Sunteți pe pagina 1din 524

PAN-AMAZÔNIA

Visão Histórica, Perspectivas


de Integração e Crescimento

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 1 14/09/2015 15:08:17


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 2 14/09/2015 15:08:17
Osiris M. Araújo da Silva e Alfredo Kingo Oyama Homma
(Organizadores)

PAN-AMAZÔNIA
Visão Histórica, Perspectivas
de Integração e Crescimento

1ª Edição

Manaus
Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM)
2015

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 3 14/09/2015 15:08:17


Projeto gráfico e diagramação
Júlio César da Silva Delfino

Prefixo Editorial: 69887


ISBN: 978-85-69887-00-3
Os conceitos e opiniões emitidos são
de inteira responsabilidade dos autores
e não expressam o ponto de vista das
instituições vinculadas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 5 14/09/2015 15:08:18


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 6 14/09/2015 15:08:18
Os autores
Alfredo Kingo Oyama Homma
Doutor em Economia Rural pela Universidade Federal de Viçosa,
Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental.

Antônio José Mendonça de Toledo Lobato


Major Brigadeiro do Ar, Comandante do Sétimo Comando Aéreo
Regional (VII Comar), recebeu inúmeras condecorações, incluindo
Ordem do Mérito Aeronáutico, grau “Grande-Oficial”.

Augusto César Barreto Rocha


Doutor em Engenharia de Transportes pela Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Professor da Universidade Federal do Amazonas.

Bertha K. Becker (1930-2013)


Pós-doutora pelo Massachusetts Institute of Technology, professora da
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuou como pesquisadora na
área de geopolítica do Brasil, particularmente da Amazônia.

Carlos Gilberto Zárate Botía


Doctor en Historia Comparada de América Latina, Profesor Asociado
da Universidad Nacional de Colombia e pesquisador do Instituto
Amazónico de Investigaciones.

Carlos Ariel Salazar Cardona


Máster en Desarrollo Rural, sociólogo en el Instituto Amazónico de
Investigaciones Científicas, Coordinador do Programa Dinámicas
Socioambientales.

Daniel Borges Nava


Mestre em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia
pela Universidade Federal do Amazonas. Atua em geologia
ambiental, recursos minerais e recursos hídricos.

Domingos Savio Almeida Nogueira


Vice-Almirante, Comandante do 9° Distrito Naval, comandou o
Navio-Varredor Abrolhos, o Rebocador de Alto-Mar Triunfo, o 6º
Distrito Naval e a Força de Superfície.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 7 14/09/2015 15:08:18


Ennio Candotti
Físico ítalo-brasileiro, professor da Universidade Federal do Espírito
Santo. Presidente de Honra da SBPC desde 2001. Diretor do Museu
da Amazônia e professor voluntário da UFAM.

Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira


General-de-Exército do Exército Brasileiro, Comandante Militar da
Amazônia, Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e
Estado-Maior de Exército.

Ima Célia Guimarães Vieira


Doutora em Ecologia pela University of Stirling, pesquisadora do
Museu Paraense Emilio Goeldi, coordena o INCT Biodiversidade e
Uso da Terra na Amazônia.

José Alberto Machado da Costa


Doutor em Desenvolvimento Socioambiental, Professor da UFAM,
Coordenador de Pesquisa em Sociedade, Ambiente e Saúde, do
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.

José Maria Cardoso da Silva


Doutor em Biologia pela Universidade de Copenhagen, Professor
do Departamento de Geografia da Universidade de Miami e
do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical da
Universidade Federal do Amapá.

Lillian Alvares
Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília
e pela Université du Sud Toulon-Var, Professora da Faculdade de
Ciência da Informação da Universidade de Brasília.

Luis Campos Baca


Profesor de la Universidad Nacional de la Amazonia Peruana,
Director del Programa de Investigación en Información de la
Biodiversidad Amazónica.

Luz Marina Mantilla Cárdenas


Maestría en Gobierno y Políticas Públicas en la Universidad
Externado de Colombia. Directora General Instituto Amazónico de
Investigaciones Científicas da Colômbia.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 8 14/09/2015 15:08:19


Márcio Souza
Escritor, com diversas obras dedicadas ao ambiente sociocultural da
Amazônia, tais como Mad Maria, Plácido de Castro contra o Bolivian
Syndicate, Zona Franca, meu amor, entre outras.

Osiris M. Araújo da Silva


Economista, especialista em desenvolvimento, ocupou vários
cargos públicos de relevo nos últimos anos. Assina a Coluna semanal
Visão Integrada publicada no Caderno de Economia do jornal
A Crítica, de Manaus.

Peter Mann de Toledo


Doutor em Geology pela University of Colorado, pesquisador do
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Atua em políticas públicas
em ciência e tecnologia na Amazônia e Paleontologia.

Ricardo Nogueira
Doutor pela Universidade de São Paulo, professor do Departamento
de Geografia da Universidade Federal do Amazonas e do Programa
de Pós-graduaçao em Geografia.

Roberto Araújo O. Santos Junior


Doutor em Ethnologie pela Université de Paris X, pesquisador do
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, atua em ocupação humana
da Amazônia, antropologia rural e mudança social.

Rogério Guedes Soares


Graduado em Administração de Empresas, diretor-geral do
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia
(Censipam).

Rosa Oliveira de Pontes


Mestre em Ciências Jurídicas pela Universidade Federal da Paraíba,
área de concentração em Direito Econômico. Exerceu vários cargos na
administração pública estadual do Amazonas.

Rosalía Arteaga Serrano


Ex Presidenta y Vicepresidenta del Ecuador. Ex Secretaria General de
la OTCA. Presidenta Ejecutiva Fundación Fidal do Ecuador.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 9 14/09/2015 15:08:19


Rubem Cesar Rodrigues Souza
Doutor em Planejamento de Sistemas Energéticos pela Unicamp,
Professor do Curso de Engenharia Elétrica da Ufam, Diretor do
Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico.

Salomón Jaya Quezada


Profesor Principal y Director del Centro de Excelencia en Transporte
Intermodal y Fluvial, de la Universidad Central del Ecuador.

Thiago Oliveira Neto


Bolsista de Iniciação Científica do Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico, alocado em projeto da
Universidade Federal do Amazonas.

Violeta Refkalefsky Loureiro


Doutora em Sociologia pela Universidade Paris III e professora
da Universidade Federal do Pará, onde atua nos programas de
pós-graduação em Sociologia, Antropologia e Direito.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 10 14/09/2015 15:08:19


Epígrafe

Eu quase que nada não sei.


Mas desconfio de muita coisa.

João Guimarães Rosa (1908-1967)


(Grande Sertão: Veredas)

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 11 14/09/2015 15:08:19


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 12 14/09/2015 15:08:19
DEDICATÓRIA
Dedico esta obra à minha mulher, Arabi
Amed e Silva; aos meus filhos Sérgio Augusto,
Celso Henrique e Claudia; aos genros Shan
Valério, Ana Lúcia e Claudia Pruner; aos netos
Luís Felipe, Francesca, Victoria, Guilherme, Ana
Beatriz, Clara, Carolina e Isabella; e aos meus
pais, Osvaldo Medeiros da Silva e Maria Araújo
da Silva (in memoriam).
Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 14 14/09/2015 15:08:19
Agradecimentos

Agradecemos o decisivo apoio, a crença e o entusiasmo ao projeto


deste livro, demonstrados por amigos, professores, pesquisadores e
autoridades que decisivamente, mesmo nos momentos mais difíceis,
não deixaram de acreditar na obra que com tanto amor e entusiasmo
planejamos e executamos. Destacamos os seguintes:
–– Prof. Freddy Orlando Espinoza Cárdenas, da Universidade
Estadual do Amazonas (UEA), Campus de Tabatinga e da
Universidad Nacional de Colombia, Sede Letícia, conselheiro
e guia nas visitas por ele organizadas à Universidad Nacional
de Colombia e ao Instituto Amazónico de Investigaciones
Científicas SINCHI, em Letícia.
–– Prof. Alvaro Gomez, da Universidade Estadual do Amazonas
(UEA), Campus de Tabatinga.
–– Dom Alcimar Magalhães, da Diocese do Alto Solimões.
–– Ao Engenheiro Aluizio Barbosa Ferreira, diretor-presidente
da Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas
(Ciama) e ao Sr. Jaime Soares dos Santos, gerente local da
empresa pelo apoio logístico dispensado em Tabatinga (AM)
e Letícia (Colômbia).
–– Ao Sr. Alcélio Castello Branco, Secretário de Ação Social da
Prefeitura Municipal de Tabatinga (AM).
–– Professores e pesquisadores da Universidad Nacional de
Colombia, Sede Letícia, nas pessoas dos professores Carlos
Gilberto Zarate Botia e Germán Alfonso Palacio Castañeda.
–– Pesquisadores do Instituto Amazónico de Investigaciones
Científicas SINCHI (Colombia), Departamento de Letícia, e à
sua diretora geral, Dra. Luz Marina Mantilla, que com tanta
dedicação, boa vontade e cooperação nos recebeu em Bogotá.
–– Dr. José Giraldo Gallo, da Universidad Nacional de Colombia,
e ao seu filho, o jornalista Felipe Giraldo, pelo importante
apoio logístico que nos proporcionaram em Bogotá.
–– Prof. Fernando Urbina, da Universidad Nacional de Colombia.
–– Prof. Fernando Franco, da Universidad Nacional de Colombia.
–– Dra. Rosalia Arteaga Serrano e à sua irmã Claudia Arteaga
Serrano, da Fundación para la Integración y Desarrollo de
América Latina (Fidal), em Quito.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 15 14/09/2015 15:08:19


–– Prof. Salomón Jaya Quezada, da Universidade Central de
Equador (UCE).
–– Dr. Franklin Eduardo Soria, Director General del Instituto
Eco Nómada, em Quito, por seu importante apoio logístico e a
oportunidade da visita à Amazônia Equatoriana.
–– Prof. Fernando Estensoro, do Instituto de Estudios Americanos
da Universidade de Santiago de Chile.
–– Amigos e entusiastas do projeto deste livro desde os primeiros
momentos:
–– Marcio Souza, escritor.
–– Dr. José Alberto da Costa Machado, da Universidade
Federal do Amazonas.
–– Empresário Jaime Benchimol.
–– Dra. Lillian Alvares, entusiástica coordenadora da produção
editorial do livro, autora do capítulo sobre o Prof. Samuel
Benchimol e a sua equipe (Margaret Palermo, Júlio César
Delfino, Anderson Moraes, Carmen Chaves).
–– Dra. Ima Célia Guimarães Vieira, pesquisadora titular do
Museu Paraense Emilio Goeldi.
–– Dr. Sergio Melo de Oliveira, Chefe de Gabinete Corporativo
da Fieam.
–– Dr. Paulo Pereira, diretor de Comunicação e Marketing da
Fieam.
–– Dr. Belisário Arce, presidente da Associação Pan-Amazônia,
pelo suporte propiciado à programação de viagem aos
países da Amazônia Sul-Americana.
Agradecimentos especiais à Federação das Indústrias do Estado
do Amazonas (Fieam), na pessoa do seu presidente, empresário Antônio
Carlos da Silva, que não mediu esforços, como autêntico Caio Mecenas
(68-8a.C) da época contemporânea, para a concretização deste livro.
E, com destaque, os nossos imorredouros e especiais agrade­
cimentos a cada um dos autores dos capítulos, por acreditarem desde
o primeiro momento em nosso projeto e pela qualidade dos estudos
produzidos, responsáveis máximos pela qualidade deste livro.
Osiris M. Araújo da Silva
Alfredo Kingo Oyama Homma
Organizadores

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 16 14/09/2015 15:08:19


A concretização deste livro decorreu da
força de vontade do economista Osiris M. Araújo
da Silva, que não mediu esforços em alcançar
este objetivo, com a colaboração de uma rede de
pessoas do seu relacionamento.
Alfredo Kingo Oyama Homma, Co-organizador.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 17 14/09/2015 15:08:19


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 18 14/09/2015 15:08:19
A presentação

Este livro nos traz uma excelente coletânea de 23 artigos sobre


a Amazônia, cuidadosamente escolhidos por Osiris M. Araújo da Silva
e Alfredo Kingo Oyama Homma. Os textos apresentam um quadro
atual e amplo sobre a região, abrangendo as áreas da geografia,
história, cultura, tecnologia, política, segurança nacional, logística e
meio ambiente não apenas no Brasil, mas também em outros países
amazônicos, como Colômbia, Peru e Equador.
Acredito que, ao concluir a leitura do livro, o leitor terá melhor
compreensão das transformações e impactos que as mudanças recentes
na ciência, na política e no clima estão trazendo para a Região
Amazônica. Terá aprendido, como aconteceu comigo, sobre numerosas
ações de desenvolvimento que tem sido implementadas e sobre
pesquisas científicas que têm sido realizadas por estudiosos da região
para entender nossas potencialidades.
O leitor testemunhará também as dificuldades em conceber
políticas públicas para um território tão vasto e heterogêneo. Contudo,
perceberá como o interesse e o valor da região crescem como uma das
últimas fronteiras do planeta a ser estudada e compreendida.
Faço a seguir breves comentários sobre aspectos interessantes
que me chamaram a atenção em cada um dos artigos.
Rosalía Arteaga propõe a necessidade de fortalecer as instituições
conjuntas dos oito países (Brasil, Bolívia, Peru, Colômbia, Equador,
Venezuela, Guiana e Suriname) que compõem a Organização do
Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) como única forma de
responder adequadamente aos grandes desafios ambientais que temos.
Osiris M. Araújo da Silva apresenta a simbiose homem-floresta
através da emocionante narrativa do poeta Thiago de Mello, que
transformou geografia em poesia no trajeto desde os Andes até
o Atlântico. Osiris faz também um completo passeio pelas nossas
potencialidades econômicas, incluindo a Zona Franca de Manaus,
petróleo e gás, turismo, biodiversidade, agricultura, produtos regionais,
transporte e precificação do meio ambiente. Lembra que, com a
dificuldade em definir políticas públicas para a região, a preservação
tem sido a única opinião comum.
Bertha Becker, em o “Futuro e a Amazônia”, aborda o imperativo
da inovação científica e lembra que o desenvolvimento sustentável

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 19 14/09/2015 15:08:19


não é um produto acabado, pois envolve um processo contínuo de
mudança e adaptação. Assim, Becker questiona aqueles que desejam
manter a floresta improdutiva e argumenta que a Amazônia já é
predominantemente verde e urbanizada, porém precisa de uma base
econômica que a mantenha assim.
Marcio Souza traz uma visão histórica das correntes migratórias
da população e da integração da região com o Brasil. Ele nos mostra
como, contrariamente à percepção comum, a Amazônia foi e é
acostumada com a modernidade.
Violeta Refkalesfsky Loureiro argumenta que o modelo econômico
de desenvolvimento adotado nas últimas décadas foi concentrador de
renda e produtor de commodities de baixo valor agregado tendo se
esquecido das populações regionais. Ela propõe cenários alternativos.
José Maria Cardoso da Silva estuda a divisão biogeográfica
da Amazônia em nove sub-regiões que se comportam como ilhas
na floresta, separadas por grandes rios e abrangendo um conjunto
único de espécies. Desenha um cenário possível que inclui florestas
produtivas, paisagens e cidades sustentáveis.
O General Guilherme Cals de Oliveira mostra a relevância
das ações do Exército Brasileiro para a defesa e proteção da região,
enfatizando os esforços logísticos realizados pelo Comando Militar da
Amazônia, que também apoia os municípios da região e contribui para
atividades de combate ao narcotráfico.
O Vice-Almirante Domingos Sávio Noqueira destaca a
característica hídrica da Amazônia e explica que é possível conciliar
o desenvolvimento econômico com a proteção ao meio ambiente.
Demonstra ainda que o transporte fluvial – subutilizado no Brasil – é
o mais apropriado meio de transporte do ponto de vista da eficiência
energética e da emissão de carbono.
O Major-Brigadeiro do Ar Antônio José Lobato apresenta a
atuação da Força Aérea Brasileira e em especial do 7º Comando Aéreo
Regional (Comar) nas ações de defesa e proteção da Amazônia, que
frequentemente incluem também apoio à saúde e combate ao tráfico
de drogas.
Rogério Guedes Soares descreve a atuação do Centro Gestor
e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) no
monitoramento climático, na hidrologia, na cartografia e no combate
ao desmatamento. Essas pesquisas e informações apoiam também

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 20 14/09/2015 15:08:20


outras importantes instituições como a Funai, o Ibama, a Polícia
Federal, a Abin etc.
Ennio Candotti escreve sobre o status da ciência e tecnologia
na Amazônia, lembrando que a despeito dos mais de R$80 bilhões
de faturamento do Polo Industrial de Manaus e dos mais de R$25
bilhões de renúncia fiscal, faltam conhecimento científico e centros de
estudo na região. Constata, por exemplo, que apenas 0,3% das patentes
nacionais são concedidas para institutos de pesquisa no Norte do Brasil.
Jose Alberto Machado e Rosa Pontes analisam as circunstâncias
econômicas e políticas que produziram o atual modelo da Zona Franca
de Manaus. Tecem considerações sobre as políticas de incentivos no
âmbito federal, estadual e municipal, e destacam os êxitos, contradições
e entraves ao nosso crescimento, dentre esses a instabilidade jurídica e
a complexidade tributária. Demonstram que, na última década, houve
perda de dinamismo no crescimento do Amazonas relativamente aos
demais estados do Norte, e propõem uma agenda de aperfeiçoamento
do modelo para os próximos 50 anos.
Alfredo Kingo Oyama Homma faz uma revisão histórica da
agricultura na região através da saga das famílias de imigrantes
japoneses, inclusive da própria família. Destaca o papel central dessa
imigração e de seus pioneiros nas culturas de juta e pimenta-do-
reino, e argumenta pela necessidade de aprimoramento genético e
domesticação de plantas extrativas que apresentam problema na oferta.
Defende maior atenção para as áreas já desmatadas da Amazônia com
atividades produtivas mais adequadas, como a solução para reduzir os
impactos ambientais e do desenvolvimento de uma agricultura mais
sustentável. Propõe maior papel para a piscicultura, que atualmente
responde pelo equivalente a apenas 10% da produção de carne bovina
e frango no país, e preocupa-se com a dificuldade de atrair jovens
para o setor agrícola. Maiores investimentos em tecnologia agrícola
e no capital social em todas as Unidades Federativas da região como
medidas importantes para o contexto geopolítico da Amazônia Legal,
que sempre é colocado numa perspectiva abstrata, prejudicando a
busca de um desenvolvimento concreto.
Rubem Cesar Souza oferece um cenário sobre a produção
de energia elétrica na região, com ênfase na hidroeletricidade,
apresentando marcos da produção, transmissão e distribuição de
energia bem como da interligação do nosso sistema com o grid
nacional. Discute os atrasos que sofremos por conta dos processos

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 21 14/09/2015 15:08:20


de licenciamento e inclui a energia solar como uma alternativa a ser
considerada no futuro.
Daniel Nava fala do potencial mineral da Amazônia, que ainda é
pouco estudado e conhecido representado juntamente com a Antártida
e o Oceano Ártico, as últimas fronteiras minerais do planeta. Discorre
sobre os conflitos a atrasos na exploração mineral pela ausência de
uma regulamentação clara para exploração nas áreas de conservação
da biodiversidade e reservas indígenas, que atualmente representam
cerca de 50% da região. Discute a necessidade de formalização dos
garimpos e o potencial de produção de potássio a partir das reservas já
prospectadas no Amazonas, nos municípios de Autazes e Nova Olinda.
Lillian Alvares apresenta o que considero ser a melhor síntese
da obra de Samuel Benchimol, segmentando-a cronologicamente de
modo a facilitar a compreensão e a contextualização histórica. Dentre
os principais conceitos de Benchimol, estão os quatro paradigmas para
um desenvolvimento sustentável; a preocupação em manter o homem
no centro da equação de nossas políticas; a necessidade de a Amazônia
ser recompensada pela renúncia que fazemos ao uso de nossos recursos
naturais; a compreensão de que a região é heterogênea e que as políticas
públicas frequentemente erram ao não considerar essas diferenças;
e finalmente os Estatutos do Amazônida, uma proposta de direitos e
deveres para os habitantes da região.
Ima Célia Guimarães Vieira, Roberto Araújo O. Santos Jr,
Peter Mann de Toledo fazem uma homenagem e uma reflexão sobre
a obra de Bertha Becker, destacando algumas de suas propostas e
contribuições para a Amazônia, dentre elas o reconhecimento da
diversidade regional, a importância das cidades, o aproveitamento
da revolução científico-tecnológica, a necessidade de resolução da
questão fundiária. Becker recomenda a associação entre a preservação
ambiental e o desenvolvimento para evitar o que chamou de “fronteira
de pobreza”, e, com relação à floresta, afirma que “o cerne do novo
padrão de desenvolvimento é superar o falso dilema entre a conservação,
entendida como preservação intocável, e a utilização, compreendida
como destruição”.
Augusto César Barreto Rocha trata dos desafios da logística de
transporte na integração da Amazônia ao Brasil. Nesse contexto destaca
as dimensões continentais de uma região com baixíssima densidade
populacional e os parcos investimentos realizados em infraestrutura
nos últimos 20 anos, que se traduzem em índices mínimos de rodovias

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 22 14/09/2015 15:08:20


por área territorial ou por habitante. Rocha convoca as futuras
gerações a corrigir os erros do passado de subinvestimento em logística
e subaproveitamento de nosso potencial econômico.
Carlos Gilberto Zárate Botía descreve os caminhos incertos
da integração fronteiriça na Amazônia e seu histórico de conflitos
envolvendo principalmente Peru, Colômbia, Equador e Bolívia. Relata
os desafios de fragmentação espacial, política e social da região, bem
como as dificuldades administrativas de monitoramento e controle das
extensas fronteiras. Explica a existência de sub-regiões transnacionais,
como, por exemplo, a que abrange Tabatinga no Brasil, Letícia na
Colômbia e Santa Rosa no Peru, e argumenta a favor da criação de
ferramentas de ação conjunta.
Luis Campos Baca apresenta estudo do impacto de possíveis
mudanças climáticas sobre as áreas inundáveis e igapós, que são a zona
de maior riqueza de espécies e que vêm sendo colonizadas há cerca de
12 mil anos. Alerta que a diferença de temperatura entre o Equador
e os polos é uma das principais forças que atuam sobre a circulação
atmosférica, e que o aquecimento global poderá alterar essa diferença.
Salomón Jaya Quezada demonstra as possibilidades de
utilizarmos logística de transporte intermodal do Pacífico equatoriano
até os portos de Manaus e Belém. A conexão seria rodoviária a partir
dos portos marítimos de Esmeralda, Manta, Guayaquil e Porto Bolívar
via Quito até Porto Itaya. A partir daí pelo Rio Napo seria possível
navegar com barcaças durante a maior parte do ano (exceto durante a
estiagem) através do Peru até Tabatinga e – seguindo o Rio Solimões/
Amazonas – até Manaus e Belém.
Luz Marina Mantilla Cárdenas e Carlos Ariel Salazar Cardona
descrevem a realidade atual das regiões noroeste e sudeste da Amazônia
colombiana, apresentando suas estruturas econômicas, geossociais e
culturais. Relatam os avanços das pastagens bovinas sobre essas regiões,
mas constatam que as plantações de coca foram reduzidas em mais de
70% como resultado das ações de combate ao narcotráfico e às FARCs,
nos últimos 15 anos. Destacam a contribuição do Instituto Amazónico
de Investigaciones Científicas SINCHI no estudo da região e propõem
que a biodiversidade seja considerada um vetor de desenvolvimento
sustentável. Citam exemplos das indústrias de cosméticos e higiene
pessoal na Colômbia, que utilizam bioativos como ingredientes e
insumos.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 23 14/09/2015 15:08:20


Ricardo José Nogueira faz uma abordagem escalar da tríplice
fronteira entre Tabatinga no Estado do Amazonas no Brasil, Letícia
no Departamento do Amazonas na Colômbia e a Vila de Santa Rosa
no Departamento de Loreto no Peru. Essa região, acessível apenas por
via fluvial ou aérea, está situada quase no centro de um polígono que
compreende cerca de 500.000 km2 de áreas do Brasil, Peru, Colômbia
e Venezuela em que não há estradas pavimentadas. Nogueira explica
que, em razão do isolamento geográfico e político, a conexão entre
essas cidades é maior do com os seus respectivos centros nacionais.
Com esses rápidos – e incompletos – comentários sobre cada artigo
espero ter aguçado sua curiosidade em continuar a ler para conhecer o
conteúdo integral dos textos a seguir e, através deles, alcançar melhor
compreensão da Amazônia.

Jaime Benchimol
Economista e empresário

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 24 14/09/2015 15:08:20


Prefácio
A Amazônia é mais complexa do que a visão do simples desafio
imposto pelas suas características únicas, a nortear ao longo da
história políticas públicas e iniciativas empreendedoras equivocadas,
ao contrário da necessária compreensão desta região repleta de
oportunidades diferenciadas.
Para alcançarmos o desenvolvimento sustentável, é imperioso
conhecê-la em suas particularidades, com as diferenças de cada
macrorregião e, não menos importante, compreendermos como a
atuação humana nessas áreas tem se mostrado em equilíbrio com o
meio ambiente e, ao mesmo tempo, gerando riquezas.
A iniciativa de produção do livro Pan-Amazônia: Visão Histórica,
Perspectivas de Integração e Crescimento, de responsabilidade do
economista Osiris M. Araújo da Silva e do pesquisador da Embrapa
Alfredo Kingo Oyama Homma, que obteve apoio generalizado pela
sua importância, é louvável por abrigar as mais amplas perspectivas
sobre a Amazônia e indicar os desafios a serem enfrentados.
Há necessidade estratégica do estreitamento das alianças
institucionais, de políticas públicas adaptadas e de arranjos produtivos
possíveis de serem consolidados, a despeito das dificuldades logísticas
e de infraestrutura.
Aliada à manutenção das vantagens comparativas do projeto
de desenvolvimento da Zona Franca de Manaus, inegável pela
preservação da cobertura vegetal e da biodiversidade do Estado do
Amazonas, com a geração de renda e de empregos, a melhoria das
condições socioeconômicas se faz necessária para além das fronteiras
que abrigam os incentivos fiscais.
Além da integração e da necessária descentralização dos
investimentos, temos as enormes potencialidades minerais a se
apresentarem como primordiais para a autossuficiência do país e da
região em diversas commodities. É vital, ainda, a exploração da rica
biodiversidade e da profissionalização do entretenimento baseado em
produtos do turismo de natureza.
A exploração das potencialidades com investimentos que
proporcionem alto valor agregado e recursos humanos qualificados
são respostas que a própria história da atuação humana na Amazônia
tem nos mostrado como mais adequadas. Ou mesmo, as únicas a serem

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 25 14/09/2015 15:08:20


seguidas para alcançarmos o desenvolvimento sustentável, capazes de
melhorar, com baixo impacto ambiental, a qualidade de vida de uma
população que ajudou a preservar a Amazônia para o mundo.
O livro Pan-Amazônia: Visão Histórica, Perspectivas de Inte­
gração e Crescimento, dada a respeitabilidade e idoneidade técnica de
seus organizadores e colaboradores, oferece importantes contribuições
a uma análise prospectiva das potencialidades econômicas oferecidas
pela Bacia Amazônica do ponto de vista do conjunto dos países que
a integram. A obra, portanto, constitui passo fundamental para a
ampliação das discussões em torno do alcance desse extraordinário
desafio: conhecer e integrar para poder fazer crescer de forma
harmônica uma das regiões economicamente mais importantes do
planeta, a partir da exploração sustentável das potencialidades de
sua biodiversidade, do turismo ecológico e dos serviços ambientais
avançados.

Antonio Carlos da Silva


Presidente da Federação das Indústrias
do Estado do Amazonas (Fieam)

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 26 14/09/2015 15:08:20


Por uma urgente integração da A mazÔnia

O futuro da Amazônia, o maior conjunto contínuo de florestas


tropicais do mundo, interessa a nós, habitantes dos países que têm a
sorte de compartilhá-la, mas também a toda a humanidade. Em seu
seio, ela concentra 25% de todas as espécies vivas, constituindo o espaço
máximo de diversidade biológica do planeta. Quase 20% das reservas
mundiais de água doce pertencem à região, 400 grupos indígenas
portadores de extraordinário tesouro cultural habitam a floresta.
Mas tanta riqueza nos confronta com desafios proporcionais.
Ela ainda não favoreceu aqueles que deveriam ser os primeiros
beneficiários: os povos da bacia. Sob o predomínio de uma ideia
de progresso “para” a Amazônia, foi relegada a necessidade de um
progresso “da” Amazônia, com o paradigma de desenvolvimento
sustentável como eixo. Um exame da realidade mostra que, embora
tenham sido registrados avanços nacionais em alguns aspectos, uma
visão fragmentada da bacia tem poucas oportunidades reais de atingir
o desenvolvimento que pretendemos.
Lembremos que a Amazônia é compartilhada por oito países e
um território. Ocupa mais de 40% da superfície da América do Sul,
com 7,5 milhões de quilômetros quadrados, habitados por 30 milhões
de pessoas. Sabemos que no imaginário mundial é recorrente pensar
na Amazônia como sinônimo de Brasil. Essa associação tem origem,
entre outros, no fato de que 68% da bacia amazônica e das florestas
tropicais se encontram no território brasileiro. Mas no Peru, dono de
13% da bacia, 74% do território é amazônico. Na Bolívia, conhecida
mundo afora pelas belezas andinas, 75% das terras são amazônicas,
representando 11,2% da bacia. Metade do território equatoriano é
amazônico.
Diante dessa realidade, a integração vai deixando de ser discurso
abstrato de boas intenções e vai se transformando em um eixo de
fortalecimento de nossas nações. Hoje, os governos do Brasil, Bolívia,
Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela, países
que integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica
(OTCA), trabalham com o objetivo de responder de forma conjunta
aos desafios comuns.
O fortalecimento dessa união é requisito fundamental para
alcançar condições de vida mais igualitárias para nossos povos e para

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 27 14/09/2015 15:08:20


evitar a destruição de nossas florestas. Com a vontade política dos
governos dos oito países, a bacia pode se transformar, assim, num
caminho excepcionalmente favorável para a integração regional, com
base nos ideais e nos sonhos de visionários de unidade sul-americana.
A OTCA e sua Secretaria Permanente vêm assumir essa missão.
O Tratado de Cooperação Amazônica (TCA), firmado pelos oito
países em 1978 com o objetivo de promover ações conjuntas para o
desenvolvimento harmônico da região, continua atual. Os preceitos do
TCA – de preservar o meio ambiente e assegurar o uso racional dos
recursos naturais – nos guiam, hoje, unidos à certeza de que há muito
trabalho pela frente, pois foi dessa consciência que a OTCA nasceu e se
estabeleceu em Brasília, em 2003.
Para implementar esses compromissos, a Secretaria Permanente
tem se empenhado em construir, junto aos países-membros, uma
agenda comum, avançando com firmeza no desafio histórico da
integração sul-americana. Pretendemos, como diriam os amazônicos
brasileiros, “amazonizar” o mundo.
A atuação conjunta é imperiosa. Eventos como a recente seca
que atingiu o Brasil, a Bolívia e o Peru e deixou milhares de pessoas
isoladas, sem comida nem medicamentos, ratificam a necessidade
de uma reflexão coletiva urgente e da adoção de medidas concretas
conjuntas. A mesma apreensão temos diante da advertência dos
pesquisadores sobre a possibilidade de “savanização” ou desertificação
da floresta pelos efeitos do desmatamento. Por isso, trabalhamos para
que a Secretaria Permanente se torne um guarda-chuva que envolva e
harmonize as iniciativas regionais e obtenha recursos para desenvolver
programas de amplo alcance.
Na cúpula de Manaus, em setembro de 2004, os chanceleres
aprovaram o plano estratégico da OTCA e tomaram uma série de
decisões inéditas, entre elas, a de convocar reuniões ministeriais
para discutir e tomar medidas de acordo com as especificidades da
Amazônia. Duas reuniões de alto nível foram organizadas sobre temas
vitais, como propriedade intelectual e industrial e ciência e tecnologia.
Em outubro, iniciamos o Programa de Gestão Integrada e Sustentável
dos Recursos Hídricos Transfronteiriços do Rio Amazonas.
A atividade tem sido intensa, e a 9º Reunião de Ministros das
Relações Exteriores dos Estados-Membros, a ser realizada hoje, em
Iquitos, no Peru, será a oportunidade para refletirmos sobre nossas
realizações e definirmos quais devem ser os próximos passos.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 28 14/09/2015 15:08:20


Neste momento histórico, esperamos o engajamento e a
mobilização de todos os setores para responder aos desafios e
realizarmos nossos sonhos. Com a assinatura da Declaração de Iquitos
na próxima semana, em que reafirmaremos nosso compromisso com
essa tarefa comum, estaremos dando mais um passo para proteger a
Amazônia como fonte estratégica da vida.

Rosalía Arteaga Serrano


Artigo publicado no jornal Folha de São Paulo,
em 25 de novembro de 2005.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 29 14/09/2015 15:08:20


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 30 14/09/2015 15:08:20
Sumário

Introdução........................................................................................ 35
Capítulo 1 | Pan-Amazônia: cooperação e integração
para o desenvolvimento
Osiris M. Araújo da Silva.................................................................... 37
Capítulo 2 | Amazônia já é verde:
precisa é de uma base econômica que assim a mantenha
Bertha K. Becker................................................................................. 85
Capítulo 3 | Amazônia, população e modernidade
Márcio Souza..................................................................................... 93
Capítulo 4 | O novo modelo colonial amazônico:
reflexões sobre cenários possíveis
Violeta Refkalefsky Loureiro................................................................. 109
Capítulo 5 | A conservação da biodiversidade como
estratégia competitiva para a Amazônia no antropoceno
José Maria Cardoso da Silva................................................................ 139
Capítulo 6 | A logística e a defesa da Amazônia Ocidental
Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira....................................... 157
Capítulo 7 | A Marinha na Amazônia Ocidental
e sua contribuição para a defesa e desenvolvimento
sustentável da região
Domingos Savio Almeida Nogueira...................................................... 175
Capítulo 8 | A atuação da Força Aérea na Amazônia Ocidental
José Mendonça de Toledo Lobato........................................................... 199
Capítulo 9 | Sistema de proteção da Amazônia: modelo
de governança singular do território amazônico brasileiro
Rogério Guedes Soares......................................................................... 207
Capítulo 10 | Zona Franca de Manaus (ZFM):
circunstâncias históricas, cenário contemporâneo
e agenda de aperfeiçoamento
José Alberto Machado da Costa e Rosa Oliveira de Pontes....................... 221

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 31 14/09/2015 15:08:20


Capítulo 11 | Caminhos da agropecuária
amazônica como instrumento de desenvolvimento
Alfredo Kingo Oyama Homma.............................................................. 267
Capítulo 12 | Logística de transporte
na Amazônia Integrada ao Sistema Nacional
Augusto César Barreto Rocha............................................................... 307
Capítulo 13 | Energia na Amazônia: qual o nosso futuro?
Rubem Cesar Rodrigues Souza............................................................. 335
Capítulo 14 | A questão mineral na Amazônia
Daniel Borges Nava............................................................................ 363
Capítulo 15 | Ciência e tecnologia no Amazonas
Ennio Candotti................................................................................... 385
Capítulo 16 | Imensidão amazônica: ciência
e vida de Samuel Benchimol
Lillian Alvares e Jaime Benchimol........................................................ 403
Capítulo 17 | Ciência e políticas públicas para
o desenvolvimento da Amazônia: homenagem
à Bertha K. Becker
Ima Célia Guimarães Vieira, Roberto Araújo O. Santos Junior
e Peter Mann de Toledo....................................................................... 419
Capítulo 18 | Una realidad incontrastable:
lo andino-amazónico
Rosalía Arteaga Serrano...................................................................... 425
Capítulo 19 | El largo e incierto camino
de la integración fronteriza en la Amazonia
Carlos Gilberto Zárate Botía................................................................ 435
Capítulo 20 | El cambio climatico y
sus efectos en las areas inundables de la Amazonía
Luis Campos Baca.............................................................................. 449
Capítulo 21 | Logistica de transporte Ecuador-Manaos:
Red Amazónica de Información Socioambiental
Georreferenciada (RAISG-2012)
Salomón Jaya Quezada........................................................................ 459

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 32 14/09/2015 15:08:20


Capítulo 22 | Tecnología amazónica: realidad en Colombia:
Instituto Amazónico de Investigaciones Científicas SINCHI+-32
Luz Marina Mantilla Cárdenas e Carlos Ariel Salazar Cardona............. 481
Capítulo 23 | Abordagem escalar da tríplice fronteira
Brasil-Peru-Colombia
Ricardo Jose B. Nogueira e Thiago Oliveira Neto.................................. 501

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 33 14/09/2015 15:08:20


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 34 14/09/2015 15:08:20
Introdução
O livro Pan-Amazônia: Visão Histórica, Perspectivas de
Integração e Crescimento, além de procurar mostrar a Amazônia de
um ponto de vista multifacetado em relação aos pilares fundamentais
de sua complexidade sociocultural, econômica e ambiental, procurará
responder à grande questão sobre o que Brasil e os países da
Pan-Amazônia esperam da região no futuro próximo.
Um futuro que tem de pronto enorme desafio: como alimentar
9 bilhões de pessoas, a população que o mundo terá em 2050, e que
exigirá um crescimento na produção de alimentos de no mínimo 60%
em relação aos níveis atuais. E, mais particularmente, como gerar
emprego e renda para 25 milhões de habitantes que vivem nesta região.
Uma região que é brasileira, graças, sobretudo, ao espírito forte e fiel
que os brasileiros daqui sustentam com denodo e orgulho no que tange
à integridade territorial do país.
Uma Amazônia, entretanto, que pouco recebe do governo
federal, plantado em Brasília, sem a dimensão geográfica plena do
país. Queremos discutir as assimetrias da região e deixar claro que o
Brasil não se restringe à região Centro-Sul. Precisamos discutir essa
Amazônia, procurar encontrar seus rumos de acordo com as vocações
econômicas e sua biodiversidade. E assim, demonstrar que em vez de
problema, a Amazônia é ‘a’ solução para a complexidade dos problemas
que fazem nossa economia derrapar e deixar-se prender a armadilhas
que distanciam o Brasil cada vez mais de seus principais competidores
e da Pan-Amazônia.
A questão básica proposta pelos autores em seus capítulos diz
respeito à reflexão sobre as transformações que se processarão no
século XXI e quais os caminhos, com base na experiência de cada um,
a serem trilhados pela Amazônia, tendo em vista, de acordo com suas
vocações naturais ou induzidas, promover o desenvolvimento da região.
Não se trata de mais um livro de história da Amazônia, mas
uma coletânea, editada por temas, exibindo enfoques diversos sobre a
região. Com isso, os organizadores pretendem mostrar a diversidade
de abordagens e os caminhos pensados do ângulo do observador e
do analista em relação à biodiversidade e às potencialidades de
desenvolvimento.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 35 14/09/2015 15:08:20


O objetivo da obra é também o de colocar ao alcance de
potenciais leitores informações sobre nossa região que se encontram
dispersas e confusas no imaginário popular. Por exemplo, quantas
pessoas têm a compreensão do que seja biodiversidade, sequestro de
carbono, manejo florestal, efeito estufa, que, jogados no cotidiano das
informações, transformaram-se em adjetivo, tal como aconteceu com a
ideia do “eldorado”.
Como organizadores da obra, o Dr. Alfredo Kingo Oyama
Homma, da Embrapa Amazônia Oriental, e eu, definimos como
alvo principal do livro, em grande medida, o estudante do segundo
grau e do ensino universitário, além de professores e profissionais da
imprensa, técnicos, pesquisadores e interessados outros em conhecer
aspectos básicos da Pan-Amazônia. Com efeito, a linguagem escolhida
pelos autores é acessível, acompanhada de ilustrações (fotos e gráficos
coloridos) capazes de chamar a atenção dessa classe de leitores em
relação à história e aos diversos aspectos de nossa biodiversidade.
Ou seja, trata-se de um livro de conteúdo técnico, porém exposto em
linguagem de fácil compreensão.
Cada capítulo foi desenvolvido, por conseguinte, buscando-se
uma linguagem despojada, na qual o rigor da metodologia científica e
tecnológica se mistura à linguagem do senso comum. De igual modo
são abordados os desafios permanentes encarados por aqueles que
sempre viveram neste lugar e estão relacionados com a existência da
própria vida no planeta Terra. Em síntese, o livro pretende dimensionar
a Amazônia de um ângulo multiabrangente, isto é, a partir do ponto
de vista alguns dos países que a integram: além do Brasil, Colômbia,
Equador e Peru.
O conjunto dos capítulos tem narrativa dinâmica. A obra mostra
o todo da Amazônia sob óticas variadas, especialmente em relação
às suas belezas naturais, sua história, seu ecossistema, sua economia,
suas relações políticas, sociais, educacionais, culturais e diplomáticas,
conectando-as às idiossincrasias dos diversos países que a compõem.
O livro com certeza despertará o interesse não só dos jovens e
potenciais leitores regionais, mas também dos visitantes nacionais
e estrangeiros que desejam compreender como é o presente, o passado
e o futuro desta região e dos povos que aqui vivem.

Manaus, agosto de 2015


Osiris M. Araújo da Silva

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 36 14/09/2015 15:08:20


Capítulo 1

Pan-Amazônia:
cooperação e integração
para o desenvolvimento
Osiris M. Araújo da Silva

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 37 14/09/2015 15:08:20


38 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Lendo o magnífico e emocionante livro Amazônia, pátria das águas,


do poeta amazonense Thiago de Mello (MELLO, 2007), compreendi que
falar de Amazônia, ou particularmente da Pan-Amazônia, pressupõe,
antes de mais nada, procurar manter bem de perto visão aguçada
e a sentir a mensagem ecológica do poeta sobre as particularidades
socioambientais de nossa região.
Mello (2007), em perfeita combinação de prosa e poesia, conta
a história do Rio Amazonas, enfatizando sua caudalosa extensão
geográfica e em volume d’água, e sobre o quanto nossa flora e
fauna, como também o homem da floresta, dele dependem para sua
subsistência.
A simbiose homem-floresta constitui o elo mais importante
da natureza. Nem sempre de forma pacífica, muitas vezes, porém
conflituosa decorre esta relação. Independentemente dos percalços,
contudo, vem assegurando sua subsistência, mesmo a despeito de que,
ao longo dos séculos, não haja se forjado ainda uma consciência sobre
a noção exata de uso com preservação do ecossistema. Há de se ter
plena consciência do quão fundamental se constitui esta condição
para a pavimentação da senda que haverá de conduzir o ser humano,
enquanto agente de preservação dos meios ambientais, em direção à
garantia de sua própria sobrevivência.
Mello (2007) é pródigo ao analisar esses caminhos e a mostrar
ao homem a extrema complexidade do universo amazônico, suas
idiossincrasias e os abissais desafios que se oferecem ao Brasil e ao
mundo no que pertine à necessidade da formação de elo indestrutível
que possa garantir, em última análise, o pleno desfrute e os meios de
preservação da biodiversidade amazônica.
A seguir cito alguns trechos da obra do poeta, ao instante em que
telúrica, é também profética (MELO, 2007, grifo do autor):

Da altura extrema da cordilheira, onde as neves são eternas,


a água se desprende, e traça trêmula um risco na pele antiga
da pedra: o Amazonas acaba de nascer. A cada instante ele
nasce. Descende devagar, para crescer no chão. Varando
verdes, faz o seu caminho e se acrescenta. Águas subterrâneas
afloram para abraçar-se com a água que desceu dos Andes.
De mais alto ainda, desce a água celeste. Reunidas elas
avançam, multiplicadas em infinitos caminhos, banhando a
imensa planície cortada pela linha do Equador.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 38 14/09/2015 15:08:20


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 39

Planície que ocupa a vigésima parte da superfície terrestre.


O verde universo equatorial que abrange nove países da
América Latina e ocupa quase a metade do território brasileiro.
Aqui está a maior reserva mundial de água doce, ramificada
em milhares de caminhos de água, que atravessam milhões
de quilômetros quadrados de chão verde. É a Amazônia, a
pátria da água.

É a Grande Amazônia, toda ela no trópico úmido, com a sua


floresta compacta e atordoante, onde ainda palpita, intocada
pelo homem, a vida que se foi urdindo em verdes desde o
amanhecer do Terciário. Intocada e desconhecida em muito
de sua extensão e de sua verdade, a Amazônia ainda está sendo
descoberta. Iniciado há quatro séculos, o seu descobrimento
ainda não terminou. E, no entanto, pelo que já se conhece
da vida na Amazônia, desde que o homem a habita, ergue-se
das funduras das suas águas e dos altos centros de sua selva
um terrível temor: a de que essa vida esteja, devagarinho,
tomando o rumo do fim.

Pois então vamos remando


na água negra transparente.
Vem comigo descobrir
as fontes verdes da vida.
Mas contigo travo amor,
para com dor aprender.

Como no Gênesis flutuava a cara de Deus, hoje é a esperança


que paira sobre a face das águas do meu rio. Que ainda
paira. Apesar de tudo. Apesar da destruição, do saque de
suas riquezas, do desflorestamento impiedoso, da fauna
ameaçada, do desamparo do homem ribeirinho – a esperança
amazônica resiste. O coração do homem não se cansa. Se, de
tão malferida, a floresta se cansa, este o nosso grande temor.

Vem ver comigo o rio e suas leis.


Vem aprender a ciência dos rebojos,
vem escutar o canto dos banzeiros,
o mágico silêncio do igapó
Mar Dulce, o rio de Orellana,
Marañon. O Guieni dos índios aruaques.
Parauaçu dos tupis.
O Grande rio das Amazonas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 39 14/09/2015 15:08:21


40 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Rio Amazonas, que percorre mais de seis mil quilômetros,


desde o fio de água que desce do lago Lauri, Lauricocha,
na cabeça dos Andes, desce também de Vilcanota, e logo se
engrossa no Urubamba, transforma-se no Ucayali, depois
já é o caudal do Solimões na selva peruana, encontra a sua
calha principal entrando no Brasil levando o mesmo nome
até encontrar-se com o Negro e então fazer-se Amazonas
propriamente dito, impetuoso, varando profundo o Estreito
de Breves, e encontrar-se com o Atlântico e empurrar para
trás as águas do mar até enormes distâncias.

É verdade que o mar se vinga. Reúne as suas forças salgadas e


retorna com fúria, em ondas de muitos metros de altura, que
rolam grossas e com grande estrondo sobre as águas do rio,
derrubando margens, afundando batelões e até navios.

Vem ver comigo o rio e suas leis.


Vem aprender a ciência dos rebojos,
vem escutar o canto dos banzeiros,
o mágico silêncio do igapó
coberto por estrelas de esmeralda.

O saque começou pelas drogas do sertão. E continua, até os


dias de hoje, cada vez mais impiedoso. De suas essências,
a principal delas a do pau-rosa, o privilegiado fixador de
perfumes. Os seus produtos medicinais, extraídos de folhas,
raíles e cascas de árvores. A andiroba, a copaíba, o sumo
da casca de mungubeira, o curare milagroso e maligno, e a
extraordinária quina, nativa do nosso chão. Os alucinógenos:
ipadu, iagé, paricá, o caapi dos sonhos telepáticos. O guaraná
estimulante que os índios descobriram e até hoje cultivam.
O alimento generoso de suas frutas inumeráveis. O mundo
inteiro consome a chamada “castanha-do-pará”, tão rica
de proteína e gordura e sais minerais. O cacau é originário
da Amazônia. Não cabe aqui a louvação nem resumida das
virtudes da nossa floresta. Mas como não gravar aqui, mesmo
de relance, a marca funda, conquanto suja, que deixou na
vida da Amazônia as qualidades das seivas e gomas elásticas
da selva.

A borracha – a famosa Hevea brasiliensis– é o fundamento


de todo um período histórico da vida social e econômica da
região, durante o qual a Amazônia conheceu extremos de
opulência e de miséria. Milhares de homens se adentram pela

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 40 14/09/2015 15:08:21


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 41

mata para extrair o leite das seringueiras. A Amazônia entre


1895 e 1909 exporta mais de 400 mil toneladas de borracha,
pagas pelos europeus a preço de ouro.

Em Manaus, Belém e Iquitos vivia-se a grande vida, erguiam-


se palácios. Sucede que em 1876, as sementes da Hevea
brasiliensis, levadas pelos ingleses em sacas escondidas, e
plantadas na Malásia, frutificaram em Singapura. Depois
em Java, e na Sumatra. Em 1911 o Amazonas produz 45 mil
toneladas, enquanto as seringueiras da Malásia apenas 8
mil. Mas em 1920, a asiática alcançava 360 mil toneladas e
a do Amazonas descia a 8 mil, vendidas a preços aviltados.
Era o fim do Ciclo da Borracha. E um saldo de milhões de
seringueiras murchas.

Introdução
Ao menos três fatos marcantes redefiniram a geopolítica mundial
no quarto final do século XX: a unificação da Europa, a emergência da
China como potência econômica e a crise mundial de 2008. A partir
desses eventos, o mundo deixou de ser unipolar e sem perspectiva de
se tornar bipolar, a partir da recusa chinesa em covalidar essa via.
O novo formato geopolítico capaz de suportar interesses econômicos,
políticos e diplomáticos a partir do século XXI é multipolar, tendência
prevalente e que aponta a necessidade irremediável de integração
dos interesses comerciais, logísticos e de intercâmbios econômicos
processados ao redor da Terra.
A América do Sul segue a tendência ao constituir blocos
econômicos sub-regionais, como Mercosul, restrito, e Aliança do
Pacífico, mais aberta pois integrada ao México, e, por extensão, aos
Estados Unidos e ao resto do mundo. Há um “sub-bloco” localizado no
coração de nosso continente que busca espaço e significância geopolítica
e econômica, a Amazônia multinacional, a Grande Amazônia ou Pan-
Amazônia, formada, como se verá adiante, por expressivas porções
territoriais de Brasil, Venezuela, Guiana, Suriname, Colômbia,
Equador, Peru e Bolívia.
O que nós, sul-americanos, sabemos a respeito desse extenso
território, praticamente perdido no interior dos países que o formam e
mantêm, mas que relativamente pouco se ocupam em priorizar ações
de governo voltadas à promoção do seu desenvolvimento econômico e
social? Não o suficiente, é certo, embora esforços governamentais, da

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 41 14/09/2015 15:08:21


42 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

universidade, da pesquisa e diplomáticos venham se processando nessa


direção.
Agrupar-se em blocos econômicos foi uma resposta à unipolaridade
advinda do modelo econômico capitalista herdado de Adam Smith,
segundo o qual a mão invisível seria capaz de regular os mercados
e equilibrar economias interdependentes. Sem dúvida, o laissez faire,
laisser passez smithtoniano não cabe mais no mundo contemporâneo,
em que os países romperam isolamentos históricos e geopolíticos e
aderiram a sistemas de governo e econômicos interdependentes.
Certamente, transformações de tal magnitude afetam direta­
mente nosso continente. Daí a necessidade do aprofundamento dos
estudos e tratados que lastreiam as inter-relações de troca e a cooperação
econômica como forma de superar a pobreza e o isolamento que ainda
pairam sobre o continente sul-americano e a Amazônia em particular.
Um passo basilar deve contemplar a visão ambiental sobre a região
de sorte a refletir mais a preservação do ser humano como bem mais
importante da natureza, não o inverso. Com efeito, proporcionar
ao homem meios de sobrevivência com dignidade deve pressupor
necessariamente assegurar-lhe emprego e renda em atividades
sustentáveis, que garantam, sob qualquer condição, o equilíbrio do
bioma e a preservação do ecossistema.
Ocorre que o desenvolvimento sustentável com base no extrati­
vismo puro não oferece ao ser humano essa condição, isto é, de
manter-se e à sua família confortavelmente. Até pode, mantendo-o,
porém, ad aeternum na mesma condição. Sem meios de evoluir, crescer
e avançar em conquistas humanas fundamentais, como educação,
saúde, segurança, emprego e geração de riqueza.
Alcançar o estágio de desenvolvimento sustentável, segundo
visões mais benevolentes dos meios científicos, pressupõe, no mínimo,
satisfazer três condições: geração de atividades viáveis economicamente,
preservação do ecossistema e redução da pobreza humana. Mesmo
assim, segundo o Banco Mundial, o maior incentivador desse
modelo, garantir sustentabilidade a atividades em biomas complexos,
dificilmente venha a ser bem-sucedido. Isto, contudo, não significa que
a meta não deva ser perseguida à exaustão.
Reportagem da revista Veja, de 20 de fevereiro de 2013, página
107, informa que a conclusão do Banco Mundial baseou-se em trabalho
que realizou “para avaliar os efeitos dos US 2,6 bilhões gastos em

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 42 14/09/2015 15:08:21


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 43

289 projetos em florestas de 75 países, entre 2002 e 2011. O investimento


serviu para aumentar a área de reservas ao redor do mundo, mas, de
maneira geral, não conseguiu evitar a degradação da biodiversidade e
de pouco ou nada adiantou para elevar o padrão de vida da população”.
O diagnóstico abrangeu igualmente o Brasil, onde, segundo Veja, “a
instituição financiou a demarcação de 45 milhões de hectares de terras
indígenas e outros 26 milhões em reservas ambientais”.
O Banco chegou a esses resultados não por meio de dados
estatísticos sobre “renda ou desenvolvimento humano”. As conclusões
levaram em conta levantamentos de campo efetuados por especialistas
da instituição “em visitas às comunidades que deveriam ser
beneficiadas”. Desta forma, foi possível realizar “análise muito mais
próxima da realidade, pois são raros os países com indicadores sociais
confiáveis para grupos populacionais tão pequenos quanto aqueles
formados pelos que vivem dentro ou ao redor de reservas”, destacou o
relato de Veja.
Uma das causas desse fracasso, segundo o relatório do Banco
Mundial,consistiu “na insistência de ONGs e governos em considerar
que as atividades de subsistência e extrativas são a melhor opção para
o desenvolvimento das comunidades pobres”. Os auditores do banco
observaram que “pescar o peixe que se come ou catar coquinhos para
vender a um preço simbólico não deveria ser o objeto final dos projetos,
apenas um meio para as pessoas sobreviverem enquanto se organizam
para uma atividade econômica capaz de produzir mais riqueza”.
Essas comunidades – estimadas pelos estudos do Banco Mundial
em 70 milhões de pessoas estabelecidas nas florestas e outras 735
milhões em áreas rurais próximas – não obstante obterem um mínimo
para sobreviver, não conseguem melhorar de vida, e assim livrar-se
da pobreza. Portanto, seguem dependentes de ajudas de ONGs e de
governos locais. Muitas vezes submetidas a programas populistas de
governo que induzem a manter extensas faixas populacionais carentes
de bolsas e subsídios sociais diversos, que não lhes oferecem uma saída
a essa condição de dependência de favores públicos.
E assim, o que seriam subsídios eventuais, transitórios,
perpetuam-se em nome de interesses eleitoreiros não exatamente
compatíveis com a necessidade da promoção do desenvolvimento. Este
sim, o objetivo maior a ser perseguido e alcançado, pois, no lugar de
dar o peixe, oferecer a vara e ensina a pescar. Única via de erradicar

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 43 14/09/2015 15:08:21


44 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

a pobreza e garantir dignidade, por meio de emprego e renda, às


camadas sociais carentes.
Esta uma realidade, em maior ou menor escala, comum aos pobres
da Amazônia. Uma região deficiente em políticas públicas e altamente
carente em infraestrutura de comunicação e transporte, em educação
ajustada às assimetrias locais, em mão de obra especializada, e que
não promove regularização fundiária. Há muitos outros problemas
comuns que vão desde a insegurança jurídica, a conflitos eternos com
populações indígenas, carência de assistência à saúde e previdência
social, como também, por falta de Zoneamentos Ecológicos Econômicos
(ZEE), tornando mais difícil a recuperação de terras degradadas com
vocação produtiva, e, em última instância, canalizar investimentos para
o interior da Amazônia.

Amazônia em perspectiva
A fronteira da Amazônia é muito porosa. Os povos das
fronteiras não são apenas brasileiros. Os índios do Alto
Rio Negro, por exemplo, também são colombianos. Falam
o tucano, a língua geral, falam português, e alguns falam
espanhol. Você ouve muitos reacionários dizerem: “Não tem
que dar terra para os índios, eles já têm muita terra”. Isso é uma
coisa de louco. O que não pode é proibir o Estado de entrar
em terras indígenas. E, de fato, elas são usufruto, não são
propriedade dos índios. Por isso foi decidido que eles podem
ficar na Raposa Serra do Sol, e que os arrozeiros têm que
sair. Eles invadiram terras indígenas. A presença do Estado
é importante, até mesmo para expulsar os missionários. Sou
contra a presença de evangélicos, de tudo que é missionário.
Saiam da Amazônia! Se a terra foi garantida para os índios,
que a cultura deles também seja garantida. Sou a favor de uma
ocupação das fronteiras pelo Exército e pela Marinha. É uma
questão de soberania, porque ninguém calcula a riqueza da
Amazônia. Ninguém sabe. (...), mas acredito que o manejo
florestal é totalmente possível. A Amazônia possibilita muitas
opções econômicas, de perfumes e cosméticos a plantas
medicinais e uma variedade enorme de frutas. Mas você tem
que envolver os pesquisadores que moram na região. Gente
do Museu Goeldi, do Inpa, da Embrapa, das universidades.
Infelizmente, essas pessoas não são ouvidas (MILTON
HATOUM, 2009).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 44 14/09/2015 15:08:21


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 45

Figura 1. Amazônia sul-americana, a Pan-Amazônia.


Fonte: Red Amazónica de Información Georreferenciada, 2012.

A Amazônia sul-americana assume forma continental capaz de


englobar em seu território toda a Europa Ocidental. O comparativo é
válido apenas do ponto de vista geopolítico, posto que economicamente
a região distancia-se daquele continente em dimensões abissais.
Enquanto o PIB (Produto Interno Bruto) amazônico não ultrapassa
US$ 100 bilhões, o europeu é da ordem de US$ 14,5 trilhões (valores
de 2010), superior ao dos Estados Unidos, a maior potência mundial.
Becker (2004) resume as dimensões da região: corresponde a 1/20
da superfície terrestre e 2/5 (40%) da América do Sul, 3/5 do Brasil;
contém um quinto da disponibilidade mundial de água doce e um
terço das florestas mundiais latifoliadas, mas somente 3,5 milésimos
da população planetária. Por esses dados, cientistas a consideram o
coração ecológico do planeta – heartland.
Nesse contexto, explica, alterou-se o significado da Amazônia,
com “uma variação ecológica de dupla face: a da sobrevivência humana
e a do capital natural, sobretudo a megadiversidade e a água”.
Em sua descrição, Becker (2004) salienta que o conceito de
heartland se aplica devido à extensão da massa terrestre e florestal –
que historicamente dificultou a ocupação -, constituindo autodefesa
que envolve hoje a Amazônia sul-americana; à posição geográfica
estratégica entre os blocos regionais e à conectividade, que atualmente
permite maior mobilidade interna acrescentando valor à biodiversidade,
base da fronteira da ciência com a biotecnologia molecular.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 45 14/09/2015 15:08:22


46 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 2. Limites amazônicos e cobertura da terra.


Fonte: Red Amazónica de Información Georreferenciada, 2012.

Souza (2009, p. 21), assim define os marcos geopolíticos da região:


A bacia do Rio Amazonas abrange as altas montanhas dos
Andes, os geologicamente mais antigos altiplanos do Brasil
Central e do Escudo Guianense, e imensas terras baixas que
formam a zona de aluvião e as terras baixas da Amazônia.
Estas zonas determinam a composição química dos afluentes

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 46 14/09/2015 15:08:22


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 47

amazônicos e servem de ambiente para o processo evolutivo


dos seres vivos. Como a Cordilheira dos Andes continua
subindo, esta tem sido a parte que mais sofreu transformações
durante a recente era geológica.

Ocupando mais de 6 milhões e 800 mil quilômetros


quadrados, a bacia do Rio Amazonas é a maior bacia fluvial
do mundo, superando, em duas vezes, a segunda bacia fluvial,
a do rio Congo, na África. A bacia do rio Madeira é a maior
dentre os afluentes e se estende por mais de 1 milhão e 400
mil quilômetros quadrados, ocupando partes do território
do Brasil, da Bolívia e do Peru. As florestas cobrem a maior
parte da bacia do Rio Amazonas e os biólogos e geógrafos a
denominam floresta amazônica, embora existam savanas e
outros nichos ecológicos diversificados.

A Bacia Amazônica é a maior bacia hidrográfica do mundo, com


mais de 7 milhões de km², e o Rio Amazonas é o maior rio do mundo,
com 7.062 km. É reconhecido internacionalmente o rio de maior
comprimento, além do mais caudaloso, mais largo e mais profundo. Ele
nasce a 5.170m de altitude nos Andes peruanos, e depois de passar por
vasta planície, deságua no Oceano Atlântico, onde despeja o volume
de 220.000 m³ por segundo de água doce (15,47% de toda a água doce
descarregada nos oceanos por dia). Sozinho transporta mais água do
que os rios Missouri, Mississipi, Nilo e Yangtzé juntos.
Atualmente, essa imensa bacia banha os territórios de sete países:
Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Venezuela. É,
pois, classificada como uma bacia internacional, ou transfronteiriça.
Tal compartilhamento é fruto da história que levou à formação das
fronteiras políticas e que teve início com a conquista e colonização das
Américas, segundo Sant’Anna.
A área da chamada Grande Amazônia, segundo Aragon (2007),
é da ordem de 7.430.785 Km2, número esse resultando da junção dos
dados apresentados nos estudos das Amazônias nacionais. Representa
mais de 54% da área total dos países amazônicos. Prossegue Aragon
(2007):
Excetuando-se as Guianas, onde 100% do seu território
foi considerado amazônico, nos demais países a Amazônia
também representa uma parte considerável de seu território,
especialmente nos dois maiores países, Brasil e Peru, onde
a Amazônia representa cerca de 60% de seus respectivos
territórios nacionais.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 47 14/09/2015 15:08:22


48 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 3. Bacias e sub-bacias pan-amazônicas.


Fonte: Red Amazónica de Información Georreferenciada, 2012.

A proporção de ecossistema amazônico em relação à totalidade do


território de cada país é a seguinte, conforme Souza (2009) (Tabela 1):

Tabela 1. Percentual do ecossiste­


ma amazônico nos países.

País Percentual
Bolívia 70
Peru 65
Brasil 55
Equador 50
Colômbia 35
Venezuela  8
Guianas  3
Fonte: Souza, 2009.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 48 14/09/2015 15:08:23


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 49

Não obstante a imensa extensão territorial, a região é pouco


povoada. Os oito países que compõem a Grande Amazônia têm
população de cerca de 38 milhões de habitantes, dos quais 25 milhões,
65,78 %, na Amazônia brasileira.
A Grande Amazônia, como citado no estudo de Simões (2011),
estimativamente dispõe de um 1/3 do estoque genético planetário.
Resumidamente: 60.000 espécies de plantas (10% do total mundial),
2,5 milhões de artrópodes (insetos, aracnídeos, crustáceos, etc.),
2.000 de peixes (quantidade superior à encontrada em todo o Oceano
Atlântico).
O gigantismo da Amazônia sul-americana – a Pan-Amazônia
– acarreta vantagens e desvantagens. De um lado, o culto ao mítico,
ao lendário, seus encantos e belezas despertam curiosidades e desejos
de conhecê-la e senti-la de perto ao redor do planeta. De outro, a
complexidade geopolítica, da biodiversidade e ecossistemas que encerra
tornam-se gigantescos desafios no encontro de soluções econômicas e
ambientalmente sustentáveis para as mais diversas questões suscitadas
aos meios universitários, à pesquisa e ao governo.

Cooperação científica
Toda essa complexidade é ainda agravada pelo distanciamento
estabelecido entre os diversos países que compõem a Pan-Amazônia.
O nível de diálogo e cooperação técnica e diplomática é tênue,
distanciado e ineficaz. Difícil de crer, porém os diversos órgãos de
pesquisa da região, como o Instituto Amazónico de Investigaciones
Científicas SINCHI, da Colômbia, o Instituto de Investigación de la
Amazonia Peruana (IIAP) e o Instituto de Pesquisas da Amazônia
(Inpa) não mantêm vínculos explícitos e agendas compartidas em
setores da pesquisas com objetivos e metas comuns. De igual modo
ocorre em relação às universidades. Evidentemente, em muitos pontos
seria ideal estabelecer currículos comuns, possibilitando, assim, maior
troca de informações e resultados de pesquisa de interesses recíprocos.
A Universidade Nacional da Colômbia, Sede Amazônia (Letícia),
a Universidade Central do Equador ou a Universidade Federal do
Amazonas, do Acre, de Rondônia, do Pará, etc., poderiam estudar
e certamente encontrar resultados mais rápidos e eficazes para
diversos problemas da região, caso interagissem ações em áreas de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 49 14/09/2015 15:08:23


50 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

interesses e metodologias comuns. Como as pesquisas sobre a malária


e outras doenças tropicais, a construção naval, a navegação fluvial
e o aproveitamento da madeira para produção de etanol, o estudo
de princípios ativos para a indústria de cosmético ou de produtos
medicinais.
A universidade e a pesquisa desdobram-se para superar
adversidades e, em certos casos, a indiferença de governos. Por isso,
dificilmente Letícia acompanha o Inpa, o IIAP, o Museu Goeldi, e
esses a Universidade Central do Equador. E assim por diante. Esse ciclo
perverso precisa ser quebrado em favor de uma Pan-Amazônia forte
e integrada, que, dessa forma, possa compartilhar esforços e o bem
comum da população amazônica.

Cooperação econômica
Machado (2009, p. 3), professor da Universidade Federal do
Amazonas (Ufam), escreveu:
A população que vive na parte amazônica dos diversos países
que participam do bioma é estimada em torno de 28 milhões
de pessoas. Juntando-se a população dos estados da Amazônia
brasileira com a totalidade da população dos demais países da
Amazônia Continental, essa estimativa aproxima-se de 140
milhões (ARAGÓN, 2005). Trata-se, pois, de um mercado
significativo, mas muito pouco dinamizado.

