Sunteți pe pagina 1din 68
NOVEMBRO–DEZEMBRO 2011 • ANO XLIV • Nº 333 O. Pode ser aberto pelos Correios. ORGULHO

NOVEMBRO–DEZEMBRO

NOVEMBRO–DEZEMBRO 2011 • ANO XLIV • Nº 333 O. Pode ser aberto pelos Correios. ORGULHO O

2011

ANO

XLIV

333

O. Pode ser aberto pelos Correios.
O. Pode ser aberto pelos Correios.

ORGULHO

O caminho mais curto para o tombo

ALDERI SOUZA DE MATOS

O MAL quE ExIStE EM nóS

PAUL FRESTON

COMO SERá A IGREjA EvAnGéLICA DE 2040?

RUBEM AMORESE

O PROCESSO DO MILAGRE

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

1

2

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Haakon Birkeland
Haakon Birkeland

O diabo anda por aí

A berturA

J ó 1.7 nos leva a 1 Pedro 5.8 e 1 Pedro 5.8 nos leva a Jó 1.7. Na primeira passagem, Deus pergunta

ao diabo: “De onde você vem vindo?”. E o anjo caído responde: “Estive dando uma volta pela terra, passeando por aqui e por ali”. Na segunda, Pedro exorta: “Estejam alertas e fiquem vigiando porque o inimigo de vocês, o diabo, anda por aí como um leão que ruge, procurando alguém para devorar”. Enquanto a NTLH diz que o diabo “anda por aí”, outras versões preferem dizer que o anjo caído “ronda em volta” (NBV) ou “gira continuamente”

(J. B. Phillips). Em outras palavras, o diabo existe,

o diabo está solto, o diabo é inimigo (o mesmo que

aparece na parábola do joio), o diabo não para, o diabo quer fazer vítimas.

A denúncia de Simão Pedro é ex cathedra, isto é,

ele fala com autoridade, pois foi uma das pessoas que

o diabo procurou e conseguiu abocanhar, na casa do

sumo sacerdote Caifás, na Sexta-Feira da Paixão, pela

manhã (Mt 26.69-75). As voltas do diabo pela terra têm o propósito de descobrir brechas ou fendas no caráter dos cristãos pelas quais possa entrar. O diabo é um catador de rachaduras nas paredes e de goteiras nos telhados. A

figura da brecha é usada pelos profetas: “Vocês rejeitam

a minha mensagem e põem a sua confiança e a sua fé

na violência e na mentira [e] esse pecado será como uma brecha que vai se abrindo num muro alto: de repente, o muro desmorona” (Is 30.13).

O amor ao dinheiro foi a grande brecha no caráter

de Judas. O Evangelho segundo João registra: “Assim

que Judas recebeu o pão [a senha pela qual o traidor seria revelado], Satanás entrou nele” (Jo 13.27). Não houve mais jeito. Horas depois, Judas “foi e se enforcou” (Mt 27.5).

É preciso tomar cuidado com as rachaduras da

vida. Talvez a mais comum e a mais perigosa de todas seja a busca de nome, de poder, de posições cada vez

mais altas e de glória. Essa sede é inata. O seu “quase ápice” é quando alguém se passa por Deus. E o ápice é quando alguém se julga mais do que Deus. As andanças do diabo “por aí” ou “por aqui e por ali” podem ser vistas nas palavras de Jesus. O Senhor se refere a um espírito imundo que sai de um homem, vai para um lugar deserto em busca de repouso e, algum tempo depois, volta ao lugar anterior (Mt 12.43-45). Já que a realidade, por enquanto, é esta, Pedro ordena: “Tenham autocontrole e fiquem alertas” (na tradução de Simon Kistemaker). É necessário enfrentar o diabo. Tiago aconselha a mesma providência e garante: “Enfrentem o diabo e ele fugirá de vocês” (Tg 4.7).

É essa vitória específica que nós cantamos no

“Castelo forte”, de Lutero:

Se nos quiserem devorar

demônios não contados, não nos iriam derrotar.

Nem ver-nos assustados.

O príncipe do mal,

com seu plano infernal,

já condenado está!

Vencido cairá por uma só palavra!

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

3

fuNDADA EM 1968 ISSN 1415-3165 Revista Ultimato – Ano XLIV – Nº 333 Novembro-Dezembro 2011

fuNDADA EM 1968

ISSN 1415-3165 Revista Ultimato – Ano XLIV – Nº 333 Novembro-Dezembro 2011 www.ultimato.com.br

Publicação evangélica destinada à evangelização e edificação, não denominacional, Ultimato relaciona Escritura com Escritura e acontecimentos com Escrituras. Visa contribuir para criar uma mentalidade bíblica e estimular a arte de encarar os acontecimentos sob uma perspectiva cristã. Pretende associar a teoria com a prática, a fé com as obras, a evangelização com a ação social, a oração com a ação, a conversão com santidade de vida, o suor de hoje com a glória por vir. Circula em meses ímpares

Diretor de redação e jornalista responsável:

Elben M. Lenz César – MTb 13.162 MG

Arte: Liz Valente Impressão: Plural Tiragem: 35.000 exemplares

Colunistas: Alderi Matos • Bráulia Ribeiro Carlos “Catito” Grzybowski • Carlinhos Veiga Dagmar Fuchs Grzybowski • Ed René Kivitz • Jorge Barro Marcos Bontempo • Marina Silva • Paul Freston René Padilla • Ricardo Barbosa de Sousa Robinson Cavalcanti • Rubem Amorese Valdir Steuernagel

Notícias: Lissânder Dias

Participam desta edição: Áquila Mazzinghy Hamilton de Morais • Lissânder Dias Rolando de Nassau • Tais Machado • Timóteo Carriker

Publicidade: anuncio@ultimato.com.br Assinaturas e edições anteriores:

atendimento@ultimato.com.br Reprodução permitida: Favor mencionar a fonte. Os artigos não assinados são de autoria da redação.

Publicado pela Editora Ultimato Ltda., membro da Associação de Editores Cristãos (AsEC)

Ltda. , membro da Associação de Editores Cristãos (AsEC) Editora Ultimato Telefone: (31) 3611-8500 Caixa Postal

Editora Ultimato Telefone: (31) 3611-8500 Caixa Postal 43 36570-000 — Viçosa, MG

ADmINIsTRAção/mARkETINg: Klênia Fassoni Ana Cláudia Nunes • Ariane dos Santos Daniela Cabral • Ivny Monteiro • Lucas Rolim Luiza Pacheco

EDIToRIAL/PRoDUção/ULTImATo oNLINE:

Marcos Bontempo • Bernadete Ribeiro Djanira Momesso César • Gláucia Siqueira Lissânder Dias • Mariana Furst • Pabline Félix

FINANçAs/CIRCULAção: Emmanuel Bastos Aline Melo • Ana Paula Fernandes • Cristina Pereira Daniel César • Edson Ramos • Jair Avillez Luís Carlos Gonçalves • Rodrigo Duarte Solange dos Santos

VENDAs: Lúcia Viana • Henife Oliveira Lucinéia Campos • Marcela Pimentel • Romilda Oliveira Tatiana Alves • Vanilda Costa

EsTAgIÁRIos: Bruno Menezes • Jaklene Batista Raquel Bastos • Tércio Rodrigues

4

4

ULTIMATO ULTIMATO

I

I

Novembro-Dezembro, Novembro-Dezembro, 2011 2011

C ArtA Ao leitor

Novembro-Dezembro, 2011 2011 C ArtA Ao leitor A i g r e j a na berlinda

A igreja

na berlinda

Estar na berlinda” é algo muito incômodo. Significa “ser alvo de motejos ou objeto de comentários”. Esta seria a matéria de capa desta edição de Ultimato. Pretendia-se escrever sobre o que os inimigos da fé, a mídia

e outros falam de nós e também sobre o que nós falamos de nós mesmos

(as acusações mútuas). Nem tudo que todos falam é a expressão exata da verdade. Ainda assim muita coisa não se pode jogar fora. A igreja na berlinda

é a igreja cristã de modo geral. Diz respeito à igreja católica romana, à igreja

reformada, às igrejas históricas, às igrejas pentecostais (inclusive o movimento carismático católico), às igrejas neopentecostais e aos cristãos sem nome ou sem igreja. Diz respeito aos pastores e seus rebanhos. Para a igreja sair da berlinda há mais oração do que esforço, há mais silêncio (da parte dos que temem exageradamente a crítica) do que discurso, há mais uma reação isolada do que maciça. Esta é mais dos “leigos” do que da cúpula religiosa. Há um número não desprezível de evangélicos e católicos de joelhos, chorando e clamando. O que aconteceu na Europa em direção à Reforma do Século 16 está se repetindo. O caminho mais inteligente e mais curto para o retorno ainda é a velha receita dada pelo próprio Deus ao povo de Israel no dia da dedicação do templo de Jerusalém, por volta de 959 antes de Cristo: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra” (2Cr 7.14). Porque em muitos casos (ou em todos?) o processo que coloca a igreja na berlinda começa com a soberba, e a volta começa com o exercício da humildade coletiva. Esta edição mostra a necessidade de trocar a soberba pela humildade — a virtude para Deus ver e não para o homem ver (p. 22). Vem a calhar a reflexão de Robinson Cavalcanti: “O pensador cristão deve ser humilde na escuta de seus críticos, mas não pode pautar o seu pensamento por eles ou ‘jogar para a plateia’, preocupado em agradar ou desagradar” (p. 52). Em sua coluna, Valdir Steuernagel encoraja-nos a convidar Jesus a entrar em nossa casa (ou em nossa igreja ou denominação) não pela porta da sala, mas pela porta da cozinha, onde o encontro com ele será menos formal e mais íntimo (p. 58). Em Tornar-se criança (p. 32), Ricardo Barbosa lembra-nos que, quando os discípulos discutiram entre si para saber qual deles seria o maior no reino dos céus, Jesus tomou uma criança nos braços e disse que o maior seria aquele que se humilhasse como ela.

Elben César

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

5

P AstorAis 77. Não só de vive o idoso Joel Rorabaugh
P AstorAis
77.
Não só de
vive o idoso
Joel Rorabaugh

N a carta dirigida ao povo de Deus espalhado por várias províncias da Turquia, Pedro não se mostra preocupado com a saúde, a segurança e o bem-estar dos idosos. Ele não

dá os costumeiros conselhos: tomem o remédio certo na hora certa, não comam demais, cuidado para não cair, andem devagar, distraiam-se etc. A preocupação do apóstolo é com a vida espiritual daqueles que estão em idade avançada:

“De agora em diante, vivam o resto da sua vida aqui na terra de acordo com a vontade de Deus e não se deixem dominar pelas paixões humanas” (1Pe 4.2, NTLH). Em vez de “resto da vida”, outras versões preferem dizer: “resto da sua vida corporal” (HR), “resto da vida mortal” (CT), “resto de seus dias na carne” (BJ), “resto do tempo cá na terra” (J. B. Phillips), “restante de sua vida corporal” (CNBB). Esses idosos estão na etapa final da jornada, da peregrinação e da estadia. Eles ainda estão no exílio, ainda são migrantes, ainda se acham fora da pátria, ainda são peregrinos e forasteiros. Porém estão, naturalmente, mais próximos da Canaã celestial do que os outros.

6

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Não é apenas neste versículo que Pedro se dirige aos idosos. No primeiro capítulo da carta ele escreve:

“Durante o resto da vida de vocês aqui na terra tenham respeito a ele” ou “portem-se com temor” (1Pe 1.17). Teriam sido necessárias essas advertências do apóstolo dirigidas a pessoas de idade avançada e limitadas em seu vigor físico? À luz do Eclesiastes, Pedro tem toda razão: “O coração do homem está cheio de maldade e de loucura durante toda a vida” (Ec 9.3). Segundo Lutero, a inclinação para o mal, com a qual todos nascem, “não pode ser extinta enquanto vivemos — pode ser diminuída dia a dia, mas extinta não pode”. Pedro reforça a sua exortação com um argumento válido: “No passado vocês [os agora idosos] já gastaram bastante tempo fazendo o que os pagãos gostam de

fazer. Naquele tempo vocês viviam na imoralidade, nos desejos carnais, na bebedeira, nas orgias, na embriaguez

e

na nojenta adoração de ídolos” (1Pe 4.3). Com a

conversão, ocorrida algum tempo antes, os idosos da diáspora foram libertados do poder da escuridão e trazidos em segurança para outra esfera de vida, para

a

maravilhosa luz de Cristo (1Pe 2.9; Cl 1.13). Para

compensar o “bastante tempo” na carne, os velhinhos

de Pedro deveriam viver o resto de seus dias no Espírito!

Martin Boulanger

32

34

38

39

42

46

49

52

54

58

48

59

64

66

O caminho do coração

Tornar-se criança Ricardo Barbosa de Sousa

Da linha de frente

O evangelho da gentileza Bráulia Ribeiro

Cotidiano

O leitor pergunta, Ed René Kivitz

Casamento e família

A vergonha de estar nu, Carlos “Catito” Grzybowski e Dagmar Fuchs Grzybowski

Missão integral

A opção galileia de Jesus, René Padilla

Entrevista

Rolando de Nassau Toda música sacra é religiosa, mas nem toda música religiosa é sacra

Ética

Como será a igreja evangélica brasileira de 2040 ?, Paul Freston

Reflexão

Desafios do evangelicalismo progressista Robinson Cavalcanti

História

O mal que existe em nós Alderi Souza de Matos

Redescobrindo a Palavra de Deus

Então Jesus entrou numa casa Valdir Steuernagel

Especial

Missão integral e discipulado — como se misturam?, Samuel Sheffler

Heresia: uma palavra que não combina com N. T. Wright, Timóteo Carriker

O aberto horizonte das missões

Ponto final

O processo do milagre, Rubem Amorese

missões Ponto final O processo do milagre, Rubem Amorese Um ponto de encontro www. ultimato .com.br
missões Ponto final O processo do milagre, Rubem Amorese Um ponto de encontro www. ultimato .com.br
missões Ponto final O processo do milagre, Rubem Amorese Um ponto de encontro www. ultimato .com.br
Um ponto de encontro www. ultimato .com.br • artigos exclusivos • boletins editoriais • devocionais
Um ponto de encontro www. ultimato .com.br • artigos exclusivos • boletins editoriais • devocionais

Um ponto de encontro www.ultimato.com.br

• artigos exclusivos

• boletins editoriais

• devocionais

• estudos bíblicos

• lançamentos

• novidades

• promoções

CAPA

s umário

22

Orgulho

22

O

dono da glória

23

Humildade: uma virtude para Deus ver e não para o homem ver

23

Humildade absolutamente sem medo

24

Depois de um longo tratamento de

choque

25

Provérbios de Salomão: o caminho mais curto para o tombo é a soberba

26

Está na hora de pedirmos ao Senhor que nos dê mais espinhos bem encravados na carne

26

É hora de abandonar a vaidade e deixar a liderança, se necessário

27

Está na hora de fugir da nossa própria vaidade

28

Percepções de si mesmo, Tais Machado

29

O

casamento do sucesso com a

humildade

30

Estamos todos embriagados!

30

Soberba e secularização

seÇÕes

3

Abertura

4

Carta ao leitor

6

Pastorais

8

Cartas

12

Frases

12

Números

14

Mais do que notícias

18

Notícias

37

De hoje em diante

40

Meio ambiente e fé cristã

43

Novos acordes

44

Altos papos

56

Cidade em foco

62

Caminhos da missão

ABREVIAçÕEs:

AS21 - Almeida Século 21; BH - Bíblia Hebraica; BJ - A Bíblia de Jerusalém; BP - A Bíblia do Peregrino; BV - A Bíblia Viva; CNBB - Tradução da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil; CT - Novo Testamento (Comunidade de Taizé); EP - Edição Pastoral; EPC - Edição Pastoral - Catequética; HR – Tradução de Huberto Rohden; KJ - King James (Nova Tradução Atualizada dos Quatro Evangelhos); NTLH - Nova Tradução na Linguagem de Hoje; TEB - Tradução Ecumênica da Bíblia. As referências bíblicas não seguidas de indicação foram retiradas da Edição Revista e Atualizada, da Sociedade Bíblica do Brasil, ou da Nova Versão Internacional, da Sociedade Bíblica Internacional.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

7

C ArtAs

C ArtAs Alegria, alegria, por favor! Ao folhear a matéria de capa da edição de setembro/outubro

Alegria, alegria, por favor!

