Sunteți pe pagina 1din 22

EVANGELHOS

O que são os evangelhos?


“Os Evangelhos são os livros mais importantes do Novo Testamento. A ele
devemos quase que exclusivamente tudo que sabemos sobre Jesus Cristo,
sobre sua vida e ministério, sofrimento e morte”. (HORSTER, P. 8)
O termo euangelion significa no seu contexto original pagamento pela
transmissão de uma boa notícia ou notícia de vitória (...). No império
romano, o imperador era venerado como salvador e até como Deus. O
anúncio do seu nascimento e de sua subida ao trono era considerado
euangelion. (HORSTER, P. 9)

Evangelhos Sinóticos – Evangelhos com o mesmo ponto de vista


(mesma visão). Ex.: Mateus, Marcos e Lucas.
 Repetem muitos acontecimentos, concentrando-se nas curas,
exorcismos e ensinos de parábolas;
 Máximo de citações de Jesus;
 Tradição histórica;
 Fariseus e escribas, saduceus e sacerdotes;
Ministério de Jesus
Mateus, Marcos e Lucas estruturam o ministério de Jesus de acordo uma
sequência geográfica e seus acontecimentos;
João se concentra nas viagens de Jesus da Galiléia a Jerusalém.
Contradições
 Mateus é testemunha ocular, por isso seu escrito é autentico. Marcos
e Lucas não são testemunhas oculares, quem autenticou seus
escritos?
 Porque Marcos não oferece nenhuma genealogia de Jesus? Porque o
contexto romano não queria saber a origem de Jesus, mas o quanto
ele poderia oferecer ao seu povo.
A Bíblia apresenta:
4 Evangelhos
3 Sinópticos (Mateus, Marcos, Lucas) + João que está estruturado
diferente, e são organizados os sinais de Jesus em sete, e os outros marcam
de forma diferente.

Diferenças entre os Sinópticos e João:


 Na ordenação do material é diferente
 Na Escolha dos temas
 Na Apresentação dos adversários de Jesus
 Na forma da narrativa
 Na apresentação dos discursos de Jesus
 Na autodenominação de Jesus

O problema sinóptico (qual evangelho teria sido escrito primeiro?)


Teoria da fonte Q
 Marcos teria sido escrito primeiro
 Mateus e Lucas teriam se baseado em Marcos e também em uma
fonte “Q”

Evangelho segundo Marcos


 Retrata o tempo do ministério público de Jesus
 Começa com a apresentação de João Batista e o batismo de Jesus
 Termina com o relato da ressureição e os encontros com o Cristo
ressurreto.

Gênero literário:
A estrutura do Evangelho não leva em conta a sequência cronológica dos
fatos, pois a tradição sobre a vida de Jesus é organizada de acordo com três
pontos geográficos: Galileia caminho para Jerusalém e Jerusalém.
Autoria:
João Marcos, a partir dos relatos de Pedro provavelmente morreu como
mártir em 66. O Evangelho teria sido escrito antes, mas próximo disso.
Evangelho segundo Mateus
 Foi o que mais influenciou a história da igreja cristã.
 No século II já era conhecido em todo o cristianismo.
 Contém o Sermão do Monte, as parábolas sobre o Reino de Deus, as
orientações para a igreja e o discurso sobre o juízo final.

Gênero literário:
Mateus pressupõe que os leitores conheçam o contexto em que se passam
os fatos, Não há muitas explicações. Há algumas justificações que contem
em Marcos e em Mateus não porque estavam sendo escritos para Judeus e
eles sabiam dos seus próprios costumes.
Ênfase teológica:
Demonstrar que Jesus de Nazaré é o Messias prometido por Deus.
A árvore genealógica começa com Abraão, o homem com quem Deus
iniciou o povo de Israel. Não começa com Adão porque ele queria mostrar
que era descendente de Abraão, por isso não começou lá do começo.
Tensão entre particularismo e universalidade.

