Sunteți pe pagina 1din 20

GIOVANA DE BRITO SILVA

A EMPREGABILIDADE DA BORRACHA DE PNEU EM


CIMENTO ASFÁLTICO PARA PAVIMENTAÇÃO

Campo Grande
2018
GIOVANA DE BRITO SILVA

A EMPREGABILIDADE DA BORRACHA DE PNEU EM


CIMENTO ASFÁLTICO PARA PAVIMENTAÇÃO

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado


ao Curso de Engenharia Civil da Instituição
Universidade Anhanguera-Uniderp.

Orientador: Tony Andrade

Campo Grande
2018
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 5

1.1 O PROBLEMA....................................................... Error! Bookmark not defined.

2 OBJETIVOS ............................................................. Error! Bookmark not defined.

2.1 OBJETIVO GERAL OU PRIMÁRIO ...................... Error! Bookmark not defined.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS OU SECUNDÁRIOS Error! Bookmark not defined.

3 JUSTIFICATIVA ....................................................... Error! Bookmark not defined.

4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ................................................................................ 5

5 METODOLOGIA..................................................................................................... 15

6 CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO .......................................................... 16

REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 17
5

1 INTRODUÇÃO

No Brasil, o crescimento da frota de automóveis tem ocorrido de forma


descontrolada, estimulando assim a necessidade de criar técnicas de produção, além
de soluções ecológicas e econômicas que acompanhem a evolução do material de
pavimentação. As diversas consequências deste crescimento são conduzidas ao
desgaste elevado da pavimentação asfáltica, estrutura essa que sofre com a utilização
de materiais sucateados e a baixa qualidade na execução de projetos.
A pavimentação é um dos nichos mais importantes da engenharia civil, porém
o asfalto convencional vem apresentando desvantagens no que diz respeito a um
asfalto que apresente longa duração e qualidade. O asfalto-borracha, que resulta de
um processo que utiliza pneus inservíveis retirados do meio ambiente, tem valores
elevados de viscosidade, ponto de amolecimento e recuperação elástica fazendo com
que ele sofra menos danos causados pelo tráfego e pelas intempéries,
proporcionando maior vida útil a esse pavimento em comparação ao asfalto
convencional.
Empregar o asfalto-borracha tem sido considerado uma das alternativas mais
viáveis para a questão de qualidade do pavimento e do desequilíbrio ambiental
causado pelo descarte inadequado de pneus inservíveis. Esse fato é devido
basicamente a dois fatores: a possibilidade de utilização em larga escala de um
grande volume de pneus inservíveis e a melhoria nas características técnicas da
mistura asfáltica produzida com adição da borracha de pneu moída (SPECHT, 2004).

1.1 O PROBLEMA

Devido à importância do modal rodoviário no Brasil e sua alta demanda de


utilização, as infraestruturas de concreto asfáltico convencional encontram-se em
grande parte sucateadas. Essa degradação dos pavimentos se deve, não só pelo
desgaste natural, como também pela má gestão de projetos e aos materiais de baixa
qualidade utilizados na construção tradicional.
Como modificar o pavimento asfáltico convencional utilizando borracha de
pneu, de forma que sua resistência aumente significativamente?
6
7

2 OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL

Analisar, através de revisão bibliográfica, a forma como a borracha de pneu


foi descoberta e implementada como modificador de pavimento asfáltico ao longo
dos anos no Brasil.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Os objetivos desse trabalho de conclusão de curso consistem em:


 Atestar a importância do asfalto no cotidiano de uma população e
assim conhecer diferentes formas de fortalecer e inovar essa
estrutura;
 Conhecer as propriedades modificadoras da borracha de pneu
utilizando-a na mistura de pavimentação asfáltica com base em
artigos científicos;
 Comparar o pavimento asfáltico modificado com borracha de pneu
com o pavimento asfáltico convencional;
 Verificar se as misturas asfálticas modificadas com borracha são de
fato benéficas para a pavimentação e meio ambiente.
8