Ao folhear a matéria de capa da edição de

setembro/outubro de 2011, verifiquei que alguns artigos falam de felicidade e outros, de alegria,

o que denota uma confusão entre os termos. As

duas palavras não são sinônimas. A felicidade é um

estado de alma que depende das circunstâncias, da presença ou ausência de amigos e pessoas amadas. Vivemos a felicidade na busca da satisfação de novos sentimentos. A alegria não depende das circunstâncias, de amigos à volta, de

ambiente festivo, da satisfação dos sentidos. Paulo diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor”. A alegria não

é uma opção, uma escolha, mas uma ordem, um

mandamento. Quatrocentos anos antes de Cristo, Neemias escreve: “A alegria do Senhor é a nossa força” (Ne 8.10). Pr. Ezequias Costa, São Paulo, SP

Sou novo assinante e acabo de receber minha primeira revista Ultimato. Somente este exemplar já fez valer a assinatura, sobretudo pelo artigo Louvarei ao Senhor, de Ronaldo Lidório. De forma clara, ele nos leva a refletir sobre o passado, o presente e principalmente sobre o futuro, quando todos louvaremos ao Senhor verdadeiramente unidos. William Tomaz, Lajinha, MG

De igreja em igreja

Discordamos do subtítulo “De igreja em igreja”, colocado no texto que retoma as palavras de Alfredo Borges Teixeira (“Mais do que notícias”, setembro/outubro de 2011). Saímos de uma igreja de regime ditatorial e fomos para outra bem diferente. Antes de “jogar farinha no ventilador”, os que se manifestam contrários à transferência de uma denominação para outra deveriam ouvir o problema de cada um. Berenice e Nélson Camilo, Limeira, SP

o poder do evangelho

Muito claro e objetivo o artigo O poder do evangelho, de Rubem Amorese (“Ponto final”, setembro/outubro de 2011). O autor é sensível, pois entende e sabe se fazer entender. O evangelho é “poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê”. Quem crê, experimenta

este poder. Quem não crê, fica desdenhando, filosofando, sociologizando, tentando explicar o inexplicável, que vai além da razão e que só o Espírito de Deus pode discernir. Lucimara Roque, São Paulo, SP

indecisão

Foi por causa de indecisão (“De hoje em diante”, setem- bro/outubro de 2011) que na minha mocidade deixei o evangelho de lado e preferi o mundo e suas concupiscên- cias. Como sofri! Se no começo eu tivesse mais firmeza em seguir a Cristo, o processo seria menos doloroso. Daniel de Oliveira, Maceió, AL

Pororoca gay

Felizmente ainda se levantam, em nosso meio, vozes pro- féticas que com autoridade e conhecimento proclamam a verdade a quantos queiram ouvi-la. Um desses profetas é o bispo Robinson Cavalcanti, a quem parabenizo pelo excelente artigo Os evangélicos e a pororoca gay (“Reflexão”, julho/agosto de 2011). Luciano Pereira, Brasília, DF

De volta ao senhor

Já fui assinante de Ultimato e confesso que a revista me edificou muito. Sou dependente químico e, por estar afas- tado do Senhor, deixei de renovar minha assinatura. Hoje, pela misericórdia de Deus, estou em uma comunidade terapêutica e retornando ao caminho. Michel Conte, São Bernardo do Campo, SP

terapêutica e retornando ao caminho. Michel Conte , São Bernardo do Campo, SP 8 ULTIMATO I

8

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

estou aqui, senhor!

Entendo que Cristo trabalha no corpo e se revela ao mundo por meio da igreja. Contudo, é difícil estar dentro desta igreja sendo homossexual e ouvir culto após culto sobre a família e sobre como nós gays somos uma ameaça a ela, uma aberração que precisa ser eliminada. As palavras de desamor ferem

a alma já ferida e, se não fosse o entendimento

bíblico de que Deus é amor, confesso que há muito teria me tornado inimigo da cruz. Ou então me iludiria e faria parte da chamada “igreja gay”, onde tudo é aparentemente mais seguro e confortável, e “negar a si mesmo” e “tomar a cruz de Cristo” são frases impronunciáveis. Em contrapartida, nela existe amor e acolhimento. Sinto falta disso. Sigo e amo a Jesus Cristo de todo o coração. Há anos fui iniciado na homossexualidade pelo meu pastor. Os bastidores das igrejas fazem corar de vergonha os anjos. Porém, continuo firme na graça, pois é por ela que sou salvo. E se algo precisa ser mudado em mim, faço esta oração: “Estou aqui, Senhor, muda-me!”. Luciano Silva, Serra, ES

Não admito ser chamada de mártir

É sempre um prazer ler os textos de Bráulia Ribeiro.

Parabenizo-a pelo artigo A linguagem de missões que prejudica o reino (“Da linha de frente”, julho/ agosto de 2011). Sou brasileira e moro na Estônia,

onde trabalho como voluntária com a juventude em uma zona rural ao sul do país, na qual o evangelho foi rejeitado após a invasão soviética. A Estônia tem sua dose de escuridão, mas onde esta não existe? Sinto-me chamada a servir neste país não pela sombra ou pelo passado tenebroso, mas pela beleza e força que há nele. Não admito ser transformada em mártir por aqueles que se julgam capazes de mensurar o que deixei para trás para estar na Estônia. Se eu colocar na balança a alegria de viver o chamado de Deus para minha vida, sei que não foi sacrifício algum vir para este país. Lívia Telles, Võru, Estônia

John stott

Para mim, Stott teve três grandes momentos: seu nascimento em 1921, seu encontro com Cristo na

terra em 1938 e seu encontro com Cristo na glória.

O fato de ter se tornado capelão da família real e de

ter sido indicado como uma das cem pessoas mais influentes do mundo não se compara a esses três momentos. Antes, é o reflexo destes. Jean de Oliveira, Nova Cruz, RN

Li com profunda emoção o livro O Discípulo Radical,

de John Stott. Tendo lido a maioria de seus livros, fui mais uma vez abençoado e encorajado a pros- seguir e a honrar o ministério do evangelho, graças ao exemplo, à coerência e à fidelidade bíblica desse

servo do Senhor. Stott com certeza está na lista

daqueles “homens dos quais o mundo não era digno” (Hb 11.38). Ele escreveu: “Se a glória de um pôr-do-sol já nos impressiona, como será quando estivermos diante da beleza do novo céu e da nova terra?”. Agora, Stott já sabe! Pr. Rodinon dos Santos, Montes Claros, MG

macumba gospel

As mais variadas esquisitices estão surgindo no mundo neopentecostal. Isto está acontecendo por causa do abandono da Palavra, como diz Oseias:

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta conhecimento” (4.6). Precisamos nos informar, ler, estudar, examinar as Escrituras e tornarmo-nos cristãos bereanos. Muito do que há é macumba gospel, “outro evangelho”, numerologia, esoterismo travestido em Palavra de Deus. Alguns pastores olham mais para o caixa da igreja do que para a qualidade de caráter de seus membros, que estão caindo e cedendo ao cântico da sereia prosperida- de e aos seus adornos. Fiquemos alertas, pois o inimigo encontrou o meio mais trivial de estragar a seara do Senhor: semeando o joio no meio do trigo. Pr. Marco Antonio Sales, Nova Iguaçu, RJ

mais cristão e mais decente

Agradeço o zelo que Ultimato tem por nós leitores, principalmente pelo nosso intelecto. Quando leio e absorvo o conteúdo da revista, me sinto mais

pelo nosso intelecto. Quando leio e absorvo o conteúdo da revista, me sinto mais Novembro-Dezembro, 2011

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

9

C ArtAs

inteligente, mais gente, mais cristão, mais descente. É desse zelo que falo. Ultimato faz bem à mente e ao coração. É verdadeiro instrumento de mudança na vida de muitos. Raphael Machado, São Carlos, SP

oremos uns pelos outros

Sempre leio Ultimato com interesse. Há muita espiritualidade na revista, e é edificante. Aproveito-a nas homilias. Pe. Benedito Halter, Porto Feliz, SP

Com muito pesar solicito o cancelamento de minha assinatura da revista Ultimato, por motivo de deficiência visual gradativa, devido à catarata e à idade, 87 anos. Agradeço e proponho: Oremus ad invicem (Oremos uns pelos outros). Dom Urbano Allgayer, bispo emérito de Passo Fundo, RS

ecumenismo

Já fui assinante de Ultimato. Não renovei a assinatura, pois há muito tenho visto a revista desenvolver uma linha ecumênica com a qual não concordo. Há muitos textos sobre a Igreja Católica. Por causa disso o conteúdo de Ultimato decaiu bastante. Talvez essa tenha sido uma estratégia comercial. Contudo, penso que, se continuar assim, em breve

estará publicando artigos espíritas ou conteúdos semelhantes, o que é lamentável. Pr. João Graebin, Formosa, GO

o céu aberto de Agostinho

É uma graça saber que católicos e protestantes têm

raízes comuns, como é o caso dos estudiosos da patrística. Há muito queria saber mais sobre a vida de Agostinho e a matéria de capa da edição de março/ abril de 2011 abriu-me o caminho. O pensamento do bispo de Hipona consistia na busca pela soberania de Deus em sua vida por meio da própria sabedoria, que ele tanto procurava. Agostinho descobriu que a sabedoria não era o saber, mas o conhecer a Deus, nosso sumo bem. Ele encontrou a sabedoria ao encontrar o amor verdadeiro. Parabéns a Ultimato. Matérias como esta promovem unidade e abrem caminho para a reconciliação e o diálogo cristão. Este

é um caminho longo, mas, se trilhado na caridade de Cristo, um dia chegaremos lá. Andréia de Faria, Ouro Fino, MG

o colégio de Jesus e a educação

teológica das Assembleias de Deus

O site do MEC informa que há oito instituições

cadastradas com o nome Assembleia de Deus, desde

o Paraná, passando por São Paulo, até Macapá e

Piauí. A faculdade que a matéria de capa da edição de julho/agosto de 2011 menciona fica no Rio de Janeiro

e oferece apenas três cursos: administração, direito

e teologia. Porém, administração e direito são apenas autorizados pelo MEC (fase anterior ao reconhecimento). Somente o curso de teologia é reconhecido pela instituição. Fora este equívoco, Ultimato está de parabéns pelos textos sobre o centenário das Assembleias de Deus. Alexander Fajardo, São Paulo, SP

ordenação feminina

Lamento a entrevista Ordenação feminina (março/

abril de 2011). A Bíblia é supracultural — ela molda

a cultura, não o contrário. A revelação de Deus

deve redimir a cultura. Afirmar que a não ordenação feminina é machismo, é uma grande injustiça. A Igreja Presbiteriana do Brasil não ordena mulheres aos ofícios sagrados, pois ela é fiel à Bíblia. A Presbyterian Church USA começou com mulheres

e agora já pensa em ordenar homossexuais. Esse

é o caminho daqueles que relativizam a Palavra de Deus, sempre oportuna e pertinente. Lamento a posição de Waldyr Carvalho Luz e de Ultimato. Rev. Fábio Bezerra, Sobradinho, DF

Cartas da prisão

Minha mãe é missionária, minha esposa é evangélica e estou lendo um livro cristão. Estou no caminho certo, o caminho da salvação. Dário, Casa Branca, SP

Estou no caminho certo, o caminho da salvação. Dário , Casa Branca, SP 10 ULTIMATO I

10

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Li em Por Que (Sempre) Faço o Que Não

Quero? o testemunho do office-boy que violentou e assassinou nove mulheres no Parque do Estado em São Paulo, SP:

“Eu tenho um lado bom e um ruim, que se sobrepõe ao bom”. Entendo que o lado ruim continua vivo dentro dele. Tiro essa conclusão baseado em meu próprio exemplo. Quando fui preso em junho de 2008, descobri este meu lado, que se manifestou durante três dias consecutivos. Entretanto, eu não o alimentei, pois não o queria dentro de mim. No começo foi difícil, mas o Deus em quem creio é mais forte do que o mal. José da Silva, Sorocaba, SP

Relendo a “Carta ao leitor” da edição de julho/agosto de 2011, me deparei com

o título Geladeira estragada. Só então

entendi o que estava escrito. Ao ver alguns

cristãos louvando, orando e gritando eu dizia sempre que aquele “barulho” não era necessário, pois Deus não é surdo. Porém hoje, por estar na presença do Senhor, entendo que o “barulho” é consequência do clamor dirigido a Deus. Hoje eu também levanto clamores ao Senhor e dou glórias a Deus em alta voz. Entretanto, há alguns irmãos que não agem da mesma forma,

e Deus opera na vida deles e de seus familiares. Entre nós, alguns gostam de “barulho”, outros, não. Contudo, uns respeitam os outros, e moramos

e buscamos a Deus juntos em uma

mesma cela. Sérgio Lima, Flórida Paulista, SP

Sou cristão e moro em uma cela, onde

é a nossa igreja. Realizamos cultos

ao ar livre no presídio para trezentas pessoas que necessitam ouvir a Palavra de Deus. Precisamos de folhetos. Luciano Rubiar, Caixa postal 43 – 15496-900 Riolândia, SP

ERRAmos

— No artigo O fim do conselho

evangélico (“Reflexão”, setembro/ outubro de 2011, p. 52), o título correto é O fim do consenso evangélico.

— O artigo Role Model (“História”,

setembro/outubro de 2011, p. 58) termina com o seguinte parágrafo:

“Nossa infância e juventude

necessitam desesperadamente de role

models, [

inevitavelmente sobre eles”.

]

esse imperativo que recai

Fale ConosCo

Cartas à redação

cartas@ultimato.com.br

• Cartas à Redação, Ultimato, Caixa Postal 43, 36570-000, Viçosa, MG

Inclua seu nome completo, endereço, e-mail e número de telefone. As cartas poderão ser editadas e usadas em mídia impressa e eletrônica.

economize tempo. Faça pela internet

Para assinaturas e livros acesse www.ultimato.com.br

Assinaturas

atendimento@ultimato.com.br

• 31 3611-8500

• Ultimato, Caixa Postal 43, 36570-000, Viçosa, MG

edições Anteriores

atendimento@ultimato.com.br

www.ultimato.com.br

edições Anteriores • atendimento@ultimato.com.br • www.ultimato.com.br Novembro-Dezembro, 2011 I ULTIMATO 11

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

11

N Úmeros

25.000

finlandeses deixaram espontaneamente a Igreja Luterana depois de assistirem a um debate na TV durante o qual uma candidata democrata cristã, recém-eleita, afirmou que não fica bem para um cristão ter relações homossexuais

3.600.000.000

de ienes (cerca de 76 milhões de reais) foram encontrados nos escombros deixados pelo terremoto de 11 de março no Japão e devolvidos por equipes de resgate e por cidadãos

3.000.000

de exemplares do livro A Cabana, de William P. Young, filho de missionários evangélicos na China, foram vendidos no Brasil (nos Estados Unidos, foram mais de 10 milhões)

86

mulheres com idade entre 19 e 64 anos coabitam com Bello Maasaba, curandeiro nigeriano. Ele já teve 107 esposas, mas nove morreram e doze foram por ele repudiadas

80%

dos 1.829 missionários católicos brasileiros além-fronteiras são mulheres e religiosas

56.400.000

pessoas ao redor do mundo admitem usar pílulas e comprimidos que vendem prazer, euforia, capacidade de concentração ou doses artificiais de paz e serenidade

197

guerras foram travadas em todo o mundo entre 1800 e 1997

6.721

divórcios foram realizados nos cartórios do estado de São Paulo de janeiro a junho de 2011, um aumento de 286% em relação ao mesmo período de 2010

12

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

F rAses

Giuseppe Ruggirello
Giuseppe Ruggirello

O s jovens precisam não somente de oportunidades, mas também de

exemplaridade dos mais velhos; não somente razões, mas de atitudes que motivem,

preencham e impulsionem a sua existência

e alimentem a sua esperança. Papa Bento XVI

E

m vez de destruir a vida, devemos destruir o que torna a vida

insuportável, o que faz rejeitar a vida. Elizabeth Kipman Cerqueira, médica especialista em ginecologia e obstetrícia

O s navios britânicos carregaram mais pessoas para a escravidão do que

qualquer outro país durante o século 18, o período do pique de comércio de escravos.

Marcus Rediker, autor de O Navio Negreiro

T enho uma história complicada, machuquei pessoas, falhei. Não sou

mais quem eu era, não tenho medo do

passado, eu o entendo. William P. Young, autor de A Cabana

S

e a adolescente não tem projetos de vida, a gravidez vira o projeto de

vida.

Marco Aurélio Galletta, médico responsável pelo setor de gravidez na adolescência do

Hospital das Clínicas de São Paulo

D eus criou o homem e a mulher não

para acasalá-los, mas para casá-los.

