Sunteți pe pagina 1din 6

fls.

132

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
2ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1024131-04.2016.8.26.0053 e código 35F8FE5.
VIADUTO DONA PAULINA Nº 80, São Paulo - SP - CEP 01501-000
Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

SENTENÇA

Processo nº: 1024131-04.2016.8.26.0053 - Ação Popular


Requerente: Daniel Atencio

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por LAIS HELENA BRESSER LANG AMARAL, liberado nos autos em 15/08/2017 às 16:24 .
Requerido: Subprefeitura da Subprefeitura do Butantã e outro

Juiz(a) de Direito: Dr(a). Lais Helena Bresser Lang

Vistos.

Trata-se de ação popular ajuizada por Daniel Atencio contra Prefeitura Municipal de
São Paulo e Subprefeitura da Subprefeitura do Butantã, em que pretende seja anulado o ato que
determinou o corte e remoção do abacateiro em frente ao laboratório do instituto de geociências
dentro do campus da USP. Narra que em razão de ter entrado água no laboratório, foi solicitada à
Prefeitura de São Paulo autorização para remoção do abacateiro, sob o argumento de que os galhos da
árvore estariam destruindo as telhas do laboratório e que havia risco de queda, o que foi autorizado
pela Subprefeitura do Butantã, entretanto, a árvore em questão é sadia, ocnforme verificado pelo IPT,
e o real motivo de ter entrado água são telhas podres. Argumenta que a ordem de corte e remoção
violou a Lei orgânica do Município, em especial os arts. 181 e 186. Sustenta que a competência para
manutenção das árvores no campus é do Estado em razão de a USP ser uma autarquia estadual.
Requereu a tutela antecipada, juntou documentos e deu à causa o valor de R$ 1.000,00.
A liminar foi deferida às fls. 69/70.
A Municipalidade apresentou contestação às fls. 86/93 argumentando que mesmo
sendo uma autarquia estadual, a USP, no tocante à vegetação do campus, se submete à legislação
municipal, sendo sua competência a autorização de supressão de árvores. Sustenta que em vistoria
feita em julho de 2015, foi constatada a inclinação do abacateiro em direção à edificação do instituto
de geociências. Afirma que o abacateiro é considerado uma árvore exótica e não recomendado para
arborização urbana, sendo mais adequado ao interesse público sua remoção e substituição por
exemplar nativo. Alega ainda que a autorização se deu em caráter excepcional e a requerimento do
interessado em razão do dano ao patrimônio público e por apresentar riscos de queda, impactos de
fls. 133

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
2ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1024131-04.2016.8.26.0053 e código 35F8FE5.
VIADUTO DONA PAULINA Nº 80, São Paulo - SP - CEP 01501-000
Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

frutos no telhado e entupimento de calhas, além de se situar em local impróprio e inconveniente às


atividades do instituto. Pugnou pela improcedência da ação.
Réplica às fls. 113/126 informando que o instituto de geociências teve suas telhas

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por LAIS HELENA BRESSER LANG AMARAL, liberado nos autos em 15/08/2017 às 16:24 .
trocadas na área de influência do abacateiro e que outra parte do telhado foi substituída por concreto e
proteção adicionais, que o telhado tem sido varrido constantemente a fim de evitar entupimento de
calha e que os frutos têm sido colhidos e distribuídos entre os funcionários, estando o problema
resolvido e o abacateiro saudável não há porque manter a ordem de remoção da árvore. Impugnou
ainda a argumentação de por ser uma árvore exótica deveria ser substituída por uma vegetação nativa
de São Paulo.
O Ministério Público se manifestou às fls. 130 requerendo a regular instrução do
feito, conforme requerido pelo autor.

Relatados. Fundamento e decido.

Somente a autora requereu a produção de prova pericial e oitiva de testemunhas,


entretanto, entendo suficientes os documentos apresentados nos autos para o deslinde do feito e, com
base no art. 370, parágrafo único, do NCPC, indefiro a produção de prova. Anoto ainda que como a
Municipalidade não requereu a produção de prova alguma, não há que se falar em cerceamento de
defesa.
Passo então ao julgamento antecipado, conforme autorizado pelo artigo 355, inciso I
do Código de Processo Civil.
A pretensão merece guarida.
Estabelece a Lei 4.717/65 em seu art. 2º, que são nulos os lesivos ao patrimônio das
entidades mencionadas no artigo anterior, dentre outras hipóteses, nos casos de ilegalidade do objeto
e de inexistência dos motivos e o parágrafo único apresenta os conceitos de ilegalidade e inexistência
de motivos:
Art. 2º Parágrafo único. Para a conceituação dos casos de nulidade
observar-se-ão as seguintes normas:
c) a ilegalidade do objeto ocorre quando o resultado do ato importa em
violação de lei, regulamento ou outro ato normativo;
d) a inexistência dos motivos se verifica quando a matéria de fato ou de
fls. 134