De acordo com Machado (2009), os dados de comércio exterior


desse mercado, referentes a 2008 (MDIC, 2009), indicam que:
a) os estados da Região Norte do Brasil exportaram
aproximadamente 7% (US$ 825 milhões) do total das
exportações do Brasil para os países amazônicos (US$11.825
milhões). As importações têm menor expressão ainda, pois
representaram apenas 4% (US$ 225 milhões) do total das
importações feitas pelo Brasil desses países (US$ 5.253
milhões). Além de irrisória, gera imenso déficit comercial
contra esses países, o que se converte em foco de desconforto
nas relações deles com o Brasil;

b) além de diminutos, esses fluxos comerciais concentram-


se, basicamente, entre dois estados brasileiros e três países

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 50 14/09/2015 15:08:23


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 51

(Venezuela, Peru e Colômbia), cujo intercâmbio representa


mais de 90% das exportações e mais de 95% das importações.
As exportações do Amazonas representaram US$ 392 milhões
e do Pará US$ 353 milhões. As importações centradas no
Amazonas, US$ 131 milhões e no Pará, US$ 88 milhões;

c) um outro aspecto é que esse comércio centra-se em apenas


alguns itens. Das exportações, 80,4% feitas pelo Amazonas
concentram-se em celulares, concentrados de bebidas,
derivados de petróleo, televisores e motocicletas; e 96,5%
feitas pelo Pará concentram-se em bovinos vivos, manganês
e subprodutos bovinos. Das importações, 90,1% feitas
pelo Amazonas concentram-se em prata, ligas e resíduos
de alumínio, policroreto de vinila, laminados de ferro e
poliestireno; e 99,6% feitas pelo Pará concentram-se em
hulha e produtos relacionados e em coque de petróleo.

Entretanto, existe uma grande lista de produtos que a região


compra do Sul-Sudeste brasileiro ou de outras regiões do
mundo que poderia ser suprida por esses países, com preços
muito mais baixos, como é o caso de adubos e insumos para
fabricá-los, artesanatos de têxteis, de pedrase de metais,
calcário, cerâmica, cobre, zinco, derivados de petróleo,
enlatados (atum, sardinha, etc.), enxofre, flores, frutas
(morangos, uvas, etc.), frutos do mar, pedras ornamentais,
material de construção e outros. Por outro lado, esses países
compram de outras regiões do mundo produtos que poderiam
ser supridos pelo Brasil por preços certamente menores,
como é o caso de artigos de pesca, de telefonia, esportivos,
náuticos, autopeças, bebidas em geral, motocicletas e
bicicletas; exportaram apenas 7% (US$ 825 milhões) do total
das carnes e frangos, eletroeletrônicos, em geral, ferramentas,
instrumentos musicais, minérios, material elétrico, peças de
maquinas, peças de motores, sucos e concentrados, temperos
e muito mais.

Por essas considerações, um objetivo da política externa em


relação a esse tema seria ampliar o comércio e diminuir os
desequilíbrios da balança comercial com esses países, a partir
do estímulo à complementaridade econômica entre eles e
os estados amazônicos, através da facilitação do comércio
com redução de barreiras alfandegárias, fitossanitárias e
logísticas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 51 14/09/2015 15:08:24


52 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Polos alternativos
Há certamente longo caminho a percorrer em busca de efetiva
integração dos países pan-amazônicos. Benchimol (2003) acreditava
que o ponto de partida para a promoção da integração e do
crescimento econômico da região advém da necessidade de incentivar
fortemente alguns projetos e criar novos polos, alguns históricos
e outros inovadores. Considerava fundamental a necessidade de
repensar e fazer uma releitura do passado. Salienta, no documento,
que muitas das produções florestais podem ser reativadas, desde que
modernizadas com introdução de tecnologias modernas, eficientes e
autossustentáveis.
Dentre os polos considerados, ele cita, adicionalmente: o
de especiarias, de essências aromáticas, de produção de óleos de
dendê (palm oil), coco, babaçu, andiroba, patauá e outras palmáceas;
heveicultura, biotecnológico, varzeano agrícola, frutícola, floricultura
e plantas ornamentais, palmiteiro, pesca e piscicultura, pasta
química de celulose e papel, polo madeireiro e moveleiro, pecuário
e criatório.
Destaque especial ao polo gás-petroquímico a partir das
reservas do Equador, Colômbia, Bolívia, Venezuela e do Norte do
Brasil. Aproximadamente uma dezena de bacias sedimentares
estão situadas na Amazônia Legal brasileira, perfazendo quase 2/3
dessa área territorial. Três delas – bacias do Solimões, Amazonas e
Paranaíba – são as mais importantes, não só pelo tamanho ( juntas
ocupam aproximadamente 1,5 milhão de Km²), mas principalmente
pelo seu potencial. A Bacia do Solimões (Urucu, Coari) é a terceira
bacia sedimentar em produção de óleo no Brasil, com reserva de
132 milhões de barris de petróleo. Em segundo lugar vem o Estado
do Espírito Santo, com produção de 169 milhões barris de petróleo
e gás/dia, e do Rio de Janeiro – maior polo brasileiro de produção
petrolífera, com cerca de 1,8 milhão barris de petróleo e gás por dia
– o equivalente a pouco mais de 84% de toda a produção dos campos
nacionais.
No entanto, a principal vocação da Amazônia é o gás natural.
Informes da Petrobras indicam que o Estado do Amazonas tem a
segunda maior reserva brasileira de gás natural do país, com total de
44,5 bilhões de metros cúbicos. Nas outras duas bacias também têm
sido encontradas acumulações de gás.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 52 14/09/2015 15:08:24


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 53

Os campos são bem amplos. O principal passo a ser dado


relaciona-se à crença dos governos locais nessas potencialidades, e com
efeito realizar os investimentos que a integração da região exige.

Figura 4. Derrame do oleoduto de crudos pesados (OCP) nos rios


Santa Rosa, Quijos e Coca, na Amazônia equatoriana, 2009.
Fonte: Red Amazónica de Información Georreferenciada, 2012.

Turismo
Outros campos de negócios – como se verá mais adiante – cabem
nesse raciocínio. Um dos mais importantes diz respeito à indústria do
turismo. O brasileiro comum não tem ideia do que sejam o Equador,
a Colômbia, o Peru, a Bolívia. Muitos vão a Miami ou ao Caribe sem a
noção do que estão perdendo ao não conhecer cidades extraordinárias
como Bogotá, Lima e Quito, a belíssima e civilizada Medellin e as
históricas Cartagena, Cuzco, Machu Picchu, o Lago Titicaca, Guayaquil,
Cuenca, as belas praias do Pacífico ou as Ilhas Galápagos, Caracas,
Maracaibo, e muitas outras.
Há muitas ilhas caribenhas pouco visitadas por turistas da
região. Enorme potencial à espera de um planejamento estratégico
que privilegie a implantação de infraestruturas locais, voos acessíveis

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 53 14/09/2015 15:08:24


54 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

e programas especiais que ofereçam comodidade e preços acessíveis.


Isto poderia causar uma explosão de visitantes aos belíssimos sítios
ecológicos da região. Entretanto, para chegar a Bogotá, Lima, Quito,
Caracas ou La Paz, um turista de Manaus, de Belém ou de Boa Vista
terá que viajar via Panamá, ou via Mato Grosso do Sul, Santa Cruz de
La Sierra, La Paz e assim por diante. Para Bogotá, há alternativa de
voo via Letícia, mas o custo da viagem é alto.
O turismo integra e gera emprego e renda ao redor do mundo.
Contudo, o turista de poder aquisitivo elevado opta por destinos
consolidados, como Aruba, Miami, Orlando, Cancún, República
Dominicana, Curaçao. Visitar Manaus, Belém, Rio Branco, Porto Velho
ou Boa Vista, para um peruano, um colombiano, um boliviano, um
equatoriano ou um venezuelano é muito difícil. Tornam-se destinos
praticamente inacessíveis, seja por acesso deficiente ou devido a custos
de viagens normalmente fora do alcance de um turista comum.
Quando viajei pela Amazônia sul-americana em outubro/
novembro de 2013, ao conversar com diversas pessoas, gente comum
em táxis, feiras, lanchonetes, shoppings, praças, lugares turísticos em
diferentes localidades, ao me apresentar como nativo de Manaus,
praticamente ninguém tinha a menor noção a que cidade me referia.
O inverso é verdadeiro.
O professor Ochoa (2008) afirma que o potencial da Amazônia
para implementar atividades turísticas, principalmente em relação às
modalidades baseadas no turismo ecológico, étnico ou cultural, vem
sendo estudado por diversos agentes e em múltiplos espaços.
Diversos autores consideram o turismo uma forma de aproveitar
os atributos culturais e ecossistêmicos da região, assim como uma
via de geração de renda para as populações locais. Por sua vez, essas
“poblaciones locales” buscam múltiplas maneiras de articular-se à sua
dinâmica, seja vendendo sua força de trabalho como guias, intérpretes,
empregados, organizando-se em grupos associativos, criando pequenas
empresas, adquirindo novas habilidades, gerenciando projetos para
construção de infraestrutura e buscando mais apoio institucional.
Independentemente de alguns pontos negativos, perfeitamente
contornáveis, a Amazônia se posiciona cada vez mais como produto e
destino turístico na cadeia global. Conforme salientam Ochoa e Palácio
(2008), na exploração inicial da Amazônia e em seu posicionamento
como produto turístico pesou bastante a imagem que a sociedade

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 54 14/09/2015 15:08:24


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 55

ocidental formou a respeito da região. Estes, prosseguem os autores,


como as crescentes expectativas sobre o setor, tem consolidado a ideia
de que o turismo configura alternativa para o desenvolvimento da
região.
Destaco ainda na obra de Ochoa (2008) que, assim como produto
turístico amazônico pode ser proporcionado quase que em qualquer
lugar, significa que os amazônidas que se inserem em sua dinâmica
passam a competir com diversos agentes da cadeia global. A vantagem
para as populações locais poderia estar em que, ao tratar-se de um
produto inovador – selva e rio, experiências com culturas indígenas – a
mesma comunidade pode desenhar produtos mais integrados e avançar
até os setores de maior interesse em países emissores.
Não há qualquer dúvida que o segmento, conquanto ofereça
amplas perspectivas mercadológicas e culturais, demanda fortes
investimentos em infraestrutura não só voltados à atração do turista
local (sul-americano) ou estrangeiro, como no sentido de transformar
a Pan-Amazônia em destino turístico internacional. Como ocorre
com o Caribe, a Indonésia, a Namíbia, a África do Sul, a Austrália, a
Flórida, etc.

Relações de troca
O intercâmbio comercial da Pan-Amazônia é ainda incipiente,
embora vastos os campos de possibilidades. Segundo Machado (2009)
através dos estados do Pará e Amazonas e, mais recentemente, o Estado
de Rondônia, tem ampliado seu comércio com os países pan-amazônicos.
Mas ele se dá com poucos países e com uma pauta de produtos bastante
aquém do potencial. Em relação à América do Sul, esse potencial se
amplia para uma escala que propiciaria aos estados amazônicos do
Brasil um mercado de grandes dimensões, próximo territorialmente,
com similaridade cultural e com facilidades aduaneiras em construção.
Machado (2009) salienta que, com acesso aos mercados da costa
leste do Pacífico, a chegada à Ásia se torna o passo seguinte natural.
E então, esse grande e rico mercado passaria a ter conexão célere com
a Amazônia, beneficiando-a em vários aspectos. Exemplos de fluxos
comerciais capazes de trazer efeito virtuoso para a região podem ser
citados:
a) componentes eletrônicos fabricados na Ásia e importados em
grandes volumes pelo Polo Industrial de Manaus;

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 55 14/09/2015 15:08:24


56 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

b) manufaturados eletroeletrônicos, duas rodas, peças plásticas,


equipamentos médicos, computadores, celulares e outros
destinados a abastecer toda a costa leste do Pacífico, hoje
atendida pelos Estados Unidos, México ou Ásia;
c) carnes, peixes, polpa de frutos, aves e similares, óleos nativos,
extratos regionais, ervas;
d) medicinais e conexos, produtos fabricados com insumos da
biodiversidade regional, todos demandados em grandes
quantidades pela Ásia;
e) soja e seus derivados, sobretudo óleo, escoado do norte do
Mato Grosso, tanto para os países latinos do Pacífico quanto
para os países asiáticos;
f) minérios em diversos estágios de processamento oriundos
de diversos estados brasileiros e países amazônicos, inclusive
alguns estratégicos, como nióbio-tantalitax;
g) turismo massivo e integrado, pelo qual os asiáticos entrariam
no continente através de um dos muitos atrativos existentes
nos países da costa leste (Machu Picchu no Peru, Galápagos
no Equador), chegariam à selva amazônica e suas belezas
tropicais, se deslocariam para o estuário amazônico e depois
demandariam o Nordeste brasileiro.
Outras possibilidades dizem respeito à integração do Polo
Industrial da Zona Franca de Manaus (PIM) com os mercados da
Pan-Amazônia. Ocorre que, por erros grosseiros da diplomacia e
do próprio governo brasileiro, Equador, Peru, Bolívia e Colômbia,
principalmente, avançaram outras áreas de interesse com Coreia do
Sul, Japão e Rússia em setores fundamentais, como os da indústria
automobilística, cimento, armas e munições, petróleo e gás. O Brasil
perdeu espaços preciosos que talvez possam, presumivelmente, em
alguns casos, serem retomados a partir da integração social, política e
econômica da Amazônia sul-americana.

Expansão comercial
A propósito, esteve em visita a Manaus, capital do estado brasileiro
do Amazonas, no mês de maio de 2014, comitiva empresarial da
província peruana de Loreto, chefiada pelo governador Yván Vásquez
Valera, e assessores. Na oportunidade foram realizados encontros

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 56 14/09/2015 15:08:24


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 57

oficiais com o governo e lideranças empresariais locais. Importantes


interesses comerciais aguardam ser explorados a partir da região
da tríplice fronteira Brasil-Peru-Colômbia. As cidades brasileiras de
Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte mantêm convivência
histórica com Iquitos e Letícia, que, no entanto, pouco evolui do ponto
de vista de negócios e da infraestrutura.
Trata-se de região muito rica, que esbarra na praticamente
impensável ausência de um sistema que permita maior fluidez cultural
e econômica entre as cidades aproveitando as vantagens comparativas
que sustentam. “Temos muitos pontos em comum, o mesmo rio e a
necessidade de abrir mercado, não só do norte do Peru para o norte
do Brasil, quanto do Pacífico. Podemos enfrentar os problemas de
eficiência dessa rota juntos. Por isso, pedimos aqui o esforço e o apoio
do governador nesse sentido. Uma via alternativa que atravessaria o
Pacífico mais rápido que a rota do Panamá”, afirmou o governador
Yván Vásquez Valera à imprensa amazonense.
No encontro, realizado na sede do Governo do Amazonas, do
qual participaram o governador José Melo e o prefeito de Manaus,
Arthur Virgílio Neto, discutiu-se a possibilidade de criação de uma
rota comercial com área aduaneira compartilhada entre as cidades
peruanas vizinhas e o Amazonas, bem como a criação futura de uma
nova rota comercial alternativa da Ásia até Manaus, via Peru usando
a Carretera Transoceânica. Somando-se à logística de transporte
fluvial, a abertura para o Pacífico, na prática, significa a integração
total da bacia amazônica aos países asiáticos. Comissão especializada
foi elaborada para formular os projetos técnicos requeridos por essa
operação.

Biodiversidade exótica
Homma (2013), pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental,
procede à extensa análise do quadro da produção agropecuária na
Amazônia e das potencialidades que podem se confirmar como
produto da biodiversidade. Suas análises levam em conta que
A despeito da ênfase na biodiversidade nativa, grande
parte da agropecuária amazônica está apoiada em plantas
e animais de outros continentes ou de outras áreas extra-
Amazônia, podendo-se destacar a soja, algodão, milho,
arroz, feijão, juta, pimenta-do-reino, bananeira, laranjeira,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 57 14/09/2015 15:08:25


58 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

cafeeiro, coqueiro, abacaxi, dendezeiro, mamoeiro, meloeiro,


aceroleira, bovinos e bubalinos, frangos etc. Para muitas destas
culturas, a Região Amazônica tornou-se a maior produtora
nacional, concentrando um terço da produção de soja,
metade da produção de algodão, a totalidade de pimenta-
do-reino, juta e malva e do rebanho bubalino, abacaxi,
dendezeiro etc. No contexto nacional, o Brasil tornou-se um
dos maiores produtores e exportadores mundiais de carne
bovina e frango, café, suco de laranja, soja, açúcar, fumo,
álcool, milho, carne suína etc.

Perda e ocupação de mercados


A Amazônia, entretanto, prossegue Homma (2013), ao longo do
tempo, tem sido prejudicada pela perda de mercado de produtos da
sua biodiversidade, como ocorreu com a cinchona, cacau, borracha,
guaraná, pupunha, jambu, açaí, cupuaçu, que foram e estão sendo
transplantados para outras partes do país e do mundo. Outras culturas
exóticas, como o cafeeiro, mamoeiro, meloeiro, que tiveram seu
desenvolvimento inicial no Estado do Pará, perderam competitividade
para outras áreas do país.
Movimento inverso também ocorreu, como a expansão da
pecuária, soja e algodão, em que Mato Grosso é o maior produtor;
dendezeiro, em que o Pará é o maior produtor; e coqueiro, maior
plantio do país. A partir de 2003, o Estado do Pará iniciou a exportação
de boi vivo, e a extração de madeira de floresta nativa foi reduzida
drasticamente. O estado possui o maior rebanho bubalino, que se
integrou à paisagem marajoara e à Amazônia Legal, e responde por
quase um quinto das exportações brasileiras de pescado. Quanto à
questão da sustentabilidade, ele deixa muito a desejar.

É possível uma nova agricultura na Amazônia?


No mesmo estudo, Homma (2013) observa:
Defende-se a importância de desenvolver uma agricultura
mais sustentável e gerar renda e emprego na Região
Amazônica. A questão ambiental na Amazônia precisa sair
da fantasia e buscar resultados concretos ao invés do culto
ao atraso e de atender os interesses de determinadas ONGs,
de instituições internacionais e de países desenvolvidos.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 58 14/09/2015 15:08:25


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 59

Entende-se que a reduzida oferta de tecnologias agrícolas


e ambientais, associada ao baixo nível de capital social, tem
sido a causa e o efeito das atividades altamente dependentes
da depredação dos recursos naturais na Amazônia. As pragas
e doenças que afetam os cultivos na Amazônia constituem
grandes desafios atuais e futuros (HOMMA, 2010).
A despeito da exaltação da magnitude da biodiversidade
futurística, os grandes mercados e a sobrevivência da
população regional ainda vão depender dos atuais
produtos tradicionais, representados pela biodiversidade
exótica, como o rebanho bovino e bubalino, cultivos como
cafeeiro, dendezeiro, soja, milho, algodão, pimenta-do-
reino, bananeira, procurar o pragmatismo, juta, coqueiro,
laranjeira, entre os principais.
A biodiversidade nativa ainda não ocupou parte relevante
do seu potencial, que pode aliar a preservação ambiental,
renda e qualidade de vida para os agricultores da Amazônia.
A experiência da introdução das lavouras de juta e pimenta-
do-reino pela imigração japonesa na Amazônia, duas
plantas exóticas do sudeste asiático, na década de 1930, foi
rapidamente absorvida pelos agricultores brasileiros.
Essa e outras experiências indicam que os pequenos
agricultores da Amazônia não são avessos a inovações, desde
que preço e mercado sejam satisfatórios, mesmo em se tratando
de cultivos de grande complexidade e, no caso citado, numa
época em que não existia serviço de extensão rural. Por outro
lado, a valorização e o crescimento do mercado do fruto de
açaí incentivaram a conservação de açaizeiros, enquanto a
Lei no 6.576/1978, proibindo a derrubada para obtenção de
palmito, assinado pelo presidente Ernesto Geisel (1907-1996),
não teve nenhum efeito.

Infraestrutura, base da integração regional


A esta altura, cumpre questionar: qual o maior problema da
Amazônia sul-americana? Grave deficiência de infraestrutura de
transportes, portos, aeroportos, de comunicações. A integração das
bacias fluviais permanece com seus projetos paralisados há décadas.
Como destaca Machado (2009), para que esse imenso potencial
venha a ser explorado há necessidade de infraestruturas de logística,
especialmente as que possibilitam a conexão intermodal.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 59 14/09/2015 15:08:25


60 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Nesse sentido, acrescenta, como parte do grande programa


referencial expressado pela IIRSA (Iniciativa de Integração da
Infraestrutura Regional Sul-Americana), já há em andamento várias
iniciativas, como o Eixo Multimodal entre Manta (no Equador) e
Manaus (no Amazonas); o projeto de conexão do porto fluvial no
Rio Madeira (Porto Velho, Rondônia) com Bolívia e depois os portos
marítimos do Chile; a rodovia de conexão de porto-aeroporto na costa
pacífica do Peru (Paita-Piura) com Iquitos na região de Loreto, já na
Bacia Amazônica; e outros.
A Estrada do Pacífico, também conhecida como Rodovia
Interoceânica, é uma estrada binacional ligando o noroeste do Brasil
ao litoral sul do Peru, através do estado brasileiro do Acre. A parte
da Estrada do Pacífico que fica dentro do território brasileiro é
identificada como BR-317, enquanto no Peru é chamada apenas de
Carretera Interoceanica.

Figura 5. Estradas na Pan-Amazônia.


Fonte: Red Amazónica de Información Georreferenciada, 2012.

A Estrada do Pacífico é uma das diversas obras que fazem parte


do “Eixo Peru-Bolívia-Brasil” da Iniciativa de Integração Regional Sul-

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 60 14/09/2015 15:08:25


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 61

Americana (IIRSA), que tem o objetivo de integrar a infraestrutura


dos países do continente sul-americano. Além de rodovias, o eixo tem
por objetivo construir uma infraestrutura de ferrovias e hidrovias
que integre os sistemas de transporte do Brasil, Peru e Bolívia, com
a conexão das estradas até a infraestrutura portuária peruana no
Oceano Pacífico, permitindo a expansão do comércio desses países
com a região da Ásia-Pacífico.

Figura 6. Rodovia do Pacífico (Carretera Interoceânica) desde Iñapari


(Peru) com destino final a Lima.

No Brasil, tem início na BR-364, em Porto Velho (RO). No Estado


do Acre prossegue pela rodovia BR-317, que passa por Rio Branco e
vai até a tríplice fronteira com o Peru e Bolívia, cruzando as cidades
de Assis Brasil, no Acre, e Iñapari, no Peru. No território peruano a
Estrada do Pacífico se divide inicialmente em duas, uma em direção a
oeste, que no Peru segue pela rodovia PE-030, desde Nazca, passando
por Cuzco, até o porto de San Juan de Marcona. A outra rota, em
direção ao sul, se subdivide em duas na região próxima ao Lago
Titicaca, e segue pela PE-034 até o porto de Matarani, e pela PE-036
até o porto de Ilo.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 61 14/09/2015 15:08:26


62 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 7. Rodovia do Pacífico (Carretera Inte­


roceânica): transporte rodoviário promovendo a
integração Peru-Bolívia-Brasil.

A Carretera Interoceanica é, na realidade, a primeira etapa


de um conjunto de rodovias ligando o Brasil aos portos peruanos
do Oceano Pacífico, atravessando trechos do território peruano e
boliviano no chamado “Eixo Peru-Bolívia-Brasil” de integração. Estão
previstos ainda mais de 2.600 quilômetros de estradas, incluindo rotas
que partem dos estados de Rondônia, Mato Grosso e Acre. Esse é um
dos projetos mais ambiciosos da IIRSA e irá requerer investimento
de mais de US$ 1,6 bilhão, dos quais parte significativa deverá ser
financiada pelo Brasil.

Figura 8. Trechos sinuosos da Rodovia do


Pacífico (Carretera Interoceânica) cruzando os
Andes peruanos.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 62 14/09/2015 15:08:27


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 63

Transcrevo a seguir algumas observações que, a meu pedido, o


médico amazonense Horlando Araújo da Silva escreveu a respeito do
estado da arte da “carretera del Pacifico”. Hoje aposentado, encontra-se
residindo em Lima, e, portanto, descreve com propriedade e isenção a
respeito dos pontos de estrangulamento apresentados pela rodovia que
vem prejudicando muito seu uso comercial.
Graves problemas emperram a rodovia do Pacífico

Em final de dezembro de 2014 refiz a viagem pela


Interoceânica no sentido Lima- Rio Branco (AC), que havia
empreendido 6 anos antes quando a rodovia encontrava-se ainda
em construção. Confesso que ao final da primeira jornada me enchi
de entusiasmo com a perspectiva do novo caminho na rota Brasil/
Perú.
Era um alento para nós da Região Amazônica podermos
finalmente contar com uma saída terrestre para o Pacífico, uma vez
que a Interoceânica criaria a necessidade de revitalizar nossa única
ligação rodoviária (Manaus-Porto Velho), para fora dos limites
manauenses. Além disso, seriam reabertos nossos caminhos para o
resto do Brasil e finalmente o ganho que o país teria na abertura
de Novas Fronteiras de Exportação de produtos agrícolas e demais
commodities, fugindo da rota do Canal do Panamá.
Infelizmente não foram essas realidades as que encontrei ao
longo do trajeto percorrido atualmente. A solidez que aparentava
na edificação do leito da rodovia revelou-se um somatório de
trechos danificados, apesar do pouco tempo de uso da estrada.
Verificam-se vários pontos de reconstrução das margens próximas
a abismos. O que deveria ter sido prevenido, só agora está sendo
“remendando”. Tais falhas ocasionam prolongadas interrupções
no caminho dos viajantes e o aumento do tempo do percurso em
proporções incalculáveis.
Na realidade o que se nota é que a inauguração da estrada
foi precipitada, imprudente e descabida. Deveriam ter observado
o impacto que um empreendimento de tal monta causaria ao
precário solo rochoso e frágil da Cordilheira Andina. Hoje a estrada
apresenta diversos pontos de “derrumbles” (queda de rochas), que
ocasionam interrupções na navegabilidade da rodovia.
Outro aspecto observado, após sua inauguração, foi a
“ favelização” das margens da rodovia. Ao invés de trazer progresso
à região ao longo do leito da rodovia, o que se observa é o crescimento
invasivo de favelas que estão se transformando em pequenas cidades,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 63 14/09/2015 15:08:27


64 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

sem a menor infraestrutura para o apoio das populações que para


lá vem se deslocando. Na verdade o que se vê é a aglutinação da
miséria no interior dos núcleos populacionais em formação.
Manaus, 15 de janeiro de 2015.
Horlando Araújo da Silva, médico.

O cientista Djalma Batista, em “O Complexo da Amazônia –


Análise do Processo de Desenvolvimento”, de 1976, aponta alternativas
de ligações hidrorodoviárias capazes de contribuir fortemente para a
integração da Amazônia sul-americana, como segue:
a) com o oeste boliviano, através da rodovia Porto Velho-
Guajará Mirim, que substituiu a decadente Estrada de Ferro
Madeira-Mamoré, e se prolonga até Manaus, através da
BR-319, recém-construída;
b) com a Bolívia e o Peru, na fronteira acreana, através da
estrada que vai de Rio Branco a Brasileia (defronte de Cobija)
e Assis Brasil (na tríplice fronteira);
c) com o Peru, com a construção da estrada Cruzeiro do Sul-
Pucalpa, que completará a ligação rodoviária Atlântico-
Pacífico, pela Transamazônica (do lado brasileiro) e a
Transandina peruana;
d) através de via interoceânica, que deverá completar a ligação
do Equador, da cidade de Puerto San Lorenzo, no Pacífico (já
unida com a capital equatoriana por ferrocarril), até a cidade
de Puerto Putumayo, à margem do rio do mesmo nome (que
é o nosso Içá); esse projeto está aprovado, dependendo da
construção de uma rodovia partindo de Quito até Putumayo
(400 e tantos quilômetros) permitindo a ligação, pelo citado
rio, afluente do Solimões, até Manaus (onde está a Zona
Franca, aberta aos países limítrofes) e daí ao Atlântico.
Não esquecer que a Amazônia equatoriana é produtora de
petróleo que poderá ser refinado em Manaus;
e) com a Colômbia, pela Perimetral Norte, de onde partiria
um ramal até Mitu, agora suspenso, para se articular com a
projetada Bogotá- Mitu. A Perimetral Norte se acercará de
Letícia, no trecho que deverá alcançar Benjamin Constant;
f) com a República da Guiana, completando a rodovia Boa
Vista-Bonfim e de Lethem até Georgetown;

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 64 14/09/2015 15:08:27


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 65

g) com o Suriname, através do prolongamento da Cuiabá-


Santarém, na margem esquerda do Amazonas, de Almeirim
até Tiriós, na fralda do Tumucumaque, e da estrada de
serviço, já em tráfego entre Oriximiná e o Alto Cuminá;
h) com a Guiana Francesa, cuja fronteira já foi alcançada pela
estrada Macapá-Oiapoque.
Batista (2007) observa que tais projetos induzem à “intensificação
dos trabalhos de aproximação diplomática, uma vez que as ligações
hidrorodoviárias estão se estabelecendo aceleradamente, e é preciso
continuar os estudos iniciados na Reunião dos Embaixadores Brasileiros
nos países amazônicos (Manaus, 1966)”, precursora, portanto, do
Tratado de Cooperação Amazônia (TCA), firmado em 1978, com o
fim de promover ações conjuntas para o desenvolvimento harmônico
da região.
As ações conjuntas e a necessidade do estabelecimento das bases
de um intercâmbio cultural e econômico, segundo Batista (2007),
teriam como objetivos centrais:
a) aproximar, da melhor maneira, os povos amazônicos;
b) criar uma política de fronteiras que supere o problema de
transferência de produtos brasileiros para os países vizinhos,
e vice-versa, quebrando o mecanismo de contrabando que
vigora intensamente e a todos prejudica;
c) estudar questões em comum, especialmente de medicina e
ecologia, para que se estabeleçam normas preservadoras da
natureza de toda a Pan-Amazônia, evitando que se repitam
os erros anteriores. Agora mesmo surgiu um problema
médico-sanitário de importância para a Venezuela e o Brasil,
a oncocercose, que se soma aos outros temas comuns;
d) estabelecer, nos diversos países, mercado livre para os
produtos próprios das várias Amazônias, estimulando,
inclusive, a substituição de produtos de outra procedência
pelos similares amazônicos;
e) apoio à navegação fluvial e aérea, uma vez que embarcações
e aviões brasileiros ligam diversas localidades fronteiriças e
são elemento decisivo de aproximação e entendimento;
f) atrair estudantes dos países vizinhos para as universidades
do norte brasileiro e enviar os nossos para as universidades
da Amazônia sul-americana;

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 65 14/09/2015 15:08:27


66 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

g) incentivar uma política de cooperação que conduza, tão


cedo quanto possível, à formação de consciência amazônica.
Extremamente importante que surja para que possamos
progredir lado a lado.
Como se pode observar, os ideais do cientista Batista, de
desenvolvimento integrado da Pan-Amazônia, expressos em sua obra
aqui analisada, de 1976, continuam vivos hoje, 2014, quase 40 anos
depois. Renan Freitas Pinto, professor da Universidade Federal do
Amazonas (Ufam), na apresentação da edição de 2007, salienta que
Batista “procura destacar a relevância da questão ambiental buscando
reunir argumentos, no passado e no presente, para demonstrar que
continuaremos a pagar caro se as experiências visando o desenvolvimento
regional não estiverem apoiadas em sólidos conhecimentos de sua
diversidade natural e sociocultural”.
Renan Freitas ressalta, a propósito,
o papel insubstituível que reconhece nas instituições
de ensino e pesquisa, em especial o papel reservado ao
desenvolvimento das universidades regionais como principais
agentes para uma mudança no modo de percebermos o papel
do conhecimento e de sua difusão e aplicação. Não é possível,
como insistia sempre Djalma Batista, modificar aquilo que
não se conhece em profundidade.

Ações estruturantes
Em seguida ao encontro da missão da província de Loreto
mantido com o governo do Estado do Amazonas, ocorreu uma rodada
de negociações com as classes empresariais na Federação das Indústrias
do Amazonas (Fieam). Na ocasião, procedeu-se a uma análise crítica
das ações comprometidas pelos países e ainda não implementadas.
Iniciativas que precisam de esforços conjuntos de peso, tendo em vista
torná-las efetivas ao esforço de integração da região.
Dentre os pontos abordados, salientam-se os seguintes:
a) ligação aérea e fluvial com Iquitos, com o estabelecimento de
condições de navegabilidade com Tabatinga;
b) modernização das instalações portuárias de Iquitos –
Implantação do Terminal Alfandegário na cidade sob
responsabilidade da iniciativa privada;
c) por meio de acordo de governo, estabelecer política de
subsídios ao custo de combustíveis de Manaus a Iquitos;

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 66 14/09/2015 15:08:27


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 67

d) avançar negociações entre os governos do Peru, Equador e


Brasil com vistas às obras de implantação de uma eclusa e
assim permitir condições de navegabilidade Rio Napo/Rio
Amazonas, e a construção da Central Hidroelétrica de Mazán-
Iquitos com capacidade instalada de produção estimada em
540 MW (Iquitos consome 60 MW).

Rota Interoceânica com Marco Zero em Manaus


De acordo com Maria (2014), a rota interoceânica projetada para
interligar o Brasil ao Peru e Equador, e abrindo caminho direto para a
Europa e Ásia, voltou à pauta do dia. Empresários do setor de transportes
e logística, aliados à Federação das Indústrias do Estado do Amazonas
(Fieam) e autoridades peruanas articularam uma estratégia específica
para fortalecer o projeto de implantação dessa rota interoceânica, com
marco zero no Porto de Manaus, passando pelo Porto de Iquitos, no
Peru, até chegar ao outro extremo, Porto de Manta no Equador.
Maria (2014) destaca, por fim, que, segundo a Câmara
Interamericana de Transportes, uma comitiva de peruanos do governo
de Loreto, junto com a Fieam, mantém tratativas para abrir uma rota
internacional, ligando pelo lado brasileiro os nossos interesses pelo
Porto de Iquitos, no Peru, e de lá para a frente o transporte feito pelos
nacionais do Equador, ligando Iquitos a Manta, e do Peru ligando
Iquitos aos três portos peruanos.
A rota em referência está representada no mapa a seguir
(Figura 9):

Figura 9. Rota Interoceânica Marco Zero Manaus.


Fonte: Maria, 2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 67 14/09/2015 15:08:28


68 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

De outra parte, o empresário Antonio Silva, presidente da


Federação das Indústrias do Amazonas, em editorial da revista Fieam
Notícias (maio/junho de 2014), dá conta de que a ampliação dos
laços comerciais do país é vital para o aumento da competitividade
e a consequente melhoria do ambiente produtivo em um mundo
globalizado. Para o Amazonas, que possui um parque industrial
com produção de padrão mundial, a possibilidade de atingir novos
mercados é um passo gigantesco a ser dado diante dos grandes desafios
logísticos a serem enfrentados. O interesse da Confederação Nacional
da Indústria em estabelecer um acordo entre o Mercosul e a União
Europeia é compartilhado com o governo brasileiro, de modo a abrir
novas oportunidades com a derrubada de barreiras comerciais para
facilitar o intercâmbio de produtos e serviços.
A despeito das dificuldades enfrentadas na integração do próprio
Mercosul, prossegue Silva (2014), a iniciativa é um caminho sem volta,
ainda que com a lentidão característica desses acordos internacionais.
O estreitamento do intercâmbio entre países vizinhos, como a
Venezuela, que passou a integrar o bloco econômico, além do Peru e da
Argentina, é positivo para a economia do Amazonas, especialmente a
indústria, que tem nesses países os principais destinos das exportações
das empresas do Polo Industrial de Manaus.
O editorial de Silva informa ainda que, para a indústria implantada
no Amazonas conseguir ampliar o destino dos seus produtos para além
das fronteiras brasileiras, é necessário que os projetos de infraestrutura
avancem, especialmente aqueles voltados a facilitar o escoamento dos
produtos. De fato, a Fieam tem feito esforços no sentido de abrir os
horizontes da indústria local, ao receber as missões de países com
grande potencial para os negócios. Um dos exemplos foi a visita a
Manaus de uma delegação de empresários do Peru, que resultou em
outra missão de representantes da indústria e do comércio local àquele
país, por ser importante canal de acesso a outros países da América do
Sul e uma ponte para a rota da Ásia, através do Pacífico.
A vinda de uma comitiva de empresários peruanos para a Transpo
Amazônia foi mais um passo para que as negociações bilaterais avancem
no estabelecimento da rota comercial fluvial entre Manaus e Iquitos,
com vista a ampliar a atividade econômica do Amazonas estimulada
pela indústria.
A Transpo Amazônia – Feira e Congresso Internacional de
Transporte e Logística, com 106 estandes, realizou-se em Manaus

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 68 14/09/2015 15:08:28


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 69

no período de 21 a 23 de maio de 2014. Teve por objetivo discutir


alternativas aos entraves logísticos, facilitando a realização de negócios
na região pan-amazônica.
Em evento ocorrido na sexta-feira (24), a Fetramaz (Federação
das Empresas de Logística, Transporte e Agenciamento de Cargas da
Amazônia) lançou as bases da feira, que a exemplo do realizado em
2012, será voltada à cadeia de transportes e de logística: rodoviário,
aquaviário e aéreo.
Na edição 2014, a feira contou com maior participação e no
quesito transporte rodoviário, as apostas do setor recaíram sobre a
BR-163 (Santarém-Cuiabá) e o pleno funcionamento do entreposto da
ZFM na cidade paraense de Santarém. Todas as ações se processam na
direção de reduzir riscos e custos, beneficiando toda a cadeia produtiva
da região.
Em relação ao transporte aéreo, os organizadores da feira
esperam diminuir alguns entraves burocráticos, como a redução dos
custos operacionais. Embora mais caro, o transporte aéreo é mais
funcional. Os organizadores da feira consideram que o setor terá dado
importante passo rumo ao seu fortalecimento, conseguindo reduzir
custos e a burocracia.

Peru oferece alternativa para


transporte de cargas na rota Amazonas-Ásia1
A perspectiva de que o Peru venha a se tornar uma das rotas
preferenciais entre a Ásia e a Zona Franca de Manaus tem-se tornado
cada dia mais viável. Estudos do Consulado Geral peruano em Manaus
indicam que, pelas rotas em teste é possível baixar o valor do frete
de um container, que custa US$ 5,9 mil para US$ 5 mil, e também
diminuir o tempo de 45 dias para 30 dias, no transporte de cargas
da China para Manaus, através de portos peruanos, com a utilização
da Carretera Interoceânica e rotas fluviais.
De acordo com o cônsul geral do Peru, Eduardo Rivoldi, a
rota permite o aprimoramento das relações comerciais bilaterais
entre o Brasil e Peru, através de uma logística eficaz pelo Pacífico,
para viabilizar as relações comerciais entre o Amazonas e a Ásia,
continente onde estão localizados os maiores fornecedores de
insumos industriais para a Zona Franca de Manaus (ZFM). A estrada
1
Matéria publicada no Jornal do Commercio, de Manaus (AM) em 17/08/2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 69 14/09/2015 15:08:28


70 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

interoceânica é o primeiro eixo multimodal Atlântico-Pacífico na


América do Sul. Além de favorecer a integração sul-americana, a
circulação de pessoas, o turismo e o comércio bilateral entre o Brasil e
o Peru, garante o acesso dos produtos peruanos ao Oceano Atlântico
e o acesso dos produtos brasileiros, inclusive os produzidos no Polo
Industrial de Manaus (PIM) ao Oceano Pacífico.
Segundo Rivoldi, o intercâmbio entre Brasil e Peru caiu 10,8%
entre janeiro e abril de 2014 por conta de restrições comerciais. As
exportações peruanas para o Brasil somaram US$ 487,6 milhões
no primeiro quadrimestre, valor inferior ao registrado no mesmo
período de 2013. De acordo com a Associação Peruana de Exportadores
(Adex), por problemas criados pelo Brasil.
A Adex observou que a exportação de cobre para o
mercado brasileiro diminuiu significativamente, e ela representa 34%
do total das exportações do Peru para o Brasil. No entanto, houve
retrocesso também em setores como a pesca tradicional e não
tradicional, mineração e no setor metal-mecânico. Os peruanos
reclamam ainda que o Brasil mantém medidas paratarifárias que
freiam o livre comércio com outros países. Segundo o Trade Alert das
Nações Unidas, o Brasil adota 251 barreiras comerciais.
Alguns importantes entraves respondem pela dificuldade de
decolar o resultado comercial proporcionado pela Interoceânica.
A primeira é que não há acordos para que o cruzamento de fronteira seja
mais organizado. Transportadoras alegam que para cruzar a borderline
é necessário apresentar certificado de febre amarela, além de proceder
à imigração na fronteira Peru-Brasil e logo em seguida de novo
em Rio Branco, capital acreana, além dos registros da alfândega.
“O trâmite é complexo, oneroso e demorado. Às vezes, argumentam
razões fitossanitárias e somos impedidos de cruzar a fronteira com a
mercadoria. Aqui, o único beneficiado é o narcotráfico, que agora ficou
com a estrada expressa”, desabafou o transportador.
A segunda razão alegada é que, na teoria, fica barato levar a carga
do Brasil aos portos peruanos, mas como o veículo que leva a carga
ostuma retornar vazio, pois o país vizinho exporta bem menos, o frete
torna-se caro. A Adex informou que a balança comercial foi negativa
para o Peru em cerca de US$ 153 milhões, no primeiro quadrimestre
de 2014.
Por último, os motoristas brasileiros enfrentam dificuldades em
dirigir seus caminhões e carretas pelas estreitas estradas andinas

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 70 14/09/2015 15:08:28


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 71

peruanas no trecho que vai para Juliaca, no sul do país, onde algumas


curvas são tão estreitas, que até os ônibus de passageiros enfrentam
dificuldades em passar.
Apesar da contração no primeiro quadrimestre de 2014, o Brasil
segue como sexto principal destino das exportações peruanas, depois
da China, Estados Unidos, Suíça, Canadá e Japão. O país concentra 4%
do total das exportações peruanas. No ranking de produtos exportados
para o Brasil, depois do cobre, seguem a gasolina, minérios em geral,
carburadores, azeitonas, e algodão com destaque para camisetas
T-shirts.
Para a Adex, o potencial comercial entre Brasil e Peru poderia
ultrapassar US$ 1 bilhão. A instituição acredita que ainda há muito
para se aproveitar emrelação aos subsetores químico, agropecuário,
agroindustrial, mineração não metálica, siderurgia, pesca, têxtil
e madeiras. Os produtos que o Brasil mais importa do Peru são
medicamentos, pneus para caminhões, polipropileno, preparações
alimentícias, feijão, perfumes e preparações para maquiagem.

Organização produtiva
São frágeis os laços que impulsionam as relações produtivas na
Pan-Amazônia. Por isso mesmo a região, repetindo erros e omissões
do passado, não avança, mantém-se presa a relações comerciais pouco
significativas. E assim não constrói uma agenda desenvolvimentista,
nem consegue promover a integração econômica e social plena das
nações que a integram.
Sabe-se o quanto são ricos os territórios no que pertine à
potencialidade de sua biodiversidade, como mencionado em diversos
capítulos desta obra. Riquezas essas que, contraditoriamente, não
conseguem se transformar em produtos de aceitação internacional,
avidamente demandados por mercados os mais diversos, posto que
fortemente valorizados caso viessem a aplicar em suas embalagens o
selo Amazônia.
Segundo Becker (2011), desprovida que é de cadeias produtivas
completas e de uma rede de cidades que impulsionem a economia
e a integração, nela dominam ainda os processos de expansão da
fronteira móvel destruindo a natureza. Contrapondo-se ao “modo de
uso” tradicional, que se baseia na exploração indiscriminada de seus
recursos, Becker acredita numa mudança de paradigma em substituição

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 71 14/09/2015 15:08:29


72 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

aos modos de uso do território baseado em formas de produção


e ecossistemas distintos. Um uso atual comandado por grandes
conglomerados internacionais e nacionais, baseados em poderosa
logística que visa expandir continuamente a produção reduzindo os
custos de transporte. Em sua contraposição, o uso que aponta para o
futuro, com um modelo capaz de gerar renda e trabalho sem destruir
a floresta, o que só poderá ser conseguido com o adequado uso de CT/I
e de instituições de fins ajustados a esses desafios.
Corrigir os déficits estruturais da Pan-Amazônia depende
fundamentalmente do tripé: mais pesquisas, mais cooperação,
mais conhecimento. Um dos caminhos apontados pelo embaixador
brasileiro João Clemente Baena Soares, durante o Encontro da
OTCA (novembro de 2011) em Manaus (SOARES, 2011), pressupõe
a implantação com amplas e modernas condições operacionais da
Universidade Amazônica. Teria a função primordial de promover a
governabilidade do sistema de pesquisa, desenvolvimento e inovação
(CT/I) e a integração dos trabalhos das universidades de todos os países
em operação na área.
O ex-secretário-geral da Organização dos Estados Americanos
(OEA) foi mais além ao observar que o tempo amazônico é próprio,
particular e único. Nesse sentido, precisa ser acelerado tendo em vista
que nesta região tudo é urgente, muito embora o tempo continue
passando plácida e preguiçosamente, ao que tudo leva a crer. Exemplo
expressivo desse marasmo: a navegabilidade dos rios amazônicos
que prossegue sem avanços de expressão, prejudicando fortemente
o processo de integração da região. Como solucionar o problema?
A universidade pode dar as respostas.
Enquanto não se investe seriamente no conhecimento e na
pesquisa, avultam problemas como os relacionados à baixa eficiência
do preparo de gerações para pensar e equacionar o futuro da
região. Não se tem noção precisa de qual o modelo mais apropriado
institucionalmente e exequível economicamente capaz de promover
o desenvolvimento regional. Um desafio comum a todos os países da
Amazônia sul-americana. As carências abrangem desde a fragilidade dos
sistemas políticos, que por isso mesmo mantêm frágil comprometimento
com a governança social, econômica e tecnológica dos organismos
multinacionais aqui atuantes. Exemplos citados em documentos do
Inpa: A Amazônia brasileira abriga aproximados 4.000 doutores fixados
na região, contudo, mais de 50% das pesquisas publicadas no mundo
sobre a região não são elaboradas por autores brasileiros.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 72 14/09/2015 15:08:29


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 73

A Pan-Amazônia, tendo em vista promover sua plena integração,


necessita enfim de que, paralelamente à Universidade, seja criado
órgão de cooperação para o meio ambiente nos moldes do IPCC, da
ONU, acreditam diplomatas do Ministério das Relações Exteriores do
Brasil. Tal organismo se encarregaria de estudar profundamente a
questão e que, desta forma, seja capaz de prever evoluções e impactos
ao meio ambiente. Por conseguinte, a visão de Amazônia tem de ser da
unidade regional como um todo. Globalizada a partir de estudos dos
cientistas em conjunto e o estabelecimento de posições coletivas, o que
pressupõe efetivo processo de capilaridade no tocante a informações e
ações entre as entidades de ensino e pesquisa da região.

Valor econômico da Amazônia


Creio pertinente, a essa altura, ocupar-se desse aspecto, na
verdade muito pouco explorado academicamente. Mário Ramos
Ribeiro2 foi fundo na análise de qual efetivamente seria a grandeza
econômica e ambiental da região. Ele escreveu importante artigo a
respeito, no qual informa que, desde o Congresso Internacional para
a Proteção da Natureza, realizado em Paris em 1923, que a questão
de como medir o valor dos serviços ambientais tem preocupado
cientistas e autoridades públicas. Entretanto, pondera, muito pouco se
avançou política e institucionalmente no assunto desde então, “o que
deu margem para que o tema passasse a ser visto como esquisitice de
visionários ou de desocupados anarquistas” (RIBEIRO, 2013).
Ribeiro (2013) considera que a ineficiência do debate gerou
resultados científicos voltados exclusivamente para o enfrentamento
apenas das externalidades negativas de projetos poluidores (toda a
legislação brasileira e parte considerável da literatura ainda hoje utilizada
nos cursos de economia ambiental se limitam a questões como poluição
e degradação de recursos ambientais renováveis); os projetos exaustores,
basicamente aqueles que atuam no extrativismo dos recursos naturais
não renováveis, sequer foram corretamente positivados em lei ou mesmo
adequadamente contabilizados, seja social, seja corporativamente.
Com muita propriedade, Ribeiro (2013) joga no ar a questão: qual
é o Produto Interno Bruto da Amazônia Ambientalmente Ajustado,
ou simplesmente o nosso “PIB verde”? Vai mais adiante: Seria ao
2
Doutor em Economia pela Universidade de São Paulo (USP), docente da Universidade da
Amazônia (Unama) e da Universidade Federal do Pará (UFPA), consultor em Economia e
Finanças Empresarias.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 73 14/09/2015 15:08:29


74 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

menos calculado? E se o for, com que periodicidade mensal, anual?


E para que serve? Alguém sabe informar qual é o melhor indicador de
desenvolvimento economicamente sustentável?
O problema é mais grave do que parece. Ribeiro (2013) é enfático
ao afirmar, em sua análise:
a) não calculamos o nosso PIB verde nem mesmo sabemos dizer
qual o melhor critério para medir o bem-estar social de uma
região dependente da extração de recursos naturais finitos:
renda (fluxo) ou riqueza (estoque);
b) qual o valor dos serviços prestados pelos nossos ecossistemas?
Aliás, quais são mesmo os nossos ecossistemas? Se já foram
mapeados, então como devemos precificá-los?
c) nossa microeconomia ambiental é razoável, mas não temos
uma macroeconomia do meio ambiente.
Mais ainda. Segundo o professor da UFPA (RIBEIRO, 2013),
Não distinguimos o particular do coletivo: contemplamos
a árvore, mas nada sabemos sobre a floresta. O exemplo
clássico vem da atividade mineradora: um projeto pode estar
aderente ao texto legal positivado, porém, como não temos
nenhum método para precificar o ativo meio ambiente, existe
sempre a possibilidade de que, uma vez exaurida a mina – ‘o’
insumo por excelência mineração – a renda da região venha a
desabar! No singular podemos até tentar falar, mas no plural,
a nossa gramática é paupérrima!

A análise de Ribeiro (2013) é ainda mais abrangente quando ele


ressalta:
A lerdeza é grande, pois o Banco Mundial, a OCDE e diversas
universidades no mundo inteiro já estão resolvendo estas três
questões desde o início dos anos 90: inicialmente através da
Contabilidade Econômica Ambiental (EEA – da sigla em inglês)
para cada país, feita em 1993; e a partir de 2003 passando a
usar uma tecnologia especial da matriz-insumo produto que
incorpora o conceito de sustentabilidade: a Contabilidade
Econômica Ambientalmente Sustentável (SEEA – da sigla em
inglês), cujo principal subproduto é justamente o cálculo do
indicador de sustentabilidade ambiental, a taxa poupança
genuína, ou poupança líquida ajustada (PLA).

Segundo Ribeiro (2013),

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 74 14/09/2015 15:08:29


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 75

a PLA é o termômetro do crescimento sustentável, pois mede


e precifica o valor dos recursos não renováveis que estão sendo
exauridos. No caso da Região Amazônica, a PLA nos diria se
a exploração do nosso capital natural (digamos, uma mina)
está gerando ou não outros ativos que possam substituir, no
futuro, o capital natural consumido hoje, garantindo assim
que a renda social da economia dependente da atividade
mineradora não venha a desaparecer no amanhã, como na
fábula da cigarra e da formiga.

Ao concluir a análise desse importantíssimo aspecto da economia


amazônica, assegura Ribeiro (2013): Na questão ambiental amazônica,
precificar o ativo meio ambiente é um imperativo ético de equidade
entre gerações de hoje e do futuro, um desafio à nossa capacidade de
enfrentar um futuro pouco auspicioso e a melhor alternativa técnica –
hoje já disponível – para escapar da maldição dos recursos naturais.

Organização do Tratado
de Cooperação Amazônica (OTCA)
Segundo o embaixador Patriota (2011), ex-ministro das Relações
Exteriores do Brasil, em 1978, quase 10 anos antes de o relatório
Nosso Futuro Comum da ONU consagrar o conceito de desenvolvimento
sustentável, oito países sul-americanos reuniam-se, por iniciativa
brasileira, com o objetivo de promover o desenvolvimento harmônico da
Amazônia e de suas populações. Desse encontro, resultou a assinatura
do Tratado de Cooperação Amazônica (TCA). Vinte anos depois, era
criada a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA),
única organização internacional multilateral sediada no Brasil,
buscando fortalecer a implementação dos propósitos do TCA.
A Amazônia é, assim,
a única região do planeta a contar com uma organização
internacional própria, formada pelos Estados que partilham
seu território (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana,
Peru, Suriname e Venezuela) e dedicada à sua conservação
e ao bem-estar de suas populações. É um exemplo de
grupo regional que, desde a origem, firmou-se como bloco
socioambiental (PATRIOTA, 2011).

A Região Amazônica, portanto,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 75 14/09/2015 15:08:29


76 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

é peça-chave na criação de um modelo próprio de integração


e desenvolvimento na América do Sul. O gigantismo inerente
à Amazônia – a maior floresta megadiversa do mundo,
ocupando 40% do território sul-americano e habitat de 20%
de todas as espécies de fauna e flora existentes – nos coloca
diante de desafios e oportunidades que requerem renovado
sentido de responsabilidade (PATRIOTA, 2011).

Salienta Patriota (2011) que a população amazônica permanece


dispersa, cercada de recursos naturais de alto valor econômico e
ambiental, mas vivendo, ainda, em precárias condições de saúde,
educação e trabalho. Apesar de progressos na redução do desmatamento,
é necessário intensificar esforços nessa direção, bem como em relação
à proteção da biodiversidade e à repartição dos benefícios advindos de
seu uso.
Cientes de que desafios compartilhados exigem soluções
conjuntas e imbuídos do sentido de urgência de proteger o patrimônio
biogenético e social da Amazônia, os presidentes amazônicos, reunidos
em Manaus em 2009, anunciaram o relançamento da OTCA. Desde
então, foi aprovada nova agenda estratégica para a cooperação
amazônica e o aumento das contribuições anuais à organização, o que
lhe dará maior capacidade de financiar projetos em áreas como meio
ambiente, assuntos indígenas, saúde e turismo.
No dia 22 de novembro de 2011 foi realizada, novamente em
Manaus, a XI Reunião de Chanceleres da OTCA com o objetivo de dar
“mais um passo para conferir maior dinamismo e autoridade política à
organização”. E desta maneira buscar formas de contribuição ao êxito
da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável
(Rio+20), levada a efeito em 2012, e sobre a possibilidade de que o
Fundo Amazônia possa financiar projetos de monitoramento.
Outra proposta analisada em Manaus consistiu da “criação do
Observatório Amazônico, para fomentar a produção e o uso social do
conhecimento científico sobre a biodiversidade da região. Esse esforço
de concertação é exemplo de contribuição que a OTCA tem a oferecer
à governança ambiental global”. Motivando todas essas iniciativas,
de acordo com o ministro está a crença de que o conhecimento
compartilhado e a inclusão tecnológica e ambiental das populações
amazônicas são o caminho para a concepção de um novo padrão
regional de desenvolvimento – sustentável e inclusivo.
O compromisso com o desenvolvimento sustentável e a solida­
riedade, na visão do Itamaraty, configura as bases do relacionamento

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 76 14/09/2015 15:08:29


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 77

do Brasil com os países vizinhos em relação a projetos de cooperação


amazônica. É com o fortalecimento da OTCA que será viabilizada uma
Amazônia mais desenvolvida e justa, que dará ao mundo exemplo de
sustentabilidade e de solidariedade na cooperação entre países irmãos,
conclui o embaixador Patriota (2011).
O Tratado de Cooperação Amazônica (TCA), segundo estudos
publicados pelo Itamaraty e o Ministério do Meio Ambiente (MMA),
reforça o conceito de nacional e explicita a necessidade de que a
Amazônia seja integrada à economia dos países-membros. Datam dessa
época, por exemplo, políticas e programas do Brasil para incrementar
a migração interna em direção a essa região. Mas também, em certa
medida, o documento ecoa os resultados da Conferência de Estocolmo,
de 1972. A Amazônia, com efeito, já era vista, vale dizer, como uma das
regiões privilegiadas em matéria de política ambiental.
Hoje, prossegue o documento do Itamaraty, estão em execução
relevantes programas como o Sistema de Vigilância Ambiental da
Amazônia e o Programas, OTCA Biodiversidade, ambos com apoio
do BID, e o Programa Regional Amazônia com financiamento das
Agências de Fomento da Alemanha e da Holanda. Outros projetos
prioritários estão sendo elaborados, como o de Gestão de Recursos
Hídricos, com financiamento do Fundo Mundial para o Meio
Ambiente (GEF)3, e o de Monitoramento da Cobertura Florestal, que
conta com apoio da Organização Internacional de Madeiras Tropicais
(OIMT), e consiste na capacitação de técnicos de todos os países para
a implementação dos sistemas do Instituto Nacional de Pesquisas
Espaciais (Inpe) de monitoramento de desmatamento, incluindo a
transferência da tecnologia brasileira, como o sistema de informática
denominado TerraAmazon.
Enfim, conforme Becker (2011), está na hora de implementar
uma revolução científico-tecnológica na Amazônia que estabeleça
cadeias tecnoprodutivas com base na biodiversidade, desde as
comunidades da floresta até os centros de tecnologia avançadas. Esse
é o desafio fundamental hoje, que será maior com a integração da
Amazônia sul-americana. Ainda de acordo com estudos da OTCA, a
verdadeira riqueza representada pela biodiversidade e pelos recursos
hídricos configura ativo estratégico para o desenvolvimento dos
países amazônicos. No entanto, essa riqueza somente será plenamente
colocada a serviço dos países da região, se souberem utilizá-la como

3
Global Environmental Facility.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 77 14/09/2015 15:08:29


78 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

alavanca para conectar-se à economia do conhecimento, o que passa


necessariamente pelo desenvolvimento científico, tecnológico e pela
inovação.
Igualmente, segundo o perfil traçado pela OTCA no documento
anteriormente citado, a proteção dos conhecimentos tradicionais dos
povos amazônicos, o estímulo à pesquisa local e à inovação, a geração
de uma massa crítica de centros de investigação sobre biodiversidade
e seus usos em processos produtivos em diversas indústrias, melhor
sistema de incentivo no registro de patentes amazônicas e de gestão
e proteção do conhecimento gerado localmente deveriam ser foco de
atenção prioritária da cooperação no âmbito da OTCA, com efetiva e
integral participação dos países membros.

Desafios e oportunidades
para a cooperação amazônica
No período de 23 a 24 de novembro de 2011, realizou-se em
Manaus o seminário Desafios e Oportunidades da Cooperação
Amazônica, ocasião em foram discutidos assuntos de importância
central para o futuro da OTCA. Dentre os temas constantes da
agenda: o valor estratégico da Amazônia, a participação da sociedade
amazônica, a Amazônia no cenário internacional e a organização de
um modelo econômico sustentável para a região. Esteve presente a
cúpula do Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MME) ligada
à OTCA, além de especialistas que se ocupam da temática Amazônia.
O seminário apresentou algumas falhas que certamente
comprometeram sua eficácia. A primeira delas, rara presença de
ministros das Relações Exteriores ou diplomatas representantes dos
países integrantes da OTCA. Igualmente, a sociedade tão-pouco tomou
conhecimento do evento, daí sua razoavelmente baixa afluência.
A concepção de um evento fechado, restrito à comunidade oficial
do Tratado, pode ser um sinal de distanciamento bastante prejudicial.
Evidentemente, não creio que esse seja a política, porém a realidade é
que pouca gente tem uma noção precisa da existência da OTCA. Ora,
como então pretender que a entidade represente anseios e expectativas
da sociedade amazônica?
Síntese do quadro ora apontado foi apresentado pela jornalista
Vieira (2011), do jornal A Crítica, de Manaus, em primoroso artigo “O
Que Quer a OTCA?” publicado em sua coluna semanal. Sua análise

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 78 14/09/2015 15:08:29


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 79

parte da premissa de que a reunião de Manaus constituiu um teste


para o governo do Brasil de levar adiante compromissos firmados
em anos anteriores, mas colocados, segundo escreveu, na gaveta do
esquecimento. Uma espécie de fazer de conta “que questões sérias estão
sendo vistas, avaliadas e decisões sobre elas estão sendo tomadas pelos
governos dos oito países amazônicos”, avalia Vieira.
A matéria é complexa, pois não se tem noção exata das ações da
OTCA em cada um dos países membros (Brasil, Bolívia, Colômbia, Peru,
Equador, Guiana, Suriname e Venezuela). As observações de Vieira
(2011) são procedentes quando questiona que, até agora, os ensaios
feitos na região tiveram como ênfase articulada internacionalmente
o combate ao narcotráfico, e em nome dele organizadas gigantescas
operações. O narcotráfico, pondera, é um dos dados da realidade pan-
amazônica, mas não pode ser apenas ele. A OTCA tem possibilidades
de promoção da ciência e tecnologia nesses países para ser mais um
instrumento de impulsão de uma política – ainda não percebida – nas
áreas de educação, da saúde, dos transportes, a respeito da promoção
das culturas dos povos desse imenso território.
Se o motor da criação da OTCA, observa Vieira (2011), é
o desenvolvimento sustentável da região, então é preciso valer
esse princípio. Nas diferenças e divergências que marcam os oito
países membros do tratado, um ponto em comum é a urgência do
reposicionamento geopolítico. Os números dos bolsões de miseráveis,
de mulheres e crianças exploradas é traço marcado nessa realidade
pan-amazônica. A lógica do desenvolvimento posta em prática tem se
revelado uma violação dos direitos dos povos originários e precisa ser
superada.
Esses problemas foram debatidos em profundidade. Não se
questiona o nível dos expositores e debatedores, evidentemente.
Porém, quando se constata, conforme discutido no seminário, que
um dos maiores desafios da OTCA diz respeito à criação de soluções
para o combate à pobreza e à desigualdade social, e que esses mesmos
problemas, em vez de se reduzirem recrudescem, ampliam-se,
exacerbam-se, ressalta-se, com efeito, a necessidade de questionar a
eficácia do trabalho da organização nesse campo.
O ministro das Relações Exteriores do Brasil (PATRIOTA,
2011) anunciou na ocasião a realização de estudos que levem em conta
formas de financiamento de ações voltadas à inclusão social, combate
à fome e à pobreza. Igualmente, o Itamaraty defendeu a produção de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 79 14/09/2015 15:08:29


80 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

capital intelectual nativo. Torna-se imprescindível nesse sentido que se


criem mecanismos integrados em todos os países para a produção de
conhecimento sobre a biodiversidade amazônica, com o fortalecimento
da Coordenadoria de Ciência e Tecnologia da OTCA.
Tal ação significa, na prática, promover a governança do sistema
de Ensino e de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) da região. Como
já observado no início deste estudo, é inconcebível o distanciamento
existente entre a universidade e as entidades de pesquisa da região.
Enorme e inadiável responsabilidade a ser assumida. De fato, ou os
governos trabalham nessa direção, ou a desejável integração regional
jamais passará de sonho de uma noite de verão, conduzindo ao fracasso,
com efeito, um dos pilares basilares do Tratado.
A XI Reunião de Ministros das Relações Exteriores dos países
Membros da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica
(OTCA), reunida no dia 22 de agosto de 2011, durante o seminário,
tomou uma série de decisões importantes. Assim, dentre outros,
considerando os a seguir relacionados: conscientes de que o atual
processo de cooperação entre os países da Região Amazônica e de seus
povos deve levar em conta os aspectos econômicos, sociais e ambientais
do desenvolvimento sustentável; ou o que, convencidos da necessidade
de promover maiores avanços nas áreas de ciência, tecnologia e
inovação, a fim de viabilizar a conservação e o uso sustentável da
biodiversidade amazônica; ou ainda, seguros da importância de
adotar medidas que impulsionem o papel renovado da OTCA como
instrumento de cooperação, de intercâmbio e de projeção conjunta dos
países membros, para fazer frente aos novos desafios internacionais, o
Foro dos Ministros se comprometeu a adotar um elenco de 28 medidas
operacionais.
Dada a extensão do documento, não será possível reproduzi-lo
aqui. Pode, no entanto, facilmente ser acessado na página eletrônica
da OTCA via Google.
Há outras contradições importantes no modo de operacionalização
das ações que moveram a criação da OTCA. A definição de sua sede
em Brasília é uma delas. Por que na capital federal do Brasil e não
em Manaus, Belém, Rio Branco, Porto Velho ou Boa Vista, Letícia,
Iquitos ou Quito? Certamente, esse fator geográfico dá a noção de que
a organização pode vir a ser vítima do aparato burocrático que sufoca
e aprisiona órgãos públicos. Seja no Brasil, no Peru, no Suriname ou
na Venezuela. A realidade é uma só. Sediada na Amazônia, a sociedade

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 80 14/09/2015 15:08:29


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 81

local poderia dela tomar conhecimento, participar de maneira mais


próxima e efetiva e assim conhecer seus propósitos, objetivos e metas
de curto, médio e longo prazo.
Se levada a efeito pesquisa junto aos peruanos, guianenses,
equatorianos, colombianos, bolivianos, venezuelanos ou brasileiros,
mais de 95% certamente informarão não dispor da mínima noção da
existência da OTCA. A semelhante resultado provavelmente se chegará
formulando essa consulta junto à imprensa, à universidade ou aos
centros de pesquisa. É bem relevante o grau de desconhe­cimento sobre
a entidade. A realidade aponta de modo inequívoco a necessidade de
serem dados passos nessa direção como condição básica para tornar
visível, realista e eficaz a ação da OTCA. Provavelmente, todos temos
consciência de que a ausência dessa precondição vai manter a entidade
e seus propósitos rodando em círculos, impossibilitada de encontrar a
porta de saída para os problemas que mantêm na pobreza este imenso
e rico território.

