Sunteți pe pagina 1din 1

UOL HOST PAGSEGURO CURSOS LOJA VIRTUOL

  BUSCA  BATE-PAPO  EMAIL

MENU ASSINE SAIR BUSCAR

poder lava jato eleições 2018 congresso nacional operação zelotes folha 97 AGÊNCIA LUPA PIAUÍ FOLHA TRANSPARÊNCIA FOLHALEAKS

PUBLICIDADE

ELEIÇÕES 2018 RODRIGO MAIA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Maia não será candidato do


governo, diz novo presidente
do DEM
ACM Neto demarca distanciamento em relação a Temer e tenta
amenizar imagem conservadora

7.mar.2018 às 12h00 Bruno Boghossian relacionadas

O novo presidente do DEM, ACM Neto, afirmou que a


BRASÍLIA Iniciativas de censura se multiplicam em
período de eleição
candidatura de Rodrigo Maia (RJ) ao Palácio do Planalto “não será uma
candidatura de governo”. Em entrevista à Folha, o prefeito de Salvador
fez a manifestação pública mais enfática sobre o distanciamento que Para entidades, decisão do TSE sobre
pesquisas prejudica informação
seu partido adota em relação a Michel Temer.

ACM assume o comando nacional do DEM nesta quinta-feira (8), em Ana Moser, Caio Magri e Oded  Grajew: Um
convenção que lançará o nome de Maia à Presidência. A candidatura é novo Congresso

encarada com ceticismo até por aliados, mas a sigla pretende manter
seu nome na disputa pelo menos até junho. “Não temos nada a veja também
perder”, declara.

O novo presidente do DEM afirma que o partido participou de um


momento de transição e indica que a parceria com Temer “se encerra
em 2018”. ACM busca readequar a imagem da sigla, amenizar posições
conservadoras e fazer acenos a programas sociais. “Um governo do FOLHA EXPLICA
DEM jamais acabaria com o Bolsa Família.”   Saiba mais sobre a Lava Jato, maior
investigação sobre corrupção no país

DE OLHO NA CÂMARA

Veja como os deputados votam medidas

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), durante entrevista exclusiva no gabinete da prefeitura
em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

A seguir, os principais trechos da entrevista:

Folha - O DEM recuperou força, mas ainda é um partido com


poucos personagens de projeção nacional. Por que lançar um
candidato a presidente agora?

ACM Neto - O partido teve coragem de remar contra a maré para


manter seus princípios. Isso nos custou. Perdemos deputados, PUBLICIDADE

senadores, governadores. Agora, oferecemos um projeto de médio e


longo prazo, que passa por disputar a Presidência da República.
Vivemos experiências que nos habilitam a pensar em um salto maior.

Mas o pré-candidato do DEM, Rodrigo Maia, tem 1% nas pesquisas.


Esse projeto não pode desgastar o partido?

Não. Nós não temos nada a perder. A eleição presidencial está


completamente aberta. O Brasil quer uma mensagem nova, não quer
ser refém de uma polarização entre PSDB e PT. Quando a crise se
impôs, Rodrigo cresceu como presidente da Câmara. As melhoras nos
indicadores do país derivam do apoio do Congresso à agenda
econômica. Nosso compromisso jamais foi firmado com o governo.

Mas ele tem viabilidade eleitoral?

Para ser competitivo, a base de largada é ter suporte político-


partidário, algo que ele vem construindo com competência. As
eleições ficaram mais curtas. As convenções podem acontecer até
agosto, então o prazo de analisar a viabilidade real de uma
candidatura é próximo desse período. Não imagino nada anterior a
fim de junho. Não vamos brincar de fazer política ou de ter candidato
a presidente.

Há resistência à candidatura de Geraldo Alckmin?

O PSDB tem legitimidade em apresentar seu candidato e nós também.


Não deixaremos de dialogar. Quem sabe a candidatura de Rodrigo não
toma corpo e a gente não tem condições de trazer o PSDB para apoiá-
la.

A fragmentação de candidaturas na centro-direita pode prejudicar


esse campo?

Não vejo risco de não haver um candidato de centro no segundo turno.


Lá, quem sabe, todos podem se unir. Mas é evidente que, se
enxergarmos esse risco, é fundamental praticar o diálogo para que
possamos fazer uma agregação ainda no primeiro turno.

O DEM pode ter uma candidatura com o apoio do governo Temer?

