Sunteți pe pagina 1din 6

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DO CONDOMINIO RESIDENCIAL PARQUE BORGHESI,

realizada em vinte de março de dois mil e dezoito, às dezenove horas e trinta minutos em segunda
convocação, com a presença de cinquenta condôminos, representando setenta e uma unidades
habitacionais, constante na lista de presença os proprietários (ou outorgados por procuração) que
receberam na entrada, placas de identificação da unidade a qual representavam. O Sr. Vinicius Marion
de Oliveira, proprietário da unidade 1-506, fez a abertura da assembleia, sendo o mesmo indicado
para presidir a mesa, e eu Lucas Edjoter Ferrari, condômino da unidade 5-207 para secretariar e lavrar
a ata. O presidente fez a leitura do Edital de Convocação datado de dois de março de dois mil e
dezoito, distribuído aos condôminos, a qual constava a seguinte ordem do dia: 1 - Aprovação do
relatório das contas da administração relativo ao ano de dois mil e dezessete. 2 - Eleição de síndico,
subsíndico e conselho fiscal; 3 - Deliberação e apresentação de orçamento de sistema de segurança
(Câmeras e Cerca Elétrica) para o condomínio; 4 - Esclarecimento do regulamento interno. ❶
Colocou-se em discussão o Primeiro Item: “Aprovação do relatório das contas da administração
relativo ao ano de dois mil e dezessete.” O Sr. Presidente informou que, conforme apuração do
condômino Sr. Luiz Carlos Ferreira dos Santos, representando a unidade 7-503, a aprovação do
relatório de contas da administração está prejudicada, pelos seguintes motivos: não estavam
disponíveis na assembleia os balancetes e documentos comprobatórios das contas referente aos
meses de janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho e dezembro, todos do ano de dois mil e
dezessete. Os balancetes que estavam sendo apresentados, referente aos meses de julho, agosto,
setembro, outubro e novembro, do mesmo ano, não atendiam aos requisitos de legalidade conforme
item 5.4 do Manual do Borghesi (que representa a Convenção do Condomínio e o Regulamento
Interno), no qual, no mínimo dois conselheiros devem dar a devida aprovação ao balancete e havia
apenas a assinatura de um conselheiro e, com ressalvas. Segundo o síndico, Sr. João Victor Ribeiro
Soares Médola, infelizmente não foi possível obter a assinatura de outro conselheiro, pois o
Conselheiro Suplente eleito, Sr. Ricardo Dalbem, que substituiu o Conselheiro Titular eleito, Bruno Vaz
de Haro, que renunciou ao cargo, não foi localizado pelas tentativas de contato realizadas pela
administração. Segundo o condômino Sr. Luiz Carlos Ferreira dos Santos (7-503), todas as assembleias
subsequentes deveriam ser pautadas uma nova eleição para o cargo de conselheiro, até que todos os
cargos fossem ocupados. A conselheira Fernanda Camila Martinez Delgado (7-105), única a assinar os
balancetes, informou que todos foram assinados com ressalvas, pois foram utilizadas verbas do fundo
de investimento (Construção do poço artesiano) para pagamento de contas ordinárias. O síndico
informou que a informação não procede, os recebimentos referentes ao investimento foram
devidamente destinados apenas para o investimento aprovado (poço artesiano) e inclusive há dinheiro
suficiente para honrar a conclusão da obra, mesmo considerando as inadimplências. O Presidente
realizou a leitura do item cinco do Manual do Borghesi, a qual informa que os membros da
administração são formados por três conselheiros, sendo dois titulares e um suplente, e considerando
que, os balancetes apresentados possuíam pendências, realizou a seguinte votação: “Quem concorda
em realizar a apresentação das contas, da forma como foi apresentada, manifeste seu voto”. Não
havendo votos, foi considerado item prejudicado para votação, ou seja, as contas não foram
reprovadas, e sim, não foram votadas por falta de documentação necessária. Sr. Luiz Carlos Ferreira
dos Santos (7-503), informou ainda que, segundo está registrado na Ata da última Assembleia
Extraordinária, conforme apontado pela Conselheira Fernanda Camila Martinez Delgado (7-105), os
valores cobrados pela administradora estão muito acima dos valores apresentados em seu orçamento,
desta forma solicitou da mesma, esclarecimentos formais e por escrito, mês a mês, dos valores

