Sunteți pe pagina 1din 14

04/02/2018 - domingo 103 da CF e a competência se concentrará no STF porque

QUAL A DIFERENÇA ENTRE MANDADO DE INJUNÇÃO cabe à Corte julgar as ações diretas de inconstitucionalidade
E AÇÃO DECLARATÓRIA DE em sede de controle abstrato.
INCONSTITUICONALIDADE POR OMISSÃO? O objeto do mandado de injunção é a proteção de
um direito subjetivo. Isso quer dizer que tal ação é utilizada
O mandado de injunção e a ação declaratória de em processos que buscam soluções para casos concretos.
inconstitucionalidade por omissão são mecanismos de Para ilustrar essa hipótese, podemos citar, por exemplo, o
controle criados pela Constituição com a finalidade de exercício do direito de greve. Tal direito é expresso na CF/88
assegurar a regulamentação das normas constitucionais de por meio de uma norma de eficácia limitada, isto é, uma
eficácia limitada. norma dependente de regulamentação infraconstitucional.
Diferem-se, no entanto, quanto à forma de Como tal norma ainda não existe, utiliza-se do mandado de
ajuizamento. O mandado de injunção foi concebido como injunção para solicitar ao judiciário o direito de exercitar a
instrumento de controle concreto ou incidental de greve cuja falta de norma regulamentadora está tornando
constitucionalidade da omissão, voltado à tutela de direitos inviável. Por isso que se diz que tal ação é proposta
subjetivos, frustrados pela inércia ilegítima do Poder Público. incidentalmente no curso de um processo enquanto a causa
Já a ação direta de inconstitucionalidade por omissão foi de pedir. O objetivo é obter o exercício do direito e não à
concebida como instrumento de controle abstrato ou principal norma regulamentadora em si, esta é apenas um meio de
de constitucionalidade da omissão, empenhado na defesa atingir o principal objetivo da ação que é tornar viável o
objetiva da Constituição. Isso significa que o mandado de exercício de um direito inviabilizado pela falta de norma
injunção é uma ação constitucional de garantia individual, regulamentadora.
enquanto a ação direta de inconstitucionalidade por omissão A ação direta de inconstitucionalidade por omissão,
é uma ação constitucional de garantia da Constituição. por sua vez, tem por objeto a defesa da própria Constituição.
O mandado de injunção está previsto no art. 5º, LXXI Nesta hipótese, o objetivo não é obter a solução para um caso
da CF e a ADI por omissão no art. 103, § 2º da CF. concreto, mas sim obter o cumprimento de um dever imposto
Quanto a legitimação, qualquer pessoa, bem como pela Constituição ao legislador infraconstitucional de tornar
grupos, partidos políticos, sindicados e associações podem viável o exercício dos direitos nela previstos mediante a
ajuizar mandado de injunção, com a finalidade de obter uma edição de normas regulamentadoras. Por isso dizer que tal
norma regulamentadora cuja falta impede o exercício de um ação é direta e não incidental, porque seu pedido principal é
direito. a obtenção da norma regulamentadora, independentemente
Ao passo que a ADI por omissão, são legitimados de qualquer caso concreto.
apenas as pessoas previstas no art. 103 da CF com a Assim, os efeitos da decisão em cada uma das
finalidade de obter a regulamentação de uma norma de ações incidirão com abrangência diferente. No mandando de
eficácia limitada e cumprir, assim, um dever imposto pela injunção, os efeitos da decisão só atingirão as partes do
Constituição. processo (inter partes), enquanto que na ação declaratória de
Com relação a competência, será do STF, STJ e TJs inconstitucionalidade por omissão os efeitos da decisão
no caso do mandado de injunção, a depender de qual é o atingirão a todos (erga omnes).
órgão que está se omitindo. Já a ADI por omissão tem a Outra diferenciação feita entre as duas ações diz
competência para processar e julgar concentrada no STF. respeito ao tipo de processo e ao tipo de decisão. O mandado
¶ de injunção se dá num processo subjetivo porque o controle
05/02/2018- segunda-feira da omissão se dá no caso concreto e a decisão é do tipo
O mandado de injunção (art.5, LXXI, CF/88) e a ação concretista porque busca viabilizar a concretização de um
declaratória de inconstitucionalidade por omissão (art. 103 direito. Por seu turno, a ação declaratória de
§2º, CF/88) são dois instrumentos constitucionais criados inconstitucionalidade por omissão de dá num processo
para lidar com o problema da inércia legislativa. A inércia objetivo porque o controle da omissão se dá em tese e a
legislativa ocorre quando a CF ordena que determinadas decisão é do tipo declaratória porque visa tão somente obter
normas constitucionais sejam regulamentadas pelo Poder a edição de uma norma regulamentadora e para tanto declara
Público para serem plenamente eficazes e este, contudo, não a inconstitucionalidade por omissão, isto é, declara que
o faz. realmente existe uma violação da CF por omissão do Poder
As duas ações, portanto, possuem a mesma Público.
finalidade: obter a edição de normas para dar eficácia plena
àquelas normas constitucionais de eficácia limitada. Tais
instrumentos diferem-se, contudo, quanto ao âmbito de
aplicação: enquanto o mandado de injunção é utilizado para
a defesa de direitos subjetivos, a ação declaratória é utilizada
para a defesa da própria Constituição.
Qualquer pessoa pode ajuizar mandado de injunção
para tornar viável o exercício de um direito que dependa de
norma regulamentadora ainda não editada pelo Poder
Público. Por isso mesmo a competência para processar e
julgar tal ação se espalhará entre os tribunais e será do STF,
do STJ ou do TJ, a depender de quem seja o autor da
demanda.
Já a ação direta de inconstitucionalidade por
omissão só pode ser proposta pelas pessoas arroladas no art.
06/02/2018 – terça-feira § 13. No caso do § 12, os efeitos da decisão do Supremo Tribunal
Federal poderão ser modulados no tempo, em atenção à segurança
Direito Processual Constitucional jurídica.
§ 14. A decisão do Supremo Tribunal Federal referida no § 12 deve
Controle Concentrado de Constitucionalidade ser anterior ao trânsito em julgado da decisão exequenda.
(TJ/SP/Juiz/2014/185º Concurso) Considere o disposto no § 15. Se a decisão referida no § 12 for proferida após o trânsito em
art. 525, §12 do CPC/2015 e responda: julgado da decisão exequenda, caberá ação rescisória, cujo prazo
será contado do trânsito em julgado da decisão proferida pelo
1. Para que seja possível sua aplicação, é
Supremo Tribunal Federal.
necessário que a decisão do STF, a que alude
o §12, tenha sido proferida em controle
concentrado ou o referido dispositivo logra obter Direito Processual Constitucional
aplicação também no caso de a decisão do STF Controle Concentrado de Constitucionalidade
ter sido proferida em sede de controle difuso de (TJ/SP/Juiz/2007/179º Concurso) O que significa o instituto
constitucionalidade? No caso de se responder jurídico do “amicus curiae” nas ações de controle de
que o dispositivo é aplicável em caso de constitucionalidade? Natureza. Finalidade.
controle difuso, pergunta-se:
A expressão latina “amicus curiae” significa amigo da
2. É preciso que tenha sido editada Resolução do
