Sunteți pe pagina 1din 10
Bloco 9 Defeitos de Superfície de Pavimentos Asfálticos ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras
Bloco 9
Defeitos de Superfície de
Pavimentos Asfálticos
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Lista Lista dos dos assuntos assuntos do do CD CD completo completo Este CD contém
Lista Lista dos dos assuntos assuntos do do CD CD
completo completo
Este CD contém 30 aulas, em 10 blocos organizados
por assunto:
Bloco 1 – Introdução
Bloco 2 – Asfaltos
Bloco 3 – Agregados e Fíler
Bloco 4 – Tipos de Revestimentos Asfálticos
Bloco 5 – Dosagem de Misturas Asfálticas e de Tratamento superficial
Bloco 6 – Propriedades Mecânicas de Misturas Asfálticas
Bloco 7 – Materiais de Bases e Soluções de Pavimentação Asfáltica
Bloco 8 – Técnicas Executivas
Bloco 9 – Avaliação de Pavimentos Asfálticos
Bloco 10 – Técnicas de Restauração e Reabilitação de Pavimentos Asfálticos
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
ConceituaçãoConceituação Os Defeitos de Superfície são os danos ou deteriorações na superfície dos pavimentos
ConceituaçãoConceituação
Os Defeitos de Superfície são os
danos ou deteriorações na superfície
dos pavimentos asfálticos que podem
ser identificados a olho nu e
classificados segundo uma terminologia
normalizada.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
AutoriaAutoria As aulas contidas neste CD foram elaboradas pela seguinte equipe de professores: Liedi Légi
AutoriaAutoria
As aulas contidas neste CD foram elaboradas pela
seguinte equipe de professores:
Liedi Légi Bariani Bernucci - Universidade de São Paulo
Jorge Augusto Pereira Ceratti - Universidade Federal do Rio
Grande do Sul
Laura Maria Goretti da Motta - Universidade Federal do Rio de
Janeiro
Jorge Barbosa Soares - Universidade Federal do Ceará
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
ObservaçãoObservação O conteúdo das aulas aqui apresentadas tem caráter educacional e foi elaborado pelos quatro
ObservaçãoObservação
O conteúdo das aulas aqui apresentadas tem caráter educacional e foi
elaborado pelos quatro autores a partir das respectivas experiências
em ensino, pesquisa e extensão. As informações possuem a
contribuição de alunos e profissionais envolvidos nestas atividades.
Na melhor de suas possibilidades, os autores registraram o crédito
devido nas diversas informações, incluindo fotos e figuras. Nenhuma
informação deverá ser entendida como conselho ou recomendação de
qualquer ordem.
Os materiais referidos não poderão ser copiados, reproduzidos,
adaptados, publicados ou distribuídos em qualquer forma sem o
consentimento prévio dos autores.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
FinalidadesFinalidades O levantamento dos Defeitos de Superfície é realizado para poder avaliar o estado de
FinalidadesFinalidades
O levantamento dos Defeitos de Superfície é
realizado para poder avaliar o estado de conservação
dos pavimentos asfálticos.
Em caso de necessidade de Restauração do
pavimento, a análise dos defeitos embasa o
diagnóstico do problema para subsidiar uma solução
tecnicamente adequada.
Em caso de Gerência de Pavimentos ou de
Manutenção, o conjunto de defeitos de um dado
trecho pode ser resumido por índices que auxiliem
na hierarquização de necessidades e alternativas.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
DefeitosDefeitos dede PavimentosPavimentos Danos Precoces: aparecem nos primeiros meses até cerca de um ou dois
DefeitosDefeitos dede PavimentosPavimentos
Danos Precoces: aparecem nos primeiros
meses até cerca de um ou dois anos após a
execução do pavimento.
Danos de Médio e Longo Prazos: ocorrem
após anos de operação da via até o final da
vida útil estipulada em projeto.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos 1. Erros de projeto Exemplo:
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
1. Erros de projeto
Exemplo: Dificuldade de prever tráfego real que atuará no
período de projeto por:
– Falta de contagens e dados de tráfego local e de utilização
das vias da região;
– Falta de planejamento estratégico regional, levando ao
desconhecimento das perspectivas de crescimento real;
– Uso não previsto em projeto (uso como via alternativa pelo
maior conforto ao rolamento ou por não ser pedagiada),
levando em geral ao excesso de tráfego.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos 2. Erros ou inadequações na
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
2. Erros ou inadequações na seleção de materiais
ou na dosagem de materiais
Exemplos:
– Seleção incorreta de solo para reforços de subleito(ex:
solos muitos resilientes).
