Sunteți pe pagina 1din 8
Capitanias do Brasil

Capitanias do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

As capitanias do Brasil foram uma forma de administração territorial da

América portuguesa, parte do Império Português, pela qual a Coroa, com

Mapa das Capitanias do Brasil (1534)
Mapa das Capitanias do Brasil (1534)

recursos limitados, delegou a

determinadas áreas.

tarefa de

Régia de Dom Manuel I (r. 1495–1521) datada de 16 de fevereiro de 1504.

Entretanto, o uso sistemático das capitanias foi estabelecido apenas em 1532,

embora sua implementação só tenha começado em 1534. [1]

O insucesso das expedições guarda-costas de Cristóvão Jacques (inclusive o

sério incidente diplomático pelo qual foi responsável), assim como o

aumento do tráfico de pau-brasil e outros gêneros por corsários estrangeiros,

principalmente franceses no litoral do Brasil, em um momento de crise do

comércio português no Oriente, foram os fatores determinantes para a

iniciativa de colonização promovida pela Coroa.

A criação das capitanias no Brasil fez com que muitos intérpretes

considerassem que o país teve um período feudal, mas tal interpretação

passou a ser contestada em 1930, de forma incipiente, pelo crítico de arte

Mário Pedrosa e o crítico literárioLívio Xavier, em "Esboço de Análise da Situação Brasileira". [2]

Índice

Capitanias hereditárias Administração

Sesmarias e o caso das sesmeiras

Outras capitanias Tipos Governo-geral

Territórios agregados antes da extinção

Extinção definitiva

Proposta de correção no traçado

Notas

Referências

Bibliografia

Capitanias hereditárias

Em 1534 foram criadas 14 capitanias hereditárias, divididas em 15 lotes. [3] Os beneficiários, doze, eram elementos da pequena

nobreza de Portugal. O sistema de donatários, combinando elementos feudais e capitalistas, havia sido utilizado com êxito no

desenvolvimento das ilhas da Madeira e dos Açores, e foi aplicado com menor êxito no arquipélago de Cabo Verde e, durante curto

espaço de tempo (1575), emAngola. [4]

De norte a sul as capitanias hereditárias iniciais no território continental eram:

Capitania

 

Limites aproximados [nota 1]

Donatário

   

(primeira secção)

a

(segunda secção)

   
   
   

Nova Lusitânia

 
   
   
   

lote

   

Amaro [nota 3]

a

Capitanias hereditárias (Luís Teixeira. Roteiro de todos os sinais Lisboa, Biblioteca da Ajuda , c.
Capitanias hereditárias (Luís Teixeira.
Roteiro de todos os sinais
Lisboa, Biblioteca da Ajuda
,
c. 1586.

Administração

O donatário constituía-se na autoridade máxima dentro da própria capitania,

tendo o compromisso de desenvolvê-la com recursos próprios, embora não fosse o seu proprietário.

Brasão de Duarte Coelho
Brasão de Duarte Coelho

O vínculo jurídico entre o rei de Portugal e cada donatário era estabelecido

que

da

Pela primeira, o donatário recebia a posse da terra, podendo transmiti-la aos filhos, mas não vendê-la. Recebia também uma sesmaria de dez léguas de costa. Devia fundar vilas,distribuir terras a quem desejasse cultivá-las, construir engenhos. O donatário exercia plena autoridade no campo judicial e administrativo para nomear funcionários e aplicar a justiça, podendo até decretar a pena de morte para escravos, índios e homens livres. Adquiria

alguns direitos: isenção de taxas, venda de escravos índios e recebimento de parte das rendas devidas à Coroa. Podia escravizar os indígenas, obrigando-

os a trabalhar na lavoura ou enviá-los como escravos a Portugal até o limite de 30 por ano.

A Carta Foral tratava, principalmente, dos tributos a serem pagos pelos colonos. Definia ainda, o que pertencia à Coroa e ao

donatário. Se descobertos metais e pedras preciosas, 20% seriam da Coroa e, ao donatário caberiam 10% dos produtos do solo. A Coroa detinha o monopólio do comércio do pau-brasil e de especiarias. O donatário podia doar sesmarias aos cristãos que pudessem colonizá-las e defendê-las, tornando-se assimcolonos.

