Sunteți pe pagina 1din 17

PROJETO ELÉTRICO

SUBESTAÇÃO PLENA
ABRIGADA DE 1,5 MVA

PROPRIETÁRIO:

RECPALST RECICLAGEM INDUSTRIA E COMERCIO LTDA - ME.


CNPJ 06.348.694/0001-39

Vitória da Conquista, Agosto de 2017.


Sumário
1 RELAÇÃO DE PEÇAS GRÁFICAS DO PROJETO: ................................................................................ 3

2 INTRODUÇÃO ............................................................................................................................... 3

2.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ...................................................................................................................... 3


2.2 GENERALIDADES ................................................................................................................................. 4
2.3 PREMISSAS E PARÂMETROS DE PROJETO .................................................................................................. 4
2.4 ALIMENTAÇÃO ELÉTRICA................................................................................................................ 4

3 MEDIÇÃO ...................................................................................................................................... 5

4 CONDUTORES ............................................................................................................................... 5

4.1 CONDUTORES ..................................................................................................................................... 5


4.2 CONDUTORES DE MÉDIA TENSÃO ............................................................................................................ 6
4.3 CONDUTORES DE BAIXA TENSÃO ............................................................................................................. 6

5 TUBULAÇÃO ................................................................................................................................. 7

6 TRANSFORMADOR ....................................................................................................................... 7

6.1 DISJUNTOR DE MÉDIA TENSÃO .............................................................................................................. 7


6.2 ELEMENTOS E SEUS AJUSTES DE PROTEÇÃO .............................................................................................. 8

7 POSTE ......................................................................................................................................... 11

7.1 BRAÇADEIRAS OU CINTAS METÁLICAS ................................................................................................... 12

8 FITA AUTOFUSÃO ....................................................................................................................... 12

9 MONTAGEM ............................................................................................................................... 12

9.1 CONDIÇÕES GERAIS............................................................................................................................ 12


9.2 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APARENTES. ............................................................ 12
9.3 CONEXÕES E ACESSÓRIOS. ................................................................................................................... 13
9.4 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA ENFIAÇÃO. .............................................................................................. 13

10 TESTES ........................................................................................................................................ 14

10.1 INSTALAÇÃO DE ELETRODUTOS ........................................................................................................ 14


10.2 ATERRAMENTO ............................................................................................................................ 14
10.3 RESISTÊNCIA DE ISOLAMENTO ......................................................................................................... 14
10.4 ENSAIOS FUNCIONAIS .................................................................................................................... 14
10.5 ESPECIFICAÇÕES E DETALHES ........................................................................................................... 15

11 QUEDA DE TENSÃO ..................................................................................................................... 15

12 CÁLCULO DE DEMANDA .............................................................................................................. 15

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
1 Relação de peças gráficas do projeto:

 Planta situação em referência a rede da COELBA, planta


situação da subestação, planta de detalhes de entrada de
serviço, detalhes de medição, situação da proteção geral,
diagrama unifilar e graduação dos equipamentos de proteção
em interface com a rede da Coelba.

Relação documentos anexos:

 ART de projeto;
 Documentos do empreendimento em questão;

2 INTRODUÇÃO

2.1 Considerações Iniciais

O presente Memorial Descritivo destina-se a apresentar, as diretrizes


necessárias para a execução dos trabalhos que constituem o projeto de
elevação de carga de uma subestação transformadora abrigada com medição
indireta em média tensão, que passará a ter dois transformadores trifásicos
em média tensão, cada um na potência de 750 KVA, para atender à Recplast
LTDA. Endereço elétrico dos transformadores existentes: A98687 e A98688.

A edificação citada é a Recplast Reciclagem industrial e c. LTDA, a qual


está situada na Rua Distrito Industrial dos Imborés 1 s/n CEP: 45000-000
Vitória da Conquista-BA, chave fusível A021142.

O presente projeto foi desenvolvido pelo engenheiro eletricista Yuri


Rivas Teixeira, CREA 051496476-6. Cujo endereço é avenida Paramirim nº
3558 bairro Ibirapuera CEP:45075225, Vitória da Conquista Bahia.

Toda e qualquer alteração do projeto elétrico durante a execução da


obra deverá ser feita mediante consulta prévia do projetista elétrico, este
deverá produzir um ofício aprovando as respectivas alterações, sendo que o
perfeito funcionamento das instalações ficará sob responsabilidade do técnico
responsável pela obra. Fica a critério da fiscalização, impugnar quaisquer
Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
serviços ou materiais que não estejam em conformidade com as
especificações descritas neste documento ou no projeto elétrico.

