Book 1.indb
unitária, sendo em geral representado por uma unidade Fundamentos de Hidrologi a • 15 Book 1.indb

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

de comprimento (altura), que representa a altura equivalente da cobertura de uma área com o volume preci-

pitado, caso esse volume fosse distribuído uniformemente. A unidade normalmente utilizada é o milímetro de chuva (mm), que equivale ao volume de 1 litro distribuído em 1 km 2 . Os pluviógrafos registram o volume precipitado continuamente no tempo, de onde se pode obter diretamente a intensidade da chuva, repre- sentada pela relação entre a altura precipitada em um intervalo de tempo. Normalmente, os registros dos pluviômetros são anotados a intervalos regulares (em geral, a cada 24 horas ou 12 horas). Os registros dos pluviógrafos podem ser do tipo gráfico, no qual um marcador acompanha a variação da altura precipitada e

o papel se movimenta com uma velocidade conhecida, definindo a escala do tempo; ou do tipo digital, em que os valores são acumulados em uma memória, com recuperação imediata (em tempo real) ou posterior (através de coletores de dados ou “data-loggers”).

Em um projeto de drenagem urbana é necessário conhecer a qualidade dos dados de chuva que estão sendo utilizados, pois isso pode comprometer a confiabilidade dos resultados dos estudos hidrológi- cos. Deve-se recomendar que em toda área urbana seja instalado ao menos um pluviógrafo para melhorar

a qualidade dos estudos hidrológicos que irão apoiar os projetos de controle de inundação. Na realidade, existem muito poucos dados observados a partir de pluviógrafos, em áreas urbanas. Os dados dos pluviógrafos são importantes nos estudos de drenagem urbana, pois permitem o cálculo da precipitação em intervalos de tempo inferiores a 24 ou 12 horas, que normalmente são fornecidos pelos pluviômetros. Como as bacias urbanas, em geral, são de pequenas dimensões, o conhecimento das preci- pitações com maior discretização temporal é fundamental (frações de minuto ou de hora). Uma forma de contornar esse problema é através da utilização das relações intensidade-duração-frequências (I-D-F), que serão mostradas a seguir.

1.2.4 Principais Características das Precipitações Intensas e Relações I-D-F

As principais características das precipitações intensas são o total precipitado, sua distri- buição temporal e espacial e sua frequência de ocorrência. A aquisição dessas informações passa atualmente por grandes transformações, decorrente da modernização das tecnologias de obtenção dos dados, como os radares meteorológicos e técnicas de sensoriamento remoto. Essas técnicas, com as redes de telemedição, permitem uma abrangência significativa na caracterização dos dados de precipitação. Em regiões não abrangidas por radares meteorológicos e redes telemétricas é importante que no mínimo se disponha de informações de precipitação máxima obtidas por pluviógrafos e sua caracterização através de uma análise estatística, por meio das relações intensidade-duração-frequência (I-D-F). Deve-se considerar que a caracterização ideal da precipitação seria a decorrente da perfeita in- tegração das informações obtidas de redes telemétricas, redes básicas, radares meteorológicos e satélites meteorológicos.

1.2.5 Precipitação Máxima Pontual

A precipitação máxima pontual pode ser caracterizada através das relações intensidade-duração-

-frequência. Essas relações são obtidas por meio de uma série de dados de chuvas intensas, suficientemente longas e representativas do local de interesse.

O trabalho de maior representatividade para diferentes regiões brasileiras na determinação das re-

lações intensidade-duração-frequência foi apresentado por Pfafstetter (1957) para 98 postos pluviográficos espalhados pelo Brasil. Essas relações seguem geralmente a forma apresentada na Equação 1.1.

seguem geralmente a forma apresentada na Equação 1.1 . Book 1.indb 16 16 • Fundamentos de

Book 1.indb

16

16 Fundamentos de Hidrologia

seguem geralmente a forma apresentada na Equação 1.1 . Book 1.indb 16 16 • Fundamentos de
seguem geralmente a forma apresentada na Equação 1.1 . Book 1.indb 16 16 • Fundamentos de
seguem geralmente a forma apresentada na Equação 1.1 . Book 1.indb 16 16 • Fundamentos de

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

em que:

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II em que: 1.1 P é a precipitação total máxima em

1.1

P

é a precipitação total máxima em mm;

R

é um fator associado a um período de retorno; é a precipitação máxima associada a um período de retorno de um ano

é um fator associado a um período de retorno; é a precipitação máxima associada a um

(série parcial); a, b e c são parâmetros locais. O fator R é dado pela Equação1.2.

parâmetros locais. O fator R é dado pela Equação1.2. em que: α é um parâmetro que

em que:

α é um parâmetro que depende da duração;

1.2

β

é um parâmetro que depende da duração e do local;

g

é um parâmetro adotado como 0,25 para todos os postos;

T

é o período de retorno (série parcial).

Outra forma bastante usual de se encontrar as relações de intensidade-duração-frequência são expressões obtidas de ajustes de distribuição de frequência, como a apresentada na Equação 1.3:

em que:

frequência, como a apresentada na Equação 1.3 : em que: 1.3 i é a intensidade média

1.3

i

é a intensidade média da chuva, em mm/min ao longo da duração t;

t

é a duração da chuva, em minutos;

T

r é o período de retorno, em anos;

m, n, t o e K são parâmetros relativos ao ajuste da equação.

Para o Município de São Paulo o coeficiente K é 57,71, m é igual a 0,172, t 0 é igual a 22 e n é igual a 1,025, segundo Paulo Sampaio Wilken (WILKEN, 1978). A região do Município de São Paulo abran- ge uma extensa área, pouco inferior a 2.000 Km 2 , até hoje não muito bem compreendida em termos da variação espacial das chuvas intensas, mesmo porque os dados pluviográficos na região são escassos. Por isso têm sido adotados, nos estudos de drenagem do município, valores de chuvas intensas referidos a um único posto pluviográfico, denominado de Posto do IAG (Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo), situado no bairro da Água Funda, incorporado à rede do DAEE com o prefixo E3-035. Segundo DAEE (1999), a publicação mais recente que reavalia uma série de equações de chuvas intensas para o Estado de São Paulo, a relação I-D-F para o posto IAG na cidade de São Paulo é a seguinte:

Nome da estação IAH/USP – E3-035 Coordenadas geográficas Lat. 23°39’S; Long 46°38’W Altitude 780 m Período de dados utilizados: 1933-97 (65anos)

780 m Período de dados utilizados: 1933-97 (65anos) Para 10 < t < 1440 Com: 1.4

Para 10 < t < 1440 Com:

1.4

I:

intensidade da chuva, correspondente à duração t e período de retorno T, em mm/min;

t:

duração da chuva em minutos;

T:

período de retorno em anos.

da chuva em minutos; T: período de retorno em anos. Fundamentos de Hidrologi a • 17

Fundamentos de Hidrologi a 17

Book 1.indb

17

em minutos; T: período de retorno em anos. Fundamentos de Hidrologi a • 17 Book 1.indb
em minutos; T: período de retorno em anos. Fundamentos de Hidrologi a • 17 Book 1.indb
em minutos; T: período de retorno em anos. Fundamentos de Hidrologi a • 17 Book 1.indb

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

Estudos recentes mostram que a equação do IAG acima tende a superestimar os valores da preci- pitação em até 25% em comparação com equação do professor Wilken.