Autor:
Está em todas as listas de apóstolos (Mateus 10.3; Marcos 3:18; Lucas
6:15; Atos 1:13).
Data da Escrita:
É possível que o registro feito por Mateus das palavras de Jesus tenha
acontecido bem cedo, talvez até durante o ministério de Jesus na Palestina,
Possivelmente tenha sido escrito próximo a 66.
(*) resposta a teoria que teria sido escrito depois de 70, depois de Marcos e
após a destruição do templo. Ver Horster p.38

Evangelho segundo Lucas


 Começa com um prólogo.
 Jesus dá atenção especial aos pecadores e marginalizados, vemos
Jesus com as pessoas comuns, endemoninhados, prostitutas...
 Forma uma unidade, escrito em conjunto com o livro de Atos.
 Já havia outra coisa falando do mesmo assunto já haviam sido
escritos antes.
Gênero literário:
É o mais extenso no texto grego, escrito em grego mesmo e nenhuma outra
língua.
Além de amém, não há nenhuma palavra proveniente de hebraico.
Apresenta pessoas e suas histórias de vida: Zacarias, Israel, Maria, Marta,
Zaqueu, etc.
Foi feito uma pesquisa para se escrever esse evangelho, só não sabemos
como o autor fez a pesquisa.
Contexto histórico:
Lucas não foi testemunha ocular, mas baseou seu relato naqueles que
testemunharam (os apóstolos).
Colossenses 4:14 é citado que Lucas andava com Paulo e que era médico.
Ênfase teológica:
Jesus é o Senhor.
Destaca o amor de Jesus pelos marginalizados da sociedade.
Destaca a atitude crítica de Jesus com relação as riquezas (Horster, p. 44)

Evangelho segundo João


 Só destaca alguns atos de Jesus.
 A ênfase está nos discursos de reflexão.
 Não pertence aos sinóticos, e tem suas narrativas longas baseadas nas
curas e viagens;
 Testemunha ocular;
 Ponto de vista da Páscoa;
 Judeus;

Ênfase teológica:
Em algumas vezes preservou expressões hebraicas no texto grego.
Não foi escrito para pessoas com pressa, mas para quem procura algo para
meditar profundamente.
Apresenta 4 ênfases.
Ensino sobre Jesus (Jesus é o Filho de Deus).
Ensino sobre a salvação ( A universalidade da salvação, a morte
substitutiva de Jesus, o chamado à fé).
Ensino sobre a igreja.
Ensino sobre as ultimas coisas.

Questão hermenêutica
Método histórico-gramatical VS método histórico-crítico.
Procedência de Mateus ou Marcos?
- opinião David Black
O Gabriel disse para não ficarmos seguindo o que os críticos ficam
dizendo, talvez tenham decaído na fé.
Crítica de fontes
Crítica da forma
quer afirmar que igreja cristã primitiva não somente transmitiu os relatos
das palavras e dos atos de Jesus, mas também moldou e mudou a tradição
para se adequar as suas necessidades e perspectiva, que estavam em
constante transformação. Ela até criava novas palavras e atos de Jesus e a
ocasião que agisse.
Crítica da redação
O foco principal é a teologia dos evangelistas.
Os críticos de redação, em sua maioria, não defendem os pontos de vida
tradicionais em relação a autoria dos livros bíblicos...
É legítimo investir esforços para descobrir as ênfases teológicas dos
autores evangelhos, mas isso precisa ser feito sem questionar a
exatidão histórica daquilo registram. (Gundry, P. 258).
Erros que as pessoas cometem quando criticam as Escrituras
1- Assumir o que não foi explicado seja inexplicável.
2- Presumir que a Bíblia é culpada, até que se prove o contrário.
3- Confundir nossas falíveis interpretações com a infalível revelação de
Deus.
4- Falhar na compreensão do contexto...
ESTÁ NO LIVRO - Manual Popular de dúvidas, enigmas e contradições –
Geisler.
A questão da Genealogia em Mateus e Lucas
Diferença de número e de nomes.
Quanto ao número, filho pode significar neto, ou descendente. Isso
explicaria porque não fecha as gerações. Também tem a questão do número
7 que é o número da perfeição, e 14 é 2 x 7 ou seja, duas vezes perfeito.
Quanto aos nomes, podem ser duas linhagens diferentes, uma que leva a
Maria (Lucas) e outra até José (Mateus).

