Sunteți pe pagina 1din 19

Redenção Particular

C. H. Spurgeon
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

Traduzido do original em Inglês


Particular Redemption (Limited Atonement) — Sermon Nº 181
New Park Street Pulpit — Volume 4
By C. H. Spurgeon

Via: SpurgeonGems.org
Adaptado a partir de The C. H. Spurgeon Collection, Version 1.0, Ages Software.

Tradução por Camila Rebeca Teixeira


Revisão e Capa por William Teixeira

1ª Edição: Janeiro de 2017

Salvo indicação em contrário, as citações bíblicas usadas nesta tradução são da versão Almeida
Corrigida Fiel | ACF • Copyright © 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.

Traduzido e publicado em Português pelo website oEstandarteDeCristo.com, com permissão de


Emmett O’Donnell em nome de SpurgeonGems.org, sob a licença Creative Commons Attribution-
NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato,
desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que também não altere o seu conteúdo
nem o utilize para quaisquer fins comerciais.

OEstandarteDeCristo.com 2
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

Redenção Particular
(Sermão Nº 181)

Um sermão pregado na manhã de Sabath, 28 de fevereiro de 1858.


Por C. H. Spurgeon, no Music Hall, Royal Surrey Gardens.

“Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir,
e para dar a sua vida em resgate de muitos.” (Mateus 20:28)

Quando pela primeira vez foi meu dever ocupar este púlpito e pregar neste salão, minha
congregação assumiu a aparência de uma massa irregular de pessoas vindas de todas as
ruas desta cidade para ouvir a Palavra. Eu era, na ocasião, simplesmente um evangelista
pregando a muitos que não tinham ouvido o Evangelho antes. Pela graça de Deus, uma
mudança mui abençoada ocorreu e agora em vez de ter um grupo irregular reunido, minha
congregação é tão constante quanto a de qualquer ministro em toda a cidade de Londres!
Posso, a partir deste púlpito, observar os rostos dos meus amigos que ocuparam os mesmos
lugares, tanto quanto possível, nestes muitos meses. E eu tenho o privilégio e o prazer de
saber que uma proporção muito grande, certamente, três quartos das pessoas que se
reúnem aqui não são pessoas que se veem aqui devido à curiosidade, mas são meus
ouvintes regulares e constantes. E observo que as minhas características também mudaram!
Antes eu era um evangelista, mas o meu ofício agora é ser o vosso pastor. Vocês uma vez
foram um grupo heterogêneo reunido para me ouvir, mas agora somos unidos pelos laços
do amor. Pela associação, temos crescido em amor e respeito uns para com os outros e
agora vocês se tornaram as ovelhas do meu pasto e os membros do meu rebanho. E eu
tenho agora o privilégio de assumir a posição de um pastor neste lugar, bem como na capela
onde eu trabalho à noite. Eu penso que é razoável para o julgamento de todas as pessoas
que, assim como a congregação e o ministro passaram por mudanças, o próprio ensino deve,
em alguma medida, ter sofrido alguma diferença.

Tem sido o meu desejo falar-lhes das verdades simples do Evangelho. Muito raramente,
neste lugar, eu tenho tentado adentrar às coisas profundas de Deus. Um texto que eu pensei
ser adequado para minha congregação para a noite, eu não faria disso assunto de discussão
neste lugar na parte da manhã. Há muitas doutrinas altas e misteriosas, com que muitas
vezes tenho tido a oportunidade de lidar em particular, as quais eu não tomei a liberdade de
falar com vocês como uma reunião de pessoas que casualmente se reuniam para ouvir a
Palavra. Mas agora, uma vez que as circunstâncias foram mudaram, o ensino também será
mudado. Não vou agora simplesmente limitar-me à doutrina da fé ou ao ensino do Batismo
de crentes. Eu não me deterei sobre questões superficiais, mas devo ousar, à medida que

OEstandarteDeCristo.com 3
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

Deus me guiar, a introduzir aquilo que está na base da religião, que nós afirmamos com tanto
amor. Não me envergonharei de pregar diante de vocês a doutrina da soberania Divina. Eu
não titubearei em pregar a doutrina da eleição da maneira mais irrestrita e aberta. Não terei
medo de anunciar a grande verdade da perseverança final dos santos. Eu não reterei aquela
verdade inquestionável das Escrituras, a saber, o chamado eficaz dos eleitos de Deus.
Tentarei, conforme Deus me ajudar, não omitir nada de vocês que se tornaram o meu
rebanho. Visto que muitos de vocês agora “provaram que o Senhor é bom”, vamos nos
esforçar para expor todo o sistema das Doutrinas da Graça, para que os santos sejam
edificados e cresçam em sua santíssima fé!

Começo esta manhã com a doutrina da redenção. “Veio... para dar a sua vida em resgate de
muitos”. A doutrina da redenção é uma das doutrinas mais importantes do sistema da fé. Um
erro nesse ponto conduzirá inevitavelmente a um erro por todo o sistema de nossa crença!
Agora, você está ciente de que existem diferentes teorias da redenção. Todos os Cristãos
sustentam que Cristo morreu para redimir, mas nem todos os Cristãos ensinam a mesma
redenção! Somos diferentes quanto à natureza da expiação e quanto à concepção da
redenção. Por exemplo, o Arminiano afirma que Cristo, quando morreu, não morreu com a
intenção de salvar qualquer pessoa em particular. Os Arminianos ensinam também que a
morte de Cristo não significa, por si só, a garantia inquestionável da salvação de qualquer
homem vivo. Eles acreditam que Cristo morreu para tornar possível a salvação de todos os
homens, ou que, por fazer alguma coisa, qualquer homem que quiser pode alcançar a vida
eterna!