1.2.6 Distribuição Temporal

A distribuição temporal dos volumes precipitados condicionará o volume infiltrado e a forma do hidrograma de escoamento superficial direto originado pela chuva excedente. O hietograma é uma forma gráfica, na qual se mostra a intensidade ou o volume precipitado de uma chuva ao longo de sua duração. Pode ser representado de forma contínua (Figura 1.2) no tempo ou discretizando-se a duração da chuva em intervalos constantes de tempo, em que se mostram os volumes precipitados em cada intervalo, formando um gráfico de barras (Figura 1.3).

intervalo, formando um gráfico de barras ( Figura 1.3 ). Figura 1.2 - Representação de um

Figura 1.2 - Representação de um hietograma de forma contínua no tempo

Representação de um hietograma de forma contínua no tempo Book 1.indb 18 Figura 1.3 - Exemplo
Representação de um hietograma de forma contínua no tempo Book 1.indb 18 Figura 1.3 - Exemplo

Book 1.indb

18
18

Figura 1.3 - Exemplo de um hietograma em forma de barras

18 Fundamentos de Hidrologia

Book 1.indb 18 Figura 1.3 - Exemplo de um hietograma em forma de barras 18 •
Book 1.indb 18 Figura 1.3 - Exemplo de um hietograma em forma de barras 18 •
Book 1.indb 18 Figura 1.3 - Exemplo de um hietograma em forma de barras 18 •

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

A interação entre a distribuição temporal da chuva e o tempo de resposta da bacia hidrográfica vai determinar os valores da vazão máxima do hidrograma gerado por uma chuva e o instante de ocorrên- cia. Em função das características de infiltração da bacia, que dependem da condição de umidade inicial e do tipo e uso do solo, haverá variação do volume do escoamento superficial na bacia, que também será afetado pela distribuição temporal da chuva. Vários pesquisadores como Keifer e Chu (1957), Huff (1967), Wiesner (1970), Pilgrim e Cordery (1975), Yen e Chow (1980), McCuen (1982), Magni e Mero (1986) e outros mostram grande dispersão nos padrões dos hietogramas para precipitações de mesma duração, graças à complexidade dos fenômenos físicos envolvidos, mas algumas tendências são verificadas nestas análises:

Para chuvas de curta duração, menores do que meia hora, o hietograma é caracterizado por grandes intensidades no início da precipitação;

Para chuvas de duração intermediária, menores do que 10 horas, o hietograma é representa- do por intensidades maiores na primeira metade da duração;

Para chuvas de grande duração, acima de 10 horas, o hietograma apresenta intensidades mais uniformes.

Para se obter a distribuição temporal das precipitações de projeto, ou referência, é im- portante que se tenham dados de postos pluviográficos ou pluviométricos ou de radar meteorológico. De outra forma, utilizam-se métodos teóricos com utilização de dados e relações intensidade-duração-frequência para a região de interesse. Dentre os métodos existentes para a distribuição temporal de uma precipitação máxima, o de utilização mais simples é o método dos blocos alternados. Além desse, descreve-se, a seguir, o método de Huff.

No método dos blocos alternados, a distribuição temporal é conseguida utilizando-se dados das relações intensidade-duração-frequência. Essa distribuição não se relaciona com os fenômenos físicos. É uma solução simples que caracteriza uma condição crítica. Esse método propõe a distribuição de totais de chuva em intervalos de tempo contidos na duração total. O método segue os seguintes passos:

Seleciona-se a duração da tormenta (t d ) e o intervalo de discrição (t);

Através da relação intensidade-duração-frequência, obtém-se a intensidade de chuva para cada duração;

As intensidades são transformadas em alturas de chuva e acumuladas até o último intervalo de tempo;

Calculam-se os incrementos dos totais acumulados;

Os incrementos ou blocos obtidos são rearranjados numa sequência tal que, no centro da duração da tormenta, se situe o bloco maior, e em seguida os demais blocos são dispostos em ordem decrescente, um à direita e o outro à esquerda do bloco maior, alternadamente.

Exemplo: Admita-se que se deseja conhecer a distribuição temporal de uma tormenta de projeto para a cidade de São Paulo, com duração de 100 minutos, com intervalo de tempo de 10 minutos e para um período de retorno de 5 anos. Pode-se usar a relação intensidade-duração-frequência estabelecida por Paulo Sampaio Wilken (Pinto, 1976) para a determinação das intensidades de chuva. Os resultados estão apresentados na Tabela 1.1 e Figura 1.4.

estão apresentados na Tabela 1.1 e Figura 1.4 . Fundamentos de Hidrologi a • 19 Book

Fundamentos de Hidrologi a 19

Book 1.indb

19

estão apresentados na Tabela 1.1 e Figura 1.4 . Fundamentos de Hidrologi a • 19 Book
estão apresentados na Tabela 1.1 e Figura 1.4 . Fundamentos de Hidrologi a • 19 Book
estão apresentados na Tabela 1.1 e Figura 1.4 . Fundamentos de Hidrologi a • 19 Book

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

Tabela 1.1 - Hietograma de projeto pelo método dos blocos alternados

Duração

(min)

Intensidade

da chuva

Altura de chuva acumulada

Incremento da

altura

Intervalo

considerado

Hietograma de

projeto

(mm/h)

(mm)

(mm)

(min)

(mm)

10

34,9

21,8

21,8

0 – 10

1,2

20

46,1

33,0

11,2

10

- 20

1,8

30

57,4

39,7

6,7

20

- 30

3,2

40

68,7

44,2

4,5

30

- 40

6,7

50

80,1

47,5

3,2

40

- 50

21,8

60

91,5

49,9

2,3

50

- 60

11,2

70

103,0

51,7

1,8

60

- 70

4,5

80

114,5

53,2

1,4

70

- 80

2,4

90

126,0

54,4

1,2

80

- 90

1,4

100

137,5

55,3

0,9

90 - 100

0,9

90 1,4 100 137,5 55,3 0,9 90 - 100 0,9 Figura 1.4 - Hietograma de projeto

Figura 1.4 - Hietograma de projeto

Essa distribuição apresenta limitações, pois além de seguir um padrão arbitrário de distribuição temporal, admite implicitamente que uma chuva com certa duração e período de retorno contenha eventos de durações menores, sempre com o mesmo período de retorno do evento de duração maior. A probabili- dade de esses eventos ocorrerem simultaneamente supera em muito a probabilidade adotada para o evento de duração mais longa. Contudo, é um modelo bastante simples de ser aplicado e é utilizado frequente- mente na prática dos projetos de engenharia.

frequente- mente na prática dos projetos de engenharia. Book 1.indb 20 20 • Fundamentos de Hidrologia

Book 1.indb

20

20 Fundamentos de Hidrologia

frequente- mente na prática dos projetos de engenharia. Book 1.indb 20 20 • Fundamentos de Hidrologia
frequente- mente na prática dos projetos de engenharia. Book 1.indb 20 20 • Fundamentos de Hidrologia
frequente- mente na prática dos projetos de engenharia. Book 1.indb 20 20 • Fundamentos de Hidrologia

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Outro modelo de distribuição temporal das tormentas bastante utilizado é o Método de Huff. Diferentemente do Método dos Blocos Alternados, este é baseado em eventos de chuvas observados. A região monitorada para a obtenção dos dados foi a região do centro leste de Illinois, EUA, com período de dados de 1955 a 1966. Huff (1967,1990) classificou todas as tormentas conforme o quartil (quarta parte) de duração,

dentro do qual se verificavam as maiores intensidades da precipitação. Obteve, então, tormentas de primei- ro, segundo, terceiro e quarto quartil.

