Sunteți pe pagina 1din 61

DIGITAL

Quatro vitórias
incomuns
Copyright 2011 por Editora Central Gospel

Dados Internacionais de Catalogação


na Publicação (CIP)

G E R ÊN C IA ED ITO RIAL
E DE PRO D UÇÃO / Quatro vitórias incomuns
M a la f a ia , S il a s
Qllmar Vieira Chaves Rio de Janeiro: 2011
64 páginas
O ERÍN CIA DE P R 0 JE T 0 8
ESPECIAIS ISBN: 978.85.7689.245-8
Jefferson Magno Costa 1. Bíblia - Vida cristã I. Título II.

PESQ U ISA
E ESTRUTURAÇÃO As citações bíblicas utilizadas neste livro foram extraídas
Deivinson Bingnon da Versão Almeida Revista e Corrigida (ARC), salvo
indicação especifica, e visam incentivar a leitura das
C O P ID ESQ U E Sagradas Escrituras.
Patrícia Calhau
É proibida a reprodução total ou parcial do texto deste
R EV IS Ã O FIN AL livro por quaisquer meios (mecânicos, eletrônicos,
Patricia Calhau xerográficos, fotográficos etc), a não ser em citações
breves, com indicação da fonte bibliográfica.
CAPA
Marcos Henrique Barboza Este livro está de acordo com as mudanças propostas
pelo novo Acordo Ortográfico, que entrou em vigor a
DIAGRAMAÇÃO partir de janeiro de 2009.
Marcello Antunes
IM P R E S S Ã O E
ACA BAM ENTO
Gráfica Esdeva 1a edição: Dezembro/2011

Editora Central Gospel Ltda


Estrada do Guerenguê, 1851 - Taquara
Cep: 22.713-001
Rio de Janeiro - RJ
TEL: (21)2187-7000
www.editoracentralgospel.com
S ilas M a l a f a ia

Quatro vitórias
incomuas

CENTRAL
GOSPEL
S u m á r io

Apresentação ........................................................7

Capítulo 1- Muito além das pequenas vitórias..........9


Espetaculares vitórias comuns ............................ 10
O objetivo deste livro .......................................... 12

Capítulo 2 - Vencendo as limitações da m atéria........ I 5


A brevidade do tempo ......................................... 18
Limitados pelo espaço ......................................... I 9
Impedidos pelas circunstâncias........................... I 9
O corpo glorificado................................................ 19

Capítulo 3 - A morte da morte .................................. 22


Jesus venceu a m orte........................................... 22
A morte será aniquilada ........................................25
A morte aos seus pés ............................................26
Não relativize o poder divino ...............................28
Jesus é o Deus todo-poderoso ............................ 30
Capítulo 4 - Triunfando sobre o inferno ......................... 33
A realidade do inferno .............................................. 33
Duas listas dos que serão condenados ao inferno .... 34
Não brinque com fo g o .............................................. 37
A justiça divina ......................................................... 38
Não racionalize o pecado ......................................... 40

Capítulo 5 - 0 fim do pecado........................................ 43


Todos somos pecadores.............................................43
Vença o pecado! ........................................................ 45
Salvação só em Jesus ................................................. 48

Capítulo 6 - Você foi feito para 0 céu..............................5 I


Céu, lindo céu ............................................................51
Breve Jesus voltará! ................................................... 55
A pr esen taç ão

V iv e r é entrar constantem ente em batalhas.


Por isso, enfrentamos lutas nas áreas pessoal, fa­
miliar, profissional e espiritual. Dessas batalhas,
podemos sair co m o vencedores ou perdedores.
Ninguém deseja perder. Por isso, muitas pes­
soas buscam em Deus a solução para todos os seus
problemas. Até repetem o co nh ecido ditado: "N ã o
diga a Deus o tam anho do seu problem a, diga ao
problem a o tam anho do seu D eu s". Porém , ainda
que tenham grande fé, muitos cristãos experimentam
diversas derrotas na cam inhada. O que fazer?
O cristão m aduro não entra em depressão
quando encara os reveses da vida. Ele com preende
que já foi ab ençoado com vitórias incom uns co n ­
quistadas por Jesus Cristo em seu favor. Q u a n d o
estudamos o contexto de 1 Corfntios 1 5.57 — M as
g raças a D eu s, que nos dá a vitó ria p o r nosso
Sen h o r Jesus Cristo — , tom am os co nh ecim en to
Q U A T R O VI TÓ RI AS LNCOMl/NS

de quatro vitórias especiais: sobre as lim itações


da matéria, a morte, o inferno e o pecado. Serão
estas que analisarem os neste livro.
Assim, deixe de lamentar-se pelas pequenas
dificuldades da vida. Lembre-se de que, enquanto
vo cê estiver vive n d o neste m undo, sem pre terá
do que se queixar. Contudo, quando adotar com o
visão a perspectiva da eternidade, vo cê perceberá
que recebeu recursos suficientes para ser mais do
que ven cedor em Cristo Jesus (Rom anos 8.37).
O meu desejo é que Deus abençoe grandemente
a sua vida dando-lhe a Sua paz, que transcende toda
a limitada lógica hum ana (Filipenses 4.7).
Receba a vitória, em nom e de Jesus!
Capítulo 1
Muito além das pequenas vitórias

C om o a m aioria dos cristãos já sabe, prego


sempre sobre vitória. Assim, neste livro, tratarei
de quatro vitórias incom uns, tom ando co m o texto
base 1 Coríntios 15.57: M as graças a D eus, que nos
dá a vitória p o r nosso Sen h o r Jesus Cristo.
Essas quatro vitórias especiais podem ser ex­
traídas do contexto relacionad o a essa passagem
bíblica. N a verdade, o versículo 57 encerra uma
ideia in iciad a no versícu lo 51. Neles, Paulo fala
sobre quatro vitórias incom uns p roporcionadas
aos filhos de Deus exclusivam ente por interm édio
de Cristo.
N ão analisarei as conquistas cotidianas. A p e ­
sar de as pessoas obterem êxito em várias áreas
da vida, isso não acon tece necessariam ente pela
ação direta de Deus, e sim porque o Senhor dotou
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M U N S

o hom em de inteligência, capacidad e, talentos e


aptidões.
A quem Deus deu a responsabilidade de cuidar
da terra? Encontramos esta resposta em Gênesis 1.28:

E Deus os abençoou e Deus lhes disse: Frutificai, e


multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai
sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre
todo o animal que se move sobre a terra.

Ele conferiu ao hom em autoridade para ad­


ministrar Sua criação. Deus é o criador de tudo e
governa o universo. Por isso, pode dispor de Sua
criação com o bem lhe aprouver.

Espetaculares vitó rias com uns

Algum as pessoas são vitoriosas independente


de depositarem sua fé em Deus. O b serve o que
disse Salom ão:

Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede


ao justo e ao ímpio, ao bom e ao puro, como ao impuro;
assim ao que sacrifica como ao que não sacrifica: assim
ao bom como ao pecador ; ao que jura como ao que teme
o juramento.
Eclesiastes 9.2
S 11.AS M A L A I ' A I A

O ím pio muitas vezes prospera sim plesm en­


te por ter acum ulado, ao longo da vida, diversas
experiências e sabedoria terrena. Tam bém por ter
insistido bastante na luta até transpor os obstáculos
e conseguir a vitória. Vejam os alguns exem plos
práticos.
Considere a vida de Bill Gates. V o c ê diria
q u e e le não é um h om em vito rio s o ? W illia m
H e n ry Gates nasceu em Seattle, em 28 de outubro
de 1955. É um magnata, filantropo e autor norte-
-am ericano. Ficou co n h ecid o por fundar, junto
com Paul Allen, a M icrosoft, m aior empresa de
softw are do m undo em termos de valor de m erca­
do. Gates ocupa atualm ente o cargo de presidente
não executivo da M icrosoft, e é classificado regu­
larmente com o a pessoa mais rica do mundo. É um
dos pioneiros na revolução tecnológica referente
ao com putador pessoal.
V o c ê já ouviu falar de Rupert M u rd o ch ? Ele é
o "p ap a " das com unicações mundiais. É presidente
da N ew s Corporation, empresa herdada de seu pai
e da qual é importante acionista. A em presa co m e­
çou sem muito renome. Mas, com a adm inistração
inteligente e am biciosa de M urdoch e uma série de
aquisições bem-sucedidas, tornou-se um dos maiores
conglom erados de m ídia do mundo. D e acordo
com a revista Forbes, M urdoch está posicionado em
Q U A T R O V I T Ó R I A S IN C O M U N S

