Sunteți pe pagina 1din 31

Proteínas de Fase

aguda
Proteínas de
Fase Aguda
(PFAs)
Proteínas de
Fase Aguda
(PFAs)
Proteínas de
Fase Aguda
(PFAs)
 Visam o retorno da homeostase.
Proteínas de  Ativam complemento
Fase aguda
(PFAs)  Visam reduzir danos teciduais
 Inespecíficas.
FIBRINOGÊNIO
 proteína abundante no plasma
 papel fundamental na hemostasia
 provável papel no reparo tecidual e
na cicatrização.
 Mede a extensão da queda das hemácias
em uma coluna num dado intervalo de
tempo.
 Aumentada em estados inflamatórios e
neoplasias.
 Afere indiretamente proteínas de fase
aguda, sendo o fibrinogênio o mais
VHS importante.
 Sua concentração eleva-se lentamente,
frente a um dado estímulo inflamatórioo, e
possui meia vida longa, persistindo
elevado por vários dias.
 Pode estar elevada no início da inflamação
e permanecer por vários dias após sua
resolução.
VHS

 LIMITAÇÕES: Inespecífico e sofre muitas


interferências por processos não
inflamatórios
 É o biomarcador mais estudado.
 Ação anti e pró inflamatórias.
 Promove a interação entre imunidades
humoral e celular.
PROTEÍNA C  Liga ao componente do sistema
REATIVA complemento C1q e à porção Fc de
imunoglobulinas
(PCR)
 Sua função é ligar-se a patógenos e células
lesadas e/ou apoptótica e iniciar sua
eliminação por meio da ativação do sistema
complemento e de fagócitos
 Atua como opsonina atraindo fagócitos
 Promove a limpeza de células apoptóticas
sem ocasionar lise celular, minimizando a
liberação de mediadores que aumentariam
PROTEÍNA C a reação inflamatória.
REATIVA
 Na artrite reumatoide (AR), o
(PCR) complemento é ativado pela PCR,
especialmente naqueles com maior
atividade de doença
.
 Marcador sensível de inflamação
 Avalia resposta rápida
 Medida direta.
PROTEÍNA C  Aumenta também a extensão do
REATIVA processo inflamatório ou
(PCR) atividade clínica, principalmente
em infecções bacterianas
 Reações de hipersensibilidade,
isquemia e necrose.
 Participa ativamente do processo
inflamatório.
 Tem correlação com o complemento e
proteína C reativa.
 Induzida por IL-1, o TNF-α e a IL-6.
 marcador mais sensível da inflamação
PROTEÍNA aguda e correlaciona-se bem com
SÉRICA atividade clínica em AR
AMILOIDE A  sua produção pode desempenhar papel
relevante na progressão da AR,
principalmente pela indução de enzimas
que degradam a matriz extracelular
α-1-
• Proteína de fase aguda muito
glicoproteína
utilizada no controle da cardite
ácida
reumática.
• Mantém níveis elevados até que se
cesse o processo de cardite.
• Útil para determinar o tempo de
corticoterapia e o momento do início
da retirada gradual do corticoide.
Figura 1. Modificações típicas nas proteínas de fase aguda após estímulo inflamatório
 Antiestreptolisina O
 Anticorpo direcionado contra
componentes celulares do estreptococo.
 Importante para o diagnóstico de febre
reumática (FR), mas a determinação
isolada do ASLO, desprovida da clínica de
ASLO FR, indica apenas contato com esta
bactéria.
 Não se obtêm níveis séricos indetectáveis
com a profilaxia secundária para FR.
 A curva sérica do ASLO varia entre
pacientes.
 Níveis séricos normais
 Até 5 anos: 330 UI
 Acima de 5 anos: 500 UI
 Anticorpo IgM contra porção Fc da IgG
humana.
◦ Doenças inflamatórias crônicas > agudas
◦ Infecciosas
Fator ◦ Neoplasias
reumatoide ◦ Doenças Linfoproliferativas
◦ Crioglobulinemias
◦ Idade
.
 Na Artrite Reumatóide (AR)
 Estabelecida: 70%
 Precoce: 50%