Guilherme Cunha, pastor da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro

A s novelas fazem uma profunda crítica social e comportamental, mas legitimam

o status quo vigente, porque é dele que elas se

alimentam. Edson Faxina, professor da Universidade Federal do Paraná

Q

uanto maior a frequência no consumo de drogas, maior a tendência a transgredir

envolver-se com a violência. A epidemia das drogas é o pior problema de saúde pública.

e

Rui Antonio de Souza, da equipe do jornal

Mundo Jovem

O s teólogos necessitam “sair da toca” e

de seus gabinetes de cristal, fazer

teologia para a igreja e ajudar a igreja a discutir com mais profundidade temas como

este [opção sexual].

Lourenço Stelio Rega, diretor da Faculdade

Teológica Batista de São Paulo

H

oje não é possível afirmar sem hesitação que o século 21 será menos conflituoso

que o precedente no campo da missão, embora

seja permitido esperar que o seja. Jacques Matthey, pastor e teólogo reformado suíço

Novembro-Dezembro, 2011 I ULTIMATO 13

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

13

+ Do Que NotíCiAs

Assim caminha a humanidade

E nquanto 1 bilhão de pessoas ainda passam fome (segundo a ONU), os jornais brasileiros noticiam

a morte de Teteia, 53 anos, sacrificada na

presença da filha Sininho, 10, após um quadro de declínio irreversível

a chegada de Imbi e Kifta, ambas de 10

anos, procedentes da Inglaterra, para fazer companhia a Idi Amim, 38, ainda virgem

a morte de Ciça, 18 anos, e de Oksama, 11,

esta depois de ser operada às pressas sem sucesso de um câncer de fígado, deixando vivos cinco filhos

a separação de Dengo e Elza, depois de terem

vivido juntos por oito anos

a colocação de uma terceira prótese na perna de Motala, por ter pisado em uma mina terrestre

a morte de Santiago, 3 anos, ao desembarcar

no aeroporto de Vitória, em um voo da Gol procedente de São Paulo, devido a uma parada

cardiorrespiratória

Nota Tetéia era um hipopótamo, o animal mais velho do zoológico de São Paulo; Imbi, Kifta e Idi Amin são gorilas do zoológico de Belo Horizon- te; Ciça e Oksama eram cachorros de raça; Dengo e Elza são leões do zoológico de Niterói; Motala é um hipopótamo fêmea da Tailândia; e Santiago era um cão pug. O dono da cachorra Oksama escreveu na Folha de São Paulo:

“Minutos antes de sua entrada no centro cirúrgico, beijei-a na testa, que tremia devido à respiração ofegante”. Na Alemanha, protestantes e católicos foram obrigados a protestar contra o sepultamento religioso para animais, afirmando que “somente o ser humano recebe qualificação de pessoa, o que o diferencia fundamentalmente dos animais”. A polêmica sugestão partiu de um certo doutor Jens Feld, segundo o qual a igreja devia não somente dar apoio a enlutados pela morte de um animal, mas também fazer o sepultamento do animal morto segundo ritos cristãos.

14

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Bento XVI quer uma igreja despojada de sua riqueza terrena e de seu poder político

P or ocasião de sua viagem à Alemanha, a terra da Reforma, em setembro

deste ano, o papa Bento XVI, de 84 anos, acenou para uma forte renovação do cristianismo. Alguns de seus pronunciamentos foram feitos em Erfurt, cidade onde Martinho Lutero, aos 23 anos, trocou a universidade — onde fazia o curso de direito — pelo convento (2 de julho de 1505) e onde foi ordenado sacerdote (3 de abril de 1507).

Entre outras coisas, o papa disse:

— Nos últimos tempos a

geografia do cristianismo mudou

profundamente e continua mudando.

— [O cristianismo de

hoje é] de escassa densidade institucional, com pouca bagagem racional, menos ainda

dogmática, e pouca estabilidade.

— Vivemos em um tempo

em que se tornaram incertos os critérios de ser homem. A ética foi substituída pelos cálculos das consequências. Os motivos de abandono da igreja são múltiplos, no contexto do secularismo da nossa sociedade. Em geral, estes abandonos são o último passo de um longo trajeto de afastamento

da igreja. [Para compreender, é

necessário que os fiéis respondam

a

estas perguntas:] Porque estou

na igreja? Estou na igreja como em uma associação esportiva, uma associação cultural etc., na qual encontro respostas para os meus interesses e, se não for assim, vou embora? Ou estar na igreja é algo mais profundo? É importante reconhecer que estar na igreja não quer dizer fazer parte de uma associação, mas estar na rede do Senhor, que pesca peixes bons e maus das águas da morte, para levá-los às terras da vida.

 

A igreja deve de novo

separar-se de tudo que é

mundano.

 

Liberada de seu peso

material e político, a igreja dedica-se melhor e de maneira verdadeiramente cristã ao mundo inteiro, pode novamente viver de maneira mais livre sua chamada

ao ministério da adoração a Deus

e

ao serviço do próximo.

 

A igreja tem que se abrir ao

mundo, não para obter a adesão dos homens em busca de poder, e

sim para conduzi-los a Deus.

 

Fonte: Zenit e movimento También somos

iglesia (Chile).

Dave Dyet

+ Do Que NotíCiAs

É tão taxativa a condenação bíblica da homossexualidade?

E sta pergunta aparece no capítulo que trata da homossexualidade

na Bíblia, no livro Homossexualidade — ciência e consciência, escrito por seis professores do departamento de práxis da Universidade Pontifícia Comillas, em Madri, e publicado no Brasil pela Edições Loyola, em 1985. A resposta estaria no artigo intitulado É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que encontrar respaldo bíblico para o homossexualismo

(Ultimato, setembro/ outubro de 1998).

Se a Bíblia não é

taxativa no que diz respeito

ao comportamento homossexual, então é melhor ensarilhar as armas de uma vez por todas. Não há outro sustentáculo para a não aceitação da homossexualidade senão as Escrituras Sagradas.

O professor Gregorio

Ruiz, autor da pergunta, escreve que o pecado de Sodoma, de onde “provêm as palavras sodomia e

sodomita, que designam

em todas as línguas modernas precisamente a prática homossexual, principalmente entre homens”, é “um pecado de injustiça, mais concretamente de anti- hospitalidade e não necessariamente de violação sexual”. Em benefício de sua tese, o professor prefere dizer que os homens de Sodoma foram à casa de Ló para conhecer que tipo de estrangeiros ele hospedava (conhecer no sentido comum e não no sentido de ter uma relação sexual completa). Essa interpretação é impossível de ser admitida, mesmo sem se consultar outras passagens bíblicas. Contudo, a leitura do segundo capítulo da Segunda Carta de Pedro deixa patente que o pecado de Sodoma era de fato de

a

vida daquela gente

queria mesmo “deitar com eles” (BP), “abusar deles”

(RA, BJ), “ter relações com eles” (NBV, NTLH, NVI,

imoral”. Outras versões ampliam o sentimento

de Ló frente à situação:

o

sobrinho de Abraão

EP, CNBB), “conhecê- los intimamente” (S21).

O

próprio Deus já havia

sentia-se “atormentado” (HR, EPC), “atribulado” (S21), “deprimido” (TEB), “entristecido” (EP), “oprimido” (MS), “revoltado” (CT, EPC) ou “muito agoniado” (NBV). Ló sofria com o que via e ouvia, pois eles levavam uma vida devassa, dissoluta, libertina, luxuriosa, imoral e indecente

revelado a Abraão, tio de

Ló, sua intenção de destruir

cidade, pois “há terríveis acusações contra Sodoma

a

Gomorra, e o pecado de seus moradores é muito grande” (Gn 18.20). É igualmente oportuno

e

lembrar o que Judas “servo

de

Jesus Cristo e irmão de

(2Pe 2.6-10). Embora o pecado da injustiça social seja grave e tenha também acontecido em Sodoma, Gomorra e outras cidades

Tiago”, escreve em sua carta:

“Não se esqueçam da cidade

de

Sodoma e Gomorra e

das cidades vizinhas, cheias

de

imoralidade de toda

da planície (Ez 16.49-50),

espécie, inclusive a paixão de

o

que causou mais dor

para Ló foi a libertinagem dos seus conterrâneos e

contemporâneos. A narrativa do livro de Gênesis torna impossível

homens por homens” (Jd 7). Qualquer distorção

das Sagradas Escrituras nessa área (e em outras) torna perigosamente inocentes os cristãos que

natureza sexual. Ao referir-se a esse episódio, o apóstolo afirma que Deus salvou Ló, “um homem bom, que estava

a

sugestão do professor

querem conviver com a fé

Gregorio Ruiz. Ao cercar a casa de Ló e exigir que ele lhes entregasse os dois anjos com aparência humana, a

e

o pecado sem o menor

constrangimento. É uma péssima contribuição em um

momento de efervescência

aflito porque conhecia

multidão de jovens e adultos

da

questão homossexual.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

15

Arquivo pessoal

+ Do Que NotíCiAs

Barbara e Alan Bachmann

Barbara e Alan Bachmann conseguiram atravessar a ponte estreita de uma cultura para outra

— casados com o Brasil

O

s americanos Barbara

e Alan Bachmann, ambos de 75 anos,

estão no Brasil há cinquenta anos. Começaram a carreira missionária entre o povo ribeirinho do Amazonas. Para se aculturarem mais rapidamente e com mais facilidade, moraram em uma casa de tábuas, aprenderam a preparar e a comer alimentos típicos (vatapá, tacacá, pastel de carne de jacaré, tambaqui),

falaram português em casa com os filhos, buscaram água e lavaram roupa na beira do rio e usaram a latrina que ficava no fundo do quintal. Para eles, “servir a Deus em uma cultura distinta daquela em que nascemos requer atravessar uma ponte muito estreita, tão estreita que, quanto menos bagagem da cultura anterior trouxerem, melhor será o êxito do ministério entre o povo ao qual Deus o enviou”. Alan gosta de dizer que atravessaram a “ponte” já casados, em 1960, e “casamos com o Brasil”. O casal Bachmann foi bem-sucedido tanto no trabalho missionário como na educação dos cinco filhos. O primeiro casou com uma moça de Manaus

e

treina pessoas na área de

comunicação radiofônica;

o

segundo foi piloto da

missão Asas de Socorro e hoje realiza trabalho de evangelização em Turim, na Itália; o terceiro trabalha como linguista missionário entre o povo Felupe, em Guiné-Bissau; e o caçula até pouco tempo atrás trabalhava na divisão de jatos executivos da Embraer, em São José dos Campos, SP, e hoje mora

nos Estados Unidos. A única

filha, casada com um pastor,

é

enfermeira e atua em

Rondônia. Os cinco filhos, todos criados no Amazonas,

e

os dezesseis netos estão “por

todos os lados” (em quatro continentes) — como diz Bachmann — e falam, além de inglês e português, pelo menos outras quatro línguas, inclusive o jola e o criolo, de

Guiné-Bissau. Depois de prestar assistência médica odontológica por doze anos ao longo dos rios da Amazônia, Alan Louis Bachmann mudou-se para Manaus, onde, por dez anos, ministrou na área de comunicação (rádio, TV). Em 1983 ocupou o cargo de diretor da Radio Trans

Mundial (RTM) do Brasil,

em São Paulo. A partir de 1990 tornou-se consultor

pessoas-chave para treinar outros em seis regiões do mundo onde a TWR produz e transmite programas em mais de duzentos idiomas. Hoje, mesmo aposentado, Bachmann é diretor- executivo da missão Asas de Socorro, com sede em Anápolis, GO, onde mora

com a esposa, Barbara.

internacional das RTMs da América Latina (Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, República Dominicana, Uruguai e Venezuela). De 2000 a 2006, como coordenador global de treinamento da Trans World Radio (TWR), preparou

Quem pode nadar

contra a correnteza

senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus (1Jo 5.5)?

1. As estatísticas dizem que mais de 40% dos casamentos fracassam

2. Nos Estados Unidos o amor não sobrevive mais de três anos

3. Nas Canárias houve mais casamentos desfeitos do que casamentos feitos em

2010

4. Calcula-se que mais de 30% das jovens que tomam a pílula do dia seguinte são menores

de idade

5. A cada dia 3.300 brasileiros de ambos os sexos se tornam

usuários da Ashley Madison, empresa que promove e facilita a infidelidade conjugal pela internet, instalada no país há

quatro meses.

16

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

17

N otíCiAs

por Lissânder Dias

e Michael Sclafani
e
Michael Sclafani
N otíCiAs por Lissânder Dias e Michael Sclafani Ganhadora do Nobel da Paz é inspirada pela

Ganhadora do Nobel da Paz é inspirada pela fé

Uma das laureadas com o Prêmio Nobel da Paz em outubro foi Leymah Gbowee, ativista liberiana que ajudou o seu país a sair de uma brutal guerra civil. Em um evento organizado pelo Conselho Nacional de Igrejas dos Estados Unidos, Gbowee citou o pastor batista Martin Luther King e o arcebispo anglicano Desmond Tutu como exemplos de militantes da causa da paz e da justiça. Ela acrescentou que não acredita que seja possível a

prática da não-violência sem relação com um poder superior: “A minha fé ajudou-me efetivamente”, afirmou

a homenageada, que

integra a Igreja Luterana da Libéria. Além de Gbowee, o Nobel da Paz deste ano foi atribuído à atual presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf,

e à militante iemenita

Tawakul Karman, que tem liderado a oposição

ao ditador Ali Abdullah Saleh. Leymah, que organizou um grupo de mulheres cristãs

muçulmanas para

desafiar os senhores da guerra na Libéria, foi distinguida pelo Comitê Nobel por ter conseguido ultrapassar fronteiras étnicas e religiosas, mobilizando as mulheres para a paz e a participação nas eleições. Trabalhou com pessoas que viviam em situações traumáticas, incluindo antigas crianças- soldado. A guerra civil liberiana terminou em 2003, após o que Johnson Sirleaf foi eleita. A experiência de Gbowee é relatada no livro Mighty Be Our Powers — How Sisterhood, Prayer, and Sex Changed a Nation At War (Fortes são os nossos poderes:

como a fraternidade [de irmãs], a oração e o sexo mudaram uma nação em guerra”). Ela será apresentada em um

documentário que estreou em outubro na estação pública de televisão dos Estados Unidos.

Fraternidade Teológica prepara Congresso

Latinoamericano de Evangelização

prepara Congresso Latinoamericano de Evangelização A Fraternidade Teológica Latinoamericana (FTL) realizará

A Fraternidade Teológica

Latinoamericana (FTL) realizará dos dias 9 a 13 de julho de 2012, em

San José, Costa Rica, o 5º Congresso Latinoamericano de Evangelização — CLADE 5, sob o lema “Sigamos

a Jesus em seu reino de vida. Guia-

nos, Santo Espírito”. Os CLADE’s anteriores ocorreram em 1969, 1979, 1992 e 2000. Este último, em Quito, no

Equador. O objetivo do congresso é “promover

a reflexão em torno do evangelho e o

seu significado, assim como contribuir para a vida e a missão no mundo latino”. Segundo a coordenação do CLADE 5, “há pelo menos três assuntos

a respeito dos quais os CLADE’s têm

se preocupado até hoje desde 1969,

quando em Bogotá, na Colômbia, se realizou a primeira edição do evento: a unidade da igreja, a missão integral e o sacerdócio universal de todos os crentes”. Para acompanhar os preparativos para

o evento, acesse o site www.clade5.org.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

19

World Methodist Council - foto: Ken Howle

N otíCiAs

Roosevelt Guerra
Roosevelt Guerra

Não jogue sua vida fora

Este foi o tema do Congresso Cristianismo e Modernidade,

realizado em São Paulo, nos dias 7

e 8 de outubro. O evento contou

com a presença de 1.200 pessoas, sendo 80% jovens com idade entre 18 e 30 anos. O pastor e pregador batista norte-americano John Piper foi o preletor do congresso, que levou o nome do seu livro Don’t Wast Your Life. O evento foi promovido pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em parceria com a Editora Fiel. Piper esteve presente também em outros dois eventos. De 3 a 7 de outubro, participou da 27ª Conferência Fiel para Pastores e Líderes, em Águas de Lindoia, SP, com o tema “Evangelização e Missões”. A conferência reuniu 2.500 líderes e contou com a audiência pela internet de mais de 50 mil pessoas. O segundo evento, Juntos em Cristo, aconteceu no Rio de Janeiro e reuniu cerca de 3 mil pessoas. Neste, Piper

pregou sobre a alegria em Cristo. Para o teólogo presbiteriano Augustus Nicodemos, estes três

eventos mostraram que “o interesse pela fé reformada tem crescido

e está rompendo as barreiras denominacionais”.

20

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Brasileiro é eleito líder mundial dos metodistas

O bispo Paulo Tarso de Oliveira

Lockmann foi eleito, no início de agosto, presidente do Concílio

Mundial da Igreja Metodista, órgão máximo da denominação no mundo.