Seção 1
O propósito de Lucas em escrever o evangelho
Lucas 1.1-4

Lucas escreve que ele mesmo investigou tudo cuidadosamente com


detalhes, para que Teófilo, soubesse dos ensinamentos de Cristo.
Obs.: Teófilo (Teo - Deus; Filo - Gostar).
Seção 2
O prólogo de João: Jesus Cristo, a Palavra preexistente
encarnada
João 1.1-18

João escreve com certo dualismo (trevas x luz).


Usa o verbo grego egeneto: a criação, a vinda do precursor, a encarnação
de Cristo e a crucificação de Cristo.
O verbo carne nesse texto significa o corpo de Cristo que foi crucificado.
Seção 3
A linhagem de Jesus
Mateus 1.1-17

Linhagem leal por meio de José.


Destaca-se Tamar (a nora que engravidou), Raabe (prostituta), Betseba
(mulher com quem Davi adulterou).
A genealogia de Jesus é cheia de pessoas imerecedoras de sua graça, mas
Deus demonstra sua misericórdia e muda a vida dessas pessoas.
Lucas 3.23b-38

Linhagem natural por meio de Maria.


Lucas começa a genealogia após Jesus sair do anonimato, quando ele
começa a se tornar mais público no povo.
Seção 4
O nascimento de João anunciado a Zacarias
Lucas 1.5-25

Zacarias estava em serviço e o anjo Gabriel apareceu a ele e disse que sua
oração foi ouvida, e que sua mulher Isabel ficaria grávida e daria a um filho
que se chamaria João Batista. Zacarias não acreditou e por isso ficou mudo
até o nascimento de seu filho
Com a idosa e estéril Isabel, mulher de Zacarias, termina a antiga a
Aliança com Abraão, e os sacrifícios de animais para purificar os pecados.
Seção 5
O nascimento de Jesus anunciado
Lucas 1.26-38

No sexto mês da gestação de Isabel, o anjo Gabriel apareceu a Maria e lhe


falou que ela foi agraciada por Deus com um filho. Ela questionou o anjo,
mas aceitou e acreditou nas palavras do anjo.
Maria aprendeu que Deus pode fazer o impossível na vida de quem se
dispõe em Suas mãos.
Por meio da jovem e virgem Maria, Deus começa uma nova Aliança com o
nascimento de Jesus Cristo, e seu sacrifício para salvar a humanidade.
Seção 6
A visita de Maria a Isabel e o cântico de Isabel
Lucas 1.39-45

Uma teoria pra visita de Maria a Isabel, é que sua família a abandonou.
O bebê que estava na barriga de Isabel se agitou de alegria ao saber que
Jesus iria nascer.
Maria esteve com sua tia e se alegrou com ela.
Seção 7
O cântico de júbilo de Maria
Lucas 1.46-56

Maria engradece ao Senhor com um cântico de exaltação porque Jesus


Cristo nasceu, reconhece a grandiosidade do Senhor e cita grandes feitos
que Deus realizou.
Ela ficou com Isabel 3 meses se alegrando com o nascimento de Cristo.
Seção 8
O nascimento de João
Lucas 1.57-66

Depois que João nasceu, ele foi circuncidado e Zacarias escreveu numa
tabuinha o nome do seu filho se chamou João, e assim voltou a falar.
Todos viram a misericórdia de Deus e se maravilharam com seu
nascimento.
Seção 8b
O cântico profético de Zacarias
Lucas 1.67-79

Zacarias, que estava mudo e voltou a falar, ficou cheio do Espírito Santo e
exaltou a Deus por que estava se cumprindo todas profecias.
Seção 8c
O crescimento de João e seus primeiros anos de vida
Lucas 1.80

João cresceu e se fortaleceu em espírito e viveu no deserto para acontecer


uma descentralização espiritual, fora da religiosidade tradicional da época,
fugindo de Jerusalém e falando do amor de Deus no deserto.
Seção 9
As circunstâncias do nascimento de Jesus são explicadas a José
Mateus 1.18-25

Por meio de um sonho, um anjo apareceu a José e deu a notícia que sua
noiva Maria estava grávida e daria a luz a Jesus Cristo. E José não teve
ralações sexuais até o nascimento de Jesus.
Seção 10
O nascimento de Jesus
Lucas 2.1-7

