Sunteți pe pagina 1din 23

Curso de Graduação em Engenharia Ambiental

Disciplina: BI62B - Biologia dos


Organismos

Profa. Patrícia C. Lobo Faria


http://paginapessoal.utfpr.edu.br/patricialobo
A semente
Embrião
• Sua formação ocorre
às custas do
endosperma, total ou
parcial.
• Estrutura alongada:
meristema apical
caulinar e radicular
• Folha embrionária –
cotilédone: fonte de
reserva e depois pode
ser fotossintetizante
(alguns)
Semente madura: relação
endosperma x cotilédones

Gimnospermas:
Pericarpo vários cotilédones

Endosperma totalmente absorvido, Endosperma permanece, é


plântulas com cotilédones espessos, consumido na germinação, plântulas
são a reserva a ser consumida. com cotilédones delgados, foliáceos
Coco: fruto seco indeiscente Castanha do Pará:
fruto e semente

AMENDOIM

pericarpo

4: endosperma

5: embrião NOZES
A Germinação
• Processo de absorção de água
(embebição) que ativa o metabolismo do
embrião contido na semente e dispara
seu crescimento, às custas das reservas
(endosperma e/ou cotilédones) e promove
a ruptura da casca e protrusão da radícula.
• Condições ideais: água, temperatura e
oxigênio em “quantidades” favoráveis
• Algumas espécies exigem luz e
temperatura específica (ou ), outras não!
Semente Semente
seca embebida

radícula
Morfologia da Plântula e Tipo de Germinação

cotilédones

Germinação epígea: Germinação hipógea:


cotilédones são elevados cotilédones permanecem no solo
acima do solo
Biologia Vegetal, Cap. 22
- Vida, Cap. 43
Morfologia da Plântula e Tipo de Germinação
(monocotiledôneas)

Germinação epígea: Germinação hipógea:


cotilédones elevados cotilédones enterrados
Biologia Vegetal, Cap. 22 –
Vida, Cap. 43
Germinação: cotilédones
Posição & Consistência/Função

GERMINAÇÃO HIPÓGEA
CRIPTOCOTILEDONAR

FANEROCOTILEDONAR
FOLIÁCEO

GERMINAÇÃO EPÍGEA

FANEROCOTILEDONAR - RESERVA
A Germinação
• Germinação no ambiente pode ser:
imediata, demorada ou atrasada.
• Dormência de sementes: ausência de
germinação em função da ausência de
um sinal específico do ambiente
(temperatura, luz) mesmo que ele
pareça favorável. Causas: inibidores,
barreira física (impermeabilidade)
ou imaturidade do embrião.
• Banco de sementes: conjunto de
sementes viáveis, armazenadas no solo
(dormentes), aguardando condições
favoráveis para a germinação.
• Escarificação: processo para
promover a ruptura ou o
amolecimento do envoltório da
semente para acelerar a germinação.
Pode ser mecânica (lixa, bisturi,
fervura, resfriamento) ou química
(ácidos).

• Viabilidade: capacidade de
germinar quando todas as
condições favoráveis estão
disponíveis. Tempo de viabilidade
muito variável.
Parte aérea: caules e folhas
Organização Geral dos caules
• Meristema apical ou
gema apical: células
Folhas jovens com alta atividade
mitótica, promovem o
crescimento
Meristema apical
• Gemas axilares ou
laterais (meristemas):
originam folhas,
Gema lateral
ramos, flores
• Nó: região de
inserção das folhas
• Entrenó: região entre
2 nós
• “folhas”
Partes do caule

GEMA
EA LATERAL
FOLHA??
ENTRENÓS

GEMA
APICAL
Partes da Folha: órgão de
forma extremamente variável –
fotossíntese
• Lâmina foliar ou limbo: porção
expandida, laminar
• Pecíolo: pedúnculo que une o Nervura principal
limbo ao caule (quando raque
ausente: folha séssil)
• Bainha: expansão da base
(do limbo foliar ou do pecíolo)
junto ao caule (maioria de
monocotiledôneas)
• Estípulas: projeções
laminares ou filamentosas na
base do pecíolo
• (Nervura principal ou ráque)
Regiões da Folha

Vista inferior: abaxial


Face superior: adaxial
Classificação das folhas: FILOTAXIA
Número de folhas por nó ou filotaxia:
• 1 folha por nó: folhas alternas
• 2 folhas por nó: opostas
• 3 ou + folhas por nó: verticiladas

OPOSTA

ALTERNA VERTICILADA
Classificação quanto à unidade do limbo

Nervura principal raque

PARTIDA ou PINADA ou BIPINADA


PECÍOLO

ou RECOMPOSTA
Classificação das folhas
• Unidade do limbo:
Folhas simples (só um “pecíolo”)
• inteiras
• partidas (ou lobadas)

Folhas compostas: limbo dividido em


folíolos, cada um com seu peciólulo
Pinadas: um nível de divisão
Bipinadas, duplamente compostas
ou recompostas: folíolos divididos
Referências
• Texto de apoio – página pessoal
• Partes dos capítulos: 22 (germinação e morfologia
plântula); 25 (caule e folha) e 8 (reprodução assexuada)
do livro Biologia Vegetal (Raven e colaboradores)
• VIDAL, W. N. & VIDAL, M. R. R. Botânica: organografia,
quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos.
• AGAREZ, F. V., PEREIRA, C. & RIZZINI, C. M. Botânica
- Angiospermae - Taxonomia, Morfologia, Reprodução,
Chave para determinação das famílias. Âmbito Cultural.
• https://youtu.be/iZMjBO6A7AE
• https://youtu.be/eKo5F87A8a0
• https://youtu.be/TJQyL-7KRmw
Folha composta
ou folha pinada

FOLÍOLO

RAQUE

LIMBO DIVIDIDO
EM 11 FOLÍOLOS

PECÍOLO
GEMA AXILAR
Folhas bipinadas, recompostas ou duplamente compostas

Limbo dividido em folíolos


e folíolos divididos em
foliólulos
Folhas Compostas

Digitadas Trifolioladas