É a primeira vez que alguém da

América Latina assume o cargo. Lockmann era vice-presidente

na gestão anterior. O Concílio

Mundial acontece a cada cinco anos

e representa mais de 75 milhões de

membros da Igreja Metodista em 136 países. Lockmann acredita que a

Igreja Metodista no Brasil terá mais visibilidade a partir de agora. “Portas

Concílio Mundial Metodista reuniu lideranças das igrejas com tradição wesleyana

já estão se abrindo para as nossas lideranças. Estou convencido que nossa igreja tem muito a contribuir com o metodismo em nível mundial”, afirma o novo presidente. Para o pastor José Magalhães Furtado, um dos integrantes do grupo de brasileiros no evento, o resultado da eleição mostra “o desejo

de mudança por efetiva alternância de poder e revitalização do Concílio”. Mesmo com a eleição, o bispo brasileiro permanece trabalhando no Rio de Janeiro, como presidente

da 1ª Região Eclesiástica da Igreja Metodista no Brasil, durante os próximos cinco anos. Além dele, foram eleitos, como vice-presidente, Sarah Francis Davis, bispa da

Jamaica, e, como tesoureiro, Kirby Hickey, leigo dos Estados Unidos. O bispo Ivan Abrahams, da África do Sul, foi eleito secretário executivo do Concílio.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

21

Martin Boulanger

ORGULHO

O caminho mais curto para o tombo

O dono da glória

E m todos os tempos e em todos os lugares, os cristãos têm declarado solenemente a Deus: “Teu é o reino, e o poder, e a glória para sempre” (Mt 6.13).

A rigor, essas palavras finais da oração do Pai-Nosso tornam imprópria qualquer autoglorificação. Uma passagem do Antigo Testamento reforça esse comportamento: “Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte na sua força, nem

o rico na sua riqueza, mas quem se gloriar, glorie-se nisto: em

compreender-me e conhecer-me [

me agrado” (Jr 9.23-24). Os cristãos precisam levar a oração dominical e o oráculo de Jeremias a sério, tanto na teologia como na prática diária.

].

Pois é dessas coisas que

22

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Ainda mais que há outro oráculo taxativo: “Não darei a minha glória a nenhum outro” (Is 48.11, NVI). Outras versões preferem dizer: “Eu não reparto a minha glória” (NBV) ou “Não cedo a minha glória” (BP).

Nabucodonozor, por 43 anos rei da Babilônia (de 605

a 562 a.C.), não se saiu bem ao perder as estribeiras e se autoelogiar: “Como é grande a cidade de Babilônia! Com

o meu grande poder eu a construí para ser a capital do

meu reino, a fim de mostrar a todos a minha grandeza e a minha glória” (Dn 4.30). Ele ainda estava falando quando veio uma voz do céu que disse: “Sua autoridade real lhe

foi tirada [e] você será expulso do meio dos homens,

Muitos nomes e muitos rostos

A soberba tem muitos nomes — altivez,

arrogância, exibicionismo, jactância, orgulho, ostentação, pedantismo, pernosticidade, presunção, vaidade, vanglória.

A soberba tem muitos rostos — existe

o orgulho do berço nobre, o orgulho do

sobrenome famoso, o orgulho da beleza corporal, o orgulho social, o orgulho

religioso, o orgulho da ortodoxia, o orgulho pentecostal, o orgulho carismático e até

o “orgulho gay”, o “orgulho hétero” e o “orgulho bissexual”. O mais nocivo de todos é o orgulho da humildade.

A vaidade é um dos ingredientes

mais indesejados e poderosos da pecaminosidade latente. O ser humano nasce e cresce com essa propensão e lida com ela a vida inteira. Pois a cultura secular estimula e favorece a soberba do berço ao túmulo — no lar, na escola, na igreja e na sociedade.

viverá com os animais selvagens e comerá capim como os bois”. A sentença sobre Nabucodonozor cumpriu- se imediatamente: o homem dos jardins suspensos da

Babilônia (uma das sete maravilhas do mundo) começou

a comer capim como os bois, a dormir no relento,

a deixar cabelos e unhas crescerem. Essa tremenda

humilhação durou sete anos. Então, sua mente voltou

a funcionar como mente de homem e ele fez uma

notável profissão de fé: “Agora, eu, Nabucodonozor, louvo, exalto e glorifico o rei dos céus porque […] tem poder para humilhar aqueles que vivem com arrogância” (Dn 4.31-37).

Humildade:

uma virtude para Deus ver e não para o homem ver

N ão é uma questão de aparência. A soberba mais grave é aquela que se esconde por trás de uma falsa humildade. A humildade é uma virtude para Deus

ver e não para o homem ver. Não é a negação pura e simples de dons, capacitação e virtudes pessoais, mas o sentimento constante da necessidade de Deus para se ter uma vida espiritual saudável, de vitória sobre o pecado e as provações, e cheia de frutos verdadeiros. Não é a mera rejeição de palmas, prêmios e coroas, mas a transferência destes para quem de direito (Ap 4.9-11) ou a prática verdadeira do soli Deo gloria (glória somente a Deus). Não é a autodesclassificação, a renúncia da inteligência, da sabedoria, experiência, força de vontade, trabalho árduo, mas a associação dessas coisas com os recursos que provém de Deus. Não é a inatividade, o cruzar dos braços, mas a atividade comandada e alimentada pela sabedoria e providência de Deus.

Humildade absolutamente sem medo

M uitos têm medo da humildade. Acreditam que ela não leva a nada, não produz resultado algum, é perda de tempo, é nadar contra a correnteza, é

expor-se à maldade alheia. O medo decorre da lei do mais forte, que prevalece desde a queda do homem e cada vez mais se amplia. A cultura mundana valoriza a soberba e não a humildade. Dá mais valor à roupa, ao nome, aos títulos, aos diplomas, aos anéis, ao dinheiro, ao status social, à pose, ao poder, e não reconhece o valor da piedade, da religiosidade, da santidade de vida e da modéstia cristã. Daí o medo de ser esmagado pela multidão ao tentar sair dela e ser diferente. Embora até certo ponto razoável, o medo da humildade desaparece quando o cristão se conscientiza de que na difícil e corajosa prática da humildade ele pode contar com a proteção de Deus. A exortação de Pedro é animadora: “Sejam humildes debaixo da poderosa mão de Deus” (1Pe 5.6). Deus coloca as mãos em forma de concha sobre a cabeça da pessoa humilde, protegendo-a de algum aproveitamento da parte de outros. É como se fossem a armadura, a couraça, o escudo e o capacete da salvação (Ef 6.10-17).

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

23

Depois de um longo tratamento de choque, o Egito tornou-se o mais humilde dos reinos

A soberba é uma doença tão séria que exige medidas de caráter radical para acabar com ela. Em seu estágio mais avançado, a soberba danifica a mente de suas vítimas. É o

caso do faraó Hofra, que governou o Egito por 19 anos, de 589 a 570 antes de Cristo, na época do profeta Ezequiel.

Ele era tão vaidoso que dizia: “O rio Nilo é meu! Eu mesmo

o criei para mim!” (Ez 29.3). Ora, de seus 6.671 quilômetros de

extensão, apenas 1.508 (menos de 25% de toda a área) pertencem

ao Egito. Além de se dizer dono do rio, Hofra apresenta-se como

o seu criador! Os monumentos egípcios atestam a tradicional jactância do país.

Para curar esse mal, a voz do Senhor vem a Ezequiel em janeiro

de 587 e lhe diz: “Filho do homem, vire o seu rosto contra o faraó,

rei do Egito, e profetize contra ele e contra todo o Egito” (Ez 29.2).

O juízo de Deus sobre Hofra é muito pesado:

Estou contra você, faraó, rei do Egito, contra você, grande monstro

deitado em meio a seus riachos [o delta do Nilo] [ no deserto, você e todos os peixes dos seus regatos [

campo aberto e não será recolhido nem sepultado. Darei você como

comida aos animais selvagens e às aves do céu [

desgraça e um deserto arrasado desde Migdol [ao norte] até Sevene [ao

] Deixarei você ] Você cairá em

] Tornarei o Egito uma

Certo ou errado?

Thiago R. Rocha

Este mundo está mesmo transtornado. Pelo avesso ele já virou decerto.

O

que era certo, agora está errado.

O

que era errado, agora virou certo.

Quem é honesto é tido por quadrado.

E

o desonesto é homem bem esperto.

O

que respeita a lei é atrasado.

Quem não respeita é tido como certo.

Quem deseja fazer tudo certinho, irá sentir que ficará sozinho na lisura de todos os atos seus.

Mas prossegue, com toda paciência, porque respeita a sua consciência

e procura agradar somente a Deus.

Thiago R. Rocha, 85 anos, é pastor emérito da Igreja Presbiteriana do Riachuelo, no Rio de Janeiro, e autor de Vida Positiva e Convém que Ele Cresça.

sul], chegando até a fronteira com a Etiópia [

pé de homem ou pata de animal o atravessará: ninguém

morará ali por quarenta anos [

entre as nações e os dispersarei entre os povos [

todos os que vivem no Egito saberão que eu sou o Senhor

(Ez 29.1-12).

] Nenhum

] Espalharei os egípcios

] Então

Essas medidas drásticas eram terapêuticas, visavam a cura de faraó e do Egito. E deram certo, pois

Ao fim dos 40 anos [número certamente simbólico] ajuntarei os egípcios [Hofra já teria morrido e sido substituído] dentre as nações nas quais foram espalhados. Eu os trarei de volta do cativeiro e os farei voltar ao Alto Egito, à terra de seus antepassados. Ali serão um reino humilde. Será o mais humilde dos reinos e nunca se exultará sobre outras nações (Ez 29.13-15).

Jesus — um megalomaníaco?

Os religiosos que querem aparecer e se autoprojetar devem se expor, viajar para onde estão os aglomerados humanos

e participar de festas religiosas,

celebrações de cultos e eventos especiais. Precisam chamar atenção por meio dos milagres espalhafatosos (como

o de jogar-se do pináculo do templo) e

de discursos inflamados. Esse de fato é

o caminho mais curto e mais garantido

para quem quer ser conhecido, atrair multidões e fascinar todo o mundo.

24

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Porque pensavam assim, os irmãos de Jesus disseram a ele nas vésperas da festa da Páscoa em Jerusalém:

“Quem quer ter fama não faz nada às escondidas (Jo 7.3, EP), e em seguida completaram: “Vá aonde mais gente possa ver os seus milagres” (Jo 7.4, BV). A essa altura, Jesus já havia transformado 480 litros de água em vinho, colocado em pé o paralítico de Betesda, multiplicado pães e peixes e andado sobre as águas.

Porque ainda não criam na divindade dele, seus irmãos entendiam que o

primogênito de Maria “queria aparecer”. Contudo, imediatamente depois da ressurreição de Jesus, eles se converteram e mudaram por completo

o modo de pensar a respeito dele

(At 1.14). Um deles, Tiago, provavelmente o mais velho, teve

o privilégio de ser uma das poucas

pessoas a ver, a sós, o ressuscitado

(1Co 15.7).

Gustavo Doré

Provérbios

de

Salomão:

o caminho mais curto para o tombo é a soberba

T alvez não haja outro livro da Bíblia tão contundente contra o pecado da soberba

quanto os Provérbios. Ele associa a queda, o fracasso e o escândalo ao orgulho, como se pode ver em seguida.

Deus zomba dos que zombam dele e

ajuda os humildes

Eu odeio o orgulho e a falta de modéstia (8.13, NTLH).

(3.34, NTLH).

A rainha de Sabá veio de longe para testar a sabedoria de Salomão e convenceu-se de que ele era um privilegiado de Deus

Antes de sua queda o coração do homem se envaidece, mas a humildade antecede a honra (18.12, NVI).

Os maus são dominados pelo orgulho e pela vaidade, e isso é pecado (21.4, NTLH).

Você quer saber o que há no coração de um homem que vive zombando de tudo e de todos? Orgulho, convencimento, ódio e atrevimento (21.24, NBV).

Para conseguir riqueza, respeito dos homens e uma vida feliz, você precisa ser humilde e temer o Senhor (22.4, NBV).

Não se engrandeça na presença do rei, e não reivindique lugar entre os homens importantes; é melhor que o rei lhe diga: “Suba para cá!”, do que ter que humilhá-lo diante de uma autoridade (25.6-7, NVI).

O homem é derrotado pelo seu orgulho, mas o de espírito humilde será respeitado (29.23, NBV).

Quando vem o orgulho, chega a desgraça, mas a sabedoria está com os humildes (11.2, NVI).

Brigas e discussões são provocadas pelo orgulho, mas as pessoas humildes aceitam conselhos e se tornam sábias (13.10, NBV)

O Senhor detesta todos os orgulhosos; eles não escaparão

do castigo, de jeito nenhum (16.5, NTLH).

A desgraça está a um passo do orgulho: logo depois da

vaidade vem a queda (16.18, NBV).

Mais vale ter um espírito humilde e estar junto dos oprimidos do que partilhar das riquezas dos orgulhosos (16.19, NBV).

Quem vive se gabando está correndo para a desgraça (17.19, NTLH).

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

25

Berdnik Oleksander

Leif Ekström:

está na hora de pedirmos ao Senhor que nos dê mais espinhos bem encravados na carne

A tendência ao orgulho e à presunção é, sem dúvida, uma das mais perniciosas tentações que o cristão enfrenta, principalmente se for pastor ou exercer outra

liderança na igreja. Elogios, agradecimentos, homenagens e a frequente bajulação fazem surgir, facilmente, um sentimento de satisfação que pode levar ao orgulho e à presunção. É muito difícil lidar com este pecado chamado orgulho. Outras áreas, como a moral, a sexualidade ou a ganância, são mais facilmente detectáveis. O orgulho está dentro de nós e pode ser disfarçado com uma falsa humildade. Sinceramente, sinto que está na hora de pedirmos ao Senhor que nos dê mais espinhos bem encravados na carne, para aprendermos que nada podemos com nossas próprias forças, capacidades e dons. Só seremos fortes quando formos fracos. Será que temos coragem de orar: “Senhor, manda mais espinhos à tua igreja e aos seus pastores”?

(Fonte: Jornal Luz nas Trevas, 8/2011, p. 4)

Leif Ekström é pastor da Igreja Korskyrkan, na Suécia.

26

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Guilherme Ávilla Gimenez:

é hora de abandonar a vaidade e deixar a liderança, se necessário

A vaidade é um problema social. Muitas pessoas, em nome da vaidade, já fizeram verdadeiras loucuras apenas para manter a aparência ou fingir algo

que não são. Há muitos líderes vaidosos. Em geral, fazem de um cargo ou uma posição a oportunidade para exercitarem sua vaidade, ainda que isso tenha um alto custo para seus liderados e até para a organização. Há várias histórias de líderes que arruinaram muita gente porque foram dominados pela vaidade e perderam a noção da realidade, da honestidade e até mesmo da própria dignidade. O problema principal de líderes vaidosos é que raramente admitem seus erros. A vaidade os cega de tal forma que se tornam donos da verdade e começam a criticar tudo e todos sem, no entanto, perceberem suas próprias falhas. Para manterem a vaidade, esses líderes comprometem

valores, ética, moral, verdade e outros elementos indispensáveis na liderança.

Líderes vaidosos, à semelhança de Lúcifer, são narcisistas. O desejo de primazia é tão intenso que acabam cometendo vários erros, que determinam seu fracasso e consequente juízo. Qualquer ação movida por vaidade

é perigosa. Líderes inteligentes fogem

da vaidade e líderes comprometidos com os valores bíblicos simplesmente a abominam. Você é vaidoso e tem exercido sua liderança em meio a narcisismo, obsessão, bajulação e outros sentimentos destrutivos? É hora de abandonar a vaidade, reconhecer os erros e confessá- los, bem como corrigi-los com um coração manso e disposto a ouvir aqueles que podem ajudar. Em vez de manter-se em um cargo ou posição apenas para ser reconhecido como

“líder”, é mais sábio ser humilde, deixar

a liderança, se necessário, e crescer em

conhecimento, sabedoria, instrução, para então, mais tarde, com humildade, poder assumir novamente a liderança.

(Fonte: O Jornal Batista, 11/09/2011, p. 3)

Guilherme Ávilla Gimenez, pastor da Igreja Batista Betel e professor da Faculdade

pastor da Igreja Batista Betel e professor da Faculdade Naziaseno Cordeiro: está na hora de fugir

Naziaseno

Cordeiro:

está na hora de fugir da nossa própria vaidade!