Senado nos termos do art.52, inciso X, da Corte. É um instituo que funciona como um auxiliar do órgão
CF/88? julgador, com o objetivo de prestar informações necessárias
3. É cabível a aplicação do dispositivo, se a ao aprimoramento das decisões judiciais.
decisão do STF, a que alude o §12 do art. 525
do CPC/2015, for posterior ao trânsito em Para o STF, a natureza jurídica deste instituto é a de
julgado da decisão exequenda? colaborador informal da Corte e não se encaixa em nenhuma
das hipóteses de intervenção de terceiros. Constitui-se,
assim, em uma verdadeira intervenção atípica. porque o
De acordo com o disposto no art. 525, §12 do
CPC/2015, é inexigível a obrigação reconhecida em título “amigo da corte” não pretende que a ação seja julgada a
executivo judicial fundado em lei ou ato normativo favor de ou contra uma das partes, mas sim colaborar para
considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, uma decisão justa do Poder Judiciário, por meio de uma
ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou do ato participação meramente informativa.
normativo tido pelo Supremo Tribunal Federal como
incompatível com a Constituição Federal, em controle de Nesse sentido, a finalidade da intervenção
constitucionalidade concentrado ou difuso. do amicus curiae nas ações de controle de
constitucionalidade é de pluralizar o debate constitucional. A
Quando a decisão do STF se der em sede de participação de vários setores da sociedade nas discussões
controle difuso de constitucionalidade, não é necessária a judiciais vai de encontro com o princípio democrático previsto
edição de Resolução do Senado nos termos do art.52, inciso na Constituição, impedindo, assim, que a Corte Constitucional
X, da CF/88 para que a decisão produza efeitos erga omnes. se torne uma instância autoritária de poder, que impõe suas
decisões sem considerar os anseios da sociedade.
Não caberá a aplicação do dispositivo, se a decisão
do STF, a que alude o §12 do art.525 do CPC/2015, for
Trata-se, o amicus curiae, de verdadeiro instrumento de
posterior ao trânsito em julgado da decisão exequenda.
Nesse caso, dispõe o§ 15 do art.525 que “se a decisão aperfeiçoamento das decisões judiciais, símbolo da
referida no § 12 for proferida após o trânsito em julgado da democratização do exercício da função jurisdicional.
decisão exequenda, caberá ação rescisória, cujo prazo será
contado do trânsito em julgado da decisão proferida pelo Direito Processual Constitucional
Supremo Tribunal Federal. Controle Concentrado de Constitucionalidade
(TJ/SP/Juiz/1998/170º Concurso) De que forma se exerce
CAPÍTULO II e a quais órgãos do Poder Judiciário compete o controle de
DO CUMPRIMENTO PROVISÓRIO DA SENTENÇA QUE constitucionalidade das leis?
RECONHECE A EXIGIBILIDADE DE OBRIGAÇÃO DE PAGAR
QUANTIA CERTA O sistema de controle de constitucionalidade
Art. 525. Transcorrido o prazo previsto no art. 523 sem o pagamento judiciário adotado pelo Brasil é o sistema misto caracterizado
voluntário, inicia-se o prazo de 15 (quinze) dias para que o executado, pelo controle difuso e pelo controle concentrado. Difuso é o
independentemente de penhora ou nova intimação, apresente, nos
realizado por todos os órgãos do Poder Judiciário, enquanto
próprios autos, sua impugnação.
§ 1o Na impugnação, o executado poderá alegar:
que o concentrado é o controle que se concentra no STF e no
I - falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o TJ.
processo correu à revelia; O controle difuso ocorre de forma incidental no
II - ilegitimidade de parte; julgamento de um processo que busca solucionar um caso
III - inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação; concreto. Nesse contexto, busca-se a declaração da
§ 12. Para efeito do disposto no inciso III do § 1o deste artigo, inconstitucionalidade de uma lei ou ato normativo como
considera-se também inexigível a obrigação reconhecida em antecedente lógico necessário para o julgamento do pedido
título executivo judicial fundado em lei ou ato normativo
principal. Pede-se, por exemplo, ao juiz ou Tribunal, a
considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, ou
inexigibilidade do pagamento de um tributo que tem como
fundado em aplicação ou interpretação da lei ou do ato normativo tido
pelo Supremo Tribunal Federal como incompatível com fundamento uma lei inconstitucional. Para que a ação seja
a Constituição Federal, em controle de constitucionalidade julgada, é preciso verificar, inicialmente, se a lei é ou não
concentrado ou difuso. inconstitucional. Assim, o pedido não é a declaração da
inconstitucionalidade da lei, mas sim, a inexigibilidade da
cobrança do tributo, constituindo a declaração da (efeitos erga omnes) a partir da publicação da decisão do
inconstitucionalidade da lei apenas um antecedente lógico Senado, isto é, com efeitos ex nunc, não retroagindo.
necessário ao julgamento da ação.
O controle concentrado, por sua vez, ocorre de no Direito Processual Constitucional
curso de um processo objetivo cujo objetivo não é resolver um Controle concentrado de constitucionalidade
caso concreto específico, mas sim obter um pronunciamento ADI/ADC
do Poder Judiciário acerca da constitucionalidade ou (Cespe/TRF/5R/Juiz/2015) Disserte sobre o tema controle de
inconstitucionalidade da lei ou do ato normativo. No Brasil, constitucionalidade, abordando, necessariamente, os
esse tipo de controle se concentra no STF quando as ações aspectos a seguir:
tiverem por objeto lei estadual ou federal confrontada em face 1. No que se refere ao controle preventivo de
da CF e no TJ, quando as ações tiverem pode objeto lei constitucionalidade de lei federal pelo Judiciário,
estadual ou municipal confrontada em face da CE. considere os seguintes pontos: controle concreto ou
abstrato; legitimados ativos ou passivos; a (s)
Direito Processual Constitucional hipótese (s) de cabimento; meio (s) viável (is) para a
Controle difuso de constitucionalidade realização de tal controle; e efeitos da decisão.
(TJ/SP/Juiz/2002/174º Concurso) O Senado Federal poderá 2. Com relação ao controle abstrato de
negar-se a suspender a vigência de lei ou ato normativo constitucionalidade de lei municipal, considere os
declarado incidentalmente inconstitucional pelo Supremo seguintes pontos: possibilidade de controle; normas-
Tribunal Federal (art.52, X, CF)? parâmetro; corte (s) competente (s) para a
realização de tal controle em cada hipótese;
Sim. O Senado Federal poderá negar-se a legitimados à propositura da ação abstrata em cada
suspender a vigência de lei ou ato normativo declarado hipótese; efeitos da decisão em cada hipótese.
incidentalmente inconstitucional pelo STF (art.52, X, CF/88). 3. Ainda no que tange ao controle abstrato de
constitucionalidade de lei municipal, considere o
Em respeito ao principio da separação dos poderes cabimento ou não de recurso extraordinário em face
(art. 2º, CF/88), a decisão do Poder Legislativo em suspender de acórdão do tribunal local que declarar a
ou não a execução da lei declarada inconstitucional pelo STF inconstitucionalidade de lei municipal.
é discricionária, podendo, portanto, negar-se ao pedido.