117° lugar na lista das pessoas mais ricas do mundo,


com uma fortuna estipulada em 6,3 bilhões de
dólares. A lém disso, é a 13a pessoa mais poderosa
do mundo, segundo a mesma pu blicação.
Existe um a m arca m uito fam osa ch am a d a
G u c c i ou Casa G u c c i. É uma grife de origem ita­
liana, fundada por G u c c io G u c c i (1 881 -1 953) em
Florença, em 1921. G u c c i era um garçom que
co m eço u a observar com o os ricos usavam cintos,
bolsas e botas. Ele desenvolveu uma linha classe
A, só para magnatas. Criou uma m arca de grande
sucesso.
A G u c c i gerou 7,7 bilhões de dólares das
receitas m und iais em 2007, segundo a revista
Business W eek. Por essa razão, G u c c i é a segun­
da m aior m arca de moda, após a Louis Vuitton.
Ela opera aproxim adam ente 425 lojas em todo o
m undo e tam bém ven d e seus produtos por m eio
de franqueados e de lojas de luxo. H oje, a m arca
G u cci, além de aclam ada por muitos, participa dos
principais eventos internacionais de moda.

O objetivo deste livro

C om o vimos, existem diversos homens que


conquistaram vitórias. Eles adquiriram prestígio e
fama internacional porque se tornaram excelentes
SI r. AS M A LA F A I A

naquilo que se propuseram a fazer. M as não fo­


calizarei aqui essas vitórias cotidianas. Tratarei de
quatro vitórias incom uns, as quais não dependem
de nível intelectual, de etnia ou de nacionalidade.
Essas vitórias são incom uns porque só podem ser
alcan çad as por interm édio de nosso Senhor e S a l­
vador, Jesus Cristo.
Então, no próxim o capítulo, abordarem os a
prim eira delas: a vitória sobre as lim itações da
matéria.
Capítulo 2
Vencendo as limitações da matéria

A prim eira das vitórias incom uns que an a lisa­


remos encontra-se em 1 C oríntios 15.53: Po rq u e
co n vém que isto que é co rru p tív e l se revista da
in co rru p tib ilid ad e e que isto que é m o rtal se revista
da im o rtalid ad e. Q u e vitória inco m um é esta? E a
vitória sobre as lim itações da m atéria.
A im p a ciên cia , a baixa autoestim a, o d escon ­
trole e m o cio n a l, o desânim o e outros sentim entos
caracterizam nossa natureza carnal, d a í o m otivo
de sermos tão lim itados e sequer conseguirm os
ver a grandiosidade do que D eus tem reservado
para nós. Repare o que disse o apóstolo Pau lo a
esse respeito:

Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito


mais abundantemente além daquilo que pedimos ou
pensamos, segundo o poder que em nós opera, a esse
Q U A T R O V IT Ó R IA S I N C O M U N S

glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações,


para todo o sempre. Amém!
Efésios 3.20,21

Desta m aneira, é m uito bom quando o ho­


mem percebe e aceita sua lim itação e a expõe
para Deus. Neste caso, o Senhor opera na vida de
Seus filhos com mais liberdade, conform e consta
em Hebreus 3.7,8: Po rtan to , com o diz o Espírito
San to , se ouvirdes hoje a sua voz, não endu reçais
o vosso co ra ção , co m o na p ro vo ca çã o , no dia da
tentação no deserto. Esse texto se refere ao dia em
que os israelitas, de co ra ção endurecido, puseram
Deus à prova no deserto. O b serve a passagem:

Depois, toda a congregação dos filhos de Israel


partiu do deserto de Sim pelas suas jornadas, segundo o
mandamento do Senhor, e acamparam em Refidim; e não
havia ali água para o povo beber. Então, contendeu o povo
com Moisés e disse: Dá-nos água para beber. E Moisés
lhes disse: Por que contendeis comigo? Por que tentais ao
Senhor? Tendo, pois, ali o povo sede de água, o povo mur­
murou contra Moisés e disse: Por que nos fizeste subir do
Egito para nos matares de sede, a nós, e aos nossos filhos,
e ao nosso gado? E clamou Moisés ao Senhor, dizendo: Que
farei a este povo? Daqui a pouco me apedrejarão. Então,
disse o Senhor a Moisés: Passa diante do povo e toma
contigo alguns dos anciãos de Israel; e toma na tua mão a
tua vara, com que feriste o rio, e vai. Eis que eu estarei ali
diante de ti sobre a rocha, em Horebe, e tu ferirás a rocha,
e dela sairão águas, e o povo beberá. E Moisés assim o fez,
diante dos olhos dos anciãos de Israel. E chamou o nome
daquele lugar Massá e Meribá, por causa da contenda dos
filhos de Israel, e porque tentaram ao Senhor, dizendo: Está
o Senhor no meio de nós, ou não?
Êxodo 17.1-7

Note que essa rebelião foi inflamada pela dure­


za de coração do povo. O s israelitas simplesmente
desconsideraram a fabulosa libertação da escravidão
egípcia que haviam recebido de Deus. O Senhor ficou
irado, pois o povo demonstrou soberba e ingratidão.
N o te a in d a o que, co m m uita sab e d o ria ,
Sa lo m ã o disse: Bem -aven tu rad o o hom em que
contin uam en te tem e; m as o que en d u rece o seu
co ra çã o virá a c a ir no m al (Pro vé rb io s 28.14).
Então, o co ração en d u recid o e soberbo arruina a
vida de qualquer pessoa, mas o co ra ção hum ilde
agrada ao Senhor: D eus resiste aos soberbos , dá,
p o rém , graça aos hum ildes (Tiago 4.6b).
Assim, reconh eça que todo hom em , por mais
inteligente ou rico que seja, está lim itado ao tempo,
ao espaço e às circunstâncias. Todos nós estamos
sujeitos a essas lim itações naturais. Vejam os.
Q U A T R O V I T Ó R IA S IN C O M U N S

A brevidade do tem po

Algumas pessoas poderão até ter uma vida lon­


ga, mas um dia morrerão. A vida na terra se resume
a um determinado período de tempo. V o cê sabia
que, quando o ser hum ano nasce, já existem células
iniciando o processo degenerativo? Isso acontece por­
que estamos limitados ao tempo. Então, não adianta
correr contra o relógio, pois ele é implacável. Observe
as palavras do Salm o 103.15,1 6: Porque o hom em ,
são seus dias com o a erva; com o a flor do cam po > ,
assim floresce; pois>passando po r ela o vento, logo
se vai; e o seu lugar não conhece mais.
V eja o que disse M oisés no Salm o 90.9,10:

Pois todos os nossos dias vão passando na tua indig­


nação; acabam-se os nossos anos como um conto ligeiro.
A duração da nossa vida é de setenta anos, e se alguns,
pela sua robustez, chegam a oitenta anos. o melhor deles é
canseira e enfado, pois passa rapidamente, e nós voamos.

A q u a lid a d e de v id a de qu em co n se g u iu
com pletar cem anos nem sempre é das melhores.
Contudo, será m aravilhoso se v o cê conseguir ch e ­
gar até lá, não é verdade? Entretanto, vo cê deve
ter a co n sciê n cia de que, mesmo viven d o muito,
um dia morrerá.

18
S M . A S VI A I . A 1■A 1A

Lim itados pelo espaço

Além da limitação do tempo, todos nós somos


limitados pelo espaço. H á uma lei bem fundamenta­
da da física que afirma: todo corpo só pode ocupar
um lugar de cada vez no espaço. Apesar de as novas
tecnologias produzirem a sensação de encurtamento
das distâncias, aproximando as pessoas pela internet e
pelos avanços nas telecomunicações, fisicamente essas
distâncias ainda existem. Portanto, você só poderá sen­
tir o calor do abraço de um ente querido que reside em
outro estado se viajar centenas de quilômetros até lá.

Im pedidos pelas circu n stân cias

O u tro fator que lim ita o hom em são as c ir­


cunstâncias. Por exem plo, se houver um desastre
num a via principal de qualquer cidade, v o cê não
chegará ao trabalho na hora. V o c ê planejou um
dia ch eio de atividades, co m o se ele pudesse ter
30 horas. M as, quando saiu de casa, aconteceu
um imprevisto: vo cê tropeçou e quebrou a perna.
Isso acontece. Nessas circunstâncias, "a cab o u o
seu dia", pois terá de ir para o hospital.