A Tabela 1.2 resume as frequências de ocorrência de tormentas em áreas compreendendo pe-

quenas bacias (<1000 km 2 ). Com esta tabela é possível observar que de modo geral a maior intensidade de precipitação ocorre no primeiro ou no segundo quartil.

Tabela 1.2 - Frequência das tormentas nos quartis

Quartil

Frequência (%)

Primeiro

33

Segundo

33

Terceiro

19

Quarto

15

Huff fez em seguida, para as tormentas correspondentes a cada quartil, análises estatísticas dos

seus dados obtendo as curvas de distribuição temporal, associadas a probabilidades de ocorrência. Verifica- -se, com estas curvas, grande variabilidade nas distribuições correspondentes a um mesmo quartil (Figura 1.5 a Figura 1.8).

A Figura 1.5 ilustra os padrões de distribuição temporal encontrados para a probabilidade de

ocorrência de 10 a 90%, para as tormentas que apresentam maior intensidade no primeiro quartil. Da mes- ma forma as Figuras 1.6 a 1.8 representam as distribuições temporais encontradas para as tormentas que apresentam maiores intensidades no segundo, terceiro e quarto quartil, respectivamente. Para se determinar a probabilidade total da curva de 10% (Figura 1.5), na qual a chuva é máxima no primeiro intervalo da tormenta, consulta-se a Tabela 1.2, que indica que a tormenta do primeiro quartil ocorreu em 33% dos casos. Portanto, a probabilidade total de ocorrência dessa condição é aproximada- mente de 3,5%, ou seja, (0,33 x 0,10).

é aproximada- mente de 3,5%, ou seja, (0,33 x 0,10). Fundamentos de Hidrologi a • 21

Fundamentos de Hidrologi a 21

Book 1.indb

21

é aproximada- mente de 3,5%, ou seja, (0,33 x 0,10). Fundamentos de Hidrologi a • 21
é aproximada- mente de 3,5%, ou seja, (0,33 x 0,10). Fundamentos de Hidrologi a • 21
é aproximada- mente de 3,5%, ou seja, (0,33 x 0,10). Fundamentos de Hidrologi a • 21

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis Figura 1.5 - Distribuições temporais de chuvas do

Figura 1.5 - Distribuições temporais de chuvas do primeiro quartil

- Distribuições temporais de chuvas do primeiro quartil Figura 1.6 - Distribuições temporais para tormentas do

Figura 1.6 - Distribuições temporais para tormentas do segundo quartil

Distribuições temporais para tormentas do segundo quartil Book 1.indb 22 22 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12

Book 1.indb

22

22 Fundamentos de Hidrologia

temporais para tormentas do segundo quartil Book 1.indb 22 22 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12 15:12
temporais para tormentas do segundo quartil Book 1.indb 22 22 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12 15:12
temporais para tormentas do segundo quartil Book 1.indb 22 22 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12 15:12

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II Figura 1.7 - Distribuições temporais das tormentas do terceiro

Figura 1.7 - Distribuições temporais das tormentas do terceiro quartil

Distribuições temporais das tormentas do terceiro quartil Figura 1.8 - Distribuição temporal de tormentas do quarto

Figura 1.8 - Distribuição temporal de tormentas do quarto quartil

- Distribuição temporal de tormentas do quarto quartil Fundamentos de Hidrologi a • 23 Book 1.indb

Fundamentos de Hidrologi a 23

Book 1.indb

23
23
Distribuição temporal de tormentas do quarto quartil Fundamentos de Hidrologi a • 23 Book 1.indb 23
Distribuição temporal de tormentas do quarto quartil Fundamentos de Hidrologi a • 23 Book 1.indb 23
Distribuição temporal de tormentas do quarto quartil Fundamentos de Hidrologi a • 23 Book 1.indb 23

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

Huff (1967,1990) verificou que nas tormentas de curta duração, menores que 6 horas, prevalece a ocorrência da distribuição do primeiro quartil, enquanto nas tormentas de duração entre 6 e 12 horas prevalece a distribuição do segundo quartil. Já as tormentas de duração entre 12 e 24 horas estão mais as- sociadas à distribuição do terceiro e as tormentas de duração maiores de 24 horas, associadas à distribuição do quarto quartil. Também verificou que as tormentas de longa duração, em que a chuva é mais distribuída, se enqua- dram naquelas do primeiro quartil com probabilidade de 90%. Ressalte-se que das tormentas analisadas, 42% caíram em grupos de duração menores que 12 horas, 33% no grupo das 12 às 24 horas e 25% excederam a duração de 24 horas. Para ilustrar a aplicação do método de Huff segue o exemplo. Admita-se que se deseja conhecer a distribuição temporal ou hietograma de projeto de uma chuva prevista de 40 mm, com 1 hora de duração, supondo-se a distribuição temporal correspondente ao primeiro quartil, com probabilidade de ocorrência de 50%. Como a parte mais intensa da chuva ocorre no primeiro quartil, deve-se consultar a Figura 1.5 e extrair os elementos para preparar o hietograma. Para facilitar a obtenção dos dados da figura, procede-se da seguinte forma:

Prepara-se uma tabela (Tabela 1.3), com as colunas: Duração, em minutos; % Acumulada da duração; % Acumulada da precipitação; % Precipitação no intervalo; e, Precipitação no intervalo, em mm;

Escolhe-se como % tempo os valores inteiros de 20, 40, 60, 80 e 100%;

Dessa forma, como a chuva tem 1 hora de duração e se escolheram 5 intervalos, Δt = 60 / 5

= 12 minutos;

Na Figura 1.5 entra-se no eixo X com a % da duração acumulada da chuva para o valor 20 e

vai até encontrar a curva correspondente a 50% de probabilidade. Desta, extrai-se o valor da

% acumulada da precipitação, no eixo Y. O valor obtido é igual a 50. O mesmo procedimento

é repetido para as % de duração iguais a 40, 60, 80 e 100, obtendo-se valores de % acumu- lada de precipitação iguais a, respectivamente, 78, 88, 95 e 100;

% Precipitação no intervalo é obtida calculando-se as diferenças de % Acumulada de precipi-

tação acumulada, por intervalo. Ou seja, no primeiro intervalo é mantido 50%, no segundo, calcula-se (78 – 50 = 28%), no terceiro, calcula-se (88-78 = 10%), e assim por diante;

Os valores das chuvas para cada intervalo (última coluna da Tabela 1.3) são obtidos multipli- cando-se a coluna 4 pelo total da precipitação de 40 mm, ou seja, ( 40 x 0,50 = 20; 40 x 0,28

= 11,2) e assim por diante;

Os valores da última coluna caracterizam a distribuição temporal de uma chuva de 40 mm, segundo o método de Huff, conforme o primeiro quartil e com 50 % de probabilidade de ocorrência.

primeiro quartil e com 50 % de probabilidade de ocorrência. Book 1.indb 24 24 • Fundamentos

Book 1.indb

24

24 Fundamentos de Hidrologia

quartil e com 50 % de probabilidade de ocorrência. Book 1.indb 24 24 • Fundamentos de
quartil e com 50 % de probabilidade de ocorrência. Book 1.indb 24 24 • Fundamentos de
quartil e com 50 % de probabilidade de ocorrência. Book 1.indb 24 24 • Fundamentos de

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Tabela 1.3 - Hietograma de projeto para uma chuva no primeiro quartil com 50% de probabilidade de ocorrência

Dt (min)

% da duração

% acumulada de P

% no intervalo

DP (mm)

12

20

50

50

20

24

40

78

28

11,2

36

60

88

10

4,0

48

80

95

7

2,8

60

100

100

5

2,0

 

Total

100

40

As distribuições temporais pelo método de Huff podem ser construídas dessa forma para qualquer quartil e probabilidade de ocorrência considerada. Huff (1990) recomenda que, para a maior parte dos casos de projeto, sejam adotadas as curvas correspondentes a 50% de probabilidade, enquanto para os casos de cálculo de descargas extremas, sejam utilizadas as curvas correspondentes a 10% de probabilidade.