Considerações finais
A Amazônia sul-americana é, sem dúvida, o desafio maior do
mundo contemporâneo. No século XXI, semelhante ao contorno
do Cabo da Boa Esperança, à consolidação da circunavegação e
ao estabelecimento de relações comerciais com o Oriente, que se
processaram no século XVI.
Diante das questões levantadas neste estudo, pode-se concluir o
seguinte:
a) A Pan-Amazônia deve aproveitar as sinergias proporcionadas
por cada país membro e promover a plena integração
cultural, social, técnico-científica, educacional e econômica.
b) Somente esse relacionamento compartido vai proporcionar
meios de cooperação e avanços nos diversos campos de
atividades.
c) O alcance desse objetivo pressupõe o desenvolvimento
de esforços máximos visando à integração do ensino, das
universidades e dos centros de pesquisa em busca de soluções
comuns que digam respeito às expectativas da região em relação
à saúde pública, biotecnologia, nanotecnologia, a produtos em
geral de nossa biodiversidade, e ao turismo ecológico.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 81 14/09/2015 15:08:29


82 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

d) Mais ainda, conforme salienta o professor Zarate Botía


(2013), “nos últimos anos têm surgido várias propostas
para a implantação de uma Universidade Pan-Amazônica,
criando novas instituições de ensino superior na fronteira ou
a possibilidade de fortalecer as existentes”.
e) O estado brasileiro do Amazonas tem a grande
responsabilidade de cooperar mais intensamente nessa
direção por meio da reformulação curricular e implantação
de centros de pesquisa e desenvolvimento nas unidades
fronteiriças da UEA – Universidade do Estado do Amazonas
e a Ufam – Universidade Federal do Amazonas, de sorte a
fazer face às assimetrias da região de forma integrada com as
demais universidades da Pan-Amazônia.
f) Torna-se inadiável a promoção dos investimentos
governamentais e oriundos de parcerias público privadas
com vistas a solucionar a logística de transporte, e assim
promover a integração da Bacia Amazônica unindo Equador,
Peru e Brasil.
g) A comunidade pan-amazônica insta os governos dos oito
países signatários do Tratado de Cooperação Pan-Amazônica
(TCA) a dar conta dos 28 pontos do Compromisso de
Manaus, resultante da XI Reunião de Ministros das
Relações Exteriores dos países membros da OTCA realizada
em Manaus, Amazonas, em 22 de novembro de 2011,
especialmente no que concerne aos seguintes compromissos:
i. Ponto 7 – Promover a mobilidade acadêmica entre
estudantes e docentes de instituições educativas da Região
Amazônica, estabelecendo um Programa Regional de
Intercâmbio, para fortalecer a cooperação no âmbito
educacional entre os países membros. Nesse sentido
instruem a Secretaria Permanente da OTCA a elaborar,
em 2012, um Guia de Oferta Acadêmica da Região
Amazônica.
ii. Ponto 8 – Apoiar a criação da Universidade Pan-Amazônica.
iii. Ponto 9 – Intensificar ações de cooperação nas áreas
de inovação e tecnologia e, de conformidade com o
estabelecido na Reunião Regional de Puyo, Equador, em
junho de 2011, desenvolver um sistema de informação
que sobre a Amazônia realizam as instituições nacionais

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 82 14/09/2015 15:08:29


Capítulo 1 • Pan-Amazônia: cooperação e integração para o desenvolvimento 83

e regionais; e promover a inclusão dos conhecimentos


ancestrais e as práticas comunitárias e locais dos povos
indígenas.
iv. iii.1 – Nesse contexto, instruem a Secretaria Permanente a
proceder à implementação do “Observatório Amazônico”,
foro permanente que reunirá instituições e autoridades
relacionadas ao tema, com ênfase no estudo da
biodiversidade amazônica.
v. Ponto 10 – Instruir a Secretaria Permanente a realizar ações
necessárias ao lançamento simultâneo dos três circuitos
de turismo amazônicos: “Amazon – Pacífico – Andes
Route”, “Amazon Caribbean Tourismo Trail” e “Amazon
Water Route”, que deveriam ter sido apresentados na Feira
Internacional de Turismo em Berlim e a participação na
Feira de Turismo em Santa Cruz de la Sierra, em 2012,
respectivamente, conforme aprovado na II Reunião
Regional de Países Amazônicos de Turismo, efetuada em
Zamora, Equador, em setembro de 2011.
h) Por consenso entre os países membros, transferir a sede da
OTCA de Brasília para Manaus, Amazonas.

Referências
ARAGÓN, L. E. População e meio ambiente na Pan-Amazônia. Belém: UFPA/
NAEA, 2007.

ARAGÓN, L. E. Populações da Pan-Amazônia. Belém: UFPA/NAEA, 2005.

ARTEAGA SERRANO, ROSALÍA. Por uma integração da Amazônia. Folha de


S. Paulo, 25 nov. 2005. Tendências e Debates.

BATISTA, Djalma. O complexo da Amazônia: análise do processo de


desenvolvimento. 2. ed. Manaus: Valer, 2007.

BECKER, B. K. Geopolítica na virada do terceiro milênio. Rio de Janeiro:


Gramond Universitária, 2004.

BECKER, B. K. Organização de um modelo sustentável para a Amazônia:


a OTCA e o futuro da cooperação Amazônia. Paper... In: SEMINÁRIO DA
OTCA, 2011, Manaus. [S.l.: s.n.], 2011.

BENCHIMOL, Samuel. Amazônia: a guerra na floresta. 2. ed rev. Manaus:


EDUA,2011.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 83 14/09/2015 15:08:30


BENCHIMOL, Samuel. Polos alternativos de desenvolvimento. FIEAM, 2003.

HOMMA, A. K. O. Amazônia: pós código florestal e pós Rio + 20, novos


desafios. Revista de Economia e Agronegócio, v. 10, n. 2, p. 205-240, maio/ago.
2012.

HOMMA, A. K. O. Política agrícola ou ambiental para resolver os problemas da


Amazônia? Revista de Política Agrícola, v. 19, n. 1, p. 99-102, jan./ mar. 2010.

MACHADO, J. A. C. Objetivos de uma política externa do Brasil em relação à


Amazônia: proposta para discussão. Brasilia: Fundação Alexandre de Gusmão,
2009.

MARIA, T. Rota interoceânica com marco zero em Manaus. Revista PIM


Amazônia, abr./maio, 2014.

MELLO, Thiago de. Amazonas: pátria da água. 2 ed. São Paulo: Boccato, 2007.

OCHOA, G. I. Z.; PALÁCIO, C. Turismo en la Amazonia. Amazônia:


Universidad Nacional de Colombia, 2008.

PATRIOTA, A. A OTCA e cooperação para o desenvolvimento sustentável.


Correio Braziliense, 22 nov. 2011.

RED AMAZÓNICA DE INFORMACIÓN GEORREFERENCIADA (RAISG).


Amazonía bajo pressión. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2012.

RIBEIRO, M. R. O valor econômico da Amazônia. [S.l.]: UFPA, 2013.

SIMÕES, A. J. F. Amazônia e desenvolvimento sustentável: a importância da


cooperação entre os países amazônicos. Paper... In: SEMINÁRIO DA OTCA,
2011, Manaus. [S.l.: s.n.], 2011.

SOUZA, M. A História da Amazônia. Manaus: Valer 2009.

VIEIRA, I. O que quer a OTCA? Jornal A Crítica, Manaus, nov. 2011.

ZARATE BOTÍA, Carlos G. Experiencias y retos de la cooperación científica


y acadêmica em la frontera de Brasil y Colômbia. Olhares Amazônicos,
v. 1, n. 1, 2013.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 84 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 2

Amazônia já é verde:
precisa é de uma base
econômica que assim
a mantenha1
Bertha K. Becker

1
Original publicado disponível em: <http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/
bertha-becker-pelo-desenvolvimento-regiao-amazonica-679035.shtml>. Acesso em: 10 out.
2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 85 14/09/2015 15:08:30


86 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Abordar o futuro é uma ousadia, ainda mais tratando-se da


Amazônia, o que compõe duas temáticas que são foco de grandes
controvérsias.
O futuro, assim como a Amazônia e os conceitos em geral, ganham
novos significados ao longo da história. Quais seus significados atuais?
Há que entendê-los para definir a orientação da pesquisa que se quer,
ressalvando que se trata de um significado dentre muitos que podem
existir.

Premissas: sobre o futuro e sobre a Amazônia


Assume-se aqui a definição de futuro proposta por David
Harvey em seu livro “A Condição Pós-Moderna” (1980). Futuro é uma
construção humana baseada em um poderoso recurso estratégico que é
a imaginação; imaginação que permite entrelaçar a rigidez do racional-
estratégico com a flexibilidade do emocional-aleatório; imaginação que
não se reduz a exercícios de devaneio mas, sim, constitui uma forma de
consciência espacial.
Pensar o futuro é tomar consciência da delicada e complexa
relação entre o espaço, o tempo, e a sensibilidade humana. No caso,
a Amazônia e seu futuro são filtrados, incorporados, concebidos por
meio de nossa consciência espacial (BECKER; STENNER, 2008).
Nesse contexto, vale lembrar que o espaço geográfico é produto
e condicionante das relações sociais de tal sorte que o modo pelo qual
o espaço é apropriado e gerido, e o conhecimento desse processo são
expressão e condição das relações de poder.
Torna-se patente que não se trata aqui de uma C&T positivista,
neutra e reificadora da técnica, mas sim de avançar no conhecimento
integrado da região visando alcançar melhores condições de vida para
a sociedade, aí incluindo o bem-estar da natureza e do meio ambiente.
Nessa ótica, as ciências humanas e sociais têm papel tão importante
quanto as ciências exatas e naturais. E tal C&T inclui mas não se resume
a P&D; é mais ampla envolvendo nexos com toda a população, suas
atividades e prática do cotidiano e seus territórios, enfim, capturando
e disseminando suas técnicas.
É com esses filtros que se encara o significado atual da Amazônia.
Historicamente, e até hoje, a Amazônia tem sido parte do
imaginário sobre o qual inúmeros mitos foram construídos. E sempre,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 86 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 2 • Amazônia já é verde: precisa é de uma base econômica que assim a mantenha 87

paralelamente, a região tem sido também foco de intensa exploração


de seus recursos naturais desde o processo de colonização.
Atualmente, o significado da região está condicionado à
centralidade que assumiu a sustentabilidade da Terra, manifestando-se
mais uma vez com sua dupla face. Por um lado, Gaia, salvação do
planeta, espaço privilegiado para o “desenvolvimento sustentável”; por
outro lado fronteira do capital natural, precioso ante a percepção de
que a natureza torna-se um recurso escasso.

Que revelações são trazidas por


nossa consciência espacial?
A Amazônia é extensa e ainda muito pouco povoada –
apenas 25 milhões de habitantes e 70% concentrados em núcleos
urbanos. No novo Atlas do IBGE, é patente o reduzido número de
estabelecimentos agropecuários na Região Norte, contrastando com
a grande e despro­porcional expansão do desmatamento. São poucas
as cadeias produtivas e geralmente incompletas, pois que a agregação
de valor se dá fora da região; enfim, não há uma base econômica
organizada, mas sim uma destruição dos recursos naturais sem trazer
benefícios para a população.
Para o futuro é, portanto, lícito reconhecer que a Amazônia já é
verde – o que ela necessita é de uma base econômica organizada capaz
de assim mantê-la.

Com que pesquisa se conta?


Através dos séculos, tem sido rica a pesquisa na Amazônia, mas
sempre atrelada a olhares e interesses externos e jamais tratando a
região com respeito às demandas de suas populações.
As ciências naturais dominaram. Foram o deleite dos naturalistas
muitas vezes enviados pela realeza europeia, bem demonstrando seus
interesses econômicos. Caracterizou-se, assim, a ciência na Amazônia
por uma cultura de inventário, em que se pesquisa espécie por espécie
e se efetua sua classificação taxonômica. Inventários da flora, da fauna
e também de grupos indígenas foram se realizando com crescente
detalhe à medida que a ciência avançava nos grandes centros europeus
e depois norte-americanos. Inventários, diga-se, que contribuíram
para a formação de importantes acervos na região, bem como para

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 87 14/09/2015 15:08:30


88 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

a presença de pouco numerosas mas de boa qualidade instituições


de pesquisa. Inventários que são imprescindíveis ante o ainda amplo
desconhecimento sobre a região.
Um intenso choque na cultura científica vem abalando a região
nas últimas décadas: trata-se do desafio de passar da cultura de
inventário para a cultura de pesquisa e desenvolvimento (P&D).
O governo vem tentando introduzir a nova cultura científica na
região a partir de meados da década de 1990, diante da importância
assumida pela Amazônia no cenário internacional e da pressão por sua
preservação.
A estratégia para modernização da pesquisa tem duas âncoras
principais que causaram grande impacto na região: (i) estímulo à
formação de redes de pesquisadores regionais, nacionais, internacionais
através da criação de grandes projetos científicos, tais como o Programa
Piloto para Proteção das Florestas Tropicais (PPG7) e sobretudo aqueles
implementados pelo MCTI através de sua Secretaria de Políticas e
Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (Seped): LBA, Geoma e
PPBIO; (ii) criação de grande centro para pesquisa e aproveitamento
industrial da biodiversidade, o Centro de Biodiversidade da Amazônia
(CBA), fruto de parcerias e disputas entre o MDIC, o MI e o MMA.
A biodiversidade torna-se a menina dos olhos da ciência por
codificar a vida abrindo novas fronteiras na biologia. Por sua vez,
ciência e tecnologia abrem amplas possibilidade para aproveitamento
da biodiversidade em novos patamares atendendo à multiplicação das
demandas sociais nos últimos 25 anos. É o caso dos fármacos, essenciais
à saúde pública, que têm no mercado internacional forte demanda para
seu desenvolvimento: é o caso dos fitoterápicos, da dermocosmética,
e da nutracêutica que utiliza elementos naturais para gerar bem-
estar e hoje vem se expandindo notavelmente com as terapias para
a longevidade. Mais recentemente a bioenergia tem sua produção
estimulada nas áreas alteradas tanto do cerrado como da floresta ante
a demanda por energias renováveis. O intenso potencial em água
exige sua utilização responsável. A associação da biodiversidade com
a indústria eletrônica rumo à nanotecnologia já não é mais futuro no
mundo. E a economia da floresta, correspondendo ao aproveitamento
de todo o espectro dos elementos do ecossistema é hoje possível com
um mínimo de destruição.
Lamentavelmente, contudo, tais potencialidades não se
desenvolveram com expressão na Amazônia. Os projetos da Secretaria

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 88 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 2 • Amazônia já é verde: precisa é de uma base econômica que assim a mantenha 89

de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento-Seped/MCTI


constituem significativo avanço para o conhecimento sobre a região,
mas o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) até hoje não
deslanchou e são poucas as pequenas e médias empresas locais voltadas
à utilização industrial da biodiversidade.
A cultura de P&D não chegou ainda a se desenvolver, sobretudo
em sua aplicabilidade, e parece já estar passando por transformação –
um novo choque?
Diante das duas crises – energética/climática e econômica –
maior importância assumem as florestas tropicais, pois que estão
visceralmente ligadas ao clima, podendo influir no aquecimento global.
A ciência busca aprofundar o conhecimento da natureza, agora com
foco na dinâmica da biomassa, na lógica da natureza, ou seja, no seu
funcionamento – como crescem, como são impactadas pelo clima, etc.
Procura-se conhecer a dinâmica espacializada dos diferentes tipos
de vegetação – florestas de terra firme, florestas de várzea, mangues
– verdadeiro zoneamento que pode alterar a política de conservação.
Por exemplo, os mangues vêm tendo sua importância reconhecida por
sua resistência, tanto a variações climáticas como à erosão marinha.
A partir desse conhecimento espacializado, visa-se construir cenários
para a gestão territorial.
Avança também a face econômica quanto à utilização do capital
natural da Amazônia. Se há séculos os homens mercantilizam os
elementos das funções dos ecossistemas, a novidade histórica é a
mercantilização das funções dos ecossistemas, como serviços ambientais
(BECKER, 2001; 2009a; 2009b). Mercantilização expressa sobretudo
no mercado do carbono, que se tornou o principal instrumento das
políticas ambientais, ultrapassando largamente o âmbito da mudança
climática.
Ou seja, articula-se a floresta ao clima e passa-se dos recursos
genéticos aos serviços ambientais.

Pesquisa para o desenvolvimento


sustentável responsável
A incrível aceitação e difusão do “desenvolvimento sustentável”
deve-se ao fato de que a expressão não tem até hoje um conceito
claro. É importante, assim, esclarecer dois pontos no que se entende
por desenvolvimento sustentável: (i) um desenvolvimento que inclui

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 89 14/09/2015 15:08:30


90 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

a dimensão ambiental, junto com a social, a econômica e a política;


(ii) como desenvolvimento que é, não constitui uma situação acabada,
é um processo contínuo de mudança, e um processo que pode
seguir caminhos diferenciados segundo as sociedades histórica e
geograficamente forjadas.
Segundo essa concepção, o desenvolvimento da Amazônia requer
inovação. Grosso modo, é possível distinguir duas grandes abordagens
inovadoras em estratégias para o desenvolvimento regional. Uma delas
corresponde às estratégias preservacionistas com foco nos biomas.
A mais difundida delas é a Redução de Emissões por Desflorestamento
e Degradação (REDD), em que um pagamento é feito para não desmatar
a floresta em troca da possibilidade de continuar emitindo em outro
lugar. A proposta é extremamente sedutora tanto para quem recebe
o pagamento como para quem paga (pode manter suas emissões) e
ademais, ainda permite usufruir do mercado do carbono. Trata-se
de manter as florestas, mas florestas improdutivas; reduz a imensa
potencialidade da floresta ao mercado do carbono; não se sabe quem
se beneficia do pagamento – os habitantes da floresta? O proprietário
das terras? O governo federal ou estadual? Sobretudo, a proposta do
REDD não envolve as causas do desflorestamento e sua contenção, que
é o principal desafio a enfrentar na região (BECKER, 2010).
Propostas para o Cerrado enfatizam a contenção do agronegócio,
o reflorestamento, maior produtividade da pecuária, e alguns apontam
também para a necessidade de apoiar os produtores familiares.
O Macrozoneamento Ecológico-Econômico para a Amazônia Legal,
aprovado pelo MMA em 2010 após intensa consulta pública, lembra
muito oportunamente a necessidade de pressionar o agronegócio rumo
à formação de uma efetiva agroindústria, com a agregação de valor à
produção localmente.
Outra abordagem de desenvolvimento propõe uma estratégia
produtiva e com foco em regiões. Os biomas são muito importantes e
precisam ser profundamente pesquisados. O mesmo deve ser entendido
quanto às regiões; sobretudo quando se trata de desenvolvimento,
a região é a unidade básica de análise e atuação. Por várias razões:
(i) porque nela se reconhecem as formas de organização – ou
desorganização – do espaço estabelecidas pelas populações com base
em suas culturas e equipamentos, bem como o resultado das relações
sociais e da interação sociedade-natureza; (ii) porque os biomas estão
articulados. Há muito a geopolítica já reconhecera essa articulação
ao planejar a “ocupação” da Amazônia a partir do Planalto Central;

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 90 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 2 • Amazônia já é verde: precisa é de uma base econômica que assim a mantenha 91

(iii) e, importante, porque a região permite identificar espaços para


atividades complementares.
A proposta nessa abordagem parte assim da Amazônia Legal
que, como região de planejamento que é, constitui a escala estratégica
para ações (BECKER, 2009b).
A estratégia proposta é produtiva e não apenas a de conservação.
Alguns princípios orientam essa estratégia. O primeiro deles é atribuir
valor econômico à floresta em pé para que ela possa competir com
as commodities e permanecer em pé. Segue-se a organização da base
econômica regional mediante o reconhecimento do zoneamento da
própria natureza que dispõe de norte a sul diferentes tipos de florestas
e cerrado, a recuperação das cidades como nós logísticos das redes
tangíveis e intangíveis e a criação de cadeias produtivas completas.
Finalmente, para cada uma dessas “zonas” que, segundo
suas formas de apropriação e uso transformam-se em sub-regiões,
definem-se atividades e práticas a elas adequadas com apoio da C&T&I,
sempre tendo em vista a sua complementaridade. Redes de cidades
localizadas no contato dessas sub-regiões devem ser equipadas para
processar e agregar valor aos produtos, sediar laboratórios de pesquisa
e assegurar a convergência das redes e de cadeias produtivas.
Eis uma reflexão para uma revolução científico-tecnológica
que não exclui modalidade alguma de pesquisa – pelo contrário as
integra – das inovações nos grandes centros às inovações locais e ao
conhecimento tradicional, do inventário de biodiversidade às mais
complexas interações moleculares, pesquisas que sejam capazes de,
enfim, permitir o desenvolvimento da Amazônia.

Referências
BECKER, B. K. Amazonian frontiers at the beginning of 21th century.
In: HOGAN, D. J; TOLMASQUIN, M. T. (Org.). Human dimensions of global
environmenal change: brazilian perspectives. Rio de Janeiro: ABC, 2001. v. 1.
p. 301-323.

BECKER, B. K; STENNER, C. Um futuro para a Amazônia. São Paulo: Oficina


de Textos, 2008.

BECKER, B. K. Problematizando os serviços ambientais para o desenvolvimento


da Amazônia: uma interpretação geográfica. In: BECKER, B. K; COSTA, F. A.;
COSTA, W. M. (Org.). Um projeto pra a Amazônia no século 21: desafios e
contribuições. Brasília: CGEE, 2009a. v. 1. p. 87-120.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 91 14/09/2015 15:08:30


92 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

BECKER, B. K. Articulando o complexo urbano e o complexo verde na


Amazônia. In: BECKER, B. K; COSTA, F. A.; COSTA, W. M. (Org.). Um projeto
para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. 1 ed. Brasília, DF:
CGEE, 2009b. v. 1. p. 39-86.

BECKER, B. K. Ciência, tecnologia e inovação: condição do desenvolvimento


sustentável da Amazônia. In: CNCTI: 1 Desenvolvimento Sustentável, 4., 2010,
Brasília. Sessão Plenária... Brasília: Ministério de Ciência e Tecnologia, 2010.

HARVEY, D. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da


mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1980.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 92 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 3

Amazônia, população
e modernidade
Márcio Souza

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 93 14/09/2015 15:08:30


94 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Certamente a Amazônia, como prova sua própria história, é uma


região acostumada com a modernidade. Nos 500 anos de presença
da cultura europeia, experimentou os métodos mais modernos
de exploração. Cada uma das fases da história regional mostra a
modernidade das experiências que foram se sucedendo: agricultura
capitalista de pequenos proprietários em 1760 com o Marquês de
Pombal, economia extrativista exportadora em 1890 com a borracha,
e estrutura industrial eletroeletrônica em 1970 com a Zona Franca
de Manaus. Os habitantes da Amazônia, portanto, não se assustam
facilmente com problemas de modernidade. O que vem provar que a
região é bem mais surpreendente, complexa e senhora de um perfil
civilizatório que o falatório internacional faz crer. Não é por outro
motivo que a Amazônia continua um conveniente mistério para os
brasileiros.
Afastando-se os entulhos promocionais, as falácias da publicidade
e a manipulação dos noticiários de acordo com os interesses
econômicos, nota-se que a Amazônia vem sendo quase sempre vítima,
repetidamente abatida pelas simplificações, pela esterilização de suas
lutas e neutralização das vozes regionais. Sem a necessária serenidade e
visão crítica da questão a partir de um projeto de sociedade nacional, os
brasileiros deixam-se levar pela perplexidade, quando não sucumbem
definitivamente à propaganda.
A questão da Região Amazônica é sem dúvida fundamental para
entendermos bem a diversidade do Brasil. Mas nem sempre foi possível
o acesso ao passado da grande planície. Por isso, chamo a atenção para
o trabalho de reestruturação dos arquivos públicos brasileiros. Como
o que foi feito em Belém, permitindo que os pesquisadores tivessem
acesso a informações até então inéditas, o que foi muito importante
para o estudo da formação do Brasil e da integração da Amazônia ao
Estado brasileiro.
O Brasil é fruto de um conjunto de paradoxos, entre pobreza
e riqueza, modernidade e arcaísmo. É necessário analisá-los para
entender a formação do país. É preciso levar em conta também as
particularidades do modelo colonial português.
Não podemos esquecer que, na origem, a Amazônia não
pertencia ao Brasil. Na verdade, os portugueses tinham duas colônias
na América do Sul, uma descoberta por Cabral em 1.500, governada
pelo vice-rei do Brasil, a outra, o Grão-Pará e Rio Negro, descoberto
por Vicente Iañes Pinzon em 1498, logo após a terceira viagem de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 94 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 95

Colombo à América, quando batizou o Rio Amazonas de Mar Dulce,


mas efetivamente ocupada pelos portugueses a partir de 1630. Esses
dois Estados se desenvolveram distintamente até 1823, data em que
o Império do Brasil começou a anexar o seu vizinho. A violência era
naquela altura a única via possível, tão diferentes eram as estratégias,
a cultura e a economia dessas duas colônias. A Amazônia então não
era uma fronteira: é um conceito que foi inventando pelo Império e
retomado pela República.
No Grão-Pará e Rio Negro, a economia era fundada na produção
manufaturada, a partir das transformações do látex. Era uma indústria
florescente, produzindo objetos de fama mundial, como sapatos e
galochas, capas impermeáveis, molas e instrumentos cirúrgicos,
destinados à exportação ou ao consumo interno. Baseava-se também
na indústria naval e numa agricultura de pequenos proprietários.
O marquês de Pombal nomeara seu próprio irmão para dirigir o país,
com o intento de reter o processo de decadência do Império Português,
que dava mostras de ser incapaz de acompanhar o desenvolvimento
capitalista. Nesse contexto, os escravos tinham uma importância menor
do que nos outros lugares. O país desfruta, além disso, de uma cultura
urbana bastante desenvolvida, com Belém, construída para ser a capital
administrativa. Ou a sede da Capitania do Rio Negro, Barcelos, que
conheceu importante desenvolvimento antes de Manaus, e para a qual
recorrera-se ao arquiteto e urbanista de Bolonha Antônio José Landi.
Em compensação, a colônia chamada Brasil dependia amplamente da
agricultura e da agroindústria, tendo, portanto, forte proporção de mão
de obra escrava. Em meados do século XVIII, tanto o Grão-Pará quanto
o Brasil conseguem criar forte classe de comerciantes, bastante ligados
à importação e exportação, senhores de grandes fortunas e bastantes
autônomos em relação à Metrópole. Mas enquanto os comerciantes
do Rio de Janeiro deliberadamente optaram pela agricultura de
trabalho intensivo, como o café, baseando-se no regime da escravidão,
os empresários do Grão-Pará intensificaram seus investimentos na
indústria naval e nas primeiras fábricas de beneficiamento de produtos
extrativos, especialmente o tabaco e a castanha-do-pará.
A anexação da Amazônia marcou o começo de novo processo e
provavelmente, aos olhos das elites do Rio de Janeiro, só poderia ser
à força. Para as elites do Grão-Pará, o incidente das Cortes, liberais
internamente, mas recolonizadoras para fora, e a intimidade com
as ideias da Revolução Francesa adquirida na tomada e ocupação
de Caiena, fez perceber que a via da república era mais adaptada

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 95 14/09/2015 15:08:30


96 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

à América que um regime monárquico. Os ministros do jovem e


impetuoso imperador brasileiro não podiam admitir tal coisa. E entre
1823 e 1840, o que vai se ver é um processo de provocação deliberada,
seguida por severa convulsão social e a consequente repressão. Se me
permitem a comparação um tanto audaciosa, foi de certa modo como
se o Sul tivesse ganhado a Guerra de Secessão nos Estados Unidos.
Com a repressão, a Amazônia perdeu 40% dos seus habitantes.
A anexação destruiu todos os focos de modernidade. Entre o Império
e as oligarquias locais, nenhum diálogo era então possível.
Com o Ciclo da Borracha, a face da Amazônia se transformou
completamente. A economia do látex quebrou o isolamento e buscou
integrar a região ao mercado internacional. Um dos principais fatores
desta transformação foi a mudança do perfil populacional, provocado
pelas inúmeras levas de imigrantes que chegaram atraídos pelas
riquezas do látex e pela necessidade de mão de obra.
Em 1870, quando a borracha começa a dar sinais de valorização,
a Amazônia era quase um deserto demográfico, com suas populações
tradicionais dizimadas por séculos de escravização, práticas predatórias
e pela política repressiva do Império no combate à Cabanagem.
A conjugação de períodos de seca e depressão econômica levaram
o Nordeste brasileiro, especialmente o Estado do Ceará, a participar com
o maior número de imigrantes, que a partir de 1877 foram chegando em
levas desordenadas, para a seguir se transformar numa rotina perversa,
resultando num quadro terrível de exploração humana. Milhares de
lavradores pobres, iludidos por contratadores, deixaram suas terras
áridas pelas selvas do alto Purus, Madeira e Acre, vivendo sob o domínio
do sistema de aviamento. Alem do choque cultural, do isolamento e dos
perigos da selva tropical, os nordestinos trabalhavam sob os regime da
coerção, típico do sistema do aviamento, que só podia existir baseado no
débito permanente do seringueiro. De qualquer modo, os nordestinos
mostraram sua tenacidade e capacidade de sobreviver, se mesclaram
com as populações tradicionais e enriqueceram a cultura regional,
interpretando o grande vale através de seu colorido folclore, da música,
da culinária e da literatura de cordel.
Um pouco antes do Ciclo da Borracha, empurrados pelas
perseguições, fome e discriminação, judeus sefaraditas-marroquinos,
bem como de outros grupos culturais da Europa e do Oriente Médio,
aportam na Amazônia a partir de 1810, a maioria procedente de
Tanger, Tetuan, Fez, Rabat, Sale e Marrakesh. Em Belém, fundam em

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 96 14/09/2015 15:08:30


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 97

1824 a sinagoga Essel Abraham, a primeira do Brasil depois de mais de


200 anos. Era uma imigração bem preparada, com homens e mulheres
educados para o trabalho, que logo ocupariam importantes nichos
empresariais, especialmente no comércio, na exportação e importação,
na indústria e na cultura.
Outra corrente migratória importante foi a dos sírios-libaneses.
No final do século XIX, com o crescimento da economia do látex,
levas inteiras de homens e mulheres deixaram suas cidades e aldeias,
como Baalbeck, Ghazir, Dimen, Beirute, no Líbano, e Ayo, Hamma
e Damasco, na Síria, para reconstruir sua existência na Amazônia.
Gente persistente, apegada ao sentido de família, sóbria e inteligente,
logo estava concorrendo com os outros imigrantes, superando as
barreiras do preconceito, formando novos costumes e introduzindo
novos valores culturais. Foram os sírios-libaneses que trouxeram para
a região o sistema do crediário, trazendo para um mercado elitista a
população pobre.
Outros grupos étnicos e culturais também vieram contribuir
para a formação da Amazônia moderna. Em 1867, com a derrota da
Guerra da Secessão, centenas de confederados, sob a liderança do major
Warren Lansford Hasting, deslocam-se para a cidade de Santarém,
ocupando depois outras localidades do Baixo Amazonas. Da construção
da estrada de ferro Madeira-Mamoré, restou o extraordinário legado
dos trabalhadores de Barbados e Jamaica, que ficaram em Rondônia
e ali imprimiram fortes sinais de sua presença. Dos europeus, além
da constante e ininterrupta imigração portuguesa, há que se destacar
a presença dos italianos. Oriundos em sua maioria de cidades e vilas
do sul da Itália, especialmente das empobrecidas províncias do Mezzo
Giorno, Potenza e da Sicília, os italianos se destacaram na Amazônia
nos campos da educação, arquitetura, música, comércio e indústria,
artes cênicas e na introdução, junto com os espanhóis, dos primeiros
movimentos operários organizados.
Os últimos grupos de migrantes estrangeiros a chegar à região
foram os japoneses, que a partir de 1928 começaram a se instalar
nos municípios de Monte Alegre, Marabá, Bragança e Conceição do
Araguaia, Estado do Pará. Até o final da década de 30 do século passado,
quase 500 famílias chegaram à região, com o intuito de introduzir o
cultivo da pimenta-do-reino e da juta, mas tiveram importante papel
na introdução de novas variedades de plantas e hortaliças, além da
difusão de técnicas avançadas de produção agrícola. Com a crise e o fim
da economia da juta, muitas famílias japonesas decidiram mudar para

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 97 14/09/2015 15:08:30


98 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

as cidades de Manaus e Belém, onde se integraram e contribuíram com


seus valores culturais, seu cultivo pela cortesia, respeito à hierarquia e
sensibilidade estética.
Com os projetos econômicos do regime militar de 1964, e a
abertura de faixas de terra para a colonização, levas de trabalhadores
sem terra, vindos do Paraná e Rio Grande do Sul, entraram na
Amazônia, trazendo seus costumes e tradições. Todos esses contingentes
humanos, tangidos pela miséria e armados do desejo de sobreviver,
vieram reconstruir suas vidas atribuladas – e alguns tiveram sucesso,
numa prova de que a Amazônia era um território das Américas,
território de esperanças.
Tomemos um período redondo: 1965 – 2000. Nesses 35 anos
a Amazônia foi aberta à expansão do capitalismo, de acordo com
as diretrizes de uma economia política elaborada por uma série
de governos militares, seguida fielmente pelos governos civis da
Nova República e posteriores, que pretendiam promover na região
um modelo de desenvolvimento modernizante. O predomínio de
investimentos e a presença do governo federal na região se tornaram
cada vez mais extravagantes na proporção de seus resultados. Meio
milênio de distintas economias extrativistas apenas enriqueceram
brevemente uma parcela das oligarquias locais, deixando para trás
uma terra mais empobrecida. Se a História da Amazônia tem sido
um permanente desafio às noções de progresso, natureza e homem,
tão caros ao pensamento europeu e que serviram para sustentar
conceitos como os de desenvolvimento e subdesenvolvimento, os 35
anos que fecharam o milênio representaram grande teste para esse
desafio. Infelizmente o que se vê é o autodenominado moderno Estado
brasileiro demonstrando diariamente sua incapacidade de dar um
basta em tantos absurdos, em impedir a deterioração do meio ambiente
e barrar os projetos econômicos que tornam a vida dos camponeses,
índios e trabalhadores um exercício de horror.
Em 1966, seguindo a lógica de argumentos geopolíticos, os
militares e seus tecnocratas decidiram ocupar e integrar a Região
Amazônica através de nova estratégia de desenvolvimento regional,
instituindo a «Operação Amazônia». Para os militares, a Amazônia era
um vazio demográfico, perigoso de ser controlado e alvo da cobiça
de outras nações, se não fosse urgentemente ocupado pelo Brasil.
Além da cobiça internacional, a Amazônia era um cenário ideal para
movimentos subversivos, como indicavam alguns exemplos bem visíveis
do outro lado da fronteira colombiana.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 98 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 99

Para evitar qualquer reação das forças tradicionais da Amazônia,


esse modelo de desenvolvimento autoritário retalhou politicamente a
região, pondo as novas instituições para fazer essa divisão na prática.
Além de usurpar a autoridade dos estados regionais sobre os seus
territórios, a ponto de o governo do Pará exercer seus poderes apenas
sobre 20% do estado, órgãos como a Sudam, por exemplo, exercitando
a política financeira de incentivos fiscais, canalizaram os grandes
projetos agropecuários, minerais e energéticos para a Amazônia
Oriental, enquanto a Suframa, usando os incentivos fiscais para instalar
um enclave exportador, fez de Manaus e da Amazônia Ocidental um
nicho de projetos industriais eletroeletrônicos e projetos agropecuários
de menor porte.
Nos primeiros anos da «Operação Amazônia», o governo de
Brasília tentou atrair investidores para projetos agropecuários através
de doações financeiras e renúncia fiscal. A partir do presidente
Médici, o governo passou a investir diretamente em megaprojetos,
criando novas fontes de recursos através de orgãos como o PIN,
Proterra e Polamazônia. No início da década de 70, em plena época
do chamado Milagre Econômico, a Amazônia era então não mais
uma região de economia extrativa, mas basicamente uma área de
agropecuária, mineração, metalurgia e siderurgia. Já no final de
1966, mais de mil investidores tinham instalado projetos de criação
de gado ao longo da estrada Belém-Brasília. A agropecuária seria, no
início, o principal atrativo.
A partir de 1967, um decreto presidencial transformou Manaus
em Zona Franca, imediatamente instalando uma série de indústrias
e anunciando uma oferta de 40 mil empregos. No que toca à divisão
do trabalho, as indústrias da Zona Franca operavam as fases finais de
montagem e acabamento do produto. Fases que exigiam um número
maior de mão de obra.
Aproveitando a legislação, essas indústrias se estabeleceram
numa área da cidade de Manaus, no chamado Distrito Industrial, onde
receberam terrenos a preços irrisórios, totalmente urbanizados, como
nenhum conjunto habitacional supostamente para pessoas de baixa
renda recebeu. E, assim, entrou em atividade um parque industrial
de «beneficiamento» produzindo em toda sua capacidade e operando
numa área onde as facilidades eram, na verdade, uma conjuntura
favorável.
Para completar, como extensões de grandes complexos, as
indústrias da Zona Franca são administradas de maneira direta e seu

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 99 14/09/2015 15:08:31


100 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

capital pouco é afetado pela disponibilidade local. A participação de


capital oriundo do tradicional extrativismo foi mínima e era possível
notar, por volta do final da década de 70, grandes comerciantes do
extrativismo, de outrora, hoje atrelados como sócios minoritários,
com cargos simbólicos nas empresas altamente subsidiadas instaladas
em Manaus.
Eram indústrias que tudo trouxeram de fora, da tecnologia ao
capital majoritário, e que do Amazonas somente aproveitaram a mão
de obra barata e os privilégios institucionais. Com estrutura industrial
altamente artificial, a Amazônia Ocidental teve o seu quinhão da
política de integração nacional. A promessa de 40 mil empregos não
se cumpriu, mas ajudou a provocar uma explosão demográfica em
Manaus. De cerca de 150 mil habitantes em 1968, a cidade pulou para
600 mil em 1975.
As transformações sociais e culturais da Zona Franca em Manaus
são bastante distintas daquelas que aconteceram durante o Ciclo da
Borracha. Enquanto a cidade era a capital mundial da borracha,
Manaus rapidamente se consolidou como centro urbano, e desenvolveu
os primeiros sistemas de serviços públicos, como eletricidade,
distribuição de água e esgotos. Naquele período a cidade teve suas
ruas pavimentadas, o seu crescimento planejado, viu crescer o número
de hospitais e abriu-se para as influências culturais cosmopolitas.
Criou uma universidade e construiu uma casa de óperas. É claro que
todas aquelas vantagens eram direcionadas aos ricos, àqueles que
lucravam com o comércio do látex. No entanto, o desenvolvimento
de Manaus durante o ciclo acompanhou o crescimento populacional,
sem degradação dos serviços. O oposto ocorreu com a Zona Franca de
Manaus.
O aceno de 50 mil empregos atraiu uma população de migrantes
que nunca mais cessou de aportar em Manaus. A rápida instalação de
empresas comerciais, as lojas de artigos importados que pululavam pelo
centro histórico da cidade, a chegada de empresas multinacionais no
distrito industrial, as firmas de consultoria, os institutos de pesquisas,
as novas sucursais de instituições públicas, a horda de turistas em
busca de aparelhos eletrônicos baratos e a vaga de migrantes em
busca de novas oportunidades transformaram a cidade num inferno.
Especialmente porque tal demanda chegava num momento em que a
estrutura urbana estava decadente. Em 1960 ainda conseguia acomodar
seus 200 mil habitantes, embora tudo estivesse à beira do colapso.
As telecomunicações era impraticáveis, a distribuição de luz e água

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 100 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 101

precária, e os prédios públicos estavam quase em ruínas. Em 1984, a


cidade continuava com a mesma infraestrutura apodrecida e começava
a inchar, com inúmeras favelas surgindo por todos os lados.
O fenômeno do crescimento desordenado de Manaus faz parte
dos problemas gerados pelos programas de desenvolvimento postos em
práticas pelo governo federal, desde 1964. Um dos problemas óbvios é
o aumento da população urbana na Amazônia, configurando uma das
maiores fronteiras urbanas do mundo. O censo de 1980 mostrava que
metade da população amazônica vivia em cidades. Dez anos depois,
58% da população estava urbanizada. Capitais como Manaus, Belém e
Porto Velho sofreram declínios de importância regional, à medida que
certos aglomerados urbanos espalhados pelo interior se organizaram
e estabeleceram ligações diretas com os centros econômicos nacionais
e internacionais. Mas as capitais tradicionais da região continuam a
desempenhar seu papel local, por sediarem as sucursais das agências
federais, controlarem os orçamentos públicos estaduais e manterem as
máquinas administrativas e burocráticas. No entanto, enfrentam novos
desafios, como as massivas imigrações, criação de favelas e crescimento
do setor informal na periferia urbana.
A partir dos anos 90 a região assistiu a uma mudança urbana
bastante dramática, que foi o declínio da cidade de Belém em relação
a Manaus. A cidade de Belém, que representava 43,9% da população
regional em 1950, caiu para 23,0% em 1990, enquanto Manaus
experimentava verdadeira explosão demográfica. A vitória da capital
amazonense na velha competição entre as duas cidades foi apenas
aparente. Mesmo com todo o capital nacional e internacional chegando
em Manaus, enquanto as elites de Belém não conseguiam reverter o
processo, a capital do Amazonas saiu perdendo como centro urbano.
Belém pôde se dar ao luxo de preservar seu patrimônio urbano, sua
arquitetura eclética, seus parques neoclássicos e suas avenidas sobreadas
pelas mangueiras, enquanto Manaus se deixou atacar pela especulação
imobiliária e viu muitos de seus marcos arquitetônicos desaparecerem,
em troca de uma arquitetura medíocre. Enquanto a capital paraense
soube impor sua cultura e as tradições de sua civilização, a cidade de
Manaus foi culturalmente colonizada pela massa de imigrantes, oriunda
das partes mais atrasadas do país, pessoas originárias do mundo rural,
onde não havia nenhuma mobilidade social, nenhuma escola, nenhuma
esperança. É impossível prever o que vai ser culturalmente a cidade de
Manaus no futuro, depois que o processo da Zona Franca passar.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 101 14/09/2015 15:08:31


102 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Belém ainda tem sua importância regional, embora não mais


exerça liderança e tenha perdido o posto de portão da Amazônia.
É em Belém que ainda estão algumas das agências governamentais
importantes, enquanto a cidade de Manaus tende a se transformar
num polo tecnológico, num centro de biodiversidade de alta tecnologia.
Para que isto aconteça, a capital do Amazonas deve superar a tentação
populista, oferecer rápida integração das massas de migrantes através
de processos educacionais e culturais, acumulando ao lado do capital
financeiro um capital intelectual com massa suficiente para fazer de
sua população mais do que reserva de mão de obra e energia humana
escravizada à expansão global do capitalismo.
O modelo de desenvolvimento regional baseado em grandes
projetos, imposto por um regime autoritário, acabou por trazer graves
consequências para a Amazônia e seu povo. As principais distorções
hoje são bastante óbvias, mas o cerceamento da liberdade de expressão,
a repressão e o sistemático assassinato de lideranças populares
impediram que fossem denunciadas e combatidas na época.
O problema mais em evidência hoje, produzido diretamente por
tal modelo imposto pelo regime militar, é o da degradação ambiental
em processo acelerado. Segundo os mais conservadores levantamentos,
aproximadamente 11% da cobertura vegetal da região foi destruída
irremediavelmente até o ano de 2001, apenas na Amazônia brasileira.
A pecuária e o uso do solo predominam nessas áreas por toda a região.
Entre 1990 e 2003, o rebanho bovino na Amazônia cresceu de 26 milhões
e 600 mil cabeças para 64 milhões de cabeças, um aumento de 140%,
segundo fontes do IBGE. Mas as sociedades nacionais que possuem a
Amazônia ainda não se deram conta dos conflitos de interesses que
se desenvolvem na região, e os danos irreversíveis que foram causados
ao meio ambiente. Entre 1965 e 1970, a Amazônia foi a rota final de
milhares de imigrantes do sul do Brasil. O governo militar tratava
de resolver o problema agrário que crescia no extremo sul do Brasil,
num momento em que as tradicionais fronteiras de São Paulo e Paraná
estavam esgotadas. O sistema agrário do Sul passava por um processo
de modernização das práticas agrícolas acompanhadas de créditos e
incentivos fiscais, levando grande número de pequenos proprietários
rurais a venderem suas terras. No começo dos anos 60, o Sul estava
expelindo mais gente do que podia absorver. O Pará, o Maranhão e
Rondônia foram os estados que receberam grande número de colonos.
Numa única década a fronteira deslocou e ampurrou para a Amazônia
10 milhões de pessoas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 102 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 103

Sobre essa questão deve-se ter uma visão correta, evitando cair
no catastrofismo de certos defensores de nossa integridade, que não
foram convidados por nós a fazer nossa defesa, mas que insistem em
soluções salvacionistas, sem nenhuma base científica que reduzem a
Amazônia, da mesma forma que os militares o fizeram, a um território
sem tradição cultural ou história, que precisa ser ocupado por suas
boas intenções. O ambientalista Fatheuer (1993, p. 233) observa que:
a ecologização total da Amazônia esvazia a região de suas
características sociais. É fácil de compreender porque,
no modelo de equilíbrio ecológico todas as intervenções
humanas são classificadas como prejudiciais. Exagerando:
o homem aparece, a não ser que seja índio, como destruidor,
como predador. Ele nem poderia deixar de sê-lo. A crítica
ao desenvolvimento da Amazônia se volta assim não contra
um modelo histórico, econômico e socialmente determinado
de apropriação, mas contra todo e qualquer aproveitamento
humano.

Mas a pressão humana está totalmente estabelecida e consolidada


pelos projetos de colonização e as investidas dos grupos agropecuários.
Os impactos ambientais nessas áreas são mais intensos que nas
fronteiras de ocupação por causa da maior fragmentação da floresta e
das atividades industriais urbanas.
No final dos anos 70, a fronteira amazônica já se encontrava
fechada, com as melhores terras ocupadas, extensos latifúndios em
mãos de especuladores e grupos agropecuários gozando dos incentivos
fiscais. Com o fim da ditadura, o governo da Nova República poderia
ter realizado a Reforma Agrária, expropriando as terras das mãos
dos especuladores, na maioria sem titulação legal ou até mesmo
falsa. Mantém-se a velha omissão e o oportunismo do poder público
brasileiro, que não cuidou de evitar o caráter destrutivo da expansão
agrícola, se absteve de realizar efetivo controle social permitindo que
os desmatamentos prosseguissem. Provavelmente a mais séria das
omissões foi a falta de controle sobre o processo de ocupação. Já no
começo dos anos 80 as melhores terras estavam registradas em nome
dos latifundiários e dos especuladores. Para as terras restantes, os
colonos precisavam ter à disposição novas tecnologias que impactassem
menos o meio ambiente, porém o governo brasileiro não apenas foi
negligente, quanto em muitos casos, foi contrário às novas medidas.
Se o Brasil é geralmente dado no exterior como um país de
emoções, de irracionalidade, um país primitivo ou até folclórico,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 103 14/09/2015 15:08:31


104 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

não podemos esquecer, no entanto, que ele herdou da colonização


portuguesa grande capacidade de organização e de planejamento, assim
como uma preocupação afirmada com os detalhes. Os portugueses
sempre fixaram objetivos para si mesmos. Previam cada um de seus
passos no continente latino-americano. Não consta na crônica da
conquista a existência de portugueses em busca da fonte da juventude,
tampouco puseram um pé na água para declarar, como fizeram os
espanhóis, que se tinham apossado do Oceano Atlântico inteiro.
Se o Império não tivesse tido que se haver com a Amazônia, ou, como
disse José Honório Rodrigues, se não tivesse passado o tempo inteiro
reprimindo revoltas populares, podemos estar certos de que o processo
de expansão territorial do Brasil teria atingido as margens do Pacífico.
A Amazônia passou, portanto a ser uma fronteira entre uma zona
de cultura brasileira predominante e um subcontinente onde se fala
francês, holandês, espanhol, português. Além disso, 32 idiomas são
praticados no Rio Negro, idiomas esses que são verdadeiras línguas e
não dialetos. Temos de um lado dessa fronteira uma cultura brasileira
em plena expansão, e do outro, culturas originais, pré-colombianas,
vivas até hoje, culturas essas que, vale lembrar, estiveram muito tempo
na frente das outras, em particular do ponto de vista da técnica, antes
de serem submersas pelo processo de integração.
Mas a tragédia da região não poderá ser também a sua redenção?
A oposição arcaísmo-modernidade não estaria sendo vista ao avesso?
A experiência da modernidade já foi feita na região. Mas os tecnocratas
e o governo central foram incapazes de favorecer a aceitação de
experiências locais no processo de integrarão econômica. Isso aparece
claramente com o exemplo da criação de gado: a chegada do boi só foi
uma tal catástrofe para a Amazônia porque o modelo agropecuário foi
imposto a um estado, o Acre, onde não havia tradição de criação de
gado, e que por causa disso perdeu sua cobertura florestal tradicional.
Por que não usaram em vez disso as zonas tradicionais de pasto, como
as existentes no Baixo Amazonas, na região de Óbidos, Alemquer
e Oriximiná, ou em Roraima, cuia superfície é superior à de todos
os pastos europeus reunidos? Esse é exatamente um caso em que a
integração econômica foi feita em detrimento da história e da tradição
locais. E, no entanto, a arrogância não ficou apenas com os tecnocratas
do governo militar, um contingente imenso de salvadores da Amazônia
estabeleceu suas agendas baseadas em conclusões apressadas.
Por exemplo, as soluções de neoextrativismo propostas por
Chico Mendes destinavam-se apenas a dois ou três municípios. Alguns

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 104 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 105

quilômetros além, não serviam mais. Era portanto absurdo focalizar-se


nelas e apresentá-las como soluções de uso geral na região, como
fizeram alguns ecologistas e certos movimentos de defesa da região.
Nos parâmetros políticos de 1985, quando a ideia foi gerada, a luta por
tais reservas extrativistas estava perfeitamente explicada. No entanto,
esse é um conceito que foi muito foi alargado desde então, a ponto de
se tornar uma das mais usadas medidas “de preservação” do governo
Sarney e, em termos políticos amplos, como espécie de proposta
geral para a região, pois o “futuro” da Amazônia estaria em sua total
regressão à economia extrativista.
Se o extrativismo imprimiu a face econômica da Amazônia,
ele foi capaz de formar uma sociedade peculiar e uma cultura,
determinando uma estrutura social com interesses bem definidos.
Estou convencido de que Chico Mendes, meditando sobre o caráter
desta sociedade, especialmente sobre a decadência do proprietário
extrativista, desenvolveu as primeiras ideias sobre o projeto tático das
reservas extrativistas. Era uma forma de mobilizar os seringueiros para
a defesa da propriedade extrativista, já que os proprietários estavam
enfraquecidos, postos à margem pelo modelo econômico agropecuário
e especulador.
Os proprietários extrativistas, entre eles os seringalistas,
raramente se preocupavam com a terra. Eles controlavam a produção
extrativa, financiavam a safra. Não eram exatamente senhores da
terra, ou fazendeiros, mas apenas “dominadores” das áreas de matéria-
prima, como a castanha, a piaçava, madeira, a balata, a sorva e a
borracha. Era, por certo, uma classe com características rurais no trato
das relações de trabalho, mas a sua criatividade estava na capacidade
de dinamizar a produção extrativa. Esta classe estabeleceu o controle
da terra, abrangendo grandes áreas produtivas. O seu controle dos
meios de produção limitava-se, basicamente, ao controle das áreas
extrativas, já que no relacionamento com a natureza o proprietário
extrativista não avançava o seu controle, não havia a preocupação do
cultivo, da pesquisa, e a mão de obra era apenas considerada força de
trabalho. Esta característica especial do proprietário extrativista deu
ao trabalhador da frente extrativista algumas peculiaridades que o
fizeram, por exemplo, diferente do camponês do latifúndio nordestino,
ainda que este tenha sido a matriz humana daquele.
No extrativismo a produção assumia um interesse vital, não
durava o ano todo, e ao trabalhador era exigido não apenas uma massa
de produto produzido, mas era necessário arrancar esse produto pelo

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 105 14/09/2015 15:08:31


106 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

trabalho. É que no extrativismo, como forma arcaica de produção, o


valor de troca estava muito próximo do valor de uso. O cálculo do
salário, portanto, estava intimamente ligado à quantidade da produção
do trabalhador. Era uma força de trabalho que valia quanto pesava,
determinada inclusive pela necessidade de ser mantida na produção
à custa de abusos sociais, como a obrigatoriedade do consumo no
comércio do proprietário e a sistemática estrutura policialesca do
patrão impedindo o trabalhador de abandonar a produção.
Uma economia como a extrativista, que sequer formou uma
oligarquia firme em seus propósitos, não poderia servir de modelo
de restauração salvadora. Os proprietários extrativistas foram saindo
de cena, consumindo o melhor de sua energia e capacidade criadora
no exercício de sobreviver a qualquer custo. Durante o tempo em
que estiveram parasitando a natureza da região, os extrativistas
relacionaram-se com os grupos hegemônicos do país através de
lamentável sublimação política. Fingiam que tinham o poder,
encenavam os seus desejos e, no final, acabavam por conciliar, seguindo
a reboque com a sensação do dever cumprido.
Chico Mendes não estava fazendo nenhum tipo de apologia
restauradora de uma página negra da história regional, ao propor a
luta pela transformação dos seringais acreanos em reservas. Ele sabia
que tais reservas eram soluções muito localizadas, que não respondiam
sequer ao problema do Acre, quanto mais de uma área continental,
diversificada, como a Amazônia brasileira. Tratava-se, como era de se
esperar, de um objeto tático, que visava barrar a invasão da economia
especulativa e promover um alerta para a destruição de uma região
cujos recursos biológicos sequer estão plenamente conhecidos.
Falar, portanto, que o destino da Amazônia é a regressão ao
extrativismo, mesmo a um extrativismo idílico, socializado e místico,
é mais uma vez atropelar a própria Amazônia. De qualquer modo,
vamos supor que fosse possível fazer da Amazônia uma imensa reserva
extrativista, um enorme playground para todos os diversos pirados
da terra. Bem, este é o sonho nada pirado da poderosa indústria
farmacêutica internacional, dos grupos econômicos que trabalham com
a biotecnologia, com a engenharia genética e a etnobiologia. Assim,
mais uma vez deseja-se que a Amazônia ofereça o que tem, mas que
fique em seu lugar, como território primitivo, de gente primitiva, que
não deve jamais ter acesso a essas tecnologias e ao controle econômico
de seus produtos.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 106 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 3 • Amazônia, população e modernidade 107

O certo é que se o extrativismo na Amazônia não está morto,


deve ser definitivamente erradicado por qualquer plano que respeite
o processo histórico e a vontade regional. Mesmo porque a Amazônia
não deve ser reserva de nada, nem celeiro, nem estoque genético ou
espaço do rústico para deleite dos turistas pós-industriais.
Se o modelo econômico brasileiro insiste em destruir riquezas que
sequer foram computadas movido por puro imediatismo econômico,
não se deve agravar mais a região impondo-se soluções aparentemente
ditadas pelo espírito da solidariedade. Especialmente porque contra os
abusos é possível resistir, mas não há nada que se possa fazer contra a
solidariedade.
Na realidade, a Amazônia foi reinventada pelo Brasil, que propôs
para ela a sua própria imagem. Os moradores da Amazônia sempre
se espantam ao ver que, talvez para melhor vendê-la e explorá-la,
ainda apresentam sua região como habitada essencialmente por
tribos indígenas, enquanto existem há muito tempo cidades, uma
verdadeira vida urbana, e uma população erudita que teceu laços
estreitos com a Europa desde o século XIX. Aliás, nisso residem as
maiores possibilidades de resistência e de sobrevivência dessa região.
Com efeito, os povos indígenas da Amazônia nada conseguirão se não
se apoiarem nessa população urbana, que é a única que se expressa nas
eleições e exerce pressão sobre a cena política. É pelo jogo das forças
democráticas que o problema da exploração econômica da Amazônia
poderá encontrar uma solução. Portanto é preciso reforçar as estruturas
políticas regionais. A Amazônia conta com população de 20 milhões de
pessoas e com nove milhões de eleitores, o que não é pouca coisa.
Embora o Brasil se orgulhe de ter ‹absorvido› a Amazônia, não
aniquilou suas peculiaridades. Continua havendo uma cozinha, uma
literatura, uma música da Amazônia. As trocas entre ambas as culturas
são muitas, e isso é bom. A exploração da Amazônia pode esclarecer
com proveito o projeto de modernidade do Brasil. As favelas, a má
distribuição de renda e a desigualdade social decorrem menos da
pobreza de certas regiões que obriga seus moradores a emigrar, do
que das opções políticas adotadas pelos grandes latifundiários e pelos
donos das grandes empresas, ou seja, por aqueles que detêm o capital,
os donos do império brasileiro.
Em mais de um século de existência, a revista Punch jamais se
dignou a falar do Brasil. Somente o tremendo alarido em torno dos
problemas ambientais na Região Amazônica seria capaz de atrair

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 107 14/09/2015 15:08:31


108 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

a atenção deste bastião de sarcasmo britânico. Na única citação


brasileira, uma espécie de editorial deliciosamente desabusado, a
revista congratulava-se com o cinismo dos ambientalistas europeus e
norte-americanos por finalmente terem encontrado o Brasil, bizarro
país tropical em acelerado processo de autodestruição, mestiço e pobre,
um perfeito substituto em termos de saco de pancadas para o Japão,
o país que mais sistematicamente tem agredido o meio ambiente, mas
que por ser rico e tecnologicamente avançado, não pode ficar na alça
de mira dos bem-pensantes.
O texto de Punch é mais que um sintoma, é um claro reflexo do
grande fenômeno promocional em que se transformou o ecologismo, um
típico produto das aceleradas mudanças políticas que estão ocorrendo
no mundo. Os agressivos efeitos de um modelo econômico imposto à
Amazônia nos anos 60, com resultados desastrosos especialmente para
as populações tradicionais, ganharam sons exacerbados nos últimos
anos, produzindo uma multiplicidade de vozes, de denúncias, de
ameaças, de propostas, sempre envergando o escudo da solidariedade,
que acabou por obscurecer ainda mais o problema brasileiro da
Amazônia.

Referências
FATHEUER, T. W. Wer zerstoert, wersttet Amazonien? Lateinamerika
Nachricthen, p. 233, 1993.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 108 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 4

O novo modelo colonial


amazônico: reflexões
sobre cenários possíveis
Violeta Refkalefsky Loureiro

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 109 14/09/2015 15:08:31


110 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Introdução
Este texto tem por objetivo resumir algumas reflexões sobre
a Amazônia que tenho desenvolvido mais aprofundadamente em
trabalhos de pesquisa nas últimas décadas.
O primeiro ponto que desejo frisar é que o modelo primário-
exportador que vinha marcando a Amazônia desde o período colonial
mudou recentemente seu perfil, e converteu-se numa forma de
neocolonialismo em que a região se vê hoje tão enredada quanto esteve
no passado.
O segundo é que, apesar de outras regiões brasileiras que tiveram
um passado similar terem conseguido combinar o modelo primário-
exportador com modelos mais avançados de organização da economia
e da vida social, tal não aconteceu com a Amazônia. Ao contrário
disso, tem havido uma reestruturação e aprofundamento do modelo
primário-exportador que, de agroexportador baseado em produtos
florestais que vinha sendo desde o período colonial, tem agora suas
bases fincadas no subsolo da região – na mineração e na siderurgia.
O terceiro ponto é que até os anos 70 a região representava a
última fronteira de expansão do extrativismo e do campesinato;
entretanto, em apenas duas décadas (80/90) converteu-se numa fronteira
de commodities. Sobre a nova fase – como fronteira de commodities -, em
que a hidrelétrica de Tucuruí se apresenta como ato inaugural, pelo
menos duas considerações parecem se fazer necessárias:
a) diferentemente do que ocorria no período colonial, em que
a Metrópole decidia a forma de ocupação e exploração da
região, a nova fase da região como fronteira de commodities
tem tido o governo federal como importante estimulador; ou
seja, apesar de o mundo estar hoje muito mais globalizado do
que em qualquer momento da história, tanto a estruturação
dos componentes da nova fase quanto sua vinculação com o
mercado mundial têm dependido mais de decisões internas
do país do que das condições externas, como ocorria no
passado;
b) o papel do Estado brasileiro como estimulador e indutor do
aprofundamento do modelo primário-exportador é algo
paradoxal porque o modelo somente tem aumentado as
desigualdades regionais, em desfavor da região; e porque
coloca a região numa tripla dependência – do mercado

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 110 14/09/2015 15:08:31


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 111

global e suas oscilações, das definições políticas do centro


nacional de poder e das necessidades do Centro-Sul mais
desenvolvido.
O quarto ponto é que na nova fase os chamados grandes
projetos, que nos anos 70/80 foram amplamente estudados como fatos
novos no cenário amazônico, tornaram-se atualmente tão frequentes
que perderam a consistência como objeto privilegiado de estudo de
que gozavam até recentemente e deixaram de surpreender, pela
habitualidade como agora polvilham o espaço amazônico em todos os
pontos cardeais.
O quinto ponto que desejo marcar, e que venho frisando há alguns
anos, é que a forma como vem sendo tentado o “desenvolvimento” da
Amazônia, por ser centralizadora de renda e voltada prioritariamente
para o mercado externo, virou as costas para as populações regionais,
desinteressada de seu destino; e não distribui com elas os frutos das
novas atividades econômicas implantadas, nem melhora o padrão de
vida dessas populações. Trata-se, portanto, de uma modernização às
avessas.
Embora seja indiscutível que o presente de qualquer sociedade
tem suas bases fincadas no passado, o caso amazônico é singular
porque o conjunto dessas condições torna o futuro da Amazônia mais
incerto e inquietante que o de outras regiões brasileiras. Diante disso,
é inevitável se inquirir se estaria a região natural mais rica do planeta
presa nas malhas de sua história e fadada a um destino desigual e
inferior ao das demais regiões?
Não me parece ser este o caso, e é disso que este artigo trata.
Iniciativas e experiências recentes vêm indicando que há outros cenários
possíveis para a região, capazes de proporcionar o engajamento de
suas populações, distribuir melhor a renda, elevar o padrão de vida
local – enfim, proporcionar condições para promover uma sociedade
mais igualitária, que goze de maior justiça social.

A Amazônia enredada no neocolonialismo


e numa tripla dependência
Dos tempos coloniais aos dias atuais a Amazônia brasileira tem
sido um locus de exploração de matérias-primas de toda a ordem.
No passado remoto foi o lugar de onde os colonos portugueses e
exploradores capturavam índios para transformar em escravos,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 111 14/09/2015 15:08:31


112 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

pondo-os para trabalhar como guias, mateiros, remeiros, para construir


casas, fortificações, engenhos de açúcar ou para trabalhos na caça ou
na pesca. Posteriormente, começaram a ser exploradas as chamadas
“drogas do sertão” (matérias-primas extraídas de árvores da floresta
nativa, usadas como tempero, material para fazer remédios, alimentos
ou tinturas). Os portugueses e bandeirantes não encontraram ouro na
Amazônia, mas as drogas do sertão acabaram sendo um equivalente
dele. Em meados do século XIX, as drogas do sertão perdem
importância e inicia-se o Ciclo da Borracha1. A borracha robustecia
os cofres do governo federal, os bancos estrangeiros e uma parte do
reduzidíssimo contingente da elite regional, enquanto milhares de
nordestinos se embrenhavam na mata na expectativa de melhorar de
vida; mas, o que lá encontravam era a exploração, a doença e, não
poucas vezes, a morte.
Naquela fase o governo brasileiro ignorou e abandonou a nascente
e ainda frágil fabricação de artefatos de borracha que começava a surgir
na região e que poderia ter-se desenvolvido, se estimulada. Em vez
disso, concentrou seus incentivos e ações na produção de bolas de látex
para exportação. Fazendo esta opção, deixou de aproveitar o impulso
para instalar, desde aquela época, uma economia relativamente estável,
que exportaria produtos industrializados de valor comercial mais alto
que aquele obtido com o simples comércio de bolas de látex. O governo
central privilegiou a fácil acumulação de capital com uma atividade
produtiva rudimentar, que beneficiava reduzida elite e os cofres da
União. Desestruturados o artesanato de borracha e a indústria, a região
retrocedeu e assumiu plenamente, pela ação do governo federal, sua
antiga e persistente condição de exportadora de produtos extrativos,
da qual ensaiava sair.
Os livros de história registram a exploração das drogas do sertão
como um exemplo da economia própria do antigo sistema colonial e
o chamado Ciclo da Borracha como um acontecimento passageiro na
vida amazônica. No entanto, a formação social e a vida econômica da
região demonstram que a exploração das drogas do sertão está longe
de ter ficado cristalizada na história passada do Brasil Colônia ou o
Ciclo da Borracha como breve acontecimento preso entre dois séculos.
Na verdade, ambos os casos são apenas exemplos de um meio de
exploração que se tornou modelar e que persiste até os dias atuais com

1
Embora já não fossem chamadas de drogas do sertão e sim de produtos extrativos ou do
extrativismo, boa parte dos produtos consistia, tal como antes, de óleos vegetais, sementes,
temperos, etc.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 112 14/09/2015 15:08:32


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 113

vigor crescente. Trata-se de nova forma de colonialismo na qual a região


foi engajada, tendo o governo federal como principal estimulador do
processo. Mesmo no caso da Zona Franca de Manaus – que poderia
ser analisada como uma ruptura no modelo primário-exportador
predominante na região, não é a sociedade amazonense que mais se
beneficia; a ela foram destinados os empregos manuais e os cargos
de menor importância. Nem mesmo a elite local usufrui de ganhos
consideráveis, e sim as montadoras multinacionais que lá se instalaram
(parte delas com sede no Sul do Brasil) (CARVALHO, 2013).
O modelo primário-exportador da Amazônia apresenta
características bastante claras: é persistente, concentrador de renda,
voltado para fora (o mercado externo e do Centro-Sul do Brasil), de
costas para as populações regionais, e tem tido desde fins do século
XIX o governo federal e as grandes corporações como orquestradores
do processo.
Disso resultam algumas consequências graves: a Amazônia tem
servido mais a outros países e a outras regiões do que às suas próprias
populações, sejam elas seus povos originais, sejam os que para ela
se dirigiram escolhendo-a como lugar de destino. E, à medida que
a indústria mundial e as corporações econômicas se desenvolvem e
se articulam, têm ficado cada vez mais restritas as possibilidades da
região se valer de sua própria riqueza para a melhoria das condições de
vida de suas populações. Tornou-se difícil para a Amazônia brasileira
construir sua própria história, que tem sido definida a partir de fatores
externos à sua natureza e à sua gente.