Consequentemente, eles são obrigados a afirmar que se a vontade do homem não ceder e
voluntariamente entregar-se à graça Divina, então a expiação de Cristo seria inútil! Eles
afirmam que não havia nenhuma particularidade e especialidade na morte de Cristo.
Segundo eles, Cristo morreu tanto por Judas no Inferno quanto para Pedro que subiu ao
Céu! Eles acreditam que para aqueles que são lançados ao fogo eterno, houve tão
verdadeira e real redenção consumada, quanto para aqueles que agora estão diante do trono
do Altíssimo! Ora, nós não cremos em tal coisa! Nós afirmamos que Cristo, quando morreu,
tinha um objetivo em vista e que esse objetivo será cumprido mui seguramente e sem sombra
de dúvida! Medimos o desígnio da morte de Cristo pelo efeito da mesma. Se alguém nos
perguntar: “O que Cristo designou fazer por meio de Sua morte?”, nós respondemos fazendo-
lhe outra pergunta: “O que Cristo fez, ou o que Cristo fará por meio de Sua morte?”. Nós
declaramos que a medida do efeito do amor de Cristo é a medida do Seu propósito! Não
podemos assim contrariar a nossa razão ao pensar que a intenção do Deus Todo-Poderoso
poderia ser frustrada ou que o propósito de algo tão grande quanto a expiação poderia, de
algum modo, falhar. Nós afirmamos — não temos medo de dizer no que cremos — que Cristo
veio a este mundo com a intenção de salvar “uma multidão, a qual ninguém podia contar”

OEstandarteDeCristo.com 4
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

[Apocalipse 7:9]. E acreditamos que, como resultado disso, que cada pessoa por quem Ele
morreu deve, sem sombra de dúvida, ser purificada do pecado e permanecer lavado em Seu
sangue diante do trono do Pai. Nós não cremos que Cristo fez qualquer expiação eficaz por
aqueles que estão condenados para sempre! Não nos atrevemos a pensar que o sangue de
Cristo foi derramado com a intenção de salvar aqueles a quem Deus previu que nunca seriam
salvos, e alguns dos quais já estavam no Inferno quando Cristo, segundo o relato de alguns
homens, morreu para salvá-los!

Tenho, portanto, apenas declarado a nossa teoria da redenção e pontuado as diferenças que
existem entre duas grandes partes na Igreja professa. Agora, o meu esforço será mostrar a
grandeza da redenção de Cristo Jesus. E ao fazê-lo, espero ser habilitado pelo Espírito de
Deus para anunciar todo o grande sistema da redenção, de modo que seja compreendido
por todos nós, mesmo se todos nós não pudermos aceitá-lo. Vocês devem ter isso em mente,
que alguns de vocês, talvez, podem estar prontos para disputar sobre as coisas que eu
afirmo. Mas vocês serão lembrados que isso não é nada para mim. Em todos os momentos
ensinarei as coisas que eu afirmo serem verdadeiras, sem considerar quaisquer oposições
das reações humanas! Vocês têm a liberdade de fazer o mesmo em seus próprios lugares e
pregar aquilo que creem em suas próprias assembleias, como eu reivindico o direito de
pregar na minha, plenamente e sem hesitação!

Cristo Jesus “deu a sua vida em resgate de muitos”. E por esse resgate Ele operou para nós
uma grande redenção. Eu devo me esforçar para mostrar a grandeza desta redenção,
medindo-a em cinco maneiras. Observaremos a sua grandeza, em primeiro lugar, a partir da
hediondez da nossa própria culpa, da qual Ele nos libertou. Em segundo lugar, medirei a Sua
redenção pela severidade da justiça Divina. Em terceiro lugar, devo mensurá-la pelo preço
que Ele pagou: as dores que Ele sofreu. Depois, vamos procurar ampliar isto, observando a
libertação que Ele realmente consumou. E vamos concluir observando o grande número
daqueles por quem esta redenção foi feita, que em nosso texto são descritos como “muitos”.

I. Primeiro, então, veremos que a redenção de Cristo não foi pouca coisa, se nós apenas a
medirmos, em primeiro lugar, pelos nossos próprios pecados. Meus irmãos e irmãs, olhem
por momento para a caverna do poço de onde foram cortados e para a rocha de onde foram
tirados. Vocês que foram lavados, purificados e santificados, façam uma pausa por um
momento e olhem para trás, para o antigo estado da sua ignorância. Pense nos pecados que
cometiam, nos crimes para os quais vocês se apressavam, na rebelião contínua contra Deus,
na qual era o seu hábito de vida. Um pecado pode arruinar uma alma para sempre. Não está
no poder da mente humana compreender o infinito do mal que dorme no coração de um

OEstandarteDeCristo.com 5
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

único pecado! Há uma infinidade de culpa oculta na transgressão contra a majestade do Céu.
Se, então, vocês e eu tivéssemos pecado apenas uma vez, nada além de uma infinitamente
valiosa expiação poderia ter lavado o pecado e feito satisfação por ele! Mas, vocês e eu
pecamos uma vez? Não, meus irmãos e irmãs, as nossas iniquidades são mais numerosas
do que os cabelos da nossa cabeça! Elas têm poderosamente prevalecido contra nós! Nós
também podemos tentar contar as areias da praia, ou contar as gotas que formam o oceano,
tanto quanto contar as transgressões que marcaram as nossas vidas! Voltemos à nossa
infância. Quão cedo começamos a pecar! Como nós desobedecemos nossos pais e mesmo
assim aprendemos a fazer da nossa boca a casa das mentiras! Na nossa infância, quão
cheios de lascívia e desobediência estávamos! Obstinada e insensatamente preferíamos o
nosso próprio caminho e nos irritávamos contra todas as restrições que os nossos pais
piedosos nos impunham. Nem a nossa juventude nos tornou sóbrios. Descontroladamente
muitos de nós mergulhamos na dança do pecado! Nós nos tornamos mestres na iniquidade.
Nós não só pecamos, mas nós ensinamos os outros a pecar. E quanto à sua maturidade,
vocês que entraram no auge da vida, podem ser mais sóbrios exteriormente, podem estar
um pouco livres da dissipação de sua juventude, mas quão pouco os homens têm se tornado
melhores! A menos que a soberana graça de Deus tenha nos regenerado, não estamos
melhores agora do que estávamos quando começamos. E mesmo que ela tenha operado,
ainda assim, temos pecados dos quais nos arrepender, pois todos nós colocamos nossas
bocas no pó, lançamos cinzas sobre a nossa cabeça e clamamos: “imundo! imundo!”.

