Sunteți pe pagina 1din 17

Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios

Referência: BOYLESTAD, Robert L., NASHELSKY, Louis. Dispositivos Eletrônicos e teoria de


circuitos. 8ed.. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

Capítulo 1 do livro.

1 - INTRODUÇÃO À FÍSICA DE SEMICONDUTORES


- MATERIAIS SEMICONDUTORES
- JUNÇÃO PN NÃO POLARIZADA

Objetivos da aprendizagem:
- Caracterizar materiais semicondutores.
- Descrever a corrente utilizando a teoria de elétrons e lacunas.
- Identificar as características dos semicondutores intrínsecos e os efeitos das impurezas dopantes.
- Identificar as características dos semicondutores tipo N e tipo P.
- Descrever o fenômeno de difusão e da barreira de potencial numa junção PN.

Assistir aos vídeos:

https://www.youtube.com/watch?v=snLCgz7W22Y
https://www.youtube.com/watch?v=lnnpfVR0rmo
https://www.youtube.com/watch?v=CzXlfE6tiUc
https://www.youtube.com/watch?v=O7rcD0_lR9k
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
2

Isolante – Material que NÃO permite a movimentação de elétrons;


Semicondutor – Material que permite moderada movimentação de elétrons;
Condutor – Material que permite a movimentação de elétrons.

Obs.: 1) Na prática não existem materiais Isolantes ou Condutores perfeitos, pois não há material algum que
impeça ou permita totalmente, sob qualquer circunstância, a passagem de elétrons.

2) Os materiais semicondutores são uma classe especial de elementos cuja condutividade está entre a
de um bom condutor e a de um isolante.

Níveis de energia: (a) níveis discretos em estruturas atômicas isoladas; (b) bandas de condução e valência de um
isolante, um semicondutor e um condutor.

Os materiais semicondutores são separados em duas classes: Cristal Singular e Cristal Composto.
Cristal Singular – Germânio (Ge) e Silício (Si) – estrutura de cristal repetitiva.
Cristal Composto – Arseneto de Gálio (GaAs), Sulfeto de Cádmio (CdS), Nitreto de Gálio (GaN) e Fosfeto de
Arseneto de Gálio (GaAsP) – são compostos de dois ou mais materiais semicondutores de estruturas atômicas
diferentes.
Destes os mais utilizados são Ge, Si e GaAs
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
3

(a) Ligação covalente do Cristal de Si; (b) Ligação covalente do Cristal de GaAs

Materiais Intrínsecos
São Materiais Semicondutores que tenham sido cuidadosamente refinados para reduzir o número de
impurezas a um nível muito baixo — essencialmente, com o grau máximo de pureza disponibilizado pela
tecnologia moderna.
Na figura, o Cristal de Si apresenta apenas átomos deste elemento, portanto está sem impureza,
caracterizando um material intrínseco.

Ligação Covalente do Cristal de Si


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
4

Materiais Extrínsecos
As características de um material semicondutor podem ser alteradas significativamente pela adição de átomos
específicos de impureza ao material semicondutor intrínseco (relativamente puro).
O ato de colocar “impureza” em material semicondutor intrínseco é denominado Dopagem.
Material Extrínseco é um material semicondutor que tenha sido submetido ao processo de dopagem.

Materiais Tipo n e Tipo p


Material Tipo n
Se um cristal de Si (material tetravalente – 4 elétrons na camada de valência) intrínseco for dopado com
“impureza” pentavalente (5 elétrons na camada de valência), um dos elétrons fica sem ligação, estando “livre” para
uma nova ligação.

Impureza de antimônio no Cristal de Si – Material Tipo n

O efeito do processo de dopagem na condutividade relativa do material pode ser observado na figura

Efeito da dopagem com impurezas doadoras na Banda de Energia

O material extrínseco com “elétron livre” na camada de valência, é denominado Material Semicondutor
Tipo n.
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
5

Material Tipo p
Se um cristal de Si (material tetravalente – 4 elétrons na camada de valência) intrínseco for dopado com
“impureza” trivalente (3 elétrons na camada de valência), fica o “espaço” de um elétron para completar a ligação, este
“espaço” é denominado “lacuna”.

Impureza de boro no Cristal de Si – Material Tipo p

O material extrínseco com “lacuna”, é denominado Material Semicondutor Tipo p.

OBS.: Não é possível retirar totalmente as impurezas dos materiais naturais, portanto o material intrínseco não
é totalmente puro, podendo conter elétrons livres e/ou lacunas.
Neste caso:
Em um material do tipo n o elétron livre é denominado portador majoritário e a lacuna portador minoritário (a).
Em um material do tipo p a lacuna é denominada portador majoritário e o elétron livre portador minoritário (b).