Na época em que Jesus iria nascer César Augusto decretou um ordenado de


recenseamento, e José foi se alistar junto com Maria que estava grávida.
Maria deu à luz a Jesus Cristo em uma estrebaria, porque não havia lugar
para eles repousar. E assim se cumpriu as profecias.
Seção 11
Louvor dos anjos e testemunho dos pastores
Lucas 2.8-20

Os pastores, que eram rejeitados pela sociedade, receberam a notícia que


Jesus nasceu e foram visita-lo, levando os mais preciosos presentes que
poderiam oferecer. E anjos exaltavam o nascimento do Salvador.
Seção 12
A circuncisão de Jesus
Lucas 2.21

Ao oitavo dia foi lhe posto o nome de Jesus e o menino foi circuncidado.
Seção 13
Jesus é apresentado no templo com louvor de Simeão e Ana
Lucas 2.22-38

Jesus é apresentado ao templo de Jerusalém conforme a Lei de Moisés, e


Simeão e Ana reconhecem que era o próprio Salvador que estava sendo
apresentado a Deus como sacrifício pelo perdão dos pecados de toda
humanidade.
Simeão diz a Maria que uma espada atravessará sua alma (Lc 2.35). Isso
significa a dor e desespero que ela vai ter com a morte de seu único filho e
Salvador de sua vida.
Seção 14
A visita dos magos
Mateus 2.1-12

Miquéias 5:2. Não se sabe quantos seriam os magos e na Bíblia não diz que
eles são reis, como as vezes é retratado.
Mateus 8:2; 14:33; 28:9. Três exemplos de pessoas que se aproximaram de
Jesus e o adoraram, e também os magos que o adoraram. Nenhuma dessas
vezes Jesus disse que não poderia adorá-lo. Mas Pedro, não aceitou, nem em
Apocalipse quando João quer adorar o anjo. Porém Jesus não repreendeu
ninguém por adorarem ele. A adoração é somente dada a Deus, então não se
pode adorar nem pessoas, nem santos. E Jesus não repreendeu, então
podemos adorá-lo. Adoração somente a Deus e Cristo que é Deus.
Os presentes eram três, ouro, ligado com o rei, o incenso ligado com o
profeta, a mirra, relacionado com o ofício do profeta, mas isso não é o
significado. Tem vários significados que interpretam, mas os presentes o que
é certo, é que foram dados porque eram coisas valiosas.

Seção 15
Fuga para o Egito e matança dos meninos de Belém
Mateus 2.13-18

O rei Herodes procurava matar Jesus, então um anjo do Senhor apareceu para
José em sonho e lhe disse para fugirem para o Egito. Então se cumpriram as
profecias que Jesus seria chamado do Egito, e haveria muita lamentação em
Belém e nas proximidades.
Seção 16
Retorno à Nazaré
Mateus 2.19-23
Depois que Herodes morreu, um anjo apareceu a José em sonho e pediu para
que voltassem a sua terra, mas José ficou com medo, porque seu filho estava
reinando, então foram morar na cidade de Nazaré.

Seção 17
Crescimento e primeiros anos da vida de Jesus
Lucas 2.40

Jesus crescia e se fortalecia, se enchendo de sabedoria, e superabundando a


graça de Deus.
Seção 18
A primeira Páscoa de Jesus em Jerusalém
Lucas 2.41-50

Deus se agradava de Jesus. Deus se agradava com seu filho. Lucas 1:80;
Lucas 2:49, primeiras palavras de Jesus que foi registrada nas escrituras
quando ele era mais novo. Deixa claro sua consciência de que era Filho de
Deus.
Seção 19
O crescimento de Jesus até a fase adulta
Lucas 2.51,51

Jesus ia crescendo em sabedoria, estatura e graça, era o único relato de Jesus


dos 12 até os 32.

PARTE QUATRO
O ministério de João Batista
Sessão 20
O início do seu ministério
Marcos 1.1 ~ Lucas 3.1,2

Ao determinar a data do ministério de João, Lucas arrola cinco líderes


políticos e dois líderes religiosos
Seção 21
A sua pessoa, proclamação e batismo
Mateus 3.1-6 ~ Marcos 1.2-6 ~Lucas 3.3-6

Isaías 40:3 Cristo é o Deus encarnado se relaciona com o Deus Javé.