2.2 Generalidades

O projeto elétrico foi desenvolvido a partir do projeto arquitetônico e das


informações fornecidas pelo proprietário. Para tanto foram observados dentre
outros, o Manual de Fornecimento de Energia Elétrica em média Tensão de
distribuição à Edificação individual, Código NOR.DISTRIBU-ENGE-0023 e
Normas Brasileiras ABNT, bem como das recomendações dos fabricantes dos
equipamentos empregados.

Este memorial faz parte integrante do projeto e tem por objetivo fixar
diretrizes básicas para seu perfeito entendimento e complementar o contido no
projeto gráfico.

2.3 Premissas e Parâmetros de Projeto

A subestação será do tipo plena, abrigada, com medição indireta em


MT, construída com paredes de alvenaria de tijolos maciços com a espessura
de 0,20 m, e com poste de entrada de serviço de 11/400daN, que suporte a
mesma carga comprovado por certificação do fabricante que deverá ser
entregue a fiscalização, com dimensões conforme projeto e indicações. A
subestação segue o princípio de construção conforme os padrões da
COELBA.

O ramal de entrada em média tensão será constituído por 4 condutores


unipolares de cobre rígido, classe de encordoamento 2 com isolação mínima
para 0,6/1KV, na seção de 50 mm². Os dois transformadores (750kVA cada)
foram dimensionados para uma potência de 1,5MVA, tensão primária 13,8kV,
tensão secundária 380/220 V, frequência de 60 Hz, trifásico.

2.4 ALIMENTAÇÃO ELÉTRICA

A entrada de energia elétrica em média tensão, será do tipo


subterrânea, partindo do poste interno da propriedade que é conectado à rede
de média tensão trifásica da concessionária por meio de ligação ao poste

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
A02142 através de 3 (três) cabos 4CAA de alumínio, compondo assim o ramal
de ligação.

O poste do ponto de acesso será de concreto e do tipo duplo T (11/400)


medindo 11,0 metros de comprimento, com duas cruzetas, uma do tipo “N3”,
com final da rede de média tensão da COELBA, contando um jogo de jogo de
03 ( três ) chaves seccionadoras fusíveis 15 KV, base “C” com porta fusível de
100 A, onde terá a derivação, e outra com um jogo de jogo de 03 ( três )
muflas com classe de isolação de 15KV.

Os cabos de Média Tensão serão identificados desde o ponto de


entrega até a subestação inclusive nas caixas de inspeção conforme NBR
14039. Não será permitido emendas.

3 MEDIÇÃO
A medição é indireta em média tensão, possuindo TC’s, TP’s e medidor
dimensionados e fornecidos pela distribuidora. O medidor instalado é em caixa
metálica padrão COELBA, medindo 80 x 80 x 30 cm, o medidor de energia é
disposto conforme as plantas de detalhes gráficos deste projeto.

4 CONDUTORES

4.1 Condutores

Os isolamentos ao longo dos condutores de cobre devem ser


executados com fita de autofusão, o revestimento deve ser no mínimo de 1
(uma) vez a espessura do revestimento do condutor, logo após sendo coberto
por fita isolante anti-chamas, no mínimo na espessura do revestimento do
condutor.
Todos os condutores devem ter identificação inicial e final através de
identificadores, ou fita isolante coloridas. Quando com fita isolante,
obrigatoriamente o condutor neutro deve ser de cor azul claro ou cinza, e o de
proteção na cor verde ou verde e amarelo.

 Fase A: vermelho;
 Fase B: branco;

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
 Fase C: marrom;
 Neutro: azul-claro.

Todos os condutores de energia elétrica serão unipolares, discriminados


conforme o seu tipo de instalação: Os de MT, são encordoados formados por
fios de Alumínio com alma de aço eletrolítico nu, encordoamento 6Al-1aço.

Os de BT, serão com isolação sólida estrudada de PVC para tensões


com classe de isolação de 0,6/1K V e anti-chamas conforme NBR-6880 e
NBR-6148.

4.2 Condutores de média tensão

Os condutores que fazem a ligação do poste que representa o ponto de


acesso e a rede da concessionária são condutores de alumínio do tipo 4CAA.
Os condutores que levam a energia do poste para a subestação de forma
subterrânea são condutores de cobre rígido de 50mm2 e classe de isolação
12/20KV.