O início das transformações recentes


Discutir as possibilidades futuras da Amazônia e suas
implicações sobre as populações locais impõe, necessariamente, uma
retrospectiva envolvendo alguns elementos importantes ocorridos nas
últimas décadas. As transformações pelas quais a Região Amazônica
vem passando nos anos recentes podem ser mais bem entendidas se
analisadas sob dois momentos, como os que a seguir proponho: o
primeiro, abrangendo os anos 70 e 80, e o segundo dos anos 90 aos
dias atuais. Cada um deles apresenta determinadas características que
se destacam sobre as demais, embora algumas delas persistam com
maior ou menor ênfase em uma das duas fases, embora ainda subsista
na outra; ou seja, as fases e suas caraterísticas se interpenetram mas,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 113 14/09/2015 15:08:32


114 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

de toda a forma, não é possível escapar do estabelecimento de alguns


marcos temporais minimamente balizadores.
A partir dos anos 70, a Amazônia como fronteira tornou-se
um tema importante e constante na pauta de estudos e debates
acadêmicos e políticos do país. As frentes humanas que desde os anos
60 se dirigiam para a região eram formadas, predominantemente,
por pequenos produtores rurais que nela desenvolviam seu trabalho
com base na agricultura familiar. A fronteira era, assim, o lugar onde
tradicionalmente a existência de condições concretas de terra e
trabalho possibilitava a permanente expansão do campesinato no país.
Dessa forma, o campesinato e o capital avançavam sobre as fronteiras
alargando-as incessantemente, enquanto houvesse caminhos para
alcançar novas terras. Na Amazônia, o processo vinha acontecendo
desde os anos 60 e, mais acentuadamente, a partir dos anos 70.
Nos anos 60/70/80, a Amazônia desempenhava algumas funções
muito peculiares: era o lugar para onde o governo federal procurava
desviar (pela via da migração estimulada) as tensões sociais decorrentes
da falta de emprego, da insatisfação social, das crises regionais, como
a seca e da ausência de políticas de distribuição de renda; para o
mercado nacional e internacional, atuava como fora desde o período
colonial – uma das muitas regiões de economia primário-exportadora.
Para os migrantes que para a região se dirigiam, era o lugar onde
se processava a tentativa utópica de construção ou reconstrução da
história familiar, sob condições melhores que nos lugares de onde se
originavam, embora para eles fosse também o lugar de conflito – o
lugar da luta entre a terra como lugar de trabalho e a terra como lugar
de negócios e reserva de capital.
Os conflitos de terra nas décadas de 60/70/80, quando os grandes
projetos e as grandes estradas estreavam na região decorreram, no meu
entendimento, da incapacidade histórica do Estado, quando acionado,
de se posicionar eticamente ante os interesses antagônicos dos distintos
grupos sociais, em especial quando na fronteira, zona distante do
poder central e mesmo dos governos estaduais. E de dar conta, através
de seus sistemas institucionalizados, de questões que colocam frente à
frente os interesses das camadas pobres e das populações tradicionais
(índios, caboclos, quilombolas e outras) e os privilégios de que o capital
e seus detentores usufruem historicamente. E, embora poucos autores
tenham feito um registro explícito sobre este ponto, parece ter havido
sempre um consenso entre os estudiosos de que a Amazônia era a
última fronteira de expansão do capital do país.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 114 14/09/2015 15:08:32


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 115

Entre 1950 e 1980 as condições da economia global não afetavam


a região da forma como passam a impactar a partir dos anos 80.
Isto porque, depois da falência da economia da borracha, a inserção
da região no mundo globalizado tornou-se mais fraca e a articulação
externa menos intensa. Isto porque os produtos que compunham a
pauta de exportação eram de menor valor e em menor quantidade, de
modo que as oscilações do mercado externo não afetavam a economia
regional como antes.

As opções desastradas do governo brasileiro e o


aprofundamento do modelo primário-exportador
As grandes alterações que se registram na região a partir dos
anos 80 estavam sendo gestadas desde o início da década de 70, em
nível mundial. Em 1973 deu-se a primeira crise do petróleo, quando os
países árabes decidiram aumentar o preço do barril em quase 400%.
Naquela primeira crise, o Brasil encontrava-se na fase mais pesada
da ditadura militar – eram os chamados “anos de chumbo”. Assim,
o governo resolveu manter inalterado o projeto de criar um “Brasil
Grande”, líder da América Latina.
A falta de recursos para investimentos levou o governo da ditadura
a tomar empréstimos para a implantação de obras gigantescas, que
demonstrassem a solidez do modelo econômico, o arrojo do poder
militar e o alcance do projeto “Brasil Potência”, como país hegemônico
na América Latina. Na expectativa de que a crise de 1973 fosse
passageira, o governo brasileiro não contava com a possibilidade de
uma 2ª crise do petróleo (1979), mais grave que a primeira e depois da
qual o petróleo não mais voltou aos preços originais.
As políticas públicas que na década foram desencadeadas na
região, gerando o ciclo das estradas, da colonização, da pecuária
estimulada por incentivos fiscais, da concessão de grandes lotes de terra,
e com elas, dos conflitos de terra que caracterizaram a década, não
apenas se revelaram desastradas na maneira como foram conduzidas,
mas também apresentaram poucos resultados econômicos e sociais.
Nesse caso, tratou-se de uma opção interna, que não teve origem
em pressões ou conjunturas internacionais. Ainda internamente,
outras opções igualmente desastradas foram assumidas, tais como
uma reforma do ensino (LDB/Lei Nº 5.692/71), que colocou o país
pelo menos duas décadas em atraso em relação à educação básica dos
países centrais, a migração desordenada que apenas agravou a questão

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 115 14/09/2015 15:08:32


116 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

regional amazônica, sem equacionar os problemas de outras regiões


das quais a população migrante havia saído2.
Os empréstimos tomados nos anos 70 geraram a crise da
dívida nos anos 80 resultaram em crescimento do PIB igual a zero
ou próximo disso, acompanhado de inflação acelerada durante toda
a década de 80, que se estendeu até a metade da década seguinte3.
Devido às duas crises do petróleo, os países centrais imprimiram
mudanças profundas em suas economias, reorganizando-as com o
objetivo imediato de poupar petróleo e energia elétrica. Não bastava
mais importar matéria-prima e semielaborados para processar
internamente e revender nos mercados interno e internacional, como
faziam desde o período colonial. Era preciso retirar de seus territórios,
o mais rapidamente possível, indústrias altamente consumidoras de
petróleo e outras formas de geração de energia, para dedicarem-se à
indústria de ponta, baseada na avançada tecnologia microeletrônica.
Apesar do quadro social e econômico nacional já por si só ser bastante
negativo, o governo brasileiro optou por aceitar a transferência dessas
empresas para a Amazônia, tendo conhecimento que se implantariam
sob a forma de enclaves. Para os países centrais a Amazônia afigurou-se
como um locus privilegiado: dotada de enorme potencial hidrológico,
com uma floresta densa altamente produtora de biomassa, mão de
obra pobre e por isto facilmente mobilizável a baixos salários, e de uma
sociedade cuja cultura pouco valorizava a floresta, sendo por isto, um
bem facilmente aproveitável como insumo na produção siderúrgica.
Além desses erros e equívocos do governo central, há aqueles de
fundo cultural que vêm de longa data, como a ideia de que a natureza
amazônica é superabundante, resistente, inesgotável e autorregenerável;
por isto, empresários e aventureiros de toda ordem, desprezando o fato
ou ignorando que a Amazônia é o maior banco genético do mundo,
separam a floresta (que exploram exaustivamente), da biodiversidade
(tomada como um tema exclusivo e restrito aos estudos científicos);
entendem que índios e caboclos (especialmente os extrativistas) vivem

2
O crescimento populacional dos estados da Região Norte (englobando os 7 estados totalmente
amazônicos: Amapá, Acre, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins) entre os anos
1960 /2010 foi o mais vertiginoso do país, passando de apenas 2,5 milhões de habitantes em
1960 para quase 16 milhões em apenas 50 anos: 1960 – 2.579.442; 1970 – 3.603.860; 1980
– 5.880.268 ; 1991 – 10.030.556; 2000 – 12.911.170; 2010 – 15.864.402. Fonte: IBGE (1960;
1970;1980; 1991; 2000; 2010).
3
Entre 1981 e 1990 o crescimento máximo do PIB foi de 1,6%, enquanto a população crescia
num ritmo veloz. A inflação em 1984 foi de 224% e, apesar dos diversos planos econômicos,
ela persitiu durante o regime democrático que teve início em 1985. A inflação seguiu
descontrolada até 1994, quando foi implantado o Plano Real (GUEDES FILHO, 2007).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 116 14/09/2015 15:08:32


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 117

em terras excessivamente vastas e que as ocupam em atividades pouco


rentáveis para o Estado e de modo incompatível com a economia e a
sociedade contemporâneas; suas atividades produtivas – o extrativismo
vegetal em especial – são consideradas como primitivas, arcaicas,
antieconômicas e não merecedoras de apoio e aperfeiçoamento.
Daí porque as políticas públicas não estimulam o enriquecimento da
floresta para um aproveitamento mais vantajoso, apesar de milhares
de pessoas na região viverem de atividades extrativas. E apesar de tais
enclaves serem tão extrativistas quanto os tradicionais da região, eles
rejeitam tal designação e, assim, acabaram impondo-se nacionalmente
como se fossem “indústrias”, de fato.
Entendo, como Santos (2003, p. 18), que a forma atual e predo­
minante como se estabeleceu nos últimos séculos o contrato social
nas sociedades ocidentais, imposto pelo sistema democrático-liberal,
visando apenas a reprodução do capital, gerou grave crise no sistema-
mundo4. A crise reside no fato de que predominam cada vez mais
fortemente os processos de exclusão social sobre os processos de
inclusão. Na Amazônia, o impacto maior dessa exclusão e repulsa ao
modo de vida recai sobre as populações regionais, as tradicionais e os
índios. São concebidos como povos atrasados, primitivos, portadores
de uma cultura inferior, que criam obstáculos ao desenvolvimento e
que só têm a ganhar integrando-se à sociedade urbana e “civilizada”,
devendo por isto desocupar suas terras para destiná-las a atividades
ditas “modernas”. Sob a ótica integracionista, as terras indígenas seriam
situações provisórias que tenderiam a desaparecer à medida que os
índios fossem sendo assimilados – pelas mais diversas vias – à sociedade
nacional, desaparecendo dentro dela, diluindo assim, “o atraso” e
o “primitivismo” que os tornam diferentes e os afastam dos padrões
civilizados da sociedade moderna; daí porque boa parte das elites e
segmentos dos governos consideram “natural” e inevitável incorporar
terras de índios e caboclos ao processo econômico em curso. Esses
grupos sociais são concebidos como negadores do desenvolvimento e da
modernidade (mas, os enclaves não são considerados da mesma forma!).

A nova fase: a Amazônia como


fronteira de commodities
A chamada “decada perdida” (anos 80) resultou, em nível nacional,
de opções internas impulsionadas pelo projeto do “Brasil Potência”; e
4
A expressão sistema-mundo ficou amplamente conhecida após seu uso por Wallerstein (1980).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 117 14/09/2015 15:08:32


118 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

no que concerne à Amazônia, de decisões tomadas voluntariamente


pelo governo central em desfavor da região – a opção por aprofundar
o modelo primário-exportador, ao estimular a transferência de
enclaves mineradores e siderúrgicos para a região, como a siderurgia
do ferro, alumínio, celulose, cobre e outros minérios. Curiosamente, o
governo brasileiro aceitou de bom grado que essas usinas siderúrgicas
se instalassem na Amazônia; e ainda fez mais – comprometeu-se a
construir as infraestruturas necessárias para que elas pudessem se
instalar na região (aeroportos, estradas de rodagem e de ferro, vilas
para funcionários, hospitais etc).
Uma grave lacuna interpretativa nas ciências sociais que se
dedicam à região é a ausência de estudos capazes de esclarecer
porque o Brasil aceitou negócio tão desvantajoso. Qualquer estudante
de economia, ao iniciar sua graduação, aprende que esse tipo de
empreendimento faz crescer o Produto Interno Bruto (PIB), mas não
internaliza benefícios, por várias razões combinadas: em primeiro lugar
porque são enclaves econômicos e, portanto, empresas não enraizadas na
economia local, que não formam uma cadeia produtiva até a produção
de bens finais (HIRSCHMAN, 1976); por isto, geram parcos empregos
e não internalizam riqueza. Em segundo lugar, como todos os enclaves,
produzem apenas matérias-primas e semielaborados e portanto, bens
que apresentam baixo valor no mercado (somente grandes quantidades
produzidas tornam-se vantajosas para as empresas). Em terceiro lugar,
porque os produtos minerais são exportados com isenção do imposto
sobre a exportação, em virtude da chamada Lei Kandir, que desde
os anos 90 tem trazido tantos prejuízos para a região. Assim, para os
estados produtores de matérias-primas e semielaborados, ter um PIB
elevado não representa riqueza, já que ela não é internalizada nem
distribuída socialmente, indo os valores gerados diretamente para os
conglomerados econômicos aos quais as empresas pertencem.
Os casos mais graves na Amazônia Legal são o do Pará e do
Maranhão, estados mineradores do complexo Carajás. A Vale produziu
em 2012 somente no primeiro trimestre 83,9 mil toneladas, o que
multiplicado por 4 trimestres/ano resulta numa média de 340 mil
toneladas/ano, tendo exportado 1,5 bilhão de reais em 2012 somente
com o ferro. Além do ferro, a Vale é a maior produtora de ouro na
América Latina, com 18 toneladas/ ano. Apesar de sua riqueza mineral
o Pará apresenta-se entre os estados de piores PIBs per capita do país,
com um valor que representa menos da metade do PIB per capita
brasileiro. Dos 144 municípios do Pará, apenas 5 têm PIB per capita

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 118 14/09/2015 15:08:32


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 119

superior à média brasileira (IBGE, 2011a). Tanto no Maranhão quanto


no Pará, a pobreza é visível por toda a parte. A concentração da renda
do modelo primário-exportador, em especial dos novos enclaves e
o mecanismo extorsivo do governo federal (imposto pela já referida
Lei Kandir), estão entre os mais graves impedimentos à melhoria da
qualidade de vida das populações regionais.
As teorias que explicam a condição de economias primário-
exportadoras são altamente repetitivas no argumento simplista de
que a divisão internacional do trabalho relegou os países periféricos
à condição de exportadores de matérias-primas e semielaborados.
No caso amazônico, mesmo depois das experiências malsucedidas com
a borracha, o manganês, as madeiras e outros produtos, o governo
federal insistiu em impor à região o modelo exportador de produção
“in natura” ou semielaborada. Omitem-se, neste tipo de análise, as
condições, injunções e decisões das políticas públicas internas dos
países, dentre as quais os interesses de grupos nacionais e suas alianças
com corporações estrangeiras e a corrupção são alguns dos fatores
explicativos, mas não os únicos. No Brasil, a cultura da corrupção e a
má utilização de recursos públicos enraizadas na tecnoburocracia são
elementos que exaurem a vitalidade das políticas públicas minimizando
seus possíveis efeitos positivos.
A opção pela consolidação e pelo aprofundamento do modelo
primário-exportador (pelo menos em sua forma recente), foi tomada
voluntariamente pelo governo brasileiro – que chegou a financiar
sozinho a construção da hidrelétrica de Tucuruí, dispensando o
governo japonês desse ônus. Ora, em contrato assinado anteriormente
pelas partes interessadas, o Japão arcaria com parte dos custos das
infraestruturas. A dispensa é ainda mais absurda, uma vez que o fato se
deu numa década (a dos anos 80), em que a situação econômica nacional
era crítica diante da elevada inflação, da estagnação econômica e do
alto endividamento público, o que levou os economistas a designá-la
“a década perdida”; a inserção da região como secundária, periférica e
primário-exportadora no contexto global intensificou sua dependência
aos mercados externos e enfraqueceu a já frágil margem de autonomia
de que a região gozava.
É esta a maneira como analiso a segunda fase de expansão do
capital na região – a Amazônia torna-se uma fronteira de commodities
(que a inclui como exportadora de energia elétrica para o sistema
nacional). Esta fase, que vinha sendo gestada desde os anos 70 em nível
mundial, começa a se estruturar na Amazônia a partir de 1985 com a

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 119 14/09/2015 15:08:32


120 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

hidrelétrica de Tucuruí – marco fundador, monumento inaugural da


segunda fase de expansão recente do capital e das novas transformações
que se dão entre as duas fases (na passagem da Amazônia de fronteira
do campesinato para fronteira de commodities), uma vez que os
empreendimentos mineradores foram a principal motivação para sua
implantação. Após sua instalação, 50% da energia gerada destinava-se
(altamente subsidiada) às empresas mineradoras do Pará e Maranhão;
somente após a expansão da capacidade de geração da usina, a
distribuição começou a se dar de modo diferente: agora 1/3 se destina
às mineradoras, 1/3 é integrado ao sistema nacional e abastece outras
regiões brasileiras e 1/3 destina-se à região, especialmente ao Pará.
Porém, enquanto a energia gerada era menor, a prioridade era das
siderúrgicas e não das populações locais.
Na fase atual, não mais as estradas definem a entrada de capitais
ou de migrantes no espaço amazônico, mas sim, a prospecção mineral,
as obras governamentais de suporte ao modelo primário-exportador
(como as hidrovias para transporte da soja e outros) e as oportunidades
que se apresentam para os capitais de grande porte. Também as
atividades econômicas se alteraram e todas elas, sejam as das primeiras
fases (anos 70/80) – a extração da madeira, a pecuária, a colonização e
a pesca “industrial”, seja as da segunda – a mineração, a siderurgia, os
grãos e os óleos (como o de palma), todas elas apresentam características
comuns: nada têm a ver com as populações locais, envolvem grandes
volumes de capital e têm irrestrito apoio governamental. Além do
que, a ruptura no bojo da qual se desenha o novo perfil da Amazônia
tem elementos propulsores de caráter interno – as políticas públicas
internas que vêm consolidando e aprofundando sua condição de região
dependente primário-exportadora.

Os novos grandes projetos tornaram-se


frequentes e rotineiros na paisagem amazônica
No novo contexto em que a Amazônia se encontra, destaca-se
não apenas o ângulo econômico – ele se revela como um modelo que
vira as costas para as populações amazônicas, indiferente à melhoria
das formas de vida das populações regionais, aos seus saberes e suas
culturas. A natureza em geral, e em especial a floresta, são tomadas
como expressão de primitivismo e de atraso, por contrastar com o
plantio de culturas ditas “racionais” – porque organizadas sob o formato
de monoculturas, homogêneas e “modernas”, que caracterizam a

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 120 14/09/2015 15:08:32


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 121

agricultura dos países centrais, e são imitadas pelos países periféricos,


num processo de “mimetismo colonial”, no dizer de Bhabha (2009).
Consolida-se o parque siderúrgico com novos empreendimentos:
a produção de grãos e óleos adentra nos espaços amazônicos por
cima de florestas densas e, geralmente, de modo irregular. Por sua
vez, a chamada “economia verde” que se instala em áreas que foram
desmatadas nas décadas passadas volta-se para a produção sob a forma
de monoculturas onde predominam diversas espécies de eucalipto; são
florestas comerciais que descaracterizam a biodiversidade regional, em
vez de recuperá-la com culturas economicamente rentáveis, endógenas
à região e respeitando minimamente uma diversidade de espécies,
tal como se espera que seja a recuperação de áreas degradadas do
espaço amazônico. Os chamados “municípios verdes” de que hoje
alguns prefeitos se orgulham, violentam uma das características
fundamentais da natureza da região – ser um precioso e abundante
sistema natural biodiverso. Os novos espaços alterados pelo plantio de
florestas comerciais de eucalipto esvaziam a Amazônia de um dos seus
elementos naturais mais importantes – a biodiversidade. E a região
vai deixando, paulatinamente, de ser o que se conhece mundialmente
como Amazônia – o sistema natural flúvio-florestal5 mais biodiverso do
planeta (VIEIRA, 2001). A indiferença ou a incompreensão da dimensão
do desastre persiste em segmentos da área técnica e da pesquisa, o
que se constata quando em 2015 a Embrapa sugere a plantação de
eucalipto e soja em áreas já degradadas pelas pastagens como forma de
recuperá-las (BRAGA, 2015).
Outra característica visível nas transformações recentes é que os
antigos “grandes projetos” são hoje bastante numerosos mas, excetuando
o complexo Carajás (no sudeste do Pará) e o de alumínio, próximo a
Belém/Pará, todos os demais empreendimentos acham-se encravados,
situados isoladamente, em meio ao espaço amazônico – indicando,
visivelmente, sua desarticulação com a economia e a sociedade regionais.
Ao todo, as mineradoras vão investir cerca de US$ 24 bilhões entre
2012 e 2016 para aumentar a produção de minério de ferro, bauxita e
outros metais encontrados na Bacia do Amazonas, segundo o Instituto
Brasileiro de Mineração. O Brasil já recebe hoje um quinto dos
investimentos em mineração no mundo, e a Amazônia representa para
muitos o maior potencial ainda inexplorado do país. “A Amazônia será a
nossa Califórnia” (COURA, apud LYONS; KIERNAN, 2012).
5
Definição não escrita, formulada oralmente pelo geógrafo Orlando Valverde e registrada pela
autora.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 121 14/09/2015 15:08:32


122 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

A ruptura se completa com o despovoamento crescente das


populações interioranas que têm na migração sua principal causa.
Os Censos Demográficos de 1960, 1970, 1980, 1991, 2000, 2010
(Tabela 1) exibem claramente esse despovoamento e explicam, em
grande parte, porque as periferias urbanas das cidades da região
apresentam indicadores sociais dos mais baixos do Brasil, em alguns
casos mesmo em relação à Região Nordeste, que sempre apresentou
problemas crônicos como a seca, o que por si só já explica em grande
parte a pobreza e a migração campo-cidade daquela região.

Tabela 1. Crescimento da população urbana da Região Norte/1960-2010.

Situação 1960 1970 1980 1991 2000 2010

Urbana 1.041.213 1.784.223 3.398.897 5.931.567 9.002.962 11.664.509

Rural 1.888.792 2.404.090 3.368.352 4.325.699 3.890.599 4.199.945

Total 2.930.005 4.188.313 6.767.249 10.257.266 12.893.561 15.864.454

Fonte: IBGE (1960; 1970; 1980; 1991; 2000; 2010).

Uma consequência inevitável:


o aumento das desigualdades
Com esse cenário não é de espantar que o Atlas do Desenvolvi­
mento Humano (PNUD, 2013) aponte que, dos 48 municípios
brasileiros com os mais baixos padrões de vida, apenas 13 estão fora da
Amazônia (são da Região Nordeste) e mesmo, que o município com o
pior padrão de vida entre os 5.565 municípios brasileiros investigados
esteja justamente no Pará.
Tal situação já era muito grave em 1990, quando o Atlas do
Desenvolvimento Humano (PNUD, 1990) mostrava que os estados
amazônicos integravam o grupo de menor renda per capita no país.
Somando-se os percentuais da população vivendo na faixa da extrema
pobreza (renda mensal abaixo de ¼ de salário mínimo) com os da faixa
de pobreza (renda mensal per capita entre ¼ e ½ salário mínimo), o que
se tem é que em 1990 eram pobres ou muito pobres 45% da população
da região; em 2002 eram 44%. Em 2009 a situação permanecia,
praticamente, idêntica: os estados da Amazônia Legal apresentavam
elevadíssimos índices de pessoas vivendo na pobreza e em extrema

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 122 14/09/2015 15:08:32


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 123

pobreza. As duas categorias – pobreza e extrema pobreza – somavam


53% das pessoas no Maranhão, 40% no Acre, 45% no Pará, 40% no
Amapá, 42% no Amazonas, 37% no Tocantins, 39% em Roraima, 30%
em Rondônia e 24% em Mato Grosso; a média de pessoas vivendo na
pobreza e extrema pobreza na Amazônia Legal era de 42%, enquanto
no Brasil a média era de 29% (IBGE, 2011b).
Portanto, nas três situações observadas (2000, 2002, 2009)
quase metade da população tinha renda mensal de menos de metade
do salário mínimo! Se em 20 anos (1990/2009) o padrão de vida da
população melhorou apenas 3%, estando muitíssimo abaixo da média
nacional, quanto tempo levará para melhorar ao menos 50%? Os dados
a seguir indicam, claramente, as precárias condições de vida das
populações regionais amazônicas, em quase todos os itens piores que
as do Brasil e do Nordeste.

Tabela 2. Algumas características dos domicílios permanentes, segundo


Grandes Regiões 2011.
Percentual de domicílios particulares permanentes
Algumas características
Grandes Regiões
existentes Brasil
Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste
Abastecimento de água
pela rede geral 84,6 55,9 79,9 91,1 86,8 86,0
Rede de esgoto 54,9 13,0 35,1 82,4 35,7 43,1
Iluminação elétrica 99,3 96,2 98,8 99,9 99,8 99,7
Telefone fixo 89,9 81,6 81,8 94,0 93,8 93,6
Tel. móvel celular 49,7 63,6 61,6 38,5 51,3 57,4
Filtro de água 53,2 29,3 52,1 66,3 24,0 62,4
Geladeira 95,8 86,8 91,0 98,6 98,8 98,2
Rádio 83,4 65,0 78,1 87,7 90,7 80,1
Televisão 96,9 91,7 95,4 98,3 97,8 96,9
Microcomputador 42,9 26,7 25,5 52,8 50,8 45,8
Com acesso à Internet 36,5 20,2 21,3 46,1 42,0 38,6
Carro 40,9 20,3 20,4 49,0 59,3 47,8

Fonte: IBGE (2011).

Do ponto de vista da educação e da cultura, a situação dos


estados da Região Norte é a mais grave do Brasil. O Pará, estado

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 123 14/09/2015 15:08:33


124 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

onde têm sido feitos os maiores investimentos privados em mineração


e hidreletricidade, por exemplo, no Índice de Desenvolvimento da
Educação Básica 2013 (IDEB/INEP/MEC), teve o pior desempenho do
Brasil no ensino médio (2,9) de todo o Brasil e o segundo pior no ensino
fundamental (2,7), o que demonstra que os grandes empreendimentos
econômicos não vêm se traduzindo em benefícios sociais; embora os
demais estados amazônicos apresentassem indicadores ligeiramente
melhores que os do Pará, ainda assim situavam-se entre os mais baixos
indicadores do Brasil, ao lado de alguns dos estados do Nordeste (na
média, esta região apresentava desempenho melhor que o da Região
Norte). Com esse nível de renda, não é de espantar que no questionário
da Prova Brasil 2011, os professores das redes de ensino fundamental e
médio de Belém, ao responderem à pergunta: – lê livros em seu tempo
livre? – as respostas tenham sido: nunca lêem ou quase nunca – 83%;
eventualmente – 16%; sempre ou quase sempre – apenas 1% (INEP/
MEC/Prova Brasil6 2011/Perfil do Professor/Pergunta 34).

Uma modernização às avessas7


Vale a pena ter empreendimentos desse tipo na Amazônia? Mais
que uma resposta, a pergunta pede uma reflexão.
Em primeiro lugar, é inegável que o governo federal fez pesados
investimentos na região durante quase cinco décadas. Contudo,
a forma equivocada como eles foram aplicados – afrontando as
culturas, rejeitando os conhecimentos locais, destruindo a natureza
e fazendo opções equivocadas – foram anulando os efeitos positivos
dos investimentos e potencializando os negativos. Em consequência, os
resultados não corresponderam e continuam não correspondendo às
expectativas esperadas.
Em segundo lugar, não houve uma modernização, no sentido
de melhoria das condições de vida das populações. Isto se deu por
um conjunto de razões encadeadas, algumas das quais já referidas
mais de uma vez neste texto. A produção e exportação dos produtos
gerados pelas grandes empresas é feita com os produtos in natura ou
semielaborados (minérios, gado, grãos, energia); não há diversificação
de produtos e apenas algumas dezenas de grandes empresas,

6
A Prova Brasil é um exame nacional aplicado a estudantes da 5º e 9º séries (antigas 4ª e 8ª
séries) do Ensino Fundamental de escolas da rede pública; objetiva avaliar o domínio dos
alunos em língua portuguesa e matemática.
7
Loureiro (1993), Loureiro (2001).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 124 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 125

constituídas sob a forma de “modernos enclaves” controlam toda a


produção e a comercialização. São tidos como modernos porque se
utilizam de máquinas e equipamentos eficientes e sofisticados, que
elevam a produção e a produtividade; mas não beneficiam os ganhos do
trabalho. Como essas empresas não processam internamente os produtos
nem fazem sua finalização in loco, não desencadeiam o surgimento de
médios e pequenos negócios decorrentes dos grandes empreedimentos
e assim, não desenvolvem a economia regional; nem distribuem renda,
ao contrário, aumentam sua concentração. A geração de emprego tem
sido irrisória e os salários pagos são baixos. E finalmente, os governos
continuam a investir os recursos disponíveis no sentido de reforçar esse
modelo visivelmente perverso.
A “modernização às avessas” não eliminou o trabalho árduo,
degradante e escravo; ao contrário, o desmatamento para o plantio ou a
formação de pastos e a produção de carvão vegetal da mata nativa para
as indústrias siderúrgicas e outras atividades novas na região reviveram
formas duras e arcaicas de trabalho (GUIMARÃES, 2005). No ano
de 2004, em face das insistentes denúncias de trabalho escravo pela
mídia e por instituições de defesa dos trabalhadores nas siderúrgicas
do Pará e do Maranhão, o Ministério Público Federal e o Ministério
do Trabalho reuniram-se com as empresas e instituições representantes
dos trabalhadores para firmar um Termo de Ajustamento de Conduta
(TAC) pelo qual as siderúrgicas se comprometiam a não manter trabalho
escravo na produção de carvão vegetal. Mas, em 2012 a situação pouco
havia se alterado. A revista Época (CALIXTO, 2012) publicava uma
reportagem sobre as práticas ilegais das siderúrgicas do Pará e do
Maranhão, com base em levantamento feito pelo Instituto Observatório
Social. Na ocasião ainda foram identificadas várias siderúrgicas usando
carvão vegetal, valendo-se do trabalho escravo e estimulando colonos
pobres a desmatarem seus pequenos lotes para garantir a elas o
fornecimento barato do carvão vegetal de que precisam.
Em terceiro lugar, os programas nacionais para a Amazônia têm
demonstrado a incapacidade do Estado brasileiro de compreender,
articular e desenvolver as potencialidades da região. A complexidade
da Amazônia foi subestimada durante o período autoritário e, em
muitos casos, continua sendo. E sempre que a região é olhada de modo
simplista, ela afoga a capacidade governativa do Estado brasileiro.
Um dos maiores sociólogos do Brasil, o professor Octávio Ianni, em
conversa informal sobre a região disse, certa vez, para esta autora:
A Amazônia é para os brasileiros um enigma que ainda precisa ser decifrado.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 125 14/09/2015 15:08:33


126 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Em quarto lugar, os governos e as elites econômicas têm


encarado historicamente as populações regionais, que há séculos vêm
cuidando da região, conservando-a e protegendo-a, como entraves
ao desenvolvimento. Interpretam os interesses dessas populações
unicamente com base numa lógica de mercado, o que cria frequentes
conflitos; mas o mesmo não acontece quando projetos gigantescos
dilapidam recursos nacionais e bens coletivos, como a natureza
amazônica.
Em quinto lugar, o projeto modernizador do governo federal para
a Amazônia (no período autoritário e mesmo em fase posterior a ele até
os dias atuais), padeceu de uma fratura interna que rompeu o elo entre a
modernização e a generalização social dos benefícios, que caracterizou
a modernização nos países centrais. Daí porque a democracia real e
a justiça social, no caso amazônico, convertem-se apenas em ideias
difusas e abstratas de democracia, que jazem confinadas nos programas
e projetos, mas permanecem distantes ou ausentes da vida de suas
populações. E reforçam um paradoxo bem conhecido da sociedade
regional – de que o governo federal vem há décadas propondo uma
modernização que não materializa, no cotidiano, uma justiça social
mais inclusiva e plural, capaz de realizar os anseios dos pobres, dos
excluídos sociais e dos culturalmente diferentes.
Em sexto lugar, é preciso mostrar que os fundamentos nos
quais o modelo de desenvolvimento vigente na Amazônia se ancora
– entre os quais se destaca a busca incessante do progresso e da
modernização – revela as contradições do Estado brasileiro diante da
questão amazônica. Ela ultrapassou há muito tempo a condição de
simples questão regional; converteu-se em questão nacional e mesmo
internacional. Além do que, trata-se de falsa modernização ou, como
tenho mencionado desde os anos 90 em vários trabalhos, como uma
“modernização às avessas”.
Vários programas recentes consolidam, voluntariamente, a
“pseudovocação” da região como primário-exportadora. Quando
me refiro à questão, mencionando a opção voluntária dos grupos no
poder, não desconheço a existência de um mercado global altamente
competitivo em que as economias centrais operam com tecnologias
de ponta e as periféricas com exportação de produtos primários.
O que desejo frisar é que, embora seja este o contexto mundial, há
opções internas que são completamente ignoradas e desprezadas pelos
governos, seja o central, sejam os regionais. Em cinco décadas as ações
governamentais têm dado clara demonstração de que o potencial

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 126 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 127

amazônico não tem sido aproveitado de forma verdadeiramente


moderna e racional. Os governos fizeram opções equivocadas em
muitos casos; noutros, simplesmente, houve cooptação pelo capital
internacional visando vantagens de grupos. E nos últimos anos o
processo de exploração da região tem sido intensificado. Além dos
minérios a União decidiu explorar a energia hidráulica nos rios
amazônicos, sem levar em consideração que, correndo sobre planície
é preciso construir grandes lagos para reter a água necessária para a
produção de energia para o resto do país. E aí também, a produção/
exportação se faz sem ganhos financeiros para a região e com enormes
problemas sociais e ambientais. A produção de energia elétrica para o
restante do país foi definida desde o Plano Nacional de Energia Elétrica
1987/2010, mais conhecido como Plano Energético-2010, depois
reajustado pelo Plano Energético-2015, sem grandes alterações em
relação ao primeiro, ambos conhecidos como Plano-2010 (Ministério
de Minas e Energia/ Eletrobras). Várias usinas já foram construídas e
outras seis estão em execução.
O Plano 2010 partiu de um princípio básico – a opção preferencial
pela energia hidráulica para o país; e um pressuposto (equivocado) – o
Brasil somente poderá se desenvolver se contar com a energia gerada na
Amazônia. Esta é a razão pela qual o governo central planejou executar
68 hidrelétricas (sem prazos de execução definidos), nos caudalosos
rios amazônicos, com a finalidade de gerar energia suficiente para
as mineradoras e siderúrgicas instaladas ou planejadas na região, e
para garantir a necessidade crescente de energia pelo Centro-Sul mais
desenvolvido do país.
A partir dessa decisão, a Amazônia deixou de ser uma razão em
si mesma, para se converter em capital mobilizável em favor do país;
sua bacia hidrográfica e sua natureza em geral saíram dos livros de
geografia e da paisagem humana para se converter em matéria-prima,
com preço e valor em bolsas internacionais.
Assim, os novos grandes projetos em curso na região destinam-se,
tais como os anteriores, à sustentação do desenvolvimento de outras
regiões (o que seria ótimo, caso não fossem executados em detrimento
da Região Amazônica), ou a assegurar as bases infraestruturais da
produção de outras regiões. É este o objetivo dos portos e de hidrovias
que pretendem escoar pelo Rio Amazonas a produção de grãos
do Centro-Oeste, das rodovias de integração em execução e com o
mesmo objetivo; ou das 23 hidrelétricas das quais seis em construção
que integrarão o sistema energético nacional. Em todos esses casos, as

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 127 14/09/2015 15:08:33


128 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

populações locais não foram ouvidas, apesar da legislação obrigando


a fazê-lo, ou manifestaram-se aberta e clamorosamente contra. Mas
a surdez das elites econômicas e no poder em quase nada alterou
os projetos originais para atendê-las em seus justos pleitos. Não há
dúvidas quanto à posição neocolonial imposta à Amazônia no contexto
nacional.
Hoje os grandes projetos tornaram-se rotineiros na paisagem
amazônica e perderam essa designação, que lhes havia sido dada por
se apresentarem como eventos novos em uma região que primava antes
pelos pequenos e médios negócios.
Dar-se um voto de confiança aos planejadores e governantes
dos anos 70, 80, justificando-os pelo desconhecimento científico
da fragilidade dos ecossistemas amazônicos, é ser excessivamente
condescendente. O menosprezo pelo valor intrínseco da natureza não
dependia de qualquer conhecimento científico, seja econômico, seja
relativo às ciências naturais. A atribuição de valor zero à mais rica e
biodiversa floresta do mundo (como foram as práticas da Sudam, Incra
e dos órgãos estaduais quando da concessão de terras e incentivos fiscais
federais e estaduais), deveu-se a um elemento cultural das elites – o
preconceito das elites contra “a mata” – selvagem, indomável, prova
inconteste de nossa condição como sociedade primitiva! O que dizer
daqueles que os sucederam nas demais décadas?
A racionalidade de mercado e a ideologia do progresso
produziram uma maneira de visualizar as populações regionais como
estando na contramão da história. A suposta racionalidade de mercado
e a ideologia do progresso forjaram um modo de ver como opostos e
inconciliáveis – o crescimento econômico, o “desenvolvimento” ou o
“progresso”, de um lado; e do outro lado – as minorias, os pobres, os sem-
voz na sociedade, todos aqueles considerados inferiores, indesejáveis,
inexpressivos ou “obstaculizantes”. Nos últimos anos, as violações de
direitos e os efeitos danosos do modelo sobre as populações locais têm
ficado secundarizados pela questão ambiental.
Curiosamente, se é evidente e consensual que o sistema colonial
clássico era ultrapassado e “antigo”, estranhamente, o atual é tido como
“moderno”, embora em sua essência seja idêntico ao primeiro: tal como
o primeiro, trata-se agora de um tipo de colonialismo. Um aspecto
importante diferencia o colonialismo histórico e o neocolonialismo
atual: enquanto o antigo sistema colonial era impositivo, no modelo
neocolonial atual descobre-se, estranhamente, uma boa dose de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 128 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 129

opção voluntária dos governos pelo mesmo modelo primário-


exportador, tão criticado nos compêndios de história e economia de
escolas e universidades. Essa opção voluntária pode ser patenteada
pelos numerosos incentivos, atrativos, facilitações, consorciamento e
compartilhamento nos empreendimentos do governo e outras ações
visando atrair novos empreendimentos primário-exportadores para a
região.

Cenários possíveis: duas considerações


Cenário 1: Permanência do modelo “de desenvolvimento”
primário-exportador8
A primeira possibilidade, embora indesejável, é prosseguir na
via que estimula a produção de commodities com vistas ao equilíbrio das
contas nacionais, mas à custa do sacrifício das populações e da natureza
da região, processo que só vem aumentando a desigualdade regional.
Isto significa que o modelo de exclusão social que sempre caracterizou
a sociedade brasileira se aprofunda no coração da Amazônia, com a
violência e o caráter predatório que a desimportância da região tem para
o país, que a considera, tal como no passado, apenas fonte de recursos e
como via de superação de déficits das contas nacionais. Diante da questão,
tanto o Executivo quanto o Legislativo não têm buscado novos caminhos
de harmonia social. Embora exista atualmente ampla e inconfundível
legislação de proteção às minorias e à natureza, ela entra choque com
as políticas nacionais que se materializam no cotidiano quando se trata
de realizar grandes obras, como hidrelétricas, estradas nacionais ou a
concessões de exploração mineral sob a forma de enclaves.
Nesse processo, a União usufrui de benefícios quando consegue
equilibrar suas contas pela contribuição superavitária que os estados
amazônicos possibilitam. Mas, isto se dá à custa do empobrecimento
da região (que perde expressivos recursos), e do consequente aumento
das desigualdades entre as diversas regiões brasileiras.
O que vem ocorrendo na Amazônia nada mais é do que uma
“modernização às avessas”. Numa única atividade dita “moderna” – a
siderurgia, por exemplo – não se encontra qualquer traço da moderna
cultura ocidental civilizada. Ao contrário, o que se pode registrar nela
é trabalho-escravo, carvão de floresta nativa, degradação do meio

8
Loureiro (2009).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 129 14/09/2015 15:08:33


130 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

ambiente, desobediência à legislação vigente, indiferença em relação


ao bem-estar coletivo, evasão de riqueza.
Portanto, trata-se do velho modelo econômico travestido no novo;
continuam sendo enclaves econômicos, mas são tidos como “modernos”
porque se utilizam de máquinas e equipamentos eficientes e sofisticados
que elevam a produção e a produtividade, mas que mantêm as velhas
formas de exploração do trabalhador e de desrespeito à natureza.
Quando se analisa a pauta de exportações da Amazônia, cons­
tata-se que a condição originária como produtora de matérias-primas
permanece inalterada. Dados de exportação do final dos anos 50
permitem apreender a persistência do traço fundamental da economia
da região – a condição histórica de produtora de semielaborados e
produtos in natura para o mercado internacional. Nos anos 50, dois
únicos produtos constituíam-se nos grandes destaques da pauta de
exportação – o manganês (do Amapá) e a castanha-do-brasil (castanha-
do-pará) somavam 89,8% da pauta de exportação (BRASIL, 1959 apud
BASA; UFPa, 1967, p. 233). Dos demais produtos (madeira serrada,
pimenta-do-reino, borracha, pescado, óleo de pau-rosa, couros e
peles, resinas e outros) nenhum alcançava, sequer, 3% do valor da
pauta. Era, portanto, uma economia baseada em produtos in natura e
semielaborados, e pouco variada.
A pauta de exportações do estado da Amazônia mais rentável
e superavitário da região– o Pará/2013, mostra a necessidade de
profunda mudança em sua estrutura produtiva e na dos demais
estados amazônicos, já que, nos 50 anos que separam as duas situações,
o quadro praticamente não se alterou. Os minerais semielaborados
ou in natura (ferro-gusa, hematita, alumínio, alumina, bauxita, ouro,
manganês, caulim e silício) constituem 77,38 % dos recursos gerados;
a madeira (igualmente semielaborada) corresponde a 14,57 %; assim,
dois produtos apenas já somam 91,95% da pauta. Portanto, em 60 anos
a pauta de exportação revela a persistência da condição de exportadora
de matérias-primas e semielaborados, o que é incompatível com a busca
de um desenvolvimento estável e sustentado; e, por ser representada
por enclaves, é um modelo excludente das populações regionais.
Quando os governos e as empresas apontam as políticas de
desenvolvimento, os financiamentos e as obras gigantescas como
símbolos do progresso, da modernização da região e da melhoria futura
da vida na região, omitem esses elementos econômicos de fundo – que
o aumento do PIB vem ocorrendo por meio de enclaves econômicos e

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 130 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 131

de relações degradantes do trabalho. Um ponto a ser questionado é


o que se refere à finalidade do desenvolvimento. Embora os ganhos
materiais estejam implícitos no conceito de desenvolvimento, ele não
pode se reduzir a resultados econômicos que, quando traduzidos em
números, são tomados como ícones e únicas expressões de progresso e
modernização.
É ressaltando apenas o valor das exportações ou apontando
uma crise futura de energia elétrica que os governos mobilizam o
sentimento nacional em nome do progresso e da melhoria futura das
condições de vida das populações do país. Trata-se de estranha política
pública que não computa os danos ambientais nem as demais práticas
ilegais, como a violação aos direitos humanos das pessoas pobres que
são obrigadas a se sujeitar a condições de vida degradantes. O presente
tem, teimosamente, desmentido a promessa de melhoria dos padrões de
vida das populações da região; e o faz no cotidiano dessas populações,
registrando as más condições de vida em dados estatísticos. Portanto,
no meu entendimento, não se pode falar em desenvolvimento ou
modernização nos moldes como os órgãos oficiais costumam tratar
a questão: apresentando apenas os resultados numéricos positivos
da exportação, que resultam de um modelo econômico socialmente
perverso. O primeiro cenário está, portanto, desenhado – é o presente
se projetando no futuro, sem alterações.

Cenário 2: Alternativas mais democráticas e mais


equitativas poderiam se instalar, ao lado do modelo
hegemônico em curso?9
Diferentemente dos autores que entendem que o poder
das corporações econômicas e das multinacionais inviabilizou a
possibilidade de os países periféricos construírem um projeto nacional
de desenvolvimento, entendo que, mais do que nunca é preciso projetar
e executar um projeto próprio, decorrente de novo pacto social.
É evidente que hoje não se cogita mais, como pensavam os
teóricos dos anos 50 (que formularam o nacional desenvolvimentismo),
de construir um projeto de um capitalismo autônomo para o Brasil,
e muito menos para uma região; não foi possível naquele momento e
menos ainda hoje, dada expansão e a densidade da globalização em
todos os campos; mas, é possível construir um modelo que caminhe

9
Loureiro (2009).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 131 14/09/2015 15:08:33


132 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

paralelamente ao hegemônico. Paralelamente a ele os governos podem


se empenhar em corrigir os efeitos danosos do modelo hegemônico
(já bastante conhecidos), minorar seus efeitos negativos e tentar
potencializar os ângulos positivos deles. Além disso, não se pode
imaginar nos dias atuais, que o desenvolvimento de que trato aqui
seja idêntico àquele que os países desenvolvidos alcançaram ao longo
de uma trajetória de vários séculos. Não é possível refazer o mesmo
caminho deles, porque nosso trajeto histórico foi diferente; e porque as
circunstâncias atuais do mundo são outras.
E, ainda que isto fosse possível, tampouco seria desejável
fazê-lo. E não apenas porque a história não se repete, ou porque a
conjuntura mundial é outra; e sim porque os valores que norteiam as
relações entre os países do mundo ocidental se alteraram para melhor.
Os países centrais construíram a maior parte de suas riquezas a partir
de alguns mecanismos hoje rejeitados mundialmente, – o saque, as
guerras, a escravidão e o sistema colonial. Portanto, quando trato de
desenvolvimento não me refiro propriamente ao modelo euro-norte-
americano, e sim a um modelo próprio, que se implante paralelamente
ao hegemônico (a ser corrigido, pelo menos em seus pontos críticos).
Apesar das condições adversas, a Amazônia apresenta
possibilidades concretas de estruturar formas de organização da
produção que resultem na melhoria das condições de vida de suas
populações, de construir um desenvolvimento mais equitativo, no que
concerne à justiça social e menos predatório. Não se trata de declarar
um combate fanático ao modelo hegemônico. O novo modelo pode
se estruturar paralelamente a ele porque – nunca é demais relembrar
– a Amazônia constitui a região natural mais rica em biodiversidade
e o maior banco genético do planeta, o que lhe confere infinitas
possibilidades; e o modelo hegemônico pode ser alterado, tal como ele
se apresenta nos muitos países em que a sociedade civil e os governos se
empenham, juntos e firmemente, na promoção de mais justiça social.
Citarei algumas ações que poderiam materializar um cenário futuro
bem mais justo e democrático.
a) Promover a mudança da base produtiva regional (hoje
apoiada na exportação de produtos semielaborados) num
extremo ; e no outro extremo atividades tradicionais
extrativas e agrícolas de baixa produtividade, por meio de
políticas que visem completar as cadeias produtivas, através
do setor industrial, até chegar a produtos finais capazes
de gerar emprego e renda; esta iniciativa depende de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 132 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 133

articulações políticas dos governos federal e locais, incluindo


a fiscalização do cumprimento da legislação existente e a
criação de leis que estimulem a complementação das cadeias
produtivas, tanto no caso de produtos tradicionais, como
a criação de gado, quanto nos mais novos, como aqueles
vinculados à siderurgia.
b) Intensificar a implantação de incubadoras de empresas por
universidades e institutos. Os resultados havidos até agora
são tímidos pela falta de articulação dessas instituições
com bancos de desenvolvimento, federações de indústria e
comércio; além disso, tem havido raros estudos de mercado
para os produtos novos criados; como também não há estudos
de conservação, embalagem dos produtos, identificação de
mercados possíveis e a formação de gestores para os pequenos
negócios.
c) Intensificar, por meio da pesquisa, o estudo do aproveitamento
de espécies florestais e animais da Amazônia, reforçando
as equipes de pesquisa e os laboratórios de universidades
e institutos da região, especialmente nas áreas de estudos
florestais, da química e da biotecnologia, integrando-os com
equipes e laboratórios dos centros mais desenvolvidos do
país. Assim se poderá desenvolver um modelo econômico que
propicie real aproveitamento do patrimônio natural, em favor
da sociedade brasileira. A pesquisa beneficiará a economia,
já que ela permite aumentar a produção de espécies nativas
atualmente com baixa rentabilidade, encurtar o ciclo de
cultivos de longa duração, adensar e enriquecer a floresta
com as espécies mais demandadas pelo mercado, etc.
d) Disseminar, por meio de políticas tecnicamente bem
orientadas e financeiramente viáveis, viveiros de espécies
florestais, desenvolver bancos de células de espécies em risco
de extinção e o criatório de espécies animais naturais da
região – sempre respeitando certa biodiversidade, já que,
como se tem constatado historicamente, os ecossistemas
amazônicos não toleram a homogeneidade que o mercado
quer exigir deles.
e) Desenvolver a parceria de empreendimentos locais com os
governos estaduais, federais ou entidades estrangeiras para
a criação de novos produtos derivados da biodiversidade e

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 133 14/09/2015 15:08:33


134 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

explorando o marketing “made in Amazônia” para os produtos


gerados. As experiências desse tipo têm sido numerosas em
todo o espaço amazônico, mas ao mesmo tempo têm sido
modestas pela falta de apoio governamental, o que reduz suas
chances de sucesso; delas, apenas a produção e a exportação
do açaí vem sendo totalmente exitosa.
f) A recuperação do desgaste ambiental causado pelo emprego
de práticas danosas à natureza oferece grandes possibilidades;
o reflorestamento é não só desejável mas, imperativo, já que
o descumprimento da Reserva Legal na região é de 80% e
de 50% para propriedades que não desmataram mais desde
2001.
g) Melhor aproveitamento dos pastos existentes. Na região a
média é de 1 ou menos cabeça de gado por hectare; noutras
regiões são duas cabeças; com a adubação do pasto pode-se
chegar a duas cabeças na Amazônia; com a rotação de
pastagens pode-se ter seis cabeças por hectare noutras regiões,
liberando parte das terras amazônicas para melhor uso.
h) Revogação da Lei Kandir (que isenta da cobrança do imposto
estadual na exportação de semielaborados e matérias-primas
de estados exportadores), medida que vem provocando
enormes perdas para os estados da Amazônia e aumentando a
desigualdade regional, quando a Constitutição/88 estabelece
como uma das obrigações do Estado brasileiro justamente o
oposto – o empenho na redução das desigualdades regionais.
i) A criação de novas oportunidades sob a forma de pequenos
empreendimentos ancorados nos saberes locais não dispensa
o incentivo do Estado e as redes de apoio, seja com a
finalidade de oferecer assessoria financeira, administrativa
ou técnico-científica aos produtores por meio de suas várias
instituições. É preciso, entretanto, passar de um apoio
assistencialista do Estado a uma política pública ampla
e duradoura. Destacam-se aqui as assessorias relativas à
garantia de qualidade dos produtos (inclusive sanitária),
durabilidade, formas de conservação e armazenamento,
embalagens, tipos de beneficiamento mais apropriados e
outros itens que, se não são complexos e onerosos, requerem,
entretanto, assistência e assessoramento especializado, pelos
menos em suas fases iniciais. Tais experiências inovadoras

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 134 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 135

se desenvolvem aproveitando os saberes populares e as


potencialidades que esses produtores enxergam como
acessíveis e viáveis. São modestas na sua maioria, mas geram
emprego e renda; incluem socialmente as pessoas e elevam a
autoestima dos que nelas se envolvem, tiram-nas das margens
da sociedade, engajando-as ativamente na reprodução da
vida social. Mas, são também experiências que, se de um
lado apontam caminhos, de outro exibem fragilidades
de diversos tipos. Daí porque não dispensam o apoio do
Estado e de segmentos mais estruturados da sociedade,
como universidades, institutos, fundações e outros, sob
pena de sucumbirem. E o Estado não precisa inventar novos
processos; basta ajustar a eles os apoios e facilidades que
concedeu sempre aos empreendimentos convencionais e
para os quais os sistemas econômico e financeiro estiveram
sempre voltados.
j) Além dos pequenos empreendimentos experimentais
mencionados, o incentivo por meio de políticas públicas a
empresas que mesmo tendo perfil convencional, pelo simples
fato de lançarem no mercado produtos novos, inaugurando
linhas de aproveitamento e valorização da biodiversidade e
por não serem simples exportadoras de produtos primários,
já contribuem com inserção social maior de pessoas e
internalização maior de benefícios nas localidades onde se
instalam. E em relação à natureza, elas não só estabelecem
uma articulação mais saudável, porque se interessam por sua
sobrevivência, como revertem o jogo perverso da destruição,
substituindo-o pelo da valorização e da conservação.

Considerações finais
O passado deve servir de reflexão e aprendizado, e não como
sina ou destino futuro. É preciso considerar que o futuro é construído
sobre utopias formuladas no presente e não, necessariamente, como
uma continuidade do passado. E que, entre o passado e o futuro, há
um presente que nos chama à razão e nos incita a uma ruptura com o
passado e à projeção de um futuro melhor e mais solidário.
Estabelecer uma ruptura com o passado significa experimentar
novos caminhos, testar possibilidades e aproveitar oportunidades com
base nas riquezas regionais e nos saberes locais mas, fazê-lo com o

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 135 14/09/2015 15:08:33


136 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

apoio conferido por suportes técnicos e científicos. A ruptura exige a


coragem de inventar formas de produção e de convivência social menos
excludentes e mais solidárias. Trata-se, sem dúvida, de um risco, como
é arriscado tudo o que é novo. Mas, perpetuar o passado e projetá-lo
para o futuro significa cumprir um destino de desigualdade e violência
crescentes que conhecemos e rejeitamos, sem contudo esforçar-nos
suficientemente em mudá-lo. Nenhuma utopia, seja a do progresso ou
do desenvolvimento, justifica a violação aos direitos dos pobres e das
minorias étnicas, que são grupos sociais sabidamente hipossuficientes
ante aos grupos econômicos e o Estado. Um Estado moderno é tanto
mais democrático quanto mais serve ao interesse público, quando
protege os pobres e as minorias contra a violência social, resguarda a
natureza contra a predação desmedida (como a que ocorre na região),
e quando concilia o real desenvolvimento com o respeito aos direitos
humanos.
Projetar outro futuro requer o reconhecimento de que, ao lado
dos saberes científicos e das ideologias que se consagraram como únicas
(que prometem o progresso, o desenvolvimento e a modernização) e que
se impuseram pela força da dominação econômica, há os saberes locais,
que foram validados por séculos de convívio com a natureza. E como
se trata de uma natureza ímpar, não é conhecida pelos cientistas dos
países centrais como o é pelas sociedades locais; e assim, não podem
ser aplicados a ela, pelo menos mecanicamente, os conhecimentos e
os modelos formulados para outras naturezas, menos ricas, menos
complexas e, por isto mesmo, mais conhecidas dos países centrais. Há,
portanto, que conjugar saberes e esforços, aliar vontades e, respeitando
as diferenças, construir um futuro comum, onde haja lugar para todos,
seja melhor para todos e não para alguns apenas. Este é o cenário a
que aspiramos!

Referências
BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm>. Acesso em: 15 set. 2013.

BASA; UFPa. Desenvolvimento econômico da Amazônia. Belém, 1967.

BRAGA, Vincius. Soja e eucalipto para recuperação de pastagens no sudeste


parense. Embrapa, maio 2015. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-
de-noticias/-/noticia/2673414/soja-e-eucalipto-para-recuperacao -de-pastagens-
no-sudeste-paraense. Acesso em: 10 maio 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 136 14/09/2015 15:08:33


Capítulo 4 • O novo modelo colonial amazônico: reflexões sobre cenários possíveis 137

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CALIXTO, Bruno. Artigos com a tag ‘desmatamento’. Época, 2012. Blog


do Planeta: o meio ambiente que você faz. Disponível em: <http://colunas.
revistaepoca.globo.com/planeta/tag/desmatamento/page/4/>. Acesso em: 15 set.
2014.

CARVALHO, José da Silva Seráfico de Assis. [2013]. A biodiversidade


e a potencialidade econômica da Amazônia. Disponível em: <www.
desenvolvimento.gov.br/arquivo/secex/sti/indbrasopodesafios/revuniamazonas/
art4Serafico.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2015.

GUEDES FILHO, Ernesto Moreira. Inflação nas décadas de 80 e 90 e os


planos de estabilização. São Paulo, 2007. Disponível em: <http://www.febraban.
org.br/7rof7swg6qmyvwjcfwf7i0asdf9jyv/sitefebraban/3a_tendencias.pdf>.
Acesso em: 10 jan. 2015.

FRIEDMANN, Susan Stanford. O falar da fronteira, o hibridismo e a


performatividade: teoria da cultura e da identidade nos espaços intersticiais da
diferença. Rev. Crítica de Ciências Sociais, n. 61, p. 1-28, 2001.

GUIMARÃES, Ed Carlos de Sousa. Trabalho cativo por dívida na Amazônia


Paraense: um estudo sobre as relações sócio-jurídicas entre “gatos”, fazendeiros
e trabalhadores rurais. 2005. 238 f. Dissertação (Mestrado)- Programa de
Pós-Graduação em Direito, Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal
do Pará, Belém.

HIRSCHMAN, Albert. Desenvolvimento por efeitos em cadeia: uma abordagem


generalizada. Estudos CEBRAP, n. 18, out./dez., 1976.

IBGE. Censo demográfico 1960. Minas Gerais, 1960. Disponível em: <http://
biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/68/cd_1960_v1_t9_mg.pdf>.
Acesso em: 15 set. 2014.

IBGE. Censo demográfico 1970. Rio de Janeiro, 1970. Disponível em: <http://
biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/instrumentos_de_coleta/doc0055.pdf >.
Acesso em: 15 set. 2014.

IBGE. Censo demográfico 1980. Rio de Janeiro, 1980.

IBGE. Censo demográfico 1991. Rio de Janeiro, 1991.

IBGE. Censo demográfico 2000. Rio de Janeiro, 2000.

IBGE. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010.

IBGE. Contas regionais 2011. Rio de Janeiro, 2011a. Anexo: lista de unidades
federativas, regiões por PIB e PIB per capita. Disponível em: <http://www.ibge.
gov.br/home/estatistica/economia/contasregionais/2011/>. Acesso em: 15 set.
2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 137 14/09/2015 15:08:34


138 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD 2009/2011. Rio


de Janeiro, 2011b. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/
populacao/trabalhoerendimento/pnad2011/default_brasil.shtm>. Acesso em:
15 set. 2014.

IMAZON. A amazônia e os objetivos do milênio. Imazon, 2010. Disponível em:


<http://imazon.org.br/a-amazonia-e-os-objetivos-do-milenio-2010/>. Acesso em:
15 set. 2014.

LOUREIRO, Violeta R. Amazônia no século XXI: novas formas de


desenvolvimento. São Paulo: Empório do Livro, 2009.

LOUREIRO, Violeta R. Préjugés et modèle: les plans d’intégration économique


de 1’Amazonie brésilienne où la modernisation a rebours. Cahiers du Brésil
Contemporain, n. 21, 1993.

LOUREIRO, Violeta R. Pressupostos do modelo de integração da Amazônia


brasileira aos mercados nacional e internacional em vigência nas últimas
décadas: a modernização às avessas. In: COSTA, Maria José Jackson; BARP,
Wilson José. (Org.). Sociologia na Amazônia: debates teóricos e experiências de
pesquisa. Belém: UFPA, 2001.

LYONS, John; KIERNAN, Paul. Mineradoras aceleram seu avanço na Amazônia


brasileira. The Wall Street Journal, Dec. 2012.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO –


PNUD. Atlas do desenvolvimento humano. 1990.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO –


PNUD. Atlas do desenvolvimento humano. 2013. Disponível em: <http://www.
pnud.org.br/arquivos/destaques-idhm-2010.pdf>. Acesso em: 15 set. 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Poderá o direito ser emancipatório? Revista


Crítica de Ciências Sociais, n. 65, p. 3-76; p. 18, 2003.

VIEIRA, Ima Célia G. et al. Diversidade biológica e cultural da amazônia.


Belém: MPEG, 2001.

WALLERSTEIN, Immanuel. M. Le système-monde du XVe siècle à nos jour.


Paris: Flammarion, 1980. Disponível em: <http://colunas.revistaepoca.globo.
com/planeta/tag/desmatamento/page/4/>. Acesso em: 15 set. 2013.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 138 14/09/2015 15:08:34


Capítulo 5

A conservação da
biodiversidade como
estratégia competitiva para
a Amazônia no antropoceno
José Maria Cardoso da Silva

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 139 14/09/2015 15:08:34


140 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Biodiversidade é toda a variação de espécies e ecossistemas que


existe no planeta. Ela inclui a variedade dentro das espécies, entre as
espécies, dentro de ecossistemas e entre os ecossistemas. É esta enorme
variação, resultado de bilhões de anos de evolução, que permite a
nossa sobrevivência. Sem ela, não seríamos o que somos e sem ela não
poderemos realizar todo o nosso potencial. A conexão homem-natureza
é muito fácil de entender, pois basta um pouco de senso comum
para compreender que o ar puro que ainda respiramos, a água que
bebemos, parte da energia que consumimos e o alimento que comemos
dependem inteiramente dos ecossistemas naturais que nos cercam. Em
síntese, não é possível haver humanidade sem biodiversidade.
Apesar de nossa dependência em relação à biodiversidade ser
tão grande, continuamos a destruí-la a uma taxa nunca antes vista na
história do planeta. A história da vida sobre a Terra é marcada por
períodos de grande diversificação seguidos por períodos de extinção
em massa. O estudo dos fósseis registra pelo menos cinco grandes
períodos de extinção em massa (JABLONSKI, 1994). O último ocorreu
há cerca de 65 milhões de anos, possivelmente causado pela queda de
enorme meteoro, que afetou, entre outros, os grandes dinossauros que
então povoavam o nosso planeta. Infelizmente, há fortes evidências
que estamos promovendo a sexta grande onda de extinção, muito
mais rápida e destrutiva que todas as outras (BARNOSKY et al., 2011).
Nunca antes na história do planeta uma espécie sozinha conseguiu
influenciar negativamente tantas espécies de uma vez só. Desta vez, o
meteoro somos nós!
Diariamente, extensas áreas de ecossistemas naturais são
convertidas em áreas antropizadas. Atualmente, cerca de 38% da
superfície terrestre está ocupada por paisagens agrícolas (FOLEY
et al., 2011) e o processo de antropização parece não ter fim. Entre
2000 e 2012 foram convertidos mais de 2 milhões de km2 de florestas
ao redor do planeta, sendo que 48% na região tropical (HANSEN et
al., 2013). Uma das consequências mais visíveis da transformação na
paisagem é a extinção de espécies. Contando com o apoio de cientistas
de vários lugares do mundo, a União Internacional para a Conservação
da Natureza avaliou a situação de 74.106 espécies de vários tipos de
organismos. Destas, 30% podem ser consideradas como ameaçadas
de extinção. As espécies ameaçadas têm os seus valores intrínsecos e
do ponto de vista moral nunca deveriam ser perdidas. Do ponto de
vista puramente utilitário, representam os nossos canários na mina,
sinalizando que algo precisa ser feito urgentemente para recuperar a
saúde do planeta.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 140 14/09/2015 15:08:34


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 141

Já estamos em uma nova era geológica -- Antropoceno -- marcada


pelo impacto significativo das atividades humanas sobre todos os
processos biofísicos do planeta (CRUTZEN; STOERMER, 2000).
A nossa espécie se tornou uma força de tal magnitude, que as mudanças
causadas por nós já começaram a ser escritas no registro fóssil. Desde a
Revolução Industrial do final do século XVIII até agora, a humanidade
conseguiu mudar de forma irreversível o ciclo do carbono, o ciclo do
nitrogênio e a taxa da extinção de espécies (STEFFEN et al., 2011).
O avanço tecnológico possibilitou a criação de novas substâncias que
podem persistir por milhões de anos. A facilidade de transporte
permitiu que deslocássemos – de modo intencional ou não – várias
espécies ao redor do mundo. Estamos freneticamente criando novos
tipos de ecossistemas – antromas – em todos os lugares. Infelizmente,
os antromas são ecossistemas simples, biologicamente empobrecidos e
pouco resilientes para proteger a humanidade dos eventos climáticos
extremos que estão por vir (ELLIS, 2011).
Em um mundo dominado por antromas, qual será o papel da
biodiversidade e dos serviços ambientais das últimas grandes áreas
naturais? Deveriam elas seguir a trajetória de uso e simplificação ocorrida
em outras regiões? Deveriam ser elas conservadas integralmente? Neste
capítulo, o papel da Amazônia – a maior região de florestas tropicais
do planeta – no Antropoceno é discutido. Primeiro, descreve-se a
biodiversidade da região e os seus serviços ambientais globais. Depois,
defende-se a noção de que a população amazônica deveria optar por
um desenvolvimento social e econômico baseado na conservação e no
uso sustentável da biodiversidade. Por fim, são descritos três grandes
programas regionais que podem ajudar a posicionar a região como o
epicentro global do desenvolvimento sustentável.

O que é a Amazônia?
A Amazônia estende-se por uma área de cerca de sete milhões de
quilômetros quadrados. Comparado com os outros dois maiores blocos
de floresta tropical do planeta, a Amazônia é três vezes maior do que as
florestas do Congo, na região central da África, e oito vezes maior do
que as florestas da ilha de Nova Guiné. Como único e contínuo bloco
de floresta, somente as florestas boreais da Rússia são maiores, mas são
muito mais pobres do que a Amazônia em termos de biodiversidade
(MITTERMEIER et al., 2002). Atualmente, a Amazônia representa
53% do que resta das florestas tropicais existentes no planeta
(MITTERMEIER et al., 2003).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 141 14/09/2015 15:08:34


142 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Apesar da sua natureza florestal, a Amazônia não é somente


floresta. Vários outros ecossistemas únicos existem na região, desde
imensos campos sazonalmente alagados, até os mais bem protegidos
manguezais do planeta. A região também abriga o maior e mais
volumoso rio da terra. O Amazonas possui entre 6.500 e 6.800 km de
extensão, drena cerca de 38% da América do Sul e é responsável por
15 a 16% da água doce que chega aos oceanos do mundo. A descarga
média do Amazonas é estimada em 214 milhões de litros por segundo,
ou seja, cinco vezes mais que a do Congo e 12 vezes mais que a do
Mississipi (GOULDING, 1980).