¶ O sistema de controle de constitucionalidade judiciário


Direito Processual Constitucional adotado pelo Brasil é o sistema misto que engloba o controle
Controle difuso de constitucionalidade difuso e o controle concentrado. O controle difuso é o
(TJ/SP/Juiz/2008/181º Concurso) Com que objetivo e como realizado por todos os órgãos do Poder Judiciário enquanto
se dá, no Brasil, o controle difuso-concreto da que o concentrado é o realizado pelo Supremo Tribunal
constitucionalidade das leis? Na hipótese desse controle, Federal e pelos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito
quais os efeitos da declaração de inconstitucionalidade de Federal.
uma lei ou ato normativo do Poder Público? Como é possível Quanto ao momento em que o controle de
a ampliação desses efeitos? constitucionalidade é realizado, a doutrina costuma classificar
em controle preventivo e controle repressivo. O Preventivo
O objetivo do controle difuso-concreto da realiza-se durante o processo legislativo de formação do ato
constitucionalidade das leis é proteger direitos subjetivos normativo; o repressivo, após a edição da norma, sobre a lei,
afrontados por leis ou atos normativos inconstitucionais. Esse e não mais sobre o projeto de lei.
tipo de controle é utilizado no curso de processos subjetivos Todos os Poderes podem realizar o controle preventivo.
para resolver casos concretos. O Poder Legislativo o faz por intermédio das Câmaras de
Comissão e Justiça; o Executivo, por meio do veto e o
Assim, a declaração da inconstitucionalidade da lei Judiciário, por meio do julgamento de mandado de segurança
não constitui o pedido principal da ação, tal como ocorre nas impetrado por parlamentar.
ações de controle abstrato, mas sim como mero incidente O controle preventivo realizado pelo Poder Judiciário se
para o julgamento do mérito da ação. Por isso, a declaração dá no caso concreto, pela via de exceção ou defesa, de modo
de inconstitucionalidade no controle difuso constitui a causa incidental. Ocorre sempre que um parlamentar impetrar
de pedir e não o pedido. mandado de segurança perante o STF para proteger seu
direito público subjetivo de participar de um processo
Os efeitos decorrentes das decisões proferidas legislativo hígido. Somente o parlamentar pode impetrar
nesse tipo de controle incidem apenas sobre as partes mandado de segurança para proteger direito líquido e certo
envolvidas no processo (inter partes) de forma retroativa (ex de participar de um devido processo legislativo.
tunc). Os efeitos da decisão do STF em sede de controle difuso
Para que os efeitos sejam ampliados e possam no julgamento de mandado de segurança impetrado por
atingir terceiros, a CF/88 no art.52, inciso X, dispõe sobre a parlamentar se dá apenas para a parte do processo.
necessária participação do Senado Federal. Assim, quando o
Com relação ao controle abstrato de constitucionalidade
STF decidir incidentalmente acerca da inconstitucionalidade
de lei municipal será possível em duas hipóteses. Se o
de uma lei ou ato normativo, deverá informar ao Senado
parâmetro de controle for a Constituição Estadual, o órgão
Federal para que este suspenda e execução da lei. A partir
competente para julgar a ação direta de inconstitucionalidade
de então, essa decisão, que antes só era válida para as partes
de lei municipal será o Tribunal de Justiça local. Se o
do processo no qual foi proferida, passa a valer para todos
questionamento da lei municipal se der em face da CF, a
competência do julgamento da ADPF será do STF.
Os legitimados para propor ADI nos Estados-membros legislativo), e não material, sob pena de ofensa à
será definida na Constituição de cada Estado. O mesmo
separação dos poderes e verdadeira universalização do
ocorre no DF.
Cabe recurso extraordinário para o STF em face de controle preventivo judicial, que deve ser excepcional,
acórdão do tribunal local que declarar a inconstitucionalidade conforme jurisprudência do Supremo Tribunal Federal.
de lei municipal. Tratando-se de controle concreto, exercido pela
Os legitimados para propor ADPF são as pessoas
arroladas no art.103 da CF. Os efeitos das decisões na ADPF via difusa, os efeitos da decisão são ex tunc e inter
são erga onmes e nos Estados (?) partes - caso concedida a segurança, o STF declara a
nulidade do ato da Mesa que deu seguimento ao
07/02/2018
processo legislativo inconstitucional, determinando
Resposta copiada do Tutor que outro seja proferido, dessa vez de acordo com as
O controle de constitucionalidade, em relação ao disposições constitucionais pertinentes ao processo
momento em que é exercido, pode ser repressivo ou legislativo.
preventivo. Com relação ao controle abstrato de lei municipal,
O Poder Judiciário exerce, em regra, o controle podemos citar duas hipóteses, sendo a primeira o
repressivo, ou seja, aquele realizado posteriormente à controle exercido pelo STF em ADPF. Com efeito, não
edição da norma, tanto por meio do controle cabe ADI em face de lei municipal, cabendo, porém,
concentrado quanto do difuso, podendo o controle de ADPF, na hipótese de lesão a preceito fundamental.
constitucionalidade ser realizado, ainda, pela via Nesse caso, temos como parâmetros os preceitos
incidental (concreto) ou principal (abstrato). fundamentais, e são legitimados para a propositura da
Ocorre que, excepcionalmente, pode o Judiciário ação os mesmos legitimados à propositura da ADI (art.
exercer o controle preventivo. Tal hipótese ocorre via 103 da CRFB/88). Os efeitos da decisão são erga omnes
Mandado de Segurança impetrado por parlamentar e, em regra, ex tunc, sendo admitida, porém, tendo em
objetivando assegurar seu direito líquido e certo a um vista razões de segurança jurídica ou excepcional
processo legislativo hígido. interesse social, a modulação de efeitos (art. 11 da Lei
Assim, temos que, no caso de controle preventivo n.º 9.882/1999).
de constitucionalidade de lei federal pelo Judiciário, tal A segunda hipótese é a de ADI estadual,
controle é classificado como concreto, uma vez que considerando-se que a CRFB/88 previu a instituição,
não é exercido o controle em relação a uma norma em pelos Estados, de representação de
tese (que, na verdade, sequer existe), mas sim busca- inconstitucionalidade de leis ou ato normativos
se evitar a produção de uma norma inconstitucional, estaduais ou municipais em face da Constituição
em razão da violação ao processo legislativo previsto Estadual (art. 125, §2º). Em relação aos legitimados,
constitucionalmente. serão os determinados pela Constituição do respectivo
A legitimação ativa para impetração do Mandado Estado-membro, devendo ser observado, porém, que a
de Segurança é exclusiva de parlamentar, pois apenas CRFB/88 vedou a atribuição de legitimação a um único
os membros do Poder Legislativo são titulares do órgão.
direito líquido e certo a um processo legislativo hígido. Nesse caso, teremos hipótese de controle
Dessa forma, o Supremo Tribunal Federal nega abstrato, exercido pelo Tribunal de Justiça do Estado,
legitimidade ativa a terceiros não detentores da sendo o parâmetro a Constituição Estadual. Os efeitos
condição de parlamentar, ainda que aleguem serem são erga omnes e, em regra, ex tunc, sendo admitida,
destinatários da norma futura. também, a modulação de efeitos.
Como legitimado passivo teremos a Mesa da Casa No tocante à ADI estadual, ressalte-se que,
Legislativa (Câmara dos Deputados ou Senado Federal) tratando-se o parâmetro de norma de reprodução
na qual se encontra em tramitação o projeto de lei obrigatória da CRFB/88, excepcionalmente será cabível
impugnado, uma vez que o objeto do Mandado de Recurso Extraordinário, a ser julgado pelo STF –
Segurança será o ato da Mesa da Casa Legislativa que saliente-se que cabe RE apenas no caso de norma de
deu seguimento ao processo legislativo reprodução obrigatória da Constituição Federal, não
inconstitucional. Saliente-se que a hipótese de sendo cabível tal recurso em outras hipóteses, uma vez
cabimento do mandamus em tela está restrita a caso que a competência para o julgamento da ADI estadual
de inconstitucionalidade formal (violação ao processo é exclusiva do Tribunal de Justiça do Estado.
Cumpre salientar que, em que pese o TJ, nesse No direito brasileiro, as decisões que possuem efeito
vinculante, são, em regra, proferidas em sede de controle
caso, exercer controle abstrato, o mesmo não ocorre
abstrato e não em sede de controle difuso tal como ocorre no
com o STF, que, in casu, estará exercendo controle ordenamento norte-americano.
difuso, sendo a sua competência recursal. Dessa forma, As decisões proferidas no controle difuso brasileiro,
teremos a excepcional hipótese de controle difuso produzem, em regra, efeitos apenas para as partes. Essa
regra, no entanto, possui duas exceções: a participação do
abstrato, uma vez que será analisada lei em tese, e não Senado Federal e a edição de súmula vinculante.
um caso concreto. As decisões do STF proferidas em sede de controle
Por fim, em que pese tratar-se de recurso difuso de constitucionalidade podem ter efeito vinculante e
erga omnes quando houver a participação do Senado
extraordinário, os efeitos da decisão do STF serão os Federal. Segundo o art.52, inciso X da CF/88 o Senado
mesmos que os de decisão proferida em ADI – erga Federal poderá suspender a execução, no todo ou em parte,
omnes e, como regra, ex tunc. de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do
Supremo Tribunal Federal. Tal ato é discricionário do Poder
Direito Processual Constitucional Legislativo, e se assim o fizer, a decisão do STF passará a ter
Controle concentrado de constitucionalidade efeito erga omnes, vinculativo e ex nunc.
ADI/ADC A outra hipótese se dá mediante a edição de súmula
(Cespe/TRF/2R/Juiz/2011) É possível a modulação temporal vinculante. Segundo o art. 103-A da CF/88, o Supremo
em matéria tributária, ante o princípio do “solve et repete”? Tribunal Federal poderá, após reiteradas decisões sobre
matéria constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua
Resposta copiada da internet – Estudar mais a fundo publicação terá efeito vinculante em relação aos demais
O princípio do solve et repete é aquele que diz que órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e
indireta.