Os cabos de Média Tensão serão identificados desde o ponto de


entrega até a subestação inclusive nas caixas de inspeção conforme NBR
14039. Não será permitido emendas e após a passagem dos mesmos, os
eletrodutos serão vedados com massa de vedação, nas caixas de passagem e
nas extremidades, com exceção da curva de PVC na base do poste.

4.3 Condutores de baixa tensão

Os condutores de baixa tensão, a partir dos bornes do transformador,


até o quadro de distribuição geral serão condutores de cobre rígido, classe de
encordoamento 2 com isolação mínima para 0,6/1KV V, na seção de 240mm2,
serão quatro condutores deste tipo por fase. A queda de tensão admissível é
de 7% do transformador até as cargas, os condutores serão protegidos, por
eletrodutos de PVC rígido com diâmetro mínimo de 100 mm.

Os eletrodutos percorrerão o trajeto desde o transformador até o quadro


de distribuição geral.

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
5 TUBULAÇÃO
Os eletrodutos percorrerão o trajeto desde o ponto de acesso até a entrada
da subestação e desde o transformador até o quadro de distribuição geral,
envolvendo toda tubulação vertical, conforme indicação em projeto.

Os eletrodutos subterrâneos, obrigatoriamente serão de PVC rígido tipo


roscável NBR 6150, classe A, trazendo de forma bem visível e indelével:

 Marca do fabricante;
 Diâmetro nominal ou referência de rosca;
 Classe;
 Os dizeres: “eletrodutos de PVC rígido”;
 Todas entradas e saídas de eletrodutos em sua extensão devem ser
providas de buchas e arruelas galvanizadas.

6 TRANSFORMADOR
Os dois transformadores serão trifásico, instalados conforme
recomendação do fabricante, obedecendo o diagrama do projeto e com as
seguintes características:

 Potência: 750 kVA;


 Tensão primária de operação: 13,8KV ligação em triângulo;
 Tensão secundária de operação: 380/220 V, ligação em estrela com o
neutro acessível;
 Impedância percentual mínima: 3,5%;
 Frequência: 60 Hz;
 Resfriamento: natural por circulação de óleo isolante.

6.1 Disjuntor de Média Tensão

O disjuntor para a construção da subestação deve ser um disjuntor a


vácuo, neste dispositivo a interrupção da corrente elétrica é feita dentro de
uma estrutura cerâmica conhecida como ampola a vácuo. A ampola é
completamente isolada permitindo uma taxa alta de vácuo em seu interior e
abriga os contatos fixo e móvel. O disjuntor dimensionado para a subestação é
o de 630A com capacidade de interrupção de 350 MVA e corrente de curto
circuito de 25KA.
Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
6.2 Elementos e seus Ajustes de Proteção

Os ajustes dos elementos de proteção foram feitos para dois


transformadores de 750KVA com os dados abaixo.

Dado Valor

Corrente de Inrush 8 x In

Tempo de duração 12 cilclos

Corrente Pto ANSI (3 a 4) IN

Tempo Pto ANSI ± 1s

O níveis de curto circuito do empreendimento estão dispostos na tabela


abaixo.

Icc3fassim 2464 A

Icc3f 2292 A

Icc2f 1985 A

Iccftmax 1647 A

Iccftmin 190 A

a) Corrente Nominal da Subestação

𝑆 In = 62,75𝐴
In =
√3 𝑥 𝑉𝑓𝑓

b) Dimensionamento do TC

𝐼𝐶𝐶𝑀Á𝑋 𝐼𝑃𝑅𝐼 = 150A


𝐼𝑃𝑇𝐶 > = 123,2𝐴
20

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
150
RTC = = 30A
5

c) TAPE temporizado de fase

1,2 𝑥 𝐼𝑛
TAPE > = 2,51ª
𝑅𝑇𝐶

Entretanto 𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝 deve ser mais do que 𝐼𝑆𝐶 .

