Sunteți pe pagina 1din 25

MECÂNICA APLICADA

Prof. Michel Sadalla Filho

Centros de Gravidade, Centro de Massa,

Centróides de uma figura plana

Referências

DOC 06

14 Fev

2013

Ver. 01

HIBBELER, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education

do Brasil, 2005, 540p.

ELIAS, Moisés; CHAVES, Wanrley Coleção Abril FÍSICA Volumes 29/30 1978, São Paulo.

GASPAR,

Materiais.

Ricardo:

Mecânica

dos

BEER, Ferdinand P; JOHNSTON Jr, E. Russel; EISENBERG, Elliot Berg:

Mecânica Vetorial para Engenheiros Mc Graw Hill, 7ª Edição,2006

INTRODUÇÃO

Os conceitos de CENTRO DE GRAVIDADE, CENTRO DE MASSA e CENTRÓIDE, muitas vezes são utilizados como se fossem a mesma coisa, pois, na prática são originários de um mesmo princípio, o desenvolvimento do primeiro, leva aos outros dois,

com algumas particularidades.

Antes,

porém,

vamos

retomar

o

TEOREMA

DE

VARIGON,

utilizado para desenvolver o conceito de centro de gravidade.

TEOREMA DE VARIGNON

“O momento da resultante de um sistema de forças coplanares, em relação a um ponto qualquer de seu plano, é

igual a soma algébrica dos momentos parciais das forças

constituintes do sistema em relação ao mesmo ponto.

TEOREMA DE VARIGNON

EXEMPLO

O sistema abaixo, compõem-se de uma viga com as três forças

indicadas (F1, F2, F3),

M RO = - 33 N.m (sentido horário)

e

tendo como

resultantes:

F R

14

N

=

-

+

(sentido horário) e tendo como resultantes: F R 14 N = - + Σ M 0

ΣM 0 = (3x1) (12x3)

+ Σ M 0 = ( 3 x 1 ) – ( 1 2 x 3

ΣM 0 = 3 36

M Ro = - 33 N.m

Determinação do ponto (X G ) onde se pode colocar a F R que terá o mesmo efeito de translação e rotação.

M R0 = F R . X G

-33 = -14N . X G

X G = -33/-14 = 2,4m

CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE

UMA FIGURA PLANA

BARRA PRISMÁTICA

DE UMA FIGURA PLANA B A R R A P R I S M Á T

Secção longitudinal

DE UMA FIGURA PLANA B A R R A P R I S M Á T
DE UMA FIGURA PLANA B A R R A P R I S M Á T

Secção transversal

4

CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS

DE UMA FIGURA PLANA

1.

Área

2.

Momento Estático de Área

3.

Centro de Gravidade; Centro de Massa, Centróide

4.

Momento de Inércia

5.

Raio de Giração

1 - ÁREA de uma figura plana é a superfície limitada pelo seu contorno.

Unidade de área: [L 2 ] unidade de comprimento ao quadrado

outras

Sistema Internacional [m 2 ] unidades: in 2 ; cm 2 ; mm 2

A

a

determinação das tensões normais

das

de tração e compressão

tensões de cisalhamento ou corte (τ)

área

é

utilizada

para

(σ)

e

ou corte ( τ ) área é utilizada para ( σ ) e A = π

A = π R 2

corte ( τ ) área é utilizada para ( σ ) e A = π R

a

( τ ) área é utilizada para ( σ ) e A = π R 2

a

A = a 2

área é utilizada para ( σ ) e A = π R 2 a a A

b

h A = b.h

A = π (R 2 r 2 )

para ( σ ) e A = π R 2 a a A = a 2

A = (b+B)/2 . h

para ( σ ) e A = π R 2 a a A = a 2

A = b.h/2

6

3.1 CENTRO DE GRAVIDADE

Seja sistema três partículas de pesos P1,

P2 e P3, conforme mostrado na figura ao lado. Aplicando o Teorema de Varignon ponto O:

- P. X G = - P 1 .x 1 - P 2 .x 2 - P 3 .x 3

P. X G = P 1 .x 1 +P 2 .x 2 + P 3 .x 3

X G = P 1 .x 1 + P 2 .x 2 + P 3 .x 3

P

( 05 )

