Sunteți pe pagina 1din 26

Marta Morais da Costa

Doutora em Literatura Brasileira pela Universidade de São Pau-


lo (USP). Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo
(USP). Licenciada em Letras Português-Francês pela Universidade Federal
do Paraná (UFPR).

Untitled-2 5 22/10/2012 15:11:13


Marta Morais da Costa

Estrutura do texto literário

Edição revisada

IESDE Brasil S.A.


Curitiba
2012

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
© 2007 – 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do
detentor dos direitos autorais.

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE
SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ
__________________________________________________________________________________
C875e

Costa, Marta Morais da.


Estrutura do texto literário. / Marta Morais da Costa. - ed. rev.. - Curitiba, PR : IESDE,
Brasil, 2012.
210p. : 28cm

Inclui bibliografia
ISBN 978-85-387-2862-7

1. Gêneros literários. 2. Análise do discurso narrativo.3. Sociolinguística. I. Título.

12-4759. CDD: 801.09


CDU: 81’42

09.07.12 23.07.12 037203


__________________________________________________________________________________

Capa: IESDE Brasil S.A.


Imagem da capa: IESDE Brasil S.A.

Todos os direitos reservados.

IESDE Brasil S.A.


Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200
Batel – Curitiba – PR
0800 708 88 88 – www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Sumário
Natureza do fenômeno ­literário | 7
Os conceitos do discurso literário | 7
O discurso literário: características | 12

Gêneros literários: ­conceituação histórica | 21


O que é gênero literário? | 21
O conceito na antiguidade clássica e medieval | 23
O conceito no Renascimento | 25
O conceito no Romantismo | 25
Conceitos ao longo dos séculos XIX e XX | 26
A perspectiva da atualidade | 28

Gêneros literários: o lírico | 35


O que é poesia lírica? | 35
A concepção musical da Antiguidade | 38
Lirismo, subjetividade e sentimento | 39
Lirismo e visualidade | 41

Gêneros literários: o épico ou narrativo | 51


O que é o gênero épico? | 51
Preceitos aristotélicos sobre a epopeia | 53
A passagem do épico ao romance | 54
Os tipos de epopeias | 56

Gêneros literários: o dramático | 65


A teoria aristotélica do trágico | 65
A dramaturgia épica | 69
As duas linguagens do gênero dramático | 70
Texto dramático e texto cênico | 72
Formas principais do gênero dramático | 74

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Gêneros literários: o ensaístico | 85
O gênero de fronteira | 85
O ensaio | 86
A crítica literária e suas funções | 88
O ensaio no discurso literário: a metaficção e a metapoesia | 89

A linguagem poética: ­poema X poesia | 97


O objeto e funções da poesia | 97
A metáfora e a metonímia | 103
Poemas de forma fixa | 104

A linguagem poética: o ritmo e a rima | 117


Palavra poética e música | 117
Versos e ritmos | 118
Versos e estrofes | 127
Rimas e figuras de efeito sonoro | 128

A estrutura da narrativa: ­romance | 141


Nascimento e evolução do romance | 141
Ficção e realidade | 143
Tipologia do romance | 145

A estrutura da narrativa: elementos do romance | 159


O foco narrativo | 159
Ação: história e discurso | 163
Espaço e tempo: realismo e imaginário | 165
As personagens e modos de representação | 167

A estrutura da narrativa: conto e novela | 175


Características de conto e da novela | 175
A ação e a representação da realidade no texto narrativo | 179
Tipologia da narrativa curta | 183

A estrutura da narrativa: crônica e ensaio | 189


Crônica, tempo e realidade | 189
A importância literária da crônica | 191
O ensaio como literatura | 196

Referências | 205

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Apresentação
O estudo teórico da literatura implica conhecer os modelos que
orientaram, explícita ou implicitamente, a criação de textos literários ao
longo da história da cultura. Assim, uma disciplina que se proponha a
­investigar os gêneros literários, como esta que ora apresentamos, procu-
ra trazer informações que esclareçam a origem de termos e conceitos, os
textos mais importantes dos diferentes gêneros e subgêneros, bem como
a classificação e as diferenças e semelhanças estabelecidas entre os tex-
tos, na medida em que eles foram se espelhando e interagindo uns com
os outros.
O primeiro objetivo da disciplina é apresentar as linhas gerais que
definem os três gêneros literários clássicos: o lírico, o épico e o dramáti-
co. Ao mesmo tempo, os conteúdos mostram que essa classificação não é
definitiva e permanente, em especial na atualidade, momento em que a
cultura e a literatura passam por alterações profundas dos paradigmas da
ciência e da arte.
Um segundo objetivo é o de tratar em forma mais minuciosa as
principais características desses três gêneros, e as possíveis classificações
de subgêneros que eles contêm. Para atender a esse objetivo, também são
tratados tópicos teóricos que abordam os aspectos de identidade de cada
gênero, seja os relativos aos conteúdos e à contextualização histórica , seja
aqueles que dizem respeito aos aspectos discursivos.
Um terceiro objetivo é o de apresentar as ideias manifestas em tex-
tos literários, com sua transcrição parcial, acompanhada de comentários
sintéticos e objetivos. Privilegia-se, portanto, o estudo do texto literário
como base para melhor compreensão das ideias teóricas expostas. Afinal,
a literatura é composta pelos textos literários; a teoria lhes é posterior e
explicativa.
Um último objetivo é o de expandir o sentido da leitura da litera-
tura para outras expressões artísticas, criando relações entre literatura e
artes, como a música, o teatro, as artes plásticas e o cinema. A intenção
é favorecer a ampliação do sentido da literatura para integrá-la à cultura
humana e ao momento histórico.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
A tarefa de atingir a esses objetivos permite que, em cada assunto
tratado, as informações trazidas favoreçam a reflexão do leitor e o desejo
de conhecer melhor as obras citadas. Estas constituem uma biblioteca
mínima para o aprofundamento dos tópicos desenvolvidos, dado que
a aprendizagem integral se faz também com a continuidade dos estu-
dos, fora dos limites da orientação do profissional docente, quando o
estudante se lança, por desejo e vontade próprios, à leitura e à pesquisa
complementares.
Por fim, a teoria da literatura que trata dos gêneros literários auxi-
lia fortemente na compreensão do fato literário e nas razões que orienta-
ram os escritores a criar poemas, narrativas e peças de teatro filiados de
alguma maneira a textos anteriores e a concepções discursivas que fo-
ram se repetindo ao longo dos tempos. É a permanência da algumas ca-
racterísticas que, guardadas as devidas proporções e contextualizações,
continuam a direcionar o pensamento criativo ou a serem combatidas
por esse pensamento, na busca de novas formas de expressão escrita.
A leitura de poemas, peças teatrais ou narrativas, realizada com
o embasamento teórico correspondente e atualizado, cresce e se dina-
miza, capacitando o leitor a se comunicar com qualidade com os tex-
tos literários, prioritariamente, e depois com o mundo que esses textos
apresentam, representam e presentificam. Porque, teoria e prática são os
fundamentos da aprendizagem, do conhecimento e do refinamento da
sensibilidade e do senso estético.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Natureza do
fenômeno ­literário
Marta Morais da Costa*
Para tratar da natureza do fenômeno literário, convém lembrar que ele é uma criação histórica,
ideológica e mutante. Isso se deve a vários fatores: o primeiro deles diz respeito à ideia que se faz sobre
a constituição do que seja um texto literário, que resulta em uma unidade completa e polissêmica. Para
tanto, convém analisar a natureza do texto literário para que seja possível estabelecer alguns parâme-
tros de avaliação e julgamento.