Figura 1. Do ponto de vista biogeográfico.


Fonte: Borges e Silva (2012).

Independentemente do ponto de vista que se adote, a Amazônia


não é uma, mas várias. Por exemplo, do ponto de vista político, a
Amazônia inclui territórios de nove países: Brasil, Peru, Colômbia,
Venezuela, Bolívia, Guiana, Suriname, França (representada pela
Guiana Francesa) e Equador. Do ponto de vista biogeográfico, a
Amazônia é composta de nove sub-regiões, ou áreas de endemismo,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 142 14/09/2015 15:08:34


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 143

muito distantas: Guiana, Imeri, Jaú, Napo, Inambari, Rondônia,


Tapajós, Xingu e Belém (BORGES; SILVA, 2012). As sub-regiões são
como enormes “ilhas” de floresta separadas pelos grandes rios da
região, cada qual abrigando um conjunto único de espécies (SILVA;
RYLANDS; FONSECA, 2005; WALLACE, 1852).
Do ponto de vista biogeográfico, a Amazônia não é uma região
só, mas um mosaico de áreas cada qual com um conjunto único de
espécies endêmicas, ou seja, não encontradas em nenhum outro lugar
do planeta. Para aves, são reconhecidas nove áreas de endemismo
(BORGES; SILVA, 2012)
Cerca de 34 milhões de pessoas vivem na Amazônia, ou seja, 10%
da população da América do Sul (ARA, 2011). A maioria (65%) habita
núcleos urbanos, por isso Becker (2005) denomina a Amazônia “a floresta
urbanizada”. A Amazônia é muito diversa culturalmente, com mistura
das influências indígenas, africanas e europeias. A cultura indígena
é a mais forte na Amazônia rural. Cerca de 375 povos indígenas, que
falam 240 línguas, vivem na região. A densidade demográfica média
da região é baixa, com 4,5 habitantes por km2. A população abaixo da
linha da pobreza na região varia de 27%, na Guiana Francesa, até 60%,
na Bolívia (ARA, 2011).

A biodiversidade amazônica e seus benefícios


A Amazônia apresenta forte diversidade tanto dentro e entre
espécies, como dentro e entre ecossistemas. A vasta heterogeneidade
ambiental existente sob a aparente uniforme cobertura florestal ainda
surpreende os cientistas. É esta grande variação em solo, topografia
e clima que permite a manutenção de tantas espécies e ecossistemas.
A heterogeneidade ambiental não é e nunca foi estática, mas varia
ao longo do tempo, ao sabor das inúmeras mudanças geológicas que
ocorreram e que ainda ocorrem no planeta. É o permanente estado
de fluxo que fez com que a Amazônia se tornasse uma das mais
poderosas fábricas de espécies e novidades evolutivas já existentes na
história da Terra.
O mecanismo mais comum de formação de espécies na região é
muito simples. Espécies ancestrais amplamente distribuídas têm suas
populações separadas pelo aparecimento de barreiras geográficas,
tal como rios, devido à dinâmica geomorfológica da região. Em
isolamento, as populações se diferenciam geneticamente ao longo do
tempo, dando origem a espécies distintas. Após alguns milhares ou

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 143 14/09/2015 15:08:34


144 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

milhões de anos, as barreiras tendem a desaparecer e as espécies-irmãs


formadas durante o isolamento geográfico se dispersam pela região,
passando a conviver lado a lado.O repetido processo de isolamento
geográfico devido à formação de barreiras seguido por dispersão
gerou e continua gerando o alto número de espécies encontradas na
região (GARDA; SILVA; BAIÃO, 2010).
Não temos certeza de quantas espécies vivem na região. Há ainda
extensas áreas não exploradas por cientistas. Mesmo se cobríssemos
toda a região com amostragens adequadas, o número de cientistas
existentes hoje para processar e identificar todas as amostragens
seria insuficiente. Para complicar mais, análises moleculares recentes
demonstram que mesmo as espécies que pensávamos conhecer tão
bem são, na verdade, formadas por duas ou mais espécies. Apesar de
todas as limitações, sempre é possível fazer uma estimativa modesta da
riqueza de espécies na região. Para isto um cálculo bem simples pode
ser útil. Para os grupos mais conhecidos de vertebrados, sabemos que
a Amazônia abriga ao redor de 10% das espécies existentes. Se esta
proporção for extrapolada para outros grupos de animais e plantas
e se assumirmos que o número de espécies não-marinhas do planeta
é de 6,5 milhões (MORA et al., 2011), então podemos predizer que
a Amazônia pode abrigar pelo menos 650.000 espécies. Nenhuma
região do planeta acumula tanta biodiversidade.
A biodiversidade amazônica contribui com serviços ambientais
críticos para a região, para o continente e para o planeta. Oferta
abundante de água, alimentação, madeira, transporte, energia,
turismo e inspiração para novos produtos são alguns dos serviços
mais facilmente reconhecidos pela população da região. Do ponto de
vista global, além da importância da Amazônia para a proteção de
parcela significativa da biodiversidade do planeta, a região também é
importante para dois serviços essenciais: carbono e água.
Os ecossistemas amazônicos estocam grande quantidade de
carbono, o elemento que compõe 50% do peso seco das árvores.
O carbono também é estocado no solo sob as florestas. Estima-se
que a Amazônia tenha estoque entre 100-120 bilhões de toneladas de
carbono. Quando a floresta é desmatada, muito do carbono estocado é
emitido para a atmosfera. As emissões de carbono geradas pelo homem
são consideradas a principal causa das mudanças climáticas no planeta.
Enquanto a maioria (cerca de 70%) do carbono emitido globalmente é
proveniente dos combustíveis fósseis, os 30% restantes são provenientes
das mudanças de uso da terra, incluindo aí o desmatamento. Portanto,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 144 14/09/2015 15:08:34


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 145

manter o carbono existente nas florestas amazônicas estocado é de


interesse estratégico global, pois já há consenso que precisamos reduzir
significativamente as emissões de carbono para a atmosfera.
A Amazônia também é uma complexa máquina que recicla e
exporta água para outras regiões da América do Sul. Devido à rotação
da terra, os ventos entram na região a partir do Nordeste, trazendo
água do Oceano Atlântico. A água cai em forma de chuvas. Uma porção
da água da chuva é reciclada pelas árvores via evapotranspiração e
volta para a atmosfera. A água pode cair na região em forma de chuvas
ou pode ser carregada para outras regiões (SALATI, 2001). Sabe-se
hoje que parte importante desta água alimenta, com chuvas, o Centro-
Sul do Brasil e os países platinos, onde grande parte da população e
da produção agrícola e industrial da América do Sul está concentrada.
Se a floresta amazônica for convertida em pastagens, essa complexa
máquina produtora de chuvas pode reduzir significativamente sua
produção e causar, entre outras coisas, graves crises na oferta de água
para consumo e produção de energia em megacidades como Rio de
Janeiro e São Paulo (FEARNSIDE, 2004).

A Amazônia no Antropoceno
A Amazônia já perdeu cerca de 20% de sua vegetação original.
Importante parte da conversão da floresta está concentrada no
Brasil, principalmente nos Estados do Pará, Tocantins, Mato Grosso,
Rondônia e Acre. Os 80% restantes estão divididos em dois grandes
grupos: (a) as áreas protegidas (cerca de 50%) que incluem todas as
unidades de conservação de uso direto e indireto, terras indígenas
e outros espaços legalmente dedicados à conservação; (b) as áreas
florestais não protegidas (cerca de 30%), que são as áreas de floresta,
geralmente públicas, cujo destino ainda não foi estabelecido pelos
governos nacionais.
Assumindo um cenário muito otimista no qual as áreas protegidas
serão efetivamente implementadas e as populações tradicionais da região
receberão apoio para manejar e manter a integridade de suas extensas
terras, então o futuro da Amazônia como gigantesco sistema ecológico
funcional será decidido pela alocação dos 30% de florestas ainda não
protegidas. Se os 30% forem mantidos como florestas intactas ou sob
algum tipo de manejo sustentável, então a Amazônia poderá continuar
prestando os serviços ambientais que todos nós estamos acostumados
a ver. Se os 30% forem convertidos em ecossistemas simplificados,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 145 14/09/2015 15:08:34


146 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

corre-se o risco de que a região entre em colapso por meio das sinergias
criadas entre mudanças climáticas globais, desmatamento e incêndios
florestais, com consequências desastrosas para bilhões de pessoas ao
redor do planeta (VERGARA; SCHOLZ, 2011). A América do Sul e o
mundo precisam que entre 70 e 80% da Amazônia continuem sendo
floresta (SAMPAIO ET AL., 2007).
No Antropoceno, extensas áreas de florestas serão a exceção.
Elas serão oásis de recursos naturais abundantes e disponíveis que
sustentarão amplo conjunto de bens e serviços de alto valor agregado
e indispensáveis para a porção da humanidade que viverá distante
de tais áreas. Como qualquer recurso escasso, o valor destas áreas
naturais intactas para a humanidade aumentará significativamente
(BECKER, 2005). Assumindo que as tendências de uso dos recursos
naturais ao redor do mundo não mudem significativamente nos
próximos 50-100 anos, então é possível predizer que a melhor opção
para os países amazônicos é fazer um esforço concreto para promover
o desenvolvimento socioeconômico da população atual mantendo seus
estoques atuais de recursos naturais renováveis intactos. Se fizerem
isso, estes países terão uma vantagem competitiva enorme no futuro.
Eles poderão se tornar as próximas lideranças globais.

Amazônia: o epicentro do
desenvolvimento sustentável global
O conceito de proteger a Amazônia agora para garantir
uma liderança global no futuro não é novo (BECKER, 2005). Ele já
faz parte das políticas nacionais de vários países sul-americanos.
países como Colômbia e Peru já adotam como política nacional a
conservação total dos seus setores amazônicos. Países como Guiana,
por exemplo, estão adotando políticas de desenvolvimento de baixo
carbono. A França continua mantendo os altos subsídios econômicos
para garantir a integridade florestal da sua Guiana. Apesar dos
avanços nas suas políticas nacionais para conter o desmatamento, os
maiores vilões regionais do desmatamento continuam sendo Brasil e
Bolívia. Na Bolívia, grande parte do desmatamento é gerada a partir
da expansão da agricultura brasileira rumo ao país vizinho. No caso
do Brasil, o desmatamento é causado pela expansão da pecuária e da
agricultura, seguindo o estabelecimento de estradas e outras obras de
infraestrutura. Mesmo que não haja nenhuma justificativa racional
para continuar substituindo a floresta amazônica por ecossistemas

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 146 14/09/2015 15:08:34


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 147

antrópicos de baixa diversidade e baixa resiliência ecológica (VIEIRA;


SILVA; TOLEDO, 2005), a falta de incentivos e governança na escala
local limita o alcance das boas políticas públicas nacionais.
Para posicionar a Amazônia como epicentro do desenvolvimento
sustentável global, os governos dos nove países da região precisam
desenvolver uma política integrada de desenvolvimento baseada em
três programas básicos, que correspondem aos maiores tipos de uso
de terra da região: (a) florestas produtivas, (b) paisagens antrópicas
sustentáveis; (c) cidades sustentáveis.

Floresta produtiva
O programa floresta produtiva é um programa moderno de
desenvolvimento rural para áreas florestais, cujos objetivos principais
de curto prazo são reduzir o desmatamento bruto a quase zero e retirar
da miséria extrema todas as populações rurais vivendo dentro ou fora
de áreas protegidas. O programa deve ter três amplos subprogramas:
(a) criação e consolidação de áreas protegidas; (b) programa de
transferência de renda e (c) planos locais de desenvolvimento sustentável.
O componente de áreas protegidas tem como objetivo principal
proteger 80% da Amazônia com a criação de unidades de conservação,
sejam elas públicas ou privadas, terras indígenas e outros mecanismos
de conservação, tais como reservas de água ou reservas de carbono.
A fundamentação lógica para esse argumento é a evidência histórica
de que as áreas protegidas são ainda a forma mais efetiva de conter o
desmatamento na região (VIEIRA; SILVA; TOLEDO, 2005; RAISG,
2012). A criação de áreas protegidas retira terra pública do mercado
e diminui significativamente as expectativas de ganhos futuros pelos
atores sociais que vivem da especulação fundiária. Além disso, ela
transfere para as populações locais os direitos de uso de seus territórios
tradicionais, diminuindo assim a concentração de poder nas mãos de
poucos. Assim, as áreas protegidas ajudam também a reduzir conflitos
e trazer paz à região. Já que a maioria das áreas cobertas por floresta
ainda são públicas, a criação formal de áreas protegidas permitiria
também maior controle público sobre seu manejo e a criação de
mecanismos de parceria público-privadas para mantê-las dentro
dos melhores critérios globais de sustentabilidade. Como a moderna
ecologia sugere, as áreas protegidas não devem ser manejadas de
maneira isolada, mas sim gerenciadas como partes de extensos
corredores de biodiversidade, visando garantir a conectividade de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 147 14/09/2015 15:08:35


148 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

parcelas significativas dos ecossistemas regionais, aumentar sinergias e


reduzir os custos de gestão (GARDA; SILVA; BAIÃO, 2010).
O componente de transferência de renda é essencial para que
as populações rurais tenham apoio para sair da pobreza extrema e
recebam incentivos para continuar ajudando a manter a floresta em pé.
Programas socioambientais financiados pelo orçamento público, tais
como o Bolsa-Floresta (Amazonas), Bolsa-Verde (Governo do Brasil), e
Socio-Bosque (Ecuador), são bons modelos que podem ser adaptados
e replicados na região. Esses programas não custam muito, produzem
resultados sociais rápidos e são politicamente aceitáveis. Há duas
fortes críticas aos programas de transferência de renda. O primeiro
é que eles podem ser usados como instrumentos de manipulação
política visando à preservação de grupos políticos atualmente no
poder. O segundo é que eles podem aumentar a dependência das
populações rurais em relação aos governos centrais, ao reduzir suas
capacidades intrínsecas de empreendedorismo e inovação. Para
contornar a primeira crítica é preciso que todos os partidos políticos
concordem que este é um mecanismo de redistribuição de renda que
gera resultados socioambientais concretos e que as ações devem ser
vistas como programas de Estado, e não de governos. Para responder
à segunda crítica, é necessário criar planos locais de desenvolvimento
sustentável para os municípios com extensa cobertura florestal e altos
índices de pobreza extrema.
O componente dos planos locais de desenvolvimento sustentável
é o primeiro passo essencial para garantir a boa governança dos
municípios amazônicos. Os governos locais da Amazônia têm capacidade
muito limitada de prover serviços para seus cidadãos e capacidade
praticamente nula de planejar o uso sustentável dos territórios e de
fazer pressão junto aos governos centrais para atrair mais recursos.
Como consequência, os municípios que possuem a maior cobertura
florestal na região são também os mais pobres e estão em permanente
crise de governança. Historicamente, os municípios amazônicos são
alvos de projetos setoriais dos governos centrais, que são geralmente
concebidos bem distantes da realidade. Muitas vezes os projetos não
conversam entre si, possuem objetivos conflitantes e são, portanto,
propensos ao fracasso. Os municípios são vistos como agentes passivos
da boa vontade dos governos centrais. Para resolver isso, é preciso
voltar ao básico. O desenvolvimento deve ser compreendido como um
fenômeno local e é nessa escala que a capacidade de planejamento e
execução deve estar. Nesta ótica, os governos centrais deveriam atuar

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 148 14/09/2015 15:08:35


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 149

como facilitadores e apoiadores dos governos municipais em sua busca


por um desenvolvimento justo e sustentável. Um mecanismo de se fazer
isso é com planos locais de desenvolvimento sustentável, elaborados
de forma participativa com todos os atores sociais, para alinhar os
planos setoriais dos governos centrais com as prioridades locais e criar
mecanismos de execução mais efetiva. Os planos devem ser compostos
basicamente do seguinte: (a) uma aliança local formal entre governo e
agentes da sociedade visando à construção de um plano integrado de
desenvolvimento sustentável; (b) um diagnóstico contendo a linha de
base do desenvolvimento socioambiental do município; (c) um plano
contendo visão e metas socioambientais concretas a serem atingidas
em quatro anos; (d) um processo participativo de seleção de projetos
prioritários para execução; (e) uma rede de parceiros e recursos
financeiros para a execução dos projetos prioritários; (f) um sistema de
comunicação, monitoramento, avaliação.
O processo de planejar, priorizar e concentrar esforços para
atingir metas socioambientais relevantes exige dos governos locais
disciplina e capacidade de alavancagem de recursos via a formação
de alianças e parcerias estratégicas. As duas qualidades é que vão
estimular o empreendedorismo local e aumentar a qualidade dos
serviços públicos. Com tempo, educação, investimentos pequenos,
mas permanentes, e paciência, os municípios poderão inventar novas
atividades econômicas utilizando-se da combinação de conhecimento
tradicional e tecnologias apropriadas ao manejo sustentável da floresta,
que vão além do extrativismo primário. A sequência de intervenções
para cada município deve ser cuidadosamente planejada e cocriada
junto com a sociedade local e parceiros. O procedimento busca evitar
o mais comum erro do passado, que era a proliferação de um conjunto
de projetos-piloto setoriais de vida curta espalhados pela região e sem
qualquer poder de transformação social.
O financiamento desse imenso programa socioambiental deve
vir dos orçamentos nacionais e da comunidade internacional, pois
os benefícios ambientais advindos do esforço irão muito além das
fronteiras dos países amazônicos. Fearnside (1997) tinha já apontado
que o desenvolvimento sustentável na Amazônia deveria ser baseado
nas contribuições globais para a manutenção dos serviços ambientais
que a região presta ao mundo: biodiversidade, carbono e água.
O modelo mais utilizado pela comunidade internacional
para apoiar o desenvolvimento da Amazônia tem sido via projetos
estratégicos. Os recursos destes projetos são canalizados por diferentes

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 149 14/09/2015 15:08:35


150 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

fontes, desde bancos regionais de desenvolvimento até organizações


não governamentais. Geralmente os recursos são pouco flexíveis e têm
duração limitada. Esse tipo de recurso foi importante para aumentar
o conhecimento e a proteção da Amazônia e apoiar a criação de uma
sociedade civil regional vibrante. Entretanto, o momento é outro.
A região precisa de parceria internacional para ir além do conceito de
projetos estratégicos, pouco flexíveis e de curta duração. É necessário
criar fluxos financeiros flexíveis e permanentes em troca de avanços
socioambientais concretos.
Os mais interessantes e inovadores de todos os mecanismos
recentes de colaboração internacional são os acordos bilaterais entre
Noruega e alguns países amazônicos, tal como Guiana e Brasil.
O governo norueguês dedicou recursos consideráveis (US$ 250
milhões para a Guiana e US$ 1 bilhão para o Brasil) cujo desembolso
é condicionado, entre outras coisas, a metas claras de redução do
desmatamento. Esse modelo de apoio baseado em performance poderia
ser seguido por outros países e também por corporações que emitem
grandes quantidades de carbono para a atmosfera. O mecanismo
ainda não está livre de problemas. O maior deles é a falta de agilidade
para fazer que recursos tão essencias cheguem à ponta, aos que mais
precisam, aos verdadeiros agentes do desenvolvimento regional.
Há também a possibilidade de que o setor financeiro
internacional, que pouco ou nada contribui para a sustentabilidade
do planeta, volte a se interessar pelo mercado de carbono. Entretanto,
o interesse depende tanto de um consenso global sobre a viabilidade
política e financeira desse instrumento de mitigação das mudanças
climáticas globais, como da criação de políticas nacionais que regulem
e incentivem esses mercados (BECKER, 2005). Há muitas barreiras
políticas à adoção de mecanismos de mercado para serviços ambientais
em toda a Amazônia. Países importantes, tais como Bolívia e Venezuela,
opõem-se a um mercado global de carbono, pois ideologicamente eles
são contrários à mercantilização dos serviços ambientais.

Paisagens antrópicas sustentáveis


O fim da expansão da fronteira amazônica vai se dar pela
transformação das áreas já desmatadas em paisagens antrópicas
sustentáveis (BECKER, 2005; VIEIRA; SILVA; TOLEDO, 2005). Uma
paisagem antrópica sustentável pode ser definida como um espaço
geográfico cuja matriz é dominada por ecossistemas antrópicos

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 150 14/09/2015 15:08:35


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 151

e no qual a sociedade faz o melhor uso dos serviços ecossistêmicos,


tecnologias e práticas para melhorar a vida da população com o
aumento da produtividade econômica, a proteção da biodiversidade e
serviços ecossistêmicos, a redução da poluição e emissões de gás estufa,
assim como pelo aumento da resiliência da paisagem contra mudanças
climáticas.
O objetivo principal do programa de paisagens antrópicas
sustentáveis seria o de encerrar o desperdício de recursos naturais
existente na região e promover ampla mobilização de esforços e recursos
para que os quase 700.000 km2 – área maior do que Minas Gerais –
que já foram desflorestadas na Amazônia possam ter destinação social
e produtiva adequada.
Cerca de 60% das áreas desmatadas na Amazônia são ocupadas
hoje por pastagens, geralmente pouco produtivas. Já há tecnologias que
permitem a redução significativa das áreas de pastagem mantendo o
mesmo tamanho do rebanho (BARRETO et al., 2013). Muitas áreas
poderiam ser ocupadas por sistemas agroflorestais, que são formas de
uso e manejo da terra nos quais árvores ou arbustos são utilizadas em
associação com cultivos agrícolas e/ou com animais, no mesmo espaço, de
maneira simultânea ou em uma sequência temporal (VIANA; DUBOIS;
ANDERSON, 1996). Os sistemas agroflorestais são muito mais resilientes
às mudanças do clima do que pastagens ou monoculturas. Além disso,
eles permitem o uso prolongado da terra, mantendo sua capacidade
produtiva, e contribuem para a segurança alimentar de agricultores,
principalmente os que praticam agricultura familiar. Um dos maiores
problemas para a ampla adoção de sistemas agroflorestais na região
é que a sua implantação e manejo nos primeiros anos exigem forte
demanda de trabalho, a qual somente será compensada a partir
do quarto ou quinto ano. Entretanto, em longo prazo, os sistemas
agroflorestais são mais vantajosos do ponto de vista econômico, pois
eles podem oferecer diversos produtos durante o ano e seus custos de
manutenção são relativamente baixos, quando comparados com outros
usos da terra (VIANA; DUBOIS; ANDERSON, 1996).
Florestas secundárias altas precisam ser protegidas pois elas
ainda conseguem manter populações de animais e plantas ameaçados
de extinção (VIEIRA; SILVA; TOLEDO, 2005). Florestas ao longo
dos rios e nas áreas com grande declive precisam ser restauradas
para manter a qualidade da água e evitar erosão, respectivamente.
As poucas florestas ainda intactas dessa enorme região precisam ser
protegidas. No caso do Brasil, a implementação efetiva do código

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 151 14/09/2015 15:08:35


152 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

florestal permitirá a conexão das florestas originais remanescentes com


o manejo adequado das reservas legais e áreas de proteção permanente.
Incentivos fiscais poderiam ser criados para fomentar programas de
reflorestamento nas áreas importantes para a biodiversidade e serviços
ambientais visando garantir a resiliência do sistema. Planos de gestão
de bacias hidrográficas que possuem forte pressão de atividades
econômicas poderiam servir de mecanismo legal para acordos locais
de pagamentos de serviços ambientais.
Os planos municipais de desenvolvimento sustentável deveriam
seguir o mesmo processo descrito anteriormente para os municípios
cuja paisagem é predominantemente florestal, apesar de os objetivos
serem bem distintos (GUIMARÃES et al., 2011). O maior desafio
dos municípios amazônicos dominados por paisagens antrópicas
é operacionalizar as boas políticas estruturadas pelos governos
centrais. O Brasil, por exemplo, possui excelentes políticas nacionais
fomentando agricultura de baixo carbono, agricultura orgânica e
sistemas agroflorestais. Entretanto, estas políticas não são consolidadas
e implementadas de modo consistente na escala do município por falta
de capacidade local de execução.
Há extensas áreas na Amazônia que podem ter alto valor para
atividades de mineração, exploração de óleo e gás, e estabelecimento
de hidroelétricas (RAISG, 2012). Algumas estão em áreas cobertas
por florestas, mas outras estão em áreas já desmatadas. Os governos
nacionais da região deveriam ser estratégicos na concessão de direitos
de acesso a estes recursos ao setor privado. Duas regras básicas podem
ajudar os governos a utilizar o potencial minerário e hidroelétrico da
região de modo consistente: a regra do sequenciamento espacial das
concessões e a regra dos investimentos sustentáveis.
A regra do sequenciamento sugere que as concessões deveriam
ser dadas prioritariamente para áreas que já foram desmatadas e que
já passam por processo de consolidação das atividades econômicas.
Somente quando os estoques minerários e hidroelétricos das áreas de
consolidação já estivessem sido esgotados é que autorizações para áreas
ainda cobertas por florestas poderiam ser emitidas. Este procedimento
simples facilitaria a concentração das atividades econômicas nos espaços
já consolidados, diminuindo o impacto sobre a floresta e levando à
formação de clusters produtivos regionais.
A regra dos investimentos sustentáveis é bem simples também. Ela
sugere que larga parte dos recursos gerados pelos empreendimentos
minerários e hidroelétricos na região deveriam ser obrigatoriamente

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 152 14/09/2015 15:08:35


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 153

investidas na proteção do capital natural e no fortalecimento dos


capitais humano e sociais da região, em vez de serem aplicados em
outras partes do país ou do planeta. O reinvestimento obrigatório
ajudaria a região a consolidar seu desenvolvimento, deixando de ser
apenas uma fornecedora de produtos naturais brutos para ter uma
economia mais sofisticada, baseada na inovação, com indústrias e
serviços tendo papel preponderante.

Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis são clara necessidade da Amazônia, pois
cerca de 65% da população regional é urbana (ARA, 2011). A tendência
futura é que as populações das cidades da região continuem crescendo
cada vez mais. Infelizmente a maioria das cidades amazônicas
possui qualidade de vida muito baixa, com carências enormes na
infraestrutura e serviços públicos de qualidade, tais como educação,
saneamento e saúde (SANTOS et al., 2014). Além disso, a diversificação
econômica dos centros urbanos é reduzida e muitas dependem
totalmente de repasses dos governos centrais para pagar suas contas.
Infelizmente, mesmo as maiores cidades amazônicas, que possuem
orçamentos significativos e melhor governança, estão longe de atingir
patamares adequados de sustentabilidade (PARANAGUÁ et al., 2003).
Portanto, há a necessidade de se desenhar extenso programa regional
de investimentos estratégicos nas cidades amazônicas para torná-las
lugares aprazíveis para viver e ao mesmo tempo criar modelos de
convivência integrada com as vastas florestas e rios da região.
Os centros urbanos devem se tornar importantes polos de
desenvolvimento tecnológico e produção sustentável. Investimentos
públicos para criar e manter universidades e institutos de pesquisa
científica e tecnológica que formem novos recursos humanos e gerem
inovação contínua são indispensáveis. O conceito de agrupar as cidades
em clusters estratégicos voltados para o beneficiamento dos produtos
da região e prestação de serviços poderá criar a sinergia necessária
para gerar emprego, renda e dinamismo econômico. Essencial é
que os clusters de produção adotem o conceito de economia circular
(WORLD ECONOMIC FORUM, 2014) desde o seu design, criando
cedo uma marca forte de sustentabilidade para os produtos da região.
Os países poderiam trabalhar juntos para dinamizar as cidades-irmãs
nas fronteiras (e.g., Letícia-Tabatinga, Bonfim-Lethem, etc.) e assim
aumentar a sinergia positiva dos seus investimentos.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 153 14/09/2015 15:08:35


154 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Não é possível fazer tais transformações nos centros urbanos


amazônicos somente com recurso público dos países da região.
Há a necessidade de atrair investidores internacionais interessados em
retornos financeiros significativos de longo prazo por meio de parcerias
público-privadas para serviços essenciais. Isso significa que os governos
locais deveriam ser mais ousados e competitivos na criação de um
ambiente que permitisse a atração de novos investimentos sustentáveis
para a região. Redução de taxas e impostos em setores e áreas específicas
deveria ser a norma, e não a exceção. Agentes financeiros públicos, tais
como o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento
(ADB), a Cooperação Andina de Fomento (CAF), o Banco Nacional de
Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) e o Banco da Amazônia
(BASA) poderiam juntar forças para alavancar as parcerias público-
privadas, ajudando na construção da infraestrutura necessária para
torná-las atraentes do ponto de vista financeiro.

Liderando a transformação regional


Qualquer programa ousado de desenvolvimento regional
requer lideranças políticas visionárias e comprometidas. Felizmente, o
conceito de sustentabilidade já é parte do discurso da nova geração de
líderes regionais, mas há ainda profunda lacuna técnica e financeira
para transformar os discursos em ações concretas. A Amazônia é uma
área enorme, complexa e logisticamente desafiadora. Ela certamente
não é para fracos. Duas mudanças de comportamento são essenciais.
A primeira requer que a comunidade nacional e internacional
interessada no futuro da região deixe de empurrar soluções
artificiais desenhadas nos gabinetes fora da região. Em vez disso, eles
deveriam empoderar os próprios amazônidas para desenvolverem e
implementarem os próprios modelos endógenos de desenvolvimento,
que são, por concepção, bem diferentes dos modelos adotados pela
sociedades em outras partes do mundo. A segunda mudança requer
que os amazônidas se globalizem, que deixem a timidez de lado e
coloquem suas visões e sabedorias locais à disposição da humanidade
para guiar o mundo em direção a um planeta mais sustentável e justo.

Referências
ARTICULAÇÃO REGIONAL AMAZÔNICA – ARA. A Amazônia e os objetivos
do milênio. Quito, 2011.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 154 14/09/2015 15:08:35


Capítulo 5 • A conservação da biodiversidade como estratégia competitiva para a amazônia... 155

BARNOSKY, A. D. et al. Has the Earth’s sixth mass extinction already arrived?
Nature, v. 471, p. 51-57, 2011.

BARRETO, P.; SILVA, D. Como desenvolver a economia rural sem desmatar a


Amazônia? Belém: Imazon, 2013.

BECKER, B. K. Geopolitica da Amazônia. Estudos Avançados, v. 19, n. 53,


p. 71-86, 2005.

BORGES, S. H.; SILVA, J. M. C. A New area of endemism for amazonian birds


in the Rio Negro Basin. The Wilson Journal of Ornithology, v. 124, 15-23,
2012.

CRUTZEN, P. J.; STOERMER, E. F. The “anthropocene“. IGBP Newsletter,


v. 41, p. 17-18, 2000.

ELLIS, E. C. Anthropogenic transformation of the terrestrial biosphere.


Phil. Trans. R. Soc. A, v. 369, p. 1010–1035, 2011.

FEARNSIDE, P. M. A água de São Paulo e a floresta amazônica. Ciência Hoje,


v. 34, p. 63-65, 2004.

FEARNSIDE, P.M. Environmental services as a strategy for sustainable


development in rural Amazonia. Ecological Economics, v. 20, p. 53-70, 1997.

FOLEY, J. A. et al. Solutions for a cultivated planet. Nature, v. 478, p. 337–342,


2011.

GARDA, A. A.; SILVA, J. M. C.; BAIÃO, P. Biodiversity conservation and


sustainable development in the Amazon. Systematics and Biodiversity, v. 8,
p. 169-175, 2010.

GOULDING, M. The fishes and the forest: explorations in amazonian natural


history. Berkeley: University of California Press, 1980.

GUIMARÃES, J. et al. Municípios verdes: caminhos para a sustentabilidade.


Belém: Imazon, 2011.

HANSEN, M. C., et al. High-resolution global maps of 21st-Century forest cover


change. Science, v. 342, p. 850-853, 2013.

JABLONSKI, D. Extinctions in the fossil record. Phil. Trans. R. Soc., v. 344,


p. 11-17, 1994.

MITTERMEIER, R. A. et al. Wilderness and biodiversity conservation.


Proceedings of the National Academy of Sciences of the U.S.A., v. 100,
p. 10309–10313, 2003.

MITTERMEIER, R. A. et al. Wilderness: earth’s last wild places. Mexico City:


CEMEX S. A., 2002.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 155 14/09/2015 15:08:35


156 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

MORA, C. et al. How many species are there on Earth and in the Ocean. PLOS
Biology, E1001127, 2011.

PARANAGUÁ, P. et al. A. Belém sustentável. Belém: Imazon, 2003.

RAISG. Amazonia sob pressão. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2012.

SALATI, E. Mudanças climáticas e o ciclo hidrológico na Amazônia.


In: FLEISCHRESSER, V. (Ed.). Causas e dinâmica do desmatamento na
Amazônia. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2001. p. 153-172.

SAMPAIO, G. et al. Regional climate change over eastern Amazonia caused by


pasture and soybean cropland expansion, Geophys. Res. Lett., v. 34, p. L17709,
2007.

SANTOS, D. et al. Índice de progresso social na Amazônia brasileira: IPS


Amazônia 2014. Belém: Imazon, Social Progress Imperative, 2014.

SILVA, J. M. C.; RYLANDS, A. B.; FONSECA, G. A. B. The fate of the


Amazonian areas of endemism. Conservation Biology, v. 19, p. 689-694, 2005.

STEFFEN, W. et al. The anthropocene: from global change to planetary


stewardship. AMBIO, v. 40, p. 739–761, 2011.

VERGARA, W.; SCHOLZ, S. M. Assessment of the risk of Amazonian dieback.


Washington: World Bank, 2011.

VIANA, V. M.; DUBOIS, J. C. L.; ANDERSON, A. Sistemas e práticas


agroflorestais para a Amazônia. Rio de Janeiro: REBRAF, 1996.

VIEIRA, I. C.; SILVA, J. M. C.; TOLEDO, P. M. Estratégias para evitar a perda


de biodiversidade na Amazônia. Estudos Avançados, v. 19, p. 153-164, 2005.

WALLACE, A. R. On the monkeys of the Amazon. Proceedings of the


Zoological Society of London, v. 20, p. 107-110, 1852.

WORLD ECONOMIC FORUM. Towards the circular economy: accelerating


the scale-up across global supplly chains. Geneva, 2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 156 14/09/2015 15:08:35


Capítulo 6

A logística e a defesa da
Amazônia Ocidental
Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 157 14/09/2015 15:08:35


158 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Introdução
O valor estratégico da Amazônia brasileira para o Brasil e o
mundo é inconteste e explícito. Entre outros atributos, a região abriga
uma biodiversidade ímpar, razão pela qual é o epicentro da agenda
mundial do debate sobre a preservação do meio ambiente. É detentora
de abundantes recursos hídricos, tais como a maior bacia hidrográfica
do mundo, o que a torna a maior reserva de água doce do planeta.
Detém invejáveis recursos energéticos e fontes alternativas, motivo pelo
qual é considerada a nova fronteira energética. Possui incalculáveis
riquezas minerais, tais como ouro, diamante, minério de ferro e
minerais estratégicos, as chamadas “terras raras”1, as quais possuem
uma infinidade de aplicações.

Figura 1. Amazônia Ocidental.


Fonte: Acervo pessoal, 2015

1
Nome dado a 17 elementos químicos da tabela periódica que ganham cada vez mais destaque
nas evoluções tecnológicas da atualidade. Isso porque, pelas características eletrônicas,
magnéticas, ópticas e catalíticas, melhoram o desempenho de materiais que integram
lâmpadas, telas de celulares ou motores e baterias.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 158 14/09/2015 15:08:36


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 159

Diante dessa abundância, os 4,2 milhões de quilômetros quadrados


da Floresta Amazônica brasileira causam admiração e temor. Admiração
porque essas riquezas, caso exploradas sob o controle de brasileiros e
em benefício dos brasileiros, podem contribuir para o fortalecimento
do poder nacional, e temor porque essas riquezas são objeto do desejo
de alguns dos mais influentes atores no mapa geopolítico. Ao longo das
décadas, são muitos os exemplos de movimentos e declarações feitas
por alguns dos mais importantes líderes mundiais acerca do “interesse
internacional” pela área que ocupa 45% do território nacional.
Além disso, há que se destacar que a floresta abriga também grande
diversidade cultural, representada por centenas de povos indígenas,
inúmeras comunidades remanescentes de antigos quilombos e milhares
de comunidades de seringueiros, castanheiros, ribeirinhos, entre outras.
Contudo, o mencionado valor estratégico da Amazônia brasileira
não se limita a esses aspectos. Segundo Villas Boas2 (2013), esse é apenas
um de seus três papéis, o qual decorre das condições e da vocação
que a Amazônia ostenta de proporcionar solução para os principais
problemas que afligem a humanidade e que já adquirem dimensões
de verdadeiras crises mundiais: mudança climática, meio ambiente,
energia e água.
Nesse sentido, o segundo papel da Amazônia deriva da vocação
natural brasileira de liderança continental e repousa na condição de
plataforma física em cujo entorno se consolidará a integração sul-
americana. Essa região faz fronteira com sete países, tem acesso a três
oceanos – Atlântico, Mar do Caribe e, dentro em pouco, ao Pacífico
– e conecta-se com o Altiplano Boliviano e, no Brasil, com as Regiões
Nordeste e Centro-Oeste (VILLAS BOAS, 2013).
O terceiro papel, destaca Villas Boas (2013), será o de provocar
a elevação, em escala exponencial, do poder nacional a partir do
momento em que o país tiver consolidado sua expansão interna,
trazendo a Amazônia ao contexto da vida nacional e efetuando a
exploração racional de seus recursos naturais, que ainda aguardam
completa identificação, delimitação e quantificação.
Diante disso, comprova-se o papel integrador da Amazônia, seja
internamente, seja com o Brasil, seja com a América do Sul ou com
os demais continentes, o que torna verdadeiramente representativo o
lema “A selva nos une”.
2
General-de-Exército do Exército Brasileiro. Comandante de Operações Terrestres do Exército
Brasileiro. Ex-Comandante Militar da Amazônia.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 159 14/09/2015 15:08:36


160 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Ao guardar a mais cobiçada porção de nosso território e


contribuir para o seu desenvolvimento, o Comando Militar
da Amazônia atua para impedir que a soberania brasileira
na região seja maculada por objetivos escusos, volta e
meia propalados no seio da opinião pública internacional.
No cumprimento de tão nobres missões, a cada dia faz soar a
quantos possam ouvir que ‘A selva nos une; a Amazônia nos
pertence’ (VERDE OLIVA, 2002, p. 40).

Este trabalho tem o propósito de mostrar a relevância das ações


de defesa e de proteção da Amazônia para o uso sustentável de suas
riquezas pelas próximas gerações. De modo consequente, tem também
o objetivo de apresentar os desafios e os esforços empreendidos pela
logística militar terrestre no Comando Militar da Amazônia (CMA),
que se transforma no verdadeiro elo entre a estratégia de defesa e a
estratégia de desenvolvimento sustentável para a Amazônia.

A defesa e proteção da Amazônia brasileira


O Comando Militar da Amazônia (CMA) é singular entre os
Comandos Militares de Área e trabalha diuturnamente na coordenação
das ações operacionais e logísticas na sua área de atuação, a qual
abrange os estados do Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima, provendo
as condições necessárias para o bom cumprimento da missão pelos seus
escalões subordinados.
Dentro dessa área de atuação, merece destaque a faixa de
150 quilômetros ao longo da linha de fronteira terrestre, denominada
Faixa de Fronteira, que é constitucionalmente definida como de
especial interesse para a defesa nacional.
A Lei Complementar 136, de 25 de agosto de 2010, que alterou
a Lei Complementar 97, de 9 de junho de 99, fazendo alusão ao texto
constitucional e atribuindo caráter subsidiário ao emprego das Forças
Armadas na atividade de preservação da segurança pública, destinou
às Forças Armadas o poder de polícia para atuar na Faixa de Fronteira,
demonstrando como deve atuar neste sentido (MARINHO, 2010).
Art. 16-A. Cabe às Forças Armadas, além de outras ações
pertinentes, também como atribuições subsidiárias, preser­
vadas as competências exclusivas das polícias judiciárias,
atuar, por meio de ações preventivas e repressivas, na
faixa de fronteira terrestre, no mar e nas águas interiores,
independentemente da posse, da propriedade, da finalidade

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 160 14/09/2015 15:08:36


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 161

ou de qualquer gravame que sobre ela recaia, contra


delitos transfronteiriços e ambientais, isoladamente ou
em coordenação com outros órgãos do Poder Executivo,
executando, dentre outras, as ações de:
I - patrulhamento;
II - revista de pessoas, de veículos terrestres, de embarcações
e de aeronaves; e
III‑prisões em flagrante delito.
(BRASIL, 1999)

Na Amazônia Ocidental, essa faixa envolve áreas fronteiriças com


cinco países e tem cerca de 9 mil Km de extensão. Nela, a população
é ainda mais esparsa do que no conjunto da Amazônia, e ali diversos
grupos indígenas, como os Ianomamis3, têm suas terras. Tendo
uma situação periférica com relação aos centros urbanos maiores
e portanto também com relação à modernidade, essas áreas apenas
ocasionalmente foram atingidas pelo processo histórico de ocupação
regional. São marcadas por uma realidade socioeconômica deprimida,
refletindo a marginalidade acentuada pelas grandes distâncias.
Para essa área específica, o Exército Brasileiro recebeu o poder
de polícia para atuar contra os crimes transfronteiriços e ambientais,
atuando por meio de ações preventivas e repressivas, podendo
realizar uma série de atividades típicas de polícia, tais como realizar
patrulhamentos, revistas de pessoas, veículos, embarcações e aeronaves.
Importante destacar que na Região Amazônica esse trabalho é
dificultado por diversos fatores, dentre eles a imensidão do território
amazônico aliado à ausência da maior parte dos poderes públicos nesta
parte do Brasil.
Em 2011, a fim de garantir o fortalecimento da prevenção,
controle, fiscalização e repressão dos delitos transfronteiriços e dos
delitos praticados na Faixa de Fronteira brasileira, por meio da atuação
integrada dos órgãos de segurança pública, da Secretaria da Receita
Federal do Brasil e das Forças Armadas, o governo federal criou o
Plano Estratégico de Fronteiras, para prevenir e combater crimes
praticados em pontos estratégicos do território nacional.

3
Os ianomâmis são índios que habitam o Brasil e a Venezuela. A noroeste de Roraima estão
situadas 197 aldeias que somam 9.506 pessoas, e ao norte do Amazonas estão situadas
58 aldeias que somam 6.510 pessoas. Na Venezuela somam cerca de 12.000 pessoas residentes
no sul dos Estados Bolívar e Amazonas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 161 14/09/2015 15:08:36


162 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

No contexto dessa iniciativa, destaca-se a Operação Ágata, por


meio do qual os militares das Forças Armadas e agentes civis atuam
para proteger as fronteiras brasileiras. A Operação Ágata é uma
ação militar, de natureza episódica, conduzida pelas Forças Armadas
em pontos estratégicos da fronteira terrestre brasileira. Durante
sua realização, militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica
realizam missões táticas destinadas a coibir delitos como narcotráfico,
contrabando e descaminho, tráfico de armas e munições, crimes
ambientais, imigração e garimpo ilegais.
Coordenadas pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas
(EMCFA), as ações abrangem desde a vigilância do espaço aéreo, até
operações de patrulha e inspeção nos principais rios e estradas que
dão acesso ao país.
Além da Defesa, a Ágata envolve a participação de 12 ministérios
e 20 agências governamentais. O planejamento e a mobilização são
feitos de forma integrada, com articulação contínua entre militares
das Forças Armadas e agentes de segurança pública nos níveis federal,
estadual e municipal.
Para dar conta da extensa área coberta, a operação mobiliza
significativo aparato militar, com emprego regular de embarcações,
caças de ataque leve, helicópteros e viaturas de reconhecimento e
transporte de tropas, entre outros.

Figura 2. Momento da Operação Ágata.


Fonte: Acervo do Exército Brasileiro, 2015

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 162 14/09/2015 15:08:36


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 163

Até mesmo pelo porte dessa movimentação, cada edição da Ágata


é comunicada previamente aos países que fazem fronteira com o Brasil.
Na oportunidade, as Forças Armadas de países vizinhos são convidadas
a participar da operação, seja com apoio de tropas em seus próprios
territórios, seja por meio do envio de observadores militares.
Todas essas ações, relevantes para a região, obedecem às diretrizes
pautadas na Estratégia Nacional de Defesa (END), destacadamente a
de “dissuadir a concentração de forças hostis nas fronteiras terrestres”
(BRASIL, 2008) e a de “desenvolver a capacidade de se fazer presente,
sempre que necessário” (BRASIL, 2008). De forma positiva, elas
aperfeiçoam a capacidade de alternar a concentração e a desconcentração
de forças, com o propósito de dissuadir e combater as ameaças. E essa
possibilidade de se deslocar, com rapidez, tropas diversas para a região,
em face de eventuais ameaças, representa o conceito definido como ser
capaz de estar presente, sempre que necessário, a fim de reforçar o
poderio bélico aqui disponível de imediato.
Todavia, apesar dos resultados positivos, até aqui conquistados,
não se deve abrir mão do esforço da presença constante de tropas
na Amazônia, sobretudo ao longo das fronteiras e nas partes mais
estratégicas. A presença permanente das tropas subordinadas ao CMA
nos mais afastados recantos da região, além dos aspectos relacionados
com as atividades de Defesa e Segurança, constitui importante
instrumento a serviço da ocupação e do desenvolvimento regionais.
Quanto mais unidades militares especializadas e adestradas a Força
possuir na região, mais efetiva será a contribuição nesse sentido. Essa
situação caracteriza o conceito entendido como estar presente.
Na concepção da Estratégia da Presença, o protagonista é o
Pelotão Especial de Fronteira (PEF). O PEF é a vanguarda avançada do
Exército Brasileiro no Comando Militar da Amazônia (CMA). É uma
unidade militar com efetivo variável de 30 a 70 militares, localizados
em pontos estratégicos da Faixa de Fronteira da Floresta Amazônica.
Atualmente, existem 24 PEF na Amazônia Ocidental, os quais possuem
o valoroso lema: “Vida, Combate, Trabalho e Proteção” (THEOPHILO
GASPAR DE OLIVEIRA, 2013a).
O pilar Vida representa as atividades do dia a dia dos quartéis,
particularmente os localizados na faixa de fronteira: atividades agrí­
colas, criação de animais, satisfação das necessidades da família militar
residente, atendimento ao calendário de obrigações administrativas,
execução de tarefas logísticas, etc. Trata-se da busca e da manutenção
das melhores condições para o cumprimento das missões.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 163 14/09/2015 15:08:36


164 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

O pilar Combate consiste na execução da atividade-fim das


tropas militares e está voltado para o campo operacional. Concretiza-se
por intermédio do adestramento, da vigilância, do patrulhamento
e de outras ações necessárias à defesa da Pátria e à manutenção da
soberania e da integridade territorial. Para as tropas instaladas na
faixa de fronteira, estão também incluídas as missões voltadas para a
prevenção e para a repressão dos crimes transfronteiriços e ambientais.
O pilar Trabalho sustenta, entre outras, atividades diversas de
manutenção, de reparos, de construção, de apoio a iniciativas das
diversas agências do Estado brasileiro na região. Aqui também se
incluem, principalmente diante da celebração de instrumentos legais,
as ações de assistência direta às comunidades existentes no interior da
área de responsabilidade de cada unidade.

Figura 3. Exercícios Militares.


Fonte: Acervo do Exército Brasileiro, 2015

A sinergia dos conceitos contidos na trindade naturalmente


nos remete à Proteção por ela fomentada. Assim, esse novo pilar é
entendido não somente no que se refere à soberania e à manutenção
da integridade territorial, mas também no que diz respeito à vocação
socioambiental natural do CMA no cumprimento de suas missões na
Amazônia Ocidental.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 164 14/09/2015 15:08:36


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 165

Nunca é demais lembrar que o PEF não atua isolado. Integrado


à selva e às comunidades locais do seu entorno, transforma exponen­
cialmente suas capacidades de combate e deve estar preparado para
atuar no contexto da Estratégia da Resistência.
Segundo essa estratégia, dentro das ameaças potenciais, a cobiça
internacional por nossas riquezas poderá levar a uma ingerência
militar estrangeira, configurando um quadro de conflito agravado pela
imensidão da área, pela baixa densidade demográfica, pelo afastamento
do centro político nacional, pela precariedade de infraestrutura local
e pela dificuldade de controle das organizações não governamentais
(ONG). Dessa forma, torna-se difícil o controle sobre a circulação de
estrangeiros e ilícitos transfronteiriços, associados a grupos armados
de Estados vizinhos ou a facções do crime organizado.
Diante dessa ameaça e esgotados todos os esforços da Expressão
Política do Poder Nacional para o estabelecimento da estratégia da
aliança, e também depois de esgotados os recursos dissuasórios e
aplicada a Estratégia da Defensiva, aplicar-se-á, como último recurso,
a Estratégia da Resistência para desgastar moral e materialmente o
invasor, com previsão de combate prolongado.
De acordo com os fundamentos dessa estratégia, a presença de
uma força invasora no território nacional, com poder militar incontes­
tavelmente superior, poderá se efetivar em decorrência de diplomas
de organismos internacionais ou de decisão unilateral de potência
estrangeira ou coalizão de países com ou sem aval desses organismos
internacionais. Nesse contexto, a Força Terrestre, para condução
exitosa no Combate de Resistência, orienta-se por algumas condições,
das quais se destacam duas: 1) ver a nação identificada com a causa
da defesa; e 2) construir e manter, mesmo sob condições adversas e
extremas, o poder de apoio logístico às forças combatentes.

A logística na Amazônia Ocidental


No atual cenário mundial, caracterizado por intensas transfor­
mações impulsionadas pelos avanços tecnológicos, as integrações
comerciais e financeiras e a acirrada concorrência mundial, o tema
logística vem se tornando uma das áreas centrais para as organizações.
Este reconhecimento decorre do potencial da logística para agregar
valores aos clientes e criar vantagens competitivas às empresas, na
medida em que os custos logísticos, principalmente os relativos aos
meios de transportes, representam uma parcela expressiva no custo
total das mercadorias.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 165 14/09/2015 15:08:37


166 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Para a logística militar, esses aspectos não são diferentes.


A logística e a estratégia sempre foram atividades valorizadas no meio
militar, uma vez que o uso adequado de ambas tem sido fator decisivo
para a obtenção de vantajoso poder de combate. Além do mais, existe
uma interdependência entre estratégia, tática e logística militares,
imprescindível para o sucesso das operações em campo de batalha,
seja em exercício ou em situação real.
No caso específico do Comando Militar da Amazônia, em
decorrência do valor estratégico da Região Amazônica para o Brasil e o
mundo, a execução de uma logística eficaz e efetiva é fator determinante
para a presença e a atuação das Forças Armadas, vitais para resguardar
a soberania nacional (THEOPHILO GASPAR DE OLIVEIRA, 2014b,
p. 50).
A Amazônia Ocidental, região fronteiriça com cinco países
e formada pelos Estados do Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima,
caracteriza-se pelos extensos vazios demográficos, pelo afastamento
dos grandes centros produtores nacionais, por possuir a maior bacia
fluvial e a maior floresta tropical do mundo, pelo clima equatorial,
quente e úmido, pela constância de chuvas abundantes ao longo do ano,
pelas grandes distâncias entre centros urbanos, pela inexistência do
modal ferroviário e escassa malha rodoviária, e pelo número reduzido
de fornecedores, dentre outros aspectos.

Figura 4 – Parte da 12ª Região Militar.


Fonte: Acervo do Exército Brasileiro, 2015

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 166 14/09/2015 15:08:37


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 167

Isso posto, percebe-se que as inúmeras peculiaridades da


Amazônia Ocidental se convertem em sérios óbices à logística,
motivando o desenvolvimento de diversos estudos, investimentos e
inovações sustentáveis para aprimorar a gestão do fluxo físico do
suprimento dos fornecedores aos clientes finais.
Nesse contexto, surge o importante papel da 12ª Região Militar,
“Região Mendonça Furtado”, Comando Territorial subordinado ao
Comando Militar da Amazônia e com sede em Manaus, responsável
pelo apoio logístico do Exército Brasileiro na Amazônia Ocidental.
Dentre outras atribuições, a 12ª RM planeja, coordena, executa,
integra e controla as funções logísticas de transporte, suprimento,
manutenção, salvamento, engenharia, saúde e recursos humanos,
beneficiando diretamente os quase 20 mil militares do Exército
Brasileiro existentes nos Estados do Acre, Amazonas, Rondônia e
Roraima, os quais são alvos de substanciais benefícios indiretos.
Para exemplificar, em 2013, foram alistados exatos 70.412
jovens, dos quais 4.540 foram incorporados, sendo 107 indígenas.
Anualmente, a 12ª RM investe cerca de R$ 32 milhões exclusivamente
em alimentação, transporta em torno de 1.500.000 t de carga só no
modal fluvial, investe valores superiores a R$ 800 mil em empresas
aéreas regionais e quantias de dezenas de milhões em obras da
construção civil e serviços de saúde.
Destaca-se, ainda, no contexto da integração regional, sobretudo
em sua vertente social, a regularização das áreas das comunidades
ribeirinhas tradicionais existentes na Área de Instrução do Centro de
Instrução de Guerra na Selva (CIGS) com a Concessão do Direito Real
de Uso Resolúvel (CDRUR), atendendo 141 famílias, solucionando,
assim, uma demanda de 49 anos.
Verdadeiramente, a Logística Militar da Amazônia Ocidental
vivencia marcante fase de sua história. Alinhada com o Processo de
Transformação do Exército ora em curso, busca aperfeiçoar sua
capacidade de ajustar-se à multiplicidade de situações de emprego do
Exército Brasileiro com suas nuances e especificidades nesta região de
valor estratégico.
O objetivo dessa transformação logística é prever e prover de forma
eficaz, eficiente e efetiva o apoio em materiais e serviços necessários
para assegurar à Força Terrestre liberdade de ação, amplitude do
alcance operativo e capacidade de durar na ação. O seu delineamento
deseja vocacioná-la para o apoio às Operações no Amplo Espectro, em

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 167 14/09/2015 15:08:37


168 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

situações de guerra e não guerra, dispondo de estrutura compatível


capaz de evoluir, rapidamente e com o mínimo de adaptações, de uma
situação de paz para a de guerra ou conflito armado.
O mais recente exemplo prático e real que reafirma a
necessidade dessa logística na medida certa foi o auxílio nas diversas
tarefas de socorro prestado aos atingidos pelas enchentes nos Estados
de Rondônia e Acre, durante o mês de fevereiro de 2014. Além do
apoio no transporte de mantimentos e dos desabrigados, no qual
foram empregados 243 militares, 24 caminhões de 5 toneladas,
21 embarcações, uma ambulância, um helicóptero HM2 Black Hawk e
um avião C-130 Hércules, foi também prestado o apoio no tratamento
e purificação da água para o consumo, e na instalação de bases de
comunicações, nas quais foram empregadas rádios tipo Yaesu System
600 e equipes de operadores especializados.

Figura 5. Apoio Logístico Militar em Situações


Emergenciais.
Fonte: Acervo do Exército Brasileiro, 2015.

É evidente que para garantir o sucesso do apoio logístico


militar em situações emergenciais como essa, bem como em qualquer
outra missão constitucional, é imprescindível a concepção de uma
organização pautada pela flexibilidade, adaptabilidade, modularidade,
elasticidade, sustentabilidade e resiliência.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 168 14/09/2015 15:08:37


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 169

Nesse contexto, por meio da 12ª RM, o CMA vem adotando uma
série de ações voltadas para a mencionada transformação logística, das
quais se destaca o Campo de Prova da 12ª RM.
Resultante do I Simpósio de Logística Interagências da Amazônia
Ocidental, realizado em 2013, pelo Comando da 12ª RM, o Campo de
Prova da 12ª RM tem dois claros objetivos. O primeiro é o de inserir,
indubitavelmente, a logística militar na era do conhecimento, na qual
estamos expostos a velocidade das inovações tecnológicas, por meio de
estudos e pesquisas voltadas para ferramentas e produtos inovadores.
O segundo é o de avaliar produtos e serviços destacados e sabidamente
aprovados, antecipando-se a possíveis aquisições futuras a fim de
garantir a eficiência no emprego dos recursos, evitando interrupções
de projetos já em andamento causadas por falhas técnicas ou pela
inadequabilidade de emprego na Região Amazônica.
Diante das premissas fundamentais do CMA, o Comando da
12ª Região Militar elencou um stakeholder4 prioritário, para o qual todas
as ações deveriam estar direta ou indiretamente voltadas. O stakeholder
prioritário é o Pelotão Especial de Fronteira (PEF).
Relevante ressaltar que os 24 PEF situados na Amazônia Ocidental
enfrentam inúmeros óbices em seu cotidiano em decorrência de vários
fatores, sobretudo pelo isolamento e pela falta de infraestrutura de toda
ordem, pois estão localizados em áreas inóspitas da selva amazônica
brasileira, o que limita substancialmente a operacionalidade dessas
unidades. Dentre esses contratempos, quatro temas merecem destaques,
quais sejam: água, energia, comunicação e dignidade (THEOPHILO
GASPAR DE OLIVEIRA, 2013a).
A água potável é considerada por integrantes dos PEF como o
problema prioritário a ser resolvido, pois a inexistência de um sistema
que garanta o fornecimento de água potável de forma efetiva contribui
para a disseminação de doenças, ocasionando danos à saúde dos
militares e de seus dependentes. Atualmente, os recursos utilizados são
a captação de água dos rios, de poços artesianos e da chuva, sendo
feitos de maneira improvisada e sem o adequado tratamento.
Destarte, o Campo de Prova da 12ª RM realizou avaliações em
produtos voltados para o tratamento de água para o consumo humano,
tais como o equipamento portátil do Instituto Amazônia e a Estação de
4
Stakeholder é a terminologia utilizada para indicar um público de interesse, grupos ou
indivíduos que afetam e são significativamente afetados pelas atividades da organização:
clientes, colaboradores, acionistas, fornecedores, distribuidores, imprensa, governo,
comunidade, entre outros (HARRISON, 2005. p. 31.).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 169 14/09/2015 15:08:37


170 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Tratamento de Água Super H2Life, esta já utilizada de modo satisfatório


em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, por
ocasião da enchente ocorrida em janeiro de 2013.
Outrossim, um dos mais visíveis contratempos evidenciados é a
extrema dificuldade em fornecer energia elétrica firme para a totalidade
dessas unidades militares. Embora, atualmente, existam três meios de
fornecimento desse importante bem de consumo (pela concessionária,
por grupos geradores a diesel e por microusinas hidroelétricas), tem
sido recorrente a solução de continuidade, o que tem afetado inclusive
a segurança daquelas instalações militares e causado desconforto aos
que ali residem.
Para essa problemática, o Campo de Prova da 12ª RM também
realiza estudos, dos quais distinguem-se as fontes alternativas, tal como
o sistema de energia solar fotovoltaica da empresa alemã AIC, formado
por quatro componentes básicos: painéis solares, controladores de
carga, inversores e baterias. Capaz de gerar energia elétrica através
da radiação solar, o sistema possui baterias com vida útil superior a
20 anos e surpreendente capacidade de armazenamento.
No tema comunicação, no qual estão incluídos telecomunicações
e transportes, foi comprovado a carência de infraestrutura básica de
telecomunicações que atenda as necessidades mínimas de coordenação
e controle dos escalões superiores e dos habitantes daquelas instalações
militares. De fato, estabelecer projetos na Floresta Amazônica tem sido
enorme desafio também para as concessionárias de telecomunicações.
Os obstáculos passam não apenas pelas dificuldades de acesso e falta
de investimentos, mas também por restrições ambientais de toda
ordem.
Ademais, a continuidade do fluxo logístico na Amazônia
Ocidental encontra sérios obstáculos, dos quais se destaca o limitado
sistema de transportes da região, considerado inadequado e obsoleto,
por não ter a capacidade de atender à demanda das organizações
militares situadas na faixa de fronteira de modo eficaz, o que vem
causando atrasos e encarecimento de produtos, destacadamente para
os de Classe I (alimentos)5.
Observa-se que o modal fluvial é o mais utilizado, tendo em vista
a grande quantidade de rios navegáveis. Contudo, com o tempo de
percurso considerado muito longo, além das restrições de calado de
5
Para facilitar a coordenação, o controle e a distribuição, o suprimento militar terrestre é
organizado em classes, sendo a primeira delas a Classe I – Artigos de subsistência (alimentação).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 170 14/09/2015 15:08:37


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 171

embarcações, dos regimes dos rios e das condições climáticas, apresenta


inúmeras restrições à logística militar.
O modal terrestre, por sua vez, é extremamente limitado em
razão da escassez de vias rodoviárias, inexistência de vias ferroviárias e
da fraca manutenção das existentes.
Já o modal aéreo tradicional, que apresenta expressiva vantagem
pelo reduzido tempo de deslocamento, caracteriza-se pelo limitado
número de localidades com infraestrutura instalada e, sobretudo, pelo
elevado custo. Tais aspectos geram forte dependência da 12ª RM no
atendimento do Plano de Apoio à Amazônia (PAA)6, realizado pela FAB.
Quanto aos estudos do Campo de Prova da 12ª RM relacionados
ao transporte, ganha proeminência a terceirização de serviços com a
contratação de aeronaves civis, tais como o avião de carga russo Antonov
An-225, com capacidade de carga reconhecida mundialmente, ou as
pesquisas com aeronaves híbridas, a exemplo do Airlander, lançado
neste ano pela Hybrid Air Vehicles (HAV) na Grã-Bretanha e com
impacto ambiental 70% menor do que o de um avião de carga.
Com relação ao quesito dignidade, este tem sido o objetivo maior
de todas as ações mencionadas. De fato, garantir a dignidade ao militar
e à sua família residentes no PEF é um dever de todos os Comandantes,
em todos os níveis, no âmbito do CMA.
Desse modo, percebe-se que o caminho adotado pela 12ª RM,
otimizando a gestão e a aplicação de recursos diretamente na logística
militar, contribui efetivamente para o desenvolvimento sustentável,
econômico e social da região, o que a faz ser o verdadeiro elo entre a
Estratégia Nacional de Defesa e a Estratégia Nacional de Desenvolvimento.

Considerações finais
Este artigo procurou, no primeiro momento, mostrar a relevância
das ações de defesa e de proteção da Amazônia para o uso sustentável
de suas riquezas pelas gerações futuras.
Nessa mostra, destacou o poder de polícia concedido ao Exército
Brasileiro para atuar contra os crimes transfronteiriços e ambientais,
atuando por meio de ações preventivas e repressivas. Acentuou o

6
Por intermédio do Plano de Apoio à Amazônia, o CMA, a 12ª RM e o VII Comando Aéreo
Regional (VII Comar) desencadeiam, um planejamento para o transporte de suprimento, com
prioridade para gêneros frigorificados, com a finalidade de suprir as organizações militares
mais isoladas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 171 14/09/2015 15:08:37


172 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

conceito definido como ser capaz de estar presente, sempre que


necessário, pautado na Estratégia Nacional de Defesa.
Ainda no contexto das ações de defesa, distinguiu a relevância
da Estratégia da Presença, na qual a presença permanente das tropas
nos mais afastados recantos da região é um importante instrumento a
serviço da ocupação e do desenvolvimento regionais, caracterizando o
conceito entendido como estar presente.
Em seguida, enfatizou o protagonismo do Pelotão Especial
de Fronteira no contexto da Estratégia da Resistência, a qual possui
condições essenciais, tais como a nação identificada com a causa da
defesa e a de construir e manter, mesmo sob condições adversas e
extremas, o poder de apoio logístico às forças combatentes.
Em um segundo momento, de modo consequente, relatou os
principais desafios e os esforços empreendidos pela logística militar
terrestre no Comando Militar da Amazônia.
Nessa apresentação, apontou a relevância da logística no atual
cenário mundial, a qual vem se tornando uma das áreas centrais
para as organizações. Frisou que logística e estratégia sempre foram
atividades valorizadas pelo meio militar, uma vez que o uso adequado
de ambas tem sido fator decisivo para a obtenção de vantajoso poder
de combate.
Nesse encadeamento, destacou, no contexto da integração
regional, sobretudo em sua vertente social, a regularização das áreas
das comunidades ribeirinhas tradicionais existentes na Área de
Instrução do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) com a
Concessão do Direito Real de Uso Resolúvel (CDRUR), que beneficiou
centenas de famílias.
Apresentou, também, os esforços empreendidos a fim de
aperfeiçoar sua capacidade de ajustar-se à multiplicidade de situações
de emprego do Exército Brasileiro nesta região estratégica, o que vem
caracterizando uma verdadeira transformação logística alinhada com
o Processo de Transformação do Exército ora em curso.
Além disso, foram ressaltados os principais contratempos
vivenciados pelos PEF da Amazônia Ocidental, quais sejam: água,
energia e comunicação. Na sequência, foram mencionados os principais
estudos com seus respectivos produtos avaliados no Campo de Prova da
12ª RM. Tudo com a finalidade de garantir a dignidade aos militares e
familiares residentes nos PEF.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 172 14/09/2015 15:08:37


Capítulo 6 • A logística e a defesa da Amazônia Ocidental 173

Figura 6. Militares e familiares residentes.


Fonte: Acervo do Exército Brasileiro, 2015

Por fim, conclui-se que as Forças Armadas e em particular o


Exército Brasileiro, presente na região desde quando da formação
da nação, tem mantido o seu compromisso secular de protegê-la,
defendê-la e desenvolvê-la, ampliando sua atuação e sua presença
na área. Entretanto, as potencialidades da Amazônia permanecem
despertando cobiça em todos os cantos do planeta, de onde se depreende
que as “Ações de Defesa” da região devem ser uma prioridade e,
consequentemente, a logística militar da Amazônia Ocidental também
deve receber atenção especial, sobretudo, por sua capacidade de
contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, econômico
e social da região, o que a faz ser o verdadeiro elo entre a Estratégia
Nacional de Defesa e a Estratégia Nacional de Desenvolvimento. Por
essas razões é que “servir na Amazônia é um privilégio. Lutar pelo seu
desenvolvimento sustentável, uma obrigação” (THEOPHILO GASPAR
DE OLIVEIRA, 2013b).