– Seleção imprópria de agregados e de graduação para
compor bases e sub-bases (ex: escoria de aciaria ainda
apresentando expansibilidade; agregados de capa de
pedreiras).
– Seleção imprópria do tipo de solo ou dosagem inadequada
para solo-brita (ex: dosagem inexeqüíveis em campo).
– Dosagem errada de materiais estabilizados com cimento
ou cal.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos Os defeitos de pavimentos asfálticos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
Os defeitos de pavimentos asfálticos decorrem de:
1. Erros de projeto.
2. Erros ou inadequações na seleção de materiais ou na
dosagem de materiais.
3. Erros ou inadequações construtivas.
4. Erros ou inadequações nas alternativas de conservação
e manutenção.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos 1. Erros de projeto Exemplo:
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
1. Erros de projeto
Exemplo: Erros ou problemas no dimensionamento estrutural:
– Incompatibilidade estrutural entre as camadas gerando fadiga
precoce dos revestimentos (ex: revestimento asfáltico com módulo
de resiliência muito elevado – alta rigidez, e muito delgado sobre
camadas muito resilientes ou elásticas, com alta deflexão);
– Especificação de material inexistente ou de difícil disponibilidade
local, obrigando a substituições incorretas durante a obra;
– Concepção estrutural que permita aprisionamento de água na
estrutura de pavimento (ex: base drenante sobre subleito
impermeável, acostamentos com base impermeáveis e falta de
drenagem apropriada);
– Sub-dimensionamento estrutural.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos 2. Erros ou inadequações na
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
2. Erros ou inadequações na seleção de materiais ou na
dosagem de materiais
Exemplos:
– Dosagem errada do teor de ligante asfáltico de misturas
asfálticas:
excesso de ligante, causando fluência excessiva, escorregamentos
de massa, exsudação ou deformação permanente;
falta de ligante, causando excesso de vazios com ar e
desagregação ou trincamento precoces.
– Variações de materiais e teores durante usinagem.
– Uso de ligante inadequado para as condições ambientais ou de
tráfego
– Uso de temperatura inadequada na usinagem das misturas.
– Uso de faixa granulométrica inadequada
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos 3. Erros ou inadequações construtivas
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
3. Erros ou inadequações construtivas
Exemplos:
– Falta de compactação apropriada das camadas, causando
deformações e afundamentos excessivos ou rupturas
localizadas.
– Técnica de compactação inadequada, com uso de
equipamentos de baixa eficiência.
– Compactação de misturas asfálticas em temperaturas
inadequadas, ou variabilidade de temperatura na massa
asfáltica durante o processo de compactação.
– Erros nas taxas de imprimação impermeabilizante ou ligante.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Importância Importância do do Diagnóstico Diagnóstico Geral Geral Importância da busca das prováveis causas:
Importância Importância do do
Diagnóstico Diagnóstico Geral Geral
Importância da busca das prováveis causas:
Verificação “in situ” dos problemas do trecho ou da
via, e das condições geométricas, dos taludes e de
drenagem.
Levantamento de dados climáticos, de tráfego e de
mapas geológicos, pedológicos ou geotécnicos.
Levantamento de memórias técnicas e de relatórios
de projeto e de controle.
Estabelecimento de cenário global de defeitos e
relação com todos os dados.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TiposTipos dede DefeitosDefeitos A. Fendas (fissuras e trincas) – DNIT 005/2003 TER Qualquer descontinuidade na
TiposTipos dede DefeitosDefeitos
A. Fendas (fissuras e trincas) – DNIT 005/2003 TER
Qualquer descontinuidade na superfície do
pavimento que conduza a aberturas de menor ou
maior porte:
– Fissuras: fenda de largura capilar, perceptível a olho
nu apenas a distâncias inferiores a 1,5 metros.
– Trinca: fenda facilmente visível a olho nu.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos Asfálticos Asfálticos 4. Erros ou inadequações nas
Os Os Defeitos Defeitos de de Pavimentos Pavimentos
Asfálticos Asfálticos
4. Erros ou inadequações nas alternativas de
conservação e manutenção
Exemplos:
– Reforço de revestimento asfáltico delgado e rígido sobre
pavimento muito trincado, possibilitando rapidamente a
reflexão de trincas.
– Uso de tratamentos superficiais delgados para redução
de irregularidade.