Os conceitos do discurso literário


Os sentidos atribuídos ao termo literatura variaram ao longo da história e apresentam variáveis
em cada leitor. As diferentes acepções do termo não se referem apenas ao caráter singular de cada indi-
víduo ou de cada época histórica. São inerentes à natureza do objeto que estudamos.
O texto literário se qualifica muito mais pelas diferenças que apresenta quando comparado aos
não literários do que por seu próprio e mutável modo de ser. Portanto, tratar de textos literários implica
conhecer as infinitas nuances que eles vão assumindo na obra de um mesmo autor, nos autores de uma
mesma geração, na sucessão de autores, obras e épocas literárias e artísticas.
Apesar da dificuldade decorrente dessa mutabilidade, é possível verificar que algumas caracte-
rísticas permanecem ao longo do tempo. É sobre essas qualidades permanentes que este capítulo vai
discorrer.
Manuel Bandeira (1886-1968), poeta brasileiro, escreveu no poema Testamento a seguinte estrofe:

* Doutora em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP).
Licenciada em Letras Português-Francês pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
8 | Natureza do fenômeno literário

[...]
Vi terras da minha terra,
Por outras terras andei.
Mas o que ficou marcado
No meu olhar fatigado,
Foram terras que inventei.
[...]
(BANDEIRA, 1970)

É possível encontrar nesses poucos versos uma das razões da existência da literatura: ver terras,
andar por espaços reais deixam marcas no ser humano viajante, mas o que realmente tem importân-
cia é a invenção, aquilo que, se não existe em algum lugar, existe no desejo do escritor. E é o fato mais
importante, mais real do que a própria realidade. Essa condição de criação de realidades, a partir de es-
tímulos do concreto, do referencial, do observável, é a condição básica da literatura. Mesmo que esteja
lastreada no real, é pela capacidade de recriação, de refeitura, de tradução em palavras que o mundo
ganha existência.
Mais concretamente, a literatura se apoia necessariamente em cinco elementos indispensáveis:
um autor, um leitor, um texto, uma língua e um referente (COMPAGNON, 1999). Essa associação é a
base de qualquer reflexão teórica, que pode tratar do todo ou de partes específicas de cada um desses
elementos.
Do ponto de vista da autoria, é cada vez mais frequente a separação entre a biografia do autor
e o texto literário que escreveu. Roland Barthes, em artigo de 1968, intitulado La mort de l’auteur (A
morte do autor), trata o produtor do texto como um “personagem moderno”, encarnação do indivíduo
burguês, contaminado pela ideologia do capitalismo, o proprietário do texto (COMPAGNON, 1999). Para
Barthes, deve-se levar em consideração a linguagem, impessoal e anônima, portanto valorizando mais
a transformação do escritor em discurso, isto é, numa organização textual histórica e ideologicamente
marcada na linguagem. É com linguagem que o leitor conhece o autor. Portanto, o que ele viveu e pen-
sou na sua realidade pessoal pode não ter originado ou aparecer na íntegra naquilo que escreveu e no
assunto ou tema de que tratou. Cabe ao leitor compreender no texto o que ele diz, independentemente
das intenções do autor. O new cristicism norte-americano considerava a relação texto-intenção do autor
como intentional fallacy, ou “ilusão intencional” ou “erro intencional”. Em 1969, o filósofo Michel Foucault
na conferência Qu’est-ce qu’un auteur? (O que é um autor?) também tratou dessa questão e concluiu que
a atividade do leitor pode acontecer mesmo que ele nada saiba sobre o autor e suas intenções. O foco
principal da literatura é o texto: dele sairão os sentidos, as relações do interior do texto e do texto com
os demais textos da realidade.
Quanto ao leitor, seu lugar é o da compreensão e da interpretação do discurso literário. A evo-
lução histórica da importância atribuída ao papel do leitor demonstra que houve, a partir da segunda
metade do século XX, a valorização cada vez mais intensa de sua atividade. Surge em 1967, no discurso
de Hans Robert Jauss, na abertura do ano letivo da Universidade de Constança, na Alemanha, a estética
da recepção, uma corrente da teoria que reavalia a história da literatura a partir dos modos de ler e do
desempenho interpretativo do leitor. O aspecto mais significativo dessa teoria é o de que o texto já con-
tém, na sua organização verbal, a pressuposição do trabalho do leitor. Em outras palavras, ao escrever a
obra o autor já visualiza sua recepção, já compõe no próprio texto literário uma figura de leitor, prevê as

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Natureza do fenômeno literário | 9

reações dele no modo como descreve, por exemplo, uma cena romântica, ou de suspense, ou de humor.
Há, quando se considera a organização verbal da obra, um certo controle sobre o modo como o leitor
entenderá o texto e reagirá a ele. Esses componentes de previsão da recepção do texto, outro teórico da
estética da recepção, Wolfgang Iser (1996), denominará leitor implícito, (ISER, 1996).

A linguagem como distinção entre discurso literário e não literário


Quanto ao componente língua de uma obra literária, Compagnon explica que, mesmo em se
tratando de neologismos, o texto literário somente será compreensível se houver um conhecimento
linguístico mais ou menos comum aos dois sujeitos do diálogo literário: o autor e o leitor. Mais do que
uma compreensão linguística do texto (sintaxe, léxico, morfologia, semântica), o discurso literário fará
uso subversivo das normas da língua, buscando a expressão que melhor se ajuste à rede de sentidos
que o texto quer criar. Rede que terá como objetivo a recriação da língua cotidiana, o estabelecimento
de patamares poéticos, que criam uma camada mais densa de significados e, principalmente, coloca
esses significados em uma proposital rede de relações semânticas hiperssignificativa.