primeiro se paga o tributo para depois discutir sua
constitucionalidade. Era corolário da presunção de
constitucionalidade das leis, mas afastava sobremaneira o Direito Processual Constitucional
acesso à jurisdição. Assim sendo, hoje não é mais Controle concentrado de constitucionalidade
ADPF
necessário que primeiro se pague o tributo para somente
(Cespe/TRF/2R/Juiz/2009) Considerando as normas
após discutir sua legalidade. A modulação temporal, constitucionais e legais, bem como a jurisprudência do
prevista no art. 27, da Lei 9868, é extremamente utilizada Supremo Tribunal Federal, queira indicar e comentar as
em direito tributário, mas mais por motivos fático- diferenças e o regime jurídico aplicável à ação direta de
econômicos que eminentemente jurídicos, haja vista que inconstitucionalidade e à arguição de descumprimento de
a repetição de tudo que fora pago a título de tributo preceito fundamental, tendo em vista o seu objetivo e
declarado inconstitucional poderia causar um rombo no requisito de admissibilidade.
orçamento do estado. Entendo que cabe tranquilamente a
A ADI e a ADPF são ações de controle de
modulação, ainda mais que tal princípio fora mitigado.
constitucionalidade abstrato de competência exclusiva do
STF. Diferenciam-se, contudo, quanto objetivo e requisito de
Direito Processual Constitucional
admissibilidade.
Controle concentrado de constitucionalidade
O objetivo da ADI é verificar a compatibilidade entre
ADI/ADC
uma lei ou ato normativo estadual ou federal com a CF.
(TRF/2R/Juiz/2007) Adota-se no ordenamento pátrio, sob
A ADPF, por sua vez, tem por objetivo evitar ou
quais pressupostos, o instituto “binding effect”?
reparar lesão a preceito fundamentais, resultante de ato do
Poder Público e quando for relevante o fundamento da
O “binding effect” é um instituto norte-americano que
controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal,
se insere no contexto do chamado “stare decisis”, a doutrina
estadual, municipal, distrital, incluídos os anteriores à
do Precedente Judicial, que significa “estar com as coisas
Constituição.
decididas”, ou ainda, “não mover as coisas quietas”.
Os requisitos de admissibilidade da ADI são:
A doutrina do “stare decisis” estabelece que as
legitimidade ativa: art.103, CF/88; objeto: lei ou ato normativo
Cortes devem dar o devido peso e valor ao precedente, de
estadual ou federal; fundamentação e pedido.
modo que uma questão de direito já analisada e decidida pela
Os requisitos de admissibilidade da ADPF são:
Corte Suprema deve ser seguida pela própria Corte e pelos
legitimidade ativa: art.103, CF/88, objeto: atos do Poder
demais juízes inferiores.
Publico, atos normativos federal, estadual e municipal,
O “stare decisis” se divide em horizontal e vertical. O
incluídos os anteriores à Constituição, fundamentação,
primeiro se dá com a vinculação do precedente dentro do
pedido e respeito ao princípio da subsidiariedade, ou seja, a
próprio tribunal de que emanou; o segundo, por sua vez, se
ADPF só pode ser proposta se não houver outro meio de
dá com a vinculação dos tribunais inferiores. Esse efeito
sanar a lesividade.
vertical (vinculação dos tribunais inferiores) é denominado de
binding effect.
Cabe salientar que o binging effect no direito norte-
americano se dá em sede de controle difuso de
constitucionalidade.
.
que possibilitam que as decisões em controle difuso operem
Controle concentrado de constitucionalidade efeitos erga omnes e vinculante.
ADPF
(TRF/2R/Juiz/2007) Aplicam-se os princípios da adstrição, e O primeiro deles está previsto no art. 52, inciso X da
do “iura novit cúria”, no controle de constitucionalidade das CF/88. Tal dispositivo prevê que o Senado Federal poderá
regras jurídicas no âmbito da ação de descumprimento de suspender, no todo ou em parte, a execução de lei declarada
preceito fundamental? inconstitucional pelo STF. Tal ato é discricionário do Poder
Legislativo e se assim o fizer, a decisão proferida em sede de
Não. Os princípios da adstrição e o do “iura novit cúria”, não controle difuso passa a valer para terceiros, produzindo,
se aplicam no controle de constitucionalidade no âmbito da então, efeitos erga omnes e vinculante.
ADPF. O segundo mecanismo está previsto no art. 102 § 3º
da CF/88. Tal dispositivo prevê a necessidade da
O princípio da adstrição significa que o juiz deve julgar a demonstração de repercussão geral na interposição do
causa nos limites estritos do pedido. No julgamento de uma recurso extraordinário a ser julgado pelo STF em sede de
ação de controle de constitucionalidade, a declaração da controle difuso de constitucionalidade. Isso significa que o
inconstitucionalidade de uma norma pode acarretar, por interesse da causa presente no recurso extraordinário seja
arrastamento, a declaração de outra norma que não foi objeto questão que possa repercutir jurídica, social, econômica ou
do pedido. Isso ocorre porque havendo entre duas normas politicamente, para além dos interesses do recorrente.
uma relação de dependência, a declaração de
inconstitucionalidade da principal pode se estender a outra. Quando houver multiplicidade de recursos
Conclui-se, assim, que tal princípio não se aplica no âmbito extraordinários com fundamento em idêntica controvérsia, a
da ADPF. análise da repercussão geral será feita em uma única
oportunidade. O STF julgará um, ou alguns, recurso(s)
O princípio do “iura novit cúria”, por sua vez, significa que o extraordinário(s), que envolva(m) a mesma questão de direito
juiz conhece o direito. Como consequência, não se faz – a(s) decisão(ões) recorrida(s) tem(êm) a mesma ratio
necessário provar em juízo a existência da norma jurídica decidendi. Se negar a existência de repercussão geral, todos
invocada, pois se parte do pressuposto de que o juiz os demais recursos, interpostos por outros sujeitos, mas que
conhece o direito ( iura novit curia ). Porém, esse princípio discutam a mesma controvérsia, reputar-se-ão não-
não se aplica ao direito municipal, estadual, estrangeiro ou conhecidos. Se o STF entender que existe a repercussão
consuetudinário, conforme preceitua o art. 376, CPC/2015: geral, julgará o recurso e a decisão valerá para todos os
A parte, que alegar direito municipal, estadual, estrangeiro outros casos em que se discute a mesma questão de direito.
ou consuetudinário, provar-lhe-á o teor e a vigência, se Ou seja, embora seja um instrumento do controle
assim o determinar o juiz. Como a ADPF tem por objeto difuso, a decisão que o STF tomar, nestes casos, valerá para
direito estadual e municipal, pode-se concluir que este todos os demais casos em que se discuta idêntica
princípio não se aplica no âmbito dessa ação. controvérsia. Atribui-se ao controle difuso uma eficácia
semelhante àquela do controle concentrado. (copiei do Fredie
Não sei de essa resposta está correta porque não encontrei Didier)
nada na internet.
O terceiro mecanismo está previsto no art.130-A da
Controle difuso de constitucionalidade CF/88 que prevê a edição de súmula vinculante. De acordo
(Cespe/TRF/5R/Juiz/2011) Discorra sobre o fenômeno da com o dispositivo, o STF poderá, após reiteradas decisões
objetivação, objetivação ou abstrativização do controle difuso sobre matéria constitucional aprovar súmula que, a partir de
de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal. Em sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em
seu texto, explicite o conceito desse fenômeno, apresente relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à
exemplos, analise as relações do fenômeno com outras administração pública direta e indireta.
modalidades de controle constitucional e com procedimentos
decisórios vinculativos, como a súmula vinculante e a
repercussão geral, e enfoque, ao final, as consequências de Por meio de tais mecanismos, o STF, vem
todas essas novidades para a aplicação jurisdicional da diminuindo, jurisprudencialmente, as diferenças entre o
Constituição Federal. controle difuso e o concentrado de constitucionalidade das
leis. Essa tendência, parece uma adaptação de nossa
O fenômeno da abstrativização do controle difuso de legislação e de nossa mentalidade a um sistema que prestigia
constitucionalidade pelo STF significa a possibilidade de que dessa forma os precedentes judiciais provenientes da mais
as decisões proferidas nesse tipo de controle possam alta corte (copiei do Fredie Didier).
produzir os mesmos efeitos que produzem as decisões .
proferidas em sede de controle abstrato, quais sejam: erga
omnes e vinculante.
Com efeito, a regra é que somente as decisões em
sede de controle abstrato produzem efeitos erga omnes e
vinculante. As decisões em sede de controle difuso, por sua
vez, operam efeitos somente inter partes.
Essa realidade, no entanto, tem se alterado
bastante. A CF/88 apresenta três mecanismos importantes
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS – Dos que sim, outros falam que não. Tanto é que o art.5º, inciso
direitos e deveres individuais e coletivos XXXVI diz que a lei não prejudicará o direito adquirido, não
(TJ/SP/Juiz/2005/177º Concurso) À luz do artigo 5º, caput, apresentando óbice à emenda constitucional.
da Constituição da República, quais são os destinatários da
A mesma situação se verifica frente ao advento de
tutela ali assegurada?
normas de direito público e de ordem pública. Neste caso, a
O art. 5º da CF/88 tem como destinatários: alteração incidirá de imediato, não havendo de se falar em
proteção do direito adquirido.
 Os brasileiros natos e naturalizados (pessoas
físicas); Diferentemente se dá com relação ao advento de
 As pessoas jurídicas de direito público e de direito lei complementar. Neste caso, impõe-se a observância do
privado;
direito adquirido, sob pena de inconstitucionalidade, visto
 Estrangeiros, residentes ou não no país.
que tal ato normativo é emanado pelo legislador
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS – Dos infraconstitucional.
direitos e deveres individuais e coletivos
(TJ/SP/Juiz/2005/177º Concurso) Direito adquirido
1. Conceito de direito adquirido.
2. Fundamentos básicos sobre:
2.1 Direito adquirido.
2.2 Começo de exercício.
2.3 Expectativa de direito.
3. Direito adquirido frente ao advento de:
3.1 emenda constitucional;
3.2 lei complementar;
3.3 normas de direito público e ordem pública.