A missão de João era comparável a missão de um mensageiro oriental que
ia à frente do seu monarca para anunciar a vinda do rei e a necessidade de
os cidadãos prepararem o caminho para sua chegada. Para receber o Reino
que lhes fora prometido pelos profetas do AT, o povo de Israel precisava se
arrepender.
Seção 22
A sua mensagem aos fariseus, saduceus, multidões, cobradores
de impostos e soldados
Mateus 3.7-10 ~Lucas 3.7-14

Marcos não escreveria o que está escrito em Mateus nesse texto, pois o
enfoque de Mateus é que o povo estava se firmando que era de Abraão e os
Judeus eram firmes que eram filhos de Abraão mesmo que todo errado.
Seção 23
A sua descrição do Cristo
Mateus 3.11,12 ~Marcos 1.7,8 ~Lucas 3.15-18

Sobre toda carne quer dizer = todos os povos, vai além do povo de Israel.
Ao contrastar com o batismo de Cristo com o Espírito Santo e o seu próprio
batismo com água, João tinha em mente a vida prometida do Espírito Santo
de acordo com profecias a esse respeito.

PARTE CINCO
O final do ministério de João e o início do ministério público de
Jesus
Seção 24
Jesus é batizado por João
Mateus 3.13-17 ~Marcos 1.9-11 ~Lucas 3.21-23a
Isaías 42:1, também usa a mesma expressão que é ouvido para Jesus
quando Deus fala que se alegra em Jesus. Por que Jesus teria que ser
batizado? Ao ser batizado ele estava se identificando com as pessoas,
apesar de não ter pecado. Talvez mostrando o exemplo. Interessante
observar que em Lucas 23, está escrito que ele tem 30 anos e com se sabe
que ele teve três anos de ministérios, se vê pelas pascoas que eles passaram
por três e na terceira Jesus foi ressuscitado.
Seção 25
A tentação de Jesus no deserto
Mateus 4.1.11 ~Marcos ~Lucas 4.1-13

Mateus 4:1-1, Alguns autores defendem que a mais provável é em


sequência é em Mateus, por umas palavras que fala depois...
Como alguém consegue ficar sem comer 40 dias e nem beber, se trata de
um milagre, ele morreria se fosse uma pessoa normal, mas estava nessa
posição porque o espírito de Deus estava com ele. Teve Moisés também
que ficou por 40 dias sem comer nem beber, e depois novamente Êxodo
34:28. Porém ele estava na presença de Deus, ninguém morre na presença
de Deus de fome. É um milagre.
Quando fala deserto, não significa deserto do Saara, significa que é um
lugar inabitado mas não necessariamente que fosse que nem aqueles de
areia.
Jesus vem como o novo Adão, mas no confronto de Adão com Satanás e
ele cai, mas Cristo é posto em tentação por Satanás, mas não cai em
tentação. E Jesus usa a Palavra de Deus para responder, não usa suas
próprias palavras, somente as da Bíblia.
Diabo não está presente no antigo testamento. Mas significa acusador.
Satanás está presente no antigo testamento. Adversário.
Jesus foi tentado, sentiu a sensação da tentação. Isso não quer dizer que
tenha sofrido todas as tentações de todo mundo, mas a toda tentação tem a
mesma raiz.
Enquanto Cristo está no comando Satanás perdeu seu poder, ele apareceu
para tentar e depois na morte de Cristo, como se fosse uma mini vitória,
mas que ele realmente não venceu, porque foi Jesus quem venceu e venceu
por nós. Até momento oportuno quer dizer até a crucificação.
Está tudo debaixo do poder de Cristo, se a igreja está firmada em Jesus, ela
não tem como perder.
Seção 26
O testemunho de João a respeito de si mesmo aos sacerdotes e
levitas
João 1.19-28

Seção 27
O testemunho de João a respeito de Jesus como o Filho de Deus
João 1.29-34

João só ficou sabendo quem era Jesus depois da visão.