𝐼𝑆𝐶 = 1,2 𝑥 𝐼𝑛 = 75,3𝐴


𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝 = 𝑇𝐴𝑃𝐸 𝑥 𝑅𝑇𝐶 = 90𝐴

O TAPE adotado foi de 3 pois para o valor de 2,51 𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝 é menor do


que 𝐼𝑆𝐶 .

d) TAPE instantâneo de fase

𝐼𝐼𝑁𝑅𝑈𝑆𝐻 = 8 𝑥 𝐼𝑛 = 502𝐴 𝐼𝐼𝑁𝑅𝑈𝑆𝐻 𝐼𝐶𝐶2∅


< 𝑇𝐴𝑃𝐸𝑖𝑛𝑠𝑡𝑓 <
𝑅𝑇𝐶 𝑅𝑇𝐶

Desta maneira o TAPE instantâneo de fase adotado foi de 1A

e) Tempo de operação para o relé de Fase

𝐼𝐶𝐶3∅ 𝛼
𝑀𝑓𝑎𝑠𝑒 = 𝑡𝑓𝑎𝑠𝑒 = 𝑥 𝐷𝑖𝑎𝑙
𝑅𝑇𝐶 𝑥 𝑇𝐴𝑃𝐸 𝑀𝑓𝑎𝑠𝑒 𝛽 − 1

Para curva muito inversa o valor de 𝛼 é igual a 13,5 e o valor de 𝛽 é


igual a 1. Para encontrar o valor do Dial a seguinte condição deve ser
satisfeita:

𝑡𝑓𝑎𝑠𝑒 < 𝑡𝑒𝑙𝑜65𝑘

O dial adotado foi de 0,06s e satisfaz as equações e a condição imposta.

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
f) TAPE temporizado de Neutro

𝐹𝑑𝑠
TAPE𝑁 >
𝑅𝑇𝐶

Para uma valor de fator de desequilíbrio 𝐹𝑑𝑠 de 30%.

TAPE𝑁 = 0,6275𝐴

𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝 = 𝑇𝐴𝑃𝐸 𝑥 𝑅𝑇𝐶 = 21𝐴


𝐼𝐷𝑆 = 0,3 𝑥 𝐼𝑁 = 18,825𝐴
𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝 > 𝐼𝐷𝑆

O TAPE temporizado de Neutro fica definido então com o valor de 0,7A.

g) TAPE instantâneo de Neutro

𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝 = 𝐼𝑛 𝐼𝐶𝐶1∅
𝑇𝐴𝑃𝐸 <
𝑅𝑇𝐶
𝐼𝑡𝑟𝑖𝑝
𝑇𝐴𝑃𝐸 = = 2,09𝐴
𝑅𝑇𝐶

Desta maneira o TAPE adotado foi de 0,7A.

h) Tempo de operação para o relé de Neutro

𝐼𝐶𝐶1∅𝑚𝑖𝑛 𝛼
𝑀𝑓𝑎𝑠𝑒 = 𝑡𝑓𝑎𝑠𝑒 = 𝑥 𝐷𝑖𝑎𝑙
𝑅𝑇𝐶 𝑥 𝑇𝐴𝑃𝐸 𝑀𝑓𝑎𝑠𝑒 𝛽 − 1

Para curva muito inversa o valor de 𝛼 é igual a 13,5 e o valor de 𝛽 é igual a 1.


Para encontrar o valor do Dial a seguinte condição deve ser satisfeita:

𝑡𝑁𝑒𝑢𝑡𝑟𝑜 < 𝑡𝑒𝑙𝑜65𝑘

O dial adotado foi de 0,5s e satisfaz as equações e a condição imposta.

A tabela a seguir é um resumo da parametrização dos relés do cliente

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
Proteções TC RTC TAPE DIAL

51 150/5 30 3 0,06

30
50 150/5 1

30
51N 150/5 0,7 0,5

30
50N 150/5 0,7

A Coordenação da proteção na subestação fica de acordo o gáfico abaixo:

Com o estudo realizado, conclui-se que não é possível realizar coodernação e


seletividade entre o disjuntor de média tensão, o elo fusível 40K; instalado na derivação
da rede de média tensão, entretanto a coordenação funciona para o elo de 65K.

7 POSTE
O poste utilizado foi de concreto armado, duplo T (11/400), seguindo as
especificações, inspeção e ensaios segundo a NBR 8451, com furos para a passagem
do cabo de aterramento, para carga nominal de 400 (daN).

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
7.1 Braçadeiras ou Cintas Metálicas

Zincadas por imersão a quente resistindo a um esforço de tração de 5000 daN,


obedecendo os diâmetros indicados em projeto.