1
cobrados pela administradora e explicações pontuais sobre as diferenças cobradas a mais, com a
devida comprovação dos gastos apontados que justificassem os valores divergentes do orçado. Em
comum acordo entre os presentes, a atual administração se comprometeu em regularizar as referidas
informações e convocar nova assembleia em no máximo trinta dias após a realização desta. Sr. Luiz
Carlos Ferreira dos Santos (7-503) apontou que alguns assuntos registrados em Ata e não deliberados
precisam obrigatoriamente ser retomados na assembleia seguinte. Alguns condôminos sugeriram
cancelar esta assembleia, pois consideraram item primordial para aprovação, mas o atual Síndico
informou que isto não seria possível, pois a partir do dia 01 de abril, as contas bancárias do
condomínio serão congeladas, até que esta Ata devidamente divulgada e registrada, seja apresentada
à instituição bancária, torna-se primordial a realização da votação dos membros da administração.
Resumo da deliberação deste item: Item prejudicado (falta de documentação comprobatória), será
agendada nova assembleia para aprovação das contas do exercício 2017 até o dia 20/04/2018. ❷
Eleição de síndico, subsíndico e conselho fiscal: O Sr. Presidente sugeriu realizar a deliberação deste
item por último, evitando assim o esvaziamento da assembleia precocemente, por motivos óbvios,
para que não fosse prejudicado as demais deliberações, sugestão esta acatada por unanimidade. ❸
Deliberação e apresentação de orçamento de sistema de segurança (Câmeras e Cerca Elétrica) para o
condomínio: O Sr. Síndico apresentou orçamentos para instalação de novas câmeras de segurança no
condomínio, para ampliação do sistema já existente, bem como para instalação de cerca elétrica,
respeitando a regra de investimento e lista de prioridades definidas em assembleias anteriores. O Sr.
Cícero Domiciano Netto, condômino da unidade 7-404, iniciou debate sobre tal item, informando que,
apesar do investimento seguir a regra de investimentos e ser o próximo item da lista de prioridades,
não seria ideal debater sobre novos investimentos sem antes definir sistemática adequada de
comunicação aos moradores sobre situações de risco e incidentes, como, segundo ele, houve dois
incidentes referentes a invasões que ocorreram no condomínio nos últimos seis meses, sem que a
administração relatasse ou alertasse os moradores. Outros três moradores teceram opiniões favoráveis
ao referido condômino. O Síndico esclareceu que o motivo das invasões não ter sido comunicado aos
moradores, foi devido à recomendação da administradora Totus, pois o porteiro estava com o
uniforme da empresa e poderia gerar um desvio de função, pois o mesmo não é vigilante. Outro
motivo seria pelo fato do mesmo ter agredido (quebrado um vaso na cabeça) o invasor, podendo
gerar problemas para o funcionário e também para o condomínio. O Sr. Diomédio Francisco de Souza
Junior, proprietário da unidade 4-302 sugeriu não realizar a deliberação sobre nenhum investimento
até que as contas do exercício anterior sejam devidamente aprovadas, para que possa ter a certeza
que o condomínio terá condições financeiras para realizar os procedimentos necessários para sua
implantação. Outros dois moradores teceram opiniões favoráveis ao referido condômino. O Sr.
Presidente abriu a seguinte votação: “Tornar este item prejudicado em virtude das argumentações
apresentadas, as quais a administração eleita deverá elaborar um projeto integrado de melhorias da
segurança, que poderá envolver quaisquer tipos de melhorias, como ampliação do sistema de câmeras,
ampliação dos muros, instalação de cercas elétricas e/ou sensores, sistema de comunicação efetivo
quanto à incidentes, etc., e deliberação deste projeto apenas após a aprovação das contas do exercício
anterior, que poderá ser na próxima assembleia, se as contas forem aprovadas.” Os condôminos
votaram de forma unânime. Conforme solicitado, para constar em ata, segue Regra de investimento
aprovada na AGE 09/04/2014: “A aprovação de todo investimento deve seguir uma lista de
prioridades deliberada em assembleia anterior, após a apresentação de, por via de regra, no mínimo
três orçamentos formalizados, e deve participar desta votação, o quórum exigido conforme item