 Doença agressiva e extra-articular


Fator  Título importa para o prognóstico
Reumatóide
 Não é marcador de atividade
 Permeabilidade Vascular, quimiotaxia, lise
celular, imunocomplexos, clareamento e
opsonização
 CH50 (Complemento Total)
◦ Integridade via clássica
 C3 e C4
Complemento ◦ [ ]s caem com consumo (LES, Endocardite,
GN pós-estreptococcica...)
◦ [ ]s sobem em inflamação
◦ Marcador (modesto) de atividade em LES
◦ Deficiência genética de C1-4: propensão
para doenças por imuno-complexos
◦ C4<<<C3: suspeitar crioglobulinas
Anticorpos direcionados a várias
proteínas/peptídeos contendo resíduos de
arginina modificados (citrulinas),
potencializando o sítio de ligação aos
anticorpos.
AC Anti-
Peptídeos
Citrulinados
(Anti-CCP)
• Sensibilidade
• AR precoce: ~ 58% - 70%
• AR Estabelecida: ~ 59% - 77%
AC Anti-
Peptídeos • Especificidade
Citrulinados • ~ 88% - 96%
(Anti-CCP) • Prognóstico
• Melhor preditor de doença erosiva
que FR
 proteína mais abundante no plasma,
aproximando-se de 60% da
concentração total de proteínas

 Sintetizada exclusivamente pelo fígado.


Albumina
 Suas funções compreendem transporte
de diferentes substâncias e manutenção
da pressão oncótica plasmática
Doenças inflamatórias – agudas e crônicas – são
as maiores causas de queda da concentração
plasmática de albumina. Dentre os fatores que
predispõem à queda, estão hemodiluição,
aumento da permeabilidade vascular levando à
Albumina perda extravascular, aumento do consumo
celular local e menor síntese, decorrente de
inibição por citocinas
❑Doença Inflamatória Crônica, Caracterizada
por inflamação das articulações, erosões
progressivas e destruição da cartilagem.

❑Doença Sistêmica De Caráter Autoimune Mais


Frequente, Afetando Cerca De 1% Da
Artrite População.
Reumatoide
❑Os dois mais importantes sistemas de auto-
anticorpos descritos para o diagnóstico
laboratorial da AR são:
❑ Fator Reumatóide (Fr) e
❑Anticorpos Anti-peptídeos Cíclicos Citrulinados
(Anti-cpp).
❑PROTEÍNA C REATIVA – PCR
Artrite ❑VHS
Reumatoide ❑FR
❑AUTO ANTICORPOS ANTI-CCP
 VHS reflete a atividade de
algumas semanas (elevação e declínio lentos)
 PCR reflete mudanças de curto prazo e sofre menos
interferentes → mais sensível para mudanças na
atividade de doença. Níveis elevados desde o início
representam pior prognóstico.
 FR: Na Artrite Reumatóide (AR)
Artrite  Estabelecida: 70%
Reumatoide  Precoce: 50%
 Os anticorpos anti-CPP, além de serem altamente
específicos para o diagnóstico laboratorial da AR,
também tem a vantagem de aparecer precocemente
durante a evolução da doença.
❑Infecção de orofaringe
❑Estreptococo beta-hemolítico do
grupo A (Lancefield)
FEBRE ❑3 a 4% das crianças não tratadas
REUMÁTICA
❑30% das cirurgias cardíacas no país
FEBRE
REUMÁTICA
Cardite Glomerulonefrite
 ESTREPTOCOCCIA ANTERIOR
 Cultura de orofaringe: positiva em
apenas 25% dos casos
FEBRE  ASLO: elevado em 80-90%
REUMÁTICA
 HEMOGRAMA: leucocitose
 Anemia normocítica/ normocrômica
 O nível de PCR correlaciona-se ao
número de articulações
acometidas, à temperatura
articular e ao valor da VHS.
Gota
 Os níveis retornam ao normal
com o tratamento ou o término
da infamação.