1.2.7 Distribuição Espacial

Os valores de precipitações registrados em um posto pluviométrico são representativos para uma

área ao redor do posto. Dependendo das condições topográficas e das características climáticas de uma região, essa área limite varia de 1 km 2 a 25 km 2 .

O cálculo da precipitação média de um evento em uma área pode ser feito por três processos sim-

ples. O da média aritmética, em que a média das precipitações registradas nos vários postos é considerada

a média precipitada na área é o mais simples. Pode ser utilizado quando a rede de postos é densa e não há

grandes variações de medidas entre os postos. Os dois outros processos são o dos polígonos de Thiessen e

o das isoietas, em que a precipitação média é ponderada por áreas de influência.

O método dos polígonos de Thiessen admite que a chuva em um dado ponto é igual àquela me-

dida no posto mais próximo. Os limites das áreas de influência são as mediatrizes dos segmentos que unem dois postos vizinhos. No método das isoietas, admite-se uma variação contínua entre os valores medidos em dois postos vizinhos. As áreas de influência são delimitadas por duas isoietas (linhas de mesma precipitação consecutivas). Relações empíricas do tipo da Equação 1.5 podem representar a chuva média.

do tipo da Equação 1.5 podem representar a chuva média. P m é a chuva média

P m é a chuva média sobre uma área A; P o é a chuva registrada no epicentro da tormenta ; k e m são parâmetros de ajuste.

1.5

da tormenta ; k e m são parâmetros de ajuste. 1.5 Fundamentos de Hidrologi a •

Fundamentos de Hidrologi a 25

Book 1.indb

25

da tormenta ; k e m são parâmetros de ajuste. 1.5 Fundamentos de Hidrologi a •
da tormenta ; k e m são parâmetros de ajuste. 1.5 Fundamentos de Hidrologi a •
da tormenta ; k e m são parâmetros de ajuste. 1.5 Fundamentos de Hidrologi a •

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis Figura 1.9 - Curvas de redução de precipitação

Figura 1.9 - Curvas de redução de precipitação (U.S. National Weather Service)

Com o desenvolvimento dos radares meteorológicos, a cinemática das tormentas será melhor analisada, o que permitirá obter modelos de distribuição espacial de tormentas de projeto mais próximos da realidade física.

de tormentas de projeto mais próximos da realidade física. Book 1.indb 26 1.2.8 Escolha do Período

Book 1.indb

26

1.2.8 Escolha do Período de Retorno

As tormentas de projeto são padrões de precipitações máximas adotados na obtenção de hidro- gramas de projeto, utilizados principalmente no dimensionamento de obras de drenagem urbana. Na esco-

lha da tormenta de projeto para os projetos de obras de drenagem urbana deve ser considerada a natureza das obras a projetar. Devem ser levados em conta os riscos relacionados com a segurança da população e com as perdas materiais envolvidas.

A determinação da tormenta de projeto é função da disponibilidade dos dados de precipitação

da região de interesse. Caso haja disponibilidade de dados, procura-se determinar um padrão típico para a região em estudo, função da variação espacial e temporal das precipitações.

As relações intensidade-duração-frequência são muito utilizadas na obtenção dos hidrogramas de projeto para o dimensionamento de pequenas obras de drenagem urbana. Essas relações associam à tormenta de projeto uma probabilidade de ocorrência. Dessa forma, a escolha da tormenta de projeto é função da sua probabilidade de ocorrência; consequentemente, existe um risco associado dessa tormenta ser igualada ou superada.

A frequência média da tormenta de projeto (F) é dada como o inverso do período de retorno (Tr),

ou seja,

(F) é dada como o inverso do período de retorno (Tr), ou seja, 1.6 26 •

1.6

26 Fundamentos de Hidrologia

(F) é dada como o inverso do período de retorno (Tr), ou seja, 1.6 26 •
(F) é dada como o inverso do período de retorno (Tr), ou seja, 1.6 26 •
(F) é dada como o inverso do período de retorno (Tr), ou seja, 1.6 26 •

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Por exemplo, para uma tormenta de período de retorno de 10 anos a frequência correspondente

é igual a 0,1, significa que há uma chance em 10 de ocorrer uma tormenta igual ou superior num dado

ano. A probabilidade de ocorrer pelo menos uma tormenta de período de retorno de 10 anos durante um

período de N anos é obtida por uma distribuição binomial e expressa pela equação:

1.7

uma distribuição binomial e expressa pela equação: 1.7 em que: R é o risco de ocorrência

em que:

R é o risco de ocorrência de ao menos uma tormenta igual ou superior a de projeto na vida útil da obra;

F

é a frequência da tormenta;

N

é a vida útil da obra, em anos.

Supondo que para o exemplo anterior se deseja saber qual a probabilidade de ocorrer ou ser

superada pelo menos uma vez a tormenta de projeto num período de 50 anos, aplica-se a fórmula anterior

e se obtém 99% de risco. Supondo que essa tormenta seja utilizada no dimensionamento de uma obra

de drenagem, o risco dessa obra ter sua capacidade excedida, ao menos uma vez, é de 99%. Portanto, a escolha do período de retorno da tormenta de projeto significa a escolha de um risco aceitável para a obra desejada. Essa escolha também está associada ao custo da obra, pois um nível de segurança alto para a obra exige um custo elevado. As dificuldades existentes na escolha do período de retorno levam a escolher va- lores normalmente aceitos pelo meio técnico. Essa escolha deve ser analisada com maior critério, principal- mente nas grandes cidades, onde o grau de impermeabilização e a complexidade do sistema de drenagem são muito grandes, o que agrava as consequências das cheias. As dificuldades em estabelecer objetivamente o período de retorno fazem com que a escolha recaia sobre valores aceitos de forma mais ou menos ampla pelo meio técnico o que nem sempre é o mais adequado, mas pode-se orientar esse processo de escolha levando-se em conta alguns argumentos descri- tos a seguir. Toda intervenção no meio físico de um ambiente, seja ou não urbano, está sujeito a certo risco de falha. As intervenções relativas ao controle de cheias e à drenagem urbana estão sujeitas a falhas decor- rentes da aleatoriedade da precipitação. Os projetistas e planejadores se deparam com a seguinte questão:

para qual risco de falha se deve dimensionar a obra ou intervenção? Em outras palavras: qual o período de retorno a ser adotado? A adoção de um risco aceitável é uma tarefa carregada de subjetividade, na qual entra em jogo

o balanceamento de custos e benefícios vinculados ao projeto em questão. Em geral, quanto menor o risco, maior o investimento e vice-versa. Normalmente, esse tipo de estudo torna-se muito dispendioso e muito demorado, e nem sempre há a garantia de resultados satisfatórios. A prática cotidiana de projetos e inter- venções de pequeno e médio porte exige a adoção de alguns níveis de risco compatíveis com a segurança adequada para cada tipo de intervenção. Como norma geral, podem-se adotar os seguintes critérios: a) períodos de retorno mais baixos (2 a 10 anos) para as obras de microdrenagem, pois, em geral, os danos decorrentes da falha desses sistemas são localizados e de menor magnitude; b) para obras e intervenções em macrodrenagem (ca- nais, córregos e rios de médio e grande porte, reservatórios de detenção, etc.), o risco deve diminuir (sugerem-se períodos de retorno entre 25 e 50 anos), uma vez que a falha desses sistemas resulta em prejuízos e transtornos mais significativos: inundações de edificações, interrupção de tráfego, prolifera- ção de doenças de veiculação hídrica, etc.; c) para regiões onde se prevee prejuízos de alta magnitude, como grandes corredores de tráfego ou áreas vitais para dinâmica da cidade, sugere-se adotar período

vitais para dinâmica da cidade, sugere-se adotar período Fundamentos de Hidrologi a • 27 Book 1.indb

