Sunteți pe pagina 1din 7

Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Elétrica

Conversão de Energia - 2/2017


Alunos: Pedro Henrique Guimarães Ferreira………15/0020031
Luís Felipe Filomeno Affonso………………15/0051786

Projeto 1 - Demandas da Sociedade

1. Introdução

O projeto consiste na implementação de um sistema compacto, portátil e


de baixo custo para auxiliar no resgate de feridos e portadores de
necessidades especiais em situações de risco. Para isso, seriam
implementados dois ductos com funcionamento baseado nos flexible conveyor.
Esse sistema seria composto por dois ductos compostos por rolamentos do tipo
lineshaft roller conveyor, que, alimentados por um motor, rolariam em uma
velocidade suave carregando as pessoas em condição de vulnerabilidade em
suas cadeiras de rodas ou macas, permitindo que obstáculos como altura,
grandes distâncias ou o relevo pouco favorável fossem vencidos com maior
facilidade e menor necessidade de esforço humano.

2. Diagramação Visual

Figura 1 – Representação Pictórica de Cada Módulo dos Ductos


Figura 2 – Possível Solução para Vencer Caminhos Curvos

3. Dimensionamento da Estrutura Física

Como o projeto tem a finalidade de facilitar a remoção de pessoas em


situação de vulnerabilidade em seus equipamentos, optamos por dimensionar
o tamanho dos ductos para comportar apenas as dimensões necessárias para
transportar com segurança e conforto pessoas em cadeiras de rodas e macas
hospitalares. Essa decisão não somente reduz a estrutura civil necessária para
suportar o equipamento, como também confere portabilidade ao projeto. Dessa
forma, após uma série de pesquisas[1][2][3][4], percebemos que a maior parte das
cadeiras de rodas têm largura na faixa de 64cm quando abertas, de forma que
um dos ductos de 15cm cada espaçados por 60cm seriam suficientes para um
transporte mais do que adequado. Igualmente, a largura de cada uma das
macas[5][6], sejam hospitalares ou para resgate, não passam de 90cm abertas,
reafirmando a viabilidade dessa solução de dimensionamento.

Por razões de segurança, adotaremos também um segundo sistema


para proteger macas e cadeiras de quedas ou excursões de descida. Esse
sistema pode ser implementado por meio da adoção de um trilho dentado,
auxiliado por um gancho, nas canaletas mais externas do sistema ou, de
maneira mais sofisticada, pela combinação de sensores de dimensão com o
sistema Uni Xu Conveyor Rotating Blade Stop, descrito por vídeo[7], onde um
sensor poderia disparar travando cada lineshaft roller após a cadeira passar,
sendo liberado apenas quando o lineshaft roller da frente fosse acionada, de
maneira que em qualquer tipo de pane as cadeiras e macas estariam seguras
pela ação dos bloqueadores.
4. Dimensionamento do Motor

Com auxílio de um diagrama de corpo livre, descrevemos a situação da


subida da cadeira ou maca. Sabemos que a massa de cada cadeira de rodas
varia entre 7,7kg e 18kg, conforme pode ser comprovado pelas referências
disponibilizadas, e que o peso de cada maca também não foge da faixa entre
15 e 20kg. Por outro lado, sabemos que o peso médio de um ser humano não
supera os 80kg em nenhuma região do mundo[8]. Dessa forma, consideramos,
por razões de segurança, um paciente com um peso de 88kg (10% maior que a
maior média regional mundial) e, ainda, superdimensionamos em 20% a mesa
do conjunto pessoa-cadeira/maca.