8 FITA AUTOFUSÃO
Fita a base de borracha etileno-propileno (EPR), com alta aderência em qualquer tipo
de superfície, por mais irregular que possa ser. Especificamente formulada para fusão
instantânea, com capacidade de isolação para alta e média tensão até 35.000 V, com
dimensões de 19mm x 10m.

9 MONTAGEM

9.1 Condições gerais

 Deve-se prover meios a serem utilizados nos transportes e instalações dos


equipamentos e materiais, compatíveis com suas características físicas e
recomendações do fabricante;
 As etapas de montagem abaixo relacionadas dos equipamentos ou materiais
devem ser feitas atendendo aos desenhos e especificações de projeto e
recomendações do fabricante;
 Deve ser medido o aterramento e a continuidade elétrica, em conformidade com o
projeto, entre as diversas partes metálicas da instalação, bem como o retorno para
as correntes de defeito através de caminho de baixa impedância;
 Após a montagem da instalação, deve ser dado reaperto em todas as partes
aparafusadas e conexões.

9.2 Condições específicas para instalações elétricas aparentes.

Os eletrodutos e caixas de passagem devem ser instalados corretamente no que se


refere à bitola, quantidade, posicionamento, alinhamento e paralelismo, conforme
desenho e especificações do projeto.

Nos acoplamentos de eletrodutos com conexões e acessórios roscados, devem ser


atendidas as seguintes exigências:

 Devem ser removidas todas as rebarbas após a confecção de roscas;


Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
 Nenhum fio de rosca deve ser danificado;
 Deve ser aplicada tinta anticorrosiva nas roscas, antes do acoplamento, cobrindo
toda a superfície por completo e no mínimo com duas demãos de tinta em cada
peça;
 Devem ser inseridas no mínimo 5 fios de roscas.
 Não deve ser verificada a existência de amassamentos e danos na galvanização e
na pintura devido a manuseios incorretos de equipamentos e ferramentas;
 Não devem ser utilizadas curvas fabricadas no serviço;
 O posicionamento dos eletrodutos deve ser executado através de gabaritos e a
variação da verticalidade ou horizontalidade dos mesmos, com auxílio de prumo
ou nível.

9.3 Conexões e acessórios.

As conexões e acessórios devem ser instalados de modo a atender às especificações


e desenhos do projeto;

As uniões não devem sofrer ou ficar sujeitas a esforços horizontais e verticais; Devem
ficar afastadas de qualquer obstáculo, no mínimo 1,5 vezes o diâmetro externo do tubo;
As conexões entre as partes móveis e fixas das unifes devem estar perfeitamente
ajustadas e ser realizadas promovendo aperto adequado entre as partes.

9.4 Condições específicas para enfiação.

Antes de iniciar a enfiação, a instalação dos eletrodutos deve estar de acordo com os
desenhos e projetos; Antes da instalação dos cabos deve ser feita uma inspeção visual
quanto ao tipo, bitola, cor, classe de tensão, estado de conservação e quantidade, de
acordo com o plano de enfiação.

 Trechos ou bobinas defeituosas devem ser recusados. Durante a instalação, as


bobinas devem ser desenroladas não intervindo a curvatura de bobinamento do
cabo. Para o puxamento através dos condutores deve ser colocado olhal de
puxamento e vedação para evitar a penetração de umidade;
 O raio mínimo de curvatura para acomodação dos condutores deve estar de
acordo com as recomendações do fabricante e nunca menor que seis vezes o
diâmetro externo do fio ou do cabo;
 A folga no comprimento dos cabos deve permitir a acomodação dos mesmos nas
caixas de passagem e corte de suas extremidades para confecção de conexões e
terminações;
Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
 Os cabos, depois de cortados, devem ter suas extremidades imediatamente
fechadas e protegidas contra a umidade; Em caso de necessidade de corte de
cabos antes da instalação, deve ser verificado previamente o comprimento real do
circuito a ser lançado;
 A aplicação correta do terminal ao condutor deve ser executada de modo a não
deixar à mostra nenhum trecho de condutor nu, havendo pois um faceamento a
isolação do condutor com o terminal adequado para bitola do condutor com a
finalidade de execução.

10 TESTES

10.1 Instalação de eletrodutos

Deve ser feito o teste de verificação do estado interno da rede de dutos antes da
liberação para instalação, sendo que os eletrodutos devem permitir a passagem de um
gabarito com 90% do diâmetro interno dos mesmos.