3 JUSTIFICATIVA

O pavimento asfáltico convencional tem tido a crescente apresentação de


diversas patologias ao longo do tempo, indicando que a infraestrutura rodoviária
se tornará sucateada com certa facilidade se novos métodos construtivos não
forem implementados. Sendo assim, uma das soluções para esse problema cíclico
seria a modificação do asfalto com borracha de pneu.
Este estudo tem por motivação analisar ideias que procuram potencializar as
qualidades do concreto asfáltico, tornando-o ainda mais resistente para o mercado de
pavimentação, evidenciando ser possível a execução de construções com segurança
e durabilidade, além de serem economicamente viáveis.
A resolução do CONAMA No 416, de 30 de setembro de 2009, define que os
fabricantes de pneus novos são obrigados a coletar e dar destinação adequada aos
pneus inservíveis existentes no território nacional. Contudo há uma enorme
quantidade desse material sendo depositado na natureza ocasionando diversos
desequilíbrios ambientais, dentre eles o aumento da procriação de vetores que
transmitem doenças e o risco iminente de incêndios, sendo seu uso na
incrementação da mistura asfáltica uma alternativa para o descarte desse
material.
9

4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

4.1 O ASFALTO NO COTIDIANO BRASILEIRO

O pavimento é uma estrutura composta por diferentes camadas que são


capazes de suportar as ações do tráfego recorrente e do meio ambiente (SPECHT,
2004). Sendo assim, é imprescindível que essa estrutura tenha uma gama de fatores,
como físicos e mecânicos, que atribuam na conservação e durabilidade desse
sistema.
Sabe-se que a condição de tráfego no Brasil segue em situação precária a
vários anos, ocasionando em aumento os custos operacionais de transporte, que
geralmente são repassados para a população (SANTOS, 2011). Sendo necessário
uma inovação nos produtos utilizados para essa infraestrutura.

4.2 A INCORPORAÇÃO DA BORRACHA DE PNEU NA MISTURA ASFÁLTICA

Segundo Faxina, 2002, inicialmente o ligante asfalto-borracha foi desenvolvido


para ser utilizado em atividades de manutenção e reabilitação de pavimentos, com
objetivo de tentar prolongar a vida útil destes, sendo aplicado na execução de
remendos e também como selante para trincas e juntas. Porém o conceito de mistura
de borracha ao cimento asfáltico é antigo, já que as tentativas do uso de borracha
para a pavimentação datam a partir de 1920.
A borracha de pneus pode ser incorporada as misturas asfálticas através de
dois processos: úmido e seco. No processo úmido, a borracha moída de pneus
inservíveis é incorporada ao ligante asfáltico antes de se adicionar o agregado,
ocorrendo reação entre os componentes e a alteração de suas propriedades. No
processo seco, a borracha de pneus é misturada com o agregado antes de se
adicionar o ligante asfáltico (ODA; JÚNIOR, 2001).

4.3 O ASFALTO-BORRACHA
10

O asfalto-borracha aumenta em 43% a durabilidade da superfície da pista,


melhorando a aderência e diminuindo a ocorrência de acidentes ocasionados por
derrapagens e aquaplanagem (CASTRO; BOTARO, 2004). Esse fato mostra que a
borracha de pneu é um dos maiores aliados para o aumento de qualidade e segurança
na pavimentação.
Segundo estudos realizados por Neto et al., 2003, as misturas de asfalto-
borracha apresentam um aumento da flexibilidade do asfalto, além do mais, essas
estão menos susceptíveis ao processo de envelhecimento e apresentam maior vida
de fadiga em comparação ao asfalto convencional.
Segundo Giulio, 2007, os asfaltos modificados por borracha de pneu
apresentam grandes qualidades em comparação ao asfalto convencional, como o
aumento da vida útil do pavimento, apresentam maior retorno elástico, e também,
maior resiliência às deformações plásticas.