QUESTÃO DIFÍCIL – PESQUISAR MAIS

Direito Adquirido é um direito fundamental, previsto


no art. 5º, XXXVI, da Constituição Federal: “A lei não
prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa
julgada.” É espécie de direito subjetivo definitivamente
incorporado ao patrimônio jurídico do titular, já consumado ou
não, porém exigível na via jurisdicional, se não cumprido
voluntariamente pelo obrigado.

O instituto do Direito Adquirido nasce no campo da


segurança jurídica, cujo objetivo é proteger os direitos em
face da retroatividade das leis, resguardando a ordem
jurídica de casuísmos e possíveis arbitrariedades.

O instituto do direito adquirido protege, portanto,


que o titular de um direito seja prejudicado pela edição de
uma nova lei.

O direito adquirido se concretiza quando seu titular


preenche todos os requisitos presentes na lei. Assim,
adquire, por exemplo, o direito à aposentadoria, quando
preenche todas as condições previstas em lei. Enquanto não
forem preenchidos todos os requisitos haverá tão somente
a chamada expectativa de direito.

Com efeito, o instituo do direito adquirido visa


proteger o titular de ser prejudicado pelo advento de leis
novas. Tal proteção, no entanto, não é absoluta. Não existe
direito adquirido, por exemplo, em face de emenda
constitucional.

A esse respeito, o Tribunal Pleno do Supremo


Tribunal Federal já se posicionou no sentido de que não
existe direito adquirido em face de norma constitucional.
Isso ocorre porque as normas constitucionais se aplicam de
imediato, sem que se possa invocar contra elas a figura do
direito adquirido. Mesmo nas Constituições que vedam ao
legislador ordinário a edição de leis retroativas, declarando
que a lei nova não prejudicará o direito adquirido, o ato
jurídico perfeito e a coisa julgada, esse preceito se dirige
apenas ao legislador ordinário, e não ao constituinte, seja ele
originário, seja ele derivado. (pesquisar mais) Alguns falam
08/02/2018 garantias expressos na CF/88. A esse respeito, colocam-se
três posicionamentos doutrinários:
Da Nacionalidade
(TJ/SP/Juiz/1999/172º Concurso) Nacionalidade brasileira a) Corrente restritiva (José Afonso da Silva; Dimitri
1. Direitos de brasileiros naturalizados. Dimoulis e Leonardo Martins): interpretação literal
2. Garantias asseguradas aos estrangeiros. do art.5º, caput, só estrangeiros residentes, mas
3. Efeitos da aquisição, por brasileiros natos ou estrangeiros em geral poderiam ser beneficiados
naturalizados, de nacionalidade estrangeira. com os Direitos Fundamentais previstos em
normas infraconstitucionais por força de leis e
A nacionalidade, vínculo jurídico-político, que liga um tratados internacionais, art.5º §2º da CF;
indivíduo a determinado Estado, costuma ser classificada
pela doutrina em duas espécies: primária (involuntária) e b) Corrente ampliativa (posição majoritária): por força
secundária (voluntária). da dignidade da pessoa humana, estrangeiro é
A primária é imposta, de maneira unilateral, beneficiário dos direitos fundamentais, observada
independentemente da vontade do indivíduo, pelo Estado, no eventual singularidade da norma constitucional
momento do nascimento. (direitos políticos só destinados a brasileiros –
A secundária, por sua vez, é aquela que se adquire art.14 §2º da CF;
por vontade própria, depois no nascimento, normalmente pela
naturalização.
c) Corrente ampliativa moderada: são beneficiários
De maneira coerente com o princípio da igualdade
com ressalvas: só para não residente em situação
(isonomia), a CF vedou qualquer possibilidade de se
regular no país (Uadi Lammêgo Bulos); não
estabelecer por lei distinção entre brasileiros natos e
inclusão dos “direitos sociais” (Paulo Gonet
naturalizados, ressalvados os casos previstos pela própria
Branco).
Constituição.
Com refeito, são assegurados aos brasileiros
naturalizados os mesmos direitos dos brasileiros natos. A A título de exemplificação, o STF (HC 103311)
considerou como possível, em virtude do princípio do devido
CF/88, no entanto, apresenta cinco exceções.
processo legal, a substituição de pena privativa de liberdade
A primeira, prevista no art. 5º, inciso LI, destaca que por restritiva de direitos ao estrangeiro condenado por tráfico
nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em ilícito de entorpecentes.
caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou
de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de Por fim, a aquisição, por brasileiros natos ou
entorpecentes e drogas afins, na forma da lei; naturalizados, de nacionalidade estrangeira ocasiona a perda
da nacionalidade brasileira (art.14 §4º, II).
A segunda exceção, prevista no art. 12 §3º, restringe
a ocupação de determinados cargos aos brasileiros natos, Tal regra, contudo, comporta duas exceções. A
quais sejam: Presidente da República, Presidente da Câmara primeira se dá no caso de reconhecimento de nacionalidade
dos Deputados, Presidente do Senado Federal, Ministro do originária pela lei estrangeira; a segunda, no caso de
Supremo Tribunal Federal, carreira diplomática, oficial das imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao
Forças Armadas e Ministro de Estado da Defesa. brasileiro residente em estado estrangeiro, como condição
para permanência em seu território ou para o exercício de
A terceira, prevista no art. 12 §4º, I, diz que o brasileiro direitos civis (art.14 §4º, II, “a” e “b”).
naturalizado terá cancelada a sua naturalização, por sentença
judicial, em virtude de atividade nociva ao interesse nacional. Resposta copiada do livro (refazer porque ainda
não sei nada dessa matéria)
A quarta exceção, prevista no art. 89, inciso VII, diz
respeito à composição do Conselho da República. Os seis
cidadãos que farão parte da composição desse órgão para
um mandato de três anos deverão ser brasileiros natos.