Sesmarias e o caso das sesmeiras

O sistema de sesmarias surgiu em Portugal no final do século XIV como uma forma de reestruturar o território português devido à

crise alimentar pela qual passava. [1] Diferentemente do sistema de capitanías hereditárias, dentro do qual os donatários eram homens apenas, a sub-divisão das capitanías em sesmarias contou com a distribuição de terra para várias mulheres. Exemplos podem ser encontrados em plantas divisórias das sesmarias, e em cartas de doação, também conhecidas como datas. Em um mapa de sesmarias

no atual estado do Rio de Janeiro, por Francisco d’Paula Machado, há evidencia de pelo menos três sesmarias doadas a mulheres, e a

[6]

quais chegavam a ter maior extensão que as sesmarias de vários sesmeiros.

Outros exemplos são as datas de doação, como as de Dona Portazia de Bitancourt no atual estado de Tocantins, quem ao se tornar viúva foi capaz de obter terras que antes pertenciam a seu pai, quem por sua vez, era governador. [7] Outras sesmeiras foram: Luiza de Lima Camello da Paraíba, cujas terras lhe foram doadas em 1720 para poder criar seus gados; [8] Dona Joanna Antunes de Minas Gerais, a qual já vinha cultivando uma fazenda e possuía bastante gado e escravos, e a qual requereu com sucesso que tais terras lhe fossem doadas de forma legítima em 1728. [9]

Entretanto, quando se analiza tais documentos, as datas, tal sistema de sesmarias somente serviu para reforçar o sistema de desigualdade já existente na distribuição das capitanias: doava-se terras àqueles, ou aquelas, quem, ou haviam prestado serviços à

coroa, ou possuíam bens financeiros para desenvolver o latifúndio, ou, assim como na distribuição de capitanías, àqueles que fossem cristãos. Ao contrário do que diz Luciene Maria Pires Pereira, que “a obrigação da divisao das terras das capitanias em sesmarias a

qualquer pessoa, de qualquer condição que requeresse

colonos possível, impedindo, dessa maneira, a formação de grandes propriedades improdutivas”, [10] a mesma não considera a questão de que ao estabelecer, nas cartas forais das capitanias, a obrigação de dividi-las em sesmarias, há sim condições a respeito das pessoas permitidas a receber terras, como se nota na carta de doação à Pero de Campo, donatário de Porto Seguro:

teve

por intenção distribuir as terras do Brasil entre o maior número de

Primeiramente o Capitão da dita Capitania, e seus Sucessores darão, e repartirão todas as terras della de sesmarias a

quaesquer pessoas de qualquer qualidade, e condição, que sejamcomtanto que sejam christãoslivremente sem foro,

nem Direito algum somente o Dizimo, que serão obrigados a pagar a Ordem do Mestrado de Nosso Senhor JESUS

Christo de todo o que nas ditas terras houver”

— Biblioteca Nacional, 1939, p. 106 [11]

Desta forma, vale enfatizar que apesar de permitir que mulheres tivessem posse de terra, o sistema de sesmarias pode ser visto menos

como um sistema sexista, mas como menos igualitário pois se restringe à membros de certas classes sociais e crenças religiosas: o

que importava, de fato, era a condição financeira dos donatários e como os mesmos poderiam beneficiar a Coroa, e de certa forma a

Igreja Católica, através do seu contínuo serviço a estas instituições, e não o fato de que a Coroa queria distribuir terras à maior

quantidade de pessoas possível.

Outras capitanias

Real, constituindo a Capitania da Trindade. Essa doação também não acarretou consequências, na prática.

A Capitania da Baía de Todos os Santos, por morte de seu donatário, foi vendida pela viúva à Coroa, para fins da instalação da sede

do governo-geral, com a fundação da cidade doSalvador (1549). Um pouco mais tarde, ainda na região, foram doadas em 1556:

a ilha de Itaparica , a D. António de Ataíde , conde de Castanheira ,
a região do rio Paraguaçu, a D. Álvaro da Costa, constituindo aCapitania do Paraguaçu (Peroaçu),

a região do rio Paraguaçu, a D. Álvaro da Costa, constituindo aCapitania do Paraguaçu(Peroaçu), também

denominada comoCapitania do Recôncavo da Baia.

A primeira seção da capitania de São Vicente, que por falta de colonizadores havia sofrido a invasão francesa da baía de Guanabara,

entre 1555 e 1567, foi recriada comoCapitania Real do Rio de Janeiro.

A Capitania de Itamaracá, abandonada pelo donatário, foi recriada comoCapitania da Paraíbaem 1574.