4.4 RELEVÂNCIA AMBIENTAL

No século XX, houve um aumento exponencial na quantidade e tipos de


resíduos gerados e descartados inadequadamente pela sociedade, permanecendo
assim no ambiente por até centenas de anos. A criação de materiais não degradáveis
tem resultado em uma crise de disposição ambiental destes detritos, ampliado em
decorrência da explosão demográfica. A reciclagem e o reuso é uma alternativa para
o descarte desses materiais (SALINI, 2000).
O asfalto-borracha surgiu como uma solução para os 30 milhões de pneus
inservíveis que são descartados por ano no Brasil. A questão ambiental é o item mais
relevante em torno do desenvolvimento do asfalto-borracha. Uma vez que cada
quilômetro de asfalto borracha demanda a margem de mil pneus, a cobertura de 10%
da malha rodoviária do país consumiria 16 milhões de pneus (FÉLIX, 2009).

Lembre-se, a fonte do texto deve ser Arial, com tamanho 12. Exceto nas
legendas de figuras relativas à fonte, e nas citações diretas com mais de 3 linhas,
onde utiliza-se o tamanho 10. Não pule linhas entre os parágrafos.
11

Neste tópico é importante apresentar o referencial teórico pesquisado pelo


autor sobre o tema. Você deve fazer uma breve revisão da literatura do seu tema,
aborde resumidamente o conteúdo dos seus 3 objetivos. Deve ter de 3 a 4 páginas e
conter as referências nas normas da ABNT.

É importante utilizar várias fontes de pesquisas, lembrando-se que em um


trabalho acadêmico as informações devem apresentar carácter cientifico. Utilize pelo
menos 4 referências diferentes.

Para auxiliar seu entendimento sobre a formatação do trabalho, seguem


algumas dicas de acordo com as normas da ABNT atualizadas para o ano de 2016.
Quanto às citações, atente-se para que sejam feitas de acordo com as normas
da ABNT. No livro de Metodologia disponível no AVA, o aluno encontra as instruções
detalhadas para a inserção dos diferentes tipos de citação.
Sobre a forma de fazer as citações esclarece-se que:
Citação é a menção no texto de informação extraída de outra fonte para
esclarecer, ilustrar ou sustentar o assunto apresentado (NBR 10520/2002).
As citações podem ser:
• diretas (transcrição literal de um texto ou parte dele);
• indiretas (redigidas pelo autor do trabalho com base em ideias de outros
autores).
Citações diretas com até três linhas, ou citação direta curta, que não
ultrapassem três linhas digitadas devem ser colocadas entre aspas duplas (“ ”)
como parte do texto produzido pelo autor do trabalho e digitadas no mesmo tipo
e tamanho da fonte do texto (fonte 12.) Com referência autor-data-página.
Exemplo:
De acordo com Freitas (2002, p. 75) “os indivíduos representam a realidade a
partir das condições em que vivem e das relações que estabelecem uns com os
outros. ”
Ou
Assim, foi mencionado que “os indivíduos representam a realidade a partir das
condições em que vivem e das relações que estabelecem uns com os outros ”
(FREITAS, 2002, p. 75)
12

Observação: O autor tanto pode aparecer no início ou no final da citação,


entretanto, observem a maneira como está escrito. LEMBRANDO QUE DEVE SER O
SOBRENOME DO AUTOR. Regra: sempre que o sobrenome do autor constar no
início da citação, o sobrenome vem fora dos parênteses e deve ser escrito somente
com a primeira letra em maiúscula, devido ao fato de ser nome próprio e de obedecer
a regra da língua portuguesa; o ano e a página vêm dentro dos parênteses.
Se a citação direta ultrapassar três linhas, é caracterizada como citação
direta longa e deverá: ser destacada do texto em parágrafo distinto; deve ser digitada
com recuo de 4cm, sem aspas, em espaço simples, com fonte (tipo de letra)
menor que a do texto normal (tamanho 10).
Exemplo:
Para que se tenham resultados fidedignos na coleta de dados Santos (1998,
p.54) declara que:

O pesquisador, ao elaborar os seus questionários, deve ter a preocupação


de determinar o tamanho, o conteúdo, a organização e clareza de
apresentação das questões a fim de estimular o informante a responder. É
aconselhável que o questionário não exija muito mais de 10 a 20 minutos para
ser respondido. Um questionário muito extenso é desmotivador e pode
condicionar respostas muito rápidas e superficiais do informante.