P or estarem entre os leitores de livros doutrinários e históricos e por frequentarem simpósios e encontros] alguns reformados poderão se julgar superiores aos demais, mostrando, assim,

soberba e arrogância. Isso seria estranho, pois quanto mais conhecimento obtemos de Deus, mais conscientes deveríamos ficar de nossa miséria e falência. Existe o risco de haver uma apreensão intelectual da Verdade sem que esta nunca tenha chegado ao coração. Assim sendo, o conhecimento de Cristo e da sua doutrina, se não nos leva à humildade, inevitavelmente nos conduz à soberba e, por que não dizer, ao farisaísmo. Precisamos de um calvinismo prático — uma Reforma que nos leve à experiência diária de real quebrantamento diante de Deus e humildade perante os homens. Com o discurso e a prática presentes na nossa fé reformada seremos realmente relevantes para o mundo. Porém, sem a experiência de vida reformada estaremos falando de nós para nós mesmos — presos no gueto da nossa própria vaidade e futilidade.

(Fonte: O Brasil Presbiteriano, 08/2011, p. 4)

Naziaseno Cordeiro é pastor presbiteriano em Capela do Alto Alegre, Bahia.

Pedido de socorro

Deus, tem misericórdia de mim! Livra-me de

qualquer processo consciente ou inconsciente de envaidecimento. Guarda-me da soberba oculta, tão escondida em alguma dobra de minha alma

que eu mesmo não consigo enxergar. Protege-me da autoavaliação doentia, equivocada, mentirosa, danosa e desastrosa. Livra-me do assanhamento

e da euforia (e também da depressão). Preciso da tua intervenção porque o problema é complicado

e eu não sei nem consigo me vigiar sozinho.

Concede-me a humildade de Jesus Cristo. Nem mais nem menos. Que a soberba não me domine. Então com a tua graça ficarei livre de grande transgressão. Amém!

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

27

Percepções de si mesmo Taís Machado N ecessitamos ser amados. O de orgulho é uma

Percepções de si mesmo

Taís Machado

N ecessitamos ser amados.

O

de

orgulho é uma espécie disfunção na capacidade

de perceber-se amado. Portanto, o orgulho pode ser o estado de uma alma insegura, a manifestação de uma carência que desconfia jamais ser suprida. Vive-se como se a vida fosse um concurso. Só que o orgulhoso procura, além disso, não apenas ser classificado, mas ser o primeiro.

Afinal, ele não pode viver sem provar

a si mesmo e exibir aos outros que ele

é melhor. Geralmente o orgulhoso não tem consciência de que é assim. Entende-se apenas como esforçado, bastante dedicado, que se interessa

inteiramente pelas coisas, que não desiste — enfim, um brasileiro superior. A razão pode ser um forte apoio para justificar-se e defender-se inconscientemente.

O que predomina naquele que é

tomado pelo orgulho é a competição.

E quem compete, necessariamente,

precisa observar o outro. Vive prestando atenção no desempenho do próximo a fim de superá-lo. Ou seja,

a comparação é como o ar que ele

respira. Não consegue viver sem isso, está o tempo todo vendo e julgando.

O orgulhoso é compelido a

insinuar seus feitos todo o tempo. Ofende-se se não é mencionado. Considera-se facilmente injustiçado e que os demais são ingratos, quando se trata, na verdade, de dificuldades suas.

Dominado pelo orgulho,

assume um jeito de viver em que a

autossuficiência se revela, às vezes, discretamente, em outras ocasiões, explicitamente. Assim seus dias ficam mais cansativos, pois vivem acorrentados ao peso de não poderem pedir ajuda. Sentem como se isso fosse uma vergonha mortal. Tudo isso compromete sua capacidade de gratidão e contentamento. O orgulhoso vive inconformado com a falta de reconhecimento dos que o cercam quanto a tudo que já fez. Chega a julgar o próprio Deus e vê-se no direito de explicar por que percebe que de certa forma Deus está em dívida com ele. Em última análise, pode concluir que Deus não é de fato confiável, pois não é justo. Sendo assim, vive uma solidão cruel, que se esmera por disfarçar. A alma adoecida pelo orgulho

acaba por viver seus dias miseravelmente. Vê inimigos o tempo todo, sente uma perseguição implacável em seu cotidiano. Portanto, envelhece com raízes de amargura, com dureza ímpar, com sofrimentos desnecessários.

A distorção na maneira de olhar e

interpretar a si mesmo, os outros e

o seu contexto enruga a alma de tal

maneira que poucos vestígios sobram da imagem de Deus, o Criador.

Tais Machado, paulistana, é psicóloga clínica e professora em seminários teológicos. É secretária nacional de capacitação da Aliança Bíblica Universitária do Brasil.

28

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

do Brasil. 28 ULTIMATO I Novembro-Dezembro, 2011 O avental da humildade Os pastores precisam alimentar,

O avental da humildade

Os pastores precisam alimentar, apascentar e pastorear o rebanho que está sob seus cuidados. Não

aos trancos e barrancos. Não para fazer da fé uma fonte de renda

e riqueza. Não de má vontade.

Não como dominadores, tiranos ou senhores. Não como donos da igreja nem como pequenos deuses. Essas atitudes provocam brigas, invejas, ciúmes, divisões, deserções, rupturas, mudanças de igreja e de denominações, além de aumentar a crescente multidão

dos “sem religião” e os escândalos sem fim. Ao tratar dessa triste realidade,

o apóstolo Paulo dá um oportuno conselho: “Que todos [os pastores

e as ovelhas] prestem serviço uns

aos outros com humildade, pois as Escrituras Sagradas dizem [que] ‘Deus é contra os orgulhosos, mas é bondoso com os humildes’” (1Pe 5.5). No original grego seria: “Vistam todos o avental da humildade” (a Bíblia do Peregrino usa essa versão). Só é possível sonhar com uma igreja mais próxima do alto padrão estabelecido por Jesus quando seus pastores vestirem o avental da humildade!

O casamento do sucesso com a humildade O sucesso faz parte dos planos de Deus

O casamento do sucesso com a humildade

O sucesso faz parte dos planos de Deus para os seus filhos. Sucesso na vida devocional, no casamento, na educação

dos filhos, nas relações humanas, no exercício da profissão. Aos pastores e líderes, Deus concede dons especiais, capacidade, orientação, oportunidade, direção e o poder sobrenatural do Espírito Santo, para cumprirem cabalmente o seu ministério. Sob

O grande problema é que, quanto maior

o sucesso, maior é o risco de envaidecimento,

por causa da fraqueza humana. Caso haja envaidecimento consciente ou inconsciente, o sucesso vai embora misteriosamente. E o bem- sucedido pastor e líder desaparece do cenário e, muito provavelmente, cai em pecado e comete

escândalos, porque “a desgraça está a um passo do orgulho [e] logo depois da vaidade vem a queda” (Pv 16.18). Esta é uma regra sem exceção. Não se escapa desse risco fugindo-se do sucesso, mas fugindo-se da soberba. Deus preferiu colocar um espinho na carne de Paulo — e não encostá- lo — para continuar a servir-se dele, para que

o apóstolo não se ensoberbecesse (2Co 12.7).

Ambos, o sucesso e o espinho, continuaram juntos

durante a vida de Paulo, em favor do reino de Deus. À custa do doloroso espinho, o ministério

e a humildade do apóstolo foram preservados e

abençoados. Essa história se repete. Deus reserva a

si a natureza, a ocasião, a intensidade e a duração

do espinho. Victor Hugo (1802–1885), depois de ouvir os elogios dos amigos, lia os jornais que o enxovalhavam. E os monges do célebre mosteiro de Cluny, fundado na França em 910, eram obrigados

a se curvar diante dos que os tinham transgredido. Deve-se fugir da soberba como o diabo foge da cruz!

a

perspectiva humana, a velocidade da implantação

e

plenitude do reino de Deus na terra depende

desse sucesso global. Uma vez satisfeitas todas as

exigências de Deus, o sucesso está garantido: “Tão somente sê forte e mui corajoso para teres o cuidado de fazer segundo toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem par a esquerda, para que sejas bem-sucedido por onde quer que andares” (Js 1.7). Na verdade, o sucesso é inevitável para quem está plantando junto às águas:

“Tudo quanto ele faz será bem-sucedido” (Sl 1.3). José do Egito era teimosamente bem-sucedido em qualquer lugar (na casa de Potifar, no cárcere e no trono do Egito) e em qualquer circunstância (amado, invejado, caluniado, esquecido e honrado). A razão desse sucesso aparece na repetida frase: “O Senhor era com José” (Gn 39.2-3, 21, 23). Essa promessa não está apenas no Antigo Testamento. Jesus chegou

a dizer que o sucesso de seus discípulos é uma das

expressões de louvor a Deus: “Nisso é glorificado o meu Pai, em que deis muito fruto” (Jo 15.8).

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

29

Estamos todos embriagados!

N o momento estamos todos embriagados. Quem dera fosse pelo Espírito, mas

marketing. Usamos roupas de grife, somos artificiais nos gestos e na entonação da voz. Impressionamos

certamente não o é. Estamos perigosamente embria-

os

o

e

a

O

ao

auditórios, chamamos a atenção para nós e embriagamos também

gados pela carne. Embriagados pela

público. Aceitamos as palmas

competição que nem mais consegue

pedimos bis. Essa embriaguez

ser velada. Estamos embriagados pela busca por nome, fama, poder, primeiro lugar, glória. Só pensamos em conquistas grandiosas: um país protestante (não necessariamente cristão), um presidente protestante (não necessariamente ficha limpa), uma igreja cada vez maior do que a outra (não necessariamente santa), um templo cada vez mais amplo e suntuoso (não necessariamente livre dos célebres vendilhões do tempo de Jesus). Não falamos em pecado. Não falamos em arrependimento. Não falamos em conversão. Não falamos em caminho apertado. Não falamos do “negue-se a si mesmo” de Jesus. Não falamos em santidade. Não falamos da glória por vir.

nos tornou secularizados. Outrora saímos das trevas e viemos para a luz. Agora estamos saindo da luz e voltando para as trevas. Essa embriaguez de líderes e de liderados está provocando o que hoje se vê claramente: compara- ções, competições, rivalidades, divisões, mudanças litúrgicas, descontentamento, escândalos, descrença e apostasia. Em nenhum outro tempo houve uma multipli- cação tão grande e tão rápida de denominações. Em nenhum outro tempo aconteceu um entra-e-sai de uma igreja para outra tão acen- tuado como agora. Em nenhum outro tempo o rol dos sem-religião aumentou tanto. Essas são algumas consequências

Só falamos de gente, de multi-

médio e longo prazo da nossa

dões, de números. Só falamos de autoajuda, de dinheiro, de cura, de sucesso financeiro, de bens móveis e imóveis, de milagres. Só falamos do presente. Só falamos dos cantores gospel e de eventos retumbantes. Apresentamo-nos como bispos, apóstolos, patriarcas e papas. Faze- mos questão de dizer que somos ao mesmo tempo doutor em teologia, em ciências da religião, em divin- dade e em filosofia. Esbanjamos

embriaguez, da qual muitos ainda não têm consciência. Usamos a palavra todos neste texto de forma retórica. Ainda há muitas pessoas cuidadosas, tanto entre pastores e líderes como entre cristãos comuns. O trigo nunca de- saparece. Mesmo naquelas ocasiões em que o joio é maior do que ele. Se houver uma corajosa reviravolta da soberba mundana para a humildade cristã, a história

títulos e nomes. Estamos todos, de fato, embriagados!

atual da igreja poderá ser revertida. Afinal, há cura para a embriaguez!

Só nos preocupamos com o cres-

primeiro passo dos alcoóli-

cimento de igrejas. É o assunto do momento. Criamos métodos, estra- tégias, alvos. Muitos deles importa-

cos anônimos é admitir que são impotentes para reverter sozinhos qualquer problema de conduta.

dos do mundo secular, das empresas

Daí a necessidade de pedir socorro

bem-sucedidas, dos especialistas em

poderoso e amoroso Deus!

30

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

e amoroso Deus! 30 ULTIMATO I Novembro-Dezembro, 2011 Quem avisa amigo é É mais seguro ouvir

Quem avisa amigo é

É mais seguro ouvir a verdade do que

pregá-la. Quando ouvida, preserva-se a humildade. Quando pregada, raramente

o ser humano deixa de ser tomado pela vaidade, por mínima que seja. Agostinho de Hipona

[A soberba é o mais prolífico dos pecados capitais] por estar na origem de todos os outros. Antes de os seres humanos existirem sobre a Terra, o demônio se insubordinou contra Deus, por arrogância, porque queria se equiparar a ele. Tomás Eloy Martinez, escritor argentino, autor de O Voo da Rainha, romance sobre a soberba

James Stewart

Soberba e secularização

Q uando alguém perde o controle sobre a soberba, entra mar a dentro no processo de secularização. Isso

acontece porque a pessoa olha mais para ela do que para Deus. Esse desligamento de fundo religioso deságua naturalmente na secularização. Daí a crescente e escandalosa mistura de religião com empresa. A situação parece irreversível e é objeto de estudo da parte de cientistas religiosos, sociólogos, economistas e antropólogos. Estamos envergonhados por causa dessa situação. Há uma busca por pastores habilidosos (antes se preferia pastores de grande comunhão com Deus, de conduta exemplar, cheios de paixão pelas almas etc.) para abrir novas igrejas no sistema de franquias. Assim como um executivo muda de uma empresa para outra que pague um salário maior, “está se tornando cada vez mais comum um pastor mudar de igreja para ganhar mais”, explica Paula Idoeta, da BBC Brasil. Em certa denominação, diz-se que o pastor tem de cumprir meta de arrecadação de dízimo, como qualquer vendedor de apólice de seguro ou de comércio atacadista. Os que obtêm os melhores resultados podem ganhar prêmios, como uma viagem a Israel.

O sociólogo Ricardo Mariano, professor da PUC-RS e autor de Neopentecostais — sociologia do novo pentecostalismo no Brasil, lembra que em algumas igrejas “existe quase um plano de carreira que permite que [os seus pastores] passem para congregações maiores, vão para outros países e participem de programas de TV”. Salários que variam de 3 mil reais (para iniciantes) a 20 mil reais (para os mais capazes) mais benefícios (casa mobiliada, escola para os filhos, plano de saúde e, em alguns casos, o carro do ano) substituem a velha receita de homens verdadeiramente vocacionados por Deus para o ministério. Em defesa do mercado religioso, conhecido pastor acaba de declarar que “só uma pessoa ignorante acha que fé e lucro não podem caminhar do mesmo lado”. Dias atrás, o celebrante de um casamento nos Estados Unidos foi “o pastor Bit”, uma espécie de robô! A orientação bíblica de mais de dois milênios atrás foi deixada de lado:

“[Pastores e bispos] não usem o seu trabalho para ganhar dinheiro, mas com o verdadeiro desejo de servir” (1Pe 5.2).