Ah! toda alma num cárcere anda presa,


Soluçando nas trevas, entre as grades
Do calabouço olhando imensidades,
Mares, estrelas, tardes, natureza.
(CRUZ E SOUSA, 1981)

Nesse fragmento de poema de Cruz e Sousa, pode-se observar como a descrição da natureza físi-
ca (trevas, mares, estrelas, tardes) não se referem à sua forma concreta, mas devem ser entendidas como
metáforas, figuras que apontam para modos de ser íntimos, da alma. Entre as palavras ali apresentadas,
também se observa uma relação de correspondência de sentidos: as trevas da noite são as trevas da
alma (a dor, o sofrimento, a angústia e outros). O calabouço é mais a prisão do corpo, que evita que a
alma possa subir às imensidades do espírito.
A linguagem cotidiana visa mais a ação e a informação, para atingir o nível da compreensão, mas
dificilmente pede atitude interpretativa, como o faz sempre a literatura.
Vejamos como isso ocorre em textos concretos.
A mesma engenharia que encurtou assombrosamente as distâncias entulhou o mundo com automóveis que atra-
vancam as vias expressas e cuja fumaça promete esturricar o planeta. Na tentativa de compreender os mistérios que
permeiam uma estranha economia na qual mais e menos não se anulam, muitos se puseram a analisar seus eventos
capitais – especialmente a Segunda Guerra Mundial, aquele que talvez seja o mais importante dos acontecimentos do
século XX. (CASTRO, 2007)

As informações fornecidas são o objetivo principal do texto: as consequências negativas do avan-


ço tecnológico, a existência de pesquisadores que tentam compreender o fenômeno, a Segunda Guerra
Mundial, como acontecimento histórico importante.
Outra é a intenção de Carlos Drummond de Andrade ao enfocar o mesmo momento histórico
quando escreve Carta a Stalingrado, sobre um dos episódios épicos, heroicos da Segunda Grande Guer-
ra: a resistência extrema, até a total destruição da cidade de Stalingrado (hoje Volgogrado), para não se
render ao exército alemão nazista.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
10 | Natureza do fenômeno literário

Stalingrado...
Depois de Madri e de Londres, ainda há grandes cidades!
O mundo não acabou, pois que entre as ruínas
Outros homens surgem, a face negra de pó e de pólvora,
E o hálito selvagem da liberdade
Dilata os seus peitos que estalam e caem
Enquanto outros, vingadores, se elevam.

A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais.


Os telegramas de Moscou repetem Homero.
Mas Homero é velho. Os telegramas cantam um mundo novo
Que nós, na escuridão, ignorávamos.
(DRUMMOND, 1971, p. 130)

Mais do que o assunto, o que sobressai é a sequência de imagens com intenção de exaltar o foco
de resistência (“homens, a face negra de pó e de pólvora”), a poética metáfora (“o hálito selvagem da
liberdade”), o conflito em imagens de morte e vida, contraditórias e humanas (“seus peitos que estalam
e caem” opostos a “outros, vingadores, se elevam”), a sonoridade do jogo de palavras (pó e pólvora) e a
sequência de verbos que dinamiza o verso (estalam, caem, elevam). Esses procedimentos comprovam
que o texto busca outros efeitos que não são apenas os de informar o leitor.
Além dessas qualidades, a percepção de que a literatura de teor lírico e estético recua ante o hor-
ror da guerra, substituída pelo texto não literário do jornal, mais objetivo e informativo.
Vemos, portanto, na comparação entre os dois textos, aparecerem características e funções dife-
rentes que permitem compreender que a literatura tem uma natureza própria e uma função que ultra-
passa a notícia ou fato, obrigando o leitor a interpretar o que lê, não apenas a conhecer o assunto de
que o texto trata. Essa diferença exemplifica bem a afirmação de que a “literatura é tradicionalmente
uma arte verbal”.
É exatamente nas palavras – no verbal – que podemos encontrar e valorizar o caráter estético da
literatura. A linguagem entendida como “todo sistema de comunicação que utiliza signos organizados
de modo particular” no dizer do linguista Iuri Lotman ( apud PROENÇA FILHO, 1986). A língua é um siste-
ma de signos e a linguagem é uma atividade produzida pelo falante-escritor sobre esse sistema. Portan-
to, a investigação sobre a natureza da literatura não pode, em hipótese alguma, ignorar a atividade do
escritor sobre o sistema da língua. É na linguagem que se revela a qualidade do texto literário. É dessa
atividade, exercida de modo pessoal e particular, que se forma o estilo individual de cada escritor.
Pode-se concluir que uma das distinções entre o discurso literário e o não literário é que o primei-
ro, enquanto objeto linguístico, está apoiado na conotação, na plurissignificação (em que os sentidos se
multiplicam pela força da interpretação do leitor), enquanto o texto não literário é monossignificativo,
de sentido mais fixo e comum a todos os leitores.

A literatura enquanto criação: o autor e o leitor


A partir do século XIX, o critério de valoração do texto literário recebeu impulso com a defe-
sa da ideia de que a busca do novo era um padrão indispensável aos textos denominados literários.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
Natureza do fenômeno literário | 11

As noções de criatividade, individualidade e subjetividade introduzem o pensamento de que o texto


literário somente mereceria valor se apresentasse qualidades de inovação.

O autor
O caráter criativo do texto literário decorre do exercício de liberdade do artista, seja na questão da
linguagem e da multiplicação dos sentidos, seja porque, por estar inserida em uma cultura, a literatura
realiza um movimento duplo de respeito à tradição cultural dos povos e a busca de romper com essa
tradição, instaurando o novo, o diferente, o incomum.
Essa perspectiva dialética pode ser conferida na sucessão dos estilos de época – ou períodos
literários ou tendências estéticas – ao longo da história. Eles correspondem às respostas que a arte li-
terária foi atribuindo ao modo diferente de interpretar o mundo, próprio de cada época histórica. Esse
movimento contínuo e motivado pela necessidade e pela urgência de dar respostas aos desafios do
cotidiano, às manifestações do pensamento e aos impulsos do inconsciente e do imaginário, produz o
aparecimento de diferentes gêneros literários, de diferentes modos de expressão narrativa e poética,
de diferente entendimento das funções da literatura, de alterações substanciais dos modos de escrita e
organização dos textos literários.
A criação literária não é, portanto, apenas um desejo individual do escritor, mas está relacionada
à ideologia, às condições de produção, às mudanças nas expectativas do público leitor, ao papel do es-
critor na cultura, às necessidades humanas de expressão, à capacidade reflexiva dos criadores.
No início do século XIX, o movimento artístico do Romantismo opôs-se ao Neoclassicismo do período
anterior, não pela necessidade de renovação simplesmente, mas porque o Neoclassicismo não conse-
guiu mais responder aos anseios da sociedade industrial nascente, à nova percepção da natureza – seja
física, seja emocional – da sociedade burguesa, que ascendia ao poder. A linguagem literária romântica
manifesta o desejo de liberdade dessa outra visão de mundo (cosmovisão), exigindo a quebra dos pa-
drões da língua e da linguagem figurada, almejando uma sintonia maior com a emergência das novas
nacionalidades políticas, da curiosidade por outras terras, culturas e épocas históricas. O Romantismo
não apenas reage a essas alterações externas, como também cria uma nova sensibilidade, mais emotiva,
mais questionadora, menos acomodada à tradição, como ficou comprovado na influência exercida pelo
romance As Aventuras do Jovem Werther, de Goethe (1785), que incentivou, sem o querer, uma sequência
trágica de suicídio de jovens, identificados e se reconhecendo no personagem Werther. O Romantismo
criou uma literatura que, por força da repetição de padrões ao longo dos anos em que teve vigência,
formou a sensibilidade emotiva e rebelde que passou a identificar artistas, leitores e escritores no século
XIX. Tome-se o exemplo de Byron, Victor Hugo, Musset, Álvares de Azevedo e Castro Alves.