Não penso que nossa candidatura deva ser uma candidatura de


governo. Quando o presidente assumiu, ele deixou claro que seu
desejo era fazer uma transição. Em nenhum momento, ele se colocou
como candidato. Temos uma pré-candidatura com propostas para o
futuro e coragem de mexer em velhas estruturas da política, cortando
na própria carne. Não será uma candidatura de governo.

O DEM apoiou o impeachment de Dilma, integrou a base de Temer


e assumiu cargos públicos. Como justifica a discussão de
afastamento do governo?

Vamos discutir internamente qual será a diretriz do partido. Não vejo


disposição do DEM em ir para a oposição. Seria um movimento difícil
de ser justificado. Agora, se o partido vai preferir ter mais liberdade e
estar à vontade para construir seu pacto eleitoral, não posso antecipar.
O DEM não participou do governo atrás de cargos. Participou porque
se sentiu responsável por esse momento de transição. É uma
perspectiva que começou no impeachment e se encerra em 2018.

Em janeiro, Rodrigo Maia disse que o Bolsa Família escraviza as


pessoas. O que o DEM pensa do programa?

Somos favoráveis ao Bolsa Família e, em Salvador, nós ampliamos o


cadastro. Os programas sociais precisam ser repensados, mas temos
que reconhecer a miséria em que vive uma parcela importante da
população. Um governo do DEM jamais acabaria com o Bolsa Família.

Por que o DEM é considerado um partido conservador?

Por preconceito de um certo segmento que não conhece ou não quer


enxergar a ação prática do partido. Não visto essa carapuça e não
aceito esse rótulo. Ele deriva de um preconceito que remonta a
décadas, quando o PFL foi constituído, mas que desconsidera uma
transição geracional.

A corrida presidencial tem um polo consolidado à direita, com Jair


Bolsonaro. Como o DEM se diferencia de suas posições?

O DEM se refunda agora afirmando claramente que é um partido de


centro. Significa ser um partido mais moderado, equilibrado. O
Bolsonaro tem o direito de militar na direita, como [Guilherme]
Boulos tem o direito de militar na esquerda. Eu continuarei no centro,
aberto ao diálogo.

O DEM pretende assumir posições claras sobre temas como


descriminalização do aborto e cotas raciais?

Nenhum partido tem unanimidade de pensamento. Se alguém defende


uma bandeira, não significa que seja o pensamento do partido. O
pensamento majoritário do DEM é favorável às cotas. E nosso
pensamento em relação ao aborto não vai mudar: somos favoráveis ao
entendimento que já existe na lei. O partido hoje, inegavelmente, tem
um olhar mais voltado para o social do que há 20 anos.

Qual a visão do partido sobre o Estado mínimo?

Não vamos defender Estado mínimo, mas defendo que aquilo que o
Estado se propõe a fazer, que faça bem feito.

Defende a privatização de estatais como Petrobras, Banco do Brasil


e Caixa?

Empresas públicas estratégicas não podem ser objeto da disputa


ideológica. A ótica da decisão não pode ser o interesse do mercado ou
exclusivamente a procura pelo equilíbrio fiscal.

Alguns adversários de Lula diziam que gostariam que ele


disputasse a eleição para ser derrotado nas urnas. Qual a sua
opinião?

A candidatura de Lula não depende da política, depende da Justiça. A


lei diz que qualquer pessoa que tenha contra si uma condenação de
órgão colegiado está inelegível. Ponto.

O sr. tem demonstrado hesitação em disputar o governo da Bahia.


Já se decidiu?

A decisão virá nos próximos dias. Em nenhum momento alguém ouviu


da minha boca que eu seria candidato a governador. Tenho absoluta
noção da minha responsabilidade como prefeito. Uma renúncia só
pode acontecer se estiver amparada na vontade da população de
Salvador.

O sr. foi acusado por um ex-diretor da Odebrecht de se beneficiar


de financiamento via caixa 2 na campanha de 2012. Houve dinheiro
não contabilizado?

Ontem [terça-feira (6)], houve uma decisão do Tribunal Regional


Eleitoral arquivando o inquérito. As doações foram oficiais.

TÓPICOS

câmara dos deputados rodrigo maia

ENVIE SUA NOTÍCIA ERRAMOS?