E oh, vocês que estão cansados, que têm se inclinado sobre os seus bordões e suportado a
idade avançada; os pecados não continuam apegados às suas vestes? As suas vidas estão
tão alvas quanto os cabelos brancos que coroam suas cabeças? Vocês não sentem ainda
que a transgressão suja as orlas de seus mantos e estraga a sua pureza? Quantas vezes
agora vocês se jogam na lama, de modo que mesmo as suas roupas vos abominam! Voltem
os seus olhos para os sessenta, setenta, oitentas anos durante os quais Deus tem poupado
suas vidas, vocês por um momento podem pensar que é possível que possam numerar as
suas incontáveis transgressões ou calcular o peso dos crimes que vocês cometeram? Oh,
estrelas do céu! O astrônomo pode medir a sua distância e dizer sua altura; mas oh, vós,
pecados da humanidade, vós superais todos os pensamentos! Oh, vós, altas montanhas! A
casa da tormenta, o berço da tempestade! O homem pode subir os seus cumes e ficar
admirado com a sua neve; mas vós, montes do pecado, vossa altura é mais alta do que os
nossos pensamentos podem alcançar! Vós, abismos de transgressões, vós sois mais
profundos do que nossa imaginação se atreve a adentrar. Vocês me acusam de difamar a
natureza humana? É porque vocês não a conhecem! Se Deus já houvesse desvelado os
seus corações para vocês, seriam testemunhas de que tão longe de exagerar, minhas pobres
palavras não conseguem descrever a desesperança de nosso mal! Oh, se pudéssemos,
cada um de nós, olhar para os nossos corações hoje, se nossos olhos fossem transformados

OEstandarteDeCristo.com 6
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

de modo a ver a iniquidade, que está gravada como com ponta de diamante em nossos
corações de pedra; estariam, então, dizendo ao ministro que embora ele possa representar
a desesperança da culpa, ainda assim ele não consegue por qualquer meio superá-la! Quão
grande, então, amados, devia ser o resgate de Cristo quando Ele nos salvou de todos esses
pecados? Os homens por quem Jesus morreu, por maior que sejam seus pecados, quando
eles creem, são santificados de todas as suas transgressões! Embora eles possam ter
cometido todos os vícios e toda concupiscência que Satanás poderia sugerir e que a
natureza humana poderia realizar, ainda assim, uma vez que creem, pela graça de Deus,
toda a sua culpa é lavada! Anos após anos podem tê-los revestido com as trevas, até que o
seu pecado ter se tornado duplamente maligno, mas no momento em que ele crê, um
momento triunfante da confiança em Cristo, a grande redenção tira a culpa de muitos anos!
Não, mais! Se fosse possível que todos os pecados que os homens cometeram em
pensamento, palavra ou ação desde que os mundos foram criados ou o tempo começou
estivessem sobre uma miserável cabeça, a grande redenção é toda-suficiente para remover
todos esses pecados e lavar o pecador de modo que se torne mais alvo que a neve!

Oh, quem medirá as alturas da toda-suficiência do Salvador? Em primeiro lugar, diga quão
grande é o pecado e, em seguida, lembre-se que, como o dilúvio de Noé prevaleceu sobre
os cumes dos montes da terra, assim o fluxo da redenção de Cristo prevalece sobre os topos
das montanhas de nossos pecados! Nos tribunais do Céu há homens hoje que antes eram
assassinos, ladrões, bêbados, adúlteros, blasfemos e perseguidores! Mas eles foram
lavados, eles foram santificados! Pergunte-lhes de onde o brilho de suas vestes veio e de
onde obtiveram a sua pureza e eles, em uma só voz, dirão a você que eles lavaram as suas
vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro! Oh, vocês, consciências pesadas! Ó
queridos cansados e sobrecarregados! Ó vocês que estão gemendo por causa do pecado!
A grande redenção agora proclamada a vocês é toda-suficiente para as suas necessidades!
E apesar de seus numerosos pecados excederem as estrelas do céu, aqui há uma expiação
por todos eles, um rio que pode transbordar todos eles e levá-los para longe de você para
sempre!

Esta, então, é a primeira mensuração da expiação: a grandeza de nossa culpa.

II. Agora, em segundo lugar, temos que medir a grande redenção pela severidade da justiça
Divina. “Deus é Amor”, sempre amoroso, mas a minha próxima proposição, afinal, não
interfere nesta afirmação: Deus é severamente justo, inflexivelmente severo em Seus lidares
com a humanidade! O Deus da Bíblia não é o Deus da imaginação de alguns homens que
dão tão pouco peso à malignidade do pecado como se Deus lidasse com o pecado sem

OEstandarteDeCristo.com 7
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

exigir qualquer punição por ele. Deus não é o que os homens imaginam, como se as nossas
transgressões fossem coisas tão pequenas, tais meros pecadinhos que o Deus do Céu é
leniente para com eles que os deixa impunes! Não. Senhor, o Deus de Israel declarou sobre
isso: “O Senhor vosso Deus é um Deus zeloso”. É a Sua própria declaração: “Eu não terei
culpado por inocento” [Êxodo 34:7]. “A alma que pecar, essa morrerá” [Ezequiel 18:4].
Aprendam, meus amigos, a olhar para Deus como sendo tão severo em Sua justiça, como
se Ele não fosse amoroso, e ainda assim, tão amoroso como se Ele não fosse severo! Seu
amor não diminui Sua justiça, nem a Sua justiça, mesmo em mínimo grau, contradiz o Seu
amor. As duas coisas estão docemente unidas na expiação de Cristo.