Fundamentos de Hidrologi a 27

Book 1.indb

27

para dinâmica da cidade, sugere-se adotar período Fundamentos de Hidrologi a • 27 Book 1.indb 27
para dinâmica da cidade, sugere-se adotar período Fundamentos de Hidrologi a • 27 Book 1.indb 27
para dinâmica da cidade, sugere-se adotar período Fundamentos de Hidrologi a • 27 Book 1.indb 27

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

de retorno de 100 anos; d) para áreas onde se localizam instalações e edificações de uso estratégico, como hospitais, bombeiros, polícia, centros de controle de emergências, sugere-se período de retorno de 500 anos. Nas situações em que pode ocorrer perda de vidas humanas, é recomendável adotar pe- ríodos de retorno de no mínimo 100 anos. A Tabela 1.4, a seguir, procura resumir as propostas para adoção de período de retorno sugeridas.

Tabela 1.4 - Períodos de retorno propostos para projetos de drenagem urbana

Características do sistema

Tr (anos)

Microdrenagem

2

a 10

Macrodrenagem

25 a 50

Grandes corredores de tráfego e áreas vitais para a cidade

 

100

Áreas onde se localizam instalações e edificações de uso estratégico, como hospitais, bombeiros, polícia, centros de controle de emergências, etc.

 

500

Quando há risco de perdas de vidas humanas

100 (mínimo)

No zoneamento de várzeas e áreas ribeirinhas, que pode ser realizado de forma progressiva atra- vés da definição de faixas, as regiões com área de inundação mais frequente, resultante de chuvas com período de retorno entre 2 e 10 anos, podem ter usos mais restritivos: parques, jardins, quadras esportivas, etc. Faixas inundáveis para recorrências maiores (períodos de retorno entre 25 e 100 anos) seriam ocupadas com usos menos restritivos: clubes, algumas instalações institucionais, habitações adaptadas ao alagamento (pilotis), etc. A Tabela 1.5 resume as proposições apresentadas para zoneamento de várzeas.

Tabela 1.5 - Períodos de retorno para zoneamento de várzeas e áreas ribeirinhas

Faixa inundável

 

Tr

Parques, jardins, quadras esportivas, etc.

2

a 10

Clubes, instalações institucionais, edificações sobre pilotis, etc.

25 a 100

De forma que ilustre algumas situações afeitas à questão da escolha do período de retorno, a Figura 1.10 apresenta a variação da vazão de pico de um hidrograma com o período de retorno para uma bacia hidrográfica hipotética, com vazões obtidas para chuvas de várias durações. A Figura 1.11 apresenta o gradiente da vazão de pico em função do período de retorno, no qual se pode observar que à medida que o período de retorno cresce, o gradiente das vazões de projeto diminui. Pode-se observar que a vazão cresce de forma não linear com o período de retorno. Desta forma, nem sempre a escolha de um período de retorno maior ocasionaria uma elevação muito grande no custo da obra.

ocasionaria uma elevação muito grande no custo da obra. Book 1.indb 28 28 • Fundamentos de

Book 1.indb

28
28

28 Fundamentos de Hidrologia

ocasionaria uma elevação muito grande no custo da obra. Book 1.indb 28 28 • Fundamentos de
ocasionaria uma elevação muito grande no custo da obra. Book 1.indb 28 28 • Fundamentos de
ocasionaria uma elevação muito grande no custo da obra. Book 1.indb 28 28 • Fundamentos de

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II Figura 1.10 - Variação da vazão de projeto em função

Figura 1.10 - Variação da vazão de projeto em função do período de retorno

da vazão de projeto em função do período de retorno Figura 1.11 - Gradiente da vazão

Figura 1.11 - Gradiente da vazão de projeto em relação ao período de retorno

A análise da Tabela 1.6 mostra que para uma vida útil de 50 anos (normal para obras de drena- gem urbana) os riscos são praticamente de 100% para obras de microdrenagem e permanecem ainda ra- zoavelmente altos para obras de macrodrenagem. Como estes riscos são aceitos e adotados correntemente conclui-se que:

objetivo principal das obras de microdrenagem é esgotar as vazões oriundas das chuvas mais frequentes e implicitamente se admite a ocorrência de alagamentos com frequência alta;

as obras de macrodrenagem não constituem solução definitiva para os problemas de inunda- ções e é conveniente que sejam complementadas por outras medidas que visem a aumentar

a proteção oferecida pelas obras, como: sistemas de alerta, desvios de rotas, desocupação de áreas, zoneamentos de áreas inundáveis, etc.

o

de áreas, zoneamentos de áreas inundáveis, etc. o Fundamentos de Hidrologi a • 29 Book 1.indb

Fundamentos de Hidrologi a 29

Book 1.indb

29

de áreas, zoneamentos de áreas inundáveis, etc. o Fundamentos de Hidrologi a • 29 Book 1.indb
de áreas, zoneamentos de áreas inundáveis, etc. o Fundamentos de Hidrologi a • 29 Book 1.indb
de áreas, zoneamentos de áreas inundáveis, etc. o Fundamentos de Hidrologi a • 29 Book 1.indb

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

Tabela 1.6 - Risco em função da vida útil e do período de retorno

T (anos)

 

Vida útil da obra (anos)

 

2

5

25

50

100

2

75

97

99,9

99,9

99,9

5

36

67

99,9

99,9

99,9

10

19

41

93

99

99,9

25

25

18

64

87

98

50

40

10

40

64

87

100

2

5

22

39

63

500

0,4

1

5

9

18

1.2.9 Duração da Chuva Crítica

É bastante disseminada no meio técnico a orientação de adotar a duração da chuva crítica igual ou

próxima do tempo de concentração da bacia, porque desta forma ficaria garantido que o hidrograma atingiria

o seu pico. Para durações maiores do que o tempo de concentração a intensidade da chuva tenderia a decres-

cer e para durações menores não haveria tempo para que toda a área da bacia contribuísse para o exutório da bacia. É importante esclarecer, entretanto, que essas considerações somente são válidas quando se admitem

válidas as hipóteses do Método Racional, em especial a constância da intensidade da chuva. Essa hipótese somente é realista para bacias muito pequenas e essa é uma das razões pelas quais, na literatura especializada,

a validade desse método é restrita a bacias com áreas de drenagem da ordem de 3 km 2 . Em bacias maiores a intensidade da precipitação varia ao longo de sua duração. No início da chuva a intensidade costuma ser pequena, tende a aumentar durante certo tempo, para depois decair até cessar. A precipitação no período em que ocorrem as maiores intensidades é a precipitação responsável pelo pico do hidrograma. O método dos Blocos Alternados concentra as maiores intensidades no meio da du- ração da chuva. Portanto, se a duração da chuva de projeto for aumentada, as chuvas críticas responsáveis pela vazão máxima não serão alteradas e permanecerão junto à região central do hietograma.