Além de prima-irmã da intolerância, a soberba também é frequentadora assídua da antessala do fracasso. Dora Kramer, jornalista

Todo aquele que anda somente quatro passos

de forma arrogante, afasta-se [da] presença divina. Halachá, código judaico do comportamento

humano

A verdadeira religião ensina nossos

deveres e nossas incapacidades (orgulho

e concupiscência) e [fornece] os remédios (humilhação e mortificação). Blaise Pascal

Deus se esconde dos arrogantes intelectuais e se mostra apenas a “bebês”, isto é, àqueles que são sinceros e humildes na sua relação com ele. John Stott

Trocamos a humildade de ser ovelhas para o matadouro por títulos que nos conferem status abomináveis a Deus. Trocamos a humildade do cordeiro pela glória do lobo. Ariovaldo Ramos

Prefiro um malogro suportado com humildade a uma vitória com orgulho [e] Deus prefere um pecador arrependido a uma virgem orgulhosa. Revista Beneditina

Quem anda à procura de holofotes dos homens com certeza ficará longe da iluminação do Espírito Santo. Glênio Fonseca Paranaguá, pastor da Primeira Igreja Batista de Londrina, PR

O ser humano está cada vez mais

apaixonado e encantado consigo mesmo,

buscando sempre seu espelho, sua projeção

e seus aplausos. Cada vez mais distante da

proposta cristã de amar o outro como a si

mesmo. Arlene Denise Bacarji, teóloga católica

Títulos honrosos promovem o marketing. Atribuir um título aumenta o prestígio que os “leigos” devem dar ao pastor ou líder eclesiástico. […] Um desejo de autopromoção ou a busca por mais autoridade pode levar um pastor a autodenominar-se apóstolo, enquanto

a Bíblia usa esse termo, na maioria dos

casos, para falar de alguém autorizado por

Cristo para falar em seu nome e com sua autoridade. Russell Shedd

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

31

o CAmiNHo Do CoraÇão

ricardo barbosa

Tornar-se criança

J esus disse que ninguém pode entrar no reino dos céus se não se tornar como uma criança. A imagem que surge na mente dos adultos,

quando ouvem esta afirmação de Jesus,

é a da pureza infantil, da inocência, da

dependência — virtudes que poucos adultos desejam. Assim, a conclusão lógica a que qualquer um chegaria é que

poucos deles entrarão no reino dos céus. A infância, para muitos adultos, é apenas uma lembrança — boa para uns, ruim para outros. É raro encontrar um adulto que demonstre interesse, por menor que seja, em ser como uma criança. Os poucos que o demonstram,

o fazem por razões românticas, não

reais. O interesse do adulto pela inocência ou pureza quase sempre é confuso e infantilizado. É também raro encontrar um adulto que, de fato, queira ser dependente. Pode até querer se convencer de suas limitações, mas dificilmente abrirá mão do controle de seu destino. Ao tomar uma criança como exemplo daqueles que entrarão no reino dos céus, Jesus não tem em mente as imaginações românticas que nós, adultos, temos da infância. Mesmo porque o reino dos céus não será herdado por adultos infantilizados. Maturidade e crescimento são evidências esperadas na vida daqueles que seguem a Cristo. Ao tomar uma criança como exemplo, Jesus nos ajuda a corrigir uma compreensão equivocada que temos da virtude da humildade. Os discípulos discutiam entre si qual deles seria o maior no reino dos céus — conversa típica de adulto. No meio desta discussão, Jesus toma uma criança e diz

32

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

que quem se humilhar como ela — este, sim — será o maior no reino dos céus. Tornar-se criança não é transformar- se em um adulto infantilizado; é aprender o significado da humildade, sem a qual ninguém entrará no reino dos céus. Tornar-se como criança é reconhecer a condição de filho e de filha. Ser humilde como uma criança é reconhecer-se como criatura. A natureza humana frequentemente inverte esta relação. O prazer mais natural de uma

Tornar-se criança significa saber que nada nos alegra mais do que agradar o Criador

criança é agradar seus pais. Humildade

é agradar aquele (ou aqueles) a quem

amamos. Não se trata de uma virtude que se conquista com atitudes modestas ou com a negação de elogios. Ela se desenvolve na medida em que cresce em nós a consciência de quem somos diante

do Criador. É curioso notar como a fronteira entre a humildade e o orgulho é estreita. Ser elogiado por ter feito algo bom nunca foi um pecado. É legítimo o prazer que sentimos ao agradar alguém

a quem amamos. O prazer maior de

qualquer cristão será ouvir a voz do

Salvador dizer: “Muito bem, servo bom

e fiel…” — um elogio que nos encherá

de prazer por termos agradado aquele

a quem mais amamos. Porém, o elogio

pode se transformar em uma fonte de prazer em si mesmo. Neste caso, não se procura agradar a pessoa amada,

mas sentir-se valorizado e importante.

O polo é invertido: é a criatura

assumindo o lugar do Criador. É neste

ponto que o adulto deixa de ser criança

e torna-se infantil. Tornar-se criança significa reconhecer

a condição de criatura e saber que nada nos alegra mais do que agradar o

Criador. É por isso que Jesus nos ensina

a entrar no quarto, fechar a porta, para aprender a orar. Orar em público, faz

da oração facilmente um fim. Ouvir

elogios dos outros nos faz sentir que somos “bons na oração”, enquanto que orar secretamente no quarto nos leva

a experimentar a recompensa que vem

de Deus. Aprendemos a orar por causa

dele e não por nossa causa. Desejamos

agradá-lo e não a nós. Somente os humildes entrarão no reino dos céus. A verdadeira fé não é fazer grandes coisas em nome de Deus, mas viver de forma a agradá-lo. Não

é isto que os pais esperam de uma

criança? Tornar-se criança é viver liberto

da tirania da vaidade, da busca insana

pela autorrealização, da necessidade infantil de ser admirado e reconhecido. Tornar-se criança é experimentar a alegria de viver para aquele que nos criou e agradá-lo.

Quer louvar-te um ser humano, parte minúscula de tua criação. És tu mesmo que lhe dás o impulso para fazê-lo, assim ele se sente feliz ao louvar-te. Pois para ti nos criaste, e inquieto é nosso coração, até que chegue a descansar em ti. (Agostinho, Confissões)

Ricardo Barbosa de Sousa é pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto e coordenador do Centro Cristão de Estudos, em Brasília. É autor de Janelas para a Vida e O Caminho do Coração.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

33

D A liNHA De FRenTe

bráulia ribeiro

O evangelho da gentileza

Apagaram tudo Pintaram tudo de cinza Só ficou no muro Tristeza e tinta fresca [ Por isso eu pergunto

A você no mundo

Se é mais inteligente

O livro ou a sabedoria?

(Marisa Monte)

]

À medida que o Brasil vai se

tornando mais evangélico observamos as marcas culturais do evangelicalismo se misturarem à cultura popular e vice-versa. Missiólogos discutem a influência da cultura nos diversos modelos de evangelho que temos pelo mundo usando dois conceitos, contextualização e sincretismo. Entende-se por contextualização

a expressão do conceito novo — a revelação do evangelho — por meio de formas antigas e facilmente reconhecíveis pelo povo. O conhecido se torna a expressão do novo. Já o sincretismo trata de uma mistura promíscua, indesejada, das novas

formas com conceitos antigos. É a

revitalização do erro, que se veste com uma fantasia brilhante e aparentemente nova.

O evangelho no Brasil — e,

acredito, em muitos outros lugares — se acultura de modo contextualizado

e sincrético ao mesmo tempo. Para

se discernir entre pureza e corrupção

o trabalho é árduo, mas a discussão

destes caminhos é hoje essencial para

a saúde da igreja. Apenas o Espírito

Santo e a Bíblia podem nos tirar do limbo de um semievangelho, que se torna inócuo por ser equivalente.

34

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

 

Atualmente existe uma guerra entre

O evangelho das massas populares é

tributárias, requer riquezas em profusão

os

evangélicos no Brasil que nada tem

simples: a entidade divina se tribaliza.

de

santa. É uma releitura cultural da

Como qualquer proposta animista, o

velha disputa de classes. Apesar de não termos uma cultura de castas,

Deus tribal é pesado em suas demandas

como na Índia, nossa tradição social, baseada em origem e poder econômico,

é marcada pela exclusão de grupos

sociais. Nos tempos coloniais, a família,

o grau de proximidade da nobreza

portuguesa, a cor da pele faziam a

diferença. Hoje a subcultura à qual

pertencemos, a linguagem que falamos,

a música que ouvimos revelam o poder

socioeconômico que temos. As várias versões evangélicas atendem

a subgrupos culturais diferentes e

fazem concessões teológicas de acordo

com a necessidade de cada um deles.

As várias versões evangélicas fazem concessões

teológicas de acordo com a

necessidade dos diferentes

subgrupos culturais

O evangelho intelectual das classes

dominantes requer uma lógica que se

conforme ao discurso pós-moderno. O Deus tribal dos hebreus se transforma em uma força de amor despersonalizada

e universalizante. Seguindo o exemplo

da Europa multiculturalista, o

evangelho palatável à intelligentsia tem que relativizar verdades. Não existe adaptação sem comprometimentos. A

moralidade bíblica é um peso muito grande a ser carregado. Existe uma proposta de amor no evangelho, mas se exige para esta uma síntese hegueliana. Qualquer maneira de amar vale a pena, qualquer moralidade me diverte, desde que me satisfaça.

e obediência cega às autoridades

sacerdotais. Ele tem necessidade de demonstrar seu poder em um jogo

intimidatório. As bênçãos são subornos

e o Deus tribal dança conforme a

música do desenvolvimento econômico

e distribui casas, carros zero e cargos

políticos, premiando a servidão de seus fiéis. Nas duas versões o evangelho

de Cristo se torna “o evangelho do

profeta Gentileza”. O “amor” do Cristo

folclórico não é amor, é entretenimento. Ele é simplório e ridículo. Quem é mais inteligente, o homem ou a lei, o livro ou a sabedoria? — pergunta Gentileza.

O homem, a sabedoria que não está nos

livros nem no Livro — respondemos.

E decidimos então apontar as torres de

nossas igrejas para o centro da sociedade brasileira — o homem cordial que

a todos agrada. A cultura brasílica,

que não gosta de regras impostas, menospreza o Livro e reinventa em duas versões um Deus sem leis e sem moral, que se ocupa de nos servir. Concordo com Marisa que a parede cinzenta é mais triste do que se permanecesse pintada com os escritos coloridos do Gentileza. Contudo, não vamos trazê-lo para as igrejas. É melhor deixá-lo nas ruas.

Bráulia Ribeiro trabalhou na Amazônia durante trinta anos. Hoje mora em Kailua-Kona, no Havaí, com sua família e está envolvida em projetos internacionais de desenvolvimento na Ásia. É autora de Chamado Radical. braulia_ribeiro@yahoo.com

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

35

36

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

D e HoJe em DiANte

Não quero me esquecer

de tudo que devo lembrar

É verdade. A partir de hoje vou me lembrar de tudo de bom que penetrou em minha memória, tanto

pela visão e audição quanto pela

consciência. Vou me lembrar daquele que me

criou, meu mais remoto ponto de partida, pois me fez para ele e meu coração não descansa enquanto não repouso nele. Quero me lembrar de Deus antes de descobrir que tudo

é um eterno correr atrás do vento,

misericórdia de Deus. Vou contar

e agradecer as bênçãos recebidas da divina mão e de mãos humanas. Vou me lembrar dos meus pais e dos meus irmãos, do meu cônjuge, dos meus filhos, dos meus amigos

e da família da fé. Assim nunca me

esquecerei de que sou casado, sou

filho e sou pai.

Vou me lembrar dos outros, dos que precisam do pão de cada dia, de trabalho, saúde, paz e salvação. Graças a essas lembranças, deixarei de lembrar-me apenas de mim, como se eu fosse o único ser vivente. Que Deus me ajude a permanecer nesse mar de lembranças saudáveis, de hoje em diante!

Novembro-Dezembro, 2011 I ULTIMATO 37
Novembro-Dezembro, 2011
I
ULTIMATO
37

antes que o processo inescapável da decadência física tome conta de mim, antes que o corpo volte ao pó da

terra, de onde tudo veio, e o espírito volte a Deus, que o deu. Vou me lembrar das minhas obrigações morais, dos Dez Mandamentos, das bem- aventuranças, do paradigma que Deus coloca diante de mim, do processo contínuo da santificação. Vou me lembrar de Jesus morto e ressuscitado, que tomou sobre si meu pecado, que removeu minha culpa e minha mancha, que me reconduziu ao Pai e que ainda é o meu defensor diante de Deus. Vou me lembrar das promessas de Deus: a segunda vinda de Jesus,

ressurreição, o novo corpo, o juízo final e o novo céu e a nova terra. Vou me lembrar de agradecer

Deus pela vida, pela saúde, por aquele toque misterioso do Espírito que abriu os meus olhos e me fez enxergar minha miserabilidade e a

a

a

C o T i d i a n o — o l e i T
C o T i d i a n o
o
l e i T o R
p e R g u n T a
ed rené Kivitz
Envie sua pergunta para:
edrenekivitz@ultimato.com.br

Pastor, somos alunas do curso de missão integral do Centro Evangélico de Missões (CEM) em Viçosa. Estamos fazendo um trabalho sobre a história da igreja nos séculos 20 e 21 e, para tanto, recolhendo opiniões de alguns líderes cristãos. Gostaríamos de saber: qual a sua visão sobre o neopentecostalismo? como o secularismo tem influenciado a igreja, na sua opinião? qual deve ser a postura da igreja para evitar que ele corrompa a essência do cristianismo? qual o seu conselho para a igreja brasileira hoje?

Obrigado pelas perguntas que apresentam temas desafiadores:

neopentecostalismo, secularismo, cristianismo e igreja evangélica brasileira. Em primeiro lugar, devo esclarecer que nem o cristianismo nem a igreja evangélica brasileira são realidades estáticas e monolíticas. Isto é, existem muitos cristianismos e muitas igrejas evangélicas brasileiras. Contudo, de fato observo essas duas tendências no movimento cristão evangélico contemporâneo: o secularismo e o neopentecostalismo. Parece até que um responde ao outro e que estamos condenados aos extremos da dialética da história: o neopentecostalismo com sua ênfase

mágica confrontado pelo secularismo

com sua absolutização da razão. Vejo

o neopentecostalismo como uma

consequência natural do secularismo.

Secularismo significa viver sem

a necessidade de Deus. Isso é fruto

da chamada modernidade, um fenômeno do século 17 que afirmou a

supremacia da racionalidade científica

e do indivíduo acima da fé, da religião

e de suas instituições. O impacto do secularismo e da modernidade pode ser constatado, nos últimos dez anos, pelo fechamento de em média duzentos templos cristãos por mês na Europa. Porém, o rebote da modernidade não demorou a surgir.

A modernidade não conseguiu provar

que Deus não existe, pois Deus não

é variável epistemológica, isto é,

ele não é passível de verificação em testes de laboratório. Todavia, ela conseguiu desferir um duro golpe nos representantes de Deus, notadamente nas instituições religiosas e no clero.

A modernidade secular, por outro lado, abriu espaço para o aprofundamento do desespero e da consciência de vulnerabilidade do ser humano. Um universo vazio de Deus é também um universo vazio de sentido (niilismo) e sem critérios morais para a ordenação da vida: “Se Deus não existe tudo é permitido” [Dostoiévski]. O ser humano, que

se afirmou com pretensões absolutas, não conseguiu superar a angústia diante de sua finitude, o medo da morte, o flagelo do sofrimento e

a sensação de abandono em um universo imenso.

O dia seguinte da modernidade amanheceu com novos contornos: o ressurgimento da busca da experiência espiritual e da experiência religiosa privatizada, não tutelada pelas hierarquias das religiões formalmente organizadas. Isso explica, pelo menos em parte, o neopentecostalismo, que coloca Deus a serviço do bem-estar humano e manipula o sagrado e os poderes espirituais, a fim de resolver a vida em termos mágicos. Aqueles que não se submetem

a uma experiência espiritual infantilizadora e alienante buscam respostas mais próximas das categorias do secularismo, tentando afirmar

a necessidade de o ser humano se

emancipar do Deus interventor, tipo

papai do céu, muito parecido com

papai noel. Aqueles que consideram

a convocação do ser humano para

que assuma seu papel na construção

da sociedade, da história e do futuro uma ofensa a Deus, correm para

a absolutização da fé em termos

mágicos, próximos da feitiçaria. Dias difíceis. Entretanto, como nos ensinou John Stott, “crer é também pensar”.

Ed René Kivitz é pastor da Igreja Batista de Água Branca, em São Paulo. É mestre em ciências da religião e autor de, entre outros, O Livro Mais Mal-Humorado da Bíblia. www.edrenekivitz.com

38

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Miguel Saavedra

Carlos “Catito” Grzybowski e Dagmar Fuchs Grzybowski

C a s a m e n T o

e

F a m í l i a

A vergonha de estar nu

A pós o relato da criação, nos dois primeiros capítulos de Gênesis, a Bíblia não descreve muito como era a vida

e o relacionamento do primeiro casal

no Paraíso. Apenas um versículo indica algo deste relacionamento — o verso 25 do capítulo 2. Ele afirma: “O homem e sua mulher viviam nus, e não

sentiam vergonha”. Todavia há uma verdade especial contida nas poucas palavras deste versículo. Em primeiro lugar, a ideia de estar nu, neste contexto, não indica somente o não estar usando roupas, mas sim que havia um total conhecimento um do outro — um desnudar-se de alma! Homem e mulher não tinham absolutamente nada a

esconder um do outro. Conheciam e eram conhecidos por seus pares na mais profunda intimidade da alma. Na busca pela intimidade relacional,

o casal precisa dar-se a conhecer um ao outro, o que não é um processo fácil. Em primeiro lugar porque tememos

a rejeição. Temo que o outro me

abandone se descobrir quem realmente sou no mais íntimo de meu ser — todo o meu egocentrismo escondido

e minha vida de aparências. Só eu me

conheço e sei o quão vil e pecador posso ser algumas vezes — ainda que só em pensamentos — e procuro esconder isso dos demais, incluindo meu cônjuge. Em segundo lugar porque temos vergonha. Após a entrada do pecado no mundo, a primeira atitude do ser humano foi cobrir-se com folhas

e esconder-se de Deus, pois tinha

vergonha! Vergonha de ser visto como falho e fraco. O homem havia desobedecido à única ordem do Criador. Havia falhado no mais simples que lhe fora proposto e mostrara-se fraco diante da tentação da serpente, cedendo ao seu apelo. Fraqueza e imperfeição são atributos que procuramos sempre esconder dos demais, de nosso cônjuge e, fantasiosamente, até de Deus. Entretanto se quisermos experimentar toda a profundidade da intimidade relacional e desfrutar de uma vida conjugal verdadeiramente prazerosa, precisamos nos arriscar a uma maior abertura e transparência. Isso exige do casal uma boa comunicação. É preciso investir tempo para contar ao outro quem sou, o que penso, como ajo e o que sinto, bem como para ouvir o mesmo dele, em uma escuta desarmada e sem críticas. Certamente este nível de intimidade não se consegue no tempo de namoro

ou na noite de núpcias. É uma conquista diária e precisa ser recíproca. Exige um diálogo no qual os olhares se encontrem e se interpenetrem a ponto de podermos enxergar a alma um do outro. Jovens apaixonados têm facilidade de dialogarem olhando nos olhos, pois se sentem profundamente amados pelo outro e têm pouco receio de serem rejeitados. Contudo,

à medida que vão convivendo e

cometendo pequenas falhas, passam

a ter cada vez mais medo de expor-se,

pois não querem se mostrar fracos e sofrer rejeição por não atenderem as

Na busca pela intimidade relacional, o casal precisa dar-se a conhecer um ao outro

expectativas do outro. Assim, quanto mais tempo convivem, menos se

permitem ser penetrados pelo olhar do outro e se distanciam na intimidade.