Por último, a quinta exceção, prevista no art.222, diz


respeito à propriedade de empresa jornalística e de
radiodifusão sonora e de sons e imagens. Em tais casos, a
titularidade é privativa de brasileiros natos ou naturalizados
há mais de dez anos, ou de pessoas jurídicas constituídas
sob as leis brasileiras e que tenham sede no País.

O art.19, inciso III da CF/88 veda à União, aos Estados,


ao Distrito Federal e aos Municípios criar distinções entre
brasileiros ou preferências entre si.

Eventual diferenciação indevida entre brasileiros


caracterizará a prática de contravenção penal prevista na Lei
n.6.192/74.

Com relação aos estrangeiros, mesmos que não


residentes, desde que estejam em território nacional, ainda
que em trânsito, podem titularizar alguns dos direitos e
Da Organização dos Poderes
Do Poder Legislativo 2. Normas relativas ao titular do poder constituinte
(TJ/SP/Juiz/2009/182º Concurso) Relativamente às derivado;
chamadas “cláusulas pétreas”, como é entendida, na
3. Normas relativas ao próprio processo de criação das
jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a vedação
emendas constitucionais e revisões constitucionais;
constante do artigo 60, § 4º, da Constituição Federal.
4. Normas pertinentes aos direitos fundamentais.
O art.60 §4º da CF apresenta um núcleo intangível
da Constituição, comumente chamado pela doutrina de Nesse contexto, não pode ser objeto de deliberação
cláusulas pétreas. São limitações materiais impostas ao no Brasil a proposta de emenda constitucional tendente a
poder constituinte reformador para evitar propostas de abolir a República. Esse também seria mais um exemplo de
emenda constitucional tendentes a abolir: a forma federativa limitação material implícita.
de Estado, o voto direto, secreto, universal e periódico, a Tal hipótese pode por ser deduzida da interpretação
separação dos Poderes e os direitos e garantias de três normas constitucionais: o art. 1º, caput, traz
fundamentais. expressamente o princípio fundamental republicano; o art. 1º,
parágrafo único, determina que todo poder emana do povo; e
o art. 2º do ADCT estabelece a escolha das formas de
A jurisprudência do STF considera que os limites
governo e do sistema, serão escolhidos pelo povo, mediante
materiais ao poder constituinte de reforma não significam a
plebiscito.
intangibilidade literal da disciplina dada ao tema pela
Constituição originária, mas sim a proteção do núcleo
COPIEI DO LIVRO e da Internet
essencial dos princípios e institutos protegidos pelas
cláusulas pétreas.
Teoria Constitucional
(TJ/SP/Juiz/2007/180º Concurso) Como se sistematizam
A título de exemplificação, temos a EC n.45/04 que
os princípios constitucionais de acordo com o seu grau de
criou o CNJ. Tal órgão foi imposto pelo Legislativo, titular do
destaque no âmbito do sistema e sua consequente
poder constituinte reformador, ao Poder Judiciário.
abrangência?
Esse caso poderia ser compreendido como uma

inobservância ao princípio da separação dos poderes,
De acordo com a doutrina, a norma constitucional é
considerada uma cláusula pétrea.
gênero do qual se extrai duas espécies: as regras e os
No entanto, como não há impedimento absoluto de
princípios. Diferem-se quanto ao conteúdo, quanto a estrutura
modificação do Texto Constitucional, o STF considerou, por
normativa e quanto ao modo de aplicação.
maioria dos votos, que não houve afronta à cláusula pétrea
Quanto ao conteúdo, as regras apresentam
de separação dos poderes, notadamente por que o núcleo
prescrições proibitivas ou permissivas; os princípios apontam
essencial da autonomia do Poder Judiciário teria sido
as decisões políticas fundamentais do Estado e os valores
preservado, uma vez que o CNJ se trata de órgão de natureza
que guiarão a interpretação e a aplicação das normas
exclusivamente administrativa (ADI 3367).
jurídicas.
Quanto a estrutura normativa, as regras são normas
COPIEI DO LIVRO
descritivas de comportamento com maior densidade
normativa; os princípios são normas finalísticas,
Da Organização dos Poderes
indetermináveis com baixa densidade normativa.
Do Poder Legislativo
Quanto ao modo de aplicação, as regras incidem na
(TJ/SP/Juiz/2003/175º Concurso) Analise, sinteticamente, a
forma tudo ou nada; os princípios incidem conforme a
correção de todo o conteúdo das afirmativas seguintes,
dimensão de peso no caso específico.
explicando o significado de seus termos:
Os princípios constitucionais se subdividem, ainda,
1. No Brasil, o poder de reforma da Constituição Federal é
em três espécies: fundamentais, gerais e setoriais ou
sujeito a limitações materiais, explícitas e implícitas;
especiais.
2. Não pode ser objeto de deliberação no Brasil a proposta
Os fundamentais organizam e estruturam o Estado.
de emenda constitucional tendente a abolir a República.
São exemplos os princípios democrático, republicano e
federativo.
No Brasil, o poder de reforma da Constituição
Os gerais, por sua vez, visam a limitação do poder
Federal é sujeito a limitações materiais, explícitas e implícitas;
estatal. São exemplos os princípios da legalidade, da
As limitações materiais expressas estão previstas no igualdade, da inafastabilidade da jurisdição e do devido
§ 4º do art.60 da CF, também chamadas de cláusulas pétreas. processo legal.
Assim, não podem ser objeto de deliberação a proposta Os setoriais ou especiais, por seu turno, são aqueles
emenda constitucional tendente a abolir: a forma federativa que apontam uma gama de normas constitucionais relativas
de Estado; o voto direto secreto, universal e periódico, a a certo ramo do Direito Positivo. Assim, no Direito
separação dos Poderes e os direitos e garantias individuais. Administrativo tem-se, por exemplo, os princípios da
As limitações materiais implícitas, por sua vez, não legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
estão escritas, mas podem ser apreendidas mediante a eficiência; no Direito Penal, tem-se os princípios da reserva
interpretação das normas constitucionais. Nelson de Souza legal, da irretroatividade da lei penal, da responsabilidade
Sampaio, aponta quatro categorias de limites não inscritos: pessoal, da individualização da pena e da presunção de
inocência; e no Direito Tributário, tem-se os princípios da
1. Normas relativas ao titular do poder constituinte
originário;
capacidade contributiva, da legalidade, da isonomia, da inclusive, contra emendas constitucionais tendentes a aboli-
irretroatividade, da anterioridade tributária etc. lo.