2
4.10 do Manual do Borghesi. Quando o quórum não for alcançado em assembleia, deve-se obter
aprovação via Cédula de Votação (com poder de procuração), e ser deliberado em próxima
assembleia. ”
LISTA DE PRIORIDADES PARA INVESTIMENTOS

Class. Investimento Situação atual


TV Aberta Coletiva e infraestrutura para
1º Investimento: Aprovado | Contrato: Aprovado | Conclusão: 2014
instalação de internet cabeada
2º Cobertura das vagas do estacionamento Investimento: Aprovado | Contrato: Aprovado | Conclusão: 2016

3º Caixa de Correspondências Investimento: Reprovado | Não houve quórum Cédula Votação

4º Poço Artesiano Investimento: Aprovado | Contrato: Aprovado | Conclusão: 2018

Melhoria sistema de segurança


5º Investimento: Item prejudicado nesta assembleia (20/03/2018)
Câmeras / Cercas / Muro / Tag Veículos
6º Projeto para Ar condicionado

7º Entrada geral (guarita + portão)

8º Elevadores

9º Projeto para bosque

10º Cobertura da quadra

11º Pavimentação da quadra

12º Projeto de Irrigação

13º Bicicletário

❹ Esclarecimento do regulamento interno: Referente às dúvidas levantadas pelos condôminos, o Sr.


Presidente realizou a leitura do Manual do Borghesi (Regulamento Interno): Item 4.9 – A administração
deverá providenciar a devida publicidade do Edital de Convocação (05 dias úteis de antecedência) e da
Ata da Assembleia (08 dias corridos subsequentes), de no mínimo, três meios: a) Email com
confirmação de recebimento; b) Impresso com protocolo de recebimento; c) Carta aos proprietários
não moradores; d) Impresso disponibilizado nos murais de avisos; e) Impresso disponibilizado nas
unidades; f) Publicação no site do condomínio, se houver; g) Publicação no grupo de discussões, se
houver; h) ou outro meio aprovado em assembleia. O condômino Sr. Luiz Carlos Ferreira dos Santos
(7-503), solicitou à atual administração, a apresentação em próxima assembleia, do atendimento a este
item, para a convocação desta assembleia (aquiescência dos proprietários convocados). A
administradora Totus se prontificou a fornecer tal comprovação. A administradora Totus informou
também que ainda não consta registrado em cartório, a versão revisada do Manual do Borghesi,
provavelmente por descuido da administradora antecessora, portanto, segue abaixo na íntegra, a
alteração aprovada na Assembleia Geral Extraordinária de doze de outubro de dois mil e quatorze:
https://pborghesi.weebly.com/12-de-outubro.html e também a versão atual do Manual do Borghesi:

3
para que a Totus ou atual administração providencie a
https://pborghesi.weebly.com/manual-borghesi.html
devida formalização junto ao cartório da última versão do Manual do Borghesi, a qual integrou a
Convenção do Condomínio com o Regulamento Interno. ❷ Eleição de síndico, subsíndico e conselho
fiscal: O Sr. Presidente iniciou apresentando as disposições do item 5. Do Manual do Borghesi, e que,
apesar de não constar em Edital de Convocação, é de competência da Assembleia Geral Ordinária,
fixar prazo comum de mandato e remuneração para os membros da administração, portanto, iniciou a
votação referente ao prazo comum de mandato, onde oitenta e cinco porcento dos presentes
aprovaram a manutenção do prazo de vinte e quatro meses de mandato. Iniciou-se a votação quanto
à remuneração ou isenção de taxa condominial para síndico e subsíndicos, e apesar de muitos
moradores opinarem favorável à isenção de cinquenta porcento da mensalidade condominial para
subsíndicos, os condôminos Sra. Angela Maria de Melo, representante da unidade 6-302, e o Sr. Elizer,
representando a unidade 7-101 sugeriram que, por este item não estar constante em edital de
convocação, que os condôminos votem pela manutenção das formas de remuneração, ou seja, dois
salários mínimos para o síndico, e sem remuneração/isenção de mensalidade condominial para os
subsíndicos. Após apresentada argumentação, foi colocado em votação, e de forma unânime,
aprovado a manutenção conforme sugerido. Dando início à votação para o cargo de síndico, o Sr.
Presidente realizou a leitura do item 5. Do Manual do Borghesi:

Com as devidas explanações realizadas, o Sr. Presidente abriu a recepção de candidatos ao cargo de
Síndico. O Sr. João Victor Ribeiro Soares Médola, atual sindico e, na condição de não condômino, e o
Sr. Bruno Vaz de Haro, também na condição de não condômino, se candidataram ao cargo e leram
suas plataformas de gestão, apresentando-se aos condôminos. O candidato João Victor Médola, antes
de sua apresentação, pediu a palavra para debater a ilegibilidade de um candidato ao cargo de síndico
por estar inadimplente com suas mensalidades condominiais e leu parágrafo 3º do artigo 1.335 do
Código Civil para evidenciar sua afirmação, onde consta que “São direitos do condômino votar nas
deliberações da assembleia e dela participar, estando quite.” Em sua defesa, o candidato Bruno Vaz de
Haro informou que ele não é proprietário do imóvel cujo contrato de aluguel está em nome de sua
companheira, e sim tão somente morador, e ainda , que o débito é de um inquilino anterior e cabe ao
proprietário acionar o antigo inquilino. O Sr. João replicou tal argumento, opinando que independente

4
se o morador é ou não proprietário da unidade, o mesmo deve estar adimplente e responder pela
unidade que habita, e desta forma, poder participar da assembleia, conforme Art. 1355 do Código Civil.
Os condôminos presentes julgaram que deveria ser seguida a Convenção, no caso, o Manual do
Borghesi, onde para a ocupação do cargo de síndico, não é necessário ser nem condômino, nem
condômino adimplente, e que qualquer pessoa física ou jurídica pode se candidatar. Após a
apresentação de cada um dos candidatos, o Sr. Presidente iniciou a votação para o cargo de síndico.
Foram registrados vinte e quatro votos para o Sr. João Victor Médola e trinta e oito votos para o Sr.
Bruno Vaz de Haro. Após a eleição do síndico, um condômino cobrou uma postura adequada do
sindico eleito, quanto a dar exemplo e fazer seguir o disposto no item 3.2.7 do Manual do Borghesi,
onde afirma que “...Nas áreas comuns, os animais devem ser transportados, obrigatoriamente, no colo”.
Em sua defesa, o Sr. Bruno Vaz de Haro afirma que obrigar um morador que possui um animal de
estimação a circular exclusivamente com o mesmo no colo é inconstitucional e conota
Constrangimento Ilegal para com a pessoa e Maus Tratos para com o animal (Art. 146 do Decreto-lei
No 2.848/40); disse ainda que, o direito de ir e vir do tutor acompanhado do animal está garantido
pela Constituição e não há norma de condomínio que possa confrontá-lo e, que o animal pode andar
no chão desde que esteja sendo conduzido, na coleira ou guia, por seu proprietário e, que se o
mesmo fizer suas necessidades nas áreas comuns, seu proprietário deve limpar, pois se não o fizer
estará sujeito a advertências e/ou multas. O Sr. Luiz Carlos Ferreira dos Santos questionou ao síndico
eleito, se o mesmo irá adotar a boa prática de transparência na gestão financeira, tornando obrigatória
a assinatura dos cheques por dois membros da administração, bem como exigir que as notas de
empenho devam estar assinadas para que a administradora possa liberar o pagamento. O Sr. Bruno
Vaz de Hero informou que irá acatar esta sugestão em sua administração, sendo deliberado tal
sistemática em próxima assembleia. Na sequência, foi realizada a votação dos subsíndicos, em que
todos foram eleitos por unanimidade dos condôminos do seu bloco, presentes na assembleia, sendo
eles: Daniel Sarchiolo Cavalcanti Fontes (1-203), Karen Fernanda Sampaio Silva (2-403), Juliane Pereira
Rodrigues Zorzan (3-505), João Victor Ribeiro Soares Médola (4-101), Lucas Edjoter Ferrari (5-207),
Rubens Sérgio dos Santos Junior (6-506) e Cícero Domiciano Netto (7-404). Após, foi iniciado a
votação para os cargos de conselho fiscal, onde foram eleitas as condôminas Sra. Fernanda Camila
Martinez Delgado (7-105) como Conselheira Fiscal Titular, Flávia Maria Zorzan Jorge (3-505) como
Conselheira Fiscal Titular, e Fernanda Cristina T. A. Moreira (6-203) como Conselheira Fiscal Suplente.
SÍNDICO ELEITO – COMPROMISSOS FIRMADOS
“Analisar as despesas do condomínio, verificando o planejamento de manutenção predial da atual
administração; Selecionar entre os serviços de manutenção necessários, aqueles que são mais
urgentes e preparar um cronograma de execução que se ajuste a disponibilidade de verba do
condomínio; Rever as posições dos atuais processos trabalhistas movidos contra o condomínio e
avaliar junto com a advogada se há possibilidade de revertermos o mesmo; Reavaliar as possíveis
melhorias que podem ser feitas com relação à segurança do condomínio, por meio de instalação de
mais câmeras de monitoramento, sensores e cerca elétrica e, possível aumento da altura dos muros;
Estimular a participação dos condôminos na administração do Condomínio através do Livro de
Ocorrências, sempre disponível na portaria, Grupo de Discussões no Facebook, criação de um grupo de
Whatsapp, e atualização do site do condomínio (www.pborghesi.com.br). Com este efeito, toda
ocorrência registrada receberá resposta imediata de minha parte, com a devida avaliação e a pronta
efetivação ou reparo da irregularidade apresentada. É meu firme propósito estar sempre disponível e
responder o mais rápido possível às solicitações e questionamentos que me forem direcionados.”