Seção 28
Os primeiros seguidores de Jesus
João 1.35-51

Seção 29
O primeiro milagre de Jesus: a água é transformada em vinho
João 2.1-11

Seção 30
A primeira estada de Jesus em Cafarnaum com os seus parentes
e os primeiros discípulos
João 2.12

Seção 31
A primeira purificação do templo da Páscoa
João 2.13-22
Esse relato da entender de que isso aconteceu duas vezes, no primeiro ano
do ministério dele e novamente no seu terceiro ano também, é uma
possibilidade.
Seção 32a
As primeiras reações aos milagres de Jesus
João 2.23-25

Seção 32b
A conversa de Nicodemos com Jesus
João 3.1.21

Nascer de novo é se converter. Quando Jesus diz o vento sopra onde quer
tem como tradução de que o Espírito sopra onde quer, por causa da
tradução... Nascer de novo não é algo visível, mas se vê o resultado, é algo
que mesmo que não seja visto é percebido.
Nicodemos aparece de novo depois no relato do túmulo de Jesus,
possivelmente ele o tenha acompanhado apesar de parecer ali na dúvida.
Seção 33
João é substituído por Jesus
João 3.22-36

João não estava se preparando e sabe o que ia acontecer.


Seção 34
Jesus deixa a Judéia
João 4.1-4
Lucas 3.19,20
Mateus 4.12 ~Marcos 1.14a ~Lucas 4.14a

As diversas viagens evangelísticas de Jesus, foram resumidas nos


sinópticos em uma única viagem, a última.
Seção 35a
Conversa com uma mulher samaritana
João 4.5-26
Jesus pede para que a mulher samaritana coloque sua casa em ordem, se
arrependa, e siga a Jesus, a água viva.
Seção 35b
Desafio para uma colheita espiritual
João 4.27-38

Os discípulos ficaram surpresos porque Jesus estaca conversando com uma


mulher samaritana, que era desprezada em todos os sentidos pela sociedade
da época. Porém, através do arrependimento dela e sua proclamação para o
povo, muitos vieram a conhecer Jesus, e assim seus discípulos puderam
fazer uma grande colheita naquele povo.
É interessante notar que Jesus sempre olha para necessidade maior, ele
expressa que sua comida é fazer a vontade de Deus e concluir sua obra, que
era a colheita, onde os campos estavam maduros para colheita e seus
discípulos só tinham que usufruir e colher.
Seção 35c
Evangelização de Sicar
João 4.39-42

Por meio do testemunho da mulher samaritana muitos foram ao encontro de


Jesus e seus discípulos e por isso muitos creram em Cristo, o Salvador do
mundo, de tal forma que insistiram para que ficassem mais 2 dias fazendo
uma grande colheita.
O registro da salvação dos samaritanos é a forma de Jesus mostrar que a
salvação é para todos, não importando a raça.
Seção 36
Chegada à Galiléia
João 4.43-45

Na viagem de Judéia a Galiléia Jesus não se achegou a sua cidade natal,


porque sabia que era ignorado e não o vinham com autoridade lá.
Quando Jesus chegou a Galiléia ele se deparou com grande aconchego,
aonde o povo o recepcionou com grande expectativa porque já haviam
ouvido suas palavras e visto seus milagres.
PARTE SEIS
O ministério de Cristo na Galiléia
Seção 37
A natureza do ministério na Galiléia
Mateus 4.17 ~Marcos 1.14b.15 ~Lucas 4.14b,15

Jesus cita mais 36 vezes que é chegado o Reino de Deus, e isso vem à tona
com seu filho Jesus Cristo, que morreu pra salvar os pecadores e voltará
para buscar aquele que continuo fiel até o fim.