O leitor
A literatura considerada fenômeno artístico de criação não afeta exclusivamente o artista criador,
mas estabelece exigências também quanto ao processo de sua recepção pelo leitor. Devido à associa-
ção necessária entre autor e leitor (é o leitor que dá vida à obra literária, pois um livro não lido existe so-
mente enquanto um objeto), qualquer alteração inovadora nos padrões tradicionais da escrita literária
acaba se refletindo na mudança de sua forma de recepção. A quebras das normas da tragédia clássica
francesa do século XVII com a representação do Le Cid (1636), de Pierre Corneille, deu origem à longa

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
12 | Natureza do fenômeno literário

Querela dos Antigos e dos Modernos(1653-1715), uma polêmica travada entre os intelectuais franceses
partidários da escrita clássica e os que acreditavam na alteração dos padrões dessa escrita, defendendo
a modernidade.
Da mesma maneira, o século XX foi pródigo em manifestos e explicações sobre novas maneiras
de escrever e ler a literatura; entre eles, o Futurismo (1910), o Cubismo (1924), a Poesia Pau-Brasil (1924),
a Poesia Concreta (1956).
A quebra dos padrões tradicionais da leitura afeta o que a estética da recepção (1967), corrente
da Teoria Literária que estuda a leitura e os modos de ler, denomina “horizonte de expectativas”, isto é,
modos de ler aprendidos ao longo de experiências anteriores de leitura de textos formam um modo
pessoal de ler. O leitor compreende romances, por exemplo, a partir da aprendizagem construída em
experiências de leituras anteriores de textos semelhantes. Em cada novo texto, o leitor pretende aplicar
seus conhecimentos e ser bem-sucedido na tarefa, aplicando padrões de leitura conhecidos. Quando
o texto é inovador, o leitor reage com desconfiança, insegurança, curiosidade ou recusa. Há, portanto,
da parte do leitor, a necessidade de ajustes do “horizonte de expectativas” diante dos textos criativos.
Uma obra de criação que propõe um estranhamento, termo com que caracterizavam a literariedade os
Formalistas Russos no início do século XX, também tem que ser entendida como estranha pelo leitor.
Assim, o ciclo da criação se completa e se efetiva.

O discurso literário: características


Depois das explanações sobre a conceituação de literatura como uma arte que se desenvolve na
linguagem e das preocupações do autor com a precisão dos termos e a escolha dos efeitos que possam
vir a ser provocados no leitor, convém estudarmos de modo aproximativo como se verificam na lingua-
gem os procedimentos que formam a literariedade de um texto.

Características do discurso literário


Para Domício Proença Filho (1986), a distinção entre discurso literário e não literário passa por um
conjunto de características interdependentes. Para esse pesquisador, a literatura se manifesta como tal
por agregar complexidade, multissignificação, predomínio da conotação, liberdade na criação, ênfase
no significante e variabilidade.

A complexidade
Por complexidade, Proença Filho entende a capacidade da literatura ultrapassar a reprodução
da realidade e atingir espaços de universalidade. Para tal, a literatura obedece a um duplo movimento:
debruça-se sobre si mesma, pensando e expressando seu modo de fazer e criando essencialmente um
puro objeto de linguagem. Nesse caso, o mundo e sua realidade são traduzidos em forma de palavras e
papel, formando uma outra realidade com leis e regulamentos próprios, os da poética.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Natureza do fenômeno literário | 13

O segundo movimento se relaciona com a capacidade da literatura expressar e questionar o mundo


exterior. Esse poder de representação, denominado mimese1, demonstra a ligação do artista-escritor com
a realidade do mundo exterior e da interioridade das pessoas. Essa ligação tende a ser representada pelo
discurso literário, que funciona como resposta às grandes questões, dúvidas e perturbações da vida.

Multissignificação
Também denominada em alguns outros estudos como plurissignificação. Domício Proença quer
entender como tal a força da literatura para criar e amplificar tanto os significantes (por exemplo, a pa-
lavra enquanto letras e sons) e os significados (isto é, as ideias que as palavras expressam). A literatura
proporciona desvios “mais ou menos acentuados em relação ao uso linguístico comum”.
Para a potencialização do caráter multissignificativo do discurso literário contribuem as relações
estabelecidas pelo texto com o âmbito sociocultural, o momento histórico, a relação com espaços míticos
e arquetípicos da tradição da língua e da arte. Essa intervenção no status da língua produz uma desacomo-
dação dos sentidos e permite que sejam várias e múltiplas as interpretações para um mesmo texto.

Predomínio da conotação
Quanto ao predomínio da conotação, a reflexão de Proença Filho se detém a expor o quanto a lin-
guagem literária transcende o sentido informativo para atingir o nível poético e estético da linguagem,
sem que a informação ou a poeticidade existam separadamente. O escritor simultaneamente trata da
realidade e a ultrapassa para mostrar o quanto a linguagem pode criar sentidos superiores de significa-
ção e beleza.

A liberdade de criação
Essa qualidade diz respeito à ruptura de normas historicamente estabelecidas pelo discurso lite-
rário. A inserção de novas formas de dizer, muito mais do que a introdução de novos assuntos, desloca
os marcos da história da literatura. Cada escritor que renova a literatura, faz com que o todo do sistema
seja repensado e realocado.
O novo também desacomoda o leitor e traz a possibilidade de alterações posteriores na literatura
de uma época, quando os seguidores do criador original se põem a imitar, no todo ou em partes, a arte do
mestre.

A ênfase no significante
Novamente, retorna a discussão sobre a importância da linguagem no texto literário. A criação
verbal está relacionada diretamente à potencialização dos recursos linguísticos colocados à disposição
do escritor: o som, o desenho da letra, a musicalidade da frase, a ambiguidade e multissignificação de
palavras e frases, as relações semânticas estabelecidas pela rede de palavras em correspondência e en-
tre partes diferentes do texto, a exploração semântica de alterações sintáticas e outros mais. A poesia,
mais do que as narrativas, explora esses recursos linguísticos.

1 Termo utilizado por Aristóteles na obra “Poética”, do V a.C., com o significado de “imitação”.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
14 | Natureza do fenômeno literário

“Pálida à luz da lâmpada sombria” é um verso de um dos sonetos sem título do poeta brasileiro
Álvares de Azevedo. Nele, a repetição da letra e do som do grafema/fonema “l” acentua a cor tênue do
rosto e da luz artificial, ajudando a criar um clima fantasmagórico e de sonho, de realidade atenuada,
que será fundamental para o entendimento de todo o poema. Recai, portanto, sobre o som e a letra o
reforço semântico do verso: o significante torna-se ainda mais material e importante.