Referências
BRASIL. Lei Complementar nº 117, de 02 de setembro de 2004. Diário Oficial
da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 03 set. 2004. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 04 maio 2010.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 173 14/09/2015 15:08:38


174 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

BRASIL. Lei Complementar nº 97, de 09 de junho de 1999. Diário Oficial


da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 jun. 1999. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 04 jul. 2014.

BRASIL. Ministério da Defesa. Estratégia nacional de defesa. Brasília, 2008.


Disponível em: <http://www.defesa.gov.br>. Acesso em: 23 jun. 2014. Aprovada
pelo Decreto Nº 6.703, de 18/dez/2008.

HARRISON, Jefrey S. Administração estratégica de recursos e


relacionamentos. Porto Alegre: Bookman, 2005. p. 31.

MARINHO, Bruno Costa. Mudanças trazidas ao poder de polícia das Forças


Armadas por intermédio da Lei Complementar 136, de 25 de agosto de 2010.
Revista Âmbito Jurídico. Revista Jurídica Eletrônica, v. 13, n. 81, out. 2010.

THEOPHILO GASPAR DE OLIVEIRA, Guilherme Calls. A 12ª região militar


e a logística na Amazônia. Palestra do Comandante da 12ª Região Militar,
ministrada ao Comandante do Exército Brasileiro, Gen Enzo Peri, set. 2013.
Manaus, 2013a.

THEOPHILO GASPAR DE OLIVEIRA, Guilherme Calls. A logística da


modernidade. Revista Floresta Brasil Amazônia, v. 3, n. 8, mar./maio 2014a.

THEOPHILO GASPAR DE OLIVEIRA, Guilherme Calls. A logística na


Amazônia ocidental. Palestra minstrada aos alunos da ECEME, ago. 2013.
Manaus, 2013b.

THEOPHILO GASPAR DE OLIVEIRA, Guilherme Calls. O complexo caminho


da logística na amazônia. Revista Floresta Brasil Amazônia, v. 3, n. 8, mar./
maio 2014b.

VERDE OLIVA. Nossa força na Amazônia. Verde Oliva, v. 30, n. 176, out./dez.
2002. Disponível em: <http://pt.calameo.com/read/00123820643e6e0b8ee6a>.
Acesso em: 05 jul. 2014.

VILLAS BOAS, Eduardo Dias da Costa. Amazônia: desafios e soluções. Manaus:


Comando Militar da Amazônia, 2013. Disponível em: <http://www.eme.eb.mil.
br/ceeex/public/arquivos/artigos/Amazonia%20Desafios%20e%20Solucoes.pdf>.
Acesso em: 28 jun. 2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 174 14/09/2015 15:08:38


Capítulo 7

A Marinha na Amazônia
Ocidental e sua
contribuição para a
defesa e desenvolvimento
sustentável da região
Domingos Savio Almeida Nogueira

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 175 14/09/2015 15:08:38


176 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

“Quem cuida da Amazônia brasileira, a serviço


da humanidade e de si mesmo, é o Brasil”
(Diretriz no 10, sob o título “Priorizar a Região
Amazônica”, da Estratégia Nacional de Defesa)

Figura 1. Presença da Marinha do Brasil nos rincões mais afastados da Amazônia.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015

Rica por natureza e pela sua imensidão, a Amazônia guarda


inúmeros contrastes em decorrência de suas necessidades básicas ainda
não atendidas, carentes de uma priorização para a região. É composta
por uma população valente que busca a sobrevivência pelo que a
terra lhe proporciona. Não só isso, adapta-se à realidade das grandes
distâncias e dos empecilhos gerados pela dificuldade de locomoção até
os municípios mais próximos. Aqui, as cores se misturam e tornam a
região no que há de mais rico e exuberante no mundo, a Amazônia,
definida pelo poeta da terra como “A Pátria das Águas”, onde “o rio
comanda a vida”. Para Euclides da Cunha, o rio se converteu em ‘‘mundo
maravilhoso’’, que estimulava a imaginação e a expressão artística:
‘‘A própria superfície lisa e barrenta era mui outra. Porque o que se
me abria às vistas desatadas naquele excesso de céus por cima de um

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 176 14/09/2015 15:08:38


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 177

excesso de águas, lembrava [...] uma página inédita e contemporânea


do Gênesis».
É nesse cenário que a Marinha do Brasil oferece a seus militares
uma profícua convivência com natureza, gerando a eles aprimoramento
profissional, motivações e novos desafios na missão de cuidar de suas
hidrovias interiores, numa região com características muito peculiares,
onde: o transporte fluvial é dominante; as populações e cidades são
concentradas às margens dos rios; a inexistência de apoio logístico é
latente realidade; os regimes de vazão e cheia dos rios determinam
o ritmo da navegação; as dificuldades de comunicação por meios
radioelétricos convencionais obrigam o uso de satélites para tal; o clima
é inóspito; a instabilidade atmosférica para operações é frequente; os
rios são sinuosos e de geografia variável ao longo do ano; além da
existência de múltiplas fronteiras pouco habitadas. Essas características
específicas, somente ao ambiente amazônico, conferem à Força Naval
brasileira um papel da mais alta relevância, na monitorização e controle
da área fluvial, pelo emprego de seus meios navais, aeronavais e de
fuzileiros navais, capazes de operar, por longos períodos de tempo,
afastados de suas bases, assegurando assim eficaz controle dos rios e
de suas margens.

Figura 2. O Navio Patrulha Fluvial Amapá em atividade nos rios


da Amazônia.
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 177 14/09/2015 15:08:39


178 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 3. Hidrovia, o caminho da Amazônia.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Para se conhecer a Amazônia de


verdade é preciso entender sua posição
estratégica para o país. E os rios são
a chave para esse conhecimento.
Um dos principais desafios para o Brasil é conhecer a Amazônia.
Sua característica eminentemente hídrica provocou, ao longo dos
séculos, a necessidade do deslocamento de seus habitantes através
dos rios. Muito antes da chegada dos colonizadores na Amazônia, os
nativos já utilizavam canoas. Ainda hoje, grande parte da população
amazônica vive da pesca, além disso, o deslocamento do ribeirinho se
dá através da infinidade de rios que retalham a grandeza territorial.
Mas, para conhecer a Amazônia de verdade é preciso entender
sua posição estratégica para o país. E os rios são a chave para esse
conhecimento. São as estradas que a natureza construiu, em cujas
margens se desenvolveram inúmeras populações.
Nos dias de hoje, é quase impossível imaginar o imenso
sacrifício dos primeiros aventureiros que adentraram o Rio Amazonas,
sofrendo com doenças, ataques de índios e todo o tipo de dificuldades
que dizimavam suas tripulações. Mas esses aventureiros foram os

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 178 14/09/2015 15:08:39


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 179

responsáveis pelas instalações dos muitos fortes ao longo dos diversos


rios, hoje transformados em comunidades.
Portanto, é impossível se pensar em Amazônia sem associar a
importância que os rios têm para o desenvolvimento sustentável da
região, econômico e social. Eles devem ser vistos como a grande
solução logística do transporte de cargas e passageiros desse imenso
teatro de operações, com total vocação fluvial, pois lá não há rodovias
nem ferrovias.
Hoje, a grande questão é: em que medida é possível conciliar-se
o desenvolvimento econômico com a proteção do meio ambiente?
A resposta está nas hidrovias.
Hidrovia é uma rota predeterminada para o tráfego aquaviário.
Há muito tempo o homem utiliza as rotas d’água como estradas, e a
Amazônia é o maior exemplo disso.
O transporte por hidrovias apresenta ampla capacidade de
movimentação de cargas a grandes distâncias, com baixo consumo
de combustível, além de propiciar uma oferta de produtos a preços
competitivos. A ampliação da utilização da hidrovia é uma tendência
mundial por uma questão ambiental. Mais cedo ou mais tarde, ela
se tornará obrigatória. Para tal, há, ainda, que se fazer um esforço
para melhorar essa malha. Com isso, teremos uma vantagem logística
excepcional.
A viabilização de uma navegação segura no Rio Madeira, por
exemplo, permite o escoamento da produção de grãos de Rondônia
e Mato Grosso para o Amazonas e, daí, para o Atlântico. Isso cria
um corredor de desenvolvimento integrado, com transporte de alta
capacidade e baixo custo para grandes distâncias, elimina grave
problema estrutural do setor primário com a redução significativa da
dependência do modal rodoviário até os portos do Sudeste e representa
mais uma opção de integração nacional, com a redução de trânsito
pesado nas rodovias da região Centro-Sul.
Contudo, segundo a ANTT (Agência Nacional de Transportes
Terrestres), o transporte rodoviário, diferentemente da maioria dos
países desenvolvidos, é preponderante do Brasil, representando 61%
do movimento de cargas. Vem a seguir o ferroviário, com 20,7%, e
o aquaviário, que representa em torno de 14% do total da carga
transportada. Em muito menor escala segue-se o dutoviário (4,2%) e
o aéreo, que corresponde a apenas 0,4% do movimento de cargas no
país. Esta distribuição relativa, embora se refira ao ano de 2004, é até

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 179 14/09/2015 15:08:39


180 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

hoje divulgada no Boletim Estatístico da CNT (Confederação Nacional


dos Transportes).
A Marinha do Brasil tem papel fundamental no desenvolvimento
do modal hidroviário, tanto com a produção de conhecimento,
através dos levantamentos hidrográficos, quanto com a formação do
profissional para atuar nessas hidrovias. Em 2013, por intermédio do
Comando do 9º Distrito Naval, a Marinha avançou com vários projetos
voltados para a importância do tema. Inaugurou o Centro Técnico de
Formação de Fluviários da Amazônia Ocidental (CTFFAO); promoveu
o seminário “O Futuro Amazônico: Hidrovias 2014 a 2031”, na cidade
de Manaus, com a participação de mais de 300 empresários do ramo
da navegação; e iniciou a construção do Serviço de Sinalização Náutica
do Noroeste (SSN-9), com previsão de inauguração ainda em 2014.

Figura 4. Centro de Formação de Fluviários da Amazônia Ocidental


(CTFFAO).
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Outra etapa importante do trabalho da Marinha, feita em parceria


com o Ministério dos Transportes, é a sinalização dessas hidrovias, de
modo que os condutores saibam por onde navegar. No entanto, para que
isso ocorra, é necessário ao navegante uma boa formação profissional.
Daí a necessidade da criação do CTFFAO. Nele são oferecidos diversos
cursos, das varias categorias subalternas das carreiras da Marinha
Mercante. Essa mão de obra formada pela Marinha também garante
que as normas de segurança sejam compreendidas e respeitadas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 180 14/09/2015 15:08:40


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 181

Figura 5. Ativação do SSN.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

A criação do SSN-9 vai garantir o aumento na capacidade de


atualização cartográfica na região. Para isso, a Marinha do Brasil, em
parceria com o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção
da Amazônia (Censipam), adquiriu dois novos navios para realização
de levantamentos hidrográficos, e um terceiro está sendo construído
especificamente para a tarefa de cobrir os vazios cartográficos da
Região Amazônica. Os navios são dotados de equipamentos e mão de
obra qualificada para a realização de sondagens dos rios com o objetivo
de produzir e manter constantemente atualizadas as cartas náuticas da
Região Amazônica, garantindo assim a segurança da navegação pelos
seus 22 mil km de vias navegáveis.

Vantagens das hidrovias para a Região Amazônica


A Amazônia é um rico conjunto de tesouros. Além de abrigar
a maior floresta do mundo, reúne a mais expressiva biodiversidade
do planeta e a maior concentração de água doce do mundo. Além de
grandiosos, os rios possuem excelentes condições de navegabilidade,
o que transforma a Amazônia em uma terra com vocação nata
para o transporte fluvial. É impossível se pensar em Amazônia sem
associar a importância que seus rios têm para o desenvolvimento
econômico e social. Eles devem ser vistos como o grande propulsor do
desenvolvimento sustentável da região.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 181 14/09/2015 15:08:40


182 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Porém, a realidade é repleta de desafios. As mudanças climáticas


obrigam a população local a viver em função do regime das cheias e
vazantes, uma verdadeira dança das águas, que impacta diretamente
na realidade ribeirinha.
Na cheia, as embarcações alcançam as localidades mais
longínquas, quando chegam alimentos, medicamentos e serviços
básicos para a população mais distante. Além disso, há a ameaça das
inundações dos lares, para desespero das comunidades. Durante os
seis meses da vazante, o verão torrencial se soma à falta d›água e à
dificuldade de percorrer alguns caminhos, tornando tudo ainda mais
cheio de obstáculos.
Nesse contexto, o autor paraense Leandro Tocantins, um dos
mais importantes intérpretes da Amazônia, escreveu a obra “O Rio
Comanda a Vida”, que retrata, dentre outros aspectos, o protagonismo
do rio na realidade amazônica. São os rios que comandam as atitudes
do ribeirinho e é por meio das hidrovias que o caboclo se locomove,
trabalha e sustenta a família. Na Amazônia, é possível afirmar que
os rios são as estradas que a natureza construiu, em cujas margens se
desenvolveram inúmeras populações.
Além da importância para a população local, as hidrovias
amazônicas possuem um potencial logístico inestimável, com
possibilidade de transportar volumes expressivos de mercadoria para
grandes distâncias, a baixo custo.
Segundo dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários
(Antaq)1, divulgados em 2012, o transporte de cargas por hidrovias no
Brasil movimentou 80,9 milhões de toneladas, crescimento de 1,4%
ante o ano anterior, quando passaram pelas hidrovias 79,8 milhões
de toneladas. “É um volume expressivo, mas há potencial para uma
utilização bem mais intensa das hidrovias, desde que se façam os
investimentos necessários”, afirmou Adalberto Tokarski, diretor da
Antaq.
Dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT)2
e do Boletim Estatístico da Confederação Nacional dos Transportes
(CNT)3 dão conta de que os modais de transporte no Brasil, em relação
ao volume de cargas transportado, apresentam a seguinte configuração:
1
Portal da Antaq. Disponível em <http://www.antaq.gov.br/Portal/default.asp?>. Acesso em:
17 jun. 2015.
2
Portal da ANTT. Disponível em <http://www.antt.gov.br/>. Acesso em 17 jun. 2015.
3
Portal da CNT. Disponível em <http://www.cnt.org.br/Paginas/index.aspx>. Acesso em 17 jun.
2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 182 14/09/2015 15:08:40


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 183

Quadro 1. Volume de cargas transportado por modal.


Modal Volume de cargas transportado
Transporte Rodoviário 61,1%
Transporte Ferroviário 20,7%
Transporte Aquaviário 13,6%
Transporte Dutoviário 4,,2%
Transporte Aéreo 0,4%
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015

Quando comparado aos demais modais de transporte, o sistema


hidroviário reúne uma série de benefícios. Inicialmente, há vantagens
financeiras pelo menor consumo de combustível quando comparado
aos automóveis e aeronaves. Para o meio ambiente, trata-se de uma
alternativa inteligente, pois o transporte fluvial emite menos poluentes,
o que impacta nas alterações climáticas e o no efeito estufa. Outro ponto
positivo é a capacidade de concentração de cargas muito superior a
outros meios de transporte.
Impossível deixar de considerar a falta de congestionamentos nos
rios, que permitem que a embarcação flua continuamente e planeje
suas rotas independente do trânsito. Há também menor número de
acidentes, além do menor custo por unidade transportada, visto que o
custo operacional e estrutural são reduzidos.
O gráfico a seguir ilustra a situação por modal de transporte:

Figura 6. Situação
por modal de
transporte.
Fonte: Agência
Nacional de
Transportes
Aquaviários, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 183 14/09/2015 15:08:40


184 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Um exemplo da utilização das hidrovias na Região Amazônica é


a viabilização de uma navegação segura no Rio Madeira, permitindo
o escoamento da produção de grãos de Rondônia e Mato Grosso
para o Amazonas e, daí, para o Atlântico. Isso cria um corredor de
desenvolvimento integrado, com transporte de alta capacidade e baixo
custo para grandes distâncias, e elimina grave problema estrutural do
setor primário com a redução significativa da dependência do modal
rodoviário até os portos do Sudeste e representa mais uma opção de
integração nacional, com a redução de trânsito pesado nas rodovias
da região Centro-Sul. Esse comentário pode ser observado no texto
publicado no jornal A Crítica, edição de 12 de novembro de 2013,
reproduzido a seguir:

Figura 7. Entrevista Hélio Diniz.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Não há dúvidas, portanto, que as hidrovias são a alternativa mais


viável para o escoamento da produção. Entretanto, para que o sistema
hidroviário se desenvolva, são necessários investimentos públicos como
obras portuárias e adequações nas hidrovias. Os grandes freios que
impedem este desenvolvimento são as questões burocráticas, a falta de
planejamento e a demora nos licenciamentos ambientais.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 184 14/09/2015 15:08:41


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 185

A perspectiva para o futuro é que as autoridades enxerguem


esse potencial e invistam no transporte fluvial. Com o incremento
do setor a ideia é fomentar o Polo Naval, estimular a produção dos
estaleiros, investir na construção de embarcações e principalmente na
formação de mão de obra especializada para o setor. Fica fácil então
concluir que a Amazônia tem vocação fluvial. A região ganharia na
geração de emprego e renda, além de se mostrar uma alternativa para
o desenvolvimento econômico do Amazonas, por exemplo, que há
tempos busca outra fonte de desenvolvimento extra indústria.
O investimento no setor proporcionaria ainda o incremento nas
possibilidades do setor do turismo, visto que a infraestrutura portuária
estimularia os passeios turísticos pela encantadora Região Amazônica,
a bordo de embarcações regionais ou até mesmo internacionais. E onde
há turismo, há geração de renda. Um verdadeiro ciclo vantajoso para
a Região Amazônica. Uma estratégia vencedora, na qual a política do
ganha-ganha impera. Ganha o ribeirinho em transitar por hidrovias
sinalizadas e mais seguras para a navegação, além de oportunizar
empregos e renda; ganha o empresário que enviará sua produção a
custo menor; ganham as capitais que ficarão menos abarrotadas de
contêineres, que, além de perigosos no trânsito, geram engarrafamentos
quilométricos, afetando a qualidade de vida do cidadão; ganha a
Amazônia por poder ser mais desbravada pelos turistas; e ganha,
finalmente, o planeta, pela geração de menores impactos ambientais.

Figura 8. Porto privado em Manaus.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 185 14/09/2015 15:08:41


186 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

A quantidade de contêineres que circulam nos portos de Manaus


chega hoje a 500.000 TEUS/ano (equivalente a 500.000 contêineres de
20 pés/ano).

A atuação da Marinha
do Brasil em águas amazônicas
Na Amazônia Ocidental, a Marinha do Brasil (MB) iniciou
suas atividades em 1728, quando foi criada a Divisão Naval do Norte,
sediada em Belém do Grão-Pará, de onde passou a ser exercido o
controle do acesso de navios ao Rio Amazonas, necessário, em face da
abertura desse rio à navegação internacional. Desde então, surgiram os
primeiros indícios de uma futura e perene amizade entre os três países
lindeiros ao mesmo rio.
A partir de 2005, com a transformação do antigo Comando Naval
da Amazônia Ocidental (CNAO), sediado em Manaus, em Comando do
9º Distrito Naval (Com9ºDN), incrementou-se ainda mais o controle de
áreas ribeirinhas brasileiras nessa vasta região, acentuando o papel da
Marinha como essencial, devido ao império exercido pelas águas. Para
a MB, a partir dessa data, outras conquistas foram somando-se, como a
aquisição de novos meios operativos e a criação de novas Organizações
Militares (OM), distribuídas por quatro estados: Amazonas, Roraima,
Rondônia e Acre; fato que potencializou a atuação da Força Naval
quanto à Segurança do Tráfego Aquaviário, em uma região onde a
malha hidroviária navegável alcança cerca de 22 mil Km de extensão e
por onde trafegam mais de 35 mil embarcações.

Figura 9. Comando do
9º Distrito Naval.
Fonte: Acervo da Marinha
do Brasil, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 186 14/09/2015 15:08:41


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 187

Tão grande quanto as dimensões amazônicas é o desafio da


Marinha do Brasil (MB) nesta região. O Comando do 9º Distrito Naval
(Com9ºDN), criado em 2005, tem a missão de fiscalizar e garantir a
segurança da navegação nos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia e
Roraima.
A Amazônia é um verdadeiro teatro de operações navais, visto que
expressiva parcela de nosso território é constituído por águas. E onde
há um rio navegável há uma embarcação, portanto, há necessidade da
Marinha atuar para garantir a segurança da navegação, a salvaguarda
da vida humana e a proteção à poluição hídrica.
Dentre as bandeiras que a Marinha levanta na Região Amazônica,
destacam-se o desenvolvimento do modal hidroviário, a necessidade
de sinalização náutica e a capacitação e formação de aquaviários para
atuação no setor fluvial.
Dentre as ações desenvolvidas pelo Com9ºDN em sua área
de jurisdição, são realizadas ainda: a Busca e Salvamento, sob
responsabilidade do Salvamar Noroeste (acessado em todo o Estado
do Amazonas pelo telefone 185, para chamadas de socorro nos rios);
a Garantia da Lei e da Ordem, em que a Força Naval poderá atuar de
forma isolada ou em cooperação com as demais Forças e realizar as
seguintes ações: controle de áreas marítimas litorâneas; manutenção da
integridade de instalações marítimas, costeiras e fluviais, bem como de
pontos sensíveis de interesse; controle de áreas ribeirinhas; transporte
e desembarque administrativo de contingente e suprimentos militares;
controle de áreas de dimensões limitadas em terra; segurança de
autoridades em eventos específicos; e, em situações excepcionais,
operações especiais de retomada e resgate; e o Apoio Cívico-Social
e Assistência Hospitalar prestado às comunidades ribeirinhas em
decorrência de desastres ambientais e calamidades públicas.
Ao Com9ºDN estão diretamente subordinadas nove organizações
militares, que atuam no Comando, no Controle, na Segurança do
Tráfego Aquaviário e no Apoio Logístico: Comando da Flotilha do
Amazonas (ComFlotAM); Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental
(CFAOC); Estação Naval do Rio Negro (ENRN); Batalhão de Operações
Ribeirinhas (BtlOpRib); Centro de Intendência da Marinha em Manaus
(CeIMMa); Capitania Fluvial de Tabatinga (CFT); 3º Esquadrão de
Helicópteros de Emprego Geral (EsqdHU-3); Policlínica Naval de
Manaus (PNMa); e o Serviço de Sinalização Náutica do Noroeste
(SSN9), previsto para ser inaugurado em outubro de 2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 187 14/09/2015 15:08:41


188 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 10. Fuzileiros Navais possuem importante papel nas patrulhas


e inspeções navais.
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015

Figura 11. Navios do ComFlotAM perfilados durante Desfile Naval


na praia de Ponta Negra em Manaus.
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 188 14/09/2015 15:08:42


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 189

Subordinados ao ComFlotAM estão os Navios-Patrulha Fluvial


(NPaFlu) Pedro Teixeira, Raposo Tavares, Roraima, Rondônia, e
Amapá; os Navios de Assistência Hospitalar (NAsH) Oswaldo Cruz,
Carlos Chagas, Dr. Montenegro e Soares de Meirelles; os Avisos
Hidroceanográficos Fluviais Rio Negro e Rio Solimões, os quais
serão transferidos ao SSN-9, após inauguração de sua sede; e duas
Lanchas Patrulha de Rio (LPR) entregues no dia 11 de março de
2014, após contrato firmado, em 26 de dezembro de 2012, entre a
empresa Corporación de Ciencia y Tecnologia para El Desarrollo de
La Industria Naval Marítima e Fluvial (COTECMAR) – Colômbia,
e a Marinha do Brasil, pelo qual foram projetadas e construídas
em Cartagena (Colômbia), com base em embarcações semelhantes
empregadas naquele país, em situações de conflito real.
Durante a Patrulha Naval (PatNav), realizada por Navio do
ComFlotAM com a participação de Fuzileiros Navais do BtlOpRib,
são fiscalizadas e implementadas a legislação nas Águas Jurisdicionais
Brasileiras (AJB), na Plataforma Continental e no alto mar, respeitados
os tratados, convenções e atos internacionais ratificados pelo Brasil.
A PatNav contribui para a consecução dos seguintes propósitos:
salvaguarda da vida humana; segurança da navegação aquaviária;
assistência cívico-social; assistência hospitalar; fiscalização do direito
de passagem inocente de embarcações estrangeiras, inclusive de navios
de guerra e de Estado; fiscalização das atividades de pesquisa científica,
de levantamento hidrográfico, de aquisição de dados relacionados
à atividade de exploração e explotação de recursos naturais, do
patrimônio genético nas AJB; e apoio aos órgãos federais ou estaduais,
que atuarão dentro de suas competências.
À CFAOC estão subordinadas: a Delegacia Fluvial de Porto
Velho, futura Capitania Fluvial Madeira Mamoré; as Agências Fluviais
de Boca do Acre, Eirunepé, Guajará-Mirim, Humaitá, Itacoatiara,
Parintins, Tefé, Cruzeiro do Sul, inaugurada em 2013, e em breve,
Caracaraí, primeira representação da MB no Estado de Roraima; além
do Destacamento de Inspeção Naval de São Gabriel da Cachoeira.
A Capitania dos Portos em Manaus (CFAOC), responsável pelo
Sistema de Segurança do Tráfego Aquaviário, na área de sua jurisdição
(toda a Amazônia Ocidental, exceto a área sob jurisdição de Tabatinga)
presta atendimentos, também, por telefone, no “Disque Segurança à
Navegação”, através do número 0800 280 7200, pelo qual podem ser
informadas denúncias e riscos à Segurança da Navegação, além de
solicitações de informações diversas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 189 14/09/2015 15:08:42


190 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 12. Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental,


Manaus e suas agências fluviais.
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

O Com9ºDN, utilizando-se dos seus meios navais, aeronavais e de


Fuzileiros Navais, tem como principais tarefas a execução de Operações
Ribeirinhas, atividades de Patrulha e Inspeção Navais, Assistências
Hospitalar e Cívico Sociais (ACISO) às comunidades ribeirinhas, em
uma malha hidroviária de 22 mil Km de extensão, onde trafegam
cerca de 35 mil embarcações.

Figura 13. Inspeção Naval.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 190 14/09/2015 15:08:43


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 191

A Inspeção Naval tem cunho administrativo, que consiste na


fiscalização do cumprimento da Lei nº 9537, de 11/12/97 (LESTA),
das normas e regulamentos dela decorrentes, e dos atos e resoluções
internacionais ratificados pelo Brasil, no que se refere exclusivamente
à salvaguarda da vida humana e à segurança da navegação, no mar
aberto e em hidrovias interiores; e prevenção da poluição hídrica por
parte de embarcações, plataformas fixas ou suas instalações de apoio.

Figura 14. Tarifas básicas das OM do SSTA.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Com a inauguração do SSN-9, o Com9ºDN contribuirá para a


orientação e a coordenação do planejamento, controle e execução das
atividades da sinalização náutica sob responsabilidade de entidade
extra-MB, propondo modificações nos sinais náuticos sempre que
forem necessárias, em função de alterações de batimetria ou das
características do tráfego fluvial ou quaisquer outras que visem ao seu
aperfeiçoamento.
A carta náutica é o documento orientador para as embarcações
que navegam pelos rios da Amazônia. Os navios hidroceanográficos
fluviais têm a missão de executar os levantamentos hidroceanográficos
(LH) em águas interiores na Bacia Amazônica, com a finalidade da
atualização contínua da cartografia náutica das principais hidrovias
na região, sendo de fundamental importância o conhecimento preciso
e atualizado do canal de navegação dos rios amazônicos. Para isso,
a Marinha do Brasil adquiriu dois novos navios para realização de

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 191 14/09/2015 15:08:43


192 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

levantamentos hidrográficos e um terceiro está sendo construído


especificamente para a tarefa de cobrir os vazios cartográficos da
Região Amazônica. Os navios são dotados de equipamentos e mão de
obra qualificada para a realização de sondagens dos rios com o objetivo
de produzir e manter constantemente atualizadas as cartas náuticas da
Região Amazônica, garantindo assim a segurança da navegação pelos
seus 22 mil km de hidrovias.
Vale ressaltar a relação de amizade entre os países vizinhos
reforçada pelas operações, quer sejam realizadas somente pela MB,
como a BRAColper ou Braper, entre a Colômbia e o Peru; ou conjuntas
com a participação do Exército Brasileiro (EB), Força Aérea Brasileira
(FAB) e órgãos estaduais e federais que compõem a Força Nacional.

Figura 15. Apoio logístico de helicópteros para assistência médica.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Deve-se falar nos resultados esperados com a criação do Centro


Técnico de Formação de Fluviários da Amazônia Ocidental (CTFFAO),
em 2013. A meta inicial era entregar às empresas de navegação local,
anualmente, cerca de 600 aquaviários preparados para atuar dentro
das realidades e características regionais. O ano ainda não acabou
e os dados do centro superam mais de 1.000 aquaviários formados

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 192 14/09/2015 15:08:44


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 193

em Manaus e nas comunidades próximas à capital amazonense, em


diversas categorias e especialidades.
O centro oferece cursos de marinheiro auxiliar fluvial;
marinheiro fluvial de convés; contra-mestre fluvial; mestre fluvial;
piloto fluvial; e capitão fluvial, todos na carreira de convés. Já na
carreira de máquinas, o estudante pode se formar como marinheiro
fluvial de máquinas; condutor maquinista e supervisor de máquinas
fluvial. Os cursos são gratuitos e a instituição vem firmando parcerias
para alavancar a formação dos estudantes.

Figura 16. Ensino Profissional Marítimo (CTFFAO).


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Marinha e a saúde na Amazônia


A alimentação do ribeirinho, apesar de farta, especialmente
em relação a peixes e farinha, é restrita em termos de variedade.
Suas plantações, quando possíveis, sofrem influência direta da época
do ano, chuvosa ou não, e a ausência de energia elétrica na maioria
das comunidades impede a estocagem de alimentos. Suas pequenas
embarcações são o único meio de transporte, o que os distancia, por
vezes, dias de viagem até a sede municipal mais próxima. Esses fatores,
somados à falta de noções de higiene pessoal e de prevenção de doenças
sexualmente transmissíveis; e a precariedade da estrutura sanitária,
de tratamento de água e de controle do lixo tornam essa população
necessitada de especial atenção básica à saúde.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 193 14/09/2015 15:08:44


194 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

A presença dos navios da Marinha do Brasil nos mais de 20 mil


quilômetros de águas navegáveis na Amazônia, vivenciando diariamente
as necessidades dos ribeirinhos, fez com que houvesse a tentativa
de apoiar de alguma forma a população em suas maiores carências.
Essa história teve início há mais de 40 anos, época em que as corvetas
realizavam Inspeção Naval, quando a Marinha não media esforços para
prestar assistência à saúde das famílias ribeirinhas, principalmente
daqueles que necessitavam de atendimento de urgência. No início da
década de 1970, com a chegada dos Navios-Patrulha Fluviais, essa
assistência passou a ser programada, com a entrega de alimentos às
comunidades, além da assistência médica de urgência que por ora fosse
necessária.
Ao final da década de 1970, surgiu a ideia de prover uma assistência
à saúde dos ribeirinhos mais completa, planejada e que abrangesse os
princípios básicos de saúde, prevenção e higiene sanitária, bem como
ter condições de atender casos de urgência e emergência. Assim, no
início da década seguinte, foi autorizada a construção no Arsenal de
Marinha do Rio de Janeiro de dois navios de assistência hospitalar
(NAsH), cuja realização recebera apoio do Ministério da Saúde.
Dotados de consultório médico, consultórios odontológicos, laboratório
de análises bioquímicas, farmácia, sala de vacina e curativos, sala de
Raio-X e sala cirúrgica, além de duas lanchas e um convés para pouso
de helicópteros (convoo), os NAsH Carlos Chagas e Oswaldo Cruz
completam no presente ano três décadas de atividade nos Rios da
Amazônia.
Recentemente, para ampliar a capacidade de atendimento,
incorporaram ao Comando do 9º Distrito Naval os NAsH Dr.
Montenegro, cuja estrutura detém, além do citado na Classe Oswaldo
Cruz, exceto o convoo, um mamógrafo; e Soares de Meirelles, dotado
de farmácia, consultório médico e consultório odontológico, cujo
planejamento prevê o aumento da capacidade de atendimento e a
instalação de um convoo.
Dessa forma, hoje, a Marinha do Brasil, por meio de seus quatro
navios de assistência hospitalar, realiza operações de assistência
hospitalar (ASSHOP), que são planejadas para atender no decorrer do
ano os 12 polos fluviais dos rios da Amazônia Ocidental. As ASSHOP
promovem, além do atendimento médico-odontológico, a distribuição
gratuita de kits de higiene bucal, medicamentos e preservativos,
realização de palestras com diversos temas em saúde e higiene pessoal
e orientações quanto à segurança da navegação.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 194 14/09/2015 15:08:44


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 195

Figura 17. NAsH Oswaldo Cruz navegando em rio da Amazônia.


Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Figura 18. NASH Soares de Meirelles abarrancado no alto Rio Madeira,


promovendo atendimento médico e odontológico aos ribeirinhos, durante o
período de cheia, fevereiro de 2014.
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 195 14/09/2015 15:08:45


196 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 19. NAsH Oswaldo Cruz abarrancado em comunidade para a


realização de atendimentos médicos e hospitalares.
Fonte: Acervo da Marinha do Brasil, 2015.

Com o passar do tempo, a assistência e a atenção que a Marinha


promove aos ribeirinhos fez com que os NAsH passassem a ser
chamados de “Navios da Esperança”, levando não apenas assistência
à saúde das pessoas e sim assistência à vida dessas famílias, mesmo na
mais longínqua comunidade.

Conclusão
Por fim, vale ressaltar que urge a destinação de recursos, visando
atender necessidades imediatas de melhoramentos da infraestrutura
dos rios amazônicos, a fim de garantir eficaz aplicação do Poder Naval
na Amazônia Ocidental; garantir a segurança da navegação; fomentar o
comércio via modal hidroviário, mais barato e menos poluente; fomentar
a indústria naval, para a geração de portos organizados e seguros; além
de fomentar a ciência, a tecnologia e a inovação, tanto das atividades
navais, quanto na sustentabilidade necessária à Bacia Amazônica (meio
ambiente, aquicultura, pesca, e outros). Com isso, poderemos afiançar
que a Amazônia será desenvolvida sustentavelmente, em prol do bem-
estar de sua população, sem impactos à sua pujante natureza.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 196 14/09/2015 15:08:45


Capítulo 7 • A Marinha na Amazônia Ocidental e sua contribuição para a defesa e... 197

A Marinha do Brasil vê-se completamente inserida no contexto e tem


expertise suficiente para contribuir com esse intento, cumprindo seu
papel de “irrigadora de recursos na economia do país”.

Referências
BRASIL. Lei nº 9.537, de 11 de Dezembro de 1997. Diário Oficial [da]
República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 dez. 1997. Seção 1, p. 29510.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 197 14/09/2015 15:08:45


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 198 14/09/2015 15:08:45
Capítulo 8

A atuação da Força Aérea


na Amazônia Ocidental
José Mendonça de Toledo Lobato

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 199 14/09/2015 15:08:45


200 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Na rica região da Amazônia, mais precisamente em sua área


ocidental, atua o Sétimo Comando Aéreo Regional (VII Comar).
Representando a Força Aérea Brasileira (FAB) nesta porção do país,
esta organização militar (OM) cumpre a missão da Aeronáutica nos
Estados do Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima.
O nobre trabalho tem relevância nacional, bem como peculia­
ridades que, talvez, muitos brasileiros desconheçam. Na parte do
território em que atua, o VII Comar possui 21 Unidades Aéreas e de
Aeronáutica, subordinadas e jurisdicionadas a ele, que trabalham na
proteção das fronteiras e na defesa aérea da região.

Figura 1. Vista Aérea do Sétimo Comando Aéreo


Regional (VII Comar).
Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015

Criado em março de 1983 e sediado em Manaus, capital do


Estado do Amazonas, o VII Comar precisa se adaptar às particulares
características do extremo norte do Brasil para cumprir a sua missão.
O desafio é grande! Para começar, há quem diga que esta é a “região
dos superlativos”. Isso porque as realidades locais apresentam números
altos e de forte intensidade: as distâncias são enormes, as mudanças
climáticas são bruscas e a sazonalidade dos rios é intensa. A Amazônia
Ocidental ainda tem outro ponto que chama a atenção, que é o fato de
ser uma área muito rica e com baixa densidade demográfica.
Dentro desse contexto, o VII Comar realiza atividades huma­
nitárias, logísticas, bem como de defesa em toda a região. As iniciativas
de cunho social são representadas pelas Ações Cívico-Sociais (Aciso) e

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 200 14/09/2015 15:08:46


Capítulo 8 • A atuação da Força Aérea na Amazônia Ocidental 201

pelas Evacuações Aeromédicas (Evam). No primeiro caso, equipes de


médicos e de dentistas levam saúde e esperança para o interior, através
de atendimentos médicos e odontológicos oferecidos a indígenas,
a caboclos e a ribeirinhos. Somente em 2013, foram realizadas seis
Aciso, com aproximadamente 3.500 atendimentos. Já as chamadas
Evam são missões em que cidadãos de diferentes localidades, com os
mais variados problemas de saúde, são transportados para os grandes
centros, onde possam receber tratamento mais específico. Nesses tipos
de missão a integração entre as diferentes organizações militares da
FAB, sediadas na Amazônia Ocidental, é fundamental. Isso porque,
para que as missões aconteçam, o VII Comar, representado pelo
Sétimo Serviço Regional de Saúde (Sersa-7) e pelas seções de logística,
as unidades aéreas e o Hospital de Aeronáutica de Manaus (HAMN)
trabalham juntos para que os objetivos sejam cumpridos e a população
seja assistida.

Figura 2. Momento de Ações Cívico-Sociais.


Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015

O VII Comar planeja as operações, os esquadrões aéreos


transportam pessoas e materiais e os militares da área da saúde do
HAMN fazem atendimentos. O trabalho sinérgico garante resultados
expressivos para a saúde nessa porção norte do país.
Para garantir agilidade, velocidade e sucesso no cumprimento
de sua missão, o VII Comar conta com três bases aéreas, localizadas

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 201 14/09/2015 15:08:46


202 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

em Boa Vista (RR), Manaus (AM) e Porto Velho (RO). Essas unidades
militares são importantes pontos logísticos para a Aeronáutica e
sediam esquadrões aéreos que possuem aeronaves que decolam todos
os dias com o intuito de garantir a soberania brasileira. Ao todo são
sete esquadrões aéreoas, que operam com oito aeronaves diferentes.
Na extensa relação estão as aeronaves F-5EM Tiger, C-97 Brasília, C-95
Bandeirante, C-98 Caravan, C-105 Amazonas, H-60L Black Hawk,
A-29 Super Tucano e AH-2 Sabre, que realizam variadas operações
que contribuem para o apoio e a defesa da região.
A Base Aérea de Manaus (BAMN), tida por muitos militares
da FAB como a mais operacional da Aeronáutica, possui mais de
40 anos de história e evolui conforme sua crescente responsabilidade e
importância no cenário nacional, visto que, cada vez mais, a Amazônia
ganha destaque nos contextos nacionais e internacionais. Sua principal
função é apoiar as unidades sediadas. Esta organização é sede de quatro
unidades aéreas, uma de infantaria, uma de artilharia antiaérea e uma
de suprimento da Força Aérea Brasileira, tornando-se a principal base
logística da FAB na Amazônia e uma das mais importantes do Brasil.
Uma das unidades aéreas instalada na BAMN é o Primeiro
Esquadrão do Quarto Grupo de Aviação (1°/4° GAv), o Esquadrão
Pacau. Criado em julho de 1947, inicialmente com sede na Base Aérea
de Fortaleza (CE), foi, em 2002, transferido para a Base Aérea de Natal
(RN). Sua instalação na Base Aérea de Manaus ocorreu apenas em
2010, com o objetivo de atender à Estratégia Nacional de Defesa.
Esquadrão de caça, o Pacau cumpre a missão de resguardar
o espaço aéreo na Amazônia Ocidental. Nesse sentido, operando a
aeronave F-5EM, está em alerta 24 horas por dia, durante os 365 dias
do ano, para resguardar a fronteira norte do Brasil. A dedicação e o
profissionalismo de seus militares renderam ao Esquadrão o título de
“A Sorbonne da Caça”.
A Força Aérea possui mais dois esquadrões aéreos de caça na
região. Um sediado na Base Aérea de Boa Vista (BABV), o Primeiro
esquadrão do terceiro Grupo de Aviação (1°/3° GAv), e outro operando
na Base Aérea de Porto Velho (BAPV), o Segundo Esquadrão do
Terceiro Grupo de Aviação (2°/3° GAv). Ambos atuam com a aeronave
A-29 Super Tucano.
A Base Aérea de Manaus também sedia dois esquadrões voltados
para a aviação de transporte. O Sétimo Esquadrão de Transporte
Aéreo (7° ETA), Esquadrão Cobra, foi criado em julho de 1983.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 202 14/09/2015 15:08:46


Capítulo 8 • A atuação da Força Aérea na Amazônia Ocidental 203

Figura 3. Unidade do esquadrão aéreo.


Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015.

Desenvolvendo suas atividades de transporte através de suas três


aeronaves – C-97 Brasília, C-95 Bandeirante e C-98 Caravan -, leva
suporte e esperança para as regiões distantes da Amazônia. O 7° ETA
trabalha, por exemplo, com o VII Comar na concretização das Evam
e das Aciso, realiza diversas missões de apoio aos pelotões de fronteira
do Exército Brasileiro (EB) e a outras organizações públicas. Com mais
de 80.000 horas de voo, o Esquadrão Cobra impacta positivamente
toda a região, o que lhe rendeu o título de “Anjos da Amazônia”.
O Cobra tem em sua história missões bem características da
região, como o transporte, em 2013, de uma jovem índia que teve
fraturas na perna e no braço, após ter caído de uma árvore onde
brincava. A menina foi resgatada próximo à fronteira do Brasil com a
Colômbia e levada para Manaus para receber tratamento especializado.
No mesmo ano, o 7° ETA colocou dentro do C-95 Bandeirante uma
onça parda que precisou ser transportada de Tefé para Manaus.
Sansão, como é chamada a onça, chegou bem à capital do Amazonas e
recebeu cuidados do Ibama.
O Primeiro Esquadrão do Nono Grupo de Aviação (1°/9° GAv),
Esquadrão Arara, apoia a Amazônia Ocidental há mais de 40 anos.
Primeiro esquadrão a ser instalado na Base Aérea de Manaus, o
Arara cumpre suas missões com a utilização da moderna aeronave

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 203 14/09/2015 15:08:46


204 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Figura 4. Transporte Aéreo Médico de Residentes.


Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015.

espanhola C-105 Amazonas. O 1°/9° GAv realiza importantes missões


aerologísticas, transportando, por exemplo, combustíveis, insumos para
a outras Forças Armadas e uma série de outras cargas, como provas do
Enem, urnas eleitorais, alimentos e remédios. Esse esquadrão também
realiza Evam, sendo responsável por várias vidas salvas na região.

Figura 5. Base do Esquadrão Arara.


Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015.

A missão da Aeronáutica, na última fronteira brasileira, também


é cumprida com o apoio das aeronaves de asas rotativas, os helicópteros.
Na BAMN, opera o Sétimo Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 204 14/09/2015 15:08:47


Capítulo 8 • A atuação da Força Aérea na Amazônia Ocidental 205

(7°/8° GAv), Esquadrão Harpia, unidade operacional da nossa Força


Aérea que utiliza os famosos helicópteros Black Hawk (ou H-60L) para
atuar de maneira única e quase que exclusiva na Região Norte deste
Brasil continental. Somente uma máquina com a capacidade de pousar
e decolar dentro de uma comunidade ribeirinha e até mesmo de aldeias
indígenas é capaz de abranger toda a Amazônia prestando serviço de
Alerta SAR (busca e salvamento), transporte de tropas (infiltração e
exfiltração) e de agentes das mais diversas esferas do setor público e,
ainda, missões de Evacuação Aeromédica e transporte presidencial na
área do VII Comar.

Figura 6. Unidade do Esquadrão Harpia.


Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015.

Na Base Aérea de Porto Velho, a Aeronáutica também conta com


um esquadrão de helicópteros, o Segundo Esquadrão do Oitavo Grupo
de Aviação (2°/8° GAv), Esquadrão Poti. A unidade atua em missões de
interceptação, ataque, escolta e patrulha aérea de combate.
A Base Aérea de Manaus conta, ainda, com duas organizações
voltadas para a área de infantaria, o Batalhão de Infantaria de
Aeronáutica Especial de Manaus (Binfae-MN), Batalhão Uiruuetê, e
o Segundo Grupo de Defesa Antiaérea (2° GDAAE), Grupo Ajuricaba.
Oriundo da junção das unidades de infantaria do VII Comar e da
BAMN, o batalhão é responsável pela segurança orgânica das unidades

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 205 14/09/2015 15:08:47


206 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

sediadas em Manaus e das demais atividades que envolvem emprego


de tropas terrestres na área do Comar. Já o 2° GDAAE realiza a defesa
antiaérea e tem por finalidade capacitar suas equipes de manutenção
para o emprego de combate ou em apoio ao combate, em período de
conflito, e de adestrar para o cumprimento das missões atribuídas, em
tempo de paz.
Para controlar os voos das aeronaves no espaço aéreo brasileiro,
na área da Amazônia, trabalha o Quarto Centro Integrado de Defesa
Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta IV), organização do
Comando da Aeronáutica (Comaer). A unidade tem por finalidade a
defesa do espaço aéreo e o controle do tráfego de aeronaves em uma área
de 5,5 milhões de quilômetros quadrados, que abrange os Estados do
Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e parte
do Mato Grosso e do Tocantins. Esta organização militar gerencia 20%
dos voos realizados no Brasil, em mais de 60 % do território nacional.
A Força Aérea Brasileira (FAB), representada pelo Sétimo
Comando Aéreo Regional na Amazônia Ocidental, utiliza diferentes
meios e trabalha 24 horas por dia, durante os 365 dias do ano, para
garantir a soberania do espaço aéreo brasileiro e a defesa da pátria.

Figura 7. Imagem da Força Aérea Brasileira integrada ao país.


Fonte: Acervo da Força Aérea Brasileira, 2015.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 206 14/09/2015 15:08:47


Capítulo 9

Sistema de Proteção
da Amazônia: modelo de
governança singular do
território amazônico brasileiro
Rogério Guedes Soares

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 207 14/09/2015 15:08:47


208 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Introdução
A Amazônia é o maior bioma do Brasil: num território de
4,196.943 milhões de km2 (IBGE, 2004), crescem 2.500 espécies de
árvores (ou um terço de toda a madeira tropical do mundo) e 30 mil
espécies de plantas (das 100 mil da América do Sul).
A Bacia Amazônica é a maior bacia hidrográfica do mundo:
cobre cerca de 6 milhões de km2 e tem 1.100 afluentes. Seu principal
rio, o Amazonas, corta a região para desaguar no Oceano Atlântico,
lançando ao mar cerca de 175 milhões de litros d’água a cada segundo.
As estimativas situam a região como a maior reserva de madeira
tropical do mundo. Seus recursos naturais, que, além da madeira,
incluem enormes estoques de borracha, castanha, peixe e minérios, por
exemplo, representam abundante fonte de riqueza natural. A região
abriga também grande riqueza cultural, incluindo o conhecimento
tradicional sobre os usos e a forma de explorar esses recursos naturais
sem esgotá-los nem destruir o habitat natural.
Toda essa grandeza não esconde a fragilidade do ecossistema
local, porém, a floresta vive a partir de seu próprio material orgânico,
e seu delicado equilíbrio é extremamente sensível a quaisquer
interferências. Os danos causados pela ação antrópica são muitas vezes
irreversíveis.
A Amazônia brasileira, denominada Amazônia Legal, abrange
os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia,
Roraima, Tocantins e parte do Maranhão, perfazendo uma superfície
de mais de cinco milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a
60% do território brasileiro.
São 763 municípios, com população que, em 2007, já somava quase
25 milhões de pessoas, sendo que mais de 70% vivem nas áreas urbanas
(IBGE, 2007). O contingente populacional indígena tem crescido nos
últimos anos, sendo estimado em 400 mil, distribuído principalmente
nas terras indígenas (1,02 milhões de km) (IBGE, 2007).
A diversidade étnica é outra característica da região. Estimam-se
em 200 os grupos étnicos, que falam cerca de 170 línguas e dialetos
diferentes. Quase 200 milhões de hectares na Amazônia Legal (40% do
território) constituem-se de área protegidas ou de destinação específica
(unidades de conservação, terras indígenas, terras quilombolas e áreas
militares). O PIB regional de 2006 foi da ordem de R$ 175 bilhões
(8% do total nacional) resultando num PIB per capita de R$ 6,5 mil,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 208 14/09/2015 15:08:47


Capítulo 9 • Sistema de Proteção da Amazônia: modelo de governança singular do território... 209

40% inferior à média nacional. A população urbana está ocupada


principalmente em atividades de serviços e comércio, tendo a indústria
relevância apenas em Manaus (AM) e Belém (PA).
A atividade agrícola ocupa cerca de 13 milhões de hectares na
região (2,5 do território total), tendo produzido em 2007, 29,2 milhões
de toneladas de grãos, 22% da produção nacional. A pecuária bovina
compreendia, em 2005, rebanho de 75 milhões de cabeças (40% do
efetivo nacional), distribuído em cerca de 70 milhões de pastagens
naturais e plantadas (13,5 % do território). Desde 1990, a Amazônia
Legal é responsável por mais de 80% do crescimento do rebanho
bovino nacional.
As atividades produtivas ocupam, assim, menos de 20%
do território da Amazônia Legal. As áreas de expansão são bem
conhecidas e podem ser monitoradas. As áreas mais sensíveis hoje
correspondem à parte sul do Estado do Amazonas e à área conhecida
como Arco do Desmatamento, que vai do sul do Pará, Mato Grosso,
Rondônia e que expressa a pressão antrópica do sul para o norte do
país. Os cenários futuros indicam uma provável estabilização das áreas
desflorestadas. Ante a complexidade deste vasto território, o governo
brasileiro vislumbrou a perspectiva de atuar de forma integrada entre
os vários órgãos governamentais e com forte aporte tecnológico para
dar sustentação a essa atuação.

Histórico
Na década de 90, o governo brasileiro, em reconhecimento a
uma série de problemas diagnosticados na região, como a deficiente
infraestrutura de apoio às decisões governamentais, a atuação
ineficaz das instituições públicas, a falta de atuação multidisciplinar
integrada, a reconhecida dificuldade de proteger o ecossistema, a
quase inexistência de sistema de controle, fiscalização, monitoramento
e vigilância, aliadas à complexidade das questões socioeconômicas,
ecológicas e culturais, e, mais ainda, a existência de pressões externas
para a internacionalização da Amazônia, concebe dois movimentos:
a criação de um sistema nacional de coordenação que propicie a
atuação integrada e coordenada de seus órgãos na Amazônia, e outro,
a viabilização de meios tecnológicos para a vigilância e monitoramento
sistemático que produza informações para o planejamento e a execução
das ações finalísticas, em resposta aos problemas de gestão e controle
da região. Constituem-se, então, o Sistema de Proteção da Amazônia

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 209 14/09/2015 15:08:47


210 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

(Sipam), coordenado pelo Conselho Deliberativo do Sistema de Proteção


da Amazônia (Consipam), composto pelos secretários executivos da
Casa Civil da Presidência da República (que o preside), do Ministério
da Integração Nacional, do Ministério da Ciência, Tecnologia e
Inovação, do Ministério do Meio Ambiente, do Ministério da Justiça,
do secretário de Organização do Ministério da Defesa, do secretário-
geral das Relações Exteriores do Ministério das Relações Exteriores
e do subchefe militar do Gabinete de Segurança Institucional da
Presidência da República (Decreto de 18 de outubro de 1999).
Inicia-se, paralelamente a concepção do Sipam, a configuração e
a execução do projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam).
O Ministério da Aeronáutica assumiu o desenvolvimento do programa
de implantação da proposta. Além de estudos sobre as potencialidades e
limitações da região, foram levantadas e sistematizadas as informações
sobre atividades ilícitas e lesivas aos interesses nacionais, como a
exploração predatória, o narcotráfico, a agressão ao ecossistema e a
produção de reservas indígenas. De setembro de 1990 a dezembro de
1992, o governo trabalhou na concepção do Sivam. Concluída essa fase,
iniciaram-se os ajustes e preparação dos procedimentos para a seleção
das empresas que ficariam responsáveis pela implantação do projeto,
tendo o governo iniciado em agosto de 1993 o processo de consultas
públicas para esse fim.
Além dos custos, foram avaliadas as condições técnicas, como
transferência de tecnologia, e de financiamento na seleção das
empresas, conforme o Decreto nº 892, de 12 de agosto de 1993. Com
a seleção da proposta, o Congresso Nacional aprovou, em dezembro
de 1994, financiamento externo no valor de 1, 395 bilhão de dólares,
viabilizando a continuidade do programa. Em 27 de maio de 1995, a
Presidência da República autorizou assinatura do contrato comercial
com a empresa Raytheon para o fornecimento de bens e serviços, ficando
o governo federal responsável pelas tarefas de integração e realização
das obras civis. A configuração do Sivam, que despontava naquele
momento, compreendia basicamente um conjunto de infraestruturas
e equipamentos, e uma complexa plataforma tecnológica com seu
sistema operacional, destinados tanto ao processamento dos dados
coletados pelos sensores quanto à gestão do sistema.
Essa complexa rede tecnológica conta uma rede cativa de
teleco­
municações e de sensores terrestres e aerotransportados,
compostos por radares de controle do espaço aéreo, meteorológicos,
monitoramento do espectro eletromagnético, destinada à aquisição

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 210 14/09/2015 15:08:47


Capítulo 9 • Sistema de Proteção da Amazônia: modelo de governança singular do território... 211

e processamento de dados e à visualização e difusão de imagens,


mapas, previsões e outras informações. Esses meios abrangem o
sensoriamento remoto, o monitoramento ambiental e meteorológico,
a exploração de comunicações, a vigilância por radares, recursos
computacionais. As aplicações desses meios técnicos e a associação
dos dados obtidos, a partir dos diversos sensores, proporcionam
informações detalhadas e adequadas às necessidades operacionais
de cada órgão parceiro do sistema e de seus usuários. Caracteriza-se
assim como um sistema estruturado para a gestão de riscos climáticos,
ambientais e para a integridade territorial, na perspectiva de auxiliar
na ação governamental na Amazônia.
Porém, a efetiva implantação e funcionamento do Sipam,
como mencionado anteriormente, foi dada com a publicação do
Decreto nº 4.200, de 17 de abril (BRASIL, 2002), que instituiu o
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia
(Censipam), e ocorreu a inauguração do Centro Regional de Manaus
em julho do mesmo ano. No mesmo decreto fica então definido
que o Censipam passa a ser a Secretaria Executiva do Consipam, e
que lhe cabe ainda propor, acompanhar, implementar e executar as
políticas, diretrizes e ações voltadas ao Sipam, aprovadas e definidas
pelo Conselho Deliberativo do Sistema de Proteção da Amazônia
(Consipam). A liderança do sistema encontra-se hoje na Casa Civil da
Presidência da República, e mais recentemente, com a transferência do
Censipam para o Ministério da Defesa em janeiro de 2011, o sistema
passa a receber diretrizes dadas pelo Ministério da Defesa. A partir
do Planejamento Estratégico, o Censipam define a sua missão como:
“Promover a proteção da Amazônia Legal por meio da sinergia das
ações de governo, da articulação, do planejamento, da integração de
informações e da geração de conhecimento”.
Para potencializar e descentralizar suas ações, o Censipam possui
o Centro de Coordenação Geral (CCG), localizado em Brasília, e três
Centros Regionais (CRs) em Manaus, Belém e Porto Velho (Figura 1).
Os CRs integram informações, realizando estudos de inteligência,
agregando dados gerados pelo próprio sistema, em conjunção com outros
órgãos parceiros, tais como: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e
dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Agência Nacional de Águas
(ANA), Departamento de Polícia Federal (DPF), Fundação Nacional do
Índio (Funai), Receita Federal, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
(Inpe), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Defesa
Civil, e órgãos estaduais e municipais de meio ambiente. Dessa forma,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 211 14/09/2015 15:08:48


212 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

cabe enfatizar que a atuação governamental conjunta é necessária para


o desenvolvimento da região.

Figura 1. Localização do Centro de Coordenação Geral e dos três


Centros Regionais do Sipam.
Fonte: Acervo do Censipam, 2015.

Atividades permanentes
O trabalho do Sipam tem funcionado de forma sistemática,
e o valor que agrega decorre da sua capacidade em implantar e
harmonizar diversos subsistemas de gestão tendo como finalidade a
manutenção e atualização da infraestrutura tecnológica, a produção
de conhecimento e, para a realização destas, a coordenação/integração
dos mecanismos organizacionais e institucionais envolvidos, na busca
de prover informação e conhecimento da Região Amazônica. Foram
estruturados quatro programas permanentes:

Programa de Monitoramento de Áreas Especiais (ProAE)


O Programa de Monitoramento de Áreas Especiais (ProAE)
realiza, por meio da análise de imagens de satélite, o monitoramento de
áreas desmatadas, campos de pouso e vias de acesso, tais como estradas,
vicinais e trilhas. Esse monitoramento é realizado prioritariamente

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 212 14/09/2015 15:08:48


Capítulo 9 • Sistema de Proteção da Amazônia: modelo de governança singular do território... 213

em terras indígenas, unidades de conservação estaduais e federais


(figura 2) e demais áreas que venham a ser definidas como especiais
pelo Censipam e/ou órgãos parceiros. O resultado subsidia as ações
preventivas do governo contra o desmatamento e demais ilícitos que
ocorrem na Região Amazônica. As informações são repassadas aos
órgãos parceiros para tomada de decisão. Os órgãos que recebem
tais informações são: Instituto Chico Mendes de Conservação da
Biodiversidade (ICMBio), Funai, Secretaria de Desenvolvimento
Sustentável (SDS), Ibama, DPF, Agência Brasileira de Inteligência
(Abin) e demais órgãos ambientais e de combate a ilícitos.

Figura 2. Terras Indígenas e Unidades de Conservação Estaduais


e Federais, áreas prioritárias de monitoramento do ProAE.
Fonte: Acervo do Censipam, 2015.

SIPAMCidade
O Programa SIPAMCidade tem como objetivo capacitar, gratui­
tamente, os municípios da Amazônia Legal no uso de geotecnologias
para apoiar as ações de planejamento e ordenamento territorial.
Durante a capacitação, os técnicos recebem um CD-Rom, contendo
uma base de dados digital, recortada por município, composta por
dados raster (imagens de satélite) e dados vetoriais (mapas temáticos,
tais como vegetação, hidrografia, solo, dentre outros), disponíveis

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 213 14/09/2015 15:08:48


214 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

no Sipam. O software utilizado é o Quantum GIS, por meio do qual


são repassadas as principais ferramentas inerentes ao manuseio dos
dados vetoriais e dados raster. As informações obtidas a partir do
uso da geotecnologia, possibilitam melhorias sociais, econômicas e
ambientais ao município. Tais informações podem ser integradas com
outras disponíveis na administração municipal para a elaboração de
novos mapas temáticos que poderão subsidiar o planejamento regional
e auxiliar na execução de políticas de desenvolvimento urbano, como
por exemplo, seleção de áreas para a implantação de aterro sanitário,
elaboração de mapas e cadastros fundiários, mapas de uso do solo,
dentre outros.
Considerando a dificuldade encontrada para a implementação
do programa de modo presencial, em toda a Amazônia, e levando em
consideração a relevância do SIPAMCidade para o desenvolvimento
ordenado do território, o Censipam está reestruturando o programa
por meio do ensino a distância. Essa atualização possibilitará maior
abrangência, contemplando os demais órgãos parceiros que compõem
o Sipam.

Meteorologia para Defesa Civil


Por meio da observação de imagens do satélite e radares
meteorológicos, é feito o monitoramento meteorológico para geração
de alertas de eventos extremos e previsões meteorológicas para 24, 48
e 72 horas, que são encaminhadas para a Defesa Civil e demais órgãos
parceiros.
Mensalmente são elaborados Boletins Climáticos da Amazônia,
em parceria com instituições que trabalham com informações
meteorológicas, com o objetivo de gerar prognósticos de temperatura
e precipitação para três meses consecutivos.
Também são gerados boletins especiais para órgãos parceiros
do Sipam, quando da realização de operações que necessitam desta
informação, subsidiando o deslocamento das equipes em campo e das
aeronaves.
Além dos boletins, são divulgadas diariamente previsões
meteorológicas para os meios de comunicação (televisão, rádio, mídia
impressa e digital).
As informações inerentes aos satélites e radares meteorológicos
são divulgadas em tempo real, por meio do Sistema SOS Amazônia,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 214 14/09/2015 15:08:48


Capítulo 9 • Sistema de Proteção da Amazônia: modelo de governança singular do território... 215

desenvolvido em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas


Espaciais (Inpe), disponível no endereço: http://sosamazonia.sipam.
gov.br (figura 3).

Figura 3. Sistema SOS Amazônia.


Fonte: Acervo do Censipam, 2015.

Telecomunicação satelital
Atualmente o Sipam conta com uma rede de comunicações
composta por cerca de 700 terminais de usuários remotos, com
tecnologia VSAT (Very Small Aperture Terminal), possibilitando acesso
à internet e telefonia; são instalados em pontos isolados e estratégicos
da região, e em alguns casos significam o único meio de comunicação
da população. Os terminais são cedidos, mantidos e instalados pelo
Censipam na Amazônia para os diversos órgãos parceiros, como
prefeituras, Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Defesa Civil, ICMBio,
DPF, Exército, Aeronáutica, Marinha, Funai e governos dos Estados
(figura 4). Como exemplo do uso desses terminais, podemos citar:
(i) Instalação de VSAT em todas as Comarcas do Amazonas para
atender ao Programa Projudi, desenvolvido pelo Tribunal de Justiça

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 215 14/09/2015 15:08:49


216 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

do Amazonas, com o objetivo de oferecer celeridade aos processos


judiciais, em benefício da sociedade e, (ii) Parceria com o Ministério do
Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), com o objetivo de
realizar o cadastramento de famílias que vivem em situação de pobreza
ou de extrema pobreza nos programas sociais do governo federal na
Amazônia.

Figura 4. Localização dos terminais de comunicação instalados na


Amazônia Legal.
Fonte: Acervo do Censipam, 2015.

Atividades especiais
Estas atividades correspondem às demandas específicas que
são encaminhadas pelos órgãos parceiros a partir da integração das
políticas públicas prioritárias para região.

Arco Verde
O Sipam realizou o trabalho de monitoramento dos 43 muni­
cípios embargados, prioritários para as ações de prevenção e combate
ao desmatamento, conforme a Portaria 102, de 24 de março de 2009
(BRASIL, 2009), do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Foram
coletadas imagens R99/SAR, pelo sensor de Radar de Abertura

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 216 14/09/2015 15:08:49


Capítulo 9 • Sistema de Proteção da Amazônia: modelo de governança singular do território... 217

Sintética (SAR), acoplado nas aeronaves de Sensoriamento Remoto


R-99B, do Sipam, correspondente a 816 mil quilômetros quadrados
dos referidos municípios. Elas foram processadas e analisadas pelo
Centro Regional de Manaus, gerando informações sobre a dinâmica
do desmatamento, que são fundamentais para ações de fiscalização,
controle e prevenção, além de subsidiar os municípios no planejamento
da gestão territorial.

Terra Legal
Programa Terra Legal, criado pelo governo federal pela
Lei nº 11.952 (BRASIL, 2009), para titular a propriedade de terras
públicas de até 15 módulos fiscais, localizadas na Amazônia. As áreas
regularizadas são monitoradas por meio de imagens de satélite.
O resultado desse monitoramento é a ação imediata e pontual
sobre as propriedades que não estiverem cumprindo as cláusulas
contratuais de preservação do meio ambiente e sustentabilidade.
Nesta parceria, o trabalho do Sipam é gerar informações sobre o
monitoramento, e repassá-las à Coordenação Nacional do Terra Legal.
Anualmente é gerado um levantamento que permite o mapea­
mento atualizado das terras públicas federais, sua destinação e a
evolução das ocupações, garantindo assim o cumprimento da cláusula
ambiental dessas áreas. Além disso, o Sipam vem utilizando seus
meios de inteligência tecnológica, como a mineração de dados, para
identificar possíveis fraudes.

Arco de Fogo
O Censipam apoia as operações de combate e controle do
desmatamento e outros ilícitos, por meio do trabalho de inteligência
tecnológica, com ações integradas com a Polícia Federal, o Ibama,
a Força Nacional de segurança e a Polícia Rodoviária Federal, além
de participar da Comissão Interministerial de Combate aos Crimes
e Infrações Ambientais (CICCIA). Para essas ações, fornece material
cartográfico de apoio (cartas imagens, imagens de satélite, mapas
temáticos, croquis de operação) e relatórios para o direcionamento de
ações, ambientação das equipes de campo e otimização de recursos.
Também gera relatórios de inteligência resultantes de um trabalho
de auditoria nos Documentos de Origem Florestal (DOFs) e Guias

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 217 14/09/2015 15:08:49


218 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Florestais (GFs) com o propósito de levantar os principais envolvidos


no processo de esquentamento de madeira de desmatamentos ilegais.

Cartografia da Amazônia
O Projeto da Cartografia da Amazônia tem com o principal
objetivo mapear, em escala mais detalhada (1:100.000), os vazios
cartográficos na região, que equivalem a cerca de 1,8 milhão de
quilômetros quadrados da Amazônia que não possui informações
cartográficas na referida escala.
O Censipam é o gestor do projeto, e os executores são Exército
Brasileiro, Marinha do Brasil, Força Aérea Brasileira e Serviço
Geológico do Brasil (CPRM), que realizam as cartografias náuticas,
terrestre e geológica.
Até a conclusão do projeto, vários produtos cartográficos
intermediários serão divulgados para subsidiar pesquisadores ou mesmo
auxiliar na gestão pública. Durante a execução, o governo federal
investe R$ 350 milhões. O projeto permitirá melhor conhecimento
da Amazônia brasileira, geração de informações estratégicas para
o monitoramento de segurança e defesa nacional, em especial nas
fronteiras e maior segurança a navegação. A cartografia auxiliará
ainda no planejamento e execução dos projetos de infraestrutura, como
rodovias, ferrovias, gasodutos e hidrelétricas, além da demarcação de
áreas de assentamento, áreas de mineração, agronegócios, elaboração
de zoneamento ecológico, econômico e de ordenamento territorial,
segurança territorial, escoamento da produção e desenvolvimento
regional.