Dessa forma, podemos equacionar:

E, então,

Sabendo a aceleração da gravidade na terra (g = 9.81 m/s2 ) e o valor da


massa superdimensionada (m = 1.2 x (1.1 x 80kg + 18kg) = 127.2kg), podemos
dimensionar a força aplicada fMÁX para que o motor seja capaz de imprimir ao
móvel uma velocidade constante de 2 m/s, similar à velocidade de uma pessoa
caminhando à passos rápidos. Para isso, é conveniente realizar a substituição
da aceleração utilizando a Equação de Torricelli:
Como ΔS = L, sendo L o comprimento do trilho que deve ser
excursionado pelo móvel, conforme descrito no diagrama de corpo livre, é
conveniente reescrever f na seguinte forma:

Uma vez que os cilindros utilizados, por construção, serão ocos e


compostos de ferro-fundido, conhecemos também seu coeficiente de atrito de
deslizamento (µ=0,15) [9]. Dessa forma, podemos encontrar a maior força a ser
realizada para deslocar o móvel calculando os casos limítrofes onde h = L e d =
L. Assim, conhecemos fMÁX:

Para percorrer um caminho de L = 3m, o tamanho sugerido do trilho


nesse sistema, temos que fMÁX = 1242.32 N. Podemos dimensionar a potência
média do motor, pela definição, como trabalho sobre tempo. Sabemos,
também, que o tempo de movimento do móvel pode ser dado pela razão entre
a velocidade e a aceleração. Temos, então, que vale:

Portanto, a potência fornecida pelo motor deve ser numericamente igual


à força máxima que deve ser realizada pelo motor. Assim, será necessário um
motor de 1,243kW ou de aproximadamente 1.66 HP para mover cada paciente.
Dessa forma, esse sistema pode ser dimensionado de acordo com a
quantidade de pacientes que devem ser movidos simultaneamente,
necessitando de um motor de baixa potência para a remoção de poucos
pacientes em simultâneo e de um motor um pouco mais robusto para a
remoção de múltiplos pacientes a cada vez.

5. Estimativa de Custos

Prevendo que transportar apenas um paciente por vez atenderia ao


propósito do projeto, uma vez que a velocidade empregada confere agilidade
suficiente ao processo, e tendo em mente a limitação de custos, será usado um
motor DC bobinado em série de 48V e 1600W. Este último é maior que o
necessário idealmente, mas como existem perdas mecânicas e elétricas, o
valor se mostra adequado. Uma bateria de 48V e 30Ah alimentará o motor,
permitindo uma autonomia de um pouco menos de uma hora, já que se tem
uma corrente de 33,33 A (I = P/V = 1600/48 = 33,33). Considerando a
velocidade de 2 m/s e um tempo total de um minuto para fixar e depois retirar o
paciente nos trilhos, a autonomia da bateria se mostra suficiente para, por
exemplo, transportar pelo menos 43 pessoas em um trajeto de 30 metros, ou
49 pessoas ao longo de 10 metros. O valor de mercado para o motor seria de
aproximadamente R$1000,00 (mil reais), enquanto a bateria custaria ao redor
de R$1300,00 (mil e trezentos reais).

6. Estudo de Caso

Embora aparentemente possa ser considerado difícil mensurar o


impacto positivo que a popularização desses mecanismos poderia gerar,
podemos chegar a conclusões sobre um limite superior do impacto que essa
invenção poderia causar analisando situações reais onde esse mecanismo
poderia ter sido aplicado. Dessa forma, por conveniência, analisaremos o
terremoto de 7.6 graus de magnitude ocorrido na Kashimira em Outubro de
2005, focando em seu impacto no Paquistão. Consideramos que essa análise
se faz relevante por se tratar de um terremoto de alta magnitude, concentrado
em uma zona extremamente populosa, afetando principalmente regiões com
notória fragilidade econômica e infraestrutura precária, de maneira em que
acreditamos que essa situação contém, simultaneamente, todos os casos de
aplicabilidade de nossa solução. Felizmente, estamos tratando de um evento
cujas missões de resgate estão muito bem documentadas e massivamente
presentes na literatura [10].