Variabilidade
A noção de variabilidade integra indissociavelmente o modo de ser da literatura e diz respeito
às mutações que o discurso literário e seu entendimento sofreram e sofrem em diferentes culturas e
épocas, e na mesma cultura em diferentes épocas da história. A noção de literatura como discurso com
características específicas e próprias somente surge no século XIX. Até essa época, poesias e narrati-
vas integravam os escritos culturais, indistintamente. “Antes de 1800, literatura e termos análogos em
outras línguas europeias significavam ’textos escritos’ ou ’conhecimento de livros’. (...) Eram exemplos
de uma categoria mais ampla de práticas exemplares de escrita e pensamento, que incluía discursos,
sermões, história e filosofia” (CULLER, 1999).
A variação do conceito de literatura se apóia tanto nas mudanças formais quanto na sua repre-
sentatividade dentro da(s) cultura(s).
Vimos, portanto, neste capítulo, como a literatura se apresenta enquanto construção linguística
e discursiva diferenciada dos demais textos da cultura, a sua relação com a ideia de criação e recep-
tividade e quais as características apresentadas pelo discurso literário para se tornar distinto dos não
literários.

Texto complementar
O livro, seu valor e a análise literária
Beleza, estilo, modernidade, relação com a vida...
A que deve se apegar o crítico?

(TEIXEIRA, 2006)
Há muitos critérios pelos quais o leitor produz o sentido de um texto. A história da crítica lite-
rária, nessa acepção, será o conjunto de transformações dos métodos e técnicas para a construção
do sentido. Por livro pode-se entender o objeto que o autor escreveu; por trabalho de arte, o mo-
vimento das imagens desencadeadas pelo ato de leitura. Ler é formular hipóteses sobre o modo
correto de transformar o livro em obra de arte. Assim, o conhecimento do livro arremata a produção
iniciada pelo artista. As obras de arte não existem sem enquadramento num sistema de referência
interpretativa. Falar de uma obra não é falar apenas dela, mas dos sentidos que se agregaram a ela
ao longo de sua existência como artefato verbal e como evento cultural. A história de um livro é a

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Natureza do fenômeno literário | 15

tradição de sua leitura. Nesse sentido, toda obra apresenta-se como palimpsesto. Dom Casmurro
não foi escrito exclusivamente por Machado de Assis, mas por todos aqueles que procuraram dis-
cutir seu sentido a partir da estrutura oferecida pelo autor para que a história a fecundasse com as
diversas hipóteses de inclusão ou exclusão semântica. O valor de um livro será diretamente propor-
cional à força da obra liberada por ele, a qual decorrerá das imprevisíveis operações que constituem
os atos de assimilação e interpretação. A intenção do autor não se comunica senão como índice
abstraído das configurações do texto, que poderá produzir maior ou menor número de imagens
no universo mental do leitor. Como fenômeno de comunicação, o sentido, apenas latente na face
muda do livro sem leitura, depende do leitor, que promoverá as necessárias associações daquele
objeto com as imagens e os conceitos de sua experiência intelectual e existencial. Conhecer a crí-
tica é dominar o repertório das relações impostas ao leitor, as quais, obedecendo à configuração
retórica do texto, oscilam conforme as convicções de cada momento. Assim, um só livro poderia,
em princípio, conter toda a história da literatura, posto que muitas poderão ser as alterações de seu
significado ao longo dos tempos. A percepção crítica de um livro não foge, teoricamente, à esfera de
conhecimento de qualquer objeto, enquadrando-se, portanto, no horizonte da física e da gnosiolo-
gia. Se a percepção artística consiste na transformação de estímulos físicos em noções abstratas e se
é difícil caracterizar com precisão o valor da mesma coisa em diferentes sociedades, mais difícil será,
por certo, determinar as razões da estima de objetos polissêmicos, seja um texto literário, um filme,
uma pintura ou uma música. Tradicionalmente, a produção do sentido artístico de um texto decorre
da aproximação dele com a ideia de beleza, donde resulta a dimensão de seu valor. Segundo uma
visão consagrada, as coisas apresentam qualidades primárias e secundárias. As qualidades primá-
rias não sofrem variação no processo de seu conhecimento, mesmo que se alterem as condições de
percepção. As secundárias sofrem alteração de acordo com a mudança das circunstâncias em que
são percebidas. No escuro, não se alcança a cor de uma folha verde. O valor artístico de um objeto
será, então, entendido como qualidade secundária, pois depende intrinsecamente da situação de
conhecimento e de juízo. Se a própria física tende a considerar o cérebro humano como componen-
te necessário ao conceito de cor, o mesmo deve ser pensado sobre o conceito de belo e de valor
artístico, que, pela perspectiva interativa, serão sempre noções relativas e dependentes de repertó-
rios e de padrões histórico-sociais que integram a poética cultural dos diversos períodos. Existem
críticos que valorizam o livro a partir da observação de traços de estilo e de recorrências temáticas
que se deixam interpretar como projeção da personalidade do autor. Conhecido como método
psicológico, esse procedimento associa biografia e arte, concebendo, não raro, o artista como um
ser doentio, para quem a atividade criadora funciona como sublimação de distúrbios pessoais. Ate-
nuando a função da imaginação no processo criativo, tal pressuposto oferece o risco de descarac-
terizar o poder de escolha na arte, pois conduz a atenção do crítico para aspectos inconscientes da
criação. Vinculado a este seria o critério daqueles que, no livro, procuram marcas da alma coletiva,
concebida como essência da nacionalidade. Denominada romântica ou nacionalista, tal hipótese
notabilizou-se pela sistematização tradicional do estudo da Literatura Brasileira, que passou a ser
dividida em Período Colonial e Nacional. Pode ser considerada variante do mesmo princípio a linha
de investigação conhecida como crítica ideológica, que examina possíveis vestígios de classe social
na configuração do texto artístico. Por não levar muito em conta a história das formas literárias e
suas dimensões intrínsecas, essa diretriz expõe-se ao risco de atribuir à ideologia de classe o que
pode pertencer ao gênero artístico. Tal seria, por exemplo, o caso de uma análise que interpretasse
o estilo digressivo do narrador de um romance do Segundo Reinado brasileiro como traço da elite
escravista do período.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
16 | Natureza do fenômeno literário