É necessário um resgate do olhar nos

olhos durante o diálogo conjugal, pois isso traz proximidade e cria vínculo. O grande desafio para os casais é o de ficarem “nus” um diante do outro

e não se sentirem envergonhados;

uma transparência de alma, sem nada

a esconder, para nos descobrirmos

amados e aceitos pelo que somos — mesmo com nossas falhas e fraquezas — e não pelo que representamos ser. Viver desta forma é experimentar um pouquinho do jardim do Éden em nossas vidas!

Carlos “Catito” e Dagmar são casados, ambos psicólogos e terapeutas de casais e de família. Catito é autor de Como se Livrar de um Mau Casamento e Macho e Fêmea os Criou, entre outros.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

39

m eio AmbieNte e Fé Cristã

marina silva

Sentido de urgência

E m maio deste ano a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei (PLC 30/2011) que tem como objetivo modificar

o Código Florestal. Sem ouvir de

forma adequada a população e sem considerar as contribuições da ciência, aproximadamente 80% dos deputados votaram em favor da proposta. Deram um sim ao retrocesso na legislação ambiental de nosso país;

à retirada da proteção às beiras de rios, permitindo o desmatamento

e assoreamento dos cursos d’água; às encostas de morros, pois com

a retirada de sua vegetação elas

podem desabar sobre estradas e casas; aos topos de morros, que podem sofrer o mesmo efeito; aos mangues, que podem secar e desaparecer. Um sim ao perdão a desmatadores que desrespeitaram as leis; ao descumprimento da função socioambiental das propriedades; ao agravamento das mudanças climáticas. Após a votação, o instituto de pesquisa Datafolha mostrou que 85% da população se declarou contrária ao retrocesso e às outras consequências mencionadas. Ficou patente que estamos vivendo um descolamento entre os mandatos parlamentares e o compromisso de ser representação política. O projeto de lei agora está no Senado. Mais do que nunca a natureza geme e sofre esperando a revelação dos filhos de Deus para sua libertação

(Rm 8.19-23). A esperança é que a situação possa ser modificada. Os

senadores precisam saber que é muito importante proteger as florestas e

os rios, pois são fundamentais para

a qualidade de vida dos brasileiros.

Dependemos deles para beber água, para cultivar os alimentos, para evitar

as enchentes e os desabamentos,

Jeinny Solis S
Jeinny Solis S

O legado de nosso tempo não

pode ser a degradação, a

poluição, o esgotamento, as

tragédias eminentes

para fortalecer e fertilizar o solo. Cuidar das nossas florestas e rios

é produzir dentro da perspectiva

do desenvolvimento sustentável. Esta é uma visão que considera as

necessidades presentes e também as necessidades das futuras gerações.

O legado de nosso tempo não pode

ser a degradação, a poluição, o esgotamento, as tragédias eminentes. Isso não condiz com a visão de

mordomia da criação, como afirma a Palavra de Deus. Em conjunto com algumas pessoas

e mais de cem organizações participei

da criação e participo da atuação do

Comitê Brasil em Defesa das Florestas

e do Desenvolvimento Sustentável.

Vamos apresentar um abaixo- assinado aos senadores pontuando as questões levantadas neste texto.

É importante que a opinião

dos brasileiros seja ouvida no Congresso, e é fundamental que ao colocar o nome no abaixo-assinado cada um o faça como sujeito de sua história, saindo da posição de

espectador da política e assumindo

o papel de agente responsável

pelos rumos do país. A menos de

um ano da realização no Brasil da Conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a chamada “Rio + 20”, é preciso impedir que

o

país cometa uma agressão contra

o

marco legal que a duras penas

conquistou ao longo dos últimos anos e contra as bases naturais de seu próprio desenvolvimento. Para se informar e participar do

abaixo-assinado e dar aos senadores

o recado da população — a fim

de que entendam o sentido da

responsabilidade que precisam ter

e não se afastem do fato de que

foram eleitos para representar e não para substituir as pessoas —, acesse:

www.florestafazadiferenca.org.br.

Marina Silva é professora de história e ex-senadora pelo PV-AC.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

41

m issão inTegRal

rené Padilla

A opção galileia de Jesus

A igreja é chamada a prolongar na história a missão de Jesus até o fim dos séculos. No entanto, esta afirmação não nega

que esta missão teve e tem dimensões

Jesus sem antes escutá-lo: “Dar-se-á o caso de que também tu és da Galileia? Examina e verás que da Galileia não se

levanta profeta” (Jo 7.52). Esta atitude tinha muito a ver com o preconceito dos judeus do sul da Palestina contra

distintas, irreproduzíveis por parte dos

a

província onde a mistura de judeus

seguidores de Jesus. Ao contrário, é um reconhecimento das implicações

e

Galileia: literalmente, “o círculo”, com a

gentios havia dado origem ao nome

da

comissão que Jesus deixou para seus

conotação de “o círculo dos pagãos”.

discípulos segundo a versão registrada no Evangelho de João: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (20.21b). A missão de Jesus não é apenas a base, mas também o modelo da missão da igreja. Na síntese da missão de Jesus que aparece em Mateus 4.23 e 9.35 se destacam dois dados relativos a ela.

O primeiro se refere a sua localização

geográfica: toda a Galileia. O segundo

menciona seus vários aspectos: o ensino,

a proclamação das boas novas do reino e

a cura de toda enfermidade e mal estar. Para começar, vamos refletir sobre o primeiro dado. Basta um estudo superficial dos Evangelhos para concluir que Jesus Cristo concentrou sua missão na

província da Galileia, a região periférica

da nação judaica de seu tempo. Isto

observamos devido ao lugar de destaque

que a Galileia ocupa nos Evangelhos Sinóticos. A pergunta de Natanael segundo João 1.46 reflete o conceito que os

judeus, sobretudo os fariseus, tinham

da Galileia: “De Nazaré pode sair

alguma coisa boa?”. A mesma atitude depreciativa está por trás do comentário que os fariseus dirigem a Nicodemus quando ele pede que não julguem

No entanto, não foi por acaso que Jesus saiu dessa região desprezada e foi para o deserto da Judeia para ser batizado (ver Mc 1.9) e que, logo depois da prisão de João por disposicão

O eterno Filho de Deus se

identificou com as “não pessoas”

da Galileia e, começando por

elas, estabeleceu as bases para

uma nova humanidade

do rei Herodes, regressou para lá “pregando o evangelho de Deus” (Mc 1.14). Também não foi por acaso que Jesus iniciou exatamente na Galileia a sua comunidade messiânica de discípulos, com os quais regressaria a Jerusalém (o centro do poder cultural, socioeconômico, político e religioso de Israel) para ser reconhecido publicamente como o Messias, descendente de Davi, e logo depois ser crucificado. O eterno Filho de Deus se identificou com as “não pessoas” da Galileia e, começando por elas, estableceu as bases para uma nova humanidade. A opção galileia de Jesus tem um profundo significado teológico

que guarda uma estreita relação com o que o apóstolo Paulo afirma explicitamente em 1 Coríntios: “Irmãos, reparai, pois, na vossa vocação; visto que não foram chamados muitos sábios

segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento; pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus” (1.26-29). A opção galileia de Jesus não foi um tema circunstancial. Foi um reflexo da visão que ele tinha do Messias, em concordância com o Antigo Testamento, segundo a qual “o Senhor, vosso Deus,

é o Deus dos deuses e o Senhor dos

senhores, o Deus grande, poderoso

e temível, que não faz acepção de

pessoas, nem aceita suborno; que faz justiça ao órfão e à viúva e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e vestes” (Dt 10.17-18); ele é o Senhor “que faz justiça aos oprimidos e dá pão aos que têm fome. O Senhor liberta os

encarcerados. O Senhor abre os olhos aos cegos, o Senhor levanta os abatidos,

o Senhor ama os justos. O Senhor

guarda o peregrino, ampara o órfão e a viúva, porém transtorna o caminho dos ímpios” (Sl 146.7-9). Ele é o Deus que envia seu ungido para estabelecer um reinado de paz e justiça, reconciliação e equidade.

C. René Padilla é fundador e presidente da Rede Miqueias, e membro-fundador da Fraternidade Teológica Latino-Americana e da Fundação Kairós. É autor de O Que É Missão Integral? .

Um minuto de silêncio Tiago Vianna Tiago é um artista reconhecido em todo o país.
Um minuto de silêncio Tiago Vianna Tiago é um artista reconhecido em todo o país.
Um minuto de silêncio Tiago Vianna Tiago é um artista reconhecido em todo o país.

Um minuto de silêncio

Tiago Vianna
Tiago Vianna

Tiago é um artista reconhecido em todo o país. Figura carismática e dono de uma bela voz, participou em trabalhos de muita gente experiente, como Guilherme Kerr, Gladir Cabral, Jorge Camargo, entre outros. Esse é o terceiro CD do Tiago “Véi”, como é carinhosamente chamado pelos mais próximos. Antes vieram Nenhum outro caminho (1999) e Segundo Tiago Vianna (2004). Um minuto de silêncio tem a produção de Maurício Caruso e foi gravado no estúdio Quarto da Bagunça. Traz temáticas interessantes e variadas parcerias. “As dores deste mundo” (letra de Isaías de Oliveira) fala sobre as frustrações de todos nós; “Um minuto de silêncio” (parceria com Gladir Cabral) aborda a violência verbalizada que destrói a vida. Há ainda a canção instrumental “Edna”, que Tiago fez para a esposa. Conheça mais pelo site www.tiagovianna.com.

a esposa. Conheça mais pelo site www.tiagovianna.com . Muito mais Karol Stahr Conheci o trabalho da

Muito mais

Karol Stahr

Conheci o trabalho da Karol Stahr quando ela ainda integrava o grupo Vocale, de Vitória, ES. Desde sua mudança para Brasília ela vem amadurecendo a ideia de um trabalho solo, que agora se materializa neste primeiro CD. Muito mais foi gravado no Treatment Room Studio e no Castle Oaks, na Califórnia, Estados Unidos. A produção é de Nelson Rios, um músico brasiliense com carreira consolidada naquele país. Contou ainda com um time de músicos internacionalmente conhecidos, como Abraham Laboriel, Justo Almario, Rique Pantoja, Grecco Buratto, Otmaro Ruiz, entre outros. Por

já dá para imaginar

o

som. O repertório é

composto basicamente por R&B, pop e jazz. As canções são de autoria da própria Karol em parceria com Thiago Aguiar, seu esposo. Para conhecer mais sobre o trabalho, visite http://music. karolstahr.com/.

Carlinhos Veiga

visite http://music. karolstahr.com/. Carlinhos Veiga Outros mares Di Steffano Seu nome é uma homenagem ao

Outros mares

Di Steffano

Seu nome é uma homenagem ao talentoso jogador de futebol argentino dos anos 60. Nascido em Natal, RN,

Di iniciou-se na música

por influência de um

tio. Ingressou na equipe

de louvor da igreja que

frequentava e rapidamente destacou-se como baterista, vindo a ser convidado a integrar a Banda Canal, ainda nos anos 90. Anos depois seguiu para o Rio

de Janeiro, onde passou

a acompanhar grandes

nomes da MPB e da música instrumental,

como Dominguinhos, João Donato, Martinália, Boca Livre, Márcio Montarroyos. Outros mares é o seu terceiro trabalho autoral

e instrumental. Nele, faz

um passeio pelo jazz,

sem abandonar as origens

brasileiras. Para a produção, contou com a participação

de alguns parceiros, como

Ricardo Silveira e Arthur Maia, com quem toca há seis anos. Ouça o podcast com Di Steffano no site www.novosacordes. com.br. Para adquirir, disteffanowb@yahoo.com.

N oVos ACorDes

. Para adquirir, disteffanowb@yahoo.com. N oVos ACorDes Consumado Ju Bragança Consumado é um CD feito para

Consumado

Ju Bragança

Consumado é um CD feito

para nos inspirar em nossa

adoração tanto individual como comunitária. Ju Bragança percorre essa

senda há tempos. Trabalhou

por 10 anos ao lado de

Elias Loureiro, Albino Junior, Daniel Maia, entre outros, no ministério de música da Igreja Batista de Água Branca, em São

Paulo. Na época, participou das primeiras gravações da

comunidade. Agora lança

o seu primeiro CD solo.

A maioria das canções

conta com a participação do esposo, Jorge Caetano,

ora como compositor,

ora como vocalista. Um

mix de folk, pop e rock

contemporâneo compõem

o repertório. Destaque

para “Maravilhosa luz” e

“Consumado” — músicas

para curtir em silêncio

na presença de Deus.

A arte da capa — bela,

por

sinal — é assinada

por

Michel Venus. Para

conhecer mais o trabalho de Ju, acesse myspace. com/julianabraganca. Contatos pelo jubraganca@gmail.com.

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

43

áquila mazzinghy 44 ULTIMATO I Novembro-Dezembro, 2011

áquila mazzinghy

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

45

e NtreVistA

rolando de Nassau

Toda música sacra é religiosa, mas nem toda música religiosa é sacra

O carioca de 82 anos Roberto Torres Hollanda, mais conhecido pelo pseudônimo Rolando

de Nassau, é crítico musical d’O Jornal Batista desde dezembro de 1951, quando tinha acabado de

completar seu 22° aniversário. Formado em direito e administração, casado, duas filhas, Hollanda tem três livros publicados: Introdução à Música Sacra (1957), Nassau — dicionário de música evangélica (1994) e Bach — vida e obra sacra, além da tradução de La Prière d’après les Catéchismes de la Reformation, de Karl Barth. É crente em Jesus há 70 anos, desde

a adolescência, quando ouviu um

sermão pregado por uma mulher. Ele entende que um dos pontos

negativos da atual produção hinódica

é “a insuficiência de hinos que levem

o pecador ao arrependimento, à confissão e santificação”.

Que nome o senhor daria aos cânticos que mais se cantam hoje, antigamente chamados de “corinhos”? Usamos a expressão “música cristã popular” para designar os cânticos não estabelecidos pelas normas litúrgicas ou práticas de culto das igrejas (católicas, ortodoxas, protestantes, evangélicas, pentecostais e neopentecostais) e de suas comunidades locais. Por não serem litúrgicos, são livremente entoados nos lares, nos templos e nos

46

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

logradouros públicos e difundidos pelo rádio, televisão e internet. Pertencem à música de entretenimento. Nos primórdios do meu ofício de crítico musical, suscitei uma reação à má qualidade dos corinhos. Foi uma das minhas poucas iniciativas que surtiram um efeito duradouro. Na década de 50, os corinhos apresentavam erros gramaticais, textos com argumentação raquítica e melodias com apelo popularesco. Eram bisonhas imitações dos cânticos da comunidade católica de Taizé (França). No decorrer de quatro

Um dos pontos negativos

da atual produção hinódica é a ênfase no

louvor sem o consequente

comprometimento do cultuante na obediência

aos mandamentos divinos

e aos ensinos cristãos

décadas, foram aprimorados. Inicialmente importados, exigiam traduções, nem sempre fiéis às letras originais. Esses cânticos procederam, na década de 70, do movimento Praise and Worship (Louvor e Adoração). Não somente a música, mas também o culto deveria ser “contemporâneo”. Na década de 90, surgiram nas igrejas as “equipes de louvor”. Esse movimento carismático evangélico, inspirado por uma teologia pentecostal, era fortemente apoiado por gravadoras, editoras, emissoras de rádio

e televisão, e eficientemente divulgado pela Hillsong e pela Vineyard. Esse

tipo de “música cristã popular” reflete

o individualismo do cultuante, mesmo

quando ele se encontra em um contexto

social (a igreja), e cria uma atmosfera de euforia, ainda que ele seja um pecador precisando de confissão, arrependimento

e santificação.