Na citação indireta reescreve-se a ideia do autor com suas palavras e


deve-se obrigatoriamente referenciar o autor. Note que no TCC, grande parte das
ideias são retiradas de autores base ou que realizaram trabalhos semelhantes ao seu,
logo, muitas vezes deve-se referenciar o dono da ideia, mesmo que seja feita alguma
observação acerca desta obra.
Para dar originalidade a sua pesquisa, escreva com suas palavras textos que
expliquem as citações e contextualizem as diferentes ideias dos autores frente ao seu
trabalho.
Observação: O autor tanto pode aparecer no início ou no final da citação,
entretanto, observem a maneira como está escrito. Regra: sempre que o nome do
autor constar no início da citação, o sobrenome vem fora dos parênteses e deve ser
escrito somente com a primeira letra em maiúscula, devido ao fato de ser nome próprio
e de obedecer a regra da língua portuguesa; o ano vêm dentro dos parênteses.
Quando no final: (SILVA et al., 2010); (SILVA; CORREIA, 2010);
13

Quando no começo: De acordo com Silva (2010); Segundo Silva et al. (2010).
Observe que a palavra "et al.," deve vir seguida de ponto final e vírgula
quando no final ou apenas ponto final quando inserido no texto e não deve vir
em itálico, não coloque vírgula entre o nome do autor e o et al.

Exemplos no início da citação:


Um autor: De acordo com Silva (2016)
Dois autores: Segundo Silva e Santos (2016)
Três autores: Segundo Silva, Santos e Pereira (2016)
Mais que 3 autores: Silva et al. (2016)

Exemplos no final da citação:


Um autor: texto (SILVA, 2016)
Dois autores: texto (SILVA; SANTOS, 2016)
Três autores: texto (SILVA; SANTOS; PEREIRA, 2016)
Mais que 3 autores: texto (SILVA et al., 2016)

*Sobre o apud, que se refere a “citação de citação”, isto é, quando você


referencia um autor que foi mencionado por outro autor. De forma geral,
recomendamos a não utilização do apud no seu texto. Você só deve utilizá-lo para
citar obra difícil de ser encontrada ou artigos raros.
Exemplo:
Segundo Silva (1983 apud ABREU, 1999, p. 3) diz ser […]

O itálico deve ser utilizado apenas em termos em língua estrangeira.


Quanto a formatação dos títulos e subtítulos, lembre-se das seguintes
regras:
Títulos (Introdução, Justificativa, etc.): Recuo à esquerda em 0,0.
Espaçamento entre linhas de 1,5 Adicionar espaço depois do parágrafo. Fonte Arial
12. Texto em caixa alta. Com negrito.
Exemplo:
1 TÍTULO DO ITEM
14

Subtítulos primários (Subseções – 1.1, 1.2, 2.1, 2.2, etc.): Recuo à


esquerda em 0,0. Espaçamento entre linhas de 1,5 Adicionar espaço depois do
parágrafo. Fonte Arial 12. Texto em caixa alta. Sem negrito.
Exemplo:
2.1 SUBTÍTULO DO ITEM

Subtítulos secundários (Subseções – 1.1.1, 1.1.2, 1.1.3, etc.): Recuo à


esquerda em 0,0. Espaçamento entre linhas de 1,5 Adicionar espaço depois do
parágrafo. Fonte Arial 12. Primeira letra em maiúsculo. Sem negrito.
Exemplo:
2.1.1 Subtítulo do item

Importante: este é um trabalho científico de revisão bibliográfica, assim não


deve ser escrito em primeira pessoa; deve ser escrito principalmente com citações
indiretas, utilize citações diretas para legislação e evite ao máximo o uso de apud.