No século XVII, outras capitanias foram criadas:

No Estado do Maranhão , no contexto da conquista do Norte do Brasil: Estado do Maranhão, no contexto da conquista do Norte do Brasil:

criada

Mapa de Joan Blaeu de 1640 já com a nova denominação de várias capitanias.
Mapa de Joan Blaeu de 1640 já com a nova denominação
de várias capitanias.
a Capitania de Campos dos Goitacases ,

a

antiga São Tomé, a Martim Correia de Sá(20 léguas) e a João Correia de Sá(10 léguas) (1674).

a Capitania-comarca de São João das Duas Barra s , ou província-comarca como consta no

a

Capitania-comarca de São João das Duas Barras, ou província-comarca como consta no despacho de sua

criação por Dom João VI. Existiu entre 1808 e 1814, perdendo o status de capitania logo depois, restando

somente a comarca. [12]

a Capitania de Itanhaém , um desmembramento da Capitania de São Vicente , criada em

Tipos

As capitanias podiam ser classificadas em:

Insulares e continentais — quanto à sua localização; e continentais — quanto à sua localização;

Permanentes e temporárias — quanto ao seu gênero de doação (a Capitania doada aPero Cápico seria e temporárias — quanto ao seu gênero de doação (a Capitania doada aPero Cápico seria do segundo gênero);

Hereditárias e reais — quanto à posse , se geridas por capitães hereditários ou por mandatários e reais — quanto à posse, se geridas por capitães hereditários ou por mandatários nomeados

[14]

diretamente pela Coroa. A propriedade, por outro lado, era exclusiva do Estado português;

Principais e subalternas — quanto ao nível de autonomia; a relação de dependência das capitanias subalternas e subalternas — quanto ao nível de autonomia; a relação de dependência das capitanias subalternas não era sempre a mesma. Ao passo que o Rio Negro e Santa Catarina, por exemplo, eram bastante dependentes do Grão-Pará e do Rio de Janeiro, respectivamente, as capitanias do Ceará, Paraíba do Norte e Rio Grande do Norte eram menos sujeitas a Pernambuco. [15]

Governo-geral

É costume afirmar-se que o sistema de capitanias hereditárias fracassou no Brasil,

diante da constatação de que apenas a Capitania de Pernambuco e a de São Vicente

lograram alcançar relativa prosperidade nas décadas seguintes. Em ambas, havia

prosperado a lavoura de cana-de-açúcar e, apesar dos problemas comuns às demais

indígenas.

Martim Afonso de Sousa
Martim Afonso de Sousa

O insucesso das demais certamente atrasou o desenvolvimento da terra. As

dificuldades eram maiores do que os donatários podiam calcular. Muitos donatários

nem chegaram a tomar posse das suas terras. Entre as causas para tal, relacionam-se:

a difícil adaptação às condições climáticas e a um tipo de vida diferente

do existente na Europa;

o alto custo do investimento, que não trazia um retorno imediato;

a falta de recursos humanos, por parte dos donatários, para

desenvolver os lotes;

os ataques das tribos indígenas e de corsários estrangeiros, assim como as disputas internas e dificuldades na aplicação da Justiça;

a

falta de comunicação e de articulação entre as diversas capitanias pelas enormes distâncias entre si, e entre elas

e

a metrópole;

a

ausência de uma autoridade central (governo) que amparasse localmente as Capitanias, referente à economia,

justiça e segurança.

Mesmo assim, o sistema de capitanias cumpriu os objetivos ao preservar a posse da terra para Portugal, lançando os fundamentos da

colonização, com base no tripé constituído pela grande propriedade rural, pela monocultura de um produto de larga aceitação na

Europa e pelo trabalho escravo.

Já em meados do século XVI, percebendo a dificuldade e os riscos ao projeto colonizador, a Coroa decidiu centralizar o governo do

Brasil, e enviou um primeiro governador-geral, Tomé de Sousa (1548).

Com a finalidade de "dar favor e ajuda" aos donatários e centralizar administrativamentea organização da Colônia, o rei de Portugal

resolveu criar, em 1548, o Governo Geral. Resgatou dos herdeiros de Francisco Pereira Coutinho a capitania da Bahia de Todos os

Santos, transformando-a na primeira capitania real ou da Coroa, sede do Governo Geral. Esta medida não implicou a extinção das

capitanias hereditárias e até mesmo outras foram implantadas, como a de Itaparica, em 1556, e a do Recôncavo Baiano, em 1566. No

século XVII continuaram a ser criadas capitanias hereditárias para estimular a ocupação do Estado do Maranhão.