Considerações finais
O tema Amazônia é tratado com alta importância, não somente
pela sociedade brasileira, mas também pela comunidade internacional.
O investimento feito pelo governo brasileiro na implantação do Sipam
vem demonstrando resultados satisfatórios, por exemplo, o uso de
geotecnologias é fundamental para se conhecer e fortalecer a gestão
do território amazônico, que abriga 30% da diversidade biológica
do planeta, tem a maior bacia de água doce da terra, um terço das
florestas tropicais úmidas do planeta e gigantescas reservas minerais.
Para proteger toda essa riqueza e desenvolver econômica e socialmente
a Amazônia, que abrange 60% do território brasileiro, é necessário um

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 218 14/09/2015 15:08:49


Capítulo 9 • Sistema de Proteção da Amazônia: modelo de governança singular do território... 219

trabalho sistemático de monitoramento, com a produção de informação


e conhecimento.
Nesse sentido, o Sipam tem trabalhado em parceria com os
diversos órgãos governamentais, na busca de proteger e contribuir
para o desenvolvimento sustentável de um dos maiores patrimônios
da nação brasileira. Nos 12 anos de atuação do Sipam na Amazônia, o
órgão tem se consolidado como uma instituição parceira importante,
tem participado de diversos grupos de trabalho, desenvolvendo projetos
próprios e executando trabalhos específicos para os órgãos parceiros.
Portanto, é no trabalho integrado que o Sipam tem contribuído
para preservar, proteger e fomentar um desenvolvimento sustentável.

Referências
BRASIL. Decreto 4.200 de 17 de abril de 2002. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 abr. 2002. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4200.htm>. Acesso em: 10 out. 2011.

BRASIL. Decreto de 18 de outubro de 1999. Diário Oficial [da] República


Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 out. 1999. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/DNN/Anterior%20a%202000/Dnn-18-10-99.htm>.
Acesso em: 10 out. 2011.

BRASIL. Lei 11.952, de 25 de junho de 2009. Diário Oficial [da] República


Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 jun. 2009. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11952.htm>. Acesso em:
10 out. 2011.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria MMA nº 102, de 24 de


março. Legislação Federal. Disponível em: <http://www.legisweb.com.br/
legislacao/?id=214577>. Acesso em: 10 out. 2011.

IBGE. Mapa de biomas do Brasil. Rio de Janeiro, 2004 Escala 1:5.000.000.


Disponível em: <http://mapas.ibge.gov.br/biomas2/viewer.htm>. Acesso em:
10 out. 2011.

IBGE. Síntese dos indicadores sociais: uma análise das condições de vida
da população brasileira. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: <http://www.
ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/
sinteseindicsociais2007/indic_sociais2007.pdf>. Acesso em: 10 out. 2011.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 219 14/09/2015 15:08:50


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 220 14/09/2015 15:08:50
Capítulo 10

Zona Franca de Manaus (ZFM):


circunstâncias históricas,
cenário contemporâneo e
agenda de aperfeiçoamento
José Alberto Machado da Costa
Rosa Oliveira de Pontes

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 221 14/09/2015 15:08:50


222 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Antecedentes propiciadores
As características do desenvolvimento implantado no Brasil
a partir da década de 30 do século XX decorreram de ideologias
que dominavam alguns países, especialmente na América Latina,
e que tinham como premissas o crescimento econômico, com
perfil nacionalista, pautado na promoção e proteção da indústria,
utilizando-se de mecanismos de substituição de importação, visando
modificar o perfil de países eminentemente agroexportadores. Tais
perspectivas foram estimuladas pelo crescente mercado interno
nacional e o anseio da sociedade brasileira pela industrialização,
circunstâncias que criaram as condições para o fomento da estrutura
industrial (BRUM, 2005), com o Estado assumindo o papel de indutor
e atuando como principal agente das políticas implementadas.
O desenvolvimentismo, como ficou denominada essa fase,
esteve presente no Brasil com fortes traços até os anos 80 do século
XX, com predominância para o período de Getúlio Vargas, Juscelino
Kubitscheck e primeiros anos dos governos militares, foi determinante
para a concepção do modelo de desenvolvimento proposto para a
Região Amazônica – especialmente para a criação da Zona Franca
de Manaus (ZFM). Ele acabou assimilando as matrizes teóricas do
desenvolvimentismo, que dava ênfase às ideias keynesianas com seu
modelo de estado regulador da economia, à teoria estruturalista ou
cepalina do subdesenvolvimento1, à teoria de polos de desenvolvimento
baseada nos estudos de François Perroux, aperfeiçoada por Albert
Hischman e mais tarde ampliada por Michel Porter, por meio de sua
teoria dos aglomerados. Em síntese, essa teoria considera os polos
como sendo “complexos industriais com identificação geográfica,
sendo liderados por indústrias motrizes com atividades ligadas nas
relações insumo-produto”. Quando esses polos passam a provocar
transformações estruturais e expansão do produto e do emprego no
meio que estão inseridos, tornam-se polos de desenvolvimento (SOUSA,
2005, p. 180).
O desenvolvimentismo adotava ainda como instrumento os
processos de substituição de importação e de redução ou eliminação
de encargos fiscais, que foram defendidos por Maria da Conceição
Tavares, dentre outros pensadores, para quem o modelo de substituição
1
A partir de estudos da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal) que questionava
a especialização das economias latino-americanas voltadas à exportação, condenando-as ao
subdesenvolvimento, tendo como sua principal referência os estudos de Raúl Prebisch e Celso
Furtado.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 222 14/09/2015 15:08:50


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 223

de importações representa um movimento interno e externo no país,


em que uma restrição interna induz o setor industrial a produzir
internamente determinado grupo de bens, deslocando a demanda de
importações para outros produtos (TAVARES, 2000, p. 228).
O desenvolvimento da Amazônia já tinha sido objeto de interesse
ainda no período colonial com as iniciativas do Marquês de Pombal,
entre 1750-1777, considerada a primeira tentativa organizada de
valorização regional da Amazônia (LOPES, 1978, p. 37). Elas visavam
consolidar a soberania militar e diplomática de Portugal sobre a
área e se fundavam, entre outras providências, na busca de solução
para os conflitos entre colonos e jesuítas e destes com os habitantes
nativos; na organização da produção; no inventário das possibilidades
produtivas; na organização da estrutura de importação e exportação.
Tais medidas chegaram a ensejar uma base agrícola, inaugurando o
que é considerado o início de um ciclo de desenvolvimento da região,
encerrado, entretanto, com a saída de Pombal do poder em Portugal.
Entre 1880 e 1912, o êxito da exploração da borracha propiciou
um ciclo de riqueza e a Amazônia tornou-se, de súbito, uma das regiões
mais rentáveis do mundo, mas a renda da borracha esteve sempre
canalizada para setores econômicos muito específicos e restritos
(LOUREIRO, 2009, p. 40). A chegada no mercado da produção da
Malásia, obtida de cultivos racionais e sistemáticos (MAHAR, 1978, p.
40) e, por isso, com menores preços, encerrou esse período, apesar
de intenções pouco efetivas de revigorá-lo, com o Plano de Defesa da
Borracha. Entre 1942-1947, em razão do bloqueio às fontes asiáticas
durante a Segunda Guerra Mundial, e tendo por suporte os chamados
Acordos de Washington, novo surto produtivo baseado na borracha
veio à tona, mas logo encerrado com o fim do conflito.
Na fase do desenvolvimentismo getulista (1930-1945 e 1951-
1954), há eventos de preocupação política do governo com a região,
porém com pouca efetividade. Com a reconstitucionalização do país,
houve a inclusão do artigo 199 na Constituição Federal de 1946 sobre
o programa de desenvolvimento para a Amazônia, com recursos
originários de impostos federais durante 20 anos, além de parcelas
iguais dos estados e municípios da região. Em 1953, sete anos após
a diretriz constitucional, criou-se a Superintendência do Plano de
Valorização Econômica da Amazônia (SPVEA), que não teve atuação
expressiva, mas estabeleceu um “marco teórico-metodológico” para
outras experiências de planejamento regional, conforme enfatiza
Oliveira Jr. (OLIVEIRA JR., 2009, p. 73).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 223 14/09/2015 15:08:50


224 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

O desenvolvimentismo do período de Juscelino (1956-1960)


pouco considerou a Amazônia como área representativa nas grandes
obras e metas nacionais, e o órgão gestor regional, recém-criado,
perdeu importância (OLIVEIRA JR., 2009, p. 70). A única grande obra
desenvolvida foi a rodovia Belém-Brasília, feita à revelia da SPVEA, e
não teve a intenção de promover o desenvolvimento regional e sim de
ligar Brasília, ao norte, fazendo um elo entre as regiões Centro-Sul e
Norte do país. A ZFM, cuja primeira experiência de institucionalização
foi efetuada no governo JK, não frutificou, conforme será demonstrado
posteriormente.
A utilização de estratégias desenvolvimentistas somente chegou à
Amazônia a partir da segunda metade da década de 60, do século XX,
quando as políticas adotadas no plano nacional foram reproduzidas na
região com a mesma ênfase e com destaque à preocupação estratégico-
militar de ocupação do espaço como elemento de segurança nacional,
dentro do slogan de “Integrar para não entregar”, e considerava a pouca
politização da população, a possível influência ideológica “indesejada”
de países limítrofes, o potencial econômico dos recursos naturais e a
cobiça internacional (RAMOS, 1971, p. 25).
O governo federal, com a chamada Operação Amazônia2,
realizou estudos e fixou a nova política, que visava: estabelecer polos
de desenvolvimento e grupos de populações estáveis e autossuficientes
(especialmente nas áreas de fronteira); estimular a imigração; ensejar
incentivos ao capital privado; desenvolver a infraestrutura; pesquisar o
potencial de recursos naturais. A reboque desses propósitos efetivaram-se
modernizações institucionais, entre as quais destacam-se: o Banco de
Crédito da Borracha foi transformado em Banco da Amazônia S/A (Basa);
a SPVEA foi alterada para Superintendência de Desenvolvimento da
Amazônia (Sudam); e em 1967, é criada efetivamente a ZFM (BECKER,
2005, p. 25) e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa),
com foco especial para a Amazônia Ocidental.

Mudanças no tempo
Ótica federal
O projeto do deputado federal Francisco Pereira da Silva (AM),
emendado pelo deputado Maurício Joppert, relator da matéria, constituiu
o marco legislativo, em 1957, para a implantação de um “porto livre”
2
Trata-se de operação criada pela Lei n.° 5.173, de 27 de outubro de 1966.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 224 14/09/2015 15:08:50


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 225

na cidade de Manaus, Estado do Amazonas, como empreendimento


coordenado pela SPVEA. A Lei n.° 3.173, em 06 de junho de 1957, foi
sancionada pelo presidente Juscelino Kubitscheck, mas permaneceu
sem regulamentação e sem aplicação até 1960 (BRASIL, 1960).
Foi prevista a desoneração de tributos federais, estaduais e
municipais ou direitos alfandegários para as mercadorias originárias
do exterior e desembarcadas nesse local, com possibilidade de
beneficiamento e posterior internação para o mercado nacional
mediante tributação regular. Sua instalação foi feita de forma provisória
e não surtiu os efeitos esperados, porque os incentivos não se revelaram
suficientes para atrair investidores e por causa da falta de infraestrutura
que dependia de vultosos investimentos do governo federal, os quais
não foram contemplados no planejamento governamental (GARCIA,
2008). Outras tentativas de estímulo econômico regional foram
propostas em 19623, mas somente no início dos governos militares
(1964), mais especialmente em 1966, várias ações foram desencadeadas
para a Amazônia, o que redundaria na reformulação da ZFM e de
outros organismos existentes.
Assim, dez anos depois da criação da ZFM como porto livre, a sua
base legal foi reformulada em 28 de fevereiro de 1967, pelo presidente
Humberto de Alencar Castello Branco, através do Decreto-Lei n.° 288,
que estabelecia em seu art. 1º:
A Zona Franca de Manaus é uma área de livre comércio de
importação e exportação e de incentivos fiscais especiais,
estabelecida com a finalidade de criar no interior da
Amazônia um centro industrial, comercial e agropecuário
dotado de condições econômicas que permitam o seu
desenvolvimento, em face dos fatores locais e da grande
distância a que se encontram os centros consumidores de seus
produtos (BRASIL, 1967a).

A abrangência espacial da ZFM ficou definida para área contínua


de dez mil quilômetros quadrados, incluindo a cidade de Manaus
e seus arredores, dotada, originalmente, dos seguintes incentivos
fiscais: (i) isenção de imposto de importação e imposto sobre produtos
industrializados para a entrada de mercadorias estrangeiras destinadas

3
Lei n.° 4.069-B, de 12 de junho de 1962, assegurava a isenção de imposto de renda para
empresas localizadas na Amazônia que atuassem no beneficiamento ou manufatura de matéria-
prima regional (borracha, juta e similares ou sementes oleaginosas). Tal regra se tornaria a
base dos incentivos da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), quatro
anos depois (BRASIL, 1962).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 225 14/09/2015 15:08:50


226 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

ao consumo interno, industrialização em qualquer grau, inclusive


beneficiamento de qualquer natureza e estocagem para reexportação;
(ii) ingresso de mercadorias nacionais para consumo, industrialização
ou reexportação, equiparado, para fins fiscais, à exportação para o
estrangeiro, contando, portanto, com os incentivos aplicáveis a qualquer
exportação, além de ser isento do imposto de exportação, para permitir
competitividade da produção local com a estrangeira; (iii) incidência
do imposto de importação nas mercadorias industrializadas na ZFM,
se destinadas a outros pontos do território nacional, apenas sobre
insumos importados, com redução do percentual do valor adicionado
no processo de industrialização local em relação ao custo total da
mercadoria; (iv) isenção de imposto sobre produtos industrializados
para as mercadorias produzidas na ZFM, independentemente da
destinação (consumo, venda para o mercado nacional ou exportação).
Destaque-se que algumas mercadorias, por sua natureza econômica,
foram excluídas dos benefícios: armas e munições, perfumes, fumo,
bebidas alcoólicas e automóveis de passageiros.
Em suma, os bens produzidos na ZFM seriam sujeitos somente
ao pagamento de ICM (hoje ICMS), se não tivessem componentes
importados e, quando os tivessem, sofreriam a tributação também
do imposto de importação, porém com redução. A legislação definiu
que a administração da ZFM seria exercida pela Superintendência
da Zona Franca de Manaus (Suframa), cuja criação se deu por ato
próprio,4 vinculada à época ao Ministério do Interior5 e desvinculada
do organismo federal de desenvolvimento sediado no Pará, a Sudam.
Na época, houve ampliação da abrangência geográfica dos
benefícios estabelecidos por outro decreto-lei (BRASIL, 1967b),
incentivos baseados na não incidência do Imposto de Renda (IR) para
os empreendimentos localizados na Amazônia Ocidental e faixa de
fronteira abrangida pela Amazônia. O mesmo ato definia a Amazônia
Ocidental como a região integrada pelos Estados do Amazonas, Acre,
Roraima e Rondônia, os últimos ainda na condição de Territórios
Federais. Um ano depois, nova legislação (BRASIL, 1968) ampliou os
incentivos do Decreto-Lei n.° 288/67 para a Amazônia Ocidental, em
relação aos bens recebidos, oriundos, beneficiados ou fabricados na ZFM,
para consumo interno, enumerando os bens de produção e consumo e

4
Decreto n.° 61.244, de 28 de agosto de 1967 (BRASIL, 1967b), regulamentando o Decreto-Lei
n.° 288/67.
5
Na atualidade a Suframa é vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Exterior (MDIC).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 226 14/09/2015 15:08:50


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 227

gêneros de primeira necessidade como objeto das isenções. Além disso,


foram definidos os mecanismos necessários para a implantação do
Distrito Industrial da ZFM6, em 30 de setembro de 19687.
A legislação federal alcançou tributos de competência estadual e
municipal, condicionando sua própria vigência às concessões dos demais
entes. Assim, fixou para o Estado do Amazonas o estabelecimento de
crédito do Imposto de Circulação de Mercadorias (ICM, hoje ICMS)
para as mercadorias remetidas para área incentivada, em igual
montante ao que seria devido se aquelas remessas não tivessem sido
consideradas pelo decreto-lei como exportações (crédito presumido).
De igual modo, dispôs sobre a isenção do Imposto Sobre Serviços (ISS)
a ser concedido pelos municípios na área da ZFM. Essas condicionantes
foram cumpridas pelos governos estadual e municipal.
O Decreto-Lei n.° 288/67 estabeleceu prazo de vigência dos incen­
tivos fiscais por 30 anos, com término em 1997, mas em 1986 ocorreu
a primeira prorrogação8, por 10 anos, dilatando-o até 2007. Em 1988,
com a inclusão do art. 40 no Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias da atual Constituição da República, a ZFM foi novamente
prorrogada por mais 25 anos a contar da data da promulgação, logo,
até 2013. Ao final de 2003, pela Emenda Constitucional n.° 42, ocorreu
nova prorrogação com a inclusão do art. 92 no Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias, que acresceu aquele prazo em mais dez
anos, ou seja, até 2023. Agora, por meio da Emenda Constitucional n.°
83/14, e publicada no Diário Oficial da União de 06/08/2014, a ZFM foi
mais uma vez prorrogada, desta feita por mais 50 anos, ou seja, até 2073.
Ao longo desse tempo, o conjunto de incentivos originais e
também os critérios balizadores da ZFM foram sendo alterados. Uma
retrospectiva das alterações mais significativas encontra-se a seguir:
i. Em 1975, o Governo Geisel (1974-1979), por necessidades de
ajustes do balanço de pagamentos e na balança comercial,
estabeleceu medidas de fechamento do mercado brasileiro às
importações. A ZFM foi atingida em seu sistema de liberdade
de importação, passando a cumprir índices mínimos de
nacionalização, permitida apenas a importação de peças,
componentes e insumos em geral não produzidos no mercado

6
Decreto n.° 63.105, de 15 de agosto de 1968 (GARCIA, 2008, p. 61).
7
O primeiro projeto industrial com os estímulos do DL 288/67 foi aprovado em 1968 da
empresa Beta S.A,Indústria e Comércio, empresa produtora de joias, titular do certificado n.°
01. (GARCIA, 2008, p. 59). Empresa não mais existente.
8
Decreto n° 92.560, de 19 de abril de 1986. (GARCIA, 2008, p. 104).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 227 14/09/2015 15:08:50


228 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

nacional. O Conselho de Administração da Suframa (CAS)


fixava anualmente os índices a serem cumpridos por todos
os segmentos industriais;
ii. Em abril de 1976 (BRASIL, 1976) foi estendida a isenção de
IPI à Amazônia Ocidental e estabelecida regra limitadora
à ZFM, passando a ser exigida a elaboração de guia de
importação, procedimento burocrático antes inexistente.
Por outro lado, passaram a ser fixadas as quotas globais
de importação (com a primeira sendo definida em maio
de 19769) que foram instrumentos de regulação e restrição
das importações da ZFM durante 15 anos, procedimento
revogado em 1991 (BRASIL, 1991a);
iii. Tendo sido idealizada sob a premissa de livre importação de
insumos para produção destinada ao mercado interno, na
chamada política de substituição de importações, a partir
de 1978 incentivos para exportação passaram também a ser
concedidos (BRASIL, 1978), e foi definido crédito-prêmio
para as empresas, como quota adicional sobre o saldo líquido
de divisas geradas, por meio do Programa Especial de
Exportação- Proex (FERREIRA, 2000);
iv. No período de 1975 a 1990, estimulou-se o advento de
fornecedores nacionais de insumos e componentes para as
cadeias produtivas já operantes, assim como buscou-se a
especialização do PIM, focada em segmentos específicos,
como o eletroeletrônico, relojoeiro, ótico, de motociclos e
bicicletas, etc.. Também procurou-se estimular a verticalização
e a regionalização da produção;
v. No ano de 1990, o Plano Collor ou Plano Brasil Novo
implantou Nova Política Industrial e de Comércio Exterior,
com medidas de abertura da economia e ações liberalizantes
para as importações. Tal circunstância expôs toda indústria
nacional à competição com os similares importados, com
efeitos danosos para as empresas sediadas no PIM, as quais
vinham, desde 1976, nacionalizando insumos, embora em
condições pouco competitivas de preço e de tecnologia ante
os de origem estrangeira;
vi. O Decreto-Lei n.° 288/67 foi modificado (BRASIL, 1991a) e
a nova legislação extinguiu o sistema de fixação de quotas
9
Decreto n.º 77.657, de 24 de maio de 1976 (GARCIA, 2008, p. 86).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 228 14/09/2015 15:08:50


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 229

de importação na ZFM (BRASIL, 1991a), estabelecendo


nova sistemática de cálculo para o coeficiente de redução
do imposto de importação e definindo coeficiente fixo para
produtos objeto de projetos já aprovados10, também aplicável
para os projetos posteriores mas dedicados à produção de
bens similares ou congêneres aos já em produção11;
vii. A mesma legislação que extinguiu a política de índices de
mínimos de nacionalização instituiu o Processo Produtivo
Básico (PPB), que por definição legal “é o conjunto mínimo de
operações no estabelecimento fabril, que caracteriza a efetiva
industrialização de determinado produto” a ser disposto por
decreto (BRASIL, 1993), assim como os critérios de revisão12.
Também dispôs sobre a obrigatoriedade de adoção de normas
para gestão da qualidade em toda a cadeia produtiva;
viii. Em 1991, a Lei n.° 8.248, de 23 de outubro de 1991, conhecida
como Lei de Informática, estabeleceu isenções tributárias
para todo o território nacional, similares às já existentes no
PIM, além da preferência na aquisição dos bens e serviços
produzidos no mercado nacional pelos órgãos e entidades
da administração pública federal. Esse fato causou perda
de competitividade das empresas produtoras de bens de
informática sediadas no PIM, que somente amenizou-se em
2001 com a alteração normativa (BRASIL, 2001) que passou
abranger a ZFM;
ix. No período entre 1989 e 1994 foram criadas sete Áreas de
Livre Comércio (ALCs)13 na Amazônia brasileira, garantindo-
lhes benefícios fiscais semelhantes aos da ZFM, com algumas
restrições14.

10
Até 31 de março de 1991.
11
Ressalte-se que os bens de informática, veículos automotores, tratores e outros veículos
terrestres, bem como suas partes e peças, foram excluídos dos benefícios.
12
A lém de autorizar futuras definições por meio de portaria interministerial, da parte dos
Ministérios da Integração Regional, da Indústria, Comércio e Turismo e da Ciência e
Tecnologia.
13
A LCs criadas e já implantadas: Tabatinga, Estado do Amazonas; Boa Vista e Bonfim, Estado
de Roraima; Macapá-Santana, Estado do Amapá; e Guajará-Mirim, Estado de Rondônia.
ALCs criadas e não implantadas: Paracaima e Bonfim, Estado de Roraima; e Brasileia e
Cruzeiro do Sul, no Estado do Acre. Disponível em: <http://www.suframa.gov.br/suframa_
descentralizadas_alcs.cfm.>. Acesso: em 7 mar. 2011.
14
Suspensão do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto de Importação (II),
que somente são concedidos na entrada de produtos específicos que visem ao beneficiamento
de produtos regionais e à industrialização de acordo com projeto aprovado que leve em conta
a vocação regional.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 229 14/09/2015 15:08:50


230 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Na atualidade, a legislação federal que rege a matéria assegura


os seguintes incentivos fiscais: redução de até 88% do Imposto de
Importação (II) sobre os insumos destinados à industrialização ou
proporcional ao valor agregado nacional quando se tratar de bens
de informática; isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados
(IPI); redução de 75% do IRPJ, inclusive adicionais não restituíveis,
com fruição por 10 anos, para projetos de implantação, modernização
ou diversificação de empreendimentos, protocolizados na Sudam até
31/12/2018; e alíquota zero da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins
nas operações internas na ZFM e incidentes sobre as receitas de vendas
de mercadorias destinadas ao consumo ou à industrialização na Zona
Franca de Manaus (ZFM), por pessoa jurídica estabelecida fora da ZFM15.

Ótica estadual
Em 1968, a política já existente de incentivos fiscais no Estado do
Amazonas foi adaptada ao cenário decorrente da efetiva entrada em
funcionamento da ZFM. A partir de então, vigoraram várias leis que
se sucederam, governo a governo16, visando estabelecer mecanismos
indutores do desenvolvimento do Estado pela via da renúncia fiscal.
Os incentivos fiscais estaduais basearam-se, essencialmente, em
concessões associadas ao Imposto sobre a Circulação de Mercadorias
e Prestação de Serviços de Transporte e de Comunicações (ICMS),
visando contribuir com o aumento das vantagens comparativas na
atração de projetos industriais para o PIM. A princípio, ocorria o efetivo
recolhimento integral do tributo, no prazo regular, e a restituição
do valor pago se dava após 60 dias do ingresso dos recursos nos
cofres públicos, com devolução integral ou parcial17. Posteriormente,
apesar de mantida a expressão restituição, passou a ocorrer a
devolução imediatamente após o seu recolhimento. Na atualidade18,
a denominação do “incentivo” passou a ser “crédito estímulo”, e
além desse são asseguradas outras modalidades de benefícios com a
15
Suframa. Incentivos. Disponível em: <http://www.suframa.gov.br/zfm_incentivos.cfm. Acesso
em: 15 out. 2009, e Lei n.° 10.865/2004.
16
1. Governo Danilo de Mattos Areosa: Lei n.° 839, de 17 de dezembro de 1968 e Lei n.° 958, de
9 de setembro de 1970; 2. Governo José Bernardino Lindoso: Lei n.° 1.370, de 28 de dezembro
de 1979; 3. Governo Gilberto Mestrinho de Medeiros Raposo: Lei n.° 1.605, de 25 de julho de
1983 e Lei n.° 1.699, de 13 de setembro de 1985; 4.Governo Amazonino Mendes: Lei n.° 1.939,
de 27 de dezembro de 1989 e Lei n.° 2.390, de 08 de maio de 1996; 5.Governo Carlos Eduardo
de Souza Braga: Lei n.° 2.826, de 29 de setembro de 2003, atualmente em vigor.
17
Até a Lei n.° 551/66 a restituição era considerada crédito ao contribuinte para as operações
subseqüentes, obedecido o prazo de 60 dias.
18
A partir da Lei n.º 2.826/03.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 230 14/09/2015 15:08:50


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 231

utilização de diversos institutos tributários, na forma prevista no art.


2º da Lei n.º 2.826/03.
A principal condição para acesso ao incentivo – critério que constou
em todas as leis – é que a empresa seja considerada de fundamental
interesse ao desenvolvimento do Estado do Amazonas, condição esta
aferida por critérios, isolados ou cumulativos, tais como geração de
emprego, utilização de matérias-primas regionais, adensamento da
cadeia produtiva e promoção da interiorização. Com respeito ao último
item, a Lei n.° 1.370, de 28 de dezembro de 1979, do governo José
Bernardino Lindoso, foi a que trouxe medidas mais abrangentes e
consistentes para induzir as empresas a considerar os setores de interesse
regional e interiorização de atividades. Infelizmente, não produziu os
efeitos esperados e foi totalmente reformulada no governo seguinte.
Os incentivos do ICMS se materializam a partir de diversas
formas de desoneração baseadas em institutos tributários, como
crédito estímulo, crédito presumido, diferimento, redução de base
de cálculo, não-incidência, isenção, dentre outros (RIBEIRO, 2008,
p. 53), com índices diversos atribuídos a partir de requisitos fixados
na Lei, vinculados às prioridades e definição de classes de produtos.
A partir da lei editada em 1979, todas as demais trouxeram alterações
nos percentuais de concessão, vinculando-os às prioridades de cada
governo e à definição de classes de produtos, até chegar ao modelo
vigente da Lei n.° 2.826/0319 que, em relação ao crédito estímulo,
obedece aos percentuais de 90,25%, 75% e 55%, com produtos que
podem atingir até 100%, além de elevar o nível mínimo de concessão
de 45% para 55%.
19
Lei n.° 2.826/03 – Art. 10. Para fins do que dispõe esta Lei, são consideradas as seguintes
características de produtos: I – bens intermediários, exceto o disposto no inciso seguinte; II –
placas de circuito impresso montadas para produção de aparelhos de áudio e vídeo, excetuadas
aquelas destinadas aos bens especificados nos incisos II, III e IV do § 13 do art.13; III – bens de
capital; IV – produtos de limpeza, café torrado e moído, vinagre, bolachas e biscoitos, macarrão
e demais massas alimentícias; V – bens de consumo industrializados destinados à alimentação;
VI – produtos agroindustriais e afins, florestais e faunísticos, medicamentos, preparações
cosméticas e produtos de perfumaria que utilizem, dentre outras, matérias-primas produzidas
no interior e/ou oriundas da flora e fauna regionais, pescado industrializado e produtos de
indústria de base florestal; VII – mídias virgens e gravadas, com cessão de direitos quando
aplicáveis, fabricadas conforme processo produtivo básico, previsto em legislação federal, e
distribuídas a partir da Zona Franca de Manaus; VIII – bens industrializados de consumo
não compreendidos nos incisos anteriores. (Omisses). Art. 13. O incentivo fiscal do crédito
estímulo do ICMS será concedido por produto, observado tratamento isonômico para bens
classificados na mesma posição e subposição do código tarifário NCM/SH, de acordo com sua
caracterização definida no art. 10, nos seguintes níveis: I – 90,25% (noventa inteiros e vinte e
cinco centésimos por cento) para os produtos previstos nos incisos I, IV e VII; II – 75% (setenta
e cinco por cento) para os produtos previstos nos incisos II, III, V e VI; III – 55% (cinquenta e
cinco por cento) para os produtos previstos no inciso VIII.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 231 14/09/2015 15:08:50


232 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Além de benefícios fiscais, a legislação agregou outros estímulos


por meio de fundos de desenvolvimento, vinculados à política de
incentivos fiscais. A primeira lei aprovada após a reformulação da ZFM
(1967)20, criou o Fundo de Investimento para o Desenvolvimento do
Estado do Amazonas (Fideam), transformado, em 1974, em Fundo
Estadual de Desenvolvimento Econômico (Funede)21. Posteriormente,
foram criados mais dois mecanismos de aplicação de recursos vinculados
à política de incentivos fiscais: a Lei n.° 2.390/96 criou o Fundo de
Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do
Desenvolvimento do Amazonas (FTI), e a Lei n.° 2.721/02 instituiu
contribuição para apoiar a Universidade do Estado do Amazonas
(UEA), à época recém-criada. Esses instrumentos foram instituídos
como forma de compensar a renúncia fiscal estadual e reter na região
parcela da renda gerada pela atividade industrial implantada com
apoio da desoneração tributária.
Diante dos aspectos apresentados, é possível observar a
complexidade da política de incentivos fiscais estaduais, que foi
assumindo maior detalhamento e especificidades diante da ampliação
do parque, dos vários tipos de produtos, e da necessidade preservar a
competitividade local diante da guerra fiscal e dos interesses de outros
Estados da Federação.

Ótica municipal
O Município de Manaus está totalmente contido na área da
ZFM e desse modo, atendendo ao disposto no Decreto-Lei n.° 288/67,
editou norma (BRASIL, 1967a) isentando empresas, profissionais
autônomos, prestadores de serviço com ou sem estabelecimento fixo,
do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Esta isenção
foi, posteriormente, ratificada pela Lei Municipal n.° 1.167/7322. Por
aproximadamente 20 anos o município de Manaus concedeu essa
20
Lei n.° 839/68 – criou o Fundo de Investimento para o Desenvolvimento do Estado do
Amazonas (Fideam) constituído por recursos correspondentes ao recolhimento de cinco por
cento do imposto restituído, destinados a aplicação em projetos agropecuários e programas
de estudos e pesquisas. Lei n.° 1.370/79 – manteve o percentual de participação das empresas
que, posteriormente, foi elevado para dez por cento do imposto restituído que, neste caso, se
destinava às empresas industriais, agropecuárias e de serviços, consistindo a assistência tanto
através de financiamentos com linhas de crédito favorecidas quanto de outros subsídios tais
como terrenos a preços subsidiados e galpões fabris.
21
Pela Lei n.° 1.115, de 15 de abril de 1974.
22
Lei Municipal n.° 1.167, de 30 de novembro de 1973. Art. 47 “Ficam isentos do Imposto
sobre Serviços as empresas ou profissionais autônomos, prestadores de serviço, pelo prazo
estabelecido no Decreto-Lei Federal 288/67, que instituiu a ZFM.”

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 232 14/09/2015 15:08:50


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 233

isenção geral, irrestrita e incondicional, diferente dos incentivos dos


demais entes, especialmente do governo federal, que conforme observa
Andrade (1992, p. 66; 74), “previu isenções parciais e não totais,
isenções onerosas e não gratuitas, isenções especiais e não gerais,
isenções condicionais e não condicionais; isenções com prazo certo”.
Esse fato motivou a administração municipal a promover alte­
rações, e em 198623, o município de Manaus revogou a isenção geral,
irrestrita e não onerosa e disciplinou os incentivos do ISS, constituídos
de isenções totais ou parciais, que passaram a ser atribuídos dependendo
do atendimento de obrigações, encargos, requisitos e condições
expressas no seu regulamento. Essa legislação sofreu várias alterações,
tendo, revogação parcial pela Lei n.° 2.054, de 28 de dezembro de
198924, e geral de todas as isenções pela Lei Orgânica do Município
(Loman), em seu art. 17, que, entretanto, em seu art. 15, ressalvou as
adaptações que seriam promovidas na legislação após a promulgação
da Loman (MANAUS, 1990, p. 138-139).
Posteriormente, com a Lei n.° 427/98 (FERNANDES JÚNIOR,
2001, p. 110-11), ainda em vigor, a legislação tributária do município
de Manaus readequou os incentivos municipais, garantindo a isenção,
pelo prazo de dez anos a contar da data de aprovação do projeto, do
Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU),
das Taxas de Serviços de Coleta de Lixo, de Limpeza Pública, de
Conservação de Vias e Logradouros Públicos e das Taxas de Licença
para empresas industriais que se instalassem, ou às já existentes que
ampliassem seu parque industrial na área da ZFM, condicionado
à geração de, ao menos, 500 empregos diretos quando do início de
sua atividade, mantendo este número durante o gozo do benefício.
Para as empresas industriais já existentes, os benefícios poderiam ser
garantidos se cumpridas as mesmas condições de geração de empregos,
e se ampliadas as atividades na ZFM.

Cenário atual
Êxitos, contradições e entraves
A ZFM destaca-se como política de desenvolvimento regional
na Amazônia por sua longevidade, pelos resultados socioeconômicos

23
Lei n.° 1.883, de 16 de dezembro de 1986 e Decreto n.° 5.626, de 6 de janeiro de 1987.
24
Lei n.° 2.054 de 28 de dezembro de 1989, que estabelece normas relativas à concessão de
incentivos fiscais a microempresas.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 233 14/09/2015 15:08:51


234 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

e ambientais que gerou. Pretendia, de início, englobar os setores


agropecuário, comercial, serviços e industrial, porém, a atividade
agropecuária não se desenvolveu conforme o esperado e o setor
comercial só foi prospero durante a fase de economia fechada ao
comércio internacional, sofrendo drástica redução quando o Brasil
passou a atuar em regime de competição internacional, em mercado
aberto. Portanto, a indústria, expressada pelo PIM – e os serviços por
ela estimulados – tornou-se o segmento dínamo da ZFM. A partir
de meados dos anos 70, ultrapassando várias fases, reordenando sua
conformação, promovendo reajustes e reconversões, veio a se tornar o
mais importante vetor de desenvolvimento do Estado do Amazonas,
sendo atualmente o principal responsável pela geração de renda,
tributos e emprego, e que tem garantido sua sustentação econômica.
Ante essas circunstâncias, porta uma série de êxitos, mas também,
contradições e entraves, sinteticamente apresentados a seguir:
i. O PIM tornou-se um complexo industrial importante
no contexto nacional, reunindo 16 diferentes segmentos
industriais, integrado por mais de 500 empresas que promo­
veram, nos últimos quatro anos, investimentos da ordem
de US$ 10 bilhões e, em 2013, registraram faturamento
de R$83,484 bilhões, bem como foram responsáveis, de
média mensal, por 121.613 empregos diretos, naquele ano,
além de milhares de outros em todo o estado, conforme
registrado anteriormente, e de outros no resto do país
(SUFRAMA, 2014);
ii. Em relação à arrecadação de tributos, o PIM representa
robusta fonte de receitas públicas. Em 2013, gerou para a
União (RECEITA FEDERAL DO BRASIL, 2014) R$ 12,968
bilhões (48% de toda a arrecadação federal da Região
Norte, exceto Tocantins) e para o Estado do Amazonas
(AMAZONAS, 2014) R$ 8,6 bilhões (ICMS e contribuições
associadas). Sem incluir as receitas municipais e as demais
arrecadações públicas (como FGTS), esse montante
representa em torno de 25% do PIB previsto para o ano,
ou seja, 1/4 de toda a riqueza gerada vai para os cofres
públicos. Estima-se que, incluindo as demais receitas
públicas (arrecadações municipais e outras contribuições
não associadas a operações econômicas) essa participação
chega próximo de 30%. É, portanto, surpreendente que

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 234 14/09/2015 15:08:51


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 235

uma política baseada em incentivos fiscais apresente tal


desempenho gerador de receitas públicas;
iii. Um dos fatores de sucesso atribuídos ao modelo (que o
difere de outras experiências nacionais, que não tiveram o
mesmo dinamismo) é o fato de os incentivos fiscais serem
direcionados à produção, somente sendo usufruídos a
partir do lançamento dos produtos no mercado, não sendo
significativo o subsídio ao empresário que, em geral, arca
com o ônus do investimento e com os riscos da implantação;
iv. Seus processos industriais, de início mais simplificados,
com linhas de montagem elementares e de reunião de
partes e peças, acondicionamento e embalagem, foram
evoluindo e, em decorrência de medidas de controle e
adequação à conjuntura econômica e das necessidades de
mercado, possui, na atualidade, empresas com elevado
nível tecnológico e com produtividade similar ou superior
à de suas matrizes estrangeiras;
v. As medidas de redução da liberdade absoluta de produção
e importação com o estabelecimento de critérios de
nacionalização de insumos, inicialmente, e de obediência
a processo produtivo básico previamente fixado, na
atualidade, garantiram o crescimento da indústria nacional
produtora de parte dos componentes demandados pelo
PIM, o que, em tese, poderia se constituir em vantagem,
como fator de integração com o parque industrial nacional.
Porém, são tímidos os resultados nas políticas públicas
de adensamento das cadeias produtivas com vistas à
verticalização e regionalização da produção e consolidação
dos segmentos industriais implantados;
vi. Pressionado pelas necessidades de constantes moderni­
zações, o PIM teve alterada sua função de produção
do início – intensiva em mão de obra – passando a ser
intensiva em capital e tecnologia e, por isso, modificando
o perfil dos empregos gerados e demandando cada vez
mais investimentos na ampliação do capital intelectual, o
que se transforma em vetor importante na busca de mais
qualificação para os recursos humanos regionais;
vii. Inobstante essas virtuosidades, a ZFM continua sendo
dependente de tecnologia estrangeira e de incentivos

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 235 14/09/2015 15:08:51


236 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

fiscais de todas as esferas governamentais. Esses incentivos


tinham como propósito compensar a falta de infraestrutura
e logística, bem como o custo dos transportes pela distância
dos grandes centros de origem dos insumos e consumidores
dos bens finais. Entretanto, ao longo de 47 anos, essas
questões (portos, rodovias, energia, comunicação, buro­
cracia alfandegária, opções de transporte, entre outras) não
foram adequadamente equacionadas, e o único diferencial
para garantir atratividade dos investimentos continuou a
ser os incentivos fiscais, já bastante reduzidos em relação
aos primeiros anos. Como boa parte desse incentivos é
de origem federal, acaba ficando com o poder central a
iniciativa e governança das medidas em relação à ZFM, o
que nem sempre tem compatibilidade com as prioridades
do Estado;
viii. O modelo de desenvolvimento foi uma reprodução da
experiência nacional de industrialização decorrente de
políticas desenvolvimentistas, replicando em âmbito local
as fragilidades e defeitos que os teóricos da década de
60, do século XX, apontavam em relação ao paradigma
nacional e que, no caso do PIM, permanecem requerendo
superação, a saber: dependência de capital, de tecnologia e
de incentivos fiscais;
ix. As atividades produtivas acabaram se concentrando,
hegemonicamente, na capital do Estado, sem espraiamento
para outros municípios do Estado ou outros estados
da região, o que provoca a concentração de renda sem
permitir crescimento regional mais amplo, mesmo com a
fixação de alguns mecanismos de indução que resultaram
infrutíferos;
x. Constitui-se em modelo eminentemente importador,
portanto, sujeito às crises econômicas internacionais, pouco
protegido em relação à variação abrupta de câmbio, sensível
a qualquer mudança de política econômica nacional e,
sobretudo, gerador de déficits na balança comercial;
xi. A estratégia de industrialização por substituição de impor­
tações teve como vantagem a possibilidade de atração do
capital e a perspectiva de industrialização a curto prazo,
além do acesso à tecnologia externa. Entretanto, como

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 236 14/09/2015 15:08:51


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 237

desvantagem, favoreceu a produção de bens não essenciais,


facilitou o ingresso de empresas nacionais e multinacionais
com centro de decisão em outras regiões, com perda de
autonomia em relação à política industrial empresarial e
pública, comprometendo assim a prioridade dos interesses
nacionais e regionais;
xii. Identifica-se transferência de receitas para outras capitais
e para o exterior pela incapacidade de retenção da renda
gerada, com quase inexistência de mecanismos que esti­
mulem o reinvestimento na região dos lucros decorrentes
da atividade incentivada, provocando a contradição de
Manaus ter, ao mesmo tempo, um dos maiores PIBs dentre
as capitais do país e ser, também, uma das capitais com
maior índice de pobreza;
xiii. A gestão pública local não foi capaz de se utilizar de
forma eficaz dos mecanismos disponíveis nas políticas
de incentivos fiscais e extrafiscais e dos resultados da
arrecadação tributária para priorizar o estabelecimento
de novos eixos de promoção econômica, reduzindo a
dependência do PIM, havendo pulverização na aplicação
de recursos, sem planejamento específico e decisão política
direcionada para tal fim;
xiv. A base institucional encontra-se extremamente fragilizada,
com a Suframa atuando mais como gestora de incentivos
fiscais e na atração de investimentos, tendo perdido seu
caráter de promotora do desenvolvimento regional, e
sofrendo restrições em sua autonomia administrativa
e financeira. Consequentemente, o poder decisório
de questões essenciais, como a aprovação de Processos
Produtivos Básicos (PPBs) depende de órgãos do governo
federal localizados fora da região e que nem sempre levam
em conta os interesses locais;
xv. Mesmo com garantia constitucional e com prorrogação
por prazo mais longo, a insegurança jurídica dos marcos
regulatórios ocorre em todos os níveis (será vista em seção
seguinte), o que reduz a vantagem tributária comparada a
outras regiões e introduz incertezas e riscos na relação com
os fiscos das diversas esferas;

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 237 14/09/2015 15:08:51


238 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

xvi. Enquanto esteve protegido pela diretriz política dos


governos militares de controle da Amazônia e pela
economia nacional fechada, a indústria se expandiu,
atendendo aos interesses das empresas multinacionais
e nacionais. No entanto, com a abertura democrática, o
jogo de forças políticas evidenciou a fragilidade da ZFM
e, na sequência, com a abertura econômica que expôs as
empresas à competição internacional, o modelo passou a
sofrer inúmeras restrições, não sendo integrado à política
industrial nacional e tendo as suas vantagens reduzidas,
com desrespeito aos direitos adquiridos, mesmo aqueles
previstos e garantidos em sede constitucional.
Por certo existem outros aspectos não contemplados nos itens
anteriores, porém, apenas esses já evidenciam que essa política federal
de desenvolvimento regional para a Amazônia foi exitosa em muitos
aspectos e poderia apresentar-se mais robusta nos dias atuais, se
iniciativas de aperfeiçoamento tivessem sido tomadas, ou medidas que
comprometeram seu desempenho tivessem sido evitadas ou corrigidas.

Insegurança jurídica e complexidade tributária


O princípio da segurança jurídica consagrado no ordenamento
brasileiro pressupõe a certeza do direito e o império da norma – mesmo
que esta venha a ser alterada ou substituída – com garantia do direito
adquirido, da preservação do ato jurídico perfeito e da coisa julgada
como elementos essenciais para que os indivíduos possam planejar
a vida e os agentes econômicos desempenhem suas atividades em
ambiente de tranquilidade e estabilidade.
Durante a existência da ZFM, constata-se instabilidade nas
relações jurídicas evidenciada em vários eventos que provocaram
entraves na execução das atividades, com interrupções, retrocessos e
perdas diversas que prejudicaram o seu natural percurso. Tanto é assim,
que foi necessário buscar a garantia constitucional, na Constituição da
República de 1988, como modo de reduzir a fragilidade vigente, pois a
base normativa ampla de origem, nas três esferas de governo, levou a
ZFM a enfrentar, ao longo de suas fases, diversas alterações que podem
até ter sido decorrentes do momento histórico nacional e internacional,
porém, na maioria das vezes, resultaram do jogo de forças políticas e
de interesses econômicos contrários às suas prerrogativas e mesmo à
sua consolidação.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 238 14/09/2015 15:08:51


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 239

Assim, sua segurança jurídica, entendida como a “certeza do


direito”, ensinada por Reale (1964, p. iv), foi sendo fragilizada em
vários aspectos e momentos da sua trajetória, subtraindo de sua
dinâmica o atributo de “previsibilidade às relações sociais” (CÔRTES,
2008, p. 26) e, ao contrário disso, agregando incertezas e instabilidades
aos vários agentes econômicos e à população diretamente afetada.
O pressuposto de que os indivíduos passam a ter clareza de que as
relações realizadas sob o “império de uma norma devem perdurar
ainda que tal norma seja substituída” (SILVA, 2004, p. 431-432)
não se tem verificado nesse percurso histórico da ZFM, o que, em
determinados períodos, reduziu as expectativas de expansão e até de
existência dessa base econômica regional.
Recente estudo de um dos autores deste artigo (PONTES, 2011)
sobre o tema constatou que já nos primeiros momentos de sua implantação
a ZFM sofreu alteração de seus atos legais. O próprio Decreto-lei
n.° 288/67, reformador do original de 1957 e instituidor do modelo
atual, teve sua redação modificada pelo decreto regulamentador25,
instrumento hierarquicamente inferior, que não observou aspectos
relevantes do espírito da lei e criou obrigações anteriormente não
previstas. Como exemplo, citam-se as restrições, via interpretações
equivocadas, direcionadas à atividade comercial que à época era o
segmento mais representativo, sob o argumento de que prejudicava a
indústria nacional de eletrodomésticos (AMAZONAS, 1970).
O estudo referido observou que nos períodos de 1975-1990/1990-
1996 ocorreram grandes alterações nos marcos regulatórias da ZFM,
especialmente direcionadas ao segmento industrial, identificando-se a
quebra da liberdade ampla de importar e produzir, em decorrência das
implicações econômicas para o país do ambiente de crise internacional
do período, em especial os impactos na dívida externa, e também dos
ajustes nas políticas industrial e de comércio exterior, com a completa
abertura da economia, modificando a lógica produtiva vigente até então.
Em relação às mudanças registradas nesses dois períodos, o estudo
considera os ensinamentos de Rocha (2005, p. 167-168), para quem a
segurança jurídica não é a imutabilidade, pois a vida rege-se pelo
movimento, afirmando que “o que se busca é a segurança do movimento”.
25
Decreto n.° 61.244, de 28 de agosto de 1967, que alterou o art. 3.° e 6.° do diploma regulamentado.
Estabeleceu que a entrada dos produtos importados se daria com “suspensão”e não com isenção
de impostos como previsto no DL 288/67 e omitiu a palavra “comercialização” no art. 6.°, que
tratava do pagamento de tributos na internação de mercadorias da ZFM, para o território
nacional, estabelecendo a tributação e regime de quotas para bagagem acompanhada por
pessoa física.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 239 14/09/2015 15:08:51


240 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Assim, não se cogita de imobilidade social, impeditiva do progresso e do


desenvolvimento humano, pois o direito deve garantir a estabilidade da
ordem social assegurando as transformações trazidas pela evolução das
necessidades sociais (PONTES, 2005, p. 281). Nessa linha de pensamento,
é possível constatar que no primeiro período (1975-1990) verificou-se
o “movimento” decorrente de fatores econômicos e sociais sem que
houvesse supressão de direitos, preservando os incentivos previstos na lei
e garantindo a característica de área especial incentivada e diferenciada
do restante do país; entretanto, em relação ao segundo período (1990-
1996), contrariaram-se os pressupostos essenciais da segurança jurídica e
seu sentido de estabilidade e garantia que fundamentam as relações dos
indivíduos entre si e destes com o Estado, e que devem ser previsíveis e
sem arbitrariedades (ROSENFIELD, 2010, p. 36). Como consequência, a
partir de 1990, especialmente, identificam-se várias iniciativas do Estado
do Amazonas e de particulares junto ao Poder Judiciário, especialmente
da mais alta corte do país, em busca da tutela jurisdicional que lhes
garantisse a preservação dos direitos adquiridos.
São muitos os fatos que patenteiam a permanente instabilidade
institucional do modelo ZFM decorrente de imposições dos agentes
públicos. Isso, porque padecem de legitimidade em face do espírito
das leis, ou porque são ilegais ao contrariarem dispositivos por meio
de instrumentos jurídicos inapropriados, como portarias ministeriais,
resoluções de conselhos, decretos governamentais, etc. Na busca de
assegurar ao modelo ZFM tratamento constitucional, esperava-se que
se consolidassem os direitos a ela associados, pois que, segundo Martins
(2005, p. 36-37), o princípio da supremacia constitucional adotado
no ordenamento jurídico brasileiro determina que “a lei ordinária é
que se subordina à Constituição e não a Constituição à lei ordinária”;
caso contrário, afirma “a Constituição estaria sujeita aos humores do
legislador de cada uma das entidades federativas.” Foi essa garantia
que se pretendeu e que tem sido árduo fazer valer.
Para se compreender a dimensão do acolhimento da ZFM na
Constituição, não é suficiente restringir-se ao foco dos artigos acrescidos
ao ADCT da CF/8826, sendo indispensável analisar o texto constitucional
em suas diretrizes e princípios que consideram o desenvolvimento

26
A rt. 40. É mantida a Zona Franca de Manaus, com suas características de área livre de
comércio, de exportação e importação, e de incentivos fiscais, pelo prazo de vinte e cinco anos,
a partir da promulgação da Constituição. Parágrafo único. Somente por lei federal podem ser
modificados os critérios que disciplinaram ou venham a disciplinar a aprovação dos projetos
na Zona Franca de Manaus. Art. 92. São acrescidos dez anos ao prazo fixado no art. 40 deste
Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 240 14/09/2015 15:08:51


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 241

como direito humano e um dos objetivos fundamentais da República,


entre os quais, também inclui a redução das desigualdades sociais e
regionais, levando a crer que o constituinte pretendeu deixar claro que o
desenvolvimento como valor maior não pode ser concebido para apenas
uma parte do território nacional, mas para as suas diversas regiões “na
medida das suas vocações e potencialidades” (GRECO, 2008, p. 525).
Portanto, diante da constatação da indiscutível desigualdade
regional, a constituição preservou a ZFM como instrumento de fomento
econômico direto do Estado do Amazonas e indireto dos demais estados
que integram a Amazônia Ocidental. Com tal entendimento, Greco
(2001, p. 135) considera que a postura do Estado “não basta ser positiva
ou de não prejudicar, mas corresponde um dever agir positivamente”,
alertando, ainda, que os objetivos fundamentais são preceitos que
devem ser observados não somente pela União, mas também pela
sociedade civil e concretizados pelos entes estatais de todos os níveis
(GRECO, 2001, p. 526).
Assim, pela interpretação do art. 40 do ADCT da CF/88 – que
com a prorrogação feita pela Emenda Constitucional n° 83/2014 teve sua
nova validade de mais 50 anos fixada pelo Art. 92-A 27, fica evidente que
a ZFM foi reconhecida como área do território nacional com atividades
econômicas sujeitas a regime tributário diferenciado e desse modo
a sua manutenção constitui forma de atuação positiva do Estado na
busca da redução das desigualdades regionais. Há compatibilidade do
conteúdo normativo do art. 40 do ADCT com os princípios consagrados
pela CF/88, o que veda a possibilidade de os demais estados negarem
a validade dos benefícios consagrados (ÁVILA, 2007, p. 69). Em suma,
em relação à ZFM, “o que o constituinte manteve foi o regime jurídico
dos incentivos e não apenas o direito adquirido dos empreendimentos
lá estabelecidos” (ÁVILA, 2007, p. 125). Assevera Greco (2001, p. 528,
grifo do autor) que “a garantia mais do que estática ao que existia, é
dinâmica em relação à manutenção de um tratamento mais vantajoso”.
Em que pese a clareza dessa interpretação doutrinária, nem
sempre tem sido esse o entendimento, nas diversas esferas de governo,
no trato com os regramentos que afetam a dinâmica da ZFM, em
especial, do PIM. Para melhor explicitar essa afirmativa, no estudo
anteriormente mencionado a autora valeu-se dos ensinamentos de
Canotilho (2003, p. 257), que relaciona o princípio da segurança
27
A rt. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar acrescido do
seguinte art. 92-A: “Art. 92-A. São acrescidos 50 (cinquenta) anos ao prazo fixado pelo art. 92
deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.”

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 241 14/09/2015 15:08:51


242 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

jurídica com o da proteção da confiança, mostrando que o primeiro está


associado a elementos objetivos da vida jurídica, tais como “garantia da
estabilidade jurídica, segurança de orientação e realização do direito”,
e o segundo volta-se para os elementos subjetivos, denominados pelo
autor português de “cauculabilidade e previsibilidade dos indivíduos
em relação aos efeitos jurídicos dos actos dos poderes públicos”. Desse
modo, deduz que, dos atos dos poderes Legislativo, Executivo e
Judiciário, é exigível a observância estreita desses princípios.
O constitucionalista luso sustenta ainda que os desvios28 mais
importantes do princípio da segurança jurídica são: a) em relação aos
atos normativos, tem-se a vedação às normas retroativas restritivas de
direito, em que a confiança das pessoas é afetada diante de mudanças ou
alterações frequente nas normas, b) em relação aos atos jurisdicionais, a
inalterabilidade da coisa julgada e a exigência de certeza dos cidadãos
em relação aos efeitos jurídicos dos atos normativos; c) em relação
aos atos da administração, o princípio geral da confiança29 garante
os instrumentos jurídicos para sanar as falhas da administração,
destacando que diante da arbitrariedade, há a necessidade de um
Poder Judiciário independente.
Utilizando esse modelo analítico e os três aspectos anteriormente
descritos, o mencionado estudo identifica diversas situações que
comprometem a segurança jurídica da ZFM, entre as quais, destacam-se:
as inúmeras alterações da legislação dos principais tributos que
sustentam a política de incentivos fiscais da ZFM tanto de competência
federal, quanto estadual e municipal que não consideraram o direito
adquirido; as discussões sobre incentivos setoriais e suas condicionantes
relativas à ZFM (p.ex. Lei de Informática); a guerra fiscal entre os
estados federados relativa à legislação do ICMS; a lenta atuação do
Poder Judiciário nas ADINs que buscaram a preservação dos direitos,
algumas que jamais tiveram definitividade – atributo inerente à
segurança jurídica dos atos jurisdicionais – e outras que demoraram
mais de vinte anos para obtenção de decisões de mérito30; os atos da
administração em todos os níveis que contribuíram para causar um
ambiente de instabilidade das relações jurídicas e provocar incertezas
nos principais interessados.

28
Palavra original utilizada pelo autor – refracções.
29
No Direito português, o ato administrativo goza de uma tendência à imutabilidade com o
objetivo de proteger os interesses da legalidade e da irretroatividade.
30
A ADI n.° 310-1, do Governo do Estado do Amazonas, de 1990, somente em 19/02/2014, ou
seja, 24 anos depois, teve julgamento de mérito, subsistindo a matéria de que tratava com
garantia precária, por decisão liminar.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 242 14/09/2015 15:08:51


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 243

Assim, tanto os aspectos relativos aos atos normativos, quanto nos


jurisdicionais e os da administração, a segurança jurídica da ZFM e em
particular de seu polo industrial vem sendo impactada negativamente
em prejuízo dos principais envolvidos. O legislador, o julgador e o
administrador, seja ele federal, estadual ou municipal, não têm sido
capazes, em muitas circunstâncias, de equacionar as necessidades de
inovação e de flexibilidade com os anseios de estabilidade e respeito
aos princípios basilares do Direito, mesmo após a obtenção de garantia
constitucional.

Efeitos ambientais virtuosos


A partir da segunda metade do século passado, a preocupação
com a degradação ambiental passou a integrar a agenda de muitos
países, bem como da Organização das Nações Unidas (ONU), que, em
1972, proclamou a Declaração do Meio Ambiente, reconhecendo que
a qualidade de vida do homem está relacionada à qualidade do meio
ambiente, sendo portanto este um direito fundamental. Em seguida,
pelo relatório “Nosso Futuro Comum”31, apresentou o conceito de
“desenvolvimento sustentável”, definindo-o como o processo que
“satisfaz às necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das
gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.
Na Região Amazônica, essa noção de desenvolvimento ganha
relevância, pois sua inesgotável biodiversidade, seu imenso manancial
de água e suas grandes florestas são patrimônios ecológicos que
não podem ser explorados como foram alhures no processo de
desenvolvimento de outras regiões, até mesmo pelo importante
serviço que ela presta a toda a humanidade na absorção de carbono e
pelo papel que desempenha na manutenção das condições climáticas
mundiais. Esse fato, entretanto, impõe à região uma renúncia
econômica pelo não aproveitamento dos recursos naturais que possui,
como os florestais e minerais, impede expansão da atividade agrícola
e pecuária, e a priva de possuir cadeias produtivas oriundas desses
recursos (BENCHIMOL, 2001).
Balizados por esses condicionamentos, os noves estados da
Amazônia Legal32 apresentam distintas formas de ocupação, estruturas

31
Relatório “Nosso Futuro Comum” desenvolvido pela Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente
e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland e Mansour Khalid (ONU, 1987).
32
Estados do Acre, Amapá, Amazonas, parte do Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia,
Roraima e Tocantins.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 243 14/09/2015 15:08:51


244 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

produtivas e matrizes econômicas, diferindo no grau de exploração de


seus recursos naturais e, consequentemente, nos impactos ambientais
decorrentes. Alguns estados, como é o caso do Pará e Mato Grosso,
já atingem níveis preocupantes de deflorestamento, enquanto outros,
como o Estado do Amazonas, sobressai como um dos integrantes da
região com menor nível de agressão à floresta. Dados do Instituto
Nacional de Pesquisas Espaciais33 mostram que cerca de 97% da
floresta localizada no território amazonense está conservada e que
as taxas de desmatamento demonstram níveis decrescentes, conforme
relatam Diniz, Mota e Machado (2009, p. 59; 62), que fizeram um
cotejo de trabalhos de vários pesquisadores34 com esse foco.
Sabe-se que a indústria é um segmento da economia que assume
para todos os países caráter de essencialidade na geração de emprego
e renda, sendo básica nas políticas de desenvolvimento. Alguns gêneros
industriais, entretanto, são os principais usuários de recursos naturais
como insumos e têm contribuído para o comprometimento ambiental,
tanto pela demanda por recursos florestais e minerais, como pela
produção de resíduos e emissões de gases tóxicos. Esses impactos
podem vir a influenciar o clima do planeta e têm sido preocupação
de países e organizações ambientais, especialmente em regiões como
a Amazônia.
Entretanto, o tipo de indústria que se implantou no Amazonas,
que é a atividade econômica predominante do PIM, pode explicar,
segundo estudo citado, o menor grau de degradação florestal quando
confrontada a outras unidades federadas localizadas na Amazônia.
Ao comparar os dois principais estados da região – Pará e Amazonas – é
possível concluir que diferentemente do PIM, cuja base de insumos não
é de recursos naturais, no Pará a estrutura econômica predominante é
pautada na exploração de recursos florestais e minerais, criando o que
os autores denominam uma “lógica perversa” de “sobre-exploração
dos recursos naturais”, provocando que a taxa de desmatamento média
daquele estado, no período de 1985 a 2003, fosse de 32%, enquanto a do
Amazonas situava-se em torno de 4,92% (RIVAS; MOTA; MACHADO,
2009, p. 24).
Inúmeras variáveis são analisadas pelos autores, permitindo
levantar hipóteses sobre a demanda por desmatamento em vários

33
A rea desmatada. Disponível em: <http://www.obt.inpe.br/prodes/index.php>. Acesso em: 07
abr. 2014.
34
Os autores avaliaram os estudos de: Walker (1987); Agelsen (1995); Rudele Roper (1996);
Murali e Hedge (1997); Geist e Lambim (2001).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 244 14/09/2015 15:08:51


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 245

municípios do Amazonas e concluir que há inibição de atividades


com maior potencial devastador. Manaus se diferencia dos demais
municípios, pois a influência do PIM é significativa por desenvolver
atividade econômica compatível com a manutenção da cobertura
florestal. Esta realidade colaborou com a redução de 85% a 86% no
desmatamento da sua região.
Desse modo, o estudo demonstra que o PIM parece exercer
um efeito ambiental positivo, pois reúne indústrias que possuem
tecnologias de processo que permitem reduzida geração de resíduos
poluentes, proporcionado externalidades positivas para o Brasil e para
o mundo relativas ao custo evitado do desmatamento e outras ações
danosas ao meio ambiente, com a conservação da floresta amazônica
e, especialmente, impedindo o lançamento na atmosfera de dióxido de
carbono (CO2) e metano (CH4), o que aumentaria o aquecimento global.
Portanto, mesmo sem ter sido uma diretriz original, essa opção
econômica garantiu externalidades positivas, contribuindo para a
preservação da cobertura florestal estadual, evitando o desmatamento
acentuado, a exemplo do que ocorreu em outros estados amazônicos,
fato que constitui perspectiva favorável e deve servir de motivação para
o seu fortalecimento.

Perspectivas quanto ao futuro


As circunstâncias econômicas do presente
Não há dúvida que a ZFM representa, hoje, a mais longeva e a
mais exitosa política federal de desenvolvimento para a Amazônia,
notadamente para sua parte ocidental. Há variadas formas de se
obter essa constatação, porém, nesta seção, buscar-se-á avaliar alguns
de seus principais indicadores, visando-se identificar o que eles
apontam em relação às suas circunstâncias econômicas. Sendo a ZFM
a dinâmica produtiva hegemônica do Estado do Amazonas, tomou-se
por premissa que, avaliando-se os dados do estado avalia-se, também,
o desempenho dela.
Inobstante o faturamento das empresas do PIM ter um desem­
penho, em valores nominais, significativo (foi, em 2002, R$26,545
bilhões e alcançou, em 2013, R$83,484 bilhões), quando se examina
a dinâmica do Produto Interno Bruto (PIB) do Amazonas, emergem
aspectos diferentes. Por isso, o primeiro enfoque se deterá no
desempenho do PIB. Para tanto, construiu-se o quadro a seguir para

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 245 14/09/2015 15:08:51


246 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

os dez anos que decorreram desde sua última prorrogação, e foram


calculados o crescimento acumulado (número índice, base 2002), a
participação no PIB do Brasil e no da Região Norte. Tais indicadores
foram elaborados para todos os estados da Região Norte, para se ter
elementos de comparação para o desempenho do Amazonas.

Quadro 1. PIB dos estados da Região Norte, seu crescimento e


participação no PIB do Brasil e do Norte – 2002-2011.

Fonte: construção a partir de IBGE (2011).

Pelo quadro 1, constata-se que o crescimento do Amazonas perdeu


ritmo de forma significativa, entre 2002-201135, só ficando atrás do
35
A nos para os quais existem dados oficiais de PIB.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 246 14/09/2015 15:08:53


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 247

Amapá. Considerando o ano de 2002 como base, o PIB dos estados teve
as seguintes taxas percentuais de crescimento: Rondônia: 257,84; Pará:
244,40; Tocantins: 222,07; Acre: 206,59; Roraima: 200,57; Amazonas:
196,25; e Amapá: 172,46. Considere-se que esse foi um período de boom
na ZFM, pelo fato de ter decorrido logo após a ampliação de seu prazo
de vigência (em 2002). Entretanto, para algumas economias da região,
baseadas em commodities minerais e agropecuárias, o período inclui os
efeitos da crise internacional de 2008, situação que chegou a causar
crescimento negativo (-0,2%) no PIB do Pará, em 2009.
Entre as três maiores economias da região o Amazonas teve o
menor crescimento em participação na economia brasileira: o Pará
representava 1,7% e passou para 2,1%; Rondônia representava 0,5% e
passou para 0,7%; o Amazonas representava 1,5% e passou para 1,6%,
ou seja, ampliou apenas 0,1pp, embora possua robusto polo industrial
e seja beneficiado pelos incentivos da ZFM.
Em relação à representatividade da economia do Amazonas na
Região Norte, constata-se perda de participação. O Pará, mesmo tendo
sido afetado severamente pela crise de 2008 (decresceu em -0,2% no
PIB) contribuía, em 2002, com 37,0% e, em 2011, passou para 39,5%.
Rondônia passou de 11,2% para 12,5%; já o Amazonas diminuiu de
31,4% para 28,9%. São evidências de perda de dinamismo em relação
aos demais estados da Região Norte.
Em consonância com tais indicativos, estudo recente (maio 2014)
publicado por respeitável instituição financeira (ITAÚ, 2014), também
constata, para o Amazonas, tendência de contínuos decréscimos no
desempenho de seu PIB, a saber: 2003-2007: 6,5%; 2008-2013: 3,31 e
2014-2020: 2,5%.
A economia do Amazonas é, hegemonicamente, decorrente
do PIM, o que enseja uma composição seu PIB de forma bastante
distinta do Brasil. Em 2011 (IBGE, 2011), no Amazonas, a indústria
como um todo contribuiu com 41,7% do Valor Adicionado Bruto
(VAB), enquanto no Brasil essa taxa foi de apenas 27,5%. Essa é
uma constatação relevante, sobretudo quando se considera apenas
a indústria de transformação – segmento central da indústria no
estado – na qual a contribuição foi de 30,5%, enquanto no Brasil foi
14,6%, ou seja, menos da metade. E o desempenho da indústria de
transformação no estado é também bastante diferente do Brasil, pois
que, seu crescimento, entre 2007-2011, foi de 43,3%, enquanto no
Brasil foi 32,3, ou seja, 10 pp menor.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 247 14/09/2015 15:08:53


248 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Em princípio, a configuração de uma economia com tal parti­


cipação da indústria deveria representar constatação comemorável.
Porém, vinculada a tal dinâmica, ela é ampla e intensamente
dependente dos incentivos fiscais da ZFM e gera amplo e regular
saldo na balança comercial, em razão das importações de partes, peças
e insumos para as fábricas localizadas na ZFM. Em 2013, chegou a
96% do total de seu comércio exterior (importações: US$14,1 bilhões;
exportações: US$1,1 bilhão). Ademais, como essas atividades ocorrem
em Manaus, o PIB da cidade e do seu entorno representa 85% do total
do estado (IBGE, 2010).
O segundo enfoque a ser analisado refere-se ao emprego, tanto
a geração quanto a remuneração. Neste caso, em vez de se comparar
com os demais estados da Região Norte, optou-se por compará-la com
o resto do Brasil, uma vez que a natureza da economia do Amazonas,
centrada na indústria e serviços (este representando 51,4% do VAB, em
2011), difere intensamente dos demais estados da região.