Utilize fontes científicas e confiáveis como livros, artigos e trabalhos


acadêmicos.
15

5 METODOLOGIA

A metodologia a ser utilizada neste trabalho de conclusão de curso, que tem


por objetivo atestar a relevância do asfalto-borracha, mostrando assim resultados
satisfatórios na resolução do problema proposto, apoiara-se na Revisão de
Bibliografia, sendo assim qualitativa e descritiva.

Neste estudo serão realizados analise de artigos publicados sobre as


propriedades mecânicas da borracha de pneu como modificador asfáltico e seu fator
sustentável para o meio ambiente. Nesse estudo utilizaremos como a principal fonte
de informação sites, artigos publicados online, notícias, trabalhos de conclusão de
curso, projetos de iniciação cientifica, dissertações, teses, revistas e normas
brasileiras, que datam de 2000 a 2017.

Após executadas as pesquisas, será indicado se o pavimento com ligante


asfalto-borracha é de fato o mais eficiente para a melhoria da pavimentação nos
aspectos físicos, mecânicos, econômicos e ambientais, com base em artigos
publicados.

Os descritores utilizados serão: construção civil, rodovias, asfalto-borracha,


pavimento, pavimentação, borracha de pneu, pneu, reciclagem e meio ambiente.
16

6 CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

No quadro 1 consta o planejamento de execução das atividades do trabalho de


conclusão de curso.

Quadro 1 – Cronograma de execução das atividades do Projeto e do Trabalho de


Conclusão de Curso.

2018 2018
ATIVIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Escolha do tema. Definição do X X


problema de pesquisa

Definição dos objetivos, X


justificativa.
Definição da metodologia. X X X
Pesquisa bibliográfica e
elaboração da fundamentação X X
teórica.
Entrega da primeira versão do
projeto. X
Entrega da versão final do
projeto. X
Revisão das referências para
elaboração do TCC. X X X
Elaboração do Capítulo 1.
Revisão e reestruturação do
Capítulo 1 e elaboração do
Capítulo 2.
Revisão e reestruturação dos
Capítulos 1 e 2. Elaboração do
Capítulo 3.
Elaboração das considerações
finais. Revisão da Introdução.
Reestruturação e revisão de
todo o texto. Verificação das
referências utilizadas.
Elaboração de todos os
elementos pré e pós-textuais.
Entrega da monografia.
Defesa da monografia.
17

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente -


CONAMA. Resolução no. 416 de 01 de outubro de 2009. Dispõe sobre a prevenção
à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e sua destinação
ambientalmente adequada, e dá outras providências. Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=616>. Acesso em: 04 de
abril de 2018.

CASTRO, S.R.; BOTARO, V.R. Modificação de misturas asfálticas: empregos


de polímeros recicláveis e melhoria das condições de pavimentação das
estradas de Minas Gerais. DEQUI-UFOP, 2004. (Relatório de Iniciação
Científica).

CARVALHO, Clara Lívia Salles de. Inovações tecnológicas, reciclagem e


redução de custos na indústria da construção civil. 2003. Projeto de Iniciação
Científica – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, 2003.

FAXINA, Adalberto Leandro. Estudo em laboratório do desempenho de concreto


asfáltico usinado a quente empregando ligante tipo asfalto-borracha. 2002.
Dissertação (Mestrado em Transportes) – Escola de Engenharia de São Carlos,
Universidade de São Paulo, São Carlos, 2002.

FÉLIX, Gildson Bastos. Estudo da Incorporação de Resíduo Polimérico no


Asfalto – Propriedades Físicas. Monografia (Graduação em Engenharia Química
com ênfase em Engenharia de Petróleo) - Curso de Engenharia Química,
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

GIULIO, Gabriela di. Vantagens ambientais e econômicas no uso de borracha


em asfalto. Inovação Uniemp, v.3, n.3, p. 12-15, Campinas, maio/jun. 2007.