Entretanto, observem, nunca podemos compreender a plenitude da expiação até que


tenhamos primeiro nos apegado à verdade bíblica da imensa justiça de Deus. Nunca houve
uma palavra mal falada, nem um pensamento mal concebido, nem uma má ação feita, pelo
qual Deus não punirá uma ou outra pessoa. Ele terá a satisfação de você ou então de Cristo!
Se você não tem nenhuma expiação para apresentar, por meio de Cristo, você deve para
sempre pagar a dívida que você nunca poderá pagar, em miséria eterna; pois, tão certo
quanto Deus é Deus, Ele antes perderá a Sua Divindade a permitir que um pecado fique
impune, ou uma partícula de rebelião não seja vindicada! Você pode dizer que este caráter
de Deus é frio, rígido e severo. Eu não posso ajudar quanto ao que você diz sobre isso. No
entanto, é verdade. Tal é o Deus da Bíblia! E embora nós repetimos, é verdade que Ele é
amor, não é mais verdade que Ele é amor do que Ele é cheio de justiça, pois, cada coisa boa
reúne-se em Deus e é levada à perfeição; enquanto o amor chega a consumar a beleza, a
justiça chega à severidade da inflexibilidade nEle. Ele não tem nenhuma tortuosidade, nada
a consertar em seu caráter. Nenhum atributo de algum modo predomina de forma a lançar
sombra sobre o outro. O amor tem o seu pleno domínio e a justiça não tem limite mais estreito
do que o Seu amor. Oh, então, amados, quão grande deve ter sido a substituição de Cristo
quando Ele satisfez a Deus por todos os pecados de Seu povo! Deus exige a punição eterna
pelo pecado do homem. E Deus preparou um Inferno no qual Ele lança os que morrem
impenitentes.

Oh, meus irmãos e irmãs, vocês podem pensar qual deve ter sido a grandeza da expiação
que foi a substituição para toda essa agonia que Deus teria lançado sobre nós se Ele não a
tivesse derramado sobre Cristo? Vejam! Vejam! Olhem com solenidade para das sombras
que nos separam do mundo dos espíritos e vejam aquela casa de miséria que os homens
chamam de Inferno! Vocês não podem suportar o espetáculo! Lembrem-se que naquele lugar
há espíritos pagando para sempre a sua dívida para com a justiça Divina, mas que alguns
deles estão lá há seis mil anos sufocados nas chamas, eles não estão mais perto de quitar
a sua dívida do que quando começaram! E quando dez mil vezes dez mil anos tiverem
passado, eles não terão feito mais satisfação a Deus por sua culpa do que fizeram até agora!

OEstandarteDeCristo.com 8
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

E agora, vocês podem compreender o pensamento da grandeza da mediação do seu


Salvador quando Ele pagou a sua dívida e a pagou toda de uma única vez, de modo que
agora não há um centavo de dívida do povo de Cristo para com o seu Deus, a não ser uma
dívida de amor? Para a justiça o crente não deve nada! Embora ele devia originalmente tanto
que a eternidade não seria suficiente para quitar o pagamento da mesma, ainda assim, em
um momento Cristo pagou tudo! O homem que crê é inteiramente santificado de toda culpa
e liberto de toda punição através do que Jesus fez! Pensem, então, em quão grande é a Sua
expiação, posto que Ele fez tudo isso!

Devo apenas fazer uma pausa aqui e proferir outra frase. Há momentos em que Deus o
Espírito Santo mostra aos homens a severidade da justiça em sua própria consciência. Há
um homem aqui hoje que acaba de ter seu coração partido com um senso de pecado. Uma
vez era um homem livre, um libertino, escravo de ninguém. Mas agora a seta do Senhor
penetra firmemente em seu coração e ele veio sob uma escravidão pior do que a do Egito!
Eu o vejo hoje, ele me diz que a sua culpa o persegue em toda parte. O escravo, guiado pela
estrela polar, pode escapar das crueldades de seu mestre e chegar a outra terra onde ele
pode ser livre, mas este homem sente que se ele vagasse pelo mundo inteiro, ele não
conseguiria escapar da culpa. Ele que tem estado preso por muitas correntes e não
consegue encontrar uma chave que possa desprendê-lo e libertá-lo! Este homem diz que ele
tentou orações, lágrimas e boas obras, mas não é possível tirar as algemas dos pulsos. Ele
ainda se sente como um pecador perdido, e a alforria parece-lhe impossível, não importando
o que ele venha a fazer! O preso na masmorra é, às vezes, livre em pensamento, embora
não no corpo. Através das paredes da masmorra, seu espírito salta e voa para as estrelas,
livre como a águia que de ninguém é escrava. Mas este homem é um escravo em seus
pensamentos, ele não consegue ter um pensamento luminoso, feliz!

Sua alma está abatida dentro dele. Seu espírito está acorrentado e ele está extremamente
aflito. O preso, às vezes, se esquece de sua prisão durante o sono, mas esse homem não
consegue dormir. À noite ele sonha com o Inferno; durante o dia, ele parece senti-lo. Ele
carrega uma fornalha ardente dentro de seu coração e faça o que quiser, ele não consegue
apagá-la. Ele foi confirmado, ele foi batizado, ele toma o sacramento, frequenta uma igreja
ou uma capela. Ele considera todas as leituras e obedece a toda regra, mas o fogo ainda
queima. Ele dá dinheiro aos pobres; ele está pronto para entregar o seu corpo para ser
queimado. Ele alimenta o faminto, ele visita os doentes, ele veste o despido, mas o fogo
ainda queima; faça o que quiser, ele não consegue apagá-lo! Ó, você filho do cansaço e
lamento! Isso que você sente é a justiça de Deus severamente perseguindo-te; e feliz será
você quem sente isso; por agora é a você que eu prego este Evangelho da glória do Deus
bendito! Você é o homem por quem Jesus Cristo morreu! Para você Ele satisfez a inflexível
justiça. E agora tudo o que você tem que fazer para obter a paz e a consciência é apenas

OEstandarteDeCristo.com 9
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

dizer ao seu adversário que lhe persegue: “Olhe aqui! Cristo morreu por mim! Minhas boas
obras não poderiam fazer você parar; nem minhas lágrimas poderiam apaziguar-te. Olhe
aqui! Lá está a Cruz! Ali esteve o Deus sangrando! Ouça a Seu brado ao morrer! Veja-O
espirar! Agora você não está satisfeita?”. E quando você fizer isso, você terá a paz de Deus
que excede todo o entendimento, a qual guardará o seu coração e seu pensamento por meio
de Jesus Cristo seu Senhor, e então, você conhecerá a grandeza de Sua expiação!

