Sunteți pe pagina 1din 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS


DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA
Disciplina: Estudos Contemporâneos em Processos Psicossociais e do
Desenvolvimento
Professora: Ana Maria Justo
Aluna: Anallú Guimarães Firme Lorenzon

Algumas reflexões sobre o tema da aposentadoria

A aposentadoria é uma etapa que implica grandes mudanças na vida dos


sujeitos. Ela geralmente se localiza no início do processo de envelhecimento, e
pode durar muitos anos. Está associada no senso comum à inatividade,
inutilidade, perda de função social, reclusão. O processo de aposentar-se,
deste modo, é compreendido como estar passivo diante da vida e dos
acontecimentos sociais. A maneira como o idoso passa por esta etapa
importante de sua vida pode influenciar diretamente na qualidade de vida de
sua velhice, pois o sofrimento e as dificuldades emocionais derivadas deste
processo influenciam a sua saúde física e emocional.

Esta compreensão de aposentadoria, que valoriza as perdas vividas nesta


etapa, se justifica devido ao lugar que o trabalho ocupa em nossa cultura
capitalista. O trabalho é vivenciado como uma questão central na identidade
dos sujeitos, atrelada a fatores como produtividade e recurso financeiro.
Através do trabalho ganha-se reconhecimento social, condição importante para
a constituição da subjetividade. Deste modo, a condição de aposentado rompe
com esta identidade de trabalhador, produtivo, gerador de riqueza que
acompanha o sujeito em boa parte da sua vida. Conjuntamente com estas
mudanças, a aposentadoria também demanda outra organização de rotina,
com afazeres e espaços diferentes. Além disso, o tempo dispensado ao ócio
ganha um lugar importante. Costa & Soares, citando Santos, aponta que a
saída do mundo do trabalho via aposentadoria implica diversas mudanças:
perda do lugar no sistema de produção, necessidade de reorganização
espacial e temporal e reestruturação da identidade.

Como todas as etapas da vida que implicam em grandes mudanças, é


necessário um exercício preparatório para vivenciar a aposentadoria de
maneira satisfatória, com qualidade de vida. A aposentadoria pode ganhar um
sentido mais prazeroso se conseguirmos valorizar alguns dos ganhos que
estão implicados no processo. A psicologia tem um papel importante na
preparação para a aposentadoria. Faz parte da abordagem psicológica o
trabalho com a dimensão individual e social, buscando construir novos arranjos
e sentidos que permitam encontrar o prazer da vida nesta nova condição. É
importante a manutenção de um projeto de vida na velhice, que não a
mantenha como etapa final da vida.

Bibliografia:

Aposentadoria - Tavares, S. S., Neri, A. L. & Cupertino, A. P. (2004). Saúde


emocional após a aposentadoria. Em: Em: Neri, A. L. & Yassuda, M. S. (Orgs.).
Velhice bem-sucedida: Aspectos afetivos e cognitivos (p.91-110). Campinas:
Papirus. 25 25/01

Costa, A. B. & Soares, D. H. P. (2009). Orientação Psicológica para a


aposentadoria. Psicologia: Organizações e Trabalho, 9, (2), 97 -108.