e permanecerão junto à região central do hietograma. Figura 1.12 - Distribuição de uma precipitação com

Figura 1.12 - Distribuição de uma precipitação com durações de 3 h e 6 h

de uma precipitação com durações de 3 h e 6 h Book 1.indb 30 30 •

Book 1.indb

30
30

30 Fundamentos de Hidrologia

de uma precipitação com durações de 3 h e 6 h Book 1.indb 30 30 •
de uma precipitação com durações de 3 h e 6 h Book 1.indb 30 30 •
de uma precipitação com durações de 3 h e 6 h Book 1.indb 30 30 •

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

A Figura 1.12 mostra uma precipitação calculada por uma das IDFs de São Paulo para T= 10

anos. A distribuição foi feita pelo método dos blocos alternados considerando durações de 3 h e 6 h. Nota- -se que as precipitações mais intensas concentram-se na região central do gráfico e, nesta região, as quan- tidades precipitadas são idênticas para as duas durações. A extensão da duração do evento adiciona apenas uma pequena quantidade de precipitação. A quantidade adicionada pode gerar, entretanto, um aumento significativo do volume do hidrograma devido à maior saturação do solo. Pode-se verificar que o aumento do pico do hidrograma não se dá na mesma proporção do seu volume. Em conclusão, se for adotado o método dos blocos alternados, quanto maiores forem as durações das precipitações de projeto, maiores serão os volumes e picos dos hidrogramas. Se o sistema de controle de cheias prevê a construção de um ou mais reservatórios, recomenda-se adotar durações das precipitações de projeto significativamente maiores do que o tempo de concentração da bacia.

1.2.10 Concepção de Cenários das Tormentas de Projeto

Os itens anteriores apresentaram uma metodologia bastante difundida no meio técnico para determinar a tormenta de projeto. A metodologia baseava-se na determinação da precipitação em um ponto da bacia, à qual se atribuem um período de retorno e uma distribuição ao longo do tempo. Entre- tanto, o método apresentado não permite calcular a quantidade precipitada em cada segmento da bacia a cada intervalo de tempo. Em outras palavras, a distribuição espacial-temporal da chuva não é consi- derada e, nos estudos de drenagem urbana usualmente admite-se que a precipitação seja homogênea em toda a bacia. Quando os estudos se referem a bacias hidrográficas relativamente pequenas (menores do que 10 km 2 ), a hipótese da homogeneidade da chuva pode ser admitida como realista. Entretanto, a cidade de

São Paulo contém diversas bacias maiores do que a faixa citada e, nesses casos, a distribuição espacial da tormenta pode ter efeito significativo no comportamento dos escoamentos na rede hidrográfica da bacia.

A análise dos sistemas de drenagem de bacias urbanas constitui problema de grande complexida-

de graças principalmente ao dinamismo do uso e ocupação do solo e à implantação de estruturas hidráu- licas tais como canais, soleiras, diques, reservatórios e a própria ampliação do sistema de drenagem. Estas modificações alteram as condições hidráulicas da bacia, fazendo com que suas respostas hidrológicas sejam significativamente influenciadas pela distribuição tempo-espaço das tormentas. Em especial, quando o controle de cheias da bacia se baseia em reservatórios, a distribuição dos escoamentos no espaço e no tempo representa papel importante no desempenho do sistema e, portanto, não é admissível aceitar a hipótese da homogeneidade da precipitação. Ainda não existe metodologia amplamente aceita para considerar as variações espaciais e tem- porais das tormentas de projeto. Entretanto, quando se dispõe de relativa abundância de dados pluviomé- tricos, é possível desenvolver e aplicar procedimentos que representam significativo avanço em relação à hipótese da distribuição espacial homogênea. O termo “concepção de cenários de tormentas de projeto” vem sendo utilizado para denominar essa metodologia, como se descreve a seguir.

As precipitações são medidas em pontos discretos de uma bacia hidrográfica, por meio de postos pluviométricos de solo ou são estimadas em maiores áreas por intermédio de radares meteorológicos. A aquisição e análise sistemática destes dados permitem reunir uma coleção de “tormentas críticas”, assim denominadas por causarem cheias de impacto significativo. Cada uma dessas tormentas constitui um cenário de precipitação e o conjunto delas é a base da metodologia de concepção de cenários de tormentas;

da metodologia de concepção de cenários de tormentas; Fundamentos de Hidrologi a • 31 Book 1.indb

Fundamentos de Hidrologi a 31

Book 1.indb

31
31
metodologia de concepção de cenários de tormentas; Fundamentos de Hidrologi a • 31 Book 1.indb 31
metodologia de concepção de cenários de tormentas; Fundamentos de Hidrologi a • 31 Book 1.indb 31
metodologia de concepção de cenários de tormentas; Fundamentos de Hidrologi a • 31 Book 1.indb 31

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

A bacia é então dividida em quadrículas, definidas por suas coordenadas X e Y. A cada qua- drícula associa-se um vetor de precipitação (Intensidade x Tempo). Trata-se, portanto, de uma representação em quatro dimensões, como ilustrado a seguir.

Outra possibilidade de representar a precipitação ao longo do tempo é discretizar a duração da chuva em intervalos Δt e construir matrizes (X,Y,I) para cada Δt. A Figura 1.13 apresenta um exemplo de uma chuva com duração de 1,5 h, discretizada em Δt de 30 minutos. Nessa figura pode ser visualizada a localização da bacia hidrográfica sobreposta nas quadrículas, as cores mostram a evolução da tormenta sobre a bacia no tempo.

Por meio de um modelo de transformação de chuva em vazão simula-se o comportamento da bacia para os diversos cenários de tormentas críticas obtendo-se os correspondentes cenários de vazões, níveis, áreas inundadas e outras variáveis de interesse.

A decisão sobre as melhores alternativas de controle de inundações na bacia pode então ser tomada a partir de um conjunto de informações muito mais rico, abrangente e realista.

de informações muito mais rico, abrangente e realista. Figura 1.13 - Matrizes de chuva, discretização da

Figura 1.13 - Matrizes de chuva, discretização da curva no espaço para três intervalos de tempo

da curva no espaço para três intervalos de tempo Book 1.indb 32 32 • Fundamentos de

Book 1.indb

32
32

32 Fundamentos de Hidrologia

da curva no espaço para três intervalos de tempo Book 1.indb 32 32 • Fundamentos de
da curva no espaço para três intervalos de tempo Book 1.indb 32 32 • Fundamentos de
da curva no espaço para três intervalos de tempo Book 1.indb 32 32 • Fundamentos de

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

É importante notar que não é possível calcular a recorrência das tormentas criticas analisadas,

pois o conceito de período de retorno de uma precipitação é definido para um ponto. Entretanto, mediante abordagens empíricas e aproximadas, é possível associar períodos de retorno às diversas tormentas anali- sadas.

Analisando a Figura 1.13, observa-se que cada sub-bacia pode sofrer influência de mais de uma quadrícula, sendo necessário obter um hietograma composto pelas quadrículas que influem sobre a área da bacia. Cada quadrícula possui um valor de intensidade de chuva para cada intervalo de tempo, em que esta informação pode ser obtida de uma rede pluviométrica ou através de informações de radar meteorológico. O monitoramento hidrológico do Sistema de Alerta a Inundações de São Paulo (SAISP) é feito pela Rede Telemétrica de Hidrologia e pelo Radar Meteorológico de São Paulo. A Rede Telemétrica fornece, em tempo

real, informações hidrológicas obtidas de estações fluviométricas e pluviométricas. Essas estações automá- ticas foram configuradas para fornecer informações num intervalo de 5 minutos.