. x 1 + P 2 . x 2 + P 3 . x 3 P
. x 1 + P 2 . x 2 + P 3 . x 3 P

X G = m 1 .g.x 1 + m 2 .g.x 2 + m 3 . g.x 3

1 . g . x 1 + m 2 .g.x 2 + m 3 . g.x
1 . g . x 1 + m 2 .g.x 2 + m 3 . g.x

m.g

Como m = m 1 + m 2 + m 3

+ m 3 . g.x 3 m.g Como m = m 1 + m 2 +
+ m 3 . g.x 3 m.g Como m = m 1 + m 2 +

X G =

m 1 .x 1 +

m 2 .x 2 + m 3 .x 3

( 06 )

m 1 +

m 2 .+ m 3

Também denominada de centro de massa

3.1 CENTRO DE GRAVIDADE / CENTRO DE MASSA

Girando-se o sistema de partículas de 90º e no sentido horário, mantêm-se a mesma relação
Girando-se o sistema de partículas de
90º e no sentido horário, mantêm-se a
mesma relação das forças-pesos
destas partículas.
Analogamente, a ordenada YG da
linha de ação da resultante será dada
por:
( 07 )

CENTRO DE GRAVIDADE: quando se utiliza as forças-pesos CENTRO DE MASSA: quando se utiliza as massas Mas ambos são conceitos semelhantes, na prática se diz Centro de Gravidade, ou ainda o termo CG

3.2 CENTRÓIDE DE UMA SUPERFÍCIE

Quando consideramos uma superfície (figura

no plano XY) ao invés de um corpo sólido

(volume), a expressão centro de gravidade é

denominada por alguns autores de CENTRÓIDE, ou ainda de BARICENTRO de uma superfície.

Utilizando o conceito de densidade (d)

d = m / V

m = d . V =

d . A. h

Para casos de densidade homogênea (mesmo

material) e superfícies de mesma espessura (h), as expressões ( 06) e (07) desenvolvidas para o centro de gravidade:

( 06) e (07) desenvolvidas para o centro de gravidade: X C G = d h
( 06) e (07) desenvolvidas para o centro de gravidade: X C G = d h

X CG = d h (X 1 A1 + X 2 A 2 +

X 3 A 3 )

G = d h (X 1 A1 + X 2 A 2 + X 3 A

d. h. (A 1 + A 2 + A 3 )

+ X 3 A 3 ) d. h. (A 1 + A 2 + A 3

X CG = X 1 . A 1 + X 2 A 2 + X 3 A 3

A 1 + A 2 + A n

( 08 )

ANALOGAMENTE,

Y CG =

Y 1 . A 1 + Y 2 A 2 + .Y 3 A 3

A 1 + A 2 + A 3

( 09 )

9

3.2 CENTRO DE GRAVIDADE / CENTRÓIDE DE UMA SUPERFÍCIE

Se ao invés de três elementos em que a área é dividida, aumentarmos para n elementos, as equações (8) e (9) ficam:

X CG = X 1 . A 1 + X 2 A 2 +

X n A n

A 1 + A 2 +

A n

( 10 )

Y CG = Y 1 . A 1 + Y 2 A 2 +

Y n A n

A 1 + A 2 +

A n

( 11)

Considerando a totalidade das partículas, temos:

X CG

=

x dA

A

( 12 )

Y CG =

Y dA

A

( 13)

Na prática usamos as equações (10) e (11) que também são expressas por

= ∫ Y dA A ( 13) Na prática usamos as equações (10) e (11) que

( 14 )

= ∫ Y dA A ( 13) Na prática usamos as equações (10) e (11) que

( 15 )

10

CENTRO GRAVIDADE composição de figuras

No exemplo abaixo, desmembramos a figura (a) em duas formas:

3 Fig (a) 2 1 X CG =
3
Fig (a)
2
1
X CG =

Fig (a)

1

4

5

X CG =

X 1 A 1 + X 2 A 2 + X 3 A 3

A 1 + A 2 +

A 3

Analogamente

para Y CG

X 1 A 1 + X 4 A 4 - X 5 A 5

A 1 + A 4 -

A 5

CENTRO DE GRAVIDADE / CENTRÓIDES

Algumas observações

1.

Para este curso, utilizaremos a expressão centro de

gravidade com mesmo significado de centróide de uma superfície plana, ou ainda baricentro.