IZIDORO, Natália. Asfalto com borracha de pneu dura 30% mais que asfalto
comum. Disponível em:
<http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=asfalto-
borracha-pneu&id=020125100615#.Wp847ujwY2w>. Acesso em: 06 mar. 2018.

NETO, S. A. D.; FARIAS, M. M.; PAIS, J. C.; SOUSA, J. B. Propriedades


mecânicas das misturas betuminosas confeccionadas com asfalto-borracha.
34ª Reunião Anual de Pavimentação, Campinas, SP, Brasil, p. 437-455, 2003.

ODA, Sandra; JÚNIOR, José Leomar Fernandes. Borracha de pneus como


modificador de cimentos asfálticos para uso em obras de pavimentação. Acta
Scientiarum. Maringá, v. 23, n. 6, p. 1589-1599, 2001.
18

SALINI, Reus Bortolotto. Utilização de Borracha Reciclada de Pneus em Misturas


Asfálticas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Curso de Pós-Graduação
em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

SANTOS, Adilene Rochido dos. O uso do pneu para pavimentação. 2011.


Monografia (Curso de Especialização em Construção Civil) - Escola de Engenharia,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

SPECHT, Luciano Pivoto. Avaliação de misturas asfálticas com incorporação de


borracha reciclada de pneus. 2004. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-
Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre, 2004.

Listar todas as obras citadas ao longo do trabalho, em ordem alfabética pelo


sobrenome do autor. Lembrando que as referências devem ser alinhadas à esquerda
com espaçamento entrelinhas simples e separadas entre si por espaço de 12 pt
depois.
 Atente-se para as formas corretas de apresentar cada tipo de obra.
 A diferença entre artigos impressos daqueles encontrados em endereços
eletrônicos é que nestes últimos, acrescentamos o endereço eletrônico e a data de
acesso.
 Para saber mais sobre como apresentar as obras, ou como referenciar, acesse
o material de apoio no AVA, ou entre em contato com o seu tutor.

Exemplos:

Livro com um autor:

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 6.


ed. São Paulo: Loyola, 2007. 119 p.

Livro com dois ou três autores, separados por ponto e vírgula:

AMARAL, Emília; SEVERINO, Antônio; PATROCÍNIO, Mauro Ferreira do. Novo


manual de redação: gramática, literatura, interpretação de texto. São Paulo: Círculo
do Livro, 1995. 432 p.

Livro com mais de 3 autores:


19

URANI, André et al. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o


Brasil. Brasília: IPEA, 1994. 49 p.

Para artigos publicados em revistas, o nome dos autores segue a mesma


estrutura, entretanto o nome da revista é que fica em negrito, não da obra:

MASETTO, Marcos Tarciso. Inovação curricular no ensino superior. Revista e-


curriculum, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 1 -20, ago 2011.

Documentos jurídicos (Leis, decretos, portarias, etc.)

BRASIL. Decreto-lei n° 2423, de 7 de abril de 1998. Estabelece critérios para


pagamento de gratificações e vantagens pecuniárias as titulares de cargos e
empregos da Administração Federal direta e autárquica e dá outras providências.
Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, D.F., 8 abr. 1998. Seção
1, pt. 1, p. 6009.

Trabalhos acadêmicos (monografias, dissertações e teses):

NIEL, Marcelo. Anestesiologistas e uso de drogas: um estudo qualitativo. 2006.


149 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Paulista de Medicina,
Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2006.

Obs.: Na primeira vez que aparece o ano refere-se ao ano da defesa e na segunda o
ano da entrega.

Trabalhos extraídos no meio eletrônico:

Páginas da internet

CALDAS, Juarez. O fim da economia: o começo de tudo. Disponível em:


<http:/www.caldasecon.com.br >. Acesso em: 23 abr. 2010.

Artigos consultados online:

BAGGIO, Rodrigo. A sociedade da informação e a infoexclusão. Ciência da


Informação, Brasília, v. 29, n. 2, maio/ago. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/cgi-
bin/wxis.exe/iah>. Acesso em: 26 jul. 2010.
20