O radar meteorológico permite a obtenção de mapas de chuva observada na área de influência

do radar, obtendo-se quadrículas (2 x 2 km) com informações de chuva, como as apresentadas na Figura 1.13. Esses mapas mostram a evolução temporal da distribuição espacial das chuvas.

A Figura 1.14 mostra como pode ser obtido o hietograma composto para a sub-bacia em análise

a partir de informações disponibilizadas pelo radar. Nesta figura, cada quadrícula representa uma área 4 km² e a sub-bacia em questão sofre influência de 4 quadrículas e seu hietograma composto é formado pela ponderação das informações de cada quadrícula.

pela ponderação das informações de cada quadrícula. Figura 1.14 - Esquema representativo da determinação do

Figura 1.14 - Esquema representativo da determinação do Hietograma de uma sub-bacia

da determinação do Hietograma de uma sub-bacia Fundamentos de Hidrologi a • 33 Book 1.indb 33

Fundamentos de Hidrologi a 33

Book 1.indb

33
33
da determinação do Hietograma de uma sub-bacia Fundamentos de Hidrologi a • 33 Book 1.indb 33
da determinação do Hietograma de uma sub-bacia Fundamentos de Hidrologi a • 33 Book 1.indb 33
da determinação do Hietograma de uma sub-bacia Fundamentos de Hidrologi a • 33 Book 1.indb 33

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

Esta metodologia permite determinar um hietograma para cada sub-bacia, que considera a dis- tribuição espacial e temporal da chuva. Esse tipo de análise pode ser feita a partir de uma rede densa de postos pluviométricos ou de informações de radar meteorológico. A utilização de radar meteorológico é um avanço no detalhamento das informações que servem de entrada para o modelo de simulação hidrológica. Diferente do método clássico das isoietas, em que sua precisão depende da densidade da rede de postos pluviométricos, os mapas de chuva determinados pelo radar permitem obter um valor de chuva para cada quadrícula e a rede de postos pluviométricos pode ser utilizada para a validação dos dados. Esse tipo de metodologia permite que os modelos de simulação representem de forma mais rea- lista os eventos ocorridos na bacia hidrográfica, pois a chuva é introduzida na bacia respeitando as informa- ções fornecidas pelo radar. Assim, o avanço e a intensidade da chuva em cada instante e local da bacia são obtidos de forma precisa. Na Figura 1.15 observam-se os hidrogramas obtidos para as chuvas de um ponto discreto e a chuva determinada pelo radar.

de um ponto discreto e a chuva determinada pelo radar. Figura 1.15 - Hidrogramas de saída

Figura 1.15 - Hidrogramas de saída da Sub-bacia analisada obtidos para uma chuva discreta com chuva de projeto e chuva determinada pelo radar

No caso em que foi utilizada apenas a chuva de uma quadrícula, sem considerar a discretização espacial e temporal, o hidrograma resultante apresentou um pico mais acentuado do que o hidrograma

obtido com a chuva do radar. Esta diferença se deve aos hietogramas utilizados como dados de entrada para

o modelo. Quando se utiliza uma informação discreta de chuva para toda a bacia, admite-se que a chuva

ocorreu de forma homogênea em toda a bacia. Esta homogeneidade é improvável, o que ocorre na maioria dos casos é que a chuva seja subestimada ou superestimada. Assim, em bacias hidrográficas urbanas que possuem uma rede de drenagem complexa, com diversas estruturas hidráulicas e sub-bacias, as distribui- ções espacial e temporal apresentam maior interferência no hidrograma resultante, sendo aconselhada a

utilização de dados discretizados no tempo e no espaço.

1.3 VAZÕES DE PROJETO

Em geral, poucas bacias urbanas contam com redes de monitoramento de vazões. Dessa forma,

contam com redes de monitoramento de vazões. Dessa forma, Book 1.indb 34 as vazões de projeto

Book 1.indb

34
34

as

vazões de projeto são normalmente definidas a partir de modelos chuva-vazão, como o método racional,

o

hidrograma unitário, etc. A metodologia geral parte da determinação da chuva de projeto, geralmente a

34

Fundamentos de Hidrologia

geral parte da determinação da chuva de projeto, geralmente a 34 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12
geral parte da determinação da chuva de projeto, geralmente a 34 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12
geral parte da determinação da chuva de projeto, geralmente a 34 • Fundamentos de Hidrologia 23/10/12

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

partir de relações I-D-F, cálculo da chuva excedente (precipitação menos infiltração e outras perdas) e, final- mente, definição do hidrograma ou vazão de projeto.

A obtenção da vazão de projeto passa pela análise criteriosa do escoamento superficial, que inclui

a determinação da vazão de pico, o volume, e a forma do hidrograma bem como o período de retorno as-

sociado a estes valores. Este problema constitui um dos mais importantes fatores de sucesso de um projeto de drenagem urbana. Erros cometidos nessa fase poderão introduzir incoerências graves no planejamento das intervenções na bacia e acarretarão obras sub ou superdimensionadas.

É importante reconhecer também que os valores obtidos nessa análise serão sempre aproximados

devido às incertezas hidrológicas, às simplificações dos métodos disponíveis e aos critérios adotados. Tal fato não justifica, entretanto, atitudes pouco cuidadosas nessa etapa, pois quanto mais meticulosos e sistemáti- cos forem os procedimentos utilizados, menor será a probabilidade de ocorrência de erros comprometedo- res. A melhor forma de evitar problemas quanto às incertezas de natureza hidrológica é elaborar um Plano Diretor de Drenagem Urbana para toda a bacia (Porto et al, 1993). Quando tal plano não existe, a melhor atitude será estudar a hidrologia de toda a bacia, mesmo que o projeto em questão se refira a um trecho limitado do total da área drenada. Nesse caso, dois aspectos devem merecer atenção especial do projetista:

a ocupação futura da bacia, principalmente no que se refere às taxas de impermeabilização e outras intervenções humanas que possam, por exemplo, reduzir o seu tempo de concentração ou levar à ocupação de áreas inadequadas;

efeitos causados pelas obras em estudo a montante e a jusante do trecho da intervenção.

Neste item será dada ênfase à determinação da chuva excedente e à vazão de projeto. Duas abor- dagens são de uso consagrado em hidrologia urbana:

o já clássico método racional, aplicável a bacias urbanas com área de drenagem inferior a 3 km 2 , e;

os métodos baseados na teoria do hidrograma unitário, cuja utilização se recomenda para bacias de maior porte.

Em ambos os casos a vazão de projeto e/ou hidrograma de cheias são determinados a partir de uma tormenta de projeto, da qual são descontadas as diversas perdas que ocorrem na bacia. O período de retorno das vazões é, por hipótese, considerado igual ao período de retorno da tormenta de projeto. Essa hipótese é, em princípio, criticável porque nem sempre as mesmas tormentas acarretam as mesmas vazões, uma vez que as condições antecedentes de umidade do solo e as modificações das con- dições de escoamento da bacia (geralmente significativas em áreas urbanas) alteram as relações entre as chuvas e vazões. Por essa razão, costumam-se adotar valores conservadores da umidade do solo e elaborar previsões sobre as condições futuras de escoamento.