COPIEI DO LIVRO ¶ O mesmo ocorre com as leis complementares e as


normas de ordem pública.

2ª Tentativa O STF, em julgamento da ADI 493, ressaltou que o


comando do art.5, inciso XXXVI se aplica a qualquer lei,
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS – Dos inclusive lei de direito público e de ordem pública.
direitos e deveres individuais e coletivos
(TJ/SP/Juiz/2005/177º Concurso) Direito adquirido Dos Direitos e Garantias Fundamentais
1. Conceito de direito adquirido. Dos direitos e deveres individuais e coletivos
2. Fundamentos básicos sobre: (Cespe/TRF/1R/Juiz/2009) Disserte sobre o tema dignidade
2.1 Direito adquirido. da pessoa humana, desenvolvendo, necessariamente e na
2.2 Começo de exercício. sequência proposta, os seguintes tópicos:
2.3 Expectativa de direito. 1. Dignidade da pessoa humana como concepção
3. Direito adquirido frente ao advento de: filosófica e moral;
3.1 emenda constitucional; 2. Pessoa humana como sujeito e objeto de direitos
3.2 lei complementar; (aporia?);
3.3 normas de direito público e ordem pública. 3. Marcos de maior repercussão na trajetória histórica
desse tema;
O direito adquirido é um direito fundamental previsto 4. Dignidade da pessoa humana como concepção
no artigo 5º, inciso XXXVI da CF/88. humanista e sua inserção nos documentos
constitucionais do século XX;
Tal direito relaciona-se ao princípio da 5. Significado desse princípio no contexto da ordem
irretroatividade das leis que busca garantir a segurança jurídica;
jurídica, necessária ao Estado democrático de direito, de que 6. Princípio fundamental da dignidade da pessoa
as relações jurídicas e seus efeitos não serão prejudicados humana segundo a ordem jurídico-constitucional
pela edição de uma lei nova. brasileira;
A definição de direito adquirido, trazida pelo art. 6º, 7. Dignidade da pessoa humana e direitos
§2º da LINDB estabelece: “consideram-se adquiridos assim fundamentais;
os direitos que o seu titular, ou alguém por ele, possa exercer, 8. Dignidade da pessoa humana como garantia
como aqueles cujo começo do exercício tenha termo pré-fixo, negativa;
ou condição pré-estabelecida inalterável, a arbítrio de 9. Papel da jurisprudência em face do tema.
outrem.”

O instituto se configura quando um determinado 09/02/2018


direito se incorpora ao patrimônio de seu titular. Ocorre Dos Direitos e Garantias Fundamentais
quando, por exemplo, um sujeito adquire o direito à Dos direitos e deveres individuais e coletivos
aposentadoria porque preenche todos os requisitos previstos (TRF/2R/Juiz/2007) A Carta Magna de 1988 tutela, sob que
na lei que regulamenta esse benefício previdenciário. parâmetros, em favor da pessoa, os efeitos retrospectivos das
normas jurídicas.
Nesse sentido, enquanto determinado direito não se
incorporar no patrimônio de seu titular, tem-se a chamada Para tutelar a pessoa em relação aos efeitos
expectativa de direito. No exemplo citado, seria como se o retrospectivos das normas jurídicas, a CF/88 consagra, no
sujeito ainda não tivesse preenchido os requisitos previstos âmbito penal, o princípio da irretroatividade da lei penal (art.
na lei da previdência, tendo, assim, uma mera expectativa de 5º, LX) e no âmbito civil, o princípio da irretroatividade da lei
direito. para proteger os direitos adquiridos, o ato jurídico perfeito e a
De acordo com o STF, existe direito adquirido frente coisa julgada (art.5º, XXXVI).
ao advento de todas as leis, inclusive emenda constitucional. O Constituinte inseriu, portanto, a proteção aos
direitos adquiridos, ao ato jurídico perfeito e à coisa julgada
Acerca da emenda constitucional, argumenta-se que dentre os direitos fundamentais. E, enquanto tais, devem ser
a previsão do art.5º, inciso XXXVI, refere-se a lei em sentido respeitados inclusive frente ao advento de emendas
amplo, englobando todas as espécies normativas previstas constitucionais e normas de ordem pública.
no art.59 da CF, dentre as quais se inclui a emenda Todavia, segundo consagrada doutrina (Gomes
constitucional. Canotilho) acolhida em alguns julgados do STF, a garantia da
irretroatividade das leis (art.5º, XXXVI) não impede que a lei
Além disso, o §4º do artigo 60 da CF, que trata das ordinária produza efeitos retrospectivos.
limitações materiais ao poder constituinte reformador, Nessa perspectiva, cabe diferenciar os fenômenos
também conhecidas como cláusulas pétreas, ressalta que da retroatividade, da retrospectividade e da prospectividade.
não poderá ser objeto de deliberação a proposta de emenda A retroatividade refere-se à irretroatividade
constitucional tendente a abolir os direitos e as garantias autêntica, na qual a norma jurídica retroage para atingir
individuais. situações jurídicas já consolidadas sob a égide de legislação
Sendo assim, o direito adquirido, por pertencer ao rol pretérita.
do art.5º, configura-se num direito fundamental protegido,
A retrospectividade, por sua vez, seria uma Federação Nacional dos Municípios e do órgão do governo
irretroatividade inautêntica, na qual são atribuídos novos da União, em relação às duas medidas provisórias.
efeitos a fatos ocorridos no passado.
Da Organização dos Poderes
A prospectividade é o efeito normal das normas Do Poder Legislativo
jurídicas, isto é, a aplicação da nova lei apenas a fatos (TRF/4R/Juiz/2016) Considerando as disposições
ocorridos após a sua vigência. constitucionais pertinentes ao tema e a jurisprudência do
Como exemplo de julgado em que o STF adotou Supremo Tribunal Federal relacionada ao processo legislativo
expressamente a tese de ocorrência de retrospectividade e de emenda à Constituição, discorra sobre os seguintes
não irretroatividade, tem-se a declaração de aspectos:
inconstitucionalidade da Lei da Ficha Limpa, no que concerne 1. Limites procedimentais e circunstanciais ao poder de
à inelegibilidade daqueles que, por exemplo, tenham reforma;
renunciado o mandato para escapar a processo de cassação 2. Natureza, finalidade e alcance da proteção da
ou tenham sido condenados por decisão colegiada em ação cláusula pétrea;
de improbidade ou penal, nos crimes enumerados na referida 3. A cláusula pétrea da garantia do direito adquirido;
lei (LC n.135/2012), ainda que a renúncia ou condenação 4. Cláusulas pétreas implícitas.
tenha ocorrido antes da promulgação da lei complementar.
Da Organização dos Poderes
Outros conceitos importantes são o de retroatividade Do Poder Legislativo
máxima, mínima e média. (COPIEI DO LIVRO). (Cespe/TRF/1R/Juiz/2005) O Presidente da República editou
Medida Provisória, publicada em 30 de agosto de 2001.
Contudo, até 30 de janeiro de 2002, não tenha sido convertida
Dos Direitos e Garantias Fundamentais em lei. Diante disso, pode ser prorrogada? Por que prazo?
Da Nacionalidade Será prorrogada por tempo indeterminado se for de natureza
(TRF/3R/Juiz/2008) São brasileiros natos, conforme a tributária? Perdeu a eficácia por decurso de prazo? Nesse
Constituição, os nascidos no território brasileiro. O que é caso, o Congresso Nacional deverá disciplinar, por decreto
exatamente o território brasileiro para fins de determinação da legislativo, as relações jurídicas dela decorrentes ou poderá,
nacionalidade “jure soli”? posteriormente, deliberar sobre ela?