Há também os críticos que procuram a identidade do texto com certo espírito geral da huma-
nidade. Segundo eles, existiriam algumas constantes universais que independem de lugar e tempo,
captadas somente por grandes artistas. Uma das dificuldades desse tipo de crítica consiste em que
ela interpreta as assimilações de uma cultura por outra como manifestação da onipresença da natu-
reza humana, que desconhece a noção de geografia e de história e que, portanto, surge com igual
força tanto em comunidades primitivas quanto em comunidades desenvolvidas. Ao eleger tal no-
ção como categoria de valor, essa abordagem procura, na prática, aproximar literaturas tidas como
menores daquelas que estabelecem o padrão de qualidade europeu. O adjetivo universal tornou-se
tão previsível nessa área, que, em vez de descrever qualquer qualidade objetiva do livro, indica,
antes, carência de vocabulário crítico. Outra hipótese valorativa muito difundida é a que se detém
no grau de realismo das obras, procurando nelas a fidelidade com que se retratam os homens em
sua circunstância social e existencial. Essa posição encontra obstáculo na suposição de que a ideia
de realidade, não importa a forma que possa assumir, impõe-se como principal objetivo de todos os
artistas e tendências. Mesmo aqueles que valorizam o tema da interioridade, da fantasia e do sonho
fazem-no em nome de presumíveis verdades essenciais do indivíduo. O brutalismo de Graciliano
Ramos também se justifica como apego à noção de existência, entendida tanto em dimensão social
quanto psicológica. Assim, o princípio da veracidade, sendo comum à vasta maioria dos artistas e
períodos, pode mostrar-se ineficaz na análise valorativa de obras particulares.
Existe ainda a leitura que valoriza a arte pelo critério de atualidade. De acordo com ela, há ar-
tistas dotados de poder divinatório, no sentido de fazer em seu tempo o que será consagrado em
tempos futuros, propriedade algo metafísica que os torna antecipadores de formas e temas tidos
como ótimos na história da arte. Assim, o melhor escritor seria aquele que, superando o diálogo
com os contemporâneos, adiantasse possíveis códigos futuros. É corrente o princípio de que certos
autores ou tendências preparam a constituição de outras tendências e autores, o que se patenteia
pela adoção do prefixo pré, relacionado a nomes de escolas ou indivíduos. Adota-se, nesses casos, o
princípio de que uma unidade menos importante existe em função de outra de maior relevo, como
se observa na designação pré-modernista aplicada a autores como Lima Barreto ou Monteiro Loba-
to, cuja principal função seria preparar as conquistas da arte associada a 1922.
Conforme os princípios interpretativos sumariamente apresentados acima, a obra de arte terá
tanto mais valor quanto mais convincentemente exprima o ideal de perfeição, a psicologia indivi-
dual, o espírito de um povo, os interesses de uma classe, a natureza humana, o homem em suas
relações com a vida ou a ideia de modernidade. Apesar de desgastadas, tais hipóteses valorativas
ainda se apresentam como modelos possíveis no Brasil. Em perspectiva atual, talvez fosse conve-
niente entender o núcleo de suas respectivas matérias como construções culturais associadas ao
Estado, à escola, à igreja, à política ou à ciência, instituições que estabelecem (e fazem correr como
verdades mais ou menos naturais) o conceito de beleza, de eu, de nacionalidade, de ideologia, de
humanidade, de sociedade e de atualidade, entre outros.
Segundo a visão aqui proposta, a obra de arte literária, sendo fato de linguagem ou ocorrência
semiótica, será considerada como manifestação do discurso social de seu tempo, desde que enten-
dido como categoria conceitual. Assim, a crítica deveria saber relacionar o discurso singular de um
texto com a matriz discursiva de que ele extrai sua fala, estabelecendo homologias entre a configu-
ração específica do livro e a generalidade dos enunciados que ela incorpora, seja para corroborar,

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Natureza do fenômeno literário | 17

ratificar, recusar ou criticar. O crítico atual não deveria, portanto, limitar-se à procura da possível
identidade de um poema com o ideal de beleza, de uma imagem com seu autor, de um romance
com seu povo, de um conto com a classe que o compôs, de um verso com a humanidade, de uma
descrição com o objeto descrito ou de um autor com a antecipação de outro. Em vez de estabelecer
esse tipo de relação, o crítico deverá, sobretudo, reconhecer na obra as estruturas artísticas externas
de que ela se apropria ou com as quais dialoga, tais como a noção de gênero literário, de estilo, de
formas, espécies, procedimentos, tradições e tópicas. Ao lado de inúmeros outros exemplos como
esses, deve-se ter em conta, ainda, o debate cultural de que a obra participa e o conceito de ponto
de vista do emissor, que determina o tom da elocução e de cuja percepção depende a correta classi-
ficação da modalidade de imitação operada. Nesse sentido, seria igualmente desejável que o crítico
conhecesse as doutrinas poéticas e os manifestos de escola, em que se sistematizam os diversos
conceitos de arte, que, inevitavelmente, se alteram com o tempo. Oswald de Andrade, a partir de
certo momento, deixou de gostar de Olavo Bilac; em compensação, o segundo negaria o estatuto
de poeta ao primeiro.

Atividades
1. Em grupo, selecione um tema (amizade, cultura, morte, amor, ambição etc.) e selecione três textos
literários e três textos de revistas ou jornais ou científicos. Compare o modo como tratam o tema.
Discuta com seu grupo. Escreva as conclusões.

2. Pesquise em livros de Teoria da Literatura, História Cultural, Artes e dicionários existentes na


biblioteca e em textos da internet diferentes conceitos para o termo literatura. Compare esses
conceitos. Selecione os que lhe parecerem mais apropriados e faça um quadro, ou gráfico das
ocorrências mais frequentes. Comente os resultados em texto escrito.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
18 | Natureza do fenômeno literário

3. Entreviste cinco pessoas sobre o sentido e a função que conferem à literatura. Reproduza as
respostas por escrito. Compare com as ideias expostas neste capítulo. Comente o resultado com
seu grupo e por escrito

4. A apresentação ao grupo permite nova discussão e a escrita com as conclusões renova a


importância do conhecimento da linguagem e da atenção às nuances da conceituação.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Natureza do fenômeno literário | 19

Gabarito
1.
::: A pesquisa implica leitura.
::: Há necessidade de reconhecer as características do discurso literário, tratadas na teoria.
::: A
discussão do grupo propicia a avaliação de diferentes interpretações, além de exigir para a
consolidação dos dados, a reflexão, a síntese, a argumentação.
::: A
escrita com as conclusões renova a importância do conhecimento da linguagem e da fideli-
dade ao pensamento do grupo.

2.
::: A pesquisa implica leitura.
::: H
á necessidade de discutir os conceitos do discurso literário, tratadas na teoria, após a compa-
ração.
::: A
pesquisa propicia a avaliação de diferentes interpretações do termo, além de exigir para a
consolidação dos dados, a reflexão e a síntese.
::: A representação em gráfico ou quadro desenvolve mais a habilidade de síntese.
::: A
escrita com as conclusões renova a importância do conhecimento da linguagem e da aten-
ção às nuances da conceituação.