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
2ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1024131-04.2016.8.26.0053 e código 35F8FE5.
VIADUTO DONA PAULINA Nº 80, São Paulo - SP - CEP 01501-000
Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

direito, em que se fundamenta o ato, é materialmente inexistente ou


juridicamente inadequada ao resultado obtido.

No caso em tela, o que se impugna é a legalidade do ato que autorizou o corte e a

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por LAIS HELENA BRESSER LANG AMARAL, liberado nos autos em 15/08/2017 às 16:24 .
remoção de um abacateiro, em frente ao instituto de geociências da USP. Dentre suas alegações, o
autor defende que a competência para autorizar a remoção não pode ser do Município, por se tratar de
espécie localizada em campus de autarquia estadual.

Neste ponto, equivoca-se o autor, isto porque a Lei 10.365/87 determinou, em seu art.
9º que a supressão da vegetação de porte arbóreo, excluídas as hipóteses dos artigos 5º, 6º e 7º, da
citada lei, em propriedade pública ou privada, no território do Município, fica subordinada à
autorização, por escrito do Administrador Regional competente, ouvido o Engenheiro agrônomo
responsável.

Superada a questão da competência, passo à análise dos motivos que fundamentaram


a remoção. Ao que consta dos autos, em especial dos documentos de fls. 94 e 100, o motivo para a
remoção do abacateiro foi o dano ao patrimônio público, mais precisamente danificação das telhas e
entupimento de calhas do edifício dos laboratórios de geociências.

A prefeitura da USP, campus da capital, apontou ainda que haveria risco de queda em
função de desequilíbrio da árvore e que os frutos caem no telhado danificando as telhas, ocorre que de
acordo com o laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas elaborado pelo Centro de Tecnologia De
Recursos Florestais, assinado por engenheira agrônoma, ecóloga e biólogo, com processos de
biodeterminação do lenho, juntado às fls. 22/34 verificou-se que a espécime em questão está
perfeitamente sadia e que não apresenta risco de queda.

Os profissionais concluíram: "a árvore se apresenta vigorosa, sem qualquer indício


da ocorrência de organismos que atacam o lenho. Nas análises externa e interna não foram
observadas quaisquer alterações, sendo necessária apenas a poda para remoção do galho que se
encontrava quebrado. O exemplar arbóro não apresenta evidências objetivas de risco de queda".

A Municipalidade não impugna as conclusões do laudo do IPT, apenas afirma que em


vistoria realizada em julho de 2015 teria verificado o risco de queda, porém, extrai-se do laudo de
vistoria que nos campos indicativos do estado vegetativo/fitossanitário do abacateiro, nenhum dos
campos foi assinalado, deixando em dúvida o real risco de queda da árvore (fls. 100).
fls. 135

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
2ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1024131-04.2016.8.26.0053 e código 35F8FE5.
VIADUTO DONA PAULINA Nº 80, São Paulo - SP - CEP 01501-000
Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por LAIS HELENA BRESSER LANG AMARAL, liberado nos autos em 15/08/2017 às 16:24 .
Por isso, apesar de a árvore apresentar inclinação ao prédio do instituto de
geociências, não há nos autos provas que indiquem o perigo de queda a justificar a remoção de um
exemplar arbóreo. Note-se que a própria legislação ambiental municipal, exige para a supressão da
árvore a ocorrência de alguns fatos, como por exemplo, o estado fitossanitário da árvore;
quando a árvore ou parte desta apresentar risco iminente de queda e nos casos em
que a árvore esteja causando comprováveis danos permanentes ao patrimônio
público ou privado.