Da Organização dos Poderes


Dos Direitos e Garantias Fundamentais Do Poder Judiciário
Da Nacionalidade (TRF/4R/Juiz/2010) Discorra sobre a ética da magistratura
(TRF/2R/Juiz/2007) Mulher brasileira, nascida no Brasil, federal, abordando princípios e sistemas de controle.
adquiriu a nacionalidade portuguesa automaticamente por
casamento com nacional português no Rio de Janeiro e tem Da ordem social
filhos aqui nascidos. Responda justificada e separadamente: (Cespe/TRF/3R/Juiz/2011) A origem dos direitos às terras
1. Ela pode ter declarada a perda da nacionalidade indígenas no Brasil é de direito originário ou derivado?
brasileira em virtude a aquisição da nacionalidade Justifique a resposta e destaque os principais pontos da
portuguesa? disciplina constitucional das terrar ocupadas pelos índios,
2. Ela é passível de expulsão do território nacional por bem como os critérios necessários à demarcação das terras
prática de atividades nocivas ao interesse nacional? indígenas.

Da Organização do Estado Teoria Constitucional


(TRF/4R/Juiz/2015) Discorra sobre a intervenção federal nos Conceito de Constituição
estados-membros considerando suas espécies, sua evolução (TRF/2R/Juiz/2007) Defina “constituição econômica”?
histórica no constitucionalismo brasileiro e a jurisprudência do
Supremo Tribunal Federal a respeito. (Limite: duas laudas).

Da Organização do Estado
(Cespe/TRF/5R/Juiz/2013) O governador do estado W editou Teoria Constitucional
medida provisória, disciplinando o horário de funcionamento Hermenêutica Constitucional
de estabelecimentos comerciais e bancários, tendo a (TRF/2R/Juiz/2013) Diferencie as técnicas decisórias da
assembleia legislativa aprovado o referido texto, que foi interpretação conforme a Constituição e da
transformado em lei. O governador do Distrito Federal, inconstitucionalidade parcial sem redução de texto,
segundo o exemplo do governador do estado W, editou fornecendo ao menos um exemplo de aplicação de cada uma
medida provisória com o mesmo teor. A Federação Nacional delas.
dos Municípios alegou, com base no art.30 da Constituição
Federal, que as medidas provisórias eram inconstitucionais, Teoria Constitucional
pois feriam a autonomia municipal para legislar sobre a Hermenêutica Constitucional
matéria. Um órgão do governo federal argumentou, com base (TRF/2R/Juiz/2007) O Supremo Tribunal Federal, vem
no disposto do art.22 da Constituição Federal, que a aplicando, em que medida, a interpretação científico-
competência para legislar sobre a matéria era privativa da espiritual, em seus julgados?
União. Considerando a situação hipotética apresentada,
posicione-se quanto à procedência dos argumentos da
12/02/2018
Dos Direitos e Garantias Fundamentais
Dos direitos e deveres individuais e coletivos
(TRF/2R/Juiz/2007) A Carta Magna de 1988 tutela, sob que parâmetros, em favor da pessoa, os efeitos retrospectivos das normas
jurídicas.

Roteiro:
Artigo que consagra o princípio da não retroatividade
Tipos de retroatividade

A Carta Magna de 1988 adotou o princípio da não retroatividade das leis. É um princípio que objetiva assegurar a certeza,
a segurança jurídica e a estabilidade o ordenamento jurídico-positivo, preservando as situações consolidadas e seus efeitos.
Nesse sentido, o art. 5º, inciso XXXVI estabelece que a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a
coisa julgada.
Percebe-se, assim, que o direito brasileiro adotou a irretroatividade como regra, mas admite-se a retroatividade em
determinados casos, quais sejam: a) quando não ofender o ato jurídico perfeito, o direito adquirido e a coisa julgada; b) quando o
legislador expressamente mandar aplica-las a casos pretéritos.
Segundo a doutrina, existem três tipos de retroatividade.
A primeira, denomina-se retroatividade máxima. Ocorre quando a lei nova atinge fatos consolidados sob a égide da lei
antiga.
A segunda, denomina-se retroatividade média. Opera-se quando a nova lei alcança os fatos pendentes, os direitos já
existentes, mas ainda não integrados no patrimônio do titular.
E a terceira, por sua vez, denomina-se retroatividade mínima. Configura-se quando a lei nova afeta apenas os efeitos dos
atos anteriores, mas produzidos após a data em que ela entrou em vigor.
De acordo com a jurisprudência do STF, os dois tipos de retroatividade máxima e média são inconstitucionais, ao passo
que a mínima é admitida.

Estudar os conceitos de retroatividade autêntica e não autêntica


Dos Direitos e Garantias Fundamentais
Da Nacionalidade
(TRF/3R/Juiz/2008) São brasileiros natos, conforme a Constituição, os nascidos no território brasileiro. O que é exatamente o
território brasileiro para fins de determinação da nacionalidade “jure soli”?
16/02/2018
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS – Dos direitos e deveres individuais e coletivos
(TJ/SP/Juiz/2005/177º Concurso) Direito adquirido
1. Conceito de direito adquirido.
2. Fundamentos básicos sobre:
2.1 Direito adquirido.
2.2 Começo de exercício.
2.3 Expectativa de direito.
3. Direito adquirido frente ao advento de:
3.1 emenda constitucional;
3.2 lei complementar;
3.3 normas de direito público e ordem pública.

O direito adquirido é um direito subjetivo incorporado no patrimônio do seu titular.

Está previsto como um direito fundamental expresso no art.5º, inciso XXXVI da CF/88. Sua finalidade é proteger as relações
jurídicas e seus efeitos diante das alterações legislativas que ocorrem ao longo do tempo.

Segundo Manoel Gonçalves Ferreira Filho, o direito adquirido é, no fundo, uma limitação ao princípio do efeito imediato da
lei. Busca-se, assim, evitar que a lei nova incida sobre os efeitos decorrentes de uma relação jurídica estabelecida sob a égide da
lei anterior.

Além de ser uma limitação ao efeito imediato da lei, o instituto do direito adquirido também busca aplicar o princípio da
irretroatividade da lei. Diz a CF que a lei não poderá retroagir para prejudicar o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa
julgada. Disto decorre que nada impede que a lei acrescente vantagens a direitos adquiridos. É o que ocorre, por exemplo, com a
possibilidade da norma retroagir para beneficiar o réu em matéria penal conforme art. 5º, XL, da CF/88.

Tem-se, portanto, no direito brasileiro, a proteção ao direito adquirido frente ao efeito imediato da lei e frente à
irretroatividade.

A expectativa de direito, por sua vez, é um direito que ainda não se incorporou no patrimônio do seu titular. Não tem,
portanto, a proteção dada ao direito adquirido.
Segundo a jurisprudência do STF, o direito adquirido, enquanto direito fundamental, constitui-se cláusula pétrea. Enquanto
tal, configura-se em limitação material ao constituinte reformador. De acordo dom o art.60 §4 é vedada a proposta de emenda
tendente a abolir os direitos e garantias fundamentais. Dessa forma, para o STF, o direito adquirido deve ser preservando frente ao
advento de emenda constitucional.
Cabe ressaltar, todavia, que o texto constitucional proíbe “abolir” o direito e não alterar o seu regime. A emenda pode,
portanto, propor alterações, desde que não descaracterize o instituto.
Ainda segundo o STF, o direito adquirido também deve ser considerado frente ao advento das leis complementares e as
normas de ordem pública.