Sunteți pe pagina 1din 6

INTRODUÇÃO

Neste pequeno trabalho abordarei em poucas palavras sobre um assunto


bastante pertinente no ramo da Psicologia, pois sendo ela uma ciência que estuda os
processos mentais (pensamentos, percepção, sensação, emoções,) e comportamentais
(actos, reacções observáveis) do ser humano e dos animais. O tema em questão é
sobre doente mental ou transtorno.

O conceito de transtorno, ao contrário, implica um comportamento diferente,


desviante, “ anormal”.
Transtorno mental padroniza a denominação de enfermidade psíquica em geral, e
assegura desta patologia o direito a um diagnóstico conclusivo.

Os termos “ transtornos, distúrbios, e doença” combinam-se aos termos “ mental,


psíquicos e psiquiátricos” para descrever qualquer anormalidade, sofrimento ou
comprometimento de ordem psicológica e ou mental.

Os transtornos mentais são um campo de investigação interdisciplinar que


envolvem áreas como a Psicologia, a Psiquiatria e a Neurologia. Em Psiquiatria e em
Psicologia preferem-se falar em transtornos, perturbações, disfunções ou distúrbios
psíquicos, e não clínicos mentais apresentam todas as características de uma doença
no sentido tradicional do termo, isto é, o conhecimento exacto dos mecanismos
envolvidos e suas causas explícitas.

O MODELO BIO-PSICO-SOCIAL
O modelo bio- psico-social procura fazer juz a essa complexidade buscando analisar
a génese e o desenvolvimento dos transtornos mentais sob diferentes pontos de vista
de acordo com diferentes factores que a influenciam, no qual destacamos três factores
de suma importância:

1- Factor biológico: Como a predisposição genética e os processos de mutação,


que determinam o desenvolvimento corporal, em geral, o funcionamento do
organismo e o metabolismo, etc. Para desenvolver os transtornos mentais são
importantes três sistemas do corpo humano: o sistema nervoso, o sistema
endócrino, e o sistema imunológico.
2- Factores psicológicos: Como referencias, expectativas e medos, reacções
emocionais, processos cognitivos e interpretação das percepções. Factores
vulnerabilizantes são aqueles que provocam a vulnerabilidade da pessoa, ou
seja, uma maior probabilidade da pessoa apresentar um transtorno mental.
3- Factores socioculturais: Como a presença de outras pessoas, expectativas da
sociedade e do meio cultural, influencia do circulo familiar, de amigos, de
modelos de papeis sociais, etc.

Os transtornos mentais podem dar-se em diferentes níveis:


1- Nível Intropessoal: são os transtornos de determinadas funções mentais (
memória, percepção, aprendizagem, etc. ).
2- Nível Interpessoal: são os transtornos dos sistemas, ou seja, de conjuntos
de duas ou mais pessoas, casal, família, empresa, escola, etc.
PERSPECTIVA PSICANALÍTICA

Freud (1917) foi o primeiro propor um modelo abrangente do


desenvolvimento dos transtornos mentais, de acordo com esse teórico, eles
são frutos de tensões internas, e mais das vezes, inconscientes não
resolvidas que têm sua origem no desenvolvimento do libido da criança.
Sigmund Freud foi o fundador da Psicanálise, método de terapia de
comportamentos neuróticos, que pretendia cura do paciente através de
uma penetração do inconsciente. E ele divide a vida psíquica em dois níveis:
O inconsciente e o consciente, sendo o primeiro o mais importante , pois, é
chamada fundamentalmente responsável por grande parte dos nossos
comportamentos.

Intervenções
Existem para os transtornos mentais intervenções como forma de
resolução de tais problemas, sendo elas : Intervenção psicológica e
Intervenção psiquiátricas ou psicofarmacologia.
As intervenções psicológicas é toda forma de intervenção, ou seja, de
tentativa de influenciar de maneira transitória ou definitiva o
comportamento humano através do uso de meios psicológicos, ou seja, a
influencia através de novas formas de comportamento e de experiências
do mundo e podem ser :
1- Intervenção pedagógica: como exemplo, métodos para aumentar a
motivação dos alunos; métodos multimediáticos, etc.
2- Intervenção psicológica no ambiente de trabalho: como exemplo, as
campanhas contra o bullyng.
3- Intervenção clínica-psicológicas: como exemplo temos a psicoterapia,
técnicas de relaxamento, aconselhamento psicológico, etc.

As intervenções psiquiátricas ou psicofarmacologia é a ciência que


trata da relação entre o uso de drogas ( substancias psicoativas ) e as
alterações psíquicas diversas da ordem do humor, cognição,
comportamento, etc.
A psicofarmacologia moderna estuda em grande número de substâncias
com vários tipos de propriedades psicoativas, mas a maioria dos
estudos são induzidos em drogas com propriedades médicas, com foco
nas interacções químicas, entre estas e o cérebro humano.
CONCLUSÃO
Falar de transtornos mentais é falar de um tema completamente
abrangente no que concerne ao estudo do comportamento humano,
suas causas, factores que o influenciam, tratamento ou intervenções.
Mas em pequeno texto pude debruçar uma partícula da grama de
conteúdos que este tema apresenta. No entanto deu para definir tal
tema, apresentar algumas causas, e como se pode intervir para tentar
minimizar tais transtornos.
BIBLIOGRAFIA

Perrez, Meinrad, e Baumann. Urs (2005).


Psychotherapie. Bern: Huber,3 15 Bn 3.
REPÚBLICA DE ANGOLA
UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO
FACULDADE DE CIENCIAS SOCIAIS

Trabalho de Psicologia da Saúde


TEMA: Doente Mental

Nome: Ivone da C. Ferraz Dala


Grupo Nº:
Ano : 2º
Periodo: Pós- Laboral
Turma: D
Curso. Psicologia

O Docente
Dr: Manuel Mayiomona