– Uso de revestimentos asfálticos permeáveis sobre
pavimento trincado sem tratamentos de
impermeabilização
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
NormasNormas Métodos de Levantamento Sistemático de Defeitos de Superfície em Pavimentos Asfálticos Norma DNIT
NormasNormas
Métodos de Levantamento Sistemático de Defeitos
de Superfície em Pavimentos Asfálticos
Norma DNIT 005/2003 – TER (substituindo DNER-
TER 01-78) - Defeitos nos pavimentos flexíveis e
semi-rígidos: terminologia.
Norma DNIT 006/2003 – PRO (substituindo a DNER
PRO 08-94) - Avaliação objetiva da superfície de
pavimentos flexíveis e semi-rígidos: procedimento.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TiposTipos dede DefeitosDefeitos A. Fendas: Tipos Fissura (FI). Trinca Longitudinal Curta (TLC) ou Longa (TLL).
TiposTipos dede DefeitosDefeitos
A. Fendas: Tipos
Fissura (FI).
Trinca Longitudinal Curta (TLC) ou Longa (TLL).
Trinca Transversal Curta (TTC) ou Longa (TTL).
Trincas Interligadas tipo “Couro de Jacaré”, sem erosão
acentuada nas bordas (J) ou com erosão (JE).
Trinca Isolada de Retração (TRR).
Trincas Interligadas tipo “Bloco”, sem erosão acentuada
nas bordas (TB) ou com erosão (TBE).
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TiposTipos dede DefeitosDefeitos A. Fendas: Classe das Fendas FC-1: trincas cujas aberturas são menores que
TiposTipos dede DefeitosDefeitos
A. Fendas: Classe das Fendas
FC-1: trincas cujas aberturas são menores que 1,0mm.
FC-2: trincas cujas aberturas são superiores a 1,0mm, sem
erosão nas bordas.
FC-3: trincas cujas aberturas são superiores a 1,0mm, com
erosão nas bordas.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas TLL - Trinca Longitudinal Longa (devido ao tráfego) ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas
TrincasTrincas
TLL - Trinca
Longitudinal Longa
(devido ao tráfego)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas TLL - Trinca Longitudinal Longa (Problemas de drenagem e infiltração de água) ASFALTOS Associação
TrincasTrincas
TLL - Trinca Longitudinal Longa
(Problemas de drenagem e infiltração de água)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
FissurasFissuras ee TrincasTrincas TLC - Trinca isolada Longitudinal Curta (até 100 cm de extensão) TRR
FissurasFissuras ee TrincasTrincas
TLC - Trinca isolada Longitudinal Curta
(até 100 cm de extensão)
TRR - Trinca de Retração Térmica
(temperaturas baixas)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TLL - Trinca Longitudinal Longa (junta construtiva) TrincasTrincas TLL - Trinca Longitudinal Longa (Movimentação do
TLL - Trinca Longitudinal Longa
(junta construtiva)
TrincasTrincas
TLL - Trinca Longitudinal Longa
(Movimentação do aterro)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas TLL - Trincas Longitudinais Longas – FC2 (ruptura por solicitação do tráfego: queda de
TrincasTrincas
TLL - Trincas Longitudinais Longas – FC2
(ruptura por solicitação do tráfego: queda de
resistência da base por aumento de umidade
vinda do acostamento permeável)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas Trinca não atribuída à fadiga - Reflexão das trincas da base TBE - Trinca
TrincasTrincas
Trinca não atribuída à fadiga -
Reflexão das trincas da base
TBE - Trinca interligada de Bloco com Erosão
Base de solo-cal
TB - Trinca interligada de Bloco
sem erosão
Base de solo-cimento
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas Reflexão de trincas da base – revestimento asfáltico sobre antigas placas de concreto de
TrincasTrincas
Reflexão de trincas da base – revestimento asfáltico
sobre antigas placas de concreto de cimento Portland
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas erosão JE - trinca interligada “Jacaré” com Erosão acentuada JE - trinca interligada
TrincasTrincas
erosão
JE - trinca interligada “Jacaré”
com Erosão acentuada
JE - trinca interligada
“Jacaré” com início de
Erosão nas bordas
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas Trinca não atribuída à fadiga - Reflexão de base TB - Trinca interligada de
TrincasTrincas
Trinca não atribuída à fadiga -
Reflexão de base
TB - Trinca interligada
de Bloco sem erosão
Base de
paralelepípedos
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TrincasTrincas Trincas interligadas - “jacaré” decorrentes de fadiga Vista Geral Detalhe J - trinca interligada
TrincasTrincas
Trincas interligadas -
“jacaré” decorrentes de fadiga
Vista Geral
Detalhe
J - trinca interligada “Jacaré” sem erosão
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
TiposTipos dede DefeitosDefeitos B. Afundamentos – DNIT 005/2003 TER Devido à fluência plástica de uma
TiposTipos dede DefeitosDefeitos
B. Afundamentos – DNIT 005/2003 TER
Devido à fluência plástica de uma ou mais camadas, ou ainda
do subleito:
Local: afundamento localizado, atingindo extensão de até
6
metros;
Trilha: afundamento localizado na região de trilhas de
roda, com mais de 6 metros de extensão.