0800-140090 (11) 3224-4700

SAIBA MAIS SAIBA MAIS SAIBA MAIS SAIBA MAIS PUBLICIDADE

Laços de Sangue - Liga da Justiça Armas de Fogo - Os Erros Fatais do


A História Secreta (Blu-Ray 3D + Blu- Elas Não São as Socialismo
do PCC Ray) Culpadas F. A. Hayek
Claudio Tognolli, Marcio Vários João Luís Vieira Teixeira R$ 39.90
Sergio Christino
R$ 89.90 R$ 80.00 R$ 30.90
R$ 44.90
R$ 33.50

resenhas

'Manual da Redação' reúne Roubo de livro raro movimenta Heróis se unem para salvar o
normas de escrita e conduta da trama de "Tudo Pode Ser mundo em "Liga da Justiça"
Folha de S.Paulo Roubado"

PUBLICIDADE PUBLICIDADE

recomendadas para você

PODER PODER
Novo cartão permite um acúmulo
PSDB decide disputar Veja como pode ocorrer a mais rápido de milhagem
governo de MG para prisão de Lula
Aécio tentar a reeleição

PODER

Na Justiça tem muito


mau-caráter, diz Lula

PATROCINADO PATROCINADO

(Jaguar) (Jaguar)
O primeiro SUV compacto O Jaguar XE oferece
da Jaguar une estilo e alta performance e diversão
performance sem igual na categoria.
Clique e veja mais

PATROCINADO

(Peugeot)
Nova versão Griffe Pack
do SUV Peugeot 3008

PATROCINADO PATROCINADO

(Rincón Red) (Trovo Academy)


iPhone vendido por R$ 7 Hábitos de pessoas
280 Público brasileiro ricas
descobre como obter
pechinchas usando um
truque online

PATROCINADO

(Ibeu)
Matricule-se no Ibeu e
pague só 4 parcelas no 1º
semestre

VER TODAS
mais lidas em poder

1 Petista espera que STF 2 Constituição não dá 3 Maia não será candidato 4 Advento de 5 Dirigentes do PT
mude de posição para garantia de imunidade do governo, diz novo Boulos simboliza desafiam Justiça a
adiar prisão total ao presidente presidente do DEM também o ocaso do decretar a prisão de
PSOL Lula

principais do dia ofertas para você

FGTS

Caixa adota concorrência pública para emprestar Bloqueie o cheiro Últimas garrafas
dinheiro do FGTS do nº 2
Com apenas 5 Imperdível: vinhos
Na prática, isso significa que o processo de escolha da empresa contemplada será borrifadas na água franceses, italianos e
público do vaso, FreeCô chilenos a partir de
bloqueia totalment… R$ 29,90

7.mar.2018 às 2h00 Saber Mais Saber Mais

ELEIÇÕES

Iniciativas de censura se multiplicam em período de eleição


Decisões que partiram do Legislativo e do Judiciário despertaram reações contrárias

7.mar.2018 às 2h00

MICHEL TEMER

Planalto admite que 'cerco do Judiciário' a Temer deve


continuar Não é
Para assessores, é preciso entender por que Barroso discordou de Dodge sobre
quebra de sigilo possível
6.mar.2018 às 20h17
acessar esse
site

ASSINE TOPO

FOLHA DE S.PAULO EDITORIAS OPINIÃO SERVIÇOS AUDIÊNCIA DA FOLHA

Sobre a Folha Poder Opinião Aeroportos Circulação 292.351 exemplares


Acervo Folha Mercado Colunas e Blogs Classificados
Páginas vistas 145.924.434 fev.2018
ClubeFolha Cotidiano Horóscopo
Expediente Mundo Loterias Visitantes únicos 24.950.845 fev.2018

Política de Privacidade Esporte MAIS SEÇÕES Mortes


Prêmio Folha Ilustrada Dias Melhores Praias
ESCOLHA SUAS NEWSLETTERS
Projeto Editorial Ilustríssima Empreendedor Social Tempo
Seminários Folha F5 Especiais Digite seu e-mail
Trabalhe na Folha Ciência Folha en Español
Treinamento Equilíbrio e Saúde Folha In English OUTROS CANAIS
Fotografia Folhainvest e-mailFOLHA
TV Folha Folhaleaks Datafolha
FALE COM A FOLHA Educação Folha Tópicos Folhapress
Anuncie (Publicidade Folha) Banco de Dados Folha Transparência Folha Eventos
Atendimento ao Assinante Turismo O Melhor de sãopaulo Publifolha
Erramos Sobre Tudo Últimas Top of Mind
Fale com a Folha Revista sãopaulo Versão Impressa
Ombudsman Guia Folha
Painel do Leitor Serafina

Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.