III. Em terceiro lugar, podemos medir a grandeza da redenção de Cristo, pelo preço que Ele
pagou. É impossível para nós sabermos o quão grande foram as dores do nosso Salvador,
mas ainda algum vislumbre destas dores nos renderá uma pequena ideia da grandeza do
preço que Ele pagou por nós. Ó Jesus, quem descreverá a Tua agonia?

“Venham, todas as fontes


Estejam em minha cabeça e olhos. Venham, nuvens e chuva!
Minha dor tem necessidade de todas as águas
Que a criação produziu. Que cada veia
Extraia um rio para abastecer meus olhos,
Meus cansados e lacrimejantes olhos, muito secos para mim,
A menos que obtenha novos fluxos, novas fontes
Para jorrá-las a partir de e em conformidade à minha condição.”

Ó Jesus! Tu foste um sofredor desde o Teu nascimento, um homem de dores e sofredor! Os


Teus sofrimentos vieram sobre Ti como em uma chuva perpétua até a última temível hora
de escuridão. Depois, não em uma chuva, mas em uma nuvem, uma torrente, uma catarata
de tristeza Tuas agonias caíram sobre Ti. Veja-O além! É uma noite de geada e frio, mas Ele
está ao relento. Anoiteceu. Ele não dorme, Ele está em oração. Ouça os Seus gemidos! Ou
se algum homem lutou como Ele luta? Vá e olhe o Seu rosto! Já houve tal sofrimento em um
semblante mortal, como o que você contempla? Ouça as Suas próprias palavras? “A minha
alma está cheia de tristeza até a morte” [Mateus 26:38]. Ele se levanta. Ele é tomado por
traidores e é preso. Vamos ao lugar onde agora Ele estava envolvido em agonia. Ó Deus! O
que é isto que vemos? O que é esta mancha no chão? É sangue! De onde veio? Ele tinha
alguma ferida que escorria por causa de Sua terrível luta? Ah, não. “O seu suor tornou-se
como grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão” [Lucas 22:44]. Oh, agonias, que
ultrapassam a palavra pela qual nós as nomeamos! Oh, sofrimentos, que não podem ser
pronunciados pela linguagem! O que é isso que assim conseguiu atingir a estrutura bendita
do Salvador e fez que com todo o Seu corpo suasse sangue?

OEstandarteDeCristo.com 10
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

Este é o início, o começo da tragédia. Siga-o com tristeza, você Igreja entristecida, para
testemunhar a consumação da mesma. Ele é arrastado pelas ruas. Ele está primeiramente
em um tribunal, depois em outro. Ele é lançado perante o Sinédrio e condenado. Ele é
ridicularizado por Herodes, Ele é julgado por Pilatos. Sua sentença é pronunciada: “Crucifica-
o!”. E agora a tragédia vem ao seu clímax. Suas costas são feridas. Ele é amarrado à
pequena coluna romana. O azorrague sangrento provoca sulcos em Suas costas. Suas
costas estão avermelhadas pelo escorrer do sangue, um manto carmesim O proclama
imperador da miséria! Ele é levado para a sala da guarda. Seus olhos estão cobertos, em
seguida, eles Lhe batem na face e dizem: “Profetiza, quem é que te feriu?” [Lucas 22:64].
Eles cospem em Seu rosto. Eles fazem uma coroa de espinhos e colocam-na com força
sobre Suas frontes. Eles colocam sobre Ele uma capa cor de púrpura.

Eles se inclinam e zombam dEle. Ele permanece em silêncio. Ele não responde a uma
palavra. “Quando o injuriavam, não injuriava”, mas entregava-se Àqueles que Ele veio servir.
E agora eles O levam com muito escárnio e zombaria, e O conduzem deste lugar e O
arrastam pelas ruas. Emagrecido pelo jejum contínuo e deprimido com agonia de espírito,
Ele tropeça sob a Sua cruz. Filhas de Jerusalém! Ele desmaia em suas ruas! Eles O
levantam. Eles colocaram a Sua cruz sobre outros ombros e O apressam, talvez, com
varapaus, até que finalmente, Ele chega ao monte da desgraça. Os rudes soldados O
prendem e ferem nas costas. O madeiro transversal é colocado debaixo dEle, Seus braços
são esticados para alcançar a distância necessária. Os pregos são cravados. Quatro
martelos em um momento introduzem quatro pregos nas partes mais sensíveis de Seu corpo!
E ali jaz sobre o Seu próprio local de execução, morrendo na Sua cruz. Ainda não acabou.
A cruz é erguida pelos rudes soldados. Há um encaixe preparado para isso. A cruz é fixada
no lugar, o qual eles enchem com terra. E ali ela permanece.

Mas, olhem para os membros do Salvador, como eles tremem! Cada osso ficou fora da junta
quando a cruz foi erguida! Como Ele brada! Como Ele suspira! Como Ele soluça! Não só
isso; ouça como, finalmente, Ele grita em agonia: “Deus Meu Deus, Deus Meu, por que me
desamparaste?”. Ó sol, não admira que tu tenhas fechado os teus olhos para não mais
comtemplar um ato tão cruel! Ó rochas!, não admira que vós tenhais vos fendido e rasgado
os vossos corações com compaixão quando teu Criador morreu! Nenhum homem sofreu
como este! Mesmo a própria morte cedeu e muitos daqueles que estavam em seus túmulos
se levantaram e entraram na cidade. Este, contudo, é apenas o exterior. Confiem em mim,
irmãos e irmãs, o interior era muito pior. O que o nosso Salvador sofreu em Seu corpo não
foi nada comparado com o que Ele suportou em Sua alma! Você não pode imaginar e eu não
posso ajudá-lo a cogitar o que Ele suportou interiormente. Suponham por um momento —
para repetir uma frase que muitas vezes tenho usado — suponhamos que um homem foi ao
Inferno, suponhamos que o seu tormento eterno fosse condensado em uma hora? E, então,

OEstandarteDeCristo.com 11
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

suponham que isso fosse multiplicado pelo número dos salvos, que é um número além de
toda quantificação humana, e agora vocês podem pensar que grande condensação de
miséria haveria nos sofrimentos de todo o povo de Deus se fossem punidos por toda a
eternidade?

