Sunteți pe pagina 1din 1

Lúcifer

Na tradição judeo-cristã, Satanás, que encarna o mal, é considerado o anjo


decaído. Seu nome teria sido Lúcifer; era o mais brilhante dos anjos revoltados contra
Deus. Por isso ele foi precipitado do céu ao fundo dos infernos, lugar dos pecadores
condenados a penas eternas. Ele tinha como coroa uma esmeralda. A palavra Lúcifer
significa o "portador da luz" (phosphoros, em grego).
Por trás dessa lenda, que se apoia sobretudo num texto muito pouco claro de
Isaías, situa-se, de um lado, o problema do aparecimento do mal e, de outro lado, a
verdadeira personalidade de Lúcifer antes da queda, que é, na realidade, João, o detentor
do graal formado de uma esmeralda.
Vénus, a estrela mais brilhante do céu (na verdade, um planeta), recebeu o nome
de Vénus Lucífera quando precede o nascer do sol e o de Vénus Véspera quando aparece
depois do pôr do sol. Da mesma forma, João Batista precedeu à vinda do Cristo solar e
João, o Apóstolo, sobreviveu a ele. Esses são os dois aspectos de João.
Porque a maçonaria crista foi a Igreja de João-Lúcifer, os maçons passaram a ser
considerados adoradores de Satã, desconhecendo-se totalmente a verdadeira natureza
daquele que leva a luz, o iniciador dos homens.
Infelizmente, houve quase que uma permanente confusão entre Lúcifer, porta-luz
antes da queda, e Satanás, resultado dessa queda;e houve quem, mesmo pertencendo à
maçonaria desde antes da Revolução Francesa, se tornou sectário de Satanás
enquanto pretendia ser discípulo de Lúcifer.
Com efeito, como diz São Paulo*, Satanás disfarçou-se em anjo de luz; trata-se,
portanto, de uma extrema habilidade de sua parte isso de se fazer comparar a Lúcifer-
João que é, na realidade, o seu adversário.
Nota: *Corintios II, XI, 14,15 – e não é de estranhar! O próprio Satanás se
disfarça em ahjo de luz! Por isto, não me surpreendo de que os ministros de Satanás se
disfarcem como servidores da justiça.
____________________________  ________________________
LE COUR, Paul. O Evangelho Esotérico de São João. Tradução de Frederico
Ozanam Pessoa de Barros. 2ª edição. Editora Pensamento. São Paulo: 1990.