5
PAUTAS PRÓXIMA ASSEMBLEIA
1 - Aprovação do relatório das contas da administração relativo ao ano de dois mil e dezessete. (Prazo
limite: 20/04/2018) [Totus/administração anterior];
2 - Apresentação das divergências (e suas justificativas) entre orçado x realizado referente aos
pagamentos à administradora, mês a mês, desde dois mil e dezesseis [Totus];
3 – Apresentação da comprovação da devida publicidade do Edital de Convocação da Assembleia
anterior (20/03/2018) [Totus];
4 - Apresentação de Projeto de melhoria na segurança do condomínio e deliberação conforme Regra
de Investimento.* [Administração atual];.
* A aprovação de todo investimento deve seguir uma lista de prioridades deliberada em assembleia anterior (ver abaixo)
após a apresentação de, por via de regra, no mínimo três orçamentos formalizados, e devem participar desta votação,
o quórum exigido conforme item 4.10 do Manual do Borghesi. Quando o quórum não for alcançado em assembleia,
deve-se obter aprovação via Cédula de Votação (com poder de procuração), e ser deliberado em próxima assembleia.
5 – Deliberação de sistemática de melhoria na gestão financeira/contábil* [Administração atual;
*Sugerido na AGO 20/03/2018: tornar obrigatória a assinatura dos cheques por dois membros da administração, bem
como exigir que as notas de empenho devam estar assinadas para que a administradora possa liberar o pagamento.
6 – Outros assuntos de interesse do condomínio.
Nada mais havendo a ser deliberado, encerrou-se a assembleia, sendo lavrada a presente Ata que vai
assinada por mim, Lucas Edjoter Ferrari, secretário, pelo síndico e pelo presidente. Declaro que a
presente Ata é cópia autêntica da transcrita no Livro de Atas nº 01 do Condomínio Parque Borghesi.

Bauru, 20 de março de 2018.

_______________________________ __________________ __________________


Vinicius Marion de Oliveira João Victor Médola Lucas Edjoter Ferrari
Presidente Síndico Secretario