Um Regimento instituiu o Governo Geral. O documento detalhava as funções do novo representante do governo português na Colônia. O governador-geral passou a assumir muitas funções antes desempenhadas pelos donatários. A partir de 1720 os governadores receberam o título de vice-rei. O Governo Geral permaneceu até a vinda da família real para o Brasil, em 1808.

Tomé de Sousa, o primeiro governador do Brasil, chegou em 1549 e fundou a cidade de Salvador, a primeira da Colônia. Trouxe três ajudantes para ocupar os cargos de: provedor - mor, encarregado das finanças; ouvidor - geral, a maior autoridade da justiça; e o de capitão - mor da costa, encarregado da defesa do litoral. Vieram também padres jesuítas chefiados por Manuel da Nóbrega, encarregados da catequese dos indígenas e de consolidar, através da fé, o domínio do território pelaCoroa portuguesa.

O controle da aplicação da justiça e a expansão da fé cristã, ações atribuídas ao Governo Geral, eram expressivas em relação ao

momento pelo qual passavam as monarquias europeias: o absolutismo e os movimentos decorrentes do surgimento do protestantismo.

Em 1551, no governo de Tomé de Sousa, foi criado o 1º Bispado do Brasil com sede na capitania real, sendo nomeado bispo D. Pero Fernandes Sardinha. Foram também instaladas as Câmaras Municipais, compostas pelos "homens bons": donos de terras, membros das milícias e do clero. Nesse período ainda foi introduzida, nessa capitania, a criação de gado e instalados engenhos. Com essas medidas o governo português pretendia reafirmar a soberania e a autoridade da Metrópole, e consolidar o processo de colonização.

Foi ainda no período do governo de Tomé de Sousa que chegou ao Brasil um considerável número de artesãos. De início trabalharam na construção da cidade de Salvador e, depois, na instalação de engenhos na região. Eles eram mão - de - obra especializada tão necessária na Colônia que a Coroa lhes ofereceu, caso viessem para o Brasil, isenção de pagamento do dízimo pelo mesmo prazo dado aos colonos.

Os governadores seguintes, Duarte da Costa (1553 - 1557) e Mem de Sá (1557 - 1572), reforçaram a defesa das capitanias, fizeram explorações de reconhecimento da terra e tomaram outras medidas no sentido de reafirmar e garantir a colonização. Mas enfrentaram grandes dificuldades: choques com índios e com invasores, especialmente os franceses; conflitos com o bispo, e com os próprios jesuítas que se opunham à escravidão indígena, e entre antigos e novos colonos.

Territórios agregados antes da extinção

A Colônia do Sacramento e, posteriormente a Província Cisplatina, territórios hoje uruguaios, ao sul do atual território brasileiro,

os portugueses deixado Caiena com a assinatura de um convênio entre a França e Reinoo

Extinção definitiva

Proposta de correção no traçado

Recentemente, um estudo do engenheiro Jorge Cintra, professor de História da Cartografia na Escola Politécnica, [18][19] mostrou que

há uma série de erros na visão tradicional e propõe alterações no desenho tradicional das capitanias hereditárias. Entre as alterações,

estão um traçado vertical, e não horizontal (meridianos e não paralelos), para as capitanias do Rio Grande para cima, bem como um traçado com linhas correndo a noroeste para a capitania de São Tomé e para o primeiro lote da capitania de São Vicente. Essa nova proposta baseia-se em documentos primários: em um mapa da época, o de Bartolomeu Velho (que supõem um traçado como o dessa proposta) e nas cartas de doação cujos originais consultados estão na Torre do Tombo em Portugal. As cartas de doação, além das léguas de cada capitania, indicam a direção das linhas divisórias. Nelas está presente o rumo das divisas ao sul e, por inferência, as linhas ao norte, que não podem ser para oeste pois nesse caso, pela conformação da costa, haveria uma capitania só de água. Os

textos referentes aos lotes ao norte indicam que as linhas correrão pelo sertão adentro e acrescenta que irão até os limites da soberania

portuguesa e que não deverão superpor-se a outras terras já doadas a outro capitão. Essa cláusula restritiva só faz sentido se essas

divisas não são paralelas às linhas das demais capitanias, pois nesse caso não haveria conflito.

Notas

1. Os limites são aproximados, apontando vilas ou acidente geográficos situados em pontos extremos do litoral, no sentido norte-sul. O limite a oeste é alinha de Tordesilhas.