Unindo o material tipo n e o tipo p, formando um única junção, é obtido o dispositivo semicondutor denominado
DIODO que:
possui DOIS terminais o ANODO ligado ao material semicondutor tipo p e o CATODO ligado ao material
semicondutor tipo n, conforme é observado na figura.
É utilizado em uma infinidade de aplicações nos circuitos eletrônicos.
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
6

No ponto de união do material tipo p com o tipo n do Diodo, conforme pode ser observado na figura, há uma
região desprovida de carga elétrica. Isto ocorre porque os elétrons livres do material tipo n ocupam as lacunas
do material tipo p, ficando nesta região apenas os íons positivos e negativos, formando uma Barreira de
Potencial (também denominada Barreira de Depleção ou Zona de Depleção) que impede a passagem de
elétrons, desde que não haja energia suficiente para tal, ou seja, caso o dispositivo não esteja polarizado.

Construção Básica Interna do Diodo – sem polarização


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
7

Diodo Reversamente Polarizado:

Diodo Diretamente Polarizado:


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
8

Polarização do Diodo Ideal :

(a) Diodo diretamente polarizado e (b) Reversamente polarizado

A figura abaixo apresenta as tensões e correntes na condução direta e reversa do Diodo:

Curva Característica de um Diodo Quase Real


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
9

Silício versus germânio


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
10

Comportamento do Diodo em função da variação de temperatura


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
11

Reta de Carga
A curva característica do Diodo é não linear, isso torna complexo determinar por meio de equações o valor da
corrente e tensão sobre o Diodo e resistor. Para resolver este problema, é utilizado um método denominado Reta de
Carga, com ele é possível determinar o valor exato da corrente e da tensão sobre o diodo.

Exemplo: Dado o circuito e as características elétricas do diodo, encontre seu ponto de operação.

Portanto, com a aplicação da reta de carga, o ponto de operação do diodo, no exemplo, é IDQ = 12mA e VDQ = 0,78V.
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
12

Valores de resistência

Resistência cc ou estática
Quanto mais baixa a corrente que passa por um diodo, mais alto é o valor de resistência cc.
𝑉𝐷
𝑅𝐷 = 𝐼𝐷

Exercício: Determinar os valores de resistência do diodo conforme curva característica para:


a) ID = 2mA
b) ID = 20mA
c) VD = - 10V
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
13

Resistência ca ou dinâmica

A aplicação de uma tensão CA a um circuito que contenha um diodo semicondutor, faz sua entrada variável mover o
ponto de operação instantâneo para cima e para baixo em uma região da curva característica e, assim, definirá uma
alteração específica em corrente e tensão, como mostrado na figura a. Com nenhum sinal variável aplicado, o ponto
de operação seria o ponto Q que aparece nessa figura, determinado pelos níveis CC aplicados. A designação de
ponto Q deriva da palavra quiescente, que significa “estacionário ou invariável”. Uma linha reta traçada tangente à
curva por meio do ponto Q, como mostrado na figura b, definirá uma mudança específica em tensão e corrente que
pode ser usada para determinar a resistência CA ou dinâmica para essa região da curva característica do diodo.

Quanto mais baixo o ponto Q de operação (menor corrente ou mais baixa a voltagem), mais alta a resistência ca.
∆𝑉𝑑
𝑟𝑑 =
∆𝐼𝑑
Definição da resistência dinâmica ou ca e determinação da resistência ca em um ponto Q.

(a) Definição da Resistência CA (b) Determinação da Resistência CA


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
14

Resumo dos níveis de resistência nos diodos.


Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
15

Exercícios:
Com Gráfico 1
1.Determinar a resistência estática ou cc do diodo comercial para uma tensão reversa de -30V.

2. Determinar a resistência ca média para o diodo na região entre 0,6V e 0,9V.

3.Determinar a resistência ca para o diodo em 0,75V e compare com a resistência ca média do exercício anterior.
Apresentar uma conclusão.

Com Gráfico 2
∆𝑉𝑑
4. Determinar a resistência dinâmica ou ca do diodo para uma corrente direta de 10mA usando a equação 𝑟𝑑 =
∆𝐼𝑑

5.Calcular a resistência cc para 10mA e comparar com a do exercício anterior. Apresentar conclusão.

∆𝑉𝑑
6. Usar a equação 𝑟𝑑 = e determinar as resistências ca para as correntes de 1mA e 20mA. Comparar os
∆𝐼𝑑
resultados e apresentar uma conclusão que considere a resistência ca e os níveis crescentes de corrente no diodo.
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
16

Gráfico1
Eletrônica Analógica – (1) Teoria e Exercícios
17

Gráfico 2