Art. 11 - Nas demais hipóteses, a supressão ou a poda de árvores só poderá


ser autorizada nas seguintes circunstâncias:
I - em terreno a ser edificado, quando o corte for indispensável à realização
da obra;
II - quando o estado fitossanitário da árvore a justificar;
III - quando a árvore ou parte desta apresentar risco iminente de queda;
IV - nos casos em que a árvore esteja causando comprováveis danos
permanentes ao patrimônio público ou privado;
V - nos casos em que a árvore constitua obstáculo fisicamente incontornável
ao acesso de veículos;
VI - quando o plantio irregular ou a propagação espontânea de espécimes
arbóreos impossibilitar o desenvolvimento adequado de árvores vizinhas;
VII - quando se tratar de espécies invasoras, com propagação prejudicial
comprovada.
No caso dos autos, das hipóteses que poderiam justificar a supressão do exemplar em
questão, já foram afastados o estado fitossanitério da árvore o risco iminente de queda. Também não
fls. 136

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
2ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1024131-04.2016.8.26.0053 e código 35F8FE5.
VIADUTO DONA PAULINA Nº 80, São Paulo - SP - CEP 01501-000
Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

há que se falar em ocorrência de danos permanentes ao patrimônio público, pois como já salientado
na decisão de fls. 69/70, "o entupimento de calhas, o barulho e o impacto dos frutos no telhado
(motivos utilizados para justificar o corte, conforme documento de fls. 19), não podem ser

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por LAIS HELENA BRESSER LANG AMARAL, liberado nos autos em 15/08/2017 às 16:24 .
considerados danos permanentes ao patrimônio público a justificar a excepcional supressão da
árvore".

Além disso, de acordo com as informações apresentadas em réplica, em especial as


fotos juntadas, verifica-se que os possíveis danos foram contornados, com a substituição das telhas e
de parte do telhado e para evitar a queda de frutos passou-se a ser feita a colheita dos abacates e para
evitar o entupimento das calhas há limpeza frequente no telhado. E mesmo que estas medidas ainda
não tivessem sido adotas, seriam de fácil adoção,o que afasta a caracterização de "danos
permanentes" e consequentemente a necessidade de remoção da árvore.

Quanto à alegação da Municipalidade de que o abacateiro não é uma espécie nativa de


São Paulo e que deveria ser substituída por árvores nativas, há uma distorção por parte do Município
do teor do inciso II, do parágrafo único do art. 2º, da lei 10365/87. O que o referido dispositivo
autoriza é a supressão de árvores que, por não serem nativas da região, estariam prejudicando o
ecossistema local. No caso em tela, o abacateiro não gerou nenhum prejuízo à vegetação próxima,
não havendo motivo para a supressão da árvore.

De todo o exposto, verifica-se que o ato que determinou a remoção do abacateiro é


ilegal, nos termos do art. 2º, da Lei 4147/65, pois violou o art. 11, da lei 10.365/87, bem como não
estão presentes os motivos que fundamentaram o ato, consequentemente referido
ato é nulo.

Por fim, quanto ao pedido do autor para excluir a frase de fls. 92, não vislumbro a
ofensa alegada, não verificando a necessidade de determinar a exclusão da frase dos presentes autos.
Caso entendam ofensiva a expressão à sua honra, deverão o autor e o seu patrono se valerem de ação
própria para discutir este ponto específico.

Ante o exposto, julgo procedente o pedido inicial e extinto o processo, com base no
art. 487, I, do Código de Processo Civil de 2015 para anular a ordem de corte e remoção do abacateiro
situado em frente ao Instituto de geociências na Cidade Universitária, na Rua do Lago 562,
fls. 137

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
2ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1024131-04.2016.8.26.0053 e código 35F8FE5.
VIADUTO DONA PAULINA Nº 80, São Paulo - SP - CEP 01501-000
Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

confirmando a liminar. Ante a sucumbência, conforme disposto no art. 12, da Lei 4.717/65, arcará a
parte ré com as custas e despesas processuais e honorários. Tendo em vista o valor da causa, fixo os
honorários com base no art. 85, §8º, do NCPC, por equidade no montante de R$ 2.000,00 (dois mil

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por LAIS HELENA BRESSER LANG AMARAL, liberado nos autos em 15/08/2017 às 16:24 .
reais). Oportunamente, com o trânsito em julgado, ao arquivo, com as devidas anotações. Dispensado
o reexame necessário, nos termos do art. 496, §3, II, do NCPC. Oportunamente, com o trânsito em
julgado, ao arquivo, com as devidas anotações.

Dê-se ciência ao Ministério Público.

P.R.I.

São Paulo, 14 de agosto de 2017.

DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE NOS TERMOS DA LEI 11.419/2006,


CONFORME IMPRESSÃO À MARGEM DIREITA