Após o terremoto na Kashimira, 3,3 milhões de pessoas ficaram


desalojadas, sendo que as mais atingidas viviam em regiões montanhosas de
difícil acesso, cujas rodovias que as conectavam às cidades foram bloqueadas
pelos deslizamentos de terra decorrentes do terremoto. Adicionalmente, 365
complexos médicos, 1000 hospitais e 17000 escolas foram destruídos.

As missões de resgate, comandadas pelo exército paquistanês,


contaram com tropas de auxílio enviadas de diversas partes do mundo, uma
vez que a grande extensão dos danos e as dificuldades de acesso causadas
pelos danos estruturais demandaram que a maior parte do trabalho de resgate
e salvamento ocorresse por meio de frotas de helicópteros. Ao total, o
terremoto deixou cerca de 87000 mortos, sendo 19000 crianças, e 138000
feridos.
Assim, podemos estimar que caso a implementação dessa solução
fosse capaz de aprimorar em 3% a efetividade dos resgates, mais de 2 600
vidas poderiam ser salvas. É conveniente notar que para a remoção de um ou
mais pacientes em uma situação de desastre, são necessárias, por vezes,
duas ou mais pessoas e que a remoção ocorre com cerca de 30% da
velocidade de remoção de nosso mecanismo. Dessa forma, acreditamos que a
implementação em massa desse sistema pode permitir uma maior divisão no
contingente das forças de resgate, permitindo mais atendimentos simultâneos
com um mesmo contingente, garantindo um resultado prático bem superior aos
3% teóricos estimados.

7. Referências

[1] Cadeira de Rodas POP, disponível em


http://www.hospinet.com.br//cadeira-de-rodas-simples-modelo-pop/
[2] Cadeira de Rodas Jaguaribe 1009, disponível em
http://www.hospinet.com.br//cadeira-de-rodas-dobravel-jaguaribe-1009/p?
idsku=507&gclid=Cj0KCQjwvOzOBRDGARIsAICjxoedfcb_4D0afSVZoseyFQul
bEheGCapeCYgiOqDzSeEw6p5cR5ktJ0aAiR2EALw_wcB
[3] Dimensions of Adult-Sized Wheelchairs, disponível em

https://www.ada.gov/descript/reg3a/figA3ds.htm
[4] How wide a doorway need to be for a Wheelchair?, disponível em https://
www.karmanhealthcare.com/how-wide-does-a-doorway-need-to-be-for-a-
wheelchair/
[5] Maca Tubular com Cadeira Reclinável, disponível em
https://www.bcmed.com.br/maca-tubular-com-cabeceira-regulavel-arktus?
utm_source=google_shopping&gclid=Cj0KCQjwvOzOBRDGARIsAICjxocQRc3
Gjdgn-3yvFlfQ5UGdfBsJz-7YU5cgcY5IX89TFhvVkJBB0HAaArZ0EALw_wcB
[6] Maca Skeed para Resgate, disponível em
https://www.americanas.com.br/produto/23640060/maca-sked-para-resgate?
W T. s r c h = 1 & e p a r = b p _ p l _ 0 0 _ g o _ t o d o s - o s -
produtos_geral_rlsa_reativados_gmv&gclid=Cj0KCQjwvOzOBRDGARIsAICjxo
cnR2VzF3KSc8tZeaU2gB-0orM0csfCdnDZyd1xRpP2CpqqbgwiM3EaAp-
pEALw_wcB&opn=YSMESP&sellerId=19097931000188
[7] Uni Xu Conveyor Rotating Blade Stop, disponível em
https://www.youtube.com/watch?time_continue=17&v=fLD5spsX8Ss
[8] The weight of nations: an estimation of adult human biomass, disponível em
https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-12-439
[9] Forças de Atrito, disponível em
http://www.mspc.eng.br/mecn/fric_120.shtml
[10] Pakistan Earthquake Case Study, disponível em
http://www.dodccrp.org/files/case_studies/Pakistan_EQ_case_study.pdf