E lembrem-se que Cristo teve que sofrer algo equivalente a todos os Infernos de todos os
Seus redimidos! Eu nunca posso expressar esse pensamento melhor do que usando essas
palavras muitas vezes repetidas: parecia que o Inferno havia sido colocado em Seu cálice,
Ele o tomou: “Em um grandioso desígnio de amor, Ele bebeu a condenação até o fim”. De
modo que não havia mais nada de todas as dores e misérias do Inferno eterno que o Seu
povo deveria sofrer! Eu não digo que Ele sofreu o mesmo, mas que Ele suportou um
equivalente a tudo isso e ofereceu a Deus a satisfação por todos os pecados de todo o Seu
povo, e consequentemente, pagou a Ele um equivalente por todo o castigo deles! Agora,
vocês podem imaginar, vocês podem supor o que é a grande redenção de nosso Senhor
Jesus Cristo?

IV. Serei muito breve sobre o próximo ponto. A quarta forma de medir as agonias do Salvador
é esta: devemos considerá-las pela libertação gloriosa que Ele consumou.

Levante-se, crente, levante-se em seu lugar e hoje testemunhe a grandeza do que o Senhor
tem feito por você! Deixe-me dizer isso para você! Contarei a sua experiência e a minha de
uma só vez. Houve um tempo em que minha alma estava sobrecarregada com o pecado. Eu
havia me revoltado contra Deus e transgredido gravemente. Os terrores da lei tinham
domínio sobre mim. As dores da convicção se apoderaram de mim. Vi-me culpado. Olhei
para o céu e vi um Deus irado jurando punir-me. Olhei para baixo de mim e vi um Inferno
com a boca aberta, pronto para me devorar! Busquei, pelas boas obras, satisfazer a minha
consciência. Mas tudo em vão! Esforcei-me, por participar das cerimônias da religião,
apaziguar as dores que eu sentia interiormente, mas tudo se mostrou sem efeito. Minha alma
estava cheia de tristeza quase até a morte. Eu poderia ter dito com aquele antigo sofredor:
“a minha alma escolheria antes a estrangulação; e antes a morte do que a vida” [Jó 7:15].
Esta era a grande questão que sempre me afligia: “Pequei. Deus deve me punir. Como Ele
pode ser justo se Ele não me punir? Então, uma vez que Ele é justo, o que será de mim?”.
Finalmente, meus olhos se voltaram para essa doce Palavra que diz: “o sangue de Jesus
Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado” [1 João 1:7]. Tomei esse texto, fui para o
meu quarto. Ali sentei-me e meditei. Eu vi Alguém pendurado numa cruz. Era o meu Senhor
Jesus. Ali estavam a coroa de espinhos e os emblemas de miséria inigualável e
incomparável. Olhei para Ele e os meus pensamentos daquela Palavra que diz: “Esta é uma

OEstandarteDeCristo.com 12
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os
pecadores” [1 Timóteo 1:15]. Então, eu disse dentro de mim: “Este Homem morreu pelos
pecadores? Eu sou um pecador. Então, Ele morreu por mim! Aqueles por quem Ele morreu,
Ele salvará. Ele morreu pelos pecadores. Eu sou um pecador. Ele morreu por mim! Ele me
salvará”. Minha alma invocou aquela verdade. Olhei para Ele, e enquanto eu “via o fluxo de
Seu sangue redentor de almas”, o meu espírito se alegrou, pois eu pude dizer:

“Nada em minhas mãos eu trago,


Simplesmente à Tua cruz me apego!
Nu eu olho para Ele por veste,
Desamparado, Eu venho a Ele por graça!
Sujo, eu corro para esta fonte,
Lava-me, Salvador, ou morro!”

E agora, crente, você dirá o restante. No momento em que você creu, o seu fardo caiu de
seu ombro e você tornou-se leve como o ar. Em vez de trevas, houve luz! Em vez de vestes
de opressão, você teve vestes de louvor. Quem falará da sua alegria desde então? Você tem
cantado na terra os hinos do Céu e na sua alma reconciliada você tem antecipado o Sabath
eterno dos remidos. Porque você creu, entrou no descanso. Sim, conte isso para todo o
mundo: os que creem, pela morte de Jesus, são justificados de todas as coisas a partir das
quais eles não poderiam ser libertos pelas obras da lei! Diga isso nos céus: ninguém pode
acusar os eleitos de Deus! Diga isso na terra: os redimidos de Deus estão livres do pecado
aos olhos de Yahwéh! Diga isso mesmo ao Inferno: os eleitos de Deus nunca irão para este
lugar, Cristo morreu pelos Seus eleitos e quem os condenará?

V. Apressei-me para o último ponto que é o mais doce de todos! Jesus Cristo, somos
informados em nosso texto, veio ao mundo, “para dar a sua vida em resgate de muitos”. A
grandeza da redenção de Cristo pode ser medida pela extensão do Seu desígnio. Ele deu a
Sua vida “em resgate de muitos”. Devo agora retornar a esse ponto controverso novamente.
Aqueles de nós que somos comumente apelidados pelo título de Calvinistas (e não estamos
envergonhados disso. Nós pensamos que Calvino, afinal, sabia mais sobre o Evangelho do
que quase qualquer homem não-inspirado que já viveu!), somos muitas vezes acusados de
limitar a expiação de Cristo, porque dizemos que Cristo não fez uma expiação por todos os
homens, ou todos os homens seriam salvos. Agora, a nossa resposta a isso é que, por outro
lado, os nossos adversários O limitam, não nós! Os Arminianos dizem que Cristo morreu por
todos os homens. Pergunte a eles o que querem dizer com isso. Cristo morreu, de modo a
assegurar a salvação de todos os homens? Eles dizem: “Não, certamente não”. Fazemos-