Devido à consolidação diferencial ocorrente em camadas do
pavimento ou do subleito:
Local: afundamento localizado, atingindo extensão de até
6 metros;
Trilha: afundamento localizado na região de trilhas de
roda, com mais de 6 metros de extensão.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Afundamentos Afundamentos Plásticos Plásticos Longitudinais Longitudinais nas nas Trilhas Trilhas de de Roda Roda ATP
Afundamentos Afundamentos Plásticos Plásticos
Longitudinais Longitudinais nas nas Trilhas Trilhas de de Roda Roda
ATP - Afundamento na Trilha Plástico
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Afundamentos Afundamentos Plásticos Plásticos Localizados Localizados ALP - Afundamento Local Plástico Foto:
Afundamentos Afundamentos
Plásticos Plásticos Localizados Localizados
ALP - Afundamento
Local Plástico
Foto: Patricia Barboza da Silva
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Afundamentos Afundamentos de de Consolidação Consolidação Localizados Localizados ALC - Afundamento Local de
Afundamentos Afundamentos de de
Consolidação Consolidação Localizados Localizados
ALC - Afundamento
Local de
Consolidação
Foto: Edson de Moura
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Afundamentos Afundamentos Plásticos Plásticos Longitudinais Longitudinais nas nas Trilhas Trilhas de de Roda Roda ATP
Afundamentos Afundamentos Plásticos Plásticos
Longitudinais Longitudinais nas nas Trilhas Trilhas de de Roda Roda
ATP - Afundamento na Trilha Plástico
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Afundamentos Afundamentos de de Consolidação Consolidação nas nas Trilhas Trilhas de de Roda Roda ATP
Afundamentos Afundamentos de de Consolidação Consolidação
nas nas Trilhas Trilhas de de Roda Roda
ATP -
Afundamento
em Trilha por
Consolidação
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Escorregamento Escorregamento de de “Massa” “Massa” devido devido à à Fluência Fluência E - Escorregamento
Escorregamento Escorregamento de de
“Massa” “Massa” devido devido à à Fluência Fluência
E - Escorregamento
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Escorregamento Escorregamento do do Revestimento Revestimento por por Deficiência Deficiência na na Pintura Pintura de
Escorregamento Escorregamento do do Revestimento Revestimento por por
Deficiência Deficiência na na Pintura Pintura de de Ligação Ligação
E - Escorregamento
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
CorrugaçãoCorrugação ee OndulaçãoOndulação O - corrugação (pequeno comprimento de onda: ordem de
CorrugaçãoCorrugação ee OndulaçãoOndulação
O - corrugação
(pequeno comprimento de onda:
ordem de centímetros)
(principalmente por fluência ou instabilidade)
O - ondulação
(grande comprimento de onda:
ordem de metro)
(principalmente por
adensamento diferencial do
subleito ou drenagem deficiente
do subleito)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Descolamento devido a Problemas Descolamento devido a Problemas de de Adesividade Adesividade entre entre Ligante
Descolamento devido a Problemas
Descolamento devido a Problemas
de de Adesividade Adesividade entre entre Ligante Ligante
Asfáltico Asfáltico e e Agregado Agregado
D - Descolamento
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Exsudação Exsudação do do Ligante Ligante Asfáltico Asfáltico EX - exsudação Foto: Edson de Moura
Exsudação Exsudação do do Ligante Ligante
Asfáltico Asfáltico
EX - exsudação
Foto: Edson de Moura
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
CorrugaçãoCorrugação O - corrugação (pequeno comprimento de onda: ordem de centímetros) ASFALTOS Associação
CorrugaçãoCorrugação
O - corrugação
(pequeno comprimento de onda:
ordem de centímetros)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Desagregação Desagregação ou ou Desgaste Desgaste Polimento Polimento de de Agregados Agregados D - Desgaste
Desagregação Desagregação ou ou Desgaste Desgaste
Polimento Polimento de de Agregados Agregados
D - Desgaste – remoção
de ligante e mástique
Foto: Patrícia Barboza da Silva
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Desagregação Desagregação ou ou Desgaste Desgaste Polimento Polimento de de Agregados Agregados D - Desgaste
Desagregação Desagregação ou ou Desgaste Desgaste