O corpo glorificado

Até aqui, vimos que todo homem está limitado ao


tempo, ao espaço e às circunstâncias. M as observe
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M l.JNS

o que a Bíblia diz em 1 João 3.2: A m ados, agora


somos filhos de D eus, e ainda não é m anifesto o
que havem os de ser. M as sabem os que, quando ele
se m anifestar; serem os sem elhantes a ele; porque
assim com o é o verem os. As Escrituras declaram
que teremos o corpo glorificado igual ao de Jesus,
quando Ele foi ressuscitado. Portanto, esse corpo não
estará mais limitado à matéria nem às leis da física.
Em Lucas 24.13-31, lemos que dois discípu­
los estavam no cam inho para Emaús quando, de
repente, Jesus, ressurreto, apareceu e com eçou a
conversar com eles. Porém, ambos os homens só o
reconheceram ao sentar-se com Ele para cear. Logo
depois, Cristo desapareceu de diante deles numa v e ­
locidade tão espantosa que não puderam perceber.
O Filho de Deus estava com o corpo glorificado.
D o versículo 36, inferimos que Jesus entrou
numa casa que estava com as janelas e a porta
trancadas. Note na narrativa de Jo ão 20.19, a mes­
ma de Lucas 24.36, que as pessoas pensaram que
Jesus era um fantasma. Isso aconteceu porque Ele
apareceu em um corpo glorificado, ou seja, que
não estava submisso às leis da física.
A lém disso, em Lucas 24.51, está escrito que
Jesus subiu aos céus, quebrando a lei da gravidade
— a qual estabelece que todos os corpos são atra­
ídos para a terra. Em Sua ascensão, Jesus "sum iu
20
S Il.A S M A 1. A I■
'A IA

da vista" dos discípulos. C reio que esta vitória será


dada a você, se entregar a sua vida ao Senhor e for
fiel a Ele. U m dia o seu corpo será transformado
num corpo glorificado. T alvez vo cê me pergunte:
"Pastor, co m o se dará isso?". Em 1 Coríntios 15.51
está a resposta: Eis aq u i vos digo um m istério. En­
tão, quando chegarm os ao céu, ou eu perguntarei
a Deus na sua frente ou perguntarem os juntos,
porque isso é um mistério.
Entenda que mistério é tudo aq uilo que não
foi revelado ao hom em . Assim, lhe direi uma co i­
sa: em Lucas 1.37 consta que para D eus nada é
im possível. Em Hebreus 11.6 lemos que sem fé é
im possível agradar-lhe, p o rq u e é necessário que
aquele que se aproxim a de D eus creia que ele existe
e que é g alard o ad o r dos que o buscam . Portanto,
devem os aceitar este mistério divin o por fé.
U m dia nosso corpo mortal, que sofre e fica
doente, que é lim itado, será um corpo glorificado,
sem elhante ao de Jesus. Q u em crer nessa vitória
glorificará a Deus por toda a eternidade!
A principal limitação humana é a morte. Ela tam­
bém será despojada de seu trono: Ora, o último inimigo
que há de ser aniquilado é a morte (1 Coríntios 15.26).
No próximo capítulo, estudaremos os pormenores da
vitória retumbante de Jesus Cristo sobre ela.
Capítulo 3
A morte da morte

C om o estudamos até aqui, o hom em possui


muitas lim itações próprias da matéria. Em Cristo
Jesus, contudo, ele poderá sobrepujar a todas elas.
A segunda vitória incomum, a vitória sobre a morte,
a qual não depende de capacidade ou de riqueza e
que só Jesus pode dar, está em 1 Coríntios 15.54c:
Tragada foi a m orte na vitória.

Jesus venceu a morte

Todos os homens são pecadores e, por isso,


sujeitos à morte física e espiritual. D e acordo com
a Bíblia: com o p o r um hom em entrou o p ecad o
no m undo, e p elo p ecad o •, a m orte >
, assim tam bém
a m orte passou a todos os hom ens, p o r isso que
todos pecaram (Romanos 5.12). E a morte do corpo
e da alm a. Enquanto a morte física separa a alma
do corpo, o qual retorna à terra, a morte espiritual
afasta o homem de Deus. E o pecado é o causador
dessa separação.
O profeta declarou: M as as vossas iniqüidades
fazem divisão entre vós e o vosso D eus, e os vossos
p ecados encobrem o seu rosto de vós; para que
vos não ouça (Isafas 59.2). Q u e tristeza! Tanto a
morte física com o a morte espiritual constituem-se
a grande tragédia da hum anidade.
Essas duas mortes são extintas na vida dos
que estão em Jesus Cristo. Q u er dizer, a morte,
que tanto nos afíige e tira-nos a alegria, já tem sua
morte decretada em Cristo. A morte eterna, que é o
estágio final da morte espiritual, já morreu an teci­
padam ente para quem vive para Deus. Jesus disse:

Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve


a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida
eterna e não entrará em condenação, mas passou da
morte para a vida.
João 5.24

Por isso, Jesus foi levantado na cruz e cru ­


cificado: para que todo aq uele que nele crê não
p ereça, mas tenha a vida eterna (João 3.1 5). A vida
eterna anula a morte eterna, a separação definitiva
entre o ser hum ano e Deus. Logo, a vida eterna já
nos é assegurada em Cristo nesta vida.
Q U AT R O V 1T Ó R IA S IN C O M U N S

M as vo cê pode questionar: "Pastor, o senhor


disse que Jesus dará a vitória sobre a morte. C om o
isso será possível, se Jesus m orreu? Jesus ven ceu
e foi m orto? C o m o pode ser isso ?". Entenda:
com o vo cê sabe que uma coisa é mais forte do
que outra? Só existe uma m aneira de descobrir:
confrontando-as.
Jam ais saberemos se M ik e Tyson e Evander
H olyfield foram melhores ou piores do que Cassius
Clay, considerado o pugilista mais fenom enal da
história, porque eles nunca se enfrentaram. Por
que a seleção brasileira de futebol é considerada
a m elhor do m undo? Porque já derrotou algumas
vezes as principais seleções e tem mais títulos do
que todas elas. N o confronto, nós, brasileiros, so­
mos os melhores.
Com isso, quero dizer que Jesus não foi assas­
sinado. V o c ê está muito enganado se pensa assim.
Está precisando ler mais a Bíblia. Em João 10.1 7,1 8,
Jesus declarou:

Por isso. o Pai me ama. porque dou a minha


vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim,
mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar e
poder para tornar a tomá-la. Esse mandamento recebi
de meu Pai.
S IL A S M A L A F A IA

Jesus partiu para o confronto com a morte;


mas, ao terceiro dia, Ele ressuscitou. O Filho de
Deus enfrentou a morte para cum prir propósitos.
0 prim eiro deles está em Jo ão 3.1 6, texto áureo da
Bíblia: Porque D eus am ou o m undo de tal m aneira
que deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele
que nele crê não p ereça, mas tenha a vida eterna.
Jesus entregou a Sua vida para resgatar o ser
humano. Foi propósito de Deus enviar Seu Filho
para morrer no meu e no seu lugar. O segundo
propósito está em Hebreus 2.14:

E, visto como os filhos participam da carne e do


sangue, também ele participou das mesmas coisas, para
que, pela morte, aniquilasse o que tinha o império da
morte, isto é, o diabo.

Assim, Jesus foi para o confronto com a morte


para vencê-la.

A morte será aniquilada

Talvez vo cê me pergunte: "Pastor, se Jesus


venceu a morte, com o ela continua operando no
m undo? Por que as pessoas morrem se Jesus já
venceu a m orte?". É uma pergunta intrigante.
A morte foi vencida, mas não aniquilada. Em
1 Coríntios 15.26 está escrito que o últim o inim igo
25
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M U N S

que há de ser an iqu ilado é a m orte. Sendo assim, a


morte vai morrer. V o cê sabia disso? Em Apocalipse
20.14, livro que contém as revelações sobre o fim
dos tempos, João descreveu sua visão: a m orte e
o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a
segunda m orte. Jesus tem o dom ínio absoluto sobre
a morte. Ele disse em A pocalipse 1.1 7,1 8:

£ eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele


pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; eu
sou o Primeiro e o Último e o que vive; fui morto, mas
eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém! E tenho
as chaves da morte e do inferno.

A morte aos seus pés

Sabem os que não escaparem os da morte físi­


ca, a menos que Cristo volte antes que ela ocorra.
Felizm ente, há uma certeza para nós: a morte
será perfeitamente aniquilada (1 Coríntios 15.26).
Q u an d o se dará isso? Na ressurreição dos mortos
em Cristo, por ocasião da volta do Senhor Jesus.
Em 1 Coríntios 15.50-55, Paulo disse que,
quando o nosso Senhor retornar a terra, os vivos
subirão com um corpo transformado, isto é, um
corpo incorruptível e imortal. Então, se cumprirá
SILAS M A L A I'A l A

a Palavra de Deus (v. 54). Em 1 Tessalonicenses


4.16,17, lemos que os que morreram em Cristo
ressuscitarão, e os que estiverem vivos serão arre­
batados com eles para viverem eternam ente com
0 Senhor Jesus, isto é, a morte física terá seu fim.
Por que vo cê pode acreditar que um dia a
morte morrerá e vo cê a vencerá? Em 1 Coríntios
15.1 3,14 consta o seguinte: se não há ressurreição
de m ortos, tam bém Cristo não ressuscitou. E, se
Cristo não ressuscitou ; logo é vã a nossa pregação »,
e tam bém é vã a vossa fé.
Note a lógica de Paulo: se não existisse ressur­
reição dos mortos, então Jesus não teria ressuscita­
do. Se Ele não tivesse ressuscitado, nossa pregação
seria vã, e o evangelho não faria sentido algum.
Q u e "conversa fiada" é essa?! Q uantos já foram
transformados pelo poder do Cristo vivo ? Então,
nossa fé não é vã.
Em A p o calip se 1.5, Jesus é ch am ado de o
prim ogênito dos m ortos. Sabe o que significa isso?
O prim eiro a vencer a morte sem nunca mais ter
de experimentá-la. O Senhor ressuscitou Lázaro,
o qual depois morreu de novo (João 11.1 -45). A l­
guém pode ser ressuscitado hoje por um milagre,
mas novam ente morrerá. A ressurreição definitiva,
que é a vitória total sobre a morte, foi conquistada
apenas por Jesus.
27
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M U N S

Tenho estado preocupado por causa de deter­


minados comportamentos que observo no povo de
Deus. D e vez em quando, muitos cristãos co m en ­
tam: "N ã o sei se Deus está aborrecido comigo, não
sei se tenho algum pecado oculto, não sei se existe
algum a m ald ição hereditária em m inha fam ília.
N ão sei por que oro há tanto tem po para ter uma
casa própria e não consigo comprá-la. Tam bém
oro há muito tem po para ser chefe na empresa
onde trabalho, mas, em vez de eu ser prom ovido,
os ímpios é que são!".
Por que vo cê pode ter a co n v icçã o de que
vencerá a morte? Em 1 Coríntios 15.19 lemos que,
se esperam os em Cristo só nesta vida, som os os
m ais m iseráveis de todos os hom ens.

Não relativize o poder divino

Aqu i na terra, para m im e para vo cê, em


algum a área, vai faltar algo. Prego sobre vitória,
mas não prego a favor da insensatez. Sei que Deus
nos proporciona conquistas, que Ele abre portas,
ajudando-nos, por exem plo, a com prar um carro
ou uma casa. M as também sei que o evangelho
não é só isso. Se vo cê está esperando que o Senhor
faça tudo por você apenas nesta vida, escolha outra
religião.

28
S IL A S M ALAI-A IA

Contudo, tenho uma boa notícia. A pocalipse


21.4 diz:

E Deus limpará de seus olhos toda lágrima, e não


haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor,
porque já as primeiras coisas são passadas.

U m dia todas as suas necessidades serão su­


pridas, em glória, no Senhor, porque, com o disse
Paulo, o m eu D eus / segundo as suas riquezas, su­
prirá todas as vossas necessidades em glória, p o r
Cristo Jesus (Fi li penses 4 . 19).
Enquanto estiverm os neste m undo, sempre
faltará algum a coisa. Então, vo cê pode crer na
vitória sobre a morte porque Jesus é o Senhor da
vida. Em Jo ão 11.25, Ele declarou: Eu sou a ressur­
reição e a vida; quem crê em mim ; ainda que esteja
m orto, viverá. Jesus venceu a morte, está vivo. Ele
habita dentro de você. Cristo transforma, liberta e
concede uma nova vida. Desta forma, vo cê pode
crer no am anhã. Pode crer que receberá um corpo
glorificado, incorruptível, e que derrotará a morte
definitivam ente.
As vezes focam os tanto nas vitórias com uns
que esqu ecem os as vitórias mais im portantes.
Agindo assim, relativizam os o poder de Deus e
o dim inuím os, pensando somente em uma casa,
Q U A T R O V I T Ó R I A S ÍN C O M U N S

um carro, um emprego, uma vitória financeira,


uma causa na justiça, uma cura. Acabam os des­
prezando as vitórias que ninguém pode dar e que
o homem mais inteligente ou bilionário não pode
conquistar, porque são obtidas apenas pelo poder
divino de Jesus.

Jesus é o Deus todo-poderoso

Por que Jesus recebeu todo o poder do Pai?


Porque Ele também é Deus e possui todos os atribu­
tos divinos. Em João 1.18, está escrito: Deus nunca
foi visto po r alguém . O Filho unigénito , que está no
seio do Pai, este o fez conh ecer. Assim, quando o
apóstolo Jo ão m encionou Filho unigénito, estava
referindo-se a Jesus. Estava, portanto, afirm ando
que Jesus procedeu diretam ente de Deus Pai. Le­
mos, ainda, em Hebreus 1.3:

0 qual, sendo o resplendor da sua glória, e a ex­


pressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as
coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si
mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à
destra da Majestade, nas alturas.

Certa vez, um discípulo de Jesus, cham ado


Filipe, disse: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos
basta. Jesus lhe respondeu: Estou há tanto tem po
30
S IL A S M A L A FA IA

co n vo sco , e não m e tendes co n h e cid o , F ilip e ?


Q uem m e vê a m im vê o Pai; e com o dizes tu:
Mostra-nos o P a i ? (João 14.8,9). Em Jo ão 1.1, está
escrito: N o prin cíp io , era o Verbo, e o Verbo estava
com D eus, e o Verbo era D eus. Q u an d o Jo ão falou
do Verbo, estava referindo-se a Jesus. Ele disse que
o Verbo era Deus.
Em Hebreus 1.6 lemos o seguinte: E, quando
outra vez introduz no m undo o Prim ogênito , diz:
E todos os anjos de D eus o adorem . Nas Escritu­
ras consta que Deus não divide a Sua glória com
ninguém: Eu sou o Sen h or; este é o m eu nom e; a
m inha glória, pois, a outrem não darei, nem o m eu
lo uvor , às im agens de escultura (Isafas 42.8).
Lemos tam bém que devem os adorar somente
a Deus: Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, p o r­
que está escrito: A o Senhor, teu D eus, adorarás e
só a ele servirás (M ateus 4.10). Q u an d o Jo ão ten­
tou adorar o anjo, foi repreendido por ele: A dora
a D eus (A po calip se 22.9). Q u an to a Jesus, está
escrito: E todos os anjos de D eus o adorem . Jesus
é Deus.
O bserve o que consta em A pocalipse 1.8: Eu
sou o A lfa e o Ô m ega, o Prin cíp io e o Fim , diz o
Senhor , que é, e que era, e que há de vir, o Todo-
-poderoso. Sim, Jesus é o Deus todo-poderoso. Ele
venceu a morte e está disposto a dividir esta vitória
31
Q U A T R O V I T Ó R I A S IN C O M U N S

conosco. Por fim, para que não haja dúvidas, em


\ João 5.20 está escrito:

E sabemos que já o Filho de Deus é vindo e nos deu


entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no
que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo.
Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.

N o próxim o capítulo, vo cê descobrirá que o


Todo-poderoso também triunfou sobre o inferno.
Assim, preste atenção aos diversos detalhes inte­
ressantes a respeito da terceira vitória incom um
que vo cê recebeu.
Capítulo 4
Triunfando sobre o inferno

Até aqui vo cê descobriu que já recebeu, por


intermédio de Jesus Cristo, duas vitórias extraor­
dinárias: sobre as lim itações da matéria e sobre
a morte. A terceira é m encionada em 1 Coríntios
15.55b: O n d e está, ó inferno , a tua vitó ria ?

A realidade do inferno

O que é o inferno? É o lugar onde a ira de Deus


recai sobre a desobediência e o pecado. M as quem
vai para lá? Nos Evangelhos, Jesus falou mais sobre
0 inferno do que sobre o céu (M ateus 5.22; 10.28;
11.23; 16.1 8; 18.9; 23.15; M arcos 9.43-48; Lucas
10.1 5; 12.5). Se Ele falou mais sobre o inferno do
que sobre o céu, foi porque quis alertar-nos. Em
M ateus 25.41 lemos que o inferno foi preparado
para o diabo e seus anjos. N ão é um lugar bom
para passar a eternidade.
Qua rRo v rrórias incomuns

Contudo, não será só o diabo que irá para esse


lugar. O Salm o 9.1 7 diz que os ímpios serão lança­
dos no inferno e todas as pessoas que se esquecem
de Deus. Em João 3.18 está escrito que quem crer
em Jesus não está condenado, mas quem não crer
já está condenado , porquanto não crê no unigénito
Filho de Deus. Q uem não crer que Jesus é o Salva­
dor será lançado no inferno. N o versículo 36 desse
mesmo capítulo consta que quem crê no Filho tem
a vida eterna, mas aquele que não crê no Filho não
verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele perm anece.

Duas listas dos que serão condenados ao inferno

Nenhum ser hum ano tem o poder de enviar


alguém para o céu ou para o inferno. Apesar disso,
há os que dizem: "Esse miserável vai para o quinto
dos infernos! Desgraçado!". H á duas listas na Bíblia
que informam quem será lançado em tal lugar. A
prim eira está em Apocalipse 21.8:

Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos


abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos
feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua
parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é
a segunda morte.
S ÍI.A S M A L A FA IA

A Bíblia mostra claramente as pessoas que irão


para o inferno: os tímidos, os incrédulos (que não
creem em Deus nem em Cristo), os abomináveis
(dedicados à devassidão moral), os homicidas (que
provocam a morte de outras pessoas), os fornicadores
(que cometem pecados ligados à área da sexualidade,
como o adultério, que é a relação extraconjugal, e a
prostituição, que é a relação sexual fora do casamento).
Q uem mais será lançado no inferno? O s fei­
ticeiros e os idólatras (que se prostram diante dos
ídolos). Se vo cê abrir a Bíblia assinada pela C N B B
(Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), editada
pela editora da Igreja Católica, verá que as mesmas
palavras aparecem lá, porque a Bíblia não é dos
evangélicos nem dos católicos. A Bíblia é a Palavra
de Deus. Portanto, os idólatras também serão lan­
çados no inferno. Além deles, todos os mentirosos.
0 destino eterno de todas essas pessoas será arder
no lago de fogo e enxofre, que é a segunda morte.
Na Bíb lia está registrada ainda outra lista, em
1 Coríntios 6.9,10. N ão deixarei de mencioná-la
porque estou am parado pela Constituição Federal
Brasileira, e sou livre para expressar a m inha reli­
giosidade. Lei nenhum a colocará uma mordaça em
m inha boca, pois só quem me im pede de pregar
é Deus. Então, observe o que diz o texto bíblico
sobre quem vai para o inferno:
Q U AT RO V IT Ô R IA S I N C O M U N S

Não sabeis que os injustos não hão de herdar o


Reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os
idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem
os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem
os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores
herdarão o Reino de Deus.

A palavra efem inados, no original grego, é


m alakoi; é usada para designar o coito passivo. O
termo sodom itas , em grego arsenopotai, designa o
coito ativo. Assim, a B íblia se refere à homossexu­
alidade. Ela condena essa prática, afirm ando que
leva pessoas ao inferno. Portanto, não adianta criar
a "lei da hom ofobia", porque ninguém conseguirá
retirar essa condenação da Palavra de Deus.
Sobre esse assunto, permita-me fazer uma
sugestão especial. A Editora Central G ospel dis­
po n ib ilizo u para ven d a o livro N a scid o G a y l,
escrito pelo Dr. John S. H. Tay. N e le é exam i­
nada, à luz da genética, a falácia das afirm ações
frequentem ente feitas por hom ossexuais e seus
defensores: "Eu nasci g ay e, por isso, não posso
mudar". A obra foi escrita para o público em geral,
não ap resentan do term os té cn ico s e e vitan d o
cálcu lo s m atem áticos e estatísticos com plexos.
V a le a pena conferir.
36
SILAS M AL A F A IA

Nas Escrituras também lemos que nem os la­


drões ; nem os a v a re n to sn e m os bêbados, nem os
m aldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino
de D eus. Essa é a Palavra de Deus, e eu estou su­
jeito a ela também.

Não brinque com fogo

Já vim os o que é o inferno e quem será co n ­


denado a perecer lá, mas com o é esse lugar? Não
temos com o saber realmente. Há muitas pessoas
brincando e dizendo que o inferno é aqui mesmo.
Elas não sabem o que estão falando. Em Mateus
25.30 está escrito que é um lugar de pranto e ranger
de dentes. Sabe o que significa isso? Sofrimento
inim aginável. Apocalipse 20.10 diz ainda que é
um lugar de tormento eterno, com uma dor que
nunca vai parar.
Certo dia, um am igo meu, diretor de uma
emissora de televisão, disse: "Pastor, se um dia
Deus me co locar no inferno, monto lá uma boate
com as capetinhas e 'boto pra q u eb rar'!" Então
respondi: "V o c ê não sabe o que está falando. Vou
mostrar-lhe uma coisa. Em Mateus 10.28, está es­
crito que não devem os temer aqueles que matam
o corpo, mas aquele que lança a alm a e o corpo
no inferno".

37
Q U AT R O V IT Ò R IA S IN C O M U N S

Sabe o que Jesus quis dizer com isso? O que


é a alm a? É a parte do nosso ser responsável pelos
sentimentos, pela inteligência, pela vontade, pela
percepção. Por que vo cê sabe que vo cê mesmo
existe? Por causa da sua alma. As dores produzidas
no seu corpo são sentidas pela sua alm a. Sabe o
que a B íblia está dizendo? Q u em for lançado no
inferno saberá que está lá, terá plena consciência
de tudo (Lucas 16.1 9-31). Isso não é brincadeira!
C om o é o inferno? Conform e 2 Pedro 2.17, é
um lugar de densas trevas. Isso significa que quem
for lançado lá ouvirá os gritos de desespero dos
dem ônios (M ateus 13.41,42).
V o cê já viu com o se com porta alguém en de­
m oninhado? Ele faz uma arruaça de tanto gritar.
É uma loucura! Imagine agora todos os dem ônios
e o próprio Lúcifer gritando ao mesmo tem po no
inferno? Além de abrigar cenas com o essa, o infer­
no é um lugar de sofrimento em solidão, porque é
composto por densas trevas. Ninguém verá o outro,
o que é uma coisa terrível para o ser humano, pois
não fomos criados para viver sós. Eternamente os
condenados serão atormentados dia e noite.

A justiça divina

Há cristãos dentro da igreja que estão brincando


de seguir Jesus. Eles dizem: "Pastor, Deus é amor e
38
S IL A S M A LA FA IA

misericórdia!". Isso é verdade. Entretanto, leia o Sal­


mo 19.9: O temor do Senhor é lim po e perm anece
eternam ente; os juízos do Senhor são verdadeiros e
justos juntam ente. O juízo de Deus não é brincadeira.
Ninguém será condenado ao inferno porque Deus
"não gostou da cara dele", e ninguém morará no céu
porque "D eus vai quebrar o galho dele".
Portanto, se você está vivendo em pecado por­
que se afastou de Deus, está correndo o risco de ir
para o inferno. H á pessoas na igreja que não estão
levando a sério a vida cristã. Com o pensam que nin­
guém vê o que fazem, cometem as maiores iniquida-
des, na maior "cara de pau", dando glórias a Deus e
aleluias. Até falam línguas estranhas, achando que
Deus lhes tem perdoado. Profetizam e pensam que
isso é sinal de que receberam o perdão do Senhor.
M uitos discípulos se chegarão a Jesus com
uma argum entação parecida com a apresentada
em Mateus 7.22:

Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome?


E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu
nome, não fizemos muitas maravilhas?

Q u a l resposta receb erão ? N u n c a vos c o ­


n h e ci; apartai-vos de m im , vós que p raticais a
in iq ü id ad e (v. 23).
39
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M U N S

Não racionalize o pecado

Louvar, cantar, dirigir departamentos na igreja


ou ser pastor não são salvo-condutos para chegar
ao céu. O s cristãos que assim pensam tentarão
argumentar com o Senhor no G rande Dia: "M as,
Deus, organizei 77 cam panhas, cada uma de sete
sem anas!" Isso não lhes garantirá a vida eterna.
N ão são as cam panhas de fé que trazem a salvação
(Efésios 2.8,9). Q uem pensa assim está querendo
racionalizar.
A mente humana se vale de dois processos:
mem ória e im aginação. Podemos recorrer à m e­
mória para resgatar dados, e à im aginação para
projetá-los para o futuro. Então, há pessoas que
preferem tornar sua vida cristã o mundo da fantasia,
a fim de justificar o seu pecado e a sua iniquidade.
A elas, alerto: consertem-se abandonando seus
pecados, porque vocês estão correndo o risco de
ir para o inferno.
Há um personagem bíblico que tem muito a
ensinar-nos com os seus erros. Apesar de ter sido
grandemente abençoado, Sansão desperdiçou tudo
o que Deus lhe deu. Nasceu para ser vencedor,
mas foi derrotado porque não confrontou seus pe­
cados nem os abandonou. Há muitos cristãos na
mesma situação. Foram cham ados para triunfar,
S ÍL A S MA l, A F A IA

mas tornaram-se fracassados. Q uais foram os erros


que levaram Sansão a cair?
Em prim eiro lugar, seu casam ento foi mal
estruturado (Juizes 14.1-3). Sansão cometeu três
grandes erros: não orou o suficiente para obedecer
à Palavra e entender os propósitos de Deus para
o seu casamento; entregou-se a uma m ulher que
estava longe de Deus; e desonrou seus pais. Ele
poderia escolher uma dentre várias mulheres no
meio do povo de Deus, mas preferiu desobedecer
aos seus pais. M uitas vezes o Senhor usa os nossos
pais para nos livrar das ciladas do diabo.
Em segundo lugar, Sansão não se consagrou.
Ele foi a Gaza, viu uma prostituta e coabitou com
ela (Juizes 16.1). Sansão se entregou ao pecado da
prostituição, um dos que mais têm levado cristãos
à derrota. Eles perdem a unção, a paz, a alegria e a
vida com Deus. M uitos líderes hoje são destruídos
pela prostituição, pela lascívia e pelo adultério.
Assim, para evitar que o mesmo ocorra com você,
tire urgentemente da sua vida todo o entulho do
diabo e sirva a Deus com integridade de coração.
Em terceiro lugar, Sansão não levou a sério as
advertências de Deus:

Então, ela [Dalila] lhe disse: Como dirás: Tenho-te


amor, não estando comigo o teu coração? Já três vezes

41
zombaste de mim e ainda me não declaraste em que
consiste a tua força.
Juizes 16.1 5

O bserve o que aconteceu com Sansão: ele foi


traído uma vez pela esposa, quando ela relatou o
significado do enigm a aos 30 jovens; depois, foi
traído por D ali la três vezes. Q uantos cristãos hoje
têm ouvido a Palavra de Deus? Eles são desperta­
dos até pelas situações da vida e, mesmo assim,
não dão o devido valor às advertências do Senhor.
Deus permite que vo cê enxergue o perigo para que
depois não diga que não sabia de nada. Sansão
foi ignorante demais, e há muitos cristãos assim:
pecam porque querem.
Q u an d o formos confrontados em relação aos
nossos erros, deverem os abandoná-los. Se não o
fizermos, nossa tendência será piorar cada vez
mais. O cam inho do pecado é para baixo e não tem
fim! Então, não entregue a sua força ao inimigo.
Preserve o poder de Deus em sua vida. Seja santo
com o Ele é santo (1 Pedro 1.16). Busque-o de todo
o coração e seja responsável e frutífero na igreja
onde Ele o colocou.
N o capítulo seguinte, veremos com o nos livrar
de uma vez por todas do pecado.
Capítulo 5
O fim do pecado

A quarta e última vitória incom um é vista,


percebida e sentida hoje. Ela é a garantia de que
vo cê superará a lim itação da matéria, a morte e o
inferno. O bserve 1 Coríntios 15.56a: o aguilhão
da m orte é o p ecad o . Assim, a sua última vitória
incom um é a vitória sobre o pecado.

Todos som os pecadores

A prim eira coisa que vo cê precisa saber, que­


rendo ou não, é que todo homem é pecador. Em
Rom anos 5.12 está escrito:

Pelo que, como por um homem entrou o pecado no


mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte
passou a todos os homens, por isso que todos pecaram.
Q U A T R O V IT Ó R IA S 1 N C O M U N S

O sofrim ento, a dor e a morte são provas


contundentes de que todo hom em é pecador. Essa
é uma verdade absoluta. Em Rom anos 3.23 lemos
que todos p ecaram e destituídos estão da glória
de D eus. Estar destituído da glória de Deus é estar
afastado dela. Então, todos nós somos pecadores
e precisam os desesperadam ente da re co n ciliaçã o
com o Senhor.
Contudo, existe outra verdade: Jesus venceu
o pecado. Hebreus 4.1 5 diz:

Porque não temos um sumo sacerdote que não


possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um
que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.

Jesus foi "d esafo rado ", no bom sentido da


palavra. Ele desafiou Seus inimigos: Q u em dentre
vós m e co n ven ce de p e ca d o ? (João 8.46). Cristo
mandou os fariseus mostrarem Seus defeitos e pe­
cados, e todos perm aneceram calados.
Satanás se esforçou para fazer Jesus pecar
no deserto, mas não conseguiu (M ateus 4.1-11).
O Filho de Deus tinha autoridade para m andar
o inim igo em bora: Vai-te, Satanás, p o rq u e está
escrito: A o Senhor , teu D eus , adorarás e só a ele
servirás (v. 10).
S IL A S M A L A P A I A

Vença o pecado!

Se querem os ver a glória do Senhor m an i­


festada em nossa vid a , precisam o s, prim eiro ,
livrar-nos de todo pecado, porque ele nos separa
de Deus:

Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para


que não possa salvar; nem o seu ouvido, agravado, para
não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem divisão
entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem
o seu rosto de vós, para que vos não ouça.
Isaías 59.1,2

Por que o pecado tem um efeito tão terrível


em nosso relacionam ento com o Senhor? A de­
sobediência à ordem de Deus no jardim do Éden
resultou na queda do homem (Gênesis 3). Ele então
se tornou um pecador, corrom pendo a sua própria
natureza (G ênesis 6.5; Rom anos 5.12,14,18,19;
1 Coríntios 15.21,22; 1 Tim óteo 6.5).
U m a co n se q u ên cia im ediata da queda foi
a separação entre o hom em e Deus (Salm o 5.4;
H ab acuq ue 1.13; Rom anos 8.7,8). Deus é santo,
portanto não pode tolerar o pecado. Neste sentido,
o pecado produziu um abism o entre o Deus santo
e o hom em decaído.

45
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M U N S

Assim com o ocorreu no passado (Jerem ias


5.25; Ezequiel 39.23), nos dias atuais o que afasta
o homem de Deus são as iniquidades. N ão é o
Senhor quem está longe. E o nosso pecado que
fere a santidade do Altíssimo e aparta-nos do nosso
Criador. Por isso, não temos com o nos livrar do
pecado sozinhos. Precisam os da ajuda de Deus
para isso. Só Ele, por causa do Seu am or e da
Sua m isericórdia (M iquéias 7.18), pode rem over
o castigo que resulta do pecado que com etem os.
Mas, para termos os nossos pecados rem ovidos
pelo Pai, é preciso haver em nós arrependim ento
e m udança de atitude.
O apóstolo Paulo viveu esse drama em sua
própria carne e o relatou em sua epístola aos R o ­
manos:

Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu


sou carnal, vendido sob o pecado. Porque o que faço,
não o aprovo, pois o que quero, isso não faço; mas o que
aborreço, isso faço. E, se faço o que não quero, consinto
com a lei, que é boa. De maneira que, agora, já não
sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim.
Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não
habita bem algum; e, com efeito, o querer está em mim,
mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem
que quero, mas o mal que não quero, esse faço. Ora, se

46
.SILAS M A L A F A IA

eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado


que habita em mim. Acho, então, esta lei em mim: que,
quando quero fazer o bem, o mal está comigo.
Romanos 7.14-21

M ed ian te tudo isso, devem os lembrar-nos de


que Jesus nos dá poder para vencer o pecado. Em
1 Jo ão 1.7— 2.2, consta o seguinte:

Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está,


temos comunhão uns com os outros, e o sangue de
Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado. Se
dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós
mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os
nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os
pecados e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos
que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra
não está em nós. Meus filhinhos, estas coisas vos escre­
vo para que não pequeis: e, se alguém pecar, temos um
Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo. E ele é
a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos
nossos, mas também pelos de todo o mundo.

Em Jesus vo cê pode ven cer o pecado. V eja


Rom anos 6.14: Porque o p e cad o não terá dom í­
nio sobre vós , pois não estais debaixo da le im a s
debaixo da graça. Rom anos 8.2 diz: Porque a lei

47
q u A -r r o v rró rias in c o m u n s

do Espírito de vida, em Cristo Jesus, m e livrou da


lei do p ecad o e da m orte. E em Rom anos 6.22,23
está escrito:

Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos


de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por
fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte,
mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo
Jesus, nosso Senhor.

Salvação só em Jesus

Pecador não justifica pecador (Isaías 64.6).


U m hom em não pode perdoar a outro homem
visando à salvação. Então, não há nada que vo cê
possa fazer para perdoar os seus pecados. V o cê
pode até dizer: "A h , pastor, subirei a escadaria
da Penha três vezes de joelhos". Isso apenas fará
com que esfole o joelho, e mais nada. "Então car­
regarei uma cruz entre o Rio e São Pa u lo ." Não
vai adiantar.
"Pastor, já está tudo encom endado para quan­
do eu morrer: missa de sete dias, de 30, de 60, de
70, de 90, de 180 dias e de um ano. As pessoas
pedirão para Deus 'quebrar o meu galho'. A cen d e­
rão mil velas para m im ." Isso será em vão, porque,
S IL A S M A L A F A 1A

conform e Hebreus 9.27, depois da morte segue-se


o juízo. E em Rom anos 14.12 consta que cada um
de nós dará conta de si m esm o a D eus, e que nesta
vida decidim os se querem os passar a eternidade
com Deus ou se preferimos passá-la no inferno.
Deus providenciou o único m eio eficaz para
a purificação total do homem (1 Jo ão 1.7; 3.5).
Mas, o que Ele requer de nós? Em prim eiro lugar,
arrependimento, isto é, tristeza pelo pecado co ­
metido: E disse-lhes Ped ro: Arrependei-vos, e cada
um de vós seja batizado em nom e de Jesus Cristo
para perd ão dos p ecad o s , e recebereis o dom do
Espírito Santo (Atos 2.38).
Em segundo lugar, co n fissã o - é preciso
confessar a culpa pelo pecado, adm itindo o erro;
contar a Deus as faltas com etidas e pedir perdão:

Se, com a tua boca, confessares ao Senhor Jesus e,


em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos,
serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça,
e com a boca se faz confissão para a salvação.
Romanos 10.9,10

Por fim, deixar o pecado - não continuar na


prática do erro. Note estes dois versículos: Bem-
-aventurado aq uele cuja transgressão é p e rd o ad a,
e cu jo p e cad o é co b erto (Salm o 32.1) e O que
Q U A T R O V IT Ó R IA S I N C O M U N S

encobre as suas transgressões nunca prosperará;


mas o que as confessa e deixa alcan çará m isericór­
dia (Provérbios 28.13).
Todo o passado pecam inoso é esquecido por
Deus quando o homem se arrepende e confessa
seus pecados, pedindo perdão. N o entanto, existem
situações que precisam ser acertadas, para que a
consciência não tenha do que nos acusar.
Devem os, então, sempre crucificar o nosso
velho hom em (Rom anos 6.6). Essa cru cificação
significa que a natureza antiga, o homem não rege­
nerado, morreu na cruz com Jesus (1 Pedro 2.24).
Fomos ressuscitados com Ele (Rom anos 6.8) para
viver em novidade de vida: Assim que , se alguém
está em Cristo , nova criatura é: as coisas velhas já
passaram ; eis que tudo se fez novo (2 Coríntios
5.17).
O pecado atua com uma força muito pode­
rosa. N o entanto, pela infinita graça de Deus em
Cristo Jesus, o hom em pode libertar-se de sua
influência. Portanto, é preciso crer no poder sal­
vador de Jesus. Essa fé na obra do Filho de Deus
proporciona ao pecador a segurança de habitar
eternamente no céu com o Senhor.
Leia, então, o últim o capítulo, para descobrir
o destino final que o Pai preparou para você.
Capítulo 6
Você foi feito para o céu

V o cê não foi feito para o inferno, mas sim para


o céu. Contudo, para desfrutar da vida eterna, é
im prescindível arrepender-se dos seus pecados.
V o cê precisa confessá-los e consertar a sua vida.
Precisa aceitar Cristo com o o seu Salvador e o be­
decer à Palavra de Deus.

Céu, lindo céu

Q u e diz a Bíb lia sobre o céu? O b serve as


palavras de Jesus:

Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não


fosse assim, eu vo-lo teria dito, pois vou preparar-vos
lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e
vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver,
estejais vós também.
João 14.2,3
Q I J AT RO V IT Ô R IA S IN C O M U N S

O conceito de céu está fora do alcan ce da


nossa lim itada com preensão. Esta verdade está
registrada em 1 Corfntios 2.9: M as, com o está
escrito: As coisas que o olho não viu , e o ouvid o
não o uviu , e não subiram ao co ração do hom em
são as que D eus prep arou para os que o am am .
N o céu, toda deficiência desaparecerá, com o
vem os em Isaías 35.5,6:

Então, os olhos dos cegos serão abertos, e os ouvi­


dos dos surdos se abrirão. Então, os coxos saltarão como
cervos, e a língua dos mudos cantará, porque águas
arrebentarão no deserto, e ribeiros, no ermo.

Lá, Deus viverá com o Seu povo e não haverá


mais morte, lamento ou dor. Atente para esta m a­
ravilhosa promessa:

E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui


o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles
habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará
com eles e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos
toda lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto,
nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são
passadas.
Apocalipse 21.3,4
S IL A S M A L A FA TA

Sim, há um lindo céu nos esperando. Ele é


real. G eralm ente ouvim os a frase "todos os c a ­
m inhos levam a D eus". Isso im plica que todas as
religiões têm a verdade, ou que toda a hum anida­
de terá o mesmo fim. Alguns cristãos até afirmam
que todos os homens receberão a salvação. M as
essa posição não está baseada na Bíblia. Passagens
com o M ateus 25.46, João 3.36, 2 Tessalonicenses
1.8,9 e várias outras ensinam claram ente que nem
todos serão salvos. Esse é, sem dúvida, um assunto
difícil, mas deve ser o fator de m otivação para todo
cristão com partilhar sua fé. Ser salvo ou não é uma
questão que diz respeito, sobretudo, à eternidade.
Talvez vo cê esteja perguntando-se: "C o m o
posso ter certeza de que irei para o cé u ?" Se ainda
não tem certeza de qual será o seu destino eterno,
esta é a pergunta mais importante da sua vida. Eu
o incentivo a pensar cuidadosam ente nisso.
Saiba que vo cê pode herdar a vida eterna por
intermédio de Jesus Cristo. Em A pocalipse 22.1 7,
João fez um último apelo: E o Espírito e a esposa
dizem : Vem ! E quem o uve diga: Vem ! E quem tem
sede venha; e quem quiser tom e de graça da água
da vida. A quem se dirige esse convite?
O convite é feito a quem ouve e está com sede.
Esta representa uma necessidade: o perdão para os
pecados. Portanto, você deve reconhecer que é um
Q U A T R O V IT Ó R IA S 1 N C O M U N S

pecador aos olhos de Deus: Porque todos pecaram e


destituídos estão da glória de Deus (Romanos 3.23).
Deus é santo, por isso não pode simplesmente ig­
norar o pecado do homem. Ele deve julgá-lo. Mas,
mediante Sua misericórdia, preparou um cam inho
pelo qual a hum anidade pode receber Seu perdão.
O perdão foi com prado por Jesus Cristo por
alto preço. Q uando Ele veio a terra, viveu uma vida
perfeita, morreu na cruz em nosso lugar, levando
sobre Si nossos pecados, e ressuscitou: Porque o
salário do p ecad o é a m orte , mas o dom gratuito
de D eus é a vida eterna, p o r Cristo Jesus, nosso
Senhor ("Romanos 6.23). Na B íblia também lemos:

Porque primeiramente vos entreguei o que também


recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo
as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao
terceiro dia, segundo as Escrituras.
1 Coríntios 15.3,4

Assim, só há uma maneira de obter a salvação


e a vida eterna que Jesus Cristo oferece. D evem os
in d ivid ualm en te confiar que a d ívid a paga por
Cristo por m eio da Sua morte na cruz e da Sua
ressurreição é o único m eio de receber o perdão
dos nossos pecados, o restabelecim ento de um
relacionam ento com Deus e a vida eterna:
54
Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e
isso não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras,
para que ninguém se glorie.
Efésios 2.8,9

Por isso, Jo ã o co n vid o u quem tem sede a


co m eçar um relacionam ento com Deus por meio
de Cristo.
V o cê está com sede? R econhece seu pecado
perante Deus? Se a sua resposta é sim, busque
Cristo. Se vo cê não adm itir sua necessidade de
salvação, desperdiçará a oportunidade de viver
para sempre no céu.

Breve Jesus voltará!

Em Filipenses 3.20, Paulo afirmou que a nossa


cid ad e está nos céus , donde tam bém esperam os o
Salvad o r, o Sen h or Jesus Cristo. Assim, a perspec­
tiva da vida eterna capacita-nos a ter esperança e
fé em Deus para vencerm os os problemas deste
mundo. Faz-nos entender que, na terra, todos so­
mos peregrinos e forasteiros (1 Pedro 2.11), pois
o céu é o nosso verdadeiro lar, onde Cristo está e
de onde nós o esperamos ansiosamente para nos
unir definitivam ente a Ele.
Q U A T R O V IT Ó R IA S I N C O M U N S

Todo cristão verdadeiro, cu jo co ração está


firm ado em Deus e em Suas promessas, terá forças
do alto para entrar na C anaã celestial pelas portas e
ver Jesus com o Ele é (1 João 3.2; Apocalipse 22.14).
Contudo, aquele cu jo coração ainda perm anece
acorrentado às riquezas e aos prazeres terrenos
sucumbirá. O b serve o texto de Lucas 21.34-36:

E olhai por vós, para que não aconteça que o vos­


so coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e
dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso
aquele dia. Porque virá como um laço sobre todos os que
habitam na face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo
o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de
evitar todas essas coisas que hão de acontecer e de estar
em pé diante do Filho do Homem.

Portanto, se vo cê já é cristão, eu o encorajo


a aprofundar seu relacionam ento com Deus. À
m edida que crescer, vai querer viver para Ele an ­
siando por Sua segunda vinda. V o cê vai continuar
a divulgar com alegria a mensagem do perdão
que recebeu. Enquanto vir o Senhor preparando o
cenário para os eventos do fim dos tempos, vo cê
deverá perm anecer m otivado a servi-lo ainda mais
até que Ele volte.
S IL A S M A LA í-A IA

£ eis que cedo venho, e o meu galardão está


comigo para dar a cada um segundo a sua obra. Eu
sou o A lfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, o Primeiro
e o Derradeiro. Bem-aventurados aqueles que lavam
as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que
tenham direito à árvore da vida e possam entrar na
cidade pelas portas.
Apocalipse 22.12-14

Segundo o que foi ensinado pelo Senhor Jesus


Cristo, devem os estar atentos à palavra dos profe­
tas. Essa atitude nos permitirá conhecer quão perto
se encontra o dia de Seu retorno:

Aprendei, pois, esta parábola da figueira: quan­


do já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas,
sabeis que está próximo o verão. Igualmente, quando
virdes todas essas coisas, sabei que ele está próximo,
às portas.
Mateus 24.32,33

Q u e coisas? H á aproxim adam ente dois mil


anos, os discípulos, preocupados com este mesmo
assunto, consultaram o Mestre, que lhes revelou
os acontecim entos futuros mais importantes. Esta
conversa está registrada em M ateus 24.3-8:

57
Q l / A T R O VI I ( I R I A S I N C O M U N S

E, estando assentado no monte das Oliveiras,


chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular,
dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas e que
sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? E Jesus,
respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos
engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu
sou o Cristo: e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras
e de rumores de guerras: olhai, não vos assusteis, porque
é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.
Porquanto se levantará nação contra nação, e reino
contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em
vários lugares. Mas todas essas coisas são o princípio
das dores.

Se v o c ê é d a q u e las pessoas q u e gostam


de estar em dia com as notícias, com certeza
enxerga nessa d e c la ra ç ã o de Jesus C risto uma
im pression ante d e sc riçã o do que está a c o n te ­
cen d o agora m esm o no m undo. Se co m p rar o
jo rn al de hoje, é m uito p ro váve l que v o c ê e n ­
co n tre in form ações a c e rca das últim as guerras
suscitadas no O rie n te M é d io e outras zonas de
co n flito .
Talvez leia também sobre os últimos rumores
de guerras anunciados por astrólogos lendários,
com o Nostradamus, ou outros videntes modernos.
Provavelm ente lerá sobre os milhares de mortos e

58
S1I.AS M A L A FALA

milhões de feridos deixados pelo terremoto mais


recente em algum lugar do planeta.
Receberá inform ações da últim a ep idem ia
coletiva nos países europeus e do novo vírus letal
criado por acidente em algum laboratório de pres­
tígio em m anipulação genética.
Tom ará consciência da desolação na Etiópia,
onde seus habitantes morrem por falta de alim en ­
tos. Lerá sobre a crise eco n ô m ica m undial e a
terrível taxa de desemprego que está fazendo com
que cada vez mais pessoas tenham fome, mesmo
nos países mais industrializados.
Enquanto esperamos por Jesus, com o devemos
viver? Segundo Tito 2.11 -14, devem os renunciar à
impiedade e às paixões m undanas e viver de forma
justa. Logo, sirva ao Senhor de todo o seu coração,
porque Ele voltará.

Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante


a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos
ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transforma­
dos. Porque convém que isto que é corruptível se revista
da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista
da imortalidade. E, quando isto que é corruptível se
revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se
revestir da imortalidade, então, cumprir-se-á a palavra
que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Onde
Q U A T R O V IT Ó R IA S IN C O M U N S

está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a


tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a
força do pecado é a lei. Mas graças a Deus, que nos
dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto,
meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre
abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso
trabalho não é vão no Senhor.
1 Coríntios 15.52-58

Então, creia: Jesus voltará em breve! O céu


espera por você.
ESDRAS DIGITAL

I Conheço outros produtos do Central Gospel, endereços


das lojos e horário de atendimento pelo nosso website:
Pedidos pelo telefone:

I www.editoracentralgospel.com ( 21) 2187-7000


Q uatro
.vitórias
incomuns
Viver implica enfrentar batalhas nas áreas
pessoal, familiar, profissional e espiritual; ven­
cer algumas, e perder outras. Ninguém deseja
perder coisa alguma. Contudo, às vezes, isso é
inevitável. Não adianta ser uma pessoa muito
inteligente, com boa formação e bem nascida,
nem ter uma grande fé, capaz de transportar
os montes. Em algum momento, você poderá
experimentar uma derrota em sua caminhada.
0 que fazer nesse momento? Como enxergar
além do presente, seguir em frente e transpor
os obstáculos que o impedem de desfrutar do
melhor que o Senhor tem para você?
Neste livro, o pastor Silas alude às limita­
ções humanas e dificuldades da vida e ensina
como tomar posse de quatro vitórias incomuns
que Deus tem para todo aquele que nele crê:
a vitória sobre as limitações da matéria, sobre
a morte, sobre o inferno e sobre o pecado. É
Silas M alafaia uma leitura indispensável para quem deseja
é psicólogo clínico, conferencista triunfar sobre as lutas e adversidades e alcan­
internacional e pastor evangélico. çar o que de melhor Deus tem para aqueles
que o amam e confiam nele.

E D ITO RA C E N T R A L G O S PE L
Estrada do Guerenguê, 1851
Taquara - Rio de Janeiro - R J
C E P : 22713-001
PEDIDOS: (21) 2187-7000
w ww .editoracentralgospel.com

ISBN 978.85.7689.245-8

9 788576 892458