Sunteți pe pagina 1din 55

Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-

presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião


dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".
Assim que chegou à Colômbia, na noite deste domingo (24), o vice-
presidente Hamilton Mourãodisse ao blog que a posição brasileira na reunião
dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não
intervenção na Venezuela. O encontro acontece nesta segunda-feira (25) em
Bogotá.
O Brasil vai defender entre os países do grupo uma pressão
diplomática para o isolamento internacional do regime Maduro. De
forma reservada, militares brasileiros têm reforçado que uma
intervenção militar na Venezuela pode criar uma instabilidade na
região. Há preocupação com a situação da fronteira no estado de
Roraima.
"Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão
diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras",
disse Mourão ao Blog.
A posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento
dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao
Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado
sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão
reconheceu o movimento americano neste sentido. "Julgo que [os
Estados Unidos] desejam isso", disse o vice-presidente.
Perguntado pelo blog sobre qual deve ser a linha adotada na reunião
desta segunda, pelo Grupo de Lima, o vice-presidente Hamilton
Mourão foi direto: "Solução pacífica".
O Itamaraty também acompanha a posição do vice-presidente
Hamilton Mourão. "Seguimos na linha de condenação do regime de
Maduro, da indignação pela violência que exerce contra a própria
população, mas sempre pela saída política por meio da pressão
diplomática. Seguimos contra intervenção militar. Mas advogamos
pressão crescente da comunidade internacional pelo fim da opressão
e pelo regresso da democracia na Venezuela", disse ao blog um
diplomata brasileiro que está acompanhando em Bogotá a reunião do
Grupo de Lima.
Neste domingo (24), o governo brasileiro condenou, por meio de nota
divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "os atos de
violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás
Maduro".

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA
HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C
ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA

HFDIUHJGOIFDDFGDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAPARA COM ISSO,C


ARA NÃO FAZ O MENOR SENTIDO ESSA PALHAÇADA TODA