Seção 38
Uma criança em Cafarnaum é curada por Jesus enquanto ele
estava em Caná
João 4.46-54

Mateus, Marcos e Lucas dedicam muito tempo ao período passado na


Galiléia. Os estágios iniciais foram marcados pela popularidade crescente,
que atingiu o seu pico provavelmente em torno da época do Sermão do
Monte. Percebe-se, também, a oposição crescente, começando com as
controvérsias acerca do sábado com os líderes judeus. Isso culminou na
primeira rejeição pública de Jesus por parte dos líderes. Nesse ponto, perto
do final do período, Jesus iniciou seu ministério de ensino as parábolas,
para que pudesse revelar a verdade aos que tinham o coração receptivo e a
escondesse dos que não eram receptivos.
Seção 39
Ministério e rejeição em Nazaré
Lucas 4.16-31a

No versículo 16 Jesus afirma que Nazaré já não é mais sua casa. Tinha sido
seu habito de infância frequentar os eventos religiosos na sinagoga daquela
cidade. Porém, quando Jesus falou que sua palavra estava se cumprindo e
que seria rejeitado em sua cidade, todos ficaram furiosos com ele e o
levaram até o pico da cidade para mata-lo, mas Jesus passou por entre eles
e retirou-se.
Nenhum profeta é aceito em sua própria terra. A ideia de que o pastor não
pode ser da própria igreja, não deve ser tomado como regra, porque a
Bíblia diz que líderes são levantados da mesma igreja. Porém deve ser
exemplar. Seria melhor que exercesse em sua própria terra, que seja vista
sua autoridade. Então a passagem que diz isso, é por que as pessoas da sua
terra não estavam dispostos pra ouvir a mensagem de Jesus.
Seção 40
Mudança para Cafarnaum
Mateus 4.13-16

Cafarnaum se tornou a nova casa de Jesus depois de sua rejeição em


Nazaré. Jesus pregou muitos sermões na sinagoga e muitos creram, sendo
um deles o famoso sermão de Jesus sobre o pão da vida.
Seção 41
O chamado dos quatro
Mateus 4.18-22 ~Marcos 1.16-20 ~Lucas 5.1-11

Os primeiros discípulos foram Simão Pedro, André, Tiago e João.


Jesus mostra através da grande pesca que eles obtiveram, o seu grande
poder divino de ter controle sobre todas as coisas, e assim, os convida a
pescarem homens, sendo eles a rede, ou seja, seus discípulos.

~>ATÉ AQUI O CONTEÚDO DA PROVA!

Seção 42
O ensino na sinagoga de Cafarnaum é validado pela cura de um
endemoninhado
Marcos 1.21-28 ~Lucas 4.31b-37

Jesus não podia aceitar a adoração dos demônios, porque se fizesse isso
perderia a autoridade sobre os demônios. Então Cristo simplesmente
expulsou aqueles demônios e o curou.
Nós as vezes achamos que somos tão santos, e tentamos nos afastar do
mundo.
Seção 43
A sogra de Pedro e outros são curados
Mateus 8.14-17 ~Marcos 1.29-34 ~Lucas 4.39-41

Mateus deixa claro que Jesus é Rei, Marcos fala que ele é servo e Lucas
fala que ele era o Messias.
Seção 44
A jornada pela Galiléia com Simão e outros
Mateus 4.23-25 ~Marcos 1.35-39 ~Lucas 4.42-44

O ensino de Jesus nas sinagogas era validado pelas suas curas e expulsões
de demônios.

RELATO DAS PRIMEIRAS 24 HORAS DO MINISTÉRIO DE JESUS


 Marcos 1.21: Culto na sinagoga - Judeus.
 Marcos 1.29: Casa de Pedro - Discípulos.
 Marcos 1.32: Rua de noite - Povo.
 Marcos 1.35: Raiar do Sol - Deserto (tentador).
 Marcos 1.38: Fim da manhã.
Seção 45
A purificação de um leproso seguida de muita publicidade
Mateus 8.2-4 ~Marcos 1;40-45 ~Lucas 5.12-16

Jesus pede que o leproso conte ao sacerdote sua purificação, porque


naquele tempo o sacerdote que dizia quando um leproso estava puro, e
assim, o povo saber que a cura do leproso foi por intermédio de Cristo.
Seção 46
Perdão e cura de um paralítico
Mateus 9.1-8 ~Marcos 2.1-12 ~Lucas 5.17-26

Jesus realiza esse milagre para mostrar sua autoridade e seu poder para
curar e purificar as pessoas. Então a partir de agora quem declara as
pessoas puras e impuras era Jesus, ou seja, o trabalho do sacerdote de
perdoar os pecados não era mais necessário, porque a partir dali Jesus
perdoava seus pecados e os purificava.
Seção 47a
O chamado de Mateus
Mateus 9.9 ~Marcos 2.12,14 ~Lucas 5.27,28