Polimento Polimento de de Agregados Agregados
D - Desgaste – remoção
de ligante e mástique
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
PanelasPanelas P - Panela ou buraco ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
PanelasPanelas
P - Panela ou buraco
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
PanelasPanelas P - Panela ou buraco (remoção do tratamento superficial asfáltico da base) ASFALTOS Associação
PanelasPanelas
P - Panela ou buraco
(remoção do tratamento superficial asfáltico da base)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Desagregação Desagregação ou ou Desgaste Desgaste Polimento Polimento de de Agregados Agregados D - Desgaste
Desagregação Desagregação ou ou Desgaste Desgaste
Polimento Polimento de de Agregados Agregados
D - Desgaste – remoção
de ligante e mástique
e Polimento do agregado
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
PanelasPanelas P - Panela ou buraco (remoção do revestimento asfáltico da camada asfáltica subjacente) ASFALTOS
PanelasPanelas
P - Panela ou buraco
(remoção do revestimento asfáltico
da camada asfáltica subjacente)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
RemendosRemendos RS - Remendo Superficial RP - Remendo Profundo P - Panela Foto: Daniel Rodrigues
RemendosRemendos
RS - Remendo Superficial
RP - Remendo Profundo
P - Panela
Foto: Daniel Rodrigues Aldiguieri
R - Remendo
R - Remendo
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
RemendosRemendos R - Remendo ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
RemendosRemendos
R - Remendo
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Outros Outros Defeitos Defeitos que que Não Não Constam Constam da da Norma Norma DNIT
Outros Outros Defeitos Defeitos que que Não Não Constam Constam
da da Norma Norma DNIT DNIT 005/2003 005/2003 TER TER
Segregação - concentração de agregados graúdos
decorrente de separação dos mesmos do mástique
asfáltico.
Bombeamento de finos - surgimento de finos na
superfície, que sobem pela ação da água, que, sob
pressão devido ao tráfego, vem à superfície pela
trincas do revestimento asfáltico.
Falha de bico em tratamentos superficiais - gerado
pela ausência ou redução de taxa de emulsão ou CAP
nos tratamentos superficiais, provocando o
desprendimento de agregados.
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
BombeamentoBombeamento dede FinosFinos Finos Foto: Patrícia Barboza da Silva Foto: Valmir Bonfim ASFALTOS
BombeamentoBombeamento dede FinosFinos
Finos
Foto: Patrícia Barboza da Silva
Foto: Valmir Bonfim
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
RemendosRemendos R - Remendo (em grandes áreas) ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de
RemendosRemendos
R - Remendo (em grandes áreas)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
SegregaçãoSegregação Concentração de agregados graúdos decorrente de separação dos mesmos do mástique
SegregaçãoSegregação
Concentração de agregados graúdos decorrente de separação dos
mesmos do mástique asfáltico – por problemas de graduação, usinagem
ou temperatura heterogênea na aplicação
Segregação
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Falha Falha de de Bico Bico – – Redução Redução ou ou Ausência Ausência Localizada
Falha Falha de de Bico Bico – – Redução Redução ou ou Ausência Ausência
Localizada Localizada de de Ligante Ligante Asfáltico Asfáltico
Falha
(falta ligante para
fixar os agregados)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Redução Redução ou ou Ausência Ausência Localizada Localizada de de Ligante Ligante Asfáltico Asfáltico –
Redução Redução ou ou Ausência Ausência Localizada Localizada de de Ligante Ligante
Asfáltico Asfáltico – – Falta Falta de de Fixação Fixação dos dos Agregados Agregados
––
Pneus de
caminhões
passaram sobre
a emulsão logo
após aplicação
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos
Afundamento Afundamento por por Consolidação Consolidação Diferencial Diferencial Local de recalque (galeria de
Afundamento Afundamento por por Consolidação Consolidação
Diferencial Diferencial
Local de recalque
(galeria de água canalizada e pista com consolidação)
ASFALTOS
Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos