Sunteți pe pagina 1din 2

Resenha do Debate de Tânia Bacelar das Perspectivas do Desenvolvimento

Regional Brasileiro

Em sua palestra Tânia Bacelar aborda de forma geral as heranças da diversidade


ambientais, econômicas e culturais do BRASIL, que é um país continental com vários
biomas com uma grande diversidade de heterogeneidades. Tânia Bacelar vê o
desenvolvimento regional no Brasil como consequência de um processo bastante
complexo de articulação e integração das regiões a partir de uma região hegemônica.
Analisa o contexto dos indicadores econômicos e sociais das regiões brasileiras,
problematizando os aspectos da concentração/desconcentração culminando num quadro
de grandes desigualdades regionais ressaltando a significativa ação governamental neste
processo.

Duas concentrações (que são heranças da ocupação humana e econômica do


país) que ela cita em sua palestra é a concentração da população na área litorânea e a
concentração de renda.

Alguns pontos importantes que Tânia Bacelar toca em sua palestra:

 Dinamismo das cidades médias: cidades de 100mil a 500mil têm


elevadas taxas de crescimento da população e do PIB;
 Mudanças nas migrações internas (menos pessoas migram para Sudeste,
mais para SUL – cidades – Centro Oeste e Norte) Nordeste retêm mais
pessoas;
 Forte criação de empregos formais: criação de 15 milhões de postos de
2003 a nov./ 2010 e desemprego nas metrópoles cai quase 30%, segundo
RAIS e IBGE  com aumento e desconcentração da renda do trabalho:
renda anual media cresce 14,3% de 2003 a janeiro 2010, segundo
PNAD/IBGE;
 Mudança no mercado interno de consumo de massa com a classe C: de
37,5% das pessoas em 2003 para 50% 2008, vindas da D e E, segundo
FGV. Com a forte criação de empregos formais: criação de 15 milhões
de postos de 2003 a novembro de 2010 e desemprego nas metrópoles cai
quase 30%, segundo RAIS e IBGE e o com aumento e desconcentração
da renda do trabalho: renda anual media cresce 14,3% de 2003 a janeiro
de 2010, segundo PNAD/IBGE com o impacto regional favorável ao
nordeste e norte;
 Políticas Publicas que impulsionam o novo padrão de produção em
massa com transferência de renda para os mais pobres como a
Previdência Rural da Constituição Federal de 1988 e o Bolsa Família, o
aumento real contínuo do salário mínimo (70% entre janeiro 2003 e
novembro 2010 pelo INPC/IBGE e mais o impacto da baixa inflação,
ampliação do credito (22% para 45% do PIB entre 2002 e 2010)  apoio
à agricultura familiar (Plano Safra de 2010/2011: R$ 16 Bi disponíveis x
R$ 2,2Bi em 2002);
 Com Crescimento mais acelerado do PIB do Norte depois Nordeste, log
após o Sul e o Centro-Oeste o com o menor crescimento a região sudeste.
Uma expansão maior do emprego formal no Norte e Nordeste e a
liderança deles no crescimento do consumo e a redução da pobreza
nessas regiões;
 Aqueda do índice de analfabetismo na área rural da região nordeste ainda
é muito baixa passou de 40% em 2000 para 30% da população
analfabeta.

Segundo Tânia Bacelar a causa do atraso nordestino estava em sua formação


histórica e nas políticas econômicas nacionais. Para ela o Brasil passa da condição de
país primário-exportador para a de país de base indústria.