3.
::: A pesquisa implica a interação e a oportunidade de conhecer outros modos de entender o
assunto.
::: A
pesquisa propicia a avaliação de diferentes interpretações do termo, além de exigir para a
consolidação dos dados, a reflexão e a síntese.
::: A comparação exigirá o reforço dos conceitos descobertos.
::: A
apresentação ao grupo permite nova discussão e a escrita com as conclusões renova a im-
portância do conhecimento da linguagem e da atenção às nuances da conceituação.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
20 | Natureza do fenômeno literário

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Referências
ABREU, Casimiro de. Poesias Completas. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1961.
AGUIAR E SILVA, Victor Manuel de. Teoria da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1976.
AGUIAR, Flávio; MEIHY, José Carlos; VASCONCELOS, Sandra (orgs.). Gêneros de Fronteira: cruzamentos
entre o histórico e o literário. São Paulo: Xamã, 1997.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Antologia Poética. 46. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Carta a Stalingrado. In:_____. Reunião: 10 livros de poesia de Carlos
Drummond de Andrade. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Fala, Amendoeira. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.
ANDRADE, Mário de. Poesias Completas. São Paulo: Edusp/Itatiaia, 1987.
ANDRADE, Oswald de. Poesias Reunidas. Rio de Janeiro: MEC/Civilização Brasileira, 1972.
ANJOS, Augusto dos. Eu e outras Poesias. 37. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.
ARCOVERDE, Sílvia. Adoração. Disponível em: <http://sitedepoesias.com.br>. Acesso em: 15 nov. 2007.
ARISTÓTELES. Arte Retórica e Arte Poética. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1964.
ARRIGUCCI JR., Davi. Fragmentos sobre a crônica. In: _____. Enigma e Comentário: ensaios sobre litera-
tura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
ARRIGUCCI JR., Davi. Onde andará o velho Braga? In: _____. Achados e Perdidos: ensaios de crítica. São
Paulo: Polis, 1979.
AZEVEDO, Artur. Teatro de Artur Azevedo. Rio de Janeiro: MinC/Inacen, 1987. v. 4.
AZEVEDO, Álvares. Poesias Escolhidas. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1971.
BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética: a teoria do romance. São Paulo: Unesp/Huci-
tec, 1988.
BALDICK, Chris. Oxford Concise Dictionary of Literary Terms. 3. ed. Oxford (GB): Oxford University
Press, 2004.
BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira. Rio de Janeiro: José Olympio/INL, 1970.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
206 | Referências

BANDEIRA, Manuel. Testamento. In: _____. Estrela da Vida Inteira. Rio de Janeiro: José Olympio/ Insti-
tuto Nacional do livro, 1970.
BARTHES, Roland. O Prazer do Texto. São Paulo: Perspectiva, 1977.
BOBES, Maria del Carmen. Semiología de la Obra Dramática. Madrid: Taurus, 1987.
BORNHEIM, Gerd. As dimensões da crítica. In: MARTINS, Maria Helena (org.) Rumos da Crítica. São Paulo:
Editora Senac, 2000, p. 44-45.
BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 43. ed. São Paulo: Cultrix, 2000.
BOURNEUF, Roland; OUELET, Real. O Universo do Romance. Tradução de: José Carlos S. Pereira. Coim-
bra: Almedina, 1976.
BRAGA, Rubem. 200 Crônicas Escolhidas. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.
BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. 21. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.
BRAIT, Beth. A Personagem. 7. ed. São Paulo: Ática, 1999.
BRITTO, Paulo Henriques. Tarde. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
BROCH, Hermann. Os Inocentes: romance em onze contos. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.
CALVINO, Ítalo. Se um Viajante numa Noite de Inverno. São Paulo: Círculo do Livro, s.d.
CANDIDO, Antonio et al. A Crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas/Rio
de Janeiro: Editora da Unicamp/Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.
CANDIDO, Antonio. As unidades expressivas. In: _____. O Estudo Analítico do Poema. 4. ed. São Paulo:
Associação Editorial Humanitas, 2004, p. 103-111.
CARA, Salete Almeida. A Poesia Lírica. 3. ed. São Paulo: Ática, 1989.
CASTELLO, José. A Literatura na Poltrona: jornalismo literário em tempos instáveis. Rio de Janeiro:
Record, 2007.
CASTRO, E. M. de Melo e. Pêndulo. Disponível em : <www.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/C/caligrama.htm >.
Acesso em: 24 nov. 2007.
CASTRO, Rodrigo Campos. A marca da maldade. Entrelivros, São Paulo, ano 3, n. 28, p. 23, jul. 2007.
CEIA, Carlos. E-dicionário de Termos Literários. Universidade Nova de Lisboa, 2006. Disponível em:
<www.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/C/caligrama.htm>. Acesso em: 6 set. 2007.
CHASSANG-SENNINGER. Les Textes Littéraires Généraux. Paris: Hachette,1958.
COELHO, Nelly Novaes. O Conto de Fadas. São Paulo: Ática, 1987.
COMPAGNON, Antoine. O Demônio da Teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Editora da
UFMG, 1999.
CONY, Carlos Heitor. Quase Memória. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
COSTA, Cláudio Manuel da. Poemas. São Paulo: Cultrix, 1966.
CRUZ E SOUSA, João da. Cárcere das almas. In:_____. Poesia Completa. Florianópolis: Fundação Catari-
nense de Cultura, 1981.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Referências | 207

CULLER, Jonathan. Sobre a Desconstrução: teoria e crítica do pós-estruturalismo. Rio de Janeiro: Rosa
dos Tempos, 1997.
CULLER, Jonathan. Teoria Literária: uma introdução. São Paulo: Beca Produções Culturais, 1999.
CUNNINGHAM, Michael. As Horas. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
DIMAS, Antônio. Espaço e Romance. São Paulo: Ática, 1985.
EAGLETON, Terry. A Ideia de Cultura. São Paulo: Unesp, 2005.
EICKENBAUM et al. Teoria da Literatura: formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1971.
ELLIOT, T. S. A função social da poesia. In: _____. A Essência da Poesia: estudos & ensaios. Rio de Janeiro:
Artenova, 1972.
ENCICLOPÉDIA Britannica do Brasil. São Paulo: Enciclopédia Britannica do Brasil, 1981.
GARCÍA MÁRQUEZ, Gabriel. (a) Crônica de uma Morte Anunciada. Rio de Janeiro: Record, s.d.
GARCÍA MÁRQUEZ, Gabriel. (b) O Amor nos Tempos do Cólera. Rio de Janeiro: Record, s.d.
GOLDSTEIN, Norma. Versos, Sons, Ritmos. 14. ed. São Paulo: Ática, 2006.
GONZÁLEZ, Mario. O Romance Picaresco. São Paulo: Ática, 1988.
GONÇALVES DIAS. Sel. notas, est. biogr. Beth Brait. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.
GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do Conto. 10. ed. São Paulo: Ática, 2000.
HAVELOCK, Eric A. A Revolução da Escrita na Grécia e suas Consequências Culturais. São Paulo:
UNESP/Paz e Terra, 1996.
HELBO, André. Teoría del Espectáculo: el paradigma espectacular. Buenos Aires: Galerna, 1989.
HOMERO. Ilíada. 4. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1962.
HORÁCIO. Arte poética. In: ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A Poética Clássica. São Paulo: Editora da
USP/Cultrix, 1981.
INGARDEN, Roman. As funções da linguagem no teatro. In: GUINSBURG, J.; COELHO NETTO, J. Teixeira;
CARDOSO, Reni Chaves (orgs.). Semiologia do Teatro. São Paulo: Perspectiva/Secretaria de Cultura,
Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.
ISER, Wolfgang. O Ato da Leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Editora 34, 1996.
JAUSS, Hons-Robert. A História da Literatura como Provocação à Teoria Literária. São Paulo: Atica,
1994.
JOLLES, André. Formas Simples. São Paulo: Cultrix, 1976.
JUNQUEIRA, Ivan. Poesia Reunida. Rio de Janeiro: A Girafa, 2005.
KOLODY, Helena. Reika. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1993.
LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Um Brasil para Crianças. 4. ed. São Paulo: Global, 1993.
LEITE, Lígia Chiappini Moraes. O Foco Narrativo. 10. ed. São Paulo: Ática, 2000.
LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas Ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da lite-
ratura. Barueri: Manole, 2004.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
208 | Referências