Os publicanos eram muito odiados porque cobravam os impostos e


levavam ao império romano e exploravam o povo. Dentre um desses
publicanos Jesus escolhe Mateus para ser seu discípulo.
Seção 47b
O banquete na casa de Mateus
Mateus 9.10-13 ~Marcos 2.15-17 ~Lucas 5.29-32

O jantar aconteceu na casa de Mateus (Levi), e muitos criticavam por Jesus


estar jantando com muitos publicanos.
Seção 48
Jesus defende os seus discípulos com três parábolas por eles
estarem festejando em vez de jejuar
Mateus 9.14-17 ~ Marcos 2.28-22 ~Lucas 5. 33-39

Jesus fala que os seus discípulos devem festejar por estar com ele (noivo), e
jejuar depois que ele não estiver mais com eles.
O novo ensino de Jesus significa o vinho novo, e os novos recipientes
significam novas almas para aceitarem sua Palavra.

As Controvérsias do sábado de retiradas


Seção 49a
Jesus cura um paralítico no sábado
João 5.1-9

Este milagre da cura do paralítico delimita toda narrativa Joanina porque


marca o conflito contra os judeus, por causa que este milagre aconteceu
num sábado.
O texto que fala que as águas se agitavam quando os anjos desciam e
curava as pessoas, pode ser um mito popular da época, porém o paralítico
creu que Jesus tinha o poder para curar.
João 5:1-8: Essa passagem traz o relato da cura no sábado, o anjo do
versículo 4 não está em todos os manuscritos, algumas das cópias não tem,
talvez tenha sido escrito para explicar como era crido naquela época que
um anjo poderia aparecer e tocar nas águas.
Os fariseus ficaram bravos porque carregaram a maca no sábado.
Trabalhamos e descansamos um, pode ser adequado a qualquer dia do
nosso dia a dia. Porque no sábado vão para a igreja, mas se Deus está em
descansando nesse dia pra que ir à igreja? Jesus diz que seu Pai está
trabalhando e ele também.
Hoje nós estamos trabalhando, mas um dia vamos descansar na entrada do
céu. Mas um dia da semana descansar em um dia, deixar do trabalho
secular e dedicar-se a Deus. Os fariseus se tornavam escravos do sábado e
não faziam como algo que fosse bom para eles. Quando formos para o céu,
teremos lá o descanso eterno, não quer dizer que não vamos fazer nada,
mas que não precisaremos trabalhar para o sustento. A ideia é que todos
guardem um dia juntos, por isso não se diz cada um guarde o dia que quer.
Todo ciclo do povo era em torno do sábado.
Diria pra alguém que está em conflito, a salvação é pela graça você não vai
ser salvo porque cumpre esse mandamento.
Deus fez o dia do descanso para o homem e não que o homem viva em
função do sábado.
A igreja adotou o domingo porque foi no domingo que Jesus ressuscitou e
o verdadeiro descanso se tem em Cristo. Não é dia para lazer, mas para
dedicar-se a Deus.
Seção 49b
Esforços para matar Jesus por violar o sábado e dizer que era
iguala Deus
João 5.10-18

O homem não estava assim por causa de pecado. Toda doença não é
consequência de um ato de pecado. Mas também não se deve descartar,
porque é capaz de Deus permitir que aconteça porque Deus quer
disciplinar. Mas tem que ter cuidado porque a nossa posição nunca deve ser
de julgar. Só Deus conhece o coração das pessoas.
O Não tomar a ceia porque está em pecado, há diferença entre aquele que
peca, reconhece e pede perdão, pronto toma a ceia. Mas é dito para aqueles
que estão deliberadamente pecando e com o coração endurecido, não
arrependido, mas se se arrepender pode participar da ceia e relembrar o
sacrifício de Jesus.
Seção 49c
Discurso demonstrando a igualdade do Filho como Pai
João 5.19-47

O primeiro testemunho diz: Se vocês não creem mim, porque não


acreditam naquele que me enviou? Jesus fala que os judeus acreditam nas
escrituras, então deveriam crer que Ele era o Filho de Deus.