A diferença entre a música sacra tradicional e a música cristã contemporânea é apenas uma questão de ritmo? “Música cristã contemporânea” é o termo apropriadamente aplicado à música que surgiu, na década de 60 do

século passado, nas igrejas protestantes

e evangélicas dos Estados Unidos e

da Inglaterra, por influência da Igreja

Anglicana e da Igreja Romana, quando

aceitaram em seus cultos ritmos, estilos e instrumentos da música profana popular. Além do ritmo, ela difere muito da música sacra. Esse estilo musical teve

o apoio de um movimento reavivalista

(Jesus Movement), em contrapartida ao movimento esquerdista (Peace Movement), pois os jovens da época acharam que as práticas tradicionais de culto e de evangelização estavam desatualizadas. Os que eram músicos procuraram

desenvolver novas técnicas de composição

e execução musical, para sensibilizar a

massa de jovens atraída pelas campanhas evangelísticas. O novo estilo de música cristã “contemporâneo”, diferente do “tradicional”, incorporou formas da música popular norte-americana. Na década de 70, algumas igrejas de cunho

Roberto Torres Hollanda: A boa música deve ser regulada pela boa teologia para produzir boa
Roberto Torres Hollanda: A boa
música deve ser regulada pela boa
teologia para produzir boa doxologia
Arquivo pessoal

pentecostal adotaram um estilo folclórico, divulgado pela gravadora Maranatha. Tudo isso aconteceu porque os dirigentes musicais da época não exerceram sua função educativa; não ensinaram a juventude a discernir entre música religiosa e música profana. Outro fator foi a conversão de músicos profanos que, rápida e naturalmente, levaram seus ritmos, estilos e instrumentos musicais para o novo ambiente social (as igrejas), onde foram recebidos como atuais e bons. Ao mesmo tempo, os jovens das igrejas evangélicas estavam sendo fortemente influenciados pela música popular. Não estarei exagerando ao acreditar que muitos deles participaram do recente Rock in Rio.

O que é música gospel?

A partir do termo gospel distinguimos três

tipos: o de culto, o de concerto e o de

espetáculo. Na década de 90, algumas igrejas,

especialmente as de negros, praticavam nos Estados Unidos o gospel que consideravam adequado para ser executado durante o culto divino.

O de concerto era apresentado por

grupos vocais profissionais em um estilo sofisticado. O de espetáculo ainda hoje integra o repertório de grupos

profissionais que cantam letras religiosas envolvidas pelo jazz. As igrejas no Brasil,

a rigor, não adotam qualquer desses três tipos; cantam como novidade ou por excentricidade; portanto, não há como falar em “gospel”. Experimentado por compositores e cantores evangélicos no Brasil, é modismo artificial um

tanto ultrapassado. Durante 300 anos (1660-1990) desenvolveu-se a salmodia

e a hinódia nas igrejas protestantes e

Na sua opinião, é necessário

valorizar a hinologia tradicional para

a nova geração? Como fazer isso?

evangélicas. Desde 1960 tem havido a substituição dessas formas tradicionais

As igrejas e suas comunidades locais devem prestigiar a sua música

de

canto congregacional pela cantoria.

tradicional. No caso das igrejas

O

que temos é, simplesmente, “música

evangélica”. Esta tem sido deturpada, na

origem e no destino, por compositores e

O senhor considera a nomenclatura

toda música religiosa é sacra. Música

evangélicas, cabe aos ministros e diretores musicais a função educativa.

Como o senhor avalia os cânticos

melodias da música evangélica,

cantores.

Não basta cuidar da execução musical. Eles devem transmitir noções a respeito

sacra em “música sacra” uma mera referência ao gênero musical ou também uma referência teológica? Toda música sacra é religiosa, mas nem

sacra, ou litúrgica, é a música consagrada

da história da salmodia e da hinódia de suas respectivas igrejas. O espaço aqui é exíguo para discorrer sobre o assunto.

com melodias e ritmos brasileiros? Sou favorável à atualização das

a

Deus, de acordo com a liturgia

 

determinada pela autoridade eclesiástica. Dos séculos 4 a 6, havia controvérsias entre os teólogos sobre a música durante o

culto. Na Idade Média, Tomás de Aquino

ao aproveitamento criterioso das constâncias melódicas, rítmicas e harmônicas da música brasileira. Na década de 70, publiquei aqui o artigo

Por um hinário brasileiro.

manifestou um certo embaraço para defender o canto litúrgico. No século 16,

A

música sacra erudita dos nossos

a Igreja Católica Romana, por intermédio

do Concílio de Trento, proibiu toda espécie de música. Entrementes, as igrejas

protestantes e evangélicas prestigiavam

a execução musical. A Igreja Ortodoxa

proibia a música instrumental; a música

de culto se restringia ao canto coral.

Cremos que, em qualquer igreja ou comunidade cristã local, a boa música deve ser regulada pela boa teologia para produzir boa doxologia. As liturgias cristãs tomaram formas diversas, que variam segundo um critério geográfico e histórico e também de acordo com cada

igreja. As igrejas que adotam liturgias são compostas por comunidades antioquenas, maronitas, bizantinas, armênias, nestorianas, caldaicas, malabares, coptas

e etíopes (no Oriente); de ritos romano,

ambrosiano, moçarabe e gálico (na Igreja Católica Ocidental); de vários ritos (na Igreja Ortodoxa). No Brasil, adotam liturgia a Igreja Anglicana, as Igrejas Luteranas, a Igreja Presbiteriana, a Igreja Presbiteriana Independente e a Igreja Metodista. Pelo que sabemos, as igrejas batistas e congregacionalistas não adotam. Atualmente, parece que a música nas igrejas atingiu o seu paroxismo.

dias também sofre do esvaziamento

de conteúdo bíblico e teológico como a “música gospel” atual de maneira geral?

A música sacra erudita da atualidade,

em geral, tem honrado os padrões estéticos e teológicos dos séculos passados. Podemos citar os compositores John Rutter (anglicano, inglês) e Amaral Vieira (católico, brasileiro), que estão remediando os estragos causados na década de 60 por alguns outros músicos em suas

respectivas igrejas. Em termos práticos, na música do século 20 ocorreu

o favorecimento da mídia para o

predomínio do profano e a ostensiva

negação do sagrado. Alguns músicos evangélicos chegaram a dizer: “Não existe música sacra”.

Qual o papel da música cristã na vida da igreja (corpo de Cristo)?

A música deve contribuir para a

pureza das igrejas e de seus membros (Fp 4. 8). Tanto quanto possível, a música de culto deve ser sacra. Essa música específica é caracteristicamente funcional; é elaborada e executada

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

47

para exercer certas funções na

vida da igreja; não é ornamental e alternativa, como é o caso da música de entretenimento. O pior é que

às vezes a comunidade local não

estabelece qualquer norma a ser

observada por regentes, cantores e instrumentistas. Lamentavelmente, peças musicais que não obedecem às normas são executadas como se fossem sacras. Os organizadores de certos hinários cometeram

o equívoco de neles incluir o

movimento coral da “Sinfonia número 9”, de Beethoven; trata-se de poema panteísta, sem vínculo com a nossa fé religiosa, e que tem servido de manifestação de posições ideológicas contrárias às nossas. Peças desse tipo não são “música de igreja”, muito menos música de culto. Os principais pontos positivos da atual produção hinódica são: 1) renovação dos temas dos hinos, para incluir a preocupação contemporânea com a responsabilidade social da igreja, a segurança das famílias e a fidelidade dos crentes na manutenção financeira das igrejas; 2) atualização das melodias. Os pontos negativos são: 1) a ênfase no louvor sem o consequente comprometimento do cultuante na obediência aos mandamentos divinos e aos ensinos cristãos; 2) a insuficiência de hinos que levem o pecador ao arrependimento, confissão e santificação.

Johann Sebastian Bach e George Frideric Handel nasceram no mesmo país (Alemanha) e no mesmo ano (1685). Qual o senhor aprecia mais: o “Jesus, alegria dos homens”, de Bach, ou o “Aleluia”, de Handel? Aprecio igualmente “Jesus, alegria dos homens” e “Aleluia”, alguns trechos extraídos de uma cantata de Bach e de um oratório de Handel, respectivamente. No conjunto da obra dedicada à música sacra minha preferência é por Bach. Handel compôs mais música profana. Creio que as cantatas de Bach deveriam ser mais aproveitadas nos concertos corais das igrejas.

48

ULTIMATO

I

Novembro-Dezembro, 2011

Samuel Scheffler

e s p e C i a l

Missão integral e discipulado — como se misturam?

M issão e discipulado são conceitos de suma importância na vida cristã. E existe uma intrincada relação

entre eles. O discípulo de Cristo que busca viver obedientemente se deparará com a tarefa missionária. Porém, qual seria ela? Ser um imitador do Mestre, repetir e fazer sempre o que ele fez, do jeito que fez, a quem fez. Discipulado não é uma metodologia de reprodução teológica, é pôr-se no caminho com Cristo e, no caminho, fazer escolhas e se juntar a outros na busca de servir ao reino de Deus. Missão e discipulado se completam. Quem obedece, serve; e quem serve, proclama. Quem proclama faz seguidores que também servem, os quais por sua vez também proclamam e fazem seguidores. Nessa roda ininterrupta há dois mil anos, o evangelho vem mantendo sua vitalidade. A missão no discipulado é integral porque o evangelho vivido por Jesus Cristo era integral. É um evangelho que se preocupa com a existência humana e que responde às perguntas:

por que existo e o que faço aqui? Existo porque sou amado e desejado por Deus, existo para amá-lo e servi-lo com aquilo que sou e faço. A missão de Cristo era e é um evangelho encarnado, que se preocupa com a integralidade da vida humana em todos os seus desdobramentos. Ser discípulo implica uma relação com o Cristo ressurreto, que busca discernir os desafios do cotidiano, encontrar na Palavra, na oração e na vida devocional a sintonia com o Mestre,

assim como era a relação de Jesus com

o Pai. Ser discípulo é estar nas mãos de Deus e ser moldado por ele e para ele.

É um processo longo, demorado, que

será concluído apenas na eternidade. Nessa busca caminhamos juntos, nos

apoiando e fortalecendo, a fim de sermos aprovados como servos fiéis. Discipulado e missão integral estão intimamente relacionados porque procuram responder a duas perguntas fundamentais a respeito de nós mesmos. Enquanto o discipulado busca responder

a quem somos, a missão integral busca

definir como e o que fazemos. De fato,

o que fazemos tem a ver com nossa

motivação de quem somos diante de Deus e como nos relacionamos com ele.

Da mesma forma que a resposta ao o que

e como fazemos é um desdobramento

de como nos percebemos nesta mesma

relação. Missão integral se entrelaça com discipulado, uma vez que — estando a caminho e no caminho — respondemos como o próprio Cristo faria frente à necessidade humana. Refletir sobre os desdobramentos do discipulado e da missão integral em nossas vidas é o principal objetivo do fórum que acontecerá no feriado de Corpus Christi de 2012, em Belo Horizonte, promovido pelo Instituto Jovem de Missão Integral

e a Fraternidade Teológica Latino-

Americana, com o apoio da Editora Ultimato. Reserve desde já esta data na

sua agenda.

Samuel Scheffler é pastor de jovens e adolescentes da Comunidade Luterana do Redentor em Curitiba e presidente do Instituto Jovem de Missão Integral.

Paul Freston

é tiCA

Como será a

igreja evangélica brasileira

de 2040?

Pensando hoje nos desafios de amanhã

SAIU nos jornais o resultado de uma pesquisa do IBGE com dados interessantes sobre a realidade evangélica no Brasil. O dado que mais nos chamou a atenção é o que

diz respeito à categoria evangélica que mais cresce: o “evangélico sem igreja”. A maior parte desse grupo não

é de evangélicos “nominais” (os que

se autodenominam evangélicos, mas não frequentam uma igreja); antes,

é composta pelos que se consideram

evangélicos, mas não se identificam com denominação alguma. Longe de ser “nominal” ou “não-praticante”, o evangélico sem igreja talvez frequente várias igrejas sem se definir por uma; ou pode ser que assista a uma igreja durante alguns meses, antes de passar facilmente a outra. Com isso, não chega a se sentir assembleiano ou batista ou presbiteriano ou quadrangular. Existe, então, um setor crescente de pessoas

que se identificam como evangélicas,

mas não como pertencentes a uma determinada denominação. Há também outra tendência que

logo vai aparecer. Ainda não temos os resultados religiosos do Censo de 2010, mas as pesquisas recentes indicam que

a porcentagem de evangélicos continua crescendo — não no ritmo dos anos

90 (que foi inteiramente excepcional), mas voltando ao ritmo de crescimento que caracterizou os anos 50, 60, 70

e 80. Contudo, esse crescimento um

dia vai parar. Tal afirmação não é uma questão de “falta de fé”! Mesmo estatisticamente, nenhum processo de crescimento pode durar para sempre. Percebemos, pelas tendências atuais, que o fim do crescimento evangélico no Brasil pode não estar distante. De cada duas pessoas que deixam de se considerar católicas, apenas uma passa a se considerar evangélica. Além disso, evidentemente, a Igreja Católica não está a ponto de desaparecer.

Fenômenos como a Canção Nova

e outros testemunham disso; ou

seja, há formas de catolicismo que arrebanham muita gente. É verdade que o catolicismo continua diminuindo numericamente, mas principalmente entre adeptos nominais ou de vínculo fraco. Existe um núcleo sólido que não está desaparecendo e que constitui, provavelmente, em torno de 25 a 30% da população. Pelas tendências atuais, será difícil que os evangélicos, que hoje são em torno de 20%, passem de 35% da população. Tudo isso significa que logo vivenciaremos uma nova fase da religião evangélica no Brasil. Estamos desde os anos 50 na fase do crescimento rápido. (Antes dos anos 50 as igrejas não cresciam tanto.) Crescimento rápido significa que a igreja média tem poucas pessoas que nasceram evangélicas, mas muitas que se converteram, inclusive que acabaram de se converter. Essa situação é privilegiada sob muitos aspectos, mas também tem certas implicações. Quando terminar a fase do crescimento rápido — provavelmente

Novembro-Dezembro, 2011

I

ULTIMATO

49

nas próximas duas ou três décadas —, haverá outro perfil em uma igreja média: mais pessoas que “nasceram na

Cristo em todas as dimensões da vida?

O

que a fé evangélica tem a dizer sobre

as

questões que agitam a sociedade?”

igreja” e menos que se converteram ou que acabaram de se converter. Com isso, muitas coisas mudarão. O perfil

Haverá, então, mais exigência por um ensino variado e por pessoas que saibam falar para a sociedade em nome da fé

de

liderança eclesiástica exigida mudará.

evangélica. Precisaremos de pessoas

O

crescimento rápido privilegia certo

preparadas nas mais diversas áreas de

tipo de líder: o que tem um ministério capaz de atrair novos membros. Isso, claro, é muito importante, e sempre haverá espaço para esse tipo de líder. Porém, com a estabilização da igreja, haverá mais espaço para outras modalidades de liderança.

interface com a sociedade; portanto, precisaremos de ministérios cada vez mais diversificados. Esse tipo de líder não aparece da noite para o dia, pois

E, como sabemos pelo Novo

Testamento, os ministérios na igreja são múltiplos e variados. Não devemos ter uma linha de montagem de líderes cristãos com

todos exatamente iguais. Temos de abraçar a variedade de ministérios e

de tipos de líder evangélico.

Por que no futuro uma variedade de tipos de líder será

ainda mais importante? Quando

as igrejas crescem muito, a

exigência é fazer bem o bê-á-bá,

pois há sempre pessoas novas

chegando. Entretanto, quando

há uma comunidade estabilizada

numericamente, com mais pessoas com muito tempo de vivência evangélica, outras exigências ganham força. “Entre a conversão e a morte, o que tenho de fazer? Como desenvolvo a minha fé? Como devo crescer nas mais variadas áreas? O que significa ser discípulo de

A igreja evangélica precisa de líderes mais diversos nos

seus dons, profundos no seu conhecimento

e sabedoria e

transparentes nas suas vidas