2. A Capitania de São Vicente foi subdividida emdois lotes.

3. A Capitania de Santo Amaro ficava situada entre as duas subdivisões da Capitania de Sãoicente.V

Referências

1.

Hermann, Jacqueline.Cenário do encontro de povos.Em: “Brasil, 500 anos de Povoamento.”Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística, Rio de Janeiro, 2007. p. 21. Extraído de:

2.

3.

4.

Boxer. Charles, R

O

Império Marítimo Português. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. Página 101.

5.

6.

Machado, Francisco d’Paula.Mappa demonstrativo da sesmaria denominada de Francisco Ceia e Almeida. Biblioteca Digital Nacional. Extraído de:

7.

Menezes, Maria de Nazaré Angelo.Cartas de datas de sesmarias: uma leitura dos componentes mão-de-obra e sistema agroextrativista do vale do Tocantins colonial. Belém: 2000, p. 6.

8.

Synopsis das sesmarias da capitania da Parahyba: Comprehendendo o territorio de todo o estado do mesmo nome e parte do Rio Grande do Norte.Paraíba: 1893, p. 83. Biblioteca Digital Nacional.

9.

Documentos e Informaççoes para o Archivo Publico Mineiro. Cartas de Sesmaria.p. 17.

10.

Pereira, Luciene.As sesmarias em Portugal e no Brasil: a colonização do Brasil analisada por meio das cartas de doação e dos forais.São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 2010, p. 1.

11.

Pereira, Luciene.As sesmarias em Portugal e no Brasil: a colonização do Brasil analisada por meio das cartas de doação e dos forais.São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 2010, p. 11-12.

12.

13.

14.

PRADO JUNIOR, Caio (2011).Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras.

p.

340

15.

PRADO JUNIOR, Caio (2011).Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras.

p.

324

16.

17.

GOMES, Laurentino.1808 - Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007.

18.

19.

Bibliografia

ALMEIRA PRADO, João Fernando de.A Bahia e as capitanias do centro do Brasil . São Paulo: Companhia Editora Nacional, A Bahia e as capitanias do centro do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945.

ALMEIRA PRADO, João Fernando de.São Vicente e as capitanias do sul do Brasil . São Paulo: Nacional, 1961. São Vicente e as capitanias do sul do Brasil. São Paulo: Nacional, 1961.

BUENO, Eduardo . Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadore s . Rio de BUENO, Eduardo. Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadores. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999.

CALIXTO, Benedito de Jesus . Capitanias paulistas: São Vicente, Itanhaéme São Paulo . São Paulo, CALIXTO, Benedito de Jesus. Capitanias paulistas: São Vicente, Itanhaéme São Paulo. São Paulo, Rossetti, 1924.

CINTRA, Jorge Pimentel. Reconstruindo o mapa das capitanias hereditárias.Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material , 21 (2), 11-45, 2013, disponível em Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 21(2), 11-45, 2013, disponível emhttp://www.scielo.br/pdf/anaismp/v21n2/a02v21n2.pdf

DUSSEN, Adrien van der . Relatório sobre as capitanias conquistadas no Brasil pelos holandeses . DUSSEN, Adrien van der. Relatório sobre as capitanias conquistadas no Brasil pelos holandeses. Rio de Janeiro:

IAA, 1947.

JARDIM, Caio . A capitania de São Paulo sob governo d o Morgado de Mateus JARDIM, Caio. A capitania de São Paulo sob governo doMorgado de Mateus(1765-75). São Paulo: Departamento de Cultura, 1939.

KAHN, Siegmund Ulrich . As capitanias hereditárias, o governo geral, o Estado do Brasil . KAHN, Siegmund Ulrich. As capitanias hereditárias, o governo geral, o Estado do Brasil. In: Revista Ciência Politica, v. 6, n. 2, p. 53-114, abr./jun. 1972

LACOMBE, Américo Jacobina . Capitanias hereditárias . Coimbra: Universidade de Coimbra , 1978. LACOMBE, Américo Jacobina. Capitanias hereditárias. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1978.

STUDART FILHO, Carlos . Notas para a História das Fortificações no Ceará (Separata do Boletim STUDART FILHO, Carlos. Notas para a História das Fortificações no Ceará (Separata do Boletim do Museu Histórico do Ceará). Fortaleza: Ramos & Pouchain, 1937.

STUDART FILHO, Carlos.O antigo Estado do Maranhão e suas capitanias feudais . Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, O antigo Estado do Maranhão e suas capitanias feudais. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1960.

Esta página foi editada pela última vez às 14h32min de 21 de fevereiro de 2019.