10.2 Aterramento

Devem ser feitos testes de continuidade entre pontos de conexão, em toda instalação,
a resistência de aterramento deve ser inferior aos valores descritos na NBR 5410 ou no
máximo de 10 ohms.

10.3 Resistência de isolamento

Deve ser medida de cada condutor fase em relação ao condutor terra. A resistência
de isolamento deve ser superior a 250K ohms.

10.4 Ensaios Funcionais

Devem ser feitos ensaios funcionais a fim de verificar a funcionalidade do sistema,


testando todos os controles e componentes, verificando se estão corretamente
instalados.

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
10.5 Especificações e detalhes

Os demais equipamentos e materiais, estão descritos em projeto e na relação de


materiais, devendo ser de marca e tipo aprovados pela COELBA. Deverão ser
observados os detalhes do projeto. Toda e qualquer modificação que se fizer necessária
quando da execução da obra, deverá ter o aval da COELBA e da fiscalização por escrito,
sem o qual não deverá ser executada.

11 QUEDA DE TENSÃO
As instalações elétricas das edificações alimentadas em média tensão devem ser
dimensionadas de forma que a queda de tensão máxima até o ponto de utilização seja
de 7%.

12 CÁLCULO DE DEMANDA
Relação de Cargas – Quadro Demanda Geral

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
Equipamentos Qtd. Potência Unidade kVA Parcela Fator Totais
Moinho 1 100 cv 73,6
Secadora 2 60 cv 88,32
Batedor 1 50 cv 36,8
Turbina 1 12,5 cv 9,2
Bomba 1 7,5 cv 5,52
Rosca Transporte 3 5 cv 11,04
Agitador 1 10 cv 7,36
Esteira 2 3 cv 4,416
Aranha 3 1,5 cv 3,312
Moinho 1 60 cv 44,16
Esteira 2 3 cv 4,416
Agitador 1 10 cv 7,36
Aranha 2 3 cv 4,416
Batedor 1 40 cv 29,44
Secadora 2 60 cv 88,32
Rosca Transporte 1 5 cv 3,68
Bomba 2 3 cv 4,416
B5 0,95 1415,85
Extrusora 3 100 cv 220,8
Extrusora 24 20 cv 353,28
Secador Macarrão 3 2 cv 4,416
Ensacadeira 3 3 cv 6,624
Troca tela 3 3 cv 6,624
Troca tela 2 5 cv 7,36
Bomba torre 1 3 cv 2,208
Torre resfriamento 1 3 cv 2,208
Compressor de ar 1 5 cv 3,68
Aglutinador 3 75 cv 165,6
Aglutinador 1 50 cv 36,8
Aglutinador 1 125 cv 92
Moinho 2 30 cv 44,16
Estação de tratamento de água 2 3 cv 4,416
Estação de tratamento de água 2 2 cv 2,944
Estação de tratamento de água 2 1 cv 1,472
Resistências Estrusoras 50 2200 VA 110
Lâmpada Fluorescente 20W 6 22 VA 0,132
Lâmpada Fluorescente 32W 30 35 VA 1,05
Lâmpada Fluorescente 65W 20 71 VA 1,42
Lâmpada Halógena 250W 8 312 VA 2,496 a 1 20,898
Tomada de uso geral 100W 14 100 VA 1,4
Tomada de uso geral 300W 8 300 VA 2,4
Tomada de uso geral 600W 20 600 VA 12
Chuveiro 5500W 6 5500 VA 33 b1 0,43 14,19
Micro computador 9 250 VA 2,25
Impressora lazer 6 750 VA 4,5
b6 0,44 3,0976
Bebedouro grande 2 120 VA 0,24
Relégio de ponto eletrònico 1 50 VA 0,05
Ar condicionado 12.000BTU 1 1386 VA 1,386
c 1 1,386
Ar condicionado 18.000BTU 3 2345 VA 7,035
Total 1559,727 1455,421

No cálculo de demanda no item da “Parcela B5” foram critérios do engenheiro


projetista.

A “Parcela B5” tem lista dos equipamentos. A indústria é do tipo


TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICO PE e PVC, conforme norma o fator de demanda

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074
máximo é de 0,85. Porém, em alguns momentos do dia a maioria das máquinas funciona
ao mesmo tempo, ficando algumas bombas e outros equipamentos menores parados.
Desta forma, o projetista considerou o fator de demanda igual a 0,95.

Nobre.engenharia.vc@gmail.com
77 99998-2993 77 99178-1074