1.3.1 Determinação da Precipitação Excedente

O escoamento superficial direto ou precipitação excedente é a parcela da precipitação total que es-

coa inicialmente pela superfície do solo, concentrando-se em enxurradas e posteriormente em cursos de água maiores e mais bem definidos. A chuva excedente é a maior responsável pelas vazões de cheia principalmente em bacias pequenas e urbanizadas. A Equação 1.8 fornece o volume de escoamento superficial direto.

1.8 fornece o volume de escoamento superficial direto. em que: V e s d é o

em que:

V esd é o escoamento superficial direto AD é a área de drenagem h exc é a lâmina excedente

1.8

a área de drenagem h e x c é a lâmina excedente 1.8 Fundamentos de Hidrologi

Fundamentos de Hidrologi a 35

Book 1.indb

35
35
de drenagem h e x c é a lâmina excedente 1.8 Fundamentos de Hidrologi a •
de drenagem h e x c é a lâmina excedente 1.8 Fundamentos de Hidrologi a •
de drenagem h e x c é a lâmina excedente 1.8 Fundamentos de Hidrologi a •

23/10/12

15:12

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis
MAnuAl de drenAgeM e MAnejo de ÁguAs PluviAis

A impermeabilização do solo, que normalmente acompanha o processo de urbanização altera

dramaticamente a parcela da chuva que escoa superficialmente. Aumentos de hexc da ordem de 300 a 400% não são incomuns quando a bacia passa de uma ocupação natural ou rural para uma ocupação de alto grau de urbanização. Distinguem-se duas abordagens principais para o cálculo da chuva excedente:

a chuva excedente é calculada diretamente por meio de relações funcionais que levam em conta

o total precipitado, o tipo de solo, sua ocupação, umidade antecedente, etc.

1.9

tipo de solo, sua ocupação, umidade antecedente, etc. 1.9 em que: h e x c é

em que:

h exc é a chuva excedente (mm)

P é o total precipitado (mm)

TS, OS, UA são parâmetros que exprimem numericamente o tipo de solo, sua ocupação e umi- dade antecedente.

Esses métodos baseiam-se normalmente em relações empíricas, alguns de frágil fundamentação teórica. São largamente utilizados pois normalmente são de uso fácil e fornecem resultados satisfatórios quando empregados com discernimento. Exemplos típicos dessa classe de métodos são os consagrados métodos do número da curva do SCS e o método do coeficiente de escoamento superficial, utilizado para cálculo das vazões de pico no método racional. No segundo enfoque calculam-se as perdas por infiltração, interceptação, retenção e outras, e a seguir determina-se a chuva excedente pela relação:

1.10

a seguir determina-se a chuva excedente pela relação: 1.10 em que: h p e r d

em que:

h perdas representa o total das perdas acima relacionadas e os outros termos já foram definidos.

Esses métodos baseiam-se em fórmulas de infiltração que procuram representar os processos físicos que ocorrem na camada superior do solo. A maior dificuldade na aplicação destes métodos reside na escolha dos parâmetros das fórmulas de infiltração. As fórmulas de Horton e Green-Ampt, que serão apresentadas adiante, constituem exemplos típicos dessa categoria.

O método do Soil Conservation Service

Um dos métodos de utilização corrente que se aplica especialmente quando não se dispõe de dados hidrológicos é o do Soil Conservation Service (SCS) do Departamento de Agricultura dos Estados

Unidos. Existe uma adaptação do método para os solos do Estado de São Paulo (Setzer et al., 1979), sufi- cientemente abrangente para ser aplicada a solos de outros estados.

A fórmula proposta pelo SCS é a Equação 1.11. O valor de S depende do tipo e da ocupação do

solo e pode ser determinado facilmente por tabelas próprias. A quantidade de 0,2S é uma estimativa de

perdas iniciais (Ai) devidas à interceptação e à retenção em depressões. Por esta razão impõe-se a condição

P > 0,2S.

Por esta razão impõe-se a condição P > 0,2S. Book 1.indb 36 em que: Q é

Book 1.indb

36
36
razão impõe-se a condição P > 0,2S. Book 1.indb 36 em que: Q é o escoamento

em que:

Q é o escoamento superficial direto, em mm;

P

S

é a precipitação, em mm;

é a retenção potencial do solo, em mm.

1.11

36

Fundamentos de Hidrologia

a precipitação, em mm; é a retenção potencial do solo, em mm. 1.11 36 • Fundamentos
a precipitação, em mm; é a retenção potencial do solo, em mm. 1.11 36 • Fundamentos
a precipitação, em mm; é a retenção potencial do solo, em mm. 1.11 36 • Fundamentos

23/10/12

15:12

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos Volume II

Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II
Aspectos Tecnológicos: Fundamentos • Volume II

Para facilitar a solução da equação acima faz-se a mudança de variável representada pela Equa-

ção 1.12.

mudança de variável representada pela Equa- ção 1.12 . 1.12 em que: CN é chamado de

1.12

em que:

CN é chamado de “número de curva” e varia entre 0 e 100.

O parâmetro CN depende basicamente dos seguintes fatores:

Tipo de solo

Condições de uso e ocupação do solo

Umidade antecedente do solo

Tipos de solo e condições de ocupação

O SCS distingue em seu método quatro grupos hidrológicos de solos.

GRUPO A - Solos arenosos com baixo teor de argila total, inferior a uns 8%, não há rocha nem camadas argilosas nem mesmo densificadas até a profundidade de 1,5m. O teor de húmus é muito baixo, não atingindo 1%. GRUPO B - Solos arenosos menos profundos que os do Grupo A e com menor teor de argila total, porém ainda inferior a 15%. No caso de terras roxas esse limite pode subir a 20% graças à maior porosidade. Os dois teores de húmus podem subir, respectivamente, a 1,2 e 1,5%. Não pode haver pedras nem camadas argilosas até 1,5m, mas é quase sempre presente camada mais densificada que a camada superficial. GRUPO C - Solos barrentos com teor total de argila de 20 a 30% mas sem camadas argilosas impermeáveis ou contendo pedras até profundidades de 1,2m. No caso de terras roxas, estes dois limites máximos podem ser 40% e 1,5m. Nota-se a cerca de 60 cm de profundidade camada mais densificada que no Grupo B, mas ainda longe das condições de impermeabilidade. GRUPO D - Solos argilosos (30 - 40% de argila total) e ainda com camada densificada a uns 50 cm de profundidade. Ou solos arenosos como B, mas com camada argilosa quase impermeável ou horizonte de seixos rolados.

Condições de Uso e Ocupação do Solo

A Tabela 1.7 fornece valores de CN para os diferentes tipos de solo e respectivas condições de

ocupação. Essa Tabela refere-se à condição II de umidade antecedente do solo.

Condições de Umidade Antecedente do Solo

O método do SCS distingue três condições de umidade antecedente do solo:

CONDIÇÃO I - solos secos: as chuvas nos últimos 5 dias não ultrapassam 15mm. CONDIÇÃO II - situação média na época das cheias: as chuvas nos últimos 5 dias totalizaram entre 15 e 40 mm. CONDIÇÃO III - solo úmido (próximo da saturação): as chuvas nos últimos 5 dias foram superiores a 40mm e as condições meteorológicas desfavoráveis a altas taxas de evaporação.

A Tabela 1.8 permite converter o valor de CN para condição I ou III, dependendo da situação

que se desejar representar. O roteiro de cálculo para a aplicação do método do SCS percorre usualmente as

seguintes etapas:

do método do SCS percorre usualmente as seguintes etapas: Fundamentos de Hidrologi a • 37 Book

Fundamentos de Hidrologi a 37

Book 1.indb