OEstandarteDeCristo.com 13
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

lhes a próxima pergunta: “Cristo morreu, de modo a assegurar a salvação de qualquer


homem em particular?”. Eles respondem: “Não”. Eles são obrigados a admitir isso, se eles
forem consistentes. Eles dizem: “Não, Cristo morreu para que qualquer homem possa ser
salvo se”; e então, seguem citando determinadas condições de salvação. Dizemos, então,
que somente voltaremos para a declaração anterior: “Cristo não morreu para que sem dúvida
assegurasse a salvação de qualquer um, não é?”. Você deve dizer: “Não”. Você é obrigado
a dizê-lo, por que você acredita que mesmo depois que um homem foi perdoado, ele ainda
pode cair da graça e perecer. Agora, quem é que limita a morte de Cristo?

Ora, você! Você diz que Cristo não morreu de modo a assegurar infalivelmente a salvação
de ninguém. Nós nos escusamos, quando você diz que nós limitamos a morte de Cristo! Nós
dizemos: “Não, meu caro senhor, é você que o faz. Nós dizemos que Cristo morreu de modo
que Ele infalivelmente garantiu a salvação de uma multidão que ninguém pode contar, que
através da morte de Cristo não só podem ser salvos, mas são salvos, serão salvos e de
maneira alguma correrão o risco de serem qualquer outra coisa, senão salvos! Você acolhe
bem a sua expiação. Você pode sustentá-la. Nós nunca renunciaremos à nossa por causa
disso”.

Agora, amados, quando vocês ouvirem alguém rindo ou zombando da Expiação Limitada,
poderão dizer-lhe isso. A expiação geral é como uma ponte grande e larga que vai apenas
até a metade do caminho; ela não vai até a outra margem do rio; só professa percorrer
metade do caminho; não assegura a salvação de ninguém. Ora, eu, antes, poria meu pé em
cima de uma ponte tão estreita quanto Hungerford, que percorresse todo o caminho, do que
em uma ponte tão larga quanto o mundo, se esta não percorresse todo o caminho até a outra
margem do rio. Disseram-me que é meu dever dizer que todos os homens foram resgatados
e me informaram que há um mandado bíblico para isso: “O qual se deu a si mesmo em preço
de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo” [1 Timóteo 2:6]. Agora, este
parece ser um grande argumento, de fato, para o outro lado da questão! Por exemplo, veja
aqui: “Eis que toda a gente vai após ele” [João 12:19]. Será que todo o mundo seguia a
Cristo? “Então ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente ao
Jordão” [Mateus 3:5]. Toda a Jerusalém ou toda a Judéia foi batizada no Jordão? “Sabemos
que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno” [1 João 5:19]. Será que “todo o
mundo” aqui significa o mundo todo? Se assim for, como podia ser então, que houvessem
alguns que eram “de Deus”? As palavras, “mundo” e, “todos”, são usados em cerca de sete
ou oito sentidos diferentes nas Escrituras. E é muito raro que, “todos” signifique todas as
pessoas consideradas individualmente! As palavras são geralmente usadas para significar
que Cristo redimiu alguns de todos os tipos — alguns judeus, alguns gentios, alguns ricos,
alguns pobres — e que Ele não restringiu a Sua redenção, quer a judeus ou a gentios.

OEstandarteDeCristo.com 14
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

Deixando a controvérsia, no entanto, agora responderei a uma pergunta. Diga-me, então,


senhor, por quem Cristo morreu? Responda-me uma ou duas perguntas e eu vou lhe dizer
se Ele morreu por você. Você precisa de um Salvador? Você sente que você precisa de um
Salvador? Você está, nesta manhã, consciente de pecado? O Espírito Santo te ensinou que
você está perdido? Então, Cristo morreu por você e você será salvo! Nesta manhã, você está
consciente de que não tem esperança no mundo, mas somente em Cristo? Você sente que
por si mesmo não pode oferecer uma expiação que satisfaça a justiça de Deus? Você
desistiu de toda confiança em si mesmo? E você pode dizer sobre seus joelhos: “Senhor,
salva-me, ou pereço”? Cristo morreu por você!

Se você está dizendo nesta manhã: “Eu sou tão bom quanto deveria ser. Eu posso chegar
ao Céu por minhas próprias boas obras”, então, lembre-se da Escritura que diz de Jesus:
“Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento” [Lucas 5:32].
Enquanto você estiver nesse estado eu não tenho expiação a pregar para você! Mas se nesta
manhã você se sentir culpado, miserável, consciente de sua culpa e está disposto a ter a
Cristo como seu único Salvador, eu posso não somente dizer-lhe que você pode ser salvo,
mas o que é melhor ainda, que você será salvo! Quando você estiver despojado de tudo,
apenas espere em Cristo. Quando você estiver preparado para vir de mãos vazias e ter a
Cristo como o seu tudo e você mesmo como nada, então você pode olhar para Cristo e dizer:
“Tu querido, Tu ensanguentado Cordeiro de Deus! Suas dores foram suportadas por mim.
Por Tuas pisaduras eu sou sarado e por Teus sofrimentos eu sou perdoado”. E depois veja
que paz de espírito tu terás, pois, se Cristo morreu por ti, tu não serás perdido! Deus não
punirá duas vezes por uma coisa.

Se Deus puniu a Cristo pelo seu pecado, Ele nunca punirá você. “A justiça de Deus não pode
exigir duas vezes o pagamento; primeiro da mão do Fiador ensanguentado, e depois
novamente da minha”. Podemos, hoje, se cremos em Cristo, ir até o trono de Deus, ficar ali,
e se for dito: “Você é culpado?”. Podemos dizer: “Sim, culpado”. Mas, se outra pergunta for
feita: “O que você tem a dizer para que não seja punido por sua culpa?”. Podemos responder:
“Grande Deus, tanto a Sua Justiça e Seu amor são as nossas garantias que não me punirás
pelo pecado. Pois, Tu não puniste a Cristo pelo nosso pecado? Como Tu podes, então, ser
justo, como Tu podes ser Deus, se puniste a Cristo, o Substituto, e depois punisses os
próprios homens?”.