LIMA, Luís Costa. A questão dos gêneros. In: _____. Teoria da Literatura em suas Fontes. 2. ed. Rio de
Janeiro: Francisco Alves, 1983. v. 1, p. 237-274.
LUKÁCS, Georg. A Teoria do Romance. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2000.    
LUNA, Jayro. Caderno de Anotações. Belo Horizonte/São Paulo: Signos/Editora Oportuno, 2005.
MACHADO DE ASSIS. Crítica & Variedades. São Paulo: Globo, 1997.
MADUREIRA, Pedro Paulo de Senna. Rumor de Facas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
MAISTRE, Xavier de. Viagem à Roda de meu Quarto/Expedição Noturna à Roda de meu Quarto. São
Paulo: Estação Liberdade, 1989.
MATEUS, J. A. Osório. Escrita de Teatro. Amadora: Bertrand, 1977.
MEIRELES, Cecília. Obra Poética. Rio de Janeiro: J. Aguilar, 1972.
MESQUITA, Samira Nahid de. O Enredo. São Paulo: Ática, 1986.
MOISÉS, Massaud. Dicionário de Termos Literários. São Paulo: Cultrix, 1997.
MONGELLI, Lênia Márcia de Medeiros. A Literatura Portuguesa em Perspectiva. São Paulo: Atlas,
1992-1994.
NARCEJAC, Boileau. O Romance Policial. São Paulo: Ática, 1991.
OLIVEIRA, Lucia Lippi de. O ensaio e suas fronteiras. In: AGUIAR, Flávio; MEIHY, José Carlos; VASCONCE-
LOS, Sandra (orgs.). Gêneros de Fronteira: cruzamentos entre o histórico e o literário. São Paulo: Xamã,
1997, p. 63-69.
PAIXÃO, Fernando. O que é Poesia. São Paulo: Brasiliense, 1982.
PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.
PAZ, Octavio. O Arco e a Lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.
PESSOA, Fernando. Carta a Adolfo Casais Monteiro: sobre a gênese dos heterônimos. In: _____. Obras
em Prosa. Rio de Janeiro: J. Aguilar, 1974.
PESSOA, Fernando. Obra Poética. Rio de Janeiro: J. Aguilar, 1965.
PIGLIA, Ricardo. O Laboratório do Escritor. São Paulo: Iluminuras, 1994.
PIGLIA, Ricardo. Teses sobre o conto. Caderno Mais, Folha de S.Paulo, 30 dez. 2001, p. 24.
POUILLON, Jean. O Tempo no Romance. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1974.
POUND, Ezra. A Arte da Poesia: ensaios escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1976.
PROENÇA FILHO, Domício. A Linguagem Literária. São Paulo: Ática, 1986.
PROPP, Vladimir. Morfologia do Conto. Lisboa: Editorial Vega, 1978.
QUEIRÓS, Eça de. O Crime do Padre Amaro. São Paulo: Ática, 1993.
QUEIRÓS, Eça de. O Primo Basílio. São Paulo: Abril Cultural, 1971.
QUINN, Edward. A Dictionary of Literacy anda Thematic Terms. Nova Iorque: Checkmark Books,
1999.
QUINTANA, Mario. 80 Anos de Poesia. Porto Alegre: Globo, 1994.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
Referências | 209

REGO, José Lins do. Menino de Engenho. Rio de Janeiro: José Olympio, 1960.
REIS, Luzia de Maria R. O que É o Conto. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 10.
REUTER, Yves. Introdução à Análise do Romance. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
RILKE, Rainer Maria. Os Sonetos a Orfeu/Elegias de Duíno. Rio de Janeiro: Record, 2002.
RODRIGUES, Selma Calasans. O Fantástico. São Paulo: Ática, 1988.
ROGER, Jérôme. A Crítica Literária. Rio de Janeiro: Difel, 2002.
ROSENFELD, Anatol. Prismas do Teatro. São Paulo: Perspectiva/Edusp, 1991.
SABINO, Fernando. Deixa o Alfredo Falar! Rio de Janeiro: Record, 1983.
SAMUEL, Rogel (org.) Manual de Teoria Literária. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.
SARTRE, Jean-Paul. Que É a Literatura? São Paulo: Ática, 1989.
SCHILLING, Voltaire. O Mito da Caverna. Disponível em: <http://educaterra.terra.com.br/voltaire/cultu-
ra/caverna.htm>. Acesso em: 19 out. 2007.
SILVEIRA, Jorge Fernandes da. Fernão Lopes e José Saramago: viagem-paisagem-linguagem, cousa de
veer. In: CANDIDO, Antonio et al. A Crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Cam-
pinas/Rio de Janeiro: Unicamp/Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.
SOARES, Angélica Maria dos Santos. A crítica. In: ROGEL, Samuel (org.). Manual de Teoria Literária.
Petrópolis: Vozes, 1997, p. 90-100.
SOARES, Angélica. Gêneros Literários. 6. ed. São Paulo: Ática, 2000.
SOARES, Angélica. Gêneros Literários. São Paulo: Ática,1989.
STAIGER, Emil. Conceitos Fundamentais da Poética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1972.
SZONDI, Peter. Teoria do Drama Moderno: 1880-1950. São Paulo: Cosac Naify, 2001.
SÁ, Jorge de. A Crônica. 3. ed. São Paulo: Ática, 1987.
SÜSSEKIND, Flora. Cinematógrafo de Letras: literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo:
Companhia das Letras, 1987.
TEIXEIRA, Ivan. O livro, seu valor e a análise literária. O Estado de S.Paulo, 30 jul. 2006.
TODOROV, Tzvetan. Os Gêneros do Discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980.
UBERSFELD, Anne. Lire le Théatre I. Paris: Editions Sociales, 1977.
VAILLANT, Alain. La Poésie: initiation aux methods d’analyse des texts poétiques. Paris: Armand Colin,
2005.
VERISSIMO, Luis Fernando. O Melhor das Comédias da Vida Privada. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.
WATT, Ian. A Ascensão do Romance: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. São Paulo: Compa-
nhia das Letras, 1990.
WELLEK, René; WARREN, Austin. Teoria da Literatura. 5. ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1998.
WILSON, Edmund. O Castelo de Axel: estudo sobre a literatura imaginativa de 1870 a 1930. 2. ed. São
Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br