Sunteți pe pagina 1din 11
Kantalon Rito Divinatório Gaulês Bellou̯esus Īsarnos
Kantalon
Rito Divinatório
Gaulês
Bellou̯esus Īsarnos
Introdução U̯edi̯ā Rāk Adgnīi̯obi Molātūs Dedmē Ollodagāi Krundi̯ūi! Ā Lugus, Ilukerdānon Magale, Ā
Introdução
U̯edi̯ā Rāk Adgnīi̯obi
Molātūs Dedmē Ollodagāi Krundi̯ūi!
Ā Lugus, Ilukerdānon Magale,
Ā Belene, Andeu̯ātis U̯eri̯akkī,
Ā Brigindū, Mātīr Ouχsamā Rou̯iđđous,
Ā Taranus, Bremī Nemomarkāke,
Ā Toutatis, Au̯ete Rii̯otātos E χsobne.
Bii̯etū sin su̯adū Komenonāi Dēu̯obok ollobo en Bitubi Tribi.
Introdução Oração antes dos Estudos Louvor à Lei Perfeita do Universo! Ó Lugus, Príncipe das
Introdução
Oração antes dos Estudos
Louvor à Lei Perfeita do Universo!
Ó Lugus, Príncipe das Múltiplas Artes,
Ó Belenos, Grande Profeta e Curador,
Ó Brigindū, Mãe Nobilíssima do Grande Conhecimento,
Ó Taranus, Cavaleiro Celeste de Voz Potente,
Ó Toutatis, Defensor Valente da Liberdade.
Que isto seja agradável à Memória Divina e a todos os Deuses nos Três Mundos.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 1 Kentugutus (A Primeira Invocação) 2 Runā Rāko U̯ediān̯ (Runā antes
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
1 Kentugutus (A Primeira Invocação)
2 Runā Rāko U̯ediān̯
(Runā antes da Oração)
3 Garion̯
Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador)
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 1 Kentugutus Senisamonbo in Morī, Ana=̯obo Ambibitous in Tiresi, Dēu̯obo in
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
1 Kentugutus
Senisamonbo in Morī,
Ana=̯obo Ambibitous in Tiresi,
Dēu̯obo in Albiiē,̯
Mon kridion,̯
Mon gutus
Ak mon menman
Ernami.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 1 A Primeira Invocação Aos Ancestrais no Mar, Aos Espíritos da
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
1 A Primeira Invocação
Aos Ancestrais no Mar,
Aos Espíritos da Natureza na Terra,
Aos Deuses no Céu,
Meu coração,
Minha voz,
E meu pensamento
Eu ofereço.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 2 Runā Rāko U̯ediān̯ Mon lamās ouχsgabi̯ū Sukellī me delu̯āsseti̯o
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
2 Runā Rāko U̯ediān̯
Mon lamās ouχsgabi̯ū Sukellī me delu̯āsseti̯o u̯o rodarkū,
Lugous me rii̯os u̯reχtei̯o u̯o rodarkū,
Maponī me glanos u̯reχtei̯o u̯o rodarkū,
In karantī lubīk.
Snūs lānobitun in trougī anson rodāte:
Eponās đerkan,
Brigindonos karanti̯an,
Kirki̯ī u̯iđđun,
Nantosu̯eltās raton,
Nemetonās obnun,
Nōdentos su̯anton
Ad in Bitū Trii̯on u̯reχtun
Dēu̯oi Senisteroi samalī en Albii̯ē u̯regont.
In skatū louketūk papū, papū en dii̯ū noχtik
Snūs māronerton aneχtlon su̯eson rodāte.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 2 Runā antes da Oração Ergo minhas mãos sob o olhar
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
2 Runā antes da Oração
Ergo minhas mãos sob o olhar de Sukellos que me formou,
Sob o olhar de Lugus que me fez livre,
Sob o olhar de Maponos que me fez puro, em amizade e
alegria.
Dai-me prosperidade em minha necessidade:
O
amor de Eponā,
A
amizade de Brigindū,
A
sabedoria de Ogmios,̯
A
bênção de Nantosu̯eltā.
O
temor de Nemetonā,
A runā (segredo) é uma oração curta que
prepara o indivíduo para outro rito. Deve ser
dita em voz baixa e cadenciada como as
ondas do mar, de preferência em local
quieto e retirado, em área fechada ou ao ar
livre, ou, se possível, às margens do mar ou
de um rio.
A
vontade de Nodenđ,
Para que no Mundo do Três eu faça
como fazem em Albiios̯
os Deuses e Ancestrais.
Em cada sombra e luz, em cada dia e noite,
dai-me vosso poder e proteção.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 3 Garion̯ Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador) Ponha no altar um cálice
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
3 Garion̯
Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador)
Ponha no altar um cálice de vinho branco 1, juntamente com a ferramenta
divinatória 2 escolhida. Usando o punhal cerimonial 3, delimite o perímetro da área
de trabalho. Esta é o templum, espaço separado para a observação dos oráculos.
Acomode-se diante do altar numa cadeira ou mesmo sentado numa almofada no
chão. Com o bastão, lentamente descreva três círculos ao redor do instrumento
divinatório que será usado.
Belene Argī,
glana tou loukū mon britun.
Belene U̯oretī,
sondū kamminū rege mon kammana.
Belene U̯ātis,
lāna tou dau̯ū mon ana)̯on.
Belenos Brilhante 4,
clareia minha mente com a tua luz.
Belenos Auxiliador,
guia meus passos neste caminho.
Belenos Profeta,
enche minha alma com a tua chama.
1 Preferível por ser uma bebida mais refinada, mas também pode ser vinho tinto ou hidromel.
2 Ogham, runas, tarot, pedras divinatórias ou outro qualquer.
3 Caso possua esse instrumento. Se não, pode ser substituído nesse momento pelo dedo indicador
da sua mão dominante.
4 Se você escolher outra divindade como inspiradora da divinação, modifique a palavras da
Invocação de acordo.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 3 Garion̯ Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador) Erga o cálice em saudação
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
3 Garion̯
Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador)
Erga o cálice em saudação à divindade e beba um gole:
Oinā briχtāi.
Um para a magia.
Beba outro gole:
Oinā brigāi.
Um para o poder.
Beba outro gole:
Oinā amarkūi.
Um para a visão.
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês) 3 Garion̯ Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador) Coloque o cálice no altar
Kantalon (Rito Divinatório Gaulês)
3 Garion̯
Loukosagiī̯(A Invocação do Iluminador)
Coloque o cálice no altar ao lado do bastão. Respire profundamente algumas vezes
e relaxe antes de começar a divinação.
Depois de terminá-la, toque suavemente o bastão no altar três vezes.
Belene Argī,
Belene U̯oretī,
Belene U̯ātis,
Sindi̯u tei brata agū eri toadretu
anau̯ūk.
Aχtos bisi̯ū are aiđđon u̯īroi̯āni̯āi
tou gutu.
Belenos Brilhante,
Belenos Auxiliador,
Belenos Profeta,
Agradeço-te pela presença e
inspiração hoje.
Que eu seja sempre guiado à verdade
pela tua voz.

Interese conexe