Sua única pergunta é: “Cristo morreu por mim?”. E a única resposta que podemos dar é:
“Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para
salvar os pecadores”. Você pode escrever seu nome entre os pecadores? Não entre os
pecadores impenitentes, mas entre aqueles que sentem isso, que lamentam, se entristecem
e buscam a misericórdia por causa disso? Você é um pecador? Após haver sentido,

OEstandarteDeCristo.com 15
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

conhecido e professado isso, você agora é convocado a crer que Jesus Cristo morreu por
você, porque você é um pecador, você está ordenado a lançar-se sobre esta grande Rocha
inamovível e encontrar segurança eterna no Senhor Jesus Cristo!

ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO use este sermão para trazer muitos
Ao conhecimento salvífico de JESUS CRISTO.

Sola Scriptura!
Sola Gratia!
Sola Fide!
Solus Christus!
Soli Deo Gloria!

OEstandarteDeCristo.com 16
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org
Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com.

 10 Sermões — R. M. M’Cheyne  Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a —


 Adoração — A. W. Pink John Flavel
 Agonia de Cristo — J. Edwards  Necessário Vos é Nascer de Novo — Thomas Boston
 Batismo, O — John Gill  Necessidade de Decidir-se Pela Verdade, A — C. H.
 Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Spurgeon
Neotestamentário e Batista — William R. Downing  Objeções à Soberania de Deus Respondidas — A. W.
 Bênçãos do Pacto — C. H. Spurgeon Pink
 Biografia de A. W. Pink, Uma — Erroll Hulse  Oração — Thomas Watson
 Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a  Pacto da Graça, O — Mike Renihan
Doutrina da Eleição  Paixão de Cristo, A — Thomas Adams
 Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos  Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado — J. Edwards
Cessaram — Peter Masters  Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural —
 Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Thomas Boston
Eleição — A. W. Pink  Plenitude do Mediador, A — John Gill
 Como Ser uma Mulher de Deus? — Paul Washer  Porção do Ímpios, A — J. Edwards
 Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida  Pregação Chocante — Paul Washer
pelos Arminianos — J. Owen  Prerrogativa Real, A — C. H. Spurgeon
 Confissão de Fé Batista de 1689  Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado
 Conversão — John Gill Natural..., A, Edição Comemorativa de Nº 200
 Cristo É Tudo Em Todos — Jeremiah Burroughs  Quem Deve Ser Batizado? — C. H. Spurgeon
 Cristo, Totalmente Desejável — John Flavel  Quem São Os Eleitos? — C. H. Spurgeon
 Defesa do Calvinismo, Uma — C. H. Spurgeon  Reformação Pessoal & na Oração Secreta — R. M.
 Deus Salva Quem Ele Quer! — J. Edwards M'Cheyne
 Discipulado no T empo dos Puritanos, O — W. Bevins  Regeneração ou Decisionismo? — Paul Washer
 Doutrina da Eleição, A — A. W. Pink  Salvação Pertence Ao Senhor, A — C. H. Spurgeon
 Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne  Sangue, O — C. H. Spurgeon
 Eleição Particular — C. H. Spurgeon  Semper Idem — Thomas Adams
 Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A —  Sermões de Páscoa — Adams, Pink, Spurgeon, Gill,
J. Owen Owen e Charnock
 Evangelismo Moderno — A. W. Pink  Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de
 Excelência de Cristo, A — J. Edwards Deus) — C. H. Spurgeon
 Gloriosa Predestinação, A — C. H. Spurgeon  Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A — J.
 Guia Para a Oração Fervorosa, Um — A. W. Pink Edwards
 Igrejas do Novo Testamento — A. W. Pink  Sobre a Nossa Conversão a Deus e Como Essa Doutrina
 In Memoriam, a Canção dos Suspiros — Susannah é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos — J. Owen
Spurgeon  Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos
 Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A — Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja — J.
Jeremiah Burroughs Owen
 Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação  Supremacia e o Poder de Deus, A — A. W. Pink
dos Pecadores, A — A. W. Pink  Teologia Pactual e Dispensacionalismo — William R.
 Jesus! – C. H. Spurgeon Downing
 Justificação, Propiciação e Declaração — C. H. Spurgeon  Tratado Sobre a Oração, Um — John Bunyan
 Livre Graça, A — C. H. Spurgeon  Tratado Sobre o Amor de Deus, Um — Bernardo de
 Marcas de Uma Verdadeira Conversão — G. Whitefield Claraval
 Mito do Livre-Arbítrio, O — Walter J. Chantry  Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica
 Natureza da Igreja Evangélica, A — John Gill no Batismo de Crentes — Fred Malone
OEstandarteDeCristo.com 17
Issuu.com/oEstandarteDeCristo
— Sola Scriptura • Sola Gratia • Sola Fide • Solus Christus • Soli Deo Gloria —
Facebook.com/oEstandarteDeCristo | Facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org

2 Coríntios 4
1
Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos;
2
Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem
falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem,
3
na presença de Deus, pela manifestação da verdade. Mas, se ainda o nosso evangelho está
4
encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os
entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória
5
de Cristo, que é a imagem de Deus. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo
6
Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. Porque Deus,
que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações,
7
para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. Temos, porém,
este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
8
Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
9 10
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; Trazendo sempre
por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus
11
se manifeste também nos nossos corpos; E assim nós, que vivemos, estamos sempre
entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na
12 13
nossa carne mortal. De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. E temos
portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também,
14
por isso também falamos. Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará
15
também por Jesus, e nos apresentará convosco. Porque tudo isto é por amor de vós, para
que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de
16
Deus. Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o
17
interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação
18
produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; Não atentando nós nas coisas
que se veem, mas nas que se não OEstandarteDeCristo.com
veem; porque as que se veem são temporais, e as que se 18
não veem são eternas. Issuu.com/oEstandarteDeCristo