2.

trabalharemos no plano XY

3.

existem diversas notações para expressar o centro de gravidade:

X G ;

X CG e

diversas notações para expressar o centro de gravidade: X G ; X C G e analogamente

analogamente

Y G ;

Y CG e

diversas notações para expressar o centro de gravidade: X G ; X C G e analogamente

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS

Retângulo

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Retângulo Quadrado Triângulo 13
CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Retângulo Quadrado Triângulo 13

Quadrado

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Retângulo Quadrado Triângulo 13
CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Retângulo Quadrado Triângulo 13

Triângulo

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Retângulo Quadrado Triângulo 13
CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Retângulo Quadrado Triângulo 13

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS

Círculo

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Círculo ¼ Círculo Semicírculo 14
CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Círculo ¼ Círculo Semicírculo 14

¼ Círculo

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Círculo ¼ Círculo Semicírculo 14
CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Círculo ¼ Círculo Semicírculo 14

Semicírculo

CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Círculo ¼ Círculo Semicírculo 14
CENTROS DE GRAVIDADE (CENTRÓIDES) DE SUPERFÍCIES PLANAS Círculo ¼ Círculo Semicírculo 14

14

EXEMPLO 1: Localize o CG da figura abaixo

15
15

EXEMPLO 1 - Solução

EXEMPLO 1 - Solução 16
EXEMPLO 1 - Solução 16
EXEMPLO 1 - Solução 16
EXEMPLO 1 - Solução 16

EXEMPLO 2: Localizar e calcular o centróide da peça abaixo.

EXEMPLO 2: Localizar e calcular o centróide da peça abaixo . 17
EXEMPLO 2: Localizar e calcular o centróide da peça abaixo . 17

17

EXEMPLO 2 Solução

EXEMPLO 2 – Solução 18
EXEMPLO 2 – Solução 18
EXEMPLO 2 – Solução 18
EXEMPLO 2 – Solução 18

EXEMPLO 3 Localizar o centróide da figura abaixo

EXEMPLO 3 – Localizar o centróide da figura abaixo

EXEMPLO 3 Solução

EXEMPLO 3 – Solução 20
EXEMPLO 3 – Solução 20
EXEMPLO 3 – Solução 20

20

EXEMPLO 4 Determinar o centro de gravidade da figura, utilizando o Momento Estático de Área

gravidade da figura, utilizando o Momento Estático de Área Na direção x há simetria SOLUÇÃO 1

Na direção x há simetria

SOLUÇÃO

1 Cálculo das Áreas:

Na direção x há simetria SOLUÇÃO 1 – Cálculo das Áreas : 3- Cálculo do CG

3- Cálculo do CG

Y CG

Y CG = 7,36 cm

Na direção x há simetria SOLUÇÃO 1 – Cálculo das Áreas : 3- Cálculo do CG

EXEMPLO 5 Determinar o Centro de Gravidade utilizando Momento Estático de Área

o Centro de Gravidade utilizando Momento Estático de Área SOLUÇÃO 1- ÁREA A Figura hachurada pode

SOLUÇÃO

1- ÁREA

A Figura hachurada pode ser o resul- tado de um retângulo (12×6) cm 2 do qual foram retirados um triângulo

e um semicírculo.

RESPOSTAS CENTRO DE GRAVIDADE

um retângulo (12×6) cm 2 do qual foram retirados um triângulo e um semicírculo. RESPOSTAS CENTRO
um retângulo (12×6) cm 2 do qual foram retirados um triângulo e um semicírculo. RESPOSTAS CENTRO
um retângulo (12×6) cm 2 do qual foram retirados um triângulo e um semicírculo. RESPOSTAS CENTRO
um retângulo (12×6) cm 2 do qual foram retirados um triângulo e um semicírculo. RESPOSTAS CENTRO

22

EXERCÍCIOS Calcular o CG das figuras abaixo:

Ex. 01

EXERCÍCIOS – Calcular o CG das figuras abaixo: Ex. 01 Ex. 02 A 1 = a

Ex. 02

– Calcular o CG das figuras abaixo: Ex. 01 Ex. 02 A 1 = a 2

A 1 = a 2 ;

x 1 = a/2;

y 1 = a/2

A 2 = a 2 /2 ; x 2 =4a/3;

y 2 =a/3

X G = 0,777a; Y G = 0,444a

1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2
1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2
1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2

Ex. 03

1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2
1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2
1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2
1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2
1 = a/2; y 1 = a/2 A 2 = a 2 /2 ; x 2

23

EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE

Ex. 04

EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24

Ex. 05

EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24
EXERCÍCIOS CENTRO DE GRAVIDADE Ex. 04 E x . 0 5 24

24

EXERCÍCIOS CENTRO GRAVIDADE

EX. 06 Calcule o centro de gravidade da figura abaixo

(repare que a figura pode ser expressa pela composição de duas outras)

o centro de gravidade da figura abaixo (repare que a figura pode ser expressa pela composição

=

o centro de gravidade da figura abaixo (repare que a figura pode ser expressa pela composição

-

o centro de gravidade da figura abaixo (repare que a figura pode ser expressa pela composição

25