Quadro 2. Remuneração e empregos formais ocupados no Amazonas


e Brasil, 2011-2012.

Fonte: Construído em parceria com Mauro Thury Sá Vieira, com dados da Relação
Anual de Informações Sociais (RAIS), obtidos em http://bi.mte.gov.br/bgcaged/login.
php, acessado entre 07/04/2014 e 07/05/2014.

Notas: a) As seções de atividades seguem a CNAE 2.0; b) para efeito de cálculos da


remuneração por emprego ocupado, foram retirados aqueles empregos para os quais
não há informação sobre remuneração; c) a indústria de transformação em Manaus
corresponde em larga medida ao Polo Industrial de Manaus.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 248 14/09/2015 15:08:53


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 249

Pelo quadro 2 constata-se a existência, em 2012, de 616.377


empregos formais no Amazonas, o que é surpreendente para um
universo de aproximadamente 3,5 milhões de habitantes, dos quais,
pelo menos 1,6 milhão vivem em municípios do interior ou em áreas
rurais, onde parte significativa das ocupações são informais. Esse efeito
da ZFM tem maior significado quando se considera que para cada
emprego existente no PIM, estima-se que, pelo menos quatro outros
são gerados no resto do Brasil, nas cadeias do pós-venda e também na
produção dos insumos consumidos em sua indústria.
Percebe-se, também, em 2012, que a remuneração média
total não é tão diferente da registrada para o Brasil (R$1.957,03 e
R$2.080,07); que a indústria, hegemonicamente situada no PIM,
tem remuneração mensal bem próxima da identificada no Brasil
(R$2.002,17 e R$2.106,06); e que na indústria extrativa a remuneração
no Amazonas é quase o dobro da apontada para o Brasil (R$9.685,93
e R$4.928,94). Se se considerar apenas a remuneração de Manaus
(calculada separadamente), constata-se que a remuneração total média
dos setores chega mesmo a ser superior àquela encontrada para o resto
do Brasil (Manaus: R$2.112,91; Brasil: R$2.080,07), tanto quanto do
setor de serviços (R$2.131,59 e R$2.097,78).
Porém, mesmo com essa massa de emprego gerada, observa-se
que o Amazonas, quando comparado ao Brasil, precisa gerar mais PIB
para cada emprego que propicia: em 2012, essa relação no Amazonas
foi R$112.127,80, enquanto no Brasil foi R$92.545,57. Isso significa que,
por efeito da ZFM, a economia do Amazonas enseja bastante emprego,
remunera em níveis similares e até melhores do que no resto do Brasil,
porém, para cada emprego que cria, a economia amazonense precisa
gerar mais riqueza (PIB) do que no resto do Brasil.
O terceiro enfoque a ser analisado refere-se à agregação de valor
na indústria instalada no PIM. Normalmente, em razão do preconceito
que se tem pelo fato desse aglomerado econômico ser chamado
de “Zona Franca” tende-se a supor que ele tem a mesma natureza
de outras “zonas francas” espalhadas pelo mundo, nas quais, quase
sempre, existem apenas “montagens” dos produtos gerados. Não é o
que ocorre na ZFM, onde uma série de políticas e aperfeiçoamentos
dotaram-na de vantagens produtivas surpreendentes. Estudos recentes
demonstram esses avanços em relação à agregação de valor.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 249 14/09/2015 15:08:53


250 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Quadro 3. Agregação de valor na indústria de transformação (comparativo


Brasil versus ZFM).
Fonte: Sá e Machado (2013).

Pelo quadro 3, observa-se que, a partir de 2003, o Amazonas


seguiu uma trajetória contínua de agregação de valor aos seus
processos industriais, tendo, a partir de 2007, ultrapassado o resto do
Brasil. Os dados foram apurados a partir da Pesquisa Industrial Anual,
do IBGE, e mostram que, ao contrário do senso comum, a indústria
de transformação estadual, que praticamente se confunde com o PIM,
tem adicionado mais valor a cada real produzido do que a indústria de
transformação do Brasil como um todo.
Assim, pela análise apenas dos três aspectos considerados,
constata-se que a ZFM deu pujança à economia do Amazonas, tem tido
êxito em agregar valor aos seus processos industriais e tem propiciado o
surgimento de empregos formais com remunerações similares ao resto
do Brasil. Porém, requer cada vez mais geração de riqueza (PIB) para
cada emprego gerado e o seu crescimento econômico (aumento de PIB)
tem perdido dinamismo em relação aos demais estados da Região Norte.

A esperada prorrogação e as questões a serem superadas


Desde 2010 tramitando no Congresso Nacional, a proposta de
prorrogação da ZFM foi aprovada, em 05-08-2014, por mais 50 anos,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 250 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 251

por meio da Emenda Constitucional n.° 83/14, e publicada no Diário


Oficial da União de 06-08-2014. Em paralelo com tal fato, e como
fruto de acordo longamente negociado, foi também assinado pelo
Governo do Estado de São Paulo a Resolução SF nº 55, de 06-08-2014,
igualando a alíquota de ICMS cobrada por esse estado sobre os bens de
informática produzidos no PIM (exceto celulares) com as alíquotas dos
mesmos bens quando produzidos pela indústria paulista.
De um lado, ampliam-se os horizontes dos incentivos fiscais
encerrando-se as incertezas sobre a disposição do país em continuar
mantendo a ZFM. Do outro, encaminha-se o encerramento da chamada
“guerra fiscal” com o poderoso estado paulista, o qual é, ao mesmo
tempo, grande mercado de consumidores dos produtos da ZFM e seu
concorrente direto na atração de investidores.
Os dois fatos, à primeira vista, deveriam abrir um cenário de
expectativas retumbantes para a economia do Amazonas. Porém, não
é bem assim. Se o primeiro caso era imprescindível que acontecesse e o
segundo era esperado para destravar imbróglios jurídicos submetidos
ao Judiciário, os dois fatos, por mais relevantes e necessários, não são
suficientes para resolver as dificuldades da ZFM. Nas seções seguintes
apontam-se algumas dessas pendências a requererem equacionamento.
a) Reconstrução da Suframa e de formulações estratégicas
para sua atuação
Nos últimos tempos a instituição gestora da ZFM foi sendo, pouco
a pouco, deteriorada em suas possibilidades de conduzi-la de forma
efetiva e dinâmica. Algumas das razões, mas não todas, são identificadas
a seguir: (i) perdeu espaço político no âmbito do governo federal e, no
ministério ao qual é vinculada (Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Exterior), tem seus interesses tratados por unidades de escalões
inferiores; (ii) perdeu a maior parte de sua capacidade técnica em
razão da saída de centenas de especialistas que eram terceirizados; (iii)
teve seus sistemas informatizados fragilizados em razão das incertezas
sobre os responsáveis por suas manutenções e aperfeiçoamentos; (iv)
teve suas receitas continuamente contingenciadas, o que afetou suas
possibilidades de cumprimento de seus compromissos e melhorias
institucionais; (iv) teve sua credibilidade regional reduzida e,
consequentemente, sua capacidade de interlocução afetada em relação
ao encaminhamento da agenda da ZFM.
Ao lado do equacionamento do que foi anteriormente listado,
é imperioso que a instituição fortaleça e amplie o planejamento

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 251 14/09/2015 15:08:54


252 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

estratégico de suas ações e rumos, baseado em sistema que envolva


pesquisa, formulações, avaliações e diretrizes de médio e longo prazo,
bem como, em observatório de dinâmicas políticas ou econômicas,
nacionais e internacionais, capazes de comprometer ou potencializar
a competitividade e funcionamento da ZFM, para permitir a adoção,
temporânea, de medidas que minimizem riscos e promovam adaptações.
Impõe-se, pois, como providência imediata, a reconstrução e o
fortalecimento da Suframa para que ela tenha possibilidade de liderar
e coordenar as iniciativas para o aperfeiçoamento e o fortalecimento
da ZFM nessa sua nova fase.
b) Inserção na lógica produtiva nacional
A ZFM sempre foi tida, tanto pelos produtores centro-sulinos
quanto pelas autoridades federais envolvidas com o desenvolvimento
nacional, como uma política de exceção, transitória e com prazo certo
para acabar. Por essa razão, ela nunca foi pensada como parte da lógica
produtiva nacional e, consequentemente, quase nunca foi considerada
nas políticas, programas e iniciativas relativas ao desenvolvimento
brasileiro, tais como: Plano Brasil Maior, Estratégia Nacional de
Ciência e Tecnologia, Plano Nacional de Logística e Transporte e,
principalmente, em relação às políticas tributárias e de desenvolvimento
regional no Norte do país.
É necessário, pois, nessa nova fase, na qual o horizonte para sua
existência foi deslocado para 2073, que ela tenha papel nas cadeias
produtivas nacionais, que lhe seja atribuído um propósito nacional e
regional passível de acompanhamento, que seja visibilizada de forma
clara sua articulação com as dinâmicas econômicas que configuram
o sistema produtivo do país. E isso precisa ser definido desde já para
que as iniciativas de seu aperfeiçoamento tenham tais premissas como
orientadoras das providências.
c) Aperfeiçoamento e modernização dos regramentos inter­
venientes na ZFM
Ao longo do tempo, um aparato complexo e extenso de exigências e
normas foi sendo associado ao funcionamento da ZFM. A sua prorrogação,
para ter efetividade, precisa ser acompanhada de equacionamentos
para uma série de questões, como as que seguem: (i) impedir que
seu funcionamento seja afetado por normas infra legais contrárias às
garantias constitucionais ou por políticas públicas concorrentes com seus
fundamentos; (ii) possibilitar que os projetos aprovados para a ZFM sejam
considerados de “setor prioritário para o desenvolvimento regional”

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 252 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 253

para fins de gozo dos incentivos do IRPJ administrados pela Sudam,


sem necessidade de novas avaliações; (iii) promover a consolidação
e atualização de toda a legislação interveniente no funcionamento da
ZFM visando dar unidade ao aparato de leis, decretos, resoluções e
outros instrumentos normativos, com o propósito de reduzir custo de
administração fiscal dos empreendimentos incentivados e minimizar
riscos junto aos órgãos de fiscalização; (iv) trazer à tona providências
para viabilizar a entrepostagem de produtos da ZFM em todo o território
nacional, sem custo tributário imediato ou necessidades de convênios
prévios entre fiscos estaduais, permitindo às empresas transportarem
seus produtos para armazéns ou entrepostos em todo o Brasil e mais
próximos de seus clientes; (v) equacionar, de forma sistêmica, as exigências
da Política Nacional de Resíduos Sólidos para os produtos fabricados no
PIM e que responsabiliza as empresas pela coleta e recolhimento dos
resíduos sólidos de seus produtos, o que representará custos significativos;
(vi) manter estudos atualizados em relação à reforma tributária cogitada
como demanda urgente do país, para minimizar riscos de redução das
vantagens produtivas da ZFM ou trazer-lhe insegurança jurídica; (vii)
possibilitar que novos empreendimentos no PIM privilegiem segmentos
tidos como estratégicos para seu fortalecimento e possam ser tratados
por processos simplificados e acompanhados de modo a fazê-los exitosos.
Essa lista não esgota as possibilidades de aperfeiçoamento nos
regramentos da ZFM, mas dão uma ideia do quanto há a fazer para
que, de fato, a prorrogação ganhe efetividade.
d) Melhoria da infraestrutura para produção econômica
Temáticas recorrentes no ambiente empresarial da ZFM são o
custo e a qualidade da infraestrutura e da logística relacionadas com
a produção econômica. A lista é extensa, mas podem ser citadas as
seguintes: (i) providências e investimentos para ampliação e diversifi­
cação das estruturas portuárias, aeroportuárias e de armazenagem
primária em Manaus; (ii) equacionamento efetivo para o provimento
de energia elétrica regular, seja pela completude da interligação do
linhão Tucuruí-Manaus ou pela utilização efetiva e sustentável do gás
natural do Urucu, promovendo esforços e providências para acelerar
a conversão, onde for cabível, das usinas termoelétricas que abastecem
Manaus; (iii) providências imediatas para equacionar a precariedade
das comunicações, tanto em Manaus quanto nos municípios do interior,
fazendo com que a internet e telefonia celular sejam de qualidade e mais
baratas; (iv) fortalecimento e aperfeiçoamento dos principais eixos de
integração do estado, tanto rodoviário (Manaus-Porto Velho, Manaus-

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 253 14/09/2015 15:08:54


254 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Boa Vista, Estrada da Várzea,) quanto hidroviário (principalmente Rio


Madeira).
Para a ZFM, que se encontra distante dos mercados de insumos
que utiliza e dos bens acabados que produz, a logística (transporte,
armazenagem, seguro, burocracia alfandegária, etc.) é fator crucial de
sua atratividade para investimentos. Se cara, insuficiente e de pouca
qualidade, os incentivos fiscais do modelo não serão suficientes para
compensá-los, especialmente, em um cenário no qual a tendência é
a diminuição dos impostos incidentes sobre a produção em todo o
território nacional.
e) Agregação de valor por inovação tecnológica
A produção no PIM é baseada em pacotes tecnológicos gerados
pelos grandes produtores internacionais de bens de consumo global e a
expertise que o polo desenvolveu ao longo de 47 anos foi, essencialmente,
centrada na parte operacional do processo produtivo e na distribuição
para o mercado doméstico. Pouco se avançou na consolidação de
centros de pesquisa e desenvolvimento capazes de gerar as tecnologias
produtivas demandadas por essas cadeias de negócios, bem como
formar a mão de obra especializada para tais fins.
Muito há a fazer nesse sentido. A começar pela consolidação
de um sistema de C&T&I que seja, cultural e institucionalmente,
comprometido com desenvolvimento e produção econômica, isto é,
não tenha recusa em produzir conhecimento para fins produtivos,
como hoje acontece com a maioria das instituições de C&T do estado.
A reboque de tal providência vem o fortalecimento da Universidade do
Estado do Amazonas (UEA) e da Universidade Federal do Amazonas
(UFAM), além dos estabelecimentos de ensino superior privados, para
que suas atividades formadoras voltem-se para as demandas regionais
e tenham sinergia com a agenda do desenvolvimento e de C&T&I do
estado. Passa, também, pelo fortalecimento da Fundação de Amparo à
Pesquisa do Amazonas (Fapeam), com disponibilização temporânea de
seu orçamento e completa operacionalização dos fundos que sustentam
sua manutenção, bem como priorização de iniciativas comprometidas
com o desenvolvimento do estado, focadas em resultados efetivos,
operacionais e úteis para as políticas públicas de desenvolvimento
estadual.
Providência essencial para esse propósito é sedimentar,
sob coordenação da Suframa, um sistema de C&T&I voltado,
essencialmente, para o PIM, visando dotá-lo de domínio tecnológico

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 254 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 255

capaz de representar vantagens competitivas significativas. Esforços


nesse sentido incluem a completa implantação do Centro Tecnológico
do Polo Industrial de Manaus (CT-PIM) e a atração massiva e acelerada
de cooperação técnico-científica, conectada aos objetivos produtivos
estaduais, oriunda de outros países ou estados mais avançados.
f) Implantação e fortalecimento de cadeias produtivas com
raízes regionais
Uma das fragilidades do PIM é a sua concentração na produção
de bens pouco relacionados com fatores de produção oriundos da
região. Isso é particularmente ostensivo em relação aos principais
produtos que compõem o seu portfólio de ofertas: eletroeletrônicos,
bens de informática, motocicletas e outros. Entretanto, há uma série
de opções regionais, com estudos já avançados sobre seus potenciais,
que não podem mais ser desconsiderados nessa nova fase da ZFM.
Alguns exemplos são: (i) empreendimentos biotecnológicos, sobretudo
voltados para o agronegócio e busca efetiva do funcionamento do
Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA); (ii) empreendimentos
de especificidades amazônicas, como fitofármacos, sucos, licores
tropicais, farinhas (pupunha, mandioca, etc.), flores tropicais, plantas
medicinais e outros; (iii) cadeias produtivas decorrentes do gás natural
(polo gasquímico, uso veicular, uso industrial) a ser provido, de forma
abundante, pelas diversas províncias onde esse recurso já foi ou está
sendo identificado, como Urucu, Juruá, Silves; (iv) implantação do
Polo Naval de Manaus para centralizar e dinamizar a indústria de
construção naval instalada em Manaus e em seus arredores e para
irradiar dinamismo no setor de transporte fluvial em todo o estado;
(v) ampliação do porte econômico do setor de produção de pescados
tanto através da aquicultura tradicional quanto da criação em gaiolas
(no Lago de Balbina, no Rio Urubu, etc.) e em grandes fazendas
de peixe em várzeas altas; (vi) ampliação da escala econômica do
segmento industrial dedicado à produção de pequenos motores,
ferramentas e de insumos para a produção agropecuária, visando
minimizar seus custos para o produtor rural do Estado; (vii) dar
ao setor mineral maior participação na economia do estado, tanto
extraindo quanto beneficiando e, no que for possível, avançando para
fases mais finais de suas cadeias produtivas. Isso inclui os reservas de
silvinita do Médio Amazonas; de estanho, nióbio e tântalo do Pitinga;
de Caulim dos arredores de Manaus, e outros.
Obviamente, não se cogita, sob hipótese alguma, minimizar a
importância e a essencialidade da atual produção do PIM. Porém,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 255 14/09/2015 15:08:54


256 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

tendo em conta as opções citadas e que possuem raízes regionais,


constata-se a existência de alternativas para retirar a dependência que
hoje a ZFM tem das commodities eletroeletrônicas e de duas rodas.
g) Ampliação das exportações da indústria do PIM
O amplo e regular déficit na balança comercial do Amazonas
(já referido antes), a necessidade de o país aumentar suas reservas
cambiais, o impositivo da inserção do Brasil no mercado global e a
característica exportadora associada às zonas especiais de produção
econômica pelo mundo, impõem à ZFM o compromisso de exportar e
de ter essa providência como parte de seu pacto com a nação. Sabe-se
que o modelo original focava o abastecimento do mercado interno,
entretanto, diante do cenário atual, a necessidade de mudança para um
perfil que tenha na exportação um de seus pilares torna-se indispensável
e se avulta, quando se constata que a quase totalidade das empresas
sediadas no PIM são multinacionais com experiência global e que
dispõem de canais de interação já instalados com os diversos mercados.
Essas circunstâncias vão requerer uma interação comercial mais
intensa com os países do seu entorno por meio de providências já
iniciadas, como: (i) conexão logística de Manaus aos mercados dos países
pan-amazônicos e aos grandes centros consumidores da costa leste do
Pacífico e do Caribe, incluindo-se as saídas via Manta no Equador, via
Paita-Piura no Perú, via Georgetown na Guiana, outros; (ii) retomada das
tratativas para a inserção, sem restrições, da produção econômica da ZFM
no Mercosul e em outros blocos econômicos latino-americanos, como o
recém-fundado Aliança do Pacífico; (iii) efetivação, via Organização do
Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) ou mesmo diretamente em
tratativas bilaterais, de providências para ampliar as trocas comerciais
entre os países pan-amazônicos, por meio de interação econômica, como
realização de feiras internacionais de negócios, de facilidades logísticas,
de promoção mais sistemática da interação empresarial e outros;
(iv) adoção de estímulos de efeitos verificáveis para que as empresas
sediadas na ZFM destinem parte de suas produções para a exportação,
especialmente para países latino-americanos.
h) Dinamização e fortalecimento do ambiente econômico e
empreendedorismo
Os principais agentes econômicos da ZFM sempre foram
empresas de médio ou grande porte atraídas de outras regiões ou do
exterior. Essa circunstância fez surgir dois aspectos comprometedores
do ambiente de negócio no estado. O primeiro, como as empresas

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 256 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 257

possuem unidades administrativas ou assessorias responsáveis pela


parte legal e burocrática do seu funcionamento, ficou ofuscado
o contínuo crescimento das exigências, ritos e atores públicos a
requererem, cada vez mais, tempo e esforço por parte das empresas.
Alem disso, também ficou ofuscado e dificultado o papel que os micros
e pequenos negócios, sobretudo locais, podem ter no fortalecimento da
economia do estado.
A nova fase da ZFM requer providências para: (i) diminuir o custo
burocrático da produção, especialmente no PIM, para reduzir e unificar
as ações fiscalizadoras do Estado e da União; centralizar, unificar e
diminuir a cobrança de taxas; minimizar e unificar as exigências de
informações; viabilizar a substituição de qualquer outro identificador de
empresa pelo CNPJ, convertendo-o em única referência de identidade
empresarial; possibilitar a abertura on-line de empresas e transferir para
o estado o ônus de buscar comprovantes; utilizar para toda e qualquer
finalidade econômica as classificações nacionalmente adotadas pelos
órgãos federais (IBGE, RFB, etc.), como códigos de mercadorias
(NCM), classificação de atividades produtivas (CNAE), visando dar
comparabilidade universal às estatísticas econômicas da ZFM e do
estado; (ii) adotar políticas para fortalecimento e ampliação de segmento
empresarial baseado em micro e pequenas empresas (MPE), empresas
de pequeno porte (EPP) e microempreendedor individual (MEI), por
meio de incentivo generalizado ao empreendedorismo (principalmente
entre jovens), de tratamento diferenciado desse segmento perante as
compras governamentais, de facilidades tributárias e administrativas,
de estímulos creditícios, de promoção de inovação, de apoio ao acesso
à justiça, e outros; (iii) viabilizar estratégias educacionais permanentes,
para formar empreendedores e disseminar o empreendedorismo, no
ensino superior e médio, extensivo a todas áreas, tanto no âmbito da
UEA, UFAM e entidades privadas de ensino superior, quanto na rede
de ensino médio e técnico do estado.
i) Ampliação do protagonismo político e inserção econômica
na Amazônia
A ZFM, pelo porte econômico que assumiu e pela influência na
atração de obras de infraestrutura e logística, bem como pelo papel que
passou a ter no espraiamento de riquezas regionais, na minimização
da pressão sobre as florestas da região, na aplicação de recursos na
formação de capital intelectual e outros, porta consigo amplo potencial
para ter maior protagonismo em relação aos rumos e interesses da
Amazônia, especialmente sua parte ocidental.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 257 14/09/2015 15:08:54


258 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Nesse sentido, e considerando as possibilidades políticas que


se abrem nessa nova fase, torna-se necessário: (i) dar visibilidade
e avaliar, de forma sistemática, o papel exercido pela ZFM no
desenvolvimento regional, especialmente na Amazônia Ocidental,
incluindo efeitos ambientais virtuosos, função econômico-social das
redes e cidades e economias de aglomeração ou de regionalização
pertinentes; (ii) buscar a efetivação de iniciativas para que as
instituições públicas federais relevantes para ZFM – como Receita
Federal do Brasil, Anvisa e Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento – tenham centros decisores ou bases de atuação mais
autônomas instalados em Manaus, bem como sejam dotadas dos
recursos necessários – humanos e financeiros – para atenderem as
demandas da ZFM e de toda a Amazônia Ocidental; (iii) realizar
estudos para avaliar a conveniência e viabilidade de transformar a
Suframa em Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia
Ocidental (SudamOC), vinculada ao Ministério da Integração
Regional, convertendo-a em ente, de fato e de direito, responsável
pelo desenvolvimento regional na Amazônia Ocidental, com
infraestrutura e recursos – humanos, materiais e orçamentários –
necessários para tal mister, mas mantendo um núcleo central para
cuidar da ZFM; (iv) realizar estudos para fundamentar a criação de
fundo único – Fundo de Desenvolvimento da Amazônia Ocidental
– formado por parcela do IRPJ fruído pelas empresas da ZFM,
visando ao fomento do desenvolvimento da Amazônia Ocidental e
a ser administrado pela possível futura SudamOC, mantendo-se,
entretanto, as taxas decorrentes dos serviços prestados pela atual
Suframa, a serem aplicadas, exclusivamente, na sua manutenção e
melhoramento das estruturas produtivas PIM.
Além disso, é pouco compreensível a baixa interação econômica
que a ZFM tem com os demais estados da região. Suas compras e
vendas são feitas, hegemonicamente, com o exterior ou com estados
de outras regiões. Nesse sentido, torna-se necessário o fortalecimento
de cadeias de negócios com os demais estados da Amazônia, pela
promoção de feiras e eventos regulares de negócios, intercâmbio
entre empresários e agentes públicos envolvidos com a temática,
disseminação de informações sobre as ofertas e demandas da economia
dos estados, promoção de eventos científicos e técnico-econômicos na
região, iniciativas essas todas voltadas para criação de uma cultura
regional de intercâmbio econômico e mercadológico.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 258 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 259

j) Fortalecimento do compromisso da ZFM com a sustenta­


bilidade ambiental
O mais repetido argumento político usado para viabilizar a
prorrogação da ZFM foi o efeito ambiental que ela teve na proteção
das florestas do Amazonas. E de fato assim o é, como já referido
anteriormente neste trabalho. Porém, pouco se considerou que esse
efeito é uma externalidade, isto é, uma consequência fortuita ou não
intencional, pois inexiste, por parte das instituições que deveriam
formulá-las, qualquer política que vincule a ZFM a compromissos
fundados na busca de proteção ambiental. Como explicar que a
produção anual de dois milhões de motocicletas – que consumirão
combustíveis fósseis e terão suas carcaças descartadas alhures – ou de
centenas de milhões de produtos eletroeletrônicos feitos com insumos
plásticos – que se transformarão em lixo nocivo ao ambiente – seja
feita com base em compromisso ou sob políticas de promoção da
sustentabilidade?
Na nova fase, é imperioso que se faça mais do que apenas ecoar
os efeitos não intencionais, pois pode haver outras explicações – como
ausência de rodovias conectando o estado às fronteiras agropecuárias
– para os quase 98% de integridade das florestas estaduais. Políticas
concretas podem ser implementadas, como: (i) manutenção atualizada
dos estudos científicos que comprovam o efeito ambiental do PIM e
promoção de linhas de pesquisa científica que ampliem o acervo de
conhecimento a respeito; (ii) efetivar políticas que promovam esse
atributo, como o selo “Produzido no PIM, Protegendo a Amazônia” que
visa aos produtos do PIM um indicativo agregador de valor e preferência
mercadológica; (iii) criar, para adoção, optativa, o Processo Produtivo
Básico Sustentável (PPBS), para ser aplicado a produtos fabricados com
algum fator de sustentabilidade e que, por isso, teriam certificação
dessa característica; (iv) instituir como contrapartida pela fruição dos
incentivos fiscais a neutralização de carbono por parte das empresas
instaladas no PIM; (v) promover e apoiar iniciativas que possibilitam
o advento de segmento econômico baseado na comercialização de
serviços ambientais, de tal sorte que a floresta em pé seja tida, também,
como “capital econômico” que gera receitas e não simplesmente como
“patrimônio ambiental” que gera custo para ser mantido.
Há, pois, uma longa lista de iniciativas para que a prorrogação
da ZFM se efetive de forma auspiciosa e possibilite uma nova fase
mais estratégica e robusta para a economia do Amazonas e da região
como um todo. Com as providências apontadas ela ficará, por certo,

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 259 14/09/2015 15:08:54


260 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

menos dependente dos incentivos fiscais e da mera vontade política de


autoridades públicas federais.

Considerações finais
No mês de conclusão deste artigo (agosto 2014), os jornais de
Manaus têm publicado, em paralelo com a euforia da prorrogação,
sinais de que há motivos reais para se considerar que a simples
ampliação de seu prazo de validade é insuficiente para recompor seu
dinamismo.
A Crítica de 6 de agosto de 2014 noticia, com base em pesquisa do
IBGE, que a produção industrial do Amazonas, no mês de junho, liderou
o ranking de queda entre todos os demais estados, com -9,3%, e que na
comparação com o mesmo período de 2013, o estado também teve a
pior queda, com -16,1%. Informa também, que em 2014, esse é o quarto
mês que apresenta queda desse agregado econômico. No mesmo jornal,
no dia 12-08-2014, o senhor Paulo S. Takeuchi, diretor-Executivo de
Relações Institucionais da Moto Honda da Amazônia (uma das maiores
empresas da ZFM), publicou um artigo com o sugestivo título “De volta
à realidade”, no qual registra que o segmento de duas rodas – o segundo
mais importante da ZFM – deverá fechar o ano com desempenho
inferior ao de 2013, que já tinha sido inferior ao de 2012, 2011 e
2010. Ademais, aponta um cenário pouco atraente com instabilidades
econômicas, incerteza quanto ao futuro, alta inflação e juros, nível de
endividamento da população e consequente inadimplência, tudo isso
refletindo em perspectivas nada satisfatórias.
Merece, portanto, refletir que do projeto original da ZFM – e
sua ancoragem histórica, teórica e estratégica – pouco restou, a não
ser, essencialmente, os diferenciais tributários, ainda assim reduzidos
ao longo tempo e hoje baseados em uma legislação extensa e complexa
que só lhe agregam, continuamente, insegurança jurídica, como
analisado à exaustão ao longo do texto. As garantias constitucionais
agora previstas até 2073 não terão o condão de fazer desaparecer essa
herança de tanto tempo de desfiguração.
Sem encaminhamento efetivo da agenda de providências
elencadas anteriormente, e/ou outras que possam vir a ser apontadas
por estudiosos do tema, a atratividade para novos investimentos fica
comprometida. E é urgente que algo seja feito, pois esse estado de espera
que já era vivenciado por todos desde antes – quando ainda se aguardava
pelo desfecho legislativo em torno da prorrogação – prossegue agora

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 260 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 261

com as expectativas eleitorais e com o ambiente econômico do Brasil,


e continuará em pauta se nada for percebido pelos empresários em
relação à superação dos impasses aqui levantados e que são conhecidos
de todos.
Obviamente, nenhum investidor aguarda indefinidamente por
melhorias de determinado ambiente econômico para tomar decisões
em termos da localização de seus negócios. Eles sabem que, se não
atendem à demanda, o próprio mercado busca alternativas, seja pelo
surgimento de outras empresas ou pela simples importação.
O Brasil tem sido muito generoso com o Amazonas. Até
2073 terá transcorrido mais de um século (106 anos) de ZFM.
As autoridades e lideranças políticas regionais precisam levar em conta
as circunstâncias da realidade e adotar compromissos para tornar
efetiva a prorrogação obtida agora, transformando esse momento em
uma oportunidade estratégica para promover o fortalecimento e o
aperfeiçoamento da ZFM.

Referências
AMAZONAS. Governador (1966-1971 : Danilo Duarte de Mattos Areosa).
Mensagem à Assembléia Legislativa do Estado: 31 de março de 1970. Manaus:
Palácio Real, 1970.

ANDRADE, Elson. Zona Franca de Manaus: regime jurídico. Revista da


Procuradoria Geral do Município de Manaus, 1992.

ÁVILA, Humberto. ICMS. Tratamento diferenciado para produtos oriundos


da Zona Franca de Manaus. Revista Dialética de Direito Tributário, n. 144,
p. 64-81, set. 2007.

BECKER, Berta K. Amazônia: nova geografia, nova política regional e nova


escala de ação. In: COY, Martin; KOHLHEPP, Gerd (Coord.). Amazônia
sustentável: desenvolvimento sustentável entre políticas públicas, estratégias
inovadoras e experiências locais. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BENCHIMOL, Samuel. Zênithe ecológico e nadir econômico-social: análises e


propostas para desenvolvimento sustentável da Amazônia. Manaus: Valer, 2001.

BRASIL. Constituição (1988). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/


ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm#adct>. Acesso em: 12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto n. 47.757, de 3 de fevereiro de 1960. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 4 fev. 1960. Disponível em:

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 261 14/09/2015 15:08:54


262 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D47757.htm>. Acesso
em: 12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto nº 205, de 5 de setembro de 1991. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 6 set. 1991a. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D0205.htm>. Acesso em:
12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto nº 783, de 25 de Março de 1993. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 mar. 1993. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Antigos/D0783.htm>. Acesso em:
12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto nº 81.189, de 5 de Janeiro de 1978. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 6 jan. 1978. Disponível em:
<http://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:federal:decreto:1978-01-05;81189>.
Acesso em: 12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto-Lei n. 288, de 28 de fevereiro de 1967. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 fev. 1967a. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0288.htm>. Acesso em:
03 abr. 2014.

BRASIL. Decreto-Lei nº 1.455, de 7 de Abril de 1976. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 abr. 1976. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del1455.htm>. Acesso em:
12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto-Lei nº 291, de 28 de fevereiro de 1967. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 fev. 1967b. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del0291.htm>.
Acesso em: 12 ago. 2014.

BRASIL. Decreto-Lei nº 356, de 15 de agosto de 1968. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 ago. 1968. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0356.htm>. Acesso em:
12 ago. 2014.

BRASIL. Lei n. 10.176, de 11 de janeiro de 2001. Diário Oficial [da] República


Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 jan. 2001. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10176.htm>. Acesso em: 12 ago. 2014.

BRASIL. Lei n. 10.865, de 30 de abril de 2004. Diário Oficial [da] República


Federativa do Brasil, Brasília, DF, 30 abr. 2004. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.865.htm>. Acesso em:
12 ago. 2014.

BRASIL. Lei n. 4.069, de 11 de junho de 1962. Diário Oficial [da] República


Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 jun. 1962. Disponível em: <http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4069.htm>. Acesso em: 12 ago. 2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 262 14/09/2015 15:08:54


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 263

BRASIL. Lei n° 8.387, de 30 de dezembro de 1991. Diário Oficial [da]


República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 1991b. Disponível
em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8387.htm>. Acesso em:
12 ago. 2014.

BRASIL. Portal da transparência. Disponível em: <http://www.transparencia.


am.gov.br/transpprd/mnt/receita/execRecAno.do>. Acesso em: 04 abr. 2014.

BRUM, Argemiro J. Desenvolvimento econômico brasileiro. 20. ed. Ijuí:


UNIJUI, 2005.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito constitucional e teoria da Constituição.


7. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CÔRTES, Osmar Mendes Paixão. Súmula vinculante e segurança jurídica.


São Paulo: RT, 2008.

DINIZ, Marcelo B.; MOTA, José Aroudo; MACHADO, José Alberto de.
O desmatamento da Amazônia em perspectiva. In: RIVAS, Alexandre; MOTA,
José Aroudo; MACHADO, José Alberto de. (Org.). Instrumentos econômicos
para a proteção da Amazônia. Curitiba: CRV, 2009.

FERNANDES JÚNIOR, Edson Nogueira. Consolidação da legislação tributária


do município de Manaus. Manaus: Valer, 2001.

FERREIRA, Sylvio Mário Puga. Desenvolvimento industrial da Zona


Franca de Manaus: paradigmas e propensões. Disponível em: <http://www.
desenvolvimento.gov.br/arquivo/secex/sti/indbrasopodesafios/revuniamazonas/
art5SylvioPuga.pdf>. Acesso em: 2 mar. 2011.

GARCIA, Etelvina. Modelo de desenvolvimento: zona franca de Manaus:


história, conquistas e desafios. 2. ed. Manaus: Norma, 2008.

GRECO, Marco Aurélio. Parecer: reedição de medidas provisórias e abuso do


poder de legislar: incentivos à informática e ZFM. Revista Dialética de Direito
Tributário, n. 66, p. 130-156, mar. 2001.

GRECO, Marco Aurélio. Zona Franca de Manaus: garantia de manutenção


da diferença. In: MARTINS, Ives Gandra da Silva; RAMOS FILHO, Carlos
Alberto; PEIXOTO, Magalhães Marcelo (Coord.). Tributação da Zona Franca
de Manaus. São Paulo: MP, 2008.

IBGE. Contas regionais do Brasil 2011. 2011. Disponível em <www.ibge.gov.br/


home/estatistica/economia/contasregionais/2011/default_xls_2002_2011.shtm>.
Acesso em: 15 jul. 2014.

IBGE. Produto Interno Bruto dos municípios. 2010. Disponível em: <http://
www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/2010/default_pdf.
shtm>. Acesso em: 15 jul. 2014.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 263 14/09/2015 15:08:54


264 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

ITAÚ. Relatório anual Amazonas: maio/2014. 2014. Disponível em: <https://


www.itau.com.br/_arquivosestaticos/itauBBA/contents/common/docs/AM_
maio2014.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2014.

LOPES, Mário Jorge Góes. Considerações jurídico-econômicas sobre a Zona


Franca de Manaus. Dissertação (Mestrado)– Faculdade de Direito, Universidade
de São Paulo,São Paulo, 1978.

LOUREIRO, Violeta Refkalefsky. A Amazônia no século XXI: novas formas de


desenvolvimento. São Paulo: Empório do Livro, 2009.

MAHAR, Dennis J. Desenvolvimento econômico da Amazônia. IPEA/INPEA.


Relatório de Pesquisa. Rio de Janeiro, 1978.

MANAUS (Brasil). Lei Orgânica do Município. Manaus: Câmara Municipal,


1990.

MARTINS, Ives Gandra da Silva (Coord.). Limitações ao poder impositivo


e segurança jurídica. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005. (Pesquisas
Tributárias. Nova série, n. 11).

OLIVEIRA JÚNIOR, Antonio de. Amazônia: a gênese de uma região de


planejamento. In: ARAGÓN, Luís E.; OLIVEIRA, José Aldemir (Org.).
Amazônia no cenário Sul-Americano. Manaus: Universidade Federal do
Amazonas, 2009.

ONU. Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Relatório


“Nosso Futuro Comum”. [S.l.], 1987.

PONTES, Helenilson Cunha. Segurança jurídica e tributação. In: MARTINS,


Ives Gandra da Silva (Coord.). Limitações ao poder impositivo e segurança
jurídica. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005. (Pesquisas Tributárias. Nova
série, n. 11).

PONTES, Rosa Oliveira de. O modelo de desenvolvimento do polo industrial e


a discussão sobre a segurança jurídica. 2011. 326 f. Dissertação (Mestrado em
Ciências Jurídicas)– Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

PORTAL da transparência do Estado do Amazonas. 2014. Disponível em:


<http://www.transparencia.am.gov.br/transpprd/mnt/receita/execRecAno.do>.
Acesso em: 04 abr. 2014.

RAMOS, Rodrigo Octávio Jordão. A Amazônia: uma estratégia para a


sua preservação. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, Imprensa
Universitária, 1971.

REALE, Miguel. Prefácio. In: CAVALCANTI FILHO, Theófilo. O problema da


segurança no direito. São Paulo: RT, 1964.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 264 14/09/2015 15:08:55


Capítulo 10 • Zona Franca de Manaus (ZFM): circunstâncias históricas, cenário contemporâneo... 265

RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Arrecadação por Estado (mês a mês). 2014.


Disponível em: <http://www.receita.fazenda.gov.br/Historico/Arrecadacao/
PorEstado/default.htm>. Acesso em: 03 abr. 2014.

RIBEIRO, Alísio Cláudio Barbosa. Incentivos fiscais estaduais como


instrumento complementar de política industrial para a zona franca de Manaus.
In: MARTINS, Ives Gandra da Silva et al. (Coord.). Tributação da zona franca
de Manaus: comemoração aos 40 anos da ZFM. São Paulo: MP, 2008.

RIVAS, Alexandre; MOTA, José Aroudo; MACHADO, José Alberto da C.


Apresentação: o polo industrial de Manaus e a proteção da Amazônia. In:
RIVAS, Alexandre; MOTA, José Aroudo; MACHADO, José Alberto de. (Org.).
Instrumentos econômicos para a proteção da Amazônia. Curitiba: CRV, 2009.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. O princípio da coisa julgada e o vício da


inconstitucionalidade. In: ______. (Coord.). Constituição e segurança jurídica:
direito adquirido, ato jurídico perfeito e coisa julgada. Belo Horizonte: Fórum,
2005.

ROSENFIELD, Denis Lerrer. Manipulação e insegurança jurídica. In:


GERMANOS, Paulo André Jorge (Coord.). Segurança jurídica. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2010.

SÁ, M. T. Vieira; MACHADO, J. A. C. Polo industrial de Manaus (PIM): a


medida de seu valor adicionado comparado ao resto do Brasil. In: Congresso
Brasileiro de Economia, 20., 2013, Manaus. Anais... Brasília: COFECON, 2013.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 23. ed.
São Paulo: Malheiros, 2004.

SOUSA, Nali de Jesus. Desenvolvimento econômico. 5. ed. São Paulo: Atlas,


2005.

SUFRAMA. Áreas de livre comércio. Disponível em: <http://www.suframa.gov.


br/suframa_descentralizadas_alcs.cfm>. Acesso em: 7 mar. 2011.

SUFRAMA. Incentivos. Disponível em: <http://www.suframa.gov.br/zfm_


incentivos.cfm>. Acesso em: 15 out. 2009.

SUFRAMA. Indicadores de desempenho do pólo industrial de Manaus: 2009-


2014. 2014. Disponível em: <http://www.suframa.gov.br/download/indicadores/
RelatIndDes_4_2014.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2014.

TAVARES, Maria da Conceição. Auge e declínio do processo de substituição de


importações no Brasil. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos
de pensamento da Cepal. v.1. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 265 14/09/2015 15:08:55


Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 266 14/09/2015 15:08:55
Capítulo 11

Caminhos da agropecuária
amazônica como instrumento
de desenvolvimento
Alfredo Kingo Oyama Homma

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 267 14/09/2015 15:08:55


268 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Introdução
Acompanhei a evolução da agricultura na Amazônia nos últimos
45 anos, quando iniciei minhas atividades em Manaus após a conclusão
do curso de agronomia em 1970, na Universidade Federal de Viçosa
(UFV). Seria imaginar o mesmo percurso para aqueles que estão
iniciando no presente para perscrutar a Amazônia em 2060. No início
da década de 1970, um cidadão comum jamais poderia imaginar o uso
de internet, celular, netbook, ultrabook, Ipod, Ipad, tablet, TV de plasma,
ponte sobre os rios Guamá e Negro, torres de transmissão da altura da
Torre Eiffel, etc., como algo rotineiro na Amazônia (BLAINEY, 2012).
O primeiro salário como profissional foi para adquirir uma máquina
de escrever Olivetti Lettera 22, considerada prática na época. Imaginar
como seria a agricultura na Amazônia para as próximas quatro
décadas, inter-relacionando com outros setores da economia, constitui
um desafio sem precedentes.
Nasci em 1947, em Parintins, Amazonas, para onde meu pai
imigrou em 1933, da Província de Niigata, norte do Japão. Largou
o primeiro ano de Direito em Tóquio para frequentar a Escola de
Imigração e Colonização recém-aberta por Tsukasa Uyetsuka (1890-
1978) para treinar os emigrantes para a Amazônia. A minha mãe
chegou com seus pais, da Província de Okayama, sul do Japão, também,
embalados no grande projeto de emigração de Tsukasa Uyetsuka, mas
em navios diferentes, e se casaram no Brasil. Tiveram três filhos, sendo
dois homens e uma mulher. O navio, a província de origem e o ano de
chegada passam a ser o ponto de identificação entre os emigrantes que
deixaram o Japão.
O meu avô materno Ryota Oyama (1882-1972), foi quem efetuou
a aclimatação da juta. Os japoneses que chegaram a Parintins se
estabeleceram em área de várzea, para cultivar a juta, que marcou o
início da agricultura na Amazônia e do processo de agroindustrialização
local com a instalação dos jutifícios. O sucesso decorreu da mão de
obra liberada dos seringais, provocada pela crise da borracha, e da
II Guerra Mundial, ao impedir a importação da juta indiana. No seu
auge, na década de 1960, chegou a contribuir com um terço do PIB
do Estado do Amazonas, e com mais de 60 mil famílias envolvidas no
seu cultivo. Foi uma atividade muito importante na economia pós-crise
da borracha e da economia pré-Zona Franca de Manaus, marcando
o segundo ciclo da economia do Amazonas. O cultivo praticamente
desapareceu com o aparecimento de fibras sintéticas, o deslocamento
de mão de obra para as atividades da Zona Franca de Manaus, o

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 268 14/09/2015 15:08:55


Capítulo 11 • Caminhos da agropecuária amazônica como instrumento de desenvolvimento 269

transporte a granel e a abertura de mercado durante o Governo Collor


(1990-92). A produção de fibra de juta na Amazônia levou o Brasil à
autossuficiência em 1953 e, com o declínio, o reinício das importações
em 1970 e seu desaparecimento a partir da década de 1990.
Em 1949, minha família resolveu sair de Parintins. Com a
guerra, houve o confisco dos bens dos japoneses. A Vila Amazônia
(Parintins) e pertences dos imigrantes, como rádio, armas, motor, tudo
foi confiscado. Meu pai ficou preso seis meses com o cônsul alemão e
italiano, mas foi bem tratado, uma vez que com mais de 10 anos de
imigração, os japoneses já haviam feito uma teia de relações com os
brasileiros e tinham respeito pela introdução da juta. Ele distribuía
sementes de juta em Manacapuru, a serviço da Associação Comercial
do Amazonas, e o pessoal entendia que ele era “quinta coluna”,
designação dada para os elementos do Eixo no país, como se fossem
espiões (PRIMEIRO, 1971). Os alemães e os japoneses ficaram muito
visados nessa época, devido ao afundamento de 34 navios na costa
brasileira e à morte de 1.081 tripulantes e passageiros (SIOLI, 2006).
Em Belém, casas de japoneses e italianos chegaram a ser depredadas.
Mas não houve exageros, muita coisa é pura fantasia, na tentativa
de obter indenização, como ocorreu com as vítimas da ditadura
militar. Os japoneses eram obrigados a apresentar “salvo conduto”
para qualquer deslocamento que fossem efetuar, junto às autoridades
policiais. Meu avô ganhou muitas medalhas e condecorações, tanto do
governo brasileiro quanto do japonês, pelo seu trabalho com a juta,
mas a nossa família vivia em extrema miséria.
A família migrou para Pernambuco, no atual município de Jatinã,
às margens do Rio São Francisco. Lá trabalhou com o famoso agrônomo
Eudes Souza Leão Pinto (1920), que mais tarde, tornou-se o primeiro
presidente do Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrário (INDA),
e acreditou no plantio de juta nas margens do Rio São Francisco. Logo
após o sucesso da juta nas várzeas do Rio Amazonas, houve tentativas
de seu plantio no Amapá, Maranhão, Minas Gerais e Espírito Santo,
e somente no último‑ teve pequena produção, que desapareceu
rapidamente. Com o insucesso em Pernambuco, a família mudou-se
para Ilhéus, Bahia, onde nasceu minha irmã (1950). A partir de Ilhéus,
começo a ter recordações dos locais de moradia. Em Ilhéus a família
também não deu certo, trabalhando em terra arrendada no plantio de
hortaliças, e transferiu-se para Cariacica, perto de Vitória, no Espírito
Santo, adotando o mesmo procedimento. Em seguida mudamos para o
interior do Maranhão, na região central do estado, no atual município
de Lima Campos, região da palmeira de babaçu. A vinda de nordestinos

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 269 14/09/2015 15:08:55


270 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

para ocupar terras devolutas provocava, semanalmente, assassinatos


com “peixeira”, motivados por brigas pelas terras. Um empregado
do meu pai chegou em um domingo, ensanguentado, para pedir as
contas, afirmando que tinha matado uma pessoa e precisava fugir. Em
Lima Campos morava também o avô materno (Assuéro Leopoldino
Ferreira) do senador José Sarney (1930), que era chefe político local e
frequentemente aparecia em nossa casa (ECHEVERRIA, 2011).
Lembro que, quando Getúlio Vargas (1883-1954) se suicidou,
nossa família estava em Lima Campos, e me recordo de ter ouvido
muita gente falando sobre o assunto, sem entendê-lo. A região já
representava uma frente de ocupação de colonos nordestinos, que seria
ampliada a partir da criação da Superintendência de Desenvolvimento
do Nordeste (Sudene) em 1959. Tive oportunidade de retornar a
Lima Campos em 12 de julho de 2014, depois de 60 anos, e a cidade
estava completamente irreconhecível. Depois a família mudou-se para
São Luís, uma vez que a escola era muito difícil para quem morava
no interior. Fiz somente o quarto ano primário e entrei direto para o
ginasial. Em São Luís nasceu meu irmão (1955). A prioridade da família
era educar os filhos, que estudavam apenas em casa. Meu pai era muito
rígido. Era faixa preta de judô, segundo dan, da melhor escola de
judô no Japão, uma vez que a Escola de Emigração e Colonização, no
início, funcionou nesse local. Não admitia nota baixa. Todos os filhos
passaram em primeiro lugar nos vestibulares. Passei em Viçosa, Minas
Gerais. A minha irmã, em Medicina em São Luís, e meu irmão caçula
em Ouro Preto, Minas Gerais, em metalurgia. Meu pai acreditava que
a única forma de ascender no Brasil era pela educação. Ele entendia
que o Brasil era um país 50 anos atrasado em relação ao Japão, em
termos de transporte, educação, organização pública, etc.
Estudei em escola secundária pública. O ensino público naquela
época era referência. Frequentei o Liceu Maranhense, fundado em 1838,
no tempo em que existia o exame de admissão. O Liceu era considerado
a melhor escola de São Luís. Muitos contemporâneos tornaram-se
pessoas importantes no estado e no país. Era como se fosse o Paes de
Carvalho, em Belém, fundado em 1841, ou o Colégio Amazonense
D. Pedro II, em Manaus, fundado em 1869. Naquele tempo havia falta
de transporte, e para ir para a escola, eu caminhava 8 km, e na volta
trabalhava na horta e estudava a noite com à luz de lamparina.
Em 1967, iniciei o curso de agronomia na Universidade Rural
do Estado de Minas Gerais (Uremg) que seria transformada na UFV,
em 1969. A razão de ter ido para lá foi por conta do famoso botânico

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 270 14/09/2015 15:08:55


Capítulo 11 • Caminhos da agropecuária amazônica como instrumento de desenvolvimento 271

Chotaro Shimoya (1912-1977), que veio fazer um estudo no Maranhão


a convite da Sudene, e do baixo custo de manutenção na UFV. Foi uma
viagem bem atribulada de ônibus, de São Luís até Leopoldina (MG), na
qual levei uma semana para chegar a Viçosa. Naquele tempo era muito
difícil o deslocamento entre as regiões do país. Isso se deu em 1966, e
eu tinha 19 anos.
Graduei em 1970 e fui trabalhar na extinta Comissão de
Desenvolvimento Econômico e Social do Amazonas (Codeama),
presidida por Ozias Monteiro Rodrigues (1933-2006). Naquela época,
com uma graduação em Viçosa tinha a possibilidade de pelo menos
sete opções de emprego. Fiquei com a pior opção em termos salariais.
Houve uma migração grande do pessoal formado em Viçosa, para
trabalhar na Acar-Amazonas, que pagava muito bem. Permaneci
apenas sete meses na Codeama e consegui ser contratado no antigo
Instituto de Pesquisa e Experimentação Agropecuária da Amazônia
Ocidental (IPEAAOc), fundado em 1969, localizado no Km 30 da
estrada Manaus-Itacoatiara, chefiado por Fernando Burlamaqui
Monteiro, irmão do famoso escritor paraense Benedito Monteiro
(1924-2008). Esta instituição, fundada pelo ministro da Agricultura,
Ivo Arzua Pereira (1925-2012), em 1969, era bastante precária, mas
seria o embrião da atual Embrapa Amazônia Ocidental. Era distante,
somente floresta em ambas as margens da estrada, e onde, do Km 30
ao Km 80 estava localizada a Colônia Japonesa Ephigênio Salles (1958),
que se dedicava a hortaliças, pimenta-do-reino, fruteira e aves. As aves
eram importantes para fornecer adubo orgânico para os plantios,
bastante difícil na época (figuras 1 e 2).
Na Codeama, fundada por Arthur Cesar Ferreira Reis (1906-
1993), em 1971, ocorria, a segunda maior cheia do Rio Amazonas,
não havia serviço para mim, e estava em período de mudança para o
Governo João Walter de Andrade (1919-2008). Na Codeama aproveitei
o tempo para ler quase a maioria dos livros da biblioteca que ficava
no porão, sobre a questão extrativa da borracha, castanha-do-pará,
guaraná, juta, história da Amazônia e da metamorfose da Zona Franca
de Manaus. No IPEAAOc, a despeito de estar em uma instituição
de pesquisa agrícola, era emblemático lembrar que naquela época,
em toda a Região Amazônica, havia apenas três pesquisadores com
nível de mestrado. No IPEAAOc havia um, que constituía argumento
poderoso para justificar propostas de financiamento na Suframa e na
Sudam. Os outros dois eram do Instituto de Pesquisa e Experimentação
Agropecuária do Norte (Ipean) sediado em Belém, hoje, Embrapa

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 271 14/09/2015 15:08:55


272 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Amazônia Oriental. Considero o trabalho mais importante que realizei


no IPEAAOc um levantamento do centro produtor de sementes de
juta em Alenquer, que se tornou clássico, e um sobre a descorticação
mecânica da fibra de juta. A questão das sementes de juta sempre
foi um tema delicado para o Estado do Amazonas, que agudiza no
presente com o interesse na retomada da produção de malva. Perdi
oportunidades de conhecer melhor o interior do Estado do Amazonas.
Em 1973, a recém-criada Embrapa incorporou o IPEAAOc.
A primeira ação da empresa foi promover um agressivo programa de
treinamento de pesquisadores em nível de mestrado e doutorado, no
país e no exterior, atingindo dois mil pesquisadores em uma década.
O mestrado naquele tempo era algo quase inacessível. O Brasil fez uma
revolução silenciosa na pós-graduação, graduando 15.696 doutores e
36.891 mestrados em 2014. Fiz o mestrado entre 1974 e 1976. Durante
a graduação, tomei gosto pela economia, como área importante para
resolver os problemas da agricultura.
Em 1972, ano anterior à criação da Embrapa, existiam 872
técnicos envolvidos com a pesquisa agrícola no Ministério da
Agricultura. Destes, somente 10,7% tinham completado o curso de
mestrado e apenas 0,3% o de doutorado (ANDRADE, 1985). Em julho
de 1985, para um quadro de 1.653 pesquisadores da Embrapa, estes
quantitativos passaram a ser, respectivamente, 17% (graduados), 62%
(mestrados) e 21% (doutores). Houve, portanto, uma inversão positiva
no quadro do pessoal técnico-científico.

Figura 1. Fase pré-Embrapa no Amazonas: sede principal do IPEAAOc


em 1970, na margem da rodovia Manaus Itacoatiara, Km 30, atual
Embrapa Amazônia Ocidental1.
Fonte: Reunião de diretores da pesquisa agropecuária federal, 1970.
1
Comparando com a situação atual, ocorreu grande avanço.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 272 14/09/2015 15:08:55


Capítulo 11 • Caminhos da agropecuária amazônica como instrumento de desenvolvimento 273

Figura 2. Equipe de pesquisadores do IPEAAOc no início da década de 19702.


Fonte: Gentileza de Fernando Antônio Araújo Campos, 2014.

Com a criação da Embrapa (1973), tive a oportunidade de cursar


o mestrado em Viçosa. Este curso provocou grande mudança, pois
aprendi a fazer pesquisa sob a sábia orientação do Prof. Antônio Raphael
Teixeira Filho e dos professores do Departamento de Economia Rural
da UFV. Fiz minha pesquisa de tese de mestrado na Transamazônica,
onde se concentrava o interesse dos brazilianist, no desenvolvimento
das teses de pós-graduação. Este exemplo encarna o interesse cíclico
dos pesquisadores sobre a região.
A Transamazônica serviu de tema de dezenas de teses de pós-
graduação. Três americanos: Philip Fearnside, Emilio Moran e Nigel
Smith, todos iniciaram a carreira acadêmica desenvolvendo sua tese
de doutorado sobre a Transamazônica. Encontrei o Philip Fearnside
e Judith Rankin, na agrovila Grande Esperança, no Km 50, ambos
coletando dados para sua tese de doutoramento. Todos os três se
tornaram grandes conhecedores da Amazônia, destacando-se Philip
Fearnside, que se radicou no país, como pesquisador do Inpa. Quanto

2
Observa-se Maria Pinheiro Fernandes Corrêa, o autor, Luiz Januário Magalhães Aroeira,
Fernando Antônio Araújo Campos, Antônio Francisco Souza, técnico do Campo Experimental
de Porto Velho, Luiz Fernando Monteiro, técnico do Campo Experimental de Rio Branco.
Sentados: Marcos Antonino Porto (Campo Experimental de Boa Vista), Luiz Carlos Almeida,
João Maria Japhar Berniz, Acilino do Carmo Canto.

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 273 14/09/2015 15:08:56


274 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

à tese de mestrado, perdi a oportunidade de aprofundá-la, faltou mais


empenho e a visão do conjunto.
Na Amazônia ocorrem modismos nos trabalhos de teses. Com
o recrudescimento dos desmatamentos a partir da década de 1970, os
temas da pecuária, da extração madeireira, da questão indígena, dos
garimpos, passaram ser os assuntos dominantes. Com o assassinato de
Chico Mendes (1944-1988), o tema do extrativismo passou a dominar,
coincidindo com o ano da minha defesa de tese, mas com resultados
totalmente contrários ao que pregavam os ambientalistas.
O falecido professor Fernando Antônio Silveira Rocha (1938-1999),
ex-presidente da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e
Sociologia Rural (Sober), que participou da minha Banca de Defesa,
quis saber como antevi a importância do extrativismo. Foi puramente
obra do acaso e da sorte, também, para a Maria Osmarina Marina
Silva de Lima, Jorge Ney Macedo Viana Neves, Osmarino Amâncio
no campo político, e outros. Recebi vários prêmios, e passados 26 anos
da defesa, ainda continuo fazendo palestras sobre o tema da minha
tese. Até junho de 2015, completei 82 palestras relativas à minha tese,
envolvendo extrativismo, extração, domesticação, produto florestal
não-madeireiro, extractive economy, etc. No momento, Belo Monte,
serviços ambientais, economia verde, dendezeiro, passam a ganhar
relevância por parte dos pesquisadores.

Perfis de coragem: Pioneiros que


mudaram a agricultura na Amazônia
Na Amazônia, o papel dos introdutores de plantas, criações,
aproveitamento dos recursos naturais, etc. responde pelo sucesso de
muitas atividades agrícolas. Pode assumir resultado inverso quando elas
culminam na transferência de recursos genéticos para outros locais,
promovendo a desintegração econômica ou a perda de oportunidades.
Com a eclosão da questão ambiental, o papel dos desbravadores,
responsáveis pela fundação de diversos povoados, municípios, grandes
empreendimentos, está sendo associado à ideia da destruição da
Amazônia. Nesta seção, procurar-se-á enfocar apenas aqueles pioneiros
que foram responsáveis pelas inovações tecnológicas, mas não se pode
descartar o papel dos desbravadores no desenvolvimento da agricultura
na região. São exemplos desses pioneirismos: Hachiro Fukuhara (1874-
1943) e Tsukasa Uyetsuka (1890-1978), responsáveis pela imigração
japonesa na Amazônia, a fundação de Sinop, por Enio Pipino (1917-

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 274 14/09/2015 15:08:56


Capítulo 11 • Caminhos da agropecuária amazônica como instrumento de desenvolvimento 275

1995), de Alta Floresta, por Ariosto da Riva (1915-1992); a lista de


personagens seria imensa, e eles provocaram impactos nacionais,
estaduais, municipais ou locais. Não se pode deixar de mencionar o
papel das políticas públicas e das grandes obras: abertura da Belém-
Brasília, Transamazônica, incentivos fiscais, etc. como indutoras dessas
transformações.
Em se tratando de inovações tecnológicas, esses pioneiros nem
sempre são pesquisadores ou profissionais da área agrícola, mas
indivíduos dotados de grande curiosidade, sentido de observação,
perseverança e perspicácia de antever o futuro (MERCANTE, 2006;
TECNOLOGIA..., 2009). Os impactos desses resultados destroem
muitas das ações recomendadas pelas instituições de pesquisa agrícola
no país, como pesquisa multi(inter)(trans)(pluri)disciplinar, portfólio,
arranjos produtivos, cadeias produtivas, entre outros, quando na
maioria constituem resultados individuais. As pessoas que fizeram
contribuições reais para a agricultura amazônica tiveram vocação
voltada para determinada planta/atividade, com perseverança, e nunca
seguindo o caminho fácil dos atalhos.
As oportunidades para a biodiversidade amazônica vão depender
de pessoas que dediquem 10, 20 ou 30 anos ao estudo do pau-rosa,
do tucumanzeiro, do uxizeiro, do puxurizeiro, do piquiazeiro, de
plantas medicinais, aromáticas, inseticidas, etc., procurando vencer
as limitações existentes. Os pesquisadores antigos estavam muito mais
sintonizados com esse perfil do que na atualidade, quando estão mais
preocupados com a publicação de trabalhos científicos, induzidos pelo
atual sistema de avaliação do Qualis, que tem prejudicado seriamente
as pesquisas agronômicas na Amazônia.
Entre os pioneiros dos séculos 18 e 19 merecem destaque Francisco
de Mello Palheta (1670 -1750), que introduziu o cafeeiro trazido da
Guiana Francesa em 1727, tornando-se a maior riqueza nacional, e
Vicente Chermont de Miranda (1849-1907) que introduziu o rebanho
bubalino trazido da Guiana Francesa em 1882. Nas primeiras quatro
décadas do século 20, destacam-se Henry Ford (1863-1947), que em
1927 iniciou o primeiro grande plantio de seringueiras no país na
região de Santarém; Ryota Oyama (1882-1972), que aclimatou a juta
indiana para as condições das várzeas amazônica a partir de 1937 e
Makinosuke Ussui, que introduziu as mudas de pimenta-do-reino em
1933, tornando o país um dos grandes produtores mundiais desta
cultura (HOMMA, 2013).

Pan-Amazonia_visao_historica_perspectivas_de_integracao_e_crescimento_2015.indd 275 14/09/2015 15:08:56


276 Pan-Amazônia: visão histórica, perspectivas de integração e crescimento

Na época contemporânea, os empresários schumpeterianos têm


aproveitado as inovações tecnológicas disponíveis ou, quando inexistentes,
efetuando adaptações, transferindo de outras regiões do país e do mundo e
arriscando em novos empreendimentos. Essa forma de expansão ocorreu
com os plantios de arroz irrigado em Roraima, desativados em 2009,
e no Estado do Maranhão; com os plantios de soja no Estado de Mato
Grosso; e com o dendezeiro, aproveitando a experiência iniciada em 1963
por Clara Pandolfo (1912-2009), quando implantou através da Sudam
o plantio pioneiro no atual município de Santa Bárbara do Pará, atual
Dendê do Pará S/A. Daniel Keith Ludwig (1897-1992), em 1967, iniciou
plantios de gmelina, eucalipto e pinus em larga escala na Amazônia, com
a implantação do Projeto Jari; em 1977, o produtor holandês Leonardus
Josephus Phillipsen efetuou o primeiro plantio comercial de soja de 32
ha, no município de Balsas, Maranhão; Noboru Sakaguchi (1933-2007)
e Mitinori Konagano dedicaram-se ao aperfeiçoamento e difusão dos
Sistemas Agroflorestais em Tomé-Açu; Katsutoshi Watanabe, de Tomé-
Açu, destaca-se como o primeiro plantador de cupuaçuzeiro em escala
comercial no Estado do Pará; Seya Takaki (1959-2014) e Sérgio Vergueiro
são incentivadores no plantio de castanheiras; Noboru Takakura e
Shigeru Hiramizu, nos plantios pioneiros com açaizeiro irrigado, que
estimularam o empresário Eloy Luiz Vaccaro, de Xanxerê (SC), ao plantio
de mais de um mil hectares de açaizeiros irrigados no município de
Óbidos, Estado do Pará. Akihiro Shironkihara (1923- ), em 1970, trouxe
as sementes de mamoeiro da variedade Sunrise Solo, desenvolvidas na
University of Hawaii, por Richard A. Hamilton, que modificou o hábito
de consumo dessa fruta no país.
A lista seria imensa, muitos em nível local, como o maior plantio de
coqueiros do Brasil da Sococo, no município de Moju (PA) em 1979; de
goiabeiras no município de Dom Eliseu (PA) como resultado da extinta
Bonnal; do agrônomo sergipano Antônio Soares Neto, da Emater
(PA), que no início da década de 1970, trouxe mudas de laranjeiras
de Sergipe, iniciando os primeiros plantios no município de Capitão-
Poço (PA); do cultivo de abacaxizeiro em Floresta do Araguaia (PA);
de arroz irrigado em Cachoeira do Arari (PA), desenvolvido por Paulo
César Quartiero; de cultivos de cafeeiros em Rondônia, entre dezenas
de outros exemplos. No início da década de 1990, Silvio D’Agnoluzzo,
do Grupo Concrem, deu início ao plantio do paricá (Schizolobium
amazonicum) nos municípios de Dom Eliseu e Paragominas, em escala
comercial, que teve rápida expansão atingindo mais de 88 mil hectares
nos Estados do Pará, Maranhão e Tocantins (ABRAF, 2013; MARQUES